Você está na página 1de 8

OPERAÇÕES ESTRUTURADAS

Certificado de Operações Estruturadas


Certificado O produto
Certificado de Operações Estruturadas (COE) é um

de Operações instrumento de captação bancária, único e indivi-


sível, que agrega a um investimento financeiro fun-

Estruturadas
cionalidades de derivativo e renda fixa, oferecendo
transparência a investidores, emissores e regulado-
res, além de flexibilidade e dinamismo.
O COE substitui outros instrumentos financeiros

Diversifique seus com características semelhantes às utilizadas ante-


riormente pelo mercado, como operações de cap-

investimentos conforme tação estruturada. Essas operações associavam um


fator caixa, geralmente por meio de CDB, e outro de

suas necessidades derivativo, como swap ou opção flexível.


É regulamentado pela Lei 12.249/2010, pela Reso-
lução 4.263/2013 do Conselho Monetário Nacio-
nal e pelas Circulares do Banco Central do Brasil
3.684/2013 e 3.685/2013.

Estruturas disponíveis para


registro no iBalcão
O COE é dividido em quatro grandes famílias. A
combinação de funcionalidades e regras de remu-
neração disponíveis em cada uma dessas estrutu-
ras geram centenas de diferentes alternativas de
registro, que estão divididas nas seguintes famílias:
• digital: a remuneração depende da observação
de regras estabelecidas para o preço do ativo
subjacente, quando são definidos um ou mais
intervalos de preços para o ativo-objeto e, de
acordo com o intervalo atingido, será acionada
a regra de remuneração preestabelecida;
• duplo indexador: a remuneração é dada por
um de dois indexadores, de acordo com a regra
de comparação entre eles, podendo ser o maior
ou o menor dos dois;
• participação: a remuneração replica a compra ou
a venda de um ativo subjacente, pois o proprie-
tário do COE recebe a participação sobre o de-
sempenho positivo e/ou negativo desse ativo em
relação a um preço de exercício estabelecido; e
• volatilidade: a remuneração replica a compra e
a venda simultâneas de opções de compra (call)
e de venda (put) para o proprietário, que rece-
berá participação sobre o desempenho positivo
ou negativo desse ativo em relação ao preço de
exercício estabelecido no momento do registro
em um cenário de alta ou baixa volatilidade.
Rentabilidade dos certificados
A Resolução 4.263/2013, de 05/09/2013, instituiu as características do COE estabelecendo, de acordo com a
estrutura de rentabilidade, as seguintes modalidades:
• com Valor Nominal Protegido (VNP): investimento cujo valor total dos pagamentos mínimos previstos ao
investidor é igual ou superior ao investimento inicial; ou
• com Valor Nominal em Risco (VNR): investimento cujo valor total dos pagamentos mínimos previstos ao
investidor é igual ou superior a uma parcela previamente definida do investimento inicial.
O COE pode ser referenciado em índices de preço, de títulos de dívida, de valores mobiliários, taxas de juro ou de
câmbio e em outros ativos subjacentes, incluindo índices de ativos negociados no Exterior. Sua rentabilidade segue
o retorno dos ativos e índices citados desde que haja série regularmente calculada e objeto de divulgação pública.

Vantagens do produto
• Diversificação de investimento e transparência para o
investidor combinando as funcionalidades de derivati-
vo e renda fixa em um único instrumento.
• Agilidade e eficiência tributária em relação às operações
estruturadas já existentes.
• Disseminação da cultura de investimento de longo prazo.
• Solução customizada para necessidades e objetivos de
investimento, sendo possíveis combinações entre a ren-
tabilidade do ativo subjacente e as diversas funcionali-
dades de derivativos.

Fique atento!
Ao adquirir um COE, o investidor deve considerar que:
• há investimentos na modalidade Valor Nominal em Risco, em
que não há garantia de receber o valor do principal investido
no vencimento;
• existe o risco de crédito do emissor do COE, que não conta com
cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC); e
• há risco de liquidez, já que poderá não haver mercado secun-
dário para o COE.
Tributação
Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) Imposto de Renda Retido na Fonte (IR)
Cobrado nos resgates ocorridos anteriores a 30 dias da apli- Recolhimento no vencimento sobre o rendimento
cação, conforme tabela regressiva incidente (abaixo) sobre o da aplicação, conforme tabela regressiva de IR (Lei
rendimento da operação. A partir do trigésimo dia, a aplica- 11.033/2004) abaixo:
ção fica isenta da cobrança de IOF.
Prazo Alíquota (%)

Prazo (dias % do IOF sobre Prazo (dias % do IOF sobre Até 180 dias 22,5
corridos) rendimento corridos) rendimento
De 181 a 360 dias 20,0
1 96 16 46
De 361 a 720 dias 17,5
2 93 17 43
Acima de 720 dias 15,0
3 90 18 40

