Você está na página 1de 102

OS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA

Autor Objeto da Sociologia Método

Emile Durkheim (1857 Fato Social Funcionalista


– 1917)

Max Weber (1864 – Ação Social Compreensão Social


1920)

Karl Marx (1818 – Classes Sociais Dialética


1883)
Émile Durkheim
1858-1917

Prof. Gerdian Teixeira


gerdiangtl@hotmail.com.com
OBRAS PRINCIPAIS

1893 - DA DIVISÃO DO TRABALHO


SOCIAL

1895 - AS REGRAS DO MÉTODO


SOCIOLÓGICO

1897 - O SUICÍDIO

1912 - AS FORMAS ELEMENTARES


DA VIDA RELIGIOSA
Epistemologia
 Antes de criar propriamente o seu método sociológico,
Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões:

1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e


sociedade

2. Como ele entendia o papel do método científico na


explicação dos fenômenos sociais
Para os funcionalistas, a sociedade é um todo
dividido em partes, que seriam, por sua vez, as
instituições (família, estado, igreja, etc.). Estas
desempenham funções interdependentes entre si.
Segundo Durkheim, a SOCIEDADE:
É UM ORGANISMO (ANÁLOGA) EM QUE AS PARTES
(INSTITUIÇÕES) COOPERAM PARA A MANUTENÇÃO DO
TODO.
TEORIA FUNCIONALISTA

Para Durkheim, a Sociologia tinha por finalidade não só explicar


a sociedade, como encontrar remédios para a vida social.

A sociedade, como todo organismo, apresentaria estados


normais e patológicos, isto é, saudáveis e doentios.

ESTUDOU O SUICÍDIO
É praticado na maioria das
vezes em virtude da desilusão
do indivíduo com relação ao
meio social em que vive.
Objeto de estudo: O Fato Social
“é um fato social toda maneira de agir, fixa ou
não, capaz de exercer sobre o indivíduo uma
coerção exterior, ou ainda, que é geral no
conjunto de uma dada sociedade tendo, ao
mesmo tempo, uma existência própria,
independente de suas manifestações individuais.”

“a primeira regra [da sociologia] e a


mais fundamental é considerar os
fatos sociais como coisas” (1978,
p. 94)
O que Durkheim quer
dizer com “coisa”?
O método utilizado por Durkheim para estudar a
sociedade aproxima-se daquele das ciências naturais
que busca pela objetividade. Ao observar um fato
social o sociólogo deve considerá-lo como “coisa”,
como algo externo, procurando afastar
as prenoções que carrega acerca daquele fato,
libertar-se de falsas evidências, dos preconceitos, de
seus sentimentos ou paixões.
Deve-se adotar a prática cartesiano da dúvida
metódica.
Objeto de estudo da sociologia

O FATO SOCIAL É:

1) GERAL 2) EXTERIOR 3) COERCITIVO


1) Geral (Generalidade)

 É geral todo fato que é geral, ou seja, que se repete em


todos os indivíduos, ou, pelo menos, na maioria deles;
 Os fatos sociais manifestam sua natureza coletiva ou um
estado comum ao grupo;
 Exemplos: formas de habitação; arquitetura das casas;
formas de comunicação; os sentimentos e a moral
coletiva.
2) Exterior (Exterioridade)
 Os fatos sociais existem e atuam sobre os
indivíduos, independentemente de sua vontade ou
de sua adesão consciente.

 Exemplos: o sistema de sinais de que me sirvo para


exprimir pensamentos; o sistema de moedas que
emprego para pagar as dívidas, os instrumentos de
crédito que utilizo nas relações comerciais, as
práticas que sigo na minha profissão; os costumes
e as leis >> FUNCIONAM INDEPENDENTEMENTE DO
USO QUE DELES FAÇO
3) Coerção (Coercitivo)

 A força que os fatos exercem  Sanções: podem ser legais ou


sobre os indivíduos, levando-os espontâneas;
a conformarem-se às regras da
sociedade em que vivem,  Legais: são as sanções prescritas pela
sociedade, sob a forma de LEIS, nas
independentemente de suas quais se identifica a infração e a
vontades/escolhas; penalidade subseqüente;

