Você está na página 1de 120

EXPOENTE 12

MATEMÁTICA A
Alexandra Queirós 5HYLV¥R&LHQW¯ȃFD
Cláudia Mendes Araújo
Daniela Raposo (Universidade do Minho)
Luzia Gomes

Caderno
de Exercícios
e Testes
Sínteses temáticas
Exercícios resolvidos e de aplicação, organizados por temas
Testes de autoavaliação cumulativos
Soluções

DE ACORDO COM
NOVO PROGRAMA E
METAS CURRICULARES
ÍNDICE
Sínteses e Exercícios
Tema I — Cálculo Combinatório
• Síntese ................................................................................................................... 6

• Exercícios (resolvidos e propostos) ............................................................................ 9

Tema II — Probabilidades
• Síntese .................................................................................................................. 16

• Exercícios (resolvidos e propostos) ........................................................................... 19

Tema III — Funções Reais de Variável Real


• Síntese ................................................................................................................. 24

• Exercícios (resolvidos e propostos) .......................................................................... 26

Tema IV — Trigonometria e Funções Trigonométricas


• Síntese ................................................................................................................. 32

• Exercícios (resolvidos e propostos) .......................................................................... 34

Tema V — Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas


• Síntese ................................................................................................................. 42

• Exercícios (resolvidos e propostos) .......................................................................... 47

Tema VI — Primitivas e Cálculo Integral


• Síntese ................................................................................................................. 56

• Exercícios (resolvidos e propostos) .......................................................................... 58

Tema VII — Números Complexos


• Síntese ................................................................................................................. 62

• Exercícios (resolvidos e propostos) .......................................................................... 66


Testes de Autoavaliação
Teste n.° 1 ............................................................................................................... 72
• Cálculo Combinatório
• Probabilidades

Teste n.° 2 ............................................................................................................... 77


• Cálculo Combinatório
• Probabilidades
• Funções Reais de Variável Real

Teste n.° 3 .............................................................................................................. 82


• Cálculo Combinatório
• Probabilidades
• Funções Reais de Variável Real
• Trigonometria e Funções Trigonométricas

Teste n.° 4 .............................................................................................................. 88


• Cálculo Combinatório
• Probabilidades
• Funções Reais de Variável Real
• Trigonometria e Funções Trigonométricas
• Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

Teste n.° 5 .............................................................................................................. 93


• Cálculo Combinatório
• Probabilidades
• Funções Reais de Variável Real
• Trigonometria e Funções Trigonométricas
• Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas
• Primitivas e Cálculo Integral

Teste n.° 6 .............................................................................................................. 98


• Cálculo Combinatório
• Probabilidades
• Funções Reais de Variável Real
• Trigonometria e Funções Trigonométricas
• Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas
• Primitivas e Cálculo Integral
• Números Complexos

Soluções ....................................................................................................... 104


SÍNTESES E
EXERCÍCIOS
TEMA I Cálculo Combinatório

SÍNTESE

1. Revisões

‾ = {x: x ∫ A}
• Complementar de um conjunto A: A
• Interseção de A com B: A © B = {x: x å A ‹ x å B}
• Reunião de A com B: A ∂ B = {x: x å A › x å B}
• Diferença entre A e B: A\B = {x å A: x ∫ B}

Propriedades do complementar de um conjunto


‾©A=O
•A
‾ ∂ A = U, sendo U o universo
•A

‾=A
•A

2. Propriedades das operações sobre conjuntos

Propriedades da inclusão de conjuntos


•AƒB§A©B=A
•AƒB§A∂B=B
•AƒB§‾ ‾
BƒA

Propriedades da interseção e da reunião


Sejam A, B e C três conjuntos de um universo U:
Interseção Reunião
Comutatividade A©B=B©A A∂B=B∂A
Associatividade (A © B) © C = A © (B © C) (A ∂ B) ∂ C = A ∂ (B ∂ C)
Existência de elemento neutro U©A=A©U=A O∂A=A∂O=A
Existência de elemento absorvente O©A=A©O=O U∂A=A∂U=U
Idempotência A©A=A A∂A=A
Distributividade da interseção em A © (B ∂ C) = (A © B) ∂ (A © C)
relação à reunião (A ∂ B) © C = (A © C) ∂ (B © C)
Distributividade da reunião em A ∂ (B © C) = (A ∂ B) © (A ∂ C)
relação à interseção (A © B) ∂ C = (A ∂ C) © (B ∂ C)

Leis de De Morgan para conjuntos ‾ ‾∂B


A©B=A ‾ ‾ ‾©‾
A∂B=A B

• (A ∂ B) * C = (A * C) ∂ (B * C)
• C * (A ∂ B) = (C * A) ∂ (C * B)

6
Cálculo Combinatório TEMA I

3. Introdução ao cálculo combinatório

Cardinal da união de conjuntos disjuntos

Dados dois conjuntos A e B tais que A © B = O, tem-se que:

#(A ∂ B) = #A + #B

Princípio geral da adição

Se para realizar um processo existirem duas alternativas que se excluem mutuamente, e se existirem n1
maneiras de realizar a primeira alternativa e n2 maneiras de realizar a segunda, então o processo pode
ser realizado de n1 + n2 maneiras.

Cardinal do produto cartesiano de conjuntos finitos

Dados dois conjuntos A e B, tem-se que:

#(A * B) = #A * #B

Princípio geral da multiplicação

Consideremos um processo constituído por duas etapas. Se existirem n1 maneiras de realizar a primeira
etapa e se, para cada uma destas, existirem n2 maneiras de realizar a segunda etapa, então todo o pro-
cesso pode ser realizado de n1 * n2 maneiras diferentes.

Arranjos com repetição de n elementos p a p


n p
A'p = n Número de sequências de p elementos não necessariamente distintos que se podem formar
com n objetos.

Permutações de n elementos

n! Número de maneiras de ordenar n elementos.

Arranjos (sem repetição) de n elementos p a p

n n!
Ap = _______ Número de sequências de p elementos distintos que se podem formar com n objetos.
(n - p)!

Combinações de n elementos p a p

n n!
Cp = _______ Número de conjuntos com p elementos que se podem formar com n objetos.
p!(n - p)!

7
TEMA I Cálculo Combinatório

4. Triângulo de Pascal e binómio de Newton

Triângulo de Pascal

Linha
0
n=0 C0
1 1
n=1 C0 C1
2 2 2
n=2 C0 C1 C2
3 3 3 3
n=3 C0 C1 C2 C3
4 4 4 4 4
n=4 C0 C1 C2 C3 C4
5 5 5 5 5 5
n=5 C0 C1 C2 C3 C4 C5

… … … … … … …

Propriedades do triângulo de Pascal


n n
• C0 = Cn = 1
n n
• Cp = Cn - p
n n n+1
• Cp + Cp + 1 = Cp + 1
n n
• C1 = Cn - 1 = n
n
n n
• ∑ Ck = 2
k=0

• A linha de ordem n tem n + 1 elementos.

• Se n é par, tem-se que a linha de ordem n tem um número ímpar de elementos, sendo o maior deles
o elemento central; se n é ímpar, tem-se que a linha de ordem n tem um número par de elementos,
sendo os dois maiores os dois elementos centrais.

Binómio de Newton
n
• (a + b) = C0 a b + C1 a b + C2 a b + … + Cn - 1 a b
n n 0 n n-1 1 n n-2 2 n 1 n-1 n 0 n
+ Cn a b =
n
n n-k k
= ∑ Ck a b , com n å N
k=0

n n-k k
• Ck * a * b é o termo geral do desenvolvimento do binómio de Newton.

8
Cálculo Combinatório TEMA I

EXERCÍCIOS

1. Revisões
2. Propriedades das operações sobre conjuntos

1EXERCÍCIO RESOLVIDO

Sejam A e B dois subconjuntos de um universo U. Mostra que (A © B) ∂ (A © ‾


B) = A.

2Sugestão de resolução
(A © B) ∂ (A © ‾ ‾) = A © U = A
B) = A © (B ∂ B

1 Na figura estão representados num diagrama de Venn três subconjun- U


tos A, B e C de um universo U. Representa num diagrama de Venn A B
cada um dos seguintes conjuntos.
1.1. (A ∂ B) © C 1.2. A ∂ (B © C) ‾
1.3. A © (B ∂ C)
1.4. A © (B \ C) 1.5. C \ (A ∂ B) 1.6. (B © C) \ A C

2 Sejam A e B dois subconjuntos de um universo U. Mostra que:


2.1. A © (‾
A © B) = A \B
2.2. (A © B) ∂ (A © B ‾ © B) = A ∂ B
‾) ∂ (A

2.3. (‾ ‾) = A ∂ B
A ∂ B) © (A ∂ B

2.4. (‾
A © B) © (‾
A ∂ B) = A
2.5. (A © ‾ A © B) = (A ∂ B) © (‾
B) ∂ (‾ A © B)

3 Considera, em R, os conjuntos A = {x å R: - _2x + 3 + 2 > 2x - 1 , B = {x å R: x2 + 1 ≤ 2} e


5 }
+ 1
C = {x å R: _ ≥ 2}. Determina:
x
x-1
3.1. A ∂ B 3.2. B ∂ C 3.3. A © C ‾
3.4. A ‾
3.5. C
3.6. A ∂ B ∂ C 3.7. A © ‾
B ‾©‾
3.8. B C 3.9. A \ ‾
B ‾
3.10. B ©C

4 Indica, justificando, o valor lógico de cada uma das seguintes afirmações.


4.1. Quaisquer que sejam A e B, (A ∂ B) \ A = B.

4.2. Para quaisquer A e B, B \ (B \ A) = A.

4.3. Quaisquer que sejam A, B e C, A \ (B © C) = A \ B ∂ A \ C.

4.4. Para quaisquer A, B e C, A \ (B \ C) = (A \ B) \ C.

4.5. Para quaisquer A, B, C e D, se A ƒ B e C ƒ D, então A * C ƒ B * D.

9
TEMA I Cálculo Combinatório

3. Introdução ao cálculo combinatório

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS
3

1 Em cada dia da semana, o Sr. Pereira pode escolher um de entre os três tipos de transporte para
ir de casa para o emprego: a pé, de automóvel ou de comboio. De quantas formas diferentes
pode o Sr. Pereira ir de casa para o emprego, nos cinco dias úteis de uma semana?

2 De quantas maneiras diferentes se podem arrumar cinco livros diferentes, numa prateleira?

3 De quantos modos distintos se podem arrumar cinco automóveis numa garagem com oito
lugares de estacionamento?

4 De quantas formas diferentes se podem escolher três sabores de um gelado numa gelataria com
dez sabores disponíveis?

Sugestão de resolução
4

5
1. 3 * 3 * 3 * 3 * 3 = 3 = 243

2. 5 * 4 * 3 * 2 * 1 = 5! = 120
8
3. 8 * 7 * 6 * 5 * 4 = A5 = 6720
10
4. C3 = 120

5 Determina, sem recurso à calculadora.


6!
5.1. _
8!
5.2. _
3 * 4! 4! * 3!
9!
5.3. _
7
5.4. C4 * 3!
5! + 6!
5 6 4
5.5. A2 * 3! 5.6. C4 * A2

5 5
A C
5.7. _ 5.8. _
3 3
4! 4!

6 A turma da Beatriz tem 28 alunos, dos quais 12 são rapazes. De quantas maneiras diferentes pode
resultar a eleição do delegado e do subdelegado de turma se:

6.1. o delegado for rapariga e o subdelegado for rapaz?

6.2. o delegado e o subdelegado forem do mesmo sexo?

6.3. a Beatriz for eleita?

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.° ano

10
Cálculo Combinatório TEMA I

7 Um grupo de três homens e quatro mulheres vai posar para uma fotografia, colocando-se lado a
lado. De quantas maneiras se podem colocar:

7.1. se não houver restrições?

7.2. se os homens ficarem todos juntos?

7.3. se os homens ficarem todos juntos e as mulheres também?

7.4. de forma a não haver duas mulheres juntas?

8 Uma orquestra possui no seu repertório nove sinfonias de Beethoven, vinte sinfonias de Mozart e
oito sinfonias de Schubert.
8.1. Quantas apresentações diferentes se podem fazer se uma apresentação desta orquestra con-
sistir numa sinfonia de Beethoven, seguida de uma de Mozart e, por fim, uma sinfonia de
Schubert?
8.2. Quantas apresentações diferentes se podem fazer se uma apresentação desta orquestra con-
sistir numa sinfonia de cada um dos compositores, por qualquer ordem?
8.3. Quantas apresentações se podem fazer se puderem ser escolhidas três quaisquer obras?

9 Num congresso há dez professores de Física e Química, doze de Biologia e quinze de Matemática.
Quantas comissões de cinco professores se podem formar:

9.1. se não houver restrições?

9.2. com dois professores de Matemática, dois de Biologia e um de Física e Química?

9.3. com exatamente três professores de Matemática?

9.4. com, no máximo, dois professores de Biologia?

10 Resolve as seguintes equações.


(n + 2)! + (n + 1)!
10.1. ________________ = 120
n!
n
10.2. A2 = 342
n-1 n-2
10.3. A3 = 3 A2
n
10.4. C2 = 136
n-1 n–2
10.5. C3 = 3 C2
n n
10.6. C2 + A2 = 360

11 Quantos são os divisores naturais de:

11.1. 2310? 11.2. 2700?

11
TEMA I Cálculo Combinatório

12 Considera o conjunto A = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}. Quantos números de quatro algarismos dife-


rentes é possível formar que sejam:
12.1. superiores a 3000?

12.2. pares?

12.3. múltiplos de 5?

12.4. inferiores a 5840?


Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.° ano

13 Quantos são os anagramas da palavra ESCOLA que têm:


13.1. as letras ES juntas por essa ordem?
13.2. as letras ESC juntas por qualquer ordem?
13.3. as vogais e as consoantes intercaladas?
13.4. a letra E no primeiro lugar e a letra A no último lugar?
13.5. a letra E no primeiro lugar ou a letra A no último lugar?

14 Considera todos os números naturais com cinco algarismos.


Quantos desses números:
14.1. têm os algarismos todos diferentes e são pares?
14.2. têm os algarismos todos diferentes e são maiores que 89 000?

15 De quantas maneiras se podem sentar n pessoas em n cadeiras se:


15.1. a Alice e o Bruno ficarem juntos?
15.2. a Alice e o Bruno ficarem separados?
15.3. a Alice, o Bruno e a Carla ficarem juntos?
15.4. a Alice, o Bruno e a Carla ficarem juntos e o Daniel e a Elsa ficarem também juntos?

16 De quantos modos se podem sentar quatro casais numa mesa circular se:
16.1. dois quaisquer homens não ficarem juntos?
16.2. cada homem ficar ao lado da sua namorada?
16.3. dois quaisquer homens não ficarem juntos e cada homem ficar ao lado da namorada?

17 A figura representa dez ruas que se cortam perpendicular-


mente, das quais seis são verticais. Só são possíveis desloca-
B
ções para este e para norte.
Quantos caminhos existem entre A e B que: D
17.1. não têm qualquer restrição?
C
17.2. passam por C?
17.3. não passam por C? A
17.4. passam por C e por D?
17.5. não passam por C ou não passam por D?
17.6. passam por C ou por D?
17.7. não passam por C nem por D?

12
Cálculo Combinatório TEMA I

4. Triângulo de Pascal e binómio de Newton

5EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1 Considera duas linhas consecutivas do triângulo de Pascal, das quais se reproduzem alguns
elementos:
... 165 a 462 ...
... 495 b ...
Determina o valor de b.

Determina o desenvolvimento de (2 + x) , utilizando a fórmula do binómio de Newton e sim-


5
2
plificando tanto quanto possível cada uma das parcelas assim obtidas.

6Sugestão de resolução

1. 165 + a = 495 § a = 330


b = 330 + 462 = 792
2. (2 + x) = C0 2 x + C1 2 x + C2 2 x + C3 2 x + C4 2 x + C5 2 x =
5 5 5 0 5 4 1 5 3 2 5 2 3 5 1 4 5 0 5

2 3 4 5
= 32 + 80x + 80x + 40x + 10x + x

18 A soma dos dois primeiros elementos de uma linha do triângulo de Pascal é 33. Determina:

18.1. o quarto elemento dessa linha;

18.2. o maior elemento dessa linha;

18.3. a soma dos quinto e sexto elementos da linha seguinte;

18.4. a soma de todos os elementos da linha anterior;

18.5. o número de elementos diferentes dessa linha.

19 Determina o desenvolvimento das seguintes expressões, utilizando a fórmula do binómio de New-


ton e simplificando tanto quanto possível cada uma das parcelas assim obtidas.

19.1. (2 + 3x)
5 6
19.2. (2 - x)
5
19.3. (2y + x)
4 2
_
19.4.
(2 + x )
6
1
_
19.5.
(x - x )

20 A soma dos elementos de uma linha do triângulo de Pascal é 8192. Qual é o maior elemento da
linha seguinte?

13
TEMA I Cálculo Combinatório

21 Simplifica.
2017 2017 2018
21.1. C998 + C999 + C1000
2021 2020 2020
21.2. C890 - C889 + C891
2019 2019 2019 2019
21.3. C1000 + 3 * C1001 + 3 * C1002 + C1003

22 Resolve, em N, as seguintes equações.


10 10
22.1. C2x + 1 = Cx + 3
21 21 22
22.2. Cx + Cx + 1 = C2x + 2
30 30
22.3. Cx + 1 = C2x + 16
3x 2x + 17
22.4. C12 = C12
2x + 4 2x + 4 35
22.5. C15 + C16 = C16
2x + 1 2x 40
22.6. C21 - C20 = C21

10
23
1 , ordenado segundo as potências decrescentes da
Considerando o desenvolvimento de (3x + _
x)
primeira parcela, determina:

23.1. o quinto termo;


4
23.2. o coeficiente de x ;

23.3. o termo central;

23.4. a soma dos coeficientes binomiais.

24 O terceiro elemento de uma linha do triângulo de Pascal é 105. Determina o número de elementos
dessa linha.

25 De uma certa linha do triângulo de Pascal, sabe-se que o quarto número é 210 e que a soma dos
quatro primeiros números dessa linha é 341. Determina o terceiro número da linha seguinte.

_ 11
26 Considerando o desenvolvimento de (√x + 2x) , ordenado segundo as potências decrescentes da
primeira parcela, determina:

26.1. o oitavo termo;


8
26.2. o coeficiente de x ;

26.3. o termo independente de x, se existir.

_ n
27
1_ ocorre um termo em x3y-2. Determina o valor de n.
No desenvolvimento de √2x - ___
( √2y )

14
Cálculo Combinatório TEMA I

5. Resolver problemas

28 Uma turma tem 28 alunos (treze rapazes e quinze raparigas). Pretende-se formar uma comissão
com três alunos.
Quantas comissões diferentes se podem formar se a comissão tiver alunos de ambos os sexos?
Apresentam-se, em seguida, duas respostas corretas a este problema.
13 15
Resposta I: 15 * C2 + 13 * C2
28 13 15
Resposta II: C3 - C3 - C3
Numa pequena composição, explica o raciocínio que conduz a cada uma delas.

29 Num tabuleiro de xadrez vão colocar-se dez peças brancas e doze peças
pretas, uma em cada casa. De quantas maneiras podem as peças ficar colo-
cadas?
64 54 64 22
C10 * C12 e C22 * C10 são duas respostas corretas.
Numa pequena composição, explica o raciocínio que conduz a cada uma
delas.

30 A Helena está a fazer uma construção com peças de encaixar.


A Helena dispõe de uma base (8 * 8) e de 16 peças (2 * 2), como as que se
apresentam na figura. Nove das peças são amarelas, quatro são azuis, uma
é branca, uma é verde e a outra é vermelha.
A Helena coloca as peças de forma a cobrir toda a base.
30.1. De quantas maneiras diferentes pode a Helena colocar as peças de
modo que a primeira linha fique só com peças azuis?
Apresentam-se, em seguida, duas respostas a este problema.
12
Resposta I: A9
12
Resposta II: C3 * 3!
Apenas uma das respostas está correta.
Elabora uma composição na qual:
• identifiques a resposta correta;
• expliques o raciocínio que conduz à resposta correta;
• proponhas uma alteração na expressão da resposta incorreta, de modo a torná-la correta;
• expliques, no contexto do problema, a razão da alteração.
30.2. De quantas maneiras diferentes pode a Helena colocar as peças de modo que pelo menos
uma das diagonais só tenha peças amarelas?
12 7 8
Uma resposta correta a este problema é 2 * C5 * A3 - C4 * 4!
Numa pequena composição, explica esta resposta.

15
TEMA II Probabilidades

SÍNTESE

1. Revisões

Experiência aleatória e espaço amostral

Uma experiência é um processo que conduz a um resultado pertencente a um conjunto previamente


fixado, designado por universo de resultados ou espaço amostral e que se representa por S, W ou E.
Os seus elementos designam-se por casos possíveis.

Uma experiência diz-se:

• determinista quando existe apenas um único caso possível;

• aleatória quando existe mais do que um caso possível, não sendo possível prever com exatidão o seu
resultado, mesmo quando realizada nas mesmas condições.

Acontecimentos

Cada um dos subconjuntos do espaço amostral E de uma experiência aleatória designa-se por aconte-
cimento.

Os elementos de um acontecimento designam-se por casos favoráveis a esse acontecimento.

Designa-se:

• o conjunto vazio O por acontecimento impossível;

• o conjunto E por acontecimento certo.

Diz-se que:

• A é um acontecimento elementar se #A = 1;

• A é um acontecimento composto de #A ≥ 2.

Operações com acontecimentos

• Acontecimento reunião de A com B, A ∂ B, é o acontecimento que se realiza quando se verifica A


ou B.

• Acontecimento interseção de A com B, A © B, é o acontecimento que se realiza quando se verificam


A e B simultaneamente.

16
Probabilidades TEMA II

Diz-se que A e B são:

• acontecimentos incompatíveis ou mutuamente exclusivos se A © B = O;

• acontecimentos complementares ou contrários se forem incompatíveis e A ∂ B = E

Lei de Laplace

Numa experiência aleatória onde os casos possíveis são em número finito e equiprováveis, a probabi-
lidade de um acontecimento A é dada por:

P(A) = Número de casos favoráveis


_________________________
Número de casos possíveis

2. Espaços de probabilidade

Dado um conjunto finito, não vazio, E, chama-se probabilidade no conjunto P (E) das partes de E à função de
domínio P (E), e de valores não negativos, tal que:

• P (E) = 1;

• para A, B å P (E) disjuntos, P(A ∂ B) = P(A) + P(B).

Chama-se:

• ao conjunto E, espaço amostral ou universo dos resultados;

• ao conjunto P (E), espaço dos acontecimentos;

• aos elementos de P (E), acontecimentos;

• P(A), para A å P (E), probabilidade do acontecimento A;

• ao terno (E, P (E), P), espaço de probabilidade.

A, B å P (E) são acontecimentos equiprováveis se P(A) = P(B).

Definição de Laplace

#A é
Dado um conjunto finito, não vazio, E, a função P de domínio P (E) definida por AA å P (E), P(A) = ___
#E
a única probabilidade em P (E) tal que os acontecimentos elementares são equiprováveis.

17
TEMA II Probabilidades

Propriedades das probabilidades


A) = 1 - P(A)
• P(‾
• P(O) = 0
• Se A ƒ B, então P(B\A) = P(B) - P(A).
• Se A ƒ B, então P(A) ≤ P(B).
• P(A) å [0, 1]
• P(A) = P(A © B) + P(A © B
‾)

• P(A ∂ B) = P(A) + P(B) - P(A © B)

3. Probabilidade condicionada

Dados um conjunto finito, não vazio, E uma probabilidade P no conjunto P (E) e A, B dois acontecimen-
tos no espaço amostral E, com P(B) 0 0, designamos por probabilidade de A se B, ou probabilidade de
P(A © B)
A, sabendo que ocorreu B, ou probabilidade condicionada de A se B, a quantidade ________ e repre-
P(B)
sentámo-la por P(A|B).

Propriedades
• P(A © B) = P(A) * P(B|A)
• P(A © B) = P(B) * P(A|B)
• P(‾
A|B) = 1 - P(A|B)

Sejam E um conjunto finito e não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A, B dois acontecimen-
tos no espaço amostral E tais que P (B) 0 0:
• A e B dizem-se acontecimentos independentes se e só se P(A © B) = P(A) * P(B);
• A e B dizem-se acontecimentos independentes se e só se P(A|B) = P(B).

Teorema da probabilidade total


Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e N å N.
Se E1, E2, …, EN são disjuntos dois a dois e a sua união é E, então:
P(A) = P(A|E1)P(E1) + P(A|E2)P(E2) + ... + P(A|EN)P(EN)

18
Probabilidades TEMA II

EXERCÍCIOS

1. Revisões
2. Espaços de probabilidade

1EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1 Um saco contém bolas indistinguíveis ao tato, das quais quatro são vermelhas, uma é preta e
duas são amarelas. Retira-se, sucessivamente e sem reposição, duas bolas do saco.
Determina a probabilidade de pelo menos uma das bolas ser amarela.

2 Seja E o espaço de resultados associado a uma certa experiência aleatória. Sejam A e B dois
2 , P(B) = __
acontecimentos (A ƒ E e B ƒ E). Sabe-se que P(A) = __ 1 e P(‾
A©B 1.
‾) = __
5 3 3
Determina P(A © B).

Sugestão de resolução
2

2 5 5 2 2 1 5 5 1 11
1. P = __ * __ + __ * __ + __ * __ = ___ + ___ + ___ = ___
7 6
7 6 7 6 21 21 21 21
2. P(‾
1 § P(‾
‾) = __
A©B 1 § 1 - P(A ∂ B) = __
A ∂ B) = __ 1 § P(A ∂ B) = __ 2
3 3 3 3
2 § __
§ P(A) + P(B) - P(A © B) = __ 2 + __
1 - P(A © B) = __
2 § P(A © B) = ___
1
3 5 3 3 15

1 Lançou-se uma vez um dado octaédrico equilibrado, com as faces numeradas de 1 a 8, e obser-
vou-se o número da face que ficou voltada para cima.
1.1. Indica o espaço amostral.

1.2. Dá um exemplo de:


a) um acontecimento impossível:
b) um acontecimento certo;
c) um acontecimento possível não certo;
d) um acontecimento elementar;
e) um acontecimento composto;
f) dois acontecimentos equiprováveis;
g) dois acontecimentos incompatíveis mas não contrários;
h) dois acontecimentos contrários.

1.3. Sejam A e B os acontecimentos: A: “sair um número primo”, B: “sair um divisor de 12”.


Representa, sob a forma de conjuntos, os acontecimentos:
a) A ∂ B b) A © B ‾©B
c) A
d) A ∂ ‾
B ‾©‾
e) A B f) ‾
A©B

19
TEMA II Probabilidades

2 Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois acon-
1 , P(‾
tecimentos no espaço amostral E tais que que P(A) = __ A © B) = 0,22 e P(A © B) = 0,18.
5
( )
Determina P A ∂ B .

3 Um baralho de cartas completo é constituído por 52 cartas, repartidas por quatro naipes (espadas,
copas, ouros e paus). Em cada naipe há 13 cartas: um ás, três figuras (rei, dama e valete) e mais
nove cartas (do dois ao dez).

3.1. Retirando ao acaso, sucessivamente e com reposição, três cartas de um baralho completo,
determina a probabilidade de:
a) as três cartas serem de copas;

b) as três cartas serem um rei, uma dama e uma carta de copas, por esta ordem;

c) as três cartas serem um ás, uma dama e um valete, por qualquer ordem;

d) no máximo duas das cartas serem de ouros.

3.2. Repete a alínea anterior, considerando que se retiram as três cartas ao acaso, sucessivamente
e sem reposição.

4 Acerca dos habitantes de uma determinada cidade, sabe-se que a probabilidade de irem ao giná-
sio é 42% e a probabilidade de correrem é 33%. Sabe-se ainda que 12% dos habitantes vão ao
ginásio e correm.
Escolhendo um habitante desta cidade, ao acaso, qual é a probabilidade de:

4.1. apenas ir ao ginásio?

4.2. não ir ao ginásio nem correr?

5 Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois acon-
tecimentos no espaço amostral E. Mostra que:

5.1. P(A ∂ B) - P(‾


A © B) = P(B) - P(A
‾)

‾ © (A ∂ B)) + P(B
5.2. P(A ‾) = P(‾ ‾)
A∂B

6 Numa caixa há seis CD de música clássica, três de música jazz e sete de música rock, todos dife-
rentes entre si. O João escolhe ao acaso cinco destes CD.

6.1. Qual é a probabilidade de o João escolher pelo menos três CD de música rock?

6.2. Admite que o João escolhe os três CD de jazz, um CD de música clássica e um CD de música
rock.
Qual é a probabilidade de os colocar numa prateleira de forma a que os CD de música clássica
e de música rock nunca fiquem juntos?

20
Probabilidades TEMA II

3. Probabilidade condicionada

3EXERCÍCIO RESOLVIDO

Dois sacos, A e B, contêm bolas indistinguíveis ao tato. O saco A contém quatro bolas vermelhas
e duas bolas amarelas e o saco B contém três bolas vermelhas e cinco bolas amarelas. Retirou-se
uma bola de um dos sacos e verificou-se que era amarela.
Qual é a probabilidade de se ter retirado uma bola do saco A?

