Você está na página 1de 16

Aprender e praticar gramática

Mauro Ferreira
Edição renovada - 2003

Respostas dos exercícios de vestibulares

Unidade 1 – Fonologia
1. d 2. c 3. d 4. d
5. b 6. b 7. b 8. d
9. a 10. b 11. e 12. e

Unidade 2 – Ortografia
1. b 2. c 3. c 4. b
5. d 6. c 7. b 8. b
9. b 10. d 11. (04, 08, 16) 12. d
13. c 14. d 15. a 16. d
17. a) acerca da – ascensão – privilégios; b) atribui – possui – obsoleta
18. a 19. b 20. a 21. (01, 02, 32)
22. d 23. b 24. c 25. c
26. e 27. a 28. c

Unidade 3 – Acentuação gráfica


1. e .b 3. a 4. d
5. a 6. a 7. a 8. c
9. e 10. c 11. b 12. a
13. e 14. c 15. b 16. c
17. e 18. e

Unidade 4 – O universo da linguagem – variações lingüísticas


1. e 2. d 3. b 4. e
5.
a) São informais: “deita e rola”, “por cima da carne-seca”, “um inferno” e “entrar em
parafuso”.
b) Em linguagem formal, essas expressões poderiam ser substituídas, respectivamente,
por: “decide arbitrariamente/decide da maneira que bem entende”, “tem o controle da
situação/tem o poder de decisão”, “muito difícil/desesperadora” e “perder o controle/entrar
em colapso”. (Obs.: Há outras possibilidades.)
6. b 7. b 8.a 9. a
10. A/O rádio informou/noticiou que os funcionários da prefeitura terão que se esforçar/empenhar/
desdobrar para resolver/retificar/sanar a falha/o erro cometido na obra da Lapa.
11.
a) Trata-se de certos grupos sociais jovens urbanos que, influenciados pelos meios de
comunicação de massa, adere a modismos lingüísticos, musicais e de comportamento. São
marcas desse estilo, no vocabulário: “massa”, “pedaço”, “Sampa”, “cara”, “manjar” etc.;
na estrutura das frases: “dá um look”, “esses cara não foi”, “quem eles foi” etc.
b) As pessoas citadas atuaram no campo da música erudita. Isso se conclui pelas
referências “século 20 musical” e “Groves International” (livro sobre música clássica).
c) O maestro critica a pouca importância dada aos músicos eruditos brasileiros, ao
contrário do que ocorre com artistas populares. Citando artistas de renome internacional,
o maestro reivindica para eles o mesmo reconhecimento dado a músicos/cantores mais
populares.

12. I, II e IV

13. Sugestão: As roupas, para que possam ser devolvidas aos hóspedes no mesmo dia, devem ser
recolhidas à lavanderia até as 10 horas. Haverá um acréscimo de 50% no valor normal em dois casos:
1º) se o hóspede tiver urgência do serviço;
2º) se o hóspede desejar receber no mesmo dia a roupa que for recolhida à lavanderia
depois das 10 horas.
14.
a) O objetivo do texto é explicar o que é uma revolução.
b) Uma revolução é um processo conflituoso, através do qual uma determinada classe social
toma de outro o poder político.
15.
a) bate-papo; conversa; navegando; rede.
b) “Levar gato por lebre” é um ditado popular que traduz uma situação em que alguém é
enganado; a pessoa supõe estar recebendo/comprando algo bom (“lebre”), mas acaba,
sem saber, recebendo/comprando algo diferente e de pior qualidade (“gato”). No plano
amoroso-sexual, “gato/gata” é um termo usado em referência a uma pessoa bonita,
fisicamente atraente, sensual.

Unidade 5 – Elementos estruturais da palavra


1. c 2. c 3. e 4. d
5. d 6. e 7. a 8. a
9. b 10. e 11. b 12. c
13. c 14. a) indizível; b) inaudível 15. b
16. c 17. c 18. e 19. e
20. e
21. Loveu equivale a amou. O grafiteiro empregou o verbo inglês (to) love (= amar) e acrescentou o
u (desinência número-pessoal do verbo amar, na 3.ª pessoa do singular do pretérito perfeito), usado na forma
portuguesa.

Unidade 6 – Processos de formação de palavras


1. b 2. e 3. c 4. d
5. d 6. b 7. b 8. b
9. e 10. b
11. lobisomem – composição por aglutinação; linguarudo – derivação sufixal
12. c 13. d 14. c 15.c

Unidade 7 – Substantivo
1. b 2. e 3. e 4. e
5. a 6. b 7. b 8. c
9. c 10. e 11. e 12. d
13. A troca não é possível porque as duas palavras têm significados diferentes. Em 1, jeitinho equivale
a “estilo”, “forma especial de fazer algo”; em 2, jeito significa “solução”, “saída para os problemas”. Se em 1
fosse usada jeito, a frase perderia a afetividade, o tom de intimidade e “segredo” que ela sugere. Em 2, se
usada a palavra jeitinho, ela passaria a ter sentido pejorativo, o que, no contexto, certamente não era a
intenção do falante.
14.
a) O efeito expressivo baseia-se no emprego de verbos indicativos de atividades agrícolas.
Esses verbos, referindo-se à relação direta do ser humano com a natureza, sugerem que a
atividade social do homem seja semelhante àquela atividade.
b) O cultivo de amizades, a semeadura (ou semeação) de empregos e a preservação
da cultura fazem parte da nossa natureza.