 Exemplos: idioma e a moeda  Espontâneas: afloram como


usados no meu país; o modo de decorrência de uma conduta NÃO
ADAPTADA à estrutura do grupo ou da
se vestir no meu país e na minha sociedade à qual pertence o
classe social; as leis indivíduo.
O Método Funcionalista: Como estudar os fatos
sociais?
 Formulação da metodologia funcionalista;

 Os fatos sociais (ou as maneiras padronizadas como agimos na


sociedade) não existem por acaso: existem porque
cumprem uma função;
Método Funcionalista:

 A sociedade é semelhante a um corpo vivo;


 A sociedade (assim como o corpo humano) é composta de várias
partes;
 Cada parte cumpre uma função em relação ao todo.

Família Religião Empresa Escola

Exército Leis Governo Lazer


Normal e Patológico
Finalidade da Sociologia: encontrar remédios para
regularizar a vida social.

A sociedade, como todo organismo, apresenta estados


normais e patológicos, ou seja, saudáveis e doentios.
A Doença/Os Fenômenos Patológicos

Tudo o que tem por efeito diminuir as possibilidades da


saúde;
Provoca o enfraquecimento do organismo;
É algo possível de evitar;
Fenômenos excepcionais, encontradas numa minoria de
vezes;
Dito de outra
forma:
Coesão, Solidariedade
ea
Consciência Coletiva
Conceito de solidariedade social – responsável pela
coesão entre os homens;

Existência de uma solidariedade social que vem da


divisão do trabalho; a solidariedade social é um
fenômeno completamente moral;

A solidariedade social varia de acordo com o tipo de


organização social, dada a presença mais forte ou mais
fraca da divisão do trabalho e de uma consciência
mais ou menos similar entre os membros da sociedade.
Consciência Coletiva: “conjunto das crenças e dos
sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma
sociedade [que] forma um sistema determinado que tem
vida própria”;

Quanto maior é a consciência coletiva, mais a coesão


entre os participantes da sociedade refere-se a uma
“conformidade de todas as consciências particulares
de tipo comum”,

o que faz com que todos se assemelhem.


Consciência Coletiva

Os membros do grupo
se assemelham e se
sentem atraídos
Consciência
pelas similitudes uns
Coletiva
dos outros

A individualidade
é menor
O Papel da Divisão do Trabalho:
Aumenta simultaneamente a força produtiva e a
habilidade do trabalhador;

É a condição necessária do desenvolvimento intelectual e


material das sociedades;

É a fonte da civilização;

Função de criar entre duas ou várias pessoas um


sentimento de solidariedade.

Estabelece uma ordem social e moral sui generis: indivíduos


que, sem isso, seriam independentes, estão ligados uns aos
outros/conjugam seus esforços/são solidários.
Divisão do Trabalho:
A diferenciação social faz com que a „unidade do organismo
seja tanto maior quanto mais marcada a individualidade das
partes‟;

Uma solidariedade ainda mais forte funda-se agora na


interdependência e na individuação dos membros que
compõem a sociedade.
Os dois tipos de solidariedade
As sociedades passam por
processos de evolução,
caracterizados pela
Solidariedade Evolução
diferenciação social.
Mecânica

Solidariedade
Orgânica
Os dois tipos de solidariedade
Solidariedade Solidariedade
Mecânica Orgânica

Laço de Consciência Divisão social do


solidariedade Coletiva trabalho

Organização Sociedade Sociedade


social Fragmentada coesa
Solidariedade Mecânica

 A sociedade é um conjunto mais ou menos organizado de crenças e


sentimentos comuns a todos os membros do grupo

 Só pode ser forte na medida em que as ideias e as tendências


comuns a todos os membros da sociedade ultrapassam as que
pertencem pessoalmente a cada um deles.
Solidariedade Mecânica
 Total predomínio do grupo sobre os indivíduos;

 Forte semelhança entre os indivíduos, há pouco espaço para a


individualidade;
 Os indivíduos vivem em sociedade pelo fato de que eles partilham de
uma “cultura comum” que os obriga a viver em coletividade.

+ COLETIVO
- INDIVIDUAL
Solidariedade Orgânica
A sociedade é um sistema de funções diferentes e especiais que unem
relações definidas.