4Sugestão de resolução

Sejam A e B os acontecimentos:
A: “Retirar uma bola do saco A.”
B: “Retirar uma bola amarela.”
1 * __
_ 2
P(A © B) _____________
________ 2 6 8
P(A|B) = = = ___
P(B) 1 * __
__ 2 + __ 5 23
1 * __
2 6 2 8

7 Uma mercearia compra 35% dos seus legumes ao fornecedor A e os restantes ao fornecedor B.
Sabe-se que 9% dos legumes comprados ao fornecedor A estão impróprios para vender e 6% dos
legumes comprados ao fornecedor B também estão impróprios para venda. O dono da mercearia
pegou num legume ao acaso e verificou que estava em bom estado para ser vendido.
Qual é a probabilidade de esse legume ter sido comprado ao fornecedor B?

8 Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A, B e C três acon-
tecimentos, nenhum deles impossível, no espaço amostral E.
Mostra que P(A © B © C) = P(A) * P(B|A) * P(C|(A © B)).

9 Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois acon-
tecimentos em E tais que:
3
• P(A) = __ 1
• P(B|A) = __ 4
A) = __
B|‾
• P(‾
4 5 7
Determina P(A © B), P(A ∂ B), P(B) e P(A|B).

10 O Daniel e a Elsa estão a jogar poker com os amigos. O Daniel tem um bom jogo e faz uma
aposta. A probabilidade de a Elsa ter um jogo melhor que o do Daniel é 0,4. Se a Elsa tiver um
jogo melhor, ela vai aumentar a aposta com probabilidade 0,9, mas se isso não acontecer ela não
aumenta a aposta.
Se a Elsa aumentar a aposta, qual é a probabilidade de ela ter um jogo melhor que o do Daniel?

21
TEMA II Probabilidades

11 Uma fábrica tem três máquinas diferentes, A, B e C, que produzem o mesmo objeto. A máquina A
e a máquina B produzem as mesmas quantidades, mas a máquina C produz o dobro da máquina A.
Dos objetos produzidos pelas máquinas A, B e C, 3%, 4% e 5%, respetivamente, apresentam
algum defeito.

11.1. Determina a probabilidade de um objeto produzido por estas máquinas não ter defeitos.

11.2. Determina a probabilidade de um objeto ter sido produzido pela máquina A, se não tiver
qualquer defeito.

11.3. Averigua se os acontecimentos A: “ser produzido pela máquina A” e D: “ter defeito” são
independentes.

12 O André, a Bárbara e a Catarina estão a tirar a carta de condução. A probabilidade de cada um


deles passar no exame de condução é __ 5 e __
4 , __ 2 , respetivamente.
5 6 3
Determina a probabilidade de:

12.1. os três passarem no exame de condução;

12.2. apenas as raparigas passarem no exame de condução;

12.3. pelo menos um deles passar no exame de condução;

12.4. exatamente dois deles passarem no exame de condução.

13 Um dado equilibrado, com as faces numeradas de 1 a 6, é lançado duas vezes.


Determina a probabilidade de a soma dos números obtidos ser superior a 7, se:

13.1. o primeiro número que saiu foi 4;

13.2. o primeiro número que saiu foi maior que 3;

13.3. o primeiro número que saiu foi 1;

13.4. o primeiro número que saiu foi menor que 5.

14 De um baralho de cartas, selecionaram-se seis cartas de copas (2, 3, 4, 5, 6 e 7). Retirou-se ao


acaso, sucessivamente e com reposição, três cartas deste conjunto.
Qual é a probabilidade de a carta com o número 2 ser retirada pelo menos uma vez, se a soma
dos números saídos tiver sido 10?

15 Seja E = {a, b, c, d, e, f} o espaço amostral associado a uma certa experiência aleatória. Sabe-se que
P({a}) = P({b}) = __1 e que os restantes elementos de E são equiprováveis. Sejam A, B e C os aconte-
8
cimentos A = {a, c, d}, B = {a, c, e} e C = {a, d, e}. Mostra que P(A © B © C) = P(A) * P(B) * P(C),
mas os acontecimentos dados não são independentes dois a dois.

22
Probabilidades TEMA II

4. Resolver problemas

16 Uma password de email é formada pelas letras da palavra OCTOGONO.

Qual é a probabilidade de:

16.1. na password não haver duas consoantes seguidas?

16.2. na password haver pelo menos dois O seguidos?

17 Na figura está representado, em referencial o.n. xOy, um octógono y F E


regular [ABCDEFGH]. Sabe-se que os pontos G e H pertencem ao
eixo Oy, os pontos AB pertencem ao eixo Ox, a reta CD é paralela G D

ao eixo Oy e a reta EF é paralela ao eixo Ox.


H C
17.1. Escolhendo ao acaso dois vértices do octógono, qual é a proba-
bilidade de:
O A B x
a) serem extremos de uma diagonal do octógono?

b) definirem uma reta perpendicular ao eixo Ox?

17.2. Escolhendo ao acaso três vértices do octógono, qual é a probabilidade de:

a) os três pontos definirem um triângulo retângulo?

b) os três pontos definirem um triângulo em que um e um só dos lados é também um lado


do octógono?

c) os três pontos definirem um triângulo em que dois dos lados sejam lados do octógono?

17.3. Considera agora a divisão do octógono representada na figura. Supõe que dispões de doze
cores para colorir os nove polígonos em que se encontra dividido o octógono. Cada polígono
é colorido por uma única cor.

Qual é a probabilidade de:

a) todos os polígonos ficarem coloridos com cores diferentes?

b) os triângulos ficarem coloridos todos da mesma cor e os quadriláteros todos de cores dife-
rentes entre si e diferentes da cor dos triângulos?

18 Numa cidade, a probabilidade de chover é __ 1 . Se chover, a probabilidade de o João perder o auto-


4
2 . Se não chover, a probabilidade de o João apanhar o autocarro é __
carro é __ 5 . Se o João apanhar o
3 6
autocarro, a probabilidade de chegar a horas ao emprego é __ 4 . Se o João não apanhar o autocarro,
5
a probabilidade de chegar atrasado ao emprego é __ 3.
5
Qual é a probabilidade de chover e de o João chegar a horas ao emprego?

23
TEMA III Funções Reais de Variável Real

SÍNTESE

1. Limites

Teoremas de comparação de sucessões e teorema das sucessões enquadradas

• Dadas duas sucessões convergentes (un) e (vn), se a partir de certa ordem un ≤ vn , então lim un ≤ lim vn.

• Dadas duas sucessões (un) e (vn), se a partir de certa ordem un ≤ vn e lim un = + ∞, então lim vn = + ∞.

• Dadas duas sucessões (un) e (vn), se a partir de certa ordem un ≤ vn e lim vn = - ∞, então lim un = - ∞.

• Dadas duas sucessões (un) e (vn), convergentes com o mesmo limite ’, e uma sucessão (wn) tal que
a partir de certa ordem un ≤ wn ≤ vn, então (wn) é convergente e lim wn = ’.

Teoremas de comparação envolvendo desigualdades entre funções e os respetivos limites e teorema


das funções enquadradas

• Sejam f e g duas funções reais de variável real de domínio D e a å R um ponto aderente a D.


Se para todo o x å D, f(x) ≥ g(x) e lim g(x) = + ∞, então lim f (x) = + ∞.
x"a x"a

• Sejam f e g duas funções reais de variável real de domínio D e a å R um ponto aderente a D.


Se para todo o x å D, f(x) ≥ g(x) e lim f(x) = - ∞, então lim g (x) = - ∞.
x"a x"a

• Dados um número real ’, três funções reais de variável real f, g e h de domínio D e a å R, se


lim g(x) = lim h(x) = ’ e se para todo o x å D, g(x) ≤ f(x) ≤ h(x), então lim f(x) = ’.
x"a x"a x"a

2. Continuidade

Teorema dos valores intermédios ou teorema de Bolzano-Cauchy

Dada uma função real de variável real f, contínua num intervalo I = [a, b] , com a < b, para qualquer
valor k å R do intervalo de extremos f(a) e f(b) existe c å I tal que f(c) = k.

Teorema de Weierstrass

Dada uma função real de variável real f, contínua num intervalo [a, b] , com a < b, f admite máximo e
mínimo absolutos, nesse intervalo.

24
Funções Reais de Variável Real TEMA III

3. Derivada de segunda ordem, extremos, sentido das concavidades e pontos


de JOnFYµP

Derivada de segunda ordem de uma função

Dada uma função real de variável real f, diferenciável num intervalo I, tal que a função derivada f' é
diferenciável num ponto a å I, a derivada (f') (a) chama-se derivada de segunda ordem de f no ponto
'

a e representa-se por f"(a):

f'(x) - f'(a) f'(a + h) - f'(a)


f"(a) = lim _____________ = lim _____________
x "a x-a h"a h

Pontos de inflexão e concavidades do gráfico de funções duas vezes diferenciáveis

Seja f uma função diferenciável num intervalo I. O gráfico de f tem:

• a concavidade voltada para cima em I se e somente se f' for estritamente crescente em I;

• a concavidade voltada para baixo em I se e somente se f' for estritamente decrescente em I.

Seja f uma função duas vezes diferenciável num intervalo I = ] a, b [:

• se f"(x) > 0, ∀x å ] a, b [, então o gráfico de f tem a concavidade voltada para cima;

• se f"(x) < 0, ∀x å ] a, b [, então o gráfico de f tem a concavidade voltada para baixo.

Dada uma função f, duas vezes diferenciável num dado intervalo I = ] a, b [, com a < b, e c å ] a, b [, tal
que f'(c) = 0:

• se f"(c) < 0, f admite um máximo local em c;

• se f"(c) > 0, f admite um mínimo local em c.

Dada uma função f de domínio D, chama-se ponto de inflexão do gráfico de f ao ponto (c, f(c)), onde
c ∈ D, se existirem números reais a < c e b > c tais que [a, b] ƒ D e a concavidade do gráfico de f no
intervalo [a, c] tiver sentido contrário à concavidade do gráfico de f no intervalo [c, b] .

Dada uma função f, duas vezes diferenciável num intervalo I, se o gráfico de f tem ponto de inflexão
em c, então f"(c) = 0.

25
TEMA III Funções Reais de Variável Real

EXERCÍCIOS

1. Limites

1 EXERCÍCIO RESOLVIDO
2
cos x .
Utiliza o teorema das funções enquadradas para determinar o valor de lim ______
x " +∞ 2
x + 1
2 4VHFTUµPEFSFTPMV·µP

Para todo o número real x, tem-se que:


2
0 ≤ cos x ≤ 1 ⇔ ______
2 0 ≤ cos x ≤ ______
______ 1
2 2 2
x +1 x +1 x +1
2
Como lim ______ 0 = lim ______ cos x = 0.
1 = 0, então, pelo teorema das funções enquadradas, lim ______
2 2 2
x " +∞
x + 1 x " +∞ x + 1 x " +∞
x +1

_
n + 1 √4n
2
+2
1 Sejam (un) e (vn) duas sucessões tais que un = ______ e vn = ___. Acerca de uma sucessão (wn),
2n + 3 4n
sabe-se que un ≤ wn ≤ vn, ∀n å N. Determina lim wn.

2 Utiliza os teoremas de comparação de sucessões para justificar as seguintes igualdades.


2 2
2n + 1
2.1.lim _______ = + ∞
2n + 1
2.2. lim 2 = +∞ -n + 2
2.3. lim _______ = - ∞
n+3 2n + 1

3 Utiliza o teorema das sucessões enquadradas para calcular o limite de cada uma das sucessões
cujo termo geral se indica.
2 2
cos n
3.1. __
2 - cos n
3.2. _________
cos n
3.3. ______
n n+3 3 - 2n

4 Utiliza o teorema das funções enquadradas para calcular os seguintes limites.

4.1. lim
2 1
x cos __ 4.2. lim
2 2+x
x sen (_____
x"0 [ ( x2 )] x"0 [ x )]
2
4.3. lim
1 - cos x
________ 3x
4.4. lim _________
2 2
x"+∞
x +2 x"0 1 + cos x
2
4.5. lim [(x - 1) 2
2 1
sen (_____
x - 1) ] 4.6. lim
x + sen x
_________
x " + ∞( 2 )
x"1 2x

5 Utiliza o teorema das sucessões enquadradas para calcular o limite de cada uma das sucessões
cujo termo geral se indica.
n _ _
n+1
5.1. ______ 5.2. √n + 1 - √n
(3n + 2 )
2 2
n (sen n + cos n) n
n+1
5.3. ________________
3
5.4. ∑ _____
2
n +1 k=1 n -k

26
Funções Reais de Variável Real TEMA III

2. Continuidade

3EXERCÍCIO RESOLVIDO

Seja f(x) = x + 3x - 2x - 3. Mostra que a função f tem pelo menos um zero pertencente ao in-
5 4 3

tervalo ] 1, 2 [.

4 4VHFTUµPEFSFTPMV·µP

A função f é contínua em R, por se tratar de uma função polinomial; em particular, é contínua


em [1, 2] .
f(1) =1 + 3 * 1 - 2 * 1 - 3 = 1 + 3 - 2 - 3 = -1
5 4 3

f(2) = 2 + 3 * 2 - 2 * 2 - 3 = 32 + 48 - 16 - 3 = 61
5 4 3

Assim, pelo teorema de Bolzano-Cauchy, podemos concluir que existe pelo menos um zero da
função f pertencente ao intervalo ] 1, 2 [.

6 Considera a função f, de domínio R, definida por:


⎧______
2
x -1
⎪ x + 1 se x > - 1
f(x) = ⎨- 2____ se x = - 1
⎪√ x2 + 3
______ se x < - 1
⎩ x
6.1. Estuda a continuidade de f no seu domínio.

6.2. Prova que a função f tem máximo e mínimo no intervalo [- 2, 0] .


3
6.3. Mostra que a equação f(x) = - __ tem pelo menos uma solução no intervalo ] - 2, - 1 [.
2

7 Considera a função g, de domínio R, definida por:


⎧x2 + 2x + k se x ≥ 0

g(x) = ⎨______
2x - k , onde k ∈ R

⎩x-1 se x < 0

7.1. Justifica que, qualquer que seja o valor de k, a função g admite máximo e mínimo, no inter-
valo [-1, 1] .

7.2. Determina os valores de k para os quais a função admite pelo menos um zero no intervalo ] 0, 2 [.

8 Seja f a função de domínio R, definida por f(x) = x, e g uma função contínua em [a, b] , tal que
g(a) = b e g(b) = a.

Seja h a função, de domínio [a, b] , definida por h(x) = (g ∘ f)(x) - x.

Mostra que a função h tem, pelo menos, um zero.

27
TEMA III Funções Reais de Variável Real

3. Derivada de segunda ordem, extremos, sentido das concavidades e pontos


EFJOnFYµP

EXERCÍCIO RESOLVIDO
5

Seja f a função de domínio R definida por:


f(x) = - x - 3x + 9x + 2
3 2

Estuda a função f quanto ao sentido das concavidades do seu gráfico e quanto à existência de
pontos de inflexão.

4VHFTUµPEFSFTPMV·µP
6

'
f'(x) = (- x - 3x + 9x + 2) = - 3x - 6x + 9
3 2 2

'
f"(x) = (- 3x - 6x + 9) = - 6x - 6
2 2

f"(x) = 0 ⇔ - 6x - 6 = 0 ⇔ x = - 1

x -∞ -1 +∞
Sinal de f" + 0 -
Sentido das concavidades
8 P.I. {
do gráfico de f

O gráfico da função f tem a concavidade voltada para cima em ] - ∞, -1[ e tem a concavidade
voltada para baixo em ] - 1, + ∞ [; tem um ponto de inflexão de abcissa x = - 1.

9 Seja f uma função de domínio R, com segunda derivada finita em todos os pontos do seu domínio.
Seja g a função definida por g(x) = xf(x).
Mostra que g"(x) = 2f' (x) + xf"(x).

10 Estuda, quanto ao sentido das concavidades do seu gráfico e quanto à existência de pontos de
inflexão, no seu domínio de existência, as funções definidas por:
10.1. f(x) = x + 3x - 5x + 1 10.2. g(x) = x - 6x
3 2 4 2

2 3
10.3. h(x) = ____
x x -1
10.4. i(x) = _____
2 x -1 2x
2
x-1
10.5. j(x) = _____
x+2
10.6. k(x) = _____
x+1 (x - 3 )
____
10.7. l(x) = √x 2 + 1
3x
10.8. m(x) = ____
x -9
2

3
x -4
10.9. n(x) = ______
2 3x
10.10. o(x) = _____
x +4
2 x -1
2
_
10.12. q(x) = ___
10.11. p(x) = √x - 2
x
_
√x + 1

28
Funções Reais de Variável Real TEMA III

11 Seja f: R " R uma função tal que:


• f tem derivada finita em todos os pontos do seu domínio;
• f'(2) = 0;
• f''(x) > 0, ∀x ∈ ] - ∞, 2 [.
Apenas uma das seguintes opções pode representar a função f.
(I) (II)
y y

O 2 4 x O 2 4 x

(III) (IV)
y y

O 2 4 x O 2 4 x

Elabora uma composição na qual:


• identifiques a opção que pode representar a função f;
• apresentes razões para rejeitar as restantes opções.
Apresenta três razões diferentes, uma por cada gráfico rejeitado.

12 Na figura está representado, num referencial o.n. xOy, o gráfico de uma função f. O gráfico de f
tem dois pontos de inflexão de abcissas 0 e 1.

y f

1 3
-1 2
2
-1 O 1 1 2 x
2
-1

Resolve as seguintes condições.

12.1. f'(x) * f(x) < 0 12.2. f(x) * f"(x) > 0 12.3. f"(x) * f'(x) ≥ 0

13
2x2 .
Seja f a função de domínio R definida por f(x) = ______
x2 + 1
Escreve a equação reduzida da reta tangente ao gráfico de f cujo declive é o maior possível.

29
TEMA III Funções Reais de Variável Real

4.3FTPMWFSQSPCMFNBT

14 Um projétil foi lançado verticalmente a partir de um avião e a sua altura a (em metros) em função
do tempo t decorrido após o lançamento (em segundos) é dada por a(t) = -5t + 100t + 1500.
2

Determina:
14.1. a altura máxima atingida pelo projétil;

14.2. a velocidade média do projétil nos primeiros 5 segundos;

14.3. a velocidade no instante em que atingiu o solo;

14.4. a aceleração média nos primeiros 5 segundos;

14.5. a aceleração no instante t = 5.


Adaptado de Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

Considera uma função f, de domínio R, definida por f(x) = x + ax - 2x + 1, onde a designa um


3 2
15
certo número real. Sabe-se que o gráfico da função f tem um ponto de inflexão de abcissa x = 1.
Determina o valor de a.

16 Estuda e esboça o gráfico de cada uma das funções definidas por:


16.1. f(x) = x - 2x - x + 2 16.2. g(x) = x - 8x + 7
3 2 4 2

2 3
5x
16.3. h(x) = ______ 16.4. i(x) = ______
x
2 2
x -1 x -9
-1
16.5. j(x) = ______
x 2x
16.6. k(x) = ______
2 4
x +1 x -1
_ _
16.7. l(x) = √x - 4 16.8. m(x) = √x + 2 - x
2 2

17 Seja f a função, de domínio R, definida por:


⎧√_ _
2-x+4 se x≤2
⎪ - 2x
3
f(x) = ⎨_____________ se 2<x<5
(x - 1)(x - 5)

__ x se x≥5
⎩ x 2 - 16
17.1. Estuda a continuidade de f no seu domínio.

17.2. Justifica que a função f tem no intervalo [0, 4] um máximo e um mínimo absolutos.

17.3. Mostra que a equação f(x) = x tem, pelo menos, uma solução no intervalo ] - 2, 2 [.
3

17.4. Utilizando a calculadora gráfica, determina a única solução da equação f(x) = x , no intervalo
3

] - 2, 2 [. Apresenta a solução arredondada às centésimas.


17.5. Usando processos exclusivamente analíticos, estuda a função f quanto ao sentido das con-
cavidades do seu gráfico e quanto à existência de pontos de inflexão, no intervalo ] 5, + ∞ [.

30
Funções Reais de Variável Real TEMA III

18 Na figura está representado, num referencial o.n. y


xOy, um triângulo retângulo isósceles [ABC] cuja C
hipotenusa mede 4 unidades de comprimento.
Considera os retângulos [DEFG] que se podem G F
inscrever no triângulo [ABC] , de tal forma que o
lado [DE] está contido em [AB] e os vértices F e G
pertencem, respetivamente, a [BC] e a [AC] .
A D O E B x
Determina as dimensões do retângulo com a maior
área possível.

19 Na figura está a representação gráfica de uma_ fun- y


f
ção f, de domínio R 0 , definida por f(x) = √x .
+
P
Considera que um ponto P se desloca ao longo do
gráfico de f.
Seja A o ponto de coordenadas (__3, 0 .
2 )
Determina as coordenadas do ponto P de modo A
que a distância de P a A seja mínima. O x

20 Na figura encontra-se representada, num referen-


cial o.n. xOy, uma semicircunferência de centro y
O e raio 2.
Considera os retângulos que se podem inscrever
nesta semicircunferência, de tal forma que um dos
seus lados está sobre o eixo Ox e os restantes vér-
tices pertencem à circunferência.
Determina as dimensões do retângulo de área O x
2
máxima.

_
21 Considera um triângulo retângulo cuja hipotenusa mede √3 cm e o cone de revolução gerado por
este triângulo.

Determina o raio, a altura e o volume do cone de revolução obtido desta forma e com volume
máximo.

31
TEMA IV Trigonometria e Funções Trigonométricas

SÍNTESE

1. Revisões
Para todo o ângulo a:
2 2
• sen a + cos a = 1 (Fórmula Fundamental da Trigonometria)
sen a
• tg a = _
cos a
• tg a + 1 = _
2 1
cos2 a

p p p
a 30° (_ rad) 45° (_ rad) 60° (_ rad)
6 4 3
_ _
1
_ √ 2
___ √ 3
___
sen a
2 2_ 2
_
√ 3
___ √ 2
___ _1
cos a
2_ 2 2

_
tg a 3
___ 1 √3
3

2. Fórmulas de trigonometria
• sen (x ¿ y) = sen x cos y ¿ cos x sen y

• cos (x ¿ y) = cos x cos y ◊ sen x sen y

• sen (2x) = 2 sen x cos x


2 2
• cos (2x) = cos x - sen x

3. O limite notável lim ______


sen x
x→0 x
sen x = 1
lim _____
x→0 x

4. Derivadas de funções trigonométricas

• (sen x) = cos x • (sen u) = u‘ cos u


‘ ‘

• (cos x) = - sen x • (cos u) = - u‘ sen u


‘ ‘

‘ 1
• (tg x) = _____ u‘
• (tg u) = ______

cos2 x cos2 u

32
Trigonometria e Funções Trigonométricas TEMA IV

5. Estudo das funções definidas por a sen (bx + c) + d , a cos (bx + c) + d e


a tg (bx + c) + d (a 0 0)
O gráfico da função y = a sen (bx + c) + d, a 0 0, b 0 0 obtém-se a partir do gráfico da função y = sen x
através de:
1 se 0 < b < 1 b > 1 e uma reflexão de eixo
• uma dilatação (contração) horizontal segundo fator __
b
| | (| | )
Oy se b < 0;
c, 0 ;
• uma translação horizontal associada ao vetor (- __
b )
• uma dilatação (contração) vertical segundo fator a se |a| > 1 (0 < | a| < 1) e uma reflexão de eixo Ox
se a < 0;
• uma translação vertical associada ao vetor (0, d).

2p e o contradomínio é - a + d, a + d , se a > 0.


O período positivo mínimo é ___ [ ]
|b|
Obtêm-se conclusões análogas para as funções definidas por a cos (bx + c) + d ou a tg (bx + c) + d (a 0 0).

6. Aplicações aos osciladores harmónicos


Um oscilador harmónico é um sistema constituído por um ponto que se desloca numa reta numérica em
determinado intervalo de tempo I, de tal forma que a respetiva abcissa, como função de t å I, seja dada
por uma expressão da forma x (t) = A cos (wt + j), onde A > 0, w > 0 e j [ 0, 2p [.

• Amplitude: A
• Pulsação: w
• Fase: j
2p
• Período: T = ___
w
1
• Frequência: f = __
T

Dado um ponto material P, de massa m, colocado na extremidade de uma mola cuja outra extremidade
se encontra fixa, e tomando por origem da reta numérica em que P se desloca o respetivo ponto de
equilíbrio, tem-se que a abcissa x (t) da posição de P no instante t satisfaz a equação mx‘’ (t) = - a x (t)
(a > 0).
__
Todas as soluções da equação x‘’ (t) = - a x (t) são da forma x (t) = A cos(√a t + b).

Um sistema constituído por uma mola e por um ponto material P, colocado na respetiva extremidade,
constitui um oscilador harmónico.

33
TEMA IV Trigonometria e Funções Trigonométricas

EXERCÍCIOS

1. Revisões

2. Fórmulas de trigonometria

1 EXERCÍCIO RESOLVIDO

Determina o valor exato de:


p cos ___
a) cos(__ p p
__ p
___
5) ( 20 ) - sen( 5 ) sen( 20 )
p - s en2 ___
b) cos2(___ p
12 ) ( 12 )
Sugestão de resolução
2

__
p
__ p
___ p
__ p
___ p
__ p
___ p
__ √ 2
____
a) cos( )cos( ) - sen( )sen( ) = cos( + ) = cos( ) =
5 20 5 20 5 20 __ 4 2
p - s en2 ___
p p p √ 3
b) cos2(___ ___ __
( 12 ) = cos(2 × 12 ) = cos( 6 ) = 2
____
12 )

1 Determina os valores exatos de:


p
1.1. sen __
p
___ p
__ p
___ 5p
1.2. cos ___
p
___ 5p
___ p
___
( 5 ) cos ( 20 ) + cos ( 5 ) sen ( 20 ) ( 12 ) cos ( 12 ) + sen ( 12 ) sen ( 12 )
5p
1.3. - sen ___
2p
___ 5p
___ 2p
___ p
1.4. cos ___
4p
___ p
___ 4p
___
( 18 ) cos ( 9 ) - cos ( 18 ) sen ( 9 ) ( 18 ) cos ( 9 ) - sen ( 18 ) sen ( 9 )
p
1.5. sen ___
p
___ 5p 5p
1.6. cos ___ - sen ___
5p
___ 5p
___
( 12 ) cos ( 12 ) ( ( 12 ) ( 12 ))(cos( 12 ) + sen ( 12 ))

2 Mostra que, no respetivo domínio:


2.1. sen (a + b) + sen (a - b) = 2 sen a cos b 2.2. cos (a + b) - cos (a - b) = - 2 sen a sen b
sen a + b
( ) tg a + tg b cos (a + b) 1 - tg a tg b
2.3. _________ = ________ 2.4. _________ = _________
sen(a - b) tg a - tg b cos (a - b) 1 + tg a tg b
2.5. sen (a + b) sen( a - b) = sen2 a - sen2 b 2.6. cos(a + b) cos (a - b) = cos2 a - sen2 b

sen (2a)
2.7. cos2 a + cos (2a) = 2 - 3sen2 a 2.8. __________ = tg a
1 + cos (2a)
sen a + sen (2a) 1 - cos (2a)
2.9. _______________ = tg a 2.10. __________ = tg2 a
1 + cos a + cos (2a) 1 + cos (2a)
p - a = __
Determina os valores exatos de sen (a + b), cos (a - b), sen (2a) e tg (2a), sabendo que cos(__ 3
3
2 ) 5,
p
5 e a, b å __
cos b = - ___
13 ] 2 , p [.

34
Trigonometria e Funções Trigonométricas TEMA IV

7p + a = __
Sabendo que sen (___ 1 3p
___ p
__
4
2 ) 4 e que a å ] p, 2 [, calcula o valor exato de cos ( 3 + 2a).

p = 3 cos x + __
Determina o valor exato de tg x, sabendo que sen (x + __ p
5
3) ( 6 ).

