Você está na página 1de 42

O que você pensa sobre isso?

Tudo que voce deveria saber sobre seu britador de


mandíbulas
By Zamboni

Britador Mandíbulas – Nomenclatura / Terminologias.

Terminologias do Britador de Mandíbulas.

Após ler vários manuais de operação, manutenção e de Instruções de Britador de


Mandíbulas, percebi que existem certos termos usados para descrever o britador, seus
componentes e sua operação. Para que não existam mais confusões e possíveis mal
entendidos, seguem as definições desses termos:

Alimentação:
O material bruto a ser britado, tal como as rochas (calcário, basalto, granito, etc.) ou
Materiais / artefatos confeccionados pelo homem, como concreto e asfalto. O tamanho
da alimentação é tipicamente definido em termos de uma distribuição granulométrica
ou baseado no tamanho máximo.
Granulometria do produto:
A granulometria do material depois de ter sido britado. Similar ao tamanho da
alimentação, a granulometria do produto é tipicamente definida em termos de uma
distribuição granulométrica ou baseada no tamanho médio superior (máximo).

Capacidade:
A produção do britador computada em toneladas por hora.

Tamanho de alimentação máximo recomendado:


Como um guia geral, a média máxima recomendada para o tamanho da alimentação
deve ser cerca de 80% de abertura de alimentação. Tal medida irá garantir que
qualquer evento passageiro resultante de sobrecarga na alimentação seja mantido em
um mínimo.

(A1 e A2) Abertura de alimentação:


A abertura por onde o material entrará no britador. A abertura de alimentação possui
duas dimensões: a largura e a profundidade. A profundidade da abertura de
alimentação A1 é uma dimensão crítica porque dita o tamanho máximo da alimentação
que um britador de mandíbula pode aceitar.
(B) Ângulo de britagem:
O ângulo entre a mandíbula fixa e a móvel. O ângulo de britagem é frequentemente
referido como o ângulo de “mordida”.

(C) Mandíbulas:
As peças que britam são normalmente chamadas de mandíbulas. As mandíbulas são
compostas por uma fixa e uma móvel, e dependendo do modelo podem ter 1 ou 2
peças. Diferentes perfis de mandíbulas estão disponíveis para diferentes aplicações.

(D) Ajuste de descarga:


A menor distância entre a parte inferior das mandíbulas fixa e móvel, medida no ponto
em que as mandíbulas estão mais próximas durante seu ciclo de trabalho: ajuste na
posição fechada, ou APF. O ajuste deve ser medido de acordo com o perfil da
mandíbula.
Tensão das correias do seu britador

Qual o procedimento correto para tensionamento das correia de transmissão de


potência?

Um tensionamento correto nas correias de transmissão sem dúvida traz muitos


benefícios e evita diversos aborrecimentos.

Devemos lembrar sempre de algumas regras básicas:

A tensão ideal é aquela tensão mais baixa, na qual a correia trabalha sem "patinar"
na polia, mesmo quando o equipamento for submetido ao torque mais alto.
A tensão excessiva encurta a vida das correias, dos rolamentos/buchas e pode
causar danos internos no motor/equipamento; por outro lado, uma baixa tensão
provocará o deslizamento, gerando calor excessivo nas correias e ocasionando falhas
prematuras;
Após a troca de correias, checar a tensão das mesmas nas primeiras 48 horas de
operação;
Fazer inspeções periódicas no conjunto de acionamento, tensionando
corretamente as correias quando necessário;
Para um tensionamento uniforme nas correias é recomendável não misturar
marcas diferentes, instalar jogos com diâmetros/comprimentos da mesma série e não
utilizar correias novas junto com correias velhas.
O uso do equipamento com uma ou mais correias faltantes por períodos
prolongados pode diferenciar o desgaste dos canais das polias e o tensionamento ficará
incorreto após a substituição do conjunto de correias.

Como efetuar o tensionamento correto ?

Com baixo custo, pode-se adquirir em empresas que comercializam correias de


transmissão o instrumento "medidor de tensão".
As instruções para utilização e medição da tensão são fornecidas junto com o
instrumento e são muito simples, possibilitando ao seu pessoal de campo efetuar o
tensionamento correto nas correias de transmissão, atendendo às recomendações dos
fabricantes do equipamento.

