Você está na página 1de 264

05

ISSN 1982-3169
Indexado na Latindex

Edição Especial
Programa Permanente de
Capacitação Docente - PPCD

ANUÁRIO
da Produção Acadêmica

DOCENTEVOLUME III - NÚMERO 05 / 2009

100

95

75

25

ANUDO_N5_interna
segunda-feira, 3 de maio de 2010 10:40:47
Anuário da Produção Acadêmica Docente A Revista detém todos os direitos
autorais sobre a edição dos trabalhos
Anhanguera Educacional Participações S.A. aceitos, eximindo-se de qualquer
responsabilidade sobre as idéias, as
Prof. Antonio Carbonari Netto – Diretor Presidente opiniões e os conceitos emitidos e sobre o
Profa. Ana Maria Costa de Sousa – Diretora Vice Presidente Acadêmica estilo adotado pelos autores. A
Ricardo Leonel Scavazza – Diretor Vice Presidente Operacional reprodução é permitida, contando que
Marcos Lima Verde Guimarães Junior – Diretor Financeiro citada a fonte de maneira correta.
Profa. Maria Elisa Ehrhardt Carbonari – Diretora de Programas Institucionais
José Augusto Teixeira – Diretor de Relações com Investidores e Diretor de Planejamento

Anhanguera Educacional S.A.


Prof. Antonio Carbonari Netto – Diretor Presidente
José Augusto Gonçalves de Araujo Teixeira – Diretor Administrativo-Financeiro
Profa. Ana Maria Costa de Sousa – Diretora Acadêmica de Graduação
Prof. Carlos Afonso Gonçalves da Silva – Diretor de Operações Acadêmicas
Prof. Edgard Dias Falcão Filho – Diretor de Extensão e Pós-Graduação
Antonio Fonseca de Carvalho – Diretor de Serviços Administrativos
Antonio Augusto de Oliveira Costa – Diretor Comercial
Ricardo Leonel Scavazza – Diretor Superintendente
Célio Marcos Lopes – Diretor de Serviços Financeiros
Luciano Possani – Diretor de Tecnologia da Informação

Editor Responsável
Dr. Adriano Thomaz
Anhanguera Educacional S.A.

Conselho Editorial
Ms. Jeanne Dobgenski
Dr. Marcelo Augusto Cicogna
Dra. Thais Costa de Sousa Pagani
Anhanguera Educacional S.A.

Comitê Técnico-Científico
Ms. Adauto Damásio Ms. Alexey Carvalho
Ms. Adriana Camargo Pereira Esp. Débora Cristina Siqueira Aceti
Esp. Alberto Sebastião Santana Faculdade Editora Nacional - FAENAC
Ms. José Manente Ms. Roberta Bailoni Marcilio de Freitas
Dra. Maria Inês Crnkovic Octaviani Faculdade Santa Terezinha - FAST
Dra. Mariane Bernadete Compri Nardy
Dra. Mercia Breda Stella
Anhanguera Educacional S.A.
Pareceristas ad hoc
Ms. Maria Tereza Ap. Moi Gonçalves
Centro Universitário Anhanguera - UNIFIAN Ms. Alessandra Cristina Fahl
Esp. Edgard Dias Falcão Filho
Ms. Edna de Almeida Rodrigues Ms. Jim Naturesa
Centro Univ. de Araraquara - UNIARA Ms. Mario Jungbeck
Dr. Runer Augusto Marson Dr. Pedro Marques
Faculdade Anhanguera de Bauru Dra. Priscila Perez Domingos
Coordenação IPADE
Ms. Alessandra Cristina Fahl Esp. Vanessa Pancioni
Anhanguera Educacional S.A. Dr. Adriano Thomaz
Ms. Alfredo Cesar Antunes Dr. Marcelo Augusto Cicogna
Ms. Carlos Roberto Pagani Jr. Ms. Vera Demoliner Anhanguera Educacional S.A.
Ms. Estela Maria Camargo Regina Fac. de Negócios e Tecnol. da Informação - FACNET
Ms. Luciene Maria Garbuio
Suporte Técnico e TI
Faculdade Anhanguera de Campinas Coordenação EaD
Hilário Viana Bacellar
Ms. Fabio Pinto Gonçalves Reis Ms. Ronaldo Barbosa Anhanguera Educacional S.A.
Faculdade Anhanguera de Jacareí Anhanguera Educacional S.A.
Ms. Maria Theresa Munhoz Severi Arte da Capa
Faculdade Anhanguera de Piracicaba Supervisão PPCD Renata Mercier de Queiroz
Ms. Márcia Regina Ferro Móss Júlio Dr. Pedro Marques Anhanguera Educacional S.A.
Faculdade Anhanguera de Rio Claro Anhanguera Educacional S.A.

Dr. Adriano Donizete Pila


Ms. Moises Miguel Cazela
Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara
Dra. Jaqueline Brigladori Pugliesi
Ms. Lourdes Pereira de Souza Manhani
Faculdade Anhanguera de Valinhos
Dra. Andrea Carla Alves Borim
Fac. de Negócios e Tecnol. da Informação - FACNET

Anuário da Produção Acadêmica Docente: 2009. Valinhos:


Anhanguera Educacional S.A., 2010. Semestral.

Vol. III, No. 5 – edição especial. Publicação eletrônica:


SARE - Sistema Anhanguera de Revistas Eletrônicas
Ano 1, No. 1 (2007) – Valinhos: AESA, 2007 – http://sare.unianhanguera.edu.br/
No. 1, 2007, publicada anualmente. e-mail: rc.ipade@unianhanguera.edu.br
ISSN 1982-3169
Anhanguera Educacional S.A.
1. Produção docente. I. Anhanguera Educacional.
Alameda Maria Tereza, 2000 – Dois Córregos
CDD - 500
Valinhos / SP – CEP 13278-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 2 28/5/2010 09:57:28


Sumário
Apresentação 5

Editorial 7

Informes Técnicos
Ciência e conhecimento científico 9
Daniela Maria Cartoni

A missão docente na Anhanguera Educacional 35


José Alberto Sallum

Construindo o projeto de pesquisa 47


Daniela Maria Cartoni

Cultura organizacional 61
José Alberto Sallum

Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos 73


Maria Cristina Mesquita Barbosa

O projeto pedagógico como ferramenta institucional 85


Suselei Aparecida Bedin Affonso

Aprendizagem: tendências pedagógicas 97


Maria Cristina Mesquita Barbosa

Projeto Pedagógico: articulação entre os diferentes níveis do planejamento 109


educacional
Suselei Aparecida Bedin Affonso

A importância da didática no ensino superior 121


Aglay Sanches Fronza-Martins

Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem 129


Adriane Martins Soares Pelissoni

Relações interpessoais: a importância do relacionamento professor-aluno 141


Aglay Sanches Fronza-Martins

Elementos da comunicação e suas formas de planejamento 149


Luís Fernando Prado Telles

Perspectivas de uso do computador no ensino 163


Ronaldo Barbosa

Avaliação no ensino superior: cenários e tendências 183


Adriane Martins Soares Pelissoni

Alguns aspectos da variação lingüística 195


Luís Fernando Prado Telles

Pesquisa na Internet, direitos autorais e distância transacional 211


Ronaldo Barbosa

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº.5, Ano 2009

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 3 28/5/2010 09:57:28


Ética e reavaliação: a perspectiva de Leonardo Boff 221
Adriana Camargo Pereira

Ensino superior no Brasil: um olhar sobre as origens 229


Inês Regina Waitz, Magda Patrícia Caldeira Arantes

Meio ambiente: perspectiva histórico-poética 241


Pedro Marques, Adriana Camargo Pereira

Políticas públicas para o ensino superior: o processo de democratização do acesso 251


Inês Regina Waitz, Magda Patrícia Caldeira Arantes

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº.5, Ano 2009

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 4 28/5/2010 09:57:28


Apresentação
O Anuário da Produção Acadêmica Docente, nesse quinto e especial número, traz 20 informes técnicos
produzidos por 12 professores conteudistas de disciplinas ministradas no curso de Pós-Graduação Lato
Sensu em Didática e Metodologia do Ensino Superior.

Esse curso é uma ação de apoio pedagógico ao corpo docente da Anhanguera Educacional,
denominado Programa Permanente de Capacitação Docente (PPCD). Esse programa representa o
investimento dessa instituição em seu profissional de ensino superior, visando aperfeiçoamento contínuo
e melhora da qualidade do ensino de graduação.

Os assuntos abordados são objetivos e os trabalhos foram elaborados visando estimular os


alunos do curso para a leitura, aprimorar seus conhecimentos e compreensão da diversidade do tema.
São essas as disciplinas ministradas e seus respectivos professores:

• Avaliação do Ensino e da Aprendizagem


profa. Adriane Martins Soares Pelissoni.
• Ética e Responsabilidade Sócio-Ambiental
profa. Adriana Camargo Pereira, prof. Pedro Marques.
• Fundamentos Teóricos do Ensino e da Aprendizagem
profa. Maria Cristina Mesquita Barbosa.
• Legislação e Políticas do Ensino Superior
profa. Inês Regina Waitz, profa. Magda Patrícia Caldeira Arantes.
• Metodologia da Pesquisa Científica
profa. Daniela Maria Cartoni.
• Perfil Corporativo, Crenças e Valores, Programas Institucionais
prof. José Alberto Sallum.
• Práticas do Ensino e da Aprendizagem
profa. Aglay Sanches Fronza-Martins.
• Projeto Pedagógico e Operação Acadêmica
profa. Suselei Aparecida Bedin Affonso.
• Técnicas de Comunicação Docente
prof. Luís Fernando Prado Telles.
• Tecnologias Aplicadas ao Ensino e à Aprendizagem
prof. Ronaldo Barbosa.

O acesso gratuito ao conteúdo digital das publicações propicia aos autores e leitores uma
facilidade maior de consulta e catalogação dos artigos depositados no SARE. Com isso, essa publicação
tem conquistado espaço entre a comunidade acadêmica, consolidando-se como o periódico mais
acessado no portal.

No papel de editor desse número especial, deixo registrado meus agradecimentos aos autores,
aos professores e coordenadores que colaboram direta e indiretamente com o PPCD e àqueles que
contribuem para a publicação do Anuário da Produção Acadêmica Docente.

Boa leitura!

Prof. Dr. Adriano Thomaz


Editor do Anuário da Produção Acadêmica Docente

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº.5, Ano 2009

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 5 28/5/2010 09:57:28


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 6 28/5/2010 09:57:28
Editorial
Em março de 2009 chegou-me o desafio. A Anhanguera Educacional crescia vertiginosamente mesmo em
meio a uma crise que refundiria a economia mundial. Seu corpo docente não parava de ganhar estatura
até o ponto de precisarmos de um sistema unificado, ágil e eficiente para capacitá-lo. A instituição já
desenvolvia o Programa Permanente de Capacitação Docente (PPCD), direcionado para o
aperfeiçoamento pedagógico, melhorias no ensino e investimentos em seu principal capital intelectual: o
professor.
Assim, uma das ações pontuais do PPCD, no passado e no presente, continua sendo o curso de
Pós-Graduação Lato Sensu Didática e Metodologia do Ensino Superior, cujo conteúdo, por razões de
aderência acadêmica, a partir daquele momento passava à Diretoria de Pós-Graduação e Extensão. O
modelo pedagógico do curso operara a contento enquanto a Anhanguera nascia para o cenário nacional
com pouco mais de uma dezena de unidades. Mas o grupo, agora, era o maior do país, ultrapassando a
marca de 200 mil alunos em nível superior, de 50 unidades de ensino, de 6 mil docentes e tantos outros
números para influir no mercado e nas políticas da educação brasileira.
Sem vistas à comercialização, era a oportunidade de recriar e inovar práticas pedagógicas.
Utilizando como ambiente virtual de aprendizagem (AVA) o Moodle (Modular Object Oriented Distance
Learning Environment), o qual suportou conteúdo e controle acadêmico, criou-se um modelo tripartite
baseado no método WebQuest, praticado na pós-graduação presencial da empresa: 1) momento oral
gravado em estúdio (vídeo-aulas e vídeo-entrevistas); 2) momento fundamentação teórica (leitura
obrigatória e monitorada, sugestões de leituras, vídeos, sites etc.); 3) momento aplicação (resolução
monitorada de uma tarefa de aprendizagem significativa). Para tanto, mobilizamos alguns atores
principais para o ensino-aprendizagem: supervisor do curso, coordenadores de unidade, professores-
conteudistas, editor de conteúdo, professores-palestrantes, entrevistados, técnicos de estúdio,
professores-tutores e gestor de Moodle.
À época na supervisão da área de Educação e Humanas, já trabalhando com inovação do ensino
e da aprendizagem, minha missão era projetar, testar e implementar um modelo de educação a distância
(EAD) assíncrono para a Anhanguera. Com o apoio prestimoso de profissionais como Edgard Falcão,
Mario Jungbeck, Ronaldo Barbosa, Jim Naturesa, Vera Demoliner, Ana Ligia Gardin, Alberto Santana e,
na conclusão do processo, Luís Fernando Telles, produzimos e organizamos o equivalente a 360 horas de
conteúdo EAD (vídeos, slides, questionário, WebQuests, dicas de leituras, textos etc.). Nesse contexto,
foram redigidos 40 textos entre informes técnicos e artigos agora publicados em dois volumes especiais
do Anuário da Produção Acadêmica Docente.
Um agradecimento especial a todos os professores-conteudistas do programa. Eles acreditaram
no curso com seus escritos, saberes e imagens. Não se pode medir o quanto seus ensinamentos
germinaram na prática docente desta casa educacional, mas os textos ora publicados certamente
apresentam-se como a ponta do iceberg de tudo que generosamente compartilharam, inclusive comigo.
Assim, a energia pontual dos tutores Claudia Santa, Emanuela de Oliveira e Gustavo Conde, bem como o
fôlego dos muitos orientadores virtuais de monografia.
Agradeço, ainda, ao Prof. José Luis Poli, quem colocou o PPCD aos cuidados do departamento de
Pós-Graduação e Extensão. À Universidade Anhanguera – Uniderp, nas figuras de Guilherme Marback,
Elizabeth Brunini, Janiel Romero, Juliana Costa e Silva, Ana Paula Melim e Terezinha Granja cujas
disposições foram imprescindíveis para certificarmos, pela primeira vez na história do grupo, as turmas
do PPCD. Ao Instituto de Pesquisas Aplicadas e de Desenvolvimento Educacional (IPADE), nas pessoas
de Adriano Thomaz e Marcelo Augusto Cicogna, hábeis em tornar visível e acessível toda a produção
acadêmico-científica da instituição. À Profa. Maria Elisa Carbonari que enxergou neste novo modelo de
capacitação docente também um foco de pesquisa. Ao prof. Antonio Carbonari Netto, incentivo vivo à
docência.

Prof. Dr. Pedro Marques


Supervisão de Educação e Humanas da Pós-Graduação e do PPCD

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº.5, Ano 2009

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 7 28/5/2010 09:57:28


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 8 28/5/2010 09:57:28
Anuário da Produção CIÊNCIA E CONHECIMENTO CIENTÍFICO1
Acadêmica Docente
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

RESUMO
Daniela Maria Cartoni
Anhanguera Educacional S.A. Fazer pesquisa é muito mais uma forma de “pensar metodologicamente” do
que um mero conjunto de normas acadêmicas. A atitude científica é uma
daniela.cartoni@unianhanguera.edu.br
precondição comportamental diante da produção de conhecimentos. Como
conseqüência, temos de pensar e raciocinar pelos parâmetros da ciência. É
neste sentido que o artigo propõe uma reflexão sobre os tipos de
conhecimento, postura científica e limites da ciência, os principais métodos
científicos e tipos de pesquisa.

Palavras-Chave: conhecimento científico; métodos científicos; classificação


da pesquisa.

ABSTRACT

To research is very much a way of “thinking methodologically” than a mere


set of academic standards. The scientific attitude is a precondition behavior
before the production of knowledge. As a consequence, we have to think
and reason by the parameters of science. In this sense, the article proposes a
reflection on the types of knowledge, attitude and scientific limits of science,
major scientific methods and types of research.

Keywords: scientific knowledge; scientific methods; classification research.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª aula da Disciplina Metodologia da Pesquisa Científica, ministrada
Desenvolvimento Educacional - IPADE
no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do Ensino
Informe Técnico Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 25/04/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 25/01/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
9

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 9 28/5/2010 09:57:28


10 Ciência e conhecimento científico

1. INTRODUÇÃO

A elaboração de um trabalho científico, um artigo, uma monografia ou uma tese, exige do


pesquisador trabalho intenso na busca de uma ou mais respostas ao problema proposto.
Tal busca, semelhante a uma “garimpagem” intelectual, denomina-se pesquisa. Todo o
processo do seu desenvolvimento é pautado em princípios metodológicos, que têm a
função de mostrar como andar no “caminho das pedras”, ajudá-lo a refletir sobre o objeto
escolhido e instigar um olhar indagador e criativo sobre o mundo.

A elaboração de um projeto de pesquisa é o primeiro passo no desenvolvimento


do processo de investigação e, para que este alcance resultados satisfatórios, é necessário
planejamento cuidadoso e, alicerçado em conhecimentos já existentes, reflexões
conceituais sólidas.

A pesquisa é um trabalho em processo não totalmente controlável ou previsível.


Como descreve Demo (1991), em sua origem, a palavra “metodologia” significa estudos
dos caminhos ou dos instrumentos utilizados para um trabalho científico. Não determina
uma única via, mas busca apresentar os caminhos possíveis do processo científico, como
problematizar criticamente, indagar sobre os limites da ciência e estabelecer um padrão de
inteligibilidade na apresentação da pesquisa.

Antes de tudo, é preciso esclarecer que o processo de investigação científica vai


além dos procedimentos normativos no formato de um manual a ser consultado e
seguido, quando necessário. Assim sendo, a tarefa seria demasiadamente simplificada.
Fazer pesquisa é muito mais uma forma de “pensar metodologicamente” e requer uma
precondição comportamental diante do científico e da produção de conhecimentos. Como
conseqüência, temos de pensar e raciocinar pelos parâmetros da ciência.

Adotar uma metodologia é escolher um caminho entre outros possíveis. Um


texto cientifico nunca é absoluto. Seu percurso, muitas vezes, requer ser reinventado a
cada etapa. Portanto, a “metodologia da pesquisa”:

• caracteriza-se pela proposta de discutir e avaliar as características


essenciais da ciência e de outras formas de conhecimento;
• traz instrumentos importantes para o planejamento da pesquisa,
apresentação de projetos e a execução dos mesmos;
• inclui também a elaboração de relatórios, defesas e divulgação dos
trabalhos de pesquisa embasados na ética profissional.

O importante é que se proceda de forma uniforme, mantendo os padrões


escolhidos do início ao término do trabalho, preservados os compromissos da
responsabilidade moral, finalidades da pesquisa e consciência do seu amplo valor social.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 10 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 11

2. CONSIDERAÇÕES SOBRE CONHECIMENTO, CIÊNCIA E PARADIGMA

Ao acordar pela manhã, um cidadão médio tem à sua disposição energia elétrica para
acender a luz e alimentar todos os seus equipamentos eletroeletrônicos incorporados ao
estilo de vida moderno: chuveiro, liquidificador, forno de microondas, geladeira, máquina
de lavar roupas, um computador, entre tantos outros.

Parece óbvio que para ter acesso a todos estes bens foi necessária uma condição
evolutiva. De fato, essas invenções e descobertas só puderam ser produzidas porque a
capacidade de gerar conhecimento é inerente à nossa natureza. O homem, buscando a
solução dos problemas e respostas para as adversidades que enfrenta, desencadeou um
processo crescente de desenvolvimento de tecnologia – o resultado do conhecimento
aplicado – explorando a atividade sobre a natureza, o sistema de relações sociais e
organizações políticas.

Neste sentido, a geração de conhecimento é muito mais que uma meta a ser
atingida. Deve ser compreendido como um processo sujeito a incidentes de percurso que,
por isso mesmo, promovem rupturas e reconstruções constantes nos conceitos e juízos
sobre a realidade, como destacou Khun (1962) ao tratar dos paradigmas científicos.

Apesar da descontinuidade linear dos paradigmas, tanto no sentido estrito como


epistemológico, como esforço de abstração para entender o desenvolvimento do
conhecimento desde os primeiros passos da humanidade, pode-se dizer que houve a
passagem por três fases: o medo, o misticismo e a ciência.

Na fase do medo, os seres humanos pré-históricos não conseguiam entender os


fenômenos da natureza e, por este motivo, suas reações eram pautas no temor do
desconhecido, como das tempestades e outras mudanças climáticas. Como não
conseguiam compreender o que se passava, a alternativa que restava era o espanto diante
do que presenciavam.

Já num segundo momento, a inteligência humana progrediu do medo para a


tentativa de explicação dos fenômenos através do pensamento mágico, das crenças e das
superstições. Assim, as tempestades podiam ser fruto da ira divina e a boa colheita da
benevolência dos mitos. Como estas explicações não bastavam, o homem evoluiu na
busca de respostas por meio de caminhos que pudessem ser comprovados. Nascia a
ciência metódica, que procura sempre uma aproximação com a lógica para refletir sobre o
significado de suas próprias experiências e pauta-se na capacidade de transmitir novas
descobertas aos seus descendentes.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 11 28/5/2010 09:57:28


12 Ciência e conhecimento científico

3. A EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO

As civilizações da Antiguidade desenvolveram saberes técnicos e invenções, que ainda


influenciam nosso cotidiano, desde conceitos relacionados à agricultura, arquitetura,
medicina e comunicação. Os egípcios, por exemplo, tinham conhecimento principalmente
nas áreas de matemática e geometria, mas foram os gregos com o desenvolvimento da
Filosofia provavelmente os primeiros a buscar o saber que não tivesse, necessariamente,
uma relação com atividade de utilização prática.

Ao longo do seu desenvolvimento, o conhecimento histórico da humanidade


sempre teve forte influência de crenças e dogmas religiosos, especialmente na Idade
Média. Segundo Cervo e Bervian (2006, p. 9),
[...] a ciência, nos moldes que conhecemos hoje, é relativamente recente. Foi somente na
Idade Moderna que adquiriu o caráter científico que tem atualmente. [...] A revolução
científica propriamente dita ocorreu nos século XVI e XVII, com Copérnico, Bacon e seu
método experimental, Galileu, Descartes e outros.

Foi no período do Iluminismo que se retomou o prazer de pensar e produzir o


conhecimento, quando os princípios de individualidade e razão ganharam espaço nos
séculos seguintes, a exemplo das obras clássicas de Adam Smith no campo da Economia e
a filosofia crítica de Emmanuel Kant. O francês René Descartes concebeu um modelo de
verdade incontestável – cujo símbolo maior é a frase “penso, logo existo” – pelo qual
mostrou ser a razão a essência dos seres humanos. Segundo o pensador, a verdade
poderia ser alcançada através de duas habilidades inerentes ao homem: duvidar e refletir.
Nesse mesmo período, surgiram proeminentes estudos no campo das ciências da natureza
que também irão influenciar profundamente o pensamento moderno.

O processo de “laicização da sociedade” já iniciado após o Renascimento


Cultural atribuiria importância fundamental para a ciência. A burguesia assumiu
autonomia no processo de estratificação social e estimulou características próprias de
pensamento, tendendo para um processo que tivesse imediata utilização prática e
propulsora do desenvolvimento econômico2.

O século XIX serviu como referência de desenvolvimento do conhecimento


científico em todas as áreas. Na Sociologia que ajudou criar, Auguste Comte desenvolveu
sua explicação de sociedade, criando o Positivismo; na Economia, Karl Marx procurou
explicar as relações sociais através das questões econômicas, resultando no Materialismo-

2 O pensamento burguês e os conceitos liberais aplicados à livre concorrência e ciência política expressaram-se pela

necessidade do povo eleger seus governantes através de livre escolha da vontade popular. Um dos primeiros pensadores
influenciados por esse conjunto de idéias foi o britânico John Locke. Segundo a sua obra Segundo Tratado sobre o Governo
Civil, o homem teria alguns direitos naturais como a vida, a liberdade e a propriedade. No entanto, os interesses de um
indivíduo perante o seu próximo poderiam acabar ameaçando a garantia de tais direitos. Foi a partir de então que o Estado
surgiria como uma instituição social coletivamente aceita na garantia de tais direitos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 12 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 13

Dialético; Charles Darwin revolucionou a Biologia e a Antropologia, contestando dogmas


de outrora.

No século XX, a ciência e seus métodos objetivos desenvolveram pesquisas em


todas as frentes do mundo físico e humano, atingindo um grau de precisão surpreendente
não somente na área de exploração espacial ou da medicina, como nos mais variados
setores da sociedade.

4. TIPOS DE CONHECIMENTO

A ciência, na condição atual, é o resultado de descobertas ocasionais, nas primeiras etapas,


e de pesquisas cada vez mais metódicas, nas etapas posteriores. O patamar recentes de
desenvolvimento foi resultante da evolução de técnicas, fatos empíricos e leis. Estes
formam o elemento de continuidade que, por sua vez, foi sendo aperfeiçoado e ampliado
ao longo da história da humanidade (CARRAHER, 1999).

O conhecimento, na sua forma mais simples, é aquele que advém da observação


e dos próprios sentidos, como sensações capitaneadas pelo nosso corpo físico. Uma
definição de conhecimento considera-o como resultado da relação que se estabelece entre
o sujeito que conhece (sujeito cognoscente) e um objeto a ser conhecido (sujeito
cognoscível), que pode ser um objeto físico inanimado como o próprio homem, suas
idéias, suas leis etc.

Cervo e Bervian (2006) destacam 4 níveis de conhecimento, a partir dos quais o


homem se apropria da realidade:

a) conhecimento empírico:

Erroneamente chamado vulgar ou senso comum, é adquirido pelo indivíduo na sua


relação com o ambiente, por meio da interação contínua, experiências vivenciadas ou na
forma de ensaios e tentativas, como investigações pessoais realizadas ao sabor das
circunstâncias da vida ou tradições da coletividade. Mesmo sem operacionalizar métodos
e técnicas científicas para construir o conhecimento, a pessoa comum tem o saber empírico
do mundo material exterior de forma empírica.

O senso comum ou conhecimento vulgar expressa-se na quantidade de


informações que são herdadas, repassadas e reconstruídas por nós sem uma
sistematização ou teorização. Em geral, convivem com inúmeras crenças e mitos vividos
pelo grupo social, sem teor crítico, transmitido pelas diferentes gerações. (MEZZAROBA;
MONTEIRO, 2006).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 13 28/5/2010 09:57:28


14 Ciência e conhecimento científico

b) conhecimento filosófico:

O conhecimento filosófico distingue-se do conhecimento científico pelo objeto de


investigação e pelo método. Enquanto na ciência os objetos são imediatos, próximos e
sensíveis, na indagação filosófica o objeto não está sujeito à experimentação, ou seja, são
de origem supra-sensível e ultrapassam a experiência.

Uma das características e a busca do significado das coisas na ordem geral do


mundo e refletir sobre estas além de sua aparência. Podemos aplicar a Filosofia a qualquer
área do conhecimento, inclusive sobre a própria ciência, seus métodos, valores e
pressupostos, quando então a chamamos de Epistemologia.

O refletir sobre o mundo muda os problemas ao longo do tempo e, com isso,


deslocam-se os temas de reflexão filosófica. Portanto, tudo pode ser objeto de reflexão do
conhecimento filosófico, como o mitológico, a arte, a vida e até o ato de conhecer em si. A
filosofia procura refletir sobre este saber, interroga-se sobre ele, problematiza-o.

c) conhecimento teológico ou religioso:

Este tipo de conhecimento trabalha no plano da fé e pressupõe a existência de forças que


estão além da capacidade de explicação do homem, como instâncias criadores de tudo o
que existe, incorporado ou não aos rituais sagrados.

Como destacam Mezzaroba e Monteiro (2006), a expressão revelação indica o


somatório de crenças nas quais se apóia a religião e, pela sua natureza, não podem ser
questionadas, o que as aproxima intimamente dos dogmas. Igualmente, há o termo
mistério, ou seja, tudo aquilo que está oculto, tudo aquilo que nossa inteligência é incapaz
de explicar ou compreender.

Constitui-se, portanto, no conjunto de verdades as quais as pessoas chegaram


não com o auxílio de sua inteligência, mas mediante a aceitação dos dados da revelação
divina. O conteúdo da revelação passa a ser considerado fidedigno com sinais de
autenticidade e verdade, passando a se estabelecer como verdades aceitas.

d) conhecimento científico:

O conhecimento científico vai além do empírico, visando compreender, além do fato e do


fenômeno, a sua estrutura, organização, funcionamento, causas e leis. Possui
características como ser geral, ou seja, universal e válida para todos os seres da mesma
espécie; seu intuito é constituir-se como método sistemático em busca de um
ordenamento das leis e princípios.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 14 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 15

A visão atual de conhecimento científico vai além da demonstração e


experimentação, evitando verdades imutáveis. A ciência é entendida hoje como uma
busca constante de explicações e soluções, de revisão e reavaliação dos resultados, apesar
de sua falibilidade e limites. É por meio destes conceitos, leis e teorias que se busca
compreender e agir sobre as coisas, como um processo dinâmico e em construção.

A ciência (epistéme) era entendida pelos gregos como um conceito flagrantemente


contrário ao conceito de opinião (doxa), como uma necessidade de depurar o científico do
meramente opinativo. O método aparece como o principal elemento distintivo do que
pode se definir como científico, ou seja, investigação lastreada metodologicamente e o que
se pode definir como opinativo e expressão do subjetivismo (ABBAGNANO, 2001).

5. O CONCEITO DE VERDADE E OS LIMITES DA CIÊNCIA

Tratar do conhecimento nos leva a discutir a problemática da verdade, já que se busca a


verdade sobre os fatos ou o conhecimento verdadeiro. A noção de “verdade” pode ser
entendida tanto como caráter lógico aposto à falsidade ou, por outro lado, algo que
guarda conformidade com a realidade e, neste sentido, seu oposto seria a ilusão, o irreal.

No que tange à ciência, aceita-se hoje que a verdade sobre os fatos ou a realidade
é transitória. Em um momento histórico que a verdade era o fato do Sol se mover ao redor
da Terra, fica evidente que as verdades são inoculadas por paradigmas e deve-se tomar
cuidado com os dogmatismos. Nesta perspectiva, uma atitude dogmática trata seus
objetivos de conhecimento a partir de pressupostos aceitos como verdadeiros, sendo as
leis apresentadas como dadas e acabadas, de certa forma uma indiferença com a realidade
externa3. Rompe-se com tal postura a partir do momento em que há capacidade de
estranhamento, indagação e questionamento sobre determinado fato, lei, objeto e
comportamento.

Um dos principais autores a defender a idéia de que o conhecimento é fruto de


rupturas epistemológicas é Kuhn (1962), em seu livro “A estrutura das revoluções
científicas”, quando introduz o conceito de paradigmas4. O paradigma traduz-se em uma
estrutura imaginária, modelo de pensamento próprio de cada época e produzido pela
experiência de mundo, pela linguagem própria do período e imposto a todos os domínios
do pensamento. No caso do paradigma cartesiano e a concepção de ciência desenvolvida

3 O perigo do dogmatismo se revelou em diversos episódios da história, como na Alemanha de Hitler e seus dogmas

arianos, na colonização da América e dominação da população indígena que era considerada pelos catequizadores como
desprovidos de alma.
4 Paradigma pode ser analisado semanticamente como toda a constelação de crenças, valores e técnicas compartilhados por

membros de um dado agrupamento em determinado momento histórico e, na verdade, são de origem social e cultural.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 15 28/5/2010 09:57:28


16 Ciência e conhecimento científico

por Newton, apesar de primordiais na era industrial moderna, o princípio norteador era
de que o mundo é um grande sistema mecânico, acabado, previsível e
independentemente do homem, cuja missão da ciência era descobrir seu funcionamento,
medi-lo e dominá-lo.

Kuhn constatou que, quando um paradigma é aceito pela maioria da


comunidade científica, acaba, por conseguinte, impondo-se como modo obrigatório de
abordagem dos problemas. Assim, um novo paradigma só pode surgir com a mudança
das velhas crenças e formas de pensar, como aconteceu quando Copérnico conseguiu
provar que a Terra não era o centro do universo, ou Einstein descobriu que uma coisa
pode estar ou não no mesmo lugar no espaço de acordo com o ponto de vista.

Morin (1990) alerta para o fato de que os paradigmas são ocultos, governam
nossas ações, nossa visão de mundo e das coisas; sem que tenhamos consciência como
princípios supralógicos de organização de pensamento.

Ainda como destacam Mezzaroba e Monteiro (2006, p.17), “as limitações mais
sérias que encontramos no processo de busca do conhecimento verdadeiro estão nas
velhas crenças paradigmáticas conscientes ou inconscientes que predefinem nossas
percepções e formas de pensar.”

Neste sentido, o avanço somente é possível porque algumas crenças ou


procedimentos anteriormente aceitos estão sendo descartados e, ao mesmo tempo,
substituídos por outros. Se todo processo de mudança traz insegurança, esta é resultado
do fracasso constante da ciência em produzir resultados esperados, mas simultaneamente
o estímulo para estabelecer/buscar novas regras e renovação dos instrumentos. Alertam
Diehl e Tatim (2004), “por isso mesmo o termo crise deve ser usado como parâmetro de
mudança implícito no conhecimento e como radicalização dos princípios epistemológicos
da ciência moderna”.

A crise é uma característica da ciência moderna. O processo de mudança dá


destaque à ética e epistemologia para as reflexões e estabelecimento de parâmetros das
práticas científicas. Sempre que limites são rompidos ou ameaçados em qualquer
disciplina científica, a ética é trazida ao debate para chamar a atenção da consciência dos
cientistas e das instituições para a necessidade de diálogo, meio de equilibrar os anseios
da comunidade acadêmica e os valores da sociedade. Por seu lado, a epistemologia ganha
importância à medida que o debate passa a vasculhar os critérios de verdade dos
discursos sobre natureza e suas transformações.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 16 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 17

6. VERDADE E INCERTEZA

É preciso recusar a idéia sedutora de que a ciência busca a verdade e a descrição da


realidade em seus aspectos universais. Sendo assim, seria muito mais simples a discussão
sobre as implicações da pesquisa científica. Em outras palavras, como destacam Diehl e
Tatim (2004),
[...] a ciência lida com fenômenos complexos, realidades caóticas e com incertezas. De
certa forma, por meio da ciência, procuramos ordenar esses fenômenos e explicá-los
racionalmente. Surge daí o cuidado que devemos ter sempre que afirmamos ou negamos
algo. Assim é que se explica o fato de que os textos científicos, mesmo bem
fundamentados em termos de conceituação teórica, metodologia, pesquisa bibliográfica
e empírica, possuem uma estrutura de erudição. Essa erudição compreende o sistema de
citações e o respaldo em pesquisas anteriores.

Nesta perspectiva, os autores destacam a consciência do pesquisador da


relatividade dos fenômenos e de que a sua representação em um texto científico nunca é
absoluta, já que a ciência, apesar de se caracterizar como universal e racional, nunca é
definitiva. Continuam os autores:
[...] é justamente essa constante mudança que está sujeita a ciência que torna as
conclusões não totalmente falsas ou verdadeiras, mas sim que algumas sejam mais
prováveis que outras, dependendo do grau de fundamentação teórica, do arsenal
metodológico e da pesquisa empírica. Mesmo cientes de que dificilmente chegaremos à
verdade absoluta dos fenômenos analisados, devemos fazer um esforço para não nosso
deixar levar pela subjetividade de posições e opções pessoais.

7. CRITÉRIOS DE CIENTIFICIDADE

Embora não haja uma definição única de ciência, ela pode ser definida genericamente a
partir de sua característica mais comum: o processo de produção de conhecimento. Pode
ser entendida, nesse sentido, como um conjunto de métodos lógicos e empíricos que
permitem a observação sistemática de fenômenos, a fim de compreendê-los e estabelecer
padrões regulares que seguem.

A ciência é uma forma de proceder que busca: a) responder questionamentos; b)


solucionar problemas; c) desenvolver de modo mais efetivo os procedimentos para
responder as questões e de solucionar problemas. Para Cervo e Bervian (2002), ciência é a
“busca constante de explicações e de soluções, de revisão e de reavaliação de seus
resultados, apesar de sua falibilidade e de seus limites”.

Conhecimento, do ponto de vista científico, é tanto o reflexo quanto a produção


de determinado objeto em nossa mente. Deste processo de conhecimento participam tanto
a razão quanto os sentidos e a intuição. O conhecimento científico pode ser definido como
conhecimento racional e sistemático da realidade. Sua origem está nos procedimentos de
verificação baseados na metodologia científica. Conforme já exposto, o conhecimento

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 17 28/5/2010 09:57:28


18 Ciência e conhecimento científico

científico “não é considerado como algo pronto, acabado ou definitivo”, mas como busca
e revisão constantes dos conhecimentos existentes.

O processo de conhecimento tem a função precípua de levar o homem da


ignorância para a sabedoria, do senso comum para o senso crítico5. Aquele que se dedica a
esse estudo sistematizado da realidade e da ciência é denominado de pesquisador,
tornando-se produtor e não apenas consumidor do conhecimento, deixando de aceitar
passivamente as idéias dos outros (CHAUÍ, 2007).

Ao tratar do processo de investigação científica é importante citar-se o critério da


“falseabilidade”, sugerido por Karl Popper6 para a aceitação de generalizações empíricas.
Segundo ele, uma teoria científica é válida quanto mais estiver aberta a fatos novos que
possam tornar falsos os princípios e conceitos em que se baseava. Assim, o valor de uma
teoria mede-se não pela sua verdade, mas pela possibilidade de ser falsa. A falseabilidade
garantiria a idéia do progresso científico.

Em outras palavras, o Critério da Falseabilidade é o critério sugerido, segundo


Popper, o qual “exclui aqueles modos de evadir a falsificação logicamente admissíveis”.
Desse ponto de vista, as asserções empíricas são decididas apenas em um sentido, isto é,
no sentido da falsificação, e podem ser submetidas à prova só por tentativas sistemáticas
de colhê-las em erro. Desse modo, o problema da indução e da validade das leis da
natureza desaparece.

Segundo Umberto Eco (2006), um estudo é científico quando responde aos


requisitos7:

a) O estudo debruça-se sobre um objeto reconhecível e definido de tal maneira que


seja igualmente reconhecível pelos outros. Destaca-se que o termo objeto não tem
necessariamente um significado físico. Por exemplo: a raiz quadrada é um objeto
sem que a tenham visto ou as classes sociais são objetos mesmo que alguns
possam alegar que só se conhecem indivíduos ou médias estatísticas e não
classes propriamente ditas. Estabelecer o objeto significa definir as condições
sobre as quais trataremos com base em que regras que estabelecemos ou outros
estabeleceram anteriormente.
b) O estudo deve dizer do objeto algo que ainda não foi dito ou rever sob uma ótica
diferente do que foi dito. Como exemplo, um trabalho matematicamente exato
visando demonstrar com métodos tradicionais o teorema de Pitágoras não seria
científico, uma vez que nada acrescentaria ao já sabido. Mesmo um trabalho de

5 De acordo com Carraher (1999, p. 14), “[...] a pessoa com senso crítico levanta dúvidas sobre aquilo em que comumente se

acredita, explora rigorosamente alternativas através da reflexão e avaliação das evidências, com a curiosidade de quem
nunca se contenta com o seu estado atual de conhecimento.”
6 Karl Popper nasceu em 1902, em Viana e se tornou um dos mais conhecidos filósofos da ciência, especialmente pela sua

obra “A lógica da descoberta científica” (1935).


7 É sempre mais fácil dizer o que não seria ciência. Simplificadamente, não são ciência a ideologia e o senso comum.

Todavia, não há limites rígidos entre tais conceitos, pois a ciência está cercada de ideologia e senso comum, não apenas
como circunstâncias externas, mas como algo que está inerente ao próprio processo científico, já que o conhecimento
desenvolvido é historicamente contextualizado.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 18 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 19

compilação pode ser cientificamente valioso na medida em que a pesquisa


reuniu e relacionou de modo orgânico e criativo as opiniões já expressas por
outros sobre o tema.
c) O estudo deve ser útil aos demais. A importância de um trabalho acrescentar
algo àquilo que a comunidade já sabia reflete a função social da pesquisa em
melhorar as condições de vida, a libertação moral e política de povo, o domínio
de uma tecnologia e sua aplicação prática.
d) O estudo deve fornecer elementos para verificação e contestação das hipóteses
apresentadas e, portanto, para uma continuidade pública. Este requisito é
fundamental para o progresso da ciência e validação dos resultados,
questionando procedimentos e a própria ética da verificação dos dados.
Como demonstrou Eco (2006), é possível desenvolver uma tese “científica”
mesmo sem utilizar logaritmos e provetas.

8. POSTURA CIENTÍFICA, LIMITES DA CIÊNCIA E QUALIFICAÇÃO DO


PESQUISADOR

Um dos grandes pilares científicos é a busca de neutralidade e imparcialidade. É sabido


que, para se fazer uma análise desapaixonada de qualquer tema, é necessário que o
pesquisador mantenha certa distância emocional do assunto abordado. Mas será isso
possível? Seria possível um padre, ao analisar a evolução histórica da Igreja, manter-se
afastado de sua própria história de vida? Ou ao contrário, um pesquisador ateu abordar
um tema religioso sem um conseqüente envolvimento ideológico nos caminhos de sua
pesquisa?

Provavelmente a resposta seria não. Mas, ao mesmo tempo, a consciência desta


realidade pode nos preparar para trabalhar esta variável de forma que os resultados da
pesquisa não sofram interferências além das esperadas. É preciso que o pesquisador tenha
consciência da possibilidade de interferência de sua formação moral, religiosa, cultural e
de sua carga de valores para que os resultados da pesquisa não sejam influenciados por
eles além do aceitável.

Alguns atributos pessoais são desejáveis para um bom pesquisador. Para Gil
(1999), um bom pesquisador precisa, além do conhecimento do assunto, ter curiosidade,
criatividade, integridade intelectual e sensibilidade social. São igualmente importantes a
humildade para ter atitude autocorretiva, a imaginação disciplinada, a perseverança, a
paciência e a confiança na experiência.

Atualmente, o sucesso como pesquisador está cada vez mais vinculado a sua
capacidade de captar recursos, enredar pessoas para trabalhar em sua equipe e fazer

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 19 28/5/2010 09:57:28


20 Ciência e conhecimento científico

alianças que proporcionem os recursos necessários para o desenvolvimento de sua


pesquisa.

a) Tendências e Preferências Pessoais. O pesquisador deve escolher um


assunto correspondente ao seu gosto pessoal que sejam preferencialmente
na sua área de atuação. Deve ter empenho e perseverança no sentido de
vencer os obstáculos.
b) Tempo. Antes do problema da escolha do assunto é importante considerar
o tempo disponível e o tempo necessário para levar a bom termo esta ou
aquela pesquisa. É bem verdade que o entusiasmo e a aptidão multiplicam
da eficácia do trabalho, mas não se pode optar por um assunto que exige
muito mais tempo de pesquisa do que dispõe o pesquisador.
c) Relevância da pesquisa. O pesquisador imbuído do espírito científico não
cede à tentação e ao comodismo de escolher assuntos pela sua aparente
facilidade. Ao contrário, procura assuntos cujo estudo e aprofundamento
possam trazer contribuição efetiva para o próprio amadurecimento
cultural, para esclarecer melhor determinado problema ao corrigir uma
falsa interpretação ou, ainda, aprimorar a definição de um conceito
ambíguo. Tais ações visam ao aprofundamento sobre o tema dado sua
relevância pelo conteúdo e pela sua atualidade.
O título ou rótulo de “ser cientista” é factível àquele que, de alguma forma,
cultiva esses conhecimentos e possui atitude científica. Para além da figura estereotipada
do pesquisador, fazer ciência não é privilégio de um tipo particular de pessoa, povo ou
cultura.

Pouco adianta o conhecimento e o emprego de técnicas metodológicas sem o


rigor e seriedade que a pesquisa exige. Segundo Cervo e Bervian (2006, p. 13),
[...] a postura científica é, antes de tudo, uma atitude ou disposição subjetiva do
pesquisador que busca soluções sérias, com métodos adequados para o problema que
enfrenta. Esta postura não é inata da pessoa; ao contrário, é desenvolvida ao longo da
vida, à custa de muito esforço e de uma série de exercícios. Ela pode e deve ser
aprendida. Na prática, é expressão de uma consciência crítica, objetiva e racional.

A consciência crítica que levará o pesquisador a aperfeiçoar seu julgamento e


discernimento, separando o essencial do superficial como habilidade para analisar e
criticar, permite avaliar os elementos em questão, sendo crítica não sinônimo de negativa,
mas antes uma tomada de posição que impede a aceitação do que é superficial e não
suscetível a provas. Ainda para Cervo e Bervian (2006, p. 14),
[...] a postura científica implica ações racionais: as razões explicativas de uma questão só
podem ser intelectuais e racionais. As razões que a razão desconhece, as razões da
arbitrariedade, do sentimento e do coração nada explicam ou justificam o campo da
ciência.

Como qualidades a serem desenvolvidas, destacam-se a objetividade e


imparcialidade. Em relação à primeira, o que vale não é o que o pesquisador pensa e sim o
que é de fato o objeto de estudo, escolhido de modo que outros possam repetir a
experiência, em qualquer tempo, e o resultado será sempre o mesmo. Nada impede que o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 20 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 21

cientista parta de suas próprias vivências ou reflexões para elaborar suas hipóteses
explicativas, porém o resultado deriva da análise impessoal dos resultados obtidos.

Já o segundo aspecto exige a obediência escrupulosa à verdade e limites éticos.


Cultiva a honestidade, evita o plágio, pois respeita o que os outros plantaram e tem horror
à acomodação diante dos obstáculos de uma pesquisa.

A pesquisa exige esforço e dedicação, sem se resumir ao esforço isolado de um


gênio que faz descobertas decisivas. Conta com a mobilização de uma comunidade de
técnicos e pesquisadores que trabalham de forma disciplinada e comprometida em busca
do seu crescimento profissional, da colaboração para o desenvolvimento da ciência como
um todo.

9. O TRABALHO CIENTÍFICO E SUA AVALIAÇÃO

O trabalho científico, propriamente dito, deve ser avaliado pela sua qualidade temática e
pela sua qualidade formal. A qualidade temática (ou política) refere-se fundamentalmente
aos conteúdos, aos fins e à substância do trabalho científico. Já a qualidade formal diz
respeito aos meios e formas usados na produção do trabalho. Refere-se ao domínio de
técnicas de coleta e interpretação de dados, manipulação de fontes de informação,
conhecimento demonstrado na apresentação do referencial teórico e apresentação escrita
ou oral em conformidade com os ritos acadêmicos (DEMO, 1991).

Ressalta-se que o papel do cientista é estudar, pesquisar, sistematizar, teorizar


sem, contudo, intervir, influenciar, tomar posição no sentido de apenas comprovar seu
ponto de vista, sua maneira de conceber a realidade. A qualidade do pesquisador também
está em ser competente formalmente.

Detalhando os critérios que caracterizam um trabalho cientifico, Demo (1989)


divide-os em internos e externos. Entre os critérios internos, cita:

Coerência – significa sua propriedade lógica, ou seja: não contradição;


argumentação bem estruturada; corpo sistemático e bem deduzido de enunciados;
desdobramento do tema de modo progressivo e disciplinado (com começo, meio e fim) e
dedução lógica de conclusões.

Consistência – significa a capacidade de resistir a argumentações contrárias;


difere da coerência porque esta é estritamente lógica, enquanto a consistência se liga
também à atualidade da argumentação. Exemplo: dos livros produzidos num ano, apenas

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 21 28/5/2010 09:57:28


22 Ciência e conhecimento científico

alguns sobrevivem, também como dos autores que se tornam clássicos, porque produzem
estilos consistentes de argumentação, tanto no sentido lógico como na atualidade.

Objetivação – significa a tentativa – nunca completa – de descobrir a realidade


social assim como ela é, mais do que como gostaríamos que fosse. Como não há
objetividade (ou seja, o conhecimento objetivo – imparcial e com total verossimilhança em
descrever o fenômeno), substitui-se pelo de objetivação.

Entre os critérios externos é fundamental a intersubjetividade, significando a


opinião dominante da comunidade científica em determinada época e lugar. É externo
porque a opinião é algo atribuído de fora, por mais que provenha de um especialista8.
Aqui transparece a marca social do conhecimento. Em si, o científico deveria ligar-se
apenas a critérios de propriedade interna.

Destacam-se outros elementos relevantes para a avaliação de um trabalho


científico:

• Observação das normas técnicas e científicas: este quesito para avaliação


de trabalhos relaciona-se diretamente com a observância dos critérios
técnicos estabelecidos pela ABNT e as normas de comunicação científica
sobre documentação e da padronização metodológica: capa, folha de
rosto, formatação, paginação, numeração, abreviaturas, tabelas, citações,
bibliografia, siglas, equações matemáticas, etc.
• Aspecto estrutural do trabalho: o trabalho deve apresentar clara
delimitação do tema, objetivos geral e específico, justificativas,
metodologia, sumário, resumo, citações no texto.
• Qualidade da redação e organização do texto: este é o quesito mais auto-
explicativo do conjunto. Sugere-se considerar nesta avaliação: a) A
qualidade formal da redação - sua ortografia e gramática. b) A
organização do texto - sua objetividade, lógica e estrutura. Enfim, o
“texto” é apropriado à transmissão de conhecimento científico?
• Originalidade do trabalho e relevância do tema: a originalidade do
trabalho pode ser interpretada de diversas maneiras. Deve-se observar
que até mesmo um trabalho sobre um tema tão antigo e clássico como,
por exemplo, o Estado Democrático de Direito pode, em tese, ser original,
já que pode trazer novas evidências empíricas, novas articulações teóricas
ou mesmo questões ainda não respondidas por correntes ou escolas de
pensamento emergentes. Por outro lado, um tema relevante é, em
princípio, aquele que tem implicações significativas sobre seu campo de
conhecimento ou para a sociedade e, em particular, sobre as práticas
organizacionais, podendo, portanto, ser função de um contexto.
• Clareza, pertinência e consecução dos objetivos: este quesito para
avaliação de trabalhos relaciona-se essencialmente aos objetivos de cada
trabalho. Para tanto, analisa-se: a) Os objetivos são colocados claramente
no trabalho? b) Os objetivos expressam claramente e justificam o
problema da pesquisa? c) De que forma pretende atingir os objetivos? d)

8 Daí decorrem outros critérios externos, como a comparação crítica, a divulgação, o reconhecimento generalizado etc.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 22 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 23

Os objetivos foram atingidos? Se não o foram, há razões justificáveis para


isso?
• Consistência teórica do trabalho: este quesito visa avaliar a coerência com
que se utiliza uma teoria ao longo de um dado trabalho ou,
eventualmente, de como se utiliza um conjunto de diferentes teorias,
correntes teóricas ou escolas de pensamento. Neste caso, esta consistência
pode provir da compatibilidade natural entre as escolas de pensamento
utilizadas ou das evidências deixadas pelo autor das limitações,
delimitações e considerações necessárias à coerente compatibilização das
mesmas.
• Metodologia: via de regra, a boa metodologia é um caminho adequado
para responder ao problema de pesquisa, devendo assegurar coerência
em suas etapas e partes. As metodologias não são universais, assim
sendo, a avaliação quanto à adequação das mesmas deve considerar seu
contexto. Seguem-se dois exemplos: a) O primeiro é típico dos trabalhos
quantitativos, e decorrente da popularização de softwares estatísticos. b)
No que tange aos trabalhos qualitativos, é comum o uso de percepções
pessoais de indivíduos entrevistados, em estudos de caso, como sendo
significativos ou representativos de uma coletividade ou organização
como um todo, sem a apresentação de qualquer evidência dessa
representatividade.
• Análise de resultados e informações - articulação teórica e metodológica
da interpretação: os resultados de estudos científicos costumam ser
analisados frente a teorias ou outras considerações não empíricas. Esta
combinação não deve ser aleatória nem desconexa, mas sim guardar
características de adequada articulação entre um e outro campo. Neste
quesito avalia-se a harmonia entre resultados, teoria e metodologia de
pesquisa.
• Conclusões: avalia-se primeiramente se o trabalho propicia fundamentos
consistentes às conclusões do autor. Deve-se considerar se as conclusões
são coerentes entre si e com o quadro teórico de referência utilizado, se
tem alcance compatível com a análise efetuada e, se for o caso, com a
amostra estudada para os trabalhos de campo. Freqüentemente
observam-se trabalhos com conclusões tímidas e acanhadas, que ficam
aquém do que seria possível e, em outros casos, conclusões que vão além
do que permitiria a análise das observações que as originaram.

10. A PESQUISA E O MÉTODO CIENTÍFICO

A investigação científica depende de um método, ou seja, “um conjunto de procedimentos


intelectuais e técnicos” para que seus objetivos sejam atingidos (GIL, 1999). Trata-se da
linha de raciocínio adotada no processo de pesquisa ou, em outras palavras, a maneira
como serão resolvidos os problemas de pesquisa, de forma lógica e pautada nos conceitos
da ciência. Os métodos científicos pressupõem ao menos uma forma de organização do
raciocínio que será empregada na pesquisa. A partir dela, o pesquisador opta pelo alcance
da sua investigação, pelas premissas explicativas e validade de suas generalizações.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 23 28/5/2010 09:57:28


24 Ciência e conhecimento científico

Se o que distingue o conhecimento científico dos outros conhecimentos é a


possibilidade de verificação dos seus resultados, é o método científico que permite sua
comprovação, pois identifica clara e objetivamente os raciocínios e técnicas utilizados.
Segundo Mezzaroba e Monteiro (2006, p.30),
[...] quando sabemos exatamente qual foi o caminho seguido na pesquisa, podemos
proceder com exatidão à verificação dos passos percorridos até o resultado final. Esse
caminho seguido, o roteiro seguro que guia o cientista em suas investigações é o método
por ele utilizado.

Embora não seja a intenção fazer a história do método na literatura filosófica, é


importante a breve reflexão acerca de seus conceitos fundadores e seus desdobramentos
para a pesquisa, dos quais se destacam os autores (ABBAGNANO, 2001):

• Pitágoras e o método hermético, em que a religião, metafísica e


numerologia se confundem (compreensão da essência das coisas do
número)
• Sócrates e o método maiêutico, associado ao diálogo e ironia, pois, se o
conhecimento está na alma, é dela que se deve extrair o conhecimento por
meio da parturição das idéias.
• Platão e o método idealista, segundo o qual o conhecimento da verdade
depende da oposição entre a Realidade das Idéias (Ideal) e a falsa
realidade das idéias, na Realidade das Coisas (Terreno).
• Aristóteles e o seu método que buscava o conhecimento empiricamente
extraído do contato sensível das coisas existentes, pois o homem é uma
tabula rasa na qual se imprimem os conhecimentos humanos a partir da
experiência.
• Escola Patrística ou Escolástica na Idade Média, com a valorização da
contemplação e da revelação divina.
• Descartes e o seu Discurso sobre o Método, pregando a abolição do
dogmatismo e a necessidade de matematização da ciência.
• Bacon e o seu Novum Organum, difusor do empirismo experimental como
método científico, base da ciência moderna na formulação de hipóteses e
experimentação.
• Popper e a ruptura com o logicismo, propondo uma reflexão sobre a
testabilidade das ciências e crítica ao empirismo.

Para a categorização dos métodos, nos ateremos aos métodos:

a) dedutivo: o raciocínio parte de uma proposição abstrata parra construir


uma proposição discursiva concreta;
b) indutivo: o raciocínio parte de uma proposição concreta para construir a
proposição discursiva abstrata;
c) hipotético-dedutivo: formulação de hipóteses, das quais deduzem-se
conseqüências que deverão ser testadas ou falseadas;
d) dialético: questionamento a partir da análise dos opostos e alcance da
síntese.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 24 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 25

Quadro 1 – Definição e características dos métodos.


Método Definição Características
Indutivo Extração discursiva do conhecimento a partir de Procede do particular para o geral
evidências concretas, passíveis de generalização.
Dedutivo Extração discursiva do conhecimento a partir de Procede do geral para o particular.
premissas gerais aplicáveis a hipóteses concretas.
Hipotético-dedutivo Pressuposto de que os conhecimentos disponíveis Procede pela formulação de
sobre determinado assunto são insuficientes para hipóteses, das quais deduzem-se
a explicação de um fenômeno. Para explicá-lo são conseqüências que deverão ser
formuladas conjecturas ou hipóteses. testadas ou falseadas.
Dialético Corresponde à apreensão discursiva do Procede de modo crítico,
conhecimento a partir da análise e interposição de ponderando polaridades opostas,
elementos diferentes até o alcance da síntese.
Fonte: Adaptado de Bittar (2001).

10.1. Método Indutivo

Método proposto pelos empiristas Bacon, Hobbes, Locke e Hume. Considera que o
conhecimento é fundamentado na experiência e o método permite analisar o objeto para
tirar conclusões gerais ou universais.

No raciocínio indutivo, a generalização deriva de observações de casos da


realidade concreta. As constatações particulares levam à elaboração de generalizações.
Veja um clássico exemplo de raciocínio indutivo formal:

Terra, Marte, Vênus e Saturno são todos planetas.

Ora, Terra, Marte, Vênus e Saturno não têm luz própria.


Logo, os planetas não têm luz própria.

O raciocínio indutivo permite chegar a conclusões mais amplas do que o


conteúdo estabelecido pelas premissas nas quais está fundamentado. Outro exemplo:

Um dos papéis do Direito é proteger a criança, o incapaz, o cidadão perante o


poder estatal, o consumidor perante a empresa comercial.

Logo, um dos papéis do Direito é velar pela proteção de pessoas fracas.

Os argumentos do tipo indutivo levam a resultados plausíveis, mas não dotados


do rigor que a Lógica chama de “conclusões necessárias”.

Outro exemplo considerando o raciocínio do tipo indução científica como o


movimento do pensamento que via de uma ou várias verdades singulares a uma verdade
mais universal (lei), temos que certo número de vezes o óxido de carbono paralisa os
glóbulos sanguíneos; desta observação infere-se que sempre dadas as mesmas condições,
o óxido de carbono paralisará os glóbulos sanguíneos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 25 28/5/2010 09:57:28


26 Ciência e conhecimento científico

Pensando em uma situação em que os jornais dão cobertura a um grande caso de


corrupção de um importante magistrado nacional. O cidadão leigo e no uso do senso
comum pensaria: “Se o juiz “X” é corrupto, logo todos os juízes também são.” Mas é
importante perceber que, mesmo sendo o raciocínio indutivo responsável por
generalizações, ele tem um papel importante no desenvolvimento científico,
especialmente nas ciências experimentais como acima apresentado. Nas pesquisas
farmacêuticas, no caso da descoberta da penicilina, tivemos um caso de indução. Por
exemplo, se há um processo de busca de remédio para determinada doença e acaba-se
descobrindo uma substância “Y” que tem a capacidade de regenerar alguns tipos de
células doentes. A partir daí pode-se induzir que aquele princípio químico pode regenerar
qualquer célula e concentrar a pesquisa na cura para o câncer.

10.2. Método Dedutivo

Método proposto pelos racionalistas Descartes, Spinoza e Leibniz que pressupõe que só a
razão é capaz de levar ao conhecimento verdadeiro. O raciocínio dedutivo tem o objetivo
de explicar o conteúdo das premissas gerais para argumentos particulares.

Por intermédio de uma cadeia de raciocínio em ordem descendente, de análise


do geral para o particular, chega a uma conclusão. Usa o silogismo, construção lógica
para, a partir de duas premissas, retirar uma terceira logicamente decorrente das duas
primeiras, denominada de conclusão. Veja um clássico exemplo de raciocínio dedutivo:

Todo homem é mortal. ...........................................(premissa maior)

Pedro é homem. .....................................................(premissa menor)

Logo, Pedro é mortal. .............................................(conclusão)

A questão fundamental da dedução está na relação lógica estabelecida entre as


proposições apresentadas, a fim de não comprometer a validade da conclusão. Aceitando
as premissas como verdadeiras, as conclusões também o serão.

Se por um lado o método dedutivo leva o investigador do conhecido para o


desconhecido com uma pequena margem de erro, por outro lado há limitação, pois sua
conclusão não pode em hipótese alguma ultrapassar o conteúdo enunciado nas premissas.

Vejamos uma comparação entre o método dedutivo e indutivo no Quadro 2.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 26 28/5/2010 09:57:28


Daniela Maria Cartoni 27

Quadro 2 – Comparação entre métodos dedutivo e indutivo.


Raciocínio dedutivo Raciocínio indutivo
Premissa maior: Os leões são carnívoros Foi observado em leões o comportamento alimentar carnívoro.
Premissa menor: King é um leão. Logo, todos os leões são carnívoros.
Conclusão: Logo, King é carnívoro.

Destaca-se que na dedução a certeza das premissas é transferida para a conclusão


em virtude do uso correto das regras lógicas, enquanto na indução uma vez as premissas
consideradas verdadeiras, a conclusão será igualmente verdadeira.

10.3. Método Hipotético-Dedutivo

Proposto por Popper, consiste na adoção da seguinte linha de raciocínio, descrita por Gil
(1999): “quando os conhecimentos disponíveis sobre determinado assunto são
insuficientes para a explicação de um fenômeno, surge o problema. Para tentar explicar as
dificuldades expressas no problema, são formuladas conjecturas ou hipóteses”.

Das hipóteses formuladas, deduzem-se conseqüências que deverão ser testadas


ou falseadas (isto é, tornar falsas as conseqüências deduzidas das hipóteses). Enquanto no
método dedutivo se procura a todo custo confirmar a hipótese, no método hipótetico-
dedutivo, ao contrário, procuram-se evidências empíricas para derrubá-las. Ele tem em
comum com o método dedutivo o procedimento racional que transita do geral para o
particular e, com o método indutivo, o procedimento experimental como condição
fundante.

Karl Popper, em 1934, em sua obra A lógica da pesquisa científica, promoveu uma
crítica ao método indutivo, afirmando que a ciência somente é capaz de fornecer soluções
temporárias para os problemas que enfrenta. Assim, as teorias científicas e seus
problemas são viáveis de análise por meio de hipóteses (conjecturas) para promovê-las a
um rigoroso processo de falseabilidade, ou seja, a verificação empírica de modo a
corroborá-las ou refutá-las.

10.4. Método Dialético

Fundamenta-se na dialética proposta por Hegel, na qual as contradições transcendem-se


dando origem a novas contradições que passam a requerer solução. É um método de
interpretação dinâmica e totalizante da realidade. Coloca que os fatos não podem ser
considerados fora de um contexto social, político, econômico etc. Segundo Marconi e
Lakatos (2001), é empregado em pesquisas qualitativas.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 27 28/5/2010 09:57:29


28 Ciência e conhecimento científico

Encontramos entre os filósofos gregos (Sócrates, Platão e Aristóteles) a dialética


representativa da “arte do diálogo”, especialmente como técnica de argumentar e contra-
argumentar sobre assuntos, cuja demonstração ocorre por meio de raciocínios analíticos.
As opiniões e diferenças de opinião poderiam ser consideradas racionais desde que
fundamentadas em uma argumentação consistente, isto é, para que algo se mostre real e
verdadeiro é necessário que seja confrontado com suas possibilidades contraditórias
(antíteses).

Hegel, pensador alemão do século XIX, definiu o raciocínio dialético da seguinte


forma:

Tese (uma pretensão de verdade) Æ Antítese (a tese negada) = Síntese (o resultado do


confronto) / A síntese é uma nova tese.

A concepção hegeliana de dialética, que depois seria usada por outros teóricos
como Karl Marx para elaborar a teoria do Materialismo Dialético, pressupõe que o objeto
pode se auto-superar mediante o confronto com seu contraditório, vindo a ser
inteiramente outro como resultado de si mesmo. Trata-se de um método dinâmico,
altamente sofisticado de raciocinar, pois supõe a transformação e superação como uma
nova proposição.

10.5. Método Fenomenológico

O método fenomenológico baseia-se na investigação de fenômenos humanos, tais como


vividos e experimentados pelo indivíduo, ou seja, examina a realidade a partir da
perspectiva de primeira pessoa.

Como reação ao positivismo e idealismo do século XIX, um dos principais


expoentes deste método é o filósofo alemão Edmund Husserl. Propõe uma análise da
“essência” e das coisas como elas se manifestam, que têm relação com o cotidiano e a
“intencionalidade”, ou seja, a consciência em compreender o mundo.

Mediante a intencionalidade, todos os atos, gestores e ações humanas têm um


significado e este deve ser apreendido pela percepção do indivíduo em sua totalidade. As
reflexões sobre o caráter originário do fenômeno, para este método, partem de uma
rigorosa descrição das idéias e atitudes cognitivas ante o fenômeno.

