Você está na página 1de 154

Formação Terapêutica

Formação Terapêutica
Formação Terapêutica
Conteúdo

1 Psicoterapia 1
1.1 Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Estrutura básica da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.3 Efetividade da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4 O funcionamento da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4.1 Fases de mudança do paciente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.4.2 Fases da terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.5 Mecanismos de mudança em psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.6 Efeitos da psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.7 Tipos de psicoterapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.7.1 Classificações sob aspectos formais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.7.2 Classificação de acordo com a perspectiva teórica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.7.3 Abordagens transteóricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.8 Psicoterapia por computador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.10 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

2 Psicodiagnóstico 8
2.1 Áreas de atuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.2 O processo diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.3 Métodos do diagnóstico psicológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

3 Psicopatologia 10
3.1 Normalidade, saúde mental e psicopatologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3.2 Visões sobre a psicopatologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3.2.1 Psicologia cognitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3.2.2 Comportamentalismo (Behaviorismo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.2.3 Psicanálise . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.2.4 Fenomenologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.3 Sistemas de classificação dos transtornos mentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.3.1 CID-10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

i
ii CONTEÚDO

3.3.2 DSM-IV-TR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.4 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.7 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

4 Psicossomática 15
4.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4.2 Significado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4.3 Breve história . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4.4 Perspectivas de interpretação/ intervenção e patologias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

5 Psicopedagogia 19
5.1 Algumas questões teóricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.1.1 Concepção da Análise do Comportamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.1.2 Concepção Racionalista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.1.3 Concepção Construtivista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.2 Regulamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
5.3 Terminologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
5.4 Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
5.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
5.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

6 Filosofia clínica 22
6.1 Contexto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.2 No Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.2.1 Crítica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.2.2 Regulamentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.3 Literatura (seleção) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.4 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

7 Terapia ocupacional 25
7.1 Excurso histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7.1.1 Da Antiguidade à Idade Moderna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7.1.2 Do séc. XVIII ao séc. XX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7.2 A Terapia Ocupacional em Portugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
7.3 A terapia ocupacional no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
CONTEÚDO iii

7.4 Modelos de Terapia Ocupacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27


7.5 Áreas de atuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
7.6 Áreas de Especialização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
7.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
7.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
7.9 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

8 Terapia holística 31
8.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
8.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

9 Terapia gestalt 32
9.1 Influências da gestalt-terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
9.1.1 Psicologia da Gestalt . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.1.2 Teoria Organísmica de Kurt Goldstein . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.1.3 Humanismo, Fenomenologia e Existencialismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.2 Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
9.2.1 O Ciclo do Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
9.3 A Neurose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
9.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

10 Terapia cognitivo-comportamental 37
10.1 Princípios básicos da TCC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
10.2 Princípios etiológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
10.3 Estrutura da terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
10.4 Eficácia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
10.5 Desenvolvimento posterior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
10.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
10.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

11 Logoterapia 40
11.1 Origem do nome . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
11.2 Utilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
11.2.1 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

12 Teoterapia 41
12.1 Dimensões do ser humano[10] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
12.1.1 Espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
12.1.2 Alma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
12.1.3 Corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
12.2 Como atua a Teoterapia?[11] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
[16]
12.3 4 Chaves Teoterápicas para a saúde integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
iv CONTEÚDO

12.3.1 Primeira chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42


12.3.2 Segunda chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
12.3.3 Terceira chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
12.3.4 Quarta chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
12.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

13 Arte terapia 44
13.1 Origens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
13.2 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
13.3 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
13.4 Profissionais na área . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
13.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
13.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

14 Musicoterapia 47
14.1 Indicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
14.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
14.3 Processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
14.4 Musicoterapeuta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
14.5 Estilos musicais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
14.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
14.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
14.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

15 Cromoterapia 49
15.1 Atualmente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

16 Sonoterapia 50
16.1 Experimentação & técnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
16.2 Aplicações à medicina psicossomática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
16.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
16.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

17 Fototerapia 53
17.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
17.2 Absorção da Luz pelo Tecido Biológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
17.3 Efeito Clínico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
17.4 Fototerapia na Odontologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
17.5 Laser x LED . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
17.5.1 Fototerapia na Dermatologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
17.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

18 Eletroterapia 55
18.1 Uso Terapêutico da Corrente Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
CONTEÚDO v

18.2 Classificação das Correntes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56


18.2.1 Classificação quanto às frequências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
18.2.2 Classificação quanto às formas de ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
18.3 Eletrodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
18.3.1 Tipos de Eletrodos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
18.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
18.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

19 Neurofeedback 58
19.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
19.2 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
19.3 Treino por Neurofeedback . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
19.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
19.5 Leitura adicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62

20 Parapsicoterapia 63

21 Parapsicologia 64
21.1 Definição e abrangência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
21.2 Contribuição em fenômenos científicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
21.3 O início . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
21.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
21.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
21.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67

22 Metapsíquica 68
22.1 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
22.2 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
22.3 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

23 Psicanálise 69
23.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
23.2 Correntes, dissensões e críticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
23.3 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
23.4 Autores importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
23.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
23.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
23.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

24 Logosofia 73
24.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
24.2 O autor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
24.3 Princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
24.3.1 Objetivos da logosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
vi CONTEÚDO

24.3.2 Logosofia e educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74


24.3.3 Posição em relação às crenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
24.3.4 Configuração psicológica do ser humano segundo a logosofia . . . . . . . . . . . . . . . . 75
24.3.5 Pedagogia e método logosófico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
24.3.6 Logosofia e filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
24.3.7 Contribuição humanista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
24.4 Instituições logosóficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
24.5 Reconhecimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
24.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
24.7 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
24.8 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

25 Noética 80
25.1 Na filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
25.2 Outras definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
25.3 A noética como ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
25.3.1 História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
25.3.2 Elementos centrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
25.3.3 Perspectivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
25.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
25.5 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
25.6 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

26 Dianética 88
26.1 Igreja da Cientologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
26.2 Processos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
26.3 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
26.4 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

27 Metafísica 90
27.1 Origem da palavra “metafísica” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
27.2 História da metafísica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
27.3 Problemas metafísicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
27.3.1 As categorias ontológicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
27.3.2 Necessidade e contingência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
27.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
27.5 Notas e referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
27.6 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
27.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

28 Mecânica quântica 96
28.1 Um panorama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
28.2 O conceito de estado na mecânica quântica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
CONTEÚDO vii

28.2.1 A representação do estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97


28.3 Formulação matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
28.3.1 Vetores e espaços vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
28.3.2 Os operadores na mecânica quântica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
28.3.3 O problema de autovalor e autovetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
28.3.4 O significado físico dos operadores, seus autovetores e autovalores . . . . . . . . . . . . . 99
28.4 Aspectos históricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
28.5 Princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
28.6 Conclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
28.7 Formalismos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
28.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
28.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
28.10Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

29 Hipnose 102
29.1 Generalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
29.2 Histórico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
29.2.1 Franz Anton Mesmer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
29.2.2 James Braid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
29.2.3 James Esdaile . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
29.2.4 Ivan Pavlov . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
29.2.5 Jean Charcot . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
29.2.6 Sigmund Freud . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
29.2.7 Dave Elman . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
29.2.8 Milton Erickson . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
29.3 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
29.4 Competência, método e técnica em hipnose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
29.5 Características do estado hipnótico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
29.5.1 Transe hipnótico não é inconsciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
29.5.2 Auto-hipnose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
29.6 Hipnoterapia: aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
29.6.1 Tratamento de doenças orgânicas e funcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
29.6.2 Tratamento de distúrbios psicológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
29.6.3 Tratamento e cura de hábitos e vícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
29.6.4 Tratamento da disfunção alimentar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
29.6.5 Analgesia em episódios de dor aguda ou crônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
29.6.6 Anestesia para procedimentos cirúrgicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
29.6.7 Hipnose em obstetrícia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
29.6.8 Hipnose no auxílio ao aprendizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
29.6.9 Relaxamento e redução de estresse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
29.6.10 Hipnose e insônia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
29.6.11 Auto-hipnose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
viii CONTEÚDO

29.6.12 Hipnose e desempenho pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108


29.7 Hipnose criminalística e forense . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
29.8 Hipnose, misticismo, ciência e parapsicologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
29.9 Disposições legais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
29.10Quem é susceptível de ser hipnotizado? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
29.11Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
29.12Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
29.13Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

30 Programação neurolinguística 111


30.1 Tecnologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
30.2 Pressupostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
30.3 PNL e terapia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
30.4 PNL e aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
30.5 PNL e liderança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
30.6 PNL e hipnose ericksoniana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
30.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
30.8 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
30.9 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114

31 Radiestesia 115
31.1 Etimologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
31.2 Dados históricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
31.3 Críticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
31.3.1 Estudos científicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
31.3.2 Outras possíveis explicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
31.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
31.5 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116

32 Meditação 117
32.1 Terminologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
32.2 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
32.3 Prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
32.3.1 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
32.3.2 Objetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
32.3.3 Postura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
32.3.4 Duração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
32.4 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
32.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
32.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119

33 Ioga 121
33.1 O vocábulo ioga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
CONTEÚDO ix

33.1.1 O termo ioga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121


33.1.2 Definições formais nas escrituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
33.1.3 Grafia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
33.1.4 Pronúncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
33.2 Linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
33.2.1 Ioga Sutra de Patañjali . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
33.3 Ioga no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
33.4 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
33.5 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
33.6 Ver também . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
33.7 Ligações externas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
33.8 Fontes, contribuidores e licenças de texto e imagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
33.8.1 Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
33.8.2 Imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
33.8.3 Licença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
Capítulo 1

Psicoterapia

seus traços de personalidade.

• solucionar problemas pontuais, que o afligem, bem


como, observar questões de cunho mais existencial.

1.1 Características
Como todas as formas de intervenção em psicologia clí-
nica e medicina (psiquiatria), a psicoterapia:

• É executada por profissionais licenciados, junto ao


conselhos de Psicologia, para prover tratamentos
aos distúrbios e transtornos mentais, melhorar o
auto conhecimento, melhorar a convicção nas deci-
sões do cotidiano, caminhar em busca da autonomia
existencial, entre outras. As modalidades possíveis
são: psicoterapia extensa, psicoterapia breve e acon-
Existem dezenas de abordagens e áreas de atuações distintas de selhamento psicológico clínico. Outros profissionais
psicoterapias. Diferentes abordagens são mais eficientes com di- podem prover apenas aconselhamento não-clínico;
ferentes pacientes e problemas.
• é comumente precedida de um psicodiagnóstico,
A psicoterapia (do grego psykhē - mente, e therapeuein sendo a definição do diagnóstico, apresentada em
- curar; primeira referência ca. 1890) é um tipo de te- codificação internacional, sendo utilizada preferen-
rapia, cuja finalidade é tratar os problemas psicológicos, cialmente a CID-X da OMS, por se tratar de uma
tais como depressão, ansiedade, dificuldades de relacio- linguagem comum entre profissionais de saúde. Em
namento, entre outros problemas de saúde mental.[1] É situações de crise, como no luto ou na perda de um
um processo dialético efetuado entre um profissional, o emprego, procede-se a uma entrevista inicial, que
psicoterapeuta - que pode ser psicólogo ou psiquiatra - , pode durar até no máximo três sessões, para que se
e o cliente ou paciente (ver também: médico psicólogo). verifique a demanda e a queixa do paciente;
Por ser uma da área da saúde mental, a psicoterapia é a
• é um tratamento efetuado em ambiente clínico atra-
principal linha de tratamento para qualquer assunto re-
vés de consultas de 50 min (normalmente 1 x por
ferente ao psiquismo. Para isso, propõem intervenções
semana), porém a gravidade do paciente pode de-
psicológicas, cujos objetivos centrais são:
terminar um número maior de sessões, tendo o pro-
fissional autoridade para isto;
• restabelecer o funcionamento psíquico ótimo do pa-
ciente; • usa exames, testes e técnicas psicológicas para atin-
• permitir que o paciente compreenda as causas do gir o objetivo que varia desde a cura, passando pela
que lhe acomete, para que possa encontrar recursos diminuição do sofrimento (distresse, burn-out, cri-
psíquicos para lidar com suas dificuldades, proble- ses de raiva, etc), restabelecimento de uma capa-
mas, etc; cidade perdida, até a compreensão de si mesmo.
Neste caso, as técnicas e testes usados são deter-
• desenvolver meios de agir no mundo, redefinindo minados pela formação de origem do profissional -

1
2 CAPÍTULO 1. PSICOTERAPIA

Medicina ou Psicologia -, lembrando que testes psi- terapeuta como do paciente. O trabalho técnico do tera-
cológicos são de uso exclusivo de Psicólogos, regu- peuta, por outro lado, só poderá dar frutos se o paciente
lamentados por leis federais no Brasil, podendo o mostrar abertura a esse trabalho. Os efeitos da terapia se
profissional não-psicólogo, que os usar, sofrer pro- apresentam em diferentes níveis, tanto em relação aos pa-
cesso por exercício ilegal da profissão. drões de funcionamento do indivíduo quanto em relação
a seus relacionamentos interpessoais.[2]
• baseia-se no corpo teórico-científico da Ciências
Psicológicas, que faz parte das neurociências;

• é aplicado em um determinado contexto formal (in-


dividual, casal, grupal, individual com a presença de 1.3 Efetividade da psicoterapia
familiares, mediação de conflitos, de acordo com a
indicação).[2] A disciplina que se dedica ao estudo - desenvolvimento,
avaliação, melhoramento, explicação teórica - da psicote-
Em linguagem técnica, o termo “psicologia” refere-se rapia é a pesquisa psicoterapêutica (Psychotherapiefors-
à ciência e “psicoterapia” ao uso clínico do conheci- chung). A pesquisa empírica (ou seja, usando métodos
mento obtido por ela. Da mesma forma, costuma ha- científicos) sobre a psicoterapia começou nos anos 1950,
ver confusão entre os termos “psicoterapia” e “psicaná- depois de o psicólogo britânico Hans Eysenk (1952) ter
lise”, enquanto que a psicoterapia refere-se ao trabalho afirmado que psicoterapia não tinha efeito nenhum, ou
psicoterapêutico baseado no corpo teórico da ciência da seja, que era melhor ficar em casa do que buscar um tera-
psicologia como um todo, e a psicanálise refere-se ex- peuta. Essa afirmação de Eysenk, de que ele próprio mais
clusivamente ao trabalho baseado nas teorias oriundas tarde (1993) se distanciou, foi o impulso necessário, para
do trabalho de Sigmund Freud; “psicoterapia” é, assim, que a busca de uma compreensão mais aprofundada do
um termo mais abrangente, englobando todas as linhas processo terapêutico começasse.
teóricas-científicas (com métodos e resultados) da Psico- A pesquisa dos efeitos da psicoterapia, baseada nos pa-
logia Moderna. drões da pesquisa farmacêutica, busca diferenciar o efeito
da terapia em si, o efeito placebo, ou seja, a melhora nos
sintomas devido à expectativa do paciente (e não à tera-
1.2 Estrutura básica da psicotera- pia em si), e a remissão espontânea, ou seja, a cura dos
sintomas por si sós. Uma resposta à questão do efeito da
pia psicoterapia não se dá no entanto, com apenas meia dúzia
de estudos; pelo contrário, são necessários muitos deles,
Os vários tipos de psicoterapia, em todas as suas dife- que são então reunidos em uma meta-análise, ou seja, um
rentes formas e métodos, possuem uma série de carac- estudo que reúne e resume um grande número de estu-
terísticas em comum. Somente tendo em mente tais ca- dos. Com base em várias metaanálises pode-se afirmar
racterísticas, se pode compreender o funcionamento da hoje que a psicoterapia, pelo menos em suas formas tra-
psicoterapia em geral e as qualidades que definem cada dicionais, é realmente efetiva - ou seja tem efeitos mais
uma das diferentes escolas. fortes sobre a saúde psíquica do que o efeito placebo e a
Orlinsky e Howard[3] procuraram descrever a interação remissão espontânea.[4][5] Cabe no entanto observar com
dinâmica dos diferentes fatores que influenciam a psi- Klaus Grawe (1998)[6] que a questão do efeito placebo
coterapia, independentemente da linha específica. Pri- se apresenta de maneira diferente em psicoterapia e em
meiramente as condições da terapia são organizadas por farmácia, pois enquanto nesta se trata de um efeito inde-
determinadas circunstâncias sociais que determinam, por sejável (se quer de fato que o medicamento funcione por
um lado, a oferta de terapeutas, as instituições que ofe- si mesmo), em psicoterapia trata-se de um forte efeito
recem terapia, o acesso (físico e financeiro) da popula- psicológico, que deve ser compreendido e que pode ser
ção (estrutura do sistema de saúde), e, por outro, a for- utilizado como parte da própria terapia.
mação dos psicoterapeutas e a aceitação de terapia por
parte da população (fatores socioculturais). Sobre esse
pano de fundo, filtrado pela presença de outras partes in-
teressadas (pais, família, supervisores etc.), se desenrola 1.4 O funcionamento da psicotera-
então o processo terapêutico: entre o terapeuta e o pa-
ciente (em determinadas escolas chamado cliente), cada
pia
um dos quais possuindo determinadas características pro-
fissionais e de personalidade, se fecha um contrato tera- Uma vez confirmado o efeito positivo da psicoterapia so-
pêutico, que define as regras do trabalho terapêutico para bre a saúde mental dos pacientes, a pesquisa empírica co-
ambas as partes. Dois elementos, a técnica terapêutica e meçou a voltar a sua atenção a uma pergunta muito mais
o relacionamento terapêutico, representam a base de tra- difícil de ser respondida: como, com que mecanismos, é
balho e são ambas influenciadas por atributos tanto do que ela funciona?
1.5. MECANISMOS DE MUDANÇA EM PSICOTERAPIA 3

1.4.1 Fases de mudança do paciente coterápica, ambos os profissionais, médico ou psi-


cólogo, psicodiagnóstico, exclusivo do psicólogo no
O processo terapêutico começa, para o paciente, antes Brasil);
da terapia em si e termina somente muito depois de sua
2. Estabelecimento de um contrato de trabalho verbal:
conclusão formal. Prochaska, DiClemente e Norcross
Promoção de um relacionamento terapêutico e tra-
(1992)[7] propuseram um modelo em seis fases que des-
balho de clarificação do problema: a estruturação
creve esse processo:
dos papéis (terapeuta e paciente), desenvolvimento
de uma expectativa de sucesso, promoção do rela-
1. Fase “pré-contemplativa” (precontemplation stage): cionamento entre paciente e terapeuta, transmissão
é a fase da despreocupação. O paciente não tem de um modelo etiológico do problema;
consciência de seu problema e não tem a intenção de
modificar o seu comportamento - apesar de as pes- 3. Desenvolvimento do trabalho psicoterapêutico: no
soas a sua volta estarem cientes do problema. Nesta que se refere às abordagens teóricas: aquisi-
fase os pacientes só procuram terapia se obrigados; ção de novas competências (terapia cognitivo-
comportamental), análise e experiência de padrões
2. Fase “contemplativa” (contemplation stage): é a fase de relacionamento (psicanálise), reestruturação da
da tomada de consciência. O paciente se dá conta autoimagem (terapia centrada na pessoa), mas é pre-
dos problemas existentes, mas não sabe ainda como ciso observar que, particularmente, na Psicologia,
reagir. Ele ainda não está preparado para uma tera- existem as especialidades psicológicas, que se so-
pia: está ainda pesando os prós e os contras; brepõem às abordagens, como Psicologia do Orga-
3. Fase de preparação (preparation): é a fase da to- nizacional ou do Trabalho, Psicologia do Trânsito
mada de decisão. O paciente se decide pela tera- (inclui porte de armas), Psicologia Clínica, Neu-
pia - nesta fase o meio social pode desempenhar um ropsicologia, Emergência e Urgência psicológicas
papel muito importante; (Ainda não reconhecida pelo CFP, mas plenamente
operante no Brasil), Psicologia Hospitalar, etc;
4. Fase da ação (action): o paciente investe - tempo,
4. Avaliação: verificação do atingimento dos objeti-
dinheiro, esforço - na mudança. É a fase do trabalho
vos propostos, estabilização dos resultados alcan-
terapêutico propriamente dito;
çados, fim formal da terapia e da relação paciente-
5. Fase da manutenção (maintenance): é a fase imedi- terapeuta.
atamente após o fim da terapia. O paciente investe
na manutenção dos resultados obtidos por meio da As decisões tomadas na fase 1 não devem necessaria-
terapia e introduz as mudanças no seu dia-a-dia; mente permanecer imutáveis até o fim da terapia. Pelo
contrário, o terapeuta deve estar atento a mudanças no
6. Fase da estabilidade (termination): é a fase da cura. paciente, a fim de adaptar seu métodos e suas decisões de
Nesta fase o paciente solucionou o seu problema e o trabalho à situação do paciente, que nem sempre é clara
risco de uma recaída não é maior do que o risco de no começo da terapia. A isso se dá o nome de indicação
outras pessoa para esse transtorno específico. adaptável.