Ações preventivas

● Sempre use um jogo completo de correias novas, da mesma marca e mesmo


número de série. Nunca misture correias usadas com correias novas.
● A vida útil das correias e dos mancais irá reduzir drasticamente se houver um
tensionamento excessivo ou um desalinhamento das polias.
● Mantenha as correias sempre protegidas de qualquer material estranho, tais
como óleo, graxa, pedra, sujeira, etc, que possa provocar o escorregamento das
mesmas.
Abanadeiras

Abanadeiras são peças muito importantes não só para o funcionamento do seu


equipamento, mas também para identificar possíveis problemas no
processamento.
Vamos conhecer um pouco mais sobre essa peça, trata- se um elemento de valor
aparentemente secundário do seu equipamento, mas que pode ser a chave para a
descoberta de problemas crônicos em todo o processo de beneficiamento do material.
O que é a abanadeira?
A abanadeira é simplesmente uma placa, cuja função é transmitir, à parte inferior do
queixo, toda força de britagem gerada pelo motor. O ajuste da abanadeira é feito por
um sistema de parafuso e mola de tarraxa, ou por intermédio de calços, que servem
para regular a abertura do britador.
Os modelos mais antigos de britadores e os menores dos modelos novos utilizam o
perfil “S”, projetadas normalmente de ferro fundido. Os modelos modernos de
britadores grandes utilizam abanadeiras planas, que podem ser de aço fundido ou
laminado.
Feitas para quebrar ?

Isso mesmo! As abanadeiras são feitas para quebrar, pois quando um corpo estranho
não britável cai dentro da câmara de britagem da máquina, é necessário à interrupção
do processo, ou melhor, da força transmitida ao queixo / mandíbula, impedindo o
desgaste severo da mesma e consequentemente maior danos ao equipamento. Por isso
são chamadas de fusíveis dos britadores.
É um grande equívoco tentar melhorar a resistência mecânica das mesmas, porque há
uma incidência quebras das mesmas. Se isto está ocorrendo, é certo que o problema
não está na abanadeira, mas no correto processamento do mineral. Vale dizer que a
abertura incorreta (regulagem) do britador, alimentação cujo tamanho excede as
especificações do equipamento, ou mesmo a incidência de material não britável como,
por exemplo, dentes de escavadeiras, entre outros, isso sim, são as causas mais
prováveis nas quebras de abanadeiras.
Eu mesmo já presenciei diversos casos em que as mineradoras investiram na maior
durabilidade das abanadeiras e como consequência provocou a quebra do queixo dos
seus britadores, o que custou o equivalente a um equipamento novo, além do prejuízo
à produção.

Como eram as abanadeiras na minha época de FAÇO.


Tensionamento da mola do tirante de retorno do queixo /
mandíbula – Britador de mandíbulas.

Antes de comentar sobre a importância do ajuste da mola do tirante do tensor, temos


que comentar sobre os métodos de ajuste da abertura dos Britadores de Mandíbulas,
que são realizadas de três maneiras, manual, semiautomáticos e automáticos, vou
mostrar cada caso logo abaixo.

Ajuste de abertura MANUAL.

Ao meu modo de ver esse é o método de abertura mais simples, é também o método
mais funcional com certeza, esse método funcionou ate então desde que eu me
conheço por gente, além de simples muito funcional, esse sistema muita vezes viabiliza
o custo do equipamento para o cliente, além disso você evita todos aquele sistema
hidráulico dos novos equipamentos de abertura que vou mostrar mais a frente, todo
esse sistema hidráulico é um item a menos para se preocupar com manutenção e peças
de reposição, em campo eu já presenciei equipamento parado por conta de haste do
cilindro hidráulico que fazer abertura / fechamento das cunhas, empenada.
O cliente precisava fazer o ajuste de abertura, depois de vários dias sem fazer, qdo
precisou ficou na mão com a produção.
Ajuste de abertura SEMIAUTOMÁTICO.
Ajuste de abertura AUTOMÁTICO.
Independente do sistema de abertura do seu equipamento.

O ajuste da abertura do equipamento entre mandíbulas deve ocorrer periodicamente,


ate porque ela vai variando de acordo com o desgaste das mandíbulas de seu britador.
Após a realização do ajuste de abertura, é fundamental regular o tensionamento da
mola do tirante tensor, que também é conhecido como haste de retorno.