Na prática da fenomenologia efetuam-se as estratégias de coleta de dados


(entrevistas não diretivas e descrição oral das experiências do sujeito) e estratégias de
apresentação de resultados (descrição com as palavras na forma como usadas pelo
sujeito).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 28 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 29

11. CLASSIFICAÇÃO DA PESQUISA

Sinteticamente, pesquisa é um conjunto de ações, propostas para encontrar a solução para


um problema, que têm por base procedimentos racionais e sistemáticos. A pesquisa é
realizada quando há um problema e não se tem informações para solucioná-lo.

Trata-se de atividade de combinação particular entre teoria e dados que compõe


um processo intrinsecamente inacabado e permanente, resultado de uma realidade que
nunca se esgota. É a realização concreta de uma investigação planejada, desenvolvida e
redigida de acordo com as normas da metodologia consagradas pela ciência.

Há diferentes formas de classificar a pesquisa, definidos essencialmente pelo


tratamento que se dá ao problema: quanto à sua natureza, abordagem do problema ou
procedimentos.

a) No que se refere à classificação da pesquisa quanto à natureza, ela pode ser organizada
em:

Pesquisa bibliográfica

A pesquisa bibliográfica procura analisar e conhecer as contribuições culturais ou


científicas existentes sobre um determinado assunto, explicando um problema a partir
desse levantamento. Estuda teorias, correlaciona conceitos e formula quadros de
referência, pautada em dados secundários.

Cabe lembrar que, em qualquer área ou qualquer modalidade de pesquisa, exige-


se uma pesquisa bibliográfica prévia, para levantamento da situação da questão, uma
fundamentação teórica ou, ainda, para justificar os limites e contribuições da própria
pesquisa.

Quando é realizada como o todo da pesquisa, a pesquisa bibliográfica deve


conter todas as etapas formais de um trabalho científico. É muito comum encontrar-se este
tipo de pesquisa em Ciências Humanas, nas áreas da Lingüística, História, Literatura ou
Teologia. Na área das Ciências Exatas, a pesquisa bibliográfica geralmente faz parte da
pesquisa descritiva ou experimental, com o intuito de recolher informações e
conhecimento prévios sobre o problema pesquisado.

Pesquisa Exploratória

É a pré-pesquisa ou o levantamento de hipóteses para posterior pesquisa,


normalmente o primeiro passo da investigação. Auxilia na formulação de hipóteses para
posteriores ações. Ou colabora com a familiarização do fenômeno para que se obtenha
uma percepção sobre ele. Primordialmente, tem o papel de avaliar quais as relações entre

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 29 28/5/2010 09:57:29


30 Ciência e conhecimento científico

os componentes do objetivo de estudo e é, em geral, recomendada quando há pouco


conhecimento sobre o assunto.

Pesquisa Descritiva

A pesquisa descritiva observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos


(variáveis) sem manipulá-los. Pesquisa a freqüência com que um fenômeno ocorre, as
suas dependências e características no mundo físico ou humano, sem a interferência do
pesquisador. Tem por objetivo definir melhor o problema, descrever o comportamento
dos fenômenos, definir e classificar fatos e variáveis, sem a pretensão de explicá-los.

É utilizada em todos os ramos da Ciência, mas principalmente em Ciências


Sociais e Humanas, analisando relações que ocorrem na vida social, política, econômica e
demais aspectos do comportamento humano. Apresenta-se como a descrição das
características, propriedades ou relações existentes na comunidade, grupo ou realidade
pesquisada.

Pesquisa Experimental

Aplicada à solução de problemas ou diagnóstico de uma realidade específica,


codifica a face mensurável da realidade. Baseada na análise de dados primários e originais
para interpretar e predizer os resultados, visa a construção de uma teoria e interfere
diretamente na realidade ou meio ambiente.

Procura explicar de que modo ou por que causas o fenômeno é produzido,


empregando para tanto a avaliação qualitativa e quantitativa do tema. Caracteriza-se por
manipular diretamente as variáveis relacionadas com o objeto de estudo, através de
situações controladas. Utiliza-se de equipamentos de medida e técnicas modernas de
análise para a mensuração das variáveis envolvidas no objeto de estudo. São usados os
termos “pesquisa de campo” ou “pesquisa de laboratório”, como indicativo das pesquisas
práticas.

b) Se classificarmos a pesquisa do ponto de vista da abordagem do problema, ela pode:

Pesquisa Qualitativa

É descritiva e se preocupa com a natureza da atividade e em descrevê-la, sem


realizar medições ou métodos estatísticos. Geralmente é a abordagem inicial no estudo de
um problema. Inclui técnicas de coleta de dados baseadas principalmente em entrevistas
em profundidade (individual ou em grupos).

Nas sessões de pesquisa qualitativa, utiliza-se sempre um roteiro não-


estruturado para que a reunião ou entrevista transcorra com o máximo de

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 30 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 31

espontaneidade. As sessões podem ser gravadas, transcritas e armazenadas em meio


magnético. O pesquisador ouve ou lê as transcrições, assiste aos vídeos e faz análise dos
resultados.

Pesquisa Quantitativa

Considera que tudo pode ser quantificável, o que significa traduzir em números
opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de recursos e de
técnicas estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão, coeficiente de
correlação, análise de regressão etc.).

Inclui a coleta de dados (estatísticas oficiais, pesquisas em arquivos, entrevistas


pessoais ou por outros meios, como telefone, postal e internet) e requer procedimentos
para escolha da amostra, localização e abordagem do entrevistado.

c) Na sua classificação do ponto de vista dos procedimentos técnicos, temos:

Pesquisa bibliográfica

Quando elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente


de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet.

Pesquisa documental

Quando elaborada a partir de materiais que não receberam tratamento analítico.

Pesquisa experimental

Quando se determina um objeto de estudo, selecionam-se as variáveis que seriam


capazes de influenciá-lo, definem-se as formas de controle e de observação dos efeitos que
a variável produz no objeto.

Levantamento

Quando a pesquisa envolve a interrogação direta das pessoas cujo


comportamento deseja-se conhecer.

Estudo de caso

Quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de


maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento.

Pesquisa ex-post facto

Quando o “experimento” realiza-se depois dos fatos.

Pesquisa-ação

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 31 28/5/2010 09:57:29


32 Ciência e conhecimento científico

Quando concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a


resolução de um problema coletivo. Os pesquisadores e participantes representativos da
situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo.

Pesquisa participante

Quando se desenvolve a partir da interação entre pesquisadores e membros das


situações investigadas.

Classificação da pesquisa

a) Classificação da pesquisa quanto a sua natureza:

Pesquisa bibliográfica

Pesquisa exploratória

Pesquisa descritiva

Pesquisa experimental

b) Classificação da pesquisa quanto à abordagem do problema:

Pesquisa qualitativa

Pesquisa quantitativa

c) Classificações da pesquisa do ponto de vista dos procedimentos técnicos:

Pesquisa bibliográfica

Pesquisa documental

Pesquisa experimental

Levantamento

Estudo de caso

Pesquisa ex-post facto

Pesquisa-ação

Pesquisa participante

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 32 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 33

Fazer pesquisa é defender uma idéia, fundamentando-a com bibliografias e pela


utilização de procedimentos de investigação sistematizados. Esse processo serve para
organizar e muitas vezes desnudar o fenômeno que se está estudando, não deixando de
lado qualquer uma de suas partes. O fenômeno precisa ser definido, ordenado, clarificado
e divido em suas partes para que possa ser perfeitamente compreendido.

12. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A pesquisa é um tratamento de investigação que tem por objetivo descobrir respostas


para dúvidas e indagações, através do emprego de processos científicos. Quando se fala
em procedimentos metodizados, referem-se aos meios, técnicas e recursos que se utilizam,
que possam ser descritos, repetidos tantas vezes quando for necessário e que sempre se
mostrem satisfatórios para obter os resultados procurados.

Desenvolver pesquisas e espírito crítico é crescer profissionalmente, adquirir


conhecimento enfim. Este processo está intimamente associado ao crescimento intelectual,
recusa às idéias ingênuas de discursos fáceis e sedutores do senso comum, “da moda” ou
repletos de armadilhas, segundo a quais a complexidade sócio-cultural não precisaria de
abordagem sofisticada.

O pensamento científico está constantemente sujeito a mudanças, percebidas em


seus fundamentos teóricos, metodológicos e paradigmáticos. Neste sentido, a ciência lida
com fenômenos complexos, realidades caóticas e incertezas. Cabe ao pesquisador a
sensibilidade para compreender a complexidade no processo de investigação e pesquisa,
de forma a evitar a noção de verdade e o pensamento reducionista da ciência tradicional,
a qual nos ensinou sobre a existência de uma verdade única e conclusiva.

Neste sentido, escrever sobre orientações e normas científicas é uma empreitada


árdua, porque pode passar a impressão errônea de que há um corpo científico
consolidado. Vivemos numa época em que a ciência passa por uma profunda
reestruturação dos seus critérios de plausabilidade. Os parâmetros da ciência são
polêmicos e, por vezes, contraditórios. Portanto, cabe ao pesquisador e ao professor-
pesquisador avaliar os pontos de convergência nos trabalhos apresentados pelos assim
denominados “cientistas”, avaliar suas orientações e métodos para ultrapassar os cânones
tradicionais do reducionismo ou simples relativismo.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 33 28/5/2010 09:57:29


34 Ciência e conhecimento científico

REFERÊNCIAS
ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
BITTAR, Eduardo C. Metodologia da pesquisa jurídica. São Paulo: Saraiva, 2001.
CARRAHER, David. Senso crítico. São Paulo: Pioneira, 1999.
CERVO, A.L.; BERVIAN, P. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Makron Books, 2007.
CHAUÍ, M. Convite à filosofia. 6. ed. São Paulo: Ática, 1995.
DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.
______. Pesquisa princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez, 1990.
DIEHL, A.A.; TATIM, D.C. Pesquisa em ciências sociais aplicadas. Métodos e técnicas. São Paulo:
Pearson-Prentice Hall, 2004.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese. Trad. Gilson Cezar de Souza. 19. ed. São Paulo:
Perspectiva, 2006.
GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.
______. Métodos e técnicas da pesquisa social. São Paulo: 1987.
KUHN, T. La Estrutura de las revolutiones cientificas. Trad. de Agustín Contín. Madrid: Fundo
de Cultura Económica, 1975.
LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo:
Atlas, 2001.
MEZZAROBA, O.; MONTEIRO, C.S. Manual de metodologia da pesquisa no Direito. 2. ed. São
Paulo: Saraiva, 2006.
MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.
POPPER, Karl. A Lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 1978.

Daniela Maria Cartoni


Possui Graduação em Ciências Sociais
pela Universidade Estadual de Campinas
(1998), Mestrado em Política Científica e
Tecnológica pela Universidade Estadual
de Campinas (2002) e MBA em Gestão de
Recursos Humanos (2008). Atualmente é
Supervisora de Cursos de Extensão
Universitária da Anhanguera Educacional. Na docência
atua como Professor Adjunto na Universidade
Presbiteriana Mackenzie, Faculdades de Valinhos e
Faculdade Comunitária de Campinas. Experiência como
pesquisadora em Inovação Tecnológica, Reestruturação
Produtiva e Políticas de Qualificação Profissional. Atua
como consultora em projetos governamentais da
Fundação do Desenvolvimento Administrativo
(Fundap).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 9-34

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 34 28/5/2010 09:57:29


Anuário da Produção A MISSÃO DOCENTE NA ANHANGUERA
Acadêmica Docente EDUCACIONAL1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

RESUMO

As aspirações e as grandes diretrizes definidas para as ações pedagógicas e


José Alberto Sallum
educacionais da Anhanguera Educacional podem ser encontradas na missão
Faculdade Anhanguera de Campinas da instituição: promover o ensino de forma eficiente, para que os educandos
unidade 3
possam desenvolver seus projetos de vida como cidadãos conscientes dos
jose.sallum@unianhanguera.edu.br seus direitos, deveres e responsabilidades sociais. Para que isso ocorra, as
crenças e valores da instituição constituem a base referencial de toda a ação
pedagógica, estando presentes em todos os projetos pedagógicos dos cursos.
A Anhanguera Educacional possui como crenças e valores que o ensino
superior de qualidade, baseado na qualificação dos professores e outros
agentes educacionais, além da co-responsabilidade dos próprios alunos por
seu aprendizado, traduz-se em uma aprendizagem eficaz, contendo
embasamento teórico e prático, estudo da ética, responsabilidade social e
promoção da defesa dos direitos humanos, qualidade de vida e meio
ambiente. Sendo assim, este artigo tem como objetivo compilar informações
que orientem os professores novos ou antigos da Anhanguera Educacional
quanto às crenças, valores e perfil corporativo da Companhia, para melhor
executarem sua ação pedagógica.

Palavras-Chave: Anhanguera Educacional; ação pedagógica; crenças; missão;


perfil corporativo; valores.

ABSTRACT

The aspirations and major guidelines set for the teaching activities and
educational Anhanguera Education can be found on the institution's
mission: to promote education efficiently, so that students can develop their
life projects as citizens aware of their rights, duties and social responsibilities.
For this, the beliefs and values of the institution form the basis of reference
throughout the pedagogical action, present in all projects of educational
courses. Anhanguera Education has as beliefs and values that quality higher
education, based on the qualifications of teachers and other education
agents, and co-responsibility of the students in their learning, translates into
effective learning, containing theoretical and practical , study of ethics, social
responsibility and promotion of human rights, quality of life and
environment. Therefore, this article aims to compile information that can
guide the new teachers or former Anhanguera Educational regarding beliefs,
values and corporate profile of the Company, to better implement the
classroom.
Anhanguera Educacional S.A.
Keywords: Anhanguera Educacional; pedagogical action; beliefs; mission;
Correspondência/Contato corporate profile; values.
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Perfil Corporativo, Crenças e Valores,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
Programas Institucionais, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em
Informe Técnico Didática e Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de
Recebido em: 25/4/2009 Capacitação Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 18/1/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
35

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 35 28/5/2010 09:57:29


36 A missão docente na Anhanguera Educacional

A MISSÃO DOCENTE NA ANHANGUERA EDUCACIONAL

O objetivo deste texto é compilar informações que orientem os professores novos ou


antigos da Anhanguera Educacional quanto às crenças, valores e perfil corporativo da
Companhia. Hoje, os municípios-sede das unidades são mais de 50, distribuídos pelos
estados de São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, Mato
Grosso do Sul, Minas Gerais e Distrito Federal.

Ao longo de sua trajetória, a Anhanguera Educacional S.A. vivenciou quatro


fases de crescimento: a expansão de seus cursos superiores e da sua base física, até 1998; a
otimização e qualificação dos seus currículos e projetos pedagógicos, até 2003; a
reorganização estrutural, administrativa e financeira, com o ingresso de novos parceiros-
sócios e investidores; e a abertura do seu capital na Bolsa de Valores de São Paulo, em
março de 2007, transformando-se na primeira empresa do gênero com capital aberto na
América Latina.

Para Carbonari Netto (2009), as aspirações e as grandes diretrizes definidas para


as ações pedagógicas e educacionais do grupo, muito valorizadas nas ações diárias podem
ser resumidas na missão, objetivos e filosofia gerencial da Anhanguera Educacional. A
Missão da instituição é “promover a oferta de cursos superiores de qualidade, nas várias
áreas do saber, prioritariamente aos jovens trabalhadores, com custos acessíveis, visando
o desenvolvimento do seu projeto de vida”. De outra forma,
[...] promover o ensino de forma eficiente, com um grau de qualidade necessário ao bom
desempenho das futuras atividades profissionais dos educandos, para que, de forma
competente e ética, possam desenvolver seus projetos de vida como cidadãos
conscientes dos seus direitos, deveres e responsabilidades sociais.

Os objetivos podem ser diferenciados em geral e específico. O Objetivo Geral é


“formar diplomados, nas diferentes áreas do conhecimento, aptos para a inserção social
em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sua comunidade,
colaborando para a sua formação contínua”. Portanto, “oferecer aos educandos uma
sólida base de conhecimentos, competências e habilidades com vistas a desenvolver uma
aprendizagem significativa, capacitando-os para implementar seus projetos de vida”.

Os Objetivos Específicos podem ser descritos como: obter uma conduta ética
associada à responsabilidade social e profissional; desenvolvimento da capacidade de
compreensão, produção e transmissão dos saberes adquiridos; desenvolvimento da
capacidade de equacionar problemas e procurar soluções com as demandas individuais e
sociais; busca permanente de prevenção e soluções dos conflitos individuais e coletivos
com vistas ao bem estar social; desenvolvimento da capacidade de realizar investigações
cientificas, raciocínios logicamente consistentes de leitura, compreensão e produção de

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 36 28/5/2010 09:57:29


José Alberto Sallum 37

textos em processos comunicativos individuais ou em equipe; aprimoramento do


julgamento e da tomada de decisões, do aprender a aprender, para a educação
permanente.

Por fim, a Filosofia Gerencial da instituição é “delegar autoridade e


responsabilidade aos Diretores, Coordenadores e Professores, para que possam alcançar
as metas, os objetivos e planos institucionais aprovados, com incentivo ao trabalho sério e
comprometido com resultados”.

Esses compromissos institucionais devem ser assumidos por todos aqueles que
estão envolvidos com a Anhanguera Educacional: integrantes do corpo técnico-
administrativo, corpo docente e demais agentes educacionais envolvidos. As crenças e
valores da instituição constituem a base referencial de toda a ação pedagógica, estando
presentes em todos os projetos pedagógicos dos cursos. A Anhanguera Educacional e suas
unidades mantidas têm dez itens como crenças e valores (CARBONARI NETTO, 2009):

1. Que o bom ensino, ministrado de forma eficiente, com qualidade e com


seriedade, traduz-se numa aprendizagem eficaz, útil ao estudante, para
que desenvolva suas habilidades e competências com vistas ao seu projeto
de vida.
2. Que o ensino superior de qualidade, além de atender aos interesses e
anseios dos educandos, baseia-se também na qualidade dos professores e
de outros agentes educacionais que interagem na formação discente.
3. Que a educação continuada dos docentes, agentes formacionais de
excelência, bem como sua estabilidade emocional e funcional, são
fundamentais para sua qualificação, capacitação e atualização.
4. Que o bom ensino superior, para uma aprendizagem eficaz, deve ter
embasamento teórico e prático, quer pelo emprego de metodologias
apropriadas, quer pelo uso de tecnologias educacionais e da informática,
como multimeios auxiliares, além do uso sistemático do Livro-Texto em
cada disciplina.
5. Que o processo de aprendizagem, para ser eficiente e eficaz, deve ser
fomentado e implementado constantemente, além de avaliado em função
dos objetivos propostos, de forma coerente, nos termos do projeto
pedagógico de cada curso.
6. Que ao aprendizado formal deve ser acrescentado o estudo e a prática da
ética, para a formação de um cidadão consciente dos seus deveres e
direitos, para uma vida social compartilhada e solidária.
7. Que os alunos são co-responsáveis pelo aprendizado eficiente e eficaz,
devendo dedicação aos propósitos, compromissos, metas e objetivos
assumidos.
8. Que os alunos desenvolverão suas habilidades e competências quando
motivados pelos docentes, hoje entendidos como facilitadores da
aprendizagem.
9. Que a responsabilidade social da instituição compreende os preceitos da
inclusão social, promoção da igualdade de direitos e oportunidades, com

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 37 28/5/2010 09:57:29


38 A missão docente na Anhanguera Educacional

vistas à ascensão dos indivíduos na sociedade globalizada.


10. Que é dever da instituição e de seus educandos o respeito, a promoção e a
defesa dos direitos humanos, da qualidade de vida e do meio ambiente.
Para Carbonari Netto (2009), o bom ensino superior, ministrado de forma
eficiente, com qualidade e seriedade, resulta numa aprendizagem que tem utilidade ao
aluno para que este atinja o êxito em seu projeto de vida. A meta deve ser sempre a
aprendizagem, atingindo aos objetivos reais, claramente definidos e propostos com
termos simples, efetivos e pertinentes, de forma sistêmica para se evitar más
interpretações ou falta de profissionalismo. Para comprovar o bom ensino, os estudantes
devem demonstrar que assimilaram a aprendizagem, desenvolvendo melhor as
competências e habilidades que participaram do processo. Assim, o resultado desse bom
ensino superior, orientado sempre por seus objetivos e metas, e utilizando diversos
métodos, estratégias e teorias da aprendizagem, traduz-se na aprendizagem eficaz do
aluno.

Um ensino superior responsável baseia-se na oferta de cursos superiores de


qualidade. Para isso, é imprescindível o preparo docente e de outros agentes
educacionais, bem como uma organização didático-pedagógica moderna e uma infra-
estrutura adequada à formação discente. A infra-estrutura deve ser sempre atualizada,
com equipamentos modernos para serem utilizados sempre segundo planejamento. Os
projetos pedagógicos dos cursos devem ser definidos em função das necessidades e
desejos dos alunos e da comunidade em que eles prestarão seus futuros serviços, sempre
sob a égide legal das Diretrizes Curriculares Nacionais.

A qualidade dos professores, ao invés de ser restrita à titulação ou à


disponibilidade de trabalho, reflete-se na prática pedagógica eficaz, que leve a um
aprendizado real e com o desenvolvimento das competências e habilidades dos alunos.
Por fim, todos os agentes educacionais, funcionários, professores, coordenadores e demais
indivíduos que participam da formação dos estudantes devem ter plena consciência que o
aluno é a meta de atendimento maior. Do mesmo modo, a qualidade do curso superior
reside muito mais num conjunto de características e conceitos capazes de atender aos
interesses e aspirações dos estudantes, e não somente aos professores ou gestores
(CARBONARI NETTO, 2009).

Os professores e todos aqueles que interagem na formação discente, com


metodologia e tecnologias educacionais adequadas, são entendidos como os grandes
facilitadores da aprendizagem para os alunos. Assim, os professores não são, e nem
devem ser, meros ministradores de informações, e sim, facilitadores eficientes da
aprendizagem, sempre sob o apoio dos materiais auxiliares, para um aprendizado eficaz.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 38 28/5/2010 09:57:29


José Alberto Sallum 39

Os professores precisam valorizar novas e modernas técnicas instrucionais, que visam o


melhor aprendizado, além de incentivar estudos em equipes ou grupos
multidisciplinares. Por fim deve haver a conscientização dos estudantes de que ele deve
participar ativamente para obter o próprio aprendizado, através da participação destes na
ampliação de seus conhecimentos, através do ensino, da aprendizagem e da dedicação aos
objetivos e interesses em pertencer ao curso escolhido.

Para Demo (2009b), o trabalho do professor deve ser norteado por algumas
referências. Primeiramente, referências de base biológica: o aluno aprende melhor quando
pode manipular, com graus crescentes de autonomia, construções virtuais, como ocorre
nos jogos eletrônicos (GEE, 2004), devido à estrutura cerebral, que recebe estímulos
vindos dos cinco sentidos e constrói uma interpretação; a mente é máquina reconstrutiva
e não reprodutiva. Referências instrucionistas social e culturalmente situadas, isto é, a
interação social do aluno e desafios impostos por situações novas; a mente desenvolve-se
interagindo consigo e com o meio ambiente. Há também referências a habilidades
emocionais, como motivação dos estudantes e a aplicabilidade prática do que se fala em
sala de aula; o aluno precisa ver em suas vidas concretas o que se fala nas aulas. E por
último, referências virtuais de aprendizagem, tecnologias de computador, uso da Internet;
o professor não é substituído (a não ser o reprodutivista, aquele que simplesmente
reproduz informações para os alunos, sem modificá-las, sem acrescentar nada novo ou de
sua própria autoria), mas assume o papel de orientador e avaliador.

Ainda segundo Demo (2009b), é de extrema importância priorizar ambientes que


privilegiem a autonomia do educando e de ambientes construtivistas (que favorecem a
construção da autonomia e da autoria do estudante). Somado ao ambiente, é necessário
haver procedimentos didáticos que avaliem e orientem os alunos, incentivo à pesquisa e
elaboração de projetos realizados pelos próprios estudantes. Isso favorece, novamente, a
autonomia do estudante, colocando o professor como orientador e motivador, não como
disciplinador. O objetivo da aprendizagem é a construção da autoria e autonomia do
aluno, sob a orientação do professor.

É importante ressaltar que a qualidade do corpo docente baseia-se na sua


educação continuada e na produção acadêmica atualizada e relevante, para que se possa
embasar a formação discente com os melhores conteúdos de conhecimento (CARBONARI
NETTO, 2009). Assim, como afirma Demo (2009a), “para que o aluno aprenda bem, é
indispensável um docente que aprenda bem”. Para isso, há, na Anhanguera Educacional,
o incentivo à participação docente em congressos, encontros científicos ou de corporações
profissionais, em nome da instituição, para a publicação e/ou defesa de trabalhos

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 39 28/5/2010 09:57:29


40 A missão docente na Anhanguera Educacional

científicos, técnicos ou intelectuais de relevância nas respectivas áreas de conhecimento.


Por fim, há a ascensão funcional dos docentes, sempre com recursos financeiros
proporcionais à respectiva produção acadêmica atualizada e relevante.

É necessário pesquisar e elaborar: sem produção própria não pode existir


docência, porque esta decairia para o mero instrucionismo (DEMO, 2009a). No entanto,
esse procedimento não garante a boa qualidade do ensino: um bom pesquisador não é
necessariamente um bom docente, pois este precisa saber fazer o aluno aprender, o que
não decorre de saber pesquisar; a docência é um cenário composto de inúmeras
referências, incluindo as emocionais, pessoais e carismáticas. Dessa maneira, para se
suprir essas inúmeras referências, a Anhanguera também promove a educação
continuada e capacitação profissional dos professores, com cursos de atualização,
especialização, mestrado e doutorado, incentivos de carreira e promoção pessoal e
funcional (CARBONARI NETTO, 2009).

Ser docente é cuidar que o aluno aprenda (DEMO, 2004). É essencial que o aluno
elabore seu próprio conhecimento, aos poucos arquitetando sua autonomia, pois nada é
mais importante em sua vida futura que saber fazer conhecimento próprio, com
originalidade e persuasão. Isso pode ser resumido na noção de aprender a aprender, ou
seja, é necessário aprender durante toda a vida, sempre renovando o que foi aprendido,
convivendo com a instabilidade que obriga a rever tudo que se faz e a ser flexível perante
novos desafios.

Existem muitos problemas para se atingir esse estado. O principal deles talvez
seja o chamado “pacto da mediocridade”, já que o aluno nem sempre está disposto a
pesquisar e elaborar, preferindo a aula expositiva, simplesmente porque significa menor
esforço. Por outro lado, o professor entra no mesmo pacto, ou até empurra o aluno nessa
direção, porque ele mesmo nunca aprendeu a aprender. Isso reflete o despreparo do
professor, já que para garantir a aprendizagem do aluno, ele precisa ser capaz de
aprender, deve ser capaz de pesquisar e elaborar de maneira exímia, para servir de
exemplo (DEMO, 2009b). O pacto da mediocridade reflete a situação: o aluno finge que
aprende e o professor finge que ensina (GIANOTTI, 1985). Para Almeida Filho (2005), é o
acordo tácito entre as partes para suspender exigências (permanecendo medíocres)
apostando na obtenção fácil do imerecido diploma. Além do despreparo docente, o pacto
da mediocridade reflete outro perigo: o chamado “Bacharelismo”, que se apresenta como
uma supervalorização do diploma, do “canudo” sem lastro, sem que ele seja a
conseqüência de uma verdadeira e sólida experiência universitária. Manifesta-se nas

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 40 28/5/2010 09:57:29


José Alberto Sallum 41

massas de diplomados que não podem exercer sua profissão plenamente por falta de
preparo.

Outro problema é a facilidade em se cair em modismos e invencionices, por falta


de espírito crítico, base teórica, preparo metodológico e bom senso (DEMO, 2009b). É mais
fácil se apegar às teorias de autores que ao compromisso de aprendizagem do aluno. Ao
mesmo tempo, muda-se de teoria e de autor sem verificar que vantagens isso traria aos
alunos. Por fim, os resultados não podem ser imediatos, porque saber pensar não é receita
pronta: sendo dinâmica, complexa e não-linear, não é possível se ter o controle pleno nem
desfechos garantidos.

O que constitui um professor, antes de qualquer coisa, é a habilidade de


pesquisar, já que se não produz conhecimento, não tem o que ensinar (DEMO, 2009b). O
professor não se define pelo ensino, mas pela aprendizagem. Ser professor é cuidar que o
aluno aprenda, não é necessariamente dar aula. Quase sempre a aula é fruto da cópia,
destinada à cópia dos alunos, um vício secular que reflete a atual mediocridade dos cursos
superiores. No entanto, não tem sentido apenas criticar o professor. É urgente modificá-lo,
refazê-lo, para que ocupe seu papel insubstituível.

Para uma aprendizagem eficaz, além de professores facilitadores, deve haver


embasamento teórico-prático, através do emprego de metodologias apropriadas, uso
auxiliar de tecnologias educacionais de informática e a utilização do Livro-texto em cada
disciplina. A base da aprendizagem deve conter saberes, ou seja, os devidos conteúdos
teóricos, mas também o saber fazer, estratégias para o desenvolvimento das competências
planejadas com aquele conteúdo. Para isso, é necessário conhecer as diversas
metodologias de ensino e de aprendizagem, para se poder avaliar qual é a melhor delas
em cada situação vivida pelo docente. A definição, pelos professores e coordenadores dos
cursos, do Livro-texto em cada disciplina é fundamental para o alcance dos objetivos da
aprendizagem. Para Carbonari Netto (2009), “o Livro-texto é pré-condição importante no
planejamento didático-pedagógico das disciplinas”. Além disso, o Livro-texto é de
extrema importância para a formação das bibliotecas individuais dos alunos, para a
melhoria do nível intelectual dos estudantes e desenvolvimento do hábito de leitura e
interpretação de textos, além de evitar o uso ilegal de cópias xerográficas. Ou seja, é dever
dos professores utilizar novas e apropriadas tecnologias educacionais para a facilitação do
aprendizado, inclusive recursos da informática.

A Internet vem se tornando a grande biblioteca disponível para a pesquisa, e sua


interatividade permite acesso de qualquer pessoa a qualquer informação. Essa nova mídia
faz com que o docente reprodutivista seja substituído: para simplesmente expor

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 41 28/5/2010 09:57:29


42 A missão docente na Anhanguera Educacional

informações alheias, basta procurá-las nos lugares certos. Com o avanço da Internet surge
a autoria coletiva, como é o caso da Wikipédia, uma “enciclopédia virtual” na qual todos
podem participar. Quando o docente pede que os alunos façam trabalhos em casa, em
geral os estudantes os fazem juntos, via Internet, ficando difícil se definir a autoria
daquele trabalho. É papel do docente educar os alunos a usarem bem essa nova mídia, ao
invés de adotar posturas para exigir o esforço dos alunos, como pedir trabalhos escritos à
mão. Para Demo (2009a), do ponto de vista da Educação, o docente continua tão
importante quanto sempre foi, mas sob uma ótica que o aproxima do conceito norte-
americano de coach (DUDERSTADT, 2003; MINK et al., 1993). No caso do coach de futebol,
ele não joga, mas precisa organizar a movimentação dos atletas, fazendo com que os
jogadores possam ver o jogo da forma como ele vê, sempre motivando os atletas, como
quando estão perdendo a partida. É possível se jogar sem coach, mas para haver um
resultado qualitativo, o docente continua sendo imprescindível.

Para que o processo da aprendizagem seja realmente eficiente e eficaz, deve ser
constantemente avaliado, de forma coerente e com qualidade, em função dos objetivos
propostos. A participação dos estudantes nessa avaliação é fundamental, para que estes
possam se sentir co-responsáveis no seu processo de aprendizagem, em seu próprio
crescimento intelectual e no seu desenvolvimento profissional, nos termos do projeto
pedagógico de cada curso. Para isso, devem ser avaliados o planejamento didático da
disciplina, com planos de ensino e cronogramas de execução aprovados, a fixação de
metas e objetivos da disciplina e de seus conteúdos, além do conhecimento pertinente das
modernas teorias da aprendizagem, facilitadoras da ação discente.

É necessário sempre se avaliar o docente. Para Demo (2009a), não há coisa que
avaliadores detestem mais que serem avaliados, assim como não toleram também que os
avaliados discutam sua avaliação. A avaliação docente deve ser feita de muitos ângulos:
pelos alunos, pelos seus pares, pelas autoridades públicas, pelas publicações, por convites
a eventos acadêmicos, por projetos de extensão, pela movimentação acadêmica e pela
produção própria reconhecida. De forma mais simples, a avaliação deve conter a
produção própria do docente (que implica na publicação constante e reconhecimento por
seus pares), a movimentação acadêmica (que inclui liderança científica, convites a eventos
acadêmicos), habilidade pedagógica e habilidade de encantar os estudantes (fazer com
que os alunos aprendam bem e se sintam motivados), atualização tecnológica (uso de
novas mídias de aprendizagem) e avaliação pelos alunos (a opinião discente sobre o
docente).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 42 28/5/2010 09:57:29


José Alberto Sallum 43

Ainda nas crenças e valores da Anhanguera Educacional, a participação dos


estudantes não é fundamental apenas na avaliação do processo de aprendizagem, e sim
no processo de aprendizagem em si. Para Carbonari Netto (2009), os alunos, auxiliados
por seus professores, são co-responsáveis pelo seu aprendizado eficiente e eficaz, sendo
responsáveis pela dedicação aos propósitos, compromissos, metas e objetivos assumidos,
aos estudos independentes e à auto-aprendizagem. Devem se comprometer em dedicar-se
aos estudos orientados ou ministrados, além dos estudos independentes que visam à
prática do auto-aprendizado e da prática da investigação, para a obtenção da
independência intelectual. Também são responsáveis pelo contrato de aprendizado
implícito nas ações docentes e institucionais, pela sua preparação para a aquisição de
novos conhecimentos, sua dedicação ao querer aprender e suas ações de auto-
aprendizado e autodesenvolvimento, além da dedicação em seus estudos independentes.

Tudo isso visa o estímulo ao estudante em procurar obter seu próprio


aprendizado, fato muito importante para o desenvolvimento dos seus projetos de vida, da
futura profissão ou ocupação profissional, uma vez que é algo valorizado pelos mercados
de trabalho. O verdadeiro estudante universitário vai além da cópia seletiva, da
reprodução de conhecimentos muitas vezes desaplicados, do comentário sobre autores e
obras já conhecidas (ALMEIDA FILHO, 2000). Para Demo (2009a), “o ponto de partida do
saber pensar é questionar”. Para que o aluno seja co-responsável pelo seu aprendizado ele
deve saber pensar. Só dá conta de novos desafios se os souber pensar, questionar,
desconstruir e reconstruir. Caso contrário, os educandos tornam-se agentes passivos do
processo de aprendizagem, objetos, marionetes (DEMO, 2009b). Quando o aluno aprende
a pensar, aparece também o lado mais fascinante da pesquisa docente, que é sua
dimensão formativa, pedagógica, que une qualidade formal e política. O diploma perde o
status de produto final. O curso acaba porque o tempo caba, e não porque pudesse acabar.
Qualquer diploma caduca em alguns anos, mas aprender sempre é o que melhor se
aprende na faculdade.

Observa-se um grande cuidado da parte da Anhanguera Educacional com a


responsabilidade social, ou seja, ao cumprimento dos deveres e obrigações para com a
sociedade em geral. Como há um claro compromisso com a sociedade, há
responsabilidade.

Essa responsabilidade pode ser vista ao fato de ao aprendizado formal dos


estudantes ser acrescentada a ética humana e profissional, para a formação de um cidadão
consciente de seus direitos e deveres sociais, para uma vida compartilhada e solidária. A
instituição apóia e promove estudos sistêmicos sobre a ética humana e profissional com

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 43 28/5/2010 09:57:29


44 A missão docente na Anhanguera Educacional

disciplinas curriculares incluídas nos projetos de todos os cursos. Também incentiva a


colocação nos conteúdos curriculares dos valores sociais e morais necessários a uma vida
solidária, de respeito aos direitos e deveres de todos os seres. Estimula-se o aprendizado e
desenvolvimento de competências profissionais, descritas nas Diretrizes Curriculares
Nacionais, para o melhor preparo dos estudantes em direção à vida profissional.

É requisito do bom docente ter qualidade formal – competência técnica, domínio


dos conteúdos, profissionalismo e conhecimento – e política – habilidade de criar e utilizar
meios técnicos para fins devidos, sobretudo éticos. O aluno precisa, além de se tornar um
profissional, tornar-se cidadão. A qualidade política deve ser feita conjuntamente com a
qualidade formal. Para Demo (2009a), quando o aluno aprende a fundamentar o que diz,
a escutar com atenção o que os outros dizem, a ceder perante outros argumentos
melhores, a compartilhar idéias, a rever suas posições e a descartar posições erradas, não
está apenas construindo conhecimento, como também está edificando sua cidadania.

A responsabilidade social da instituição, promovida constantemente pela


extensão universitária e atividades comunitárias, compreende e visa à promoção da
inclusão social e da igualdade de direitos e oportunidades, para a ascensão dos indivíduos
na sociedade (CARBONARI NETTO, 2009). Para isso são oferecidos cursos e atividades
de extensão, para a atualização de conhecimentos e competências dos estudantes, ações
extensionistas nas comunidades para solucionar problemas locais com o objetivo de
melhorar as condições de vida profissional e social, especialmente de pessoas jovens e
idosas, ações de inclusão social por meio de incentivos à obtenção de bolsas de estudos e
de outros auxílios para o financiamento estudantil. Os cursos de extensão de curta
duração proporcionam acesso às mais novas informações, oferecendo conhecimento
técnico, teórico e prático em diferentes áreas de interesse e de atuação. São destinados ao
aprimoramento das comunidades interna e externa no que se refere à qualificação
profissional, para que alunos e profissionais atendam às exigências do mercado de
trabalho acompanhando, assim, sua constante atualização. Há a promoção social
participativa como forma de envolver os estudantes na vida comunitária e o preparo
desses estudantes para a obtenção de bases sólidas de conhecimentos e competências para
desenvolver projetos comunitários de auxílio às comunidades mais necessitadas.

Ainda em relação à responsabilidade social, é dever da instituição e de seus


estudantes a promoção e defesa dos direitos humanos, da qualidade de vida e do meio
ambiente. Para isso, a Anhanguera promove constantes discussões e conscientização dos
estudantes com relação aos problemas de respeito e preservação do ambiente e qualidade
de vida. Viabilizam-se atividades e meios curriculares possíveis para o aprendizado

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 44 28/5/2010 09:57:29


José Alberto Sallum 45

consciente e de respeito aos direitos fundamentais dos seres humanos e das suas ações.
Também concretizam-se, com os estudantes, projetos de melhoria da qualidade de vida
de todos os seres, além de defender causas favoráveis à manutenção dos meios essenciais
à vida e à paz entre todos, para uma convivência justa, fraterna e solidária (CARBONARI
NETTO, 2009).

REFERÊNCIAS
ALMEIDA FILHO, J.C.P. Crise, transições e mudança no currículo de formação de professores de
línguas. In: FORTKAMP, M.B.M.; TOMITCH, L.M.B. (Org.). Aspectos da lingüística aplicada.
Florianópolis: Editora Insular, 2000. p.33-47.
______. A diferença que faz uma formação universitária aos alunos de graduação. In: PASCHOAL
LIMA, Regina Célia C. (org.). Leitura múltiplos olhares. Campinas: Mercado de Letras, 2005.
p.103-110.
CARBONARI, Maria Elisa E. Programa de auto-avaliação da Anhanguera Educacional:
instrumento de gestão acadêmica. In: CARBONARI NETTO, Antonio; CARBONARI, Maria Elisa
E.; DEMO, Pedro. A cultura da Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom professor, a
pesquisa e a avaliação institucional como instrumento de melhoria da qualidade. Valinhos:
Anhanguera Publicações, 2009. p.193-230.
CARBONARI NETTO, Antonio. As crenças e valores institucionais. In: CARBONARI NETTO,
Antonio; CARBONARI, Maria Elisa E.; DEMO, Pedro. A cultura da Anhanguera Educacional: as
crenças e valores, o bom professor, a pesquisa e a avaliação institucional como instrumento de
melhoria da qualidade. Valinhos: Anhanguera Publicações, 2009. p.13-26.
DEMO, Pedro. Ser professor é cuidar que o aluno aprenda. Porto Alegre: Mediação, 2004.
______. O que é ser um bom docente? In: CARBONARI NETTO, Antonio; CARBONARI, Maria
Elisa E.; DEMO, Pedro. A cultura da Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom
professor, a pesquisa e a avaliação institucional como instrumento de melhoria da qualidade.
Valinhos: Anhanguera Publicações, 2009a. p.29-58.
______. Educar pela pesquisa. In: CARBONARI NETTO, Antonio; CARBONARI, Maria Elisa E.;
DEMO, Pedro. A cultura da Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom professor, a
pesquisa e a avaliação institucional como instrumento de melhoria da qualidade. Valinhos:
Anhanguera Publicações, 2009b. p.61-190.
DUDERSTADT, James J. A university for the 21st century. Ann Arbor, US: The University of
Michigan Press, 2003.
GEE, J.P. Situated language and learning - A critique of traditional schooling. New York, US:
Routledge, 2004.
GIANOTTI, J.A. O filósofo do contra. Folha de São Paulo - Folhetim, 30 jun. 1985.
MINK, O.C.; OWEN, K.Q.; MINK, B.P. Developing high-performance people – the art of
coaching. New York, US: Perseus Books, 1993.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 45 28/5/2010 09:57:29


46 A missão docente na Anhanguera Educacional

José Alberto Sallum


Coordenador dos cursos de Tecnologia em Gestão de
Recursos Humanos da Faculdade Anhanguera de
Campinas, unidades 2 e 3. Coordenador do curso
especial da Faculdade Anhanguera de Campinas,
unidade 3. Professor dos cursos de Administração de
Empresas e Tecnologia em Gestão de Recursos
Humanos. Psicólogo, atuando nas áreas de treinamento
e desenvolvimento, gerenciamento de carreiras e gestão
de pessoas.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 35-46

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 46 28/5/2010 09:57:29


Anuário da Produção CONSTRUINDO O PROJETO DE PESQUISA1
Acadêmica Docente
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

RESUMO
Daniela Maria Cartoni
Anhanguera Educacional S.A. O processo de investigação científica não deve se confundir com apenas a
ação de escrever ou transmitir idéias próprias, formuladas sobre
daniela.cartoni@unianhanguera.edu.br
determinado assunto, desenvolvidas a partir da pesquisa e reflexão. Ela deve
espelhar o resultado de um longo trajeto de busca de respostas e aplicação
de métodos para interpretar a realidade. É neste sentido que o presente
artigo traz um detalhamento dos itens que compõem um projeto de
pesquisa. Esta é a primeira etapa do processo científico, com a seleção do
tema e detalhamento cuidadoso das técnicas e procedimentos a serem
aplicados.

Palavras-Chave: projeto de pesquisa; etapas da pesquisa; processo científico.

ABSTRACT

The process of scientific research should not be confused with just the action
of writing or forward their own ideas, expressed on a particular subject,
developed from research and reflection. It should mirror the outcome of a
long journey of seeking answers and application of methods of interpreting
reality. In this sense the present article detailing the items that make up a
research project. This is the first step of the scientific process, with the theme
selection and careful detailing techniques and procedures to be applied.

Keywords: research project; research stages; the scientific process.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 2ª. aula da Disciplina Metodologia da Pesquisa Científica,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 02/05/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 26/01/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
47

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 47 28/5/2010 09:57:29


48 Construindo o projeto de pesquisa

1. INTRODUÇÃO

A pesquisa é a ação metódica para se buscar uma resposta por meio de processos
científicos de investigação. Como explica Gil (2001, p. 20),
[...] pesquisa pode ser definida como o procedimento racional e sistemático que tem
como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. É desenvolvida
mediante o concurso dos conhecimentos disponíveis e a utilização cuidadosa de
métodos, técnicas e outros procedimentos científicos.

Pesquisar consiste em buscar conhecimentos, sob a forma de leituras,


observações de fenômenos e análise de documentos. Significa refletir e interpretar as
informações obtidas.

Ressalta-se que o processo de investigação científica não se confunde apenas com


a ação de escrever ou transmitir idéias próprias, formuladas sobre determinado assunto,
desenvolvidas a partir da pesquisa e reflexão. Ela deve espelhar o resultado de um longo
trajeto de busca de respostas e aplicação de métodos para interpretar a realidade.

Analisando as etapas do processo de elaboração do trabalho científico, temos as


seguintes etapas: pesquisa, reflexão e divulgação. Juntas fundamentam o trabalho
científico.

Quadro 1 – Etapas do trabalho científico.

ETAPA 1

PESQUISAR
(Buscar
Conhecimentos)

ETAPA 2

REFLETIR
(Interpretação das
informações obtidas)
ETAPA 3

ESCREVER
(Transmissão de
idéias próprias
formuladas após a
reflexão e
fundamentadas
cientificamente)

Fonte: Elaborado pelo autor.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 48 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 49

Em outras palavras, podemos afirmar que o planejamento da pesquisa depende


basicamente de três fases:

• fase decisória: referente à escolha do tema, à definição e à delimitação do


problema de pesquisa;
• fase construtiva: referente à construção de um plano de pesquisa e à
execução da pesquisa propriamente dita;
• fase redacional: referente à análise dos dados e informações obtidas na
fase construtiva. É a organização das idéias de forma sistematizada
visando à elaboração do relatório final (artigo, dissertação, teses etc.). A
apresentação do relatório de pesquisa deverá obedecer às formalidades
requeridas pela instituição e normas oficiais.

Portanto, pesquisa científica seria a realização concreta de uma investigação


planejada e desenvolvida de acordo com normas consagradas pela metodologia científica.
Neste caso, metodologia entendida como conjunto de etapas ordenadamente dispostas
que inclui escolha do tema, planejamento da investigação, desenvolvimento
metodológico, coleta e tabulação de dados, análise dos resultados, elaboração das
conclusões e divulgação de resultados.

Os tipos de pesquisa apresentados nas diversas classificações não são estanques.


Uma mesma pesquisa pode estar, ao mesmo tempo, enquadrada em várias classificações,
desde que obedeça aos requisitos inerentes a cada tipo.

Realizar uma pesquisa com rigor científico pressupõe que você escolha um tema
e defina um problema para ser investigado, elabore um plano de trabalho e, após a
execução operacional desse plano, escreva um relatório final a ser apresentado de forma
planejada, ordenada, lógica e conclusiva.

2. POR ONDE COMEÇAR

Como toda aspiração na vida, as chances de sucesso são maiores quando estão
relacionadas a um bom processo de planejamento. O mesmo acontece com a pesquisa
acadêmica. Este “roteiro” ou plano do trabalho que auxilia o processo de investigação
acadêmica consolida-se em um Projeto de Pesquisa2. Um bom projeto facilita o trabalho ao
delimitar o que será investigado. O projeto deve manifestar de forma clara as pretensões
da pesquisa. É o documento elaborado pelo pesquisador, nele apresentam-se os
fundamentos temáticos a partir da formulação dos problemas a serem respondidos,

2Lembrando que os elementos apresentados a seguir que compõem o projeto devem ser dispostos em forma contínua (não é
necessário abrir nova página para cada tópico), sem esquecer também da capa de identificação ou cabeçalho com os dados
fundamentais do autor e instituição.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 49 28/5/2010 09:57:29


50 Construindo o projeto de pesquisa

estabelece-se um roteiro de trabalho. Segundo Gil (2001, p. 21), é “o documento


explicitador das ações a serem desenvolvidas ao longo do processo de pesquisa”.

O projeto, neste sentido, é uma atividade sistemática que tem por finalidade o
planejamento da pesquisa, envolvendo processos, prazos e metas. Deve ser elaborado
com vista a responder às seguintes perguntas: O que pesquisar? Por que pesquisar? Para
que pesquisar? Como e com o que pesquisar? Quando pesquisar?

A primeira ação é a escolha do assunto, que deve levar em consideração, em


certo sentido, o gosto pessoal, relevância do tema e pertinência científica. O pesquisador
deve verificar a existência de material de pesquisa (bibliografia e dados primários), sem
ignorar questões como tempo de execução, prazos recomendados e recursos financeiros
necessários.

3. CONSTRUINDO UM PROJETO DE PESQUISA: PASSO-A-PASSO

Para entendermos melhor cada uma destas etapas da pesquisa, segue detalhamento de
cada uma delas, por meio de sua seqüência ou passos.

Passo 1: A Escolha do “Tema” e sua delimitação

O tema identifica o próprio objeto de pesquisa e é, de forma geral, o assunto que vai ser
tratado. Escolher um tema é, provavelmente, das coisas mais difíceis para o pesquisador
iniciante, sobretudo se for aluno de graduação. Pesquisadores experientes costumam
desenvolver técnicas de documentação do trabalho científico que lhes permitem, não só
extrair de seus arquivos tais temas, como trabalhá-los concomitantemente.

Mas o pesquisador iniciante geralmente não acumulou o volume de informações


necessário para tal empreendimento. Como orientação, um bom começo é conhecer o que
outros já fizeram, visitando bibliotecas onde seja possível encontrar monografias,
dissertações de mestrado e teses de doutorado. Tais trabalhos servem como fonte de
inspiração, além de nos familiarizar com os aspectos formais, teóricos e metodológicos do
trabalho científico. Visitar sites e revistas eletrônicas especializadas na área de
conhecimento auxilia na identificação dos temas que estão em pauta.

Algumas sugestões que auxiliam na escolha do tema:

• O pesquisador deve escolher um tema do qual goste, pois o trabalho de


pesquisa é árduo e, às vezes, cansativo. Sem simpatizarmos com o tema,
não conseguiremos empenho e dedicação necessários.
• O pesquisador não deve tentar abraçar o mundo. A tendência é formular
temas incrivelmente amplos num primeiro momento, geralmente

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 50 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 51

resumidos em uns poucos vocábulos. Exemplos: “O desemprego”, “A


democracia”; “A Internet”; “A Cultura de Massa” etc.
• Disponibilidade de recursos e material para pesquisa bibliográfico e
documental.
• Contribuição para área de estudo, relevância social e atualidade.

O tema não é o problema ainda, mas por ele iniciamos a investigação. É o ponto
de partida ou referência para ser delimitado. Em geral, tem sentido mais amplo.

4. DELIMITAÇÃO DO TEMA

Se o tema é abrangente e o primeiro passo, é necessária a sua delimitação, escolha de uma


faceta, um destaque especial, um aspecto a ser privilegiado. O tema deve ser delimitado e
circunscrito tanto espacial como temporalmente. “O desemprego”, por exemplo, é tema
dos mais amplos. Que tal tratar de “Desemprego e Reestruturação Produtiva nas
Empresas Brasileiras nos anos 90”? A partir do mesmo tema poderíamos estudar vários
aspectos, mas devemos estabelecer os limites da investigação, ou seja, o perímetro ou
escopo que vamos nos comprometer em estudar. Se os temas forem muito abrangentes e a
delimitação pouco precisa, corre-se o risco de ter um trabalho simples de compilação,
recheado de citações sem qualquer referência reflexiva do autor.

Passo 2: Definição do Problema de Pesquisa

Considerando que o tema é o objeto da pesquisa, o problema é o questionamento a partir


deste tema. Com ele a pesquisa passa a ter propósito definido, ajudando na busca de uma
resposta lógica e coesa para nossa duvida.

A problematização traz a dúvida inicial que lança o pesquisador ao seu trabalho


de pesquisa. Ela se apresenta como um delineador metodológico, tendo a função precípua
de indicar ao pesquisador qual o caminho que deve ser percorrido na pesquisa para se
atingir ao objetivo estabelecido. Pode ser formulada como uma pergunta. Seguindo nosso
exemplo: “Quais os impactos para o nível de emprego e qualificação do trabalhador com a
adoção de novas tecnológicas e estratégias organizacionais poupadoras de mão de obra”?

Dependendo do problema, já teremos dicas de quais serão os métodos


necessários.

Para problematizar o tema:

• Pode ser transformado em pergunta.


• Deve ser claro e preciso.
• Evitar o sentido valorativo ou ênfase na moral.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 51 28/5/2010 09:57:29


52 Construindo o projeto de pesquisa

• Suscetível de solução (por exemplo, se o problema for “Como melhorar a


distribuição de renda no país?” seria pretensão em demasia responder em
um artigo).

Um problema de pesquisa3 bem delineado torna mais fácil a escolha das


variáveis e determinação se a pesquisa será de causa ou efeito deste assunto.

Passo 3: Formulação de hipótese(s)

A hipótese de pesquisa só será estabelecida se for estabelecido o problema. Ela é a


suposição de uma resposta para o problema formulado em relação ao tema. Por ter essa
característica de “possibilidade” de resposta, no final da pesquisa ela poder ser
confirmada ou negada. É sinônimo de premissa do trabalho, suposição, evidências.
Caracteriza-se por ser uma proposição testável, que pode vir a ser a solução do problema.
É decorrente de observação, resultado de outras pesquisas, teorias e intuição.

Passo 4: Definição dos Objetivos

A definição dos objetivos explicita o que o pesquisador quer atingir ou realizar com o
trabalho de pesquisa. Objetivo é sinônimo de meta, fim. Os objetivos podem ser separados
em Objetivos Gerais e Objetivos Específicos:

a) Objetivos Gerais: relacionam-se com uma visão global e abrangente da tese


proposta.
b) Objetivos Específicos: apresentam caráter mais concreto e têm função
intermediária e instrumental (aplicado a situações particulares). Não é
uma regra, mas, em geral, transforma-se nos capítulos, itens ou subseções
do trabalho.
Os objetivos deverão indicar quais as ações serão implementadas para responder
à pergunta do problema. Para deixar claro essa característica prática, sugere-se que o
início da frase seja feito com verbos no infinitivo, tais como: verificar, avaliar, rever,
identificar, explicar, analisar, diagnosticar, comparar etc.

Passo 5: Elaboração da Justificativa

Considerada a parte mais importante de um projeto de pesquisa, já que nela serão


formuladas as intenções do autor da pesquisa. A justificativa, como o próprio nome indica
é o convencimento de que o trabalho de pesquisa deve ser efetivado. Uma boa justificativa
deve levar em conta tanto aspectos sociais quanto científicos do tema. Três são os itens
que não podem deixar de ser observados na justificativa.

3 Podem existir problemas secundários ou complementares.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 52 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 53

- IMPORTÂNCIA: que revela o porquê de se estudar tal tema. Para quem o


estudo deste tema é importante? Por que o estudo desse tema é importante para a ciência
em questão? Por que esse tema é importante para você (pesquisador)? Aqui se concentra a
chamada justificativa científica.

- VIABILIDADE: Quais são as possibilidades de se realizar esta pesquisa? Este


aspecto está relacionado às possibilidades materiais da pesquisa: fontes de consulta
disponíveis, etc. Esta seria a justificação técnico-científica.

- OPORTUNIDADE: Por que esta pesquisa é oportuna neste momento? Ela está
de acordo com os interesses da atualidade da área de conhecimento? Aqui se concentra a
chamada justificativa sócio-científica, quando o pesquisador demonstra que tem
conhecimento de como a sua ciência se reflete na sociedade.

Passo 6: Explicitação do referencial teórico

Corresponde ao primeiro levantamento bibliográfico sobre o assunto e o tema, a fim de


que se possa estabelecer algum caminho teórico para a realização da pesquisa. Como o
trabalho acadêmico não é auto-referente, deve-se demonstrar em qual teoria ou modelo
teórico está embasada a interpretação dos dados e fatos colhidos.

Neste item apresenta-se o estado da arte, ou seja, o ponto no qual se encontram as


pesquisas científicas sobre o tema escolhido, o diálogo com os principais autores ou
correntes interpretativas sobre o tema.

Passo 7: Organização do sumário provisório

Chamado de “esqueleto” ou esquema do trabalho, é o esboço da estrutura do artigo,


dissertação ou tese. Ajuda ao dividir o tema em pequenas partes (ou itens), facilitando a
busca de material ou na redação. Sua principal função é guiar o pesquisador na
organização do material disponível e pode ser alterado no desenvolvimento do trabalho.
Vejamos um exemplo:

Título: Desemprego e Reestruturação Produtiva: impactos no mercado brasileiro a partir dos anos 90

INTRODUÇÃO

1 – A Revolução Tecnológica
1.1 – Evolução da tecnologia e aspectos históricos
1.2 – Aplicações da tecnologia e desenvolvimento econômico
2 – A Reestruturação Produtiva no Brasil
2.1 – Conceitos sobre reestruturação produtiva
2.2 – Novos paradigmas produtivos e organizacionais
3 – Impactos para o emprego
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 53 28/5/2010 09:57:29


54 Construindo o projeto de pesquisa

Passo 8: Definição da Metodologia

Neste item, o pesquisador deverá anunciar o tipo de pesquisa que empreenderá, o método
ou raciocínio de argumentação e as ferramentas que mobilizará para tal. A pergunta
chave a ser respondida aqui é: “como será realizada a pesquisa?”

Como destaca Severino (1996, p. 130),


[...] explicitar aqui se trata de pesquisa empírica, com trabalho de campo ou de
laboratório, de pesquisa teórica ou de pesquisa histórica ou se de um trabalho que
combinará, e até que ponto, as varias formas de pesquisa. Diretamente relacionados com
o tipo de pesquisa serão os métodos e técnicas a serem adotados.

O pesquisador deverá esboçar a trajetória que seguirá ao longo de sua atividade


de pesquisa. Para tanto, deverá destacar: 1) critérios de seleção e localização das fontes de
informação; 2) métodos e técnicas utilizados para a coleta de dados; 3) testes previamente
realizados da técnica de coleta de dados. Deve constar:

a) Definir o tipo de pesquisa (Pesquisa bibliográfica / documental, Pesquisa


exploratória, Pesquisa descritiva ou Pesquisa experimental).
b) Definir método de análise e pesquisa (método indutivo, método dedutivo,
método hipotético-dedutivo, método dialético ou método
fenomenológico).
c) Definir técnicas e procedimentos (fontes):
• Pesquisa bibliográfica-documental: livros, teses, artigos,
documentos.
• Levantamento: interrogar pessoas (roteiros e questionários) ou
experimentos.
• Estudo de caso: concentrar a pesquisa em uma empresa, por
exemplo.

5. OBSERVAÇÃO SOBRE TRABALHO DE CAMPO E COLETA DE DADOS


PRIMÁRIOS

Se o pesquisador executa seu trabalho valendo-se de questionários aplicados ao objeto de


seu estudo, com a finalidade de coletar dados que lhe permitam responder ao problema, a
pesquisa é denominada de campo.

Fases da pesquisa de campo

1º - Inicialmente devemos realizar a pesquisa bibliográfica sobre o assunto em questão (tal


estudo nos informará sobre a situação atual do problema, sobre os trabalhos já realizados
a respeito e sobre as opiniões reinantes, permitirá o estabelecimento de um modelo teórico
inicial de preferência, auxiliará no estabelecimento das variáveis e na própria elaboração
do plano geral de pesquisa).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 54 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 55

2º - Após a pesquisa bibliográfica prévia, de acordo com a natureza da pesquisa cumpre


determinar as técnicas de registro desses dados e as técnicas de sua análise posterior.

Sobre os recursos mais utilizados para coleta de dados, alguns esclarecimentos:

Entrevista: entendida como uma conversa orientada para um fim específico, baseada no
diálogo com determinada fonte de dados relevantes para a pesquisa planejada.

• Os quesitos da pesquisa devem ser bem elaborados e o informante deve


ser criteriosamente selecionado.
• O entrevistador deve ser discreto, deixando o informante à vontade. Sua
função é dirigir a entrevista e mantê-la dentro dos propósitos dos itens
preestabelecidos, sendo habilidoso ao evitar que o diálogo desvie-se dos
propósitos da pesquisa.
• É importante salientar que o entrevistador deve apenas coletar dados e
não discuti-los com o entrevistado; conclui-se que o entrevistador deve
falar pouco e ouvir muito.
• O número e a representatividade dos entrevistados devem ser tais que
possam apoiar e validar os resultados da pesquisa.
• O entrevistador não deve confiar excessivamente em sua memória;
portanto, deve anotar cuidadosamente os informes coletados. Gravar a
entrevista é uma maneira eficiente de tirar melhor proveito. A gravação é
útil quando se quer recorrer a certa entrevista no sentido de tirar alguma
dúvida.

Questionário: utilizado quando se pretende atingir um número considerável de


pessoas. Contém um conjunto de questões que as pessoas preenchem, no próprio local da
pesquisa, ou enviam pelos correios ou outras formas. Seu anonimato pode representar
uma segunda vantagem muito apreciável sobre a entrevista. Entre os cuidados a serem
tomados estão:

• o questionário deve apresentar todos os seus itens de forma clara e que


possibilite ao informante responder com precisão.
• é importante que haja explicações iniciais sobre a seriedade da
pesquisa, relevância da colaboração e sobre a maneira correta de
preencher o questionário (ou formulário).

Formulário: semelhante ao questionário na sua estruturação e mesmo formato, é o


entrevistador que preenche as respostas, após a consulta ao entrevistado; também as
perguntas podem ser mais complexas, pois o entrevistador poderá esclarecer dúvidas e
também fazer anotações sobre as suas próprias observações.

Procedimentos Estatísticos: uma vez ocorridos dentro dos quadros de pesquisa


numa sucessão de dados, precisam receber um tratamento estatístico, para verificar se

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 55 28/5/2010 09:57:29


56 Construindo o projeto de pesquisa

podem os dados ser utilizados e quais as possibilidades de acerto ou erro. Esses dados
necessitam ser estudados pela estatística, e se apresentam em quadros, gráficos ou tabelas.

6. OBSERVAÇÃO SOBRE OS ESTUDOS DE CASO

Estudo de caso é considerado um tipo de análise qualitativa e empírica, investiga um


fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto real. As fronteiras entre o fenômeno e o
contexto não são claramente evidentes, sendo múltiplas fontes de evidências utilizadas.

Algumas críticas são tecidas sobre este método, como falta de rigor pela possível
influência do investigador (como falsas evidências e visões enviesadas), por fornecer
pouquíssima base para generalizações e por serem demasiado extensos ou demandar
muito tempo para serem concluídos.

Apesar destas limitações metodológicas, o estudo de caso encontra um uso


extensivo na pesquisa social, seja nas disciplinas tradicionais, como a Psicologia, seja nas
disciplinas que possuem forte orientação para a prática como a Administração4.
Destacam-se as seguintes aplicações do estudo de caso:

• Explicar ligações causais em intervenções ou situações da vida real que


são complexas demais para tratamento através de estratégias
experimentais ou de levantamento de dados.
• Descrever o contexto de vida real no qual alguma intervenção ocorreu.
• Avaliar a intervenção em curso e modificá-la com base em um estudo de
caso ilustrativo.
• Explorar aquelas situações nas quais a intervenção não tem clareza no
conjunto de resultados.

Dentre os critérios para a preparação e condução de um estudo de caso, temos


que:

• Ter acumulado conhecimento considerável sobre o tema em questão (seja


através de revisão bibliográfica ou outros estudos), pois a coleta e análise
ocorrem ao mesmo tempo.
• O pesquisador deve preservar uma postura de neutralidade para evitar a
introdução de viés ou de noções pré-concebidas. Para tanto, deve sempre
documentar os dados coletados.
• Conseguir acesso à organização-chave e/ou aos entrevistados-chave.
• Munir-se de recursos suficientes para o trabalho em campo (material,
local, suporte para anotações etc.).

4 A essência de um estudo de caso – ou a tendência central de todos os tipos de estudo de caso – é que eles
tentam esclarecer “uma decisão ou um conjunto de decisões: Por que elas foram tomadas? Como elas foram
implementadas? Quais os resultados alcançados”?

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 56 28/5/2010 09:57:29


Daniela Maria Cartoni 57

• Desenvolver um procedimento para receber ajuda ou orientação de outros


investigadores.
• Criar cronograma relacionando as atividades de coleta de dados em
períodos específicos de tempo.
• Preparar-se para ocorrência de eventos inesperados (mudança na
disponibilidade dos entrevistados etc.).
• As questões são formuladas para o pesquisador e não para os
respondentes.
• Cada questão deve vir acompanhada por uma lista de prováveis fontes de
evidência. Essas fontes podem incluir entrevistas individuais,
documentos ou observações, pois a associação entre questões e fontes de
evidência é extremamente útil na coleta de dados.
• Quando possível, podem ser realizados estudos de casos-piloto que,
evidentemente, oferecem melhores condições quando da realização do
estudo de caso propriamente dito.

Este método, assim como os métodos qualitativos, são úteis quando o fenômeno
a ser estudado é amplo e complexo, em que o corpo de conhecimentos existente é
insuficiente para suportar a proposição de questões causais, nos casos em que o fenômeno
não pode ser estudado fora do contexto onde naturalmente ocorre.

Ao se decidir por ele, o investigador deve ter em mente os perigos e críticas


normalmente arremessados ao método em questão, deve, portanto, tomar as precauções e
cuidados necessários para evitá-los ou minimizar as suas conseqüências.

Passo 9: Estabelecimento da Metodologia

É a organização, pelo pesquisador, dos processos e passos metodológicos que devem ser
realizados desde o início da pesquisa até a redação final, de acordo com o tempo
disponível e permitido para a realização do trabalho.

