Você está na página 1de 34

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

DEPARTAMENTO DE SAÚDE
CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

TOXICOLOGIA
OCUPACIONAL

Profa: Fabiana Olena Kotwiski


Feira de Santana, 2019
“Dosis sola facit venenum”
(Paracelso, 1538)
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL
■ Área da Toxicologia que trata da identificação, análise e mecanismo de
ação das substâncias químicas presentes nos processos produtivos,
bem como da prevenção e do tratamento dos efeitos tóxicos no
trabalhador.
EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL
DEPENDE:
DO AMBIENTE E DAS
CONDIÇÕES DE TRABALHO
XENOBIÓTICOS – Origem Grega: Xeno = Estranho ou artificial
Bio = Vida

DOSE

EFEITO
XENOBIÓTICOS

AMBIENTE

XENOBIÓTICOS

Altas T°C = Alta frequência respiratória e cardíaca e aumenta fluxo sanguíneo


Risco ocupacional

Risco
ambiental

NÍVEL DE EXPOSIÇÃO
TIPOS DE EXPOSIÇÃO
FASE DE EXPOSIÇÃO
■ Lipofilicidade / tamanho partícula;
■ Grau de ionização;
■ Coeficiente de partição óleo/água;
■ Velocidade de evaporação (PE)
■ Fatores extrínsecos (Temperatura, Pressão, ventilação)
 Alta hidratação pele
favorece a absorção
cutânea;
 Baixo PM; Alta
hidrofilicidade =
penetra pele;
 Solventes lipofílicos =
ação desengraxante
na pele, facilita
contato
(irritação/hiperplasia)

Permeável a moléculas pequenas solúveis em gordura


VIAS DE INTOXICAÇÃO
A área de absorção dos
alvéolos pulmonares é
estimada em 140 m2, em
contato direto com o ar
ambiente.

Permite a penetração
de substâncias de
baixo peso
molecular, solúveis
em gordura e no
estado líquido, em
contato prolongado.
VIAS DE INTOXICAÇÃO
Aparelho Digestivo
A área da delgada mucosa digestiva, estimada em 250 m2,
associada a um contato prolongado com alimentos e líquidos
ingeridos, favorece a absorção digestiva de produtos químicos.

Aparelho Urinário

Principal via
excretora
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999 Lista de
Doenças Relacionadas ao Trabalho
INTOXICAÇÃO POR HEXANO
Max conc. em 60 a 120min

NEUROTOXICO
INTOXICAÇÃO POR HEXANO

NEUROTOXICO
INTOXICAÇÃO POR HEXANO

NEUROTOXICO
INTOXICAÇÃO POR METANOL
INTOXICAÇÃO POR METANOL

Alta Absorção- Conc Max em 1 a 2 H e com 15 a 30mL intoxicação grave


VISÃO: Sintomas surgem 12 a 24H após exposição
Ác. Fórmico gera baixa de pH do sangue = acidose e morte
OBS Tratamento:
Bicarbonato de Na;
Carvão ativado não eficaz por
baixa absorção;
Etanol não permite
metabolizar metanol – reduz
tocicidade
ANTÍDOTO: 4-metilpirazol –
inibe a álcool desidrogenase
Hemodiálise
INTOXICAÇÃO POR SOLVENTES CLORADOS

Depressores SNC, Hepatotóxicos e nefrotóxicos


INTOXICAÇÃO POR SOLVENTES CLORADOS
Potencial carcinogênico e alta
lipofilicidade e volatilidade

Consequência: Fibrose
hepática –altera metabolismo
LT: 8ppm ou 50mg/m3 Vit A
Interação com etanol que
aumenta a hepatoxicidade do
CCl4.
ANTÍDOTO: N-acetilcisteína –
não necrose
Vit C – anti-hepatotóxica –
reduz radicais livres
TOXICO para Miocárdio
REFERÊNCIAS

■ OGA, S. et al.. Fundamentos de Toxicologia. 3. ed. São Paulo: Atheneu Editora,


2008.
■ BRASIL. Sistema Nacional de Informações Toxicológicas. Local: SINITOX, [(200?)].
Disponível em:
http://www.fiocruz.br/sinitox_novo/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?tpl=home. Acesso
12 jul 2019.
■ BRASIL. ANVISA. GUIA PARA A CONDUÇÃO DE ESTUDOS NÃO CLÍNICOS DE
TOXICOLOGIA E SEGURANÇA FARMACOLÓGICANECESSÁRIOS AO
DESENVOLVIMENTO DE MEDICAMENTOS. 2013.
AVALIAÇÃO DE RISCO
=
PROCESSO QUE CARACTERIZA DE FORMA
CIENTÍFICA E SISTEMÁTICA, O POTENCIAL DE
EFEITOS ADVERSOS SOBRE A SAÚDE
RESULTANTES DE SITUAÇÕES OU AGENTES
(QUÍMICO, FÍSICO, BIOLÓGICO) PERIGOSOS.
TESTES PARA TOXICIDADE AGUDA
(MAMÍFEROS)
 TOXICIDADE ORAL