Unidade 8 – Artigo
1. b 2. b 3. d
4.
a) O artigo definido individualiza os substantivos (o brasileiro, o gol), atribuindo-lhes o caráter
de representantes exemplares (típicos) de suas respectivas classes; os indefinidos generalizam
os substantivos, levando o leitor a interpretá-los como elementos comuns de suas respectivas
classes: um brasileiro (qualquer); um gol (qualquer).
b) “Todo o jogador” quer dizer “o jogador inteiro”. O falante certamente pretende dizer
“todo jogador”, ou seja, “qualquer jogador”.
5. “Um homem” significa “indivíduo (ou representante) da espécie humana”; “o homem” significa “ser
humano; a própria raça humana”.
6.
a) A oposição se reforça pelo uso dos artigos o e uma e também pelo uso da forma
apenas.
b) O artigo o determinando o substantivo homem, realça-lhe a importância, dando a
conotação de que ele é superior. Uma, ao contrário, sugere uma despersonalização da
mulher, dá a entender que ela é apenas “mais uma” dentre tantas outras. Esse efeito de
oposição se reforça pela presença da palavra apenas, que, utilizada pela própria mulher,
revela que ela se assume como desvalorizada relativamente ao homem.

7.
a) Fica implícito que vazaram mais de 75 litros.
b) “Já tinham retirado, até o fim da tarde” (subentende que eles continuariam o trabalho; portanto,
havia mais gasolina a ser retirada, além daqueles 75 litros); “75 litros da gasolina que penetrou”
(subentende-se que, de um total – não determinado – que penetrou, 75 litros foram retirados.
Se houvessem vazado somente 75 litros, a melhor redação seria “tinham retirado os 75 litros
de gasolina que penetraram...”).
c) ... eram (ou: são) parte da gasolina que se espalhou pelas galerias devido ao tombamento de
um tambor num posto de gasolina desativado.
d) De acordo com a nota original, o carregamento completo tinha 190 quilos. Com a alteração,
entende-se que o carregamento era maior, e só 190 quilos foram apreendidos.
8. e 9. e

Unidade 9 – Adjetivo
1. d
2.
a) Rico: na primeira ocorrência é substantivo; na segunda, adjetivo; pobre: na primeira
ocorrência é adjetivo; na segunda, substantivo.
b) Sugestão: O vôlei brasileiro é admirado no mundo todo (brasileiro: adjetivo). O brasileiro
precisa votar com mais consciência (brasileiro: substantivo).
3. b 4.a 5. c 6. c
7. I e III
8.
a) “triste pastor” e “longo amor”.
b) Em “triste pastor”, a anteposição do adjetivo realça a idéia de que o pastor era
“desafortunado”, “desaventurado” (apesar de ter trabalhado tanto, não conseguiu que o
pai de Raquel desse-a a ele). Em “longo amor”, o adjetivo, além de sugerir a idéia de
duração no tempo (amor que dura bastante), realça o sentido de intensidade do amor,
caracterizando-o como algo que se mantém determinado, firme e que não diminui com o
passar do tempo.

9.
a) Os adjetivos e expressões adjetivas contribuem para criar cenas que realçam a beleza,
a elegância, a pompa e, no texto I, também o heroísmo. Em ambos os textos, os autores
criam, embora com intenções diferentes, uma atmosfera de perfeição, típica das descrições
românticas.
b) Em I, a escolha dos caracterizadores (imponente, louca, fogoso, formosa, com plumas
brancas etc.) cria uma cena romântica por meio da qual o autor, usando o recurso da
paródia, satiriza uma cena clássica (o herói salvando a frágil donzela) e os excessos das
descrições românticas. Em II, trata-se de um texto realmente romântico.
10.
a) Habitualmente “ilustre desconhecido” tem sentido de “completamente/totalmente
desconhecido”; em relação a Fernando Henrique a expressão faz alusão ao fato de ele ser
alguém ilustre (pelo fato de ocupar o importante cargo de ministro) e, ao mesmo tempo,
ser um desconhecido para a maioria das pessoas.
b) A interpretação que cria uma contradição é a que se aplica a Fernando Henrique, já
que ilustre (= conhecido, respeitado) opõe-se, quanto ao sentido, a desconhecido.
c) Sim. Literalmente quer dizer “ao pé da letra”; o jornal dá a entender que a expressão
“ilustre desconhecido” aplica-se com exatidão a Fernando Henrique, já que, na circunstância
referida na notícia, ele é ilustre (ocupa o importante cargo de ministro), mas, como a
grande maioria não está informada disso, ele é desconhecido.
Unidade 10 – Numeral
1. Um milhão, seiscentos e cinqüenta mil, trezentos e dezesseis reais e catorze (ou quatorze) centavos.
2.
a) Três vezes maior – triplo; três vezes menor – um terço.
b) Milésimo setuagésimo (ou septuagésimo) quinto.
3. b 4. a 5. c
6. Ele não considerou que a população cresce a cada ano. O cálculo correto seria assim: 1.º ano:
100.000 x 3% = 103.000; 2.º ano: 103.000 x 3% = 106.090 e assim por diante até o 12.º ano.
Matematicamente, isso seria representado assim: 100.000 x 1,03¹² = 142.576 habitantes.
7. b