Neste item, é preciso identificar cada parte ou fase de sua pesquisa, relacionando-
os com o tempo necessário para executá-la. Os períodos podem estar divididos em dias,
semanas, quinzenas, meses, bimestres, trimestres etc.

Veja um exemplo no Quadro 2.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 57 28/5/2010 09:57:29


58 Construindo o projeto de pesquisa

Quadro 2 – Exemplo de organização.


Ação / Prazo 18/abr a 25/abr a 02/mai a 09/mai a 16/mai a
24/abr 30/abr 08/mai 15/mai 22/mai
Levantamento da literatura × ×
Montagem do projeto ×
Tratamento dos dados ×
Leitura e fichamento × ×
Elaboração do artigo ×
Revisão do texto × ×
Entrega ×

Passo 10: Indicação de bibliografia

É a indicação preliminar de toda bibliografia encontrada até o momento, ou seja, há um


caráter provisório, sendo a função primordial justificar a existência das fontes.

Todas as citações feitas no texto deverão ser arroladas no final da proposta.


Utilize a Norma ABNT- Referências Bibliográficas – para padronizar, seguindo a ordem
alfabética por autor das obras (que podem ser livros, teses, monografias, revistas, jornais,
artigos, material da internet, manuais de procedimentos, relatórios etc.).

Exemplo:

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 1996.

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Concluída a etapa inicial da pesquisa, de escolha do tema, inicia-se a estruturação da


apresentação dos resultados, ou seja, a elaboração do texto científico, propriamente dito.
Uma vez alcançada a precisão científica na compreensão do tema, partir-se-á para sua
exteriorização, a formatação textual e apresentação pública.

Lembrando que o resultado obtido da pesquisa será tão melhor quanto for a
precisão do planejamento por meio de um projeto estruturado, com problemas e objetivos
definidos, bem como a escolha adequada dos recursos técnicos. Este é, portanto, o grande
papel do Projeto de Pesquisa: ser o norteador do processo de elaboração de trabalhos
acadêmicos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 58 28/5/2010 09:57:30


Daniela Maria Cartoni 59

REFERÊNCIAS
CERVO, Arnaldo L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Makron Books,
2002.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese. Tradução Gilson Cezar de Souza. 18. ed. São Paulo:
Perspectiva, 2002.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1994.
______. Métodos e técnicas da pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1987.
LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.A. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo:
Atlas, 1991.
MEZZAROBA, O.; MONTEIRO, C.S. Manual de metodologia da pesquisa no Direito. 2. ed. São
Paulo: Saraiva, 2006.
MEDEIROS, J.B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São Paulo: Atlas,
1991.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2002.
TRALDI, Maria Cristina. Monografia passo a passo. Campinas: Alínea, 1998.
TRUJILLO, F. Alfonso. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: McGraw-Hill, 1982.

Daniela Maria Cartoni


Possui Graduação em Ciências Sociais
pela Universidade Estadual de Campinas
(1998), Mestrado em Política Científica e
Tecnológica pela Universidade Estadual
de Campinas (2002) e MBA em Gestão de
Recursos Humanos (2008). Atualmente é
Supervisora de Cursos de Extensão
Universitária da Anhanguera Educacional. Na docência
atua como Professor Adjunto na Universidade
Presbiteriana Mackenzie, Faculdades de Valinhos e
Faculdade Comunitária de Campinas. Experiência como
pesquisadora em Inovação Tecnológica, Reestruturação
Produtiva e Políticas de Qualificação Profissional. Atua
como consultora em projetos governamentais da
Fundação do Desenvolvimento Administrativo
(Fundap).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 47-59

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 59 28/5/2010 09:57:30


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 60 28/5/2010 09:57:30
Anuário da Produção CULTURA ORGANIZACIONAL1
Acadêmica Docente
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

RESUMO
José Alberto Sallum
Faculdade Anhanguera de Campinas Até meados dos anos 80, as organizações eram vistas como uma forma
unidade 3 racional de coordenar e controlar um grupo de pessoas, possuindo níveis
jose.sallum@unianhanguera.edu.br
verticais, departamentos, além de relações de hierarquia e autoridade. Mas
as organizações são mais do que isso e assumem personalidades próprias,
assim como as pessoas que nelas trabalham, sendo locais onde existe um
sistema de convicções compartilhado por todos os membros, ou seja, uma
cultura. A criação de uma cultura começa com os fundadores da empresa, as
ações dos dirigentes têm grande impacto sobre essa cultura e os funcionários
da empresa podem tomar conhecimento dela através de histórias (relatos),
rituais (atividades repetitivas), símbolos (objetos, ações ou eventos com
significados especiais) e a linguagem (símbolos verbais), que contêm os
valores culturais da organização. As normas e valores culturais transmitem
informação social que pode influenciar o modo como as pessoas decidem
comportar-se no trabalho, já que afetam diretamente o modo como os
funcionários percebem a si mesmos, seu trabalho e a organização.

Palavras-Chave: comportamento organizacional; comprometimento


organizacional; cultura organizacional; informação; valores.

ABSTRACT

Until the mid-80s, the organizations were seen as a rational way to


coordinate and control a group of people, possessing vertical levels,
departments, and relationships of hierarchy and authority. But organizations
are more than that and assume personalities of their own, as well as the
workers, and places where there is a belief system shared by all members, or
a culture. The creation of a culture begins with the company's founders, the
actions of leaders have a major impact on this culture and company
employees can learn about it through stories (tales), rituals (repetitive
activities), symbols (objects, actions, or events with special meanings) and
language (verbal symbols), which contain the cultural values of the
organization. The cultural norms and values that convey social information
can influence how people decide to behave at work, since it directly affects
the way employees perceive themselves, their work and organization.

Keywords: organizational behavior; organizational commitment;


organizational culture; information; values.
Anhanguera Educacional S.A.
Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 2ª. aula da Disciplina Perfil Corporativo, Crenças e Valores,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
Programas Institucionais, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em
Informe Técnico Didática e Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de
Recebido em: 2/5/2009 Capacitação Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 9/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
61

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 61 28/5/2010 09:57:30


62 Cultura organizacional

CULTURA ORGANIZACIONAL

A idéia de enxergar as organizações como culturas, isto é, locais onde há um sistema de


convicções compartilhado por todos os membros, é um fenômeno relativamente recente.
Até meados dos anos 80, as organizações eram vistas como uma forma racional de
coordenar e controlar um grupo de pessoas, possuindo níveis verticais, departamentos,
relações de hierarquia e autoridade, e assim por diante. Mas as organizações são mais do
que isso, assumindo personalidades próprias, assim como as pessoas que nelas trabalham.
Podem ser rígidas ou flexíveis, hostis ou apoiadoras, inovadoras ou conservadoras.
Harvard e MIT estão no mesmo negócio – educação – e separadas fisicamente apenas pela
extensão do Charles River, mas cada qual possui um caráter e sentimento únicos, que vão
além de suas características estruturais.

É grande o reconhecimento de que a cultura desempenha importante papel na


vida dos membros das organizações. No entanto, é interessante notar que a origem da
cultura como variável independente que afeta as atitudes e o comportamento dos
funcionários pode ser encontrada há mais de 50 anos, junto com a noção de
institucionalização (SELZNICK, 1948). Quando uma organização de torna
institucionalizada, ela assume vida própria, independente de seus fundadores ou
quaisquer de seus membros; passa a ter valor por si mesma, independente dos bens e
serviços que produz. Marcas como Sony, Gillette, McDonald’s e Disney são exemplos de
organizações que sobreviveram aos seus fundadores e membros (ROBBINS, 2002).
Quando uma organização se institucionaliza, ela adquire imortalidade.

A institucionalização opera para produzir uma compreensão comum, entre os


membros da organização, sobre aquilo que é o comportamento apropriado e significativo
(ZUCKER, 1983). Assim, quando a organização adquire permanência institucional, os
modos aceitáveis de comportamento tornam-se auto-evidenciados para seus membros
(ROBBINS, 2002). Isso é o que faz a cultura organizacional.

Cultura organizacional é um conceito que se refere ao sistema de valores,


compartilhado pelos membros, de uma organização e que a difere de outra (BECKER,
1982). É um conjunto de características-chave que a organização valoriza. Atualmente,
existem sete características básicas que, em conjunto, capturam a essência da cultura de
uma organização (O’REILLY III et al., 1991).

a) Inovação e assunção de riscos, ou seja, o grau em que os funcionários são


estimulados a inovarem ou assumirem riscos.
b) Atenção aos detalhes, isto é, o grau em que se espera que os funcionários
demonstrem precisão, análise e atenção aos detalhes.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 62 28/5/2010 09:57:30


José Alberto Sallum 63

c) Orientação para os resultados, ou o grau em que os dirigentes focam os


resultados mais do que as técnicas ou processos empregados para o seu
alcance.
d) Orientação para as pessoas, ou o grau em que as decisões dos dirigentes
levam em consideração o efeito dos resultados sobre as pessoas dentro da
organização.
e) Orientação para a equipe, ou seja, o grau em que as atividades de trabalho
em equipe são organizadas mais em termos de equipes do que de
indivíduos.
f) Agressividade, ou o grau em que as pessoas são competitivas, em vez de
dóceis ou acomodadas.
g) Estabilidade, ou o grau em que as atividades organizacionais enfatizam a
manutenção do status quo em contraste ao crescimento.

A avaliação da organização em termos dessas sete características revela,


portando, uma ilustração complexa da cultura organizacional. Esse quadro torna-se a base
dos sentimentos de compreensão compartilhada que os membros têm a respeito da
organização, de como as coisas são realizadas quanto à forma como todos devem se
comportar.

Segundo Robbins (2002), “a cultura organizacional se refere à maneira pela qual


os funcionários percebem as características da cultura da empresa, e não ao fato de
gostarem ou não delas”. É um termo descritivo, importante para diferenciar este conceito
do de satisfação com o trabalho (um conceito avaliatório).

A cultura organizacional representa a percepção comum mantida pelos


funcionários da organização, afinal, é um sistema compartilhado de valores. Ela é,
portanto, a maneira informal e compartilhada de perceber a vida e a participação na
organização, que mantém seus membros unidos e tem grande peso sobre o que pensam
sobre si mesmos e seu trabalho. Para Wagner III e Hollembeck (1999), “cultura é uma
força de coesão que influencia o modo como os membros da empresa percebem a
organização formal, seus comportamentos e a si mesmos”.

O reconhecimento de que a cultura organizacional possui propriedades comuns


não significa, entretanto, que não haja subculturas dentro das organizações. As grandes
organizações, em sua maioria, possuem uma cultura dominante e diversas subculturas
(JERMIER et al., 1991). A cultura dominante expressa os valores essenciais compartilhados
pela maioria dos membros da organização, é aquela a que nos referimos quando falamos
da cultura de uma organização. As subculturas tendem as ser desenvolvidas para refletir
problemas, situações ou experiências comuns a alguns de seus membros, e podem ser
definidas por designações de departamentos ou separação geográfica: o departamento de
compras, por exemplo, pode ter uma subcultura compartilhada unicamente por seus

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 63 28/5/2010 09:57:30


64 Cultura organizacional

membros. Ela incluirá os valores essenciais da cultura dominante, além de valores


específicos daquele departamento (ROBBINS, 2002). A cultura dominante é de extrema
importância para o valor da cultura organizacional. É o aspecto do “valor compartilhado”
(ROBBINS, 2002) da cultura organizacional que a torna instrumento poderoso para
orientar e modelar o comportamento dos membros daquela organização.

Uma cultura organizacional forte é aquela em que os valores essenciais são


intensamente acatados e amplamente compartilhados (WIENER, 1988). Quanto mais
membros aceitarem os valores e quanto mais se comprometerem com eles, mais forte será
a cultura. Conseqüentemente, uma cultura forte tem influencia maior sobre o
comportamento dos seus membros (alto controle comportamental). Outra conseqüência é
o índice mais baixo de rotatividade da força de trabalho. Uma cultura forte demonstra
elevado grau de concordância entre seus membros em relação aos pontos de vista da
organização. Essa unanimidade gera coesão, lealdade e comprometimento organizacional,
qualidades que, por sua vez, reduzem a propensão dos funcionários a deixar a
organização (MOWDAY et al., 1982). Por fim, quanto mais forte a cultura organizacional,
menos os administradores precisam se preocupar em desenvolver regras e regulamentos
para orientar o comportamento dos funcionários; essa orientação é assimilada por eles à
medida que aceitam a cultura organizacional.

É importante destacar que as diferenças nacionais, a cultura de cada país,


precisam ser levadas em consideração para que se possa prever mais precisamente o
comportamento organizacional nas diversas nações (ROBBINS, 2002). Pesquisas indicam
que a cultura do país tem um impacto maior sobre os funcionários do que a cultura
organizacional (ADLER, 1997). Um exemplo: os funcionários da IBM em Munique são
mais influenciados pela cultura alemã do que pela cultura organizacional da IBM. Isso
quer dizer que, por mais forte que seja a cultura organizacional para modelar o
comportamento dos funcionários, a cultura do país sempre será mais influente.

A cultura desempenha diversas funções dentro de uma organização.


Primeiramente, tem o papel de distinguir uma organização de outras. Também
proporciona um senso de identidade aos membros da organização, facilita o
comprometimento com algo maior do que os interesses individuais de cada um e estimula
a estabilidade do sistema social (ROBBINS, 2002). A cultura é responsável por manter a
organização coesa, fornecendo padrões adequados para aquilo que os funcionários vão
fazer ou dizer; serve como sinalizador de sentido e mecanismo de controle que orienta as
atitudes e comportamentos dos funcionários.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 64 28/5/2010 09:57:30


José Alberto Sallum 65

Para Deal e Kennedy (1983), “a cultura é, por definição, sutil, intangível, implícita
e sempre presente”. Toda organização desenvolve um conjunto básico de premissas,
convicções e regras implícitas que regem o comportamento cotidiano do trabalho. Até que
os recém-chegados aprendam as regras, eles não são considerados membros plenos da
organização. As transgressões cometidas pelos altos executivos ou funcionários de cargos
mais altos são desaprovadas unanimemente e fortemente punidas. A conformidade às
regras torna-se a base para a recompensa e a mobilidade ascendente. Quem recebe um
convite para se juntar a uma organização, quem tem o desempenho bem avaliado e quem
ganha uma promoção está fortemente influenciado pelo ajuste entre individuo e
organização, ou seja, as atitudes e comportamentos dos candidatos ou funcionários se
mostram compatíveis com a cultura organizacional.

A cultura melhora o comportamento organizacional e aumenta a consistência do


comportamento dos funcionários (ROBBINS, 2002). Esses são aspectos benéficos à
organização. Do ponto de vista do funcionário, a cultura é positiva porque reduz a
ambigüidade ao dizer a ele como as coisas devem ser feitas. Mas os aspectos
potencialmente negativos da cultura não podem ser ignorados, especialmente quando
afetam a eficácia da organização.

A cultura torna-se um problema quando os valores compartilhados não estão de


acordo com aqueles que podem melhorar a eficácia da organização. Isso acontece
geralmente quando o ambiente organizacional é dinâmico, ou seja, passa por rápidas
mudanças. Dessa forma, uma cultura arraigada pode não ser adequada. Quando o
ambiente organizacional é estático, a consistência do comportamento passa a ser um valor
positivo, mas pode se tornar um fardo e dificultar a resposta às mudanças no ambiente.
Assim, a cultura pode se tornar uma barreira às mudanças, quando não é adequada nem
eficaz para lidar com as novidades em seus ambientes.

A cultura pode se tornar também uma barreira à diversidade, quando elimina as


diferenças que pessoas com históricos diversos podem levar para a organização, sustenta
vieses institucionais ou se torna insensível às pessoas que são diferentes. Isso acontece
geralmente com culturas fortes, quando há a contratação de novos funcionários que não
são parecidos com a maioria dos membros da organização – por causa de raça, sexo,
deficiências ou outras diferenças. Isso cria um paradoxo, pois a instituição quer que os
novos funcionários aceitem os valores essenciais da cultura organizacional para se ajustar
à organização e, ainda, para serem aceitos pelos demais. Ao mesmo tempo, a organização
quer reconhecer e apoiar abertamente as diferenças que esses novos trabalhadores levam
para a empresa.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 65 28/5/2010 09:57:30


66 Cultura organizacional

A criação de uma cultura começa com os fundadores da empresa, os


responsáveis pelo principal impacto sobre a cultura inicial da organização. Não limitados
por costumes ou ideologias pregressas, eles têm a visão daquilo que a organização deve
ser. O processo de criação de uma cultura ocorre de três maneiras (SCHEIN, 1996):
primeiro, os fundadores só contratam e mantém funcionários que pensem e sintam as
coisas da mesma forma que eles, em seguida, doutrinam e socializam esses funcionários
de acordo com sua forma de pensar e sentir, por fim, o comportamento dos fundadores
age como modelo que encoraja os funcionários a se identificarem com ele e assimilarem
seus valores, convicções e premissas. Após o estabelecimento de uma cultura, existem
práticas dentro da organização que visam mantê-la viva, sendo as principais as práticas
de seleção, ações dos dirigentes e métodos de socialização.

A seleção tem como objetivo identificar e contratar indivíduos que tenham o


conhecimento, as habilidades e as capacidades necessários para o desempenho bem-
sucedido das atividades dentro da organização. Quando acontece de mais de um
candidato preencher tais requisitos ser identificado, a decisão final sobre quem será
contratado é significantemente influenciada pelo julgamento de quem parece mais bem
ajustado à organização, ou seja, possui valores consistentes com os da organização. Além
disso, o processo de seleção fornece aos candidatos informações sobre a organização,
eliminando, assim, aqueles que percebem algum conflito entre seus valores pessoais e os
da empresa, indivíduos que poderiam vir a desafiar ou atacar os valores essenciais da
organização.

As ações dos dirigentes têm grande impacto sobre a cultura organizacional


(HAMBRICK; MASON, 1984), já que pela sua forma de comportamento, os altos
executivos estabelecem normas que se espalham pela organização, sobre aspectos como
que riscos devem ser assumidos, quanta liberdade deve ser concedida aos funcionários,
qual a forma de se vestir, quais ações podem se reverter em recompensas, e assim por
diante.

Independentemente da qualidade do processo de seleção, os novos funcionários


ainda não estão totalmente adaptados e doutrinados sobre a cultura organizacional. A
organização precisa, então, ajudá-los a se adaptar (para evitar problemas em relação às
convicções e costumes vigentes na empresa devido a não familiarização com a cultura) à
nova cultura, processo conhecido como socialização (ALLEN; MEYER, 1990). A
socialização pode ser dividida em três estágios: pré-chegada, encontro e metamorfose
(VAN MAANEN; SCHEIN, 1977). O primeiro estágio – pré-chegada – envolve todo o
aprendizado que ocorre antes que o novo funcionário junte-se à organização, e o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 66 28/5/2010 09:57:30


José Alberto Sallum 67

reconhecimento de que cada indivíduo chega com um conjunto de valores, atitudes e


expectativas. O segundo estágio – encontro – o novo membro vê o que a empresa é
realmente e confronta a possibilidade de que as expectativas (sobre o trabalho, os colegas,
o chefe e a organização de maneira geral) e a realidade podem não ser as mesmas. No
estágio final – metamorfose – esse indivíduo precisa resolver os possíveis problemas
surgidos no estágio do encontro, e as mudanças acontecem: o novo funcionário domina as
habilidades necessárias para seu trabalho, desempenha seus papéis e faz os ajustes
necessários para se adaptar aos valores e normas de seu grupo. Após esse processo de
socialização, incluindo seus três estágios, há um impacto sobre a produtividade do
funcionário, seu comprometimento com a organização e rotatividade, ou seja, sua decisão
final de continuar no emprego.

Após a formação de uma cultura organizacional, os funcionários da empresa


podem tomar conhecimento dela através de várias maneiras, sendo os principais as
histórias, os rituais, os símbolos e a linguagem.

As histórias são basicamente relatos de eventos passados que ilustram e


transmitem as normas e valores culturais mais profundos, geralmente conhecidas por
todos os funcionários (WAGNER III; HOLLEMBECK, 1999). Essas narrativas vinculam o
presente com o passado, oferecendo explicação e legitimidade às praticas vigentes
(PETTIGREW, 1979). Referem-se, na maior parte das vezes, a eventos ocorridos com
fundadores da empresa, quebra de regras, enormes sucessos, reduções de força de
trabalho, realocações de funcionários, reações a antigos erros, situações organizacionais
(BOJE, 1991). Quando os membros da organização contam histórias e pensam nas
mensagens que elas transmitem, os exemplos concretos facilitam a evocação posterior dos
conceitos apresentados (WAGNER III; HOLLEMBECK, 1999).

Rituais são seqüências repetitivas de atividades que expressam e reforçam os


valores fundamentais da organização, quais objetivos são mais importantes, quais pessoas
são importantes e quais são dispensáveis (KAMOCHE, 1995). Um ritual é, na verdade, um
rito – atividade cerimonial destinada a comunicar idéias específicas ou a realizar
determinados propósitos – regularmente repetido. Um dos mais conhecidos rituais
empresariais dos Estados Unidos é a premiação anual da Mary Kay Cosmetics (BEYER;
TRICE, 1987). As vendedoras são brindadas com diversos prêmios glamourosos, com base
em seu sucesso em relação às suas cotas de vendas. O ritual sinaliza para as vendedoras
que o fato de alcançar suas metas é importante e que, com trabalho duro, elas também
podem atingir o sucesso (ROBBINS, 2002).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 67 28/5/2010 09:57:30


68 Cultura organizacional

Os símbolos são objetos, ações ou eventos dotados de significados especiais que


permitem aos membros da organização trocar idéias complexas e mensagens emocionais.
Logotipos de empresas, bandeiras e marcas comerciais são símbolos prontamente
evocados (WAGNER III; HOLLEMBECK, 1999). O espaço físico da empresa, o tipo de
carro disponível para os executivos ou a forma como eles fazem suas viagens são também
outros exemplos de símbolos materiais vistos pelos funcionários como um sinalizador de
quem é importante, qual o grau de igualdade almejada pelos dirigentes e quais os tipos de
comportamento apropriados (ROBBINS, 2002). É evidente que os símbolos são
absolutamente necessários, ao transmitirem mensagens emocionais que não podem ser
facilmente expressas em palavras. Sem os símbolos, muitas normas e valores
fundamentais da cultura de uma organização não poderiam ser comunicados entre seus
membros (WAGNER III; HOLLEMBECK, 1999).

Ainda segundo Wagner III e Hollembeck (1999), a linguagem nada mais é que
um conjunto de símbolos verbais que, geralmente, reflete a cultura particular da
organização. Na Microsoft, por exemplo, desenvolveu-se a linguagem do “tecniquês”, em
grande parte graças à formação técnica de seu fundador, Bill Gates, e da mão-de-obra da
empresa. Hardcore (resistente) significa sério em relação ao trabalho. Uma situação confusa
ou ilógica é chamada de random (casual). As coisas que dão certo são super cool
(superlegais). (REBELLO; SCHWARTZ, 1992). Qualquer que seja a fonte do vocabulário
comum, o fato dele existir significa que há presença e aceitação de um conjunto de normas
e valores. Depois de assimilada, essa terminologia funciona como denominador comum
que une os membros de uma cultura ou subcultura (ROBBINS, 2002).

Goffee e Jones (1998) identificaram quatro tipos culturais distintos.


Primeiramente, existem duas dimensões por trás da cultura organizacional, classificadas
em duas categorias: elevadas ou baixas. A primeira dimensão é a sociabilidade, uma
medida do “clima de camaradagem”: uma alta sociabilidade significa que as pessoas
fazem favores umas às outras sem esperar por recompensas, que essas pessoas
relacionam-se de maneira amigável e carinhosa. A segunda dimensão é a solidariedade,
uma medida de orientação para a tarefa: alta solidariedade significa que as pessoas
podem abrir mão de seus vieses pessoais e se unirem na busca de interesses e objetivos
comuns. Associadas as dimensões, temos quatro tipos culturais: cultura de trabalho em
rede (elevada sociabilidade e baixa solidariedade: os membros vêem-se como familiares e
amigos, conhecem-se e gostam uns dos outros; estão sempre dispostos a ajudar e trocam
informações abertamente), cultura fragmentada (baixa sociabilidade e baixa
solidariedade: os membros são individualistas, o comprometimento é quase que
exclusivamente do individuo com suas próprias tarefas; os funcionários são julgados

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 68 28/5/2010 09:57:30


José Alberto Sallum 69

apenas quanto à sua produtividade e à qualidade de seu trabalho), cultura de


comunidade (elevada sociabilidade e elevada solidariedade: os membros valorizam tanto
a camaradagem quanto o desempenho, e há uma sensação de familiaridade ao mesmo
tempo em que existe um foco sobre a conquista dos objetivos; os líderes desse tipo de
cultura costumam ser inspiradores e carismáticos, com clara visão do futuro da
organização) e a cultura mercenária (baixa sociabilidade e elevada solidariedade: os
membros são ferozmente focados nos objetivos, intensos e determinados na conquista de
suas metas; têm fixação em realizar as coisas rapidamente e um poderoso senso de
propósito, não pretende apenas vencer, quer destruir o inimigo).

É importante destacar que, dentre os quatro tipos de cultura, não há melhor ou


pior. As quatro apresentam um lado negativo: a cultura de trabalho em rede pode levar à
tolerância com o desempenho fraco e à criação de “panelas” (devido ao foco na amizade),
a cultura fragmentada não apresenta coleguismo algum, é excessivamente crítica em
relação às pessoas, a cultura de comunidade pode consumir totalmente a vida das pessoas
(os líderes carismáticos freqüentemente buscam discípulos ao invés de seguidores,
resultando num clima de trabalho quase religioso) e a cultura mercenária pode levar ao
tratamento quase desumano das pessoas cujo desempenho é considerado fraco. Assim, é
necessário avaliar os pontos fracos e fortes de cada tipo de cultura, compará-los aos
valores e características dos futuros membros para saber se haveria o ajuste entre o
funcionário e a empresa. Se a pessoa é independente, não sente necessidade de fazer parte
de grupos, dificilmente se adaptaria a uma empresa como a Unilever, exemplo de cultura
de trabalho em rede. Por outro lado, a pessoa com boas habilidades sociais e empatia, que
gosta de fazer amizades íntimas no ambiente de trabalho, que não é obcecado por
eficiência e desempenho, é quase impossível haver afinidade com uma empresa como a
Mars, de cultura mercenária.

A cultura organizacional origina-se das maneiras informais e não oficiais de


proceder. Segundo Wagner III e Hollembeck (1999), “dentro de toda organização formal
de cargos prescritos e relações estruturais, encontra-se uma organização informal de
regras, procedimentos e interligações não oficiais”, que surge quando os funcionários
decidem, espontaneamente, realizar mudanças no modo de fazer as coisas. À medida que
esses ajustes moldam e alteram a maneira formal de proceder, aflora uma cultura de
atitudes e noções que passa a ser compartilhada entre colegas de trabalho.
Conseqüentemente, a cultura influencia as atitudes tomadas pelos funcionários e os
comportamentos que adotam no trabalho. As normas e valores culturais transmitem
informação social que pode influenciar o modo como as pessoas decidem comportar-se no

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 69 28/5/2010 09:57:30


70 Cultura organizacional

trabalho, já que afetam diretamente o modo como os funcionários percebem a si mesmos,


seu trabalho e a organização.

REFERÊNCIAS
ADLER, N.J. International dimensions of organizational behavior. 3. ed. Cincinnati, US:
Southwestern, 1997, p. 61-63.
ALLEN, N.J.; MEYER, J.P. Organizational socialization tactics: a longitudinal analysis of links to
newcomers’ commitment and role orientation. Academy of Management Journal, p. 847-58, 1990.
BECKER, H.S. Culture: a sociological view. Yale Review, p. 513-27, 1982.
BEYER, J.M.; TRICE, H.M. How an organization’s rites reveal its culture. Organizational
Dynamics, p.15, 1987.
BOJE, D.M. The storytelling organization: a study of story performance in an office-supply firm.
Administrative Science Quaterly, p. 106-26, 1991.
DEAL, T.E.; KENNEDY, A.A. Culture: a new look through old lenses. Journal of Applied
Behavioral Science, p. 501, 1983.
GOFFEE, R.; JONES, G. The character of a corporation: how your company’s culture can make or
break your business. Nova York, US: HarperBusiness, 1998.
HAMBRICK, D.C.; MASON, P.A. Upper echelons: the organization as a reflection of its top
managers. Academy of Management Review, p. 193-206, 1984.
JERMIER, J.M.; SLOCUM JR., J.W.; FRY, L.W.; GAINES, J. Organizational subcultures in a soft
bureaucracy: resistance behind the myth and facade of an official culture. Organization Science, p.
170-94, 1991.
KAMOCHE, K. Rhetoric, ritualism and totemism in human resource management. Human
Relations, p. 367-85, 1995.
MOWDAY, R.T.; PORTER, L.W.; STEERS, R.M. Employee-organization linkages: the psychology
of commitment, absenteeism and turnover. Nova York: Academic Press, 1982.
O’REILLY III, C.A.; CHATMAN, J.; CALDWELL, D.F. People and organizational culture: a profile
comparison approach to assessing person-organization fit. Academy of Management Journal,
p.487-516, 1991.
PETTIGREW, A.M. On studing organizational cultures. Administrative Science Quaterly, p. 576,
1979.
REBELLO, K.I.; SCHWARTZ, E.I. Microsoft: Bill Gates’ baby is on top of the world. Can it stay
there? Business Week, p.60-64, 1992.
ROBBINS, S.P. Comportamento organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, p.497-516, 2002.
SCHEIN, E.H. Leadership and organizational culture. In: HESSELBEIN, F.; GOLDSMITH, M.;
BECKHARD, R. (Eds.). The leader of the future. São Francisco, US: Jossey-Bass, 1996. p.61-62.
SELZNICK, P. Foundations of the Theory of Organizations. American Sociological Review, p.118-
24, 1948.
VAN MAANEN, J.; SCHEIN, E.H. Career development. In: HACKMAN, J.R.; SUTTLE, J.L. (Eds.).
Improving life at work. Santa Monica, CA: Goodyear, 1977, p. 58-62.
WAGNER III, J.A.; HOLLEMBECK, J.R. Comportamento organizacional: criando vantagem
competitiva. São Paulo: Ed. Saraiva, 1999. p.365-394.
WIENER, Y. Forms of value systems: a focus on organizational effectiveness and cultural change
and maintenance. Academy of Management Review, p.53, 19886.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 70 28/5/2010 09:57:30


José Alberto Sallum 71

ZUCKER, L.G. Organizations as Institutions. In: BACHARAH, S.B. (Ed.). Research in the
Sociology of Organizations. Greenwich, US: JAI Press, p. 1-47, 1983.

José Alberto Sallum


Coordenador dos cursos de Tecnologia em Gestão de
Recursos Humanos da Faculdade Anhanguera de
Campinas, unidades 2 e 3. Coordenador do curso
especial da Faculdade Anhanguera de Campinas,
unidade 3. Professor dos cursos de Administração de
Empresas e Tecnologia em Gestão de Recursos
Humanos. Psicólogo, atuando nas áreas de treinamento
e desenvolvimento, gerenciamento de carreiras e gestão
de pessoas.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 61-71

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 71 28/5/2010 09:57:30


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 72 28/5/2010 09:57:30
Anuário da Produção ENSINO-APRENDIZAGEM:
Acadêmica Docente PRESSUPOSTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Maria Cristina M. Barbosa RESUMO


Faculdade Anhanguera de Valinhos
mcbarbosa@directnet.com.br A Educação é um fenômeno próprio do Homem, daí porque a sua
compreensão, bem como a do ato de ensinar-aprender que a constitui, passa
pela compreensão da natureza humana. Trata-se de um artigo de iniciação à
Filosofia da Educação que visa estabelecer as dimensões antropológicas,
axiológicas e epistemológicas fundamentais para a concepção do ensino-
aprendizagem.

Palavras-Chave: filosofia da educação; fundamentos; ensino-aprendizagem.

ABSTRACT

Education is a typical expression of men, for this reason the comprehension


of it, and also of the teaching-learning act that education is constituted, can
not be understood without the discussion about human nature. This article
introduces Educational Philosophy, and at the moment that anthropological,
axiological and epistemological dimensions are established as key
characteristics for teaching-learning.

Keywords: philosophy of education; foundations; teaching-learning.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Fundamentos Teóricos do Ensino
Desenvolvimento Educacional - IPADE
Aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e
Informe Técnico Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação
Recebido em: 23/05/2009 Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 27/01/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
73

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 73 28/5/2010 09:57:30


74 Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos

1. INTRODUÇÃO

Qualquer atividade que se queira intencional e eficaz necessita ter bem claros os
pressupostos teóricos que orientarão suas ações. A atividade educativa não seria
diferente, e é nesta perspectiva que se insere este trabalho.

Trata-se de uma reflexão, sob o ponto de vista da Filosofia da Educação a


respeito dos fundamentos teóricos do processo de ensino-aprendizagem, com o objetivo
de contribuir para com a docência, possibilitando que tornemos nossas práticas cotidianas
mais eficazes e significativas.

2. PRESSUPOSTOS HISTÓRICOS2 DO ENSINO-APRENDIZAGEM

Entendendo que educar significa produzir os consensos humanos3 e sociais básicos e


fundamentais para a vida em comunidade, percebe-se que esta significação se altera na
História em função daquilo que, em cada tempo, foi considerado básico e fundamental
pelas diversas sociedades, ao mesmo tempo em que se constata que esta “produção de
consensos” não esteve, necessariamente, vinculada à existência da escola, senão vejamos.

As comunidade tribais pré-históricas4 conseguiam estabelecer a relação entre os


saberes já existentes e a sua continuidade nas novas gerações utilizando-se das formas
difusas e universais de ensino-aprendizagem, onde todos ensinavam tudo a todos,
oralmente, através dos ritos e dos mitos. Produzia-se o viver comunitário fundado,
consensualmente, no respeito aos mais velhos e nos seus “saberes”; na reprodução dos
mitos e ritos; e no entendimento de que tudo acontecia no ritmo da natureza. A
aprendizagem se dava sem a figura “oficial” do professor e sem a existência da escola e, o
que ainda hoje é o mais encantador, sem a existência de castigos5, uma vez que o ritmo do
aprender era o da própria natureza.

Aquele que ensinava, precisava ter olhar observador (para perceber o ritmo da
natureza), paciência (para esperar que os resultados aparecessem no seu devido tempo) e

2 A História da Educação será, aqui, tratada de forma generalista, como um “cenário espaço-temporal”, onde os
fundamentos filosófico-epistemológicos do ensino-aprendizagem irão se estabelecer.
3 Consenso não é unanimidade nem homogeneidade. Consenso é o que resulta, em comum, após a explicitação das

diferenças.
4 Pré- história entendida aqui em seu sentido literal; período caracterizado pela tradição oral dos mitos e dos ritos, quando

os povos ainda não tinham a escrita para registro dos acontecimentos,


5 A coerção no ensino-aprendizagem aparece nas sociedades mais complexas, em que a necessidade do ensino organizado

se faz presente e a educação deve “ganhar tempo” para cobrir a distancia entre a natureza do aprendiz e o que se espera que
ele aprenda. Ganha-se tempo e violenta-se a natureza. Poderíamos indagar a respeito das torturas tribais nos ritos de
iniciação a que todos são submetido, mas aí a dimensão não é a do ensinar-aprender e sim a do marcar o corpo como sinal
de pertencimento ao grupo. Conforme Clastres (1979, p. 125-130) “o corpo é uma memória” do pertencimento social.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 74 28/5/2010 09:57:30


Maria Cristina Mesquita Barbosa 75

respeito à “natureza diferente” de cada aprendiz. E, aquele que aprendia, o fazia por
imitação o que, às vezes produzia o engano, mas não o erro que merecesse ser punido.
[As] crianças (nas sociedades orais) seguem os adultos nas mais diferentes atividades
[...] imitam os adultos, e ao imitá-los, estão imitando os próprios heróis culturais, pois
foram eles que fundaram todas as formas de fazer as coisas no interior das culturas.
Assim, um homem pesca como pesca porque assim faziam seus antepassados míticos
que lhes transmitiram estes conhecimentos. (CALEFFI apud ARANHA 2006, p. 36)

Estas comunidades se transformam muito lentamente e de maneira desigual,


atendendo a especificidades dos lugares e das culturas diferentes a que pertencem. Ainda
há tribos assim vivendo, ensinando e aprendendo na África, na Austrália e no interior do
Brasil, por exemplo. Mas, a História é um permanente movimento e as transformações
foram ocorrendo, exigindo novos saberes e novas formas de ensinar estes saberes.

A revolução agrícola e o pastoreio, a produção de excedentes comercializáveis, a


conseqüente sedentarização e maior complexidade dos agrupamentos humanos
produziram tantas e tão profundas transformações que redefiniram as formas do convívio
social 6, reordenaram os papéis sociais, criaram demandas por uma melhor administração
deste viver coletivo, re-significando o papel das lideranças, dos governantes e de suas
funções político-religiosas. Todos estes eventos exigiam uma nova Educação e também
um ensino organizado, sistematizado, o que deu origem às escolas.

Continuava sendo preciso educar, produzir os consensos humanos e sociais


básicos para a vida em comunidade, mas estes consensos agora resultariam de novos
ambientes e de novas necessidades. A escola surgiu para atender a estas novas
necessidades: era preciso qualificar pessoas para compor os quadros administrativos deste
novo Estado7, bem como para formar sacerdotes para a sustentação das bases teocráticas
deste mesmo poder. Foram, portanto, os primeiros formandos de nossas primeiras escolas
os administradores – funcionários públicos e os sacerdotes –, não nos esquecendo que a
formação na área da saúde compunha o saber sacerdotal, como revela, por exemplo, a
história do Egito.

Mas, que escola era esta? E o ensino-aprendizagem como se estruturava?

Tratava-se de uma escola de caráter elitista, nem todos poderiam ser


funcionários-públicos ou médicos-sacerdotes, uma vez que para a educação antiga a
capacidade de aprender se encontrava vinculada à condição social do indivíduo. Tratava-

6 Há interessantes observações mostrando que os ordenamentos religiosos tentavam responder a estes “novos tempos”.

Assim é que dos “Dez Mandamentos” judaico-cristãos três se referem a Deus e os outros sete se referem à ordenação social
dos novos tempos de “Homens não mais nômades”.
7 Estado aqui não está sendo entendido como o Estado moderno, mas sim como estrutura administrativa de governo e de

poder.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 75 28/5/2010 09:57:30


76 Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos

se de uma forma de aculturação da aristocracia escravista. Só freqüentava a escola quem


possuísse escravos para trabalhar por ele, pois a escola era o “lugar do ócio”.

Outro traço fundamental desta escola era o autoritarismo, não só pela sua
vinculação à aristocracia, mas também pelos pressupostos filosóficos e epistemológicos
em que se fundava: a sustentação teocrática de seus saberes. Os conteúdos a serem
ensinados se sustentavam na “verdade sagrada” que seria a explicação última de todas as
coisas. Como decorrência, o eixo ensino aprendizagem se sustentava na reprodução, uma
vez que aquilo que estava sendo ensinado era de caráter sagrado e, portanto, deveria ser
aceito e reproduzido, nunca discutido.

Nesta escola, o ensino se dava a partir do livro-texto, que era também o livro da
religião oficial ou hegemônica. Assim, o livro-sagrado era o livro estudado. As estratégias
de aprendizagem consistiam na leitura, repetição e memorização das “verdades” nele
contidas. O bom professor seria aquele capaz de, através destas estratégias, levar o aluno
a reproduzir os valores sagrados desejáveis (no fundo, toda escola era escola de moral). O
bom aluno seria aquele que melhor reproduzisse os “modelos sagrados” – e o castigo
deveria ser usado para a correção de rumo daqueles que se afastassem deste padrão
modelar.

Em torno dos séculos VII e VI a.C., na Grécia, surgem aqueles pensadores que
iriam se opor a este modelo explicativo da realidade a partir do mítico, do sagrado. São
eles os chamados “filhos da cidade”, os filósofos, intelectuais de um mundo que agora
dispunha da acessibilidade8 à escrita, o que possibilitava a divulgação dos diferentes
aspectos da vida social e política das comunidades, bem como das divergências nos
costumes e no entendimento do que seriam o Homem9 e a Verdade.

Ao “dessacralizar” as explicações, o filósofo estimulou o debate argumentativo


(sem espaço no mundo teocrático) e redefiniu como deveriam ser produzidos os
consensos humanos e sociais básicos e fundamentais para a vida em comunidade.

É neste contexto que surgirá a PAIDÉIA grega — Projeto de Formação Integral e


Permanente do Homem grego — e o pensar filosófico sobre esta Paidéia se tornará
referencial para as Ciências da Educação ainda hoje, a ponto de ser possível falar em uma
PAIDÉIA Medieval, PAIDÉIA Moderna e até em uma PAIDÉIA Pós-Moderna, pois o
termo se tornou sinônimo de Projeto-Pedagógico Educacional.

8 A aristocracia escravista não acabara. Mas, a escrita, utilizando-se de um novo tipo de alfabeto, se tornara mais “popular”.
9A expressão Homem, neste texto, terá sempre o sentido de HUMANO, com todas as possibilidades de gênero constitutivas
da condição humana.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 76 28/5/2010 09:57:30


Maria Cristina Mesquita Barbosa 77

Ao discutir os fins da Paidéia, os gregos esboçaram as primeiras linhas conscientes da


ação pedagógica e assim influenciaram por séculos a cultura ocidental.
As questões: O que é melhor ensinar? Como é melhor ensinar? Pra que ensinar?
Enriqueceram as reflexões dos filósofos e marcaram as diversas tendências. (ARANHA
2006, p. 68).

3. PRESSUPOSTOS FILOSÓFICOS DO ENSINO-APRENDIZAGEM

Após as reflexões sobre a PAIDÉIA grega, os eixos orientadores de qualquer Projeto


Pedagógico-Educacional seriam estabelecidos em cima das mesmas questões. Não mais se
poderia pensar a Educação sem que as seguintes perguntas fossem feitas:

Quem é o Homem que será educado? (Aluno)

É preciso discutir os vários entendimentos do humano, originando desta reflexão


a Antropologia Filosófica.

O que deverá ser ensinado a este Homem? (Conteúdo) E por que? (Finalidade).

É preciso repensar os VALORES, contrapondo-se os valores emergentes aos


valores decadentes de uma sociedade, para que se escolha o que é básico e fundamental
para ser ensinado. Neste momento, toda a educação será política porque refletirá uma
tomada de posição diante de valores.

Ao mesmo tempo, é preciso refletir sobre a finalidade do ensinar-aprender, uma


vez que as finalidades se sustentam em cima daquilo que é entendido como o mais
importante, ou seja, a finalidade também traduz um valor.

Como corolário destas questões, surge a da AVALIAÇÃO, pois esta terá


significado à medida que não perde de vista a FINALIDADE do ato de educar. Origina-se
desta reflexão a Axiologia Filosófica.

Como este Homem conhece e aprende? (Métodos e Procedimentos).

É preciso entender os pressupostos do CONHECIMENTO que sustentam as


estratégias de ensino-aprendizagem, tornando factível a Educação. Origina-se desta
reflexão a Epistemologia Filosófica.

A partir, portanto, dos questionamentos feitos à Paidéia grega, o que se entende


por ensinar e aprender, no ocidente, tomou novos rumos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 77 28/5/2010 09:57:30


78 Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos

Entretanto, o que não pode ser esquecido é que as perguntas-problema são as


mesmas, as respostas é que serão diferentes dependendo das variadas condições em que
foram pensadas e explicitadas. Há interferência dos diferentes olhares, das diversas
ciências, dos variados ambientes em que o fenômeno educativo acontecerá, das
particularidades espaço-temporais, das variações político-ideológicas, das transformações
sócio-tecnológicas, enfim, do dinamismo da própria História.

Foi ao se defrontar com este emaranhado de respostas que pesquisadores da


Filosofia da Educação perceberam a existência de três eixos comuns sustentando e
organizando estas respostas
Quando se examinam as grandes articulações da História Ocidental nos últimos dois
milênios, não há como negar a impressionante presença e atuação de concepções de
mundo que se sucedem [...] podemos identificar três grandes caminhos trilhados pela
filosofia no ocidente: o Homem numa perspectiva Essencialista; o Homem numa
perspectiva Naturalista e o Homem numa perspectiva Histórico-Social. (SEVERINO
1994, p. 31-34)

Estes três entendimentos a respeito do que seja o Homem, o Conhecimento e os


Valores darão origem às várias tendências pedagógicas que ainda vigoram na nossa
prática educacional.

3.1. A Concepção Essencialista (Metafísica / Inatista / Apriorística)10

• Período histórico: Antiguidade - Idade Média (15 séculos


aproximadamente).
• Principais filósofos: Platão, Aristóteles, Agostinho, Tomás de Aquino.

Esta concepção afirma em sua Antropologia que:

O Homem é portador, desde o seu nascimento, de características essenciais,


comuns a todos (por exemplo, dons e talentos), que se reportam a “fôrmas metafísicas
originais” que são os Modelos da Perfeição de cada uma delas. Por isso, o nosso
conhecimento funda-se em tantos modelos. Temos modelos de aluno perfeito, de
professor perfeito, de amigo perfeito, de patrão perfeito, de namorada perfeita e por aí
vamos.

Não são negadas as diferenças concretas, particulares, individuais entre os


Homens, mas elas são acidentais. Na sua essência, todos os Homens são iguais, pois se
sustentam no Modelo Metafísico de seu Ser. O Homem é definido pelas características que
permanecem, não pelas que mudam.

10 Foram utilizadas as várias denominações de uma mesma concepção.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 78 28/5/2010 09:57:30


Maria Cristina Mesquita Barbosa 79

Este entendimento se refletirá na concepção pedagógica tradicional que, ao


entender que todos os Homens são metafisicamente iguais, fundará uma prática de sala
de aula única para todos e repetitiva, pois as condições humanas da aprendizagem serão
essencialmente sempre as mesmas.

Em sua Axiologia, esta concepção dirá:

Os Valores que presidem a ação do Homem serão os valores ÉTICOS. O Homem


não é responsável por suas características metafísicas, inatas, mas é responsável pela sua
ação moral. Posso não ter nascido com o talento para, concretamente, ser o modelo de
aluno de matemática, mas sou moralmente responsável por ser VIRTUOSO (gregos) ou
SANTO (Idade Média) e, neste momento, sou responsável por “correr atrás”, por me
dedicar a esta busca da perfeição modelar.

O principal valor moral do Homem residirá na Vontade, uma vez que o dom da
inteligência, por exemplo, não depende deste Homem querê-lo ou não. Assim sendo, é
nesta busca do modelo ideal que o Homem chegará ao máximo de perfeição que sua
potencialidade permitir, nisto residirá a virtude para os antigos gregos e o mérito para os
filósofos modernos.

Cada Homem será responsável por ser bom ou mau, daí a importância do
conhecimento, pois quem melhor conhece, melhor escolhe e, certamente, será moralmente
melhor. Para o filósofo grego o Homem sábio será inevitavelmente o Homem virtuoso e
santo. Nesta concepção, até a santidade é privilégio dos “iluminados pelo saber”, e, por
isso, nós professores somos sacerdotes de uma “missão sagrada”.

Quanto à sua Epistemologia, será afirmado que o Conhecimento é apriorista, inato:

O Homem nasce com características espirituais que validarão o seu conhecimento


a priori. O espírito racional do Homem reconhece os modelos metafísicos universais em
cada situação particular. Portanto, para que este Homem aprenda ou conheça, ou ainda
“relembre”, como quer Platão, será preciso uma boa metodologia, como a Maiêutica
socrática, a Dialética platônica ou a Lógica aristotélica, utilizadas ainda hoje na pedagogia
tradicional, pois estes métodos serão capazes de levar o aluno a este saber a priori.

Nesta epistemologia, o professor será sempre a figura central, uma vez que ele é
aquele que já conseguiu “sair da caverna” (platônica), por isso tem o compromisso moral
e político de tirar os seus alunos daquela escuridão. O professor “sabe a Saída” através do

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 79 28/5/2010 09:57:30


80 Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos

Conhecimento, o aluno “não sabe”. (Como curiosidade, este também é o argumento de


Platão para explicar porque o filósofo deveria governar a República.)11

A Educação nesta concepção será pautada pela seguinte questão: como levar o
aluno a concretizar o modelo de perfeição que, potencialmente, já traz dentro de si?
(Atualizar potências, como diria Aristóteles.)

Usamos para atingir este objetivo as metodologias citadas e a seguinte forma de


avaliação: temos um “modelo de aluno” e os nossos alunos individualizados e concretos
serão considerados melhores ou piores à medida que mais se aproximarem ou se
afastarem deste “modelo metafísico”.

A partir deste entendimento, compreende-se figura central do professor nesta


pedagogia chamada de magistrocêntrica. “[...] apesar de constatadas diferenças entre os
seres humanos, existirá uma essência humana, um modelo a ser atingido por meio da
educação” (ARANHA, 2006b, p. 150).

A esta concepção essencialista, metafísica, corresponderá a Pedagogia


Tradicional.

3.2. Concepção Naturalista (Cientificista / Ambientalista / Positivista)

• Período Histórico: Modernidade (5 séculos aproximadamente).


• Principais Filósofos: Bacon; Locke; Descartes; Comte; Durkheim.

Esta concepção se declara contrária às explicações Metafísicas / Teológicas /


Essencialistas e em sua Antropologia afirma que:

O Homem é uma realidade natural, portador de uma Razão Natural e pode ser
explicado pelas mesmas Leis Naturais que explicam toda a natureza. Estas explicações serão
dadas por cada uma das Ciências que se propõe a estudar o Homem, em suas várias
dimensões naturais: Biologia; Psicologia; Antropologia Científica; Sociologia, Neuro-
Linguistica etc.

11 A metodologia socrática consiste fundamentalmente em “saber perguntar”, para que o aluno “coloque para fora” o a

priori que já traz dentro de si. As perguntas serão diferentes dependendo dos objetivos que se queira atingir. Se quero
ensinar conteúdos, ou fazer o aluno conhecer as suas reais potencialidades, as perguntas serão construtivas e amigáveis,
levando-o a aprender, a isto Sócrates chama de maiêutica, que é o partejar das idéias (objetivo de formação intelectual).
Mas, se quero levar o aluno a ter consciência da sua ignorância, uso a ironia, para fazê-lo compreender a máxima: “O que
sei, é que nada sei” (objetivo de formação moral). A Dialética platônica se utilizará dos debates argumentativos a partir das
contradições para fazer o aluno chegar ao conhecimento de qualquer ordem (intelectual ou moral). Mas, também aqui, a
maiêutica ou a ironia poderão ser utilizadas e o debate poderá ser um diálogo ou uma confrontação. A Lógica aristotélica
cobrará a fundamentação e a consistência do saber, bem como a exatidão argumentativa e formal com que este saber será
expresso, pois, como dizia Aristóteles, uma coisa não pode ser e não ser ao mesmo tempo e sob o mesmo aspecto.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 80 28/5/2010 09:57:30


Maria Cristina Mesquita Barbosa 81

E, em sua Axiologia, esta concepção dirá:

Os Valores que devem prevalecer sobre os demais devem ser os da realidade


natural, os que levem o Homem e qualquer outro ser vivo a viver mais e melhor, sempre de
acordo com a sua natureza. Estes valores deverão ter uma validação científica e técnica, pois
estes são os indicadores que deverão presidir as ações do Homem, para que sejam
eficazes.

Quanto à sua Epistemologia, afirma que:

O Conhecimento é Empírico: É “naturalizado”. Nada mais de modelos espirituais,


metafísicos. O Homem é portador de capacidade natural (Razão Natural) que o levará ao
conhecimento, bastando que se relacione empiricamente com a realidade, a observe, dela
retire os elementos constantes, estabeleça padrões e a explique em demonstrações lógico-
matemáticas. É o modo científico de pensar (positivismo).

É preciso conhecer para determinar a natureza de qualquer fato ou fenômeno e


depois explicitá-lo com precisão, testando a sua veracidade na constância e na forma
como se manifesta.

A Educação nesta concepção deverá ser laica e científica. O aluno será levado a
conhecer a natureza das coisas, incluindo aí a sua própria natureza, porque ao compreender a
natureza de qualquer coisa o Homem a dominará e, neste momento, terá poder sobre ela,
inclusive o poder de mudá-la DESDE QUE ISTO SEJA NATURAL. Saber se torna Poder, como
afirma Bacon.

Este é o caminho do saber, como afirma Roger Bacon: ”Da autoridade às coisas, dos
livros à natureza, das opiniões às fontes”. Para chegar a tal domínio, prioriza-se o saber
especializado.

Descartes, no seu Discurso do Método, propôs que o Homem, para melhor


entender a realidade e não se enganar, deveria dividir esta mesma realidade em quantas
partes fosse necessário para melhor analisá-la e entendê-la. E, só depois, reconstruí-la em
um exercício de síntese. A especialização passa a ser condição para que o conhecimento se
efetive com menor chance de erros.

Os métodos experimentais, científicos e matemáticos deverão nortear o ensino e


a aprendizagem. Deve-se metodicamente buscar o que é constante, o permanente debaixo
das mudanças. A diferença entre esta concepção e a concepção essencialista é que, aqui, o
permanente será da ordem da natureza e não da ordem das essências metafísicas.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 81 28/5/2010 09:57:30


82 Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos

Os critérios de avaliação também deverão ser científicos e técnicos, o que supõe


serem quantificáveis para serem matemática e numericamente traduzidos. A tendência
pedagógica que resultará desta concepção filosófica será a da Pedagogia Naturalista,
Cientificista, Positivista com as denominações de Escolanovismo, Pedagogia Não-
Diretiva e Tecnicista.

3.3. Concepção Histórico-Social (Sócio-Interacionista)

• Período Histórico: Fim da Modernidade. Início da Contemporaneidade


(Séculos XIX, XX e XXI).
• Principais filósofos: Hegel; Marx.

Em sua Antropologia, esta concepção afirma que:

O Homem: é um ser Natural e Histórico, determinado pelas condições objetivas


da existência, incluindo nestas condições a classe social a que pertence. Este Homem é
capaz de modificar estas condições através da Práxis (ação consciente).

O Homem se constitui como tal por meio das interações sócio-históricas. O que o
distingue dos irracionais não é a alma essencial, metafísica, nem apenas o arcabouço
biológico e sim a sua capacidade de se libertar das necessidades através do trabalho. Só no
Homem a necessidade satisfeita gera novas necessidades e, para satisfazê-las, este mesmo
Homem criou instrumentos e o trabalho e este, por seu turno, passou a ter um significado
que ultrapassa o indivíduo. A partir do trabalho, a necessidade deixa de ser uma
dimensão da impotência humana diante da natureza, para se tornar liberdade e
capacidade de realização. Este Homem assim entendido só poderá ser educado na
pedagogia do trabalho, “O que não é garantido pela natureza tem que ser produzido
historicamente pelos homens e aí se incluem os próprios Homens” (SAVIANI, 2003, p.13).

Os Valores “são definidos pelo tipo de relação de poder que os Homens


estabelecem entre si na sua prática real, sendo os critérios de avaliação da ação e da
educação eminentemente políticos”. (SEVERINO, 1994, p. 35).

Os valores, assim entendidos, definem a práxis que é uma atividade consciente e


transformadora do Homem e da realidade. É valor fundamental, porque é a partir desta
que o Homem produz o que até então não existia, seja um produto mesmo ou um
significado (produção do simbólico).

E quanto à sua Epistemologia, afirma que:

O Conhecimento é interacionista, dialético. Resulta da relação entre o Sujeito


(que conhece) e o Objeto (que é conhecido). O sujeito se percebe no mundo do objeto e o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 82 28/5/2010 09:57:30


Maria Cristina Mesquita Barbosa 83

objeto só tem um significado a partir do sujeito. Esta é uma situação indissolúvel: Sujeito e
Objeto em permanente interação e construção de sentidos.

Este conhecimento é prático porque é experimental, terá como resultado a ação


do Homem sobre a natureza; é social porque no ato de conhecer o Homem percebe os
outros Homens como iguais a ele mesmo e com eles interage e constrói significados; é
histórico pois todo conhecimento foi adquirido e construído NA e COM a História.

Pedagogicamente, só faz sentido o saber que é construído histórico-socialmente.

A Educação. “A educação é um processo individual e coletivo de construção da


consciência social e de reconstrução da sociedade pela rearticulação política” (SEVERINO,
1994, p. 34). Os valores, assim como os critérios de avaliação, são Políticos:
Se não acredito que a desigualdade pode ser convertida em igualdade pela mediação da
Educação (obviamente não em termos isolados, mas articulada com as demais
modalidades que configuram a prática social global), então, não vale a pena desencadear
a ação pedagógica. (SAVIANI, 1988b).

Pertencem ainda a esta concepção, as teorias sócio-interacionistas e


construtivistas que surgiram no bojo da Psicologia Cognitiva e da Lingüística e que,
devido à sua importância para as atuais teorias da aprendizagem, serão objeto de nosso
estudo em outro momento. Esta concepção dará origem à Pedagogia Interacionista,
Progressista em suas determinações Libertadora, Libertária e Crítico Social.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Educação é um fenômeno próprio dos humanos, daí porque sua compreensão e a do


ato de ensinar-aprender que a constitui, passar pela compreensão da própria natureza do
Homem. Esta nossa reflexão pretendeu mostrar como na constituição histórica do
pensamento humano sobre a Educação alguns momentos, como o da Paidéia grega foram
determinantes, bem como o da criação da escola.

Com relação à Escola, viu-se que a Educação se faz com ou sem ela.

Esta ainda é uma discussão presente nas Ciências da Educação: há autores como
Bordieu e Passeron que entendem ser a Escola uma forma de reprodução da sociedade e,
neste sentido, mantenedora do status quo. Assim também pensa Althusser ao classificá-la
como Aparelho Ideológico do Estado. Há, ainda, Illich que propõe a Desescolarização para que
realmente haja Educação. Esta linha de pensamento constitui o denominado pessimismo
ingênuo, segundo Cortela (2006).

As concepções naturalistas (positivistas) e histórico-social também divergem


quanto à função da Escola. Os primeiros entendem que a escola é a redentora social, através

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 83 28/5/2010 09:57:30


84 Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos

dela os Homens se adaptam à sociedade e restaura-se a ordem social que levará


inevitavelmente ao progresso. Cortela (2006) denomina esta visão de otimismo pedagógico;
os histórico-sociais entendem que a escola, juntamente com as demais forças sociais,
poderá criar as condições necessárias para transformar o mundo em que o Homem vive, é
o chamado otimismo crítico (CORTELA, 2006).

Sob qualquer aspecto, nós, educadores, somos os partejadores do futuro...


variando o que se entende por futuro e neste momento temos que recomeçar
estabelecendo os consensos humanos e sociais básicos para a vida em comunidade.

REFERÊNCIAS
ARANHA, M.L. A história da educação e da pedagogia – geral e do Brasil. 3. ed. rev. ampl. PLT –
Curso de Pedagogia Anhanguera Educacional. São Paulo: Moderna, 2006a.
______. Filosofia da Educação. 3. ed. rev. ampl. São Paulo: Moderna, 2006b.
BARBOSA, M.C.M. A formação do administrador de empresas na sociedade global: Perspectivas
e Contradições do Ensino da Filosofia e da Ética. UNICAMP. Campinas, SP, [s.n] Faculdade de
Educação, 2002.
CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.
CORTELA, M.S. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 10. ed. São
Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2006.
LIBÂNEO, J.C. Democratização da escola pública: pedagogia crítico-social dos conteúdos. São
Paulo: Loyola, 1985.
LUCKESI, C.C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994.
SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica. 8. ed. rev. ampl. Campinas, SP: Autores Associados,
2003.
______. Escola e democracia. 20. ed. São Paulo: Cortez - Autores Associados, 1988b.
______. Educação: do senso comum à consciência filosófica São Paulo. Corte - Autores Associados,
1980.
SEVERINO, A. J. Filosofia da Educação: construindo a cidadania. São Paulo: FTD, 1994.

Maria Cristina Mesquita Barbosa


Graduada em Filosofia pela Faculdade de Filosofia
Ciências e Letras de Poços de Caldas, MG (1969) e
mestre em Educação pela Universidade Estadual de
Campinas (2002), é professor adjunta das Faculdades
Anhanguera nos campi da Valinhos e Campinas unidade
1, além de ministrar aulas no curso de Capacitação
Docente. Exerce, atualmente, a Coordenação do Projeto
de Extensão “Faculdade Aberta da Terceira Idade” na
Faculdade Anhanguera de Valinhos. Tem experiência na
área de Filosofia, com ênfase em Filosofia e Filosofia da
Educação atuando principalmente nos seguintes temas:
filosofia, educação, ética, sociologia, didática.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 73-84

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 84 28/5/2010 09:57:30


Anuário da Produção O PROJETO PEDAGÓGICO COMO
Acadêmica Docente FERRAMENTA INSTITUCIONAL1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Suselei A. Bedin Affonso RESUMO


Faculdade Anhanguera de Campinas
unidade 3 O presente artigo tem como objetivo discutir o processo de elaboração do
suseaffonso@hotmail.com projeto político pedagógico de uma instituição como uma construção
coletiva, bem como fortalecer a importância do planejamento como
ferramenta necessária através do qual a instituição deixa claras suas
expectativas e as metas que quer alcançar como resultado social de seu
trabalho, definindo propostas de ações, atitudes, regras e rotinas para que
esses resultados sejam alcançados.

Palavras-Chave: planejamento; projeto pedagógico; gestão participativa.

ABSTRACT

This article aims to discuss the process of developing the political


pedagogical project of an institution as a collective, as well as strengthen the
importance of planning as a necessary tool through which the institution
makes clear its expectations and goals you want to achieve as a result social
work, defining proposed actions, attitudes, rules and routines so that these
results are achieved.

Keywords: planning; teaching project; participatory management.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1Material da 1ª. Aula da Disciplina Projeto Pedagógico e Operação Acadêmica,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 23/5/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 10/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
85

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 85 28/5/2010 09:57:30


86 O projeto pedagógico como ferramenta institucional

1. INTRODUÇÃO

Na sociedade atual, a educação assume papel cada vez mais imprescindível no processo
de desenvolvimento econômico e social. No mundo globalizado e em constantes
transformações, o próprio conceito de educação vem sendo revisto e ampliado,
assumindo uma perspectiva processual que não se encerra ao final da escolarização, mas
se prolonga ao longo da vida do indivíduo para permitir que ele possa responder aos
desafios da provisoriedade do conhecimento, num contexto em constante mudança
(DELLORS, 1999, p. 50).

Singer (1998) aponta que os reflexos das transformações ocorridas na economia


mundial e a crescente demanda por profissionais dotados de conhecimentos gerais,
flexíveis, com capacidade de assumir diferentes funções e enfrentar problemas inéditos,
têm se apresentado como grandes desafios estabelecidos para o ensino, em especial para o
ensino superior, gerando a busca de novos paradigmas de qualidade acadêmica e de
currículo.

Intimamente interligadas às demandas da sociedade e do mercado de trabalho,


as expectativas e demandas dos alunos buscam um curso superior para concretizar seu
projeto de vida. Segundo Guindani (2006), os que ingressam no ensino superior procuram
o diploma de graduação como ponto de partida. No fundo, têm convicção de que sua
formação não estará completa, que há um processo contínuo a ser desenvolvido ao longo
de toda vida profissional. Diante dessa nova perspectiva, o ensino universitário não pode
ser mais entendido como fim em si mesmo, precisa ser rediscutido sob a ótica da
complexidade, que exige o rompimento de uma concepção de conhecimento fechado,
acabado e especialista, com vistas a uma concepção de produção de conhecimento mais
aberta, compartilhada e autônoma (MORIN, 1990).

Pensar o ensino universitário nessa perspectiva significa pensar em alternativas


na esfera do ensino-aprendizagem que propiciem o desenvolvimento das habilidades e
competências, necessárias à inserção social do aluno nos setores profissionais, à
participação no desenvolvimento de sua comunidade e à formação continuada. A
formação de um profissional apto a enfrentar as novas exigências sociais exige das
instituições de ensino superior um novo dinamismo educacional, capaz de estabelecer
oportunidades de articulação entre teoria e prática e propostas de currículos, que
contribuam para a construção da autonomia intelectual e profissional de seus alunos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 86 28/5/2010 09:57:30


Suselei Aparecida Bedin Affonso 87

No campo educacional, tais ideais são importantes na perspectiva do debate e da


construção de conhecimentos, porém se não dispusermos de ferramentas necessárias para
converter essas reflexões em prática, as transformações necessárias não acontecerão.

Segundo Gandin (1999, p.14) para que as instituições de ensino superior possam
enfrentar os desafios e contribuir significativamente para que as transformações ocorram,
elas precisam ter clareza e bom desempenho em duas dimensões: riqueza e adequação
das idéias; instrumentos apropriados para transformar essas idéias em prática. Esses dois
aspectos têm igual importância, ”um propondo o rumo, outro propondo caminhos, o que
só será possível de maneira digna se ambos forem ligados entre si pelo diagnóstico da
prática”.