De acordo com o desenvolvimento do paciente através


das diferentes fases se classificam quatro tipos de pro- 1.5 Mecanismos de mudança em
gressão: (1) o transcurso estável, em que o paciente se
estagna em uma fase; (2) o transcurso progressivo, em psicoterapia
que o paciente se movimenta de uma fase para a próxima;
(3) o transcurso regressivo, em que o paciente se movi- Vários autores se dedicaram à questão do funcionamento
menta para uma fase em que já esteve, e (4) o transcurso da psicoterapia: o que é que leva à mudança no paciente.
circular (recycling), em que o paciente muda a direção do
K. Grawe (2005)[8] descreve cinco mecanismos básicos de
movimento pelo menos duas vezes.
mudança (Grundmechanismen der Veränderung) comuns
a todas as escolas psicoterapêuticas:
1.4.2 Fases da terapia
1. Relacionamento terapêutico (therapeutische Bezi-
A terapia em si se desenvolve em quatro fases consecuti- ehung): a qualidade do resultado de uma terapia é
vas, cada qual com objetivos próprios:[2] em grande parte influenciada pela qualidade do re-
lacionamento entre o terapeuta e o paciente.
1. Definição do diagnóstico, por médico ou psicólogo 2. Ativação de recursos (Ressourcenaktivierung): a psi-
(Ambos têm habilitação para isto): decisão que de- coterapia auxilia o paciente a mobilizar a força in-
fine a prescrição terapêutica a ser desenvolvida (me- terna que ele possui para realizar a mudança neces-
dicamentosa, exclusiva do psiquiatra no Brasil, psi- sária e estabilizá-la.
4 CAPÍTULO 1. PSICOTERAPIA

3. Atualização do problema (Problemaktualisierung): a Em seu modelo transteórico da psicoterapia Prochaska et


psicoterapia expõe o paciente ao seu padrão nor- al. (1992) unem os processos acima descritos a seu mo-
mal de comportamento, como modo de tornar esses delo das fases de mudança (ver acima): os diferentes pro-
padrões conscientes e assim modificáveis. Exem- cessos estão intimamente às diferentes fases e determina-
plos são o trabalho com meios teatrais, como no dos processos são completamente inócuos se realizados
psicodrama; os treinamentos de competências soci- em uma fase inadequada.
ais, que podem ser contados como parte integrante
da terapia comportamental; a técnica de focusing de
Gendlin, e o trabalho com transferência e contra- 1.6 Efeitos da psicoterapia
transferência, típico da psicanálise e de outras esco-
las psicodinâmicas;
Ainda sob um ponto de vista geral, ou seja, comum a to-
4. Esclarecimento motivacional (Motivationale Klä- das as escolas psicoterapêuticas, os efeitos [2] da psicotera-
rung) ou Clarificação e transformação de interpreta- pia podem ser analisados sob dois aspectos:
ções (Klärung und Veränderung der Bedeutungen): a
psicoterapia auxilia a clarificação de ambiguidades • O aspecto processual, isto é, que se refere ao trabalho
e obscuridades na experiência pessoal do paciente, terapêutico em si. Aqui podem se observar os se-
ajudando-o a encontrar um sentido para aquilo que guintes efeitos: o fortalecimento do relacionamento
ele experiencia. Exemplos são os métodos de cla- terapêutico, a intensificação da expectativa de su-
rificação típicos da terapia centrada no cliente e os cesso do paciente, sensibilização do paciente a fato-
métodos de reestruturação cognitiva da terapia cog- res que ameaçam sua estabilidade psíquica, um mais
nitiva; profundo conhecimento de si mesmo (autoexplora-
ção) e a possibilidade de novas experiências pesso-
5. Competência na superação dos problemas (Pro- ais.
blembewältigung): a psicoterapia capacita o paci-
ente a adquirir a capacidade de adaptação à reali- • O aspecto final, isto, que se refere às consequências
dade psíquica e social, típico dos transtornos psí- da terapia na vida do paciente. Aqui se diferenciam
quicos. Exemplo típico de métodos que usam esse os microefeitos dos macroefeitos. Os microefeitos
mecanismo de maneira explícita são os métodos de referem-se aos pequenos progressos que acontecem
exposição, comuns à terapia comportamental; durante a terapia, entre as sessões: o paciente expe-
riencia novas situações, emoções, novas facetas de
si, novas formas de comportamento. Já os macroe-
Uma outra abordagem do problema oferecem Prochaska feitos dizem respeito às consequências a longo prazo
et al. (1992),[7] ao descreverem dez processos de mu- e às mudanças mais profundas, relacionadas às es-
dança diferentes. Tais processos são definidos como ati- truturas mais centrais da personalidade e do funcio-
vidades e experiências pessoais que o paciente, de ma- namento psíquico: a pessoa adquire novas posturas
neira direta ou indireta, realiza na tentativa de modifi- em relação a si mesma e aos demais, adquire no-
car seu comportamento problemático. Esses processos vas capacidades e competências. Sobretudo, uma
são: (1) Autoexploração ou autoreflexão (conscious rai- terapia realizada com sucesso conduz a um aumento
sing), ou seja, o paciente procura se conhecer melhor, o da autoeficácia (self-efficacy), ou seja, da convicção
que leva a uma (2) auto-reavaliação, (3) autolibertação do paciente de ser capaz de lidar com os proble-
da convicção de que uma mudança não é possível, (4) mas que o faziam sofrer, que leva a um aumento da
contra-condicionamento, ou seja, a substituição do com- autoestima. Outros efeitos são ainda uma compre-
portamento problemático por outro, mais adequado, (5) ensão maior dos problemas que afligem o paciente e
controle dos estímulos, ou seja, o evitar ou combater es- da história de vida, que conduziu a eles.
tímulos que levam ao comportamento problemático, (6)
Administração de reforços, ou seja, o paciente se dá uma Tanto os micro como os macro efeitos se podem dar em
recompensa cada vez em que se comporta da maneira três níveis: (1) melhora do bem-estar, (2) modificação
desejada (ver condicionamento operante), (7) relaciona- dos sintomas e (3) modificação da estrutura da perso-
mentos auxiliadores, ou seja, o paciente se abre à possi- nalidade. Mudanças na estrutura da personalidade só
bilidade de falar sobre seus problemas com uma pessoa são possíveis depois de uma melhora do bem-estar e dos
de confiança (de maneira especial o terapeuta), (8) alívio sintomas.[9]
emocional através da expressão de sentimentos em rela-
ção ao problema e as suas soluções, (9) reavaliação am-
biental, ou seja, o paciente percebe como o seu problema
provoca estresse não apenas para si mas também para as 1.7 Tipos de psicoterapia
pessoas à sua volta, e (10) libertação social, ou seja, o pa-
ciente realiza gestos construtivos para seu ambiente social Apesar de terem tanto em comum, os diferentes tipos de
(família, amigos, sociedade em geral). psicoterapia se diferenciam na ênfase que dão em cada
1.7. TIPOS DE PSICOTERAPIA 5

um desses aspectos comuns. Antes de serem concorren- Ver também psicanálise e psicologia analítica;ou ainda
tes, os diferentes tipos de psicoterapia possibilitam uma Sigmund Freud, Anna Freud, Melanie Klein, Lacan,
maior adaptabilidade do tratamento às características in- Bion, Winnicott, Carl G. Jung, Alfred Adler, Erik Erik-
dividuais do paciente e podem ser classificados sob di- son
versos pontos de vista:[2]
• Psicoterapias cognitivo-comportamentais: explicam
os transtornos mentais baseadas na história de
1.7.1 Classificações sob aspectos formais aprendizado do indivíduo e nas interações dele com
seu meio, e têm por objetivo o restabelecimento
• De acordo com o número de pessoas: psicoterapia das competências do paciente de controlar seu com-
individual, de casal, familiar ou de grupo; portamento e de influenciar suas emoções e per-
cepções. Apesar de também ter um olho voltado
• De acordo com a duração: terapias curtas (ca.6-15
para o passado, este grupo de terapias se concen-
sessões) e longas (até três ou mais anos);
tra sobretudo no presente e trabalha com méto-
• De acordo com o setting (contexto): online ou pes- dos como treinamentos, condicionamento operante,
soalmente; habituação, reestruturação cognitiva, o diálogo so-
crático, métodos psicofisiológicos, entre outros.
• De acordo com a delegação do “poder terapêutico":
terapias diretivas (power to the terapist), em que o te- Ver também: Terapia cognitivo-comportamental;
rapeuta trabalha com apenas um paciente; terapias neurofeedback, ou ainda Aaron Beck.
de mediação (power to the mediator), em que o auxí-
lio não é direcionado ao paciente diretamente, mas
a pessoas relevantes para ele (pais, parceiro, etc.); • Psicoterapias existencial-humanistas: Esse tipo de
grupos de auto-ajuda (power to the person), em que terapia parte do princípio de que todo ser humano
pessoas os mesmos problemas procuram juntas se possui em si uma força interna que, se não for impe-
ajudar mutuamente na superação do problema; dida por influência externa, o conduz à sua plena rea-
lização. Elas explicam assim os trantornos psíquicos
• Alguns métodos têm por objetivo mudanças intra- como fruto da incongruência entre a autoimagem e
pessoais (nas funções psíquicas do indivíduo), ou- a experiência pessoal e buscam fomentar as forças
tros têm por fim mudanças em sistemas interpesso- de autorrealização (selfactualisation) do indivíduo.
ais disfuncionais (pares, famílias, grupos de traba- Esse grupo de terapias se concentra na experiência
lho…); atual da pessoa e procuram métodos de trabalho que
possibilitem ao cliente (como é chamado por elas a
• De acordo com o fim da terapia: alguns tipos de pessoa que busca a terapia) desenvolver-se de ma-
psicoterapia têm por fim a superação de um pro- neira congruente a suas necessidades.
blema (problembewältigungsorientiert), outras obje-
tivam uma clarificação dos motivos e objetivos pes- Ver terapia centrada no cliente, gestaltoterapia,
soais do paciente (motivational-klärungsorientiert) e logoterapia ou ainda Carl Rogers, Fritz Perls, Viktor
por fim outras buscam enfatizar as ressources do pa- Frankl, Maslow, Rollo May
ciente, dando atenção mais às partes saudáveis da
pessoa.
• Psicoterapias orientadas na comunicação: conside-
ram os transtornos do comportamento como expres-
1.7.2 Classificação de acordo com a pers- são de estruturas de comunicação disfuncionais e
pectiva teórica buscam uma reorganização de tais estruturas ou a
formação de novas, mais construtivas. Também
[2]
M. Perrez e U. Baumann (2004), baseados em traba- tais terapias preocupam-se sobretudo com a situa-
lhos anteriores, classificam quatro grande famílias psico- ção presente e trabalham com métodos que possam
terapêuticas: gerar novas formas de compreensão da realidade e
de si mesmo.

• Psicoterapias psicodinâmicas: explicam os proble-


mas psíquicos com base em conflitos inconscientes Ver psicoterapia sistêmica ou ainda Paul Watzlawick,
originados na infância e seu objetivo é superação escola de Milão (psicoterapia)
de tais conflitos. Para isso elas procuram compre- Essa classificação, apesar de possibilitar uma visão ge-
ender o presente a partir do passado e trabalham ral da área da psicoterapia, é no entanto muito genérica
com métodos interpretativos. Objetos de interpre- para englobar todas as formas existentes, sobretudo por-
tação podem ser as livres-associações, os fenômenos que muitas são formas híbridas, que juntam em si ele-
transferenciais, os atos falhos, os sonhos etc. mentos de diferentes tendências.
6 CAPÍTULO 1. PSICOTERAPIA

A página anexa Lista de psicoterapias oferece uma lista de portanto uma prática profissional proibida ao psicólogo.
diferentes tipos de psicoterapia e conduz aos respectivos Porém é permitido utilizar e-mails e outros recursos da
artigos, internet de forma acessória ao tratamento, desde questões
éticas como confidencialidade e autenticidade. É permi-
tido a utilização de testes psicológicos virtuais aprovados
1.7.3 Abordagens transteóricas pelo CFP e serviços de orientação psicológica e afetivo-
sexual, orientação profissional, orientação de aprendiza-
Apesar de toda a complementariedade das diferentes es- gem e escolar desde que adequadamente cadastrados, ad-
colas e linhas da psicoterapia - e apesar de muitos psico- ministrados por psicólogo regulamentado e fiscalizados
terapeutas fazerem usos de ideias e técnicas de diferentes pelo CFP conforme as resoluções profissionais.[16] Esta
linhas - a relação entre elas está longe de ser amigável. resolução foi substituída por uma de 2012, que expande
As escolas psicodinâmicas e existencial-humanistas são estes serviços para até 20 sessões de orientação psicoló-
muitas vezes atacadas por não serem suficientemente em- gica on-line (Psico-educação), podendo-se incluir sessões
piricamente fundamentadas[10][11] enquanto as cognitivo- de aconselhamento clínico, mas não de psicoterapia. Para
comportamentais são acusadas de serem mecânicas, can- tanto, o profissional de psicologia deve cadastrar seu site,
sativas e superficiais.[12] A tentativa de proporcionar à junto ao CFP.
prática psicoterapêutica uma base comum é feita por di-
ferentes autores de diferentes maneiras:

• Integração: é a busca de uma unificação da base teó-


1.9 Referências
rica das diferentes escolas (Arkowitz, 1992).
[1] Vida Celeiro - Revista de Saúde, Beleza e Bem-estar. N.º16
• Ecletismo: é uma posição mais prática. O objetivo é - Inverno 2012. Pág.26
reunir os elementos efetivos das diferentes escolas,
sem levar em conta possíveis diferenças teóricas. [2] (em inglês) Perrez & Baumann, “Psychotherapie: Syte-
matik und methodenübergreifende Faktoren”, Cap. 18,
• A busca de variáveis transteóricas, que são os fato- p. 430-455 em Perrez & Baumann (2005)
res comuns a todas as escolas, mas que recebem em
cada uma delas um papel mais ou menos central. [3] (em inglês) Orlinsky, D.E. & Howard, K.I. (1986). “Pro-
Ver acima “Mecanismos de mudança em psicotera- cess and outcome in psychotherapy”. In S.L. Garfiel &
pia”. A.E. Bergin (eds.),Handbook of psychotherapy and beha-
viour change. New York: Wiley, 4th ed., pp.311-384.
• A busca de uma psicoterapia geral (allgemeine Psy-
chotherapie, Grawe et al., 1997[13] ), que é a for- [4] (em inglês) Lipsey, M.W. & Wilson, D.B. (1993). “The
mação de uma estrutura teórica básica, que oferece efficacy of psychological, educational, and behavioral tre-
atment: Confirmatin from meta-analysis”. American Psy-
uma possibilidade de localizar e descrever as dife-
chologist, 48, 1181-1209.
rentes escolas[14] .

• No curso de graduação de medicina, existe uma ca- [5] Shadish, W.R., Matt, G.E., Navarro, A.M. et al. (1997).
“Evidence that therapy works in clinically representative
deira que estuda a contribuição da Psicologia nas do-
conditions”. Journal of Consulting and Clinical Psycho-
enças, e nos processos de recuperação da saúde, a logy, 65, 355-365.
qual dá-se o nome de Psicologia Médica.
[6] (em inglês) Grawe, Klaus (1998). Psychologische Thera-
Ainda não existe uma teoria geral que abarque todas as pie. Göttingen: Hogrefe.
formas de psicoterapia. A moderna psicoterapia é um
sistema aberto que tem ainda muito a se desenvolver por [7] Prochaska, J.O., DiClemente, C.C. & Norcross, J.C.
meio da pesquisa científica. Um importante papel na pes- (1992). “In search of how people change”. American psy-
chologist, 47, pp. 1102-1114.
quisa atual desempenham os tratamentos voltados para
transtornos específicos e não terapias genéricas.[2] Exem-
[8] (em inglês) Grawe, Klaus (2005). “Empirisch validierte
plos de trabalhos transteóricos podem ser encontrados Wirkfaktoren statt Therapiemethoden”. Report Psycholo-
em diferentes novas abordagens de terceira geração da gie 7/8.
terapia comportamental bem como em grupos de pes-
quisa em diferentes países europeus, entre eles a Suíça[15] . [9] • Howard, K.I.; Lueger, R.J.; Maling, M.S. & Marti-
novich, Z. (1992). A phase model of psychotherapy
outcome: Causal mediation of change. Paper pre-
sented at the 23rd Annual Meeting of the Society
1.8 Psicoterapia por computador for Psychotherapy research, Berkeley, CA (EUA).

A Resolução CFP nº 012/2005 limita a psicoterapia por [10] Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit
computador a experimentos de pesquisa gratuitos, sendo (3. Aufl.). Berlin: Springer.
1.10. BIBLIOGRAFIA 7

[11] Sachse, Rainer (2005). Von der Gesprächspsychotherapie


zur Klärungsorientierten Psychotherapie: Kritik und Wei-
terentwicklung eines Therapiekonzeptes. Lengerich: Pabst
Science Publ.

[12] Leahy, Robert L. (2007). Techniken kognitiver Therapie:


ein Handbuch für Praktiker. Paderborn: Junfermann.

[13] (em inglês) Grawe, Klaus (1997). “Research-informed


psychotherapy”. Psychotherapy research, 7, pp. 1-19.

[14] (em inglês) Cf. www.psychotherapie.ch

[15] Cf. www.psychotherapiecharta.ch

[16]

1.10 Bibliografia
• Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persön-
lichkeit (3. Aufl.). Berlin: Springer. ISBN 978-3-
540-71684-6
• Associazione svizzera degli psicoterapeuti (2010),
Scienze psicoterapeutiche (SPT) - Rapporto sulle
possibilità di sviluppo di un curriculum di studi in-
dipendente in SPT e di un concetto integrale per la
formazione professionale scientifica, Zurigo. Cfr.
www.psychotherapie.ch.

• Grawe, Klaus; Donati, Ruth & Bernauer, Friederike


(1997). Psychotherapy in Transition: From Specula-
tion to Science. Göttingen: Hogrefe. ISBN 0-88937-
149-0 (Original: Grawe et. al., 1994. Psychothera-
pie im Wandel. Von der Konfession zu der Profes-
sion. Göttingen: Hogrefe.)

• Grawe, Klaus (1998). Psychologische Therapie.