Unidade 11 – Pronome (I)


1. d 2. d 3. e
4. A substituição de o capital por ele geraria uma ambigüidade: ele poderia retomar tanto capital
como Estado. A repetição da palavra capital evita esse problema.
5. e
6.
a) Trata-se da elipse da forma verbal era: Pedro [era] mais dissimulado.
b) No primeiro caso o a é artigo definido: no segundo, pronome pessoal oblíquo.
7. b 8. e 9. d
10.
a) Está correto, pois a forma pronominal não está exercendo a função de sujeito.
b) Deveria continuar “entre ele e mim”, pois a forma pronominal em destaque continua
não exercendo a função de sujeito. O sujeito da oração é a palavra Célia.
11. b

Unidade 12 – Pronome (II)


1. b 2. d 3. a
4. Dela refere-se a pulsação; que refere-se a matéria.
5. d
6.
a) O pronome aqueles refere-se a “defeitos de fabricação”, e não a qualquer defeito –
“exceto aqueles [defeitos] decorrentes de [...]”. Ora, “defeitos de fabricação” obviamente
são anteriores ao uso e não podem ser decorrentes de “instalação e uso inadequado e em
desacordo com as especificações contidas no Manual de Instruções”.
b) O pronome esses pode referir-se a três elementos citados anteriormente a ele:
“produtos agregados”, “seus [produtos]” e “consumidores”. c) Acrescentam dados novos,
principalmente, os seguintes trechos: no 1.º item: “defeito causado por terceiros”; no 2.º
item: a totalidade da afirmação; no 4.º item: “voltagem elétrica”.
7. Sim, em I, toda significa “inteira”; em II, exprime idéia de generalização, significando “qualquer
mulher”, “todas as mulheres”.
8.
a) Sim. Em “[...] permanecendo todas as outras qualidades nutricionais”, a palavra outras
dá a entender que, entre as várias qualidades nutricionais do produto, a gordura é a única
que é retirada.
b) Não. O texto inclui a gordura entre as qualidades nutricionais e, ao informar que ela é
eliminada do leite, dá a entender que isso é feito para tornar o produto mais saudável.
Subentende-se, portanto, que gordura é uma “qualidade nutricional” que não faz bem à
saúde.
9. e 10. d 11. c 12. b
13. d
14.
a) O relativo cujo pode estar retomando ferramentas ou mesas, o que permite entender
“proprietário das ferramentas” ou “proprietário das mesas”.
b) Uma das repostas possíveis seria: Ao circular pelo almoxarifado, o guarda constatou
que sobre as mesas havia ferramentas cujo dono ele desconhecia.
15. Passagem ambígua: “[...] que, simultaneamente, mantinha um caso com o chefão mafioso Sam
Giancana”. Pode-se entender:
1. Judith era amante de Kennedy e, ao mesmo tempo, tinha um caso com o chefão;
2. Kennedy era amante de Judith e, ao mesmo tempo, tinha um caso com o chefão. O
problema ocorre porque o relativo que pode retomar tanto “Judith Exner” como “Kennedy”.
(Obs.: A simples troca de que por a qual eliminaria a ambigüidade.)

Unidade 13 – Verbo (I)


