Você está na página 1de 15

Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

GEOGRAFIA

CEESVO 1
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

 O PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL

 Densidade Demográfica por Estados

 Brasil Densidade Demográfica

 A Evolução do Crescimento Vegetativo Brasileiro

ROTEIRO

Industrialização e Urbanização

Você verá que o sudeste do Brasil se situa na região Centro-Sul.


 Também perceberá que essa região é a mais desenvolvida e que nela
estão instalados grandes parques industriais, como por exemplo, o de
Sorocaba.
 Terá um histórico da industrialização brasileira, ligada a urbanização.
 Observará as características da população Sorocabana, em função da
industrialização.

CEESVO 2
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

O PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇAO NO BRASIL

Como você viu no módulo anterior, os espaços regionais eram organizados a partir de
atividades econômicas agrárias exportadoras, formando regiões específicas. Esta
organização dificultou a integração do território nacional, criando espaços regionalizados,
muito fechados entre si.
Em 1930, a partir do desenvolvimento industrial na região sudeste, todos os espaços
passaram a se organizar no sentido de combinar suas atividades com as exigências
desses centros produtores.

Por que o Sudeste se tornou a região centralizadora do processo industrial?

 Porque, principalmente a cidade de São Paulo que era a sede do comércio


cafeeiro, tinha muito dinheiro que passou a ser usado na instalação de indústrias e
produção industrial.
 Dessa forma, como tinham mais capital, as indústrias paulistas eram melhor
equipadas e, portanto, produziam em larga escala, a preços menores.
 A integração do sudeste com outras regiões aumentou com a abertura de estradas
de rodagem e ferrovias.
 As indústrias do Sudeste passaram a ter muito lucro, que era aplicado na própria
atividade industrial, provocando uma expansão cada vez maior das indústrias
dessa região.
 A maior parcela de consumidores estava concentrada no sudeste.
 Foi formada uma infra-estrutura pelo próprio Estado, favorecendo o
desenvolvimento industrial do sudeste.
 A agricultura se organizou de forma a abastecer o mercado das cidades
industrializadas.

Sorocaba faz parte deste processo, sendo atualmente um grande parque industrial.

Você sabe como se desenvolveu a indústria em Sorocaba?


Iniciou-se com a fábrica de ferro São João de Ipanema, que foi o marco do primeiro
ciclo industrial e produziu grande quantidade de ferro.
Em 1852, foram instalados os primeiros teares de algodão, dando início a atividade
têxtil na cidade.
Com o declínio do tropeirismo, os sorocabanos passaram a investir na cultura do
algodão, que era exportado principalmente para a Inglaterra.
O volume de cargas de algodão levado para o porto de Santos era tão grande que
havia necessidade de um transporte mais rápido e eficiente, surgindo daí em 1865, a
Estrada de Ferro Sorocabana.

CEESVO 3
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Você já ouviu falar que Sorocaba é a Manchester Paulista?

Esse cognome (apelido) foi dado à nossa cidade porque ela foi comparada com a
primeira cidade da Inglaterra a ter uma indústria têxtil, a cidade de Manchester.

O segundo ciclo iniciou-se em 1882, com o estabelecimento das fábricas de tecidos


Nossa Senhora da Ponte, Votorantim e Santa Maria, foram criadas também as fábricas de
chapéus e de metalurgia que fabricava enxadas.

O terceiro ciclo industrial iniciou-se em 1968, foi o período em que a industrialização se


desenvolveu em todo o país. O governo local (prefeitura) criou condições para a
instalação de indústrias no município: isenções de impostos, criação de uma zona
industrial etc. Exemplo: Faço, Conal.

A partir de 1974, com a construção da rodovia Castelo Branco, houve um novo impulso
na industrialização de Sorocaba. As indústrias passaram a comprar as áreas para se
instalarem e o governo do estado incentivou a vinda de indústrias de grande porte, para
aliviar a Grande São Paulo, que já estava com seu parque industrial por demais
congestionado.