Göttingen: Hogrefe. ISBN 3-8017-0978-7

• Sachse, Rainer (2003). Klärungsorientierte Psy-


chotherapie. Göttingen: Hogrefe. ISBN 3-8017-
1643-0
• Leahy, Robert L. (2007). Techniken kognitiver The-
rapie: ein Handbuch für Praktiker. Paderborn: Jun-
fermann. ISBN 978-3-87387-661-3 (Original: Le-
ahy, R. L. (2003). Cognitive therapy techniques - A
practioner’s guide. New York: Guilford Publicati-
ons. ISBN 1-57230-905-9)
• Perrez, Meinrad & Baumann, Urs (2005). Lehrbuch
klinische Psychologie - Psychotherapie. Bern: Hu-
ber. ISBN 3-456-84241-4

• Sachse, Rainer (2005). Von der Gesprächspsy-


chotherapie zur Klärungsorientierten Psychotherapie:
Kritik und Weiterentwicklung eines Therapiekonzep-
tes. Lengerich: Pabst Science Publ. ISBN 3-89967-
212-7
Capítulo 2

Psicodiagnóstico

Psicodiagnóstico ou diagnóstico psicológico é uma dis- • Em psicologia pedagógica busca definir os indiví-
ciplina metodológica que tem por objetivo colocar à dis- duos mais aptos à realização de determinados cursos
posição da psicologia aplicada uma série de instrumentos e atividades — os exames vestibulares são, em prin-
capazes de cípio, instrumentos de diagnóstico;

• registrar as características psicologicamente rele- • Em psicologia clínica busca comprovar a existência


vantes de determinados “portadores de característi- ou não de um transtorno mental bem como definir
cas” e suas mudanças e de as condições que levaram ao desenvolvimento de tal
transtorno e que o mantém ativo;
• integrar tais dados em um quadro diagnóstico
• Em psicologia forense auxilia a determinação da
• com o fim de oferecer uma base suficientemente só- capacidade do réu de ser responsável por seus atos;
lida para a previsão do desenvolvimento futuro de
tais características, servindo assim de auxílio na to- • Em psicologia do trabalho auxilia na escolha de
mada de decisões e na avaliação destas.[1] pessoal e na verificação de problemas existentes no
ambiente de trabalho.
Tais “portadores de características” podem ser:
Outras áreas de atuação são: propaganda (reação do
• Pessoas de todas as idades público a um artigo ou a uma campanha publicitária),
psicologia ambiental (efeito do meio ambiente sobre a
• Grupos de pessoas (inclusive famílias)
qualidade de vida, etc.), psicologia do trânsito (deter-
• Instituições minar quem é capaz de dirigir, definir a maneira mais
apropriada de construir ruas e cruzamentos, para que se-
• Situações jam mais seguras, etc.), psicofarmacologia (verificação
• Objetos do efeito de um medicamento, determinação de efeitos
colaterais) entre muitas outras.
O diagnóstico psicológico é assim a aplicação da
psicometria, esta uma disciplina mais teórica. O
termo psicodiagnóstico foi usado pela primeira vez por 2.2 O processo diagnóstico
Hermann Rorschach em 1921 como título da obra em
que apresentou ao mundo pela primeira vez o teste que O trabalho diagnóstico pode ser descrito como um pro-
leva seu nome. Posteriormente o significado do termo cesso que se realiza em diferentes fases:[2]
alargou-se, abrangendo toda a área de diagnóstico ligada
à psicologia.
• Análise do problema — formulação da questão ou
das questões a responder, análise do conhecimento
disponível, investigação das pessoas envolvidas e
2.1 Áreas de atuação seu interesse no problema, reflexão sobre as ques-
tões éticas e jurídicas;
Como se viu, toda atividade que tem por objetivo deter-
minar a exitência de uma determinada característica, sua • Decisão investigativa — coleta de dados através
intensidade ou seu efeito sobre uma pessoa ou grupo de de testes psicológicos e/ou outros métodos (ver
pessoas é um trabalho diagnóstico. O psicodiagnóstico é abaixo). A coleta de dados é guiada pela reflexão
assim uma disciplina multifacetada, que tem tantas for- feita na análise do problema e pelas hipóteses então
mas quanto as disciplinas que lhe fazem uso:[1] geradas;

8
2.4. REFERÊNCIAS 9

• Decisão final/ indicação — divulgação dos resulta- • Entrevista diagnostica


dos às devidas pessoas e decisão a respeito dos pró-
ximos passos a serem tomados; • Diagnóstico em grupos (diagnóstico de interações)

• Avaliação das decisões tomadas e reflexão do(s) re- • Diagnóstico de casais


alizador(es) a respeito da experiência ganha. • Diagnóstico familiar
• Diagnóstico de grupos
No processo diagnóstico diversas pessoas representam
um papel importante: Maria Luiza Ocampo, consagrada profissional no diag-
nóstico de crianças, indica ainda outros métodos, tais
• O contratante é a pessoa física ou jurídica que busca como: Técnicas projetivas (gráficas e verbais), Hora de
com ajuda do diagnóstico obter resposta a uma ques- Jogo Diagnóstica, Observações e Interações Lúdicas.[3]
tão;
• O diagnosticador é a pessoa que tem a responsa-
bilidade pela realização do processo diagnóstico de 2.4 Referências
acordo com as normas de qualidade da disciplina e
seus princípios éticos; [1] Amelang, Manfred & Schmidt-Atzert, Lothar (2006).
Psychologische Diagnostik und Intervention, 4. Auf. Ber-
• O diagnosticando é a pessoa sobre a qual se quer to- lin: Springer.
mar a decisão e é a principal fonte dos dados a serem
coletados. O termo probando é reservado à pessoas [2] Jäger, R.S. & Petermann, F. (Hrsg.) (1999). Psychologis-
che Diagnostik – ein Lehrbuch. Weinheim: Beltz PVU.
que participam livremente de pesquisas científicas;
[3] Ocampo, M. L. (1999)O Processo Psicodiagnóstico e as
• Terceiros pertencentes ao ambiente social do diag- técnicas projetivas. São Paulo: Martins Fontes.
nosticando, que podem, de acordo com a situação,
servirem de fonte de dados. Terceiros podem tam-
bém influenciar tanto de maneira positiva como ne-
gativa o processo como um todo. 2.5 Bibliografia
• Amelang, Manfred & Schmidt-Atzert, Lothar
2.3 Métodos do diagnóstico psico- (2006). Psychologische Diagnostik und Intervention,
4. Auf. Berlin: Springer. ISBN 978-3-540-28507-
lógico 6

• Jäger, R.S. & Petermann, F. (Hrsg.) (1999). Psy-


Apesar de toda e qualquer medição de características psi-
chologische Diagnostik – ein Lehrbuch. Weinheim:
cologicamente relevantes fazer parte do trabalho psicodi-
Beltz PVU. ISBN 3-621-27273-9
agnóstico — por exemplo pode-se querer medir a quali-
dade do clima de trabalho em uma empresa — a principal
aplicação dessa disciplina se dá na mesuração de caracte-
rísticas humanas. Por isso, no que segue, falar-se-á sem-
pre deste tipo de medição. Os princípios apresentados,
no entanto, são válidos para todo o trabalho diagnóstico.
Manfred Amelang e Lothar Schmidt-Atzert apresentam a
seguinte classificação dos métodos psicodiagnósticos:[1]

• Testes de desempenho
• Testes de atenção e concentração
• Testes de inteligência
• Testes para habilidades específicas
• Testes de desenvolvimento
• Testes escolares
• Questionários de personalidade
• Métodos projetivos
• Observação comportamental
Capítulo 3

Psicopatologia

Psicopatologia é uma área do conhecimento que obje- lise se aproxima desse enfoque ao propor a hipótese do
tiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofri- inconsciente enquanto processo psíquico constitutivo que
mento mental. É a área de estudos que está na base da permite explicar a formação de sintomas, sonhos, atos fa-
psiquiatria, cujo enfoque é clínico. É um campo do saber, lhos, sintomas.[2]
um conjunto de discursos com variados objetos, méto-
dos, questões: por um lado, encontram-se em suas bases
as disciplinas biológicas e as neurociências, e por outro se 3.1 Normalidade, saúde mental e
constitui com inúmeros saberes oriundos da psicanálise,
psicologia, antropologia, sociologia, filosofia, linguística psicopatologia
e história.
Pode-se considerar a psicopatologia um campo de pes-
quisa principalmente de psicanalistas, psiquiatras e de
psicólogos clínicos. A palavra “Psico-pato-logia” é com-
posta de três palavras gregas: “psychê", que produziu
“psique”, “psiquismo”, “psíquico”, “alma"; “pathos”, que
resultou em “paixão”, “excesso”, “passagem”, “passivi-
dade”, “sofrimento”, e “logos”, que resultou em “lógica”,
“discurso”, “narrativa”, “conhecimento”. Psicopatologia
seria, então, um discurso, um saber, (logos) sobre o so-
frimento, (pathos) da mente (psiquê). Ou seja, um dis-
curso representativo a respeito do pathos, o sofrimento
psíquico, sobre o padecer psíquico.[1]
A psicopatologia enquanto estudo dos transtornos men-
A normalidade muitas vezes é relacionada com aquilo que se
tais é referida como psicopatologia geral. É uma vi-
espera encontrar numa população como regra
são descritiva dos comportamentos que se desviam do
que é o meio-termo, a média, isto é, do que é espe- Uma das primeiras, e talvez uma das mais importantes,
rado pela racionalidade. O estudo das patologias mentais, discussões sobre psicopatologia diz respeito à questão da
pode estar vinculado a uma teoria psicológica específica, normalidade. Existem várias definições sobre o que é
por exemplo psicologia humanista, uma área da psicolo- “normal”. Estatisticamente, normal refere-se a uma pro-
gia (psicologia do desenvolvimento mental) ou mesmo priedade de uma distribuição que aponta uma tendência,
a outras áreas do conhecimento (neurologia, genética, o que seria “mais comum” de encontrar em determinada
evolução). Pode-se dizer que a psicopatologia pode ser amostra, o mais provável (cf. distribuição normal). As-
compreendida por vários vieses, e estes, combinados, dão sim, o normal é o que seria o mais provável de encon-
determinada leitura acerca do sofrimento mental. Essa trarmos numa população, o comum, o esperado.[3] . Por-
diversidade de compreensões, ao mesmo tempo em que tanto, deste ponto de vista, os comportamentos que são
mostra a complexidade da área, pode causar certa confu- considerados típicos, ou seja, que são os “esperados” de
são; assim, é fundamental que o interessado no estudo da se encontrar ou de acordo com os padrões sociais aceitá-
psicopatologia tenha ciência de que existem várias teorias veis para o agir, podem ser considerados comportamen-
e abordagens na compreensão dos transtornos mentais e tos “normais”[4] . Nessa definição, os parâmetros da cul-
de comportamento. tura (morais) são a referência para aquilo que é o espe-
A psicopatologia enquanto estudo e pesquisa do que é rado em termos de comportamento, e o que estiver fora
constitutivo do sujeito, do que é universal e não desviante, deste padrão, já pode ser pensado como indício de pato-
é enfocado pela psicopatologia fundamental. A psicaná- logia. A norma ou referência da saúde mental seria um
“comportamento médio” da população, e a partir deste os

10
3.2. VISÕES SOBRE A PSICOPATOLOGIA 11

comportamentos individuais poderiam ser avaliados. transtornos mentais, a menos que sejam sintomas de uma
[6]
Saúde, normalidade e psicopatologia são termos alta- disfunção no indivíduo como descrito antes .
mente relacionados. A psicopatologia passa a ocorrer São vários os fatores que podem caracterizar um trans-
quando o comportamento de uma pessoa, ou eventual- torno. De forma geral, considera-se que a presença de
mente de um grupo de pessoas, foge àquilo que é espe- uma psicopatologia ocorra quando houver uma variação
rado como referência de determinada sociedade, quando quantitativa em determinados tipos específicos de afetos,
a pessoa passa a ter alterações importantes em relação ao comportamentos e pensamentos, afetando um ou mais as-
comportamento que tinha no passado, com prejuízos sig- pectos do estado mental da pessoa. Neste sentido, a psi-
nificativos em seu funcionamento (comportamento), cau- copatologia não é um estado qualitativamente diferente
sando a si e a outros, especialmente seus familiares, acen- da vida normal, mas sim a presença de alterações quanti-
tuado grau de sofrimento. Tem-se como expectativa que tativas. Por exemplo, considera-se que a tristeza seja nor-
a normalidade seja o tipo de comportamento que mais mal e esperada na vida de qualquer pessoa, e é mesmo
ocorre em qualquer cultura. necessária em determinados momentos da vida (p. ex.,
A saúde mental, por sua vez, seria então uma condição em situação de luto). Entretanto, num quadro depressivo
ideal ou desejada para que essa normalidade possa vir a estabelecido, a tristeza é mais intensa e mais duradoura
existir, com qualidade e capaz de oferecer as melhores do que seria esperado numa situação normal e transitória.
condições para que as pessoas vivam satisfatoriamente, Assim, uma situação normal e esperada torna-se patoló-
produzam com eficiência e possam gozar de certo grau gica não por ser uma experiência ou vivência qualitativa-
de felicidade para com as pessoas próximas a si. Se- mente diferente, mas por ser mais ou menos intensa do
gundo a OMS,[5] a saúde mental refere-se a um amplo que se espera em situações normais.
espectro de atividades direta ou indiretamente relaciona-
das com o componente de bem-estar, que inclui a defini-
ção de um estado de completo bem-estar físico, mental e 3.2 Visões sobre a psicopatologia
social, e não somente a ausência de doença. Este conceito
engloba não apenas o comportamento manifesto, mas o Da mesma forma que as diversas correntes da psicologia
sentimento de bem-estar e a capacidade de ser produtivo consideram as causas e consequências do comportamento
e bem adaptado à sociedade. de forma diferenciada, elaborando com frequência teo-
[nt 1]
Considera-se a presença de alguma psicopatologia a par- rias com termos e nomenclaturas específicas , quando
tir de critérios diagnósticos. Esses critérios são cataloga- se trata da psicopatologia esta influência se faz sentir de
dos em manuais que apresentam o conjunto de sintomas forma muito intensa. Os transtornos mentais são usual-
necessários e suficientes para que se possa considerar que mente compreendidos a partir destas teorias psicológicas,
alguém está apresentando algum tipo de transtorno men- e pode ocorrer que dependendo da teoria à qual se está
tal. Os critérios variam muito de grupo de transtornos (p. tomando como referência, a linguagem e os conceitos se-
ex., transtornos de humor e transtornos de ansiedade pos- jam diferentes. Para minimizar esta situação, usualmente
suem diferentes critérios gerais) e dos transtornos entre utiliza-se uma nomenclatura psiquiátrica mais descritiva
si (p. ex., transtorno depressivo maior e distimia), exi- como “fiel” ou referência para a compreensão dos trans-
gindo muitas vezes a elaboração de um diagnóstico dife- tornos mentais.
rencial. O Manual Diagnóstico e Estatísticos de Trans-
tornos Mentais e de Comportamento da Associação Psi-
quiátrica Americana, quarta edição (DSM-IV-TR), que 3.2.1 Psicologia cognitiva
é o manual utilizado nos Estados Unidos como referên-
cia para entendimento e diagnóstico, define os transtornos A cognição é considerada como um conjunto amplo
mentais como síndromes ou padrões comportamentais ou de funções mentais, tais como pensamento, linguagem,
psicológicos com importância clínica, que ocorrem num memória, sensopercepção, orientação, atenção e outras.
indivíduo. No sentido amplo, o estudo da cognição incluiria o estudo
dos afetos e humores, visto que também alteram e são
Estes padrões estão associados com sofrimento, incapa-
afetados de forma significativa pelos processos de pensa-
citação ou com risco de sofrimento, morte, dor, defici-
mento.
ência ou perda importante da liberdade. Essa síndrome
ou transtorno não deve constituir uma resposta previsí- De forma genérica, a psicologia cognitiva estuda a rela-
vel e culturalmente aceita diante de um fato, como o luto. ção que os processos cognitivos possuem com os afetos e
Além disso, deve ser considerada no momento como uma comportamentos, e como estes realimentam os processos
manifestação de uma disfunção comportamental, psico- cognitivos. É amplamente confirmado que a forma como
lógica ou biológica no indivíduo. O DSM-IV-TR assinala se processam as informações vindas do ambiente direci-
que nem comportamentos considerados fora da norma onam a análise da realidade e a autoimagem, da mesma
social predominante (p. ex., político, religioso ou se- forma que padrões já estabelecidos de pensamento “fil-
xual), nem conflitos entre o indivíduo e a sociedade são tram” os dados da realidade que mais encaixam com
nossa visão de mundo. Por exemplo, uma pessoa com
12 CAPÍTULO 3. PSICOPATOLOGIA

sintomas depressivos tende a pensar a realidade de forma 3.2.3 Psicanálise


mais pessimista e limitada, o que está de acordo com seu
estado de humor que “modula” como ela percebe da re- A psicanálise foi uma das primeiras teorias com aspecto
alidade. Assim, os sentimentos negativistas filtram as si- científico que objetivou compreender o fenômeno da psi-
tuações que estão relacionadas com eles (tendem a focar copatologia. Fundada por Sigmund Freud, postulava que
mais nos problemas que nas soluções, por exemplo). Da o comportamento era em grande medida determinado
mesma forma, padrões aprendidos de pensamento podem pelos aspectos inconscientes da personalidade. Desta
favorecer que alguém foque em determinados aspectos forma, o homem possui menos controle sobre os seus atos
da realidade em sintonia com eles; uma pessoa que teve do que gosta de acreditar que tem, e esse pode ser um fa-
uma infância onde foi alvo de muitas críticas por seus pais tor relacionado com o surgimento e a manutenção dos
tende a perceber o ambiente de forma mais agressiva, e transtornos mentais[nt 2] .
espera ser criticada por outros[7] . Assim corre mais risco
Não existe uma forma única de compreender a psi-
de desenvolver uma psicopatologia.
copatologia pela visão psicanalítica. O tema é com-
plexo por, pelo menos, duas razões: à medida em que
Freud foi avançando em sua elaboração sobre o funci-
3.2.2 Comportamentalismo (Behavio- onamento psíquico, foi incorporando e integrando con-
rismo) ceitos. Um segundo fator é que por psicanálise entende-
se uma gama ampla de formulações teóricas sobre o in-
O comportamentalismo (tradução do inglês behaviorism, consciente; neste sentido, há autores que são entendidos
comportamento) postula que o comportamento depende como psicanalíticos (como Anna Freud, Melanie Klein e
em grande medida do que ocorre em função das contin- Jacques Lacan) e outros, dissidentes, que aproveitaram
gências (fatores ou variáveis) ambientais. Tendo como alguns aspectos da psicanálise freudiana e organizaram
um dos principais expoentes B. F. Skinner, o behavio- suas formulações (como Wilhelm Reich, Alfred Adler e
rismo influenciou muito, e influencia ainda, a educação Carl Gustav Jung).
e a psicoterapia, propondo intervenções que objetivem
compreender e modificar o comportamento[8] . Abordando a conceitualização psicanalítica clássica,
pode-se dizer que o inconsciente, em interação com o
O behaviorismo postula que o comportamento é apren- pré-consciente e consciente, seriam as instâncias psíqui-
dido. Desta forma, coloca grande ênfase no ambiente cas responsáveis pelo funcionamento adequado ou pato-
como fator de organização e configuração daquilo que fa- lógico. Na medida em que há conteúdos inconscientes
zemos. O grande elemento que define o que fazemos são reprimidos, ou recalcados, que estão por alguma razão
as consequências; se temos tal ou qual comportamento, proibidos de vir à consciência, esta pressão poderia ser
o fazemos em virtude de buscar, de forma mais ou me- geradora de sofrimento. Se esse impedimento for muito
nos clara, determinado resultado. Quanto menos com- forte ou prolongado, há chances de ocorrer o desenvolvi-
preendermos os efeitos de nossos comportamentos, assim mento de patologias.
como os elementos que o desencadeiam (contingências),
podemos dizer que somos menos livres e menos auto-
determinados. A psicopatologia pode ser compreendida
3.2.4 Fenomenologia
como um conjunto de aprendizagens que levaram a com-
portamentos que são pouco adaptados ao contexto atual,
Karl Jaspers afirmava que o objetivo da fenomenologia é
causando respostas emocionais de sofrimento. Portanto,
“sentir, apreender e refletir sobre o que realmente acon-
a terapia pode buscar a modificação destes aprendizados,
tece na alma do homem”. No entanto, a psicopatologia
visando um comportamento mais bem adaptado.
é a própria razão de existir da psiquiatria, sua disciplina
fundamental, básica, nuclear. Para Jaspers, a psicopato-
Relações entre a psicologia cognitiva e o behaviorismo logia tem por objetivo estudar descritivamente os fenô-
menos psíquicos anormais, exatamente como se apresen-
Uma ampla gama de psicólogos clínicos e pesquisadores tam à experiência imediata, buscando aquilo que constitui
efetuam uma fusão entre os conhecimentos da psicologia a experiência vivida pelo enfermo.
cognitiva e do behaviorismo. Embora do ponto de vista A psicopatologia se estabelece através da observação
conceitual e da pesquisa esse movimento receba várias e sistematização de fenômenos do psiquismo humano
críticas (de ambos os lados, mas talvez mais do lado beha- e presta a sua indispensável colaboração aos profissi-
viorista), do ponto de vista prático os psicólogos clínicos onais que trabalham com saúde mental, em especial
entendem que é uma integração eficiente, pois combina os psiquiatras, os psicólogos, os médicos de família e
teorizações e técnicas de modificação de comportamento os neurologistas clínicos. Pode estar fundamentada na
com estratégias de revisão e alteração de esquemas cogni- fenomenologia (no sentido de psicologia das manifesta-
tivos. Desta forma, caracteriza-se a psicologia cognitivo- ções da consciência), em oposição a uma abordagem es-
comportamental como região de interface entre as duas tritamente médica de tais patologias, buscando não redu-
teorias. zir o sujeito a conceitos patológicos, enquadrando-o em
3.3. SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS 13

padrões baseados em pressupostos e preconceitos. cognitivismo, humanismo) na explicação da gênese, ma-