Nesse contexto, é possível compreender a importância de que o trabalho


formativo desenvolvido nas instituições de ensino superior esteja pautado em
planejamento e em estratégias de ação orientadas, definidos através de uma ferramenta: o
projeto pedagógico, que, dentro da perspectiva apontada por Gadotti (2001, p.57) permite:
[...] ar quebrar um estado confortável para arriscar-se, atravessar um período de
instabilidade e buscar uma nova estabilidade em função da promessa que cada projeto
contém de estado melhor do que o presente. As promessas se tornam visíveis, os campos
de ação possíveis, comprometendo seus atores e autores.

Nessa perspectiva, o projeto pedagógico apresenta-se como um instrumento,


através do qual a instituição deixa claras suas expectativas e as metas que quer alcançar
como resultado social de seu trabalho, definindo propostas de ações, atitudes, regras e
rotinas para que esses resultados sejam alcançados.

O ensino superior precisa ser compreendido como uma teia de relações, na qual
estão o acadêmico, o conteúdo científico e a sociedade, com seus problemas e desafios
(GUINDANI, 2006). Os alunos que chegam ao ensino superior, em sua grande maioria,
buscam construir identidade profissional. Sendo assim, o Projeto Político Pedagógico da
Instituição, e mais especificamente, o projeto de cada um de seus cursos, é que fornecerá,
a partir de sua organização curricular e de suas propostas de práticas educativas, os
referenciais profissionais a estes alunos. É imprescindível a coordenação do corpo docente
em torno da missão da instituição, do curso e das concepções pedagógicas adotadas. Só
assim o acadêmico encontra um referencial profissional que seja construído a partir dessa
integração e do diálogo interdisciplinar.

Além de definir as concepções e finalidades da educação, o projeto pedagógico


possibilita um processo de auto-gestão, à medida que se constitui “no meio pelo qual a
Instituição dá sentido a sua realização concreta no espaço do ensino–aprendizagem, por
meio de ações dinâmicas e históricas” (SANCHES, 2006, p. 106).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 87 28/5/2010 09:57:30


88 O projeto pedagógico como ferramenta institucional

O projeto pedagógico da instituição ou curso não deve ser compreendido apenas


como um documento que atenda às exigências administrativas ou burocráticas, mas como
um registro, resultado de um processo de reflexão realizado pela instituição como forma
de atender às exigências sociais, às diretrizes curriculares nacionais, às necessidades da
instituição e de sua comunidade, concretizando a identidade da Instituição. Os projetos
[...] são referenciais teóricos metodológicos que auxiliam na superação dos desafios
enfrentados. Não são documentos de moda nem de domínio exclusivo dos dirigentes.
São norteadores do trabalho que garantem a unidade dos profissionais envolvidos com o
mesmo. São balizadores de praticas pedagógicas, ações docentes, discentes e dos
gestores. (SANCHES, 2006, p. 107)

2. A FINALIDADE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

Quando consideramos o projeto pedagógico de uma instituição ou de um curso, estamos


nos referindo às concepções e finalidades que norteiam as diferentes atividades e
programas de aprendizagem daquela instituição, que em última instância constituem sua
identidade.

Mais do que um documento sistematizado para circulação, socialização e análise


permanente da sua execução e adequação no interior da instituição, o projeto é reflexo de
um processo de discussão e planejamento em diferentes níveis, a partir da realidade
vivenciada.

Segundo Gandin (1999), as instituições educacionais têm tradicionalmente usado


alguns instrumentos legais, tais como as leis de diretrizes e bases da educação, pareceres,
resoluções de conselhos de educação e regimentos como parâmetros para transformar
suas idéias em ações. Tais referenciais acabam por definir e direcionar o trabalho
pedagógico a ser desenvolvido, conferindo-lhes caráter predominantemente genérico,
uma vez que as especificidades das instituições de ensino nem sempre são contempladas.

A atual legislação (LDB 9.394/96), porém, recomenda a utilização de uma


ferramenta mais democrática, a proposta pedagógica, mostrando a necessidade de cada
instituição construir coletivamente a partir do envolvimento de seus diversos segmentos o
seu projeto político-pedagógico que, sem ferir as recomendações e princípios legais, possa
conferir à instituição uma autonomia relativa atendendo, assim, suas necessidades,
demandas, especificidades e expectativas.

O projeto pedagógico da instituição deve estabelecer as diretrizes básicas de sua


organização e funcionamento, integradas às normas comuns do sistema nacional e do
sistema ou rede ao qual ela pertence. Sua finalidade deve ser a de permitir o
reconhecimento e expressão da identidade da instituição de acordo com sua realidade,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 88 28/5/2010 09:57:30


Suselei Aparecida Bedin Affonso 89

características próprias e necessidades locais. Segundo Portela e Atta (1999, p. 78) o


projeto pedagógico de uma instituição também tem por finalidade:

• Estimular o sentido de responsabilidade e de comprometimento da escola


na direção do seu próprio crescimento.
• Definir o conteúdo do trabalho institucional, tendo em vista as Diretrizes
Curriculares Nacionais para ensino, os princípios norteadores do
ministério da educação, a realidade da escola e as características do
cidadão que se quer formar.
• Dar unidade ao processo de ensino, integrando as ações desenvolvidas
seja na sala de aula ou na instituição como um todo, seja em suas relações
com a comunidade.
• Criar parâmetros de acompanhamento e de avaliação do trabalho escolar.
• Definir, de forma racional, os recursos necessários ao desenvolvimento da
proposta.

Nessa perspectiva, o Projeto Pedagógico da instituição é a organização existente


no âmbito educacional, concebida e elaborada a partir da reflexão sobre seu cotidiano. De
acordo com Veiga (2001), sua construção requer uma ruptura com a centralização de
poderes. Portanto, deve ser construído a partir de um processo democrático que permita a
participação de todos os segmentos da comunidade educacional (corpo discente e
docente, equipes de gestão e funcionários) na tomada de decisões e encaminhamentos,
através da criação de canais de participação dos colegiados ou de seus representantes.
Embora nenhum segmento tenha importância menor que a do outro nesse trabalho
coletivo, é importante definir, com clareza, as responsabilidades que cada um deve
assumir, considerando a existência de funções e níveis hierárquicos diferenciados dentro
da instituição. Ou seja, todos devem ter seu espaço de participação, mas não se deve
confundir o espaço das atribuições, ultrapassando os limites de competência de cada um
(PORTELA; ATTA, 1999).

Para que a construção do projeto seja viável, não pode ser imposto pelos órgãos
superiores, nem basta convencer a equipe educacional, mas sim propiciar situações que
lhes permitam aprender a pensar a respeito do fazer pedagógico, dos indicadores e
situações cotidianas, para vislumbrar possibilidades de mudanças para melhorias
(VEIGA, 1997). Isso pressupõe a valorização da interação entre as pessoas, priorizando o
coletivo e superando dificuldades em busca da educação de qualidade, que deve estar
fundamentada nos seguintes princípios:

• igualdade de condições de acesso e permanência na escola;


• qualidade para todos;
• gestão democrática para uma construção coletiva, compreensão dos
problemas da prática pedagógica, socialização e participação;

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 89 28/5/2010 09:57:31


90 O projeto pedagógico como ferramenta institucional

• valorização do magistério, através da formação continuada.

A discussão da proposta pedagógica apresenta-se como exercício que possibilita


o crescimento da identidade institucional ou do curso bem como de todos que dela
participam, apresentando questões metodológicas e de conteúdo.

3. O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

Em seu processo de construção, os projetos pedagógicos passam por dois momentos


importantes e interligados, permeados de ações avaliativas: o de concepção e o da
execução (SANCHES, 2006).

Gandin (1994) e Gadotti (2001) ao discutirem o planejamento participativo


apontam algumas etapas fundamentais desses momentos: estabelecimento de um
referencial (marco situacional e doutrinal/filosófico), realização de um diagnóstico da
realidade e de uma proposta de ação (marco operativo), todos atravessados por processos
de avaliação.

O marco situacional (GANDIN, 1994) é construído a partir da percepção do


grupo em torno da realidade em geral: como a vê, quais seus traços marcantes, qual a
relação do quadro sócio-econômico, político e cultural amplo e o cotidiano da instituição.
Sua importância deve-se ao fato de que pode desvelar os elementos estruturais que
condicionam a instituição e seus agentes. Neste marco, o que se pretende é a explicitação
de uma visão geral da realidade.

Para que a fase da concepção de um projeto pedagógico seja executada de


maneira adequada é preciso que a equipe educacional compreenda o contexto social,
econômico e político no qual a instituição está inserida, a realidade social e cultural de
seus alunos e qual o papel ou relação da instituição com a sociedade.

Essa reflexão possibilitará o estabelecimento de um referencial (GADOTTI, 2001)


expressando a posição que a instituição planeja em relação à sua identidade, visão de
mundo, utopia, valores, objetivos, compromissos. Indica o “rumo”, a direção que a
instituição escolheu, fundamentado em elementos teóricos da filosofia, das ciências, da
cultura da coletividade envolvida. Implica, portanto, opção e fundamentação.

Para Reis (1995), nesse referencial os diversos segmentos da instituição são


desafiados a expressar o sentido de seu trabalho pedagógico e as grandes perspectivas da
caminhada rumo à concretização. Vários questionamentos precisam ser respondidos,
entre eles destacam-se: quais são os fundamentos em relação à instituição? Que
profissional se quer formar e para qual sociedade? Que escolhas fazemos em torno das

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 90 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 91

concepções de educação, de ensino aprendizagem, de avaliação para atingir os objetivos


previstos?

As reflexões sobre o marco doutrinal ou filosófico vão permitir o delineamento


da concepção de homem, sociedade, educação, currículo e ensino-aprendizagem que
subsidiará o projeto pedagógico de um curso ou instituição. Colaboram, ainda, na
definição da adequação da formação a ser oferecida em relação a contextos específicos de
atuação.

Nesse momento inicial, são definidos missão e objetivos da instituição, suas


opções de atuação acadêmica (cursos e modalidades de cursos), suas responsabilidades
sociais, os princípios filosóficos e teóricos metodológicos que nortearão as práticas
acadêmicas da instituição e seus propósitos no campo do ensino, pesquisa e extensão.

Segundo Sanches (2006, p. 110), a função maior desse referencial é a de


“tensionar a realidade no sentido da sua superação/transformação e, em termos
metodológicos, fornecer parâmetros, critérios para a realização do diagnóstico”.

Definidos esses referenciais, o momento seguinte é o de confrontá-los com a


realidade, estabelecendo a diferença entre aquilo que se pretende e acredita e aquilo que
se tem, ou seja, é o instante de um olhar crítico e honesto da instituição em relação às suas
possibilidades, limites e resultados formativos que vem obtendo, identificando seus
problemas e/ou possibilidades de expansão.

A partir das necessidades percebidas no diagnóstico, a instituição irá elaborar um


conjunto de ações/operações concretas, no espaço de tempo disponível, com o objetivo de
superar ou sanar as necessidades identificadas. A partir dessa percepção serão definidas
as ações necessárias, que deverão ser colocadas em prática para transformar a realidade
do curso ou instituição.

Nesse sentido, deverá ser definido o marco operativo, compatível e coerente com
os marcos situacional e filosófico, pois, caso isso não ocorra, pode haver desarticulação
entre a realidade geral e as grandes finalidades assumidas. Segundo Salgado (2001, p. 36)
o marco operativo é, pois, “o conjunto de diretrizes a serem seguidas na formulação do
projeto; define o que vai e o que não vai ser valorizado, o que ficará dentro ou fora do
projeto pedagógico”.

É a explicitação do ideal da instituição escolar, tendo em vista aquilo que


queremos ou devemos ser. Diz respeito à organização das ações da coletividade
educacional naqueles campos de atuação compreendidos nas três principais dimensões

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 91 28/5/2010 09:57:31


92 O projeto pedagógico como ferramenta institucional

que configuram a práxis educativa, quais sejam: a dimensão pedagógica, a dimensão


comunitária e a dimensão administrativa.

O Quadro 1, elaborado por Vasconcelos (2004), aponta para algumas questões


que podem contribuir para o levantamento de alguns questionamentos que orientem a
elaboração do marco operativo do curso ou instituição, o qual subsidiará a elaboração do
plano de ação e a programação das operações acadêmicas que possibilitarão a efetivação
das metas da instituição.

Quadro 1 – Possíveis Perguntas para Elaboração do Marco Operativo.


A) Dimensão pedagógica B) Dimensão comunitária C) Dimensão administrativa
Como desejamos... Como desejamos... Como desejamos...
O Processo de Planejamento? Os Relacionamentos na Escola? A Estrutura e Organização da Escola?
O Currículo? O Professor? Os Dirigentes
(Direção e Equipe Técnica)?
Os Objetivos? O Relacionamento com a Os Serviços (Secretaria, Limpeza,
Família? Mecanografia, Audiovisuais etc.)?
Os Conteúdos? O Relacionamento com a As Formas de Participação dos
Comunidade? Trabalhadores?
A Metodologia? A Participação e As Condições Objetivas de Trabalho?
A Avaliação? Organização dos Alunos? A Obtenção e Gerenciamento dos
Recursos Financeiros [1]
A Disciplina? A relação As Atividades Esportivas e
Professor-Aluno? Culturais?
Nossa relação com o Vestibular? A Orientação Vocacional?
Como nos posicionamos frente aos
exames e concursos?
O Espaço de Trabalho Coletivo O Relacionamento com os Meios de
Constante (reuniões pedagógicas Comunicação Social?
semanais)?
O Ensino Fundamental no nosso
Município?
Fonte: Vasconcellos (2004, p. 185).

O plano de ação é a definição do que vai ser feito e dos meios para a superação
dos problemas detectados, em busca da qualidade da educação oferecida pela instituição.
Segundo Vasconcellos (2004), dois critérios fundamentais devem nortear a definição da
programação das ações a serem desenvolvidas nos diferentes níveis e segmentos:
Necessidade e Possibilidade. Ou seja, a partir da analise critica dos limites das
possibilidades, define-se o necessário e o possível para diminuir a distância entre o que a
instituição é e o que deveria ser. Quanto à periodicidade, a programação ou projeto pode
ter abrangência anual, bianual ou outra definida pelo grupo.

Define-se nesse momento, portanto, as ações estratégicas a serem empreendidas,


tais como: política de gestão; implantação e desenvolvimento de cursos; aumento ou
diminuição do número de vagas; organização didático-pedagógica a ser adotada pela

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 92 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 93

instituição; seleção de conteúdos, recursos metodológicos e processos de avaliação;


concepção de currículo e planejamento de ensino; expansão e qualificação do corpo
docente; procedimentos de apoio e atendimento ao corpo discente. Enfim, nesse momento
definem-se as operações acadêmicas e programas institucionais que devem ser
desenvolvidos para que os objetivos institucionais possam ser alcançados.

Na elaboração de um projeto pedagógico, alguns elementos são considerados sua


base estrutural, pois serão eles que darão suporte á construção da proposta educacional
(LIBÂNEO, 2001, p. 174):

a) A organização da vida escolar, relacionada à organização do trabalho


escolar em função de sua especificidade de seus objetivos.
b) Organização do processo de ensino e aprendizagem – refere-se
basicamente, aos aspectos de organização do trabalho do professor e dos
alunos na sala de aula.
c) Organização das atividades de apoio técnico administrativo – tem a função
de fornecer o apoio necessário ao trabalho docente.
d) Organização de atividades que vinculam escola e comunidade – refere-se
as relações entre a escola e o ambiente externo: com os níveis superiores da
gestão de sistemas escolar, pois, com as organizações políticas e
comunitárias [...]

4. ESTRUTURA BÁSICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

Pelo fato de considerarmos o Projeto Político-Pedagógico como um processo e não como


um produto acabado, entendemos que sua estrutura básica é sempre indicativa, podendo
variar de uma instituição para outra, não ficando presa a modelos tecnicistas que estariam
pré-determinando a apresentação formal do projeto “[…] importante é dizer com clareza
o que a instituição pretende realizar, a partir de suas condições […]” (PADILHA, 2001, p.
90).

Apresentamos aqui, a título de exemplo, uma possibilidade de estruturação


formal de registro e organização do Projeto Político-Pedagógico, mas não significa que
esta deva ser entendida como uma única e fixa possibilidade, uma vez que podem ser
adequadas às realidades vividas pelas instituições.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 93 28/5/2010 09:57:31


94 O projeto pedagógico como ferramenta institucional

Quadro 2 – Estrutura Geral do PPP.


Estrutura Geral do Projeto Pedagógico:

I – Missão /Objetivos da Instituição


Consiste no que a Instituição pretende alcançar

II – Diagnóstico/Caracterização
Consiste no conhecimento do ambiente em que a instituição está inserida e sua
conseqüente contextualização na realidade regional necessidades, demandas,
perfil de aluno).

III – Concepção Filosófica


Visão de homem, mundo educação que fundamentarão o trabalho

IV – Referencial Teórico da Instituição


Refere-se às teorias nas quais se fundamentará para desenvolver o seu
planejamento

V – Eixos da Instituição:
5.1 – Educacional: políticas de ensino, pesquisa e extensão
5.2 – Pedagógico: concepção dos processos de ensino-aprendizagem
5.3 – Gestão: estrutura organizacional

VI – Qualificação do Quadro Docente


Relaciona-se a maneira pela qual a escola qualificará seus professores

VII – Cronograma das Atividades


Onde irá constar todo planejamento

IX – Avaliação:
3.1 – Processo avaliativo dos alunos (que tipo de avaliação será utilizada?)
3.2 – Processo de avaliação dos docentes (como avaliar os professores?)
3.3 – Processo de avaliação das atividades “P.P.P.” (estabelecer período de
avaliação do projeto)
Fonte: (RIBEIRO, 2007).

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para que a elaboração e concretização do Projeto Pedagógico de um curso ou instituição


possa ter sucesso, Gadotti (2001, p. 25) aponta ainda alguns fatores que devem ser
considerados:

• Um projeto deve se factível e seu enunciado facilmente compreendido.


• A adesão voluntária e consciente ao projeto. Todos precisam estar
envolvidos e a co-responsabilidade é um fator decisivo no êxito do
projeto.
• Bom suporte institucional e financeiro. Que significa vontade política,
conhecimento de todos e recursos financeiros claramente definidos.
• Controle, acompanhamento e avaliação do projeto para saber se seus
objetivos estão sendo atingidos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 94 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 95

• Atmosfera e ambiente favorável.


• Credibilidade. As idéias podem ser boas, mas se os que as defendem não
tem prestígio, comprovada competência e legitimidade, só podem
obstaculizar o projeto.
• Bom referencial teórico.

Diante desses fatores, percebe-se claramente a importância da instituição eleger


alguns pilares para dar suporte à edificação do projeto, entre eles:

• sensibilização e envolvimento do corpo docente no processo;


• construção de uma consciência crítica do corpo discente para que se
tornem co-responsáveis por seu aprendizado, comprometendo-se com as
metas de formação;
• investimento na qualidade do corpo docente, incentivando sua formação
continuada e produção acadêmica;
• do ponto de vista pedagógico, privilegiar uma organização didática
pedagógica moderna que privilegie a relação teoria-prática, que valorize a
busca de soluções para os problemas;
• desenvolvimento da avaliação como um processo contínuo e constante.

Por outro lado, o Projeto Pedagógico, por si mesmo não levará a inovações no
ensino superior. Para que se alcance a melhoria da qualidade do ensino oferecido é
importante que se tenha vontade política e a convicção de sua importância. Há
necessidade de a instituição empreender seu tempo, recursos e esforços em ações de
estudo e na avaliação contínua. Essas reflexões implicam que a instituição reveja de forma
critica a importância de seu trabalho, suas contribuições e limitações, para buscar uma
nova forma de organização do trabalho com vistas à mudança.

REFERÊNCIAS
DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir? 3. ed. São Paulo: Ed. Cortez. Brasília, DF:
MEC: UNESCO, 1999.
GADOTTI, Moacir. Projeto político pedagógico da escola: fundamentos para sua realização. In:
GADOTTI, Moacir; EUSTAQUIO, Romão José (Org.). Autonomia da escola: princípios e
propostas. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.
GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras instituições,
grupos e outros movimentos dos campos cultural, social, político, religioso, governamental.
Petrópolis: Editora Vozes, 1994.
______. Temas para um projeto político pedagógico. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.
GUINDANI, Evandro Ricardo. O ensino universitário na perspectiva da complexidade de uma
abordagem moriniana. Revista de Educação – PUC, Campinas, n. 21, p. 133-140, nov. 2006.
LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa,
2001.
MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 2. ed. Lisboa: Inst. Piaget, 1990, p. 89.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 95 28/5/2010 09:57:31


96 O projeto pedagógico como ferramenta institucional

PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico


da escola. São Paulo: Cortez, 2001.
PORTELA, Adélia Luiza; ATTA, Dilza Maria Andrade. A Dimensão Pedagógica da Gestão da
Educação. In: RODRIGUES, Maristela; BRAGA, Ana Catarina (Org.). Guia de Consulta para o
Programa de Apoio aos Secretários Municipais de Educação PRASEM II. Brasília:
FUNDESCOLA/MEC, 1999, p. 77-114.
REIS, Maria da Conceição. Projeto Político Pedagógico: elementos para uma reflexão. Mimeo,
Olinda, Faculdade de Educação - UFPE, 1995.
RIBEIRO, Ruy Coelho. Projeto Político-Pedagógico: princípios, dimensões e estrutura. Disponível
em: <http://www.artigos.com/artigos/humanas/educacao/projeto-politico_pedagogico:-
principios,-dimensoes-e-estrutura-4730/artigo/>. Acesso em: 28 abr. 2009.
SALGADO, Maria U.C. Projeto Pedagógico: significado e processo. Belo Horizonte: Editau, 2001.
SANCHES, Raquel F.; RAPHAEL, Helia. Projeto Pedagógico e Avaliação Institucional: articulação
e importância. Avaliação. Revista da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior,
Campinas, v. 1, n. 1, p. 103-113, mar. 2006.
SINGER, Paul. Globalização e desemprego: diagnósticos e alternativas. São Paulo: Contexto, 1998.
VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-
pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 5. ed. São Paulo: Libertad Editora, 2004.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto Político da escola uma construção coletiva. In: ______.
(Org.). Projeto Pedagógico da escola: uma construção possível. São Paulo: Papirus, 1997.
______. A perspectiva para reflexão em torno do projeto Político–Pedagógico. In: VEIGA, Ilma
Passos A.; REZENDES (Orgs.). Escola: Espaço de construção do Projeto Político-Pedagógico. 5. ed.
Campinas, SP: Papiros, 2001.

Suselei Aparecida Bedin Affonso


Doutorado em Educação pela
Universidade Estadual de Campinas
(2008). Mestrado em Educação pela
Universidade Estadual de Campinas
(2003), especialização em Educação e
Psicopedagogia pela Pontifícia
Universidade Católica de Campinas
(1997) e graduação em Psicologia pela Pontifícia
Universidade Católica de Campinas (1985). Experiência
na docência de disciplinas relacionadas à formação de
professores, em cursos de Pedagogia e Licenciaturas,
tendo participado também de projetos relativos à
formação continuada de professores em exercício.
Desenvolvimento de pesquisas nas áreas de educação
continuada, cognição, afetividade e relações de gênero.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 85-96

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 96 28/5/2010 09:57:31


Anuário da Produção APRENDIZAGEM: TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS1
Acadêmica Docente
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

RESUMO
Maria Cristina M. Barbosa
Faculdade Anhanguera de Valinhos Ao não percebermos que, em alguns momentos e em algumas situações o
nosso saber acadêmico nos aponta para um mundo e o senso comum nos
mcbarbosa@directnet.com.br
aponta para outro mundo, comprometemos o nosso desempenho
profissional. Torna-se necessário compreender o sentido, o significado e a
finalidade da nossa docência através do entendimento dos seus
pressupostos filosófico-pedagógicos. A presente reflexão sobre as várias
tendências pedagógicas (Tradicional, Cientificista e Interacionista) estabelece
parâmetros para que melhor entendamos a nossa prática docente naquilo
que a caracteriza: o ensinar e o aprender.

Palavras-Chave: tendências pedagógicas; pedagogia: tradicional;


cientificismo; interacionismo; ensino-aprendizagem.

ABSTRACT

When we realize that in some times and in some situations our academic
knowledge points us to a world and common sense points us to another
world, committed to our professional performance. It is necessary to
understand the meaning, the meaning and purpose of our teaching through
an understanding of its philosophical and pedagogical assumptions. This
reflection on the various pedagogical trends (Traditionally, Scientific and
Interactionist) establishes parameters to better understand our teaching
practice what characterizes it: the teaching and learning.

Keywords: educational trends; pedagogy: traditional; scientism;


interactionism; teaching-learning.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 2ª. aula da Disciplina Fundamentos Teóricos do Ensino
Desenvolvimento Educacional - IPADE
Aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e
Informe Técnico Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação
Recebido em: 30/05/2009 Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 27/01/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
97

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 97 28/5/2010 09:57:31


98 Aprendizagem: tendências pedagógicas

1. INTRODUÇÃO

Diferenças de concepção apontam para mundos distintos, também na Educação. Em


princípio, o cotidiano do educador, assim como o da quase totalidade dos Homens2, não
se fundamenta em reflexões criticamente construídas, e sim em um “senso comum que foi
adquirido, ao longo do tempo, por acúmulo espontâneo de experiências ou por introjeção
acrítica de conceitos, valores e entendimentos vigentes e dominantes no seu meio”
(LUCKESI, 1994, p. 93). São explicações que produzem uma visão de mundo fragmentada
e, por vezes, contraditória.

A compreensão do que seja a nossa prática pedagógica também se funda em


saberes do senso comum que, no dizer de Luckesi (1994), nos ensinam o que é o bom
professor (aquele que deve dominar algumas rotinas, tais como: saber e saber apresentar
conteúdos; controlar alunos, avaliar a aprendizagem e produzir o disciplinamento); o que
é o bom aluno (deve ser passivo; deve depender do saber do professor; deve fazer as
coisas como o professor quer); e o que é o Conhecimento (um conjunto de informações
apresentadas ou lidas no livro texto, que quase sempre se torna texto sagrado), devendo ser
retido e repetido.

É a partir desta concepção de senso comum que se instala grande parte da


contradição de nossa prática em sala de aula, pois nem mesmo nós, educadores,
percebemos que, em alguns momentos e algumas situações o nosso saber acadêmico nos
aponta para um mundo e o senso comum nos aponta para outro mundo, (afinal diferentes
concepções apontam para mundos distintos) o que se traduz em comprometimento do
nosso desempenho.

Só há uma saída: o sentido, o significado e a finalidade da nossa docência


precisam ser constantemente inventariados, através da compreensão dos seus
pressupostos filosófico-pedagógicos, os quais revelarão que nossos modelos de pensar e
de agir pedagogicamente são construídos na História por outros Homens. Portanto,
apesar de serem assim como são, não precisam continuar a sê-lo.

A presente reflexão sobre as várias tendências pedagógicas pretende nos fazer


compreender melhor nossa prática docente e aquilo que a caracteriza: o ensinar e o
aprender. As várias tendências pedagógicas nos mostram que diferenças de concepção
apontam para mundos distintos, também na Educação.

2A expressão Homem, neste texto, terá sempre o sentido de HUMANO, com todas as possibilidades de gênero constitutivas
da condição humana.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 98 28/5/2010 09:57:31


Maria Cristina Mesquita Barbosa 99

2. AS PEDAGOGIAS: TRADICIONAL, CIENTIFICISTA E INTERACIONISTA

A partir do entendimento a respeito daquilo que constitui o Homem a ser educado


(antropologia); dos valores que a ele devem ser ensinados através dos conteúdos
(axiologia); e da maneira como este Homem aprenderá (epistemologia) a Pedagogia
estabeleceu as suas grandes tendências, em conformidade com os caminhos trilhados
pelas concepções filosóficas que as fundamentam3.

Assim sendo, a concepção filosófica essencialista fornecerá os pressupostos para


a Pedagogia Tradicional; a concepção filosófica naturalista, os da Pedagogia Cientificista e
a Concepção filosófico-histórica – social fundamentará a Pedagogia Interacionista. São
diferentes concepções. O mundo da educação para o qual orientam o nosso olhar docente
será diversificado, como também será a prática que dele se origina. Para bem inventariar o
nosso cotidiano, possibilitando a nossa saída do senso comum pedagógico para a
consciência crítica, como diz Saviani (1980) é preciso compreender melhor estas
pedagogias e seus desdobramentos na sala de aula.

2.1. Pedagogia Tradicional

Tendo por pressuposto filosófico a concepção essencialista (inatista / apriorística) a


Pedagogia Tradicional entenderá que: o Homem é portador, desde o seu nascimento, de
características essenciais, comuns a todos e é definido pelas características que
permanecem, não pelas que mudam.

Este entendimento se refletirá na concepção pedagógica tradicional que, ao


entender que todos os Homens são metafisicamente iguais, fundará uma prática de sala
de aula única para todos e repetitiva, pois as condições humanas da aprendizagem serão
essencialmente sempre as mesmas. Os Valores que presidem a ação do Homem serão os
valores ÉTICOS. O Homem não é responsável por suas características metafísicas, inatas,
mas é responsável pela sua ação moral.

O Conhecimento é apriorista, inato. O Homem nasce com características


espirituais que validarão o seu conhecimento a priori. O espírito racional do Homem
reconhece os modelos metafísicos universais em cada situação particular. Portanto, para
que este Homem aprenda ou conheça, será preciso uma boa metodologia.

3 Para melhor compreender esta inter-relação ver Barbosa, M.C.M. Ensino-aprendizagem: pressupostos histórico-filosóficos.

Material da 1ª. aula da Disciplina Fundamentos Teóricos do Ensino Aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação
Lato Sensu em Didática e Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente.Valinhos, SP:
Anhanguera Educacional, 2009.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 99 28/5/2010 09:57:31


100 Aprendizagem: tendências pedagógicas

Nesta epistemologia, o professor será sempre a figura central uma vez que ele é
aquele que já conseguiu aprender e por isso tem compromisso moral e político de tirar
seus alunos da ignorância. A Educação será inevitavelmente centrada na figura do
professor. Magistrocêntrica.

De modo esquemático4, a Pedagogia Tradicional poderá ser vista no Quadro 1.

Quadro 1 – Características da Pedagogia Tradicional.


Papel da escola - Preparar o Homem Culto e Virtuoso.
- A Escola deve preparar intelectual e moralmente o aluno para viver
em sociedade.
Conteúdos do ensino - Enciclopédicos-Clássicos.
- Não necessitam fazer parte da vida particular do aluno, mas devem
fazer parte da vida essencial de todos os homens.
Métodos de ensino - Expositivo-Dialogado (Maiêutica).
- Conteudista/-/ Verbalista.
- Repetitivo.
Relação Professor x aluno - O Professor é figura Modelar e Central.
- A Autoridade é do Professor que sabe.
- Ao aluno compete: Atenção / Silêncio / Repetição.
Pressupostos da aprendizagem - Todos os Homens possuem essencialmente o mesmo potencial de
aprendizagem. Por isso os programas podem ser iguais.
- Aprendizagem receptiva.
- Avaliação Quantitativa (Conteúdos) e Ética (não colar).
Manifestações na prática escolar - Modelo vigente ainda hoje na maioria das salas de aula, da maioria
das escolas.
Fonte: Elaboração e Organização: Profª Mª Cristina Mesquita Barbosa – 2009.
Baseando-se em Severino (1994); Aranha (2006b); Luckesi (1994).

Esta tendência pedagógica é objeto de muitas críticas pela sua naturalização


metafísica da realidade, o que se deve ao seu comprometimento histórico com as elites e
grupos hegemônicos ao afirmar o predomínio da permanência sobre as mudanças; o
predomínio daquele que foi à escola sobre aquele que não foi; ao conceber a educação
como adequação a modelos e estereótipos ideais que se aprende a reproduzir na escola,
ratificando privilégios uma vez que, desde a sua fundação, a escola não foi para todos.

Entretanto, se a pedagogia tradicional é a mais utilizada em nossas práticas,


talvez não o seja pelo fato de a maioria de nossas aulas serem expositivas e conteudísticas,
uma vez que este tipo de aula também tem o seu lugar adequado em específicas tarefas
didáticas, tais como: passar a maior quantidade de conceitos no menor espaço de tempo.

4 O recurso do esquema será utilizado para a melhor visualização das características geras das tendências pedagógicas.

Entretanto, é bom lembrar que este recurso é simplificador e reducionista, devendo ser visto como forma de compactar a

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 100 28/5/2010 09:57:31


Maria Cristina Mesquita Barbosa 101

Também não é o fato de se usar, por exemplo, um data-show que retirará da nossa prática
o seu caráter tradicional conteudístico. Não basta mudar apenas as ferramentas.

O caráter tradicional é o mais utilizado porque se sustenta em pressupostos


antropológicos, axiológicos e epistemológicos que estão sendo aceitos por nós, daí a nossa
prática. Estes pressupostos dirigem o nosso olhar e determinam as nossas posturas. É
sobre este olhar que devemos repensar nossas práticas escolares e pedagógicas.5

2.2. Pedagogia Cientificista (Positivista)

Tendo como pressuposto filosófico a concepção naturalista, a Pedagogia Cientificista /


Positivista entenderá que: o Homem é uma realidade natural, portador de uma Razão
Natural e pode ser explicado, portanto, pelas mesmas Leis Naturais que explicam toda a
natureza.

Os Valores que devem prevalecer sobre os demais devem ser os da realidade


natural, e estes valores deverão ter uma validação científica e técnica. O Conhecimento é
Empírico: é “naturalizado”. Nada mais de modelos espirituais, metafísicos. O Homem é
portador de capacidade natural (Razão Natural) que o levará ao conhecimento.

A Educação nesta concepção deverá ser laica e científica e, ao compreender a


natureza de qualquer coisa, o Homem a dominará. O saber se torna pragmático e político.
Também de modo esquemático a Pedagogia Cientificista poderá assim ser vista no
Quadro 2, na especificidade de suas subdivisões: Escola Nova; Não-Diretiva e Tecnicista.

Quadro 2 – Características das Pedagogias Naturalistas / Cientificistas / Positivistas.


Teorias/ Pedagogia Escola Nova Pedagogia não diretiva Pedagogia Tecnicista
Papel da escola • A Escola deve retratar a • Escola deve desenvolver • Escola deve modelar
vida. atitudes. comportamentos.
• Deve possibilitar • Principal preocupação: • Deve produzir Homens,
Experiências Reais. ambiente psicológico. competentes para o mundo do
trabalho.
• Deve preparar para o
trabalho. • Capital Humano.
Conteúdos de • Conteúdo • O mais importante são as • Informações, Princípios
ensino enciclopédico-científico. relações humanas e a Científicos, estabelecidos e
comunicação. escolhidos por especialistas.
• Valorização maior dos
Processos do que dos • Eficiência e Racionalidade.
Conteúdos.

informação e, em momento algum, como simplificação reducionista da concepção filosófico-pedagógica, pois, se isto
ocorresse, estaríamos produzindo um saber fragmentado e contraditório, próprio do senso comum.
5 Em Filosofia nem sempre o repensar significa mudar de idéia. Significa que entendi e escolhi conscientemente a minha

prática. Esta é a passagem do senso comum para a consciência filosófica, como diz Saviani (1980).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 101 28/5/2010 09:57:31


102 Aprendizagem: tendências pedagógicas

continuação
Teorias/ Pedagogia Escola Nova Pedagogia não diretiva Pedagogia Tecnicista
Métodos de • Aprender Fazendo. • O trabalho escolar deve • Tecnologia Educacional.
ensino levar ao relacionamento
• Método do Centro de • Controle do Ambiente.
interpessoal e ao
Interesse.
crescimento pessoal. • Transmissão.
• Método da Pesquisa
• Recepção de Informações.
Científica.
• Objetivos, Procedimentos e
Avaliações Mensuráveis.
Relação • Vivência Democrática. • Professor é o facilitador. • Comunicação Técnica.
Professor
• Professor Colaborativo. • Professor Especialista em • Aluno Responsivo.
x Relações Humanas.
• Aluno Solidário. • Professor Estimulador.
Aluno • Educação centrada no
• Respeitadores das
aluno.
Regras Grupais.
Pressupostos • Motivação. • Motivação = Desejo de • O Ensino é um Processo de
da auto-realização. Condicionamento.
• Aprender é Descobrir.
Aprendizagem
• Auto-Avaliação. • Behaviorismo.
• Aprendizagem por
interesse. • Contratos de
Aprendizagem.
• Avaliação Continuada.
• Auto-Gestão.
Manifestações • Dificuldade para • Escola com • Adequação da Escola aos
na Prática enfrentar o aconselhamento. modelos de racionalização do
Escolar tradicionalismo. mundo do trabalho. (Taylor).

Principais • Durkheim, Dewey, • Carl Rogers, A.S. Neill. • B. Skinner, T. Schultz.


Autores Montessori, Freinet,
Anísio Teixeira.
Fonte: Elaboração e Organização: Profª Mª Cristina Mesquita Barbosa – 2009.
Baseando-se em Severino (1994); Aranha (2006b); Luckesi (1994).

Esta tendência pedagógica do naturalismo/positivismo é objeto de crítica em


duas perspectivas. Primeiramente na perspectiva política, uma vez que se trata do pensar
científico da sociedade burguesa que, se por um lado, produziu o maior e mais rápido
desenvolvimento científico e tecnológico da história, produziu também o ideário científico
da domesticação humana e do colonialismo ao transpor para a relação entre os Homens os
princípios justificadores da dominação de alguns povos ou grupos por outros “mais
desenvolvidos”, (darwinismo social) entendendo ser esta uma etapa natural para que todos
atingissem a ordem e o progresso. É a naturalização daquilo que é histórico – social. Foi a
transformação do projeto elitista das sociedades escravistas, teocráticas, metafísicas em
projeto elitista da sociedade capitalista, burguesa, racional-científica. Como diriam os
filósofos da Escola de Frankfurt, a Razão Científica se torna instrumento (Razão
Instrumental) a serviço do capital e da manutenção do status quo.

A segunda, na perspectiva pedagógica, pois o saber empírico racional, baseado nas


especializações, ensinou o Homem a dividir o que nunca poderia ser dividido, ou seja, o
seu entendimento da realidade que é dinamicamente complexa e foi mecanicamente

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 102 28/5/2010 09:57:31


Maria Cristina Mesquita Barbosa 103

retalhada. A escola ajudou neste projeto e hoje está sendo obrigada a repensar suas
práticas para que os saberes não separem, mas unam de forma inter e transdisciplinar,
como querem Edgard Morin e outros que serão também objeto de nosso estudo.

2.3. Pedagogia Interacionista

Tendo por pressuposto filosófico a concepção histórico-social, a Pedagogia Interacionista


entenderá que: o Homem é um ser Natural e Histórico, capaz de modificar estas
condições através da Práxis (ação consciente). O que distingue o Homem dos irracionais é
a sua capacidade de se libertar das necessidades através do trabalho.

Os Valores são definidos pelo tipo de relação de poder que os Homens estabelecem entre
si na sua prática real, que é política. O Conhecimento é interacionista, dialético. Esta é
uma situação indissolúvel: Sujeito e Objeto em permanente interação e construção de
sentidos. A Educação: “A educação é um processo individual e coletivo” (SEVERINO,
1994, p. 34).

Ainda de modo esquemático, a Pedagogia Interacionista6 poderá assim ser vista,


no Quadro 3, considerando a especificidade de suas subdivisões: Libertadora; Libertária,
Crítico–Social.

Quadro 3 – Características da Pedagogia Histórico-Social.


Teorias Pedagogia Libertadora Pedagogia Libertária Pedagogia Crítico-Social
Papel da Escola • Educação Não-Formal. • Deve criar grupos auto- • Deve difundir conteúdos.
gestionários.
• Transformadora Social. • Garantir bom ensino.
• Escola Cidadã.
Conteúdos de • Temas centrais tirados da • Grupo escolhe o que • Reavaliação dos conteúdos
Ensino vida dos alunos. aprender. humanistas e científicos através
da crítica e historicização.

Métodos de • Diálogo. • Vivência Grupal. • Relação do Conteúdo com a


Ensino Vicência concreta.
• Grupo de discussão. • Processo coletivo.
• Autogestão.
Relação Professor: também • Não há modelos. • Professor deve ser o adulto da
Professor APRENDE. relação: exigir esforço e propor
conteúdos.
x Aluno: também ENSINA.
• Aluno – Interação crítica.
Aluno

6 Pertencem ainda a esta concepção as teorias sócio-interacionistas e construtivistas que surgiram no bojo da Psicologia

Cognitiva e da Lingüística e, que devido à sua importância para as atuais teorias da aprendizagem, serão objeto de estudo
num momento posterior.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 103 28/5/2010 09:57:31


104 Aprendizagem: tendências pedagógicas

continuação
Teorias Pedagogia Libertadora Pedagogia Libertária Pedagogia Crítico-Social
Pressupostos • Experiências concretas. • Motivação. • O conhecimento novo funda-se
da no antigo.
• O aluno deve falar a sua • O vivido, como ponto de
Aprendizagem
Palavra. partida. • Parte-se do que o aluno já sabe.
• ALEGRIA. • Sem avaliação.
Manifestações • Engajamento Político. • Estímulo à emancipação. • Ruptura com a ideologia
na Prática dominante.
• Educação Popular e de • Anarquismo.
Escolar
adulto. • Reflexão.
• Autogestão.
Principais • Paulo Freire / Miguel • Proudhon / Bakunin / • Saviani / Snyders.
Autores Arroyo. Ferrer i Guardia / Lobrot /
Silvio Gallo.
Fonte: Elaboração e Organização: Profª Mª Cristina Mesquita Barbosa – 2009.
Baseando-se em Severino (1994); Aranha (2006b); Luckesi (1994).

Esta tendência é bastante polêmica e recebe críticas ao seu arcabouço político–


pedagógico. Por se tratar de uma concepção filosófica fundada no marxismo, sofre as
críticas comuns a esta visão de mundo, que se iniciariam com a da politização excessiva de
todas as instâncias, inclusive as do ensinar e do aprender, coerente com a sua axiologia
que tem na política o seu valor referencial. Levada ao extremo, a concepção pode se tornar
doutrina, dificultando a relação com o seu contrário.

São também objetos de crítica: o entendimento de que o Homem, sua consciência


e sua subjetividade são construções histórico-sociais, coletivas o que levaria esta
concepção a perder de vista o Homem particular, as suas sutilizas subjetivas, o seu EU
mais íntimo, a individualidade. Perde-se com este entendimento a idéia de mérito
individual, tão benquista por metafísicos (o mérito é conquista moral, individual) e por
positivistas (o mérito é conquista individual, resultado de competências técnico-científicas).
Para a concepção histórico-social, o mérito ou o demérito resultarão de oportunidades
sociais (ou da falta delas) e esbarrarão necessariamente na concepção de classe social e do
jogo político das hegemonias (dominantes e dominados).

Do ponto de vista pedagógico, há uma discussão que permeia a própria


pedagogia interacionista, que é a dos conteúdos a serem ensinados. Houve momento em
que ao se politizar esta questão, considerou-se que os chamados conteúdos clássicos,
(humanos e científicos) por pertencerem a um mundo metafísico/positivista refletiriam a
sua origem elitista e serviriam para a dominação das massas que não se reconheceriam
nesta cultura. Numa postura ingênua, os conteúdos não mais seriam importantes, com a
sua narrativa triunfal, própria dos dominantes.

Snyders (França) e Saviani (Brasil) contestaram os seus pares. A partir da noção


de inclusão dos socialmente excluídos, observando os alunos da escola pública brasileira,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 104 28/5/2010 09:57:31


Maria Cristina Mesquita Barbosa 105

Saviani argumenta que ao não querer ser conteudista a pedagogia interacionista produzia
uma dupla exclusão: reforçava a exclusão social já existente e criava a exclusão do saber
culto – reforçando politicamente a submissão social, através do fracasso real deste aluno
em situações que exigiam maior sofisticação do saber.

Propôs a Pedagogia crítico-social (dos conteúdos) para se contrapor a estas


ingenuidades políticas, incentivou a volta dos conteúdos às salas de aula, mas
historicizados, relativizado-se, portanto, criticamente transformados.

Se metafísicos e positivistas foram acusados de naturalizar o que seria histórico, a


concepção histórico–social/interacionista é acusada de historicizar e politizar o que pode
ser apenas natural.

3. AS NOVAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS

Na segunda metade do século XX, mais precisamente após o final da 2ª Guerra Mundial,
inicia-se o que seria chamado de a desconstrução do projeto iluminista da Modernidade.
Este projeto poderia ser sintetizado na seguinte verdade paradigmática: A fé na
Racionalidade do Homem e no Progresso Científico.

O Homem moderno conscientizou-se da sua capacidade racional para desvendar


os segredos da natureza (criou a Ciência Moderna); encontrar soluções para seus
problemas (saber pragmático). Entendia que saber é Prever (Ciência) é Prover
(Tecnologia) e é Poder (Política). O saber seria, portanto, emancipador. O controle e
progresso seriam as máximas deste Homem.

Para atingir tais objetivos a modernidade contaria com a ajuda da Escola que se
tornara pedagogicamente naturalista/positivista, pautada pela metodologia cientificista e
pelo domínio do saber especializado, dividido, fragmentado. Dividir para conhecer;
conhecer para dominar; este seria o poder do saber. Este projeto iluminista tinha o sonho
da vitória da racionalidade técnico-científica sobre todos os problemas, fossem sociais ou
humanos ou de outra ordem, o que levaria a humanidade ao progresso e à felicidade.

O sonho acabou, no confronto com as duas guerras mundiais, Auschwitz e


Hiroshima, o desequilíbrio ecológico, a ameaça do saber a serviço de uma Razão
Instrumental, podendo a tudo destruir. Como falar em saber emancipatório após estas
barbáries?

Autores e movimentos diversos, considerados demolidores dos paradigmas da


modernidade, começaram a se manifestar contra esta visão racional científica e contra a
Pedagogia Positivista que possibilitava, através das escolas, a manutenção dos mesmos

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 105 28/5/2010 09:57:31


106 Aprendizagem: tendências pedagógicas

paradigmas universalizantes que, segundo os mesmos, eram também carentes de


conteúdo humano, afetivo, real.

Estes pensadores denominados pós-modernos propuseram novos paradigmas que


deveriam se firmar:

• No primado da anti-razão (emoção).


• No primado dos contratos afetivos (tribos).
• No primado das diferenças e alteridades.
• No primado do saber para viver aqui e agora.
• No primado da mudança sobre a permanência.

Eram necessárias uma nova Pedagogia e uma nova Escola que dessem conta
destes novos tempos. Neste contexto surge a Pedagogia Holonômica ou Pedagogia da
Unidade que tem Edgard Morin o seu pensador referencial. No Brasil, alguns pensadores
como Ugo Assman e Leonardo Boff também defendem os seguintes princípios
pedagógicos:

• O princípio unificador do Saber é o próprio Homem, que é essencialmente


contraditório e complexo.
• Valorizam: o cotidiano, o vivido, o pessoal, a singularidade, o acaso, as
pequenas narrativas, a multiplicidade e o multiculturalismo.
• A complexidade é a própria realidade em permanente construção e
reconstrução.
• As categorias Interdiciplinariedade e Transdisciplinariedade são construídas
na complexidade do real através do convívio, diálogo e trabalho em
grupo.

Para Morin (2002) temos uma educação que nos preparou muito bem para
dividir e pouco nos diz a respeito do reunir. Segundo diz, isto é diabólico7, precisamos
aprender a religar8, pois esta deve ser a nova forma do pensar: o pensamento sistêmico ou
complexo9. Este é o fundamento do novo saber: o saber complexo, o saber em rede, o
saber sistêmico.

Para ensiná-lo será necessária uma nova escola que despertará o Homem para os
sete saberes que serão necessários para que viva o futuro e que, segundo Morin (2002),
são:

1) Ensinar a Conhecer.
2) Ensinar a Pensar.
3) Ensinar a Condição Humana.

7 diabolus – em latim – aquele que separa.


8 religare – em latim – ligar de novo.
9 complexus – em latim – O que está tecido, entrelaçado.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 106 28/5/2010 09:57:31


Maria Cristina Mesquita Barbosa 107

4) Ensinar a Identidade Terrena.


5) Ensinar a Enfrentar as Incertezas.
6) Ensinar a Compreensão.
7) Ensinar a Ética do Gênero Humano.
Conclui Morin (2002) que a educação deve ser um despertar para a vida, os
saberes não devem assassinar a curiosidade.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diferenças de concepção apontam para mundos distintos que se traduzirão em práticas


diferenciadas no cotidiano docente do ensino-aprendizagem.

Este relato sobre os variados caminhos da Pedagogia através da História, o


privilegiar de alguns aspectos que se configuram nas pessoas do educador e do educando
e dos conteúdos a serem ensinados e aprendidos, nos dá a certeza de que educar, no
século XXI, não se fará sem a reflexão sobre: cidadania, planetariedade, sustentabilidade,
virtualidade, globalização, transdiciplinaridade, dialogicidade sob pena de sermos
soterrados pelos fragmentos do senso comum.

Educar para incertezas, este é o grande desafio do educador em um mundo em


que a mudança substitui as permanências e os outros olhares.

REFERÊNCIAS
ARANHA, Maria Lúcia. A história da educação e da pedagogia – geral e do Brasil. São Paulo.
Moderna. 2006. PLT – Curso de Pedagogia Anhanguera Educacional.
______. Filosofia da Educação. 3. ed. rev. ampl. São Paulo: Moderna, 2006.
BARBOSA, Maria Cristina Mesquita. A formação do administrador de empresas na sociedade
global: perspectivas e contradições do ensino da filosofia e da ética. Faculdade de Educação -
UNICAMP . Campinas, SP. [s.n], 2002. Disponível em:
<http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000265196>.
______. Ensino-aprendizagem: pressupostos filosóficos. Material da 1ª. aula da Disciplina
Fundamentos Teóricos do Ensino Aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato
Sensu em Didática e Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação
Docente.Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
CORTELA, Mário Sérgio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 10.
ed. São Paulo: Cortez - Instituto Paulo Freire, 2006.
GADOTTI, M. et al. Educação no século XXI: perspectivas e tendências. São Paulo: Ed. Segmento –
Duetto, 2006. (Coleção Memória da Pedagogia, n. 6).
LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: pedagogia crítico-social dos conteúdos,
São Paulo, Loyola, 1985.
LUCKESI, C. Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994.
MORIN, E. Os sete saberes necessários para a educação do futuro. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 107 28/5/2010 09:57:31


108 Aprendizagem: tendências pedagógicas

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica. 8. ed. rev. ampl. Campinas, SP: Autores Associados,
2003.
______. Escola e democracia. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1988.
______. Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Cortez - Autores
Associados, 1980.
SEVERINO, A.J. Filosofia da Educação: construindo a cidadania. São Paulo: FTD, 1994.
SILVA, Marco. Educar em nosso tempo: desafios da teoria social pós-moderna. In: MAFRA, L.A.;
TURA, M.L.R. (Org.). Sociologia para educadores 2: o debate sociológico da educação no século
XX e as perspectivas atuais. Rio de Janeiro: Quartet, 2005.

Maria Cristina Mesquita Barbosa


Graduada em Filosofia pela Faculdade de Filosofia
Ciências e Letras de Poços de Caldas, MG (1969) e
mestre em Educação pela Universidade Estadual de
Campinas (2002), é professor adjunta das Faculdades
Anhanguera nos campi da Valinhos e Campinas unidade
1, além de ministrar aulas no curso de Capacitação
Docente. Exerce, atualmente, a Coordenação do Projeto
de Extensão “Faculdade Aberta da Terceira Idade” na
Faculdade Anhanguera de Valinhos. Tem experiência na
área de Filosofia, com ênfase em Filosofia e Filosofia da
Educação atuando principalmente nos seguintes temas:
filosofia, educação, ética, sociologia, didática.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 97-108

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 108 28/5/2010 09:57:31


Anuário da Produção PROJETO PEDAGÓGICO:
Acadêmica Docente ARTICULAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES NÍVEIS
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 DO PLANEJAMENTO EDUCACIONAL1

Suselei A. Bedin Affonso


Faculdade Anhanguera de Campinas RESUMO
unidade 3
suseaffonso@hotmail.com
Considerando a importância do Projeto Pedagógico de uma instituição para
a definição de seu papel social e identidade, esse artigo discute a importância
da existência de uma articulação entre os diferentes níveis de planejamento
educacional envolvidos no trabalho pedagógico desenvolvido pela
instituição e da clareza e coerência entre o proposto em cada um desses
níveis para garantir o alcance das metas, o desenvolvimento da instituição e
a obtenção de um trabalho de qualidade.

Palavras-Chave: projeto pedagógico institucional; planos de ensino e


aprendizagem; projeto de curso.

ABSTRACT

Considering the importance of the pedagogical project of an institution to


define its social role and identity, this article discusses the importance of
coordination between the different levels of educational planning involved
in the pedagogical work developed by the institution and the clarity and
consistency between proposed in each of these levels to ensure the
achievement of goals, the development of the institution and the
achievement of quality work.

Keywords: pedagogical institutional project; teaching and learning plans;


course project.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1Material da 2ª. Aula da Disciplina Projeto Pedagógico e Operação Acadêmica,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 30/5/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 17/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
109

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 109 28/5/2010 09:57:31


110 Projeto Pedagógico: articulação entre os diferentes níveis do planejamento educacional

1. INTRODUÇÃO

A construção do projeto pedagógico de uma instituição educacional envolve um processo


de reflexão e de tomada de decisão sobre a ação; é um
[...] processo contínuo que se preocupa com o ‘para onde ir’ e ‘quais as maneiras
adequadas para chegar lá’, tendo em vista a situação presente e possibilidades futuras,
para que o desenvolvimento da educação atenda tanto as necessidades da sociedade,
quanto as do indivíduo (PARRA apud SANT'ANNA et al., 1995, p. 14).

Isso implica que a concepção e execução do projeto pedagógico demandam um


processo de planejamento educacional em diferentes níveis, articulados entre si, para que
se possa realizar a “previsão de necessidades e racionalização de emprego de meios
(materiais) e recursos (humanos) disponíveis, visando à concretização de objetivos, em
prazos determinados e etapas definidas, a partir dos resultados das avaliações”
(PADILHA, 2001, p. 30).

Qualquer instituição de ensino, embora disponha de relativa autonomia para


definir suas metas e objetivos e para elaborar sua proposta de trabalho, deve submeter-se
a um nível de planejamento amplo e abrangente, o qual prevê a estruturação e o
funcionamento da totalidade do sistema educacional do país e determina as diretrizes da
política nacional de educação, bem como a organização de seus sistemas e redes de
ensino.

De acordo com Baia Horta (1991), esse nível mais amplo de planejamento
constitui uma forma específica de intervenção do Estado na educação, que se relaciona, de
diferentes maneiras, com as outras formas de intervenção na vida em sociedade.

A educação é hoje concebida como fator de mudança, renovação e progresso


econômico e social de um país. Por ser considerada imprescindível ao desenvolvimento
globalizado, vem recebendo maior atenção do Estado que, amparado em uma legislação
pertinente, planeja ações a serem efetivadas em diferentes níveis e esferas. O objetivo
principal é, assim, possibilitar a expansão e melhoria da rede escolar e preparação de
recursos humanos.

Nessa ampla perspectiva, constata-se que “o planejamento educacional se


apresenta como um processo de abordagem racional e científica dos problemas da
educação, incluindo definição de prioridades e levando em conta a relação entre os
diversos níveis do contexto educacional” (TEIXEIRA, 2005).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 110 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 111

2. NÍVEIS DE PLANEJAMENTO EDUCACIONAL

Segundo Coaracy (1972), esse nível de planejamento educacional mais amplo tem como
objetivo atrelar o desenvolvimento do sistema com o desenvolvimento econômico, social,
político e cultural do país (âmbito geral) e de cada comunidade (âmbito particular). Dessa
maneira, estabelecem-se as condições necessárias para o aperfeiçoamento dos fatores que
influem diretamente sobre a eficiência da educação (estrutura, administração,
financiamento, pessoal, conteúdo, procedimentos e instrumentos).

O planejamento educacional tem como pressuposto básico o delineamento da


filosofia da educação do país, através do estabelecimento de uma política que norteie de
forma sistemática e racional o processo de desenvolvimento da educação, buscando torná-
lo mais eficiente e capaz de responder com maior precisão às necessidades e objetivos da
sociedade.

As políticas e o planejamento da educação, em nível nacional, encontram-se


expressos em documentos legais, tais como:

• O Plano Nacional de Educação – Lei 10.172, de 09 de janeiro de 2001 –


define diretrizes para gestão e financiamento da educação no Brasil,
oferecendo um estudo diagnóstico sobre metas e diretrizes para cada
nível e modalidade de ensino bem como para a formação e valorização do
magistério, nos próximos dez anos.
• A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei 9394/96 – define
as bases e orientações para a gestão e diretrizes para os diferentes níveis
de ensino.

No caso do ensino superior, temos ainda o Decreto nº. 5.773, de 2006, que dispõe
sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de
educação superior e cursos superiores de graduação e seqüenciais a serem
desempenhadas pelo CNE (Conselho Nacional de Educação), Ministério da Educação,
INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) e CONAES (Comissão
Nacional de Avaliação da Educação Superior), a partir de observância das normas e
recomendações em relação à qualificação do curso, diretrizes curriculares, corpo docente,
entre outros.

Outro nível de planejamento é aquele que, observadas as recomendações e


diretrizes do sistema educacional mais amplo, ocorre no âmbito da instituição de ensino,
concretizando-se pela elaboração de seu Projeto Pedagógico, um instrumento de
planejamento e gestão que considera sua identidade. No que toca a sua filosofia de
trabalho, a sua estrutura organizacional, à missão a que se propõe e às estratégias visa,
portanto, a atingir as metas e objetivos definindo as diretrizes pedagógicas que orientam

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 111 28/5/2010 09:57:31


112 Projeto Pedagógico: articulação entre os diferentes níveis do planejamento educacional

suas ações e as atividades acadêmicas e científicas que desenvolve ou que pretende


desenvolver.

Na definição do Projeto Político-Pedagógico,


[...] materializam-se os diferentes momentos do planejamento: a definição de um marco
referencial, a elaboração de um diagnóstico e a proposição de uma programação com
vistas à implementação das ações necessárias à realização de uma prática pedagógica
crítica e reflexiva (SOUZA, 2005).

No caso do ensino superior, em consonância com a missão e os objetivos


descritos no Projeto Pedagógico da instituição, será construído outro nível de
planejamento mais específico, que são os projetos pedagógicos dos cursos a serem
desenvolvidos pela instituição. São eles que expressam os ideais de formação que
subsidiarão a definição de perfil do profissional a ser formado, a matriz curricular e a
concepção de aprendizagem a ser adotada.

Nessa perspectiva, esse nível de planejamento deve trabalhar com previsão


global e sistemática de toda ação a ser desencadeada durante o processo formativo do
aluno em um determinado curso, em consonância com os objetivos educacionais para a
promoção não só da aprendizagem de conteúdos e habilidades específicas, mas também
para fornecer condições favoráveis à aplicação e integração desses conhecimentos. Isto é
viável através de um planejamento curricular capaz de prever a proposição de situações
que favoreçam o desenvolvimento das capacidades do aluno para solucionar problemas,
muitos dos quais comuns no seu dia-a-dia.

Portanto este nível de planejamento é relativo ao curso. Através dele são


estabelecidas as linhas-mestras que norteiam todo o trabalho. Expressa, por meio dos
objetivos gerais, a linha filosófica do estabelecimento. Em outras palavras, o planejamento
curricular é: “uma tarefa multidisciplinar que tem por objeto organização de um sistema
de relações lógicas e psicológicas dentro de um ou vários campos do conhecimento, de tal
modo que se favoreça ao máximo o processo ensino-aprendizagem” (SARUBBI apud
SOUZA, 2005).

O planejamento curricular está articulado às metas e prioridades delineadas no


Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e no projeto do curso específico, pois traduz em
termos mais próximos e concretos, as linhas-mestras de ação delineadas no planejamento
imediatamente superior, através de seus objetivos e metas.

Subsidiado pelo planejamento curricular, surge, em nível mais específico, o


planejamento de ensino. Ele é a transposição dos ideais formativos e metas definidas nos
níveis anteriores de planejamento para o nível mais próximo e concreto da sala de aula.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 112 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 113

Indica a atividade direcional, metódica e sistematizada que será empreendida pelo


professor junto a seus alunos, em busca de propósitos definidos.

O docente que deseja uma atuação competente participa, elabora e organiza


planos em diferentes níveis de complexidade para atender seus alunos. Pelo
envolvimento no processo ensino-aprendizagem, estimula a participação do aluno, a fim
de que este possa, realmente, efetuar uma aprendizagem tão significativa quanto o
permitam suas possibilidades e interesses. O planejamento, neste caso, deve contemplar
previsão de resultados esperados e os meios necessários para alcançá-los.

O processo de seleção da cultura, materializado no currículo e, em especial, nos


conhecimentos a serem trabalhados, deve estar intimamente relacionado à experiência de
vida dos alunos, não como mera aplicabilidade dos conteúdos ao cotidiano, mas como
possibilidade de conduzir a uma apropriação significativa desses conteúdos. Como afirma
Lopes, “essa relação, inclusive, mostra-se como condição necessária para que ao mesmo
tempo em que ocorra a transmissão de conhecimentos, proceda-se a sua re-elaboração
com vistas à produção de novos conhecimentos” (LOPES, 1992).

Deste modo, o planejamento de ensino passa a ser compreendido de forma


estreitamente vinculada às relações que se produzem entre a instituição e o contexto
histórico-cultural em que a educação se realiza. Nesta perspectiva, leva-se em conta,
ainda, as articulações entre o planejamento do ensino e o planejamento global do curso,
explicitado em seu projeto pedagógico. O planejamento de ensino se constitui um
elemento integrador entre a escola e o contexto social. Em virtude deste caráter, é
fundamental que se paute em alguns elementos.
• no estudo real da escola em relação ao contexto: o que demanda a caracterização do
universo sócio-cultural da clientela escolar e evidencia os interesses e necessidades dos
educandos;
• na organização do trabalho didático propriamente dito, o que implica:
a) definir objetivos – em função dos três níveis de aprendizagem: aquisição, re-
elaboração e produção de conhecimentos;
b) prever conteúdos – tendo como critérios de seleção a finalidade de que eles
atuem como instrumento de compreensão crítica da realidade e como elo
propiciador da autonomia;
c) selecionar procedimentos metodológicos – considerando os diferentes níveis de
aprendizagem e a natureza da área do conhecimento;
d) estabelecer critérios e procedimentos de avaliação – considerando a finalidade
de intervenção e retomada no processo de ensino e aprendizagem, sempre que
necessário. (LOPES, 1992).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 113 28/5/2010 09:57:31


114 Projeto Pedagógico: articulação entre os diferentes níveis do planejamento educacional

3. OS DIVERSOS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO DA ANHANGUERA EDUCACIONAL


S.A. (AESA) E SUAS ARTICULAÇÕES

A) Plano de Desenvolvimento Institucional

É um plano global que define a postura, metas e trabalho a ser desenvolvido pela
instituição como um todo, delimitando sua área de atuação e forma de organização de sua
estrutura.

O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da AESA é pautado na


realidade econômica e cultural da sociedade, na realidade atual do ensino superior
brasileiro, nas condições de oferta, na crescente demanda de formação e inserção dos
jovens trabalhadores no mercado e, por fim, nas orientações e diretrizes do Plano
Nacional de Educação (Lei 10.172, de 09 de janeiro de 2001). Foi concebido, conforme
Decreto nº. 5.773, de 2006, como um instrumento de planejamento e gestão que considera
a identidade da Instituição de Ensino Superior (IES), no que diz respeito à sua filosofia de
trabalho, à missão a que se propõe, às estratégias para atingir suas metas e objetivos, à sua
estrutura organizacional, ao Projeto Pedagógico Institucional com as diretrizes
pedagógicas que orientam suas ações e as atividades acadêmicas e científicas que
desenvolve ou que pretende desenvolver.

Em consonância com a missão e os objetivos descritos no PDI, as metas estão


embasadas nas políticas e diretrizes institucionais, implementando estratégias para seu
alcance, prevendo ações mensuráveis com acompanhamento e monitoração da qualidade,
num determinado tempo e contexto.

O PDI define a área de atuação da IES no ensino superior de graduação nas


grandes áreas do conhecimento, com cursos de bacharelado, licenciatura e tecnologia, com
a oferta dos cursos podendo ser realizada de maneira presencial ou à distância, na pós-
graduação lato-senso e na extensão universitária, nas mesmas áreas dos cursos de
graduação, buscando o desenvolvimento e qualificação profissional da região, bem como
o desenvolvimento das comunidades vizinhas.

