Você está na página 1de 83

Universidade Estadual do Maranhão – UEMA

Centro de Ciências Tecnológicas – CCT


Departamento de Hidráulica e Saneamento
Curso: Engenharia Civil

Mecânica dos Fluidos


Conceitos Introdutórios

Profº Fernando Lima


fernandolima@cct.uema.br

Uema 2019 1
Introdução Histórica

 Até o início do século o estudo dos fluidos foi


efetuado essencialmente por dois grupos –
Hidráulicos e Matemáticos;

 Os Hidráulicos trabalhavam de forma empírica,


enquanto os Matemáticos se concentravam na
forma analítica;

 Posteriormente tornou-se claro para pesquisadores


eminentes que o estudo dos fluidos deve consistir em
uma combinação da teoria e da experiência;
Personagens históricas da
Mecânica dos Fluidos
Por que estudar
Mecânica dos Fluidos?
O projeto de todos os meios de transporte requer a
aplicação dos princípios de Mecânica dos Fluidos.
Exemplos:
 as asas de aviões para vôos subsônicos e supersônicos

 máquinas de grande efeito

 aerobarcos

 pistas inclinadas e verticais para decolagem

 cascos de barcos e navios

 projetos de submarinos e automóveis


Por que estudar
Mecânica dos Fluidos?
 O desastre da ponte sobre o estreito de Tacoma (1940)
evidencia as possíveis conseqüências que ocorrem,
quando os princípios básicos da Mecânica dos Fluidos
são negligenciados;

 A ponte suspensa apenas 4 meses depois de ter sido


aberta ao tráfego, foi destruída durante um vendaval;

 Inicialmente, sob a ação do vento, o vão central pôs-se a


vibrar no sentido vertical, passando depois a vibrar
torcionalmente, com as torções ocorrendo em sentido
oposto nas duas metades do vão. Uma hora depois, o
vão central se despedaçava.
Por que estudar Mecânica dos Fluidos?
Por que estudar Mecânica dos Fluidos?

 O sistema de circulação do sangue no corpo humano é


essencialmente um sistema de transporte de fluido e como
conseqüência o projeto de corações e pulmões artificiais
são baseados nos princípios da Mecânica dos Fluidos;

 O posicionamento da vela de um barco para obter maior


rendimento com o vento;

 A forma e superfície da bola de golfe para um melhor


desempenho são ditados pelos mesmos princípios.
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas
Conceitos e Definições Básicas

15
Conceitos e Definições Básicas

16
Conceitos e Definições Básicas

17
Conceitos e Definições Básicas

18
Conceitos e Definições Básicas
Outras importâncias do estudo da
Mecânica dos Fluidos

 Nos problemas mais importantes, tais como:


 Produção de energia
 Produção e conservação de alimentos
 Obtenção de água potável
 Poluição
 Processamento de minérios
 Desenvolvimento industrial
 Aplicações da Engenharia à Medicina

 Sempre aparecem cálculos de:


 Perda de carga
 Forças de arraste
 Trocas de calor
 Troca de substâncias entre fases
Importância da Mecânica dos Fluidos nas
Engenharias

Engenharia Civil e Arquitetura


Constitui a base do estudo de hidráulica e
hidrologia e tem aplicações no conforto térmico
em edificações e em construções diversas.
Importância da Mecânica dos Fluidos no Ramo
da Construção Civil

Cidades Flutuantes: Nova Orleans


http://www.youtube.com/watch?v=f6SnJlVLvlQ Tunéis
https://www.youtube.com/watch?v=7NobGnlDh4k

http://www.youtube.com/watch?v=9-E4JkeLGds
Importância da Mecânica dos Fluidos no Ramo
da Construção Civil

Viaduto Millau
http://www.youtube.com/watch?v=9YK3TjFqe8U
Prédios
Importância da Mecânica dos Fluidos no Ramo
da Construção Civil

Barragem de Itaipú
http://www.youtube.com/watch?v=t868kON5lYA

Aeroporto Heathrow, Londres


http://www.youtube.com/watch?v=QQuYpwZQ8zE
Importância da Mecânica dos Fluidos no Ramo da
Construção Civil