1. (04, 16) 2. d 3. d
4.
a) futuro;
b) b.1: passado, b.2: presente
5. Procurava e pudesse. A diferença se dá pela variação do modo verbal. A primeira forma é do
indicativo (que exprime certeza); a segunda é do subjuntivo (que exprime suposição, hipótese).
6.
a) No caso, o pretérito perfeito exprime ações de curta duração, totalmente concluídas
no passado. O imperfeito exprime ações se desenvolvendo no passado, isto é, ações em
processo. Com esse recurso, o narrador procura tornar a cena mais viva para o leitor.
b) No caso, o futuro do pretérito exprime fatos que fazem parte do mundo dos sonhos,
das aspirações de Fabiano; algo que a imaginação dele constrói relativamente ao futuro.
7. b 8. b
9.
a) Na 1.ª: “tem havido” e “tem arrojado”; na 2.ª: “destruiu anteontem”, “rompeu”,
“levantou”, “retorceu”, “foram arrancadas”, “arremessaram”.
b) Houve/Aconteceu no mar Negro (uma) grande tempestade, que causou o naufrágio
de grande número de embarcações. Até agora o mar arrojou/lançou à praia mais de 80
cadáveres, [...].
c) Sugestão: Tem havido no mar Negro muitos acidentes envolvendo barcos que navegam
pela região e que não dispõem de equipamentos adequados [...]. (“Tem havido” exprime
idéia de repetitividade de ação no presente, daí os outros verbos também no presente.)
10.
a) As formas do presente (julgo; preciso; é; pode) se justificam em função de o narrador
se referir a ocorrências que se dão simultaneamente ao momento em que eles as enuncia,
ou seja, simultaneamente ao momento narrativo.
b) Concluiu-se e ficou remetem a fatos ocorridos quando a casa foi construída, portanto
anteriores ao momento narrativo. A outra forma de perfeito (apareceram) refere-se a um
fato anteriormente ocorrido, mas já dentro da narrativa: algumas partes da casa já haviam
sido descritas em passagens anteriores do livro.
11.
a) Sugestões:
1. Segundo o técnico, nos minutos iniciais do jogo um toque de bola rápido será
imprimido pelos atacantes a fim de cansar os adversários.
2. Um novo estilo de administrar foi imprimido pelo atual diretor da empresa.
b) Nos exemplos usa-se “ser” + imprimido, e não impresso, como propõe o Manual.
Essa aparente contradição deve-se ao fato de que o Manual dá uma orientação válida
apenas para o verbo imprimir no sentido de “estampar”, “gravar”. Nos exemplos, ele foi
usado com sentido de “produzir movimento” e “infundir”, o que exige terminação –ido no
particípio.
12. avanço = voz ativa; (me) dou = voz reflexiva; é sugado = voz passiva analítica
13. d 14. c
15.
a) Se eu não estivesse atento e não tivesse olhado o rótulo, [...].
b) Na frase, há duas construções na voz passiva: “é defendida” (voz passiva analítica) e
“se viabilizarem” (voz passiva pronominal/sintética). Assim, na ativa, temos: Ambientalistas
defendem a econologia, combinação de princípios de economia, sociologia e ecologia,
como maneira de viabilizar formas alternativas de desenvolvimento.

Unidade 14 – Verbo (II)


1. c 2. b 3. c 4. d

5.
a) Na linguagem religiosa, os mandamentos são interpretados como ordens atemporais,
isto é, ordens a serem seguidas hoje e sempre; as formas de futuro (não furtarás, amarás,
não levantarás etc.) têm valor de imperativo.
b) Ele retoma o sentido literal de futuro da forma roubarás e assim afirma que os homens
“deixam para amanhã” (=futuro) a obediência ao mandamento. Como o futuro é, a cada
dia, reinterpretado como futuro, os homens continuarão roubando indefinidamente.
6. (01, 02, 08, 16)
7.
a) “O povo duvida que esse grave problema se resolve [...]”; “Isso só se dará a partir do
instante em que nos decidimos [...]”; “Tudo indica [...] não havia solução”.
b) O povo duvida [de] que esse grave problema se resolva [...]; Isso só se dará a partir
do instante em que nos decidamos [...]; Tudo indica [...] não haveria/haverá solução.
8. e 9. e 10. d 11. c
12. e 13. d
14.
a) Em I, adviram; em II, manterem.
b) Em I, advieram (advir é derivado de vir); em II, mantiverem (manter é derivado
de ter).
15.
a) Em I, mantiam; em II, ir.
b) Em I, mantinham; em II: for (ou fosse).
c) Verbos irregulares (manter/ir) foram flexionados como regulares. Em I, o redator talvez
tenha feito analogia com a forma conheciam. Em II, o redator supõe que a 3.ª pessoa do
singular do futuro do subjuntivo é sempre idêntica ao infinitivo do verbo (ex.: andar →
quando/se ele andar); essa correlação, no entanto, não ocorre para certos verbos irregulares,
como ir (ir → quando ele for). A dupla possibilidade for/fosse, depende do momento da
veiculação da notícia: se o juiz já desistiu de seu plano, cabe a forma fosse; se ainda não
desistiu, cabe for.