[9]
Autores como Karl Jaspers e Eugène Minkowski [10] nutenção e tratamento dos sintomas. Esta visão a-teórica
buscam uma ponte possível entre a psicopatologia descri- permite que os sistemas sejam utilizados, virtualmente,
tiva e a fenomenológica. Diferentemente de outras espe- por todos os profissionais da saúde.
cialidades médicas, em que os sinais e sintomas são íco-
nes ou índices, a psiquiatria trabalha também com símbo-
los. Posto isso, o pensamento, a sensibilidade e a intuição 3.3.1 CID-10
ainda são, e sempre serão, o instrumento propedêutico
principal do psiquiatra, pois que, sem a homogeneidade A CID-10 apresenta um caráter descritivo por diagnós-
conceitual do que seja cada fato psíquico não há, e não ha- tico, com os principais aspectos clínicos e outros associ-
verá, homogeneidade na abordagem clínico-terapêutica ados, mesmo que menos importantes. Fornece diretrizes
do mesmo. Essa seria uma tarefa do terapeuta: mergu- diagnósticas que são as orientações que visam auxiliar o
lhar nos fenômenos que transitam entre duas consciên- profissional a avaliar o conjunto [11]
de sinais e de sintomas
cias, a nossa, a do psiquiatra/pessoa e a do outro, a do apresentados pelo paciente .
paciente/pessoa. Deixar que os fenômenos se fragmen- Pode-se conferir aqui a lista completa do capítulo da CID-
tem, que suas partes confluam ou se esparjam, num mo- 10 referente aos transtornos mentais e de comportamento.
vimento próprio e intrínseco a eles. Cabe ao profissional
De forma resumida, o capítulo V da CID-10 que corres-
efetuar uma leitura da configuração final desse jogo es-
ponde aos Transtornos Mentais e Comportamentais inclui
trutural, sem maiores pressupostos ou intencionalidade,
as seguintes categorias de classificação:
e com procedimentos posteriores de verificação.
F00-F09 - Transtornos mentais orgânicos, inclusive os
sintomáticos.
F10-F19 - Transtornos mentais e comportamentais devi-
3.3 Sistemas de classificação dos dos ao uso de substancias psicoativas.
transtornos mentais F20-F29 - Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e
delirantes.
As manifestações psicopatológicas podem ser classifica-
F30-F48 - Transtorno do humor (afetivos).
das de diversas maneiras, por etiologia a exemplo das or-
gânicas e psicológicas por tipo de alteração a exemplo da F40-F48 - Transtornos neuróticos, transtornos relaciona-
neurose e psicose que considera a relação com a cons- dos com o estresse e transtornos somatoformes.
ciência perda de contato com a realidade na concepção F50-F59 - Síndromes comportamentais associadas com
psicanalítica desta, etc. A categoria de classificação pos- distúrbios fisiológicos e a fatores físicos.
sui fins estatísticos ou seja de tabulação de prontuários em
serviços de saúde, atestados, declarações de óbito. Entre F60-F69 - Transtorno de personalidade e do comporta-
as mais conhecidas estão a CID (Classificação Internaci- mento do adulto.
onal das Doenças e de Problemas relacionados à Saúde F70-F79 - Retardo Mental.
que está na 10ª revisão e se inciou em 1893) e o DSM
(referente ao Manual Diagnóstico e Estatístico de Trans- F80-F89 - Transtornos do desenvolvimento psicológico.
tornos Mentais, uma publicação da American Psychia- F90-F98 - Transtornos do comportamento e transtornos
tric Association, Washington D.C., sendo a sua 4ª edição emocionais que aparecem habitualmente na infância e
conhecida pela designação “DSM-IV-TR[6] ”). A CID- adolescência.
10[11] é a classificação usada no Brasil nos serviços de
saúde para referenciar todos os quadros de enfermidades
e doenças, inclusive os transtornos mentais. O DSM-IV- 3.3.2 DSM-IV-TR
TR é também bastante utilizado para fins de diagnóstico,
pois permite uma avaliação multiaxial do paciente. O DSM-IV-TR é um sistema diagnóstico definido como
A importância dos sistemas de classificação reside no multiaxial. Isso significa que ele avalia vários fatores, ou
fato de que propõe categorias diagnósticas, visando di- “eixos” (axis) do comportamento, buscando uma compre-
ferenciar os diversos quadros relacionados aos transtor- ensão que vai além do simples diagnóstico do transtorno
nos mentais, pela separação em grandes grupos de patolo- mental atual.
gias. A CID-10 e o DSM-IV-TR são sistemas diferentes, São os cinco eixos de avaliação do DSM-IV-TR (p. 59-
propostos respectivamente pela Organização Mundial da 69)[6] :
Saúde e pela American Psychiatric Association (APA), e
Organização geral das categorias do DSM-IV-TR[6] :
possuem diferentes formas de classificação. Tanto a CID-
10 quanto o DSM-IV-TR são sistemas de classificação
a-teóricos, ou seja, não estão vinculados direta ou exclu- • 1. Transtornos geralmente diagnosticados pela pri-
sivamente a uma teoria psicológica (p. ex., psicanálise, meira vez na infância ou na adolescência
14 CAPÍTULO 3. PSICOPATOLOGIA

• 2. Delirium, demência, transtorno amnéstico e ou- [4] SADOCK, Benjamin J.; SADOCK, Virginia A. Com-
tros transtornos cognitivos pêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psi-
quiatria clínica. Porto Alegre: Artmed, 2007.
• 3. Transtornos mentais causados por uma condição
médica geral [5] WORLD HEALTH ORGANIZATION. Health topics:
mental health. Acessado em: 15/06/2012. Link
• 4. Transtornos relacionados a substâncias
[6] AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Ma-
• 5. Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos nual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Men-
tais: Texto revisado. 4 ed. Porto Alegre: Artmed,
• 6. Transtornos do humor 2002.p. 27-28.

• 7. Transtornos de ansiedade [7] BECK, Aaron T.; ALFORD, Brad A. O poder integra-
dor da terapia cognitiva. Porto Alegre: Artmed Sul,
• 8. Transtornos somatoformes 2000.

[8] SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano.


• 9. Transtornos factícios
11 ed. Trad. J. C. Todorov e R. Azzi. São Paulo: Martins
• 10. Transtornos dissociativos Fontes, 2003.

[9] JASPERS, Carl. Psicopatologia Geral. 2 v. São Paulo:


• 11. Transtornos sexuais e da identidade de gênero
Atheneu, 2006.
• 12. Transtornos da alimentação [10] MINKOWSKI, Eugène. Traité de Psycopalologie. Ins-
titut Synthélabo/Le Plessis-Robinson, 1999.
• 13. Transtornos do sono
[11] ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classifica-
• 14. Transtornos do controle do impulso não classi- ção de Transtornos Mentais e de Comportamento da
ficados em outro local CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.
• 15. Transtornos de adaptação

• 16. Transtornos de personalidade


3.6 Bibliografia
• 17. Outras condições que podem ser foco de atenção
clínica
Instituto da Psicanálise Lacaniana. Núcleo de Estudos e
Pesquisas de Psicopatologia e Psicanálise. Ver

3.4 Notas Karl Jaspers,J. Hoenig,Marian W. Hamilton General


Psychopathology. John Hokins Ed. 1977 e Chicago
University Disponível no Google Livros Dez. 2010
[1] Conferir, por exemplo, as conceituações teóricas
da psicanálise, psicologia cognitiva, humanismo e
fenomenologia para identificar as diferenças de visões de
homem e mundo. 3.7 Ver também
[2] A psicanálise nasceu do trabalho de Freud com seus pa-
cientes internados e com sintomas histéricos. Esta teoria
• Karl Jaspers
possui íntima relação com a psicopatologia, pois o obje- • Fenomenologia
tivo principal era a constituição de um arcabouço expli-
cativo com vistas a compreender e intervir nos sintomas • Psicanálise
apresentados.
• Neurociência
• Psicologia
3.5 Referências
• Psiquiatria
[1] CECCARELLI, Paulo. O sofrimento psíquico na pers-
pectiva da psicopatologia fundamental. Psicologia em
• Psicologia Médica
Estudo, Maringá, v. 10, n. 3, p. 471-477, set./dez. 2005. • Enfermidades em Psiquiatria
Disponível em: Scielo.
• Transtorno mental
[2] Freud, S. (1987) Edição Standard da Obra Psicológica
Completa de S. F. 2.ed. Rio de Janeiro: Imago. 1987.

[3] LEVIN, Jack. Estatística aplicada às ciências huma-


nas. 2 ed. São Paulo: Habra, 1987.
Capítulo 4

Psicossomática

A psicossomática é uma ciência interdisciplinar que gera cossomática: estudar a inter-relação dos aspectos psico-
diversas especialidades da medicina e da psicologia para lógicos com todas as funções terapêuticas e integrar as
estudar os efeitos de fatores sociais e psicológicos sobre terapêuticas somáticas e psicológicas.
processos orgânicos do corpo e sobre o bem-estar das
pessoas. O termo também pode ser compreendido, tal
como descreve Mello Filho [1] , como “uma ideologia so-
bre a saúde, o adoecer e sobre as práticas de saúde, é um
campo de pesquisas sobre estes fatos e, ao mesmo tempo,
uma prática, a prática de uma medicina integral”.

4.1 Etimologia
Psicossoma[2] Gr. ψυχή (psykhé), σομα (soma)= alma-
corpo.
Originariamente, exprime o conceito aristotélico de
unidade hilemórfica (matéria= corpo, forma = alma) que
é o homem[2] .

4.2 Significado
A palavra psicossomática, na visão dos profissionais de
saúde que compreendem o ser humano de forma inte-
gral, não pode ser compreendida como um adjetivo para
alguns tipos de sintomas, pois tanto a medicina quanto
a psicologia estão percebendo que não existe separação
ideal entre mente e corpo que transitam nos contextos
sociais, familiares, profissionais e relacionais. Então, psi-
cossomática é uma palavra substantiva que pode ser em-
Ataque histérico documentado em paciente sob hipnose
pregada para qualquer tipo de sintoma, seja ele físico,
Salpêtrière em Paris (1876-1880) por D.M. Bourneville and P.
emocional, psíquico, profissional, relacional, comporta-
Régnard
mental, social ou familiar. No entanto, autores de suma
importância na história e contribuição ao conhecimento
científico em psicossomática relacionais, como George
Libman Engel[3] da University of Rochester School of 4.3 Breve história
Medicine a do Instituto Psicanalítico de Chicago sus-
tentam que a palavra psicossomática deve ser empre-
gada como um adjetivo, pois ela qualifica uma ação, uma O termo medicina psicossomática começou a ser utili-
postura e abordagem bio-psico-social ao processo saúde- zado nas primeiras décadas do século XX, 1939 pode ser
doença. Importante assinalar que o Introductory State- considerado uma data de sua consagração tendo como
ment do primeiro número do Periódico Psychosomatic marco a fundação da American Psychosomatic Society
[4]
Medicine (1939), que é considerado o marco fundante
da psicossomática, assinala que são os objetivos da psi- Contudo é o resultado de séculos de elaboração até ser

15
16 CAPÍTULO 4. PSICOSSOMÁTICA

definida pela primeira vez por Johann Christian August 4.4 Perspectivas de interpretação/
Heinroth (1773–1843) (psicossomática, 1918 e somatop-
síquica, 1928). A psicossomática evoluiu das investiga-
intervenção e patologias
ções psicanalíticas que contribuem para o campo com in-
formações acerca da origem inconsciente das doenças, e Apesar da história e da lógica de muitas das referidas con-
mais especificamente dos estudos das paralisias e anes- tribuições, literalmente e redutivamente, alguns profissi-
tesias histéricas originados das contribuições pré - psi- onais de saúde ainda especulam sobre uma única causa
canalíticas de Jean-Martin Charcot (1825-1893) e Josef orgânica, ou fazem a distinção entre as doenças psicos-
Breuer (1842-1925). somáticas e outras atribuídas à uma multiplicidade de fa-
tores predominantemente orgânicos, sejam de causas ge-
Segundo Alexander e Selesnick [5] o método psicossomá- néticas, acidentais, ambientais e, neste caso limitam as
tico em medicina se estabeleceu a partir do estudo clínico manifestações psicossomáticas exclusivamente às altera-
e experimental sistemático da interação entre a mente e o ções com causas de origem psicológicas. A hipocondria
corpo que só se tornou possível depois dos esclarecimen- e a pseudociese por exemplo teriam origem exclusiva-
tos filosóficos sobre ambos. Além das pesquisas sistemá- mente psíquica ou ainda as neurose vegetativas ou orgâ-
ticas do próprio Alexander e equipe do Instituto Psicana- nicas (organo-neuroses), sejam elas respostas fisiológicas
lítico de Chicago (1932) sobre o adoecimento e padrões exageradas que acompanham os estados de tensão emo-
de conflito e tipos de personalidade utilizando a concep- cional ou como na concepção de Sándor Ferenczi (1873-
ção psicanalítica de Sigmund Freud (1856-1939), em es- 1933) se originando na “incapacidade” de simbolização
pecial os conceitos de conversão histérica e o método da de conflitos através de sonhos e fantasias [7] . Entre as
livre associação os referidos autores apontam como pi- apuradas observações de Ferenczi não se pode deixar de
oneiros da medicina psicossomática: Georg Groddeck citar a identificação do que denominou de pato-neuroses
(1866–1934); Ernst Simmel (1882-1947) na Alemanha; ou perpetuações de sintomas mesmo após a cessação da
Felix Deutsch (1884-1964) em Viena; Smith Ely Jelliffe causa física.
(1866-1945) nos Estados Unidos e Ángel Garma (1904–
1993) na Argentina. Destacando ainda as contribuições Na visão junguiana ou da psicologia integral, todo
de Helen Flanders Dunbar (1902-1959) sobre semelhan- sintoma é psicossomático e pode ser um meio para
ças psicológicas entre pacientes com uma mesma doença que o processo do autoconhecimento possa acontecer
[carece de fontes?]
orgânica e os esclarecedores estudos sobre a fisiologia . Entre outras possibilidades de interpre-
das emoções desenvolvidos por Walter Bradford Cannon tação de conflito postuladas pela corrente psicanalítica,
(1871–1945). que poderiam ser citadas, incluem-se as dificuldades de
dar (expelir) e reter (absorver) explicitadas por Alexan-
Outra contribuição relevante, para compreensão multi- der (Alexander e Selesnick o.c.) nas doenças gastrointes-
disciplinar que temos hoje, veio do sociólogo sociólogo tinais; as concepções de que a mente, por não conseguir
Talcott Parsons (1902-1979) em 1951 ponderando sobre resolver ou conviver com um determinado conflito emo-
a vantagem que o indivíduo obtém, mesmo que indire- cional, passa a produzir mecanismos de defesa com o pro-
tamente, quando adoece e desempenha o papel do do- pósito de deslocar a dificuldade e/ou “ameaça” psíquica
ente (sick role). Em seguida dos estudos behavioristas para o corpo, chegando mesmo a indução de mutações
com homens e animais que resultaram na medicina com- físicas, oriundas do afeto doloroso. [carece de fontes?] e os
portamental. Atualmente a psicossomática tem se desen- fatores associados à depressão inicialmente interpretadas
volvido segundo uma ótica multidisciplinar promovendo por Freud como associas à perda do objeto amado e ao
a interação de vários profissionais de saúde, dentre eles, luto. [8]
médicos, fisioterapeutas e psicólogos.
Segundo Mello Filho (2005 o.c.) a expressão doença psi-
Naturalmente outras correntes e escolas teóricas podem cossomática foi utilizada inicialmente para referir-se ape-
ser constituídas revendo-se os trabalhos publicados que nas a certas doenças como a úlcera péptica, asma brôn-
adquirem notoriedade na comunidade científica se so- quica, hipertensão arterial e colite ulcerativa onde as cor-
mam ao longo do tempo, sem esquecer das contribui- relações psicofísicas eram muito nítidas posteriormente
ções reconhecidas a posteriori. Não desconhecendo as foi-se percebendo que tal concepção é potencialmente vá-
contribuições do filósofos e médicos gregos da medicina lida para todas as doenças[9][10] .
hipocrática e seus sucessores galênicos, cristalizada na
frase do poeta, mens sana in corpore sano, uma das pri- Apesar dessa possível generalização já imaginada por
meiras pessoas no mundo ocidental a refletir sobre a me- Freud quando fez a recomendação que todo médico além
dicina psicossomática, em parâmetros semelhantes aos de sua especialidade deveria ser treinado em psicanálise,
atuais, foi a filósofa espanhola Oliva Sabuco, já no sé- o conceito de doença psicossomática persiste face à evi-
culo XVIII, quando publicou vasta obra sobre o assunto dente relação de algumas patologias com fatores emoci-
[6]
. onais ou psicológicos como por exemplo:

• Artrite;
• Asma; Rinite;
4.5. REFERÊNCIAS 17

• Qualidade/ estilo de vida, incluindo hábitos alimen-


tares, atividades físicas, sedentarismo, etc.

• Herança genética, que pode deixar os indivíduos


mais predispostos para desenvolverem alguns tipos
de doenças.

• Fatores psicoafetivos de acordo com o manejo das


emoções, dos traumas e dos sentimentos de aban-
dono, rejeição, inclusão, culpa, etc.

4.5 Referências
[1] MELLO FILHO, Júlio (coordenador); Psicossomática
hoje; Porto Alegre; Artes Médicas, 1992.

[2] MENEGHETTI, Antonio. Psicossomática na ótica on-


topsicológica. Recanto Maestro: Ontopsicologica Ed,
2005. ISBN 85-86417-01-7

[3] ENGEL, G. L - The Concept of Disorder Psychosoma-


tic Journal of Psychosomatic Research, Vol 11, pp.3 to 9.
Pergamon Press, 1967

O sistema límbico é a unidade responsável pelas emoções no [4] MELLO FILHO, Júlio. Concepção psicossomática: visão
cérebro humano atual. SP Casa do Psicólogo, 2005 Google Livros Agosto,
2011
• Enxaqueca [5] ALEXANDER, Franz G; SELESNICK, Sheldon T. His-
tória da psiquiatria: uma avaliação do pensamento e da
• Gastrite; prática psiquiátrica desde os tempos primitivos até o pre-
sente. São Paulo : Ibrasa, 1968.
• Úlcera péptica;
[6] OLIVA SABUCO Portal Sabuco
• Obstipação / Colite ulcerosa
[7] LESCOVAR, Gabriel Zaia; SAFRA, Gilberto. Sándor
• Impotência e outras disfunções sexuais; Ferenczi (1873-1933): o início de um pensamentoEstu-
• Hipertensão arterial; dos de Psicologia 2005, 10 (enero-abril): -en línea Ago.
2011
• Fibromialgia;
[8] FREUD, Sigmund (1917[1915]). Luto e Melancolia.In:
Edição Standard Brasileira das Obras psicológicas com-
A demanda por intervenções psicológicas e estudos so- pletas de Sigmund Freud (ESB). Vol. XIV. Rio de Janeiro:
bre causalidade por fatores emocionais nas alergias do- Imago, 1974.
enças auto-imunes como psoríase e vitiligo praticamente
tem se constituído como uma nova especialidade ou ramo [9] SKUMIN V A Borderline mental disorders in chronic di-
da medicina psicossomática a psiconeuroimunologia. O seases of the digestive system in children and adolescents.
Zhurnal nevropatologii i psikhiatrii imeni SS Korsakova
mesmo tem acontecido com o desenvolvimento das pes-
Moscow Russia 1952 (1991), Volume: 91, Issue: 8, Pa-
quisas sobre a multicausalidade de fatores determinan-
ges: 81-84 PubMed: 1661526
tes nas diversas formas de câncer e originado inter-
disciplinas como a psico-oncologia pediátrica ou simples- [10] "" 82. PMID 6758444.
mente psico-oncologia.
Observe-se também que o surgimento dos sintomas psi-
cossomáticos dependem e variam com pelo menos três 4.6 Ver também
fatores interdependentes, tais fatores estão diretamente
ligados ao grande desafio de conceber, classificar e tratar • Noética
tais patologias, haja vista que os sintomas podem variar
dependendo do estilo de vida e idiossincrasias pessoais . • Psicologia
Tal concepção acaba sendo a melhor explicação de pato- • Medicina
logias nas quais não consegue-se definir e provar cientifi-
camente outra causa. São os referidos fatores: • Hans Selye - Teoria do “Stress”
18 CAPÍTULO 4. PSICOSSOMÁTICA

• Sociedade Brasileira de Resiliência

• Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia


Médica

• Sociedade Portuguesa de Psicossomática


• Psychosomatic Medicine: Journal of Biobehavioral
Medicine
• SuCor: Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Psi-
cossomática - Cnpq - IPUSP