6 Na figura está representado um triângulo [ABC]. Tem-se que q designa a am- C


plitude do ângulo BAC, a amplitude do ângulo ABC é o dobro da amplitude
x
p . Se ‾
do ângulo BAC e q å ] 0, __ BC = x, mostra que ‾
AC = 2x cos q.
2[ ș 2ș
A B

7 Determina os valores exatos de:

5p
7.1. sen ___
7p 7p
7.2. sen ___ + cos ___
( 12 ) ( 12 ) ( 12 )
11p p
7.3. cos ____ + cos ___
17p
7.4. tg ____
( 12 ) ( 12 ) ( 12 )

8 Resolve, em R, cada uma das seguintes equações.


__
√ __
p p 3
8.1. cos x cos __ + sen x sen __ = ____
p
8.2. sen x + __ =√2 cosx
(5) (5) 2 ( 4)

8.3. sen (2x) + 2 cos2x = 0


p p
8.4. sen x + __ + cos x + __ = 1 + cos (2x)
( 6) ( 3)
__
8.5. 3 cos (2x) + 5 cos x = 1 8.6. sen (2x) + √3 cos (2x) = 1

p
8.7. sen x + __ = 2 cos x - __
p 8.8. cos (3x) + cos x = 0
( 6) ( 3)

9 Resolve cada uma das equações no intervalo indicado.


__
√ 2
____
9.1. cos x sen (3x) + sen x cos (3x) = - , em ] 0, p [
2
9.2. sen x - cos x = 1, em  [–p, p]
__
9.3. sen (2x) - √3 cos x = 0, em ] 0, 2p [

9.4. 2cos(2x) + 1 + 4sen x = 0, em ] –p, p [  

9.5. cos(2x) - sen x = 1, em ] 0, 2p [


__
9.6. √3 sen (2x) + 3 cos x = 0 ,  em ] –p, 0 [  

p
9.7. sen x + cos __ + x = 1, em ] 0, 2p [
(6 )

p p
9.8. sen x - __ = 2 cos x + __ , em ] –p, 2p [  
( 6) ( 3)

35
TEMA IV Trigonometria e Funções Trigonométricas

sen x
3. O limite notável lim_____
x→0 x
EXERCÍCIO RESOLVIDO
3

sen (3x)
Calcula, caso exista, o limite lim _______.
x→0 4x

Sugestão de resolução
4

sen (3x) 1 sen (3x) sen y


1 lim____ 3
1 × 1 × 3 = __
lim_______ = __ lim _______ × 3 =⏟
__ × 3  = __
x→0 4x 4 3x → 0 3x y = 3x
4 y→0 y 4 4

10 Calcula, caso existam, os seguintes limites.


3sen x sen (3x)
10.1. lim _____ 10.2. lim _______
x→0 x x→0 x
sen x sen (2x)
10.3. lim _____ 10.4. lim _______
x→0 3x x→0 5x

11 Calcula, caso existam, os seguintes limites.


sen(p - x) sen (3x)
11.1. lim ________ 11.2. lim _______
x→0 2x x → 0 sen (2x)

sen2(__
x
sen x 2)
11.3. lim _____ 11.4. lim ________
x→0 tg x x→0 x2
sen (px) 1 - cos x
11.5. lim ________ 11.6. lim _______
x→0 sen (3px) x→0 x sen x
x - sen (2x)
11.7. lim ______________ 11.8. lim _________
x
_______
x → 0 √1 - cosx
+
x→0 x - sen (3x)

12 Considera as funções f e g, de domínio R, definidas por:


⎧ p
⎧_________
sen (x + 1) x 2 - cos (x + __
⎪ x2 + 3x + 2          se x > - 1 ⎪
_____________
x
2 )
        se x > 0
f(x) = ⎨0                     se x = - 1 g(x) = ⎨
1                              se x = 0
⎪___________

cos (x + 1) - 1
x+1
    se x < - 1 ⎪
sen (x 2)
_______ + 1               se x < 0
⎩ x
12.1. Estuda as funções f e g quanto à continuidade em x = -1 e em x = 0, respetivamente.
12.2. Estuda as funções f e g quanto à existência de assíntotas ao seu gráfico e, caso existam, escreve
as suas equações.

13 Calcula, caso existam, os seguintes limites.


3p
sen(x + ___
2)
___________ 1 - 2 sen x
13.1. lim 13.2. lim __________
p
x → __ cos (3x) sen (x - __
p
x → __ p
6)
2 6

px tg x - sen x
13.3. lim (1 - x) tg (___ ) 13.4. lim ________
x→1 [ 2 ] x→0 x3

36
Trigonometria e Funções Trigonométricas TEMA IV

4. Derivadas de funções trigonométricas

5EXERCÍCIO RESOLVIDO

Calcula, nos pontos em que existe, uma expressão da derivada da função definida por:
sen x + tg x
f (x) = ____
cos x

Sugestão de resolução
6


sen x + tg x = cos x × cos x - sen x * (- sen x) _____
+ 1 2 = cos
2 x + s en2x + 1 2
f ‘ (x) = (____ )
_______________________ _______________ = _____
cos x cos2 x cos x cos2x cos2 x

14 Calcula, nos pontos em que existe, uma expressão simplificada da derivada de cada uma das seguintes
funções definidas por:

14.1. a (x) = 2 sen x + tg x  14.2. b (x) = 4 sen x cos x


____
14.3. c(x) = sen(5x + 2) 14.4. d(x) = √sen x

14.5. e(x) = x 2 (sen x - 2x) 14.6. f(x) = sen2 x

14.7. g(x) = cos (x 2 + 2x + 2) 14.8. h(x) = tg2 (3x + 1)

2
14.9. i(x) = tg (cos x)   14.10. j(x) = cos (2x + 1)

14.11. k(x) = cos2 (2x + 1)


cos x
14.12. l(x) = _______
2 s en x
2

cos x
14.13. m(x) = ____ 14.14. n (x) = cos2 (x 3)
2x

15 Estuda a monotonia das seguintes funções, nos intervalos indicados, referindo o valor dos extremos
relativos, caso existam, e os intervalos de monotonia.

15.1. f(x) = cos x + sen x


p , __
x å [- __ p 15.2. g(x) = sen (2x) - x (x å [0, 2p] )
( 2 2] )

15.3. h(x) = 2x - tg x 
p , __
x å ] - __ p 1 p
15.4. i(x) = __________ x å 0, __
( 2 2 [) sen x + cos x ( [ 2] )

16 Estuda cada uma das funções do exercício anterior quanto às concavidades do seu gráfico e quanto à
existência de pontos de inflexão, nos intervalos indicados.

17 Depois de reduzir o intervalo de estudo, sempre que possível, por argumentos de paridade e de pe-
riodicidade, estuda os intervalos de monotonia das seguintes funções.

cos (2x) + 1 cos (2x) + sen (2x)


17.1. f(x) = _________ 17.2. g(x) = ______________
cos (2x) - 1 cos (2x) - sen (2x)

37
TEMA IV Trigonometria e Funções Trigonométricas

5. Funções definidas por a sen (bx + c) + d, a cos (bx + c) + d e a tg (bx + c) + d, (a 0 0)

7 EXERCÍCIO RESOLVIDO

Partindo do gráfico da função f (x) = sen x, descreve como obter o gráfico da função:
g (x) = - 3sen(2x + 1) + 2

Sugestão de resolução
8

O gráfico de g obtém-se do gráfico de f através de: contração horizontal segundo fator __ 1 ; transla-
2
1 , 0 ; dilatação vertical segundo fator 3; simetria em relação
ção horizontal segundo o vetor (- __
2 )
ao eixo Ox; translação vertical segundo o vetor (0, 2).

18 Sejam f, g, h, i, j e k funções reais de variável real, tais que f (x) = sen( __ 1 sen(2x) ,
x , g (x) = - __
2) 2
h(x) = 2 cos(x + p), i(x) = - cos(__
x + 2, j(x) = 2 sen __ p e k(x) = cos (4x) - 1.
x + __
3) (4 2)
Os gráficos seguintes representam, não por esta ordem, estas funções. Estabelece a correspondência
entre as funções e os respetivos gráficos e indica o período de cada uma delas.

y y y
2 1 2

-2› -› O › 2› x
- 3› -› O › › 3› x
2 2 2 2 -6› -2› O 2› 4› 6› x
-1
-2 -2

Gráfico (I) Gráfico (II) Gráfico (III)

y y y

1 O 3
2 › x
›
-› 4 2
2

-› O x 1
-› › ›
2 2
O 3› 6› x
-1
2
-2

Gráfico (IV) Gráfico (V) Gráfico (VI)

19 Esboça o gráfico das seguintes funções, nos intervalos dados, indicando, para cada uma delas, o
período positivo mínimo, o contradomínio e os zeros.

19.1. f(x) = 2 sen x - __


p + 1, em 0, 2p p 1
19.2. g(x) = sen 2x + __ - __, em [–p, p]
( 6)
[ ] ( 3) 2

19.3. h(x) = - cos 2x + __ , em [0, p]


p 1 1 p p
19.4. i(x) = __ tg (x) + __, em [–p, p] \ - __, __
( 4) 2 2 { 2 2}

38
Trigonometria e Funções Trigonométricas TEMA IV

6. Aplicações aos osciladores harmónicos

9EXERCÍCIO RESOLVIDO

Um ponto P desloca-se numa reta numérica no intervalo de tempo I = [0, 6[ (medido em se-
gundos) de tal forma que a respetiva abcissa, como função de t å [ 0, 6 [, é dada pela expressão
p
x (t) = 3 cos(pt + __).
2
Determina a amplitude, o período, a frequência do movimento e o ângulo de fase deste oscilador
harmónico.

Sugestão de resolução
10

2p
Amplitude: 3 Período: T = ___ = 2
p
1 = __
Frequência: f = __ 1 Fase: p
___
T 2 2

20 Um cubo encontra-se em movimento oscilatório provocado pela força elástica exercida por uma
mola. Os pontos O e A são fixos. O ponto P representa o centro do cubo e desloca-se sobre a semir-
˙ A.
reta O

A P
O

p + __
Sabe-se que a distância, em centímetros, do ponto P ao ponto O é dada por d(t) = cos(pt + __ 3.
4) 2
A variável t designa o tempo, medido em segundos, que decorre desde o instante em que foi iniciada
a contagem de tempo (t å [ 0, 5 [).

20.1. Determina a distância máxima e a distância mínima do ponto P ao ponto O.

20.2. Indica o valor da amplitude do movimento de P e o respetivo ângulo de fase.

20.3. Determina o período e a frequência deste oscilador.

20.4. Determina os três primeiros instantes em que o ponto P está a uma distância de 2 centímetros
do ponto O.

21 Um ponto P move-se no eixo das abcissas de forma que a sua abcissa no instante t (em segundos) é
p t - sen __
dada por x(t) = cos(__ p
2 ) ( 2 t).
21.1. Prova que se trata de um oscilador harmónico.

21.2. Determina o valor real de k tal que x" (t) = - kx (t).

39
TEMA IV Trigonometria e Funções Trigonométricas

7. Resolver problemas

22 Na figura está representada, num referencial o.n. xOy, a circunferência trigonométrica.


y
A

Į
O x
C B

Sabe-se que:
• o ponto A pertence ao primeiro quadrante e à circunferência;
• o ponto C tem coordenadas (-1, 0);
• o ponto B pertence ao eixo Ox;
• a reta AB é paralela ao eixo Oy;
• a é a amplitude do ângulo AOB;
p ;
• a å ] 0, __
2[
2 senx + sen (2x)
p , é definida por f(x) = _____________
• a função f, de domínio ] 0, __ [ .
2 4
22.1. Mostra que a área do triângulo [ABC] é dada, em função de a, por f(a).

22.2. Determina o valor de a para o qual a área é máxima.

22.3. Recorrendo à calculadora, determina graficamente as soluções da equação que te permitem


resolver o seguinte problema: Quais são os valores de a para os quais a área do triângulo
[ABC] é 0,6?
Apresenta os valores obtidos aproximados às centésimas.

22.4. Determina o declive da reta tangente ao gráfico da função f no ponto de abcissa __.
p
6

23 Seja f a função, de domínio [0, 2p] , definida por f(x) = sen x + sen (2x).

23.1. Determina os zeros da função f.


__
p p
23.2. Mostra que f __ - x + f __ + x = √2 cos x + 2 cos (2x), para quaisquer valores de x.
(4 ) (4 )
f (x)
23.3. Calcula lim ____.
x→0 x
23.4. Determina a equação reduzida da reta tangente ao gráfico de f no ponto de abcissa __.
p
2
23.5. Seja g a função, de domínio [0, 2p] , definida por g(x) = f(x) + sen x. Estuda a monotonia da função
g, indicando o valor dos extremos relativos, caso existam, e os intervalos de monotonia.

40
Trigonometria e Funções Trigonométricas TEMA IV

p + __
Considera a função f, de domínio R\{0}, definida por f(x) = sen (__ p sen __
p __ p
24
x 4) ( x - 4 ).
p 1
24.1. Mostra que f(x) = sen2 __ - __, para qualquer x å R\{0}.
(x) 2
24.2. Estuda a função f quanto à existência de assíntotas não verticais ao seu gráfico.

24.3. Determina a expressão geral dos zeros de f.

24.4. Estuda a monotonia da função f, no intervalo [ 1, + ∞ [, indicando o valor dos extremos relativos,
caso existam, e os intervalos de monotonia.

⎧ _____________
cos (2x) - cos2x
       se x > 0
⎪ x
25 Considera a função f, de domínio R, definida por f(x) = ⎨ 0                     se x = 0
⎪ ___________
2 cos x - sen (2x)
       se x < 0
⎩ x
25.1. Estuda a função f quanto à continuidade em x = 0.

+
25.2. Considera a função g, de domínio R , definida por g(x) = xf(x).

2
a) Para um certo a å ] 0, p [, tem-se que tg a = __ . Determina o valor exato de g(a).
3
1 p
b) Mostra que a equação g(x) = - __ tem exatamente uma solução em __, p .
2 ]2 [

26 O funicular dos Guindais, no Porto, liga a Batalha à Ribeira,


entre as 8 horas e as 20 horas, diariamente e de forma contí-
nua, efetuando um percurso em linha reta com apenas estas duas
paragens. A distância d, em metros, percorrida pelo funicular,
t segundos após o início do movimento na primeira paragem,
p
60 sen ___
é dada, aproximadamente, por d(t) = 2,34 t - ___
( p ( 60 t)).
26.1. Escreve uma expressão que permita calcular a velocidade
do funicular em função de t e determina a velocidade 20
segundos após a saída da primeira paragem.

26.2. Calcula o tempo, em minutos, que demora a viagem e a


distância entre as duas paragens.

26.3. Determina a velocidade média do funicular entre as duas


paragens.

26.4. Determina a aceleração do funicular 30 segundos após a saída da primeira paragem. Apresenta
o resultado com aproximação às centésimas.

41
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

SÍNTESE

1. Juros compostos

Dado um capital inicial C0, e aplicando-se juros compostos à taxa de r % a T, tem-se que o capital
disponível ao fim de n å N períodos de tempo T é igual a:
n
r
C0 (1 + ____
100 )

Sejam r um número real, n um número natural e C0 um capital disponível no início de um determinado


período de um ano. Se dividirmos esse ano em n períodos iguais, de medida temporal T, e aplicarmos
juros compostos à taxa de __r % a T, durante esses n períodos ao capital inicial C0, o capital disponível
n
ao fim de um ano é igual a:
n
r
C0 (1 + _____
100n )

2. Número de Neper
n
A sucessão de termo geral un = (1 + __1 é crescente e limitada. Logo, a sucessão de termo geral
n
n) n
1 1 = e.
un = (1 + __) é convergente e tem-se que lim(1 + __
n n)

3. Funções exponenciais

A função definida por f (x) = ax, em R, com a å R , designa-se por função exponencial de base a.
+

A função exponencial de base a, com a > 1, tem as seguintes propriedades: y


h(x) = 5x
• Domínio: R g(x) = ex

+ f(x) = 2x
• Contradomínio: R

• Zeros: não tem zeros, isto é, ax = 0 é uma equação impossível.


5
• Sinal: é positiva em R, isto é, ax > 0,  Ax å R.

• Variação: é crescente. e

2
• Injetividade: é injetiva.
1
• Continuidade: é contínua.
O 1 x
• lim ax = + ∞ e lim ax = 0
x"+∞ x"-∞

• Assíntotas: y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico da função.

42
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

A função exponencial de base a, com 0 < a < 1, tem as seguintes propriedades:

• Domínio: R h(x) = 1
x y
+
5
• Contradomínio: R
x
g(x) = 1
e
x
• Zeros: não tem zeros, isto é, ax = 0 é uma equação impossível. f(x) = 1
2
• Sinal: é positiva em R, isto é, ax > 0,  Ax å R.
• Variação: é decrescente. 5

• Injetividade: é injetiva.
• Continuidade: é contínua. e

2
• lim ax = 0 e lim ax = + ∞
x"+∞ x"-∞
1
• Assíntotas: y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico da função.
–1 O x

Propriedades
+
Sejam a, b å R e x, y å R:
x x
• ax * ay = ax + y
y
• (ax) = ax * y 1 = a- x
• __ ax = a x - y
• __
x
• (ab) = ax * b
x a = ___
• (__ a = ax * b- x
ax ay b ) bx

Resolução de equações exponenciais

Na resolução de uma equação exponencial, devem seguir-se estes passos:


1.º passo: Sempre que possível, escrever as potências na mesma base, aplicando as regras operatórias
das potências.
2.º passo: Obter uma igualdade do tipo ax = ay.
3.º passo: Aplicar ax = ay § x = y.
4.º passo: Resolver a equação obtida no passo anterior.
5.º passo: Apresentar o conjunto-solução.

Resolução de inequações exponenciais

Na resolução de uma inequação exponencial, devem seguir-se estes passos:


1.º passo: Sempre que possível, escrever as potências na mesma base, aplicando as regras operatórias
das potências.
2.º passo: Obter uma desigualdade do tipo ax < ay ou ax > ay ou ax ≤ ay ou ax ≥ ay.
3.º passo: Se a > 1, aplicar ax ≶ ay § x ≶ y e se 0 < a < 1, aplicar ax ≶ ay § x ≷ y. Este esquema também
é válido se a inequação obtida no 2.° passo envolver ≥ em vez de > ou ≤ em vez de <.
4.º passo: Resolver a inequação obtida no passo anterior.
5.º passo: Apresentar o conjunto-solução.

43
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

4. Funções logarítmicas
+
O logaritmo de um número positivo de uma dada base a, com a å R \{1}, é o expoente a que é preciso
elevar a base para obter esse número.
loga(x) = y § x = ay

Seja a um número real positivo diferente de 1. Tem-se:


+
• loga(a) = 1 • loga(1) = 0 • Ax å R, loga(ax) = x • Ax å R , alog (x) = x
a

+ +
A função definida por f (x) = loga(x), em R , com a å R \{1}, designa-se por função logarítmica de base
a e representa-se por loga.
A função logarítmica de base 10 representa-se por log e a função logarítmica de base e representa-se
por ln.

A função logarítmica de base a, com a > 1, tem as seguintes propriedades:


+
• Domínio: R
y
• Contradomínio: R y = log2(x)

• Variação: é crescente. y = ln(x)

• Zeros: tem um único zero, isto é, loga (x) = 0 § x = 1.


y = log(x)

• Sinal: só é positiva em ]1, + ∞[, isto é, loga(x) > 0 § x > 1 O 1 x

e só é negativa em ]0, 1[, isto é, loga(x) < 0 § 0 < x < 1.


• Injetividade: é injetiva.
• Continuidade: é contínua.
• lim loga(x) = + ∞ e lim loga (x) = - ∞.
x"+∞ x"0
+

• Assíntotas: x = 0 é assíntota vertical ao gráfico da função.

A função logarítmica de base a, com 0 < a < 1, tem as seguintes propriedades:


+
• Domínio: R y

• Contradomínio: R
• Variação: é decrescente.
• Zeros: tem um único zero, isto é, loga(x) = 0 § x = 1
• Sinal: só é positiva em ] 0, 1 [, isto é, loga(x) > 0 § 0 < x < 1
e só é negativa em ] 1, + ∞ [, isto é, loga(x) < 0 § x > 1.
1 x
• Injetividade: é injetiva.
O

y = log 1(x)
• Continuidade: é contínua. 10

y = log 1 (x)
• lim loga (x) = - ∞ e lim loga(x) = + ∞.
+
e

x"+∞ x"0 y = log 1 (x)

• Assíntotas: x = 0 é assíntota vertical ao gráfico da função.


2

44
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

Propriedades algébricas dos logaritmos

+ +
Dados a, b å R \{1}, x, y å R e p å R:
• loga (xy) = loga (x) + loga (y) 1 = - log (x)
• loga (__
x) a

log ( )
• loga __x = loga (x) - loga (y)
x
(y) • loga (x) = _______
b

logb (a)
• loga (x ) = p loga (x)
p

+
Dados a å R e x å R:
x x ln (a)
•a =e

Resolução de equações logarítmicas

Na resolução de uma equação envolvendo logaritmos, devem seguir-se estes passos:


1.º passo: Determinar o domínio da expressão que envolve logaritmos.
2.º passo: Caso haja logaritmos de bases diferentes, aplicar a regra de mudança de base e escrever todos
os logaritmos na mesma base.
3.º passo: Utilizar as propriedades algébricas dos logaritmos, com precaução, de forma a obter uma
expressão do tipo loga (x) = loga(y) ou loga(x) = z.
4.º passo: Aplicar loga(x) = loga(y) § x = y ou loga(x) = z § x = az.
5.º passo: Resolver a equação obtida no passo anterior.
6.º passo: Intersetar as soluções da equação anterior com o domínio da expressão inicial e apresentar
o conjunto-solução.

Resolução de inequações logarítmicas

Na resolução de uma inequação envolvendo logaritmos, devem seguir-se estes passos:


1.º passo: Determinar o domínio da expressão que envolve logaritmos.
2.º passo: Caso haja logaritmos de bases diferentes, aplicar a regra de mudança de base e escrever todos
os logaritmos na mesma base.
3.º passo: Utilizar as propriedades algébricas dos logaritmos, com precaução, de forma a obter uma
expressão do tipo loga(x) ≶ loga(y) ou loga(x) ≶ z ou uma expressão idêntica mas com ≥ ou ≤.
4.º passo: Se a > 1, aplicar loga (x) ≶ loga (y) § x ≶ y ou loga (x) ≶ z § x ≶ az e se 0 < a < 1, aplicar
loga(x) ≶ loga(y) § x ≷ y ou loga(x) ≶ z § x ≷ az. Este esquema também é válido se a inequação obtida
no 3.° passo envolver ≥ em vez de > ou ≤ em vez de <.
5.º passo: Resolver a inequação obtida no passo anterior.
6.º passo: Intersetar as soluções da inequação anterior com o domínio da expressão inicial e apresentar
o conjunto-solução.

45
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

Regras de derivação

• (eu)' = u ' eu 1
• (ln (x))' = __ 1 __
• (loga (x))' = _____ 1
x ln (a) x
• (ax)' = ln (a) ax u'
u'
• (ln (u))' = __
1 __
• (loga (u))' = _____
• (au)' = u ' * au * ln (a) u ln (a) u

• (x ) ' = a x
a a-1

Limites envolvendo funções exponenciais e logarítmicas


x

• lim 1 =e
1 + __ • lim __ ex = + ∞ (limite notável)
x"¿∞ ( x) x " + ∞ xk

n ln (x)
• lim (1 + __
x =e x • lim _____ = 0 (limite notável)
n) x"+∞ x
ex - 1 = 1 (limite notável)
• lim ______
x"0 x

5. Modelos exponenciais

A evolução de determinadas grandezas pode ser modelada por uma equação diferencial de 1.ª ordem
da forma f ‘ = kf, que traduz o facto de, em cada instante, a taxa de variação ser aproximadamente pro-
porcional à quantidade de grandeza presente.

Dados dois números reais k e c, as funções f (x) = c ekx são soluções, em R, da equação diferencial f ‘ = kf
e todas as soluções desta equação são desta forma.

Designação Modelo Gráfico


y
Decaimento -k(t - t0)
m(t) = m0 e
radioativo x

Crescimento y
(N - M)(t - t0)
populacional P(t) = P0 e
Malthusiano x

y
Modelo de Newton Ta
-k(t - t0) -k(t - t0) x
de aquecimento/ T(t) = T0 e + Ta(1 - e ) y
arrefecimento Ta
x

46
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

EXERCÍCIOS

1. Juros compostos

2. Número de Neper

1EXERCÍCIO RESOLVIDO

A Alice depositou 1000 euros num banco, num regime de juro composto, à taxa anual de 1%.
Determina quanto dinheiro tem a Alice ao fim de 1 ano, se os juros forem pagos semestralmente.

2Sugestão de resolução
2
1
C = 1000 (1 + _______ ) 1010,03 €
100 * 2 )

1 O Bernardo fez um investimento de 1200 euros, num regime de juro composto, à taxa anual de 4%.

Calcula o valor do investimento do Bernardo ao fim de 4 anos, com aproximação às centésimas.

2 Um capital de 5000 euros foi aplicado num investimento em regime de juro composto, a uma taxa
anual de 12%, com juros pagos trimestralmente.

Determina o valor acumulado ao fim de 1 ano, com aproximação às centésimas.

3 Quando a Carla nasceu, o pai depositou 2000 euros no banco, num regime de juro composto, a
uma taxa anual de 2%, com juros pagos semestralmente.

Quando a Carla fizer 18 anos, que quantia terá no banco? Apresenta o resultado com aproximação
às centésimas.

4 Que quantia terá o Daniel de depositar num banco que oferece um juro de 2,5% ao ano, se quiser
ter, passados 5 anos, 15 000 euros?

Apresenta o resultado com aproximação às centésimas.

5 Qual é a taxa de juro anual de um investimento, em regime de juro composto, que permite passar
de uma quantia de 1000 euros para 2000 euros em 5 anos?

Apresenta o resultado em percentagem, com aproximação às décimas.

47
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

6 O Eduardo sonhou que tinha feito um investimento de 100 000 euros, em regime de juro com-
posto, a uma taxa anual de 100%.

Determina o capital acumulado ao fim de um ano, com aproximação às centésimas, se o juro fosse
capitalizado:

6.1. anualmente;

6.2. semestralmente;

6.3. trimestralmente;

6.4. mensalmente;

6.5. semanalmente (52 semanas);

6.6. diariamente (365 dias);

6.7. hora a hora;

6.8. minuto a minuto;

6.9. continuamente.

7 A Fátima depositou 6000 euros em regime de juro composto, a uma taxa anual de 2%, com juros
pagos semestralmente.

7.1. Escreve uma expressão que permita obter o capital acumulado ao fim de n anos.

7.2. Utilizando a calculadora, determina ao fim de quantos anos a Fátima duplicou o seu investi-
mento.

8 Um capital de 3000 euros foi investido em regime de juro composto. Nos primeiros três anos,
a taxa de juro anual é de 10%, descendo para 8% nos anos seguintes.

Qual é o valor do investimento ao fim de 8 anos?

9 O Gonçalo depositou algum dinheiro num banco, em regime de juro composto, a uma taxa anual
de 3%. Ao fim de 2 anos, tinha recebido um total de 487,20 euros em juros.

Determina o valor inicial depositado pelo Gonçalo.

10 O João abriu uma conta bancária com a quantia de 1500 euros, em regime de juro composto à
taxa anual de 1,5%. Anualmente, no dia em que recebe os juros, o João acrescenta 500 euros a
esta conta.

Que valor monetário terá o João ao fim de 5 anos?

48
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

3. Funções exponenciais

3EXERCÍCIO RESOLVIDO

Resolve, em R, as seguintes condições, exprimindo os conjuntos-solução como intervalos ou


união de intervalos, quando não forem em número finito ou numerável.
___ 2
3
a) √27 = 812x - 1
x 1
b) 42x + 1 ≥ ___
( 8x )
4Sugestão de resolução
___ 1
__ 2x - 1
3
a) √27 = 812x - 1 § (33x) 3 = (34)
x x 4
§ 3 = 38x - 4 § x = 8x - 4 § - 7x = - 4 § x = __
7
⎧ ⎫
4⎬
C . S . = ⎨__
⎩7⎭
2
1 2 2x + 1 1
b) 42x + 1 ≥ ___ ≥ 2- 6x § 4x + 2 ≥ - 6x § 10x ≥ - 2 § x ≥ - __
2
-3x 4x + 2
( 8x ) § (2 ) ≥ (2 ) § 2 5
1, + ∞
C . S . = [ - __
5 [

11 Resolve, em R, as seguintes equações.

11.1. 3 = ___
x 1 11.2. 2
x-2
= 64 11.3. 3
3-x
= 9x - 3
27
11.4. 16
x-2
=2 11.5. 3 * 81
2x - 1
= 92x 1 = 24 - x
11.6. _____
x-2
8

12 Resolve, em R, as seguintes inequações.

12.1. 25
2x - 1
<1 12.2. 16
2x - 4
≥ 32x - 1 12.3. 2
x+1 1
≤ ___
16
10
x
12.4. 256 ≤ 4 * 16
x+1 2
12.5. ______ ≥2
x
12.6. 125 < 5 * 25
2x - 1
x
2 * 16

13 Calcula os seguintes limites.


n 2n n+2
13.1. lim 1 - __
2 13.2. lim 1 + _____
3 13.3. lim 1 + ______
1
( n) ( n + 1) ( 2n + 1 )
n+3 2n - 2 n+1
n+2
13.4. lim ______
3n + 1
13.5. lim ______
n+3
13.6. lim _____
(2n + 1 ) (n+2 ) ( n )
3n - 1 n+3 2n
n+5
13.7. lim _____
2n - 1
13.8. lim ______ 13.9. lim 1 + ______
n
(n + 3 ) ( 2n + 1 ) ( 2 n + 1)

14 Determina, se existir, cada um dos seguintes limites.


e 5x - 1
14.1. lim ______
5x
14.2. lim _____x
5-x
14.3. lim ______
x"0 x x"0 1-e x"5
x
e -e
5

e -e2x + 1
14.4. lim _________
e -1
14.5. lim _______
2x 2x2
14.6. lim _____
x"0 5x x"0 3xe - 1  x"0
x
e - 1 

49
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

15 Recorrendo às regras de derivação, determina uma expressão analítica da derivada de cada uma
das seguintes funções.
____
15.1. e- x + 1 15.2. f (x) = √ex - 1 15.3. f (x) = esen x + cos x
2

15.4. f (x) = _____


x+1 15.5. f (x) = (ex + 2) (e3x + 1) 15.6. f (x) = 2
x+1
x+1 e

a a
16 Sejam a e b dois números reais tais que 2 = 3, 2b = 5 e 3 = 7. Determina os seguintes valores.
-a a
__
b+1 2a a2
16.1. 2 16.2. 2 16.3. 3 16.4. 2 2 16.5. 2
a
16.6. 2
a+b
16.7. 2
2a - b
16.8.
2
__ 16.9. 3
a
- __
16.10.   6
a
(3) 2

17 Resolve, em R, as seguintes equações.

x+1
* 2x - 1 = 256  2x x
17.1. 2 17.2. 2 - 3 * 2 - 4 = 0

3x
17.3. 3 + 3
x+2 x
- 18 * 3 = 0 3
17.4. _________ =2
-x + 2
1+2
x-2
____
x+2
17.5. 2
4x + 1
- 3 * 22x + 2 = - 16 17.6. 3 = 27
3
___ 1 - __
x

17.7.√3 = 9
6 x+1
+ 14 = 2- x + 4
x 2
17.8. 2

18 Resolve, em R, as seguintes inequações.


x2 - 9
_____
x2 + 3
18.2. 2 > 16
x2
18.1. 5 <1

18.3. 3 (2 - 1) ≤ 0
x x x 2x
18.4. 2 * 3 < 6 * 9
1
__
x+3 x 5-x
18.5. x * 2 ≥ 16x  18.6. 81 ≥ 3

-x + 2 x+1
+ 2x - 1 > 20
x
18.7. 3 + 3 ≤6 18.8. 2

3-x x
18.9. 6 - 2 >2 18.10. x2 ex + x ex - 1 ≤ 0

⎧______
x ex - e     se   x 0 1
Considera a função f, de domínio R, definida por f (x) = ⎨ x - 1

19 . ⎪

⎩2e         se   x = 1
19.1. Averigua se a função f é contínua em x = 1.