Projetos de irrigação Sistemas de distribuição e


localização de usinas Eólicas

Construção de Canais Projetos de córregos em estradas


Relação da disciplina Mecânica dos Fluidos com
disciplinas afins

Disciplina: Hidráulica
Ementa:
• Escoamento em Condutos Forçados
• Sistema de Bombeamento
• Escoamento em Canais (condutos livres)
• Teoria de Energia Específica em Canais (regime fluvial e torrencial)
• Escoamento não Uniforme em Canais (ressalto hidráulico e curva de remanso)

Disciplina: Hidrologia
Ementa:
 Introdução e Características das Bacias Hidrográficas
 Precipitação
 Infiltração e Escoamento Subterrâneo
 Evaporação e Evapotranspiração
 Escoamento Superficial
 Previsão de Enchentes
 Medições de Vazões
Relação da disciplina Mecânica dos Fluidos com
disciplinas afins
Disciplina: Sistema de Abastecimento de Água
Ementa:
 Noções Gerais Sobre Saneamento Básico e Saúde
 Desenvolvimento dos sistemas de Abastecimento de Água
 Consumo de Água e Captação de Águas
 Noções de Hidrologia
 Captação de Água Superficiais e Subterrâneas
 Estações Elevatórias de Água / Reservatórios de distribuição
 Redes de Distribuição de Água
 Operação, Manutenção e Medição dos Sistemas de Abastecimento

Disciplina: Instalações Hidráulicas e Sanitárias


Ementa:
 Instalações Prediais de Água Fria
 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário
 Instalações Prediais de Água quente
 Instalações Prediais de Águas Pluviais
 Instalações Prediais de Proteção Contra Incêndio
 Instalações Prediais de Gás Combustível
Relação da disciplina Mecânica dos Fluidos com
disciplinas afins

Disciplina: Controle Ambiental


Ementa:
 Princípios do Controle de Poluição Ambiental
 Sistema de Tratamento de Esgotos Sanitários
 Sistema de Tratamento de Efluentes e Resíduos Industriais
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Urbanos
 Gestão Ambiental nas Empresas
Importância da Mecânica dos Fluidos nas Engenharias

 Engenharias Sanitária e Ambiental


Estudos da difusão de poluentes no ar, na água e no
solo, etc.

 Engenharia Mecânica
Processos de usinagem, processos de tratamento térmico, cálculo
de máquinas hidráulicas, transferência de calor das máquinas térmicas
e frigoríficas, etc.

 Engenharia Elétrica e Eletrônica


Importante nos cálculos de dissipação de potência, seja nas
máquinas produtoras ou transformadoras de energia elétrica, seja na
otimização do gasto de energia nos computadores e dispositivos de
comunicação.
Conceitos e Definições Básicas

Dimensões e Unidades
 Sistemas de Dimensões
São quantidades físicas mensuráveis. Elas podem ser divididas em dois grupos:
dimensões primárias e secundárias.

 Dimensões Primárias:
• MASSA [M];
• COMPRIMENTO [L];
• TEMPO [T]; e
• TEMPERATURA [θ]

 Dimensões Secundárias:
São aquelas dimensões expressas em termos das dimensões primárias.

• Velocidade [V],
• Área [A];
• Massa específica [ρ]; etc.
Conceitos e Definições Básicas

 Sistemas de Unidades
Quantitativamente, é o aspecto que fornece a medida numérica para as
todas as dimensões.

Dimensões Primárias: Símbolo Unidades

 Massa [M] [kg]

 Comprimento [L] [m]

 Tempo [T] [s]

 Temperatura [θ] [K]

 Dimensões Secundárias:
• Velocidade [V], [m/s]
• Área [A] [L²]
• Massa específica [ρ] [Kgm³]
Conceitos e Definições Básicas

 Diversos Sistemas de Unidades

 Sistema Britânico Gravitacional


• COMPRIMENTO : pé [ft];
• TEMPO: segundo [s];
• FORÇA: libra força [lbf]

 Sistema Internacional (SI)

• COMPRIMENTO : metro [m];


• TEMPO: segundo [s];
• FORÇA: Newton [N]

 Sistema Inglês Britânico, etc.