É produzida pela divisão do trabalho, Supõe que os indivíduos difiram entre


si;

A atividade de cada um é tanto mais


pessoal quanto mais
especializada;

A unidade do organismo é tanto maior quanto mais marcada é


a individuação das partes

- COLETIVO
+ INDIVIDUAL
SUICÍDIO
As causas do suicídio são sociais, dependendo do
maior ou menor grau de coesão social.

Três tipos de suicídio:

EGOÍSTA Falta de integração

ALTRUÍSTA Excesso de integração


ANÔMICO Falta de limites e regras
FONTES:

Bomeny. H. et al.(coordenação). Tempos modernos, tempos de sociologia:


ensino médio: volume único. 2. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2013.

CUNHA, Maria Amália de Almeida. Sociologia da Educação. Belo Horizonte:


UFMG, 2010.

MARTINS, C. B. O que é sociologia? 38. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Nelson D. T. Sociologia para o ensino médio: volume único. 5. Ed. São Paulo:
Saraiva, 2016.
KARL MARX

Prof. Gerdian Teixeira


gerdiangtl@hotmail.com

EEEP Monsenhor Odorico de Andrade


KARL MARX
 1818-1883
 Judeu – Classe Média -
“Alemanha”
 Filósofo, jornalista, historiador,
economista, sociólogo.
Os Clássicos da Sociologia
Max Weber
Karl Marx
Émile Durkheim,
São considerados os três
autores Clássicos da Sociologia,
uma vez que essa tríade de
pensadores formularam as ideias
mais gerais da Sociologia enquanto
Não Esqueça:
ciência.
Karl Marx Apresentação QUEM É KARL MARX?
 Viveu de 1818 a 1883. Práxis
 Estudou filosofia, política, economia e  Materialismo histórico
sociologia.  Luta de classes
 Foi redator de gazeta.  Alienação
 Participou da Liga dos Comunistas.  Política
 Integrante da 1ª Internacional.  Dialética
Principais Obras
 Manuscritos Econômicos-filosóficos
 A ideologia alemã
 Miséria da Filosofia
 Manifesto Comunista
 O 18 de Brumário
 O Capital
KARL MARX (1818-1889)

Sociólogo alemão, aprimorou as ideias de


Auguste Comte e criou sua própria visão da
sociedade e da Sociologia.
Marx analisou o Capitalismo, a Sociedade
industrial e a luta de Classes, emitindo opinião
crítica a respeito destes em suas obras.
Dentre as suas principais obras estão:
- O MANIFESTO COMUNISTA (1848) – (Propõe
a fundamentação do Socialismo científico)
- O CAPITAL (1867) – (Análise do Modo de
Produção Capitalista)
MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO

O materialismo designa um método dialético são a


conjunto de doutrinas filosóficas que, ao tese, a antítese e a síntese.
rejeitar a existência de um princípio
espiritual liga toda a realidade à matéria Tese = afirmação
e a suas modificações. inical
Antítese= oposição à
Materialismo Histórico é uma tese tese
do marxismo, segundo a qual o modo de
Síntese = resultado do
produção da vida material condiciona o
conflito entre tese e
conjunto da vida social, política e espiritual.
antítese
É um método de compreensão e análise da
história, das lutas e das evoluções
econômicas e políticas.
TEORIA DE MARX
 A sociedade se constitui a partir de condições
materiais de produção e da divisão social do trabalho.

 Segundo essa concepção, as relações materiais que


os homens estabelecem (produção dos próprios
meios de vida) formam a base de todas as suas
MATERIALISMO relações.
HISTÓRICO
 As mudanças históricas são determinadas pelas
modificações das condições materiais e da divisão de
trabalho.

 Assim, o estudo do modo de produção é fundamental


para compreender como se organiza e funciona uma
sociedade.
O PENSAMENTO DE KARL MARX
(1818 -1883)

MATERIALISMO
HISTÓRICO

O ser humano é resultado de um conjunto


das relações sociais concretamente
determinadas pela história. Marx não está
interessado somente em interpretar o
mundo, mas sim em transformá-lo.
MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO

O que move as...