B) Projeto Pedagógico Institucional

Trata-se de um documento que contribui para a instituição projetar-se no futuro, “no


rumo da construção de Instituições de Ensino Superior comprometidas com as mudanças
sociais e reconhecidas no cenário acadêmico nacional e internacional, preservando e
aperfeiçoando as conquistas alcançadas até o momento” (ANHANGUERA
EDUCACIONAL, 2008, p. 14).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 114 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 115

Nele estão propostas ações de inovação com o objetivo de fazer cumprir a sua
missão, que postula promover o ensino de forma eficiente e com qualidade para que os
educandos possam desenvolver seus projetos de vida como cidadãos conscientes dos seus
direitos, deveres e responsabilidades sociais.

Dessa maneira, no Projeto Pedagógico Institucional são apresentadas políticas e


estratégias, buscando a obtenção de resultados na esfera educativa. Tais resultados serão
estabelecidos a partir da avaliação dos cenários possíveis para o desenvolvimento das
sociedades, da produção do conhecimento, do ensino e das profissões. Ressalta-se que a
efetividade deste projeto está diretamente ligada à qualidade da participação de todos os
envolvidos no processo educativo, cuja implantação deve ser dinâmica e coletiva.

O documento contempla a implantação de projetos pedagógicos, com base nas


diretrizes curriculares nacionais, nas normas do Ministério da Educação e órgãos a ele
vinculados, além das competências e habilidades preconizadas pela IES. Nessa
perspectiva, as diretrizes didático-pedagógicas gerais da instituição são definidas através
dos seguintes parâmetros:

• Perfil do Egresso.
• Seleção de Conteúdos.
• Princípios Metodológicos.
• Práticas Pedagógicas Inovadoras.
• Políticas de Educação Inclusiva.
• Processo de Avaliação.
• Políticas de Estágio, Prática Profissional e Atividades Complementares.

C) Projeto Pedagógico de Curso

A concepção curricular dos cursos da IES é realizada através de três parâmetros


principais, tais sejam: as diretrizes curriculares nacionais, a experiência pedagógica da IES
e as necessidades regionais. Dessa maneira, cada Projeto Pedagógico de Curso tem sua
revisão constante, pelo colegiado de curso, na busca da consonância com as diretrizes
curriculares nacionais e as exigências do perfil do egresso exigido pelo mercado de
trabalho na área de formação.

Conforme definido no Projeto Pedagógico Institucional da Anhanguera


Educacional (2008), as ações para garantir o mesmo perfil de qualidade na formação dos
estudantes são pautadas pelo trabalho da Pró-Reitoria, que promove e gerencia as
atividades de Planejamento, Execução, Controle e Avaliação dos Projetos Pedagógicos de
Curso, das Matrizes Curriculares, do Ementário e da revisão constante da bibliografia

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 115 28/5/2010 09:57:31


116 Projeto Pedagógico: articulação entre os diferentes níveis do planejamento educacional

indicada, garantindo, também, a necessária adequação da infra-estrutura de laboratórios,


bibliotecas e outros espaços para o desenvolvimento das atividades práticas nas diversas
áreas de estudo para melhoria de competências dos alunos.

As ações, através de processo participativo, contam com a contribuição dos


Colegiados de Curso, do Conselho Pedagógico (COP), do Conselho de Administração
Superior (CAS).

A IES constituiu o grupo de inovação curricular com a participação de


especialistas nas diversas áreas do conhecimento. O grupo passou a se reunir com o
propósito de debater a criação de inovações nos currículos dos vários cursos de
graduação, extensão e pós-graduação, em conjunto com a mantenedora, com um duplo
objetivo: produzir melhoria no desempenho acadêmico dos estudantes da IES e criar
melhores condições de entrada dos estudantes no mercado de trabalho.

Para tal empreitada, realizou-se uma pesquisa na qual o grupo identificou as


principais competências e habilidades que os estudantes deveriam desenvolver,
independentemente do curso de graduação pelos quais optaram, e que eram desejáveis
para os objetivos. Chegou-se, então, a um elenco de competências e habilidades que
estariam compondo as matrizes curriculares de todos os cursos de graduação.

Assim, em função das competências/habilidades detectadas como desejáveis,


foram constituídas as seguintes disciplinas humanísticas:

• Desenvolvimento Pessoal e Profissional.


• Direito e Legislação.
• Economia.
• Comportamento Organizacional.
• Direitos Humanos e Relações Internacionais.
• Leituras Clássicas.
• Responsabilidade Social e Meio Ambiente.
• Desenvolvimento Econômico e Organismos Internacionais.

Em função da perspectiva por parte da instituição de padronizar a aplicação das


disciplinas e com o propósito de garantir o cumprimento dos objetivos do projeto, houve
a criação de uma coordenação pedagógica que opera na IES e em conjunto a mantenedora,
respeitando as características regionais de cada um dos cursos. Na prática, significa que o
Plano de Aprendizagem (com ementa, programa e bibliografia) das disciplinas do Núcleo
Comum é de responsabilidade da IES.

O PPI da Anhanguera Educacional prevê que as atividades educacionais no


ensino de graduação deverão proporcionar o oferecimento de cursos, com seus meios e

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 116 28/5/2010 09:57:31


Suselei Aparecida Bedin Affonso 117

recursos, para que o educando possa desenvolver-se como sujeito do processo


educacional, ao mesmo tempo em que desenvolve seu projeto de vida. Dessa forma, a
concepção didático-pedagógica dos cursos de graduação da AESA, descrita no PPI,
preocupa-se:
[...] em promover, de maneira integrada, o ensino superior para a capacitação
profissional dos seus alunos, a investigação de iniciação científica e intelectual, bem
como a educação geral dos membros do seu corpo social, como meios de alcançar o
desenvolvimento pessoal e da comunidade nas quais os cursos estão inseridos.
(ANHANGUERA EDUCACIONAL, 2008, p. 20)

Os cursos propostos buscam atender essas definições, cujos objetivos convergem


para a formação de profissionais que correspondam às necessidades de demanda de mão
de obra especializada nas diferentes áreas, sobretudo às relacionadas com a formação de
um profissional ético, crítico e consciente diante da realidade educacional brasileira.

A fim de assegurar a plena articulação entre o PPC, o PPI e o PDI a elaboração do


Projeto Pedagógico dos cursos conta com a participação de representantes do Corpo
Docente e das Coordenações de Curso das várias unidades da Anhanguera Educacional,
bem como de representantes do Departamento de Desenvolvimento Educacional da
Instituição para a discussão da proposta do projeto, os conteúdos das ementas com sua
adaptação ao programa e a atualização da bibliografia. A equipe colabora também na
discussão das características do curso, levando em conta, além das Diretrizes Curriculares
Nacionais que o norteiam, o perfil do profissional adequado para a região em que o curso
está inserido e os valores institucionais, bem como o referencial teórico-metodológico, os
princípios, diretrizes, abordagens, estratégias e ações previstas no PPI.

D) Planos de ensino e aprendizagem das disciplinas

O Planejamento de Ensino para a IES é “um ato político-pedagógico, na medida em que


revela intencionalidade e expõe o que se pretende atingir, o que se deseja realizar”
(ANHANGUERA EDUCACIONAL, 2008, p. 26). O Planejamento educacional das
atividades pedagógicas no nível do plano de ensino e atividades pedagógicas é a
transposição dos ideais formativos e metas definidas nos níveis anteriores de
planejamento para o nível mais próximo e concreto da sala de aula e exige organização,
sistematização, previsão, decisão entre outros aspectos que pretendam garantir a
eficiência e eficácia da ação educativa.

A fim de assegurar a plena articulação entre o PPC, o PPI e o PDI a instituição


promove e gerencia as atividades de planejamento, execução e avaliação do ementário,
conteúdos e bibliografia indicada, garantindo, também, a necessária adequação da infra-
estrutura para o desenvolvimento das atividades.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 117 28/5/2010 09:57:31


118 Projeto Pedagógico: articulação entre os diferentes níveis do planejamento educacional

Desta forma, espera-se que o professor, responsável direto pela ação pedagógica
na sala de aula, analise e opine regularmente sobre o Plano de Aula, o Projeto da
Disciplina e a Programação Semestral, seguindo os preceitos da Lei de Diretrizes e Bases
da Educação Nacional e dos direcionamentos do Projeto Pedagógico do Curso.

A revisão semestral do Plano de Ensino-Aprendizagem da Disciplina, por parte


do professor, permite que este reflita sobre sua ação, sobre o seu fazer na sala de aula,
concretizando os princípios institucionais da formação do cidadão, do profissional e do
sujeito enquanto pessoa, numa formação que o habilite ao trabalho e à vida.

Aos professores é solicitado decidir, prever, selecionar, escolher, organizar,


refazer, redimensionar, refletir sobre o processo antes, durante e depois da ação
concluída. Ao final de cada semestre o docente entregará sua análise do Plano de Ensino-
Aprendizagem da Disciplina sob sua responsabilidade, ao seu Coordenador de Curso,
fazendo inferências, críticas e sugestões para o desenvolvimento desta mesma disciplina
no semestre seguinte. Entretanto, este não é um trabalho solitário. A IES disponibiliza,
através do Programa Permanente de Capacitação Docente, encontros para discussão sobre
planejamento de ensino e organização do trabalho em sala de aula.

Como se pode perceber existe uma articulação entre os diferentes níveis de


planejamento educacional envolvidos no trabalho pedagógico desenvolvido pela
instituição e é a clareza e coerência entre o proposto em cada um deles que garante o
alcance das metas, o desenvolvimento da instituição e a obtenção de uma trabalho de
qualidade.

REFERÊNCIAS
ANHANGUERA EDUCACIONAL S.A. Plano de Desenvolvimento Institucional. Centro
Universitário Anhanguera. Leme, 2008.
______. Projeto Pedagógico Institucional. UNIFIAN, 2008.
BAIA HORTA, J.S. Planejamento educacional. In: MENDES, D.T. (Coord.). Filosofia da educação
brasileira. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9.394/1996. Brasília, 1996.
______. Plano Nacional de Educação. Lei Federal nº. 10.172/2001. Brasília, 2001.
COARACY, Joanna. O planejamento como processo. Revista Educação, Brasília, Ano I, n.4, p.79,
1972.
LOPES, A.O. Planejamento de ensino numa perspectiva crítica de educação. In: CANDAU, V.
Repensando a didática. São Paulo: Cortez, 1992.
PADILHA, R.P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola.
São Paulo: Cortez - Instituto Paulo Freire, 2001.
PARO, V.H. Administração escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez - Autores Associados,
1986.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 118 28/5/2010 09:57:32


Suselei Aparecida Bedin Affonso 119

SANT'ANNA, F.M.; ENRICONE, D.; ANDRÉ, L.; TURRA, C.M. Planejamento de ensino e
avaliação. 11. ed. Porto Alegre: Sagra / DC Luzzatto, 1995.
SOUZA, Ângelo Ricardo de et al. Níveis do planejamento educacional: Planejamento e trabalho
coletivo. In: Ministério da Educação, Secretaria de Educação. Caderno 2 - Coleção Gestão e
Avaliação da Escola Pública. Universidade Federal do Paraná. Curitiba: Editora da UFPR, 2005,
p.27-42. 50 p.
TEIXEIRA, Gilberto. Planejamento educacional e planejamento de ensino. Disponível em:
<http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ler.php?modulo=16&texto=970>.
VASCONCELLOS, C.S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. São
Paulo: Libertad, 1995.

Suselei Aparecida Bedin Affonso


Doutorado em Educação pela
Universidade Estadual de Campinas
(2008). Mestrado em Educação pela
Universidade Estadual de Campinas
(2003), especialização em Educação e
Psicopedagogia pela Pontifícia
Universidade Católica de Campinas
(1997) e graduação em Psicologia pela Pontifícia
Universidade Católica de Campinas (1985). Experiência
na docência de disciplinas relacionadas à formação de
professores, em cursos de Pedagogia e Licenciaturas,
tendo participado também de projetos relativos à
formação continuada de professores em exercício.
Desenvolvimento de pesquisas nas áreas de educação
continuada, cognição, afetividade e relações de gênero.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 109-119

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 119 28/5/2010 09:57:32


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 120 28/5/2010 09:57:32
Anuário da Produção A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA NO ENSINO
Acadêmica Docente SUPERIOR1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Aglay Sanches Fronza-Martins RESUMO


Faculdade Anhanguera de Campinas
unidade 3 Nesse texto objetiva-se apresentar a importância do professor
profa_aglay@yahoo.com.br contemporâneo que assumiria o papel de ser um mediador do trabalho
educativo, no qual se faz necessário construir habilidades pedagógicas
suficientes para tornar o aprendizado mais eficaz, além de um bom nível de
conhecimentos da área em que pretende lecionar. Ressalta-se, também, a
importância de capacitar tais profissionais para essa prática pedagógica e a
necessidade de uma formação dos professores universitários fundamentada
no uso de recursos inovadores de maneira eficaz.

Palavras-Chave: didática; professor universitário; ensino superior.

ABSTRACT

This text aims to present the contemporary importance of the teacher who
would assume the role of being a facilitator of educational work, which is
necessary to build teaching skills enough to make learning more effective,
and a good level of knowledge of the area where want to teach. It is
emphasized also the importance of empowering these professionals to the
teaching practice and the need for a teacher training college based on the use
of innovative resources effectively.

Keywords: teaching; university professor; higher education.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Práticas do Ensino e da Aprendizagem,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 20/6/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 17/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
121

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 121 28/5/2010 09:57:32


122 A importância da didática no ensino superior

A IMPORTÂNCIA DA DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR

Diversas são as funções que fazem parte do trabalho do professor universitário, como por
exemplo: o estudo e a pesquisa; a docência, sua organização e o aperfeiçoamento de
ambas; a comunicação de suas investigações; a inovação e a comunicação das inovações
pedagógicas; a orientação e a avaliação dos alunos; a avaliação da docência e da
investigação; o estabelecimento de relações com o mundo do trabalho, da cultura etc.
(BENEDITO; FERRER; FERRERES, 1995, p. 119).

Tendo em vista essa multiplicidade de funções e as mudanças que vêm


ocorrendo no mundo contemporâneo, assim como das alterações nos campos das diversas
ciências, inclusive da educação, elas também levam à necessidade de focar em uma
formação/capacitação de qualidade destinada aos professores universitários, a fim de
melhor realizarem sua função primordial, ministrar boas aulas.

No ensino superior apresentam-se questões que ressaltam desde a importância


de um acesso maior de pessoas a esse setor, até pesquisas que traçam o perfil tanto do
profissional docente, quanto do estudante universitário. Outro foco de acalorados debates
tem sido a busca de como se trabalhar de maneira mais eficaz e eficiente com esse
contingente de alunos cada vez maior. Atualmente, surge ainda a discussão sobre a
utilização das novas tecnologias da comunicação e informação utilizadas como recursos
didáticos neo-contemporâneos.

A busca por um ambiente realmente eficaz que satisfaça não apenas as


expectativas do professorado, como também dos estudantes, torna relevante a presença
das TICs2 no ambiente educacional, daí a necessidade de preparação ou especialização do
professor para utilizar esses novos recursos. Por muito tempo, prevaleceu, segundo Gil
(2008), a crença de que, para se tornar um ‘bom’ professor de ensino superior, bastaria
dispor de uma comunicação fluente ou, então, de um alto nível de conhecimento sobre
determinado assunto.

Tal afirmativa pode ser hoje descartada, se observarmos que dominar um


determinado conteúdo, nem sempre significa que a pessoa sabe ou consegue transmiti-lo
de maneira ‘compreensível’ para outras pessoas que não seus pares. No que tange à
comunicação, infelizmente também temos exemplos de alguns profissionais que ao
apresentarem determinadas informações, apesar da fluência, o fazem de maneira inexata
ou insuficiente. Uma das críticas mais comuns dirigidas aos cursos superiores diz respeito
à didática dos professores universitários, ou a falta dela. Nas avaliações realizadas pelos

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 122 28/5/2010 09:57:32


Aglay Sanches Fronza-Martins 123

alunos nos diversos níveis de ensino, com uma atenção especial para o ensino superior,
encontra-se, com certa freqüência a seguinte crítica: “é um professor legal, mas o que falta é a
didática”.

Mas enfim, o que seria essa “didática” faltante? Não seria apenas uma disciplina?
De onde vem e o que significa “Didática”?

Ao professor universitário não cabe mais se colocar como personagem central do


processo de ensino-aprendizagem, melhor dizendo, apenas de ensino, com a mera tarefa
de transmitir informações. Atualmente, ao professor cabe o papel de ser um mediador do
trabalho educativo, no qual se faz necessário construir habilidades pedagógicas
suficientes para tornar o aprendizado mais eficaz, além de um bom nível de
conhecimentos da área em que pretende lecionar.

A formação pedagógica dos professores universitários surge, assim, com o


importante papel de capacitar tais profissionais para essa prática fundada nos usos de
recursos inovadores de maneira eficaz. Tal capacitação fica a cargo dos regimentos de
cada instituição responsável pelo oferecimento de cursos de graduação e de pós-
graduação. Como pode ser observada na cultura organizacional da Anhanguera
Educacional, promover a atualização docente reflete, e ao mesmo tempo regulamenta, a
crença da importância de se promover uma educação continuada e uma capacitação
profissional eficiente:
[...] que a qualidade do corpo docente baseia-se na sua educação continuada e na
produção acadêmica atualizada e relevante, para que possa embasar a formação discente
com os melhores conteúdos de conhecimentos,competências e habilidades, necessários
aos seus projetos de vida. (CARBONARI NETTO, 2009, p. 20)

Histórica e etimologicamente, Didática deriva do termo grego didaktike, que


significa “a arte de ensinar”. O uso de tal conceito difunde-se com a publicação da obra de
Jan Amós Comenius, em 1637, intitulada “Didactica Magna ou Tratado da arte universal
de ensinar tudo a todos”. Em tal obra Comenius3 buscava apresentar um:
[...] processo seguro e excelente de instituir, em todas as comunidades de qualquer reino
cristão, cidades e aldeias, escolas tais em que toda a juventude de um ou de outro sexo,
sem excetuar ninguém, possa ser formada nos estudos, educada nos bons costumes,
impregnada de piedade, e, dessa maneira, possa ser nos anos de puberdade, instruída
em tudo que diz respeito a vida presente e à futura, com economia de tempo e de fadiga,
com agrado e solidez.

O excerto acima sinalizaria o que cotidiana e contemporaneamente chamamos de


um ensino eficiente, aquele que produz o efeito desejado, que dá bom resultado, que
utiliza recursos de maneira a atingir toda a eficácia desejada. Com a “Didactica Magna”, o
grande pedagogo do século XVII propõe um sistema articulado de ensino que ressalta:

2 Tecnologias da Informação e Comunicação

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 123 28/5/2010 09:57:32


124 A importância da didática no ensino superior

• uma educação realista e permanente;


• um método pedagógico rápido, econômico e sem fadiga;
• um ensinamento a partir de experiências cotidianas;
• a busca pelo conhecimento de todas as ciências e de todas as artes;
• um ensino unificado.

Em seu livro “Competência pedagógica do professor universitário”, Masetto


ressalta a utilidade e a importância, para aqueles que querem se aventurar na docência de
nível superior, de se apropriarem das ferramentas/recursos para facilitar o trabalho em
sala de aula. O autor estimula os professores a se tornarem altamente motivados e
capacitados, sugerindo que todos os envolvidos no processo de ensino e de aprendizagem
produzam formas eficazes, para que os novos acadêmicos possam compreender melhor
os novos conteúdos apresentados.

Atualmente nos deparamos com diversos significados para Didática. Para


Masetto (1997), o termo didática refere-se a “um estudo do processo de ensino-
aprendizagem em sala de aula e de seus resultados”. Outro teórico, Libâneo (1994, p. 54),
enfatiza que “quando os adultos começam a intervir na atividade de aprendizagem das
crianças e jovens através da direção deliberada e planejada de ensino, ao contrário das
formas de intervenção mais ou menos espontâneas de antes”, ocorre o que chama de uma
realidade didática contemporânea.

Esses autores não foram os únicos a utilizar tal termo. Conceituado de maneira
diferenciada, fazendo-se um breve delineamento histórico, podemos observar que até o
final do século XIX, tanto com Rousseau (1712-1778), Pestalozzi (1746-1827) ou Herbart
(1777-1841) a Didática fundamentava-se quase que exclusivamente na Filosofia. Já a partir
de final desse mesmo século, houve uma tendência de fundamentação didática baseada
tanto na área científica quanto na psicológica, graças ao progresso alcançado pelas
ciências do comportamento no fim do século XIX e início do XX.

No início do século XX, surgem diversos movimentos de reforma escolar, tanto


no continente europeu quanto no americano, nesse caso podemos citar Decroly (1871-
1932), Kerschensteiner (1854-1932), Cousinet (1881-1973), Claparède (1873-1940) e Dewey
(1859- 1952).

O movimento da Escola Nova foi uma tentativa de renovação educacional que se


esforçou para aplicar as conclusões das pesquisas realizadas pelas ciências do
comportamento. Tal movimento ficou conhecido como “Escola Nova” ou “Escola Ativa”,

3 Disponível em: <http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/didaticamagna.pdf>. Acesso em: 15 maio 2009, p. 11.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 124 28/5/2010 09:57:32


Aglay Sanches Fronza-Martins 125

resultando dele um conjunto de princípios pedagógico-didáticos. No Brasil, as idéias da


Escola Nova tornaram-se conhecidas do público na década de 30 do século XX, com
destaque especial para os educadores Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo e Lourenço
Filho.

Esse movimento surge baseado na idéia de que o aluno aprende melhor “por si
próprio”, por isso, valorizava diversas estratégias como, por exemplo, a utilização dos
jogos educativos. O centro do processo de ensino deixa, então, de ser o professor e passa a
ser o aluno. Ressalta-se aqui uma nova diferenciação entre o ensino e a aprendizagem,
com foco na aprendizagem por parte do aluno.

No período que vai da década de 1950 até o final da de 1970, foi que o ensino de
Didática, enquanto uma disciplina estruturada academicamente, passou a privilegiar
métodos e técnicas com o intuito explícito de garantir a eficiência da aprendizagem dos
alunos. O vigor tecnicista ressalta, nesse período, o fato de se alocarem a técnica e as
estratégias educacionais visando enfatizar o cunho desenvolvimentista da política
governamental da época.

A Didática adquire, a partir da década de 70, um cunho instrumental que


perduraria até o início da década de 90, enfatizando uma pseudo-neutralidade, vinculada
ao âmbito científico e técnico. Essa linha de abordagem teórica, somente se modificaria
com a alteração da percepção do processo inicialmente focado no ensino e,
posteriormente, na aprendizagem, transformando-se, efetivamente no final do século XX e
início do século XXI, em um processo que enfatiza não somente o ensino, mas também a
aprendizagem.

O ensino seria basicamente a transmissão de conhecimentos, informações ou


esclarecimentos úteis à educação, realizados com um fim pré-determinado, enquanto a
aprendizagem seria vista como o exercício ou a prática de uma matéria aprendida com
uma experiência, por exemplo, enfatizando o papel ativo do estudante em tal processo.

Esse processo, segundo tal autor, pode apresentar-se de diversas formas, como:

a) o processo de ensino-aprendizagem desenvolve-se de maneira presencial,


não presencial ou mista, utilizando para esse fim ambientes educacionais
como escolas, centros de formação, empresas e comunidades urbanas e
rurais.
b) o processo de ensino-aprendizagem está centrado no educando e dá ênfase
tanto ao método quanto ao conteúdo.
c) o processo de ensino-aprendizagem compreende a organização do
ambiente educativo, a motivação dos participantes, a definição do plano
de formação, o desenvolvimento das atividades de aprendizagem e a
avaliação do processo e do produto.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 125 28/5/2010 09:57:32


126 A importância da didática no ensino superior

d) o processo de ensino-aprendizagem constitui essencialmente o trabalho


escolar, cujo produto são os conhecimentos construídos, os conhecimentos
dominados e as habilidades.
Somente com a junção desses dois conceitos é que teremos, conforme apresenta
Catapan (1996):
[...] um conjunto de ações e estratégias que o sujeito/educando, considerado individual
ou coletivamente, realiza, contando para tal, com a gestão facilitadora e orientadora do
professor, para atingir os objetivos propostos pelo plano e formação.

Conforme Libâneo (2001, p. 3):


A Didática de hoje precisa comprometer-se com a qualidade cognitiva das
aprendizagens e esta, por sua vez, está associada à aprendizagem do pensar. Cabe-lhe
investigar como se pode ajudar os alunos a se constituírem como sujeitos pensantes,
capazes de pensar e lidar com conceitos, argumentar, resolver problemas, para se
defrontarem com dilemas e problemas da vida prática.

Apresenta-se acima uma perspectiva histórico-cultural na qual a situação de


ensino-aprendizagem é realizada enquanto uma atividade compartilhada entre o
professor e seus alunos, em que se constrói uma relação social efetiva atrelada ao saber
escolar consolidado, ou seja, cuja aprendizagem seria facilitada com a utilização dos
diversos recursos de ensino.

Desse modo, faz-se importante ressaltar a abordagem vygotskyana sobre as


relações existentes entre os processos de desenvolvimento e a capacidade de aprendizado.
Vygotsky (2000) postula dois níveis de desenvolvimento: o primeiro é o nível de
desenvolvimento real. Este se refere aos processos de desenvolvimento já completados,
caracterizando aquilo que o indivíduo já é capaz de fazer ou resolver sozinho, de forma
autônoma. O outro é o nível de desenvolvimento potencial, caracterizado por aquilo que o
indivíduo é capaz de solucionar com a ajuda ou mediação do “outro”, de um material
pedagógico ou de uma estratégia didática.

Dessa maneira, Vygotsky (1991) introduz o importante conceito de zona de


desenvolvimento proximal que é definido como:
[...] a distância entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através
da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial,
determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em
colaboração com companheiros mais capazes.

Como a função da zona de desenvolvimento proximal é de aproximar o nível de


desenvolvimento potencial do nível de desenvolvimento real ela está sempre em
transformação, pois o que o indivíduo faz hoje com ajuda do outro, da tecnologia ou de
um recurso didático, amanhã fará sozinho, através de seu próprio desenvolvimento.

Além disso, não podemos negar que os meios de comunicação, rádio, televisão e
principalmente a internet, têm influenciado muito na maneira de pensar, de agir e até de
reagir a determinados sentimentos ou a algumas situações, por parte dos usuários,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 126 28/5/2010 09:57:32


Aglay Sanches Fronza-Martins 127

influenciando inclusive a escolha entre aquilo que considera interessante ou não. O


ambiente virtual e seus recursos, têm sido cada vez mais utilizados como uma estratégia
diferenciada para facilitar e tornar o ambiente educacional mais atrativo.

Pode-se dizer, desse modo, que o processo didático constitui-se como um


conjunto de atividades entre o professor e os alunos, e/ou entre os alunos e os materiais
didáticos, sob a direção do tutor/professor. Enfatiza-se, assim, a importância da
assimilação ativa pelos alunos dos conhecimentos, habilidades e hábitos, atitudes, visando
desenvolver suas capacidades e habilidades intelectuais. A Didática, de acordo com
Libâneo4 trata, portanto, dos objetivos, condições e meios de realização do processo de
ensino, ligando meios pedagógico-didáticos a objetivos sóciopolíticos.

No final do século XX, amplamente divulgado pelo livro de Malcom Knowles,


The modern practice of adult education (1970), surge o termo Andragogia, o qual se conceitua
como referente à arte e à ciência de orientar os adultos a aprender.

A Andragogia fundamenta-se em cinco princípios:

1. Conceito de aprendente, no qual o aluno se autodirige, ou seja, é responsável


pela sua aprendizagem.
2. Necessidade do conhecimento, ao saber o que quer, valoriza-se a necessidade
de aprender um determinado conhecimento.
3. Motivação para aprender, aqui ressalta tanto as motivações externas (melhor
trabalho, aumento de salário) quanto às motivações internas (auto-estima,
reconhecimento, autoconfiança).
4. O papel da experiência, as experiências prévias devem ser aceitas como fonte
de recursos a serem valorizados e partilhados, servindo de base para a
formação.
5. Prontidão para o aprendizado, em que o adulto está pronto para aprender
aquilo que decide aprender. Sua seleção de aprendizagem é natural e realista,
além disso sua retenção tende a decrescer quando percebe que o
conhecimento não pode ser aplicado imediatamente.
Embora a aplicação do modelo andragógico não seja consensual, pode-se afirmar
que uma vez em se utilizando de tais princípios, acima descritos, a prática docente do
professor universitário pode ser significativamente melhorada.

Vale ressaltar que não há, dessa forma, técnica pedagógica sem uma concepção
de homem e de sociedade intrínseca, como também não há concepção de homem e
sociedade sem uma competência técnica para realizá-la educacionalmente.

4 Disponível em:

<http://www.fadepe.com.br/restrito/conteudo/pos_gestaoambiental_libaneo_o_essencial_da_didatica_e_o_trabalho_do_
professor.pdf>.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 127 28/5/2010 09:57:32


128 A importância da didática no ensino superior

É importante sinalizar que o planejamento do ensino deve começar com


propósitos claros sobre as finalidades do ensino na preparação dos alunos também para a
vida social. No caso da Anhanguera Educacional, enfatiza-se, ainda, a relevância especial
ao Projeto de Vida do aluno.

Embora o professor seja visto com um personagem principal na relação ensino-


aprendizagem, por ser aquele que busca os recursos didáticos e os aplica, ele não tem o
controle total dos fatores relacionados aos estudantes, como por exemplo, as
necessidades, características e interesses de cada indivíduo.

Ao professor cabe o relevante papel de, por meio da Didática, relacionar o


conteúdo da disciplina que ministra às habilidades de comunicação dos conhecimentos,
ressaltando aqui além da importância da escolha dos recursos instrucionais também o
clima que estabelece em sala de aula.

REFERÊNCIAS
BENEDITO, A.V.; FERRER, V.E.; FERRERES, V. La formación universitária a debate. Barcelona:
Publicaciones Universitat de Barcelona, 1995.
BORDENAVE, J.E.D.; PEREIRA, A.M. Estratégias de ensino e aprendizagem. Petrópolis: Vozes,
2005.
CARBONARI, Maria Elisa E. Programa de auto-avaliação da Anhanguera Educacional:
instrumento de gestão acadêmica. In: CARBONARI NETTO, Antonio; CARBONARI, Maria Elisa
E.; DEMO, Pedro. A cultura da Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom professor, a
pesquisa e a avaliação institucional como instrumento de melhoria da qualidade. Valinhos:
Anhanguera Publicações, 2009. p. 193-230.
CATAPAN, A.H. O processo do trabalho escolar. In: Perspectiva, jul./dez. 1996.
GIL, A.C. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2008.
LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.
______. O essencial da didática e o trabalho de professor – em busca de novos caminhos.
Disponível em:
<http://www.fadepe.com.br/restrito/conteudo/pos_gestaoambiental_libaneo_o_essencial_da_di
datica_e_o_trabalho_do_professor.pdf>. Acesso em: 08 fev. 2009.
MASETTO, M.T. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.
______. Didática a aula como centro. São Paulo: FTD, 1997.
VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Aglay Sanches Fronza-Martins


Atualmente é professora no grupo
Anhanguera Educacional na graduação em
Pedagogia. Tem experiência na área de
Educação, com ênfase em educação formal
e não-formal, atuando principalmente nos
seguintes temas: ação educativa, museus e
educação não- formal.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 121-128

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 128 28/5/2010 09:57:32


Anuário da Produção OBJETIVOS EDUCACIONAIS E
Acadêmica Docente AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Adriane M. Soares Pelissoni RESUMO


Faculdade Anhanguera de Campinas
unidade 2 A avaliação da aprendizagem é uma temática que sempre está presente nas
adriane.soares@unianhanguera.edu.br discussões na área educacional. Atualmente, sabe-se que a avaliação da
aprendizagem deve superar o caráter puramente classificatório e deve ser
entendida como processo contínuo e sistemático, funcional e orientador dos
objetivos educacionais propostos ao ensino. Este artigo é resultado de
levantamento bibliográfico e tem o objetivo de discutir a relação entre
objetivos educacionais e o processo de avaliação da aprendizagem;
conceituar e discutir a taxonomia dos objetivos educacionais de Bloom e a
sua utilização nas metodologias de avaliação da aprendizagem no ensino
superior; e, por último, descrever e exemplificar metodologias de avaliação
da aprendizagem dentro do enfoque formativo. Com as discussões
apresentadas pretende-se contribuir para a mudança das práticas avaliativas
no ensino superior.

Palavras-Chave: avaliação; aprendizagem; processo; educação.

ABSTRACT

The assessment of learning is a theme that is always present in the


discussions in the educational area. Currently, it is known that the
assessment must go beyond the purely classificatory feature and must be
understood as continuous and systematic process, functional and supervisor
of educational objectives proposed for education. This article is the result of
literature review and aims to discuss the relationship between educational
objectives and the evaluation process of learning to conceptualize and
discuss the taxonomy of educational objectives of Bloom and their use in
methods for assessing learning in higher education and, finally, describe and
illustrate methods for assessing learning in the formative approach. With the
discussions presented is intended to contribute to the changing assessment
practices in higher education.

Keywords: assessment; learning; process; education.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 2ª aula da Disciplina Avaliação do ensino e da aprendizagem,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 27/06/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 13/02/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
129

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 129 28/5/2010 09:57:32


130 Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem

1. INTRODUÇÃO
Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável
e não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático daquilo que
vale a pena ser empreendido, daquilo que é belo, do que é moralmente correto.
(Albert Einstein)

A avaliação da aprendizagem é muito angustiante para muitos professores por não


saberem como transformá-la num processo que não seja mera cobrança de conteúdos “de
cor”, de forma mecânica e sem significado algum para o aluno (MORETTO, 2008). É
muito comum falarmos em nossas aulas sentenças como “anotem, pois vai cair na prova”
ou “prestem atenção nesse assunto porque na semana que vem tem prova”. Muitas vezes
utiliza-se a avaliação como recurso motivador (ou desmotivador) e regulador da
aprendizagem, mas é preciso superar esta visão.

Conforme apresentado por Pelissoni (2009), a avaliação da aprendizagem deve


superar o caráter puramente classificatório presente maciçamente nas práticas educativas
na atualidade. Avaliação da aprendizagem deve ser entendida como processo contínuo e
sistemático, funcional e orientador dos objetivos educacionais propostos ao ensino. Ou
seja, a avaliação deve ter uma função diagnóstica, na qual verifica a situação da
aprendizagem dos alunos para propor novos meios de mediação e de intervenção do
professor; é uma leitura da aprendizagem dos alunos e também uma forma de promover
a auto-regulação da aprendizagem entre os discentes.

Diante desta perspectiva, a avaliação é vista como parte integrante do ensino e


não como um momento de acerto de contas entre professores e alunos. Com isso, é
possível superar a visão de que ensinar é transmissão de conhecimentos prontos e
acabados, verdades a serem concebidas pelos alunos, gravadas e devolvidas no dia da
prova. Esta visão, descrita acima, é denominada por Moretto (2008) como toma-lá-da-cá,
em que o aluno deve devolver ao professor o que dele recebeu e de preferência
exatamente como recebeu.

Paulo Freire, autor de destaque na área educacional, chamou esta perspectiva de


educação bancária (FREIRE, 2000). Isto é, a educação feita por meio do ensino que não
envolve criatividade, nem mesmo interpretação, pautada pelo reprodutivismo. A relação
professor-aluno é identificada como uma forma de dominação, de autoritarismo do
professor e de submissão do aluno, sendo por isso uma relação perniciosa na formação
para a cidadania.

Hoje enfrentamos o desafio de transformar esta situação. Ainda hoje


identificamos marcas, crenças e valores pautados pela educação bancária. Porém, é

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 130 28/5/2010 09:57:32


Adriane Martins Soares Pelissoni 131

necessário refletir sobre as práticas de avaliação da aprendizagem a fim de quebrar este


ciclo e, com isso, formar os alunos de todos os níveis de ensino de maneira holística.

Tendo este panorama em vista, o presente artigo tem o objetivo de discutir a


relação entre objetivos educacionais e o processo de avaliação da aprendizagem;
conceituar e discutir a taxonomia dos objetivos educacionais de Bloom e a sua utilização
nas metodologias de avaliação da aprendizagem no ensino superior; e, por último,
descrever e exemplificar metodologias de avaliação da aprendizagem dentro do enfoque
formativo.

2. OBJETIVOS EDUCATIVOS E AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Um dos fatores importantes para o sucesso no ensinar é o professor estabelecer com


clareza e precisão os objetivos de seu ensino (MORETTO, 2008). Esta proposição parece
obvia, porém, na prática docente, ela não se sustenta. É comum professores que
improvisam, ou não estabelecem seus objetivos, ou por acharem que já sabem de cor o
conteúdo de suas disciplinas, ou porque dão muitas aulas e não têm tempo de prepará-
las.

Uma das prerrogativas para o sucesso da relação ensino-aprendizagem é entrar


na sala de aula com alguns (até mesmo poucos) objetivos perfeitamente definidos.
Ressalta-se que a definição e conhecimento dos objetivos não devem ser restritos a figura
do professor, mas sim amplamente divulgados entre o quadro de discentes, em vários
momentos da aula. Ou seja, o professor deve explicitar o seu objetivo claramente no início
de cada aula e repeti-lo sempre que necessário, de forma que o aluno perceba claramente
a condução do ensino em cada aula.

Se, por qualquer razão, não for possível o professor escrever os objetivos em cada
aula, é preciso que entre em sala com eles estruturados no pensamento, que tenha o
cuidado de revê-los continuamente durante a aula e, sobretudo, retomá-los ao final. Desta
forma, a definição clara e precisa dos objetivos de ensino prepara o processo da avaliação
da aprendizagem.

Esta situação reforça o papel central dos objetivos no processo de planejamento


do ensino, devido sua relação constante com as decisões sobre o que e como fazer. Com o
planejamento podem-se prever e, conseqüentemente evitar, dificuldades inesperadas em
sala de aula e, assim, assegurar-se do potencial de cada situação.

Dessa forma, o estabelecimento de objetivos serve para orientar o professor


quanto à seleção do conteúdo, a escolha de estratégias de ensino e a elaboração de

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 131 28/5/2010 09:57:32


132 Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem

instrumentos para avaliação de desempenho do estudante e seu próprio (GIL, 2008).


Também serve para orientar o estudante a cerca do que dele se espera no curso, da sua
utilidade, e ainda, do que será objeto de avaliação. Assim, pode-se dizer que em torno dos
objetivos gravita todo o trabalho do professor. Definir objetivos significa definir a
aprendizagem do aluno, bem como tudo que poderá ser feito para torná-la mais fácil,
agradável e significativa. Vale ressaltar que este processo não é linear, conforme advertem
Freitas, Sordi, Malava e Freitas (2009):
[...] para uma visão linear no processo pedagógico, o planejamento didático é uma
sucessão de etapas que começa com a definição dos objetivos, passa pela definição dos
conteúdos e dos métodos, pela execução do planejado e finalmente pela avaliação do
estudante [...] uma alternativa de ver a organização do trabalho pedagógico em sala de
aula abandona esta visão linear e a substitui [...] o que permite organizar o processo de
ensino aprendizagem em dois grandes núcleos ou eixos interligados:
objetivos/avaliação e conteúdo e método. (p. 14)

A partir desta forma de olhar para o processo pedagógico, a avaliação não figura
ao final, mas está justaposta entre os próprios objetivos, formando um par dialético com
eles. São os objetivos que dão base para construção da avaliação. Os conteúdos e o nível
de domínios destes, projetados pelos objetivos, permitem extrair as situações que
possibilitarão ao aluno demonstrar seu desenvolvimento em uma situação de avaliação
(ibid., 2009). A partir desta discussão é possível inferir que avaliação não é uma questão
de final de processo, mas que está o tempo todo presente e, consciente ou
inconscientemente, orienta a atuação na escola e na sala de aula atual.

Além disso, é necessário ressaltar que esta discussão centra atenção na avaliação
da aprendizagem do aluno, ou melhor, a aprendizagem de conteúdos dos alunos. No
entanto, é necessário evidenciar que as instituições escolares constantemente estão
envolvidas em processo de avaliação instrucional (acesso ao conteúdo), disciplinar e
atitudinal. Conforme mostra Freitas (1995), nas séries mais elementares a avaliação tende
a ocorrer em estreita relação com o próprio processo instrucional e de maneira menos
formal que nas séries mais avançadas, onde a modalidade da prova está mais
estabelecida. Por isso, é possível entender a razão pela qual os alunos do ensino superior
acham que avaliação é sinônimo de prova.

Freitas, Sordi, Malava e Freitas (2009) destacam que o processo de avaliação da


aprendizagem existe tanto no âmbito formal como no informal. Entende-se por avaliação
formal aquelas práticas que envolvem o uso de instrumentos de avaliação explícitos, cujos
resultados podem ser examinados objetivamente pelo aluno. Já na avaliação informal
estão os juízos de valor invisíveis e que acabam por influenciar os resultados das
avaliações finais e são construídas pelos professores e alunos nas interações diárias.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 132 28/5/2010 09:57:32


Adriane Martins Soares Pelissoni 133

Desta forma, é possível perceber que os professores tendem a tratar os alunos


conforme os juízos de valor que vão fazendo deles. Aqui começa a ser jogado o destino
dos alunos – para o sucesso ou para o fracasso. As estratégias de trabalho do professor em
sala de aula ficam permeadas por tais juízos e determinam, consciente ou
inconscientemente, o investimento que o professor fará neste ou naquele aluno. É nesta
informalidade que se joga o destino daqueles alunos que não aprendem da mesma
maneira que a maioria dos outros alunos, ou aqueles que têm características pessoais,
culturais e sociais da maioria da classe. Freitas, Sordi, Malava e Freitas (2009) organizaram
o diagrama explicativo na Ilustração 1 sobre a avaliação em sala de aula.

Nota
Campo
predominantemente
do formal

Avaliação
Instrucional
Sucesso
(conteúdo) ou
fracasso

Avaliação Avaliação Auto -


do de valores estima
comportamento e atitudes
Campo
predominantemente
do informal
Juízos

Fonte: Freitas, Sordi, Malava e Freitas (2009, p. 29).

Ilustração 1 – Diagrama representativo do modelo interpretativo de avaliação em sala de aula.

Desta forma, a avaliação da aprendizagem envolve a ação formal e informal do


professor, envolvendo a avaliação valorativa do comportamento, atitudes e valores dos
discentes. A partir disso, os alunos desenvolvem uma percepção que pode ser tanto
positiva quando negativa de si, que o levam ao sucesso ou ao fracasso acadêmico. Assim,
é possível afirmar que ação do professor é determinante para o sucesso acadêmico, tanto
em relação a sua percepção psicossocial quanto na vontade de prosseguir com os estudos.

Por isso, é de fundamental importância conhecer todas as dimensões presentes


no campo da avaliação da aprendizagem, supondo que está envolve somente o domínio
formal da aprendizagem. É necessário entender que a avaliação está presente no cotidiano
das aulas e pautam o relacionamento entre professores e aluno. Sendo de suma
importância a ação do professor para o envolvimento do aluno na aprendizagem e o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 133 28/5/2010 09:57:32


134 Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem

desenvolvimento de uma imagem positiva de sua capacidade e a vontade de prosseguir


com os estudos. Assim, o maior facilitador para esta situação é o estabelecimento claro de
objetivos educacionais claros, informados e retomados aula a aula com os próprios
estudantes.

Para complementar a discussão em relação aos objetivos educacionais e a sua


relação com a construção de metodologias de avaliação da aprendizagem, será
apresentado e discutido a seguir a taxonomia dos objetivos educacionais de Bloom.

3. TAXONOMIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS DE BLOOM

Benjamin Bloom certamente é um dos autores mais citados nos trabalhos referentes à
formulação de objetivos educacionais. Sua principal contribuição ao estudo deste tema é a
taxonomia dos objetivos educacionais, cujos trabalhos se iniciaram em 1948, durante a
convenção da Associação Americana de Psicologia (APA), em que se discutiu a
necessidade e conveniência do estabelecimento de um quadro teórico de referência que
facilitasse a comunicação entre os pesquisadores desta temática (GIL, 2008).

Este grupo de psicólogos propôs-se a desenvolver um sistema de classificação


para três domínios: o cognitivo, o afetivo e o psicomotor. O trabalho no domínio cognitivo
foi concluído em 1956, com a apresentação de um relatório normalmente referenciado
como Bloom's Taxonomy of the Cognitive Domain, embora o título completo da obra seja
Taxonomy of educational objectives: The classification of educational goals. Handbook I: Cognitive
domain, com a menção de outros quatro autores (M. Englehart, E. Furst, W. Hill, e D
Krathwohl).

O segundo relatório, só publicado em 1964, foi denominado Taxonomia dos


objetivos educacionais: domínio afetivo. Não causou tanto impacto como o primeiro, pois sua
contribuição ficou muito restrita ao campo psicológico. O grupo não chegou a elaborar o
relatório ao domínio psicomotor. Por essa razão é que se recorre a outros trabalhos para
classificar as questões no domínio psicomotor. Mais recentemente, Anderson e
Krathwolhl (2001) publicaram uma revisão da taxonomia dos objetivos no domínio
cognitivo, no entanto, ela foi pouco divulgada e não causou o impacto como fora na
década de 50.

Quanto à publicação original, é possível identificar que os autores se esforçaram


durante o período de oito anos de trabalho para que a taxonomia constituísse uma
construção de lógica, evitando julgamentos de valor sobre objetivos e comportamentos.
Conforme Moretto (2008), a idéia central da taxonomia é definir claramente aquilo que os

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 134 28/5/2010 09:57:32


Adriane Martins Soares Pelissoni 135

educadores querem que os alunos saibam – definindo assim como os objetivos


educacionais podem ser arranjados numa hierarquia do menos para o mais complexo.
Para fins didáticos os níveis da taxonomia foram organizados no Quadro 1, com amostras
de verbos e de declarações de desempenho para cada nível.

Quadro 1 – Os níveis da taxonomia de Bloom, sua definição e amostras.

Amostra de Amostra de
Nível Definição
verbos desempenhos

Escreva
O aluno irá recordar ou Liste
O aluno irá definir os seis
reconhecer informações, idéias, e Rotule
Conhecimento níveis da Taxonomia de
princípios na forma (aproximada) Nomeie
Bloom no domínio cognitivo.
em que foram aprendidos. Diga
Defina

Explique
O aluno irá explicar a
O aluno traduz, compreende ou Resuma
proposta da taxonomia de
Compreensão interpreta informação com base Parafraseie
Bloom para o domínio
em conhecimento prévio. Descreva
cognitivo.
Ilustre

Use
O aluno seleciona, transfere, e usa Compute O aluno irá escrever um
dados e princípios para completar Resolva objetivo educacional para
Aplicação
um problema ou tarefa com um Demonstre cada um dos níveis da
mínimo de supervisão. Aplique Taxonomia de Bloom.
Construa

Analise
O aluno distingue, classifica, e
Categorize O aluno irá comparar e
relaciona pressupostos, hipóteses,
Análise Compare contrastar os domínios
evidências ou estruturas de uma
Contraste afetivo e cognitivo.
declaração ou questão.
Separe

Crie O aluno irá elaborar um


Planeje esquema de classificação para
O aluno cria, integra e combina
Elabore escrever objetivos
Síntese idéias num produto, plano ou
hipótese(s) educacionais que integre os
proposta, novos para ele.
Invente domínios cognitivo, afetivo e
Desenvolva psicomotor.

O aluno irá julgar a


Julgue
O aluno aprecia, avalia ou critica efetividade de se escrever
Recomende
Avaliação com base em padrões e critérios objetivos educacionais
Critique
específicos. usando a taxonomia de
Justifique
Bloom.

Como foi possível observar no Quadro 1, existe uma hierarquia dos níveis
iniciada pelo domínio do conhecimento, ou seja, o aluno inicia o processo com o
conhecimento e reconhecimento de um dado conteúdo. Para ilustrar melhor partiu-se, do
princípio que o conteúdo de referência era a hierarquia da taxonomia de Bloom. Desta

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 135 28/5/2010 09:57:32


136 Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem

forma, na coluna amostra de desempenho foi formulado como o aluno iria demonstrar
este conteúdo em cada um dos níveis cognitivos.

De um modo geral, a pesquisa nos últimos quarenta anos confirmou a taxonomia


como uma hierarquia, com exceção dos dois últimos níveis (BLOOM; HASTINGS;
MANDAUS, 1983). Não há certeza quanto à posição de síntese e avaliação, mas é aceitável
colocá-las no mesmo nível. Ambas dependem da análise como um processo fundador.
Entretanto, síntese requer rearranjo das partes de um modo novo, original, enquanto que
a avaliação requer a comparação com padrões, exigindo julgamento para determinar o
bom, a melhor do que o melhor de todos. Isso guarda semelhanças a comparação entre
pensamento criativo e pensamento crítico. Ambos são valiosos, mas um não é superior ao
outro. Na Ilustração 2, é possível identificar uma representação gráfica que demonstra a
distribuição dos domínio seguinte a lógica apresentada.

Síntese Avaliação

Análise
Aplicação
Compreensão
Conhecimento
Ilustração 2 – Possibilidades da hierarquia da taxonomia de Bloom quanto ao domínio síntese e avaliação.

Ressalta-se que na Ilustração 2 os domínios foram apresentadas na ordem


inversa, ou seja, foram apresentados dos níveis mais complexos até os níveis mais
elementares. Desta forma, é possível perceber que os alunos podem “saber” sobre o tópico
ou matéria em diferentes níveis. Embora muitas avaliações elaboradas por professores
ainda verifiquem aspectos relativos aos níveis mais baixos da taxonomia, as pesquisa no
campo psicológico mostram que os alunos lembram-se mais quando aprenderam a
abordar um tópico desde o nível mais elevado da taxonomia (BLOOM; HASTINGS;
MANDAUS, 1983). Isso acontece porque, nos níveis superiores, exige-se mais elaboração,
um princípio de aprendizagem baseado em descobertas desde a teoria de aprendizagem
ancorada na abordagem do processo de informação (STEMBERG, 2000 apud
BORUCHOVICH; COSTA; NEVES, 2005).

É possível afirmar que a atuação docente no ensino superior deve compreender


os níveis presentes na taxonomia de Bloom, ficando claro assim que um mesmo conteúdo
poderá ser aprendido e ensinado com objetivos diferentes. A atuação envolvendo os
diferentes níveis da taxonomia possibilita que a relação de ensino e aprendizagem
desenvolva nos alunos diferentes competências visando a sua atuação profissional em

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 136 28/5/2010 09:57:32


Adriane Martins Soares Pelissoni 137

contexto multifacetado e multideterminado, que exige do individuo diferentes


habilidades para a resolução de uma rede de situações complexas. Por isso, é de
fundamental importância que os instrumentos de avaliação incorporem os diferentes
níveis da taxonomia dos objetivos educacionais.

4. METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO E FEEDBACK DA AVALIAÇÃO DA


APRENDIZAGEM: PROVA CRIATIVA E TRABALHOS COLABORATIVOS

Tendo em vista que o aluno pode aprender um dado conteúdo de acordo com os níveis
das operações mentais (cognitivas), faz-se necessário a construção de instrumentos de
avaliação nesta perspectiva. Segundo Méndez (2002, p.98),
[...] mais que o instrumento, importa o tipo de conhecimento que põe à prova, o tipo de
perguntas que se formula, o tipo de qualidade (mental ou prática) que se exige e as
respostas que se espera obter conforme o conteúdo das perguntas ou problemas que são
formulados.

Como nos mostra Zanon e Althaus (2008), se tomamos a prática de avaliação


como um processo, não é possível conceber e valorizar a adoção de um único instrumento
avaliativo, priorizando uma só oportunidade em que o aluno revela sua aprendizagem.
Oportunizar aos alunos diversas possibilidades de serem avaliados implica em assegurar
a aprendizagem de uma maneira mais consistente e fidedigna. Implica também em
encarar a avaliação, teórica e praticamente, como um verdadeiro processo.

Moretto (2008) coloca que as provas construídas nesta perspectiva devem superar
algumas características das provas tradicionais. Para que se possa ter uma visão ampla
desta diferenciação, foi elaborado o Quadro 2 que coloca paralelamente as diferentes
característica de cada instrumento.

Quadro 2 – Característica dos instrumentos de avaliação de acordo com a perspectiva pedagógica.


Características dos instrumentos Características dos instrumentos
na linha tradicional na perspectiva formativa
Exploração exagerada da memorização Contextualização
Falta de parâmetro para correção Parametrização
Exploração da capacidade de
Utilização de palavras de comando sem leitura e de escrita do aluno
precisão de sentido no contexto Proposição de questões operatórias e
não apenas transcritórias

A partir da análise do Quadro 2, fica claro que os instrumentos de avaliação na


perspectiva formativa utilizam de diferentes recursos para identificar a aprendizagem
discente, além disso, promovem a aprendizagem durante a situação avaliativa. Por isso, é
de extrema importância que os instrumentos sejam elaborados tendo em vista os objetivos

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 137 28/5/2010 09:57:32


138 Objetivos educacionais e avaliação da aprendizagem

para o ensino. Conforme nos mostra Moretto (2008), os principais instrumentos de


avaliação que podem ser utilizados na perspectiva formativa são:

• Prova Objetiva.
• Prova descritiva.
• Trabalhos colaborativos.

Ressalta-se que todos os instrumentos têm uma especificidade, e devem ser


explorados na sua potencialidade. Por exemplo, as provas objetivas permitem um
julgamento rápido e objetivo, uma vez que se admite somente uma resposta correta, por
isso deve ser utilizada para avaliar conteúdos extensos. Em quanto às provas discursivas
permitem um julgamento permite a reflexão do aluno, bem como a organização de
informações, opiniões, pontos de vista, conceitos e conhecimentos, portanto devem ser
utilizadas para avaliar conteúdos menores de forma qualitativa.
Para recuperar o valor formativo dos exames, é necessário fazer perguntas inteligentes
como condição de qualidade nas exigências de aprendizagem. Se realmente
pretendemos desenvolver a inteligência, é necessário fazer perguntas que a estimulem, e
não que a paralisem ou a limitem a tarefas que não exigem reflexão, tarefas de repetição
e de memória sem sentido, ou, o que é pior, a esclerosem (MÉNDEZ, 2002, p.117).

Sendo assim, todo instrumento de avaliação tem sua validade e deve ser
construído de acordo com os objetivos do ensino previamente planejados pelos docentes.
Para completar o ciclo na perspectiva formativa da avaliação da aprendizagem é de suma
importância que o professor forneça ao aluno um retorno claro e preciso de seu
desempenho, mediante aos objetivos selecionados para este atividade. Sugere-se que este
feedback seja feito por meio de comentários e planilhas descritivas de desempenho, para
que o aluno possa tenha uma informação adicional e não somente uma escala numérica
sobre sua aprendizagem. Desta forma, seria possível superar a prática avaliativa com
retorno somente através da nota seca.

Espera-se que as discussões abordadas neste texto possam incentivar novas


práticas de avaliação da aprendizagem entre os docentes, visando contribuir com a
formação integral dos alunos do ensino superior da Anhanguera Educacional.

REFERÊNCIAS
BLOOM, B.S.; HASTINGS, J.; MANDAUS, G.F. Manual de Avaliação formativa e somativa do
aprendizado escolar. São Paulo: Livraria Editora Pioneira, 1983.
BORUCHOVICH, E.; COSTA, E.R.; NEVES, E.R.C. Estratégias de aprendizagem: contribuições
para a formação nos cursos superiores. In: JOLY, M.C.R.A.; SANTOS, A.A.A.; SISTO, F.F.
Questões do cotidiano universitário. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São
Paulo: Paz e Terra, 2000.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 138 28/5/2010 09:57:32


Adriane Martins Soares Pelissoni 139

FREITAS, L.C. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas: Papirus,


1995.
FREITAS, L.C.; SORDI, M.R.L.; MALAVASI, M.M.S; FREITAS, H.C.L. Avaliação Educacional:
Caminhando pela contramão. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.
GIL, A.C. Didática do ensino superior. São Paulo: Editora Atlas, 2008.
MÉNDEZ, J. M.A. Avaliar para conhecer, examinar para excluir. Porto Alegre: Artmed, 2002.
MORETTO, V.P. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto de contas. 8. ed. Rio
de Janeiro: Lamparina, 2008.
PELISSONI, Adriane Martins Soares. A avaliação no ensino superior: contextos e cenários.
Material da 1ª. aula da Disciplina Avaliação do ensino e da aprendizagem, ministrada no Curso de
Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente
de Capacitação Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
ZANON, D.P.; ALTHAUS, M. Instrumentos de avaliação na prática pedagógica universitária.
Disponível em: <http://www.maiza.com.br>. Acesso em: 15 jun. 2009.

Adriane Martins Soares Pelissoni


Mestre em Educação pela Universidade
Estadual de Campinas. Possui graduação
em Pedagogia pela Universidade
Estadual de Campinas. Atualmente é
professora do curso de especialização em
Psicopedagogia do Centro Universitário
Nossa Senhora do Patrocínio, professora
de didática da Faculdade Anhanguera de Campinas e
coordenadora do Serviço de Atendimento ao Estudante
(SAE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase
em Educação, atuando principalmente nos seguintes
temas: ensino superior, atividade docente,
pesquisadores- formação, ensino de psicologia e
produção bibliográfica.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 129-139

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 139 28/5/2010 09:57:32


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 140 28/5/2010 09:57:32
Anuário da Produção RELAÇÕES INTERPESSOAIS: A IMPORTÂNCIA
Acadêmica Docente DO RELACIONAMENTO PROFESSOR-ALUNO1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Aglay Sanches Fronza-Martins RESUMO


Faculdade Anhanguera de Campinas
unidade 3 Percebe-se que o espaço da sala de aula é um local privilegiado para se
profa_aglay@yahoo.com.br estabelecerem relações interpessoais. Este texto enfatiza a importância de um
relacionamento satisfatório entre o professor e o aluno. Considerando uma
unidade, em que ambos, professor-aluno, formariam um “par educativo”,
poder-se-á produzir um processo de ensino-aprendizagem satisfatório,
elevando a curiosidade ao nível de esforço cognitivo, transformando um
conhecimento confuso e fragmentado em um saber organizado e preciso.

Palavras-Chave: relações interpessoais; ensino superior; mediação.

ABSTRACT

It is noticed that the space of the classroom is a prime location to establish


interpersonal relationships. This text emphasizes the importance of a
satisfactory relationship between teacher and student. Whereas a unit, in
which both teacher and student, would form a ‘educational partnership’, it
will be able to produce a satisfactory teaching-learning process, raising the
curiosity level of cognitive effort, turning a confused and fragmented
knowledge into a an organized and precise.

Keywords: interpersonal relationships; higher education; mediation.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 2ª. aula da Disciplina Práticas do Ensino e da Aprendizagem,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 27/6/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 22/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
141

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 141 28/5/2010 09:57:32


142 Relações interpessoais: a importância do relacionamento professor-aluno

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: A IMPORTÂNCIA DO RELACIONAMENTO


PROFESSOR-ALUNO
[...] o ensino torna-se mais eficaz quando o professor conhece a
natureza da diferenças entre os alunos (Mc Keachie)

O processo de ensinar e aprender, por ser realizado por seres humanos, deve concentrar-
se, de acordo com Bordenave (2005), na própria atividade racional, dando tanta
importância ao como e ao porquê do saber quanto ao conhecimento a ser trabalhado em tal
processo, preocupando-se em desenvolver habilidades intelectuais no e com o aluno.

Gil (2008) ressalta em seu livro o significativo papel do professor no Ensino


Superior enquanto facilitador do processo de ensino-aprendizagem, o qual deve ser
realizado em cooperação com o estudante. Ressalta-se, também, dessa maneira, a
importância do bom relacionamento entre o professor e seus alunos.

Em uma experiência realizada com professores de física, aos quais foram


oferecidas informações pessoais com antecedência sobre seus alunos, percebeu-se que
estes estudantes obtiveram um avanço significativo em seu aproveitamento, além de
considerarem seus professores mais eficazes. Tal fato demonstra o que Haydt (2006)
apresenta enquanto formação educacional, entendida como não dissociada da
participação dos estudantes e dos professores na rede de relações que constituem a
dinâmica social e colaboram para a efetivação do processo de ensino-aprendizagem.

Desse modo, percebe-se que o espaço da sala de aula é um local privilegiado para
se estabelecer relações interpessoais. Marchand (1985) enfatiza que no relacionamento
professor-aluno, por ocorrer de maneira tão intensa, deve ser considerado enquanto uma
unidade, em que ambos formariam um “par educativo”.

Apesar de ser um espaço em que ocorre a inter-relação entre professor e aluno, é


importante apresentar que esse não constitui o único relacionamento interpessoal
possível, pois nesse espaço realizam-se trocas de saberes e, também, de relacionamentos
entre alunos-alunos, alunos e demais funcionários.

O espaço da sala de aula é visto, de acordo com Haydt (2006), enquanto um local
privilegiado para a interação social. Nele se processaria, por meio da relação professor-
aluno e da relação aluno-aluno, um exercício constante que envolveria a assimilação de
conhecimentos, desenvolvimento de hábitos e atitudes de convívio, bem como a
cooperação e o respeito humano.

Se levarmos em conta que a principal função da escola é ensinar, teríamos dessa


maneira uma instituição social que visa, dentre outros pontos, instituir relações de

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 141-147

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 142 28/5/2010 09:57:32


Aglay Sanches Fronza-Martins 143

socialização, reforçando e estabelecendo novas crenças e valores, além de buscar reforçar


algumas normas de condutas sociais.

Os estudantes não trazem para a sala de aula apenas a motivação para aprender,
trazem expectativas pessoais com relação aos colegas, ao professor/professores, dirigem
sua atenção também para a utilização adequada do espaço físico, que pode efetivar um
melhor aproveitamento pedagógico e inter-relacional.

No convívio que ocorre no ambiente escolar não se deve deixar de lado a


existência de um domínio afetivo que se une à esfera cognitiva, pois o aluno nesse espaço
interage em sua integralidade. Uma vez que a educação é um processo eminentemente
social, ou seja, tal fenômeno só se dá quando ocorre o processo básico de interação (Garcia
apud Haydt, 2006), percebe-se que o estudante não age apenas com a razão, mas também
com os sentimentos e as emoções.

Será, portanto, por meio da relação professor-aluno e da relação aluno-aluno que


o conhecimento surge coletivamente construído. Desse modo, é na relação educativa,
ainda segundo a autora, que o educador pode estimular o interesse do aluno, além de
orientar seu esforço individual para aprender. Desse modo, o professor teria duas funções
primordiais, de acordo com Haydt (2006), nessa relação educacional:

• A função incentivadora e energizante, por meio da qual se deve


aproveitar a curiosidade natural do educando para mobilizar seus
esquemas cognitivos e despertar seu interesse.
• A função orientadora, em que se pode orientar o esforço do aluno para
aprender, ajudando-o a construir seu próprio conhecimento.

De acordo com Gil (2008), os professores tendem a tratar o processo de ensino-


aprendizagem em seu aspecto mais formal, no qual estabelecem objetivos, definem
estratégias de ensino, selecionam recursos e determinam procedimentos diferenciados.
Contudo, se fizerem apenas as tarefas acima listadas, eles estariam deixando de lado um
importante aspecto da aprendizagem: a relação professor-estudante.

A intervenção do professor, principalmente no ambiente da sala de aula, além da


interação dele com a classe, poderá produzir um processo de ensino-aprendizagem
satisfatório, elevando a curiosidade ao nível de esforço cognitivo, transformando um
conhecimento confuso e fragmentado em um saber organizado e preciso.

Diversos teóricos focaram suas pesquisas e teorias sobre esse importante


relacionamento interpessoal, dentre eles ao longo desse artigo apresentar-se-ão três
enfoques mais adotados: o rogeriano e o socioconstrutivista.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 141-147

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 143 28/5/2010 09:57:32


144 Relações interpessoais: a importância do relacionamento professor-aluno

Na abordagem de Carl Rogers (1902-1987), conhecida como não-diretiva e


centrada no cliente, como o próprio autor preferia chamar seus pacientes, afirma-se que
tanto a responsabilidade pela condução do tratamento, quanto o sucesso do mesmo será
de responsabilidade do cliente. De acordo com tal abordagem, pode-se, assim, observar
no ambiente educativo o papel de facilitador designado ao professor.

A teoria rogeriana ficou conhecida como humanista, uma vez que, contrastando
com a teoria freudiana, baseava-se em uma abordagem otimista do homem. Uma crença
básica aqui é que o organismo humano sabe o que é melhor para ele, por isso o pensador
acreditava que as pessoas só aprenderiam aquilo que necessitassem ou que realmente
quisessem aprender. Assim, a relação professor-aluno só poderia tornar-se eficiente se a
mesma se destituísse de toda hierarquia e se impregnasse de confiança, não abandonando
os alunos a si mesmos, mas dando-lhes apoio para caminharem sozinhos.