Conceitos e Definições Básicas

 Sistemas Básicos de Dimensões


Dimensionais básicos que especificam de modos diferentes as dimensões
básicas:

a) Massa, M; comprimento, L; tempo, T; temperatura, θ;


b) Força, F; comprimento, L; tempo, T; temperatura, θ;
c) Força, F; massa, M; comprimento, L; tempo, T; temperatura, θ.

 Resolução de problemas da Mecânica dos Fluidos: apenas três dimensões


básicas

 O comprimento [L] e o tempo [T] são dimensões primárias para todos


os sistemas dimensionais.
 O terceiro termo pode ser: Massa [M] ou a Força [F].
Conceitos e Definições Básicas

 Sistemas Básicos de Dimensões

 Pela equação da 2ª Lei de Newton a força F é considerada também


uma dimensão primária, pois estabelece que: F = ma

Em termos qualitativo pode ser expresso por:


F = M L T-2 ou M = F L-1 T²

As dimensões secundárias podem ser expressas em função da


M ou da F, ou seja, em termos de: FLT ou MLT

a) ACELERAÇÃO [m/s²]: (FLT = LT-2); (MLT = LT-2)

b) TRABALHO [N.m]: (FLT = FL); (MLT = ML2T-2)


Conceitos e Definições Básicas

 Dimensões de Grandezas Derivadas


Grandeza Símbolo Dimensão
Geometria Área A L2
Volume V L3
Cinemática Velocidade U LT-1
Velocidade Angular ω T-1
Vazão Q L3T-1
Fluxo de massa m MT-1
Dinâmica Força F MLT-2
Torque T ML2T-2
Energia E ML2T-2
Pressão p ML-1T-2
Propriedades Densidade ρ ML-3
dos Fluidos Viscosidade µ ML-1T-1
Viscosidade Cinemática v L2T-1
Tensão superficial σ MT-2
Condutividade Térmica
35 k MLT-3θ
Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos

 Massa Específica (ρ )
É a quantidade de massa de fluido por unidade de volume.

massa m
  (kg/m3)
volume V

 Volume Específico (v) [m³/kg]

É o volume ocupado por unidade de massa. É igual ao inverso da massa


específica e tem particular importância no estudo de escoamento de fluidos
compressíveis.

36
Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos


 Massa especifica relativa (r) ou Densidade (d) ou gravidade específica


dr  r 
 padrão

Para líquidos
kg
 padrão   H 2 O4 º C
 1000

Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos


 PESO ESPECÍFICO: força de atração gravitacional agindo sobre a matéria
na unidade de volume.
peso P P m g
     g
volume V V V

 PESO ESPECÍFICO PADRÃO


r 
 padrão
Para líquidos
N
 padrão   H O  9810
2 4 ºC

Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos


 Viscosidade
 Absoluta ou Dinâmica (μ ) [N.s/m²]

É a medida da resistência ao escoamento do fluido, ou seja, a razão


entre a tensão de cisalhamento (ou força de coesão entre as camadas
adjacentes de fluidos) e a razão de mudança da velocidade perpendicular
a direção do escoamento.

 Cinemática (Ʋ) [m²/s]

É a razão da viscosidade absoluta pela massa específica do fluido.



  [m²/s]

Obs.: A viscosidade dos fluidos depende fortemente de temperatura.


39
Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos


 Pressão (P) [N/m2]
É definida como a razão entre a componente normal de uma força e a área
sobre a qual ela atua. A pressão exercida em um elemento de área de um
fluido é igual em todas as direções. Para que ocorra o escoamento de um
fluido de um ponto até o outro é necessário que haja uma diferença de
pressão.

Podem ser do tipo:

 Pressão Absoluta (Pabs): medida com relação a pressão zero absoluto.


 Pressão Manométrica (Pman): medida com relação a pressão atmosférica
local.
 Pressão Atmosférica Padrão (Patm): é a pressão média ao nível do mar.

Obs: Relação de Pressões: Pabs = Pman + Patm

40
Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos

 Lei dos Gases Perfeitos

Em certas condições a massa específica de um gás está


relacionada com a pressão e temperatura através da equação abaixo

p  RT
Onde P é a pressão absoluta,  é a massa específica, T e a temperatura (K) e R
é a constante particular do gás.

Ou seja, geralmente, quando se trabalha com gás a pressão


considerada será sempre a Pressão absoluta.