Contradições
Sociedades “Luta de Classes”
OBJETIVO DE MARX: estudar a sociedade de seu tempo
(sociedade capitalista)
Sociedade capitalista = capitalista X proletários

relação de produção é baseada na


exploração

SOCIEDADE CAPITALISTA É
MARCADA PELA LUTA ENTRE
DUAS CLASSES SOCIAIS:
CAPITALISTAS x PROLETÁRIOS
O CAPITAL Grande obra escrita por Marx

análise crítica do processo global de


"
produção capitalista.

As Relações Sociais de Produção A Base econômica

+
As Forças Produtivas
= das sociedades
hierarquicamente
construídas
KARL MARX e o CAPITALISMO

Para Marx, o capitalismo desvirtua o trabalho humano


promovendo as desigualdades e exploração.
Os donos dos meios de produção (capital,
instrumentos de produção, matéria-prima) exploram
aqueles que vendem sua mão-de-obra (sua força de
trabalho).
Assim as relações de produção são desiguais e as
diferenças agravam a condição de pobreza do
proletariado.
Marx observou a realidade de sua época, voltando-se
para a Revolução Industrial, no entanto, sua análise
pode ter uma relação com o mundo contemporâneo.
Karl Marx CAPITALISMO

Trabalho assalariado
Meio de produção privado: artesanato, oficina,
fábrica.
As cidades ressurgem, se desenvolvem e
crescem.
O comércio se expande. O lucro aumenta.

Revolução Industrial
Maior produção → + lucro → + mão-de-obra
assalariada → mais poder à burguesia →
Revoluções burguesas (Inglaterra, França, EUA).
INFRAESTRUTURA e SUPERESTRUTURA

SUPERESTRUTURA
JURÍDICO – POLÍTICO IDEOLÓGICO
(Estado, Leis, Justiça) (Ideias, religião, moral)

Base material ou econômica Influência direta na superestrutura


INFRAESTRUTURA OU NÍVEL ECONÔMICO
(Relações de Produção – Fábricas/industrias)
TEORIA DE MARX ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA SOCIAL

INFRAESTRUTURA 3,6 SUPERESTRUTURA

Duas faces de uma mesma moeda


É o conjunto das relações de Abrange as normas jurídicas, os
trabalho, é o modo de produção comportamentos políticos e sociais,
vigente em determinado tempo as manifestações religiosas, a base
e lugar. ética, filosófica e moral.
São
interdependentes
Base material da É um reflexo da base
sociedade. material da sociedade.
RESUMINDO...

SUPERESTRUTURA – Corresponde ao
Poder do ESTADO.

INFRAESTRUTURA – Corresponde a
Organização da SOCIEDADE -
BURGUESES (Donos dos meios de Produção)
e PROLETÁRIOS (Donos da Força de
trabalho).
KARL MARX e a LUTA DE CLASSES

Sociedade Propriedade Luta de Classes


capitalista privada Sociais

Burguesia Exploração da
força de trabalho
Classes Sociais
Proletariado Vende sua
força de trabalho

Luta ideológica Luta política Socialismo


KARL MARX e a LUTA DE CLASSES
Para Marx, na sociedade capitalista, os
trabalhadores perderam o domínio de sua
própria vida e passaram a depender do
capitalista.

Assim, juntamente com Friedrich


Engels eles propõem uma crítica
ao capitalismo e sugerem uma
sociedade mais igualitária a partir
do Manifesto Comunista, num
modelo que foi intitulada
Socialismo.
Crítico do Capitalismo e da sociedade burguesa, por
ser um SISTEMA e uma SOCIEDADE que exploram o
proletariado de forma desumana em busca de lucro e
tomada de poder.
Juntamente com Engels
redigi o famoso
MANIFESTO
COMUNISTA Trabalhadores
do mundo,
uni-vos!
Marx Engels

Pela luta de classes o proletariado iria


implantar uma sociedade socialista de
transição para a sociedade comunista.
“. Os comunistas não se rebaixam a dissimular
suas opiniões e seus fins. Proclamam
abertamente que seus objetivos só podem ser
alcançados pela derrubada violenta de toda a
ordem social existente. Que as classes
dominantes tremam à idéia de uma revolução
comunista! Os proletários nada têm a perder a
não ser suas algemas. Têm um mundo a
ganhar
PROLETÁRIOS DE TODO O MUNDO, UNI-VOS!”
KARL MARX E A REVOLUÇÃO