19.2. Estuda a função f quanto à existência de assíntotas não verticais ao seu gráfico e, caso existam,
escreve as suas equações.

19.3. Determina a equação reduzida da reta tangente ao gráfico da função f no ponto de abcissa 0.

50
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

4. Funções logarítmicas

5EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1. Sejam a e b números reais positivos e diferentes de 1. Mostra que:


__
1 log (b)
loga (b) + loga(√b ) - log√a__ (b) = - __
2 a

2. Resolve, em R, a condição log (x2 - 1) - log (x - 1) ≤ 1.

6 Sugestão de resolução
__ 1
__
loga(b)
1. loga (b) + loga(√b ) - log√a__ (b) = loga (b) + loga(b ) - _________
2
__ =
loga(√a )
loga(b)
1 log (b) - ______
= loga (b)+ __ =
2 a
1
__
2
3
= loga b - 2 loga b = - __
__ ( ) ( ) 1 log (b)
2 2 a

2. D = {x å R: x2 - 1 > 0 ‹ x - 1 > 0} Cálculos auxiliares


= (] - ∞, - 1 [  ∂  ]1, + ∞[)  ©   ] 1, + ∞ [ = • x2 - 1 = 0
= ]1, + ∞[ § x = 1 › x = -1
+ +

Para qualquer x å  ]1, + ∞[: -1 - 1


x

log (x2 - 1)  - log (x - 1) ≤ 1


• x 2 - 10x + 9 = 0
§ log (x2 - 1) ≤ log (10) + log (x - 1) _______
§ log (x2 - 1) ≤ log (10x - 10) 10 ¿ √100 - 36
_____________
§x=
2
§ x2 - 1 ≤ 10x - 10 10 ¿ 8  
§ x = ______ + +
§ x2 - 10x + 9 ≤ 0 2 1 - 9
x

§ x = 9 › x = 1
C . S . =  ]1, + ∞ [ ©   [1, 9] = ] 1, 9]

20 Resolve, em R, as seguintes condições.

20.1. log2(x - 1) = 5 20.2. log5(1 - 2x) = 1

20.3. log2(x) + 2 log2(3) = log2(6) 20.4. log3(x2 + 4) - log3(2) = log3(4)

1
20.5. log2(x) > 2 + log2 __ 20.6. log3(x) ≤ log3(2x) + 1
(2)
20.7. log (x) < - 1 + log(5)  20.8. ln(2x - 3) ≥ 2ln (3)

2
20.9. log2(x + 1) < 0 20.10. log (2x + 1) > - log (2) + 1

51
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

21 Considera os números reais positivos a, b e c, diferentes de 1 e tais que loga(b) = - 2  e logc(b) = 3.


Determina o valor de:
2
21.1. loga(a b )
a__
21.2. loga ____ 21.3. logb(c) + logb(a)
(√b )
3

log (a) ab
3
21.4. logb(a2 b) 21.5. ______ 21.6. logb ____
_
c

logc(b) ( √c )
Adaptado de Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

22 Resolve, em R, as seguintes condições.

22.1. log (x - 3) - log(x + 1) = - log(x - 2) 22.2. log2(x + 4) - log2(2x + 1) = log2(x)

22.3. ln(x2 + e - 1) = 2ln(x) + 1 22.4. log3(x + 1) (1 - log6(x)) = 0

22.5. log2(2 - x) - log__1 (x) = 1 22.6. log (x2 - 1) - log (x - 1) > log (2x - 1)
2
2
22.7. log3(2x - 1) - log9(4 x2) ≤ 1 - log3(x) 22.8. (ln (x)) - ln (x) ≤ 0

22.9. ( log2(x2) - 2
) (2 - log __12(x)) < 0 22.10. 2x ln (x + 1) - ln (x + 1) ≥ 0

22.11. e2x + 3 < 4 ex 22.12. e5x - 9 e3x + 20 ex ≥ 0


2x x+1 -x
22.13. 2 - 5 * 2 + 21 < 0 22.14. ex + 4e ≤4

22.16. e2x - 1 + (2 - e) ex - 1 < 2


x 1-x
22.15. 3 + 4 * 3 -8≥0

23 Recorrendo às regras de derivação, determina uma expressão analítica da derivada de cada uma
das seguintes funções.
ln (x) + 4 x2 - 1
23.1. (ex - x) ln (x) 23.2. f (x) = _______ 23.3. f (x) = ln _____
ex ( 2x )
23.4. f (x) = ln (cosx2) 23.5. f (x) = (ln(ln(x)))
2 ex
23.6. f (x) = ln ___
(x)

24 Calcula, em a, o limite das funções definidas pelas seguintes expressões, utilizando mudança de
variável sempre que te parecer conveniente.
- __
x
2
+ e , a = - ∞ e a = + ∞
e- x____ - x + 1 + ln(x)
24.1. f (x) = ________ 24.2. f (x) = ___________
2
, a = 0 e a = + ∞
√ex + 1 x
1
____
24.3. f (x) = (x2 - 1) e
x-1
, a = 1 4 e3x - e2x , a = + ∞ e a = - ∞
24.4. f (x) = ______________
2e + 3e - e
3x x -x

ln(x)
24.6. f (x) = _________
+
24.5. f (x) = ln(1 + x) - ln(x), a = + ∞ _   , a = + ∞ e a = 0
√x + ln(x)
1 + ln(x) 2x - 4
24.7. f (x) = _______,  a = + ∞ 24.8. f (x) = _______ , a = 2 e a = + ∞
x +1
2
ln (x - 1)
2
(ln(x))
) - ln(e x + x), a = + ∞ e a = 0 24.10. f (x) = _______
+
24.9. f (x) = ln(x 2 2 , a = + ∞
e2x
1
__
1
24.11. f (x) = x ln 1 + ___ , a = + ∞ 24.12. f (x) = (1 + 2x) , a = 0
x +
e a = +∞
( 3x )

52
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

5. Modelos exponenciais

7EXERCÍCIO RESOLVIDO

A função p definida, em [0,+ ∞ [, por p (x) = 50 * e 0,16x, dá-nos o número aproximado de elementos


de uma população de peixes de um lago, x meses após o início da contagem.
a) Quantos peixes há no lago um ano após o início da contagem?
b) Quanto tempo será necessário para que o lago contenha 1000 peixes? Apresenta o resultado
em meses, aproximado às unidades.

8Sugestão de resolução

a) p (12) = 50 * e0,16 * 12 ) 341 peixes


ln (20)  
b) p (t) = 1000 § 50 * e0,16x = 1000 § e0,16x = 20 § 0,16x = ln (20) § x = ______
0,16
Assim, x ) 19 meses.

25 No Japão, há várias ilhas em que a população de gatos ultrapassa largamente a de pessoas. Admite
que, numa dessas ilhas, o número de elementos da população de gatos, t anos após o início de
1990, é dado, aproximadamente, por G (t) = 178 * e0,05t, t ≥ 0. Determina o número de gatos exis-
tentes nessa ilha no início de 2017. Apresenta o resultado arredondado às unidades.

26 Um certo computador novo custa 1300 euros e desvaloriza 23% ao ano.

26.1. Ao fim de um ano, qual é o valor do computador?

26.2. A função c (x) = a ebx dá o valor do computador, em euros, x anos após ter sido comprado.
Determina os valores de a e b.

26.3. Após ter sido comprado, quanto tempo demora até que o computador valha metade do seu
valor inicial? Apresenta o resultado em anos, aproximado às décimas.
1
c (x + ___
12 )
26.4. Calcula o valor de _________  , aproximado às centésimas, e interpreta o valor obtido.
c (x)

27 De acordo com o modelo de Newton de aquecimento/arrefecimento, a temperatura T de um


objeto, t minutos após ter sido deixado à temperatura ambiente Ta, é dada em função da sua tem-
peratura inicial T0 por T (t) = Ta + (T0 - Ta) e- kt.

A avó da Helena fez um bolo e colocou-o em cima da mesa, a uma temperatura ambiente de 20 ºC.
Às 10 horas, a temperatura do bolo era de 80 ºC e, às 11 horas, era de 40 ºC. A que horas o bolo
atingiu a temperatura de 25 ºC? Apresenta o resultado em horas e minutos.

53
TEMA V Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas

6. Resolver problemas

28 Considera a função g definida por g (x) = e- 2x, P um ponto de abcissa positiva pertencente ao res-
petivo gráfico e Q a projeção ortogonal de P sobre o eixo Ox. Determina para que valor real da
abcissa de P é máxima a área do triângulo [OPQ].
Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

29
x+1 .
Seja f a função, de domínio ] - ∞,- 1 [ ∂ ] 1, + ∞ [, definida por f (x) = ln (____
x-1)
29.1. Determina o conjunto-solução da condição f (x) ≥ - ln ( x2 - 1).

29.2. Estuda a função f quanto à existência de assíntotas ao seu gráfico, paralelas aos eixos coor-
denados.
3
29.3. Mostra que E c å __, 2 : f (c) = c.
]2 [
29.4. Na figura estão representados, em referencial
y f
o.n. xOy, o gráfico da função f, uma reta r e um
trapézio [OABC]. C
r
Sabe-se que:
B
• A tem abcissa 3 e pertence ao eixo Ox;
• B pertence ao gráfico de f e tem abcissa igual A
3 x
à do ponto A; O

• r é a reta tangente ao gráfico de f no ponto B;


• C é o ponto de interseção da reta r com o eixo Oy.
Determina a área do trapézio [OABC].

2
____
30 Considera as funções f e g definidas por f (x) = 1 + e
x-1 x-3 .
e g (x) = ln ( ____
x + 2)
30.1. Indica o domínio de f e estuda a existência de assíntotas ao gráfico de f.

30.2. Resolve a equação f(x) = 3.

30.3. Determina uma expressão analítica para a função inversa de f e o respetivo domínio.

30.4. Determina a função derivada de f e identifica os intervalos de monotonia de f.

30.5. Determina o domínio da função g.

30.6. Justifica que o eixo Ox é assíntota ao gráfico de g em + ∞ e em - ∞.

30.7. Averigua se o gráfico da função g admite assíntotas verticais.

30.8. Resolve a condição g(x) < 0.

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

54
Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas TEMA V

⎧ ln (x 2 + x)   se   x > 0

31 Considera a função f, definida em R\{0}, por f(x) = ⎨_____


e x - 1         se   x < 0 .

⎩ 2x2

31.1. Estuda a função quanto à existência de assíntotas ao seu gráfico.

+
31.2. Estuda a função quanto à monotonia em R .

31.3. Estuda a função quanto ao sentido das concavidades do seu gráfico e quanto à existência de
+
pontos de inflexão em R .

31.4. Determina a equação reduzida da reta tangente ao gráfico de f no ponto de abcissa - 1.

+
31.5. Resolve, em R , a condição f (x) ≥ 1 + ln(x + 1).

⎧ __________
2 sin (x - 1)
⎪ ln (x)
se x > 1
32 Considera a função real de variável real g definida por g (x) = ⎨ 2 se x = 1 .
___
⎪ √1 - x
_________ se x < 1
Estuda a continuidade da função g. ⎩ x 2 - 7x + 6

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

33 Esboça os gráficos das funções dadas, respetivamente, por cada uma das seguintes expressões
analíticas, começando por determinar os respetivos domínios, intervalos de monotonia, extremos
relativos, concavidades e inflexões.

33.1. f (x) = x2 ex 33.2. f (x) = 3 + log__1 (4x - 1)


x+1
33.3. f (x) = ln ____
2 (x - 1 )
33.4. f (x) = ln( ex - 1) 33.5. f (x) = - x + 4 + e- x   33.6. f (x) = x3 ln(x) 

2x
33.7. f (x) = _______
ln(x) - 1
Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

34 Considera a função real de variável real f definida, em R\{-1}, por:

⎧________
e x - 1 - 1      se  x < 1  ‹ x 0 - 1 
⎪ x2 - 1
f (x) = ⎨ k - 1  se  x = 1 , onde k é um número real
⎪ _____
ln(x)
se  x > 1
⎩ 2x - 2  

34.1. Determina k de modo que f seja contínua em x = 1.

34.2. Indica o valor lógico da afirmação: Existe um zero da função f no intervalo [-2, 0].

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

55
TEMA VI Primitivas e Cálculo Integral

SÍNTESE

1. Noção de primitiva

Dada uma função real f, definida num intervalo I, designa-se por primitiva de f em I uma função F,
diferenciável em I, tal que para todo o x å I,  F '(x) = f(x).

Dada uma função f, primitivável num intervalo I, e dadas duas primitivas F e G de f nesse intervalo,
tem-se que a função F – G é constante em I.

Se f é primitivável num intervalo I, então as primitivas de f nesse intervalo são funções definidas pelas
expressões F (x) + c, c å R, onde F é uma qualquer primitiva de f em I. Esta expressão representa-se por
Pf ou por ∫ f (x) dx e as constantes c designam-se por constantes de primitivação.

Dados um intervalo I, um ponto a å I, b å R e uma função f primitivável nesse intervalo, existe uma
única primitiva F de f em I tal que F(a) = b.

Primitivas de funções de referência


a+1
• ∫ x dx = _____
x
a
• ∫ 1 dx = x + c, c å R + c, a å R\{0, -1}, c å R
a+1
1 dx = ln x + c, c å R
• ∫ __ (| |)
x x
• ∫ e dx = e + c, c å R
x
• ∫ sen x dx = - cos x + c, c å R • ∫ cos x dx = sen x + c, c å R

Propriedades (linearidade da primitivação)

• ∫ (f(x) + g(x)) dx = ∫ f(x) dx + ∫ g(x) dx

• ∫ kf(x) dx = k ∫ f(x) dx

Integração da função composta

• ∫ u '(x) f(u(x)) dx = F(u (x)) + c, c å R, onde F é uma primitiva de f.

Da propriedade anterior resulta uma nova lista de primitivas:


a
• ∫ (u(x)) u '(x) dx = _____1 a+1
(u(x)) + c, a å R\{0, -1}, c å R
a+1
u '(x)
• ∫ ____ dx = ln ( | u(x)| ) + c, c å R
u(x)
• ∫ e u(x) u '(x) dx = e u(x) + c, c å R

• ∫ sen (u(x)) u '(x) dx = - cos u(x) + c, c å R

• ∫ cos (u(x))u '(x) dx = sen (u(x)) + c, c å R

56
Primitivas e Cálculo Integral TEMA VI

2. Cálculo integral

Dado um referencial cartesiano e uma função f, contínua e não negativa num intervalo [a, b], (a ≤ b),
o integral de f entre a e b, ∫a f (x) dx, é a medida da área da região do plano delimitada pelas retas de
b

equação x = a e x = b, pelo eixo das abcissas e pelo gráfico de f.

Quando f é contínua e não negativa num intervalo [a, b] , (a ≤ b):

∫b f (x) dx = -∫a f (x) dx, por convenção


a b

Quando f é contínua e não positiva num intervalo [a, b] , (a ≤ b), o valor de ∫a f (x) dx é o simétrico
b

da medida da área da região do plano delimitado pelas retas de equação x = a e x = b, pelo eixo das
abcissas e pelo gráfico de f.

Extensão da definição da noção de integral a funções contínuas que alteram de sinal um número finito
de vezes

Dada uma função f, contínua de domínio [a, b] , (a ≤ b), para a qual existe k å N ∂ {0} e c0, c1, …, ck + 1,
com a = c0 < c1 < … < ck + 1 = b tal que f é não negativa ou não positiva em cada um dos intervalos
[cj, cj + 1, ] , (0 ≤ j ≤ k), tem-se que o integral de f entre a e b, ∫a f (x) dx, é a soma
b

c c c
∫ 1 f (x) dx + ∫ 2 f (x) dx + … + ∫ck + 1f (x) dx
c0 c1 k

Propriedades do integral definido

Dadas duas funções f e g contínuas num intervalo fechado I e a, b, c å I:


a b a
• ∫b f(x) dx = - ∫a f(x) dx • ∫a f(x) dx = 0
b c b b b b
• ∫a f(x) dx = ∫a f(x) dx + ∫c f(x) dx • ∫a (f(x) + g(x)) dx = ∫a f(x) dx + ∫a g(x) dx
b b b b
• ∫a k f(x) dx = k ∫a f(x) dx • se f(x) ≤ g(x), em [a, b] , ∫a f(x) dx ≤ ∫a g(x) dx

Teorema fundamental do cálculo integral e fórmula de Barrow

Dada uma função f, contínua e não negativa num intervalo [a, b] , (a ≤ b), e sendo Fa a função defi-
nida em [a, b] por Fa (x) = ∫a f (t) dt, tem-se que Fa é diferenciável no intervalo [a, b] e F ‘a(x) = f(x), com
x

Fa (a) = 0.

Dada uma função f, contínua e não negativa num intervalo [a, b] , (a ≤ b), tem-se que ∫a f(t) dt = F(b) - F(a),
b

onde F é uma qualquer primitiva de f no intervalo [a, b] .

57
TEMA VI Primitivas e Cálculo Integral

EXERCÍCIOS

1. Noção de primitiva

1 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

sen x + cos x dx.


1. Calcula, usando primitivação por substituição, ∫ ___________
cos x
___
2. Considera a função f definida, em ]- ∞, 4[, por f (x) = √4 - x . Determina a primitiva de f cujo
1 .
gráfico contém o ponto de coordenadas (0, - __
3)

2 Sugestão de resolução
sen x + cos x dx  = ∫ _____
1. ∫ ___________ sen x sen x
_____
cos x (cos x + 1) dx = - ∫ - cos x dx + ∫ 1dx = - ln |cos x| + x + c, c å R 
1+1
__
___ 1
__ _____
(4 - )
_________
x
2
2
__
+ c = - √(4 - x) + c, c å R
3
2. F (x) = ∫√4 - x dx = - ∫ - (4 - x) dx = -
2

1+1
__ 3
__ 2
1 § - __
F (0) = - __ 2√43 + c = - __ 16 + c = - __
1 § - ___ 1§c=5
3 3 3 3 3
_____
2 √(4 - x)3 + 5.
Logo, F (x) = - __
3

1 Calcula as seguintes primitivas.


2
1.1. ∫ (2x + 1) dx 1.2. ∫ (3 x2 + 2x + 5) dx 1.3. ∫ (x - 1) dx
3
1.4. ∫ (1 - 2x) dx 1.5. ∫ ___ + ___ - x + 1 dx
x3 x2 3
1.6. ∫ ___ dx
(3 2 ) 3
x
3x
1.7. ∫ _________3 dx 1.8. ∫ 2 (x2 + 2x + 1) dx 1.9. ∫ x2 (2 x3 + 2) dx
3

(2 x 2 + 1 )
2 3
_ __
1.10. ∫ (x - 1)(x2 - 2x + 3) dx 1.11. ∫ √x dx 1.12. ∫ 3√2x dx
__
1.13. ∫ (2 + √x ) dx
2
1.14. ∫ _____
__ dx 1.15. ∫ _____
1
__ dx
4
√2x √5x
_____ ____
1.16. ∫
1_ + x dx
____ 1.17. ∫√ 2x + 1 dx 1.18. ∫ x√x2 + 2 dx
(√x )

2 Calcula as seguintes primitivas.


2
2.1. ∫ ____ dx
3x dx
2.2. ∫ ______
x + 1 dx
2.3. ∫_________
x-1 2x - 1
2 2 x + 2x - 1 
4 x2
2.4. ∫ ______3 dx
2 1
2.5. ∫ ____ + ____ dx 2.6. ∫
1
_______ 2
+ ____ dx 
1 - 2x (x - 3 1 - x) ( (x - 1 ) 2
x + 1)

58
Primitivas e Cálculo Integral TEMA VI

3 Calcula as seguintes primitivas.

3.1. ∫ e x + 1 dx 3.2. ∫ e - 2x dx 3.3. ∫ (ex + 1) dx


__
x

3.6. ∫ (2 ex - 3 x 2) dx 
3
3.4. ∫ e dx 3.5. ∫ x e x dx 
2

4 Calcula as seguintes primitivas.

4.1. ∫ cos (3x) dx 4.2. ∫ 4 sen(- x) dx  4.3. ∫ x cos ( x 2 + 2) dx

4.4. ∫ 3 x 2 sen (x 3 - 1) dx  4.5. ∫ 3 sen (p + x) dx


p
4.6. ∫ 2 cos __ - x dx
(2 )

5 Calcula as seguintes primitivas.

5.1. ∫ __________
x3
____ dx  sen x
5.2. ∫ _______ dx 5.3. ∫ __________
x
____ dx
√x 4 + 2 1 - cos x √x 2 + 3
_
2cosx x + ln (x) 2x + √
5.4. ∫ __________2 dx 5.5. ∫ _______ dx 5.6. ∫ _______
x
dx 
(2 + sen x) x x2
sen x dx
5.7. ∫ _____ 5.8. ∫ sen x cos3 x dx
cosx
5.9. ∫ _________
____ dx
cos2 x √sen x
_____
e dx √ ln(x)
5.10. ∫ _____ 5.12. ∫ __________ dx
x
5.11. ∫ e x cos (e x + 1)dx  
e +1
x
x

6 6 Determina a expressão que define a primitiva F de f, sabendo que:

6.1. f (x) = - _____2 , e que o gráfico passa no ponto de coordenadas (0, 2).


x
e-x
1 + cos x
6.2. f (x) = __________2 , e que o gráfico passa no ponto de coordenadas
1
__
(x + sen x) (p, - p ).

7 Determina a expressão analítica da função f tal que f (0) = 1, f’(1) = 2 e f’’(x) = x3 + 2x + 1.

8 Calcula as seguintes primitivas.


____
8.1. ∫ x2 √x3 + 1 dx  8.2. ∫ x2 ex  dx 
3 1
8.3. ∫ _____ dx 
__ x ln (x)
cos √
8.4. ∫ _______ 8.6. ∫ _____
x
__ dx x dx 
8.5. ∫ sen x cos3x dx 
√x 1 + x2
sen x dx ln (x ) 2
e 2x dx
8.7. ∫ _____ 8.8. ∫ ______ dx 8.9. ∫ ______
cos2 x x 2 - e 2x

9 Determina a função f que tem um ponto de inflexão de coordenadas (0, 1), a reta tangente ao seu
gráfico no ponto de abcissa 0 tem declive 2 e verifica a condição f ‴(x) = 24x - 6.

10
sen x cos x
Calcula a primitiva ∫ ____________ dx .
cos2 x - 2 sen2x

59
TEMA VI Primitivas e Cálculo Integral

2. Cálculo integral

EXERCÍCIO RESOLVIDO
3

2
Calcula o valor do integral ∫ -1 6x (x2 + 1) dx.
2

Sugestão de resolução
4

2
3
(x2 + 1) 8 = 125 - 8 = 117
125 - __
∫ 6x (x2 + 1) dx = 3∫ -1 2x (x2 + 1) dx = 3 * [________] = 3 * (____
2 2 2 2
-1
3 -1
3 3)

Se ∫ 0 f (x)dx = 5, ∫ 3 f (x) dx = 3 e ∫ 0 g(x) dx = 2, determina o valor de cada um dos seguintes integrais.


3 7 3
11
7 0
11.1. ∫ 0 f(x) dx 11.2. ∫ 3 f (x) dx
3 3
11.3. ∫ 0 (f (x) + g (x)) dx 11.4. ∫ 0 (2f (x) - 3g(x)) dx

12 Calcula o valor de cada um dos seguintes integrais.


3x 3 x2 - 1
12.1. ∫ -1 (4 x2 + 5x) dx 12.2. ∫ 1 _____ 12.3. ∫ 1 _____ dx
1 2
dx
2x +1 x
p 3
__
__ e
12.4. ∫ sen (2x) dx 12.6. ∫ 1 ___ dx
1 3 x
4 12.5. ∫ 0 x ex dx
2

0 2
x ______
____ p
__ e √ 2 - ln (x)
12.9. ∫ 1 ________ dx
1
12.7. ∫ 0 x√x2 + 1 dx 12.8. ∫02 sen x cos2x dx
x

13 Determina os valores de a, sabendo que:

13.1. ∫ 1 (x + 1) dx = 0 13.2. ∫ -1 (3 + ax) dx = 4


a 2

13.3. ∫ 0 (a - x3) dx = 18
2 1 ax
13.4. ∫ 0 ________ dx = 2
2
(x + 1 )
2

14 Determina a derivada de cada uma das seguintes funções.


x2
_
14.1. F (x) = ∫0 (t + 2) dt
x
14.2. F (x) = ∫0 (t2 + 1)dt x 3
14.3. F (x) = ∫ 8 √t dt
x3
_
14.4. F (x) = ∫1 sen t dt 14.5. F (x) = ∫0 14.6. F (x) = ∫x
sen x x+2
√t dt  (4t + 1) dt

15 Calcula o valor de cada um dos seguintes integrais.

15.1. ∫ 0 | x2 - 4 | dx  15.2. ∫ 0 | x2 - 4x + 3 | dx


3 4

⎧2(x + 1) se x ≤ 0

16 Considera a função f, contínua em R, definida por ⎨cos (px) + 2x + 1 se 0 < x < 1
⎪____
2 +1
⎩ se x ≥ 1
Calcula ∫ f (x) dx.
2 x + 1
-1

60
Primitivas e Cálculo Integral TEMA VI

3. Resolver problemas

17 Calcula a medida da área da região sombreada em cada uma das seguintes figuras.
17.1. 17.2. 17.3.
y y y

y = x2 - 4x + 3
y = 9 - x2

y = 1 + 32
x

x O 1 3 x O 1 3 x
O

18 Calcula a medida da área da região compreendida entre os gráficos das seguintes funções.

18.1. f (x) = 2x + 1 e g (x) = x2 + 1 18.2. f (x) = 4 e g (x) = x2


_
18.3. f (x) = √x e g (x) = x2 18.4. f (x) = x2 + 6x e g (x) = x3

19
30_
Num jardim há uma árvore cuja taxa de crescimento, t anos após ter sido plantada, é dada por ___
√t
centímetros por ano. A altura da árvore no momento em que foi plantada era de 20 cm.
Quantos anos terão de passar até que a sua altura seja de 2 metros?

20 Na figura estão representados parte do gráfico da função f, de y f

domínio R, definida por f (x) = x ( x 2 - 4) e a reta de equação


x = a, a > 0. Determina o valor de a para o qual as medidas das
áreas das regiões a sombreado são iguais.

O 2 a x

21 Calcula a medida da área da região a sombreado em cada uma das seguintes figuras.
2
21.1. f (x) = (x - 1) + 1 , A é o vértice da 21.2. f (x) = x3 - x  e t é a reta tangente ao grá-
parábola, B é um ponto do gráfico de f fico de f no ponto A(1, 0).
tal que o declive da reta AB é 2.
f y f
y t
B
A
O x

A B
O x

61
TEMA VII Números Complexos

SÍNTESE

2. O corpo dos números complexos

Designa-se por corpo dos números complexos, e representa-se por C, o conjunto R2 munido das se-
guintes operações:

• (a, b) + (c, d) = (a + c, b + d) (operação aditiva +)

• (a, b) * (c, d) = (ac - bd, ad + bc) (operação multiplicativa *)


2
com (a, b), (c, d) å R

Designa-se por unidade imaginária, e representa-se por i, o número complexo (0, 1).

• i2 = - 1

Dado um número complexo z, existe um único número real a e um único número real b tais que
z = a + bi:

• a designa-se por parte real de z e representa-se por Re (z).

• b designa-se por parte imaginária de z e representa-se por Im (z).

Um número complexo z é real se e somente se Im (z) = 0.

Designam-se por números imaginários puros os números complexos não reais tais que Re (z) = 0.

Dado um plano munido de um referencial ortonormado direto e dados a, b å R, designa-se por afixo
do número complexo z = a + bi o ponto M de coordenadas (a, b).

Dado um número complexo z, designa-se por módulo de z a medida da distância, no plano complexo,
entre a origem e o ponto afixo de z e representa-se por |z | .
______
Dado um número complexo z = a + bi, a, b å R, tem-se que |z| = √a + b .
2 2

Dado um número complexo z = a + bi, a, b å R, designa-se por:

• simétrico de z o número complexo - a - bi e representa-se por –z;

• conjugado de z o número complexo a - bi e representa-se por ‾z.