Hígia, a deusa da saúde, limpeza e sanidade

• Sistema nervoso autônomo

• Psicologia da saúde

• Medicina comportamental

• Medicina holística

• Medicina preventiva

• Promoção da saúde

4.7 Ligações externas


• Instituto Brasileiro de Psicologia da Saúde

• Liderança Emocional - Treinamento para trata-


mento das Psicossomáticas

• Centro de Psicossomática do Instituto Sedes Sapi-


entiae

• Associação Brasileira de Medicina Psicossomática


Capítulo 5

Psicopedagogia

Psicopedagogia é o campo do saber que se cons- contrário, responder a questões, formular questões e re-
trói a partir de dois saberes e práticas: a pedagogia lacionar diferentes conteúdos é fundamental. Para que a
e a psicologia. O campo dessa mediação recebe aprendizagem seja mais efetiva, o professor deve investi-
também influências da psicanálise, da lingüística, da gar o nível de conhecimento do aluno, identificando seus
semiótica, da neuropsicologia, da psicofisiologia, da filo- pontos fortes e fracos e adaptando os conteúdos de forma
sofia humanista-existencial e da medicina. a facilitar o ensino.
A psicopedagogia está intimamente ligada à psicologia
educacional, da qual uma parte aplicada à prática[1] .
Ela diferencia-se da psicologia escolar, também esta 5.1.2 Concepção Racionalista
uma subdisciplina da psicologia educacional, sob três
aspectos[2] : Na concepção racionalista, a aprendizagem é fruto da
capacidade interna do aluno. Ele é, ou não, “inteli-
gente” porque já nasceu com a capacidade, ou não, de
• Quanto à origem - a psicologia escolar surgiu para
aprender. Sua aprendizagem também estará relacionada
compreender as causas do fracasso de certas crian-
à maturação biológica, só podendo aprender determina-
ças no sistema escolar enquanto a psicopedagogia
dos conteúdos quando tiver a prontidão necessária para
surgiu para o tratamento de determinadas dificulda-
isso. O aluno já traz uma capacidade inata para aprender.
des de aprendizagem específicas;
Quando não aprende, é considerado incapaz; se aprende
• quanto à formação - a psicologia escolar é uma espe- diz-se que tem um bom grau de quociente intelectual ou
cialização na área de psicologia, enquanto a psicope- (Q.I.). Nesta concepção, o papel do professor é de or-
dagogia é aberta a profissionais de diferentes áreas ganizador do conteúdo, levando em consideração a idade
e do indivíduo. De acordo com as pesquisas na área cog-
nitiva de aprendizagem, quando uma pessoa apresenta
• quanto à atuação - a psicologia escolar é uma área uma deficiência de aprendizado em algum assunto especí-
propriamente psicológica enquanto a psicopedago- fico, é provável que as ferramentas mentais como análise,
gia é uma área plenamente interdisciplinar, tanto percepção, memória, analogia, imaginação e organização
psicológica como pedagógica. mental das informações não estarão desenvolvidas apro-
priadamente. É necessário preparar essas competências
mentais para desenvolver o aprendizado mais sistêmico
5.1 Algumas questões teóricas antes de aplicar o conteúdo em si no aluno. Essa “capa-
cidade inata” de aprender é vista como variável, porque,
dependendo do seu sistema mental, o indivíduo pode tê-
5.1.1 Concepção da Análise do Comporta- lo desenvolvido muito bem ou não. Caso negativo, uma
mento orientação especial é capaz de desenvolver esses pontos
mais precários de aprendizagem.
De acordo com a concepção da Análise do Comporta-
mento, o processo de aprendizagem acontece na relação
entre o objeto de conhecimento e o aluno. O professor 5.1.3 Concepção Construtivista
programa a forma como o objeto de conhecimento será
organizado, respeitando as características individuais do A concepção construtivista define a aprendizagem como
aluno. O objetivo é que o aluno se interesse pelo processo um processo de troca mútua entre o meio e o indivíduo,
de conhecimento e aja sobre o objeto de conhecimento. tendo o outro como mediador. O aluno é um elemento
Apesar do que alguns críticos erroneamente afirmam, ativo que age e constrói sua aprendizagem. Cabe ao pro-
para os analistas do comportamento o aluno não deve as- fessor instigar o sujeito, desafiando, mobilizando, questi-
sumir uma posição passiva durante o aprendizado. Pelo onando e utilizando os “erros” de forma construtiva, ga-

19
20 CAPÍTULO 5. PSICOPEDAGOGIA

rantindo assim uma reelaboração das hipóteses levanta- tugal, além de outros países.
das, favorecendo a construção do conhecimento. Nesta Em 2005 foi reconhecido o primeiro curso de gradu-
concepção o aluno não é apenas alguém que aprende, mas ação em psicopedagogia, oferecido pela PUC/RS (em
sim o que vivencia os dois processos, sendo ao mesmo extinção)[5] . Na época o Brasil já contava com outros
tempo ensinante e aprendente. cursos em andamento: no Centro Universitário La Salle,
Alguns teóricos da Psicopedagogia defendem que “para (Canoas, RS) e no Centro Universitário FIEO (Osasco,
que haja aprendizagem, intervêm o nível cognitivo e o São Paulo). Nesta última instituição, em 2006, foi reco-
desejante, além do organismo e do corpo” (Fernández, mendado pela CAPES o primeiro mestrado acadêmico
com área de concentração em psicopedagogia.
1991, p. 74), por isso aproxima-se dos referenciais teó-
ricos do construtivismo, pois foca a subjetivação, enfati- A regulamentação brasileira não tem avançado a partir
zando o interacionismo; acredita no ato de aprender como do Projeto de Lei nº 128/2000 e da Lei n.º 10.891. En-
uma interação, crença esta fundamentada nas ideias de tretanto, a regulamentação de qualquer nova profissão,
Pichon Rivière e de Vygotsky; defende a importância da a exemplo das tentativas de regulamentação da psicaná-
simbolização no processo de aprendizagem baseada nos lise no Brasil, que é livre no mundo, têm encontrado em
estudos psicanalíticos, além da contribuição de Carl Gus- prerrogativa constitucional a sua impossibilidade, pois o
tav Jung pela psicologia analítica. Art. 5º da Constituição Brasileira prevê o “livre exercí-
É necessário que o psicopedagogo tenha um olhar abran- cio profissional”, sendo entendido que é desnecessário e
gente sobre as causas das dificuldades de aprendiza- oneroso para o Estado a regulamentação de profissões,
gem, indo além dos problemas biológicos, rompendo exceto quando há risco iminente para a sociedade.
assim com a visão simplista dos problemas de apren-
dizagem, procurando compreender mais profundamente
como ocorre este processo de aprender numa abordagem 5.3 Terminologia
integrada, na qual não se toma apenas um aspecto da pes-
soa mas sua integralidade. • Ensinante-aprendente: termo usado para indicar
que todo sujeito exerce as duas funções simultanea-
Necessariamente, nas dificuldades de aprendizagem que
mente.
apresenta um sujeito, está envolvido também o ensinante.
Portanto, o problema de aprendizagem deve ser diagnos- • Diagnóstico Psicopedagógico: trata-se da avaliação
ticado, prevenido e curado, a partir dos dois personagens da situação e história individual baseado nos princí-
e no vínculo. (Fernández, 1991, p. 99). Assim, pios psicopedagógicos, o que difere do diagnóstico
cabe ao psicopedagogo voltar seu olhar para esses sujei- psicológico ou da avaliação educacional.
tos, ensinante e aprendente, como para os vínculos e a
• DIFAJ: termo cunhado por Alicia Fernández para
circulação do saber entre eles. Como afirma Paín, uma
descrever o modelo de atendimento psicopeda-
tarefa primordial no diagnóstico é resgatar o amor. Em
gógico implementado pelo E.Psi.B.A. É o acrô-
geral, os terapeutas tendem a carregar nas tintas sobre o
nimo para “Diagnóstico Interdisciplinar Familiar de
desamor, sobre o que falta, e poucas vezes se evidencia o
Aprendizagem em uma Jornada”.
que se tem e onde o amor é resgatável. Sem dúvida, isto
é o que nos importa no caminho da cura (Paín, 1989, p. • Inteligência atrapada: estado de inibição cognitiva
35). caracterizado pelo esquema mental de defesa ou
fuga, desenvolvido pelo próprio sujeito que impede
O psicopedagogo Reuven Feuerstein, criador das
ou atrapalha a aprendizagem.
teorias da Experiência da Aprendizagem Mediada e da
Modificabilidade cognitiva estrutural, defende a ideia de • Queixa: termo que designa o problema vivenciado
que a inteligência pode ser “exercitada” e “expandida”. pelo sujeito, em geral criança ou adolescente, na vi-
O método Feuerstein,[3] de estímulo da inteligência, tem são dos pais ou de quem apresenta o caso ao profis-
auxiliado indivíduos portadores de deficências e consi- sional psicopedagogo (Ex: “Ele não consegue ler";
derados inaptos. Indivíduos, como o neto de Feuerstein “Ela escreve de trás para frente"; “Ele troca as le-
(portador de síndrome de Down),[4] apresentaram um tras"; “Ele não sabe nada”).
grande desenvolvimento de inteligência, adquirindo a
capacidade de aprender. • Vínculo: relação mútua entre a criança ou adoles-
cente e o outro (família, colegas, profissionais etc.).

5.2 Regulamentação 5.4 Referências bibliográficas


No Brasil vivencia-se ainda a luta, para que se regula- • BARBOSA, Laura Mont Serrat. A história da psi-
mente a profissão de psicopedagogo, de modo que este copedagogia contou também com Visca, in Psicope-
seja formado em cursos de graduação a exemplo do que dagogia e Aprendizagem. Coletânea de reflexões.
já acontece na Europa, em especial, na França e em Por- Curitiba, 2002.
5.7. LIGAÇÕES EXTERNAS 21

• BEAUCLAIR, João. Psicopedagogia: trabalhando 5.7 Ligações externas


competências, criando habilidades. 2ªed. Rio de Ja-
neiro, WAK 2004. • Associação Brasileira de Psicopedagogia
• BEAUCLAIR, João. Para Entender Psicopedago- • Revista Psicopedagogia On Line
gia: perspectivas atuais, desafios futuros. Rio de Ja-
neiro, WAK, 2006.
Campos de estudo da Educação
• FERNÁNDEZ, Alicia. A inteligência aprisionada.
Administração escolar | Arte-educação | Biologia
Porto Alegre: ArtMed, 1991.
educacional | Distúrbios da aprendizagem | Educação de
• FERNÁNDEZ, Alicia. A mulher escondida na pro- adultos | Educação inclusiva | Educação popular |
fessora. Porto Alegre: ArtMed, 1994. Filosofia da educação | Medidas educacionais |
Metodologias de ensino | Necessidades educativas
• FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes especiais | Orientação educacional | Pedagogia | Politicas
necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e educacionais | Psicologia da aprendizagem |
Terra (Coleção Leitura), 1997. Psicopedagogia | Sociologia da educação | Supervisão do
• MERY, Janine. Pedagogia curativa escolar e psica- ensino | Tecnologias educacionais | Psicologia do
nálise. Porto Alegre : Artes Médicas, 1985. desenvolvimento | Teorias da aprendizagem
Ensino por tema: Alfabetização | Educação sexual |
• PAÍN, Sara. Diagnóstico e tratamento dos proble- Educação matemática | Ensino da língua materna
mas de aprendizagem. 3ªed. Porto Alegre: Artes Níveis de ensino: Educação infantil | Ensino
Médicas, 1989. fundamental | Educação especial | Ensino médio | Ensino
superior
• SKINNER, Burrhus Frederic. Ciência e comporta-
Rankings internacionais: Índice de alfabetização |
mento humano. 4ªed. São Paulo: Martins Fontes,
Programa Internacional de Avaliação de Alunos | Índice
1978.
de educação

5.5 Referências
[1] Nadia Aparecida Bossa em entrevista a Psicopedagogia
online (Acessado em 14/04/2010)

[2] Associação Brasileira de Psicopedagogia (Acessado em


14/04/2010

[3] Scribd - Articoli sul Metodo Feuerstein. Acessado em


01/03/2013. (em italiano)

[4] Artigo: Os milagres do Dr. Feuerstein Link, Revista


Seleções, Abril de 2002, pág.95. Acessado em
01/03/2013.

[5] http://www.educacaosuperior.inep.gov.br/funcional/
info_curso_new.asp?pCurso=56798&cHab=&pIES=21

5.6 Ver também


• Dificuldades de aprendizagem
• Dislexia, Dislalia & Discalculia
• Bullying
• Educação inclusiva
• Inibição cognitiva
• Modalidades de aprendizagem
• Necessidades educativas especiais
• Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade
Capítulo 6

Filosofia clínica

Filosofia clínica é uma proposta de utilização terapêutica logia filosófica, procedimentos de diagnose e tratamento
da filosofia. O termo (em alemão: klinische Philosophie, endereçados a questões existenciais”[10][8] ou - em outras
em francês: philosophie clinique, em inglês: clinical phi- palavras - “trata-se da “utilização da filosofia aplicada ao
losophy) foi cunhado pelo psicólogo e filósofo alemão indivíduo”.[11] Cabe ressaltar que na Filosofia Clínica de
Hilarion Petzold[nota 1] em 1971[1][2] e faz parte de con- Packter os conceitos de doença e patologia deixam de
ceitos de diversos outras pessoas, entre outros do filósofo existir, havendo, então, representações de mundo que ori-
japonês Kiyokazu Washida[3][nota 2] e do cientista norte- ginam maneiras singulares de existência. Em decorrência
americano James Elliott.[4] disso, fica explícito que a Filosofia Clínica não promove
curas, mas auxilia na tentativa de resolução de choques
estruturais que causam um mal-estar existencial à pessoa.
6.1 Contexto A Filosofia Clínica elaborada por Packter é baseada em
diversas correntes filosóficas, entre elas no Logicismo, na
Epistemologia, na Fenomenologia, na Historicidade, no
A partir década de 1980 o termo, declinado para aconse-
Estruturalismo e na Analítica da Linguagem, entre outras
lhamento filosófico (do inglês: philosophical counseling),
abordagens”.[12]
ganhou popularidade pela divulgação da obra do filósofo
canadense Lou Marinoff[5] , pelo filósofo francês Marc Inicialmente foi divulgada e implantada pelo Instituto
Sautet[nota 3] e - no Brasil - pelo psicanalista e filósofo Lú- Packter, que ofereçe cursos para se habilitar como “fi-
cio Packter.[6] lósofo clínico” ou “especialista em filosofia clínica” e or-
ganiza viagens de estudos, entre outros eventos. A As-
O termo aconselhamento filosófico assemelha-se à Phi-
sociação Nacional dos Filósofos Clínicos (ANFIC), cri-
losophische Praxis (português, literalmente: prática fi-
ada em 2008, defende os interesses dos “filósofos clí-
losófica ou consultório filosófico, não confundir com a
nicos” formados pelo Instituto Packter e organizações
filosofia prática de Aristóteles) criada pelo filósofo ale-
[nota 4] vinculadas.[13]
mão Gerd B. Achenbach em 1981, a partir da con-
cepção epicurista de filosofia como “terapia da alma”.[7] Há ainda diversas outras pessoas, consultórios e empresas
Neste contexto o aconselhamento filosófico é enten- ativas na área do aconselhamento filosófico, porém às ve-
dido como uma proposta para resolver questões típicas zes com outras prioridades, não necessáriamente ligado
da psicoterapia (problemas pessoais de relacionamento, ao aspecto terapêutico de Packter. Existem, entre ou-
auto-imagem, etc.).[8] tros, a Casa do Saber (São Paulo), o Instituto Mukharajj
Brasilan (Rio de Janeiro) e a Nova Acrópole.[9]
A prática filosófica no sentido de Achenbach é definida
principalmente pela preocupação de tornar acessível a
metodologia e o conhecimento filosófico ao público em
geral e usar o potencial prático da filosofia como recurso 6.2.1 Crítica
terapêutico para indivíduos, organizações ou empresas
através de consultas individuais, discussões de grupo, se- No Brasil, especialmente a Filosofia Clínica de Pack-
minários, palestras, viagens ou cafés filosóficos.[6] ter tem divido opiniões entre psiquiatras, psicólogos e
também filósofos. Dentre os problemas apontados, al-
guns médicos questionam a sua insuficiência para evi-
denciar disfunções orgânicas que originam males exis-
6.2 No Brasil tenciais, afirmação esta contestada por diversos médicos
psiquiatras. Já os psicólogos acreditam ser errônea a ra-
Lúcio Packter criou a sua versão da Terapia filosófica cionalização de questões que certamente pertencem ao
chamada de Filosofia clínica, em 1994. Considerado o campo das emoções. Também é chamada a atenção para
precursor do ramo no Brasil[9] , a Filosofia Clínica, se- os altos custos das consultas e de consultorias que “filóso-
gundo Packter, “direciona e elabora, a partir da metodo- fos” vêm prestando nos Estados Unidos e o seu contraste

22
6.5. REFERÊNCIAS 23

com os baixos valores cobrados por “filósofos clínicos” 6.5 Referências


no Brasil.[14][6]
[1] Petzold, H.G. , 1971. “Philosophie Clinique, Thérapeu-
tique philosophique, Philopraxie”, por ocasião da sua no-
6.2.2 Regulamentação meação como professor no Institut St. Denis, Etablisse-
ment d'Enseignement Supérieur Libre des Sciences Théo-
No Brasil, o “filósofo clínico” não é uma profissão regula- logiques et Philosophiques, Paris.
mentada. A Associação Nacional dos Filósofos Clínicos,
criada em 2008, estabeleceu diversos estatutos e um có- [2] Hilarion Petzold, Integrative Therapie: Modelle, Theo-
rien und Methoden für eine schulenübergreifende Psy-
digo de ética para aqueles que se habilitaram em cursos
chotherapie, Volume I, Paderborn 1993 (Google Books)
do Instituto Packter ou por instituições parceiras autori- books.google.de (2012). Visitado em 20 de abril de 2012.
zada por este.[15][16]
[3] Department of Ethics and Clinical PhilosophyGradu-
ate School of Letters,Osaka University let.osaka-u.ac.jp
6.3 Literatura (seleção) (2011). Visitado em 20 de abril de 2012.

[4] Socratic Dialogue And Ethics - Google Books bo-


• Gerd B. Achenbach: Die reine und die praktische oks.google.de (2012). Visitado em 20 de abril de 2012.
Philosophie. Viena 1983.
[5] "The Socratic Shrink - New York Times", The New York
• Gerd B. Achenbach: Philosophische Praxis Cologne Times, New York Times Company, 21 de março de 2004.
1984, 2. ed. 1987 Página visitada em 22 de abril de 2012.

• Lou Marinoff: Mais Platão Menos Prozac, ed. Re- [6] A Filosofia e seus usos: crítica e acomodação (tese de
cord 2001, ISBN 8501058483 doutourado de Marli Aparecida Pechula) diaadiaeduca-
cao.pr.gov.br (2007). Visitado em 22 de abril de 2012.
• Lúcio Packter: Filosofia Clínica: Propedêutica,
2001 (3. ed. 2005) , ISBN 8585627328 [7] Historisches Wörterbuch der Philosophie [Philosophis-
che Praxis Gerd B. Achenbach] vol. 7, Baseléia 1989
• Hélio Strassburger: Filosofia Clínica: Poéticas da achenbach-pp.de (2012). Visitado em 22 de abril de
singularidade, e-paper 2007, ISBN 857650099X 2012.
• Will Goya: A Escuta e o Silêncio. Lições do Diálogo [8] VEJA on-line: Um papo-cabeça veja.abril.com.br (2001).
na Filosofia Clínica/Listening And Silence. Lessons Visitado em 22 de abril de 2012.
from Dialog in Clinical Philosophy, 2008, ed. UCG,
ISBN 978-85-7103-496-9 [9] Época - Filosofia para todos revistaepoca.globo.com
(2005). Visitado em 22 de abril de 2012.
• Monica Aiub: Filosofia Clínica e Educação, ed.
WAK 2007, ISBN 8588081377 [10] Revista Psique - Editora Escala, nº1, pág. 66, 2005.

• Lúcio Packter: Filosofia Clínica - Propedêutica, [11] Lúcio Packter: Filosofia Clínica: Propedêutica, 2001, pág.
1997. 11 (3. ed. 2005)

• Shlomit C. Schuster Philosophy Practice: An Alter- [12] Revista Psique - Editora Escala, nº1, pág. 66, 2005.
native to Counseling and Psychotherapy , Westport, [13] ANFIC | Nossa História anfic.org (2012). Visitado em 22
Conn.: Praeger Publishers, 1999. de abril de 2012.
• Shlomit Schuster The Philosopher’s Autobiography: [14] VEJA on-line: Sócrates no Divã veja.abril.com.br (2004).
A Qualitative Study ,Westport, Conn.: Praeger Pu- Visitado em 22 de abril de 2012.
blishers, 2003.
[15] ANFIC | Estatuto do Filósofo Clínico e do Especialista
em Filosofia Clínica anfic.org (2012). Visitado em 22 de
abril de 2012.
6.4 Notas
[16] ANFIC | Código de Ética do Filósofo Clínico e do Especi-
[1] Hilarion Petzold – Wikipedia de.wikipedia.org (2012). alista em Filosofia Clínica anfic.org (2012). Visitado em
Visitado em 20 de abril de 2012. 22 de abril de 2012.