COMO REGULAR ?

Verifique o comprimento correto da mola de acordo com o modelo do seu Britador de


mandíbulas e fabricante, essa dimensão deve contar no manual de operação /
manutenção do seu equipamento.
A medida deve ser controlada a partir da face de apoio do suporte da mola, até a face
interna do guia da mola. Este ajuste é realizado através do "aperto" ou "alívio" das
porcas de travamento.
POSSÍVEIS PROBLEMAS POR REGULAGEM INCORRETA:

Pouca folga: poderá ocorrer o batimento das espirais da mola, ocasionando a quebra do
tirante tensor ou até mesmo a quebra da mola.

Excesso de folga: poderá ocorrer o batimento da abanadeira nas calhas (suporte da


abanadeira superior e inferior), a quebra ou queda da abanadeira e quebra do tirante do
queixo.

Portanto lembre – se, o tensionamento deve ser conferido diariamente.


Medindo a abertura do britador (APF).

Para maximizar o desempenho de produção da sua planta de britagem, é suma


importância que todos os equipamentos estejam regulados e ajustados
adequadamente.
A abertura do britador primário, por exemplo, influenciará diretamente na produção do
britador secundário, a do secundário influenciará no terciário e assim por diante.

Como verificar a abertura do britador de mandíbulas?

Sempre que o britador de mandíbulas estiver desligado na condição de repouso, ele


permanecerá na abertura na posição aberta (APA).

APA – ABERTURA POSIÇÃO ABERTA.


APF – ABERTURA POSIÇÃO FECHADA.
APF (A), APA (B) e parado (C)
A regulagem do seu britador é feita através da abertura na posição fechada (APF).

● APA é medida enquanto o britador está parado.


● APF é calculada subtraindo um valor, (constante, esta constante é um valor peculiar de
cada tamanho / modelo de britador) da APA, valor este fornecido nos manuais de
operação / manutenção.
Após medir a APA do britador, deverá ser calculada a APF para saber qual a abertura
do britador e poder regular a abertura desejada.
A maneira de medir a abertura varia de acordo com o perfil da mandíbula: topo-topo,
topo-fundo ou fundo-topo.

As tabelas com as constantes de cavidade deverão ser consultadas nos manuais para
verificar qual forma deverá ser utilizada.

Vejamos a seguir um exemplo de um cálculo que deverá ser realizado para achar a
abertura na posição fechada do britador:

● As constantes mostradas nas tabelas, em seus respectivos manuais, deverão ser


subtraído da abertura na posição aberta (APA) para calcular a abertura na posição
fechada (APF) de acordo com o tamanho do britador a ser regulado.

● Exemplo: Vamos supor que você tenha um Britador - Modelo C160, após consultar
manual, verificou que o valor da constante é 41.

Se a medida APA for 191 mm (7 1/2”), então a APF será: 191 - 41 = 150 mm (7 1/2” – 1
5/8” = 5 7/8”).

Identificando a APF será conhecida a abertura do britador, sendo possível realizar a


abertura ou fechamento do mesmo de acordo com a necessidade da planta.
CASO NÃO TENHA A CONSTANTE?

CONSTRUA UM MEDIDOR APF.

O dispositivo é muito simples. É um conjunto de 11 discos de borracha com diâmetros


de 75 mm (3 ") a 203 mm (8 "), uma haste de extremidades roscadas com porcas e
arruela e uma linha de nylon para medir levantamento.

Como dito anteriormente é uma ferramenta muito simples que consiste em uma haste
conectada a uma linha de pesca pesada.
Na extremidade inferior roscada, monta-se um disco de borracha circular, selecionado
de um conjunto de vários outros discos com diâmetros conhecidos. Quando a haste é
suspensa pela linha, deseja-se manter o disco montado na posição horizontal.
Com o triturador em marcha lenta sem carga, a haste de medição com um disco de
borracha, cujo diâmetro é abertura APF, e colada à parte inferior da câmara de britagem
no seu nível inferior com a ajuda da linha. O disco deve ser suportado contra duas
cristas na mandíbula fixa e mantido na posição horizontal, como no desenho logo
abaixo.
Instruções de medição

É recomendado pelas normas de segurança, que o britador funcione em vazio. Limpe


muito bem também o alimentador de material de processo antes de começar com a
medição.

a) Admita um diâmetro de disco a usar. Monte-o na haste.


b) Baixe a corda da ferramenta de medição ao longo da mandíbula fixa. O disco deve
estar em contato com duas cristas da mandíbula, conforme croqui acima.

