Você está na página 1de 46

PÓS-GRADUAÇÃO

EM GESTÃO DA FORMAÇÃO

Certificação de entidades formativas pela DGERT

MÓDULO 4

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA FORMAÇÃO Certificação de entidades formativas pela DGERT MÓDULO 4 Clara Ferrão

Clara Ferrão

02

O processo de formação é tanto mais feliz quanto mais as suas

diversas fases assumirem o carácter de acontecimentos vividos

- Hugo Hofmannsthal

03

SUMÁRIO

Transição da acreditação para a certificação

O guia do sistema de certificação de entidades formadoras

As etapas do processo de candidatura

Questões jurídicas na certificação de entidades formadoras

A escolha das áreas a certificar

Recursos Humanos

Regulamentação e requisitos funcionais dos espaços formativos e

de atendimento ao público

Audiência Prévia

04

OBJETIVOS DO MÓDULO

No final do módulo, através da participação nas atividades, deverá ser capaz de conhecer os principais aspetos relativos à certificação de entidades formadoras pela DGERT.

05

TRANSIÇÃO DA ACREDITAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO

06

O SISTEMA DE ACREDITAÇÃO

O Sistema de Acreditação de Entidades Formadoras foi criado em Agosto

de 1997, no âmbito do INOFOR, que mais tarde mudou de designação para

IQF (Instituto para a Qualidade na Formação).

Em 2007, o Sistema de Acreditação foi integrado na Direção-Geral do

Emprego e Relações do Trabalho (DGERT).

O principal motor de criação do Sistema de acreditação foi o facto de

grande parte da formação em Portugal, à data, ser financiada por fundos

públicos.

Pretendia-se confirmar que os fundos destinados à formação eram aplicados da melhor forma, já que para aceder a estes apoios todas as entidades teriam de estar previamente acreditadas.

BREVES NOTAS…

07

O SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras sucede ao Sistema de

Acreditação de Entidades Formadoras:

Resolução do Conselho de Ministros 173/2007;

Decreto-Lei 396/2007 de 31 de dezembro;

Portaria 851/2010 de 6 de setembro.

PRINCÍPIO DE MUDANÇA…

08

O SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Na Portaria nº 851/2010 são definidos os seguintes objetivos para o Sistema de Certificação:

Promover a credibilização das entidades formadoras que operam no âmbito do Sistema Nacional de Qualificações;

Contribuir para que o financiamento das atividades formativas tenha em conta a qualidade da formação ministrada e os seus resultados.

OBJETIVOS…

09

O SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

A certificação deixa de assentar em domínios de intervenção, passando a

ser concedida uma certificação global para a intervenção formativa;

A certificação passa a ser concedida por áreas de educação e formação;

O regime de acreditação (sujeito a prazos de validade e a renovação) é

substituído por um sistema de certificação sem prazo em que a atividade formativa acompanhada através de auditorias;

O processo de certificação de entidades formadoras passa a estar sujeito a

taxas;

A apresentação dos pedidos de certificação é efetuada através de meio

informático, na plataforma eletrónica disponibilizada pela DGERT/DSQA.

PRINCIPAIS NOVIDADES…

10

O SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Reconhecimento de qualidade no mercado;

Acesso a financiamento público para a formação;

Isenção de IVA nos produtos e serviços de formação;

Dedução de despesas em IRS com formação profissional;

Formação certificada no âmbito do Sistema Nacional de Qualificações.

PRINCIPAIS VANTAGENS…

11

PARA SABER MAIS…

Para saber mais, consulte os seguintes documentos

(incluídos na pasta “Recursos de Apoio”):

Certificação de Entidades Formadoras;

Resolução do Conselho de Ministros 173/2007;

Decreto-Lei 396/2007;

Portaria 851/2010.

Formadoras; • Resolução do Conselho de Ministros 173/2007; • Decreto-Lei 396/2007; • Portaria 851/2010.

12

O GUIA DO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

13

IMPORTÂNCIA DO GUIA DO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

O Guia do Sistema de Certificação de Entidades Formadoras é um

documento da responsabilidade da DSQA, unidade orgânica da DGERT, com atribuições em matéria de certificação de entidades formadoras.

Este documento contém informação geral sobre o Sistema de Certificação

de Entidades Formadoras e uma explicação mais detalhada dos requisitos de certificação definidos na Portaria 851/2010, de 6 de Setembro.

INFORMAÇÃO GERAL…

14

REQUISITOS DE CERTIFICAÇÃO

Requisitos

prévios

Requisitos do

 

Manual de

Qualidade

Estrutura e organização

Processos no

Resultados e melhoria

desenvolvimento

interna

da formação

contínua

DOIS TIPOS DE REQUISITOS…

15

PARA SABER MAIS…

A leitura integral do Guia de Certificação das Entidades Formadoras é fundamental para saber mais

SABER MAIS… A leitura integral do Guia de Certificação das Entidades Formadoras é fundamental para saber

16

AS ETAPAS DO PROCESSO DE CANDIDATURA

17

ETAPAS

1.