De acordo com o segundo enfoque a ser apresentado, o socioconstrutivista,


podemos apresentar um importante psicólogo do século XX, Lev Semionovitch Vygotsky
(1896-1934), o qual, apesar de seu curto tempo de vida, apresentou uma extensa produção
com importantes estudos sobre o desenvolvimento intelectual.

Vygotsky (1991) atribuía um relevante papel às relações sociais para a criação da


cultura. Seus estudos decorrem da compreensão do homem como um ser que se forma em
contato com a sociedade, assim, a formação do mesmo se efetivaria em uma relação
dialética entre o sujeito e a sociedade ao seu redor, em que o homem modificaria o
ambiente tanto quanto o ambiente modificaria o homem. A interação que cada pessoa
estabelece com determinado ambiente efetivaria a chamada “experiência pessoalmente
significativa”.

De acordo com tal abordagem teórica, as funções psicológicas elementares, as


quais se caracterizam, por exemplo, pelo reflexo, se diferenciariam das funções
psicológicas superiores, como por exemplo, a consciência e o discernimento. Os processos
psicológicos mais complexos ou as funções psicológicas superiores diferenciariam,
portanto, os seres humanos dos outros animais.

Outro conceito relevante é o de mediação, por meio do qual todo aprendizado


deveria ser necessariamente mediado. Vygotsky atribuiu significativa importância ao
papel do professor, uma vez que esse atuaria como impulsionador do desenvolvimento
psíquico de seus alunos, realizando uma intervenção pedagógica que provocaria avanços.

Desse modo, o estudante também precisa participar ativamente de seu próprio


aprendizado, pesquisando, experienciando, trabalhando em grupo. Tais atitudes resultam
em estimulação ao desafio, desenvolvimento do raciocínio e constante busca pelo

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 141-147

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 144 28/5/2010 09:57:33


Aglay Sanches Fronza-Martins 145

conhecimento, uma vez que esses últimos não estão prontos, mas devem ser trabalhados e
vivenciados pelo estudante.

Quando falamos da relação professor-aluno, alguns outros pontos são


importantes de serem levados em conta, dentre eles temos algumas possibilidades que
facilitariam tal processo no espaço de sala de aula. Segundo Gil (2008), um primeiro ponto
a ser considerado é o oferecimento de informações sobre o profissional docente de ensino
superior, podendo essa ser verbal e não-verbal.

Na linguagem verbal teríamos a apresentação realizada pelo próprio professor, a


qual em nossa instituição está sugerida para o primeiro dia de aula em nosso plano de
curso. O docente, neste instante, poderia apresentar, além de sua formação acadêmica,
também algumas características relevantes para o curso, como sua participação em
associações de classe e experiências profissionais. A linguagem não-verbal abrangeria a
maneira como o professor se porta frente à classe, por exemplo, a maneira como fala,
brinca, olha, ou seja, seus gestos, postura física e movimentos corporais.

A importância de se conhecer os alunos, como forma de se estabelecer


relacionamentos interpessoais mais centrados na turma específica com a qual o docente
trabalhará naquele semestre, enfatiza o papel incentivador que deve ser assumido pelo
professor.

Podemos citar, tomando como referência a bibliografia utilizada para a produção


desse artigo, algumas características do professor para que se possa apresentar de forma
eficaz no processo de ensino-aprendizagem, como apresentar bom-humor, expor de
maneira clara o conteúdo a ser trabalhado, ter habilidade para se comunicar com a sua
turma, dentre outras.

Em algumas ou várias das características apresentadas pelos estudantes, quando


avaliam o trabalho do docente, percebe-se que estas encontram imbricadas de valores. É,
no entanto, facilmente visível a importância da atitude dialógica para se efetivar um bom
andamento do processo didático-pedagógico.

Já no que tange à tipificação, deve-se reconhecer a diversidade de características


apresentadas pelos nossos estudantes. Em pesquisa realizada no final do século XX, Kuh,
Hu e Vesper (apud GIL, 2008) identificaram e classificaram os estudantes em dez tipos
específicos, de acordo com seus engajamentos nas atividades universitárias.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 141-147

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 145 28/5/2010 09:57:33


146 Relações interpessoais: a importância do relacionamento professor-aluno

A classificação ficou estabelecida da seguinte maneira:

1. Desengajados: estudantes que apresentam baixo nível de participação em


todas as atividades, estudam poucas horas por semana e, de modo geral,
tiram notas baixas.
2. Socializadores: apresentam notável nível de interação social com os seus
pares, mas baixo nível de participação em atividades acadêmicas.
3. Recreadores: estudantes que dedicam um considerável tempo para as
atividades esportivas, mas participam pouco de outras atividades,
apresentando baixo nível de interação social.
4. Acadêmicos: possuem ativo papel em relação ao envolvimento nas
atividades acadêmicas. São, em geral, os que obtêm as melhores
avaliações.
5. Cientistas: aqueles que se encontram envolvidos com ações de cunho
quantitativo, mas não apresentam bons resultados nas atividades de
educação geral.
6. Individualistas: tais estudantes possuem elevada interação com os pares,
participação em diversas atividades, muito esforço. No que diz respeito a
procura por opiniões de professores, desenvolvem pouco contato com a
faculdade, embora possam se envolver com seus pares.
7. Artistas: apresentam elevado nível de participação em atividades artísticas
e interação com os colegas e outros membros da faculdade.
8. Esforçados: distinguem-se dos demais pelo alto nível de esforço
despendido.
9. Intelectuais: formam um grupo menos numeroso e caracterizam-se pelo
envolvimento com todas as atividades acadêmicas.
10. Convencionais: tal grupo é caracterizado por uma mistura de padrões de
envolvimento.
Faz-se necessário ressaltar aqui que o público que forma o ensino superior
normalmente é composto por toda uma diferenciada gama de estudantes, classificados de
acordo com seus diversos engajamentos nas atividades acadêmicas.

A busca por uma suposta homogeneização foi, por muito tempo, focada
enquanto uma maneira de se realizar uma pseudo-facilitação do trabalho educativo, com
a suposta tentativa de melhoria da qualidade de ensino em todos os âmbitos. Contudo, o
que se percebeu foi uma crescente tentativa de massificação, formatação e padronização
do estudante.

Atualmente, o valor da diversidade é apresentado por diversos artigos e


pesquisas, as quais tendem a enfatizar que os estudantes que interagem em meio à
diversidade beneficiam-se, ampliando suas perspectivas e incrementando tanto o
pensamento crítico quanto ampliando seu engajamento intelectual.

Conforme o texto de Bariani e Pavani (2008), enfoca-se a leitura de que, para o


grupo de professores pesquisados, o que faz com que os alunos se interessem pelas aulas

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 141-147

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 146 28/5/2010 09:57:33


Aglay Sanches Fronza-Martins 147

são questões relacionadas à técnica pedagógica, enquanto, para os próprios alunos


avaliados, não seria tanto a técnica, mas a postura atenciosa do professor em
contextualizar a matéria com a vida dos estudantes, buscando motivá-los a aprender.

Conclui-se, dessa maneira, a importância de se estabelecer uma interação real e


satisfatória entre esses dois atores principais, professor e alunos, do processo de ensino-
aprendizagem. Tanto para a boa participação dos alunos nas aulas quanto para efetivação
de maneira adequada no desempenho acadêmico deles. A relação professor-aluno e a
postura de comprometimento do docente apresentam-se, portanto, enquanto fatores
favoráveis de interação e construção do conhecimento de maneira dialógica.

REFERÊNCIAS
BARIANI, Isabel Cristina Dib; PAVANI, Renatha. Sala de aula na universidade: espaço de relações
interpessoais e participação acadêmica. Estud. Psicol., Campinas, v.25, n.1, mar. 2008. Disponível
em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
166X2008000100007&lng=pt&nrm=iso>.
BORDENAVE, J.E.D.; PEREIRA, A.M. Estratégias de ensino e aprendizagem. Petrópolis: Vozes,
2005.
CARBONARI, Maria Elisa E. Programa de auto-avaliação da Anhanguera Educacional:
instrumento de gestão acadêmica. In: CARBONARI NETTO, Antonio; CARBONARI, Maria Elisa
E.; DEMO, Pedro. A cultura da Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom professor, a
pesquisa e a avaliação institucional como instrumento de melhoria da qualidade. Valinhos:
Anhanguera Publicações, 2009. p. 193-230.
GIL, A.C. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2008.
HAYDT, R.C.C. Curso de didática geral. São Paulo: Ática, 2006.
VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Aglay Sanches Fronza-Martins


Atualmente é professora no grupo
Anhanguera Educacional na graduação em
Pedagogia. Tem experiência na área de
Educação, com ênfase em educação formal
e não-formal, atuando principalmente nos
seguintes temas: ação educativa, museus e
educação não- formal.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 141-147

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 147 28/5/2010 09:57:33


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 148 28/5/2010 09:57:33
Anuário da Produção ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO E SUAS
Acadêmica Docente FORMAS DE PLANEJAMENTO1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Luís Fernando Prado Telles RESUMO


Anhanguera Educacional S.A.
lftelles@directnet.com.br Este artigo apresenta uma introdução aos aspectos da teoria da comunicação
e uma organização dos seus elementos a fim da sistematização das formas
de planejamento do processo comunicacional, visando não apenas a clareza
na transmissão das informações, mas também o convencimento. Para tanto,
procede-se ao trabalho com as definições de língua e linguagem e suas
respectivas funções, dando-se especial enfoque à função argumentativa e à
retórica como fonte primeira das principais estratégias de comunicação que
buscam gerar convencimento. O artigo se encerra propondo uma pequena
revisão sobre algumas concepções de linguagem.

Palavras-Chave: comunicação; funções da linguagem; argumentação;


retórica.

ABSTRACT

This article provides an introduction to aspects of communication theory


and organization of its elements to the systematization of the forms of
communication planning process, aimed not only clarity in transmitting
information, but also convincing. To this, it proceed to work with definitions
of language and parlance and their respective functions, with particular
focus on the role of argument and rhetoric as the primary source of major
communication strategies that seek to produce conviction. The article
concludes by providing a brief review of some concepts of language.

Keywords: communication; language functions; arguments; rhetoric.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Técnicas de Comunicação Docente, ministrada
Desenvolvimento Educacional - IPADE
no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do Ensino
Informe Técnico Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 18/7/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 11/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
149

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 149 28/5/2010 09:57:33


150 Elementos da comunicação e suas formas de planejamento

1. INTRODUÇÃO

A comunicação é uma atividade imanente à prática do professor. Assim, o profissional de


qualquer área do conhecimento que tenha sido atraído a assumir o desafio de ensinar, de
algum modo, já o fez pelo fato de ser, naturalmente, um bom comunicador. Trata-se,
portanto, de uma competência inerente à atividade do professor e que é aprimorada ao
longo de anos de experiência didática.

Estamos tratando, então, de uma competência que se constrói de maneira muito


particular, a partir de experiências muito variáveis: o que pode funcionar para um
professor pode não funcionar para outro, o que é eficaz com uma determinada classe
pode não ser com outra, um determinado tipo de assunto pode aceitar um tipo de
tratamento e ser menos adequado a outro. Não há uma fórmula pronta disponível que
possa ser sacada a qualquer momento no sentido da aplicação das técnicas de
comunicação. Contudo, é possível isolar de maneira mais ou menos esquemática os
elementos constitutivos da prática comunicacional.

Reconhecer os elementos comuns da comunicação, suas funções e seus modos de


funcionamento pode ser proveitoso ao professor no sentido de poder incorporar esse
conhecimento à sua prática já constituída. O reconhecimento da sistematização de tais
elementos pode funcionar de modo a fazer com que o professor possa criar instrumentos
próprios de auto-avaliação e de aprimoramento de sua atividade, no sentido, inclusive, de
uma sua melhor organização e planejamento.

Assim, o presente artigo pretende introduzir alguns conceitos básicos da teoria


da comunicação, suas formas de sistematização e as implicações desta na construção de
estratégias argumentativas. Para tanto, serão apresentados, também, alguns elementos
básicos da retórica e da teoria da argumentação com vistas a oferecer um instrumental
que possa orientar, minimamente, o planejamento do professor em sua prática
comunicacional. Paralelamente, busca-se, ainda, a construção de uma discussão sobre
alguns aspectos da comunicação e da linguagem priorizando a relativização de algumas
crenças e valores, inclusive quanto à idéia de correção e de adequação.

2. ELEMENTOS ESSENCIAIS DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

O que é comunicar? Basicamente, significa interagir, estabelecer um contato que tem por
objetivo transmitir informações, buscar entendimento e compreensão. A comunicação,
nesse sentido, é, como já dito, constitutiva da atividade do professor. Este, contudo, pode
dizer verdades sem que estas tenham o efeito de verdades ou até não aparentem ser

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 150 28/5/2010 09:57:33


Luís Fernando Prado Telles 151

verdades. O sucesso de sua comunicação dependerá do modo como trabalha os elementos


que a constituem.

A teoria tradicional da comunicação (VANOYE, 2007.) estabelece que esta deva


se processar a partir, basicamente, de sete elementos: a origem da mensagem é
denominada de fonte; o responsável pela transmissão da informação proveniente desta
fonte, seja pela linguagem verbal (oral ou escrita) ou por qualquer outro sistema de
códigos, é entendido como sendo o emissor; a informação a ser transmitida, que é
veiculada pelo sistema de códigos manipulado pelo emissor, é denominada de mensagem;
o elemento a que se destina a mensagem (um indivíduo, grupo ou auditório) é
denominado genericamente como sendo o receptor; o campo de circulação da mensagem
deve ser entendido como sendo o canal de comunicação, este é o responsável pelo
deslocamento espacial e/ou temporal da mensagem; aquilo que veicula a mensagem e
que é trabalhado pelo emissor, o sistema de signos, é compreendido como sendo um
código, o qual pode ser verbal ou não verbal, o primeiro utiliza-se da palavra falada e/ou
escrita e o segundo pode ser constituído pelos mais variados meios e técnicas; o sistema
de comunicação se completa com o elemento ao qual a mensagem se refere, que pode
corresponder a objetos materiais ou a aspectos abstratos que compõem a situação ou o
contexto da comunicação, a esse elemento dá-se o nome de referente.

A recepção da mensagem não significa, necessariamente, a sua compreensão.


Pode haver falhas de comunicação em qualquer um dos níveis acima mencionados, por
exemplo, a mensagem pode ser recebida, mas não compreendida, quando o emissor e o
receptor não possuem signos em comum; ou quando a comunicação é restrita, pois
poucos são os signos em comum. A comunicação pode ser eficiente quando há uma
completa compreensão dos signos emitidos, contudo, não basta que o código seja comum
para que se realize uma comunicação satisfatória. Outras variáveis que incidam sobre os
outros elementos da comunicação podem atrapalhar o seu sucesso. Alguns problemas
podem, por exemplo, ser originados de interferências indesejáveis na transmissão da
mensagem, a esse tipo de problema dá-se o nome de ruído. A perturbação da comunicação
originária de uma desorganização da mensagem caracteriza aquilo que se entende por
entropia, já a repetição indevida de informações durante o processo de comunicação leva o
nome de redundância.

3. ALGUMAS DEFINIÇÕES IMPORTANTES

O estabelecimento dos elementos essenciais da comunicação e de seu sistema é feito a


partir do entendimento pressuposto de alguns conceitos importantes. O primeiro deles é o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 151 28/5/2010 09:57:33


152 Elementos da comunicação e suas formas de planejamento

de linguagem. Esta pode ser entendida como sendo um código, já que este pode ser
definido como um conjunto de regras para um sistema de signos que permite a
construção e a compreensão de mensagens. A linguagem verbal é, pois, um dentre muitos
outros códigos. Trata-se, portanto, segundo o lingüista Émile Benveniste (cf. VANOYE,
2007.), de um sistema de signos socializado. Isso significa dizer que a linguagem se
constitui como um conjunto de signos que se determinam em suas inter-relações, ou seja,
um conjunto no qual os seus termos integrantes não significam nada por eles próprios,
mas todos significam em função dos outros. Nesse caso, portanto, o sentido de um termo
na linguagem é constituído em função do contexto em que ele ocorre.

As línguas são, portanto, casos particulares de um fenômeno geral que é a


linguagem e constituem-se como o objeto primordial do interesse de um campo de
estudos que se denomina de lingüística geral, a qual trabalha, grosso modo, no sentido de
descrever e investigar tanto as características comuns quanto as variáveis das diferentes
línguas.

Um dado importante sobre a linguagem verbal e que contribui para o


entendimento de sua especificidade é o fato de esta ser um tipo de código, dentre vários,
que pode falar dos próprios signos que constituem o seu sistema ou mesmo referir-se a
outros signos. Esse caráter meta-referencial da linguagem verbal possibilita, ainda, a
criação de “jogos” com os seus signos e suas significações. Daí o caráter de abertura
inventiva que a linguagem verbal permite.

Mas, se a linguagem é um “sistema de signos”, resta o entendimento do que seja


o signo. Este deve ser pensado a partir da compreensão da relação entre três termos: o
significante, o significado e o referente. O elemento “material” do signo (sonoro ou
escrito), perceptível sensorialmente, é o que se entende por significante. O elemento
conceptual, não perceptível, a idéia geral do que aquele dado material pode significar é
entendido como sendo o significado. Já o referente é o objeto real ao qual remete o signo
numa determinada instância de enunciação. Assim, como exemplifica Vanoye,
[...] no caso do signo mesa, diversos significantes (um som, ou melhor, uma combinação
de sons ou uma combinação gráfica, etc.) correspondem a um significado (o conceito de
mesa) que, por sua vez, designa uma classe de referentes (mesa de um só pé, mesa
redonda, mesa baixa, etc.). Em outros casos, um mesmo significante pode remeter a
vários significados (por exemplo, o significante folha remete aos significados ‘folha de
árvore’ e ‘folha de papel’); é o contexto que elimina a ambigüidade. (VANOYE, 2007.)

Este entendimento do signo permite a compreensão do seu caráter convencional


e, portanto, aponta para a arbitrariedade da linguagem. O signo é convencional já que
entre o significante o significado não há outra ligação senão o acordo (implícito ou
explícito) que se estabelece entre os usuários de uma mesma língua. A significação
construída a partir desse acordo, portanto, é o que garante a ligação entre o significante, o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 152 28/5/2010 09:57:33


Luís Fernando Prado Telles 153

significado e o referente. Esse processo de construção de significação pode ser entendido


como pertinente a uma qualidade mais abrangente entendida como sendo o processo
simbólico. Ao usarmos uma determinada palavra para nos referirmos a um determinado
objeto (seja animado, inanimado ou abstrato) designado por esse nome, não há nada no
próprio objeto que se relacione com o signo verbal que foi usado para designá-lo. É pelo
uso que o processo de representação simbólica se estabelece.

4. AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM

Dos elementos do processo comunicacional derivam as funções de linguagem. Quem


estabeleceu o quadro destas funções foi o lingüista Roman Jakobson (cf. VANOYE, 2007.).
A função centrada no emissor, que exprime a sua atitude em relação ao conteúdo da
mensagem e ao contexto de comunicação é designada como função expressiva,
responsável por caracterizar textos em que a presença de quem o produz se faz marcante,
por meio da expressão de seus juízos, sentimentos, posicionamentos críticos, opiniões etc.

A função centrada na figura do destinatário da mensagem é aquela designada


como sendo a conativa. Textos em que se processa a construção da imagem do leitor,
geralmente com o intuito argumentativo, de persuasão, são aqueles orientados, portanto,
pela função conativa da linguagem. Já a função referencial é aquela centrada no referente
e marca textos que se pretendem informacionais, mais objetivos e menos marcados por
comentários ou juízos. Para fazermos uma redução esquemática, cada uma das funções
acima mencionadas seria centrada, respectivamente, na primeira, segunda e terceira
pessoas do discurso. Podendo esta última ser entendida, de uma maneira mais geral,
como aquele elemento a respeito de que se fala.

A função conhecida como função fática é aquela voltada ao canal de


comunicação, refere-se a tudo o que numa mensagem serve para efetivar, manter ou testar
o contato com o destinatário da mensagem. Esta função caracteriza textos que servem
para instaurar uma comunicação ou funcionam para facilitá-la. A função metalingüística é
aquela voltada ao próprio código, é aquela utilizada para criar explicações que visam
precisar a própria linguagem. Essa função é comum em textos explicativos e que propõem
a construção de definições e o estabelecimento de conceitos. A função poética da
linguagem é aquela que revela o caráter de jogo da linguagem, voltando-se aos próprios
signos que a constituem. Essa função está presente em textos que valorizam a informação
pela forma como a mensagem é trabalhada linguisticamente. Vale salientar que o
esquema destas funções serve apenas como um guia, não deve ser entendido a partir de
um paradigma normativo.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 153 28/5/2010 09:57:33


154 Elementos da comunicação e suas formas de planejamento

5. COMUNICAR/ARGUMENTAR

Como dissemos acima, comunicar significa interagir, estabelecer um contato que tem por
objetivo transmitir informações, buscar entendimento e estabelecer a compreensão. Para
que o entendimento e a compreensão aconteçam não basta apenas que o discurso seja
claro, mas também é preciso que o discurso de quem comunica seja convincente, portanto,
quem comunica também deve buscar o convencimento. Assim, comunicar é já, de certa
maneira, argumentar.

A argumentação, ou o convencimento, é também uma das funções primordiais


da linguagem. Esta foi, como se sabe, uma das funções que mais receberam atenção dos
teóricos ao longo da história. Antes mesmo do desenvolvimento das teorias
contemporâneas sobre a comunicação e sobre a linguagem de uma forma geral, o que se
objetivava no estudo da linguagem era o seu aspecto argumentativo, capaz de convencer
e demover pessoas em suas posições e influenciar em suas atitudes. A esse ramo de
estudo da linguagem e da comunicação dá-se o nome de retórica.

Do próprio sentido etimológico da palavra argumentação podem ser


depreendidos os sentidos positivo e negativo que o termo retórica tem recebido desde os
tempos da Grécia antiga. O termo argumento, que vem do latim argumentum, tem em sua
raiz temática o termo argu-, que significa “fazer brilhar”, este termo também está presente
em termos como argúcia ou argentum (que significa prata). A argumentação é, portanto, o
processo por meio do qual a linguagem, seja falada ou escrita, faz brilhar uma idéia, uma
opinião.

Assim, uma tese que, em princípio, poderia ser considerada fraca ou pouco
convincente, passa a se tornar forte e, portanto, crível, depois de ganhar brilho, de se
tornar evidente e aceitável por meio da argumentação. Esse é o sentido positivo da idéia
de argumentação, tornar forte uma tese que era tida como fraca: em outros termos, a tese
pode ser até verdadeira, mas se não parecer aceitável, convincente, poderá ser descartada
pelo destinatário da mensagem. Já o sentido negativo da retórica é aquele que entende por
retórico o discurso que se pretende brilhante, mas que não se sustenta numa tese que seja
genuinamente forte. O sentido negativo da retórica é, portanto, aquele que se associa à
idéia de um discurso cheio de ornamentos, mas que é, no fundo, vazio. O sentido
pejorativo de retórica é aquele que se associa à idéia de um discurso empolado, pedante,
mas que não tem conteúdo.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 154 28/5/2010 09:57:33


Luís Fernando Prado Telles 155

6. UM POUCO DE HISTÓRIA

Esses dois sentidos para a retórica não são exclusivos da contemporaneidade, eles vêm se
desdobrando desde os tempos dos gregos. Aliás, como lembra Olivier Reboul, a retórica é
uma invenção grega em dois sentidos, tanto quando entendida enquanto técnica retórica
que possibilitava a defesa de qualquer tese independente do conteúdo, quanto como
teoria retórica, enquanto elaboração de sua sistematização e fixação do seu conhecimento.
Apesar de ter seu nascimento na Grécia antiga, ainda hoje, quando se fala em retórica, seja
para se analisar um discurso publicitário ou político, por exemplo, a referência de base é
sempre a retórica dos gregos, principalmente os elementos sistematizados por Aristóteles.
Por isso, Reboul considera que a “história da retórica termina quando começa”. (REBOUL,
2000, p. 1)

Olivier Reboul situa o florescimento da retórica na Sicília Grega, e diz ser


judiciária a sua origem e não propriamente literária, no sentido da retórica enquanto
discurso belo e bem construído. Quanto ao nascimento da retórica, Reboul o entende
dentro do seguinte período:
Tomemos duas datas como referência: 480 a.C., batalha de Salamina, na qual os gregos
coligados triunfaram definitivamente sobre a invasão persa, quando começou o grande
período da Grécia clássica; 399, ainda antes da nossa era: a morte de Sócrates. (REBOUL,
2000, p. 2)

A retórica amadurece, nos ensina Reboul, num momento posterior à tirania e


anterior ao chamado período filosófico grego, marcado principalmente pelo platonismo.
O discurso retórico teria surgido como uma necessidade, enquanto prática necessária à
defesa das causas dos cidadãos gregos. Um dos primeiros personagens de vulto na
história da retórica teria sido Córax, um discípulo de Empédocles, e que teria sido o
responsável por organizar um primeiro documento sobre retórica. Córax é o primeiro a
dar uma definição para a retórica: criadora de persuasão.

A retórica, neste período, não estaria comprometida com a verdade, não


argumentaria a partir do evidente ou do verdadeiro universal, mas a partir daquilo que é
verossímil. Esse entendimento da retórica justifica, inclusive, a origem judiciária da
retórica, visto que só é possível argumentar sobre aquilo que pode ser alvo de um
julgamento, aquilo que está livre do poder despótico, por um lado, e, por outro, não é
visto a partir de uma verdade universal. Assim, segundo Reboul, “se no âmbito judiciário
se conhecesse a verdade, não haveria mais âmbito judiciário, e os tribunais se reduziriam
a câmaras de registro” (REBOUL, 2000, p. 3.).

Córax foi o inventor do argumento que leva o seu nome e servia para ajudar os
defensores nas piores causas. O chamado “argumento de Córax” consiste em dizer que

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 155 28/5/2010 09:57:33


156 Elementos da comunicação e suas formas de planejamento

uma coisa é inverossímil por ser considerada verossímil demais. É o chamado argumento
de redundância, o qual pode ser reversível. Por exemplo, se partirmos da seguinte
premissa: “todas as evidências estão contra Pedro”, o argumento do Córax 1 reverteria
essa premissa segundo o seguinte raciocínio: “Pedro saberia que seria o primeiro suspeito,
logo não seria verossímil que cometesse o crime”. Esse argumento, por seu turno, poderia
ser revertido para a seguinte premissa, denominada de Córax 2: “mas justamente por isso
ele poderia cometê-lo, sabendo que não suspeitariam dele”. Esse argumento também
pode ser revertido usando-se o mesmo mecanismo de raciocínio.

Além dessas fórmulas de raciocínios argumentativos, os retores gregos foram os


responsáveis também por sedimentar o uso dos três principais tipos de discursos
retóricos, bem como dos chamados lugares de argumentação, elementos sistematizados
posteriormente por Aristóteles em sua Retórica. Os tipos de discursos retóricos são o
político, reservado a argumentar sobre as decisões sobre a cidade, o epidítico, o discurso
de elogio público, e o judiciário, destinado à defesa das causas dos cidadãos. Os quatro
lugares de argumentação, ou topoi, aos quais os retores podiam sempre recorrer em suas
argumentações eram os lugares de quantidade, qualidade, ordem e existente.

Um dos fundadores do chamado discurso epidítico foi Górgias, nascido na Sicília


grega em 485 a.C. Ficou conhecido pelo famoso discurso intitulado “Elogio de Helena”.
Helena, esposa de Menelau, teria se deixado raptar pelo troiano Páris. Para resgatá-la, os
gregos viram-se lançados numa longa guerra. Górgias foi o retor responsável por
defender, por meio de sua argumentação, o rapto de Helena. Em seu discurso de elogio
público de Helena, Górgias utiliza-se de uma estratégia argumentativa que ficaria
cristalizada na retórica como sendo o que se entende por “petição de princípio”.

A “petição de princípio” é uma proposição não necessariamente verdadeira ou


universal, mas que deve ser aceita pelo auditório como verdadeira, sobre a qual deve se
sustentar o início de toda a argumentação do retor. Em outros termos, consiste num
recurso retórico em tomar por admitida a tese que é preciso provar e que é enunciada de
uma forma um pouco diferente, para obter aceitação inicial do auditório. É o ponto de
partida consensual da argumentação, onde deve estar ancorado o acordo do orador com o
seu auditório. A “petição de princípio” usada por Górgias para defender Helena é a
seguinte: “o ato involuntário não é culpável”.

O fato de a retórica orientar-se pelo paradigma da verossimilhança e não o da


verdade ou o exclusivo da evidência levou os retores a serem criticados por colocarem o
discurso argumentativo unicamente a serviço do belo em detrimento da verdade. Foram
acusados, também, de construírem discursos belos e ornamentados com a finalidade

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 156 28/5/2010 09:57:33


Luís Fernando Prado Telles 157

única de serem agradáveis e, portanto, conseguirem seus objetivos por meio de uma
espécie de manipulação. Os retores, também chamados de sofistas, seriam aqueles que
estariam distantes da verdade. Segundo Reboul, deve-se a uma certa compreensão a
respeito dos sofistas “a idéia de que a verdade nunca passa de acordo entre
interlocutores, acordo final, que resulta da discussão, acordo inicial também, sem o qual a
discussão não seria possível”. (REBOUL, 2000.)

O elemento chave para a retórica sofística seria, pois, a idéia de acordo. Segundo
os críticos da sofística, esse fundamento da retórica seria perigoso, pois o seu mundo seria
um mundo sem verdade, sem realidade objetiva. Privado da comprovação objetiva, o
discurso retórico ficaria sem referente, sem outro critério senão o seu próprio sucesso. Este
consistiria, pois, na aptidão para convencer pela aparência de lógica e pelo estilo. Assim, a
finalidade da retórica sofística não seria encontrar o verdadeiro, mas dominar por meio da
palavra, deixando, desse modo, de servir ao saber e ficando disponível apenas como
instrumento de exercício do poder. A retórica converte-se, segundo seus críticos, na
rainha despótica da sofística.

O principal crítico da retórica sofística foi Platão. Em seu diálogo Górgias, encena
o debate entre Sócrates a personagem cujo nome o intitula. Sócrates, fingindo ignorar o
que é a retórica, pede ao retor que a defina. Górgias diz que a retórica é a criadora de
persuasão. Em seguida, Sócrates pergunta se o retor precisa ter ciência daquilo sobre o
que pretende persuadir. A essa pergunta Górgias responde que o retor pode defender
qualquer causa e argumentar sobre qualquer assunto sem ter de conhecê-lo. Assim, por
meio do debate entre Sócrates e Górgias, Platão demonstra que a retórica, por pretender
tratar de qualquer assunto, acaba por não ser conhecedora de nada. Para Platão, a retórica
não chega nem mesmo a ser uma tekhné, uma arte, pois ela nada cria e dela nada resulta. É
como a prática de cozinhar, é a manipulação do produto de outras artes que procura dar
sabor aos produtos para agradar ao paladar. A retórica também procura dar sabor aos
produtos de outras artes a fim de agradar a determinados auditórios. Nesse sentido, a
retórica não passaria da prática de adular com a finalidade de manipular aqueles a quem
o retor dirige o seu discurso.

Segundo Olivier Reboul, a retomada do sentido positivo da retórica na


atualidade se deu, principalmente, a partir de 1960, com os estudiosos propositores de
uma “nova retórica”, que tem nos nomes de Chaïm Perelman e Oldbrechts-Tyteca os seus
principais representantes. Essa retomada da retórica garantiu a ela a recuperação de seu
sentido enquanto arte, ou técnica. Trata-se da arte de persuadir pelo discurso. A matéria
de que se ocupa a retórica é, então, o discurso que tem como objetivo criar persuasão. A

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 157 28/5/2010 09:57:33


158 Elementos da comunicação e suas formas de planejamento

especificidade da persuasão retórica consistira, portanto, em se “levar a crer” sem,


necessariamente, “levar a fazer”. O “levar a fazer” sem “levar a crer” não seria
procedimento retórico, mas sim poderia ser resultado de ameaça ou de promessa. Do
sentido grego de técnica recuperou-se a idéia da arte retórica tanto como habilidade
espontânea quanto competência adquirida. Contudo, tanto num sentido como noutro, os
procedimentos seriam os mesmos. No caso do primeiro, os elementos podem ser
depreendidos a posteriori, no do segundo, a priori. A correta aplicação dos procedimentos é
que caracterizariam a retórica enquanto técnica de comunicação e de convencimento.

A partir da recuperação do sentido positivo da retórica, enquanto técnica


aplicada ao discurso voltado à persuasão deu-se, concomitantemente, a revalorização e
reatualização de uma série de seus elementos. Olhar especial mereceram os três elementos
básicos constitutivos da retórica e que foram estabelecidos já desde Aristóteles: os
chamados meios de competência da afetividade, a saber, o ethos, ou caráter do orador, e o
pathos, entendido como sendo o elemento referente às emoções do auditório; e os
chamados meios da competência da razão, ou logos. Neste caso, papel importante exerce
um tipo de raciocínio retórico também já definido por Aristóteles e que seria um meio
termo entre o raciocínio comprometido com as verdades universais e o raciocínio
falacioso, que conduziria a uma inverdade. Trata-se do raciocínio entimemático, um meio
termo entre o silogismo da lógica formal e a sua versão viciada, o sofisma. Os entimemas
são os silogismos retóricos, não são paralogismos ou sofismas e, por outro lado, também
não constituem verdades universais, mas criam verdades contextuais, aceitáveis. São
silogismos baseados em premissas prováveis, aceitáveis, mas não universais.

A estes três elementos da retórica têm se voltado alguns teóricos da atualidade,


principalmente quando lançam mão do famoso bordão do gerenciamento da razão e da
emoção. Estes três elementos da retórica têm se mostrado eficientes quando recuperados
de maneira inteligente no trato do tema da comunicação no que concerne às questões das
habilidades gerenciais, por exemplo.

7. ALGUMAS ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO

A idéia de Reboul de que a história da retórica termina quando começa parece fazer ainda
mais sentido quando nos deparamos com formulações como a que nos oferecem Baldwin,
Rubin e Bommer ao tratarem da comunicação empresarial como uma das habilidades
gerenciais a serem desenvolvidas, consideram o seguinte:
As pessoas se convencem a alinhar suas atitudes e comportamentos com os de uma
outra pessoa por três razões principais. Aristóteles foi o primeiro a articular esses três
elementos da persuasão, que mudaram muito pouco desde aqueles tempos da antiga

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 158 28/5/2010 09:57:33


Luís Fernando Prado Telles 159

Grécia. Em primeiro lugar, somos persuadidos pela credibilidade pessoal, ou etos, de


um orador. Em segundo lugar, reagimos aos apelos emocionais, ou patos, de uma
mensagem. Por fim, somos estimulados pelos argumentos lógicos, ou logos, que dão
suporte a uma posição. (BALDWIN et al., 2008, p. 43)

As estratégias de comunicação devem estar centradas, segundo os autores, nestes


três elementos do discurso. A estratégia focada no ethos deve visar a construção da
credibilidade pessoal do emissor. Deve reforçar o seu caráter salientando o seu
conhecimento de causa na área de atuação, o seu caráter ético e profissional, além de dar
relevância aos valores compartilhados com o seu auditório. A estratégia focada no pathos,
ou no receptor do discurso do orador, deve buscar despertar as emoções dos ouvintes de
modo a fazê-los concordar com a mensagem. As duas técnicas mais eficazes que podem
ser usadas para se trabalhar a emoção do auditório são: a técnica da justiça e a técnica de
contar histórias. A primeira confia na tendência universal do homem de tratar o outro
como ele próprio é tratado. A segunda aposta na possibilidade de o público reconhecer-se
na história, identificar-se à situação e ser convencido pelo arrebatamento emocional
causado pela história e não propriamente pela lógica da argumentação. Outra estratégia
importante reside na utilização do argumento baseado no exemplo, que pode tanto
favorecer o trabalho com o pathos no sentido de aproximar o auditório ao caso tratado,
quanto como pode servir de elemento a ser usado pelo logos. Este, por seu turno, pode ser
trabalhado pelos dois caminhos mais naturais de construção de um discurso
argumentativo: pela via dedutiva ou pela via da indução. Ambas devem vir
acompanhadas de evidências. Pela primeira via, parte-se de uma proposição genérica em
direção às evidências particulares; pela segunda, parte-se de evidências, de casos
particulares, para a proposição de generalizações e conclusões.

Além dessas estratégias básicas, vale, ainda, o uso de argumentos baseados na


experiência, nas relações de causa e efeito, nos dados quantitativos e qualitativos (dados
estatísticos, por exemplo) e os argumentos baseados na autoridade. Em outros termos,
vale o retorno ao porto seguro dos lugares de argumentação.

8. FUNÇÕES DA RETÓRICA

Olivier Reboul estabelece, pelo menos, quatro funções primordiais da retórica. A primeira,
inerente ao próprio discurso argumentativo, é a função persuasiva. A segunda seria
aquela centrada na competência do orador de interpretar o discurso do outro e de usar
essa interpretação em favor de sua argumentação, trata-se, pois, da função hermenêutica
da retórica. A terceira delas seria a função heurística, uma vez que o discurso
argumentativo não serve apenas para transmitir uma informação e para criar persuasão,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 159 28/5/2010 09:57:33


160 Elementos da comunicação e suas formas de planejamento

mas também tem a função de descoberta. Por fim, Reboul aponta para a função
pedagógica da retórica, que é, sem dúvida, a primordial para a atividade docente. De
certa maneira, a função pedagógica é constitutiva da natureza da retórica, pois pela
argumentação procura-se, de certo modo, a condução do interlocutor ou do auditório.
Como considera Reboul, “em todo caso, os professores, quase sempre sem saberem, fazem
retórica” (REBOUL, 2000, p. xxii).

9. ALGUNS CONSELHOS DE VIEIRA

Padre Vieira, grande orador do século XVII, em seu conhecido “Sermão da Sexagésima”,
oferece-nos alguns passos que deve seguir qualquer um que queira construir um texto
persuasivo. Segundo Vieira, o texto (oral ou escrito) que se pretende argumentativo deve:
1. Tratar de uma só matéria;
2. Defini-la para que se conheça;
3. Dividi-la para que se distinga;
4. Prová-la com a escritura (leia-se argumento);
5. Confirmá-la com o exemplo;
6. Amplificá-la com: causas; efeitos; circunstâncias; conveniências; apresentar
inconveniências que devem ser evitadas; responder às dúvidas; adiantar os
possíveis argumentos contrários e refutá-los.

10. REVENDO ALGUMAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM

A partir do que foi discutido nesse artigo, é possível considerarmos que a linguagem é
apenas um meio de transmissão de pensamento? Ou, então, que a linguagem é apenas
mais um código? As respostas a essas perguntas devem ser negativas se enxergarmos a
linguagem, e a língua de uma maneira específica, sob a perspectiva interacionista da
comunicação que aqui procuramos construir. Sob esse escopo, a língua deve ser pensada
como algo que é construído e reconstruído no processo de interação. Do mesmo modo, o
sujeito deve ser pensado como aquele que se constrói e se completa por meio de seu
discurso, de sua linguagem.

Nesse sentido, é possível dizer que a linguagem não transmite pensamentos, mas
é responsável pela constituição deles, por torná-los possíveis. Portanto, segundo uma
visão interacionista da linguagem, esta não deve ser vista sob uma perspectiva
representacional, como sendo porta-voz de pensamentos, ou sob um ponto de vista mais
neutro que procure defini-la como se fosse apenas um código manipulável. É possível
depreender da linguagem uma certa noção de código, mas esta não é suficiente para
defini-la.

Sob esta perspectiva de linguagem, a comunicação não deve ser entendida


apenas como um processo que faz uso da linguagem, mas, sim, ela existe na e para a

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 160 28/5/2010 09:57:33


Luís Fernando Prado Telles 161

linguagem. A comunicação não deve ser entendida, então, apenas como o resultado de
um processo de transmissão de informações de um emissor a um receptor, mas enquanto
interação humana. Sob essa perspectiva, o sujeito se constitui na linguagem na medida em
que interage com o outro.

A linguagem, nesse sentido, extrapola certo entendimento primeiro de


comunicação como simples processo de transmissão de mensagens e passa a ser vista de
acordo com a idéia de um trabalho simbólico que institui e promove a mediação das
relações sociais. Assim, a linguagem suporta também aquilo que não é dito, aquilo que é
sugerido, além de valores éticos e morais que lhe são externos. Essa concepção nos abre as
portas para podermos falar sobre as relações entre linguagem e poder e sobre
heterogeneidade lingüística.

REFERÊNCIAS
BALDWIN, Timothy T.; RUBIN, Robert; BOMMER, William. Desenvolvimento de habilidades
gerenciais. Tradução de Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
REBOUL, Olivier Reboul. Introdução à retórica. Tradução Ivone Castilho Benedetti. São Paulo:
Martins Fontes, 2000.
VANOYE, Francis. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. São Paulo:
Martins Fontes, 2007.

Luís Fernando Prado Telles


Possui bacharelado e licenciatura em
Letras (1997), mestrado (2000) e
doutorado (2009) em Teoria e História
Literária pela Universidade Estadual de
Campinas, ambos na área de Literatura
Portuguesa. Desde 2001, atua como
professor de nível superior nas áreas de
Língua Portuguesa e de Literatura. Participou, na
qualidade de parecerista, da equipe responsável pela
elaboração do Catálogo do Programa Nacional do Livro
Didático para o Ensino Médio (PNLEM/2005) proposto
pelo Ministério da Educação. Atuou como professor dos
cursos de formação continuada para professores do
Ensino Fundamental e Médio oferecidos pela Secretaria
do Estado da Educação de São Paulo em conjunto com a
Unicamp (2005-2006). Foi professor das Faculdades de
Campinas-Facamp de 2002 a 2009. Atualmente é
Supervisor Acadêmico da Área de Educação e Humanas
do Departamento de Pós Graduação e Extensão da
Anhanguera Educacional S.A. Áreas de atuação e de
interesse: Literatura Portuguesa, Teoria da Literatura,
Teoria do Romance, Teoria da Narrativa, Teoria da
Modernidade e Pós-modernidade.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 149-161

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 161 28/5/2010 09:57:33


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 162 28/5/2010 09:57:33
Anuário da Produção PERSPECTIVAS DE USO DO
Acadêmica Docente COMPUTADOR NO ENSINO1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Ronaldo Barbosa RESUMO


Anhanguera Educacional S.A.
ronaldo.barbosa@unianhanguera.edu.br Neste artigo discute-se alguns aspectos do processo ensino-aprendizagem
apoiado pelas novas tecnologias de informação e comunicação. Parte da
idéia de que os papéis do aluno e do professor, antes bem delimitados e até
antagônicos, agora parecem se confundir. São apresentadas e discutidas
também algumas modalidades de aproveitamento do uso do computador
no ensino: emprego de programas tutoriais, simuladores, linguagens de
programação, Internet entre outros.

Palavras-Chave: tecnologia de informação; computação; ensino;


comunicação.

ABSTRACT

This article discusses some aspects of the teaching-learning process


supported by new information technologies and communication. It starts
with the idea that the roles of student and teacher, previously well-defined
and even antagonistic, now appear to be mixed. Also presents and discusses
some methods of use of computer in education: application of tutorial
programs, simulations, programming languages, Internet among others.

Keywords: information technology; computing; teaching; communication.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Tecnologias Aplicadas ao ensino e
Desenvolvimento Educacional - IPADE
aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e
Informe Técnico Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação
Recebido em: 18/7/2009 Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 11/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
163

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 163 28/5/2010 09:57:33


164 Perspectivas de uso do computador no ensino

1. INTRODUÇÃO

A utilização de novas tecnologias educacionais convida a uma série de reflexões sobre


estratégias de ensino e aprendizado, vantagens e desvantagens do uso do computador em
lugar de outros meios e novos papéis para o professor e para o aluno.

Este texto apresenta alguns destes novos cenários condicionados pelas novas
tecnologias, discute argumentos favoráveis e desfavoráveis à utilização do computador no
ensino e apresenta uma categorização bastante genérica de modalidades de uso.

2. NOVOS CENÁRIOS

2.1. Passagem do analógico para o digital

O impacto do uso do computador na sociedade tem raiz, em grande parte, na passagem


da representação da informação do formato analógico para o formato digital.

Há séculos a humanidade e a escola lidam com informações em suportes


analógicos: livros, lousa, cadernos. Há poucas décadas começou-se a assistir à troca do
analógico pelo digital. À medida que as tecnologias digitais transformaram a
representação da informação, transformaram também a forma como a informação é
transmitida e comunicada e os processos de mudança se aceleraram.

Entretanto o simples armazenamento da informação em suporte digital não


garante mudanças significativas de função, como é o caso dos CDs de música, agora
antigos, por exemplo. Em uma formulação simples, o suporte analógico tende ao estático
enquanto o suporte digital convida ao transitório. Assim a facilidade, em princípio, com
que a informação em suporte digital pode ser transformada e reaproveitada, convida à
sua reedição e a novas abordagens na relações de autoria e representação (LEVY, 1999).

Na passagem do analógico para o digital talvez esteja também a encruzilhada do


uso de computadores na escola: se os livros ou a lousa simplesmente derem lugar a
grandes telas de computador ligadas à Internet, mantendo-se as mesmas rotinas
tradicionais de ensino e transmissão de conhecimento, haverá apenas uma troca de
suportes e a escola seguirá na forma tradicional.

Por outro lado, considerando que o suporte digital convida a uma reviravolta nos
papéis do aluno como receptor da informação e do professor como transmissor da

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 164 28/5/2010 09:57:33


Ronaldo Barbosa 165

informação, encontramo-nos em um momento especial de reformulação ou até revolução


no ensino tradicional.

2.2. Liberdade do aluno em aprender

Parece sensato considerar que cada um de nós aprende de maneira diferente, que o
aprendizado é quase tão pessoal quanto uma impressão digital, que não há duas pessoas
que aprendam exatamente da mesma maneira. Com isso, no processo de ensino-
aprendizagem haveria necessidade de se respeitar a forma como cada pessoa aprende, de
acordo com seu estilo cognitivo. A discussão de como flexibilizar os modos de aprender e
ensinar deriva hoje fortemente das novas tecnologias de comunicação e da Internet.

Porém, tal flexibilização no contexto brasileiro esbarra na legislação, considerada


bastante restritiva. Há autores que argumentam que a rigidez da legislação educacional
brasileira em lugar de proteger a qualidade do ensino, retira do aluno a liberdade de
aprender (LITTO, 2008).

Enquanto em algumas universidades européias e americanas, é dado ao aluno a


opção de cumprir disciplinas à distância a fim de acelerar seu aprendizado e sua
formatura, no Brasil essa prática é desconhecida.

Dois exemplos da rigidez da legislação brasileira são as recentes e severas


restrições a cursos EaD de nível superior e a proibição do chamado ensino domiciliar,
onde crianças em lugar de frequentar instituições de ensino, estudam em casa.

Para ilustrar o primeiro exemplo, o Ministério da Educação, em 21 de novembro


de 2008, fechou 1.337 pólos de educação a distância, o que representa mais da metade de
todos os núcleos EaD do país.

Reproduzimos abaixo trecho do depoimento da Associação Brasileira de


Educação a Distância (ABED) que assim reagiu a esse fechamento:
Acreditamos que o MEC esteja equivocado ao estabelecer que há apenas um único
modelo de qualidade na EAD, e que é este o modelo adotado pela Universidade Aberta
do Brasil (UAB), importante projeto do próprio Ministério. O MEC diz que é apenas no
formato da educação “semipresencial” (a mistura do presencial com a EAD), com
atendimento regular de alunos em “pólos presenciais, é que existe “qualidade”. Essa
visão diminui as possibilidades de experimentação, de inovação e de abordagens
pluralistas, fatores altamente positivos, defendidos na Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional (Lei nº. 9394/1996). Da mesma forma, representam uma atitude
conservadora e fechada. Por exemplo, o MEC exige biblioteca presencial e específica
para cada curso oferecida no pólo, e não aceita bibliotecas digitais online, ou a
possibilidade de a biblioteca central da universidade enviar livros solicitados pelos
alunos. As premissas de “estrutura física e de tutor presencial” adotadas pelo MEC
representam, na prática, um entrave para a EAD no país. (LITTO, 2008).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 165 28/5/2010 09:57:33


166 Perspectivas de uso do computador no ensino

No segundo exemplo, a educação domiciliar, movimento que se fortaleceu nos


Estados Unidos conhecido como homeschooling, encontra ainda poucos adeptos no Brasil.

Para os adeptos do homeschooling, não há necessidade de se frequentar a escola


para aprender desde que os próprios pais ensinem os filhos em casa. Em casos
excepcionais, quando há necessidade, os pais contratam professores particulares, mas
ainda assim prevalece o ensino no domicílio do aluno e com atenção individualizada.

No Brasil, o ensino domiciliar é anticonstitucional. Todo pai ou responsável que


deixar de matricular um filho na escola pode ser processado pelo Ministério Público,
considerando-se tal atitude crime de abandono intelectual com penas variando de
pagamento de multa até a perda temporária ou definitiva da guarda da criança.

Essa ameaça, apesar do rigor da lei, não impede que muitas famílias continuem
firmes no propósito de ensinar no lar.

Os defensores do ensino domiciliar argumentam que o aprendizado para


acontecer não depende de escolas e que ele deve ter algo de espontâneo:
O ensino que não foi solicitado não apenas não produz aprendizagem, mas também cria
uma resistência ao aprendizado [...] Qualquer ensino que o estudante não tenha pedido
vai provavelmente impedir ou atrapalhar seu aprendizado. (HOLT, 2007).

De alguma forma, os argumentos em defesa do ensino domiciliar reforçam a


flexibilização do ensino que as novas tecnologias educacionais ajudam a promover. São
eles, entre outros: aprende-se o tempo todo; ambientes de aprendizado são inúmeros, não
faz mais sentido obrigar que o aprendizado seja limitado no espaço e no tempo; a relação
aluno-professor deve se estender além do contato presencial das aulas tradicionais na
escola.

A chamada aprendizagem ativa expõe claramente algumas dessas prerrogativas,


enfatizando que o aluno tem responsabilidade e deve ser o protagonista de seu processo
educacional, buscando, através de múltiplos canais de aprendizagem, interação com seus
professores e com outros alunos que também aprendem por outras vias.

Esse modelo permite adequação do processo ao estilo cognitivo de cada aluno e


pode, no melhor dos casos, alterar estruturas rígidas do processo de ensino tradicional e
formal.

É comum que apareçam questionamentos acerca da “perda de controle” do


professor sobre o aprendizado do aluno quando livremente exposto às tecnologias de
ensino, entretanto sabemos que o professor pode e deve acompanhar passo a passo o
percurso cognitivo da construção do conhecimento do discente, aceitando o desafio de

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 166 28/5/2010 09:57:33


Ronaldo Barbosa 167

alterar a hierarquia para propor um trabalho colaborativo que aconteça,


preferencialmente, em rede.

Apesar da abrangência das pesquisas e da bibliografia que discute o aprendizado


com apoio da tecnologia dos computadores em todas as áreas do conhecimento, ainda
encontramos grande número de professores que não se aproximam dessa ferramenta
imaginando que os antigos modelos devam eternizar-se.

É bastante inquietante, por exemplo, o depoimento de um professor que compara


a realidade educacional atual com a realidade educacional de seu tempo de estudante,
conforme apurado por Bonetto (2008). Tal professor afirma: “Nós (professores) ensinamos
muito mais (hoje), coisas que também são importantes e não eram ensinadas
(antigamente), mas com certeza o nível de abstração e compreensão dos alunos hoje é
muito menor”.

Prevalece a crença de que o nível de compreensão e abstração do aluno de hoje é


baixo, embora autores contemporâneos afirmem justamente o contrário, quando
consideradas a utilização de novas ferramentas digitais e audiovisuais.

Essa contradição aponta claramente para a necessidade de se discutir o assunto


com os professores que não foram formados em mundo tão “digital” e se deparam,
constantemente, com esse conflito no seu desempenho profissional diário.

Encontramos-nos, portanto, diante do desafio de novas abordagens de ensino. E


esse fato, evidentemente, altera as relações entre alunos e professores. A positividade ou a
negatividade dessas transformações dependerá enormemente do empenho de seus atores
principais.

2.3. Inovação e conservadorismo

O aproveitamento de computadores no ensino tem sido até agora bastante conservador. A


informática já se reveste, em parte, das mesmas características de outros recursos
didáticos. Um exame dos software educativos de ciências disponíveis no mercado revelou
que neles predomina a transmissão de conteúdos, não levam em conta especificidades do
ambiente escolar e afastam o professor do processo educativo ao favorecer um uso
“individualizante” desconsiderando hipóteses ou conhecimentos prévios dos alunos
(SILVA; MARCHELLI, 1998).

Embora o trabalho de (SILVA; MARCHELLI, 1998) sejam anteriores à


popularização da Internet, acreditamos que a mesma situação continue a ocorrer nos dias
de hoje.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 167 28/5/2010 09:57:33


168 Perspectivas de uso do computador no ensino

Se considerarmos que o problema da educação possa ser resumido a seus


métodos, sem referência maior aos contextos em que ele se dá, um exame das novas
tecnologias de informação e comunicação sugere um potencial de mudanças no ensino
tradicional, aquele centrado no professor e baseado na transmissão de conteúdos.

É possível notar que as novas tecnologias de informação e comunicação poderiam


favorecer novas abordagens educacionais uma vez que geram oportunidades para que o
aluno sintetize, organize e reestruture a informação, além de exercer controle maior sobre
tempo, espaço e velocidade de sua própria aprendizagem; o acesso a informações
independe de sua localização geográfica; a melhor comunicação entre os alunos facilita o
aprendizado cooperativo que se estende além da sala de aula; as fontes de informação se
deslocam do professor e do livro-texto para uma fonte variadíssima e dinâmica de
informações no qual o próprio aluno pode ser provedor dessa fonte dinâmica de
informações (GLOBE, 2003) e os estudantes têm uma variedade de mídias para expressar
suas compreensões, Beloni (1999), Lévy (1999) e outros.

Portanto, a utilização da Internet e as novas tecnologias de informação e


comunicação ofereceriam o caminho para uma renovação ou mesmo revolução do ensino
como dito anteriormente.

Contudo, pode-se argumentar que uma parte das inovações supracitadas é


conhecida desde o ensino programado e as “máquinas de ensinar” a serviço das teorias
psicológicas comportamentais da década de 50 (SKINNER, 1975). Nessa linha, o aluno
submetido à instrução programada ou às máquinas de ensinar também teria um papel
ativo, seu ritmo seria respeitado, haveria um maior engajamento no processo de
aprendizagem, a programação de atividades seria compatível com seu nível intelectual
etc. Todas essas “vantagens” estariam associadas ao fato de que o método poderia atingir
um maior número de alunos. Do ponto de vista do professor, este ficaria livre para outras
tarefas e teria melhor evidenciadas as variáveis com que lidar em busca de maior
eficiência em seu trabalho.

Tal constatação enfraquece uma visão apressada do poder de mudanças


associado ao uso do computador no ensino, se tomado de forma isolada, sem referências a
um contexto maior, e independente de o uso do computador estar (ou não) associado a
pretensões mais ou menos inovadoras.

Um argumento bastante forte e favorável ao uso do computador no ensino


aponta que por ser o computador capaz de suportar todas as modalidades audiovisuais,
este facilitaria uma melhor adequação do processo de aprendizagem ao estilo cognitivo
do aluno.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 168 28/5/2010 09:57:33


Ronaldo Barbosa 169

Sobre isso, Ferrés (1998, p.136) comenta:


A educação com multimeios tem algumas vantagens suplementares. Cada meio ativa
nos alunos alguns mecanismos perceptivos e mentais diferentes. A educação com
multimeios permite, então, adaptar-se às capacidades perceptivas e mentais dos diversos
alunos, compensando os déficits derivados da aprendizagem com outros meios
expressivos.

Outro argumento é o de que o uso do computador torna os ambientes de estudo


mais adaptáveis às situações de aprendizado, fazendo com que tais ambientes ganhem em
originalidade e adquiram certo caráter experimental, fatores considerados
educacionalmente estimulantes para os alunos e professores.

A questão é que soluções tecnológicas no ensino só funcionam com a ativa


participação dos professores e muitas vezes estes desconhecem por onde começar. Há
consenso de que quando conhecemos uma tecnologia nova, não é claro o que podemos
fazer com ela e depois que a conhecemos é necessário ainda um esforço criativo adicional
para aproveitá-la do ponto de vista educacional. Em outras palavras, existe uma dinâmica
de aprender com a tecnologia e modificar nossa relação com ela conforme a conhecemos.

2.4. O que esperar do novo estudante e da nova escola

Para o estudante da era digital, presume-se que ele deva saber lidar com abundância de
recursos, que seja capaz de manter o foco quando está pesquisando na Internet e que saiba
compilar resultados consistentes.

Outro ponto é que o estudante aprenda a contribuir com o processamento e a


criação de recursos e saiba criar seu próprio ambiente de aprendizagem não só em termos
de conteúdo como também em termos de funções e serviços a ele agregados.

Caberia à escola, por outro lado, oferecer as estudantes plataformas que eles
mesmos pudessem adaptar e compartilhar em função de seu estilo de aprendizagem e de
suas lacunas de conhecimento, recolocando a aprendizagem como uma atividade atraente
e motivadora.

3. MODALIDADES DE USO DO COMPUTADOR NO ENSINO

3.1. A questão da linguagem visual

Uma reflexão sobre usos do computador no ensino talvez devesse começar pela utilização
didática de imagens pelos professores, uma vez que a tela do computador pode emular
facilmente suportes clássicos como pôsteres, fotografias, slides e transparências além do

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 169 28/5/2010 09:57:33


170 Perspectivas de uso do computador no ensino

que a veiculação de imagens é um dos atributos quase sempre esperados nas atividades
didáticas baseadas em computador.

Segundo levantamento de Pimentel (2002) sobre utilização de imagens no ensino,


ao mesmo tempo em que os professores reconhecem nas imagens uma multiplicidade de
funções pedagógicas com forte caráter motivador, predominantemente utilizam-nas de
modo ilustrativo. Esse procedimento desconsidera o caráter polissêmico ou subjetivo da
própria imagem, prevalecendo a transmissão direta de mensagens simples em lugar do
aproveitamento da sua função “epistemológica” (segundo formulação de Amador, 1998).

Predominam assim as funções de identificação, descrição e reconhecimento,


freqüentemente associadas à passividade dos alunos, em detrimento da interpretação,
comparação e análise. Aqui aparece um conflito em relação ao desenvolvimento do
raciocínio abstrato dos estudantes. Segundo a abordagem da Pedagogia Waldorf, o
estudante ao receber imagens prontas em qualquer suporte audiovisual, estaria recebendo
“imagens-clichês e conceitos mortos”, com sacrifício de seu poder de imaginação e
criatividade (LANZ, 1990).

É curioso observar que as dificuldades apontadas pelos próprios professores em


lidar com imagens segundo Pimentel (2002) e Calado (1994) residem mais, no entender
dos professores, em aspectos de ordem estrutural como equipamentos não apropriados,
escassez de material de apoio, custos de aquisição, entre outros, do que em aspectos
metodológicos ou que digam respeito ao reconhecimento da insuficiência desses
profissionais no domínio da linguagem visual.

Calado (1994) indica que a falta de maior formalização da linguagem visual com
vistas ao ensino é um dos obstáculos na capacitação dos professores e que não se pode
atribuir meramente à vontade do professor, os problemas em lidar de forma mais criativa
com a imagem. Sabe-se que a escola tem grande dificuldade em lidar com linguagens que
não sejam as tradicionais oral e escrita (TARDY, 1976; CALADO, 1994; AMADOR, 1998;
LÉVY, 1999; entre outros). Para Amador (1998), a utilização didaticamente pobre de
imagens em aula se deve às idéias pré-concebidas de que o papel das imagens é o de
meramente auxiliar na comunicação baseada na informação textual e verbal, e que a
leitura de imagens não necessita ser treinada, bastando para tal uso a intuição e
experiência do professor.

Assim, se consideradas apenas as dificuldades apontadas pelos professores, o


uso do computador em apoio à utilização de imagens no ensino poderia amenizar alguns
entraves ao uso didático das imagens em aula: a escassez de material, diminuição de
custos e estrutura logística necessária para sua veiculação – pode-se supor que bastaria

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 170 28/5/2010 09:57:33


Ronaldo Barbosa 171

existir certa organização e estrutura de computadores com acesso à Internet para que
houvesse uma comunicação mais rica em termos de utilização de imagens no ensino.
Entretanto, pelo anteriormente exposto, essa contribuição seria um tanto vaga, pois não
incide diretamente na valorização do raciocínio do aluno.

Tanto Amador (1998) quanto Calado (1994) consideram que há um domínio de


competências associadas à linguagem visual que precisaria ser mais bem explorado e que
seria favorecido se o professor tivesse oportunidade de lidar diretamente com as técnicas
para geração de imagens: intui-se aqui que a capacidade de gerar imagens afeta a própria
percepção do sujeito sobre as mesmas. As técnicas de produção das imagens, tanto pelo
professor quanto pelo aluno, ajudariam a promover a linguagem visual; o computador,
como ferramenta de edição e produção de imagens, enriqueceria a utilização destas no
ensino e aprendizagem de temas diversos, indo além dos aspectos meramente ilustrativos
ou motivadores.

Se o conceito de “imaginação” significa habilidade para produzir imagens e o


computador pode potencializar essa produção, é de se esperar que, de alguma forma, a
utilização de ferramentas baseadas em computador também possa estimular a imaginação
e a linguagem visual. Até mesmo a profusão de imagens acessíveis via computador
poderia conduzir à diversificação da utilização pedagógica das imagens.

Até aqui limitamo-nos ao uso de imagens estáticas baseadas em computador.


Devemos considerar que o computador é suporte não apenas a imagens estáticas mas a
variedades de modelos dinâmicos em duas ou três dimensões e que pode oferecer alto
grau de interação com essas imagens. A questão do aproveitamento da linguagem visual
na escola torna-se ainda mais complexa.

Desde a imagem estática na tela do computador (fotografia, esquema, imagem de


satélite, mapa, desenho...) obtida por diferentes meios e com diferentes objetivos até a
utilização de simulações complexas e interativas há uma grande variedade de incertezas e
certamente dificuldades e desafios para o professor e para a escola. Em um extremo
oposto ao das imagens estáticas estão as simulações complexas, que possibilitam interagir
até mesmo com imagens que não tenham qualquer relação com cenas naturais, como por
exemplo, os modelos de dinâmica demográfica, evolução das espécies, ecossistemas
(LÉVY, 1999).

Matthews (1994) também aponta que o computador poderia facilitar a construção


de ambientes simulados que favorecessem a experimentação e a imaginação na medida
em que removeriam obstáculos para geração e testes de hipóteses, permitindo
extrapolações para situações idealizadas (os chamados “experimentos mentais”). Tais

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 171 28/5/2010 09:57:33


172 Perspectivas de uso do computador no ensino

ferramentas poderiam servir para testar hipóteses, delimitá-las, avaliar suas implicações e
correlações e levantar outros aspectos talvez bastante familiares àquilo que caracteriza o
raciocínio lógico e espacial.

A dificuldade para se refletir sobre esses usos é que as simulações complexas


apenas começaram a ser criadas e ainda estão longe da realidade dos nossos professores.

Para explorar o potencial educativo do raciocínio geológico, dependemos de mais


reflexões e experiências de ensino-aprendizagem com imagens para promover a
alfabetização visual ou alguma espécie de “pedagogia das imagens”.

Se a educação depende de quem está conduzindo o processo, de onde e em qual


contexto este se dá, a ênfase deve deslocar-se do instrumento de suporte (o computador)
para a capacitação do elemento humano que o utiliza (a figura do professor) sem
desconsiderar uma série de questões associadas à cultura, sociedade, ideologia e política.

Nos itens abaixo, abordaremos exemplos práticos de aplicação do computador no


ensino.

3.2. Programas tutoriais ou instrução programada

Os programas tutoriais, nos formatos mais tradicionais, apresentam um curso na forma de


roteiro em que um conjunto de informações é apresentado em módulos no computador
(Figura 1).

Figura 1 – Software Focus on Grammar – Adison Wesley Longman Publishing Company.

Para se progredir no curso, de um módulo a outro, é necessário fazer alguns


exercícios ao final de cada módulo, podendo-se retornar ao início ou fazer uma revisão
dos assuntos já vistos. Em alguns sistemas esse retorno é compulsório até que o usuário
possa progredir nas lições. Uma característica fundamental dos programas tutoriais

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 172 28/5/2010 09:57:33


Ronaldo Barbosa 173

tradicionais é que o material transmitido é selecionado, armazenado e apresentado de


forma rígida e todo usuário é tratado da mesma maneira.

Entre as vantagens dos programas tutoriais estão a possibilidade do aluno poder


fazer o curso de sua casa ou do local de trabalho, sem a supervisão de um professor e
seguindo seu próprio ritmo e disponibilidade de tempo. Esses programas requererem
pouquíssima preparação e são considerados frios e cansativos por muitos estudantes, o
que os torna adequados apenas a certos tipos específicos de conteúdos e perfis de usuário,
notadamente ensino técnico ou de idiomas.