Pabs = Pman + Patm


41
Atmosfera Padrão

Para expressar a pressão de um fluído podemos utilizar duas escalas:


 Pressão manométrica: pressão em relação à pressão atmosférica
 Pressão absoluta: pressão em relação ao vácuo absoluto
Atmosfera Padrão

Para expressar a pressão de um fluído podemos utilizar duas escalas:


 Pressão manométrica: pressão em relação à pressão atmosférica
 Pressão absoluta: pressão em relação ao vácuo absoluto
Atmosfera Padrão

Para expressar a pressão de um fluído podemos utilizar duas escalas:


 Pressão manométrica: pressão em relação à pressão atmosférica
 Pressão absoluta: pressão em relação ao vácuo absoluto

Pressão Absoluta = Prelativa + Patm


 Medida da Pressão Atmosférica
A medição de pressão atmosférica é feita com um Barômetro de Mercúrio.
 Medida da Pressão Atmosférica
 Medida da Pressão Atmosférica
 Medida da Pressão Atmosférica
Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos

 Temperatura (T) [ºC]

Pode ser definida, a grosso modo, como a propriedade que mede o grau de
aquecimento ou resfriamento de um sistema.

 A temperatura aponta o sentido de transferência de energia na forma de


calor, que flui dos corpos de alta temperatura para os de baixa temperatura.
Conceitos e Definições Básicas

 Propriedades dos Fluidos

54
Definição de Fluidos

55
Quais as diferenças fundamentais entre fluido e
sólido?

 A diferença fundamental entre sólido e fluido está relacionada


com a estrutura molecular:

 Sólido: as moléculas sofrem forte força de atração (estão


muito próximas umas das outras) e é isto que garante que
o sólido tem um formato próprio;

 Fluido: apresenta as moléculas com um certo grau de


liberdade de movimento (força de atração pequena) e não
apresentam um formato próprio.
Conceitos e Definições Básicas

 Definição de Fluidos

Fluidos é uma substância que se deforma continuamente sob a aplicação


de uma tensão de cisalhamento(tangencial), não importando quão pequena
ela possa ser.

Fluido é uma substância que não tem forma própria, e que, se estiver
em repouso, não resiste a tensões de cisalhamento

57
Conceitos e Definições Básicas

 Definição de Fluidos

Os fluidos podem ser classificados como:

 Líquidos:
• admitem superfície livre;
• são incompressíveis;
• “não se dilatam”.

 Gases: Pressão (p)


• não admitem superfície livre;
• compressíveis;
• dilatáveis.

58
 Classificação Geral dos Tipos de Escoamento

MECÂNICA DOS
FLUIDOS

NÃO-VISCOSO VISCOSO

COMPRESSÍVEL INCOMPRESSÍVEL LAMINAR TURBULENTO

COMPRESSÍVEL INCOMPRESSÍVEL

59
Conceitos e Definições Básicas

 Forças Atuantes sobre os fluidos

 Forças de Campo. São que ocorrem sem contato físico e


distribuídos em todo volume.

Ex: Força gravitacional

 Forças de Superfície. São as que atuam nas fronteiras de um meio


via contato direto

• Forças de pressão (P);

• Forças da tensão de cisalhamento (τ) e as tensões normais (σ)

 As tensões são provocadas pelo atrito entre o fluido viscoso e as fronteiras


do meio que o cerca.

60
Conceitos e Definições Básicas

 Forças Atuantes sobre os fluidos


As tensões descrevem o modo pela qual as forças atuantes nas fronteiras do
meio são transmitidas através dele.

n
dFn,
dF
Tensão normal

│dA│
P

dFt t
Tensão cisalhante

As tensões estão associadas ao vetor dA que passa por P, com normal exterior no sentido n.

61
Estudo da Viscosidade

 Conceito de viscosidade

A viscosidade é uma força volumétrica de atrito interno que


aparece no deslizamento de camadas fluindo umas sobre as outras,
dando origem a tensões tangenciais de cisalhamento.
 Neste caso, o atrito interno impede ou oferece uma resistência ao
escorregamento das partículas, umas sobre as outras.