Na medida em que a exploração de um


indivíduo por outro for abolida, também o
será a exploração de uma nação por outra.
Com o fim do antagonismo de classes no
interior das nações, desaparece também a
hostilidade entre as nações.
(Marx e Engels, 1848)
Dito de outra FORMA:
Conteúdos estruturados
com outras compreensões.
Karl Marx
LUTA DE CLASSES
Os interesses são antagônicos e complementares:

ANTAGÔNICOS COMPLEMENTARES

Burguês +
Burguês Proletário Proletário
Mais lucro Dividir lucros Um existe com o outro
Diminui o salário Aumentar salários Meios de produção
Aumenta a jornada de Diminui a jornada de Força de trabalho
trabalho trabalho
MARK E AS LUTA DE CLASSES

“A história de todas as sociedades até agora tem


sido a história da luta de classes. Homem livre e
escravo, patrício e plebeu, membro das corporações
e aprendiz, burguesia e proletariado: opressores e
oprimidos.”

SOCIEDADE CAPITALISTA
DOMINANTES Conflito SOCIEDADE FEUDAL
Social
DOMINADOS
SOCIEDADE ESCRAVOCRATA
ALIENAÇÃO
Karl Marx

Separação Consequências
 Meios de produção X Operário  O trabalhador não se identifica com o
 Trabalho X Trabalhador produto produzido.

 Máquina X Homem  O trabalhador não se reconhece no seu


trabalho.
 Mais-valia X Salário

Âmbitos do reconhecimento
 Econômico, social, psicológico, político.
 O trabalho alienado não é reconhecido em
nenhum desses âmbitos.
ALIENAÇÃO:
Perda de algo, privação
O Operário é um apêndice da máquina

Forma máxima de alienação

Propriedade Privada
CONCEITUAÇÃO DE ALIENAÇÃO

Etimologicamente a palavra alienação


vem do latim alienare, alienus, que
significa “que pertence a um outro”.
assim, alienar é tornar alheio,
transferir para outrem o que é seu.
CONCEITUAÇÃO por alguns autores:
Conceito hegeliano de alienação: tratar como
estranho algo com o qual devíamos nos identificar.

Hegel considerava que os indivíduos, todos


manifestações de um único Espírito, se viam uns
aos outros como rivais hostis e não como
elementos de uma unidade.

“A alienação é o estado no qual as pessoas vêem


como exterior algo que, na verdade, é um
elemento intrínseco do seu próprio ser”. (Kenny,
1999: 356).
CONCEITUAÇÃO por alguns autores:
Marx analisa a alienação dos trabalhadores industriais
em Manuscritos Econômicos e Filosóficos (1848). A
propriedade privada e o controle da produção por uma
elite são causas do trabalho alienado.
O trabalho alienado retira a humanidade das pessoas.

Para Marx, a alienação residia, sobretudo, no dinheiro.


“O dinheiro é o valor universal e autoconstituído de
todas as coisas. Despojou, assim, o mundo inteiro,
tanto o mundo humano como a natureza, do seu
próprio valor. O dinheiro é a essência alienada do
trabalho e da vida do homem, e esta essência
alienígena domina-o enquanto ele a idolatrar”.
PARA KARL MARX, A ORIGEM DA
ALIENAÇÃO ESTÁ NA DIVISÃO SOCIAL DO
TRABALHO, QUE FAZ COM QUE O
PRODUTO DO TRABALHO HUMANO DEIXE
DE PERTENCER AO TRABALHADOR E
PASSE A PERTENCER A OUTREM.
MAIS VALIA:
“Aumento de valor”
Trabalho não remunerado pelo patrão

Como ampliar a mais valia?