[2] Kiyokazu Washida - Wikipedia, the free encyclopedia


en.wikipedia.org (2012). Visitado em 20 de abril de 2012.
6.6 Ligações externas
[3] Marc Sautet - Wikipedia, the free encyclopedia
en.wikipedia.org (2012). Visitado em 22 de abril de
2012. • Site oficial da Associação Internacional da Filosofia
Prática (em alemão e em inglês)
[4] Gerd B. Achenbach – Wikipedia de.wikipedia.org (2012).
Visitado em 22 de abril de 2012. • Site oficial do Instituto Packter
24 CAPÍTULO 6. FILOSOFIA CLÍNICA

• Site oficial da Associação Nacional dos Filósofos


Clínicos
• American National Philosophical Counseling Asso-
ciation
• The Philosophical Practice and Counseling Website
Capítulo 7

Terapia ocupacional

7.1 Excurso histórico

7.1.1 Da Antiguidade à Idade Moderna

Já desde a antiguidade oriental e antiguidade clássica se


entendeu que ‘ocupar’ e ‘divertir’ o doente lhe dá bem-
estar e facilita a sua integração social. Os egípcios entre-
tinham os doentes mentais com tarefas simples, música,
dança e passeios pelos jardins.
Na Grécia e em Roma existiam templos (dedicados a
Esculápio) cujos sacerdotes se dedicavam à cura de do-
entes mentais mediante o entretimento e a diversão.
Galeno, médico grego, e Séneca, filósofo e preceptor ro-
mano, aconselharam os poderes públicos para que man-
tivessem ocupados os doentes com agitação mental.
Na Idade Média uma doença era considerada uma prova-
ção ou um castigo de Deus, pelo que os doentes deviam
aceitá-la como tal, com resignação, e as doenças mentais
mais profundas eram tidas como estados de possessão de-
moníaca, sendo os doentes do foro mental mantidos pre-
sos em masmorras, acorrentados ou até queimados nas
Símbolo da Terapia Ocupacional.
fogueiras.
Nos finais da Idade Média e século XVI e XVII, valeram-
lhes as ordens religiosas e a piedade cristã. São destes
tempos as acções de Frei Juan Gilaberto Jofré, que fun-
A terapia ocupacional é um campo da área da saúde re- dou em Valência, Espanha, por volta de 1409, o Hospital
pg.73
gulamentada em nível superior e nível técnico,[1] que de los Santos Inocentes para doentes mentais e crianças
fundamenta a prática terapêutica da ciência ocupacional, abandonadas, mantendo os doentes ocupados nomeada-
exercida pelo terapeuta ocupacional. A terapia ocupa- mente com trabalhos agrícolas, e de São João de Deus que
cional trabalha com os três níveis da saúde: prevenção, fundou em Granada, Espanha, a Ordem dos Irmãos do
intervenção e reabilitação física ou mental. Sua perspec- Hospital, que também assistia os doentes mentais usando
tiva terapêutica é constituída de um paradigma holístico idênticos métodos.
e multidisciplinar onde o ser humano é visto como ser
biopsicossocial.
O terapeuta se ocupa da realização de atividades, desde as 7.1.2 Do séc. XVIII ao séc. XX
mais simples, como escovar os dentes ou levar alimentos
à boca, às mais complexas, como dirigir um automóvel ou A Terapia Ocupacional como ciência interdisciplinar e
uma empresa, promovendo, prevenindo, desenvolvendo, método de tratamento sistematizado nasceu na 2ª me-
tratando, recuperando pessoas ou grupos de pessoas que tade do século XVIII. Philippe Pinel (1745-1826), mé-
apresentam qualquer alteração na realização de ativida- dico psiquiatra francês, teve conhecimento das experiên-
des de autocuidado ou interação social, melhorando os cias asilares em Espanha levadas a efeito pelas ordens re-
desempenhos funcional e ocupacional e reduzindo des- ligiosas e ficou impressionado com os resultados obtidos
vantagens e potencializando a autonomia. com os doentes mentais. Dedicou-se ao estudo destas do-

25
26 CAPÍTULO 7. TERAPIA OCUPACIONAL

da doença, acabando com a ideia do doente mental im-


produtivo e, ao mesmo tempo, organizou o espaço asilar
como local de valorização do trabalho. A praxiterapia
trouxe novamente para a prática psiquiátrica a ideia de
que o trabalho faz com que o paciente se torne um indi-
víduo responsável, activo e útil. No começo deste século,
Hermann Simon procurava dar alguma forma de ocupa-
ção para cada paciente do hospital psiquiátrico que esti-
vesse capacitado para tal. A teoria de Simon praticada
apenas no campo dos trabalhos manuais não incluía dis-
tinção entre os vários tipos de doentes.
Foi Kurt Schneider (1887 – 1967) quem, em finais dos
anos 1930, sistematizou os tipos de tratamentos adequa-
dos conforme os tipos de pacientes e graus da patologia,
nomeadamente no campo da esquizofrenia.

7.2 A Terapia Ocupacional em


Philippe Pinel.
Portugal

A Terapia Ocupacional em Portugal era praticamente


enças e pacientes e à formulação de uma teoria e método nula ou mesmo inexistente até finais do século XIX.
de tratamento que são o fundamento da actual Terapia Deve-se à Ordem de São João do Hospital (Instituto São
Ocupacional. João de Deus[2] ) a criação em Portugal da Casa de Saúde
do Telhal[3] e da Casa de Saúde da Idanha, respectiva-
A Revolução Francesa proporcionou a Pinel a Direcção
mente para homens e mulheres, nos finais do século XIX,
do Hospício psiquiátrico de Bicêtre, onde se deparou com que veio a odoptar como modelo de reabilitação, o mo-
a situação infra-humana dos doentes do foro mental ro-
delo proposto por Pinel e Simom: visava-se a reabilita-
deados de grades, presos em celas, acorrentados, com ção e inserção social do doente através do trabalho (do
camisas-de-forças, sujos e rotos. Pinel levou a Revolu- trabalho produtivo propriamente dito, não de uma mera
ção para o Hospício. Libertou os doentes e ocupou-os ocupação dos tempos livres), dotar o doente dos conhe-
com variadas tarefas dentro do Hospital, nomeadamente cimentos, técnicas e disciplina de uma profissão, tornar
com trabalhos de jardinagem, de cozinha e na recupera- o doente útil a si mesmo e à sociedade, produtivo, auto-
ção dos espaços. suficiente, aumentar-lhe a auto estima através do traba-
Os estudos psiquiátricos e resultados no terreno obtidos lho.
por Philippe Pinel são reconhecidos fora de França. Na Para este modelo muito contribuiu o trabalho e a dedi-
Inglaterra, em 1815, Samuel Tuke(1784 - 1857) propôs a cação do médico Luís Cebola, que foi Director Clínico
introdução do trabalho com método terapêutico nos hos- da Casa de Saúde do Telhal de 1911 até 1948. Este clí-
pitais ingleses. nico refere no seu livro Psiquiatria Social, publicado em
Amariah Brigham (1798 - 1849) e Eli Todd (1769 – 1931, que em Portugal, todos o sabem, porque todos po-
1833) entendiam que não era o trabalho, como factor pro- dem constatá-lo, não há nada, absolutamente nada que
dutivo, que devia estar em causa, mas sim a possibilidade possa classificar-se de realização séria, de prática provei-
de manter o doente longe de suas ideias doentias, cha- tosa em benefício dos pobres doidos que por aí abundam
mar sua atenção para o mundo em redor, estimular os (in Leucotomia pré-frontal).
seus interesses, levá-lo a retomar métodos de pensar e de O primeiro curso de Terapia Ocupacional em Portugal
ocupar-se, naturais e sadios. teve início em 1957, por iniciativa da Santa Casa da Mi-
Jean-Étienne Esquirol (1772 - 1840), no livro “Des ma- sericórdia de Lisboa. Em 1966 foi criada oficialmente
ladies mentales”, escreveu: “O trabalho é um estimulante a Escola de Reabilitação do Alcoitão, pela portaria n.º
geral, com ele distraímos a atenção do doente da sua do- 22034, de 4 de Junho, do Ministério da Saúde e Assis-
ença, fixamos a sua atenção em coisas razoáveis, torna- tência Social. Esta escola encontrava-se na altura inte-
mos a dar-lhe hábitos de ordem, estimulamos sua inteli- grada no Centro de Medicina de Reabilitação do Alcoi-
gência e, com isso, recuperamos muitos desses desafor- tão, passando então a formar terapeutas ocupacionais em
tunados.” Portugal.
No Séc. XX, na década de 1920, Hermann Simon (1867 Em 1982 a então Escola Técnica da Saúde do Porto, tute-
- 1947) valorizou a utilização do trabalho no tratamento lada pelo Ministério da Saúde inicia a realização de cur-
7.4. MODELOS DE TERAPIA OCUPACIONAL 27

sos de Terapia Ocupacional. É nesta escola, então deno- rapêutica pelo trabalho passou a ser executada com maior
minada Escola Superior de Tecnologia e Saúde do Porto extensão. No entanto, foi com a criação da Colônia Juli-
(ESTSP), que em 1993, através do D.L. n.º 414/93, de ano Moreira, em Jacarepaguá, que o tratamento pelo tra-
28 de Dezembro, o curso de Terapia Ocupacional é re- balho tomou grande impulso, principalmente os trabalhos
conhecido como superior, conferindo aos profissionais aí do campo (plantio de frutas, cultivo de hortas, criação de
formados o grau de Bacharelado. gado etc.).
Um ano mais tarde, em 1994, é feita a reconversão da Em São Paulo, sob a designação de praxiterapia, foi o tra-
Escola de Reabilitação do Alcoitão em estabelecimento tamento pelo trabalho introduzido por Francisco Franco
de ensino superior particular, mudando o seu nome para da Rocha (1864 — 1933) e desenvolvido por Antônio
Escola Superior de Saúde do Alcoitão (ESSA), passando Carlos Pacheco e Silva (1898 — 1988). A finalidade
também esta escola a formar terapeutas ocupacionais com desse serviço era a de “beneficiar o doente com uma ocu-
o grau de bacharel. pação livremente escolhida, metodicamente dirigida e só
A 27 de Outubro de 2000 na ESTSP o curso de Tera- eventualmente útil ao hospital”.
pia Ocupacional passa a licenciatura bietápica, através “Em meados da década de 1940, quando Nise da Silveira
do D.L. n.º 1044/2000. Na ESSA a licenciatura bietá- iniciou seu trabalho no Centro Psiquiátrico Nacional - hoje
pica em Terapia Ocupacional teria início um pouco mais Hospício Pedro II, do Rio de Janeiro -, a polarização que
tarde, em Janeiro de 2001. existia nas primeiras décadas do século, e que dividia a
Em Setembro de 2009 abre pela primeira vez o curso psiquiatria entre as práticas ergoterápicas e o desenvolvi-
de Licenciatura em Terapia Ocupaciolal na ESSLEI (Es- mento de bases científicas e orgânicas, se havia desfeito. A
cola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Lei- ergoterapia fora condenada ao limbo e as práticas corren-
ria). (Os interessados neste curso deverão consultar http: tes baseavam-se em eletrochoques, lobotomias e, posterior-
mente, em terapia química e medicamentosa. Nise opôs-se
//www.terapia-ocupacional.forumeiros.net)
frontalmente a tais procedimentos, colocou-se desde o iní-
Actualmente existem seis escolas em Portugal a ministrar cio num embate contra a psiquiatria de seu tempo. Para
o curso de Terapia Ocupacional, com a duração de quatro ela, a vida psíquica deveria ser pensada como processo
anos: Escola Superior de Saúde do Alcoitão, Escola Su- constante de interacção com aquilo que cerca cada ser
perior de Tecnologia de Saúde do Porto, Escola Superior humano. A psicopatologia, numa dimensão fenomenoló-
de Saúde do Vale do Sousa, Escola Superior de Saúde de gica, consistiria em planos de experiência, em modos de
Leiria, Escola Superior de Saúde de Beja e Escola Supe- existência e de estar no mundo. Seu interesse era pene-
rior de Saúde Jean Piaget de Silves. trar no mundo interno dos esquizofrénicos, aproximar-se
Enquanto profissional da área de saúde, o terapeuta ocu- deles, conhecer-lhes a dor e, ao mesmo tempo, melhorar
pacional em Portugal, encontra-se integrado na carreira suas condições de vida. Para isso, passou a gerenciar um
de Técnico de Diagnóstico e Terapêutica, regulada pelo setor sem recursos no Centro Psiquiátrico Nacional, o Se-
Dec.-Lei n.º 384-B/85, de 30 de Setembro, e cujo con- tor de Terapêutica Ocupacional, considerado, na época,
teúdo funcional e competências Técnicas são definidos um método destinado a apenas 'distrair' ou contribuir com
pela Portaria n.º 256-A/86, de 28 de Maio. a economia hospitalar.” (in artigo sobre 'Resistência, ino-
vação e clínica no pensar e no agir de Nise da Silveira' de
A 24 de Julho de 1993, através do Dec.-Lei n.º 261/93, Eliane Dias de Castro e Elizabeth Maria Freire de Araújo
são regulamentadas as actividades dos profissionais de Lima) (Ver)
saúde, designadas por actividades paramédicas, onde se
inclui a Terapia Ocupacional. No Brasil, a profissão foi regulamentada em 13 de Outu-
bro de 1969 pelo decreto-lei n. 938, publicado no diário
oficial n. 197, de 14 de outubro de 1969.
7.3 A terapia ocupacional no Brasil O cenário actual de actuação profissional começa a se
modificar com a abertura de novas faculdades, maior nú-
mero de trabalhos publicados por terapeutas ocupacio-
As ideias sobre assistência psiquiátrica imperantes após a
nais, especializações específicas e participações em even-
Revolução Francesa tiveram uma influência maior e mais
tos científicos.
imediata no Brasil do que em Portugal, tendo sido um
dos factores determinantes para isso a vinda da família
real portuguesa para o Brasil (ver Maria I de Portugal).
Já em 1854, no Hospício Pedro II havia oficinas de sapa- 7.4 Modelos de Terapia Ocupacio-
taria, alfaiataria, marcenaria, florista e fiação de estopa.
Em 1903, Juliano Moreira (1873 — 1932) foi nomeado
nal
director do Serviço de Assistência Psiquiátrica pelo es-
tímulo do trabalho como meio de beneficiar os doentes. Cientistas e profissionais vêm sistematizando modelos de
Em 1911, Juliano Moreira criou uma colónia para mu- Terapia Ocupacional atendendo ao tipo de doente, grau
lheres em Engenho de Dentro (Rio de Janeiro) onde a te- da doença ou incapacidade, maior ou menor disfunção
28 CAPÍTULO 7. TERAPIA OCUPACIONAL

e integração social do doente no seu meio (familiar, la- modelo provém da observação do desenvolvimento
boral, de relações). Entre outros modelos, anotamos os normal e dos conhecimentos já conseguidos em
seguintes: neurofisiologia. As posturas do corpo, o tónus mus-
cular, os movimentos dos membros, etc., podem a
• Modelo de Desempenho Ocupacional: - pretende definir o tratamento adequado que permitirá a reabi-
habilitar o doente para o desempenho de tarefas de litação do doente, que passará por uma recuperação
forma satisfatória, que sejam apropriados ao estado do cérebro ou das zonas lesadas deste.
de desenvolvimento, cultura e ambiente do indiví-
duo. Como tarefas consideram-se todas aquelas que • Modelo de Ocupação Humana ou 'modelo moral': -
o indivíduo leva a cabo na sua vida do dia-a-dia (ser este modelo baseia-se em teorias que tiveram o seu
estudante, ser pai, ser mãe, por ex.) começo nas proposições filosóficas articuladas pelos
fundadores da profissão no princípio do século XX.
• Modelo de Reabilitação: - pretende reabilitar o do- Toda a ocupação humana procede duma tendência
ente de forma a permitir a sua independência nas espontânea, inata do sistema humano, a necessidade
actividades da vida diária, actividades produtivas e de explorar e dominar o ambiente. Este modelo
actividades de lazer. considera o indivíduo como um sistema aberto que
evolui e sofre diferentes formas de crescimento, de-
• Modelo Biomecânico: - modelo que se baseia em
senvolvimento e mudança através da interacção pro-
actividades adaptadas às capacidades do doente, que
gressiva com o ambiente externo.
podem ser utilizadas para tratar a diminuição da am-
plitude e dificuldades do movimento.
• Modelo de Integração Sensorial: - baseando a sua
• Modelo Comportamental: - o modelo baseia-se nas estrutura teórica na neurobiologia, Anna Jean Ay-
teorias e trabalhos experimentais de Pavlov (1849 – res (1920 - 1989) utilizou dados de neurociên-
1936), de Edward Thorndike (1874–1949) e de B. cia, neuropsicologia e neurofisiologia, e desenvol-
F. Skinner(1904 – 1990). A ideia central das teo- veu uma abordagem ao tratamento que teve um im-
rias comportamentais consiste na afirmação de que pacto muito grande na profissão do terapeuta ocu-
a aprendizagem é a base de todos os comportamen- pacional. As suas investigações iniciais com cri-
tos, que influência o indivíduo conduzindo-o para anças com incapacidade para a aprendizagem ori-
um comportamento adaptativo ou para um compor- ginaram postulados acerca da função cerebral que
tamento inadaptado. Quando a aprendizagem se permitiram a elaboração da sua teoria. Segundo
aplica à Terapia Ocupacional, o utente é visto como este modelo, a aprendizagem baseia-se nas experi-
tendo desenvolvido um reportório de comportamen- ências sensório-motoras e depende da capacidade
tos adaptativos e inadaptados, que determinam a sua da criança em receber informações sensoriais pro-
habilidade para funcionar em actividades da vida venientes da interacção do corpo com o meio am-
diária, tais como trabalho, actividades recreativas e biente, processando e integrando essas informações
lazer. no sistema nervoso central, para posteriormente po-
der utilizá-las de uma forma organizada e adaptada.
• Modelo de Incapacidade Cognitiva: - modelo de-
senvolvido em Terapia Ocupacional por Claudia
Kay Allen através de duas décadas de observa-
ção intensa e investigação empírica no campo da 7.5 Áreas de atuação
psiquiatria. Segundo Allen a incapacidade cogni-
tiva representa uma restrição fisiológica ou biome- A Terapia Ocupacional, enquanto campo de conheci-
cânica das capacidades de processamento de in- mento e intervenção, pode ser aplicada nas áreas:
formação do cérebro, que produz limitações ob-
serváveis e mensuráveis no comportamento de ro-
tina. Este modelo foi desenvolvido para conceptu- • 1. Intervenção terapêutica ocupacional no ambiente
alizar estratégias de intervenção para pessoas que, hospitalar - Neo-natais, Unidades de Terapia Inten-
como resultado de patologia cerebral, não são capa- siva, Pré-consulta, Pacientes terminais, Alas especí-
zes de realizar as suas actividades diárias normais. ficas e outros;
O modelo deriva de pesquisa realizada nos cam-
pos das neurociências, processamento de informa- • 2. Intervenção ou extensão das medidas de reabili-
ção, psicologia cognitiva e psiquiatria biológica. tação - Na comunidade, em ambulatórios especiali-
zados, na composição de equipes interdisciplinares,
• Modelo de Neurodesenvolvimento: - Berta e Ka- etc;
rel Bobath criaram o modelo de Neurodesenvolvi-
mento como parte do seu trabalho nos anos 1940- • 3. Intervenção em saúde mental nos processos de
50, com pacientes com paralisia cerebral e acidente reabilitação e inserção social de pacientes psiquiá-
vascular cerebral. A base para a elaboração deste tricos;
7.6. ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO 29

• 4. Actuação no contexto social para ampliação das de saúde, centros de saúde mental, organizações e pro-
redes sociais de suporte de grupos desfavorecidos jectos sociais oficiais ou não governamentais, empresas,
economicamente; instituições de ensino superior.