Identificados com a proposta instrucionista de ensino, os tutoriais visam segundo


Demo (1998), que o estudante memorize informações, automatize respostas e recupere
eventual falta às aulas.

Contudo, com a incorporação de inovações no terreno da Inteligência Artificial,


sistemas tutoriais mais complexos são capazes de tomar decisões sobre o que ensinar e
como fazê-lo a fim de conduzir uma interação mais “sob medida” com o usuário. Essas
tecnologias são denominadas genericamente de TI – Tutoriais Inteligentes e representam
os principais esforços da tecnologia recente na tentativa de implementar no computador a
figura de um “bom professor” no estilo tradicional (BARANAUSKAS, 1999).

3.3. Experimento simulado

Experimentos simulados podem substituir o experimento real quando este é muito caro,
inviável ou arriscado, mas não apenas nesses casos. Podem também servir para uma
preparação do experimento real, ajudando a focalizar as implicações conceituais do
experimento que será realizado. Algumas das qualidades associadas a esse tipo de
aplicação segundo Valente (1993), são o imediato feed-back, imparcialidade, orientação
incansável e rapidez na proposição de novos problemas que podem ser rapidamente
apresentados aos alunos. Contudo, carregam também suas incertezas: até hoje não foi
possível provar de forma contundente que esse tipo de aplicação possa contribuir para o
desenvolvimento de raciocínios de alto nível dos alunos como a tomada de decisões,
análise de dados ou resolução de problemas.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 173 28/5/2010 09:57:33


174 Perspectivas de uso do computador no ensino

No exemplo apresentado (Figura 2), a utilização do programa em aula presume


que o modelo científico tenha sido corretamente implementado uma vez que não se tem
acesso ao seu código de programação.

Fonte: http://www.ugent.be/ir/img/dmse
Figura 2 – Software educacional HSC Chemistry.

Ao variar parâmetros, não há como garantir a qualidade dos efeitos obtidos se


comparados a um ensaio real no laboratório.

3.4. Simuladores

A expressão mais sofisticada dos programas denominados “simuladores” são os


ambientes nos quais o comportamento do usuário altera a experiência (Figura 3).

Fonte: http://static.sftcdn.net
Figura 3 – Tela do simulador Flight Simulator.

Essa experiência é dita “adaptativa” porque se relaciona à modificação do


conteúdo em diferentes aspectos, dependendo das ações e técnicas do usuário. Ainda
atravessamos uma fase embrionária no desenvolvimento de simuladores para o ensino,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 174 28/5/2010 09:57:34


Ronaldo Barbosa 175

que atualmente se encontram mais relacionados a jogos sofisticados e manifestações de


arte. Contudo, as possibilidades de desenvolvimento por esse caminho no campo
educacional são promissoras. Pode-se, por exemplo, imaginar experiências baseadas em
simulações onde os modelos científicos possam ser questionados e compreendidos
verdadeiramente como “modelos” (LÉVY, 1999).

As ferramentas de animação e modelagem (incluídas aqui na categoria de


simuladores) podem ser particularmente interessantes na medida em que permitem
representar imagens e processos criando situações-problema por meio de cenários,
relevos, paisagens... (Figura 4).

Figura 4 – Área de trabalho do software de modelagem Bryce.

Contudo, são ferramentas complexas cujo aprendizado é excessivamente técnico


e demorado, o que reduz seu interesse mesmo no ensino de nível superior, pois
atrapalharia o cumprimento do programa da própria disciplina.

Uma crítica associada a programas de simulação é a de que eles estimulariam a


visão cienticifista, de que o mundo real pode ser simplificado e controlado da mesma
maneira que nos programas (SETZER, 2001).

3.5. Ferramentas de apresentação

Ferramentas de apresentação do tipo PowerPoint fornecem suporte audiovisual à


atividade expositiva e se encontram banalizadas hoje, sobretudo no nível superior de
ensino.

Nas mãos do professor, ferramentas de apresentação podem servir para a


veiculação de materiais de apoio didático que espelhem o próprio nível e estilo do
professor. Por outro lado, é somente quando nas mãos do aluno, que o uso da ferramenta
de apresentação permite as oportunidades educacionais mais interessantes. Verifique em

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 175 28/5/2010 09:57:34


176 Perspectivas de uso do computador no ensino

um dos textos complementares deste material como aproveitar melhor o uso da


ferramenta PowerPoint em sala de aula.

3.6. Jogos educativos simples

Muitos jogos em computador fascinam crianças e adultos. Há ampla variedade de jogos


em computador, sendo uma categoria normalmente associada também a outras
modalidades aqui apresentadas como simulação, tutorial etc.

Neste espaço consideramos apenas os jogos simples que remetam diretamente a


uma aplicação que se possa chamar de “educativa”.

Cooperação, autonomia e concentração seriam algumas das atribuições do uso de


jogos no computador que por outro lado, podem reforçar o individualismo e negar o
coletivo (BOGATSCHOV, 2001). Sua relevância do ponto de vista educativo é discutível
porque na maioria dos casos o jogo não prevê a mediação com um professor e implicaria
um uso autônomo em relação à escola e ao processo de ensino, bem como isolamento
social entre outros aspectos considerados negativos.

3.7. Programas de referência e mecanismos de busca na Internet

Os programas de referência (Figura 5) e os mecanismos de busca ou consulta


convencionais na Internet remetem às bases de dados para consulta ou títulos de interesse
geral, ao estilo, de certa forma, das tradicionais enciclopédias impressas, porém muito
superiores e diferentes destas.

A Internet modificou a forma como consultamos informações e nos relacionamos


com computadores, fazendo despencar o interesse por software do gênero revista ou
enciclopédia eletrônica, abriu a possibilidade de se obter informações atualizadas em
tempo real através de uma tremenda variedade de sites, muitos deles funcionando como
bases de informações “multimídia” sobre os mais variados assuntos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 176 28/5/2010 09:57:34


Ronaldo Barbosa 177

Figura 5 – Tela do serviço Google.

Entretanto, o aproveitamento educacional eficaz da Internet é um grande desafio


para a escola e educadores: perda de foco do estudante, confiabilidade de informações,
plágio, entre outros que serão tratados ao longo desta disciplina.

Um esquema de aproveitamento da Internet denominado WebQuest sugere um


método por meio do qual o professor estabelece critérios para uma dada pesquisa,
recomenda os sites a serem consultados, estabelece regras e objetivos do trabalho a fim de
que o aluno possa efetivamente adquirir e integrar conhecimentos (DODGE, 2002).

A Pós-graduação da Anhanguera Educacional tem utilizado o modelo WebQuest


desde o início de 2008 com sucesso entre alunos e professores.

3.8. Tecnologias de Informação e Comunicação via Internet

Denominamos NTIC um conjunto de utilizações capazes de superar algumas das


restrições de tempo, espaço e seqüência associadas aos métodos de ensino tradicionais e
estão associadas mais diretamente à Internet fornecendo suporte para novas modalidades
de comunicação e de acesso a informação (telemática). Incluem-se aqui fóruns de
discussão, listas de discussão, grupo de notícias (newsgroups), FAQs (frequent asked
questions), blogs e outros.

Merece destaque particular a arquitetura de hipertextos que é a base da


multimídia e da arquitetura da Internet. As vantagens cognitivas do hipertexto têm sido
discutidas amplamente na literatura inclusive como uma das saídas para lidar com uma
quantidade muito grande de informações, própria dos tempos atuais.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 177 28/5/2010 09:57:34


178 Perspectivas de uso do computador no ensino

Um exemplo é formulado por Mendes (2001), segundo ela, a estrutura de um


hipertexto é particularmente adequada ao ensino de história da ciência ao permitir uma
abordagem associativa, onde as relações encontradas entre os fatos históricos são os links
que ocorrem nos hipertextos e as atitudes de escolha e saltos dos “nós” de informação
definem caminhos de uma leitura não dirigida, favorecendo assim que o leitor tenha
múltiplas visões da ciência. Uma crítica associada à utilização de hipertextos na educação
é a de que ela estimularia a preguiça mental do leitor que se habituaria a uma leitura
fragmentada, induzindo-o à “preguiça mental” (SETZER, 2001).

3.9. Linguagens de programação

Sabe-se que a atividade de programação de computadores fortalece o raciocínio lógico do


aluno e tradicionalmente é associada às Ciências Exatas, mas isso mudou com a
veiculação de ambientes gráficos na Internet (Figura 6).

Figura 6 – A parte da codificação em linguagem HTML que resulta na interface da revista eletrônica WIRED.

A importância do tema ganhou novo ânimo com o chamado software livre que
corresponde a programas de computador que possuem código-fonte aberto e disponível,
isto é, as linhas de código da programação são editáveis, permitindo que a idéia original
do programa possa ser aperfeiçoada e modificada por aqueles que conheçam a sintaxe da
linguagem na qual o programa foi implementado. O conceito de software livre é bem
diverso do conceito de um software convencional, proprietário, no qual o código de
programação é secreto e de propriedade da empresa que o desenvolveu, sendo quase
impossível decifrá-lo.

Para Fagundes (2002), por meio do software livre o usuário programador ganha a
liberdade de criar, inventar e ampliar conhecimentos numa forma de apropriação que
revela uma nova visão de mundo, em um grau inacessível aos usuários de software

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 178 28/5/2010 09:57:34


Ronaldo Barbosa 179

proprietário: “A tecnologia é a grande ferramenta da solidariedade mundial e o software


livre, a liberdade. Na escola, ele representa a concepção de educação livre”.

Certa exaltação do software livre deixa entrever, entretanto, alguma ingenuidade


uma vez que raros alunos ou mesmo professores teriam o conhecimento técnico
necessário para modificar ou criar seus próprios programas, cabendo isso a usuários
avançados, poucos estudantes de informática de nível superior ou programadores
profissionais.

3.10. Ferramentas polivalentes

Editores de textos, gerenciadores de bancos de dados, planilhas eletrônicas (ferramentas


de apresentação foram consideradas uma modalidade à parte), são todas aplicações que
favorecem a realização de uma série de tarefas cuja qualidade dependerá do tipo de
propostas didáticas em que forem inseridas. As ferramentas polivalentes podem otimizar
o processo de gestão da informação em contextos de educação e aprendizagem, apesar de
não terem sido projetadas com essa finalidade (CANO, 1998).

A utilização de ferramentas polivalentes no ensino como fim, e não como meio,


sobretudo no nível de ensino fundamental e médio ainda é muito valorizada, no sentido
de que estas aumentariam a empregabilidade futura dos estudantes.

Uma crítica que se faz a esse argumento é o de que as interfaces tornam-se cada
vez mais amigáveis, com sistemas de ajuda que dispensam a necessidade de cursos; outra
crítica é a de que esses programas mudam radicalmente em períodos curtos de tempo,
não havendo justificativa para que, por exemplo, crianças e jovens aprendam a usar
ferramentas que estarão completamente modificadas os estudantes atinjam a idade adulta
(SETZER, 2001).

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para finalizar esta primeira parte da disciplina “Tecnologias Aplicadas ao ensino e


aprendizagem” cujo intuito, em linhas gerais, é o de convidar os professores para um uso
mais ativo, e crítico e responsável da tecnologia educacional, valemo-nos de um
argumento simples de Belloni (1999). Para a autora, o principal motivo para integrar
informática e educação não é o fato de que as novas tecnologias sejam necessariamente
mais relevantes ou mais eficazes do que as mídias tradicionais em qualquer situação de
aprendizagem e sim, a realidade incontestável de que a tecnologia ocupa e ocupará cada
vez mais espaço no universo de todos nós, alunos e professores.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 179 28/5/2010 09:57:34


180 Perspectivas de uso do computador no ensino

REFERÊNCIAS
AMADOR, F. As imagens no ensino de geologia. Formação de professores - cadernos didácticos.
Aveiro: Universidade, n. 2, 1998. (Série Ciências).
BARANAUSKAS, C.; ROCHA, H.V.; MARTINS, M.C.; D'ABREU, J.V. Uma taxonomia para
ambientes de aprendizado baseados no computador. In: VALENTE, J.A. O computador na
sociedade do conhecimento. Campinas, SP: UNICAMP/NIED, 1999.
BARBOSA, R. Projeto Geo-Escola: recursos computacionais de apoio ao ensino de Geociências nos
níveis fundamental e médio. 2003. 105 f. Dissertação (Mestrado em Geociências) – Instituto de
Geociências, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas, 2003. 1 CD-ROM.
BELLONI, M.L. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 1999.
BOGATSCHOV, D.N. Jogos computacionais e de ação e a construção dos possíveis em crianças
do ensino fundamental. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação,
Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
BONETTO, G.A. Uma constituição histórica (1965-1995) de práticas escolares mobilizadoras do
objeto cultural função na cidade de Campinas (SP). 2008. Tese (Doutorado em Educação) -
Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
CALADO, I. A utilização educativa das imagens. Porto, PT: Porto, 1994.
CARNEIRO, C.D.R. Técnicas de uso de software para apresentações em aulas de Geociências,
Documentos del X Simposio sobre la Ensenanza de las Ciencias de la Tierra. Palma de Mallorca,
ES, 1998.
CESAR, R. Geração Digital. Revista Exame, 30 ago. 2006. Disponível em:
<http://info.abril.com.br/aberto/infonews/092006/01092006-18.shl>. Acesso em: 5 jul. 2009.
DEMO, P. Questões para teleducação. Petrópolis: Vozes, 1998.
FAGUNDES, L. Fórum Internacional de Software Livre. Disponível em:
<http://www.redeescolar.rs.gov.br>. Acesso em: 5 jul. 2008.
FERRES, J. Pedagogia dos meios audiovisuais e pedagogia com os meios audiovisuais. In:
SANCHO, J.M. (Org.). Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: ArtMed, 1998.
GLOBE PROJECT. What is GLOBE project? Washington, US: GLOBE Project. Disponível em:
<http://www.globe.gov/fsl/html/aboutglobe.cgi?intro&lang=en>. Acesso em: 5 mar. 2009.
HOLT, J. Aprendendo o tempo todo: como as crianças aprendem sem ser ensinadas. Campinas,
SP: Verus Editora, 2006.
LANZ, R. A Pedagogia Waldorf: caminho para um ensino mais humano. São Paulo:
Antroposófica, 1990. 180 p.
LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
LITTO, F. MEC fecha pólos de EAD e ABED se pronuncia. Escola BR, São Paulo, 27 nov. 2008.
Disponível em: <http://www.escolabr.com/portal/modules/planet/view.article.php?7220/b>.
MATTHEWS, M.R. Science teching – The role of history and philosophy of Science. New York,
US: Rouledge, 1994.
MENDES, M.I.P. A Terra sob medida: aplicações e reflexões sobre o uso da História da Ciência em
ambientes virtuais de aprendizagem. 2006. Tese (Doutorado em Ensino e História de Ciências da
Terra) - Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas.
PIMENTEL, C.S. A imagem no ensino de geografia: a prática dos professores da rede pública
estadual de Ponta Grosssa, Paraná. 2001. Dissertação (Mestrado em Geociências) – Instituto de
Geociências, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas.
SETZER, V.W. Meios eletrônicos e educação: um avisão alternativa. São Paulo: Escrituras Editora,
2001.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 180 28/5/2010 09:57:34


Ronaldo Barbosa 181

SILVA, D.; MARCHELLI, P.S. Informática e Ensino: visão crítica dos softwares educativos e
discussão sobre as bases pedagógicas adequadas para o seu desenvolvimento. Atas do XII
Simpósio Nacional de Ensino de Física. Belo Horizonte. SBF, 1997, 515-525.
SKINNER, B.F. Tecnologia do ensino. São Paulo: Ed. Pedagógica e Universitária/EDUSP, 1975.
TARDY, M. O professor e as imagens. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1976.
VALENTE, J.A. (Org.). Computadores e conhecimento: repensando a educação. Campinas:
UNICAMP/NIED. 1993, 418 p.

Ronaldo Barbosa
Graduação em Engenharia de
Computação pela Unicamp (1996),
especialização em jornalismo científico
(2004, Labjor-Unicamp) e mestrado em
Geociências pela Unicamp (2003). Cursa
doutorado no Instituto de Geociências da
Unicamp na área de Ensino e História da
Ciência. Ministra disciplinas em cursos de graduação e
pós-graduação nas áreas de Educação, Engenharia,
Sistemas de Informação e Comunicação. Atualmente é
professor titular da UNIP (Campinas), FPJ (Jundiaí),
Metrocamp (Campinas). É Supervisor de Ensino a
Distância (EaD) do Departamento de Pós-Graduação da
Anhanguera Educacional SA (AESA). Desenvolve
periféricos de computador para deficientes e softwares
educacionais para ensino fundamental, médio e
superior. Possui experiência nas áreas de Educação e
Tecnologia, com ênfase em Softwares Educativos e
Internet, atuando principalmente nos seguintes temas:
ensino de ciências, tecnologia educacional, Ensino a
Distância, engenharia de software, ensino de geociências
e formação de professores para uso de novas tecnologias
educacionais.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 163-181

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 181 28/5/2010 09:57:34


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 182 28/5/2010 09:57:34
Anuário da Produção AVALIAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR:
Acadêmica Docente CENÁRIOS E TENDÊNCIAS1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Adriane M. Soares Pelissoni RESUMO


Faculdade Anhanguera de Campinas
unidade 2 Avaliar um conteúdo ou uma disciplina não é algo isolado, ou somente de
adriane.soares@unianhanguera.edu.br responsabilidade do professor. Este procedimento está conectado ao
contexto mais amplo do ensino, não pode ser visto somente na relação com a
disciplina ministrada. A prática avaliativa é de suma importância nos
diferentes níveis de ensino e está sendo modificada de acordo com os novos
paradigmas educacionais. Este artigo é resultado de levantamento
bibliográfico e tem por objetivo discutir a diferenciação entre avaliação do
ensino e avaliação da aprendizagem de acordo com os teóricos das últimas
décadas. Foi realizado também um panorama sobre a avaliação da
aprendizagem no ensino superior, para isto foram apresentados e discutidos
os conceitos de competência e habilidades relacionados as atividades deste
nível de ensino.

Palavras-Chave: avaliação; conteúdo; competência; educação.

ABSTRACT

Evaluating content or a discipline is not something separate, or only the


teacher responsibility. This procedure is connected to the broader context of
education, can not be seen only in relation to the subject taught. The
evaluation practice is very important at different levels of education and is
being modified according to the new educational paradigms. This article is
the result of literature review and aims to discuss the distinction between
evaluation of teaching and learning assessment according to the theorists of
recent decades. Was also carried out an overview assessment of learning in
higher education, for it were presented and discussed the concepts of
competence and skills related activities at this level of education.

Keywords: assessment; content; competence; education.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Avaliação do ensino e da aprendizagem,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 20/07/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 13/02/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
183

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 183 28/5/2010 09:57:34


184 Avaliação no ensino superior: cenários e tendências

1. AVALIAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR: CENÁRIOS E TENDÊNCIAS

A sala de aula é um local repleto de acontecimentos, no qual estão em cena dois


protagonistas: professores e alunos. Alguns dos acontecimentos que aí se desenrolam
marcam a totalidade dos discentes, como é o caso da avaliação. Quem não teve contato
com aquele aluno que “deu um branco” na hora da prova, que chorou ou até mesmo
aquele que lhe interpelou no corredor dizendo: “Quebra essa professor, é só meio ponto!”

Ao longo da história educacional e no cotidiano de nossas práticas educativas,


avaliar é quase sinônimo para prova, um procedimento único e padrão, no qual o
professor atesta a capacidade ou incapacidade do educando perante um dado
conhecimento (DEMO, 2009). No entanto, as teorias no campo pedagógico vêm
demonstrando que avaliar é algo mais amplo, envolve o processo de ensino e
aprendizagem, a mediação do professor, a relação com o saber, o desenvolvimento de
competências e habilidades.

Os currículos da Anhanguera Educacional são montados visando desenvolver


competências e habilidades, de acordo com o projeto pedagógico de cada curso. Ao
preencher o seu diário de classe você tem contato com estas competências e habilidades a
serem desenvolvidas. Assim, ao assumir o ensino por competências e habilidades não é
possível reproduzir práticas avaliativas de memorização de conteúdos e de classificação
dos alunos. É necessário ampliar a concepção de avaliação, que pode ser entendida como
processo, diagnóstico, condutor de novas práticas.

Avaliar um conteúdo ou uma disciplina não é algo isolado, ou somente de


responsabilidade do professor. Este procedimento está conectado ao contexto mais amplo
do ensino, não pode ser visto somente na relação com a disciplina ministrada. Por isso,
este artigo tem por objetivo discutir a diferenciação entre avaliação do ensino e avaliação
da aprendizagem. Pretende, além disso, fornecer um panorama sobre a avaliação da
aprendizagem, os conceitos de competência e habilidades.

2. AVALIAÇÃO DO ENSINO X AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Para introduzir a temática da avaliação educacional é necessário diferenciar alguns


conceitos que na prática docente se misturam e, muitas vezes, chegam a ser considerados
sinônimos. O que significa avaliar? Seria medir o conhecimento? Testar?

Segundo o dicionário Aurélio, avaliar significa: ”determinar a valia ou o valor de;


apreciar ou estimar, o preço, o merecimento, calcular, estimar; fazer a apreciação; ajuizar”.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 184 28/5/2010 09:57:34


Adriane Martins Soares Pelissoni 185

Enquanto medir, significa “determinar ou verificar, tendo por base uma escala fixa, a
extensão, medida, ou grandeza de; comensurar; ser a medida de.” Já Luckesi (2006)
aponta que a definição mais comum e adequada para avaliação seria “um julgamento de
valor sobre manifestações relevantes da realidade, tendo em vista uma tomada de
decisão” (p.33).

Sendo a avaliação um julgamento valorativo, é necessário fazer uma distinção


entre os objetos que esta ação se destina no campo educacional. É comum encaramos
como avaliação educacional somente o procedimento pedagógico que o professor executa
frente à aprendizagem dos alunos, isto seria somente um dos aspectos da avaliação
educacional. Este processo, que envolve o julgamento valorativo da aprendizagem do
aluno é denominado por Luckesi (2006) de avaliação da aprendizagem.

Já avaliação do ensino é o processo que certifica a qualidade do ensino oferecido,


feito por órgãos oficiais. Como nos mostra Carbonari (2009), a avaliação do ensino na
Anhanguera Educacional envolve tanto a qualidade percebida quanto a qualidade certificada.
A qualidade percebida, conceito criado pela instituição, reflete a percepção dos alunos em
relação à qualidade do serviço educacional prestado. Esta avaliação é realizada por meio
do programa de avaliação institucional (PAI). Já a qualidade certificada é o resultado das
avaliações externas realizadas pelos órgãos oficiais (MEC e INEP), por meio das
autorizações e reconhecimento dos cursos, e pelos resultados do ENADE – Exame
Nacional de Desempenho dos estudantes.

A presente disciplina foi organizada a partir, justamente, deste entendimento de


que a avaliação educacional envolve tanto a avaliação da aprendizagem como a avaliação
do ensino. Nas duas primeiras aulas, focaremos atenção nas discussões teóricas sobre a
avaliação da aprendizagem, dando ênfase as possibilidades de ações dos docentes no
ensino superior. Já nas duas últimas, abordaremos as discussões sobre avaliação do
ensino, com ênfase para o Programa de Avaliação Institucional (PAI) e do SINAES
(Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior).

3. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Avaliação da aprendizagem ganhou o centro das discussões no campo educacional há


algumas décadas. Segundo Demo (2009), as práticas educativas ainda seguem o modelo
tradicional de ensino, no qual o professor repassa grande quantidade de conteúdo e o
aluno trata de absorver, guardando na memória até o dia da provas. Luckesi (2006)
acrescenta que as práticas avaliativas são decorrentes de um processo histórico iniciado

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 185 28/5/2010 09:57:34


186 Avaliação no ensino superior: cenários e tendências

com a escola moderna, que podem ser exemplificadas com as práticas de provas e exames
praticadas nos colégios jesuítas no inicio do século XVI. Isto conduz à conclusão de que o
reprodutivismo escolar faz parte da história educacional brasileira, situações atuais fazem
com que estas práticas ainda sejam amplamente difundidas no ensino. Principalmente por
ser um sistema de ensino propedêutico e voltado para preparação para provas seletivas e
classificatórias como o vestibular, e não para o sucesso acadêmico do aluno
(HOFFMANN, 1996).

Segundo Luckesi (2006), a atual prática da avaliação escolar estipulou como


função do ato de avaliar a classificação e não o diagnóstico, como deveria ser
constitutivamente. Ou seja, o julgamento de valor que teria a função de possibilitar a
tomada de decisão sobre o objeto é entendido como algo estático e finalizado. Assim, é
possível classificar o objeto avaliado a partir de padrões previamente estabelecidos. Em
todo o sistema de ensino, atribuem-se menções ou notas que são distribuídas numa escala
subordinada a média. É possível identificar similaridade deste cenário com muitas
práticas que fazem parte do cotidiano acadêmico das instituições de ensino superior. O
que se propõem aqui não é uma revolução das práticas, mas sim um entendimento do seu
significado da avaliação da aprendizagem e a sua adequação ao objetivo proposto.

De acordo com Luckesi (2006):


A avaliação educacional escolar assumida como classificatória torna-se, desse modo, um
instrumento autoritário e frenador do desenvolvimento de todos os que passarem pelo
ritual escolar, possibilitando a uns o acesso e aprofundamento no saber, a outros a
estagnação ou evasão dos meios do saber. Mantém-se, assim a distribuição social. (p.37)

Neste sentido, a aula continua sendo o centro nevrálgico da educação superior. A


função básica dos professores é dar aula e dos alunos é freqüentar a aula, sendo que a
freqüência é uma das formas decisivas da avaliação. Isso coloca em cheque a grande
questão “aula não é necessariamente aprendizagem” (DEMO, 2004). O aluno pode e deve
aprender de outras formas, para além da aula expositiva. Esta discussão nos remete à
ligação entre avaliação e aprendizagem. Como já abordado por Barbosa (2009), aprender
possui um sentido polissêmico, depende, em grande parte, da teoria de aprendizagem
que se tem em mente. Então, avaliar a aprendizagem significa estar em contato com uma
visão pessoal sobre avaliar, é identificar e refletir sobre a crença pessoal sobre este ato.
Este processo reflexivo pode ser resumido através da respostas a três perguntas:

1) O que entendo por aprender?


2) O que é avaliar?
3) O quê e como os alunos deveriam aprender?
A avaliação também possui diferentes definições e objetivos que foram
apresentadas ao longo das últimas décadas. Ressalta-se que os conceitos abordados fazem

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 186 28/5/2010 09:57:34


Adriane Martins Soares Pelissoni 187

contraposição ao modelo tradicional de ensino, isto é, dão ênfase aspectos e objetivos


diferentes para avaliação da aprendizagem puramente classificatória. Para ter-se um
panorama desta diferentes perspectivas, foi construído o Quadro 1, que sintetiza os
principais entendimento da avaliação nas últimas décadas.

Quadro 1 – Quadro teórico de abordagem da avaliação da aprendizagem nas últimas décadas.


Autor Conceito de avaliação Ênfase da avaliação
O processo de avaliação consiste essencialmente em
Ralph Tyler determinar em que medida os objetivos educacionais
Caráter funcional
(1949) estão sendo realmente alcançados pelo programa do
currículo e do ensino.
Avaliação é o processo de delinear, obter e fornecer
Daniel Stufflebeam
informações úteis para o julgamento de decisões Caráter processual
(2007)
alternativas.
Avaliação é uma atividade metodológica que consiste
Michael Scriven Diferença entre avaliação
na coleta e na combinação de dados relativos ao
(1967) e mensuração
desempenho.
Avaliação é um método de coleta e de processamento
dos dados necessários à melhoria da aprendizagem e
Bloom, Hastings e
do ensino. Avaliação é superior ao rotineiro exame Definição dos objetivos
Madaus (1983)
escrito. Avaliação auxilia no esclarecimento dos
objetivos.

A análise do Quadro 1 permite identificar que a avaliação da aprendizagem


possui diferentes funções. Destaca-se o caráter funcional, no qual a avaliação determina a
eficácia do ensino, isto é, se os objetivos educacionais que foram propostos estão sendo
alcançados; o caráter processual, no qual avaliação é um meio de obter informações e
reconduzir as práticas educativas; o papel da avaliação na aprendizagem na definição dos
objetivos do ensino, sendo a avaliação uma forma de acessar a aprendizagem e auxiliar na
recondução dos objetivos do ensino.

É possível identificar a diferença entre avaliação e mensuração. A mensuração


seria somente uma forma objetiva, quantitativa e classificação numérica da aprendizagem,
o que Luckesi (2006) denominou de caráter classificatório da avaliação da aprendizagem.
Segundo Scriven (1967), avaliação da aprendizagem não é uma forma de mensuração, é
algo ao mesmo tempo objetivo e subjetivo, pois atribui valores; é um julgamento, a partir
de dados objetivos. Isso significa dizer que avaliação da aprendizagem pode fazer uso da
mensuração, mas para que tenha o caráter emancipatório é necessário extrapolá-la. A
avaliação da aprendizagem pode ser quantitativa e qualitativa, pois é possível julgar a
aprendizagem a partir da sua quantidade e/ou da qualidade.

Como apresenta Perrenoud (1999), a avaliação da aprendizagem deve ser,


sobretudo, formativa. Este entendimento leva o professor a observar mais
metododicamente os alunos, a compreendê-los melhor, de modo a ajustar de maneira

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 187 28/5/2010 09:57:34


188 Avaliação no ensino superior: cenários e tendências

sistemática e individualizada suas intervenções pedagógicas e as situações didáticas que


propõem. Tudo isso numa expectativa de aperfeiçoar as aprendizagens dos alunos. Essa
concepção se situa abertamente na perspectiva da regulação intencional da aprendizagem,
cuja intenção é determinar o caminho já percorrido por cada um e aquele que resta a
percorrer com vistas a intervir para otimizar o processo de aprendizagem em curso. Desta
forma, a avaliação formativa trás perspectiva de ação tanto para alunos como para
professores, é um conjunto de informações que devem ser interpretadas e conduzir novos
meios de ação.

Assim, o ato de avaliar não pode ser visto como algo isolado, pronto e acabado.
Ele deve ser entendido como ato emancipatório, que supera os limites da aprendizagem
tanto dos alunos como dos professores. Dentro desta perspectiva, faz-se necessário
repensar as formas de devolução, o retorno desta avaliação (feedback). Esta situação pode
ser sintetizada a partir de questionamentos comuns aos docentes:

• Como informar o aluno sobre o status de sua aprendizagem?


• A nota traduz a aprendizagem?
• Como auxiliar o aluno na construção de um caminho a aprender?

Perrenoud (1999) coloca que esta devolução ao aluno deve ser objetiva, voltada
para os objetivos do ensino e, acima de tudo, deve ser um mecanismo de auto-regulação
aos alunos. Ou seja, que possibilite uma reflexão ativa, que supere a classificação
valorativa e coloque o aluno frente a uma postura ativa de sua aprendizagem, que o faça
agir de diferentes formas para o alcance dos objetivos educacionais e pessoais.

Em síntese, a avaliação da aprendizagem deve superar o caráter puramente


classificatório que normalmente orienta as práticas educativas na atualidade. Esta deve
ser entendida como um processo contínuo e sistemático, que é funcional e orientadora dos
objetivos educacionais propostos ao ensino. Ou seja, a avaliação deve ter uma função
diagnóstica, a partir da qual se verifica a situação da aprendizagem dos alunos para
propor novos meios de mediação e de intervenção do professor. É uma leitura da
aprendizagem dos alunos e também uma forma de promover a auto-regulação da
aprendizagem entre os discentes.

Tendo em vista a importância do processo de avaliação da aprendizagem e sua


relação com a eficácia do ensino, a seguir serão abordados os conceitos de competências e
habilidades aplicados à atividade da docência no ensino superior. Esta relação se faz
necessária para identificar e evidenciar as competências e habilidades do professor para
promover uma avaliação da aprendizagem emancipatória.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 188 28/5/2010 09:57:34


Adriane Martins Soares Pelissoni 189

4. ENSINO E AVALIAÇÃO: DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS E


HABILIDADES

No senso comum, a palavra competência está associada à excelência. Percebemos esta


condição quando ouvimos ou falamos: “aquele professor é realmente competente” ou “os
alunos conseguiram aprender porque aquele professor é muito competente”. Assim,
parece claro que na linguagem do senso comum a competência está associada a um
conjunto de elementos que permitem a um sujeito abordar uma situação complexa e
resolvê-la a contento (MORETTO, 2008).

Para introduzir esta temática foi necessário recorrer a teóricos da educação que
fazem uma conceituação sobre competência e habilidades. Este assunto não é algo
consensual entre os acadêmicos da área educacional, mas sim motivo de inúmeras
discussões e diferenciação a partir da matriz teórica assumida. Desta forma, optou-se em
apresentar o conceito apresentado por Philippe Perrenoud (1999, 2000), amplamente
utilizado no cenário educacional, principalmente, no ensino superior.

Para Perrenoud (1999), competência “é a capacidade do sujeito de mobilizar


recursos (cognitivos) visando abordar uma situação complexa” (p.159). Como evidencia
Moretto (2008), o conceito de competência se relaciona a quatro aspectos importantes:

1) Competência é algo individual, está ligado ao fato de “ser capaz de”.


2) A ação de mobilizar significa movimentar com força interior, não um ato
automático de transferência de um lado para outro.
3) No que tange a competência, os recursos são algo mais amplos que somente os
recursos cognitivos, isto é, são necessários conhecimento intelectual e recursos no
domínio emocional.
4) Competência está relacionada a uma situação complexa que envolve conteúdos
específicos, habilidades e procedimentos, linguagens, valores culturais e
administração das emoções.
Sendo assim, fica evidente que competência se relaciona intrinsecamente com
habilidades, porém são coisas distintas. Competência está no campo da amplitude, de
buscar recursos (cognitivos e emocionais) visando uma situação complexa. Enquanto a
habilidade está associada ao saber fazer, isto é, está relacionada a uma ação, física ou
mental, indicadora de uma capacidade adquirida (PERRENOUD, 1999)

A Anhanguera Educacional, ao assumir um ensino baseado em habilidades e


competências, quer oferecer ao educando algo além da formação especifica de uma
profissão (o saber fazer). Almeja oferecer um ensino que seja capaz de promover
competências entre os discentes. Ou seja, deseja desenvolver nos alunos recursos
cognitivos e emocionais para que possam abordar uma situação complexa que extrapole
os limites da situação acadêmica e educativa.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 189 28/5/2010 09:57:34


190 Avaliação no ensino superior: cenários e tendências

Este fato se relaciona claramente com a avaliação da aprendizagem, pois um


ensino comprometido com o desenvolvimento de competências e habilidades não pode
avaliar de forma estática e classificatória seus alunos. Não é possível usar métodos
avaliativos que só conseguem dar informações sobre o estado e condição da
aprendizagem. Além disso, de acordo com o escopo teórico não é possível desenvolver
competências e habilidades de forma instantânea, este é um processo de formação que
acontece ao longo do tempo (PERRENOUD, 2000). Por isso, os instrumentos de avaliação
da aprendizagem devem ser construídos com a perspectiva formativa.

Esta perspectiva não quer dizer que os instrumentos clássicos de avaliação


(provas escritas e orais, trabalhos, seminários) serão extintos e substituídos. Ao contrário,
isto quer dizer que os instrumentos de avaliação devem ser entendidos de outra maneira,
consoantes a perspectiva de ensino assumida. Desta forma, a avaliação da aprendizagem
pode e deve incluir procedimentos como provas, trabalhos escritos ou orais, mas estes
devem estar relacionados ao desenvolvimento de competências e habilidades e serem
visto como um momento de diagnóstico da aprendizagem, e não como um momento de
acerto de conta entre professores e alunos.

Moretto (2008) faz uma aplicação do conceito de competência e analisa as


características de um professor competente, segundo os conceitos de Perrenoud (1999),
em duas situações complexas: ao operacionalizar uma aula e ao avaliar a aprendizagem
dos alunos. Segundo o autor, o professor competente no ensinar:

• Conhece o conteúdo especifico de sua disciplina – identifica os assuntos


relevantes, tendo em vista o contexto dos alunos. Assim, o professor
necessita de um contínuo estudo da sua disciplina, tanto do ponto de
vista dos conteúdos conceituais como nos processos de ensino. Esta
mesma competência também foi apontada por Demo (2009), o professor
deve estar constantemente envolvido em atividades criativas, de pesquisa
e inovação.
• Tem habilidade no ensinar – o professor sabe administrar uma aula,
escolher as estratégias adequadas ao grupo de alunos, de acordo com as
necessidades do grupo no que tange aos aspectos psicossociais e
cognitivos.
• Identifica valores culturais ligados ao ensinar – o professor consegue
situar a sua atuação profissional com os elementos de um paradigma que
se estabeleceu ao longo do tempo. Não vê a sua atuação docente
desconectada dos fatores sociais e culturais, influenciada tanto pelos
meios de comunicação como pelos elementos socioeconômicos.
• Utiliza a linguagem pertinente – é capaz de utilizar linguagem pertinente
para facilitar a construção de relações significativas. Sempre que utiliza
um termo desconhecido (muitas vezes utilizamos termos técnicos em sala
de aula totalmente desconhecidos pelos alunos) faz a sua contextualização
utilizando para recursos de aproximação com os alunos.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 190 28/5/2010 09:57:34


Adriane Martins Soares Pelissoni 191

• Administra as emoções – é capaz de administrar o mundo amplo de


emoções existente dentro de uma sala de aula (raiva, ira, medo, alegria,
insegurança), sem precisar apelar para punição ou autoritarismo, é um
dos recursos que o professor precisa ter para enfrentar a situação
complexa de ensinar.

As competências elencadas acima são claras e mostram que ser professor é algo
complexo, que exige o desenvolvimento de competências e habilidades distintas de outras
profissões. Esta temática foi abordada por Perrenoud (2000), em seu livro “As dez novas
competências para ensinar”. Nele, o autor ressalta que não basta a intenção de ensinar,
mas é necessário mobilizar recursos cognitivos e emocionais para esta ação. Ser professor
do ensino superior não é uma profissão de final de semana, ou um bico, é algo que exige
profissionalismo e um intenso processo de aprendizagem.

A partir desta discussão, também é possível elencar as competências necessárias


do professor no que tange a avaliação da aprendizagem, a partir do paradigma formativo.
Segundo Moretto (2008), o professor competente no avaliar a aprendizagem:

• Sabe que a prova é um momento privilegiado de estudo, e não um


acerto de contas – O professor entende a avaliação na perspectiva
formativa e não como um momento de punição ou acerto de contas entre
professor e aluno. Além disso, conhece e utiliza diferentes técnicas e
instrumentos para avaliar de forma processual e contínua os alunos.
• Elabora bem as questões das provas – O professor que sabe
contextualizar os procedimentos avaliativos de acordo com os objetivos
estabelecidos, pergunta de forma clara e precisa, seleciona os conteúdos
relevantes e não coloca situações de “pegadinhas” para os alunos.
• Administra valores culturais ligados à avaliação – O professor que
entende que a avaliação por muito tempo foi utilizada como instrumento
de controle e punição, e tenta quebrar este paradigma, entende que
avaliação da aprendizagem é um momento privilegiado de ensino. É
aquele que desenvolve a competência na situação complexa de avaliar e
relaciona as questões da avaliação aos valores culturais dos alunos e
mobiliza os recursos necessários para isso.
• Utiliza linguagem clara e precisa para o comando as questões –
Seleciona o tipo de linguagem mais adequada, que seja mais clara o
possível nos momento de avaliação. Assim, se elaborar a seguinte questão
“quais as características de um aluno?”, percebe que esta formulação pode
causar confusão entre os discentes, pois não estabeleceu claramente que
tipos de características que estão envolvidas. Faz uma reformulação e
estabelece critérios para correção da questão.
• Cria ambiente favorável ao controle das emoções – aquele professor que
entende as emoções presentes em situações de avaliação (angústia, medo,
alegria, tensão e estresse) e faz uso de recursos capazes de criar condições
para que o aluno se sinta tranqüilo e sem estresse no momento de
avaliação, seja ela através de qualquer instrumento.

Em suma, a partir das discussões apresentadas é possível perceber que os


instrumentos de avaliação da aprendizagem (provas, trabalhos, seminários) que são

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 191 28/5/2010 09:57:34


192 Avaliação no ensino superior: cenários e tendências

amplamente utilizados nas atividades educacionais podem e devem continuar a fazer


parte da práxis do ensino superior. A mudança reside na forma de entendimento da
avaliação, que supera o paradigma classificatório e adentra no campo da formação.

Espera-se que este artigo possa ter atingido o objetivo proposto, que foi sintetizar
as principais linhas teóricas que norteiam as práticas de avaliação no ensino superior.
Além disso, espera-se que este texto seja um convite à reflexão sobre o tipo e a qualidade
das práticas avaliativas realizadas e uma forma de iniciar e mobilizar novos cursos de
ação por parte dos professores.

REFERÊNCIAS
BARBOSA, M.C.M. Ensino-Aprendizagem no Ensino Superior. Material da 1ª. aula da Disciplina
Fundamentos Teóricos do Ensino Aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato
Sensu em Didática e Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação
Docente.Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
CARBONARI, M.E.E. Programa de auto-avaliação da Anhanguera Educacional: instrumento de
gestão acadêmica. In: CARBONARI NETTO, A.; CARBONARI, M.E.E.; DEMO, P. A cultura da
Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom professor, a pesquisa e a avaliação
institucional como instrumento de melhoria da qualidade. Valinhos: Anhanguera Publicações,
2009. p.193-230.
DEMO, P. Educar pela Pesquisa. In: CARBONARI NETTO, A.; CARBONARI, M.E.E.; DEMO, P. A
cultura da Anhanguera Educacional: as crenças e valores, o bom professor, a pesquisa e a
avaliação institucional como instrumento de melhoria da qualidade. Valinhos: Anhanguera
Publicações, 2009. p.59-181.
______. Universidade, aprendizagem e avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2004.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à
Universidade. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 1996.
LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 18. ed. São Paulo:
Editora Cortez, 2006.
MORETTO, V.P. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto de contas. 8. ed. Rio
de Janeiro: Lamparina, 2008.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
______. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens, entre duas lógicas. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1999.
SCRIVEN, M.S. The methodology of evaluation. In: STAKE, R.E. (Ed.). Curriculum evaluation.
AERA Mongraph Series on Curriculum Evaluation. v. 1. Chicago, US: Rand McNally, 1967.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 192 28/5/2010 09:57:34


Adriane Martins Soares Pelissoni 193

Adriane Martins Soares Pelissoni


Mestre em Educação pela Universidade
Estadual de Campinas. Possui graduação
em Pedagogia pela Universidade
Estadual de Campinas. Atualmente é
professora do curso de especialização em
Psicopedagogia do Centro Universitário
Nossa Senhora do Patrocínio, professora
de didática da Faculdade Anhanguera de Campinas e
coordenadora do Serviço de Atendimento ao Estudante
(SAE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase
em Educação, atuando principalmente nos seguintes
temas: ensino superior, atividade docente,
pesquisadores- formação, ensino de psicologia e
produção bibliográfica.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 183-193

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 193 28/5/2010 09:57:34


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 194 28/5/2010 09:57:34
Anuário da Produção ALGUNS ASPECTOS DA VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA1
Acadêmica Docente
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

RESUMO
Luís Fernando Prado Telles
Anhanguera Educacional S.A. O presente artigo procura apresentar a importância do reconhecimento da
variação lingüística na construção do processo de comunicação entre
lftelles@directnet.com.br
professor e aluno. Para tanto, oferece uma introdução aos principais
conceitos de variação lingüística, apresentando os seus tipos e seus
respectivos exemplos. A partir daí, discute a relativização do conceito de erro
em linguagem, bem como a relação entre linguagem e poder, para, em
seguida, trabalhar a questão do preconceito lingüístico por meio da
desconstrução de alguns mitos sobre linguagem.

Palavras-Chave: variação lingüística; linguagem; poder; preconceito


lingüístico.

ABSTRACT

This article presents the importance of the recognition of linguistic variation


in the construction of the communication process between teacher and
student. To this, it offers an introduction to key concepts of language
variation, with their types and their examples. Since then, it discusses the
relativity of the concept of error in language, as well as the relationship
between language and power, then to work the issue of linguistic prejudice
through the deconstruction of a few myths about language.

Keywords: linguistic variation; language; power; linguistic prejudice.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1Material da 2ª aula da Disciplina Técnicas de Comunicação Docente, ministrada
Desenvolvimento Educacional - IPADE
no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do Ensino
Informe Técnico Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 22/7/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 10/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
195

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 195 28/5/2010 09:57:34


196 Alguns aspectos da variação lingüística

1. INTRODUÇÃO

Como já sabemos, um dos fatores que influenciam no sucesso da comunicação é a


adequação do discurso do orador ao auditório, para tanto, aquele que profere o seu
discurso deve saber reconhecer as características do seu público, as suas particularidades,
e saber respeitá-las no sentido de fazer-se, também, respeitado. Portanto, essa adequação
está estreitamente ligada à eficácia da construção do ethos do orador, bem como ao
trabalho com o pathos do auditório.

Dentre os elementos cruciais ao trabalho com a adequação está a própria


linguagem. Tanto a do orador quanto a do auditório, leia-se, no caso específico tratado
aqui, professor e aluno. Relativizar algumas compreensões sobre linguagem, levando-se
em conta os aspectos da variação lingüística pode ajudar o professor a reavaliar o seu
próprio processo de construção discursiva, bem como o do aluno, inclusive no sentido de
poder repensar a prática comunicacional frente a expectativas do que sejam discursos
belos e corretos.

O presente artigo tem a intenção de apresentar uma pequena discussão que


proponha um deslocamento em relação a compreensões idealistas sobre linguagem, no
sentido de chamar a atenção para o fato de que os critérios para a formulação de
valorações dos fenômenos lingüísticos são construídos socialmente e, portanto, revelam
usos ideológicos da língua. Tais usos podem ser iluminados pelo reconhecimento de
diferentes registros e níveis de linguagem e pelo entendimento de algumas categorias de
relativização provenientes do campo de estudo da variação lingüística, o que permite se
repensar a noção de erro, bem como a relação entre linguagem e poder, e suas na
construção de mitos e preconceitos lingüísticos.

O reconhecimento destes elementos pode ajudar o professor a refletir sobre a sua


prática lingüística não apenas no sentido de repensar a valorização do seu próprio
discurso, mas, inclusive, o do seu aluno, de uma maneira geral. Reconhecer os elementos
da variação lingüística pode auxiliar o professor a adequar o seu discurso ao público ao
qual se dirige e, concomitantemente, saber valorizar, também, o discurso deste público,
impedindo que se interponham, na relação ensino e aprendizagem, mitos e preconceitos
sobre linguagem que possam causar ruídos na comunicação e atravancar o processo de
educação, distanciando professor e aluno.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 196 28/5/2010 09:57:34


Luís Fernando Prado Telles 197

2. NOTAS SOBRE A NOÇÃO DE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

Toda língua é viva. Isso significa dizer que se modifica e se reinventa ao longo do tempo.
A língua não é um bloco monolítico, uno e plenamente distinguível em seus limites e
dimensões; apresenta variações que podem ser condicionadas, por exemplo, pelo lugar,
pelo grupo social, pela situação de comunicação ou pelo tempo. A variação é inerente ao
fenômeno lingüístico, é constitutiva, inclusive, do próprio processo de formação das
línguas. As línguas românicas, por exemplo, tais como o português, o italiano, o espanhol,
dentre outras, são derivações do chamado latim vulgar (ou popular), variação já bem
distinta do latim culto.

De certo modo, então, é possível considerar que as línguas românicas de um


modo geral são provenientes de um fenômeno lingüístico que, em certo momento da
história, constituiu-se como um desvio em relação ao que se entendia como sendo a
norma culta do latim. Assim, desse modo, o que podia ser considerado erro em um
determinado tempo, de acordo com um determinado padrão ou norma, em outro acabou
por constituir o padrão de outra língua. Isso dá o mote para repensarmos a noção de erro,
o que faremos mais adiante.

Reconhecer o fenômeno da variação lingüística, despido de preconceitos, é


fundamental para o falante reconhecer-se em sua própria língua e se constituir
legitimamente enquanto sujeito, uma vez que essa constituição passa, necessariamente,
pela possibilidade de se reconhecer em seu espaço, em seu grupo social, em seu tempo e,
também, pela capacidade de se adequar às diferentes situações de manifestação
lingüística. No que se refere à questão da comunicação na relação ensino e aprendizagem,
é fundamental, portanto, que tanto o professor como o aluno possam se constituir
enquanto sujeitos reconhecendo-se em suas variantes lingüísticas, respeitando as
variações provenientes do discurso alheio e sentindo-se respeitados em suas variantes.

O fenômeno da variação pode ser notado com mais facilidade quanto aos
aspectos do vocabulário e da pronúncia. Contudo, pode ser constatado nos mais diversos
planos da língua. Por exemplo, no plano fônico, é patente a diferença de pronúncia do “s”
em final de sílaba dependendo da região do país, em alguns lugares é pronunciado como
uma chiante (como fazem os cariocas) e em outros como sibilante (como os paulistas). A
depender também da região, o “t” e o “d” seguidos de “i” (leia-se o som de “i”) podem
assumir diferentes pronúncias, variando da sonoridade também chiante (o que
equivaleria a soar como algo próximo de “tchi” e “dji”) para outra não chiante (“ti” e
“di”). A primeira forma é a predominante no país, já a segunda é menos comum, sendo
reconhecida como marca regional e, em alguns casos, associada a certa influência da

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 197 28/5/2010 09:57:34


198 Alguns aspectos da variação lingüística

imigração italiana. Ainda no que se refere ao plano da fala, há variações curiosas como
pronúncia do “e” da palavra “festa”, por exemplo, como se fosse um ditongo “éi”, como
em algumas ocorrências de fala do carioca. Outro caso bastante patente é a diferença na
dicção do som do “r” em final de palavra ou em alguns casos em que ocorre no interior
delas, como o famoso “r” da palavra “porta”. O paulistano pronuncia de um jeito, o
paulista do interior do estado de outro e o carioca de outro.

Além do plano fônico, há variações que podem se dar no plano morfológico


(como a conjugação, por analogia, de certas formas de verbos irregulares como se fossem
regulares: “se eu ver, se eu propor, ele interviu”); no plano lexical (por exemplo: “bicha”
por “fila”, “cueca” por “calcinha”, “muriçoca” por “mosquito”) e, inclusive, no plano
sintático. Quanto a este último, interessante notar, por exemplo, que em certas regiões do
Brasil faz-se o uso do pronome de tratamento de segunda pessoa “tu”, mas com o verbo
conjugado na terceira pessoa; em determinadas regiões é comum o uso do pronome lhe(s)
na função de objeto direto (como nas ocorrências “eu lhe vi”, “eu lhe adoro”); em
determinadas situações de fala usam-se os pronomes pessoais oblíquos no lugar dos retos
ou não se faz a concordância nominal e nem verbal principalmente para marcar o plural.

Inúmeros podem ser os exemplos de variações lingüísticas, mas para uma


organização mais sistemática de suas possibilidades, os estudiosos as caracterizaram,
basicamente, a partir de quatro conceitos. Há a variação diatópica, aquela que é associada
ao lugar e que compreende, portanto, os regionalismos. As variações que marcam as
diferenças de grupos sociais (seja referente à classe social, a grupos identitários ou de
profissionais) são denominadas de variantes diastráticas e compreendem, por exemplo, a
diferença no uso de gírias, jargões, termos técnicos, e, inclusive, a diferença em relação à
chamada norma culta e a dita popular. A variação que tem como fator o caráter temporal
é entendida como sendo uma variação diacrônica e a que incide sobre a situação de
comunicação é chamada de diafásica, esta variação é aquela que tem como parâmetro a
adequação de produção discursiva, tal como as exigências situacionais de formalidade e
informalidade, as quais têm a ver, respectivamente, com uma certa atitude mais tensa ou
menos tensa, mais controlada ou menos controlada da produção lingüística. A variação
nestes quatro aspectos podem se dar, portanto, em qualquer um dos planos lingüísticos
acima aventados (o fônico, o morfológico, o sintático, o lexical, dentre outros).

O que torna complexo o fenômeno da variação lingüística é o fato de que esses


diferentes fatores não se dão de forma independente, mas se entrecruzam e se
determinam. Na esfera de uma variante lingüística determinada socialmente, pode haver
outro fator de variação que estabeleça diferenças em outros níveis. Por exemplo, as gírias

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 198 28/5/2010 09:57:34


Luís Fernando Prado Telles 199

que caracterizam um determinado grupo social podem variar ao longo do tempo e,


portanto, estabelecer uma variação lingüística dentro de um mesmo círculo social. Ou,
ainda, a variação diafásica que se dê no sentido da informalidade à formalidade exige,
comumente, uma variação diastrática, no sentido da passagem do uso da variante popular
à culta. Na maioria das vezes, as incompreensões sobre a variação lingüística, os
equívocos e os preconceitos se dão quando se toma como critério de valoração uma
variante em relação à outra, como se uma fosse o padrão e a outra o desvio. Esse é o
equivoco que se faz, por exemplo, quando se cobra a corretude da língua falada a partir
dos paradigmas da língua escrita, sendo esta mais atrelada ao paradigma da gramática
normativa. Dito isto, faz-se importante passarmos a uma breve apresentação da diferença
de paradigmas entre a perspectiva normativa e a descritiva da língua a fim de se poder
relativizar a noção sobre o que seja “erro” em linguagem.

3. SOBRE A NOÇÃO DE ERRO EM LINGUAGEM

Basicamente, o reconhecimento e o entendimento da variação lingüística sem a


preocupação com o seu julgamento, a priori, só é possível a partir da perspectiva
descritivista da linguagem. Essa perspectiva é a que orienta, de um modo geral, a ciência
da linguagem, o campo de estudos conhecido como lingüística. Esta encara a língua como
um fenômeno que deve ser entendido em seus mecanismos e não julgado previamente a
partir de regras ou preceitos estabelecidos arbitrariamente. Nesse sentido, essa
perspectiva procura entender e descrever as regras inerentes ao funcionamento das
línguas em vez de impor regras ao uso. A abordagem descritiva da linguagem procura
demonstrar como diferentes modos de linguagem possuem diferentes regras sem se
pautar pela noção de “erro”, mas sim a partir da noção de “variação”. Considera a língua
como algo dinâmico, de uso, e não como algo prescrito ou idealizado que tem de ser
reproduzido de modo correto, idêntico a uma forma ideal.

Por outro lado, a abordagem normativa da linguagem é aquela baseada nos


preceitos da gramática tradicional. Essa abordagem não é científica, pois não se preocupa
em descrever a língua de acordo com as leis que realmente demonstram orientar o seu
uso. Essa abordagem funciona no sentido de prescrever um código que não corresponde,
em muitos momentos, ao uso efetivo da língua. A abordagem normativa da língua
distancia-se do cientificismo, pois não é descritiva, mas prescritiva e, enquanto tal,
considera a existência de erros e preocupa-se em estabelecer uma regra que diga o que é
correto e incorreto.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 199 28/5/2010 09:57:34


200 Alguns aspectos da variação lingüística

A partir desta distinção é possível se falar, então, em dois tipos de gramática:


uma descritiva, que procura entender as regras de funcionamento das diferentes
manifestações lingüísticas, e uma normativa, que prescreve regras a serem seguidas.
Enquanto a gramática descritiva procura entender um fenômeno lingüístico para
descrever a sua lógica, a gramática normativa se preocupa em dizer se tal fenômeno está
certo ou errado. Diante de um fenômeno como, por exemplo, o típico “nós vai” a
gramática normativa dirá apenas que foge à regra e que, portanto, constitui um erro; já a
gramática descritiva procurará entender a lógica daquilo que a gramática normativa
entende por erro e, diante disso, poderá entender a existência de leis mais profundas,
menos evidentes que orientam as formulações lingüísticas de um modo geral. Neste caso
tomado como exemplo, a gramática descritiva enxerga a lei da economia de meios agindo
na linguagem: se a marcação do plural já se dá no pronome, dispensa-se, portanto, a
marcação redundante no verbo.

Dessa forma, muitos casos encarados como erros pela gramática normativa são
vistos pela gramática descritiva como modalidades de variação e não necessariamente
como algo que tem de ser corrigido ou combatido. Em substituição à pergunta sobre se
um fenômeno é errado ou não se colocará a pergunta sobre a sua adequação ou não ao
momento de enunciação. No caso das variantes lingüísticas, portanto, a idéia de correção
é extralingüística, outros fatores que não propriamente lingüísticos permitirão decidir se
determinado fenômeno é ou não adequado. Há, por exemplo, situações de comunicação
que exigem maior cuidado, uma adequação mais pertinente à chamada norma culta,
outras, por outro lado, são quase que impositivas do uso de uma variante mais informal,
mais coloquial.

Mas se a questão é a adequação, então, para a gramática descritiva não há erro?


Sim, há, mas o erro, nesse plano, tem a ver com outro conceito, o de “agramaticalidade”.
O erro, sob a perspectiva da lingüística, existe quando há agramaticalidade e isso não
significa o desvio em relação à norma culta, à gramática normativa, mas diz respeito ao
fenômeno lingüístico do qual não é possível depreender-se uma lógica de funcionamento,
nem quando considerado internamente em suas relações, nem quando colocado em
relação com outros fenômenos da língua. O fenômeno é agramatical quando não se pode
reconhecer nele o funcionamento de alguma lei ou esta ser depreendida dele. Trata-se,
pois, de um fenômeno sem gramática, destituído de regras de funcionamento. Conforme
explicam Savioli e Fiorin, toda língua possui um sistema fundamental de regras gerais
que se desrespeitadas conduzem a algo que não é próprio da língua, ou que não é mais
reconhecido como pertencente a ela. No caso da agramaticalidade,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 200 28/5/2010 09:57:34


Luís Fernando Prado Telles 201

[...] o erro é intralingüístico, não tem nada a ver com um julgamento social sobre uma
variedade lingüística mais ou menos prestigiada. Se um falante disser Menino bola joga
campo no, terá violado regras do sistema, como o artigo deve preceder o substantivo, a
preposição precede o termo que rege, etc. Nesse caso, não terá produzido uma frase do
português, mas terá pronunciado um amontoado de palavras. (FIORI; SAVIOLI, 2001,
p.30).

Dificilmente um falante comete o tipo de agramaticalidade acima citada como


exemplo. Contudo, no plano da língua escrita, há alguns casos de agramaticalidade que
são relativamente comuns, tais como frases em que faltam termos essenciais como o
predicado, ou períodos compostos por subordinação em que não aparece a oração
principal.

De acordo com o exposto acima, então, é possível considerar que a noção de


“erro” é mais pertinente ao campo da gramática normativa, já para a lingüística, a noção
de erro é sempre vista de modo relativo, se algo é denominado de erro ela sempre
perguntará em relação a que. Já a agramaticalidade não deve ser vista a partir da idéia de
erro, mas deve ser vista como uma manifestação lingüística em que não há propriamente
um erro em relação a uma norma, mas uma ausência de regra que faz daquela
manifestação algo irreconhecível como pertencente a uma determinada língua. Conforme
alerta Marcos Bagno, seria possível
até dizer que existem “erros de português”, só que nenhum falante nativo da língua os
comete! Por exemplo, seriam “errados” os enunciados abaixo
Aquela garoto me xingou
Eu nos vimos ontem na escola
Júlia chegou semana que vem
Não duvido que ele não queira não vir aqui
Que o livro que a moça que Luís que trabalha comigo me apresentou escreveu é bom
não nego.
Esses enunciados, precisamente por serem agramaticais, isto é, por não respeitarem as
regras de funcionamento da nossa língua, não aparecem na fala espontânea e natural de
falantes nativos do português do Brasil, mesmo que sejam crianças pequenas que ainda
não freqüentam escola ou adultos totalmente iletrados. (BAGNO, 1999, p. 125)

Apesar de ser possível a relativização das noções de erro e de correção da


gramática normativa a partir da perspectiva mais ampla da lingüística e da gramática
descritiva, isso não significa que a gramática normativa seja inútil ou que deva ser
descartada de uma hora para outra. Ela ainda é um dos principais parâmetros sobre os
quais se orientam muitas práticas lingüísticas, principalmente aquela da escrita, que
precisa de uma base convencional estabelecida para funcionar de modo eficiente e preciso.
O problema ocorre quando a gramática normativa é tomada como diapasão de tudo
quanto se refere à língua a ponto de se chegar à confusão comum de se tomar a gramática
normativa do português como se esta fosse a própria língua portuguesa. O problema é
maior ainda quando essa generalização, aí sim errônea, é tomada como pressuposto,
mesmo que inconscientemente, e passa a funcionar como instrumento de opressão e de
exclusão nos jogos que orientam as relações de poder existentes na sociedade.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 201 28/5/2010 09:57:34


202 Alguns aspectos da variação lingüística

4. LINGUAGEM E PODER

Como ensina Maurízio Gnerre, a linguagem não é usada somente para veicular
informações, mas ocupa papel central, inclusive, na função de comunicar ao ouvinte a
posição que o falante ocupa de fato ou pensa que ocupa na sociedade em que vive. Ainda
segundo o lingüista, as regras que orientam a produção apropriada dos atos de linguagem
devem levar em conta as relações sociais em que estão envolvidos o emissor e o receptor.
Para tanto, todo emissor, ou produtor de um ato lingüístico, deve saber quando pode ou
não falar, sobre qual conteúdo lhe é consentido falar e que tipo de variedade lingüística é
oportuna, ou seja, qual é mais adequada à situação de comunicação. O problema se dá,
atenta Gnerre, quando determinados falantes de uma língua são excluídos da
possibilidade de escolher uma variedade por não terem acesso a ela, como no caso da
variedade culta ou tida como padrão (considerada, muitas vezes, como sinônimo da
própria língua e, geralmente, associada a conteúdos de prestígio), ou são excluídos
simplesmente por utilizarem-se de uma variante lingüística que lhes é própria, mas que é
desprestigiada socialmente, como é o caso de algumas variantes regionais, por exemplo.
Conforme alerta Gnerre,
[...] uma variedade lingüística “vale” o que “valem” na sociedade os seus falantes, isto é,
vale como reflexo do poder e da autoridade que eles têm nas relações econômicas e
sociais. Essa afirmação é válida, evidentemente, em termos “internos”, quando
confrontamos variedades de uma mesma língua, e em termos “externos” pelo prestígio
das línguas no plano internacional. Houve época em que o francês ocupava a posição
mais alta na escala de valores internacionais das línguas, depois foi a vez da ascensão do
inglês. O passo fundamental na afirmação de uma variedade sobre as outras é sua
associação à escrita e, conseqüentemente, sua transformação em uma variedade usada
na transmissão de ordem política e “cultural”. (GNERRE, 1988, p. 61)

De certa maneira, Gnerre está afirmando que os valores e os juízos construídos


sobre as variantes lingüísticas não têm sua sustentação em critérios propriamente
lingüísticos, mas provêm de conceitos já estabelecidos socialmente, é por isso que a
variedade lingüística vale o que valem na sociedade os falantes. Isso significa dizer que
uma determinada variante regional, por exemplo, é mais valorizada do que outra não
porque suas regras são mais exatas, mais claras, ou porque é intrinsecamente mais bela do
que outra, mas sim porque a variante ganha os valores já previamente construídos
socialmente sobre a determinada região e seus respectivos habitantes.

Outro aspecto importante frisado por Gnerre é o caráter de legitimação de uma


variedade lingüística garantido pela sua associação à escrita e, portanto, a uma certa
norma gramatical. Aqui, volta-se, novamente, ao problema da associação da língua a um
único padrão, o da escrita e da gramática normativa, o que levaria àquela generalização
errônea acima aludida, a de se tomar a gramática normativa como sinônimo de língua
portuguesa. Esta associação estaria na base, segundo Marcos Bagno, da maioria dos mitos

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 202 28/5/2010 09:57:34


Luís Fernando Prado Telles 203

sobre linguagem que dão sustentação ao fenômeno do preconceito lingüístico que tem
funcionado como instrumento de dominação e de agravamento do processo de exclusão
social no Brasil. Conforme considera Bagno:
O preconceito lingüístico está ligado, em boa medida, à confusão que foi criada, no curso
da história, entre língua e gramática normativa. Nossa tarefa mais urgente é desfazer
essa confusão. Uma receita de bolo não é um bolo, o molde de um vestido não é o
vestido, um mapa-múndi não é o mundo... Também a gramática não é a língua. [...] A
língua é um enorme iceberg flutuando no mar do tempo, e a gramática normativa é a
tentativa de descrever apenas uma parcela mais visível dele, a chamada norma culta.
Essa descrição, é claro, tem seu valor e seus méritos, mas é parcial (no sentido literal e
figurado do termo) e não pode ser autoritariamente aplicada a todo o resto da língua –
afinal, a ponta do iceberg que emerge representa apenas um quinto do seu volume total.
Mas é essa aplicação autoritária, intolerante e repressiva que impera na ideologia
geradora do preconceito lingüístico. (BAGNO, 1999, p. 9-10)

5. SOBRE O PRECONCEITO LINGÜÍSTICO: DESCONSTRUINDO ALGUNS MITOS

Em seu livro Preconceito lingüístico: o que é, como se faz, Marcos Bagno lista oito dos
principais mitos sobre a língua portuguesa que conduzem à criação do preconceito
lingüístico. As explanações sobre cada um dos mitos constituem os capítulos da primeira
parte do livro. O primeiro deles é aquele que pode ser resumido pela seguinte afirmação:
“a língua portuguesa falada no Brasil apresenta uma unidade surpreendente”. Esta frase
constitui-se como a afirmação de um mito, pois, como já dito anteriormente, a língua não
é um bloco monolítico, mas constituída de variações. O fato de o português ser a língua
da grande maioria da população brasileira significa que esse português é homogêneo. Na
base desse mito está a idéia acima aventada de que a língua portuguesa do Brasil é a
língua da gramática normativa. Para Bagno, acreditar nesse mito significa, por um lado,
desconsiderar as variantes lingüísticas do português do Brasil como sendo manifestações
lingüísticas legítimas e merecedoras de respeito e, por outro, assumir que existe uma
grande parcela da população que pode ser entendida como os “sem língua”, já que,
seguindo a lógica que sustenta o mito, não têm acesso ao chamado padrão culto da língua,
muito pautado, como já dissemos, no paradigma da escrita e da gramática normativa.