Aumento de tecnologia e/ou de


jornada de trabalho
MAIS-VALIA
Karl Marx

Vamos supor uma jornada de trabalho de 12h, com um


par de tênis feito a cada 2h. Serão 6 pares ao dia. Os
valores ficarão assim:

Matéria-prima: 100 𝑥6 → 600


Instrumento: 20 𝑥6 → 120 KARL MARX
Trabalhador: 30 → 30 Total: 150 → 750

. Cada par custará: 125


Lucro por par: 25
Lucro do dia: 25 x 6 = 150
Esse 150 é a mais-valia.
VENDE
8 horas de
trabalho

6 horas de PRODUZ 2 horas de


trabalho trabalho
Pagamento de salário
MAIS - VALIA
Horas de trabalho
excedente que são
apropriadas pelo
capitalista
SEGUNDO MARX - acumulação de capital resulta do acumulo de mais-valia
(parte que o trabalhador produz e que não lhe é paga)

Tipos de Mais-Valia

Absoluta – aumenta o lucro a


partir do aumento das horas de
trabalho do operário

Relativa – utilização da tecnologia


para aumentar a produção e o lucro,
com o mesmo número de
trabalhadores e mesmo salário
“A procura de homens regula necessariamente a
produção de homens como qualquer outra
mercadoria. Se a oferta é muito maior que a
procura, então parte dos trabalhadores cai na
miséria ou na fome. Assim, a existência do
trabalhador torna-se reduzida às mesmas
condições que a existência de outra mercadoria. O
trabalhador transformou-se numa mercadoria e
terá muita sorte se puder encontrar um comprador”
(Karl Marx)
FONTES:

Bomeny. H. et al.(coordenação). Tempos modernos, tempos de sociologia:


ensino médio: volume único. 2. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2013.

CUNHA, Maria Amália de Almeida. Sociologia da Educação. Belo Horizonte:


UFMG, 2010.

MARTINS, C. B. O que é sociologia? 38. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Nelson D. T. Sociologia para o ensino médio: volume único. 5. Ed. São Paulo:
Saraiva, 2016.
MAX WEBER

Prof. Gerdian Teixeira


gerdiangtl@hotmail.com.com

EEEP Monsenhor Odorico de Andrade


MAX WEBER (1864-1920): alemão, último
dos clássicos da Sociologia

Enriqueceu o estudo da Sociologia com a Sociologia


Compreensiva.
Método: interpretar o passado e analisar a sua
repercussão no presente.
Sociologia seria o estudo das ações sociais
(SENTIDO + MOTIVAÇÃO) dos indivíduos.
Diferencia-se de Durkheim: na ordem social, os
indivíduos é que formam os valores da sociedade
CONCEITOS BÁSICOS

AÇÃO SOCIAL COMPREENSÃO SOCIAL

TIPO IDEAL
PATRIMONIALISMO TIPOLOGIA DA AÇÃO
SOCIAL
TIPOLOGIA DA
COMPREENSÃO DOMINAÇÃO BUROCRACIA
LEGITIMA

CARISMA ÉTICA PROTESTANTE


RACIONALIDADE

VALORES SENTIDO ETICA CALVINISTA


DURKHEIM WEBER

POSITIVISMO IDEALISMO

HISTORIA = PROCESSO HISTÓRIA = DIVERSIDADE DAS


UNIVERSAL FORMAÇÕES SOCIAIS

GENERALIZAÇÃO –
COMPARAÇÃO
ESPECIFICIDADE
DURKHEIM WEBER

A REALIDADE NUMA A REALIDADE NUMA


PERSPECTIVA OBJETIVA PERSPECTIVA
SUBJETIVA

S O S O
MAX WEBER (1864-1920)
Sociólogo Alemão, Max Weber teve como
preocupação central compreender o
indivíduo e suas ações.

Para Weber, “a sociedade existe


concretamente, mas não é algo externo e
acima das pessoas e sim, um conjunto das
ações dos indivíduos se relacionando de
forma recíproca”.

Assim, um conceito básico desenvolvido


por Werber é o de AÇÃO SOCIAL.
Max
76
Weber e a Sociologia Compreensiva

As proposições gerais somente


podem ser demonstradas a partir da
compreensão do particular, de
análises e comparações históricas.

Sendo assim, o entendimento do


real não é uma cópia do real e, sim,
apenas uma elaboração
conceitual acerca deste.
MAX WEBER

Ação Toda conduta humana, cujos sujeitos


vinculem a esta ação um sentido
subjetivo.
Sentido Pode ser real ou de tipo ideal.