• 5. Extensão ou intervenção em processos de resso-


cialização para todas as pessoas com desvantagens
sociais; 7.6 Áreas de Especialização
• 6. Intervenção, extensão e análise em projetos na
área de saúde do trabalhador (Ergonomia, Adapta- Especialidades reconhecidas pela Resolução Coffito
ções, Saúde mental). (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacio-
nal) nº 366/2009 - Órgão Brasileiro
Utilizando-se de actividades diversas para restaurar a ca- Especialidade em Saúde Funcional
pacidade dos indivíduos para realizar também atividades, Áreas de Atuação:
os terapeutas ocupacionais têm como principal recurso
terapêutico a atividade (ou ocupação) humana. Os te- Desempenho Ocupacional Cognitivo
rapeutas ocupacionais, ou TOs como denominados por Desempenho Ocupacional Neuropsicomotor
uns, vêem o homem como um ser ocupacional, um ator
no mundo mudando-o e sendo mudado por ele, alguém Desempenho Ocupacional Musculoesquelético
que se realiza por aquilo que constrói. Desempenho Ocupacional Tecnologia Assistiva
No quotidiano do homem, são realizadas actividades a Especialidade: Saúde Mental
todo o tempo desde o momento em que se nasce até à Áreas de Atuação:
morte, num ciclo denominado vida. Essas acções (deno-
minadas actividades da vida diária) podem ser comple- Desempenho Ocupacional Arteterapeutico
xas, como construir um prédio, ou simples, como conse- Desempenho Ocupacional Psicossocial
guir vestir as próprias roupas, preparar o café da manhã,
tomar banho ou escovar os dentes. Mas todas estas ac- Desempenho Ocupacional Percepto-Cognitivo
ções possuem um ponto em comum que as tornam fun- Desempenho Ocupacional Senso-Perceptivo
damentais, elas são significativas. Possuem traços indivi-
Desempenho Ocupacional Psicoafetivo
duais que são únicos a cada indivíduo. Assim, o terapeuta
ocupacional reabilita através de actividades, as também Desempenho Ocupacional Psicomotor
actividades de trabalho, do lazer e do auto-cuidado. Especialidade: Saúde Coletiva
O Terapeuta Ocupacional pode actuar através da Áreas de Atuação:
prevenção, habilitação ou da reabilitação (saúde). Todas
as pessoas que possuem uma disfunção ocupacional nas Desempenho Ocupacional e Saúde do Escolar
suas actividades da vida diária são elegíveis de obter ga- Desempenho Ocupacional e Saúde do Idoso
nhos através da terapia ocupacional. Sendo que a disfun-
ção ocupacional ocorre quando não se consegue realizar Desempenho Ocupacional e Saúde da Mulher
de maneira satisfatória as actividades de trabalho, lazer e Desempenho Ocupacional e Saúde do Trabalhador
auto-cuidado. Desta forma, pessoas com disfunções neu- Desempenho Ocupacional e Saúde do Indígena
rológicas (Parkinson, Alzheimer, por ex.), com condições
incapacitantes ou degenerativas (cancro, artrose, artrite Especialidade: Saúde da Família
reumatóide, fibromialgia, etc), com disfunções motoras Área de Atuação:
(traumatismos do membro superior, coluna, etc.), com
disfunções relacionadas com o trabalho (lesão por esforço A ser criada (em regulamentação)
repetitivo, stress, baixo rendimento, etc.), com condições Especialidade: Contextos Sociais
pediátricas incapacitantes (hiperactividade, distúrbios do
Áreas de Atuação:
brincar, distúrbios de aprendizagem, síndromas diversas,
distúrbios de coordenação, etc.), com transtornos mentais Desempenho Ocupacional e Contexto Asilar
(psicose, depressão, transtornos obsessivos compulsivos, Desempenho Ocupacional e Contexto Prisional
neuroses e outros transtornos mentais) são o público-alvo
do terapeuta ocupacional. Desempenho Ocupacional e Geração de Renda

Os terapeutas ocupacionais actuam numa variedade de Desempenho Ocupacional e Justiça e Cidadania


lugares como clínicas e centros de reabilitação, hospitais Desempenho Ocupacional e Inclusão Laboral
gerais (em ambulatórios, enfermarias ou em unidades e
centros de terapia intensiva), maternidades, creches, es- Desempenho Ocupacional e Liberdade Assistida
colas especiais, escolas regulares, asilos, postos e centros Desempenho Ocupacional e Liberdade Condicional
30 CAPÍTULO 7. TERAPIA OCUPACIONAL

Desempenho Ocupacional e Seguridade Social


RESOLUÇÃO COFFITO nº. 366, de 20 de maio de 2009
(DOU nº. 112, Seção 1, em 16 de junho de 2009, página
42)

7.7 Referências
[1] Trabalhadores e Técnicos em Saúde - Formação Profissi-
onal e Mercado de Trabalho (PDF) (2003). Visitado em
30 de julho de 2015.
[2] Instituto São João de Deus. Visitado em 27/06/2009.
[3] Casa de Saúde do Telhal. Visitado em 27/06/2009.

7.8 Ver também


• Nise da Silveira, psiquiatra pioneira nesta área no
Brasil

7.9 Ligações externas


• Fórum para alunos e futuros alunos de Terapia Ocu-
pacional na ESSLei (Portugal)
• The World Federation of Occupational Therapists
(WFOT)
• The American Occupational Therapy Association
(AOTA)
• Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupa-
cional
• Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocu-
pacional da 1a. Região
• Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocu-
pacional da 3a. Região
• Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocu-
pacional da 5a. Região
• Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocu-
pacional da 10a. Região - Santa Catarina
• Associação Portuguesa de Terapeutas Ocupacionais
• CASA da T.O
• Mariana Fulfaro: relatos de uma terapeuta ocupaci-
onal
• Terapia Ocupacional
• Terapia Ocupacional
• Atuação da Terapia Ocupacional
• Reabilitação Cognitiva
Capítulo 8

Terapia holística

Terapia Holística é o nome dado a qualquer terapia que


siga os princípios do holismo. Ou seja: que aborda o pro-
blema a ser tratado como um todo, não através de uma
visão fragmentada do real.
A abordagem holística acredita que os elementos emo-
cional, mental, espiritual e físico de cada pessoa formam
um sistema, e objetiva tratar de toda a pessoa em seu con-
texto, concentrando-se tanto na causa da doença como
dos sintomas[1] .

8.1 Ver também


• Medicina Alternativa

8.2 Referências
[1] Definition: Holism (Setembro 2004). Visitado em 17 de
agosto de 2007.

31
Capítulo 9

Terapia gestalt

A Gestalt-Terapia, também conhecida como Terapia mento gestáltico possibilita a sua utilização em grupos.
Gestalt, é uma abordagem psicológica, e que possui uma Fritz Perls costumava realizar Workshops com grupos e
visão de homem e de mundo pautadas na doutrina holís- casais. O próprio Perls, certa vez, declarou preferir o
tica, na fenomenologia e no existencialismo. atendimento em grupos ao atendimento individual, pela
Baseada no “aqui-e-agora”, a Gestalt-Terapia tem como sua eficiência, e principalmente por poder colocar os cli-
entes diantes de situações onde estes poderiam ser mais
foco levar as pessoas a restaurar o contato consigo, com
os outros e com o mundo. Por ser considerada uma abor- espontâneos.
dagem Humanista, acredita na capacidade do ser humano Os métodos e objetivos variam de acordo com os auto-
em se auto-realizar e de desenvolver seu potencial. res, para Perls o objetivo da terapia é saltar do apoio am-
Foi co-fundada pelos então conhecidos como o “grupo biental para o auto-suporte (self-suport). Em outro mo-
dos sete"( Paul Weisz, Elliot Shapiro, Isadore Sylvester mento encontramos como objetivo da Gestalt-Terapia a
Eastman, Ralph Hefferline e Jim Simkin), tendo mais Awareness. Awareness é uma palavra sem conceituação
destaque entre eles Fritz Perls, Laura Perls e Paul Go- exata para o português, mas que pode convenientemente
odman dentre os anos de 1940 a 1950. Está relacionada ser traduzida para “dar-se conta”, também sendo utili-
com a psicologia da gestalt, mas não é a mesma coisa. zada para conceituar o que muitos chamam continuum
de consciência, para outros seria uma transcendência da
Quando criada, havia uma divergência quanto ao nome consciência de si. Essa consciência refere-se a capaci-
que esta abordagem deveria ter, entre muitos nomes fo- dade de aperceber-se do que se passa dentro de si e fora
ram propostos: Terapia da Concentração, Terapia In- de si no momento presente, em nível corporal, mental e
tegrativa, Psicanálise Existencial, até proporem Gestalt- emocional.
Terapia que de início causou certo debate, mas que logo
foi aceito.
Inicialmente baseada nas idéias da psicologia gestalt, a
Gestalt-Terapia foi desenvolvida como modelo psicotera- 9.1 Influências da gestalt-terapia
peutico, sendo considerada uma teoria bem desenvolvida
que combina abordagens Fenomenológicas, Existenciais, A Gestalt-terapia tem como base várias teorias do conhe-
Dialógicas e da Teoria do Campo aliadas ao processo de cimento humano, entre elas, as mais utilizadas por Fritz
transformação e crescimento humano. Perls, de acordo com Tellegen (1984, p. 34) são: análise
Perls sempre frisou que a gestalt-terapia não era uma cria- do caráter de Reich, o Holismo de Jan Smuts, a fenome-
ção original sua, mas, pelo contrário, uma união de vários nologia, a psicologia da Gestalt, a teoria organísmica de
acontecimentos que nos leva aos conhecimentos da área Kurt Goldstein, a filosofia existencial, zen budismo, a teo-
de psicologia, que ainda não haviam sido experimentados ria do campo de Kurt Lewin e a Psicanálise. Esta última é
por ninguém. Cabe a Gestalt-Terapia a configuração des- interessante que seja ressaltado que Perls era psicanalista,
tes conhecimentos, dando a eles uma abordagem própria. em determinado momento admite o valor da pesquisa psi-
canalítica, afirmando: “Quase não existe uma esfera da
Uma das grandes inovações da Gestalt-Terapia é o fato de atividade humana onde a investigação de Freud não te-
compreender o ser humano como uma totalidade, rom- nha sido criativa, ou, pelo menos, estimuladora” (1969,
pendo com as psicoterapias tradicionais, a Gestalt vê o p. 13). Contudo, a fundamentação com a psicanálise
homem no físico, mental e psíquico. Estas são esferas deve ser vista com cuidado, pois Perls manteve ásperas
indivisíveis e interrelacionadas. Corpo e psiquismo são relações com a psicanálise. Em certos momentos faz co-
inseparáveis. mentários sobre Freud e sua teoria.
A Gestalt-Terapia pode ser utilizada no atendimento in- “[...] Freud, suas teorias, sua influência são por demais
dividual, de grupos, familiar, de casais, infantil e até em importantes para mim. [...] Fico profundamente abis-
organizações. A visão holística que permeia o pensa- mado diante do que praticamente sozinho realizou, com

32
9.1. INFLUÊNCIAS DA GESTALT-TERAPIA 33

instrumentos mentais inadequados de uma psicologia as- apenas como parte do processo perceptivo, agora faz
sociacionista e uma filosofia de orientação mecanicista. parte da motivação, esta associado ao processo de emer-
Sou profundamente grato por tudo que aprendi justamente gência das necessidades do organismo.
ao me opor a ele.” (PERLS, 1979)
Nos escritos de Perls é comum encontrarmos referências
9.1.2 Teoria Organísmica de Kurt Golds-
à Alfred Adler e Harry Stack Sullivan, ambos influencia-
ram o pensamento de Fritz, principalmente, no que toca tein
às questões referentes à auto-estima e auto-conceito.
Uma das influências mais incisivas sobre a Gestalt-terapia
é a teoria organísmica de Goldstein. Essa teoria deu base
9.1.1 Psicologia da Gestalt para que Fritz não fosse mecanicista ou associacionista.
A teoria organísmica é contrária às teorias associacionis-
Gestalt é uma palavra alemã. Existem diversas interpre- tas, que buscavam causa-efeito. Ela constituía-se basica-
tações para o termo, uma, diz que pode ser considerada a mente pela busca entre as inter-relações existenciais entre
psicologia da forma, outra, associa ao processo de surgi- os fenômenos, além, de analisar as funções psicológicas,
mento de figura-fundo. A palavra adequada para designar mas o organismo como um todo.
a Gestalt seria dizer: “Gestaltung”, palavra que indica dar "[...] 'como' um dado fenômeno é constituído, de que
forma, ou seja, um processo, uma formação. forma se tecem as inter-relações entre suas partes, 'em
A concepção da psicologia da Gestalt, até então antiga, função do quê' se estrutura o todo de uma determinada
é a teoria sobre como o nosso campo perceptivo segue maneira e não de outra. Como ocorrem mudanças nesta
determinadas tendências sob a forma de conjuntos estru- estruturação? Existe uma tendência direcional nestas
turados. A percepção estruturada se daria seguindo a ten- mudanças?"' Tellegen (1984, p. 38)
dência das linhas e das formas, destacando as figuras de O modelo biológico utilizado por Goldstein, concebia um
seus fundos. Porém, não se pode reduzir os fenômenos organismo como um sistema em equilíbrio e que qual-
somente ao que é percebido (ao campo perceptivo), pois quer necessidade causava um desequilíbrio que precisava
deve-se levar em conta o todo sendo diferente da soma ser corrigido. Perls associou a teoria organísmica junto
das partes. Ex: H2O. Sabemos que a fórmula da água é às leis da psicologia da Gestalt, entre elas, a lei da “boa
de duas particulas de Hidrogênio e uma de Oxigênio; no forma” (afirma que sempre predominará aquela configu-
entanto não se consegue “fazer água” apenas juntando es- ração que mantiver estados mais harmoniosos), sendo as-
sas duas móleculas. Assim, “o todo é diferente da soma sim, todo fato que altere esse equilíbrio, tornar-se-á evi-
de suas partes"; influência também herdadas das psicolo- dente a tendência das partes em se re-organizarem e a
gias de Kurt Lewin (teoria de campo) e Kurt Goldstein energia em se re-distribuir de acordo com o campo.
(teoria organísmica).
Para Goldstein todo organismo tem uma tendência natu-
A principal queixa dos criadores da Gestalt, em relação, ral ao equilibrio, ou seja, todo organismo possui em si a
às psicoterapias tradicionais é o fato delas não compreen- capacidade de se auto-regular, e se auto-realizar, há uma
derem o ser como um todo. Quando se analisa um com- “sabedoria organísmica”, o organismo por si só pode atin-
portamento é preciso considerar o contexto, o que po- gir a saúde. Todo organismo auto-regulado busca sua sa-
deríamos chamar de espaço-tempo. Segundo GINGER: tisfação, quando lhe é privada a satisfação o organismo
“uma parte num todo é algo bem diferente desta mesma busca outras formas para compensá-la.
parte isolada ou incluída num outro todo [...] num jogo
um grito é diferente de um grito numa rua deserta [...]" A “patologia” aparece como uma forma de regulação,
(1995, p14). uma tentativa do organismo de se recuperar. O organismo
age de acordo com as demandas ambientais.
A psicologia da Gestalt possibilitou a Perls estudar a hie-
rarquia de necessidades. Ele dizia que uma Gestalt seria De acordo com Lima "[...] o processo de busca de
o processo de formação de uma necessidade em busca de auto-atualização como um processo holisticamente natu-
sua satisfação. Então todo o organismo seria colocado ral do organismo, como uma potencialidade intrínseca do
a favor da Gestalt emergente (a figura que emerge de seu ser humano, Goldstein afirmava que quando o indivíduo
fundo). Um organismo sadio estaria atento ao surgimento apresentava respostas antagônicas ou desarmônicas a este
de Gestalten e iria rumo a satisfação. princípio é por que este estava submetido a condições ina-
dequadas de funcionamento.”
Um exemplo utilizado por Perls diz respeito a uma mãe
com seu bebê recém nascido, que em meio a uma multi-
dão de sons, sono e cansaço (fundo), acorda ao ouvir seu 9.1.3 Humanismo, Fenomenologia e Exis-
filho chorando (figura).
tencialismo
Para alguns teóricos, uma das maiores inovações da
Gestalt-Terapia em relação a Psicologia da Gestalt, é o A Gestalt se encontra dentro de uma das grandes corren-
fato de ampliar o conceito de figura-fundo, antes visto tes teóricas da Psicologia. O Humanismo é definido pela
34 CAPÍTULO 9. TERAPIA GESTALT

volta da Psicologia ao homem e às questões realmente homem para o centro da sua singularidade, sua subjetivi-
humanas (amor, ódio, medo, solidão, saúde, beleza, vir- dade é o ponto de equilibrio, e na intersubjetividade que
tude). se faz humano.
O humanismo busca trazer o homem e a sua história para Ao longo de suas obras, Perls demonstrou que o obje-
o centro do debate, o homem torna-se senhor do seu tivo da terapia era fazer com que o cliente torna-se mais
tempo e do seu mundo. suportivo, responsável, consciente, capaz de realizar um
bom contato, e que a cada sessão o cliente torna-se mais
Aqui é o homem é capaz de autogerir-se, autogovernar-
se, busca sua autorealização. O homem pode tomar posse a si-mesmo.
do seu destino. A espécie humana é a única capaz de existir. Existência,
O homem é um completo vir-a-ser, nunca é algo estático que pode ser traduzida por: por para fora, projetar-se.
ou estagnado, antes é um ser em constante transformação Essa capacidade é caracteristicamente humana, só o ser
e mudança. Conceber o homem como um ser estático é humano transcende toda barreira, enquanto, outros seres
não compreender o homem em sua essência. seguem sua programação biológica, o homem se faz ho-
mem, se constrói com base na cultura, na história, e na
O pensamento fenomenológico é essencial à compreen- sua própria individualidade.
são da Gestalt-Terapia. A Gestalt-Terapia, antes de tudo,
O homem passa a ter objetivos, sua condição de existência
é uma terapia focada no óbvio, na única coisa que temos,
o aqui-agora. Isso possibilita a GT a qualidade de terapia passa a ser o seu potencial, este então passa a dar sentido
para si. É o único que vive num constante devir (vir-à-
experiencial.
ser). Tudo que este é ainda estar por se fazer. O homem
A fenomenologia propõe um modelo de compreensão é por si só uma obra inacabada, tendo seu projeto em suas
do mundo. Na fenomenologia estuda-se os fenômenos. próprias mãos. Antes de tudo, existência é possibilidade
Fenômeno esta relacionado com o que aparece, com de se projetar, se construir.
manifestar-se. Uma característica essencial do pensa-
mento fenomenológico é o fato das coisas terem um apelo Durante sua vida, o homem, perpassa por um meio so-
interno para revelação, descoberta. cial massacrante, devassalador, que destrói e corrompe
suas potencialidades genuínas. O caminho da existência
Então, partimos das coisas às coisas mesmas. A fenome- é áspero e cheio de pedras, para muitos a existencia perde
nologia é o estudo das essencias. Também encontramos seu maior significado, perde-se o sentido, a sua realização
no pensamento fenomenológico a noção de intencionali- passa a estar cada vez mais distante. O homem sem sen-
dade, para tudo que existe, há uma consciência para lhe tido de vida é incapaz de viver plenamente. Na existência
atribuir significado. E que faz-se necessária a redução fe- humana, mergulhar nas trevas é parte da caminhada, no
nomenológica, onde o terapeuta precisa se livrar de todas entanto, para sair das trevas é preciso encontrar o verda-
as suas preconcepções, apenas para observar o fenômeno deiro sentido de vida. Diante de sua capacidade de auto-
que ocorre diante de seus olhos, seu foco é a descrição realização, mesmo no deserto, a mais bela flor consegue
fenomenológica. florescer.
Na redução fenomenológica é preciso abandonar de ante-
mão teorias e explicações universais sobre o ser humano.
Para o terapeuta o que lhe resta é a sua intuição, seu tato.
Torna-se uma terapia onde o terapeuta é seu maior ins-
9.2 Contato
trumento de trabalho.
Em Gestalt-Terapia o contato é uma das maiores neces-
A intencionalidade da consciência e a intuição fenomê- sidades psicológicas do ser humano. Para definir contato
nica nos fazem questionar aos clientes a totalidade do que precisamos compreender o conceito de fronteira. O ho-
surge e como surge a sua consciência, “o que”, “como”, mem vive em íntima e constante relação com o mundo
“para que” “qual o significado” compõem seu instrumen- que o cerca, existe uma fronteira entre o homem e o seu
tal de perguntas, abandona-se o “por quê" e toda uma meio. Por mais que nós estejamos ligados ao mundo, te-
gama de explicações e interpretações. mos uma separação, assim como nossas células em meio
A preponderância do “como” sobre os “porquês” nos per- ao tecido se separam umas das outras por meio das mem-
mite compreender a estrutura subjacente aos fenômenos, branas citoplasmáticas.
e que relata a necessidade de se descrever o que acontece O ser humanos necessita do contato para obter elementos
com o cliente no aqui-agora tendo como objetivo prin- para sua satisfação, sem contato não obtemos nutrientes
cipal ampliar constantemente a consciência, na maneira para sobrevivermos, o surgimento de uma gestalt e a sua
como o cliente se comporta, e não a razão pelo qual ele realização dependem de um contato satisfatório com o
age. mundo, se não a gestalt pode ser interrompida ou não sa-
A Gestalt-Terapia tem dentre suas características recu- tisfeita.
perar o homem de sua alienação existencial. O existen- Costuma-se utilizar o exemplo de uma célula e sua mem-
cialismo incide sobre o pensamento gestáltico trazendo o brana. Sabe-se que a célula realiza trocas constantes de
9.3. A NEUROSE 35