A partir de 1974, vieram instalar-se a Alber-Flex, Mapol, Case, Metalac, ZF, Yashica,
Pirelli e outras.

Você percebeu que Sorocaba se desenvolveu e se transformou em um grande parque


industrial.

Como começou o processo de industrialização no Brasil?

O processo de industrialização brasileira iniciou-se com a produção de bens de


consumo não duráveis (alimentos, tecidos, tijolos, calçados etc.). Essas indústrias não
exigem grandes investimentos para sua instalação e costumam dar bons lucros em pouco
tempo.

A partir de 1920 as indústrias de bens de consumo já tinham crescido o suficiente e o


setor industrial precisava se diversificar. No entanto, para a instalação de outros tipos de
fábricas era necessário produzir indústrias de bens de produção (máquinas e
equipamentos).

Isso começou a ocorrer lentamente, por causa da dificuldade que o país tinha de
conseguir dinheiro para a importação de máquinas e equipamentos, pois o Brasil não
possuía tecnologia. É por esse motivo que a industrialização brasileira se caracterizou
pela dependência aos países capitalistas desenvolvidos.

CEESVO 4
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Apenas em 1941 se iniciou a construção da primeira grande usina siderúrgica


brasileira: a Companhia Siderúrgica Nacional (Volta Redonda - RJ) que consolidou a
industrialização no Brasil.

Na década de 50 o Brasil deixou de ser um país essencialmente dependente da


agricultura de exportação: a indústria passou a comandar a economia brasileira.

Saiba que...
Quando a atividade industrial passa a ser a mais importante atividade econômica de
um país, este se torna um país urbano.

Nos dias atuais a industrialização e a urbanização caminham sempre juntas.

Por que você acha que isso acontece?

1° Porque a industrialização moderna se concentra no espaço urbano;


2° Porque a partir da revolução industrial, desenvolveu-se um enorme processo de
urbanização em toda a sociedade humana.

Você sabe o que é processo de urbanização?


Processo de urbanização é quando a população urbana passa a crescer bem mais que
a população rural.

Com a industrialização, a mecanização da agricultura diminuiu a necessidade de mão-


de-obra do campo, enquanto crescia a necessidade de mão-de-obra (trabalhadores) das
fábricas, que se desenvolviam cada vez mais.

Isso fez com que os moradores do campo se deslocassem para as cidades dando
origem às migrações rural-urbanas (êxodo rural).

Outros fatores também podem ser apontados como responsáveis pelo êxodo rural:
 Elevado custo de financiamentos rurais;
 Os baixos preços dos produtos durante a safra;
 A falta de assistência (médica, hospitalar, escolar);
 As questões agrárias (distribuição de terras);
 A política econômica voltada para a exportação.

CEESVO 5
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Exercícios. Responda em seu caderno:

1. Você conhece alguém que veio do campo para a cidade?


 Cite as razões dessa mudança.
 Sabe qual atividade vieram exercer?
 Em que lugar da cidade vieram morar?
 Essa pessoa melhorou suas condições de vida?

Além do êxodo rural, existem outros movimentos populacionais:


Migrações internas: ocorrem dentro do próprio país. Um exemplo são os nordestinos
que vêm para São Paulo à procura de trabalho.

CEESVO 6
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Migrações externas: são movimentos de populações. Podem ser de dois tipos:


emigrações (saídas). Por exemplo, os brasileiros que saem do país para trabalhar no
Japão; e imigrações (entradas). Por exemplo, no início do século XX japoneses vieram
para o Brasil trabalhar nas lavouras cafeeiras.

Esses movimentos existem constantemente dentro e fora dos países e são


responsáveis pelo crescimento populacional de um país.

Você sabe o que é população?

É o termo usado para definir o conjunto de habitantes de um país, região, cidade etc.

A população pode ser definida de


duas maneiras:

População absoluta: é o total de


habitantes de uma área.