 Se a ferramenta de medição passar o fundo das mandíbulas, o disco é muito pequeno


ao passo que, se não chegar ao fundo, o disco é muito grande.
 Quando o disco certo está montado na ferramenta, ele estará na horizontal e em
contato com duas cristas da mandíbula fixa, ao passo que com dito anteriormente,
apenas uma crista da mandíbula móvel, deve tocar o disco.

Para saber como se faz a abertura do seu equipamento, fazer dar uma olha na
pastagem anterior.
Quando devo girar a mandíbula do meu britador.

QUAL O PERFIL IDEAL?

A escolha do perfil ideal não é simples e o que é ainda pior, não há nenhuma regra, já
que em cada aplicação existem diferentes variáveis de alimentação, abertura,
necessidade de produto e problemas.
Certos tipos de perfis diminuem ou aumentam a capacidade de produção do britador.
Portanto, para a escolha correta é preciso ter um bom conhecimento de britagem e
observar o que se passa no interior da câmara do britador (material muito lamelar,
umidade em excesso, muitos finos, necessidade de abertura pequena, etc.).

DESGASTE ACENTUADO - O QUE FAZER?

Quando o desgaste da mandíbula fica acentuado todos nos sabemos que o rendimento
do equipamento também já não é mais o mesmo, já não é mais o ideal, pois diminuem
os espaços vazios entre os dentes, ocorrem engaiolamento com frequência muito
maior, o ângulo de britagem é alterado, ou seja, há redução significativa de produção.
Desta forma, a análise do custo-benefício para troca da mandíbula desgastada deve ser
levada a sério, pois num determinado momento a diferença de produção justifica o
investimento numa peça nova. Ainda observamos usuários britando até mesmo com a
mandíbula trincada e furada, sem fazer um correto controle e análise do custo x
produção.
QUANDO GIRAR A MANDÍBULA?

O ideal seria um desgaste em toda a região da mandíbula, ou seja em toda área da


peça, aproveitando todo manganês dos dentes, eliminando a necessidade de executar o
"giro", sem alterar a produção, mas isso é utopia, não existe essa condição.
Pois existem regiões onde não conseguimos evitar desgaste mais acentuado que as
demais regiões, em função principalmente da geometria do movimento de britagem,
como é o caso da extremidade inferior da mandíbula fixa e a região central da móvel,
por conta de desgaste não uniforme, que devemos realizar o giro das peças, e assim
para melhorar a performance e aproveitamento.

É recomendado um giro duplo, ou seja:

Mandíbula Fixa

Utilizar até desgastar aprox. 50% da vida útil na região inferior e realizar o 1° giro.
Desgastar de 90 a 100% da vida útil nesta nova região inferior e realizar o 2° giro.
Finalizar utilizando os 50% de vida útil restante desta extremidade.
Mandíbula Móvel

O mesmo procedimento vale para a móvel, pois embora o desgaste seja na região
central, dificilmente ocorre exatamente no meio da mandíbula.
Pode sai caro você deixar seu equipamento trabalhar com peças conforme essa foto
mostrada à abaixo.

Evite desperdício...!
Alimentação incorreta dos britadores

Normalmente, nas instalações com grandes volumes de material processados, é


observada a alimentação incorreta dos britadores de mandíbulas, onde o material
basculado na tremonha acaba que ganhando uma grande velocidade juntamente com
grandes dimensões.

E na maioria das vezes esse material é direcionado diretamente a proteção do queixo, o


que acarretara consequências muito serias como:

 Alteração das cargas dinâmicas do equipamento.


 Esforços desnecessários nos mancais.
 Vida útil dos rolamentos dos mancais e queixo reduzido drasticamente.
 Perda de eficiência da produtividade.
 Quebra do sistema de ajuste de abertura das mandíbulas.
 Queda / quebra da abanadeira.
 Maior frequência nos reabertos dos parafusos das mandíbulas.
 Tricas no queixo.