Constituição da entidade;

 

2.

Definição da atividade formativa;

 

3.

Constituição da estrutura formativa;

4.

Conceção

do

modelo

de

organização

e

atuação

para

a

atividade

formativa;

5.

Planificação da atividade formativa para o período de gestão escolhido

(usualmente ano civil);

 

6.

Obtenção de informação sobre o sistema de certificação e dos

requisitos de certificação;

 

7.

Comparação do modelo de atuação com os requisitos de certificação;

8.

Organizar e apresentar o pedido de certificação e aguardar a decisão.

8 ETAPAS…

18

A PLATAFORMA DE SUPORTE À CERTIFICAÇÃO

A plataforma eletrónica destina-se à formalização e gestão dos pedidos de certificação das entidades formadoras que pretendem obter esse reconhecimento, nos termos da Portaria nº 851/2010, de 6 de setembro.

A PLATAFORMA ELETRÓNICA…

19

A PLATAFORMA DE SUPORTE À CERTIFICAÇÃO

A utilização da plataforma eletrónica pressupõe um registo da entidade formadora, sujeito a aprovação pela DSQA.

eletrónica pressupõe um registo da entidade formadora, sujeito a aprovação pela DSQA. O FORMULÁRIO DE REGISTO…

O FORMULÁRIO DE REGISTO…

20

A PLATAFORMA DE SUPORTE À CERTIFICAÇÃO

20 A PLATAFORMA DE SUPORTE À CERTIFICAÇÃO O REGISTO…

O REGISTO…

21

PARA SABER MAIS…

Para consolidar os seus conhecimentos, leia os seguintes

documentos (disponíveis na pasta “Recursos de Apoio”:

(disponíveis na pasta “Recursos de Apoio” : • Etapas para a Certificação de uma Entidade Formadora;

Etapas

para

a

Certificação

de

uma

Entidade

Formadora;

Preparar e Apresentar o Pedido de Certificação;

Guia Rápido do Pedido de Certificação;

Perguntas

Frequentes_Certificação

de

Entidades

Formadoras;

Plataforma Eletrónica_Manual do Utilizador.

22

QUESTÕES JURÍDICAS NA CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS

23

LEGISLAÇÃO DE BASE DO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Decreto-Lei 396/2007: estabelece o Sistema Nacional de Qualificações;

Portaria 851/2010: regula o Sistema de Certificação de Entidades Formadoras e revoga o Sistema de Acreditação de Entidades Formadoras;

Portaria 1196/2010 : estabelece o valor, prazo e modo de pagamento das

taxas aplicáveis aos pedidos de certificação, alargamento e transmissão da

certificação e auditorias;

Portaria

entidades setoriais.

208/2013,

que

alarga

a

responsabilidade

da

certificação

a

LEGISLAÇÃO…

24

A PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS

Na recolha e gestão de informação sobre os intervenientes na formação, as entidades formadoras devem atuar respeitando a legislação em vigor

relativa à proteção de dados pessoais (Lei 67/1998 de 26 de outubro).

As entidades devem garantir ao titular dos dados a confidencialidade dos dados pessoais cedidos e reserva-lhe o direito de acesso, retificação ou cancelamento dos mesmos nos termos estabelecidos na legislação em vigor.

LEI 67/1998…

25

OBRIGAÇÕES LEGAIS NO TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES

Situação da entidade

Procedimento

Entidade com formação dirigida ao público em geral

Posse de Livro de Reclamações e tratamento das mesmas de acordo com o Decreto-Lei n 371/2007, de 6 de novembro

Entidade com formação

Definir procedimento de tratamento de reclamações, com os

dirigida a empresas

seguintes elementos:

clientes

Forma de apresentação das reclamações

Prazo e forma de resposta

Registos do tratamento efetuado e de medidas tomadas

Entidade com formação exclusivamente dirigida aos colaboradores

Requisito não aplicável

RECLAMAÇÕES…

26

NECESSIDADES LEGAIS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

O Código do Trabalho contempla, nos seus artigos 130º a 134º a

obrigatoriedade de 35 horas de formação profissional contínua.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS…

27

PARA SABER MAIS…

Para saber mais, leia os seguintes documentos (disponíveis na pasta “Recursos de Apoio”):

Decreto-Lei 396/2007 de 31 de dezembro;

Portaria 851/2010 de 6 de setembro;

Portaria 1196/2010 de 24 de novembro;

Portaria 208/2013 de 26 de junho;

Decreto-Lei 156/2005 de 15 de setembro;

Decreto-Lei 371/2007;

Lei 67/1998 de 26 de outubro.

de 26 de junho; • Decreto-Lei 156/2005 de 15 de setembro; • Decreto-Lei 371/2007; • Lei

28

A ESCOLHA DAS ÁREAS A CERTIFICAR

29

CERTIFICAÇÃO POR ÁREAS

A certificação da entidade formadora é um reconhecimento global da sua

capacidade de desenvolvimento das diferentes fases do ciclo formativo,

concedido por áreas de educação e formação nas quais esta atua.