Dados a + bi e c + di å C, tem-se que:

• (a + bi) + (c + di) = a + c + (b + d) i

• (a + bi) * (c + di) = (ac - bd) + (ad + bc) i

62
Números Complexos TEMA VII

Dados dois números complexos z = x + yi e z0 = a + bi, x, y, a, b å R, o afixo de z + z0 é a imagem pela


translação de vetor u (⃗ a, b) do ponto M, afixo de z.

Dado um número complexo z, não nulo, existe um e um só número z ' tal que z z ' = 1. Representamos
1 e designámo-lo por inverso de z.
esse número por __
z

Dados dois números complexos w e z, z 0 0, designa-se por quociente de w por z o número complexo
pelo qual se tem de multiplicar z para obter w e representa-se por __
w.
z

Dados dois números complexos w e z, z 0 0, tem-se que __ 1.


w = w * __
z z

Potenciação
n r
Seja n å N0. i = i , sendo r o resto da divisão inteira de n por 4.

Propriedades relativas ao módulo e ao conjugado de números complexos

‾ ‾
• ‾‾z = z • (__
w =  __ w • |z | = |‾z| • |z w | = |z | |w |
z ) ‾z
•‾
z + w = ‾z + ‾
w
z+z
• Re (z) = ____‾
2
- ‾z
z____
• |z | = z  ‾z
2

||
• __

1
z
1
|w|
w = ___
|z|
•‾
zw = ‾z   w
‾ • Im (z) = • |z + w| ≤ |z| + |w| • __ = ____2 ‾z
2i z |z|

3. Forma trigonométrica de um número complexo

Um número complexo de módulo 1 diz-se unitário.

z é unitário se e só se existir um número real a tal que z = cos a + i sen a (a designa-se por um argumento
de z).

Dados dois números complexos unitários z1 = cos a + i sen a e z2 = cos b + i sen b, a, b å R:
z
• z1 z2 = cos (a + b) + i sen (a + b) • __1 = cos (a - b) + i sen (a - b)
z2

Um número complexo cos q + i sen q, com q å R, representa-se por e iq.

Dado um número complexo z 0 0, a sua representação na forma |z | eiq, onde q é um argumento de z,


designa-se por forma trigonométrica ou forma polar de z.

Igualdade de números complexos escritos na forma trigonométrica (ou forma polar):

z = z ' § |z| = |z '| ‹ q = q ' + 2kp, k å Z

63
TEMA VII Números Complexos

Ao argumento de z que pertence ao intervalo ] - p, p] chama-se argumento principal de z e representa-se


por Arg (z).

Dado um número complexo, não nulo, z = a + bi, a, b å R, q é um argumento do número z se e só se


a
cos (q) = ________
_____ b
e sen (q) = ________
_____ b.
. Nesse caso, se a 0 0, tg (q) = __
√a2 + b2 √a2 + b2 a

Simétrico e conjugado de um número complexo na forma trigonométrica

• - ( |z | eiq) = |z | ei(p + q)

•‾
|z| eiq = |z| ei(- q)

| | | |
Dados dois números complexos quaisquer, não nulos,  z1 = z1 eiq e z2 = z2 eiq , tem-se que:
1 2

| || |
i (q1 + q2)
• z1 z2 = z1 z2 e

z |z |
• __ = ___ e
1 1 i (q1 - q2)
z |z |
2 2

n
Fórmula de De Moivre: Dado q å R e n å N, tem-se que (cos q + i sen q) = cos (nq) + i sen (nq).
n
Dado um número complexo, não nulo, z = |z | eiq, tem-se que zn = |z | ei(nq).

4. Raízes n-ésimas de números complexos

Dado um número complexo w 0 0 e um número natural n ≥ 2, chama-se raiz n-ésima de w ou raiz de


ordem n de w a qualquer número complexo z tal que zn = w.

Fórmula de De Moivre generalizada: Dado um número complexo w 0 0 e um número natural n ≥ 2,


n
___ i(__an + ____
2kp
n )
tem-se que a equação zn = w tem exatamente as n soluções zk = √|w | e , k = 0, 1,… , n - 1, onde a
é um argumento de w.

• Há exatamente n raízes de ordem n de um número complexo w.


n
___
• O módulo de qualquer raiz de ordem n de w é √|w| .

• As representações geométricas
___ das raízes de ordem n de w estão sobre uma circunferência de centro
n
na origem e raio |w | e dividem-na em n partes iguais.

• Os argumentos das n raízes correspondentes a valores de k consecutivos formam uma progressão


2p .
aritmética de razão ___
n
• Os afixos das n raízes de ordem n de w são os vértices de um polígono regular de n lados inscrito
numa circunferência de centro na origem.

64
Números Complexos TEMA VII

5. Conjuntos de pontos definidos por condições sobre números complexos

Dados dois pontos P1 e P2, afixos dos números complexos z1 e z2, tem-se que ‾ |
P2 P1 = z2 - z1 .|
Retas paralelas aos eixos coordenados

• Re (z) = a define a reta vertical que passa no ponto de coordenadas (a, 0).

• Im (z) = b define a reta horizontal que passa no ponto de coordenadas (0, b).

Circunferência e círculo

| |
• z - z1 = r define a circunferência de centro em P1 e raio r.

• | z - z | ≤ r define o círculo de centro em P e raio r.


1 1

• |z - z | < r define o interior do círculo de centro em P e raio r.


1 1

• |z - z | > r define o exterior da circunferência de centro em P e raio r.


1 1

Mediatriz e semiplanos definidos por mediatrizes

• |z - z1| = |z - z2| define a mediatriz do segmento de reta [P1P2].


• |z - z1 | ≤ | z - z2 | representa o semiplano fechado definido pela mediatriz do segmento de reta [P1P2]
e que contém o ponto P1.
• |z - z1| < |z - z2 | representa o semiplano aberto definido pela mediatriz do segmento de reta [P1P2] e
que contém o ponto P1.
• |z - z1 | ≥ | z - z2| representa o semiplano fechado definido pela mediatriz o segmento de reta [P1P2] e
que contém o ponto P2.
• |z - z1| > |z - z2 | representa o semiplano aberto definido pela mediatriz do segmento de reta [P1P2] e
que contém o ponto P2.

Semirretas e ângulos

• Arg (z - z1) = a define a semirreta com origem em P1 e que faz um ângulo de medida a com o semieixo
real positivo.
• Arg (z - z1) = a › Arg (z - z1) = a + p define a reta que passa em P1 e que faz um ângulo de medida a
com o semieixo real positivo.
• a ≤ Arg (z - z1) ≤ b define o ângulo de vértice P1 cujos lados origem e extremidade são as semirretas de
origem em P1 e que fazem um ângulo de medida a e b, respetivamente, com o semieixo real positivo.

Se a condição em C não for uma das anteriores, deves substituir z por x + yi, x å R, y å R e utilizar a
correspondência entre C e R2.

65
TEMA VII Números Complexos

EXERCÍCIOS

2. O corpo dos números complexos

1 EXERCÍCIO RESOLVIDO
Em C, conjunto dos números complexos, considera z1 = 1 + i. Determina o número complexo
z 12 + i 7
w = ______ . Apresenta o resultado na forma algébrica.
z1

2 Sugestão de resolução
z 12 + i 7 __________
2
(1 + i) + i 3 ___________2
i - i 2 = __
w = ______ = = 1 + 2i + i - i = _______
1 - 1 + i = ____ 1 - i = _____
i * ____ 1 + __
1i
z1 1 + i  1+i 1+i 1+i 1-i 1+1 2 2

1 Representa geometricamente os seguintes números complexos e determina o seu módulo.


1.1. z1 = 2 + i 1.2. z2 = - 3 + 2i 1.3. z3 = 3i
1.4. z4 = - 2 - i 1.5. z5 = 4 - 3i 1.6. z6 = - 2i

2 Representa na forma algébrica, o conjugado, o simétrico e o inverso de cada um dos números


complexos indicados no exercício 1.

3 Considera os números complexos z = 1 + 2i e w = - 2 + i. Calcula e apresenta o resultado na forma


algébrica.
3.1. zw 3.2. 2z - 3w 3.3. w 3

3.6. __
2 z
3.4. (z + w) (z - w) 3.5. (z + w)
w
3.7. __
w 3.8.
1 -
____i 3.9. ‾
____
w
z -z 1+i
4 Resolve, em C, as equações seguintes, apresentando as soluções na forma algébrica.
3
4.1. z + 2i = __ 4.2. ‾z + 3z = 2 - i
1
4.3. __ = 2 + i
i z
1 + z2
4.6. _____ = i
2
4.4. (z + i) = 2iz 4.5. z 2 - 4z + 5 = 0
i+z
5 Determina o(s) valor(es) de k å R para o(s) qual(is) cada uma das seguintes expressões representa
um número imaginário puro.
1+i
5.1._____
1 + ki 
5.2. 2ki × ______
2 + ki
5.3. _____
2 - ki 2-i k+i
6 Determina o(s) número(s) complexo(s) z tal(is) que z2 å R e Im (z) = Re (z) - 1.

7 Sejam z1 e z2 dois números complexos. Prova que:

| | | | | | | |
2 2 2 2 2 2
7.1. (z‾1 z2 + z1 z‾2) - (z‾1 z2 - z1 z‾2) = (2 z1 z2 ) 7.2. z1 - z2 = z1 + z2 - ( z‾1 z2 + z1 z‾2)

Determina os números complexos z e w tais que z + w = 3 e __ = i.


z
8
w

66
Números Complexos TEMA VII

3. Forma trigonométrica de um número complexo

3EXERCÍCIO RESOLVIDO
p
i ___
12
Em C, conjunto dos números complexos, considera z1 = 2 e e z2 = 1 - i. Determina o valor
z1 * z2
de ________ 5
. Apresenta o resultado na forma trigonométrica.
(z2 + 2i)

4Sugestão de resolução
_____ __
r2 = √ 12 + 12 = √2 p.
tg q1 = - 1  ‹  q1 å 4.º Q. Logo, q2 = - __
4
__ i(- __4p )
Então, z2 = √2 e .
p
i ___ __ i(- __4p ) p - __
__ (___
12 4 )
p i __ i(- __6p ) p - ___
5p   17p  
z × z 12 i (- __ i (- ____
________
1 2 2e × 2 e √
_______________ √
2 2e
___________ √
2 2e
_________ 1
__ 6 4 ) 1
__ 12 )
Assim: = = = = e = e
5
(1 + i)
5 5 __ 5p
___ 2 2
(z2 + 2i) __ (__p )i i
4
(√2 e 4 ) 4√2 e

9 Representa na forma trigonométrica os seguintes números complexos.


__ __ __ __
9.1. 1 + √3 i 9.2. √2 - √2 i 9.3. - 6 + 2√3 i
__ __
9.4. -√6 - √2 i 9.5. 3i 9.6. - 2i

10 Representa na forma algébrica os seguintes números complexos.


p
i __ p 3p
i __ i ___
3 2 4
10.1. 4 e 10.2. 2 e 10.3. 2 e
5p
i ___
6
__ 7p
i ___
4
4p
i ___
3
10.4. 3 e 10.5. √3 e 10.6. 2 e

11 Representa na forma trigonométrica o conjugado, o simétrico e o inverso de cada um dos números


complexos indicados no exercício 10.
__ __ __ 5p
___
12 Considera os números complexos z1 = - 1 + √3 i, z2 = √3 - i e z3 = √2 ei 4 . Calcula e apresenta o
resultado na forma trigonométrica.
z1 z2
12.1. z1 z2 12.2. __ 12.3. __ 12.4. z2 z3
z2 z3
1
12.5. __ 12.6. z 21 12.7. z 32 12.8. z 43
z‾3
2
2 z1
____ z‾1 z3
____ (z1) z‾3
______
12.9. 12.10. z1 z‾2 12.11. 12.12.
z2 z3 z2 z3

3p - cos __
sen(a - ___ p+a i
2 ) ( 2 )
13 Seja a å  ]0, 2p[. Mostra que ________________________ = ei(2a - p).
- cos a  + i sen a
____ __ ___ __
14 Considera o número complexo z = √ 2 + √3 + i√ 2 - √3 . Calcula z2  e deduz uma representação de
z na forma trigonométrica.
Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

67
TEMA VII Números Complexos

4. Raízes n-ésimas de números complexos

EXERCÍCIO RESOLVIDO
5

__ __ 13p i
____
12
Em C, conjunto dos números complexos, considera z1 = - 2√2 + 2√2 i e z2 = 4 e .
Os afixos de z1 e de z2 são vértices consecutivos de um polígono regular de n lados, cujo centro
é a origem do referencial. Determina o valor de n.

Sugestão de resolução
6

r1 = 4 3p , por exemplo.
tg q1 = - 1 ‹  q1 å 2.º Q. Logo, q = ___
4
Sendo A e B os afixos de z1 e de z2, respetivamente, tem-se que:
AÔ B = ___ 13p - ___
2p § ____ 3p = ___
2p § __ p = ___
2p § n = 6
n 12 4 n 3 n

15 Determina e representa no plano complexo:


15.1. as raízes cúbicas de -125; 15.2. as raízes quartas de 256i;

15.3. as raízes quintas de 243; 15.4. as raízes sextas de -64i.

2p
i (___
3)
16 Considera o número complexo z0 = 2 e . Sabe-se que z0 é uma raiz de ordem 6 de um número
complexo z.
16.1. Determina z, apresentando-o na forma algébrica.

16.2. Determina o perímetro do polígono cujos vértices são os afixos, no plano complexo, das
raízes sextas de z.

17 Resolve, em C, as equações.
p
i __
4
17.1. z + 1 = 0
5 17.2. z - i = 0
6 17.3. z + 16i * e
4 =0
__
17.4. z2 - 1 + √3 i = 0 17.5. z4 - 27z = 0 17.6. z2 = - i ‾z

18 Seja a um número real. Sejam z1 e z2 dois números complexos tais que z1 = e ia e z2 = - e ia. Mostra
que z1 e z2 não podem ser ambos raízes de ordem 5 de um mesmo número complexo não nulo.

19 Fixado um plano munido de um referencial ortonormado, considera um pentágono regular inscrito


numa circunferência de centro A(2, 2).
19.1. Sabendo que um dos vértices do pentágono é a origem O, determina as coordenadas dos
restantes vértices. Apresenta os valores arredondados às centésimas.
19.2. Indica uma equação cujas soluções sejam os números complexos cujos afixos são os vértices
do pentágono.
Adaptado de Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

68
Números Complexos TEMA VII

5. Conjuntos de pontos definidos por condições sobre números complexos

7EXERCÍCIO RESOLVIDO

p ≤ Arg(z) ≤ ___
Representa a região do plano complexo definida pela condição |z - (1 + i)| ≤ 2 ‹ __ 3p .
4 4

8Sugestão de resolução

A condição |z - (1 + i)| ≤ 2 corresponde ao círculo de centro no afixo de Im(z)


1 + i e raio 2.

A condição __ p ≤ Arg(z) ≤ ___


3p corresponde à região compreendida entre
4 4
duas semirretas com origem na origem do referencial: uma semirreta O Re(z)
contida na bissetriz dos quadrantes pares e uma semirreta contida na
bissetriz dos quadrantes ímpares.

20 Representa, no plano complexo, o conjunto dos afixos dos números complexos que satisfazem
cada uma das seguintes condições.

| |
20.1. z - 2 + i ≥ 2 | | |
20.2. z - 1 + i < z + 2 - 2i |
p
20.3. – __ ≤ Arg(z - i) ≤ 0 20.4. Re (z) < 2  › Im (z) > 1
2
21 Representa as regiões do plano definidas pelas seguintes condições.

|| |
21.1. z ≤ 2 ‹ z - i > 1 | | | | |
21.2. z - 1 - i = z + i
p
21.3. –p < Arg (z) < __ ‹ | z + 1 | = 3 21.4. | z - 1 | < | z - i |
2

21.5. z - 3 - i ≥ z - i ‹ z - __ - i ≥ 2
| | | | | 1
2 | p
21.6. – __ ≤ Arg __-
3
z
(z )
p› z+1-i ≤2
< __
3 | |
Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

22 Para cada um dos domínios planos a seguir representados, escreve uma equação em C que o defina.
22.1. Im(z) 22.2. Im(z)

1
-1 O 2 Re(z) O 2 Re(z)
-1

Nota: A circunferência está dividida em seis partes iguais.

23 Representa, no plano complexo, o conjunto das imagens geométricas dos números complexos que
satisfazem cada uma das seguintes condições.
23.1. 2 | z | = | z - 1 + i |
1
z
p
4 || p
23.2. __ ≥ 1 ‹ - __ ≤ Arg(z) ≤ __
4
23.3. Im (z - ‾z) ≥ 1 ‹ | z - i | < 1

69
TEMA VII Números Complexos

6. Resolver problemas

24 Considera o número complexo:


__
z1 = 1 + √3 i

24.1. Mostra que z1 é raiz do polinómio z3 - z2 + 2z + 4.

24.2. Seja R a região do plano complexo definida por:

|z - i| ≤ |z1| ‹ - __2p ≤ Arg (z) ≤ __4p


Representa graficamente R e determina a sua área.
n
24.3. Determina o menor número natural n tal que (z1)  seja um número real negativo.

25 Considera os números complexos:


__ 5p
i ___
12
__ p
i __
3
z1 = 3 - √3 i,z2 = e  e z3 = 2√3 e
__
* z2 - 2√6
z________________
1
25.1. Determina o número complexo 3
. Apresenta o resultado na forma algébrica.
(z 1 )  
25.2. Sabe-se que os afixos dos números complexos z1 e z3 são vértices consecutivos de um
polígono regular de n lados, com centro na origem do referencial.
Determina o valor de n.

25.3. Determina os números complexos que são soluções da equação z4 = - z‾2.


2019
25.4. Considera o número complexo w = i * e i2q.
Determina os valores de q, pertencentes ao intervalo ]- p, p[, de modo que ___
w seja um ima-
z3
ginário puro.

26 Seja z um número complexo tal que ____


z é um número real, não nulo. Mostra que z é um número
z-i
imaginário puro.

27 Determina e representa no plano complexo o conjunto dos números complexos z tais que:
2z - i
27.1. _____ seja um número real;
2 + iz
z-1-i
27.2. ________ seja um número imaginário puro.
z+1+i
Adaptado de Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

28
1 = 2 cos a. Mostra que, para todo o
Dado a å R, considera um número complexo z tal que z + __
1 = 2 cos (n a). z
número natural n, zn + ___
n
z
Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

70
TESTES
DE AUTOAVALIAÇÃO
Teste n.° 1

Teste n.° 1 — Matriz

Cotação por item


Tipologia de itens Número de itens
(em pontos)

Itens de seleção Escolha múltipla 5 8

Itens de construção Resposta restrita 10 14 a 20

Tema I – Cálculo Combinatório

1. Conhecer propriedades das operações sobre conjuntos.


2. Conhecer factos elementares da combinatória.
3. Conhecer o triângulo de Pascal e o binómio de Newton.
4. Resolver problemas.

Tema II – Probabilidades

1. Definir espaços de probabilidade.


2. Definir probabilidade condicionada.
3. Resolver problemas.

72
Teste n.º 1
Matemática A
12.º Ano de Escolaridade
Na resposta aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta. Escreve na folha de respostas o número do
item e a letra que identifica a opção escolhida.

Caderno 1 É permitido o uso de calculadora.


(35 minutos)

1. Qual é o número de sinais que se podem fazer com sete bandeiras de cores diferentes, usando uma ou
mais bandeiras de cada vez?
(A) 127 (B) 13 699 (C) 5040 (D) 8659

2. O gerente de uma livraria pretende saber se uma pessoa que entra na livraria e coloca questões está
mais predisposta a efetuar uma compra do que uma pessoa que entra na livraria e não coloca questões.
Um inquérito feito a 450 pessoas à saída da livraria permitiu concluir que 240 pessoas compraram pelo
menos um livro, 110 pessoas colocaram questões e compraram pelo menos um livro, 20 pessoas colo-
caram questões e não compraram qualquer livro.
2.1. Determina a probabilidade de uma das pessoas inquiridas, escolhida ao acaso, não ter colocado
questões nem ter comprado qualquer livro. Apresenta o resultado na forma de fração irredutível.
2.2. O que responderias ao gerente da livraria, de acordo com os resultados deste inquérito? Apresenta
todos os cálculos que efetuares.

3. Um hospital recebe um doente infetado por um vírus. Sabe-se que é um de três vírus possíveis, A, B ou
2 e de se tratar do vírus B é _
C, mas não se sabe qual. A probabilidade de se tratar do vírus A é _ 1.
7 2
A probabilidade de recuperar totalmente, em cinco dias ou menos, tendo contraído o vírus A é 70%,
tendo contraído o vírus B é 80% e tendo contraído o vírus C é 30%.
3.1. Determina a probabilidade de o doente recuperar totalmente em cinco dias ou menos. Apresenta
o resultado na forma de fração irredutível.
3.2. Sabendo que o doente demorou sete dias a recuperar, determina a probabilidade de se ter tratado
de um infeção por um vírus do tipo C. Apresenta o resultado na forma de percentagem, arredon-
dado às unidades.

n–1 n–1 n
4. De uma certa linha n do triângulo de Pascal, sabe-se que C9 + C10 – C14 = 0. Qual é o maior
elemento dessa linha?
(A) 2 704 156 (B) 1 961 256 (C) 5 200 300 (D) 1 352 078

73
Teste n.° 1

Caderno 2 Não é permitido o uso de calculadora.


(55 minutos)

5. Uma editora pediu a um jovem autor para incluir numa compilação de vários autores alguns dos seus
contos para crianças. O autor tem n contos inéditos e outros três que já foram publicados anteriormen-
te numa revista. A editora decidiu selecionar dois contos desse autor, inéditos ou não, para incluir na
compilação.

5.1. Concluiu-se que a editora pode selecionar dois dos contos deste autor de 21 maneiras diferentes.
Determina o número de contos inéditos que estão disponíveis.

5.2. Se o número de contos inéditos fosse seis, qual seria a probabilidade de pelo menos um deles ser
incluído na compilação? Apresenta o resultado na forma de fração irredutível.

6. Na figura está representado um triângulo equilátero [ABC] , dividido C


em quatro triângulos iguais. Estão disponíveis quatro cores (amarelo,
rosa, laranja e vermelho) para pintar este triângulo. Pretende-se que
sejam respeitadas as seguintes condições:
• todos os triângulos pequenos devem ser pintados;
• cada triângulo pequeno é pintado de uma só cor;
A B
• triângulos pequenos com um lado em comum não podem ficar pin-
tados com a mesma cor.
Sabendo que estas condições são respeitadas, qual é a probabilidade de exatamente dois triângulos
pequenos ficarem pintados de vermelho e os restantes dois de cores distintas?
1
(A) _
2
(B) _
3
(C) _
1
(D) _
6 3 4 2

12
7.
2_
Considera o desenvolvimento pelo binómio de Newton da expressão x + ____ com x > 0. Determi-
( √x )
na o coeficiente do termo de grau 9.

8. Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois aconteci-
‾©‾
mentos em E tais que P(A ‾) = 0,2.
B) = 0,4 e P(B © A

Qual é o valor de P(A)?


(A) 0,2 (B) 0,4 (C) 0,5 (D) 0,6

9. Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois aconteci-
mentos em E tais que P(A) + P(B) = 1.

Mostra que P(B) * [1 - P(A


‾|B)] = P(‾ ‾).
A©B

74
Teste n.° 1

10. Em cada uma das opções seguintes (A, B, C e D) estão representadas seis figuras pintadas de branco ou
de preto.
Para cada opção, considera:
• a experiência que consiste na escolha aleatória de uma das seis figuras;
• os acontecimentos:
X: “A figura escolhida é um triângulo.”
Y: “A figura escolhida está pintada de preto.”
Em qual das opções se tem P(‾ 2?
X|Y) = _
3
(A) (B) (C) (D)

11. Colocaram-se num saco nove bolas indistinguíveis ao tato, numeradas de 1 a 9. As bolas numeradas de
1 a 5 são brancas e as bolas numeradas de 6 a 9 são pretas.
11.1. Extraíram-se, aleatoriamente e de uma só vez, duas bolas do saco.

Sejam A e B os seguintes acontecimentos:


A: “As duas bolas são da mesma cor.”
B: “O produto dos números das duas bolas é ímpar.”
Averigua se os acontecimentos A e B são independentes.

11.2. Considera novamente o saco com a sua constituição inicial.

A Joana retira sucessivamente, ao acaso e sem reposição, cinco bolas do saco e alinha-as da es-
querda para a direita, pela ordem de saída, de maneira a formar um número de cinco algarismos.
Qual é a probabilidade de esse número ser par e a soma dos seus algarismos ser ímpar?
5 4
4 * 5 * 4! + 4 * A3 * A2
___________
Uma resposta correta a este problema é 9
.
A5
Numa pequena composição, explica esta resposta.
Deves organizar a tua composição de acordo com os seguintes tópicos:
• referência à regra de Laplace;
• explicação do número de casos possíveis;
• explicação do número de casos favoráveis.

FIM

75
Teste n.° 1

Cotações

Caderno 1 ............................................................................................................................. 80 pontos


1. .................................................................................................................. 8 pontos

2. .................................................................................................................. 32 pontos
2.1. ...................................................................................... 14 pontos
2.2. ...................................................................................... 18 pontos

3. .................................................................................................................. 32 pontos
3.1. ...................................................................................... 16 pontos
3.2. ...................................................................................... 16 pontos

4. .................................................................................................................. 8 pontos

Caderno 2 ........................................................................................................................... 120 pontos

5. .................................................................................................................. 30 pontos
5.1. ...................................................................................... 16 pontos
5.2. ...................................................................................... 14 pontos

6. .................................................................................................................. 8 pontos

7. .................................................................................................................. 14 pontos

8. .................................................................................................................. 8 pontos

9. .................................................................................................................. 16 pontos

10. ................................................................................................................ 8 pontos

11. ................................................................................................................ 36 pontos


11.1. .................................................................................... 16 pontos
11.2. .................................................................................... 20 pontos

TOTAL ........................................................................................................................................ 200 pontos

76
Teste n.° 2 — Matriz

Cotação por item


Tipologia de itens Número de itens
(em pontos)

Itens de seleção Escolha múltipla 5 8

Itens de construção Resposta restrita 11 10 a 18

Tema I – Cálculo Combinatório

1. Conhecer propriedades das operações sobre conjuntos.


2. Conhecer factos elementares da combinatória.
3. Conhecer o triângulo de Pascal e o binómio de Newton.
4. Resolver problemas.

Tema II – Probabilidades

1. Definir espaços de probabilidade.


2. Definir probabilidade condicionada.
3. Resolver problemas.

Tema III – Funções Reais de Variável Real

1. Utilizar teoremas de comparação e os teoremas das sucessões e funções enquadradas.


2. Conhecer as propriedades elementares das funções contínuas.
3. Resolver problemas.
4. Relacionar a derivada de segunda ordem com o sentido da concavidade do gráfico de uma função e
com a noção de aceleração.
5. Resolver problemas.

77
Teste n.º 2
Matemática A
12.º Ano de Escolaridade
Na resposta aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta. Escreve na folha de respostas o número do
item e a letra que identifica a opção escolhida.

Caderno 1 É permitido o uso de calculadora.


(35 minutos)

1. Pretende-se arrumar numa prateleira um conjunto de nove DVD, do qual faz parte a trilogia “O Senhor
dos Anéis”.
1.1. De quantas maneiras diferentes se podem arrumar os DVD, de forma que os três filmes da trilogia
fiquem juntos e ordenados por ano crescente de edição, da esquerda para a direita?
1.2. Qual é a probabilidade de, arrumando ao acaso, os filmes de “O Senhor dos Anéis” ficarem todos
separados? Apresenta o resultado na forma de fração irredutível.

2. Numa rua, onde cada casa tem apenas uma porta de entrada, vão ser pintadas as portas de cinco casas
consecutivas. Cada porta será pintada com uma das seguintes cores: azul, amarelo, rosa, verde ou
vermelho. Qual é a probabilidade de não haver portas com cores repetidas?
(A) _
24 (B) _
1 (C) _
1 256
(D) _
625 625 120 625

3. Uma determinada escola tem 291 alunos a frequentar o Ensino Básico e 270 alunos a frequentar o
Ensino Secundário. Tem-se que _ 1 dos alunos que frequentam o Ensino Secundário são rapazes e há 140
3
raparigas no Ensino Secundário. Sabendo que foi escolhido um rapaz para representar a escola numa
competição nacional de talentos, qual é a probabilidade de frequentar o Ensino Secundário? Apresen-
ta o resultado na forma de fração irredutível.

4. Num festival de música, a abertura de portas do recinto ao público aconteceu às 16 horas. O número
de elementos do público presentes no recinto, P, é dado, em centenas, em função do tempo, t, em
horas, por P(t) = - t + 3,4t + 83,6t (t ≥ 0).
3 2

4.1. A que horas se fecharam as portas do recinto, após todos os concertos terem terminado?

4.2. Para que intervalo de tempo se pode concluir, pelo teorema de Bolzano-Cauchy, que existiu, pelo
menos, um momento em que estavam no recinto 20 000 pessoas do público?
(A) Entre as 16 horas e as 17 horas.

(B) Entre as 17 horas e as 18 horas.

(C) Entre as 18 horas e as 19 horas.

(D) Entre as 19 horas e as 20 horas.

