Você está na página 1de 35

LEGISLAÇÃO LABORAL

CONTRATO DE TRABALHO

Um contrato de trabalho é aquele pelo qual uma pessoa


singular se obriga, mediante retribuição, a prestar a sua
atividade a outra ou outras pessoas no âmbito de
organização e sob a autoridade destas.
PRESUME-SE A EXISTÊNCIA DE UM CONTRATO DE
TRABALHO

Quando na relação entre a pessoa que presta uma atividade e


outra ou outras que dela beneficiam, se verifiquem algumas das
seguintes características:

a) A atividade seja realizada em local pertencente ao seu


beneficiário ou por ele determinado;

b) Os equipamentos e instrumentos de trabalho utilizados


pertençam ao beneficiário da atividade;
PRESUME-SE A EXISTÊNCIA DE UM CONTRATO DE TRABALHO

c) O prestador de atividade observe horas de início e de termo da


prestação, determinadas pelo beneficiário da mesma (horário de
trabalho);

d) Seja paga, com determinada periodicidade, uma quantia certa


ao prestador de atividade, como contrapartida da mesma
(retribuição);

e) O prestador de atividade desempenhe funções de direção ou


chefia na estrutura orgânica da empresa.
CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO
São aqueles cuja duração é previamente determinada pelo
empregador e/ou trabalhador em função de um acontecimento ou
prazo.

Contrato a termo certo: aquele em que o momento de cessação se


encontra fixado no tempo mediante a definição de um prazo.

Contrato a termo incerto: aquele em que o momento da cessação se


encontra dependente de um evento cuja data de verificação é incerta
ou desconhecida à partida.
ADMISSIBILIDADE DE CONTRATO DE TRABALHO A
TERMO

O contrato de trabalho a termo só pode ser celebrado:

▪ Satisfação de necessidade temporária da empresa, pelo período


estritamente necessário à satisfação dessa necessidade.
▪ Lançamento de nova atividade de duração incerta, bem como início
do funcionamento de empresa ou de estabelecimento pertencente a
empresa com menos de 250 trabalhadores, nos dois anos posteriores a
qualquer um desses factos;
▪ Contratação de trabalhador em situação de desemprego de muito
longa duração.
O QUE SÃO NECESSIDADES TEMPORÁRIAS DA
EMPRESA:
São necessidades temporárias nomeadamente:

- substituição de trabalhador ausente ou que, por qualquer motivo,


se encontre temporariamente impedido de trabalhar;
- substituição de trabalhador em relação ao qual esteja pendente
em juízo ação de apreciação da licitude do despedimento;
- substituição de trabalhador em situação de licença sem
retribuição;
O QUE SÃO NECESSIDADES TEMPORÁRIAS DA EMPRESA:

- substituição
de trabalhador a tempo completo que passe a
trabalhar a tempo parcial por tempo determinado;
- atividades sazonais ou outra cujo ciclo anual de produção
apresente irregularidades decorrentes da natureza estrutural do
respetivo mercado, incluindo abastecimento de matéria-prima...;
- acréscimo excecional da atividade da empresa;
- execução de uma obra, projeto ou outra atividade definida e
temporária, incluindo a execução, direção ou fiscalização de
trabalhos de construção civil, obras públicas,….
QUAIS OS ELEMENTOS ESCRITOS OBRIGATÓRIOS QUE
DEVEM CONSTAR DE CONTRATOS A TERMO

- identificação, assinaturas, domicilio ou sede das partes


contraentes;
- atividade do trabalhador e retribuição;
- data de início do trabalho;
- indicação do termo estipulado e do respetivo motivo justificativo;
- data da celebração do contrato e, sendo a termo certo, da
respetiva cessação.
CONSEQUÊNCIA SE AS FORMALIDADES E CONTEÚDO DOS
CONTRATOS A TERMO NÃO FOREM CUMPRIDAS PELA
ENTIDADE EMPREGADORA

- Se faltar (em) identificação, assinatura, domicílio e sede das


partes; indicação do termo e motivo justificativo; data de
celebração e início de trabalho o contrato considera-se sem
termo.
- Se faltar: a data de início do trabalho considera-se que o
contrato tem início na data sua celebração.
PODEM ESTAR DISPENSADOS DE FORMA ESCRITA
CERTOS CONTRATOS A TERMO CERTO?

Sim,
os contratos em atividade sazonal no setor agrícola ou do
turismo, com duração consecutiva não superior a 35 dias e que
não excedam 70 dias por ano civil, os chamados contratos de
muito curta duração, desde que sejam enviados através de
formulário eletrónico para a Segurança Social.
Em caso de incumprimento das regras entende-se que os contratos
durarão seis meses.
DURAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO
CERTO

A duração do contrato de trabalho a termo certo


não pode ser superior a dois anos.
RENOVAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO
CERTO

1 - As partes podem acordar que o contrato de trabalho a termo


certo não fica sujeito a renovação.