População relativa ou densidade


demográfica: indica o número de
habitantes por quilômetro quadrado
(Km2). A população relativa indica se
uma região é muito ou pouco
povoada.

Para calcular a densidade


demográfica de uma área, divide-se
o número de habitantes por sua
extensão territorial.

As áreas pouco povoadas


possuem menos de 3
habitantes/Km 2 e as áreas de
grandes concentrações
populacionais apresentam uma
população superior a 200 hab/Km2.

Observando o mapa ao lado, você


nota que, embora o Brasil seja um
país populoso (175 milhões de
habitantes), não é um país bem
povoado. Sua população está
irregularmente distribuída,
apresentando áreas densamente
povoadas e outras apresentando
vazios demográficos (pouca
população).

CEESVO 7
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Exercícios. Responda em seu caderno:


02.Observando o mapa anterior, quais os estados mais povoados e menos povoados
do Brasil.
03. Quais são as causas da irregular distribuição da população brasileira?
04. Diferencie imigração de emigração.

CRESCIMENTO POPULACIONAL

A população cresce de duas maneiras:


Veja os dados numéricos do gráfico abaixo.

 Pela diferença entre imigração (entrada de pessoas) e a emigração (saída de


pessoas).
 Pela diferença entre nascimentos (natalidade) e mortes (mortalidade).

A diferença entre a natalidade e mortalidade de uma população chama-se


crescimento natural ou vegetativo.

CEESVO 8
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Atualmente, o índice de mortalidade


vem diminuindo com a queda da
mortalidade infantil e o aumento da
duração média de vida do homem. Isto
se deve a:

 Industrialização;
 Urbanização;
 Avanços da medicina (vacinas,
medicamentos);
 Melhoria na alimentação;
 Saneamento básico etc.

Os índices de natalidade (número de


nascimentos) vêm caindo
progressivamente no mundo todo.

 Taxa de natalidade. 3,0%


 Taxa de mortalidade. 1,0%
 Crescimento vegetativo. 2,0%

A queda nas taxas de natalidade


estão relacionadas a fatores como:

 Acesso a métodos
anticoncepcionais;
 A urbanização.
 A participação da mulher no
mercado de trabalho.

Qual a relação entre a urbanização e a queda nas taxas de natalidade?


Quando a maioria da população era rural, os filhos ajudavam os pais na lavoura e na
criação, aumentando os rendimentos da família. Hoje com a maioria da população
vivendo nas cidades, os pais já não contam com a ajuda dos filhos nas despesas
familiares e os filhos passaram a representar grandes despesas (educação, saúde,
alimentação, vestimenta etc.). Isso faz com que a maioria dos casais não tenha muitos
filhos, dois ou três no máximo. As mulheres são obrigadas a trabalhar para completar o
orçamento doméstico. Dessa forma, os casais estão controlando a natalidade.

CEESVO 9
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

No Brasil, os índices de mortalidade diminuíram muito e a natalidade está caindo num


ritmo superior à mortalidade o que reduz o crescimento da população.
Distribuição da população brasileira por idade:
7% idosos
46,5% adultos
46,5% jovens

A proporção de jovens na população brasileira ainda é muito grande se comparada à


dos países desenvolvidos. Atualmente o número de jovens tende a diminuir, e o de
adultos a aumentar, aumentando também o número de pessoas que trabalham, isto é, a
população economicamente ativa. Porém haverá um envelhecimento da população,
resultando em encargos para o país, como: aposentadorias, assistência médica etc.

CEESVO 10
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

Exercícios. Responda em seu caderno:


05. Dê as causas do crescimento da população.
06. O que mudou na estrutura familiar com a urbanização?
07. Cite os fatores responsáveis pela queda das taxas de natalidade e mortalidade no
Brasil.
08. Para você, quantos filhos seriam ideais? Justifique sua resposta.
09. O que é o crescimento natural ou vegetativo da população?