Tipo real ou existente de fato: referente a um caso


historicamente dado, ou como média num determinado
número de casos.

Tipo ideal: formulação hipotética referente a uma dada


situação.
É um instrumento de análise
proposto por Weber para a
compreensão das ações sociais

Na construção de um tipo
ideal, o sociólogo seleciona
TIPO IDEAL aspectos da ação humana que
considera culturalmente
relevantes para o estudo. E o
faz segundo seus próprios
valores.

É uma construção teórica


abstrata - tipo ideal = tipo puro
METODO
 Todo indivíduo, ao agir, (ator social), age
guiado por motivações que, por sua vez,
são baseadas em valores
 O cientista deve descobrir os possíveis
significados (sentidos) da ação humana
COMPREENSÃO presente na realidade social que
interessa estudar
SOCIAL  Um ator age sempre em função de sua
motivação e da consciência de agir em
relação a outros atores.
 Impossível descartar-se das pré-noções,
como queria Durkheim. Existe uma
parcialidade na análise sociológica.Não
há neutralidade científica.
O objetivo da sociologia para Max Weber

É investigar a ação social, cada formação social adquire


especificidade e importância própria.

O método compreensivo

Consiste em entender o sentido que as ações de um indivíduo


contêm, e não apenas o aspecto exterior dessas mesmas ações.
MAX WEBER e a AÇÃO SOCIAL
Entende-se por Ação Social como o ato de se comunicar, de se
relacionar, orientado pelas ações dos outros.

Para Weber, as ações sociais podem ser de quatro tipos:

- Ação tradicional;

- Ação afetiva;

- Ação racional com relação a valores;

- Ação social com relação a fins.


AÇÃO SOCIAL
Ao contrário de Durkheim, que buscava
a explicação dos fenômenos através da noção
de “fatos sociais” que existiriam para além
dos indivíduos, Weber vai observar as ações
dos indivíduos, a fim de captar seu sentido.

E diferentemente de Marx, que via os indivíduos


submetidos às estruturas do sistema capitalista, Weber
vai analisar como os indivíduos constroem a realidade
dentro deste sistema.
O Conceito de AÇÃO SOCIAL

Ação é a conduta humana que possui um


significado, dado por quem a executa. Portanto,
apenas a ação que tenha um sentido é objeto
de estudo da sociologia.

Parte sempre da observação das ações dos


indivíduos, e não de alguma totalidade que
existiria anteriormente a eles.
WEBER E A AÇÃO SOCIAL

Indivíduo e Ação Social


O papel do sociólogo é
compreender o sentido
das motivações
Motivação Racional individuais
(voltada a fins ou valores)
Motivação Tradicional
AÇÃO
Motivação Afetiva HUMANA
O CONCEITO DE AÇÃO AGENTES DA AÇÃO
SOCIAL SOCIAL

Modo subjetivo da ação Política


social, procura
fundamentar-se em critérios
interiores aos indivíduos Economia
participantes

É a maneira
como o ser Religião
AÇÃO SOCIAL
humano se
comporta
OBJETO DA SOCIOLOGIA
“A ação humana é social na
medida em que, em função da
significação subjetiva que o
AÇÃO indivíduo que age lhe atribui,
SOCIAL toma em consideração o
comportamento dos outros e é
por ele afetada no seu curso”.
OBJETO DA SOCIOLOGIA

PRESENÇA DO
OUTRO
AÇÃO SIGNIFICADO
SOCIAL
SER AFETADA
PELO OUTRO
FUNÇÃO DA SOCIOLOGIA

Investigar a ação social e


ressaltar os elementos mais
gerais de cada fase do processo
histórico da sociedade
Indivíduo
Valores
O sentido
por meio sociais e produz
da ação
motivação

Por mais individual que seja o sentido de uma


ação, o fato de se agir levando em consideração o outro
dá um caráter social a toda ação humana. Sendo
assim, o social só se manifesta em indivíduos,
expressando-se sob forma de motivação interna e
pessoal.
A VALORIZAÇÃO DO INDIVÍDUO

Weber se diferencia dos outros autores e


principalmente de Marx, do ponto de vista que ele
considera o indivíduo como o foco na
analise a ser feita, dizendo que não existe
uma dialética capaz de explicar a
sociedade.
A VALORIZAÇÃO DO INDIVÍDUO