Unidade 15 – Palavras invariáveis (I) - Advérbio


1. d 2. b 3. d 4. c
5. a 6. c 7. d 8. e
9.
a) Só o jornal de maior número de assinantes [...].
b) b) O jornal de maior número de assinantes do sul do país só pode oferecer [...] (ou
pode só oferecer; ou pode oferecer só).
10.
a) Significa que ele deveria ter permitido/possibilitado que o monge se imolasse (imolar =
provocar a própria morte, sacrificar-se).
b) Ele quis dizer que M. Browne deveria ter evitado que o monge se sacrificasse.
11. (01, 02, 08, 64) 12. a 13. a

Unidade 16 – Palavras invariáveis (II) – Preposição/Conjunção/Interjeição


1. c 2. c 3. e 4. e
5.
a) Há três sentidos: 1. sai à caça do soldado que, com/em companhia de/acompanhado
de confederados, realizou assalto a trem; 2. Trem que levava/conduzia confederados, ou
trem no qual havia confederados; 3. o ex-coronel sai, com/junto com/em companhia de
confederados, à caça do soldado.
b) Em 1 e 3, com exprime idéia de companhia; em 2, conteúdo (como, por exemplo, em
“copo com água”).
6. d 7. a 8. e 9. c
10. c 11. b
12. O trabalhador chegou à fábrica quando o apito tinha soado, mas ele não ficou preocupado porque
ainda tinha 10 minutos para se apresentar na seção.
13. b 14. b

Unidade 17 – Sujeito
1. b
2.
a) o livro (O livro levanta escândalo.);
b) b) os anos (Deixai que os anos pinguem na cuba de um século.).
3. Quando não se diferenciam os criminosos dos tiras, tudo pode acontecer. (= Quando os criminosos
não são diferenciados dos tiras, tudo pode acontecer.)
4. e 5. d 6. d 7. a
8. d 9. d
10. Pode-se entender:
1. “São pessoas que nunca se vêem umas às outras” (o se funciona como pronome
reflexivo recíproco);
2. “São pessoas que nunca são vistas” (o se funciona como pronome apassivador).
11.
a) 1.ª ambigüidade: o presidente ou o peru estava fantasiado de marine; 2.ª ambigüidade:
o peru ou o presidente foi servido aos soldados no bandejão.
b) O presidente americano [...] produziu um espetáculo cinematográfico em novembro
passado na Arábia Saudita, onde, fantasiado de marine, comeu peru no mesmo bandejão
em que esse alimento era servido aos soldados americanos. (Obs.: Há outras
possibilidades.).
c) O leitor faz uso de seu conhecimento de mundo, o que lhe permite levar em consideração
que perus não se fantasiam (portanto, era o presidente quem estava fantasiado) e que
presidentes não são servidos como alimentos (portanto, era o peru que estava sendo servido).
12.
a) “Após ser picado pelo mosquito, o parasita (agente da doença) cai na circulação
sangüínea [...]”.
b) A interpretação absurda consiste em considerar que o mosquito pica o parasita.
c) Ele pretendeu referir-se à pessoa picada pelo mosquito. (Obs.: O problema ocorre
porque o redator omite o sujeito de “ser picado”.)
d) Após a pessoa ser picada pelo mosquito, o parasita cai na circulação [...]. (Obs.: Há
outras possibilidades.)
13. d
14. “O segundo grupo” funciona como sujeito; essa mesma função sintática é exercida pelo que em
“que viu” e também em “que tenta legitimar”.

Unidade 18 – Verbo e predicado


1. e 2. a 3. e 4. a
5. d 6. e 7. c 8. c
9. e 10. c 11. b

Unidade 19 – Termos relacionados ao verbo


1. c 2. c 3. a
4. (01, 02, 04, 08, 16, 32) 5. d 6. b
7. a
8.
a) Lugar: “em Assunção (Paraguai)”; tempo: “no último dia 6”.
b) “Nos EUA” indica o lugar em que o suspeito teria praticado o ato de terrorismo.
c) Pode-se entender:
1. A Polícia Federal prendeu, nos EUA, o acusado de terrorismo;
2. A Polícia Federal prendeu o acusado de ter praticado, nos EUA, um atentado terrorista.
9. a 10. d 11. c 12. e
13 (01, 02, 16) 14. d
15.
c) “Mulher acompanhada até 24 horas não paga.”
d) Há três:
1º) Se ingressar na festa até meia-noite, mulher acompanhada não paga ingresso;
2º) Para não pagar ingresso, basta que mulher fique com seu acompanhante até a meia-
noite;
3º) Mulher acompanhada pode ficar té a meia-noite sem pagar (se ficar além dessa hora,
terá que pagar).