 TOXICIDADE DERMAL

 TOXICIDADE INALATÓRIA

 IRRITAÇÃO OCULAR E DERMAL

 SENSIBILIZAÇÃO DERMAL POR CONTATO

 FOTOTOXICIDADE

 NEUROTOXICIDADE
Classificação Toxicológica Agentes Químicos

PARÂMETROS UTILIZADOS
1- Toxicidade Relativa - Dados Toxicológicos Agudos:
DL 50 intraperitoneal, oral e dermal; CL 50 inalatória.
2- Dados Toxicológicos Crônicos: Toxicidade a Curto e
a Longo Prazo.
3- Dados sobre Lesões Oculares.
4- Dados sobre Lesões Dérmicas.
5- Dados sobe Sensibilização Dérmica.
6- Dados sobre Neurotoxicidade.
7- Dados sobre Propriedades Carcinogênicas;
Mutagênicas e Teratogênicas.
8- Dados sobre efeitos tóxicos à Reprodução e
Desenvolvimento (pré e pós-natal).
OBSERVAÇÕES CLÍNICAS

SINAIS E SINTOMAS DETECTADOS EM HUMANOS


E/OU EM ANIMAIS, EXPOSTOS AGUDA E
CRONICAMENTE, A PARTIR DOS EFEITOS DE UM
AGENTE TOXICANTE
Respiratórios, atividade motora, convulsão,
reflexos, sinais oculares, gastrointestinais e
cardiovasculares, salivação, piloereção, dor,
analgesia, tonus muscular, pele, etc.
MONITORIZAÇÃO DA EXPOSIÇÃO

Procedimento que consiste em uma rotina de avaliação e


interpretação de parâmetros ambientais e/ou, biológicos
com a finalidade de detectar os possíveis riscos à saúde.

Monitorização ambiental
Avaliação da concentração do agente químico em
amostras ambientais (p. ex.: ar inspirado, água, solo, plantas).

Monitorização biológica (animal e/ou humana)


Avaliação através de parâmetros biológicos, denominados
indicadores biológicos, bioindicadores ou biomarcadores.
FATORES QUE INTERFEREM NA MONITORAÇÃO
BIOLÓGICA (OCUPACIONAL):

Trabalhadores com mais de um emprego podem


apresentar superexposição ou exposição
cruzada.

Também podem interferir no resultado:


• Momento da coleta da amostra biológica,
• Seu armazenamento,
• Transporte e método laboratorial,
• Etc...
DEFINIÇÃO DE BIO-INDICADOR:

•Demonstração da presença de um agente


químico ou seus metabólitos num líquido
orgânico, secreção ou ar expirado;

• Indicação do comprometimento de uma


função biológica específica.
TIPOS DE BIO-INDICADORES

• DE EXPOSIÇÃO (indicador de dose interna ou


bio-indicador primário): chumbo no sangue;
fenol urinário para compostos com anel
benzênico.

• DE EFEITO: acetilcolinesterase para


organofosforados e carbamatos.

• DE FUNÇÃO: comportamento para


neurotoxicidade.

• AMBIENTAL: ar respirado
NO AMBIENTE OCUPACIONAL

SANGUE URINA AR EXPIRADO


PRESENÇA DA SUBSTÂNCIA OU METABÓLITO

+
PRESENÇA DA SUBSTÂNCIA NO AMBIENTE

+
INVESTIGAÇÃO CLÍNICA POSITIVA - SINTOMATOLOGIA
AGÊNCIAS REGULATÓRIAS SOBRE SAÚDE
OCUPACIONAL E AMBIENTAL

Nacionais
PCMSO - Programa de Controle Médico de
Saúde Ocupacional
NR7 – Valor de Referência da Normalidade /
Índice Biológico Máximo Permitido
(IBMP).
NR9 – Programa de Prevenção de Riscos
ambientais (PPRA)
OBRIGADA!!!