78
Teste n.° 2

4.3. Mostra que, no intervalo entre as 18 horas e as 24 horas, houve, pelo menos, um momento em que
ocorreu uma maior concentração de pessoas no recinto. Determina esse momento, recorrendo à
calculadora gráfica.
Na tua resposta deves:
• reproduzir o gráfico da função ou os gráficos das funções que tiveres necessidade de visualizar
na calculadora, devidamente identificado(s), incluindo o referencial;
• indicar a abcissa desse ponto com arredondamento às centésimas;
• apresentar o resultado em horas e minutos, arredondados às unidades.

Caderno 2 Não é permitido o uso de calculadora.


(55 minutos)
2n + 1 2n + 1 2n + 3 2n + 2
5. Determina para que valor de n se verifica C3 + C4 - C5 + Cn + 1 = 0.

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

5
6. Qual das seguintes equações é equivalente à equação (x - 1) = x5 - 6x4 - 11x2 ?
4 3 2
(A) x + 10x + x + 5x - 1 = 0
4 3 2
(B) 11x + 10x + 21x + 5x - 1 = 0
5 4 3 2
(C) x - 5x + 10x - 10x + 5x - 1 = 0
4 2
(D) 6x + 11x - 1 = 0

7. Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade em P (E) e A e B dois acontecimentos em E
tais que:
1
• P (A) = _
2
• P (B) = _7
12
• P(‾ 1
A ∂ B) = _
4
Qual das seguintes afirmações é verdadeira?
(A) A e B são acontecimentos incompatíveis.

(B) A e B são acontecimentos independentes.

(C) A e B são acontecimentos contrários.

(D) A e B são acontecimentos compatíveis.

79
Teste n.° 2

8. Considera duas caixas, A e B. A caixa A contém seis bolas, das quais quatro são amarelas e as restantes
são azuis. A caixa B contém oito bolas, sendo algumas amarelas e as outras azuis.
Lançou-se uma moeda ao ar. Se sair face nacional, retira-se uma bola da caixa A. Caso contrário, reti-
ra-se uma bola da caixa B.
Sejam X e Y os acontecimentos:
X: ”Sair face europeia na moeda.”
Y: “Sair bola azul.”
Sabe-se que P(Y|X) = _1 . Quantas bolas de cada cor estão inicialmente na caixa B?
4
Numa pequena composição, justifica a tua resposta, começando por explicar o significado de P(Y|X),
no contexto da situação descrita.

9. Seja f uma função tal que o gráfico de f" é uma reta de declive negativo que interseta o eixo Oy no
ponto de ordenada - 1. Qual das afirmações seguintes é verdadeira?
-
(A) O gráfico de f tem a concavidade voltada para baixo em R .
+
(B) O gráfico de f tem a concavidade voltada para baixo em R .
-
(C) O gráfico de f tem a concavidade voltada para cima em R .
+
(D) O gráfico de f tem a concavidade voltada para cima em R .

10. Seja f a função, de domínio R, definida por:


⎧ 2 1
_
⎪x cos ( x ) se x<0
f(x) = ⎨ 2
⎪_1-x se x≥0
⎩ 1 + x2

10.1. Averigua se a função f é contínua em x = 0.


4x
10.2. Verifica que, em ] 0, + ∞ [, se tem f'(x) = - _______ . Determina a equação reduzida da reta tangen-
2
( 2)
te ao gráfico de f no ponto de abcissa 1. 1 + x
10.3. Estuda a função f quanto ao sentido das concavidades do seu gráfico e quanto à existência de
pontos de inflexão, no intervalo ] 0, + ∞ [.

11. Considera um triângulo retângulo [ABC] , cujos catetos são [AB] e [BC] . A

Sejam ‾
AB = x e ‾
BC = y.
x h
Sabe-se que x + y = 8.
Determina o valor mínimo do comprimento da hipotenusa desse triângulo.
B y C

FIM

80
Teste n.° 2

Cotações

Caderno 1 ............................................................................................................................. 80 pontos


1. .................................................................................................................. 22 pontos
1.1. ...................................................................................... 10 pontos
1.2. ...................................................................................... 12 pontos

2. .................................................................................................................. 08 pontos

3. .................................................................................................................. 14 pontos

4. .................................................................................................................. 36 pontos
4.1. ...................................................................................... 14 pontos
4.2. ...................................................................................... 08 pontos
4.3. ...................................................................................... 14 pontos

Caderno 2 ........................................................................................................................... 120 pontos

5. .................................................................................................................. 16 pontos

6. .................................................................................................................. 08 pontos

7. .................................................................................................................. 08 pontos

8. .................................................................................................................. 14 pontos

9. .................................................................................................................. 08 pontos

10. ................................................................................................................ 48 pontos


10.1. .................................................................................... 16 pontos
10.2. .................................................................................... 16 pontos
10.3. .................................................................................... 16 pontos

11. ................................................................................................................ 18 pontos

TOTAL ........................................................................................................................................ 200 pontos

81
Teste n.° 1

Teste n.° 3 — Matriz

Cotação por item


Tipologia de itens Número de itens
(em pontos)

Itens de seleção Escolha múltipla 5 8

Itens de construção Resposta restrita 11 10 a 20

Tema I – Cálculo Combinatório


1. Conhecer propriedades das operações sobre conjuntos.
2. Conhecer factos elementares da combinatória.
3. Conhecer o triângulo de Pascal e o binómio de Newton.
4. Resolver problemas.

Tema II – Probabilidades
1. Definir espaços de probabilidade.
2. Definir probabilidade condicionada.
3. Resolver problemas.

Tema III – Funções Reais de Variável Real


1. Utilizar os teoremas de comparação e os teoremas das sucessões e funções enquadradas.
2. Conhecer as propriedades elementares das funções contínuas.
3. Resolver problemas.
4. Relacionar a derivada de segunda ordem com o sentido da concavidade do gráfico de uma função e
com a noção de aceleração.
5. Resolver problemas.

Tema IV – Trigonometria e Funções Trigonométricas


1. Estabelecer fórmulas de trigonometria.
2. Calcular a derivada de funções trigonométricas.
3. Relacionar osciladores harmónicos e a segunda lei de Newton.
4. Resolver problemas.

82
Teste n.° 3

Teste n.º 3
Matemática A
12.º Ano de Escolaridade
Na resposta aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta. Escreve na folha de respostas o número do
item e a letra que identifica a opção escolhida.

Caderno 1 É permitido o uso de calculadora.


(35 minutos)

1. Seja A o conjunto de todos os números naturais com cinco algarismos.


1.1. Determina o número de elementos do conjunto A que têm exatamente três algarismos iguais a 4.

1.2. Escolhendo, ao acaso, um dos elementos do conjunto A, qual é a probabilidade de o produto dos
seus algarismos ser igual a zero?
(A) 0,6561 (B) 0,3439

(C) 0,590 49 (D) 0,262 44

2. Para celebrar o aniversário de um professor, os 28 alunos de uma turma, dos quais 12 são rapazes,
decidiram fazer um lanche.
2.1. Ficou decidido que um grupo de três alunos ficaria encarregue da organização desse lanche.
De quantas maneiras se pode selecionar esse grupo, se ele tiver de ser composto por rapazes e por
raparigas e se uma rapariga for a responsável por pedir autorização para a realização do lanche?
2.2. Cada aluno irá contribuir para o lanche com um doce ou com um salgado. Nenhum aluno contri-
buirá com dois pratos.
Sabe-se que:
5 ;
• a probabilidade de um rapaz levar um prato salgado é ___
14
1.
• a probabilidade de contribuir com um doce se for rapariga é __
2
Escolhendo, ao acaso, um dos alunos dessa turma que contribua com um doce, qual é a probabi-
lidade de se tratar de um rapaz?
Apresenta o resultado na forma de fração irredutível.

3. O quarto elemento de uma linha do triângulo de Pascal é 73 150. A soma dos quatro últimos elementos
dessa linha é 76 154.
Qual é o terceiro elemento da linha seguinte?
(A) 2923 (B) 3081

(C) 3003 (D) 3160

83
Teste n.° 3

4. Seja f a função, de domínio ]0, 2p], definida por:


1 + x + cos(px)
f (x) = __
x
5
4.1. Usando métodos exclusivamente analíticos, mostra que A x å ] __, 2[: f '(x) = x.
4
4.2. Recorrendo à calculadora gráfica, determina o(s) valor(es) cuja existência ficou provada na alínea
anterior. Na tua resposta, deves reproduzir o(s) gráfico(s) da(s) função(ões) que tiveres necessidade
de visualizar na calculadora, devidamente identificado(s), incluindo o referencial.
Apresenta o(s) valor(es) pedido(s) arredondado(s) às centésimas.

Caderno 2 Não é permitido o uso de calculadora.


(55 minutos)

5. Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois aconteci-
B) - P (B) * P (B | A) = P(B
mentos equiprováveis no espaço amostral E. Mostra que P (A ∂ ‾ ‾).

6. Considera a função f, de domínio R, definida por:


⎧_____
sen x   se  x < 0

f (x) = ⎨ x
2x
⎪ _____
⎩ x + 1 se  x ≥ 0
Seja g uma outra função, de domínio R.
Sabe-se que a função f + g é contínua no ponto 0.
Em qual das seguintes opções poderá estar representado o gráfico da função g?
(A) (B)
y y

x
x O
O

-1

(C) (D)
y y
1
1

x
x O
O

-1
-1

84
Teste n.° 3

7. Considera uma função f, de domínio R.

Sabe-se que:

• lim (f (x) - 2) = 0;
x " +∞

• f tem derivada finita em todos os pontos do seu domínio;

• f '(x) > 0, Ax å R;
+
• f ' é decrescente em R .

Considera as afirmações seguintes:

(I) A função f é contínua em R.

(II) O gráfico da função f tem uma assíntota oblíqua quando x " + ∞ .


+
(III) O gráfico de f tem a concavidade voltada para cima em R .

Elabora uma composição na qual indiques, justificando, se cada uma das afirmações é verdadeira ou
falsa. Na tua resposta, apresenta três razões diferentes, uma para cada afirmação.

8. Na figura estão representados a circunferência trigonométrica e um pentágono [ABCDE].


y

A E

O D x

B C

Sabe-se que:
• os pontos A, B e D pertencem à circunferência;
• o ponto D pertence ao eixo Ox e os pontos C e E pertencem ao eixo Oy;
• os segmentos de reta [AE] e [BC] são paralelos ao eixo Ox e o segmento de reta [AB] é paralelo ao
eixo Oy.
p, p .
Seja a a amplitude do ângulo DOA (a å ] __
2 [)
Qual da expressões seguintes dá, em função de a, a área do pentágono [ABCDE]?

(A) sen a - sen(2a) (B) sen a + sen(2a)

1
(C) sen a cos a - __ sen a
1
(D) __ (sen a cos a + sen a)
2 2

85
Teste n.° 3

9. Seja f a função, de domínio ]0, + ∞[, definida por:


____
⎧√x 2 - 1
⎪ ____________        se x ≥ 1
f (x) = ⎨ 2x + 1
sen (px)
⎪______
⎩ 2x       se 0 < x < 1
9.1. Estuda a função f quanto à existência de assíntotas ao seu gráfico, paralelas aos eixos coordenados.
1
f (x) - f (__
_________ 2)
9.2. Determina o valor de lim .
1
x " __
2x - 1
2

10. Seja f a função definida, em R, por:


cos x
f (x) = ________
2 + sen x
p - n.
10.1. Considera a sucessão de termo geral un = ____
n2
Qual é o valor de lim f( un)?
(A) 2 (B) 0
p
(C) __
1
(D) __
2 2
3p
10.2. Seja A um ponto cuja abcissa pertence ao intervalo 0, ___ . Sabe-se que a reta tangente ao gráfi-
] 2[
co da função f no ponto A tem declive 0.
Determina a abcissa do ponto A.

11. Estuda a monotonia e os extremos relativos da função f definida no intervalo [0, p] por:
cos (2x)
f (x) = 3 sen x - _______
2
Indica o contradomínio da função.

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

FIM

86
Teste n.° 3

Cotações

Caderno 1 ............................................................................................................................. 80 pontos


1. .................................................................................................................. 20 pontos
1.1. ...................................................................................... 12 pontos
1.2. ...................................................................................... 8 pontos

2. .................................................................................................................. 28 pontos
2.1. ...................................................................................... 12 pontos
2.2. ...................................................................................... 16 pontos

3. .................................................................................................................. 8 pontos

4. .................................................................................................................. 24 pontos
4.1. ...................................................................................... 14 pontos
4.2. ...................................................................................... 10 pontos

Caderno 2 ........................................................................................................................... 120 pontos

5. .................................................................................................................. 14 pontos

6. .................................................................................................................. 8 pontos

7. .................................................................................................................. 14 pontos

8. .................................................................................................................. 8 pontos

9. .................................................................................................................. 32 pontos
9.1. ...................................................................................... 18 pontos
9.2. ...................................................................................... 14 pontos

10. ................................................................................................................ 24 pontos


10.1. .................................................................................... 8 pontos
10.2. .................................................................................... 16 pontos

10. ................................................................................................................ 20 pontos

TOTAL ........................................................................................................................................ 200 pontos

87
Teste n.° 1

Teste n.° 4 — Matriz

Cotação por item


Tipologia de itens Número de itens
(em pontos)

Itens de seleção Escolha múltipla 5 8

Itens de construção Resposta restrita 11 10 a 18

Tema I – Cálculo Combinatório


1. Conhecer propriedades das operações sobre conjuntos.
2. Conhecer factos elementares da combinatória.
3. Conhecer o triângulo de Pascal e o binómio de Newton.
4. Resolver problemas.

Tema II – Probabilidades
1. Definir espaços de probabilidade.
2. Definir probabilidade condicionada.
3. Resolver problemas.

Tema III – Funções Reais de Variável Real


1. Utilizar os teoremas de comparação e os teoremas das sucessões e funções enquadradas.
2. Conhecer as propriedades elementares das funções contínuas.
3. Resolver problemas.
4. Relacionar a derivada de segunda ordem com o sentido da concavidade do gráfico de uma função e
com a noção de aceleração.
5. Resolver problemas.

Tema IV – Trigonometria e Funções Trigonométricas


1. Estabelecer fórmulas de trigonometria.
2. Calcular a derivada de funções trigonométricas.
3. Relacionar osciladores harmónicos e a segunda lei de Newton.
4. Resolver problemas.

Tema V – Funções Exponenciais e Funções Logarítmicas


1. Operar com juros compostos e definir o número de Neper.
2. Definir as funções exponenciais e estabelecer as respetivas propriedades principais.
3. Definir as funções logarítmicas e as respetivas propriedades principais.
4. Conhecer alguns limites notáveis envolvendo funções exponenciais e logarítmicas.
5. Estudar modelos de crescimento e decrescimento populacional.
6. Resolver problemas.

88
Teste n.° 4

Teste n.º 4
Matemática A
12.º Ano de Escolaridade
Na resposta aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta. Escreve na folha de respostas o número do
item e a letra que identifica a opção escolhida.

Caderno 1 É permitido o uso de calculadora.


(35 minutos)

1. Sejam E um conjunto finito, não vazio, P uma probabilidade no conjunto P (E) e A e B dois aconteci-
mentos possíveis e independentes no espaço amostral E.
Sabe-se que:
• P (A) = 0,27 
• P (B) = 0,43
Qual é o valor de P ((‾
A © B) | A) ?
(A) 0,57 (B) 0,73 (C) 0,12 (D) 0,24

2. No gráfico junto está representado o gráfico da função f definida por f (x) = x2 ex e uma reta t com decli-
ve - 0,2 e tangente ao gráfico de f no ponto A de abcissa no intervalo  ] -2, -1 [.

y
f

2
t
A

x
-5 -4 -3 -2 -1 O 1 2 3

2.1. Prova que


__ o ponto do gráfico que admite reta tangente com o menor declive possível tem abcissa
- 2 + √2 e indica um valor aproximado às décimas desse declive.
2.2. Justifica que existe pelo menos um ponto do gráfico no qual a reta tangente tem declive - 0,2 e
determina as coordenadas do ponto A, recorrendo à calculadora gráfica e apresentando valores
aproximados às centésimas.

Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

3. Um capital de 5000 euros foi investido, em regime de juro composto, a uma taxa anual de 10%. Quan-
to tempo, aproximadamente, será necessário para que se duplique o investimento inicial?
(A) 14 anos (B) 3 anos (C) 7 anos (D) 10 anos

89
Teste n.° 4

4. Um cubo e uma esfera, suspensos por duas molas, que se encontram a uma distância de 3 cm uma da
outra, oscilam verticalmente.

f (t) g (t)

Admite que a distância (em cm) do centro do cubo ao solo, t segundos após um certo instante inicial,
p t e que a distância (em cm) do centro da esfera ao solo, t segundos
é dada por f (t) = 8 + 7 e- 0,2t cos(__
3 )
pt .
após o mesmo instante inicial, é dada por g (t) = 8 + 7 e - 0,1t cos(__
4 )
4.1. Resolve a equação f (t) = 8, t å [0, 10] . Interpreta os valores obtidos no contexto do problema.

4.2. Determina a distância entre os centros do cubo e da esfera, um segundo após o instante inicial.
Apresenta o resultado em centímetros, arredondado às décimas.
Nota: Sempre que nos cálculos intermédios procederes a arredondamentos, conserva, no mínimo, três casas decimais.

Caderno 2 Não é permitido o uso de calculadora.


(55 minutos)

5. Um saco contém dez bolas, numeradas de 1 a 10. Retiraram-se sucessivamente, ao acaso, as dez bolas
do saco e alinharam-se, da esquerda para a direita, pela ordem de saída. Qual é a probabilidade de os
números pares ficarem por ordem crescente (juntos ou separados) e os números ímpares ficarem tam-
bém por ordem crescente (juntos ou separados)?
10 10 10
5 !* 5 ! C5 C5 * 2 C 5 * 2 
(A) ______ (B) ____ (C) _______ (D) ________
10 ! 10 ! 10
A5 10 !

6. Na figura está representado, num referencial ortogonal xOy, o gráfico de uma função polinomial f, de
grau 4. Seja f" a segunda derivada de f.
y
f

x
-3 -2 -1 O 1 2 3

Qual dos valores seguintes pode ser solução da equação f"(x) = 0?

(A) -2 (B) 0 (C) 1 (D) 3

90
Teste n.° 4

7. Na figura está representada, em referencial o.n. xOy, y


uma circunferência de centro O e raio 2. A

Sabe-se que:
• os pontos A e B pertencem à circunferência; Į
C
• o ponto C tem coordenadas (4, 0); O x
• o ponto A desloca-se sobre a circunferência e o pon-
to B acompanha esse movimento de modo que a reta
AB é paralela a Oy;
B
• a å  ]0, p[;  
• a função f, de domínio ]0, p[, é definida por f (x) = 8 sen x -  2 sen (2x).

7.1. Mostra que a área do triângulo [ABC] é dada, em função de a, por f (a).
p 3
7.2. Seja q um número real, pertencente ao intervalo ]0, __[, tal que cos (2q) = __. Determina o valor de
2 5
p .
f (q + __
4)

sen (2x) e2x - 1 .


Considera as funções f e g, definidas em R , por f (x) = _______ e g (x) = ________
+
8.
e -1
x
ln (x + 1)
+
( ) ( )
Sabe-se que uma função h é tal que Ax å R , f x ≤ h x ≤ g x . ( )
Qual é o valor de lim h (x)?+
x"0

(A) 0 (B) 1 (C) 2 (D) 3

Seja f a função, de domínio R , definida por f (x) = log3(__


x2 - 2 log (x).
+
9.
9) 9

9.1. Mostra que f (x) = log3(x) - 2.

9.2. Determina os valores de x para os quais se tem f (x) ≥ - 1 - log3(x + 2).


-1
9.3. Mostra que f (x) = 32 + x e determina o conjunto-solução da condição f - 1 (x) = 21 - 2 * 3- x + 1.

10. Considera a função f, de domínio R, definida por:

⎧________
ex - 1 + x     se    x < 0
⎪ x
f (x) = ⎨2     se    x = 0
⎪_____
ln(x)
⎩ x       se    x > 0
Estuda a função f quanto:
10.1. à existência de assíntotas ao seu gráfico, paralelas aos eixos coordenados;
+
10.2. ao sentido das concavidades do seu gráfico e à existência de pontos de inflexão, em R .

FIM

91
Teste n.° 4

Cotações

Caderno 1 ............................................................................................................................. 80 pontos


1. .................................................................................................................. 08 pontos

2. .................................................................................................................. 36 pontos
2.1. ...................................................................................... 18 pontos
2.2. ...................................................................................... 18 pontos

3. .................................................................................................................. 08 pontos

4. .................................................................................................................. 28 pontos
4.1. ...................................................................................... 14 pontos
4.2. ...................................................................................... 14 pontos

Caderno 2 ........................................................................................................................... 120 pontos

5. .................................................................................................................. 08 pontos

6. .................................................................................................................. 08 pontos

7. .................................................................................................................. 26 pontos
7.1. ...................................................................................... 10 pontos
7.2. ...................................................................................... 16 pontos

8. .................................................................................................................. 08 pontos

9. .................................................................................................................. 42 pontos
9.1. ...................................................................................... 12 pontos
9.2. ...................................................................................... 14 pontos
9.3. ...................................................................................... 16 pontos

10. ................................................................................................................ 28 pontos


10.1. .................................................................................... 14 pontos
10.2. .................................................................................... 14 pontos

TOTAL ........................................................................................................................................ 200 pontos

92
Teste n.° 5 — Matriz

Cotação por item


Tipologia de itens Número de itens
(em pontos)

Itens de seleção Escolha múltipla 5 8

Itens de construção Resposta restrita 10 14 a 18

Tema I – Cálculo Combinatório 3. Relacionar osciladores harmónicos e a segunda


1. Conhecer propriedades das operações sobre lei de Newton.
conjuntos. 4. Resolver problemas.
2. Conhecer factos elementares da combinatória.
3. Conhecer o triângulo de Pascal e o binómio de Tema V – Funções Exponenciais e Funções
Newton. Logarítmicas
1. Operar com juros compostos e definir o núme-
4. Resolver problemas.
ro de Neper.

Tema II – Probabilidades 2. Definir as funções exponenciais e estabelecer


1. Definir espaços de probabilidade. as respetivas propriedades principais.

2. Definir probabilidade condicionada. 3. Definir as funções logarítmicas e as respetivas


propriedades principais.
3. Resolver problemas.
4. Conhecer alguns limites notáveis envolvendo
Tema III – Funções Reais de Variável Real funções exponenciais e logarítmicas.
1. Utilizar os teoremas de comparação e os teore- 5. Estudar modelos de crescimento e decresci-
mas das sucessões e funções enquadradas. mento populacional.
2. Conhecer as propriedades elementares das fun- 6. Resolver problemas.
ções contínuas.
3. Resolver problemas. Tema VI – Primitivas e Cálculo Integral
4. Relacionar a derivada de segunda ordem com o 1. Definir a noção de primitiva.

sentido da concavidade do gráfico de uma fun- 2. Abordar intuitivamente a noção de integral de-
ção e com a noção de aceleração. finido.
5. Resolver problemas. 3. Resolver problemas.

Tema IV – Trigonometria e Funções Trigonométricas


1. Estabelecer fórmulas de trigonometria.

2. Calcular a derivada de funções trigonométricas.

93
Teste n.° 5

Teste n.º 5
Matemática A
12.º Ano de Escolaridade
Na resposta aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta. Escreve na folha de respostas o número do
item e a letra que identifica a opção escolhida.

Caderno 1 É permitido o uso de calculadora.


(35 minutos)

1. Acerca dos colaboradores de uma determinada empresa, sabe-se que:


• o número de colaboradores do sexo masculino é igual ao número de colaboradores do sexo feminino;
• 70% reservaram alojamento para as férias;
• 12% dos homens não reservaram alojamento para as férias.
1.1. Determina a probabilidade de um colaborador dessa empresa, escolhido ao acaso, ser mulher,
sabendo que não reservou alojamento para as férias.
Apresenta o resultado na forma de fração irredutível.
1.2. Considera que a empresa tem 20 colaboradores. Escolheram-se, ao acaso, quatro desses colabora-
dores. Qual é a probabilidade de pelo menos três deles terem alojamento reservado para as férias?
728
(A) _____
1001
(B) _____
637
(C) ____
332
(D) ____
1615 4845 969 969

2. Prova que a equação sen x = x + 1 tem, pelo menos, uma solução no intervalo [-p, 0] e, utilizando uma
calculadora gráfica, indica, justificando, um valor aproximado às décimas dessa raiz.
Na tua resposta, deves:
• recorrer ao teorema de Bolzano-Cauchy para provar que a equação sen x = x + 1 tem, pelo menos,
uma solução no intervalo [-p, 0];
• reproduzir, num referencial, o(s) gráfico(s) da(s) função(ões) que visualizares na calculadora, devida-
mente identificado(s);
• apresentar a solução pedida.
Adaptado de Caderno de Apoio às Metas Curriculares, 12.º ano

3. A massa, em gramas, de uma substância radioativa diminui com a passagem do tempo, t, em horas, de
acordo com o modelo matemático M (t) = a * e kt, t ≥ 0, onde a é a massa, em gramas, da substância no
instante inicial e k é uma constante real.
Nota: Sempre que nos cálculos intermédios procederes a arredondamentos, conserva, no mínimo, três casas decimais.

3.1. Admite que a massa, em gramas, de uma certa substância, 6 horas após um instante inicial é 3,6
gramas e que 12 horas após esse instante inicial é 1,8 gramas.
Tendo em conta os valores apresentados, determina o valor da constante k para essa substância e
a sua massa no instante inicial.

94
Teste n.° 5

3.2. Acerca de uma outra substância, sabe-se que k = - 0,34.

M(t + 1)
Mostra que quaisquer que sejam os valores de a e de t, ________ é constante.
M(t)
Determina o valor dessa constante, arredondado às centésimas, e interpreta esse valor no contexto
da situação descrita.

4. Um rio está a ser despoluído a uma taxa de T (t) = 10 e - 0,5t toneladas por ano, onde t é o número de anos
decorridos após o início de 2010.

Indica o valor aproximado, em toneladas, de poluição removida do rio entre o início de 2010 e o início
de 2017.

(A) 1,9 (B) 3,8 (C) 19,4 (D) 38,8

Caderno 2 Não é permitido o uso de calculadora.


(55 minutos)

+
5. Considera duas funções f e g, de domínio R .

Sabe-se que:

• a reta de equação y = 3x + 2 é assíntota ao gráfico da função f;

• a função g é definida por g (x) = ____


2
x .
f(x)
Mostra que o gráfico da função g tem uma assíntota oblíqua.

6. Seja f a função, de domínio R\{0}, definida por:


1-e
f (x) = ______
3x

2x
1 .
Considera a sucessão de números reais ( xn) tal que xn = sen(__
n)
Qual é o valor de lim f( xn)?
3
(A) - __ (B) 0
2
(C) __ (D) - 1
2 3

⎧__________
1 - cos (2x)

   se   x > 0
7. Seja f a função, de domínio R, definida por f (x) = ⎨ ⎪
x2 .
⎩x - ln (1 - x)   se   x ≤ 0
2
7.1. Averigua se a função f é contínua em x = 0.

7.2. Estuda a função f quanto ao sentido da concavidade do seu gráfico, no intervalo ]-∞, 0].
+
7.3. Considera a função g, de domínio R , definida por g (x) = x 2 f (x).

3 . Determina g a .
Seja a å [p, 2p] tal que tg a = - __ ( )
2

95
Teste n.° 5

8. Sejam a e x números reais positivos tais que a 0 1, x 0 1 e logx(ea) = loga(e).


Qual das seguintes igualdades é necessariamente verdadeira?
1
__
(A) x = a
1
(B) x = __ (C) x = a
a
(D) x = a a
a

9. Seja f : R " R uma função tal que:


f (x) - f(a)
• lim _________ existe e é positivo para qualquer número real a não nulo;
x"a x-a
• f '(0 ) = + ∞;
+

+
• f "(x) < 0, Ax å R .
Em qual das opções seguintes poderá estar representado o gráfico da função f ?
(A) (B)

y y

x x
O O

(C) (D)
y y

x x
O O

10. Considera as funções f, g e h, de domínio R, definidas por y


1 x 2 - 2x - 8 .
f (x) = - x 2 - 2x, g (x) = - x 2 + 4x e h (x) = __
2( )
10.1. Determina a primitiva de f cujo gráfico passa no ponto h
de coordenadas (1, 1). x
O
10.2. Na figura estão representadas graficamente as três fun- f
ções. Determina a medida da área da região a sombreado.
g

FIM

96
Teste n.° 5

Cotações

Caderno 1 ............................................................................................................................. 80 pontos


1. .................................................................................................................. 24 pontos
1.1. ...................................................................................... 16 pontos
1.2. ...................................................................................... 8 pontos

2. .................................................................................................................. 18 pontos

3. .................................................................................................................. 30 pontos
3.1. ...................................................................................... 16 pontos
3.2. ...................................................................................... 14 pontos

4. .................................................................................................................. 8 pontos

Caderno 2 ........................................................................................................................... 120 pontos

5. .................................................................................................................. 18 pontos

6. .................................................................................................................. 8 pontos

7. .................................................................................................................. 46 pontos
7.1. ...................................................................................... 16 pontos
7.2. ...................................................................................... 16 pontos
7.3. ...................................................................................... 14 pontos

8. .................................................................................................................... 8 pontos

9. .................................................................................................................... 8 pontos

10. ................................................................................................................ 32 pontos


10.1. .................................................................................. 14 pontos
10.2. .................................................................................... 18 pontos

TOTAL ........................................................................................................................................ 200 pontos

97
Teste n.° 1

Teste n.° 6 — Matriz

Cotação por item


Tipologia de itens Número de itens
(em pontos)

Itens de seleção Escolha múltipla 5 8

Itens de construção Resposta restrita 11 12 a 18

Tema I – Cálculo Combinatório Tema V – Funções Exponenciais e Funções


1. Conhecer propriedades das operações sobre Logarítmicas
conjuntos. 1. Operar com juros compostos e definir o núme-
2. Conhecer factos elementares da combinatória. ro de Neper.
3. Conhecer o triângulo de Pascal e o binómio de 2. Definir as funções exponenciais e estabelecer
Newton. as respetivas propriedades principais.
4. Resolver problemas. 3. Definir as funções logarítmicas e as respetivas
propriedades principais.
Tema II – Probabilidades 4. Conhecer alguns limites notáveis envolvendo
1. Definir espaços de probabilidade. funções exponenciais e logarítmicas.
2. Definir probabilidade condicionada. 5. Estudar modelos de crescimento e decresci-
3. Resolver problemas. mento populacional.
6. Resolver problemas.
Tema III – Funções Reais de Variável Real
1. Utilizar os teoremas de comparação e os teore- Tema VI – Primitivas e Cálculo Integral
mas das sucessões e funções enquadradas. 1. Definir a noção de primitiva.
2. Conhecer as propriedades elementares das fun- 2. Abordar intuitivamente a noção de integral de-
ções contínuas. finido.
3. Resolver problemas. 3. Resolver problemas.
4. Relacionar a derivada de segunda ordem com o
sentido da concavidade do gráfico de uma fun- Tema VII – Números Complexos
ção e com a noção de aceleração. 1. Conhecer o contexto histórico do aparecimento

5. Resolver problemas. dos números complexos e motivar a respetiva


construção.
Tema IV – Trigonometria e Funções Trigonométricas 2. Definir o corpo dos números complexos.
1. Estabelecer fórmulas de trigonometria. 3. Operar com números complexos.
2. Calcular a derivada de funções trigonométricas. 4. Definir a forma trigonométrica de um número
3. Relacionar osciladores harmónicos e a segunda complexo.
lei de Newton. 5. Extrair raízes n-ésimas de números complexos.
4. Resolver problemas. 6. Resolver problemas.