Unidade 20 – Termos relacionados a nomes e vocativo


1. c 2. c 3. e 4. e
5. d 6. b 7. b
8. Pode-se entender que os marginais mataram alguém (nesse caso, “dos marginais” funciona como
adjunto adnominal de matança.) ou que os marginais foram mortos (“dos marginais” funciona como
complemento nominal de matança).
9. e
10.
d) O trecho “solicitou o envio de tropas ao Brasil e a mais quatro países” pode dar a
entender que as tropas seriam enviadas ao Brasil, e não ao Haiti como afirma a primeira
frase do texto.
e) O efeito ocorre porque é possível considerar que o termo “ao Brasil e a mais quatro
países”, por sua proximidade com envio, esteja ligado a esse nome (funcionando como
complemento nominal), em vez de considerá-lo – corretamente – relacionado ao verbo
solicitou (funcionando como objeto indireto).
f)[...] solicitou ao Brasil e a mais quatro países o envio de tropas [...]
11.
e) O jornalista percebeu que Menen deu a entender que Domingo Cavallo era um animal (um
cavalo, no sentido literal da palavra).
f) As expressões que caraterizam Domingo Cavallo são ex-ministro e adversário. Esta
última é indispensável para a interpretação adequada da notícia. O jornalista evidencia que
Menen aproveitou a oportunidade para, relacionando as palavras cavalo (animal) e Cavallo
(sobrenome), alfinetar (criticar de forma irônica) a competência intelectual de seu adversário.
12.
a) Na forma lhos estão contraídos os pronomes lhe e os. Beijar-lhos-ia corresponde a
“beijaria os pés dele”; portanto, o lhe funciona como adjunto adnominal de pés e o os
como objeto direto de beijaria.
b) O possesivo seus refere-se ao pai de Teresa.
13. a
14. Em I, mãe indica (no contexto da redação dos alunos) a respeito de quem se fala e funciona,
portanto, como sujeito. Assim, entende-se que só “tem” (existe/há) uma pessoa que realmente podemos
chamar de “mãe”. Em II, mãe, é vocativo (termo que o garoto emprega para chamar a própria mãe). Entende-
se que ele chama a mãe para comunicar-lhe que na geladeira só “tem” (há/existe) uma coca-cola.

Unidade 21 - Período composto: orações subordinadas substantivas


1. c 2. d 3. d 4. a
5. a 6. e 7. a 8. b
9. a 10. d 11. a 12. d
13 (02, 04, 16, 32)
14.
a) objetiva direta,
b) subjetiva,
c) predicativa.
15. d
16.
a) [...] desejavam que a vitória vencesse o poderio da escravidão.
b) É evidente que esses destemidos guerreiros são ousados e afoitos; ou: É evidente que
esses destemidos guerreiros têm ousadia e afoiteza.
17.
a) O auditor solicitou a inserção das recomendações no relatório.
b) Evitem a distorção das mensagens.
c) O funcionário desejava a aquiescência do chefe.
d) O juiz ordenou o banimento dos atravessadores.
e) O professor lamentou a intromissão do coordenador.
18.
a) A correta é a primeira. O substantivo dúvidas exige complemento nominal iniciado
pela preposição de (dúvidas de alguma coisa).
b) Correção: “[...] é preciso ressalvar que a história [...]”. O verbo ressalvar, por ser
transitivo direto, exige complemento sem preposição inicial.

Unidade 22 – Orações subordinadas adjetivas


1. d 2. e 3. d 4. b
5. a 6. e
7.
a) Os meninos de rua, que procuram trabalho, são repelidos pela população.
b) Sem a vírgula entende-se que apenas uma parte dos meninos de rua procuram trabalho
e somente esses é que são repelidos pela população. Com as vírgulas, a oração adjetiva
passa a ser explicativa: todos os meninos de rua procuram trabalho e todos são repelidos.
8. c
9.
a) O povo que é solidário muda o destino do país.
b) O povo, que é solidário, muda o destino do país.
10. Ao chegar ao ancoradouro, Alzira Alves Filha, que estava acompanhada de um grupo de adeptos
do Movimento Evangélico Unido, recebeu um colar indígena feito de escamas de pirarucu e frutos do mar. b)
Porque a oração “que estava acompanhada de um grupo de adeptos do Movimento Evangélico Unido”,
caracterizadora do nome Alzira Alves Filha, posiciona-se muito distante desse nome.
11.
a) Há três aspectos que criam a circularidade:
1. O fato de o texto ser formado por um único período;
2. O encadeamento de termos por meio de orações adjetivas nas quais o pronome que
retoma trainee, diretores, gerentes e presidente;
3. O emprego de elementos comparativos (mesmo e como) ao longo do período.
b) Não. Esse termo é, no caso, redundante, pois o efeito de circularidade que ele cria já
é expresso pelos elementos textuais referidos na resposta do item a.
Unidade 23 – Orações subordinadas adverbiais
1. b 2. c 3. c 4. b
5.
a) “como meu pai”
b) 1.ª ) O garoto tem o mesmo sonho que o pai dele: ganhar vinte mil por mês; 2.ª) O
garoto sonha ganhar tanto quanto o pai dele ganha.
c) Sugestões:1. Eu sonho, como meu pai, ganhar vinte mil por mês; 2. Eu sonho ganhar
vinte mil por mês, como meu pai ganha.
6. d 7. a 8. e
9. Estabelece-se uma relação de causa e conseqüência: “de violentas” exprime a causa (aquilo que
provoca a dor); “doer a mão calosa” exprime a conseqüência das bicadas violentas.
10.
d) Como/Já que/Uma vez que o esparadrapo X não gruda no machucado, não dói na
hora de trocar. Ou: O esparadrapo X não dói na hora de trocar porque não gruda no
machucado.
e) embora/mesmo que seja um pouco mais caro/apesar de ser um pouco mais caro.
11.
g) Ele interpretou o título da manchete da seguinte forma: mulheres cardíacas têm mais
chances de morrer do que mulheres não-cardíacas.
h) Deve-se entender que a manchete está fazendo uma comparação entre mulheres
cardíacas e homens cardíacos e afirmando que aquelas têm maior chance de morrer que
estes.
i)As duas leituras são possíveis porque a manchete omite o segundo termo da comparação.
Somente após a leitura do início da notícia fica claro sentido pretendido pelo redator.
12. d 13. c 14. a 15. c
16.
a) Ainda que/mesmo que/embora não vejam quem está do outro lado da linha [...].
b) Os fãs dos bate-papos virtuais tornam-se/passam a ser amigos.
17. (02, 08, 16)