A atribuição da certificação por áreas de educação e formação significa que

foi reconhecida à entidade a capacidade para organizar e executar

formação especializada em determinadas áreas temáticas.

ÁREAS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO…

30

CERTIFICAÇÃO POR ÁREAS

A entidade deve ponderar qual a sua oferta formativa mais estabilizada e

para a qual dispõe de condições que lhe permitam cumprir o referencial de

qualidade da certificação.

A Classificação Nacional das Áreas de Educação e Formação (CNAEF),

aprovada pela Portaria 256/2005, constitui o referencial adotado pela

DGERT para efeitos de certificação das entidades formadoras.

CNAEF…

31

PARA SABER MAIS…

Para saber mais, leia a Portaria 256/2005 (disponível na pasta “Recursos de Apoio”).

31 PARA SABER MAIS… Para saber mais, leia a Portaria 256/2005 (disponível na pasta “Recursos de

32

RECURSOS HUMANOS

33

NÚMERO ADEQUADO DE COLABORADORES

O número de colaboradores é calculado em função dos seguintes fatores:

O volume de atividade formativa desenvolvido;

As áreas de educação e formação ou públicos-alvo diferenciados;

O desenvolvimento de formação deslocalizada;

A existência de estruturas descentralizadas.

COLABORADORES…

34

FUNÇÕES FUNDAMENTAIS NA EQUIPA

Gestor de formação;

Coordenador pedagógico;

Formadores;

Outros agentes como tutores ou mediadores (quando aplicável);

Atendimento permanente (quando aplicável).

VÁRIAS FUNÇÕES…

35

PARA SABER MAIS…

Para saber mais, leia as páginas 17 a 23 do Guia do Sistema de Certificação de Entidades Formadoras

(disponível na pasta “Recursos de Apoio”).

17 a 23 do Guia do Sistema de Certificação de Entidades Formadoras (disponível na pasta “Recursos

36

REGULAMENTAÇÃO

ESPAÇOS FORMATIVOS E DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO

E

REQUISITOS

FUNCIONAIS

DOS

37

INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS

A entidade deve assegurar a existência de instalações específicas e equipamentos adequados às intervenções a desenvolver, de acordo com a

especificidade da área de educação e formação (Decreto-Lei 163/2006):

Espaço de atendimento ao público ou a clientes;

Salas de formação teórica;

Salas de formação em informática;

Espaços e equipamentos para a componente prática;

Instalações sanitárias;

a

Propriedade

dos

espaços

e

acessibilidade

necessidades especiais.

pessoas

com

DECRETO-LEI 163/2003

38

PARA SABER MAIS…

Para saber mais, leia as páginas 24 a 27 do Guia do Sistema de Certificação de Entidades Formadoras

(disponível na pasta “Recursos de Apoio”).

24 a 27 do Guia do Sistema de Certificação de Entidades Formadoras (disponível na pasta “Recursos

39

AUDIÊNCIA PRÉVIA

40

DECISÃO NEGATIVA

A DGERT dispõe do prazo legal máximo de 90 dias úteis para avaliar e

decidir sobre os pedidos de certificação, alargamento da certificação e

transmissão de certificação.

A contagem deste prazo inicia-se após a confirmação do pagamento da

taxa devida. No caso do parecer técnico apontar para uma decisão negativa

(indeferimento), há lugar a audiência prévia de interessados.

A resposta a parecer em audiência prévia de pedidos (certificação e alargamento) permite à entidade apresentar a resposta ao parecer técnico de intenção de indeferimento do pedido submetido (parecer em audiência prévia) emitido pela DGERT.

INDEFERIMENTO…

41

FORMULÁRIO DE RESPOSTA A PARECER

41 FORMULÁRIO DE RESPOSTA A PARECER AUDIÊNCIA PRÉVIA E PARECER…

AUDIÊNCIA PRÉVIA E PARECER…

76

PARA SABER MAIS…

Para saber mais, leia as páginas 31 a 33, 43 a 44 e

79 a 82 do documento “Plataforma

Eletrónica_Manual do Utilizador” (disponível na pasta “Recursos de Apoio”).

a 82 do documento “Plataforma Eletrónica_Manual do Utilizador” (disponível na pasta “Recursos de Apoio”) .

43

PARA REFLETIR…

A qualidade é função de todos, devendo ser encarada como uma atitude de trabalho, uma atitude permanente.

- Genichi Tabguchi

44

SÍNTESE…

Neste módulo, caracterizámos os principais aspetos práticos relacionados com a certificação de entidades formadoras PELA DGERT.

45

FIM DA APRESENTAÇÃO!

Realize a Atividade de Avaliação

53

53 Este documento não pode ser reproduzido, na sua totalidade ou parcialmente, sem prévia autorização dos

Este documento não pode ser reproduzido, na sua totalidade ou parcialmente, sem prévia autorização dos autores.