98
Teste n.° 6

Teste n.º 6
Matemática A
12.º Ano de Escolaridade
Na resposta aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta. Escreve na folha de respostas o número do
item e a letra que identifica a opção escolhida.

Caderno 1 É permitido o uso de calculadora.


(35 minutos)

1. A soma de todos os elementos de uma certa linha do triângulo de Pascal é 1610. Escolheram-se, ao
acaso, dois elementos dessa linha. Qual é a probabilidade de esses dois elementos serem iguais?
20
(A) ____
20
(B) ____
41 40
C2 C2
10
(C) ____
40
(D) ____
11 41
C2 C2

2. Num certo dia, a Andreia iniciou o carregamento da bateria do seu telemóvel às 8 horas da manhã.
A percentagem de energia disponível no telemóvel da Andreia, ao longo desse dia, em função de t, é
11
dada por E (t) = 10 ln(0,2t + 0,1) - 10 ln(2t - 1) + 10 ln (10) - 32t + 231, sendo t  (0 ≤ t ≤ a) o tempo,
em horas, decorrido desde o início do carregamento da bateria, e a o tempo, em horas, que a bateria
do telemóvel demorou a descarregar novamente.

2.1. Mostra que E (t) = 100 ln(0,2t + 0,1) - 32t + 231, para qualquer t å [0, a].

2.2. Recorrendo à calculadora gráfica, determina o valor de a, apresentando o resultado em horas, arre-
dondado às centésimas.

Na tua resposta deves:


• equacionar o problema;
• reproduzir o(s) gráfico(s) da(s) função(ões) que tiveres necessidade de visualizar na calculadora,
devidamente identificado(s), incluindo o referencial;
• assinalar as coordenadas dos pontos relevantes, com arredondamento às centésimas.

2.3. Em qual dos seguintes intervalos, o teorema de Bolzano-Cauchy permite afirmar que a equação
E(t) = 10 tem, pelo menos, uma solução?

(A) [6, 7] (B) [7, 8]

(C) [8, 9] (D) [9, 10]

2.4. Sem recorrer à calculadora gráfica, a não ser para efetuar eventuais cálculos numéricos, estuda a
função E quanto à monotonia e conclui em que instante a bateria do telemóvel atingiu o nível
máximo. Apresenta o resultado em horas e minutos, arredondando-os às unidades.

99
Teste n.° 6

3. Considera a função f, de domínio R, definida por f (x) = 18 x2.

Seja a um número real positivo. Na figura estão representados o gráfico da função f e as retas de equa-
ção x = - a e x = a. Sabe-se que a área representada na figura é igual a 4116. Determina o valor de a.

y
f

-a O a x

Caderno 2 Não é permitido o uso de calculadora.


(55 minutos)

4. Seja k uma raiz do polinómio a x2 + bx + c, onde a, b, c å R.

Considera a função f, de domínio R, definida por f (x) = ekx.

Qual das opções seguintes é igual à expressão a f "(x) + b f '(x) + cf (x) ?

(A) 1 (B) 0 (C) kx (D) k ekx

5. Considera, para um certo número real k, a função f: ] - ∞, 2p] " R definida por:
⎧ 3p
___
⎪sen(x + 2 ) - cos (2x)  se 0 ≤ x ≤ 2p
f (x) = ⎨
sen(- kx)
⎪________
⎩ se x < 0
x
5.1. Mostra que f (x) = - 2 cos2x - cos x + 1, para x å [0, 2p] e determina os zeros da função f neste intervalo.

5.2. Para um certo número real k, a função f é contínua em x = 0. Qual é o valor de k?

(A) - 2 (B) - 1 (C) 1 (D) 2

5.3. Considera k = - 1. Estuda a função f quanto à existência de assíntota horizontal ao seu gráfico e,
caso exista, indica uma equação dessa assíntota.

5.4. Considera k = 1. Na figura encontra-se representado, num referencial o.n. xOy, o gráfico de uma
-
função g, de domínio R , definida por g (x) = f (x) * x cos x.
y
g

O x

Calcula o valor da área da região representada a sombreado.

100
Teste n.° 6

__
6. Em C, conjunto dos números complexos, considera z1 = 3 - √3 i.
1 , apresentando o resultado na forma algébrica.
6.1. Determina _____
2
(z‾1)  
6.2. Seja z = e iq. Calcula o valor de q, pertencente ao intervalo [0, 2p], para o qual z1 * z é um imaginário
puro.
6.3. Determina a área do polígono cujos vértices são os afixos, no plano complexo, das raízes quartas
de z1.
p
6.4. Considera, em C, a condição z - z1 ≤ 3  ‹  0 ≤ Arg(z - z1) ≤ __ ‹ Im (z) ≤ 0.
| | 2
Qual das opções seguintes pode representar, no plano complexo, o conjunto dos pontos definido
pela condição dada?
(A) (B)

Im (z) Im (z)

O Re (z)
O Re (z)

(C) (D)

Im (z) Im (z)

O Re (z)
O Re (z)

Sejam z e w dois números complexos. Mostra que |z + w | + |z - w | = 2 |z | + 2 |w| , quaisquer que sejam
2 2 2 2
7.
os números complexos z e w.

FIM

101
Teste n.° 6

Cotações

Caderno 1 ............................................................................................................................. 80 pontos


1. .................................................................................................................... 8 pontos

2. .................................................................................................................. 54 pontos
2.1. ...................................................................................... 14 pontos
2.2. ...................................................................................... 14 pontos
2.3. ........................................................................................ 8 pontos
2.4. ...................................................................................... 18 pontos

3. .................................................................................................................. 18 pontos

Caderno 2 ........................................................................................................................... 120 pontos

4. .................................................................................................................... 8 pontos

5. .................................................................................................................. 52 pontos
5.1. ...................................................................................... 16 pontos
5.2. ........................................................................................ 8 pontos
5.3. ...................................................................................... 14 pontos
5.4. ...................................................................................... 14 pontos

6. ................................................................................................................ 46 pontos
6.1. ...................................................................................... 12 pontos
6.2. ...................................................................................... 14 pontos
6.3. ...................................................................................... 12 pontos
6.4. ........................................................................................ 8 pontos

7. .................................................................................................................. 14 pontos

TOTAL ........................................................................................................................................ 200 pontos

102
SOLUÇÕES
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

SOLUÇÕES

5.5. 120 5.6. 180


5
5.7. _
5
5.8. _
1. Tema I Cálculo Combinatório (pág. 9) 6
2 12
1

1.1. 6.1. 192 6.2. 372 6.3. 54


U 7

A B
7.1. 5040 7.2. 720 7.3. 288 7.4. 144
8

8.1. 1440 8.2. 8640 8.3. 46 620


9

C 9.1. 435 897 9.2. 69 300 9.3. 105 105 9.4. 356 730
10

1.2. U 10.1. n = 9 10.2. n = 19 10.3. n = 4 10.4. n = 17


A B 10.5. n = 10 10.6. n = 16
11

11.1. 32 11.2. 36
12

C 12.1. 2352 12.2. 1344 12.3. 336 12.4. 1614


13

1.3. 13.1. 120 13.2. 144 13.3. 72 13.4. 24 13.5. 216


U 14

A B
14.1. 13 776 14.2. 3360
15

15.1. 2! * (n - 1)! 15.2. (n - 2)(n - 1)!


15.3. 3!(n - 2)! 15.4. 3! * 2! * (n - 3)!
C 16

16.1. 144 16.2. 96 16.3. 12


1.4. U 17

A B 17.1. 56 17.2. 30 17.3. 26 17.4. 18


17.5. 38 17.6. 42 17.7. 14
18

18.1. 4960 18.2. 601 080 390


C
18.3. 278 256 18.4. 2 147 483 648

1.5. U 18.5. 17
19

A B 2 3 4 5
19.1. 32 + 240x + 720x + 1080x + 810x + 243x
2 3 4 5 6
19.2. 64 - 192x + 240x - 160x + 60x - 12x + x
4 3 2 2 3 4
19.3. 16y + 32xy + 24x y + 8x y + x
C 160 320 + ____
320 + ____
160 + ___
32
19.4. 32 + ____ + ____
2 3 4 5
x x xx x
1.6. U 15 6 1
6 4 ___ __ __
19.5. x - 6x + 15x - 20 + 2 - 4 + 6
2
A B x x x
20. 3432
21

2019 2021 2022


21.1. C1000 21.2. C891 21.3. C1003
C
22

22.1. C.S. = {2} 22.2. C.S. = {- 1, 6} 22.3. C.S. = {4}


2

22.4. C.S. = {17} 22.5. C.S. = {15} 22.6. C.S. = {20}


3

3.1. ] - ∞, 1] 3.2. [- 1, 3] 23

2
3.3. O 3.4. [ 1, +∞ [ 23.1. 153 090 x 23.2. 262 440

3.5. ] - ∞, 1] ∂ ] 3, + ∞ [ 3.6. ] - ∞, 3] 23.3. 61 236 23.4. 1024

3.7. ] - ∞, - 1 [ 3.8. ] - ∞, - 1 [ ∂ ] 3, + ∞ [ 24. 16


3.9. [ - 1, 1 [ 3.10. R
4

25. 130
4.1. Afirmação falsa. 4.2. Afirmação falsa.
26

9
26.1. 42 240 x 26.2. 14 784 26.3. Não existe.
4.3. Afirmação verdadeira. 4.4. Afirmação falsa.
4.5. Afirmação verdadeira. 27. 10
28
29
5 30

5.1. 10 5.2. 280 5.3. 432 5.4. 210 30.1. Resposta II

105
TEMA I Probabilidades e combinatória

2. Tema II Probabilidades (pág. 18) 3. Tema III Funções Reais de Variável Real (pág. 26)
1

1
__
1.1. E = {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8} 1.
2
2

1.2. a) Por exemplo, “sair o número 10”. 3.1. 0 3.2. 0 3.3. 0


4

b) Por exemplo, “sair um número positivo”.


4.1. 0 4.2. 0 4.3. 0
c) Por exemplo, “sair um número primo”. 1
4.4. 0 4.5. 0 4.6. __
d) Por exemplo, “sair um múltiplo de 5”. 5
2

e) Por exemplo, “sair um número par”. 5.1. 0 5.2. 0 5.3. 0 5.4. 1


6

f) Por exemplo, “sair um número par” e “sair um número 6.1. f é contínua em R.


primo”. 7

g) Por exemplo, “sair um divisor de 8” e “sair um múltiplo 7.2. k å ] - 8, 0 [


de 3”.
8

10

10.1. f tem a concavidade voltada para baixo em ] - ∞, - 1 [


h) Por exemplo, “sair um número par” e “sair um número
e tem a concavidade voltada para cima em ] - 1, + ∞ [;
ímpar”.
apresenta um ponto de inflexão de coordenadas (- 1, 8).
1.3. a) {1, 2, 3, 4, 5, 6, 7} b) {2, 3} 10.2. g tem a concavidade voltada para baixo em ] - 1, 1 [ e
c) {1, 4, 6} d) {2, 3, 5, 7, 8} tem a concavidade voltada para cima em ] - ∞, - 1 [ e
em ] 1, + ∞ [; apresenta dois pontos de inflexão de coorde-
e) {8} f) {1, 4, 5, 6, 7, 8}
nadas (- 1, - 5) e (1, - 5).
2. 0,42 10.3. h tem a concavidade voltada para baixo em ] - 1, 1 [
e tem a concavidade voltada para cima em ] - ∞, - 1 [ e
3

1
3.1. a) ___
1
b) ____
6
c) _____
63
d) ___ em ] 1, + ∞ [; não apresenta pontos de inflexão.
64 676 2197 64
10.4. i tem a concavidade voltada para baixo em ] - ∞, 0 [ e em
11
3.2. a) ____
1
b) ____
16
c) _____
839
d) ____
4
850 663 5525 850 ] 0, + ∞ [; não apresenta pontos de inflexão.
10.5. j tem a concavidade voltada para cima em ] - ∞, - 1 [ e
4.1. 0,3 4.2. 0,37
5

tem a concavidade voltada para baixo em ] - 1, + ∞ [; não


apresenta pontos de inflexão.
6

19
6.1. ___
3
6.2. __
52 5 10.6. k tem a concavidade voltada para baixo em - ∞, - __ e
9
] 2[
7.
94
____
143 tem a concavidade voltada para cima em ] - __ 9 , 3 e em
2 [
8

3 ; P(A ∂ B) = __
6 ; P(B) = ____
9 ; P A|B = ___
7 ] 3, + ∞ [; apresenta um ponto de inflexão de coordenadas
P(A © B) = ___
35 ( ) 12
9.
20 7 9 __
__ 1
6 (- 2 , 9 ).
10. __
7 10.7. l tem a concavidade voltada para cima em R; não apre-
383 97 senta pontos de inflexão.
11.1. ____
11. 11.2. ____
400 383 10.8. m tem a concavidade voltada para baixo em ] - ∞, - 3 [
11.3. Os acontecimentos A e D não são independentes. e em ] 0, 3 [ e tem a concavidade voltada para cima
12

em ] - 3, 0 [ e em ] 3, + ∞ [; apresenta um ponto de inflexão


4
12.1. __
1
12.2. __
89
12.3. ___
19
12.4. ___ de coordenadas (0, 0).
13
9 9 90 45
1
__ 2
__ 1
__ 10.9. n tem a concavidade voltada para baixo em
13.1. 13.2. 13.3. 0 13.4. _ _
2 3 4 2√3
____ 2√3
____
4 ] - ∞, - 3 [ e em ] 3 , + ∞ [ e tem a concavidade
14. ___ _ _
5 2√3 2√3
voltada para cima em ] - ____, ____ [; apresenta dois
15

3 3
16

1 13 _
16.1. ___ 16.2. ___ 2√3 __
14 14 pontos de inflexão de coordenadas (- ____ , - 1) e
_ 3 2
17

5
17.1. a) __
1
__ 2√3 __
b) ____ , - 1 .
7 7 ( 3 2)
3
17.2. a) __
4
b) __
1
c) __
7 7 7 10.10. o tem a concavidade voltada para baixo em ] - ∞, - 1 [
1925 385 e em ] 0, 1 [ e tem a concavidade voltada para cima em
17.3. a) ________ b) __________
124 416 2 985 984 ] - 1, 0 [ e em ] 1, + ∞ [; apresenta um ponto de inflexão de
2 coordenadas (0, 0).
18. ___
15

106
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

10.11. p tem a concavidade voltada para baixo em ] 2, + ∞ [;


g y
não apresenta pontos de inflexão.
10.12. q tem a concavidade voltada para baixo em ] - 1, + ∞ [;
não apresenta pontos de inflexão.

11. Gráfico I - 7 -2 -1 O 1 2 7
x
12

1 1 3
12.1. C.S. = ] - ∞, - 1 [ ∂ - __, 0 ∂ __, 1 ∂ __, 2
] 2 [ ]2 [ ]2 [
12.2. C.S. = ] - ∞, - 1 [ ∂ ] 2, +∞ [

1 1 3
12.3. C.S. = - __, 0 ∂ __, 1 ∂ __, + ∞
[ 2 ] [2 ] [2 [
16.3. Dh = R\{- 1, 1}; 0 é o único zero da função; h é estrita-
_
3√3 1 mente crescente em ] - ∞, - 1 [ e em [ - 1, 0 [ e é estrita-
13. y = _____x - __ mente decrescente em [ 0, 1 [ e em ] 1, + ∞ [; tem máximo
4 4
relativo em x = 0; h tem a concavidade voltada para cima
14

14.1. 2000 m 14.2. 75 m/s 14.3. - 200m/s


em ] - ∞, - 1 [ e em ] 1, + ∞ [ e tem a concavidade volta-
2 2
14.4. - 10 m/s 14.5. - 10 m/s da para baixo em ] - 1, 1 [; não tem pontos de inflexão;
x = - 1 e x = 1 são assíntotas verticais ao gráfico de h e
15. a = - 3 y = 5 é assíntota horizontal ao gráfico de h quando x " - ∞
16

e quando x " + ∞.
16.1. Df = R; - 1, 1 e 2 são zeros da função; f é estritamente
_ _
h y
2 - √7
______ 2 + √7
______
crescente em ] - ∞, e em [ , + ∞ [ e é es-
3 ] _ 3 _
5
2 - √7 2 + √7
tritamente decrescente em [ ______, _______] ; tem má-
_ 3 3
2 - √7
ximo relativo em x = ______ e tem mínimo relativo em
_ 3
+ √7
2_______
x = ; f tem a concavidade voltada para baixo
3 -1 O 1 x
em ] - ∞, __ 2 e tem a concavidade voltada para cima
3[
2 , + ∞ ; __
em ] __ 20
2 ___
3 [ ( 3 , 27 ) é ponto de inflexão do gráfico de f;
não tem assíntotas.
16.4. Di = R\{- 3, 3}; 0 é o único zero
_ da função; _i é estrita-
y mente crescente em ] - ∞, - 3√3 ] e em [ 3√3 , + ∞ [ e é
f _
estritamente decrescente em [ - 3√3 , - 3 [, em ] - 3, 3 [ e
_ _
em ] 3, 3√3 ] ; tem máximo relativo
_ em x = - 3√3 e tem
mínimo relativo em x = 3√3 ; i tem a concavidade vol-
tada para baixo em ] - ∞, - 3 [ e em ] 0, 3 [ e tem a con-
2- 7 2+ 7 cavidade voltada para cima em ] - 3, 0 [ e em ] 3, + ∞ [;
3 3
-1 O 2 1 2 x (0, 0) é ponto de inflexão do gráfico de i; x = - 3 e x = 3
3 são assíntotas verticais ao gráfico de i e y = x é assín-
tota oblíqua ao gráfico de i quando x " - ∞ e quando
_ _ x " + ∞.
16.2. Dg = R; 1, - 1, √7 e -√7 são zeros da função; g é es-
tritamente decrescente em ] - ∞, - 2] e em [0, 2] e i
y
é estritamente crescente em [- 2, 0] e em [ 2, + ∞ [;
tem máximo relativo em x = 0 e tem mínimo relativo
em x = - 2 e em x = 2; g tem a concavidade voltada
_ _
2√3 2√3
para cima em ] - ∞, - _____ [ e em ] _____, + ∞ [ e tem -3 O 3 x
3 3 _ _
2√3 2√3
a concavidade voltada para baixo em ] - _____, _____ [;
3 3
_ _
2√3 ___
_____ 17 2√3 ___
_____ 17
(- 3 , - 9 ) e ( 3 , - 9 ) são pontos de inflexão
do gráfico de g; não tem assíntotas.

107
TEMA I Probabilidades e combinatória

16.5. Dj = R; 1 é o único zero da função; j é estritamente 16.8. Dm = R; não tem zeros; m é estritamente decrescente em R
_ _
decrescente em ] - ∞, 1 - √2 ]
e em [ 1 + + ∞[ e
√2 , e não admite extremos; m tem a concavidade voltada para
_ _ cima em R; não admite pontos de inflexão; y = - 2x é as-
é estritamente crescente em [1 - √2 , 1 + √2 ] ; tem
_ síntota oblíqua ao gráfico de m quando x " - ∞ e quando
máximo relativo em x = 1 + √2 e tem mínimo relativo x " + ∞.
_
em x = 1 - √2 ; j tem a concavidade voltada para bai- y
_ _ m
xo em ] - ∞, - 1 [ e em ] 2 - √3 , 2 + √3 [ e tem a con-
_
cavidade voltada para cima em ] - 1, 2 - √3 [ e em
_
_ _ - 1-√3
] 2 + 3 , + ∞ [; (- 1, - 1),
_______
(2 - 3 ,
√ √ e
_ 4 )
_ - 1+ √3
√ ________ são pontos de inflexão do gráfico
(2 + 3 , 4 ) O x

de j; y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico de j quando


x " - ∞ e quando x " + ∞.
17

y
17.1. f é contínua em R\{5}.
2

j
17.4. x ) 1,3
O x
1
17.5. O gráfico de f tem a concavidade voltada para cima em
] 5, + ∞ [ e não admite pontos de inflexão neste intervalo.
18. Comprimento: 2 Altura: 1
16.6. Dk = R\{- 1, 1}; 0 é o único zero da função; k é estri-
tamente decrescente em ] - ∞, - 1 [, em ] - 1, 1 [ e em
19. (1, 1)
] 1, + ∞ [; não admite extremos; k tem a concavidade vol- _ _
tada para baixo em ] - ∞, - 1 [ e em ] 0, 1 [ e tem a con- 20. Comprimento: 2√2 Altura: √2
cavidade voltada para cima em ] - 1, 0 [ e em ] 1, + ∞ [; _
(0, 0) é ponto de inflexão do gráfico de k; x = - 1 e x = 1 21. Raio: √2 Altura: 1 2p
Volume: ___
3
são assíntotas verticais ao gráfico de k e y = 0 é assíntota
horizontal ao gráfico de k quando x " - ∞ e quando
x " + ∞. 4. Tema IV Trigonometria e Funções Trigonométricas
y k
(pág. 34)
1

__ __
√2 1 1 √3
1.1. __ 1.2. __ 1.3. − 1 1.4. 0 1.5. __ 1.6. − __
2
2 2 4 2

3.
63
sen (a + b) = − ___ 56
cos (a − b) = ___
-1 O 1 x 65 65
24
sen (2a) = − ___ 120
tg (2b) = ____
25 119
__
7 + 3√5
4. − ______
16
16.7. Dl = ] - ∞, - 2] ∂ [ 2, + ∞ [; - 2 e 2 são zeros da função; __
l é estritamente decrescente em ] - ∞, - 2] e é estrita- √ 3
5. __
mente crescente em [ 2, + ∞ [, tem mínimos absolutos em 6
2
x = - 2 e em x = 2; l tem a concavidade voltada para baixo __ __ __
__
7

√6 + √2 √2
em ] - ∞, - 2 [ e em ] 2, + ∞ [; não admite pontos de infle- 7.1. ____ 7.2. __ 7.3. 0 7.4. 2 + √3
4 2
xão; y = - x é assíntota oblíqua ao gráfico de l quando 8

x " - ∞ e quando x " + ∞. 8.1.


11p + 2kp › x = ___
x = ____ p + 2kp, k å Z
30 30
y
8.2.
p + kp, k å Z
x = __
l
4
8.3.
p + kp › x = ___
x = __ 3p + kp, k å Z
2 4
8.4.
p p
x = + kp › x = + 2kp ∨ x = − __
__ __ p + 2kp, k å Z
2 3 3
8.5.
p + 2kp › x = − ___
x = ___ p + 2kp, k å Z
x 3 3
-2 O 2
8.6.
p + kp › x = __
x = − ___ p + kp, k å Z
12 4

108
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

__ __
p √3 p √3 7p
8.7. x = − __ + kp, k å Z nimos relativos; __ − __, __ − ___ e − 2p são máximos
6 2 6 2 6
relativos.
p p
8.8. x = __ + kp › x = __ + k __ , k å Z
p
2 4 2 p p
15.3. h é estritamente crescente em − __ , __ e é estritamente
9
[ 4 4]
⎧ ⎫ ⎧ ⎫ p p p , __ p
p ; − __
C.S. = ⎨___ 7p , ____
5p , ___ 13p , ____
15p⎬ p , p⎬
C.S. = ⎨− p, __ decrescente em ] − __, − __] e em [ __ + 1 é míni-
9.1. 9.2. 2 4 4 2[ 2
⎩16 16 16 16 ⎭ ⎩ 2 ⎭
p

p , __
p , ___
2p , ___
3p⎬
⎫ ⎧
p⎬
5p , - ___
⎫ mo relativo; __ − 1 é máximo relativo.
9.3. C.S. = ⎨__ 9.4. C.S. = ⎨− __ 2
⎩2 3 3 2 ⎭ ⎩ 6 6 ⎭ p
15.4. i é estritamente decrescente em 0, __ e é estritamente
⎧ ⎫ ⎧ ⎫ __ [ 4]
9.5. C.S. = ⎨___ 11p⎬
7p , p, ____ 9.6.
p , − __
2p , − __
C.S. = ⎨− ___ p⎬
crescente em [__ p ;√
p , __ __ 2
⎩6 6 ⎭ ⎩ 3 2 3⎭ é mínimo relativo; 1 é máxi-
4 2] 2
⎧ ⎫ ⎧ ⎫ mo relativo.
9.7.
p⎬
C.S. = ⎨__ 9.8. C.S. = ⎨− ___ p , ___
5p , __ 7p⎬
⎩6⎭ ⎩ 6 6 6⎭ p p
16. f tem a concavidade voltada para cima em ] − __, − __ [ e
10

2 4
10.1. 3 10.2. 3
1
10.3. __
2
10.4. __
3 5 p , __
tem a concavidade voltada para baixo em ] − __ p , tem
11

4 2[
1
11.1. __
3
11.2. __
1
11.4. __ p
2 2
11.3. 1
4 um ponto de inflexão de abcissa x = − __.
4
__
1
11.5. __
1
11.6. __
1
11.8. __ p
3 2
11.7. √2
2 g tem a concavidade voltada para cima em ] __ , p [ e
12
2
3p
12.1. f não é contínua em x = -1; g é contínua em x = 0. em ] ___ , 2p [ e tem a concavidade voltada para baixo
2
12.2. y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico de f quando p 3p
x " - ∞ e quando x " + ∞. em ] 0, __ [ e em ] p, ___ [; tem três pontos de inflexão de
2 2
y = 1 é assíntota horizontal ao gráfico de g quando p 3p
abcissas x = , x = p e x = _ .
__
x " - ∞ e y = x é assíntota oblíqua ao gráfico de g 2 2
h tem a concavidade voltada para cima em ] - _ p, 0 e
quando x " + ∞.
2 [
_
13

1
13.1. __
2
13.3. _
1
13.4. _ p ; tem
13.2. -√3 tem a concavidade voltada para baixo em ] 0, _
3 p 2 2[
um ponto de inflexão de abcissa x = 0 .
14

1
14.1. 2 cos x + _ 14.2. 4 cos (2x) p ; não
i tem a concavidade voltada para cima em ] 0, _
cos x 2[
2

cos tem pontos de inflexão.


14.4. _____
14.3. 5 cos (5x + 2) _ x
p
17

2√sen x
17.1. f é estritamente crescente em ] 0 + kp, _ + kp] , k å Z e
2
14.5. 2 x sen x + x2 cos x - 6 x2 14.6. sen (2x)
p
é estritamente decrescente em [ _ + kp, p + kp [, k å Z.
6 sen (3x + 1) 2
14.7. − (2x + 2) sen (x + 2x + 2) 14.8. ___________
2
cos3 (3x + 1) p kp 5p kp
17.2. g é crescente em ] _ + _, _ + _ [, k å Z.
− sen x 8 2 8 2
14.9. ___________
2
14.10. − 4 (2x + 1) sen (2x + 1)
cos2 (cos x) 18. f – gráfico (II); período 4p g – gráfico (IV); período p
14.11. − 2 sen (4x + 2)
sen2 x − 2
14.12. ________ h – gráfico (I); período 2p i – gráfico (VI); período 6p
2 sen3 x p
j – gráfico (III); período 8p k – gráfico (V); período __
− x sen x − 2 cos x 2
14.13. _______________ 14.14. − 3x sen (2 x3)
2
3 x
19

4p
19.1. 2p; [− 1, 3] ; x = 0 › x = ___ › x = 2p
3
15

p p
15.1. f é estritamente crescente em − __ , __ e é estritamente y
[ 2 4] f
decrescente em [__ p , __
p ; − 1 e 1 são mínimos relativos; 3
__ 4 2]
√2 é máximo relativo.