18.
a) As sirenes não são as das fábricas que foram fechadas.
b) As sirenes dos camburões que fornecem aflição.
c) As sirenes apitam sem que se marquem as horas.

Unidade 24 – Período composto por coordenação e período composto por coordenação e subordinação
1. d 2. b 3. c 4. c
5. e 6. d 7. b 8. a
9. b 10. e 11. b 12. d
13 Seqüência: 4 – 2 – 5 – 3 – 1 – 6
14. d 15. e
16.I. Essa circunstância explicá-la-ia o bacharel, se soubesse que Lopo Alves, algumas semanas antes,
assistira à representação de uma peça do gênero ultra-romântico que lhe agradou muito e (que) lhe sugeriu a
idéia do drama.
16.II. Quando ele referiu tudo a D. Benedita, esta ficou aterrada com os termos da recusa, mas tornou
logo a si e declarou ao padre que a filha não tinha vontade.
17. Depois que/logo que/assim que recebe certos passes e benzeduras, o eleito vai para a Câmara
para/a fim de minorar o sofrimento dos eleitores e resolver os problemas deles, embora/ainda que/mesmo
que nada conheça a respeito disso.
18.
a) 1. V; 2. V; 3. F (é coordenada explicativa); 4. V.
b) O camareiro, cujo nome eu não lembro, entrou no quarto onde estava o Presidente
que se matara.

Unidade 25 – Pontuação
1. b 2. b
3.
a) Pode-se supor que Júpiter é o nome do cachorro (“o cachorro” funcionaria como
aposto de “Júpiter”).
b) [...] Legrand, Júpiter, o cachorro e eu. Ou: [...] Legrand, Júpiter, eu e o cachorro.
4. e 5. e 6. a 7. e
8. e 9. e 10. c
11.
a) Pede-se para não sentar no lugar, informando que ele foi pintado; que a tinta está
fresca.
b) Pede-se que quem estiver pintado não sente naquele lugar.
c) Pede-se a alguém, que atende pelo nome de Pintado, que não sente naquele lugar.
12. d

13.

a) Sim. Sem vírgula, a oração “que pagam impostos” é adjetiva restritiva e o sentido é o
seguinte: dentre os ricos do Brasil, uma parcela deles paga imposto; outra não. Com a
vírgula, a mesma oração passa a adjetiva explicativa, dando a entender que todos os ricos
do Brasil pagam imposto.
b) Porque se trata de uma oração intercalada (separa o sujeito “o outro” e seu predicado
é “servidor público”). O trecho revela surpresa irônica e dá a entender que não era de se
esperar tal fato, já que comumente o servidor público tem salários baixos.

Unidade 26 – Concordância nominal


1. a 2. b 3. e 4. d
5. d 6. d 7. e 8. d
9. e
10.
a) I-2;
b) I-5;
c) I-1;
d) I-3;
e) II-4

Unidade 27 – Concordância verbal (I)


1. a 2. b 3. a 4. c
5. a 6. e 7. e 8. d
9. (08, 32)
10.
a) A polícia desses dois países não pôde prendê-los [...].
b) O autor do texto supôs, erradamente, que o núcleo do sujeito fosse países; na verdade,
o núcleo é polícia (singular), o que exige o verbo no singular. É possível considerar ainda
que o autor tenha concordado o verbo com a idéia de plural contida na palavra polícia.
11. d
12.
a) Marcas de coloquialidade: “ficar zoando” (ficar zombando), “entrar em mais nada”
(ingressar em nenhum outro curso); “a gente” (nós).
b) [...] está o gosto por literatura e inglês (o verbo concorda com gosto, que é núcleo
do sujeito simples).
13.
a) Aos assessores de Itamar Franco.
b) Tem-se a sensação de erro porque a forma acham está distanciada de seu sujeito e
imediatamente precedida do pronome quem, que pode, numa leitura desatenta, ser tomado
como sujeito de achar. Esse pronome, se realmente fosse o sujeito de achar, exigiria o
verbo no singular.
c) Porque a forma acham (plural) tem como sujeito a expressão “assessores de Itamar
Franco”, cujo núcleo (assessores) exige o verbo no plural.