Você faz parte da população do município de Votorantim. Como se caracteriza


essa população?
Votorantim

Observe o gráfico:
População rural: - 1,91%
População urbana: - 98,09%

Como você pode observar a maioria da


população do seu município vive na área urbana
porque a base econômica do nosso município é
a atividade industrial e comercial.
A população de Votorantim é composta por:
42,% jovens
49,% adultos
9,% idosos

IBGE 2000

Por ser a população de Votorantim em sua grande maioria urbana, a população


ativa exerce atividades ligadas aos setores secundário e terciário.
Você sabe quais são os setores da economia?
Setor Primário: agricultura, pecuária e atividades extrativas.
Setor Secundário: indústrias de transformação.
Setor Terciário: prestações de serviços (bancários, funcionalismo, comércios,
transportes etc.)

CEESVO 11
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização
Observando o quadro anterior, você pode concluir que por ser um município
eminentemente industrial, a maioria da população exerce atividades ligadas à indústria,
comércio e prestação de serviços.

Exercícios. Responda em seu caderno:


10. Que tipos de atividades têm nos seguintes setores:
A.Setor Primário.
B. Setor Secundário.
C. Setor Terciário.

Leitura Complementar. A MORTALIDADE INFANTIL EM QUEDA NO


BRASIL.

A mortalidade infantil - Caem os


índices em todo o Brasil, o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE) divulga dados consolidados do
Censo 2000, que mostram, entre outras
coisas, que a mortalidade infantil caiu de
maneira generalizada em todos os
estados brasileiros e mais fortemente na
Região Nordeste. Enquanto no Brasil a
queda foi de 37,50%, no Nordeste
atingiu quase 40% (39,03%) de 1990 a
2000. Entre os estados do Nordeste, o
Ceará registrou a maior queda (45,1%),
seguido do Piauí (43,1%). Apesar da
forte queda, a região Nordeste ainda
registra níveis de mortalidade infantil
que são praticamente o dobro dos
encontrados nas regiões Sudeste, Sul e
Centro-Oeste. Em 2000, a taxa de
mortalidade infantil na região Nordeste
era de 44,73 por mil nascidos vivos,
enquanto no Sudeste era de 21,28, no
Sul, de 18,87, e no Centro-Oeste, de
21,61. De um modo geral, as regiões
Sul, Sudeste e Centro-Oeste exibem as
menores taxas de mortalidade infantil,
próximas de 20 óbitos por mil nascidos
vivos, sendo que o Rio Grande do Sul é
o estado com a taxa mais baixa, de 16
por mil. Na região Sudeste, São Paulo
tem a menor taxa, de 18,6 por mil,
seguido do Rio de Janeiro, com 20,61.

CEESVO 12
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização
Saiba Mais... Analfabetismo funcional.

Principal indicador do atraso educacional de um país, o analfabetismo atinge quase


13% da população brasileira com mais de 10 anos de idade, segundo o último censo do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
em 2000. O índice coloca o Brasil entre as sete
nações latino-americanas com taxa de
analfabetismo superior a 10%, ao lado de
Honduras, El Salvador, República Dominicana,
Bolívia, Guatemala e Haiti. São consideradas
analfabetas as pessoas incapazes de ler e escrever
um bilhete simples, as que apenas assinam o
próprio nome e as que aprenderam a ler e a
escrever mas esqueceram.

Analfabetismo funcional – Além dos 16


milhões de analfabetos absolutos, que não sabem
ler nem escrever, outros 30 milhões são
considerados analfabetos funcionais – pessoas
acima dos 15 anos que têm menos de quatro anos
de escolaridade. Elas conseguem ler e escrever de
maneira rudimentar, mas são incapazes de
entender textos mais longos. Quase metade dos
brasileiros nessa condição está na Região
Nordeste. Em segundo lugar vêm as regiões Sul e
Sudeste, com aproximadamente 23% cada uma.

