Você está na página 1de 17
Professora: Sandra Vieira Curso: Direito Disciplina: Carga Horária: 80h Horário: Segunda - feira Turma A
Professora: Sandra Vieira
Curso: Direito
Disciplina:
Carga Horária: 80h
Horário: Segunda - feira
Turma A – 21:00 às 22:50.
Introdução à
Psicologia
Turma B - 19:00 às 20:40.

Caracterização da Psicologia.

Ciência e Senso Comum.

Psicologia Jurídica conceito. Atividades em sala.

CIÊNCIA E SENSO COMUM

Quantas vezes, no nosso dia-a-dia, ouvimos o termo psicologia?

Qualquer um entende um pouco dela. Poderíamos até mesmo dizer que: “de

psicólogo e de louco todo mundo tem um pouco.

Senso comum conhecimento da realidade, do cotidiano. Psicologia do senso comum.

Existe um domínio da vida que pode ser entendido como vida por

excelência, é o cotidiano. É no cotidiano que tudo flui, que as coisas

acontecem, que nos sentimos vivos, que vivemos a realidade. A ciência é

reflexiva e procura elucidar a realidade.

O cotidiano e o conhecimento científicos se aproximam e se afastam.

Nessa dimensão do conhecimento ( senso comum) , o que importa é a

praticidade e a solução rápida para os problemas que se apresentam

no dia a dia.

Por vezes, usamos a tradição de nossos antepassados e o fazemos

muitas vezes esquecendo sua origem.

Em outros momentos, agimos com base em teorias científicas, mas a

usamos de forma simplificada e improvisada, com intuito de facilitar o

dia a dia.

Algumas vezes o senso comum se apropria da ciência, em explicações

no dia a dia. Ex: Menina histérica, rapaz deprimido. Ao fazermos essa

apropriação, associamos o conhecimento científico ao conjunto de crenças e valores de nossa visão de mundo, incluindo a crença

religiosa, o recorte ideológico e os eventuais preconceitos

O QUE É CIÊNCIA

A ciência compõe-se de um conjunto de conhecimentos sobre fatos ou

aspectos da realidade (objeto de estudo), expresso por meio de uma

linguagem precisa e rigorosa. Esses conhecimentos devem ser obtidos de

maneira programada, sistemática e controlada, para que se permita a

verificação de sua validade.

Dessa forma, o saber pode ser transmitido, verificado, utilizado e desenvolvido.

Essa característica da produção científica possibilita sua continuidade: um

novo conhecimento é produzido sempre a partir de algo anteriormente

desenvolvido.

Psicologia Cientifica - estuda o ser humano. Ciências humanas. Várias

vertentes do saber.

OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA

Qual objeto de estudo da psicologia ?

Diversidade de objetos de estudo.

da psicologia ? ■ Diversidade de objetos de estudo. ■ Estudar o ser humano significa estudar

Estudar o ser humano significa estudar um ser que é histórico e está

em permanente mudança.

As diferentes formas de pensar a Psicologia representam a própria

riqueza do ser humano, sua capacidade múltipla de pensar sobre si mesmo e as circunstâncias históricas nas quais a teoria tem sua

origem.

Considerando toda essa dificuldade na conceituação única do objeto

de estudo da Psicologia, optamos por apresentar uma definição que

sirva como referência ,uma vez que iremos nos deparar com diversos

enfoques, que trazem definições específicas desse objeto, ex: o comportamento, o inconsciente, a consciência etc.

A SUBJETIVIDADE COMO OBJETO DE ESTUDO DA PSICOLOGIA

Nossa matéria-prima, portanto, é o homem em todas as suas

expressões, as visíveis (nosso comportamento) e as invisíveis

(nossos sentimentos), as singulares (porque somos o que somos) e

as genéricas(porque somos todos assim) é o homem-corpo,

homem-pensamento, homem-afeto, homem-ação e tudo isso está

sintetizado no termo subjetividade.

— é o homem-corpo, homem-pensamento, homem-afeto, homem-ação e tudo isso está sintetizado no termo subjetividade.

Então que é a subjetividade?

Então que é a subjetividade?
Então que é a subjetividade?
Então que é a subjetividade?

Subjetividade

É o mundo de ideias, significados e emoções construído internamente pelo sujeito

a partir de suas relações sociais, de suas vivências e de sua constituição biológica;

é, também, fonte de suas manifestações afetivas e comportamentais.