A velocidade de alimentação nos britadores de mandíbulas deve ser controlada.


Para manter a velocidade em um nível desejado, a altura de alimentação não deve
exceder 1 (um) metro.
Como resolver esse problema?

Para solucionar o problema de velocidade excessiva na alimentação dos britadores de


mandíbulas o ideal seria mudar o layout da alimenta do equipamento conforme croqui
abaixo, mas caso não seja possível é necessário instalar “barreiras”, de forma a criar
freios para diminuir a velocidade do material.

Quais os cuidados na instalação de barreiras / freios na alimentação dos


britadores?
As barreiras (freios) devem ser fixadas muito bem e devem possuir robustez de forma a
suportar os esforços e impactos da alimentação, do contrário poderá ocorrer o seu
desprendimento, o que ocasionaria sérios danos ao britador caso elas caiam na câmara
de britagem.
As barreiras de corrente também devem ser inspecionadas constantemente, quase que
diariamente.
Devido ao risco de soltura destas barreiras, um ponto importante é a correta escolha.
do tipo e a quantidade de barreiras instaladas.
Os pneus inutilizados podem ser outra solução.
Quebra dos parafusos de fixação das Mandíbulas.

Quando ocorre a quebra dos parafusos de fixação das mandíbulas, as mesmas podem
trabalhar soltas e acabar caindo dentro do britador, e com esse fato podendo causar
sérios danos ao equipamento.

Vale lembra que quebra dos parafusos de fixação das mandíbulas, seja ela a fixa ou a
móvel, não deve ser considerada um evento normal em uma planta de britagem.
Essas quebras são frequentemente causadas por um desses motivos:

 Falta aperto nos parafusos,


 Torque em excesso,
 Montagem incorreta das arruelas molas
 Montagem incorreta das mandíbulas e cunhas de aperto
 Impacto no queixo ou na estrutura do equipamento por alimentação incorreta.
Para garantir o aperto correto dos parafusos, as arruelas de pressão ( molas ) devem
estar niveladas com o alojamento, deve ficar entre 0 mm e 0,5 mm, conforme croqui
acima.

Montagem correta (esquerda) e incorreta (direita).

Com que frequência deve verificar o aperto dos parafusos?

O aperto dos parafusos de fixação das mandíbulas seja ela a fixa ou a móvel, deve ser
verificado após as primeiras 8 horas de britagem após a troca ou giro das mandíbulas.
Após esse período, devem ser verificados diariamente antes do início da
operação.
Como montar corretamente as arruelas de pressão (molas) ?

Atenção...
A montagem incorreta das arruelas de pressão (molas) é prejudicial ao funcionamento
do seu equipamento, pois montagem incorreta pode gerar o batimento da mandíbula
nos tirantes, gerando assim excesso de tensão nos tirantes, ou eliminação da função de
absorção de vibração das molas.
Melhore a performance do seu britador!

Respeitar a dimensão da boca de entrada do seu britador é muito importante para a


melhoria da performance.
Nas constantes visitas em clientes nos deparamos com seguidos engaiolamentos dentro
da câmara de britagem dos equipamentos, no caso dos britadores de mandíbulas,
sendo assim necessária a intervenção por parte dos operadores, seja com a utilização de
alavancas ou através de rompedores hidráulicos ou pinças hidráulicas para desafogar o
mesmo.
Esse fato ocasiona, ao longo da jornada de trabalho, uma perda significativa de
produção que muitas vezes passa despercebida.
É relevante constatar que um engaiolamento na boca de um britador primário pode
levar no mínimo 6 minutos para ser solucionado, ou seja mataco removido,
fragmentado ou direcionado para a câmara. Assim, se ao longo de um dia de produção,
caso aconteçam aproximadamente 10 engaiolamentos, o que não difícil, a planta vai
ficar parada durante 1 hora.
Agora Imagina, caso vc tenha um equipamentos com uma capacidade produtiva, de 200
m3/h, e caso esse problema seja rotina, nos dias de hoje a perda diária pode ultrapassar
o valor dos até 10 mil reais, dependendo da região onde o equipamento estiver
instalado.

Como o estado das mandíbulas pode afetar a produção?