É preciso compreender primeiramente o


individuo, suas particularidades, para só
assim entender a complexidade geral. Weber
critica o materialismo dialético dizendo que ele trás
consigo a influencia do juízo de valor e de uma
ideologia, ou seja, das opiniões de quem analisa.
TIPOS DE AÇÃO SOCIAL
AÇÃO RACIONAL
Objetivos claros e meios definidos ou fidelidade ao sistema de valores de opção .
Ex: professor desenvolvendo uma grade curricular. Empresário
que se esforça para ganhar dinheiro (objetivo); capitão que
afunda junto com o seu navio (valores).
AÇÃO TRADICIONAL
Ditada por costumes, hábitos e crenças.
Ex: O cumprimento semi-automático de colegas de trabalho,
ascender um cigarro após o café ou batizar o filho sem ser
comprometido com a religião.
AÇÃO AFETIVA
Ditada pelo humor ou consciência momentânea do indivíduo. Reação emocional a
uma dada circunstância.
Ex: revide a uma agressão sofrida por um jogador em um campo
de futebol profissional que esbraveja com seus colegas de
trabalho para pedir silêncio.
Dito de outra forma:
Os tipos de ação social são conceitos que explicam a
realidade social, mas não são a realidade social:

Ação tradicional: aquela determinada por um costume ou


um hábito arraigado;
Ação afetiva: aquela determinada por afetos ou estados
sentimentais;
Ação racional com relação a valores:
determinada pela crença consciente num valor
considerado importante, independentemente do
êxito desse valor na realidade;

Ação racional com relação a fins: determinada


pelo cálculo racional que coloca fins e organiza
os meios necessários.
Fonte/texto:http://www.mundociencia.com.br/sociologia/weber.htm
São exemplos de AÇÃO SOCIAL
TRADICIONAL:

-Estudar em uma escola apenas


por que foi a mesma em que seu
pai estudou.

-Seguir a profissão dos pais


embora suas vontades sejam
outras.

Fonte/texto:http://colegiomontecastelo.com.br/files/408025032011230901.pdf
A AÇÃO SOCIAL AFETIVA é motivada por
sentimentos, pela emoção. Os trabalhos
voluntários são exemplos de como os
indivíduos motivados pela emoção promovem
essas ações.
São exemplos de AÇÃO
RACIONAL COM RELAÇÃO A
FINS:

-Estudar para passar em um


vestibular, estudar para passar
em concursos;

- Se dedicar ao trabalho para ser


promovido.
São exemplos de AÇÃO
RACIONAL COM RELAÇÃO A
VALORES:

-Ações terroristas;

-Castidade até o casamento;

Fonte/texto:https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20130512150637AA8op4u
Importante livro de Max Weber

Relaciona a história do
capitalismo a partir do
desenvolvimento da ética
protestante.

Ética surgida no contexto


da reforma protestante
como crítica ao catolicismo.
A vivência espiritual da doutrina e da
conduta religiosa exigida pelo
protestantismo organizou uma
maneira de agir econômica,
A ÉTICA necessária para a realização de um
PROTESTANTE lucro sistemático e racional.

O ESPIRITO DO
CAPITALISMO Weber descobre que os valores do
protestantismo, como a disciplina
ascética, a poupança, a austeridade, a
vocação, o dever e a propensão ao
trabalho atuavam de maneira
decisiva sobre os indivíduos
O capitalismo é a cristalização objetiva destas
premissas teológicas e éticas, segundo as
quais o homem, em virtude de seu trabalho e
da riqueza criada por este trabalho, encontra
um modo completo e sensível de conquistar
sua salvação individual.
FONTES:

Bomeny. H. et al.(coordenação). Tempos modernos, tempos de sociologia:


ensino médio: volume único. 2. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2013.

CUNHA, Maria Amália de Almeida. Sociologia da Educação. Belo Horizonte:


UFMG, 2010.

MARTINS, C. B. O que é sociologia? 38. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Nelson D. T. Sociologia para o ensino médio: volume único. 5. Ed. São Paulo:
Saraiva, 2016.