Se usarmos dois fluidos, água e óleo, com a mesma massa, pode-se observar:

 a água possui maior fluidez por ser menos viscoso. Portanto, terá uma menor

resistência à deformação

62
Estudo da Viscosidade

 Conceito de viscosidade

O fluido não resiste a esforços


tangenciais por menores que
estes sejam, o que implica que
se deformam continuamente.

63
Estudo da Viscosidade

 Determinação da viscosidade
 Determinação das Forças e viscosidade

F
v
t t t v = constante
y

V=0

F    Acontato Onde  é a tensão de cisalhamento

“A tensão de cisalhamento é diretamente proporcional ao gradiente


de velocidade.”
dv

dy
64
Estudo da Viscosidade
 Determinação da viscosidade

Fonte: www.youtube.com/watch?v=PI-Wf9UxH8A
Estudo da Viscosidade

 Determinação da viscosidade

Observações experimentais:
A) O fluido deforma-se continuamente sob a ação de dFx = cte, com du = cte.
B) A τyx aplicada ao fluido é: τyx = dFx/ dAy
C) A taxa de deformação do fluido é: dα/ dt
D) Da cinemática: dl = du dt
E) Da geometria: du dt = dα dy

(Taxa de deformação ao
cisalhamento)
66
Estudo da Viscosidade

 Determinação da viscosidade

F    A contato

“A tensão de cisalhamento é diretamente proporcional ao gradiente de velocidade.”

dv
τ α
dy
A constante de proporcionalidade da lei de Newton da viscosidade é a viscosidade
dinâmica, ou simplesmente viscosidade - 

dv
  
dy

67
Estudo da Viscosidade

 Determinação da viscosidade

 Viscosidade Dinâmica e viscosidade cinemática

 Quando a viscosidade do fluido é nula (ou desprezível):


ou seja, µ = 0
o fluido é chamado de fluido ideal
68
Estudo da Viscosidade

 Variação das Características da Viscosidade

 O valor da viscosidade dinâmica varia de fluido para fluido e, para


um fluido em particular, a viscosidade varia com a temperatura

É importante dizer que:

 Para os gases a viscosidade aumenta com a temperatura;

 Para os líquidos a viscosidade diminui com a temperatura;

69
Estudo da Viscosidade

 Variação das Características da Viscosidade

Viscosidade Absoluta, μ (N.s/m2)

70
Estudo da Viscosidade

 Fluido Newtoniano e Não-Newtoniano

71
Estudo da Viscosidade

 Fluido Newtoniano e Não-Newtoniano

 Os fluidos Newtonianos são aqueles em que a taxa de deformação ( )


dv

τ
varia linearmente com a tensão de cisalhamento ( c ).
dy

A maioria dos fluidos comuns, como: água, óleo, gasolina, ar...são fluidos
newtonianos.

72
Estudo da Viscosidade

 Fluido Newtoniano e Não-Newtoniano

 Os fluidos que não apresentam uma relação não linear são denominados
fluidos não-newtonianos.

a) Plásticos de Bigham: Pastas de dentes, tintas, etc.

b) Pseudo plásticos: Soluções de polímeros, suspensões coloidal,


polpa de papel em água, etc.

c) Dilatantes: Suspensões de amido e de areia.

73
Estudo da Viscosidade

 Fluido Newtoniano e Não-Newtoniano

 Os fluidos que não apresentam uma relação não linear são denominados
fluidos não-newtonianos.

74
Estudo da Viscosidade

 Influência da Viscosidade no Campo de Escoamento

O escoamento de um fluido num conduto apresenta dois regimes:

 Escoamentos Laminar

 Escoamento Turbulento

A determinação destes regimes pode ser definido pelo número de


Reynolds, ou seja:

 vD   massa específica do fluido


Re  v  velocidade de escoamento
 D  diâmetro do tubo
  viscosidade do fluido

75
Estudo da Viscosidade

1. Exercício de Fixação
São dadas duas placas paralelas a distância de três milímetros.
A placa superior move-se com velocidade de 4 m/s, enquanto que a inferior
está fixa. Se o espaço entre as duas placas for preenchido com óleo
(Ʋ = 0,155 m²/s; ρ = 90 kg/m³ ):
a) Qual será a tensão de cisalhamento no óleo?
b) Qual a força necessária para rebocar a placa superior de área A = 0,5 m² ?