2 - Na ausência desta estipulação e de declaração de qualquer das


partes que o faça cessar, o contrato renova-se no final do termo, por
igual período se outro não for acordado pelas partes.
RENOVAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO A TERMO
CERTO

3 - A renovação do contrato está sujeita à verificação


da sua admissibilidade, nos termos previstos para a sua
celebração, bem como a iguais requisitos de forma no
caso de se estipular período diferente.
4 - O contrato de trabalho a termo certo pode ser
renovado até três vezes e a duração total das
renovações não pode exceder a do período inicial
daquele.
5 - Considera-se como único contrato aquele que seja
objeto de renovação.
DURAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO A
TERMO CERTO

Por exemplo, para um contrato de trabalho a termo com duração de


nove meses, continuam a poder ser feitas no máximo três renovações mas
estas, no total, não podem perfazer mais do que os nove meses à
duração do contrato inicialmente celebrado.
COMO É QUE SE CONSIDERA UM CONTRATO QUE
TENHA SOFRIDO UMA OU MAIS RENOVAÇÕES?

Considera-se como um único contrato de trabalho.


O QUE ACONTECE SE O CONTRATO A TERMO CERTO
ULTRAPASSAR O PRAZO DE DURAÇÃO MÁXIMO OU O
NÚMERO DE RENOVAÇÕES?

Este contrato considera-se sem termo, contando-se a


antiguidade do trabalhador desde o início da prestação
do trabalho.
APÓS A CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO A TERMO POR MOTIVO NÃO
IMPUTÁVEL AO TRABALHADOR, PODE O EMPREGADOR ADMITIR NOVO
TRABALHADOR A TERMO PARA O MESMO POSTO DE TRABALHO?

Regra:
A cessação do contrato por motivo não imputável ao trabalhador impede
nova admissão ou afetação do mesmo ou de outro trabalhador através de
contrato de trabalho a termo ou de trabalho temporário ou de contrato de
prestação de serviços, cuja execução se concretize no mesmo posto de
trabalho, antes de decorrido um período de tempo equivalente a um terço da
duração do contrato incluindo renovações.
O contrato celebrado com o mesmo ou com outro trabalhador antes de
decorrido este período de tempo considera-se contrato sem termo (o
trabalhador é “efetivo”).
Exceções:
A regra não se aplica nos seguintes casos:

▪Nova ausência do trabalhador substituído, quando o contrato de


trabalho a termo tenha sido celebrado para a sua substituição;
▪Acréscimo excecional da atividade da empresa, após a cessação
do contrato;
▪Atividade sazonal;
▪Trabalhador anteriormente contratado ao abrigo do regime
aplicável à contratação de trabalhador à procura do primeiro
emprego.
SE O EMPREGADOR NÃO RENOVA UM CONTRATO A TERMO A UM
TRABALHADOR PODE ADMITIR NOVO TRABALHADOR PARA O MESMO
POSTO DE TRABALHO?

Pode faze-lo após o decurso de um período de tempo equivalente a um


terço da duração do contrato, incluindo as suas renovações.
Bem como quando diga respeito: a nova ausência do trabalhador
substituído, quando o contrato de trabalho a termo tenha sido celebrado
para a sua substituição; acréscimos excecionais da atividade da empresa,
após a cessação do contrato; atividades sazonais; trabalhador
anteriormente contratado ao abrigo do regime aplicável à contratação de
trabalhadores à procura de primeiro emprego (sem prejuízo dos limites
previstos para a duração máxima dos contratos a termo certo).
QUAL A DURAÇÃO MÁXIMA DO CONTRATO A
TERMO INCERTO?

Até quatro anos.


EM QUE CIRCUNSTÂNCIAS CADUCA UM CONTRATO DE TRABALHO A
TERMO INCERTO?

Caduca quando, prevendo-se a ocorrência do termo, o empregador


comunique a cessação do mesmo ao trabalhador, com a antecedência
mínima de:
➢ 7 dias, se o contrato tiver durado até 6 meses;
➢ 30 dias, se o contrato tiver durado de 6 meses a 2 anos;
➢ 60 dias, no caso de o contrato ter durado por período superior a 2
anos.
O incumprimento do referido aviso prévio, obriga o empregador a
pagar a retribuição correspondente aos dias de aviso prévio em falta.
DURAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO A TERMO INCERTO

A duração do contrato de trabalho a termo incerto não pode ser


superior a quatro anos.