Unidade 28 – Concordância verbal (II)


1. c 2. b 3. d 4. d
5. (01, 02, 04)
6. Quando se trata de problemas tão graves, não deve haver tantos empecilhos burocráticos.
7. b 8. d 9. e 10. a
11. c 12. c 13. a 14. (1, 3, 5)

Unidade 29 – Regência nominal e regência verbal


1. a
2. (1-E, 2-C, 3-E, 4-C)
3. c 4. b
5.
a) Esta é a escola em que os pais confiam.
b) Confiar rege preposição em, que deve anteceder o pronome relativo que. Esse
relativo funciona, nessa frase, como objeto indireto do verbo confiar.
6. c 7. b 8. b 9. b
10. b 11. a 12. a 13. c
14.
a) 1. [...] nas matérias que você tem maior dificuldade; 2. Uma casa, onde na frente
funcionava [...].
b) 1. [...] nas matérias em que/nas quais você tem [...]; 2. Uma casa, na frente da qual
funcionava [...]/Uma casa em cuja frente funcionava [...].
15.
a) Quem gosta de samba/Bom sujeito é/é bom da cabeça/e saudável do pé.
b) Eu provim do samba, com o samba convivi.

Unidade 30 – Crase
1. d 2. b
3. Em 1, alguém veio quando era noite e encontrou-o dormindo; em 2, a própria noite veio/começou e
encontrou-o dormindo.
4. b 5. d 6. d 7. b
8. c 9. e 10. d 11. a
12. b 13. b 14. e 15. a
16. e 17. c 18. b 19. b
20. a – à – a – a – a – a – a – às – as – às
21. Há/Faz – à – à – às – a – a – a – a – à
22.
a) Assista à revista eletrônica [...].
b) O verbo assistir, significando “ver”, é transitivo indireto e exige a preposição a iniciando
o objeto indireto. Essa preposição, no caso, funde-se com o artigo a, originando a crase.

Unidade 31 – Colocação pronominal


1. e 2. e 3. b 4. c
5. d 6. d 7. b 8. b
9. e 10. c 11. c 12. a
13. c
14. Há outras duas possibilidades: 1. E que ainda não se pôde converter em estrelas; 2. E que ainda
não pôde converter-se em estrelas.
15.
a) [...] pô-las em confronto [...]; [...] seria avaliar-lhes melhor o peso [...] (ou: avaliar
melhor o peso delas); [...] que as vem regendo (ou que vem-nas regendo/que vem regendo-
as).
b) Quando/Logo que/Assim que se discutiram (ou: foram discutidas) as idéias [...].
16. vierem – virem – vivem – sentirão – farão – mantiverem – atender-nos-ão – nos decepcionarão
17. d 18. e
19.
a) “ido-se” – o pronome oblíquo não pode posicionar-se depois de particípio (ido).
b) “Si” – grafia correta: se; “você – te” – não há uniformidade de tratamento gramatical
(você: 3.ª pessoa; tu: 2.ª pessoa); “te deixo” – o verbo inicia a oração, por isso o pronome
oblíquo não poderia posicionar-se antes dele.
c) “ir na” – regência verbal em desacordo com a norma culta; o verbo “ir” rege “a”: ir à
Europa.
d) “vossa – tu ficas/podes”: ausência de uniformidade de tratamento (vossa: 2.ª pessoa
do plural; tu ficas/podes: 2.ª pessoa do singular).

Unidade 32 – Linguagem figurada


1. e 2. a 3. e
4.
a) A frase tem sentido denotativo; a personagem emprega as palavras em sentido próprio
(literal), afirmando que tem consciência tanto do que fala quanto de suas contradições.
b) Se há frases (idéias/afirmações) confusas (incompreensíveis/contraditórias) nisso tudo,
posso assegurar, pai, que tem muita coisa coerente (lógica/razoável/consistente).
5. c 6. c 7. e 8.e
9. e 10. a 11. a 12. b
13.
a) “Até lá os mosquitos transmissores da malária estão proibidos de picar os índios.”
b) O jornal critica a ineficiência do Ministério, insinuando que o governo demorará demais
para iniciar o programa de vacinação, que deveria ser emergencial. Ao afirmar “os mosquitos
estão proibidos de picar os índios”, o jornal, ironicamente, propõe algo absurdo como
forma de compensar a lentidão do Ministério na solução do problema.
14. b
15.
a) “Os brasileiros fomos informados [...]” Nesse trecho ocorre silepse de pessoa: o
sujeito está na 3.ª pessoa (os brasileiros) e o verbo na 1.ª (fomos).
b) b) O autor optou pela silepse para deixar claro que tanto ele como os que estão lendo
o texto fazem parte do conjunto de pessoas designadas pelo termo brasileiros.