O segundo mito isolado por Bagno é traduzido pelas afirmações complementares


de que o “brasileiro não sabe português” e de que “só em Portugal se fala bem
português”. Para o lingüista, estas duas afirmações refletem a existência de um único
problema, o complexo de inferioridade do brasileiro. O fato de o brasileiro se dizer
desconhecedor da língua de que é falante nativo tem a ver novamente como o fato de
identificar a língua à gramática normativa e esta a uma tradição cultural que, muitas
vezes, lhe foi imposta como superior e que está associada historicamente à cultura do
colonizador. O que ocorre, explica Bagno, é que o português falado pelo brasileiro é
diferente e não inferior ao falado em Portugal. Portanto, o segundo não deve ser usado

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 203 28/5/2010 09:57:34


204 Alguns aspectos da variação lingüística

como critério de avaliação do primeiro. Para marcar mais claramente a diferença, Bagno
chama a atenção para o fato de que os lingüistas preferem chamar o português falado no
Brasil de português brasileiro. No plano da linguagem escrita, o português de Portugal e do
Brasil são pouco divergentes, ainda mais agora com o novo acordo ortográfico que tende a
aproximar os modos de escrita, contudo, no que se refere à fala, constituem-se ambas
variantes legítimas da língua portuguesa e, como nos mostra Bagno, as duas se
distanciam, em muitos momentos, mas em diferentes caminhos, do que é tido como
norma gramatical. No Brasil, por exemplo, os pronomes “o”/ ”a” usados em posição
proclítica são muito pouco usados na linguagem falada, o mesmo se pode dizer do uso
das posições enclíticas das formas pronominais “lo” e “la”. Em vez de se dizer, no Brasil,
“eu o vi”, diz-se “eu vi ele”; em vez de “eu vou pegá-lo”, diz-se “eu vou pegar ele”. Estas
formas são usadas na fala apenas em situações mais formais, em momentos de produção
discursiva mais tensa, em que o enunciador pretende marcar que domina as regras
gramaticais de uso do pronome. Se estas formas de uso pronominal não são comuns na
língua falada pelo brasileiro e são mais corriqueiras na fala dos portugueses, por outro
lado, há outras construções que são mais comuns ao falante português e menos ao
brasileiro, mas que constituem, do mesmo modo, um desvio à regra gramatical. Por
exemplo, a expressão “mais pequeno” não é aceita no português brasileiro como sendo
correto, já em Portugal isso é de uso corrente. Conforme diz Bagno, do mesmo modo
como nós cometemos os nossos “pecados” contra a gramática normativa, os portugueses
também cometem os deles. Em Portugal, por exemplo, na língua falada, o plural de “tu”
não é o “voz”, mas “vocês” e quando se faz o uso dos possessivos, os portugueses usam o
"vosso”/“vossa” em referência a “vocês”, pronomes que, gramaticalmente, só poderiam
ser usados com “o vós”. Dizem, por exemplo: “Vocês trouxeram os vossos filhos?”.
Conclui Bagno, portanto, que nem o português brasileiro ou o falado em Portugal “é mais
certo ou mais errado, mais feio ou mais bonito: são apenas diferentes um do outro e
atendem às necessidades lingüísticas das comunidades que os usam, necessidades que
também são... diferentes!” (BAGNO, 1999, p. 32).

O terceiro mito atacado pelo lingüista em seu livro é aquele que se pauta na
afirmação de que o “português é muito difícil”. Como diz, essa idéia é “prima-irmã”
daquela de que “brasileiro não sabe português”. Essa afirmação tem a mesma origem na
falsa identificação da língua portuguesa à gramática normativa. O fato de não conhecer as
regras da gramática normativa não significa que um falante nativo do português não
saiba a sua língua. Aqui, faz Bagno uma distinção importante: “saber uma língua, no
sentido científico do verbo saber, significa conhecer intuitivamente e empregar com
naturalidade as regras básicas de funcionamento dela.” (BAGNO, 1999, p. 35). Segundo o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 204 28/5/2010 09:57:35


Luís Fernando Prado Telles 205

autor, esse mito é denunciado, por exemplo, por certas incongruências quanto à cobrança
de correção em relação à regra gramatical, visto que há casos mais evidentes que outros e
que, por isso, não são aceitos; outros, por serem menos evidentes, são aceitos por aqueles
mesmos que condenam aqueles primeiros. O exemplo é o caso da questão da regência do
verbo assistir, segundo Bagno,
Aquelas mesmas pessoas que, por causa da pressão policialesca da escola e da gramática
tradicional, usam a preposição a depois do verbo assistir, também dizem que “o jogo foi
assistido por vinte mil pessoas”. Ora, se o verbo assistir pede uma preposição é porque
ele não é transitivo direto, e só os verbos transitivos diretos podem, segundo as
gramáticas, assumir a voz passiva. Desse modo, quem diz “assisti ao jogo” não poderia,
teoricamente, dizer “o jogo foi assistido”. Só que essa esquizofrenia gramatical acontece
o tempo todo. Basta ler jornais como a Folha de S. Paulo e o Estado de S. Paulo, cujos
manuais de redação decretam que o verbo assistir tem que vir obrigatoriamente seguido
da preposição a. Na voz ativa, a preposição aparece: “Vinte mil pagantes assistiram ao
jogo”, porque assim manda o manual da redação. Mas na hora de usar a voz passiva, a
gramática intuitiva brasileira do redator se manifesta, e a gente encontra milhares de
exemplos do tipo “o jogo foi assistido por vinte mil pagantes”. Essas pessoas, então,
ficam em cima do muro: “acertam” na voz ativa, por causa do patrulhamento
lingüístico, mas “erram” na passiva, porque se deixam levar pelo uso normal do
português brasileiro. (BAGNO, 1999, p. 37)

Esse mito número três, segundo Bagno, teria alçado o chamado “português” ao
nível de uma entidade quase que mística e sobrenatural à qual apenas alguns poucos
iniciados teriam acesso. Esse mito seria responsável, ainda, por sustentar toda uma rede
mercadológica que faria dessa “dificuldade” do português um “produto com boa saída
comercial” (BAGNO, 1999, p. 38).

O mito de número quatro seria uma espécie de contrapartida lógica dos mitos
dois e três, uma vez que se “o brasileiro não sabe português” porque o “português é
muito difícil”, então, nada mais natural a conclusão de que “as pessoas sem instrução
falam tudo errado”. Esta seria a assertiva que sustentaria o quarto mito. Para trabalhar a
desconstrução desse mito, Bagno recorre novamente à discussão sobre linguagem e poder
e procura demonstrar, por meio de exemplos, como fenômenos exatamente idênticos do
ponto de vista lingüístico são valorizados de modos distintos a depender de quem os
produz. O primeiro caso trabalhado por Bagno é o fenômeno lingüístico da transformação
de “l” em “r” em encontros consonantais como pode ocorrer nas pronúncias de palavras
como “Cláudia/Craudia”, “chiclete/chicrete”, “planta/pranta”. Essas formas de
pronúncia estigmatizadas socialmente e consideradas muitas vezes como sinônimo de
“burrice”, na verdade constituem um fenômeno fonético, nos mostra Bagno, que está na
base da própria formação da língua portuguesa padrão. O fenômeno da transformação de
“l” em “r” na pronúncia de certas palavras numa variante coloquial, não padrão, do
português brasileiro é o mesmo que possibilitou a formação de algumas palavras do
português padrão. A esse fenômeno dá-se o nome de rotacismo e é o que explica a
formação de algumas palavras provindas do latim, tais como “praga”, que veio de

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 205 28/5/2010 09:57:35


206 Alguns aspectos da variação lingüística

“plaga”, “obrigar’ que veio de “obligare”, “fraco” que veio de “flaccu”, dentre outras
muitas. Chama a atenção Bagno, inclusive, para o fato de que o próprio Camões escreveu
“pubricar”, “pranta”, “frauta”, “frecha” em Os Lusíadas.

Outro exemplo é o fenômeno lingüístico da palatalização. Este nome é usado para


designar o fenômeno já mencionado anteriormente a respeito da pronúncia da consoante
“t” antes do som de “i”. Esse “t” é pronunciado como algo próximo de “tch”, assim, a
maioria dos falantes do sudeste pronuncia a palavra “titia” como “tchitchia”. Bagno
chama a atenção para o fato de muitos falantes nordestinos pronunciarem esse mesmo
som do “tch”, só que em ocorrências em que o som posterior é de “u” (não estarmos
usando os símbolos do alfabeto fonético, mas devemos frisar que estamos falando de som
e não de grafia). Portanto, não raro é possível encontrar a pronúncia “oitchu”para a
palavra escrita como “oito”. Tanto no caso da pronúncia da palavra “titia” quanto no da
palavra “oito” o fenômeno lingüístico é o mesmo, mas a avaliação que se faz de cada um
não é a mesma.

A conclusão de Bagno é simples. Se o fenômeno é o mesmo, mas nuns casos se


aceita e em outros não, em uns casos é tido como normal e em outros como “estranho”,
“engraçado” ou até “errado”, então o problema não está naquilo que se fala, mas em quem
fala o quê. Evidencia-se, assim, o fato de que o preconceito lingüístico decorre de outros
tipos de preconceito, como o social e o regional.

Bagno segue em sua cruzada contra o preconceito lingüístico e em seu trabalho


de desconstrução dos mitos sobre linguagem. O quinto mito é aquele que diz que “o lugar
onde melhor se fala o português no Brasil é o Maranhão”. Bagno chama a atenção para o
fato de se ter criado esse mito muito em razão do fato de nesse estado ainda se usar o
pronome de segunda pessoa seguido das formas verbais com a terminação “-s” própria
da segunda pessoa: “tu vais”, “tu queres”. O fato é que se os maranhenses fazem essa
concordância correta, por outro lado também dizem coisas do tipo como “esse é um bom
livro para ti ler”, em vez do que seria o correto: “Esse é um bom livro para tu leres”. Ou
seja, se eles “acertam”, por um lado, “erram”, por outro. Assim, Bagno demonstra a
falácia da argumentação generalizante de se tomar a fala de uma determinada região do
país como exemplo do português chamado correto segundo a gramática normativa. Esse
caso trabalhado por Bagno é apenas um meio usado pelo lingüista para combater aquilo
que entende por “ânsia de tentar atribuir a um único local ou a uma única comunidade de
falantes o ‘melhor’ ou o ‘pior’ português” e alerta para o fato de que “se tivermos de
incentivar o uso da norma culta, não podemos fazê-lo de modo absoluto”, em detrimento
de outras variantes lingüísticas.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 206 28/5/2010 09:57:35


Luís Fernando Prado Telles 207

Na parte de seu livro reservada à desconstrução do sexto mito, Bagno procura


argumentar contra o estabelecimento da escrita como paradigma de correção e de
julgamento da língua de um modo geral. O mito resume-se à seguinte afirmação: “O certo
é falar assim porque se escreve assim”. Contra esse mito, o lingüista chama a atenção para
o fato de que a escrita alfabética é uma tentativa de representação gráfica, convencional da
língua falada. Em sendo assim, seria uma incongruência querer inverter a situação e
cobrar da fala uma adequação à escrita. É um contra-senso querer estabelecer a escrita
como paradigma da língua falada. Em outros termos, em vez de se dizer pronuncie assim,
pois se escreve assim, o mais justo seria, considera Bagno, por exemplo, dizer a um aluno
que ele pode dizer “bonito” ou “bunito”, “louco” ou “loco”, mas que só pode escrever
“bonito” e “louco”, porque deve haver uma ortografia convencionada para a língua para
que todos possam ler e compreender o que se escreve.

O sétimo mito combatido por Bagno é aquele que afirma que “é preciso saber
gramática para falar e escrever bem”. De certo modo, esse mito incorre no mesmo engano
do anterior, da mesma forma que houve uma inversão na lógica da relação entre língua
falada e língua escrita, também ocorreu em relação à gramática. Esta, a princípio, deveria
servir para descrever e registrar as regras e funcionamentos da língua, seria, portanto,
para ser uma decorrência da língua. Contudo, alerta Bagno,
como a gramática, porém, passou a ser um instrumento de poder e de controle, surgiu
essa concepção de que os falantes e escritores da língua é que precisam da gramática,
como se ela fosse uma espécie de fonte mística invisível da qual emana a língua ‘bonita’,
‘correta’ e ‘pura’. (BAGNO, 1999, p. 64).

Esse mito número sete estaria centrado naquela confusão inicial já aventada
anteriormente de se tomar a gramática normativa como sinônimo de língua. Mas é preciso
desfazer essa confusão, diz Bagno, “não há por que confundir o todo com a parte”. Assim,
é possível considerar que conhecer a gramática normativa pode ser um dentre muitos
instrumentos que contribuem ao uso eficaz da língua falada e escrita, mas talvez não seja
uma condição exclusiva ou necessária.

O último dos mitos combatidos por Bagno é aquele que diz que o “domínio da
norma culta é um instrumento de ascensão social”. O lingüista também procura explicitar
a lógica perversa que dá base a essa formulação e demonstra que, na verdade, via de
regra, quem tem acesso à norma culta é quem já passou por um processo de ascensão
social, ou que já está numa posição privilegiada socialmente. Dominar ou não dominar a
norma culta não é garantia de ascensão social e o inverso também é verdadeiro, nada
garante que as pessoas privilegiadas econômica e socialmente possuam, de fato, maior
domínio da norma culta. O fato de terem condições mais facilitadoras não significa que,

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 207 28/5/2010 09:57:35


208 Alguns aspectos da variação lingüística

de fato, possuam maior domínio. Por outro lado, como diz Bagno, o domínio da norma
culta de nada vai adiantar a uma pessoa
que não tenha casa decente para morar, água encanada, luz elétrica e rede de esgoto. O
domínio da norma culta de nada vai servir a uma pessoa que não tenha acesso às
tecnologias modernas, aos avanços da medicina, aos empregos bem remunerados, à
participação ativa e consciente nas decisões políticas que afetam sua vida e a de seus
concidadãos. (BAGNO, 1999, p. 70)

Esses oito mitos sobre a língua, diz Bagno, resumem as crenças errôneas que
sustentam a permanência do preconceito lingüístico em nossa sociedade. Ao final do
livro, lista uma série de noções que devem ser levadas em consideração para se assumir
uma nova postura diante da língua na luta contra o preconceito lingüístico. A essas
noções Bagno dá o nome de “cisões” e as endereça aos professores de língua portuguesa,
mas cabem perfeitamente a todo falante de português. Para a luta contra o preconceito
lingüístico, é necessário:
1. “Conscientizar-se de que todo falante nativo de uma língua é um usuário
competente dessa língua, por isso ele sabe essa língua”;
2. “Aceitar a idéia de que não existe erro de português”, mas “diferenças de uso ou
alternativas de uso em relação à regra única proposta pela gramática normativa”;
3. “Não confundir erro de português com simples erro de ortografia”;
4. “Reconhecer que tudo o que a gramática normativa chama de erro é na verdade
um fenômeno que tem uma explicação científica perfeitamente demonstrável”;
5. “Conscientizar-se de que toda língua muda e varia. O que é hoje visto como
‘certo’ já foi ‘erro’ no passado. O que hoje é considerado ‘erro’ pode vir a ser
perfeitamente aceito como ‘certo’ no futuro da língua”;
6. “Dar-se conta que a língua portuguesa não vai nem bem, nem mal, ela
simplesmente vai...”;
7. “Respeitar a variedade lingüística de toda e qualquer pessoa, pois isso equivale a
respeitar a integridade física e espiritual dessa pessoa como ser humano,
porque”
8. ”A língua permeia tudo, ela nos constitui enquanto seres humanos, nós somos a
língua que falamos”.
9. (BAGNO, 1999, p. 143-144)

6. MODALIDADES DE LINGUAGEM E A PRODUÇÃO DO TEXTO ESCRITO

Desse nosso passeio pela cruzada de Bagno contra o preconceito lingüístico deve resultar,
sim, a relativização de um entendimento de língua a partir do paradigma único da
gramática normativa, mas isso não quer dizer que devamos jogar tudo para o alto e
entregarmo-nos a um vale tudo lingüístico. Respondendo a uma pergunta que ele próprio
formula, Então, vale tudo?, Bagno dirá que o uso da língua, tanto em sua modalidade oral
como escrita, deverá encontrar o ponto de equilíbrio entre os eixos da adequabilidade e o da
aceitabilidade. Por exemplo, não é aceitável e nem adequado se cobrar a estrutura e a
correção gramatical de um texto escrito no discurso oral, ainda mais se este discurso for
pertinente a uma situação informal de comunicação. A modalidade escrita da língua é
aquela em que o paradigma da gramática normativa se faz mais adequado, e, mesmo

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 208 28/5/2010 09:57:35


Luís Fernando Prado Telles 209

assim, isso dependerá do nível de formalidade, de informalidade e de outras


condicionantes do texto.

Em seu outro livro, Bagno dá a dica para resolvermos a relação com a gramática
normativa. Em vez de subordinarmos a nossa linguagem ao paradigma único da
gramática com o fito de ficarmos nos policiando quanto ao certo e o errado, deveríamos
inverter a situação e usarmos o conhecimento de gramática a favor de nossa atuação
lingüística. Sugere que devamos “fazer da gramática o instrumento para tocar a música da
linguagem” (BAGNO, 2000, p. 311) e, assim, substituirmos a gramática pela dramática da
linguagem, por meio da qual atuamos enquanto sujeitos. Nesse sentido, escrever, para
Bagno (2000, p. 311) “não é alinhar mecanicamente uma série de palavras ou de orações. É
ter plena consciência de que cada palavra, de que cada oração é apenas uma brecha para o
mundo, e que é este mundo que é importante, interessante, vital”.

Estas palavras de Bagno servem não apenas para encerrar este artigo, mas
iluminam o trabalho posterior, a ser desenvolvido nas duas aulas seguintes sobre a
construção do texto escrito e, porque não dizer, dos modos de constituição do sujeito
enquanto ator em sua língua, para nos aproximarmos, aqui, de uma perspectiva mais
dramática sobre a linguagem.

REFERÊNCIAS
BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 1999.
______. Dramática da língua portuguesa: Tradição gramatical, mídia & exclusão social. São Paulo:
Edições Loyola, 2000.
GNERRE, Maurízio. Linguagem e poder. Subsídios à proposta curricular de língua portuguesa
para o 1º. e 2º. graus. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo - Secretaria de Estado da
Educação, 1988, p. 61-63. (Coletânea de Textos – Volume I).
SAVIOLI, Franciso Platão; FIORIN, José Luís. Manual do candidato: português. Brasília: Fundação
Alexandre de Gusmão, 2001.

Luís Fernando Prado Telles


Possui bacharelado e licenciatura em
Letras (1997), mestrado (2000) e
doutorado (2009) em Teoria e História
Literária pela Universidade Estadual de
Campinas, ambos na área de Literatura
Portuguesa. Desde 2001, atua como
professor de nível superior nas áreas de
Língua Portuguesa e de Literatura. Participou, na
qualidade de parecerista, da equipe responsável pela
elaboração do Catálogo do Programa Nacional do Livro
Didático para o Ensino Médio (PNLEM/2005) proposto
pelo Ministério da Educação. Atuou como professor dos
cursos de formação continuada para professores do
Ensino Fundamental e Médio oferecidos pela Secretaria

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 209 28/5/2010 09:57:35


210 Alguns aspectos da variação lingüística

do Estado da Educação de São Paulo em conjunto com a


Unicamp (2005-2006). Foi professor das Faculdades de
Campinas-Facamp de 2002 a 2009. Atualmente é
Supervisor Acadêmico da Área de Educação e Humanas
do Departamento de Pós Graduação e Extensão da
Anhanguera Educacional S.A. Áreas de atuação e de
interesse: Literatura Portuguesa, Teoria da Literatura,
Teoria do Romance, Teoria da Narrativa, Teoria da
Modernidade e Pós-modernidade.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 195-210

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 210 28/5/2010 09:57:35


Anuário da Produção PESQUISA NA INTERNET, DIREITOS AUTORAIS E
Acadêmica Docente DISTÂNCIA TRANSACIONAL1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Ronaldo Barbosa RESUMO


Anhanguera Educacional S.A.
ronaldo.barbosa@unianhanguera.edu.br Neste artigo são apresentadas recomendações sobre como utilizar a Internet
para potencializar pesquisas escolares, uma introdução à modalidade de
ensino a distância (EaD) por meio da apresentação do modelo de distância
transacional e um apanhado sobre questões de direitos autorais no mundo
digital.

Palavras-Chave: internet; ensino a distancia; distância transacional; direito


autoral.

ABSTRACT

This article presents recommendations on how to use the Internet to


empower school research, an introduction to the sport of distance learning
by presenting the model of transactional distance and an overview on
copyright issues in the digital world.

Keywords: Internet; distance learning; distance transactional; copyright.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 2ª. aula da Disciplina Tecnologias Aplicadas ao ensino e
Desenvolvimento Educacional - IPADE
aprendizagem, ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e
Informe Técnico Metodologia do Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação
Recebido em: 25/7/2009 Docente. Valinhos, SP: Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 24/2/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
211

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 211 28/5/2010 09:57:35


212 Pesquisa na Internet, direitos autorais e distância transacional

1. PESQUISA NA REDE INTERNET

A Internet fez desaparecer as antigas enciclopédias impressas, certo? Errado. Pode-se ler
na revista Veja (edição de 15 de fevereiro de 2009) que a enciclopédia Barsa teve seu
faturamento triplicado nos últimos cinco anos, recuperando-se do descrédito em que
estava mergulhada desde 1997, sob o efeito da Internet.

A Internet apesar de ser um meio mais barato e rápido de se fazer pesquisas ou


consultar informações, é vista com reserva por muitos pais e educadores: os estudantes se
dispersam facilmente, visitam sites não relacionados aos temas das pesquisas e usam
fontes de credibilidade duvidosa. Assim, os vendedores da Barsa conseguem convencer
muitos pais de que o velho formato impresso de enciclopédia ainda é válido por conter
informações suficientemente atualizadas e confiáveis e, portanto, adequadas às pesquisas
escolares. Para muitos professores, mecanismos como o Google, convidam o estudante a
não pensar, o ato de “copiar-colar” de material contido no primeiro ou segundo link
dominaria a idéia de “pesquisa” na cabeça dos estudantes.

Embora o “copiar-colar” seja tão antigo quanto o lápis e o papel, há agora com os
computadores ao menos duas novidades com as quais nós professores precisamos
aprender a lidar: (i) acessibilidade imediata a um volume imenso de fontes de informação
com e sem qualidade comprovada; (ii) facilidade do ato em si mesmo, pois o aluno não
precisa nem mesmo ler antes de copiar, bastam dois ou três cliques com o mouse para
transferir o material. Diante disso, inclusive no ensino superior, conhecemos casos de
alguns professores chegam a proibir a entrega de trabalhos digitados no computador na
intenção de inibir assim a prática de plágio por parte dos alunos.

2. EVOLUÇÃO DAS ENCICLOPÉDIAS NO COMPUTADOR

Os esforços para disponibilizar enciclopédias em formato digital começaram com as


enciclopédias em CD-ROM como Encarta ou Grolier. As últimas versões dessas
enciclopédias acenavam para o formato online: era possível aprofundar as pesquisas via
Internet em sites associados a esses softwares. Com as facilidades de acesso à rede, os
mecanismos de busca evoluíram da simples localização de ocorrências de palavras em
títulos de sites, para uma busca cada vez mais detalhada fazendo com que as
enciclopédias em CD-ROM (estas sim!) desaparecessem ou se tornassem um mero
complemento da enciclopédia impressa.

Gradualmente, sites especializados do gênero enciclopédia, mas que contivessem


informações confiáveis apropriadas para pesquisas escolares como ocorria nas antigas

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 212 28/5/2010 09:57:35


Ronaldo Barbosa 213

enciclopédias impressas, ganharam um novo interesse. Exemplo disso é o site Wikipédia


(http://pt.wikipédia.org), livre e gratuito, talvez o website mais visitado do mundo. No ar
desde 2001, o Wikipédia conta com mais de 20.000 voluntários em todo o mundo e possui
atualmente mais de 3 milhões de artigos em 200 idiomas. Além de disponibilizar
gratuitamente em um mesmo espaço informações sobre inúmeros assuntos, a novidade é
que o Wikipédia permite ao próprio internauta não profissional incluir novas entradas em
suas bases de dados. Essa abertura gerou óbvios problemas de inconsistência e o risco do
Wikipédia também não ser uma fonte confiável.

Uma pesquisa recente da revista Nature, entretanto, desmente isso. Comparando


a veracidade de informações na Wikipédia e na Enciclopédia Britânica impressa, a pesquisa
da Nature surpreende: com relação a fatos, omissões ou declarações duvidosas, o balanço
foi de 162 falhas na Wikipédia e 123 na Britânica. Isso significa que a Wikipédia já é quase
tão eficiente quanto a tradicional Enciclopédia Britânica e que em breve possa superá-la.
Entretanto, usar o Wikipédia ou a Enciclopédia Britânica como fonte única de consulta é
arriscado e restritivo, sob qualquer circunstância.

3. SUGESTÕES PARA AVALIAR CONFIABILIDADE DE INFORMAÇÕES NA


INTERNET

A web tornou possível obter informação de qualquer lugar do mundo em poucos cliques
de mouse. Mas como avaliar a qualidade e precisão daquela informação? A Universidade
de Alberta (EUA) recomenda seis aspectos que devem ser observados pelos estudantes e
que procuramos sintetizar no Quadro 1.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 213 28/5/2010 09:57:35


214 Pesquisa na Internet, direitos autorais e distância transacional

Quadro 1 – Evaluating Information Found on the Internet (adaptado).


Controle de qualidade Quando procurar material na Internet, lembre-se de que não há controle de
qualidade, nem tudo que está na Internet é verdade, e que nem toda
informação está publicada na Internet.
Necessidades de pesquisa Antes de procurar na web, saber o tipo de informação que lhe interessa
ajudará na seleção de links que você recebe. Por exemplo, se você digitar o
termo de busca “pena de morte” em um mecanismo de pesquisa, você
receberá milhares de links. Mas você busca opinião pessoal, pesquisa
histórica, informação do governo, dados estatísticos, ou artigos de pesquisa?
Saber o tipo de informação de que você precisa facilita muito a seleção de
links.
Autoria Quem escreveu isso? É pesquisador universitário?
Está afiliado a alguma instituição ou organização? Qual?
Que outros trabalhos ele publicou?
Ponto de vista É boa prática discernir ponto de vista, opinião ou subjetividade.
Estatísticas e bibliografia suportam bons pontos de vista.
Cheque URL’s e lembre-se de que corporações e organizações sócio-
políticas devem apresentar a si mesmas da forma mais clara possível.
Conteúdo Verifique se o conteúdo do site é satírico, educacional, entretenimento, ou
apresentação de pesquisa. O texto que o site veicula possui referências
bibliográficas? Quais?
Comparabilidade Cheque outros websites para validar a informação verificando se são
suportados por outros autores de reputação na mesma área.
Procure as mesmas coisas em outra fonte de pesquisa, cruze informações!
Fonte: <http://www.library.jhu.edu/researchhelp/general/evaluating/index.html>. Acesso em: 15 jul. 2009.

4. SUGESTÕES PARA SOLICITAR TRABALHO DE PESQUISA ESCOLAR NA


INTERNET

Existem inúmeros bons sites de pesquisa nas mais diversas áreas. Se a primeira idéia é
recomendar aos alunos que acessem links que constem de livros ou revistas
especializadas, pode ser interessante também tentar novos caminhos. Para auxiliar o
professor, elaboramos algumas recomendações, fruto de discussões em cursos de
formação de professores da rede pública estadual que temos participado, com alguns
relatos de bons resultados.

Antes de recomendar a pesquisa escolar na Internet, caberia ao professor(a):

1) Ter clara as diferenças entre fazer uma “busca” e uma “pesquisa” e qual a
importância disso para a formação de seus alunos naquele tópico.
2) Evitar pesquisas muito amplas ou sem referências. Por exemplo, em lugar
de sugerir uma pesquisa sobre “tsunamis”, sugerir a busca dessa palavra
no site da Revista Ciência Hoje (http://www.nature.com).
3) Limitar a extensão do texto a ser entregue uma vez que trabalhos mais
curtos são mais difíceis de serem copiados e exigem reelaboração (um
grupo de professores em discussão sobre este assunto chegou a um limite
de trinta linhas de texto em formato padrão Arial 12).
4) Aprofundar o que sabe sobre o funcionamento de mecanismos de busca
como o uso de filtros, delimitadores e recursos de pesquisa avançada.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 214 28/5/2010 09:57:35


Ronaldo Barbosa 215

Compartilhar esse conhecimento com os alunos.


5) Mostrar aos alunos como o próprio mecanismo de busca pode ser usado
para detectar plágio (colocando passagens suspeitas do texto entre aspas e
repetindo a busca, por exemplo). Apelar ao uso de detectores de plágio
como o software Farejador (http://www.farejadordeplagio.com.br).
6) Sugerir aos alunos que visitem e conheçam sites famosos pelo esquema de
venda de trabalhos escolares e debater em sala de aula sobre questões de
plágio, autoria, originalidade e legalidade entre outras. Em um sentido
mais amplo, permitiria contemplar idéias de como a ciência e o próprio
conhecimento é construído, validado e compartilhado (e também
descartado ou copiado).

5. ENSINO A DISTÂNCIA: FERRAMENTA DA MODERNIDADE

Os avanços tecnológicos dos últimos anos geraram novos comportamentos e novas


demandas. Com o uso ostensivo de computadores, temos cada vez mais opções de lazer,
cultura e acesso a novas formas de informação e conhecimento. Há quem diga que a
escola atravessa hoje uma revolução copernicana.

Durante muito tempo os processos educacionais foram vistos como pouco


dinâmicos, onde os atores (alunos, professores, planejadores) desempenhavam papéis
bem definidos. Cabia ao professor transmitir conhecimentos aos alunos que os recebiam
passivamente. Dessa forma, o professor era detentor ou fonte exclusiva do conhecimento.
A modernidade mudou isto. Professores e alunos tornaram-se atores de processos mais
dinâmicos de aprendizagem onde os alunos têm a possibilidade de escolher o quê,
quando, onde e como aprender.

Outro componente desta mudança na educação foi a possibilidade de acesso


instantâneo a um volume inimaginável de informações. Transformar dados e informação
em conhecimento, e o sujeito não se contentar com um conhecimento que chega pronto e
acabado, tornou-se habilidade indispensável para os estudantes do século XXI.

A tecnologia atual nos possibilita imaginar novos modelos de educação


inspirados no auto-aprendizado, na autonomia do aluno e na interação comunicacional,
de forma que nos afastamos cada vez mais dos currículos fechados e pré-definidos.
Nascem assim ferramentas de EaD apoiadas na Internet. Além de flexibilização de espaço
e tempo, traços comuns da EaD em qualquer época, a Internet estendeu as oportunidades
de experiências de aprendizado a níveis sem precedentes.

Para muitos autores, são características da modalidade EaD, entre outras:

• a massificação do ensino;
• autonomia do aluno.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 215 28/5/2010 09:57:35


216 Pesquisa na Internet, direitos autorais e distância transacional

Os primeiros resultados do ENADE (exame do MEC que avalia o ensino


superior), demonstram que os alunos que ingressaram em cursos superiores com essa
modalidade de ensino, na maioria das áreas estão se saindo melhor do que os estudantes
que fazem o mesmo curso, mas da maneira tradicional (ALUNO, 2007).

6. CONCEITO DE DISTÂNCIA TRANSACIONAL

Desenvolvido por Michael G. Moore o conceito de distância transacional é importante


para localizar as variáveis em jogo em um curso na modalidade EaD, tanto do ponto de
vista de quem participa diretamente do processo (aluno, professor, tutor), como do ponto
de vista de quem administra ou modela um novo curso. O conceito tem funcionado
também como ferramenta para comparar diferentes modelos de cursos EaD, ou mesmo
para comparar o modelo de ensino presencial com modelos de ensino a distância, ou,
ainda, como um caminho para flexibilizar o ensino presencial tradicional.

Isso se deve ao fato de que, em resumo, o conceito de distância transacional


corresponde a um espaço psicológico e comunicacional entre alunos e professores, espaço
este que não depende da distância física entre os envolvidos. Em lugar da distância física,
a distância transacional depende de como as seguintes variáveis se equacionam: (i)
autonomia do aluno, (ii) estrutura do curso e (iii) interação.

6.1. Distância transacional: variável Autonomia do aluno

Relacionada à capacidade do aluno em depender menos da participação do professor e de


ser capaz de controlar os principais processos de ensino-aprendizagem nos quais está
envolvido. Atividades interativas diversas podem reduzir a distância transacional,
tornando os alunos mais autônomos. Alunos autônomos não dependem tanto da
estrutura do curso, já alunos menos autônomos tendem a exigir mais interação e uma
maior estrutura formal dos cursos.

O sucesso de um curso EaD depende, entre outros fatores, de os alunos serem


capazes de desenvolver a capacidade de estudar de forma autônoma, o que é não trivial
conforme relata Peters (2004):
Os alunos têm de desenvolver, se acostumar e até mesmo internalizar uma nova
abordagem, porque têm de organizar a aprendizagem independentemente e têm que
assumir para si muitas responsabilidades que antes eram dos professores. Têm que ser
ativos não apenas ao executar suas tarefas de aprender, mas também ao interpretar e
refletir criticamente sobre o que estão fazendo quando aprendem. (PETERS, 2004).

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 216 28/5/2010 09:57:35


Ronaldo Barbosa 217

6.2. Distância transacional: variável Interação

Relacionada à comunicação interna entre os participantes de um processo de ensino e


aprendizagem. Quanto maior é a interação, menor é a distância transacional. São fatores
que afetam a interação: número de alunos por professor ou tutor, oportunidades de
comunicação, personalidade dos alunos e professores. Entre exemplos de promoção da
interação entre alunos, incluem-se fóruns eletrônicos, chats, videoconferências, e-mail, blogs
e outros.

6.3. Distância transacional: variável estrutura

Compõe a estrutura de um curso: apresentação, suporte, avaliação e a forma como o curso


se organiza. Quando o curso é aberto ao diálogo, essa estrutura pode ser adaptada
conforme os interesses e estilo cognitivo do aluno, o que contribuiria, nesse caso, para
uma menor distância transacional. Um exemplo de um curso de estrutura rígida é aquele
onde não há possibilidade de modificações na forma como é organizado. Teríamos a
distância transacional elevada, por exemplo, em um curso transmitido pela televisão em
horário fixo, pois a estrutura seria fixa ao longo do curso.

7. QUESTÕES DE DIREITO AUTORAL – ALGUMAS IDÉIAS LIVREMENTE


EXTRAÍDAS DE SALINAS (2006)

7.1. Direito Autoral: o que é? O que protege?

O Direito Autoral protege ‘as criações do espírito humano’ [...] que se destinam à difusão
do conhecimento e ou da cultural (SALINAS, p. 20), ‘independentemente do mérito ou do
valor da criação intelectual’, ou seja, ‘pouco importa se o texto é bom ou ruim (ibidem, p.
25).

Em síntese, proteção ‘não cogita a qualidade da obra, mas o fato de ela ser o
resultado de uma criação intelectual’ (ibidem, p. 25).

Esta proteção abrange o direito ao nome, ou seja, ‘todo autor tem o direito a que
seja colocado o seu nome [...] em cada forma de utilização da obra’ (ibidem, p. 32), por isso,
consideramos plágio e ofensa aos direitos autorais a usurpação de textos, vídeos e
imagens, sem a devida referência.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 217 28/5/2010 09:57:35


218 Pesquisa na Internet, direitos autorais e distância transacional

Curiosidade: A palavra ‘plágio’ significa, em latim, ‘o furto do homem livre para


ser escravo e analogamente foi introduzido para significar o furto de obra intelectual para
fazê-la passar como sendo de autoria de outrem’ (ibidem, p. 20).

7.2. Obras protegidas pelo direito autoral

A título de exemplo, são protegidos: os textos de obras literárias, artísticas ou científicas;


conferências, composições musicais; ilustrações, obras de desenho e audiovisuais; as
adaptações, traduções e outras transformações de obras originais, apresentadas como
criação intelectual nova; programas de computador (enumeração do artigo 7º da Lei nº
9610/98 – Lei dos Direitos Autorais).

7.3. Obras NÃO protegidas pelo direito autoral

De outro lado, há obras que não tem proteção de Direito Autoral: (enumeração do artigo
8º da Lei nº. 9610/98 – Lei dos Direitos Autorais).

a) textos de lei;
b) idéias, procedimentos normativos, sistemas, métodos, projetos ou conceitos
matemáticos como tais (por exemplo, fórmulas matemáticas);
c) os esquemas, planos ou regras para realizar atos mentais, jogos ou
negócios;
d) os formulários em branco;
e) as informações de uso comum tais como calendários, agendas, cadastros ou
legendas;
f) o aproveitamento industrial ou comercial das idéias contidas nas obras.

7.4. Para utilizar obra protegidas pelo direito autoral

Em regra, para utilização de obra intelectual de terceiros, há:

a) ‘obrigatoriedade de licença, prévia e expressa’;


b) a possibilidade que o autor delimite as condições de uso da obra (ibidem, p.
29).

Excepcionalmente, admite-se o ‘uso livre’ (ou seja, o uso da obra intelectual,


independente do prévio consentimento do autor ou remuneração). Esta possibilidade
excepcional está fundada no ‘interesse público’.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 218 28/5/2010 09:57:35


Ronaldo Barbosa 219

7.5. Obras de uso livre

Hipóteses de uso livre de obra intelectual (exceções à regra) (enumeração do artigo 46º
da Lei nº. 9610/98 – Lei dos Direitos Autorais).
Direito de Citação: constitui uma das mais importantes limitações ao direito do autor. A
citação deve ser feita em livros, jornais, revistas, artigos ou qualquer outro meio de
comunicação (não no anúncio publicitário, por exemplo).

Características da citação:

• Deve estar imbuída da finalidade de realizar estudo ou crítica.


• Deve ser feita de forma acessória em relação à obra principal, com o
caráter de ilustração do assunto ou tema que está desenvolvendo.
• Sempre indicar autor e fonte.

REFERÊNCIAS
ALUNO a distância vai melhor no Enade. Folha Online – Educação, São Paulo, 10 set. 2007.
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u327081.shtml>.
BRASIL. Presidência da República. Casa Civil - Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9610/98 –
Lei dos Direitos Autorais, 19 fev. 1998. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l9610.htm>. Acesso em: 22 jul. 2009.
MOORE, M. Teoria da distância transacional. Disponível em:
<http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2002_Teoria_Distancia_Transacion
al_Michael_Moore.pdf>.
PETERS, Otto. A educação a distância em transição. São Leopoldo: Unisinos, 2007.
SALINAS, Rodrigo Kopke. Introdução ao direito autoral. In: CRIBAI, Isabela (Org.). Produção
cultural e propriedade intelectual. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2006.

Ronaldo Barbosa
Graduação em Engenharia de
Computação pela Unicamp (1996),
especialização em jornalismo científico
(2004, Labjor-Unicamp) e mestrado em
Geociências pela Unicamp (2003). Cursa
doutorado no Instituto de Geociências da
Unicamp na área de Ensino e História da
Ciência. Ministra disciplinas em cursos de graduação e
pós-graduação nas áreas de Educação, Engenharia,
Sistemas de Informação e Comunicação. Atualmente é
professor titular da UNIP (Campinas), FPJ (Jundiaí),
Metrocamp (Campinas). É Supervisor de Ensino a
Distância (EaD) do Departamento de Pós-Graduação da
Anhanguera Educacional SA (AESA). Desenvolve
periféricos de computador para deficientes e softwares
educacionais para ensino fundamental, médio e
superior. Possui experiência nas áreas de Educação e
Tecnologia, com ênfase em Softwares Educativos e
Internet, atuando principalmente nos seguintes temas:
ensino de ciências, tecnologia educacional, Ensino a
Distância, engenharia de software, ensino de geociências
e formação de professores para uso de novas tecnologias
educacionais.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 211-219

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 219 28/5/2010 09:57:35


ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 220 28/5/2010 09:57:35
Anuário da Produção ÉTICA E REAVALIAÇÃO:
Acadêmica Docente A PERSPECTIVA DE LEONARDO BOFF1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Adriana Camargo Pereira RESUMO


Anhanguera Educacional S.A.
adriana.camargo@unianhanguera.edu.br O artigo traz uma reavaliação da Ética a partir da reflexão do teólogo
Leonardo Boff, intitulada A Ética e a formação de valores na sociedade. O texto
analisa os três eixos fundamentais da crise que surge com o impacto do
desenvolvimento mal planejado, que são a apartação social, o sistema de
trabalho e o alarme ecológico, e discute uma nova base ética fundamentada
no cuidado, na solidariedade e na responsabilidade.

Palavras-Chave: ética; responsabilidade sócio-ambiental; formação de


valores; Leonardo Boff.

ABSTRACT

The article offers a reassessment of Ethics from the reflection of the


theologian Leonardo Boff, entitled “A Ética e a formação de valores na sociedade“
(Ethics and the formation of values in society). The paper examines the three
fundamental axes of the crisis that arose with the impact of poorly planned
development, which are the social apartheid, the system worked and the
alarm ecological, and discusses a new foundation based on care ethics,
solidarity and responsibility.

Keywords: ethical; social and environmental responsibility; formation of


values; Leonardo Boff.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Ética e Responsabilidade Socioambiental,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 15/08/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 16/02/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
221

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 221 28/5/2010 09:57:35


222 Ética e reavaliação: a perspectiva de Leonardo Boff

1. A ÉTICA E A MORAL

A Terra se formou há 4,5 bilhões de anos. Há 3,8 bilhões de anos a primeira forma de vida
a estabilizar na terra na terra foi, provavelmente, uma espécie de alga. Há 225 milhões de
anos iniciou o reino dos dinossauros, e há 65 milhões de anos uma colisão de um
asteróide com a Terra os extinguiu. Começou então o reino dos mamíferos. Há 500 mil
anos surgiu o homo erectus, ancestral dos atuais seres humanos modernos.

Nessa evolução, podemos considerar que, por o lado, o homem tem poucos anos
de existência e, por outro lado, compõe um ecossistema bem maior. Segundo o
paleontólogo Fahad Moysés Arid, da Universidade Estadual Paulista, se compararmos a
Terra a uma árvore, a humanidade não passa de um raminho, desses que só servem de
suporte para uma única folha, perdida no meio da copa frondosa. Não somos sequer um
ramo longo.

No entanto, o homem vem provocando grandes impactos, desde o início de sua


existência, vêm ocasionando grandes mudanças no meio ambiente. No último século, o
processo industrialista, a urbanização, o crescimento populacional fizeram com que a
Terra ultrapassasse sua capacidade de resistência e de regeneração, segundo vários órgãos
de acompanhamento ecológico mundial.

No momento atual, a humanidade sente nitidamente o impacto do


desenvolvimento mal planejado, chagando a questionar desde seus valores enquanto
indivíduo e sociedade, até seus modos de produção e consumo. Essa crise que afeta todas
as sociedades é, segundo Leonardo Boff, estrutural,
[...] atinge os fundamentos da civilização que construímos nos últimos séculos e que hoje
é globalizada. Essa crise alcançou níveis tão agudos que nos obriga a pensar e a
encontrar saídas inovadoras se quisermos dar conta, de forma responsável, das
intimidações e dos desafios que a realidade nos apresenta e que envolvem tanto o
presente quanto o futuro da humanidade (BOFF, 2003).

Para compreendermos os conceitos de Responsabilidade Socioambiental,


Desenvolvimento Sustentável, Responsabilidade Empresarial, devemos inicialmente
entender os questionamentos que estão sendo feitos pela humanidade em relação aos seus
valores e atitudes, a partir do estudo da Ética. Para iniciar esse estudo o presente texto
traz uma análise das reflexões sobre a Ética e a Moral, a partir de Leonardo Boff. A Carta
da Terra fundamenta, também, essa abordagem.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 222 28/5/2010 09:57:35


Adriana Camargo Pereira 223

2. A ÉTICA E A FORMAÇÃO DE VALORES NA SOCIEDADE

A base da construção ética, cujo campo é a prática, está fundamentada na pressuposição


de que a ética surge quando o outro surge diante de nós. O outro pode ser nós mesmos
quando analisamos nossa consciência e identificamos o ódio, a compaixão, a
solidariedade, a vontade de dominação ou de cooperação para, assim, percebermos as
conseqüências de nossos atos.

O outro pode ser aquele que está a sua frente, homem, mulher, criança, amarelo,
negro, portador de deficiência, indigente ou empresário. Pode ser uma comunidade, a
sociedade como um todo e de uma forma mais global, pode ser a natureza, a Terra. Diante
do outro ninguém pode ser indiferente, e é nessa relação que surge a ética. Ao dar-se
conta de sua responsabilidade, da conseqüência dos seus atos, que podem ser ruins ou
bons para o outro surge a ética.

O panorama mundial da crise financeira, guerras, miséria, mudanças climáticas,


coloca em questão a relação do indivíduo com outro, visto que a conseqüência de seus
atos demonstra uma relação antiética entre indivíduos, comunidades, países, e do homem
com a própria Terra. O teólogo Leonardo Boff, na sua reflexão intitulada A Ética e a
formação de valores na sociedade, aponta três eixos fundamentais dessa crise: a apartação
social, o sistema de trabalho e o alarme ecológico.

A apartação social, gerada pela pobreza e pela miséria, é representada por


milhões de excluídos em todo o mundo, “os considerados zeros econômicos que sobrevivem
à margem da sociedade e, por também serem humanos, gritam querendo viver, participar
e cada vez mais repudiam o veredicto de morte que pesa sobre sua vida (idem)”.

Segundo Indicadores de Desenvolvimento Mundial 2007 do Banco Mundial, a


pobreza extrema diminuiu 21% entre 1990 e 2004. Mas cerca de 985 milhões de pessoas
ainda vivem com menos de U$ 1 por dia. O estudo ainda mostra que 10 milhões de
crianças menores de cinco anos morrem todos os anos por causa de doenças que podem
ser prevenidas. No Brasil, segundo o Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento, 7,5 milhões de brasileiros ainda têm renda domiciliar inferior a um
dólar por dia.

Segundo dados publicados no Estado do Mundo em 2005, dos 6,6 bilhões de


habitantes do planeta, apenas 1,7 bilhões conseguem consumir além de suas necessidades
básicas (25%); 1/3 da população, que significam 2 bilhões de pessoas, não têm acesso à
energia, como eletricidade e combustíveis fósseis (petróleo, gás natural etc.). Ainda

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 223 28/5/2010 09:57:35


224 Ética e reavaliação: a perspectiva de Leonardo Boff

segundo o mesmo estudo, em 2025, se nada for feito, 4 bilhões de pessoas (metade da
população mundial) estarão sem acesso a saneamento básico.

Leonardo Boff considera o risco de que efetivamente a humanidade aceite como


inevitável essa apartação mundial, e que os desiguais deixem de ser desiguais e passem a
ser dessemelhantes e, portanto, não mais pertencentes à família humana, o que leva a
percepção de que os laços de cooperação e solidariedade são mínimos em todo o mundo.

O segundo eixo da crise está no sistema de trabalho. O mundo passa por uma
grave crise de emprego. O capital especulativo conquistou a hegemonia sobre o capital
produtivo, demonstrando que a lógica da economia de mercado mundial é muito mais
competitiva do que cooperativa.

Outro problema está relacionado ao desenvolvimento tecnológico, que apesar de


representar um avanço para humanidade, tem sérias conseqüências sociais, gerando altos
índices de desemprego. As sociedades foram construídas com base no trabalho e vivemos
hoje um desenvolvimento sem trabalho.
E aqueles que estão no ócio vão se multiplicar aos milhões. O desafio é descobrir como
passar de uma sociedade de pleno emprego para uma sociedade de plena ocupação; é
saber como tornar criativo o ócio, resgatando o sentido originário do trabalho como
forma humana de plasmar o mundo, e dando sentido à nossa vida, ao recuperar nossa
dignidade e nossa condição de seres criativos (ibidem).

Como podemos promover o desenvolvimento sustentável quando o próprio


desenvolvimento torna as pessoas cada vez menos capacitadas para o atual mundo do
trabalho. Segundo pesquisa realizada em 2008 pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil
(CGI), apenas 28% dos brasileiros possuíam computador e 20% tinham acesso a Internet.
Ainda para ficar neste levantamento, 61% dos brasileiros não usavam a internet e o
computador por falta de habilidade.

Considerando ainda que no Brasil somente 11% dos jovens, entre 18 e 24 anos,
têm acesso a educação superior (MEC), e que no mundo são mais de 100 milhões de
crianças em idade escolar fora da escola, percebemos que o sistema educacional e de
trabalho precisa ser repensado, no sentido de promover a inclusão social e o resgate da
dignidade do homem.

Se considerarmos os dados brutais, como os publicados pelo Instituto Akatu, de


que no Brasil, em 2007, cento e noventa e dois empreendimentos foram autuados em 16
estados diferentes, por manter trabalhadores em situação análoga à de escravos, então
percebemos a emergência da mudança.
Nós nos constituímos pelo trabalho. É preciso criar outro padrão de civilização.
Devemos buscar outro tipo de relação social, de relação com a natureza, e encontrar
outra forma de interpretar o trabalho. Tudo isso suscita um enorme problema ético:

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 224 28/5/2010 09:57:35


Adriana Camargo Pereira 225

como organizar a sociedade para que as pessoas não se sintam excluídas, destituídas
dela (ibidem).

O terceiro eixo da crise está no que Boff chama de alarme ecológico.


A Terra sofre um estresse fantástico em todos os seus ecossistemas. A espécie humana
ocupa 83% do planeta, e este, dada a voracidade do processo industrialista, já
ultrapassou em 20% a capacidade de resistência e de regeneração, segundo contatam
vários órgãos de acompanhamento ecológico mundial (ibidem).

Isso quer dizer que consumimos em 12 meses o que a natureza leva 16 meses
para produzir.

Esse estresse transparece fundamentalmente em dois pontos. Um deles é a falta


de alternativas para energia fóssil, outro é a crise da água potável. Os combustíveis fósseis
são o gás natural, o petróleo e o carvão mineral, formados pela decomposição de matéria
orgânica através de um processo que leva milhares e milhares de anos e, por este motivo,
não são renováveis ao longo da escala de tempo humana. A economia mundial está tão
dependente da energia fóssil que o simples aumento do preço do barril de petróleo (que é
o mais explorado para fins energéticos) influencia fortemente as bolsas de valores. E a
falta de alternativas é um dos grandes pilares da crise.

Embora 70% da superfície do planeta esteja coberta por água, apenas 1% desse
volume é apropriado para o consumo. No Brasil, por exemplo, o aumento da população
nas últimas duas décadas fez com que o consumo per capita de água dobrasse. Com isso,
milhões de brasileiros já não têm acesso à água de boa qualidade, o resultado é que cerca
de 70% das internações de crianças estão relacionadas a doenças causadas pela água. A
Agência Nacional de Águas (ANA) mostra que a poluição está fora de controle nos
principais rios de oito estados, da Bahia ao Rio Grande do Sul. Diante desse quadro,
confirmam-se as projeções da ONU de que a água será a causa da maior crise deste século.

Segundo os dados do Estado do Mundo, o consumo residencial de água


aumentará mais da metade até 2025. Atualmente, a falta de água limpa e saneada mata
quase 1,7 milhões de pessoas por ano. Anualmente, 10 milhões de vazamentos químicos
acidentais acorrem por todo planeta. Hoje a temperatura média do planeta está 2,5° C
acima do que era há 50 anos atrás. O desmatamento e a queima de combustíveis fósseis
são as principais causas do aquecimento global.
Esquecemos que o capital biológico natural pertence à vida, e não apenas aos seres
humanos. É preciso elaborar uma nova benevolência, um novo tipo de relação com a
natureza, cujo desenvolvimento não se faça contra ela, mas com ela, e que haja uma
percepção de justa medida da escassez dos recursos [...] Ou nos salvamos todos, ou
morremos juntos. E juntos devemos encontrar uma solução que seja justa, que garanta a
sustentabilidade2 (ibidem).

2 Em 1983, a ONU criou a Comissão Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), presidida pela ministra da

Noruega, Gro Harlem Brundtland. Em 1987 foi publicado o documento “Nosso Futuro Comum”, conhecido como Relatório

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 225 28/5/2010 09:57:35


226 Ética e reavaliação: a perspectiva de Leonardo Boff

Há a necessidade de uma nova relação da humanidade com a natureza, devemos


nos preocupar com a qualidade de vida global, com toda forma de vida, da qual somos
apenas uma pequena parte, na metáfora com a árvore, apenas um raminho, desses que só
servem de suporte para uma única folha. O que Leonardo Boff propõe é uma nova base
ética, para que o ser humano encontre um novo padrão de comportamento, novos valores,
preocupação e cuidado com nosso futuro, com nossa Terra e seus ecossistemas e com as
condições da nossa sobrevivência.

O teólogo propõe que essa nova base ética seja fundamentada no cuidado, na
solidariedade e na responsabilidade. A crença básica da filosofia, desde os filósofos
gregos até os modernos, é de que o fundamento do ser humano é a racionalidade. Essa
crença ocidental é contestada por Leonardo Boff que defende que o fundamento da
existência humana não reside na racionalidade, mas sim na afetividade.

Boff busca sustentação no discurso psicanalítico que afirma que a base sobre a
qual se sustenta o ser humano é o afeto, ligado à parte do cérebro mais ancestral que
temos, o sistema límbico, que surgiu 230 milhões de anos atrás com os mamíferos, sua
afetividade, a gestação, a intimidade e o cuidado com a cria.
A razão culmina na contemplação e funda suas raízes na afetividade. Assim, a
experiência de base não é ‘penso, logo existo’, mas ‘sinto, logo existo. Nós afetamos a
realidade e somos afetados por ela. E nesse jogo de afeto vamos construindo nossa
racionalidade, nosso projeto de liberdade, nossos projetos históricos. É por meio dessa
sensibilidade de fundo que elaboramos nossos valores. O valor é o caráter precioso do
ser, aquilo que o torna digno de ser. Nós sentimos, percebemos valores. E é só quando
sentimos e vivemos com profundidade que podemos nos movimentar no reino dos
valores. É por eles que moldamos a vida e somos (ibidem).

Boff afirma que precisamos de vigor e ternura, trabalho e cuidado. Empenho


transformador e o habitar o mundo com sentimento, poesia, alegria, jovialidade, amizade,
amor. São essas as forças que estruturam a existência do ser, da comunidade, da
humanidade. Juntos, devemos dar um sentido a essa conjugação de povos e raças, criando
uma história nova; não mais a história do Brasil nem a de outro país, e sim a história da
humanidade como família, como uma espécie junto das outras espécies.

O cuidado é fundamental, é uma atitude amorosa para com a vida, e toda vida
precisa de cuidado, se não cuidarmos de uma criança quando ela nasce ela acaba
morrendo. Precisamos dessa ética mínima ligada à própria vida e, no entanto, percebemos
crianças e jovens desassistidos, a economia em crise por processos especulativos,
ecossistemas em desequilíbrio. “É preciso elaborar uma ética do cuidado, que funciona

Brundtland, onde aparece pela primeira vez o termo desenvolvimento sustentável, como “aquele que atende às necessidades
do presente sem comprometer a possibilidade de as futuras gerações atenderem às suas próprias necessidades”. O termo
sustentabilidade, devido a sua complexidade, vem sendo vastamente discutido por organismos internacionais, sociedade
civil e órgãos governamentais.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 226 28/5/2010 09:57:35


Adriana Camargo Pereira 227

como um consenso mínimo a partir do qual todos possamos nos amparar e desenvolver
uma atitude cuidadosa, protetora e amorosa para com a realidade”.

A solidariedade e a cooperação, segundo os estudiosos da física quântica, são


fundamentais, na medida em que todos os seres se interdependem. Uma comunidade só
funciona quando cria laços de cooperação. Segundo Boff, os etno-antropólogos dizem que
o salto da animalidade para a humanidade ocorreu no momento em que nossos ancestrais
começaram a levar o que caçavam para o grupo, de modo a dividir o alimento
fraternalmente entre si. A solidariedade e a cooperação é que permitiram a sociabilidade,
o surgimento da linguagem, e definem o ser humano como sócio, como companheiro —
filologicamente, aquele que comparte o pão.

Responsabilidade é dar-se conta das conseqüências que advêm de nossos atos.


“Hoje lidamos com a biotecnologia, com os mistérios supremos da natureza, modificamos
a base físico-química da natureza e não sabemos quais serão as conseqüências. Impõe-se
uma ética da responsabilidade, da justa medida, da cautela e da prevenção”.

O cuidado, a solidariedade e a responsabilidade devem ser um objetivo de


cooperação mundial, um projeto político, um projeto pessoal. Essa base ética proposta por
Boff pode estabelecer um patamar mínimo para que alcancemos um padrão de
comportamento que seja humanitário. Como tratar humanamente os seres humanos,
como tratar bem a vida que vai além da nossa vida pessoal? Essa é a grande questão de
fundo. Na resposta, temos de superar a visão antropocêntrica, a visão radicada somente
no ser humano.

A Carta da Terra representa um amplo esforço alinhado às questões propostas por


Leonardo Boff. O teólogo, inclusive, participou da elaboração desse documento. Entre os
participantes, incluem-se destacadas instituições internacionais, governos nacionais e suas
agências, associações universitárias, organizações não-governamentais e grupos
comunitários, governos locais, grupos ecumênicos, escolas e negócios – assim como
milhares de indivíduos.

Esse documento é uma declaração de princípios éticos fundamentais para a


construção de uma sociedade global justa, sustentável e pacífica. Busca inspirar todos os
povos a um novo sentido de interdependência global e responsabilidade compartilhada. É
um chamado a ação.
Temos de nos tornar ecocêntricos, vale dizer, centrados naquilo que está presente na
palavra “ecologia”: “a casa” (oikos), que pode ser a casa em que moramos, a cidade na
qual residimos, o Estado a que pertencemos e o país que é nossa pátria. Hoje, a Terra é o

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 227 28/5/2010 09:57:35


228 Ética e reavaliação: a perspectiva de Leonardo Boff

grande desafio. E nós, como seres humanos, somos a própria Terra. Todos nós devemos
fazer nossas revoluções moleculares, o que significa que cada um pode começar por si
mesmo (ibidem).

REFERÊNCIAS
BANCO MUNDIAL. Relatório do Desenvolvimento Humano 2007. PNUD, 2007. Disponível em:
<http://www.pnud.org.br/rdh/>.
BOFF, Leonardo. A ética e a formação de valores na sociedade. São Paulo: Instituto Ethos
Publicação, 2003.
GADOTTI, Moacir. Pedagogia da terra. São Paulo: Peirópolis, 2000.
WWI-Worldwatch Institute. O Estado do Mundo 2005. UMA-Universidade Livre da Mata
Atlântica, 2005.

Adriana Camargo Pereira


Graduação em Comunicação Social
Publicidade e Propaganda pela Pontifícia
Universidade Católica de Campinas
(1996) e mestrado em Multimeios pela
Universidade Estadual de Campinas
(2001). Atualmente é coordenadora do
Departamento de Extensão da
Anhnaguera Educacional. Tem experiência na área de
Comunicação e Sustentabilidade, atuando
principalmente nos seguintes temas: publicidade e
propaganda, ensino superior e responsabilidade social.

Anuário da Produção Acadêmica Docente • Vol. III, Nº. 5, Ano 2009 • p. 221-228

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 228 28/5/2010 09:57:35


Anuário da Produção EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL:
Acadêmica Docente UM OLHAR SOBRE AS ORIGENS1
Vol. III, Nº. 5, Ano 2009

Inês Regina Waitz RESUMO


Centro Universitário Anhanguera
unidade Pirassununga As Instituições de Educação Superior, nas últimas décadas, passam a ser
ines.waitz@unianhanguera.edu.br alvos de debates, nos quais se questionam o papel desse nível de ensino na
sociedade contemporânea, sua relação com o mundo do trabalho e com o
mercado, além de suas possibilidades de contribuição com programas de
Magda Patrícia C. Arantes desenvolvimento econômico e social. Para compreender esse contexto, o
Centro Universitário Anhanguera presente trabalho faz um resgate histórico da origem do ensino superior até
unidade Leme a década de 30, a fim de mostrar como se consolidou a idéia de um modelo
magda.arantes@unianhanguera.edu.br de Universidade no país, e proporcionar uma reflexão de como as políticas
públicas adotadas nessa época se relacionam com a atual organização do
ensino superior no Brasil.

Palavras-Chave: ensino superior; políticas públicas; origem e evolução.

ABSTRACT

Higher education institutes become the targets of debates in recent decades,


in which they question the role of this level of education in contemporary
society, its relationship to the world of work and with the market, beyond its
possible contribution to programs of economic and social. To understand
this context, this paper makes a historical review of the origin of higher
education until the 30s, to show how it has consolidated the idea of a model
university in the country and provide a reflection of how public policies
adopted at this time relate to the current organization of higher education in
Brazil.

Keywords: higher education; public policies; origin and evolution.

Anhanguera Educacional S.A.


Correspondência/Contato
Alameda Maria Tereza, 2000
Valinhos, São Paulo
CEP 13.278-181
rc.ipade@unianhanguera.edu.br
Coordenação
Instituto de Pesquisas Aplicadas e 1 Material da 1ª. aula da Disciplina Legislação e Políticas do Ensino Superior,
Desenvolvimento Educacional - IPADE
ministrada no Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Didática e Metodologia do
Informe Técnico Ensino Superior – Programa Permanente de Capacitação Docente. Valinhos, SP:
Recebido em: 15/08/2009 Anhanguera Educacional, 2009.
Avaliado em: 28/01/2010
Publicação: 21 de abril de 2010
229

ANUDO_N5_miolo-v1.pdf 229 28/5/2010 09:57:35


230 Ensino superior no Brasil: um olhar sobre as origens

1. INTRODUÇÃO

A democratização do acesso ao ensino superior, notado nas últimas décadas, se associa à


nova organização social, que necessita de trabalhadores com melhor formação. As
Instituições de Ensino Superior (IES), nas últimas décadas, passam a rever os processos de
ensino e de aprendizagem, estimulando a co-responsabilidade do aluno na aquisição das
competências exigidas pelo mercado de trabalho. Esse quadro de aceleradas mudanças
fez com que governos e países instalassem debates sobre as IES, nos quais se
questionavam o papel da educação superior na sociedade contemporânea, sua relação
com o mundo do trabalho e com o mercado, além de suas possibilidades de contribuir
com programas de desenvolvimento econômico e social.

Com o intuito de compreender melhor as políticas adotadas e as circunstâncias


que levaram a atual organização e composição do ensino superior no Brasil nos dias
atuais, o presente trabalho tem como objetivos: identificar como e quando o país teve
acesso à educação superior; refletir sobre as conseqüências dessa origem e verificar como
foi consolidada a idéia de Universidade no país. Delimitou-se como eixos de estudo os
seguintes períodos da história do Brasil: Período Colonial, o Império e a República - até a
década de 30, quando Getúlio Vargas assumiu o poder.

2. A ORIGEM DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

A forma como se origina e evolui uma cultura define bem a evolução do processo
educativo. As trocas culturais, quando se processam, numa situação real tendem a fazer
enriquecer as culturas interessadas, um enriquecimento mútuo. Porém, no colonialismo,
iniciado na Idade Moderna, as trocas culturais foram realizadas das mais diversas formas.
No que se refere ao Novo Mundo e ao Brasil, o que houve foi uma transferência pura e
simples dos padrões europeus para as terras das Américas. Uma transferência de hábitos