Você está na página 1de 2

RESENHA DESCRITIVA

Fernando Cardoso Souza, Florbela Nunes, e Ileana Pardal Monteiro. Teoria e Prática
em Administração, v.5, n.2, 2015, pg.121-139 – Artigo Criatividade e Inovação
Empresarial Nas Indústrias Criativas.

O Artigo Criatividade e Inovação Empresarial nas Indústrias Criativas tece sua


introdução destacando que somente a inovação pode permitir que a empresa otimize a
introdução dos produtos certos por tempo certo em um mercado, e que a única coisa que
separa a empresa da concorrência são as ideias, conhecimentos e empenho empregados,
salienta que a influência das atividades criativas são mais praticadas em industrias.
Em seu referencial teórico trás o conceito de indústria criativa, sendo este uma
indústria que se tipifica na dependência do uso da imaginação, associada aos fatores de
talento. A indústria criativa em questão promove a revitalização do crescimento
econômico, reforçando a tese citando como exemplo o crescimento em cidades, através
da pratica inovadora nas indústrias do Reino Unido, apontando que no ano de 2007,
dois milhões de postos de trabalho contribuíram para tal feito, acarretando em 2019 o
porcentual de 2,9% de riqueza para a economia britânica.
Menciona a criatividade e a inovação, que ela não é somente para os grandes
gênios ou artistas, mas também é para pessoas comuns. A inovação aplicada a domínios
de implementação e como o poder de comunicar. Cita a criatividade marcada pelas
características individuais, personalidade, motivação intrínseca, interação dinâmica entre
individuo e o criativo. A definição da criatividade com a teoria do investimento que
configura 6 recursos: capacidade intelectual, conhecimento, estilo cognitivo,
personalidade e motivação em contexto ambiental, possibilitando a aceitação social em
anexo com os fatores supracitado.
Discorre atitudes e gestão criativa em contexto empresarial sendo a atitude criativa
dos empregados relacionadas a procura de oportunidades, e de experiencias diferentes,
menciona a criação é um portfólio de oportunidades estando relacionada a influência entre
a atitudes dos empresários face à criatividade e as práticas de inovação empresarial que
é mais forte no setor que envolve as indústrias criativas.
O método utilizado consiste em dados recolhidos de questionário constituído por
um inventário de práticas empresariais, e por uma escala de atitudes diante da
criatividade, usado de forma objetiva, para identificar as atitudes criativas, utilizando 36
questões aplicadas sobre a teoria do investimento criativo em conjunto com realização de
entrevistas baseadas nos seis tipos de recursos mencionados.
Apresenta quadro de descrição de Inventário de Práticas, Empresariais,
Inovadoras, de Escala de Atitudes Face à Criatividade, com seus fatores.
Menciona a coleta de dados realizada através de estudo recorrendo a uma amostra
de oportunidade, constituída por 424 sujeitos responsáveis por microempresas e PME
portuguesas, sedeadas em Portugal continental, constituídas de ambos o sexo. Considera
os setores incluídos no conceito de indústria criativa, selecionando um segmento
composto por 94 empresários responsáveis por empresas com atividades de consultoria,
multimidia, publicidade, serviços de apoio social, educação, artesanato, arte, recreação e
lazer.
Na análise de dados indica na tabela 1 indica o percentual de variança, liderança,
excluindo a autonomia. Na tabela 2 descreve a verificação que ponto do segmento das
indústrias criativas diferia na regressão linear, no qual consta a existência de uma relação
de influência entre as variáveis em estudo, enquanto no segmento de indústrias criativas
verificou-se um aumento de explicação da variância, por comparação com o modelo
inicial, evidenciando uma relação de dependência entre as práticas empresariais
inovadoras e as atitudes criativas, num enquadramento condicionado pelo contexto de um
determinado tipo de atividade.
O artigo conclui que a implicação da criatividade quanto a capacidade de inovação
é influenciada por um conjunto de características do empresário, em que a criatividade
parece favorecer a estimulação da atividade criativas na inovação empresarial.