V = 4m/s

V (y) y = 3mm

Solução:

dv
   Onde: μ=υ ρ X e F    A contato
dy
76
Viscosidade

Solução:
y
V = 4m/s

V y = 3mm
(y)
a) Primeiramente determina-se o valor de mi.
4
μ = 0.155 90 X   13,95 
0,003
μ = 13,95
  18600N / m²
b) A força F para uma área de 0,5m²

F    A contato F  18600X0,5 F  9300 N

77
Estudo da Viscosidade

2. Exercício
Um determinado tanque contém Ar com Vol = 0,0380 m³. Determine a massa
específica e o peso do ar contido no tanque. Considere P = 250 kPa e T = 30º
C. Considere o Rar = 286,9 J/kg.K

3. Exercício
Um avião voa com velocidade de 900 km/h numa altitude de 11 km (T = - 53 º C e Rar =
296,8 J/kg.K). Informe: a) se o avião é ou não supersônico (calcular número de Mach);
b) Nestas condições o ar pode ser considerado como fluido incompressível. Justifique
sua resposta.

78
4. Exercício
Uma placa móvel e com V= 12 m/s está entre duas placas grandes e fixas.
Entre as placas está contido fluido de diferentes características, conforme mostra a
figura. No primeiro o fluido tem viscosidade dinâmica igual a 0,365 N.s/m². A área da
placa é de 0,244 m². No segundo o fluido tem viscosidade cinemática igual a
405.10-6 m²/s e massa específica relativa (densidade) 0,82. Determine: a) As
tensões nas placas imóveis; b) deduza a força F necessária para movimentar a
placa à velocidade V. Dados: h1 = 0,054 m e h2 = 16 mm

79
5. Exercício

Converta as unidades de pressão para o sistema indicado.

a) converter 20 psi em Pa.


b) converter 3000 mmHg em Pa.
c) converter 200 kPa em kgf/cm².
d) converter 30 kgf/cm² em psi.
e) converter 5 bar em Pa.
f) converter 25 mca em kgf/cm².
g) converter 500 mmHg em bar.
h) converter 10 psi em mmHg.
i) converter 80000 Pa em mca.
j) converter 18 mca em mmHg.

80
6)
Um eixo com 25 mm de diâmetro é puxado num mancal cilíndrico de 0,5m de
largura. O espaço entre o eixo e o mancal, com folga igual a 0,3 mm, está
preenchido com um óleo que apresenta viscosidade cinemática igual a 8.10-4
m²/s e densidade de 0,91. Determine a força F necessária para imprimir ao
eixo uma velocidade de 3 m/s. Admita que a distribuição de velocidade no
escoamento seja linear. R ~ 286N

81
7)

R = 0,0691 Pa;0
Conclusão

 O estudo da viscosidade é de suma importância na mecânica


dos fluidos, visto que todos os fluidos são viscosos;

 Há muitos casos em que a hipótese de inexistência das forças


viscosas simplifica a análise e, ao mesmo tempo leva a
resultados significativos;

 A viscosidade tem grande influencia com a temperatura e


considerada invariável com a pressão;

83
Referências

1. Munson, B., Young, D. & OKIISHI, T., Fundamentos da Mecânica dos Fluidos,
Wiley.

2. FOX; McDonalt, A.T., Introdução à Mecânica dos Fluidos. LTC Editora, 8ª Edição,
2011.

3. Franco BRUNETTI. Mecânica dos Fluidos. Editora: Pearson, 2ª edição, 2010.

4. White, F. M., Mecânica dos Fluidos, 6ª edição, McGraw-Hill 2011;

5. Cengel, Y.A., & Cimbala, J.M., Mecânica dos Fluidos: Fundamentos e Aplicações,
McGraw-Hill;

5. SONTAG, R; VAN WYLEN. Fundamentos da Termodinâmica, Edgard Bluxher, 2009;

6. STREETER, Vitor L. , Wylie, E. Benjamin – Mecânica dos Fluidos. São Paulo.


McGraw-Hill do Brasil, Ltda. 1982. 7 edição.

7. Apostilas e arquivos bibliográficos eletrônicos

84