Nos britadores, todos sabemos que as mandíbulas são responsáveis pela proteção da
carcaça no caso da mandíbula fixa e do queixo no caso da mandíbula móvel, além de
serem, é claro um item muito importante para a performance do equipamento
.
Precisamos estar atentos ao desgaste das mandíbulas, pois ao longo da vida útil do
equipamento esse desgaste geralmente provoca uma perda muito sensível na produção
devido ao aumento do ângulo de britagem, perda da geometria do perfil do dente,
redução da "APF" para compensar o efeito de lamelas, etc.
Portanto, temos que trabalhar no sentido de encontrar o momento ideal para o giro ou
troca da mandíbula (custo x benefício), pois poderemos ter uma redução de 10 a 20%
na produção em caso de desgaste excessivo.
Exemplificando a partir do case anterior, a planta teria uma redução de aprox. 40 m3/h,
ou seja, uma perda de aproximadamente 10 a 15 mil reais no faturamento em um dia.
Motor elétrico do seu britador, como ele esta ?

Quais os cuidados devemos ter com os motores elétricos instalados em


equipamentos de mineração ?

O motor elétrico, ele é nada mais, nada menos que o coração do seu equipamento,
eles geram o movimento necessário para o beneficiamento do material, no caso das
mineradoras e britagens.
O mau funcionamento do mesmo pode causar paradas indesejadas na sua instalação /
planta, isso devido a vibrações, ruídos, temperatura, ou até mesmo com seu travamento.
Não posso deixar de citar a sujeira...né, o excesso de material acumulado sobre o motor,
é um problema muito grave, pois a ventilação do mesmo fica totalmente
comprometida.
Quando compramos um equipamento independente da sua marca e modelo, e não o
colocamos imediatamente em operação, devemos tomar alguns cuidados com o seu
armazenamento.
Cuidados necessários durante o armazenamento dos Motores Elétricos
Características do local:
- Deve ser um local coberto e seco.
- Isento de poeira e chuva.
- Livre de vibrações.
- Livre de gases.
- Em posição normal.
- Sem objetos apoiados sobre o mesmo , sobre paletes.

Recomendações:
- Girar o eixo do motor com a mão 1 vez por mês.
- Caso o motor possua resistência de aquecimento, este deverá ser energizada durante
todo o período de armazenagem.
- Nunca embalar o motor com plásticos, pois reterá umidade interna.
Para motores armazenados por mais de 2 meses:
- Medir a resistência de isolamento antes do início da operação.
- Substituir totalmente as graxas
- Trocar os rolamentos caso necessário

Após o início da operação, quais verificações devemos realizar


mensalmente?
- Inspeção visual
- Manter o motor sempre limpo para assegurar a circulação da corrente de ar,
garantindo a refrigeração.
- Verificar o aperto dos parafusos de fixação do motor.
- Monitorar: ruído, vibração, temperatura.
Para monitoramento da temperatura do motor, é recomendado usar uma câmara
termográfica, o monitorar deve ser diário.
A lubrificação é vital para o motor!
Como fazer a lubrificação correta?
Para os motores que possuem a graxeira, é recomendada a relubrificação durante seu
funcionamento. Se, por questões de segurança, não for possível realizar a lubrificação
com o motor em funcionamento, recomenda-se que seja injetada metade da
quantidade de graxa necessária (de acordo com o tipo do motor) com o mesmo parado,
girar o motor durante 1 minuto em plena rotação, pará-lo e injetar o restante da graxa.

Importante...
Nunca Injete a quantidade total de graxa de uma única vez com o motor parado pode
provocar a penetração do lubrificante na parte interna (enrolamento), danificando o
motor.
O lubrificante recomendado é a graxa para rolamento à base de Lítio com viscosidade
de 100 a 140 cSt a 40ºC, consistência NLG1 grau 2 ou 3, com temperatura de trabalho
contínua de -30ºC até +130ºC
Veja abaixo a tabela de intervalos de lubrificação de acordo com a carcaça do motor e
sua rotação:
Para maiores detalhes, o manual do motor que acompanha o equipamento deve ser
consultado.
Sempre que for necessário realizar uma intervenção em um motor elétrico, recomenda-
se que a Autorizada
Importância da lubrificação dos rolamentos dos mancais e queixo
do seu britador.