4 86 19 36
O controle e o recolhimento dos referidos percentuais de IR
5 83 20 33 e IOF são de responsabilidade do participante de registro
6 80 21 30 emissor.
7 76 22 26

8 73 23 23

9 70 24 20

10 66 25 16

11 63 26 13

12 60 27 10

13 56 28 06

14 53 29 03

15 50 30 00
Como funcionam os serviços de registro e resgate de COE na BM&FBOVESPA
Registros de COE de emissão própria (Banco x Cliente)
Em registro de COE de emissão própria, o participante de registro emissor (o próprio banco) fará inserção dos dados do COE
e identificação do titular (seu cliente). Nesse caso, o fluxo financeiro decorrente do resgate ocorrerá entre as partes, fora dos
ambientes da BM&FBOVESPA. Confira os fluxos a seguir:

Registro Resgate

$ COE $ COE

Investidor Participante de BM&FBOVESPA Investidor Participante de BM&FBOVESPA


realiza a
Registro Emissor (Banco) provê o serviço recebe o valor de
Registro Emissor (Banco) realiza a baixa
aplicação realiza a emissão de registro resgate do COE. informa o resgate do COE do registro do COE.
no COE. do COE. do COE. à BM&FBOVESPA e credita o valor
3 do mesmo ao investidor. 2
1 2 3
1

Registro de COE de emissão a mercado


Em registros de COE de emissão a mercado, após inserção das informações pelo participante de registro emissor, será neces-
sário o duplo comando pelo participante de registro proprietário.
A aprovação do registro, nesse caso, está condicionada à confirmação, pelo participante de registro proprietário, dos dados
informados pelo participante de registro emissor, e à identificação do titular, sendo necessária a aprovação no mesmo dia de
seu lançamento, observando-se os horários estipulados.
O resgate dos direitos e das obrigações em recursos financeiros decorrentes desse registro será realizado no Sistema de Liqui-
dação da BM&FBOVESPA, observando-se os horários determinados. Confira os fluxos a seguir:

Registro Resgate
Participante de Registro Proprietário (Corretora)
1
negocia o título, podendo ser ele mesmo o proprietário ou um cliente.

$ COE
$ $
COE $
Participante de BM&FBOVESPA Participante de Registro
Registro Emissor (Banco) provê o serviço de registro do Proprietário (Corretora) Participante de Registro BM&FBOVESPA Participante de
realiza o registro em COE e o repasse dos recursos ao confirma os dados Proprietário (Corretora) realiza a baixa do Registro Emissor (Banco)
nome do Participante Participante de Registro Emissor, informados pelo Participante recebe o pagamento do realiza o pagamento
COE e operacionaliza
de Registro Proprietário. mediante transferência de de Registro Emissor.
resgate do COE ou transfere o resgate. dos valores informados
recursos do Participante de
esse valor para o cliente, caso não pela BM&FBOVESPA.
2 Registro Proprietário. 3
seja o proprietário desse título. 1
2
4
3
Aplicabilidade
Digital Duplo Indexador (com Digital)
Modalidade: VNP (Valor Nominal Protegido). Modalidade: VNP (Valor Nominal Protegido).
Ativo subjacente: taxa de câmbio de dólar. Ativo subjacente: Ibovespa.
Cenário 1: se a taxa de câmbio ficar entre R$2,00/US$ e Cotação inicial registrada para o índice: 57.000 pontos.
R$2,10/US$, a remuneração será dada por 110% do CDI Preço de exercício: 60.000 pontos.
(Regra 1). Cenário 1: se o índice ficar abaixo de 60.000 pontos, a re-
Cenário 2: se a taxa de câmbio ficar entre R$2,10/US$ e muneração será dada por 100% do CDI (Regra 1).
R$2,20/US$, a remuneração será dada por 120% do CDI Cenário 2: se o índice ficar acima de 60.000 pontos, a re-
(Regra 2). muneração corresponderá à variação do índice, utilizan-
Cenário 3: se a taxa de câmbio ficar entre R$2,20/US$ e do-se, para o cálculo, a cotação final observada e a cota-
R$2,30/US$, a remuneração será dada por 110% do CDI ção inicial registrada (Regra 2).
(Regra 3).
Cenário 4: se a taxa de câmbio ficar acima de R$2,30/US$ Payoff (Valor de liquidação)
e abaixo de R$2,00/US$, o cliente receberá o valor nomi-
nal protegido. $

Payoff (Valor de liquidação)