O mundo social e cultural, conforme vai sendo experienciado por nós, possibilita-

nos a construção de um mundo interior. São diversos fatores que se combinam e

nos levam a uma vivência muito particular. Nós atribuímos sentido a essas

experiências e vamos nos constituindo a cada dia.

A subjetividade é a maneira de sentir, pensar, fantasiar, sonhar, amar e fazer de cada um. É

o que constitui o nosso modo de ser: sou filho de japoneses e militante de um grupo

ecológico, detesto Matemática, adoro samba e black music, pratico ioga, tenho vontade

mas não consigo ter uma namorada. Meu melhor amigo é filho de descendentes de

italianos, primeiro aluno da classe em Matemática, trabalha e estuda, é corintiano fanático,

adora comer sushi e navegar pela Internet. Ou seja, cada qual é o que é: sua singularidade.

Descreva você e ouça seu colega ao lado. Percebem as suas subjetividades?

A subjetividade é inata?

Assim, com o estudo da subjetividade, a Psicologia contribui para a compreensão da totalidade da vida humana.

Atualmente, a Psicologia, ainda não consegue explicar todos os aspectos do ser humano.

Sabe-se que a ciência não esgotará o que há para conhecer, pois a

realidade está em permanente movimento, novas perguntas surgem a cada

dia, o ser humano está em movimento e em transformação, colocando também novas perguntas para a Psicologia.

Atividade:

Atividade : 1. Você aprendeu que existem a Psicologia científica e a psicologia do senso comum.

1. Você aprendeu que existem a Psicologia científica e a psicologia do

senso comum. Supondo que o seu contato até o momento só tenha

sido com a psicologia do senso comum, relacione situações do

cotidiano em que você, ou as pessoas com quem convive usem essa

psicologia. (exemplos)

2. Reflita sobre a Psicologia Científica sua matéria-prima (ser humano-

subjetividade). Para isso, retomem as seguintes questões: O que é

subjetividade? Por que a subjetividade não é inata? Apresente um

exemplo ( caso) de como a subjetividade tem interface com o Direito.

Psicologia aplicada ao Direito

Psicologia aplicada ao Direito

O que é a Psicologia Jurídica?

A Psicologia Jurídica é uma área específica da Psicologia que surgiu da

inter-relação com o Direito, tanto no âmbito teórico quanto no prático, sendo

desde a origem um campo interdisciplinar.

Confluência entre a Psicologia e o Direito.

Auxilio, conhecimento especializado, expertise, que a Psicologia pode

fornecer ao Direito. Uma das ciências forenses conhecimento técnico

especifico que oferece um suporte ao Direito. ( física, contabilidade, biologia, balística etc.)

As pericias, conhecimento da Psicologia irão subsidiar as decisões judiciais .

Perito X Assistente técnico.

Leis emergem da sociedade, os conflitos envolvem pessoas.

O Direito afeta a ciência, e necessita de subsídios

das diversas áreas de

conhecimento.

Campos de atuação

A Psicologia Jurídica como um campo de atuação do psicólogo

tem-se feito presente nas diversas instituições do direito, tais

como:

Sistema penitenciário

Varas de Família

Varas da Infância e da Juventude

Juizados Especiais (Cível e Criminal)

Varas de Penas Alternativas

Varas Cíveis em geral

Forças Armadas Secretarias Estaduais de Segurança

Ministério Público e Escolas de Magistratura

Um olhar para o hoje

Considerando o que vimos hoje sobre subjetividade, sobre o que a Psicologia estuda e de que forma ela pode fornecer subsídios ao Direito, vamos refletir e discutir sobre o acontecimento do ônibus que foi sequestrado pelo jovem de 20 anos, Willian Augusto da Silva, por aproximadamente três horas e meia, na ponte Rio- Niterói, na ultima semana.

"Eu quero entrar para a história", disse sequestrador aos reféns de ônibus
"Eu quero entrar para a
história", disse sequestrador
aos reféns de ônibus

O referido sequestro gera uma série de questões psicológicas interessantes:

O que motivou o sequestrador?

Ele era psicologicamente perturbado?

Como era sua vida familiar, afetiva, social?

Ele estava sob efeito de substancias entorpecentes?

Esse fato poderia ter sido evitado se o sequestrador tivesse recebido tratamento

psicológico?

Quais outras questões a psicologia poderia elucidar desse fato, para o âmbito jurídico?