A lubrificação dos rolamentos dos mancais e queixo é extremamente importante para a


vida útil dos rolamentos dos britadores.
O óleo contido na graxa forma uma película protetora separando e evitando o contato
entre as partes girantes, protegendo assim o seu equipamento contra desgaste e
corrosão.
Além da função de lubrificação dos rolamentos, a graxa veda os labirintos, assim
impedindo a entrada de contaminantes nos mancais.
Ao injetar graxa nova nos mancais do equipamento, a pressão interna, faz com que a
graxa velha, seja expelida para fora pelos labirintos dos mancais, limpando os canais de
contaminantes como o pó de minérios, água, conforme figura abaixo:
A presença de contaminantes nos mancais prejudica severamente os rolamentos
reduzindo sua vida útil.
Dessa forma, é muito importante que a periodicidade e quantidade de graxa sejam
seguidas, além de cuidados básicos no momento da lubrificação como, por exemplo,
limpar o bico das graxeiras antes de lubrificar.

Excesso de graxa.

Além dos problemas relacionados à falta de lubrificação, o excesso de graxa nos


mancais também pode gerar problemas.

Importante: Evite usar graxa acima da quantidade especificada, pois a


lubrificação excessiva poderá ocasionar superaquecimento e com isto reduzir a vida
útil do rolamento.

A presença de altas temperaturas nos mancais faz com que a graxa se liquefaça
e escorra pelas chapas laterais e queixo.
Nesse caso, lubrifique os mancais conforme o recomendado pelo manual de
manutenção / operação.

Temperatura dos mancais


O monitoramento diário da temperatura pode auxiliar na detecção de problemas no
britador.
A leitura deve ser feita com o britador parado quando os sensores não forem instalados
nos mancais.
Temperaturas dos rolamentos dos mancais e do queixo.
A temperatura normal de operação varia de 40 a 70°C (104 a 158°F).
Caso a temperatura operacional atinja 75°C (167°F), ou em condições muito quentes
90°C (194°F), inspecione o mancal para verificar a causa.
Faça também uma inspeção cuidadosa se um mancal apresentar temperatura de 10 a
15°C (18-27°F) acima dos demais.

Tipos de graças recomenda.

Assim como é extrema importância que o seu britador seja corretamente lubrificado
para garantir o bom funcionamento e sua durabilidade, também é importante usar a
graxa correta.
A tabela à seguir fornece algumas das marcas de lubrificante à base de lítio
recomendadas:

Aviso: Não use lubrificantes contendo molibdênio ou cálcio, pois seus componentes
sólidos provocam um maior desgaste dos rolamentos, reduzindo assim a vida útil deles.

Os fabricantes dos equipamentos recomendam não misturar diferentes


marcas / tipos de lubrificante!

A lubrificação dos rolamentos, do queixo e do mancal, deve ser feita utilizando uma
pistola de lubrificação manual através de quatro bicos graxeiros.

IMPORTANTE: Sempre limpe o bico das graxeiras antes de lubrificar os


rolamentos, para que os mesmos não sejam contaminado com externos.
A periodicidade e quantidade de graxa por bico deve ser levado à risca, essas
informações de quantidade variam de modelo / tamanho e fabricante, e deve ser
consultado no manual de operação e manutenção do seu equipamento.
A adicione o lubrificante imediatamente após desligar o equipamento, quando os
rolamentos ainda estão quentes. Assim, a massa lubrificante fluirá com mais facilidade.
Lubrificação automática

O sistema de lubrificação automática é pode ser um item opcional em alguns modelo,


que lubrifica automaticamente os rolamentos dos mancais e queixo / eixo excêntrico,
respeitando a quantidade exigida pelo fabricante dos rolamentos. O uso do sistema de
lubrificação automático proporciona comodidade, uma vez que basta
aos operadores monitorar o volume de graxa no tanque da bomba.
O sistema de lubrificação automático é composto por uma bomba, mangueiras e um
distribuidor. O distribuidor divide o fluxo de graxa da unidade da bomba em quatro
fluxos iguais.
A unidade da bomba deve ser montada verticalmente (separada do britador) em um
local apropriado, que forneça o máximo de espaço livre ao seu redor. A unidade possui
mangueira de 5 metros de comprimento .