Erradicação – Uma das estratégias do governo


brasileiro para acabar com o analfabetismo
foi oferecer, até 2003, escola gratuita a
94% da população em idade de
escolarização obrigatória, objetivo já
alcançado. Essa medida, porém, não
atinge o maior grupo de analfabetos do
país – o das pessoas com idade a partir
dos 60 anos, que representam um terço
da população analfabeta. O atendimento a
esse grupo se dá por meio das classes de
alfabetização. Em 2003, 590 mil
brasileiros estudavam nessas classes. A
meta do MEC é erradicar o analfabetismo
até 2006.
Alguns programas de alfabetização de adultos, como o Movimento de Educação de Base (MEB), criado
pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foram desenvolvidos para atender a população
carente e os adultos analfabetos. Inspirado no MEB, que oferece cursos em paróquias, sindicatos e
centros comunitários, o governo federal lançou o Comunidade Solidária, cuja meta é reduzir a taxa de
analfabetismo das cidades brasileiras mais pobres.
Crédito: Oscar Cabral

CEESVO 13
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

BIBLIOGRAFIA

ADAS, Melhem. Geografia. São Paulo. Editora Ática, 1994.


ALMANAQUE ABRIL. CD ROM, 8ª Edição, 2000.e 2004
BELTRAME, Zoraide Victoréllo. Geografia Ativa. São Paulo. Editora Ática, 1995.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL, 1998.
DIAMANTINO, Alves C. Pereira e outros, Ciências dos Espaço. São Paulo. Editora
Atual, 1994
DIMENSTEIN, Gilberto. Aprendiz do Futuro. São Paulo. Editora Ática, 2000.
ENCICLOPÉDIA ELETRÔNICA KOOGAN HOUAISS 2000
JORNAIS: Folha de São Paulo, Estado de São Paulo, Cruzeiro do Sul e Folha de
Votorantim.
LUCCI, Elian Alabi. Geografia. O homem no espaço global. São Paulo. Editora
Saraiva, 1997.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estática.
MAGNOLI, Demétrio e. Projeto de Ensino de Geografia. São Paulo. Editora
Moderna, 2000.
MÉDICI, Miriam de Cássia e. Coleção Nova Geração. São Paulo. Editora Nova
Geração, 1999.
MOREIRA, Igor. O espaço geográfico. São Paulo, Editora Ática, 1998.
NIDELCOFF, Maria Teresa. A escola e a compreensão da realidade. São Paulo.
Editora Brasiliense, 1990.
OLIVA, Jaime. Espaço e Modernidade. Temas da Geografia Mundial. São Paulo.
Editora Atual, 1995.
PROFESSOR PC, Geografia, CD ROM
REVISTAS: Veja, Isto é, Super Interessante, Época, Globo Rural.
RODRIGUES, Rosicler Martins. As cidades brasileiras. São Paulo, Editora
Moderna, 1995.
SENE, Eustáquio de e. Espaço geográfico e globalização. São Paulo. Editora
Scipione, 1998.
SIMIELLI, Maria Helena. Atlas Geográfico. São Paulo. Editora Ática, 2000.
TELECURSO 2000, Geografia, Vol. 1 e 2 .
VESENTINI, J. William. Sociedade e Espaço. São Paulo. Editora Ática, 1997.

CEESVO 14
Módulo 06 Geografia Ensino Fundamental Industrialização e Urbanização

EQUIPE DE GEOGRAFIA CEESVO 2005

Jaime Aparecido da Silva


Maria de Fátima Pinto
Deise Quevedo Bertaco

COLABORAÇÃO

PCP - Neiva Aparecida Ferraz Nunes


Equipe de Geografia do CEESSO 2004

DIREÇÃO

Elisabete Marinoni Gomes


Maria Isabel R. de C. Kupper

APOIO.

Prefeitura Municipal de Votorantim.

CEESVO 15