Situações em que o contrato a termo incerto se converte em contrato sem


termo:
➢ Se o prazo máximo de 4 anos for ultrapassado, o contrato converte-
se em contrato sem termo;
➢ Quando o trabalhador permaneça em atividade após data de
caducidade indicada na comunicação do empregador ou, na falta
desta, decorridos 15 dias após a verificação do termo.
EXEMPLO
Em 20-01-2012, José foi contratado a termo incerto,
para substituição de um trabalhador ausente por
doença.
Em 10-11-2012, o trabalhador substituído teve alta
clínica e regressou ao trabalho.
Não obstante, José manteve-se ao serviço, sem que o
empregador lhe fizesse qualquer comunicação relativa
à cessação do contrato.
Decorridos 15 dias sobre o dia em que o trabalhador
substituído regressou ao trabalho, o contrato de
trabalho de José converteu-se em contrato sem termo.
EXEMPLO:

Em outubro de 2011,a empresa y, que se dedica ao


fabrico de calçado, recebeu uma encomenda de
dimensão bastante superior à sua capacidade produtiva.
Para fazer face ao acréscimo excecional de atividade
decorrente da referida encomenda, a empresa y
celebrou com Xavier um contrato de trabalho a termo
incerto.
Atendendo a que, de acordo com os planos de produção,
a encomenda ficaria completa no final de janeiro de
2012, o que veio a acontecer, em 20-01-2012 o
empregador comunicou ao Xavier que o seu contrato de
trabalho cessaria em 31-01-2012.
Apesar de tal comunicação, Xavier continuou a prestar o
seu trabalho à empresa y após 31-01-2012, nos mesmos
moldes que havia feito até então.
Uma vez que o trabalhador se manteve ao serviço para
além da data de caducidade indicada na comunicação do
empregador (31-01-2012), o seu contrato converteu-se
em contrato sem termo.
O QUE É O PERÍODO EXPERIMENTAL NOS
CONTRATOS DE TRABALHO?

O período experimental corresponde ao tempo inicial de


execução do contrato, cuja duração se encontra definida na lei,
devendo as partes agir, durante este período, de modo a permitir
apreciar o interesse na manutenção da relação contratual.

O período experimental pode ser excluído por acordo escrito


entre as partes.
DURAÇÃO DO PERÍODO EXPERIMENTAL
1 - Contrato de trabalho por tempo indeterminado:
a) 90 dias para a generalidade dos trabalhadores;
b) 180 dias para trabalhadores que:
i) Exerçam cargos de complexidade técnica, elevado
grau de responsabilidade ou que pressuponham uma
especial qualificação;
ii) Desempenhem funções de confiança;
iii) Estejam à procura de primeiro emprego e
desempregados de longa duração;
c) 240 dias para trabalhador que exerça cargo de
direção ou quadro superior.
DURAÇÃO DO PERÍODO EXPERIMENTAL
1 - No contrato de trabalho a termo:

a) 30 dias em caso de contrato com duração igual ou


superior a seis meses;

b) 15 dias em caso de contrato a termo certo com


duração inferior a seis meses ou de contrato a termo
incerto cuja duração previsível não ultrapasse aquele
limite.
PERÍODO EXPERIMENTAL

Durante o período experimental, salvo acordo escrito em


contrário, qualquer das partes pode denunciar o contrato sem
aviso prévio e invocação de justa causa, nem direito a
indemnização.
CONTAGEM DO PERÍODO EXPERIMENTAL

1 - O período experimental conta a partir do início da execução da


prestação do trabalhador, compreendendo ação de formação
determinada pelo empregador, na parte em que não exceda metade da
duração daquele período.

2 - Não são considerados na contagem os dias de falta, ainda que


justificada, de licença, de dispensa ou de suspensão do contrato.
OS DIAS DE FALTA AO TRABALHO DEVEM CONTAR-
SE PARA EFEITOS DE PERÍODO EXPERIMENTAL?

Os dias de falta, ainda que justificadas, de licença e de dispensa,


bem como de suspensão do contrato, não se contam para efeitos
de contagem do período experimental.
PODEM AS PARTES FAZER CESSAR O CONTRATO DE
TRABALHO DURANTE O PERÍODO EXPERIMENTAL?

Sim podem.
Quer o empregador, quer o trabalhador podem denunciar o
contrato de trabalho, sem necessidade de aviso prévio ou
invocação de justa causa e sem direito a qualquer indemnização,
salvo se existir acordo escrito em contrário.
HÁ ALGUM CASO EM QUE O EMPREGADOR, NO DECURSO DO PERÍODO
EXPERIMENTAL, TENHA DE AVISAR PREVIAMENTE O TRABALHADOR DA
SUA INTENÇÃO DE FAZER CESSAR O CONTRATO DE TRABALHO?

Sim, nos seguintes casos:


- Quando o período experimental tenha durado mais de 60 dias,
para denunciar o contrato de trabalho, o empregador tem de dar
um aviso prévio ao trabalhador de 7 dias;
- Quando o período experimental tenha durado mais de 120 dias
para denunciar o contrato de trabalho, o empregador tem de dar
um aviso prévio ao trabalhador de 15 dias.
PODEM AS PARTES AUMENTAR A DURAÇÃO DO
PERÍODO EXPERIMENTAL?
Não.