Valor
investido
$ +Variação
Ibovespa Regra 2
Valor Regra 2
investido
+120%
CDI Valor
investido
Regra 1 Regra 3 +100% Preço de
Valor Regra 1
CDI exercício
investido
+110%
CDI 60.000 Ativo subjacente
(Preço de exercício) (Índice Ibovespa)
Valor Regra 4 Regra 4
Nominal
Protegido % Valor Nominal % Valor Nominal
Protegido Protegido

2,00 2,10 2,20 2,30 Ativo subjacente


(Taxa de Câmbio)
Participação (Compra) Volatilidade (Compra de straddle)
Modalidade: VNR (Valor Nominal em Risco). Modalidade: VNP (Valor Nominal Protegido).
Ativo subjacente: Ibovespa. Ativo subjacente: taxa de câmbio de dólar.
Preço de exercício: 60.000 pontos. Compra de call e put com mesmo preço de exercício:
Cenário 1: se o índice ficar acima de 60.000 pontos, a re- R$2,25/US$.
muneração corresponderá a 100% da alta do índice, uti- Cenário 1: se a cotação do dólar ficar abaixo de R$2,25/
lizando-se, para o cálculo, a cotação final observada e o US$, a remuneração corresponderá a 90% da queda da
preço de exercício. taxa de câmbio em módulo. A variação considera a cota-
Cenário 2: se o índice ficar abaixo de 60.000 pontos, a re- ção final em relação ao preço de exercício.
muneração corresponderá a 90% da queda do índice, uti- Cenário 2: se a cotação do dólar ficar acima de R$2,25/
lizando-se, para o cálculo, a cotação final observada e o US$, a remuneração corresponderá a 110% da alta da taxa
preço de exercício. de câmbio. A variação considera a cotação final em rela-
ção ao preço de exercício.
Payoff (Valor de liquidação)
Payoff (Valor de liquidação)
$

$
+100% da
alta do Regra 1
Ibovespa

Ativo subjacente +90% da


60.000 (Índice Ibovespa) queda da +110% da
+90% da Regra 2 (Preço de exercício) taxa de alta da
queda do câmbio em taxa de
Ibovespa módulo câmbio
(Regra 1) (Regra 2)

R$2,25/US$ Ativo subjacente


(Preço de exercício) (Taxa de Câmbio)

Obs.: o exemplo dado é da modalidade VNR, mas podem ser inseridos


limitadores de alta e baixa e barreiras de alta e baixa com pagamento
de rebate, em caso de acionamento de barreiras. Dessa forma, é pos-
sível montar estruturas da modalidade VNP na família “Participação”.
© 2016 BM&FBOVESPA S.A. – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros
linkedin.com/company/bm&fbovespa

twitter.com/bmfbovespa

facebook.com/bolsapravoce

Visite o site da BM&FBOVESPA

bmfbovespa.com.br/balcao

Termos e Condições de Responsabilidades


Os leitores podem utilizar cotações e demais dados disponíveis neste folheto exclusivamente para uso pessoal. Não é permitido reproduzir, transmitir,
comercializar, locar, publicar ou distribuir parte ou totalidade do conteúdo, mediante qualquer forma ou meio, sem prévia e expressa autorização da
BM&FBOVESPA.
Os textos e as tabelas contidos neste impresso têm propósito unicamente informativo, não representando recomendação de investimento. Todas as
informações disponíveis em suas páginas não foram produzidas para servir de base para qualquer decisão de investimento.
As informações disponibilizadas são obtidas de fontes entendidas como confiáveis. Entretanto, a BM&FBOVESPA não garante e não se responsabiliza por
pontualidade, integridade, exatidão e atualização das informações contidas neste material.
Em nenhuma hipótese, a BM&FBOVESPA, seus prepostos e/ou participantes associados serão responsáveis por perdas e danos diretos ou indiretos,
incidentais ou consequentes, custos ou despesas, lucros cessantes, atrasos, inexatidões, erros, omissões, interrupções, prejuízo resultante do acesso não
autorizado e mau uso deste folheto.
Contate a BM&FBOVESPA sempre que tiver dúvidas ou interesse em mais detalhes sobre este folheto.
A BM&FBOVESPA tem o direito de, a qualquer tempo e sem aviso prévio, modificar, suspender ou cancelar este material.
Os prejuízos decorrentes de intermediação de operações e de serviços de custódia relativos ao mercado de balcão organizado, bem como de serviços
referentes ao ambiente de registro, administrados pela BM&FBOVESPA S.A. – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, não contam com a proteção
oferecida pelo Mecanismo de Ressarcimentos de Prejuízos administrado pela BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM), nos termos do artigo 41 do
Estatuto Social da BSM e do artigo 77 da Instrução CVM 461/2007.