15.2. g é estritamente crescente em


p
__ 5p ___
___ 7p
[0, 6 ] , em [ 6 , 6 ] e
11p , 2p e é estritamente decrescente em __
em [____ p ___
5p
] [6 , 6 ] O › › 3› 2› x
6 2 2
__ __ -1
11p ; 0, − √
7p , ____ 3 ___5p √ 11p
3 ____
e em [___ __ − e − __ − são mí-
6 6 ] 2 6 2 6

109
TEMA I Probabilidades e combinatória

3 1 3p p p 11p
19.2. p; − __ , __ ; x = − ___ › x = - ___ › x = __ › x = ____
1
24.2. y = − __ é assíntota horizontal ao gráfico de f quando
[ 2 2] 4 12 4 12 2
y
x " + ∞.
g 1 4 1
24.3. x = _____ , k å Z\ − __
2 1 + 2k { 2}
-› O x 24.4. f é estritamente crescente em [1, 2] e é decrescente

2
›
2
›
1 é mínimo relativo e __
em [ 2, + ∞ [, − __ 1 é máximo rela-
2 2
tivo de f .
- 32 4
25.1. f não é contínua em x = 0. 25.2. a) − ___
25

13
p
26

19.3. p; [− 1, 1] ; x = __ › x = ___
5p p
26.1. v (t) = 2,34 1 − cos ___ t
8 8 ( ( 60 )); 1,17 m/s
2
y 26.2. 2 min; 280,8 m 26.3. 2,34 m/s 26.4. 0,12 m/s
1
h
Tema V Funções Exponenciais e Funções
5.

Logarítmicas (pág. 47)


O x 1. ≈ 1403,83 €
› ›
2
2. ≈ 5627,54 €
-1 3. ≈ 2861,54 €
4. ≈ 13 257,81 €
p
19.4. p; R; x = − __ › x = ___
3p
4 4 5. ≈ 14,9 %
i y 6

6.1. 200 000 € 6.2. 225 000 € 6.3. ≈ 244 140,63 €


6.4. ≈ 261 303,53 € 6.5. ≈ 269 259,70 € 6.6. ≈ 271 456,75 €
6.7. ≈ 271 812,67 € 6.8. ≈ 271 827,92 € 6.9. ≈ 271 828,18 €
7

2n
x 7.1. Cn = 6000 * 1,01
-› - 2› O › ›
2
7.2. A Fátima duplicou o seu investimento ao fim de 35 anos.

8. ≈ 5867,03 €

9. 8000 €

10. ≈ 3692,06 €
20

20.1. Distância mínima: 0,5 cm Distância máxima: 2,5 cm 11

20.2. Amplitude: 1
p
Ângulo de fase: __ 11.1. C.S. = {- 3} 11.2. C.S. = {8} 11.3. C.S. = {3}
1 4
20.3. Período: 2 Frequência: __ 9
11.4. C.S. = {__}
3
11.5. C.S. = {__} 11.6. C.S. = {1}
2 12
4 4
1 5
20.4. t = ___ s › t = ___ s › t = ___ s
13
12.1. C.S. = - ∞ ,__
1 12.2. C.S. = ___ 11
[ 3 ,+ ∞ [12.3. C.S. = ] - ∞, - 5]
12 12 12
21
1
] 2[
p2
21.2. k = ___ 3
12.4. C.S. = - ∞ ,__ 12.5. C.S. = ] - ∞, 3] 12.6. C.S. = ] 1,+ ∞ [
22
1
4
__ ] 2]
p √3 +1 __
22.2. a = __ 22.4. ____
13

22.3. ) 0,78 e ) 1,33 1


3 4 13.1. ___2 13.2. e 6 13.3. √e 13.4. 0 13.5. + ∞
e
1
13.8. __
23

2p
23.1. x = 0 › x = ___ › x = p › x = ___ › x = 2p
4p 13.6. e 3 13.7. e 6 13.9. e 2
2

3 3 14
e
23.3. 3 14.1. 5 14.2. - 5
1
14.3. - ___5
e
23.4. y = − 2x + 1 + p 2e 2
14.4. ___ 14.5. __ 14.6. 0
p 5p
23.5. g é estritamente crescente em 0, __ e em ___ , 2p e
5 3
[ 3] [3 ]
15

____
__ 15.1. - e - x + 1 15.2. x√e x - 1
2

p , ___ 3√3
5p ; 0 e − ___
é estritamente decrescente em [__ são -x
__ 3 3] 2 15.3. (cos x - sen x) e sen x + cos x 15.4. ______
ex + 1
3√3
mínimos relativos, ___ e 0 são máximos relativos. 15.5. (3x + 1) e 3x + 1 + 6 e 3x + e 15.6. 2
x+1
ln(2)
2
24

110
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

__
23

16

1 ex 1 - 4x - x ln (x)
16.1. __ 16.2. 10 16.3. 49 16.4. √3 16.5. 7 23.1. (ex - 1) ln (x) + ___ - 1 23.2. _____________
3 __ x xe
x

9 3 √7
16.6. 15 16.7. __ 16.8. __ 16.9. _____ 16.10. 21 x2 + 1
23.3. ______ 23.4. - 2x tg x 2
17
5 7 7 x -x
3

2ln (ln(x)) x-1


17.1. C.S. = {4} 17.2. C.S. = {2} 17.3. C.S. = {1} 23.5. _________ 23.6. ____
1 x ln(x) x
17.4. C.S. = {3} 17.5. C.S. = { __, 1} 17.6. C.S. = {- 4}
24

2 24.1. + ∞; 0 24.2. - ∞; 0
17.7. C.S. = {- 3, 2} 17.8. C.S. = {0}
24.3. Não existe. 24.4. 2; 0

24.8. 2; + ∞
18

24.5. 0 24.6. 0; 1 24.7. 0


18.1. C.S. = ] - 3, 3[ 18.2. C.S. = ] - ∞, - 2 [ ∂ ]2, + ∞[
24.9. - 1; - ∞ 24.10. 0
1
24.11. __ 24.12. e 2; 1
18.3. C.S. = ] - ∞, 0]
1
18.4. C.S. = - __, + ∞
3
] 3 [
25. ≈ 687 gatos
18.5. C.S. = ] - ∞, 0] ∂ [ 1, + ∞ [ 18.6. C.S. = ] 0, 1] ∂ [ 4, + ∞ [ 26

18.7. C.S. = {1} 18.8. C.S. = ] 3, + ∞ [ 26.1. 1001 € 26.2. a = 1300; b = ln(0,77)

1 26.3. ≈ 2,7 anos


18.9. C.S. = ] 1, 2 [ 18.10. C.S. = [- __, 0]
e
26.4. ≈ 0,98 ; o computador desvaloriza, aproximadamente,
19

19.1. f é contínua em x = 1. 2% por mês.


19.2. y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico de f quando
27. ≈ 12horas e 16 minutos
x " - ∞.
19.3. y = (e - 1) x + e 28. A área do triângulo [OPQ] é máxima quando x = __.
1
20

29
2
20.1. C.S. = {33} 20.2. C.S. = {- 2}
29.1. C.S. = ] - ∞, - 2 [ ∂ ] 1, + ∞ [
20.3. C.S. = __
2 20.4. C.S. = {- 2, 2}
{3} 29.2. x = -1 e x = 1 são assíntotas verticais ao gráfico de f.
+
20.5. C.S. = ] 2, + ∞ [ 20.6. C.S. = R y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico de f quando
1
20.7. C.S. = 0, __ 20.8. C.S. = [ 6, + ∞ [ x " + ∞ e quando x " - ∞.
] 2[
3

9
29.4. __ + 3 ln (2)
20.9. C.S. = [- 2, 0] \{- 1} 20.10. C.S. = ] 2, + ∞ [ 8
30

21

5 30.1. Df = R\{1}; x = 1 é assíntota vertical ao gráfico de f e


21.1. - 3 21.2. __
3 y = 2 é assíntota horizontal ao gráfico de f quando
1 x " + ∞ e quando x " - ∞.
21.3. - __ 21.4. 0
6 2 + ln(2)
1 7 30.2. x = ________
21.5. - __ 21.6. __ ln (2)
2 3
2
30.3. f (x) = 1 + _______ ; Df = ]1, + ∞[\{2}
-1
_
22

-1

22.1. C.S. = {5} 22.2. C.S. = {√2} ln (x - 1)


2
____
22.3. C.S. = {1} 22.4. C.S. = {6} -2
30.4. f '(x) = _______2 e
x-1
; f é estritamente decrescente em
22.5. C.S. = {1} 22.6. C.S. = ]1, 2[
(x - 1)
] - ∞, 1 [ e em ] 1, + ∞ [ .
22.7. C.S.
1 , __
= ] __ 7 22.8. C.S. = [1, e]
2 2] 30.5. Dg = ] - ∞, - 2 [ ∂ ] 3, + ∞ [
6

1
22.9. C.S. = __, 2 30.7. x = -2 e x = 3 são assíntotas verticais ao gráfico de g.
]4 [
30.8. C.S. = ] 3, + ∞ [
1
22.10. C.S. = ] - 1, 0] ∂ __, + ∞
[2 [ 31

31.1. x = 0 é assíntota vertical ao gráfico de f.


22.11. C.S. = ]0, ln (3)[
+
__ 31.2. f é estritamente crescente em R .
22.12. C.S. = ] - ∞, ln (2)] ∂ [ ln(√5 ), + ∞ [ +
31.3. f tem a concavidade voltada para baixo em R .
22.13. C.S. = ] log2(3), log2(7) [ 3 - 2e 4 - 3e
31.4. y = _____ x + ____.
22.14. C.S. = {ln(2)} 2e 2e
31.5. C.S. = [e, + ∞[
22.15. C.S. = ] - ∞, log3(2)] ∂ [ log3(6), + ∞ [

22.16. C.S. = ] - ∞, 1 [ 32. g é contínua em R\{1}.


33

111
TEMA I Probabilidades e combinatória

33.1. 33.7.
y y f
f

x
O
x
O

33.2.
34

34.1. k = __
3 34.2. A afirmação é falsa.
y 2
f

6. Tema VI Primitivas e Cálculo Integral (pág. 58)


1

1.1. x 2 + x + c, c å R
O x
1 1.2. x 3 + x 2 + 5x + c, c å R
4
3
(x - 1)
33.3. 1.3. _______ + c, c å R
3
y f 4
(1 - 2x)
1.4. - ________ + c, c å R
8

1.5. ___ + __ - __ + x + c, c å R
x 4 x3 x2
x 12 6 2
O
3
1.6. - ____2 + c, c å R
2x
3
1.7. - __________2 + c, c å R
8 (2 x 2 + 1)
3
33.4. 2 (x + 1)
1.8. ________ + c, c å R
y f 3
4
(2 x + 2)
3
1.9. _________ + c, c å R
24
3
x (x 2 - 2x + 3)
___________
O 1.10. + c, c å R
6
_
1.11.
3 x√
__ 3
x + c, c å R
4
33.5. __
1.12. 2x√2x + c, c å R
f
y _
1.13. 2 + __2 x√x + c, c å R
3
__
1.14. 2√2x + c, c å R
4
____
4√(5x)
3

1.15. ________ + c, c å R
x 15
O
_
1.16. 2√x + __ x 2 + c, c å R
2
_____
33.6. 1.17. _(2x + 1)√2x + 1
_____________ + c, c å R
3
y f ____
(x 2 + 2)√x 2 + 2
1.18. _____________ + c, c å R
3
2

2.1. 2 ln | x - 1 | + c, c å R

x 3
2.2. __ ln |2 x 2 - 1| + c, c å R
O 4
1
__
2.3. ln | x 2 + 2x - 1| + c, c å R
2

112
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

____
2
2.4. - __ ln |1 - 2 x 3| + c, c å R
2
8.1. __ (x 3 + 1)√x 3 + 1 + c, c å R
3 9
2.5. 2 ln |x - 3| - ln|1 - x| + c, c å R 1
__
8.2. ex + c, c å R
3

3
1
2.6. - ________ + 2 ln |x + 1| + c, c å R
x-1 |
8.3. ln ln(x) + c, c å R
_
|
8.4. 2 sen (√x ) + c, c å R
3

3.1. ex + 1 + c, c å R
cos4 x
8.5. - _____ + c, c å R
1 4
3.2. - __ e- 2x + c, c å R
2 1
8.6. __ ln (x 2 + 1) + c, c å R
3.3. e + x + c, c å R
x 2
__
x 8.7.
1 + c, c å R
____
3
3.4. 3 e + c, c å R cos x
2
(ln(x )) 2
1
3.5. __ ex + c, c å R
2
8.8. ________ + c, c å R
2 4
1
__
8.9. - ln | 2 - e -2x | + c, c å R
3.6. 2 e - x + c, c å R
x 3
2
9. f (x) = x 4 - x 3 + 2x + 1
4

1
4.1. __ sen (3x) + c, c å R
3 1
10. - __ ln |1 - 3 sen2 x| + c, c å R
4.2. 4 cos x + c, c å R 6
11

1
4.3. __ sen (x 2 + 2) + c, c å R 11.1. 8 11.2. - 5 11.3. 7 11.4. 4
2
4.4. - cos ( x 3 - 1) + c, c å R
12

8
12.1. __  
3 5
12.2. __ ln __   12.3. 4 - ln (3) 
4.5. 3 cos x + c, c å R 3 2 (2)
1
12.4. __
e-1
12.5. _____
e3 - e
12.6. _____
4.6. - 2 cos x + c, c å R
2 2 3
__ __
____ 2√2 - 1
________ 1 2√2 - 2
12.8. __ ________
5

1
5.1. __√x 4 + 2 + c, c å R 12.7. 12.9.
2 3 3 3
13

5.2. ln|1 - cosx| + c, c å R 10


____ 13.1. a = 3 › a = - 1 13.2. - ___
3
5.3. √x 2 + 3 + c, c å R
2 13.3. a = 11 13.4. a = 8
5.4. - ________ + c, c å R
2 + senx 14

1 14.1. x + 2 14.2. 2x(x 4 + 1)


5.5. x + __ ln (x) + c, c å R
2
_
2 14.3. √x
3
14.4. 3 x 2 sen (x 3)
2_ + c, c å R ____
5.6. 2ln | x | - ___ 14.5. cos x √sen x 14.6. 8
√x 15

1
5.7. ____ + c, c å R 23
cosx 15.1. ___  
3
cos4x
5.8. - _____ + c, c å R 15.2. 4 
4
____
5.9. 2√senx + c, c å R 9
16. 4 + ln _
(4)
5.10. ln|ex + 1| + c, c å R
17

17.1. 18 17.2. 4
8
17.3. __
3
5.11. sen( ex + 1) + c, c å R 18

_____ 4
18.1. __
32
18.2. ___
1
18.3. __
253
18.4. ____
2
5.12. __ ln(x)√ln(x) + c, c å R 3 3 3 12
3
6

19. 2 m
1
6.1. F (x) = __ ln | e - x 2 | + __
3 __
2 2 20. a = 2√2
6.2. F (x) = - ________
1 21

x + sen x 4
21.1. __
3
f (x) = ___
x + __
x + __
5 1x+1
x - __
3 2
27
7. 21.2. ___
20 3 2 4 4
8

113
TEMA I Probabilidades e combinatória

7. Tema VII Números Complexos (pág. 66) 3.1. zw = - 4 - 3i


3.2. 2z - 3w = 8 + i
1. Sejam A1, A2,   A3,   A4,   A5  e  A6 os afixos de z1,  z2,  z3,  z4,  
z5  e  z6, respetivamente: 3.3. w3 = - 2 + 11i
3.4. (z + w) (z - w) = - 6 + 8i
Im(z)
2
A3 3.5. (z + w) = - 8 - 6i
3
3.6. __ = - i
A2
z
w
2
3.7. __ = i
A1 w
1 z
1-i 1 3
3.8. ____ = __ + __ i
-3 -2 O 2 4 Re(z) -z 5 5
A4 -1 ‾
3.9. ____
3 + __
w = - __ 1i
A6 1+i 2 2
-2 4

-3
A5 4.1. C. S. = {- 5i}

__ ⎧ ⎫
1
4.2. C. S. = ⎨__ - __ i⎬
1
1.1. | |
z1 = √5  
___ ⎩2 2⎭
| |
1.2. z2 = √13
⎧ ⎫
2
4.3. C. S. = ⎨__ - __ i⎬  
1
1.3. |z | = 3 __
3
⎩5 5⎭
1.4. |z | = √5
4
4.4. C. S. = {- 1, 1}
1.5. |z | = 5
5
4.5. C. S. = {2 + i, 2 - i}
1.6. |z | = 2
6
4.6. C. S. = {2i}
z‾1 = 2 - i
5

2.
5.1. k = 2
- z1 = - 2 - i
5.2. k = - __
1
__ 1i
2 - __
1 = __ 2
z1 5 5 5.3. k = 0

z‾2 = - 3 - 2i 6.
7
z = - i ou z = 1
- z2 = 3 - 2i
8.
3 + __
z = __ 3 i e w = __
3 - __
3i
__ 3 - ___
1 = - ___ 2 i 9
2 2 2 2
z2 13 13 p
i __
3
9.1. 2 e
z‾3 = - 3i p
i (- __
4)
- z3 = - 3i  9.2. 2 e

1i
1 = - __ __ 5p
i ___
__ 9.3. 4√3 e
6
z3 3
__ 5p
i (- ___
6)
z‾4 = - 2 + i 9.4. 2√2 e
p
i __
- z4 = 2 + i 9.5. 3 e  
2

__ 2 + __
1 = - __ 1i p
i (- __
2)
z4 5 5 9.6. 2 e
__
10

z‾5 = 4 + 3i 10.1. 2 + 2√3 i


- z5 = - 4 + 3i  10.2. 2i
__ __
1 = ___
__ 3 i
4 + ___ 10.3. -√2 + √2 i
z5 25 25 __
3√3 __
10.4. - _____ + 3i
z‾6 = 2i __
2
__
2
- z6 = 2i  √ 6 √ 6
10.5. ____ - ____ i
2 2
__ 1i
1 = __ __
3
z6 2 10.6. - 1 - √3 i
11

114
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

p
i (- __ __ p + kp
i (- ___
3) 12 )
11.1. Conjugado: 4 e   14. z2 = 2√3 + 2i  z = 2e , k å Z
4p
i ___
15

3 p
i __ 5p
i ___
Simétrico: 4 e      3 3
p 15.1. z0 = 5 e ; z1 = 5 eip; z2 = 5 e
i (- __
1e 3)
Inverso: __   Sejam A0, A1  e  A2 os afixos de z0, z1  e  z2, respetivamente:
4
p
i (- __
2) Im(z)
11.2. Conjugado: 2 e   A0
3p
i ___
2
Simétrico: 2 e     
p
i (- __
2)
A1
1e
Inverso: __   -5 O 5 Re(z)
2
3p
i (- ___
4)
11.3. Conjugado: 2 e  
7p A2
i ___
4
Simétrico: 2 e      p 5p 9p 13p
i __ i ___ i ___ i ____
3p
i - ___ 8 8 3 3
1e ( 4) 15.2. z0 = 4 e ; z1 = 4 e ; z2 = 4 e ; z3 = 4 e
Inverso: __  
2 Sejam A0, A1, A2  e  A3 os afixos de z0, z1,  z2  e  z3, respeti-
5p
i (- ___
6) vamente:
11.4. Conjugado: 3 e  
11p
i ____
Im(z)
6 A1
Simétrico: 3 e     
5p
i - ___
1e (
Inverso: __
6)
  A0
3
__ 7p
i (- ___
4) -4 O 4 Re(z)
11.5. Conjugado: √3 e  
__ 3p A4
i ___
4
Simétrico: √3 e
__ 7p
___
A3
√3 i (- 4 )
Inverso: ____ e   2p
i ___ 4p
i ___ 6p
i ___ 8p
i ___
3 5 5 5 5
15.3. z0 = 3 ei0; z1 = 3 e ; z 2 = 3 e ; z3 = 3 e ; z4 = 3 e
4p
i (- ___
3)
Sejam A0, A1, A2, A3  e  A4 os afixos de z0, z1,  z2,  z3  e  z4,
11.6. Conjugado: 2 e   respetivamente:
p
i __
3 Im(z)
Simétrico: 2 e     
4p A1
i (- ___
1e 3)
Inverso: __   A2
2
p
i __ A0
12

2
12.1. 4 e -3 O 3 Re(z)
5p
i ___
6
12.2. e A3
__ i ___
7p
12
A4
12.3. √2 e
p
i __ 7p
i ___ 11p
i ____ 5p
i ___ 19p
i ____
__ i ____
13p
4 12 12 4 12
12.4. 2√2 e
12
15.4. z0 = 2 e ; z1 = 2 e ; z2 = 2 e ; z3 = 2 e ; z4 = 2 e ;
__ ___
5p 23p
i ____
√2 i 4
12.5. ____ e
12
z5 = 2 e
2 ___
4p
i
3 Sejam A0, A1, A2, A3, A4  e  A5 os afixos de z0, z1,  z2,  z3, 
12.6. 4 e
z4  e  z5, respetivamente:
p
i (- __
2)
12.7. 8 e Im(z)
A1
12.8. 4 eip
__ 5p A0
i (- ___
12 )
12.9. √2 e
5p
A2
i ___
6
12.10. 4 e O
-2 2 Re(z)
__ i ___
3p
4
A5
12.11. √2 e
5p
i ___
A3
6
12.12. 4 e A4
13

16

115
TEMA I Probabilidades e combinatória

16.1. z = 64 20.4.
16.2. P = 12 u. c. Im(z)
17

p
i __ 3p
i ___ 7p
i ___ 9p
i ___
17.1. C. S. = {e ,  e
5 5 5 5
}
ip
,e ,e ,e
p p 5p 7p 3p 11p
1
i ___ i __ i ___ i ___ i ___ i ____
17.2. C. S. = {e
12 4 12 12 4 12
, e ,  e ,  e ,  e ,  e }
7p
i ___ 15p
i ____ 23p
i ____ 31p
i ____
O 2 Re(z)
16 16 16 16
17.3. C. S. = {2 e , 2e , 2e , 2e }
__ p
i (- __ __ i ___
5p
6)
17.4. C. S. = {√2 e ,√2 e }
6
21

2p
i ___ 4p
i ___
3 3 21.1.
17.5. C. S. = {0, 3 ei0, 3 e , 3e }
Im(z)
p
i __ 7p
i ___ 11p
i ____
6 6
17.6. C. S. = {0, e , e }
2
,e
1
18
19

19.1. B ) (3,28 ; - 0,52)


C ) (4,79 ; 2,44) O 2 Re(z)
D ) (2,44 ; 4,79)
E ) (0,52 ; 3,28)
5
19.2. (z - 2 - 2i) = 128 + 128i
20

20.1. 21.2.
Im(z) Im(z)

1
O 2 Re(z)
-1 O 1 Re(z)

-1

20.2. 21.3.
Im(z) Im(z)

–1 O Re(z)
-2 O 1 Re(z)

-1

20.3. 21.4.
Im(z) Im(z)

1 1

O Re(z) O 1 Re(z)

116
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

21.5. 23.3.
Im(z)
Im(z)

1
1

1
O 1 3 Re(z) 2

O Re(z)

24

21.6. 24.2.
Im(z) Im(z)

1
1

-1 O Re(z) -1 O Re(z)

22

3p
AR = ___
3p
___ 5p
___ 2
22.1. | z - 2 | ≤ 2 ‹
( |z| ≤ 4 ‹ 4 ≤ Arg(z) ≤ 4 ) 24.3. n = 3 
25

__ __
p 2p √2 √2
22.2. | z | ≤ 2 ‹ 0 ≤ Arg (z) ≤ __ › ___ ≤ Arg (z) ≤ p › 25.1. - ____ - ____ i
( 3 3 24 24
5p
4p ≤ Arg (z) ≤ ___ 25.2. n = 4  
› ___
3 3) 7p
i ___ 13p
i ____ 19p
i ____ p
i ___
25.3. C.S. = {e
48 48 48 48
,  e ,e ,e } 
23

p p
25.4. q = - __  ou q = __ ou q = ___ ou q = - ___
2p 5p
23.1. 26
3 6 3 6
27

2
Im(z) 5 = ___
9 ‹ x, y 0 0, 2
27.1. x2 + y - __ ( )
( 4 ) 16 ( )
Im(z)
2
O Re(z)
–1 5
3
4

–1
O Re(z)
23.2.
2 2
27.2. x + y = 2 ‹ (x, y) 0 (1, 1) ‹ (x, y) 0 (-1, -1)
Im(z)
1 Im(z)
√∫2

O Re(z) O Re(z)

117
TEMA I Probabilidades e combinatória

8. Testes de Autoavaliação 11. Teste n.° 3 (pág. 83)


1

9. Teste n.° 1 (pág. 73) 1.1. 774


1. Opção (B) 1.2. Opção (B)
2

19
2.1. ___
2

45 2.1. 3936 maneiras


2.2. Uma pessoa que entra na livraria e coloca questões está 1
2.2. __
mais predisposta a efetuar uma compra do que uma pes- 5
soa que entra na livraria e não coloca questões. 3. Opção (C)
3

93
3.1. ____
140 4.2. x ) 1,88
5

3.2. ≈ 45%
6. Opção (B)
4. Opção (A)
5

7. (I) é verdadeira, (II) é falsa e (III) é falsa.


5.1. Quatro contos inéditos.
8. Opção (A)
11
5.2. ___ 9

12 1
9.1. y = __ é assíntota horizontal ao gráfico de f.
6

2
7. Opção (A)
9.2. - 1
8. 264 10

10.1. Opção (D)


9. Opção (B)
10.2. x = ___
7p
10. Opção (A) 6
11

11. f é estritamente crescente em [0, __ p e é estritamente de-


11.1. A e B não são acontecimentos independentes. 2]
crescente em [__ p , p ;   tem máximo absoluto __ p
5 para x = __
2 ] 2 2
e mínimo absoluto - __ 1   para x = 0; tem mínimo relativo
Teste n.° 2 (pág. 78) 2
10.

1 para x = p.
- __
1.1. 5040 maneiras 2
5
1 ,  __
D 'f = [- __
5
1.2. ___ 2 2]
12
2. Opção (A)
Teste n.° 4 (pág. 89)
130
____
12.

3.
4
227 1. Opção (A)
2

4.1. Às 3 horas do dia seguinte.


2.1. ) - 0,5
4.2. Opção (C)
2.2. A(-1,42; - 0,2)
4.3. Às 22 horas e 32 minutos, aproximadamente.
3. Opção (C)
5. n=4 4

3 9 15
4.1. t = __  › t = __ › t = ___
6. Opção (A)
2 2 2
7. Opção (D) O centro do cubo encontra-se a 8 cm do solo aos 1,5
segundos, 4,5 segundos e 7,5 segundos.
8. Duas bolas azuis e seis bolas amarelas.
4.2. 3,4 cm
9. Opção (D)
10

5. Opção (B)
10.1. f não é contínua em x = 0.
10.2. y = - x + 1
6. Opção (C)
__ 7

___
√3 12√10 - 6
10.3. f tem a concavidade voltada para baixo em ] 0, __ [ e a 7.2. __________  
__ 3 5

__3
concavidade voltada para cima em ] , + ∞ [ ;   tem um 8. Opção (C)
__ 3 9

√ 3
ponto de inflexão de abcissa __. 9.2. C.S. = [ 1, + ∞ [
3
__
11. 4√2 9.3. C.S. = {- 1, log3(2)}
10

118
UNIDADE 1 Conceitos probabilísticos

10.1. x = 0 é assíntota vertical ao gráfico de f; 9. Opção (A)


10

y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico de f quando 7


10.1. F (x) = - ___ - x 2 + __
x3
x " + ∞. 3 3
10.2. 30 u. a.
y = 1 é assíntota horizontal ao gráfico de f quando
x " - ∞.
_
10.2. f tem a concavidade voltada para baixo em ] 0, e√e [ e Teste n.° 6 (pág. 99)
_ 14.

tem a concavidade voltada para cima em ] e√e , + ∞ [;


__
1. Opção (A)
tem um ponto de inflexão de abcissa x = e√e . 2

2.2. a ) 9,33

13. Teste n.° 5 (pág. 94) 2.3. Opção (C)


2.4. E é estritamente crescente em [0; 2,625] e é estritamente
1

4
1.1. __
5 decrescente em [2,625; a].
637 A bateria do telemóvel atingiu o nível máximo às 10 horas
1.2. ____
969 e 38 minutos, aproximadamente.
2. x ) - 1,9
3

3. a=7
ln (2)
3.1. k = - _____ ; a = 7,2
6 4. Opção (B)
3.2. ) 0,71 5

p
5.1. x = __ › x = p › x = ___
5p
A massa da substância diminui, aproximadamente, 29% 3 3
por hora.
5.2. Opção (D)
4.
5
Opção (C) 5.3. y = 0 é assíntota horizontal ao gráfico de f.
5.4. 1 u.a.
6.
7
Opção (A) 6

__
1
___ √ 3
____
7.1. f não é contínua em x = 0. 6.1. - i
24 24
7.2. f tem a concavidade voltada para cima em ] - ∞, 0 [. 2p
6.2. q = ___ + kp, k å Z
18 3
7.3. ___
13 6.3. 24 u. a.
8. Opção (D) 6.4. Opção (A)

119