moléculas com o seu meio externo e que é através da O contato por si só é transformador, a sua natureza pos-
membrana e sua permeabilidade que a célula recebe nu- sibilita a espontaneidade. A abertura a um contato satis-
trientes e expele substâncias. Sabemos que a célula vive fatório é elemento de cura na Gestalt-Terapia.
em sucessivas e incessantes trocas, pois delas depende sua
existência. Graças à permeabilidade da membrana a cé-
lula mantém-se em equilíbrio com seu meio externo. 9.2.1 O Ciclo do Contato
A fronteira surge como algo dinâmico, fluido, e que se O contato possui um funcionamento cíclico, que parte do
faz a medida que estamos em contato com as pessoas e contato à retração. No livro Perls, Goodman e Hefferline
o mundo. A fronteira é permeável e na medida em que foram os primeiros a elaborar a forma como a energia do
estamos abertos ao mundo, ela tende a ser expandir e se organismo se distribui ao longo do processo de satisfação
tornar mais fluida, mas à medida que estamos com medo de necessidades.
ou inibidos ela tende a se retrair, a se encolher.
Uma teoria bastante aceita entre os gestaltistas é a de J.
Perls faz alusão às fronteiras geográficas dos países, os Zinker (1979), este define o o processo da seguinte forma:
países que estão em paz, vivem com suas fronteiras aber-
tas, onde o comércio, as pessoas podem entrar e sair li-
vremente. Já os países em guerra costumam manter suas • Awareness (sensação): é o surgimento de impres-
fronteiras fechadas, guarnecidas, cercadas rigidamente. sões vagas, inquietude, que logo começa a se dar
conta, passa a ter consciência, se a awareness se dá
A fronteira e o contato, seguem um ciclo de contato- por completo o sujeito é capaz de identificar a sua
retração, há momentos de abertura e há momentos de necessidade dominante.
retração, isso se faz graças a própria homeostase, a ca-
pacidade natural do organismo em entrar em contato em
• Energização/Ação: Nesta etapa o organismo con-
busca de satisfação, e se retirar quando satisfeito.
vida seus músculos para a ação, há uma sensação
É na fronteira de contato que nos fazemos existir, mani- crescente de energia, a awareness passa a ser orga-
festamos nossos pensamentos, nossas emoções, nós agi- nizada em prol de sua satisfação.
mos na fronteira de contato...
Para o homem o contato é a passagem entre união e sepa- • Contato: É nesse momento que se entra em contato
ração, a relação entre homem-mundo, que se dá através com o que satisfará a necessidade, é o momento do
da fronteira, por onde obtemos o alimento psicológico, e encontro com a diferença (eu e não-eu), a transfor-
também doamos de nós mesmos ao mundo, numa relação mação se dá, as figuras emergem de forma nítida.
de troca vital onde ambos (homem-mundo) se transfor-
mam. • Retirada / Conclusão: A necessidade foi satisfeita e
Várias teorias são utilizadas para fundamentar o conceito o organismo se retira, neste momento há a resolução
teórico de contato. Uma das mais aceitas no meio gestál- e o alívio, a energia começa a se retrair.
tico é a Teoria Dialógica de Martin Buber.
• Retraimento: Aqui há o fechamento da gestalt, a
A teoria de buberiana é pautada nas palavras-conceito
energia se retrai totalmente, têm-se a sensação de
EU-TU e EU-ISSO, essas são formas do homem viven-
dever cumprido.
ciar os relacionamentos, compondo assim uma intersub-
jetividade. Nos relacionamento EU-TU, há uma relação
dialógica e que necessita de elementos existenciais: re- O Ciclo Gestáltico reflete o funcionamento saudável do
ciprocidade (pressupõe uma relação humana recíproca, organismo. Durante o ciclo podem ocorrer interrupções
onde ambos os sujeitos envolvidos no diálogo se reco- e a energia pode ficar estagnada ou ser prolongada. Logo
nhecem enquanto sujeitos), presença (o momento em que começam a surgir os distúrbios do contato.
ambos estejam presentes na sua totalidade e na sua indivi- Um grande avanço da Gestalt-Terapia, é o fato de com-
dualidade, reconhecendo o outro da relação), imediatez preender o indivíduo observando a forma como este se
(é o aqui-e-agora da relação, não há nada para depois) satisfaz, o estabelecimento do contato, seja com o meio,
e responsabilidade (como a habilidade de responder, ser seja com pessoas é de suma importância no pensamento
capaz de assumir, estar presente). gestáltico.
Jorge Ponciano Ribeiro, teórico da Gestalt-Terapia no
Brasil, cita um exemplo interessante em sua obra O Ciclo
do Contato: na chuva, a água cai sobre o asfalto, ambos 9.3 A Neurose
se tocam, não há contato, se houvesse contato, cita ele,
ambos seriam transformados em sua natureza, o asfalto Para a Gestalt-Terapia o indivíduo é uma totalidade,
transformaria a água e, reciprocamente, a água transfor- seu funcionamento básico gira em torno da sua auto-
maria o asfalto. regulação organísmica. No pensamento gestáltico o indi-
víduo é um sistema em equilíbrio homeostático que esta
36 CAPÍTULO 9. TERAPIA GESTALT

em contato com um mundo circundante e que constan-


temente realiza trocas com o meio, ou seja, faz contato
para satisfazer suas necessidades dominantes. A doença
surge quando o sujeito não mais consegue identificar as
necessidades dominantes e o seu organismo mesmo assim
tenta restabelecer o equilibrio perdido, as gestalts não re-
solvidas ficam pendentes e o equilibrio fica prejudicado,
os sintomas surgem como uma tentativa de re-organizar
e assimilar as gestalts abertas, ou não satisfeitas.
De acordo com Ángeles Martín (2008) “o neurótico esta
continuamente interrompendo o processo de formação e
de eliminação de gestalts. Ele não percebe claramente
quais e como são suas necessidades e suas emoções [...].
Essa forma de agir o faz perder a oportunidade de com-
pletar suas gestalts e, portanto, satisfazer suas necessida-
des. Isto cria um contínuo estado de insatisfação. [...]
O Neurótico nem toma do ambiente aquilo de que pre-
cisa para manter seu equilíbrio e uma sobrevivência sa-
dia, nem contribui para dar ao ambiente aquilo que dele
reclama e que serviria para conformá-lo.”
Para que nós satisfaçamos nossas necessidades é neces-
sário que tenhamos consciência das necessidades que
surgem (processo de surgimento de gestaltens). Para a
Gestalt-Terapia o neurótico é um indivíduo repleto de in-
terrupções, que interrompe a si mesmo no processo de
satisfação das próprias necessidades.
O indivíduo neurótico é antes de tudo fóbico, tem medo
da dor e frustração, interrompe a si mesmo no processo
de crescimento, as gestalts não resolvidos se acumulam e
o protegem de estabelecer novos contatos com o mundo
e as pessoas. Ele costuma estar confuso quanto ao que
sente ou ao que faz, não reconhece quais são as suas reais
necessidades.
Perls aponta que o neurótico possui um auto-conceito e
uma auto-estima frágeis e para sustentar-se busca cons-
tantemente apoio ambiental, utilizando-se de manipu-
lação e defesas estereotipadas para atingir sua satisfa-
ção, falta ao neurótico à assimilação das questões mal-
resolvidas, o indivíduo passa a ser cheio de pontos cegos.

9.4 Ver também


• Gestalt

• Psicoterapia gestaltista

9.5 Ligações externas


• Gestalt-Ceres

• Revista de Gestalt
• Gestaltnet.net
Capítulo 10

Terapia cognitivo-comportamental

Terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma 3. a TCC baseia-se na análise dos fatores de vulnerabi-
forma de psicoterapia que se baseia no conhecimento em- lidade (predisposições), fatores desencadeadores e
pírico da psicologia. Ela abrange métodos específicos mantenedores dos transtornos mentais;
e não-específicos (com relação aos transtornos mentais)
que, com base em comprovado saber específico sobre os 4. por se orientar no problema, a TCC é também ori-
diferentes transtornos e em conhecimento psicológico a entada para um objetivo definido (a modificação do
respeito da maneira como seres humanos modificam seus comportamento problemático);
pensamentos, emoções e comportamentos, têm por fim 5. a TCC é voltada para a ação e não apenas para a
uma melhora sistemática dos problemas tratados. tomada de consciência (ing. insight, al. Einsicht) e
Tais técnicas perseguem objetivos concretos e operaci- uma compreensão mais profunda do problema;
onalizados (ou seja, claramente definidos e observáveis)
6. a TCC não se restringe à situação terapêutica, mas
nos diferentes níveis do comportamento e da experiên-
se estende à vida diária do indivíduo;
cia pessoal (al. Erleben) e são guiadas tanto (1) pelo
diagnóstico específico do transtorno mental como (2) por 7. a TCC é transparente, tanto quanto a seus objetivos
uma análise do problema individual (ou seja, uma des- quanto a seus meios;
crição das particularidades do paciente; ver mais abaixo).
Nesse contexto representa um papel importante uma aná- 8. a TCC procura ser uma ajuda para a autoajuda, ou
lise aprofundada dos fatores de vulnerabilidade (predis- seja, acentua a responsabilidade do próprio paciente
posições), dos fatores desencadeadores e mantenedores no processo terapêutico e
do problema (ver abaixo). A combinação dessas duas vias
9. a TCC se esforça por estar em desenvolvimento
permite atingir um relativo equilíbrio entre o método pa-
constante.
dronizado (determinado pelo diagnóstico) e as caracte-
rísticas individuais do paciente (que determinam a aná-
lise do problema). A terapia cognitivo-comportamental
encontra-se em constante desenvolvimento e exige de si 10.2 Princípios etiológicos
mesma uma comprovação empírica da sua efetividade[1] .
Os transtornos mentais são vistos como fruto de um de-
A terapia cognitivo-comportamental possui tanto técni-
sequilíbrio entre os fatores salutogênicos por um lado e
cas da terapia cognitiva como da terapia comportamen-
os fatores patogênicos por outro[1][3] :
tal, tendo demonstrado ser uma das técnicas mais efica-
zes no tratamento de vários transtornos como depressão
e esquizofrenias.[2] • Fatores salutogênicos são aqueles que permitem
ao indivíduo ser saudável. Dentre eles se distinguem
determinados fatores da personalidade, como os es-
tilos de coping, os fatores de fomento à saúde, que
10.1 Princípios básicos da TCC ajudam a mantê-la (ex. a prática de esportes, uma
vida equilibrada etc.), e os fatores de proteção, que
Jürgen Margraf[1] oferece uma lista de dez princípios bá- ajudam a defendê-la em momentos de estresse (ex.
sicos que caracterizam os diversos métodos conceituais uma boa rede social, bom acesso à rede de saúde
da TCC: etc.).

1. A TCC se orienta no conhecimento empírico da psi- • Fatores patogênicos são aqueles que levam à do-
cologia científica; ença. Os fatores de vulnerabilidade são as pre-
disposições e tendências pessoais, quer de ordem
2. a TCC se orienta no problema (sintoma) atual do genético-biológicas, quer ligadas à história de vida
paciente; da pessoa, a desenvolver determinado transtorno

37
38 CAPÍTULO 10. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL

mental; os fatores desencadeadores são os even- acompanhado de que pensamentos, emoções,


tos que levaram ao aparecimento do transtorno (ex. com que consequências);
diferentes tipos de estresse, perda de entes queri- (b) Análise motivacional - análise do valor do
dos, acidentes e outros traumas etc.) e os fatores comportamento problemático: que objetivos
mantenedores são aqueles que propiciam a conti- são perseguidos com ele? Quais motivos influ-
nuação do transtorno mesmo após os fatores desen- enciam a vida da pessoa? O comportamento se
cadeadores não estarem mais presentes (ex. estresse origina de conflitos entre objetivos distintos?
permanente, tentativas errôneas do paciente ou de
pessoas a ele próximas de lidar com a situação etc.). (c) Análise sistêmica - análise da pertinência do
Dentre os fatores mantenedores a funcionalidade indivíduo a diferentes sistemas sociais, com
(ou ganho secundário) do transtorno desempenha regras e exigências distintas e, por vezes con-
um papel importante: Trata-se dos aspectos posi- traditórias e a influência dessa pertinência so-
tivos que toda doença e transtorno mental, por mais bre seu comportamento;
grave que seja, tem para o indivíduo. Assim deter- (d) Origem e desenvolvimento do problema:
minados transtornos infantis têm como funcionali- Anamnese, geração de hipóteses sobre a ori-
dade a manutenção do relacionamento instável dos gem do problema;
pais, que permanecem juntos somente por causa do (e) Condensamento do conhecimento ganho até
filho. Como se depreende do exemplo, não se deve então: geração de um modelo etiológico indi-
confundir a funcionalidade com má-fé ou intenção vidual
maldosa do paciente.
3. Análise do objetivo
Tradicionalmente a TCC dedica-se especialmente aos fa- (a) Pré-requisitos da mudança (de comporta-
tores mantenedores, sem no entanto perder de vista os de- mento) - consideração dos lados positivo e
mais fatores. Nos últimos anos vem crescendo cada vez negativo do comportamento atual (problemá-
mais a consciência de que sobretudo os fatores salutogê- tico), definição da motivação para a mudança,
nicos têm grande importância na recuperação da saúde e determinação dos fatores ambientais que auxi-
devem ser fomentados[1][3] . liam a mudança e daqueles que a atrapalham;
(b) Determinação dos objetivos - quais os objeti-
vos perseguidos pelas partes envolvidas (paci-
10.3 Estrutura da terapia ente, terapeuta, terceiros), formulação de ob-
jetivos e dos passos necessários para alcançá-
A estrutura da TCC pode ser descrita em uma série de los;
cinco passos[4] : (c) Relacionamento paciente-terapeuta - o relaci-
onamento entre paciente e terapeuta é tal que
1. Apresentação do problema permite um trabalho produtivo? Como mantê-
lo (ou modificá-lo)?
(a) Primeira orientação a respeito problemática -
consiste na coleta e organização dos dados re- 4. Análise dos meios
levantes para a compreensão do paciente e de
seu problema: dados pessoais, sintomática e (a) Pontos de partida: quais pessoas devem ser en-
seu desenvolvimento, objetivos do paciente, volvidas na mudança? Com quais situações,
esclarecimento das condições necessárias para problemas, pessoas começar?
o trabalho psicoterapêutico; (b) Princípios da mudança - com base na análise
(b) Definição do(s) problema(s) e diagnóstico - do problema, quais passos devem ser dados?
definição dos diversos problemas envolvidos e Como? Explicação da lógica do tratamento
da relação entre eles, esclarecimentos diagnós- (dos passos a serem dados) ao paciente
tico (ex. possíveis causas fisiológicas do pro- (c) Planejamento concreto da terapia - que no-
blema), diagnóstico provisório (segundo CID vos comportamentos devem ser aprendidos,
10 ou DSM IV) e definição da indicação psi- em que situação? Como? Definir os parâme-
coterapêutica (ou seja, qual método psicotera- tros formais (frequência das consultas, dura-
pêutico é o mais indicado); ção da terapia) e determinar se outros trata-
(c) Escolha do(s) problema(s) a ser(em) tratado(s) mentos (ex. medicamentos) são necessários.
Definir exatamente (de forma observável) o
2. Análise do(s) problema(s) que se considera “sucesso”
(a) Análise comportamental - escolha do compor- 5. Teste e avaliação dos passos definidos - realização
tamento problemático, análise da sua incidên- dos passos tal qual definidos anteriormente, sempre
cia (em que situações, com que frequência, levando em conta de que as hipóteses sobre as quais
10.6. REFERÊNCIAS 39

elas se baseiam são provisórias e, assim, modificá- 10.6 Referências


veis sempre que necessário. Avaliação permanente
de cada um dos passos e dos diferentes objetivos al- [1] Margraf, Jürgen (2009). Hintergründe und Entwicklung.
cançados. Término da terapia. In: Jürgen Margraf & Silvia Schneider Lehrbuch der
Verhaltenstherapie. Band 1. Berlin: Springer.

[2] KNAPP, Paulo and BECK, Aaron T. Fundamentos,


10.4 Eficácia modelos conceituais, aplicações e pesquisa da terapia
cognitiva. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2008, vol.30,
Estudos científicos feitos por Aaron Beck(um dos fun- suppl.2 [cited 2010-07-22], pp. s54-s64 . Available from:
dadores da terapia cognitiva) e vários de seus alunos <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&
pid=S1516-44462008000600002&lng=en&nrm=iso>.
demonstram a eficácia a longo prazo da terapia cogni-
ISSN 1516-4446. doi: 10.1590/S1516-
tiva para depressão, transtorno de ansiedade generali-
44462008000600002.
zada, transtorno do pânico, fobia social, TOC, agressão
sexual, esquizofrenia e transtornos internalizantes na in- [3] Perrez, Meinrad & Baumann, Urs (2005) (Hrgs.). Lehr-
fância. Nos casos de depressão e pânico os resultados buch klinische Psychologie - Psychotherapie, 3. Aufl.
foram especialmente promissores e mais duradouros. [5] Bern: Huber.

A TCC também se provou eficaz no tratamento de [4] Bartling, Gisela; Echelmeyer, Liz & Engberding, Mar-
transtorno bipolar, TDAH aliado à medicação, [6] , garita (2008). Problemanalyse im psychotherapeutischen
anorexia nervosa, transtorno dismórfico corporal, coleci- Prozess.Stuttgart: Kohlhammer.
onismo patológico, jogo patológico, TEPT em crianças [5] Beck AT. The current state of cognitive therapy: a 40 year
que sofreram abuso, TOC em crianças e transtorno afe- retrospective. Arch Gen Psychiatry. 2005;62(9):953-9.
tivo sazonal.[7]
[6] Lam DH, McCrone P, Wright K, Kerr N. Cost effective-
Estudos na área da psicologia da saúde também tem de- ness of relapse prevention cognitive therapy for bipolar di-
monstrado a eficácia da TCC no apoio psicológico pe- sorder: 30-month study. Br J Psychiatry. 2005;186:500-
rante condições médicas, incluindo doenças coronaria- 6.
nas, hipertensão, câncer, dor de cabeça, dor crônica, dor
[7] Butler AC, Chapman JE, Foreman EM, Beck AT. The
lombar crônica, síndrome da fadiga crônica, artrite reu-
empirical status of cognitive-behavioral therapy: a review
matóide, síndrome pré-menstrual e síndrome do cólon ir- of meta-analyses. Clin Psychol Rev. 2006;26(1):17-31.
ritável. [8]
[8] Beck AT. The current state of cognitive therapy: a 40 year
retrospective. Arch Gen Psychiatry. 2005;62(9):953-9.
10.5 Desenvolvimento posterior
Nos últimos 15 anos a psicologia cognitivo-
10.7 Bibliografia
comportamental têm procurado expandir-se, desen-
volvendo novas conceitos e técnicas para o tratamento • Bartling, Gisela; Echelmeyer, Liz & Engberding,
de transtornos mentais, para os quais as técnicas tradi- Margarita (2008). Problemanalyse im psychothera-
cionais não apresentavam a efetividade desejada. Esse peutischen Prozess.Stuttgart: Kohlhammer. ISBN
desenvolvimento posterior, chamado de “terceira onda” 978-3-17-018753-5
da terapia cognitivo-comportamental (sendo a “primeira • Margraf, Jürgen & Schneider, Silvia (2009). Lehr-
onda” a terapia comportamental e a segunda a terapia buch der Verhaltenstherapie. Band 1 - Grundlagen,
cognitiva), procurou desenvolver mais o trabalho com Diagnostik, Verfahren, Rahmenbedingungen. Ber-
as emoções e com o conceito de mente alerta, além de lin: Springer. ISBN 978-3-540-79540-7
trazer uma maior aproximação com o corpo teórico das
outras escolas psicoterapêuticas, sobretudo a psicanálise, • Margraf, Jürgen & Schneider, Silvia (2009). Lehr-
a gestaltoterapia e a abordagem centrada na pessoa. buch der Verhaltenstherapie. Band 2 - Störungen
Dentre essas novas forma de psicoterapia se destacam: im Erwachsenenalter, Spezielle Indikationen, Glos-
sar. Berlin: Springer. ISBN 978-3-540-79542-1
• A terapia do esquema, desenvolvida por Jeffrey
Young sobretudo para o tratamento de transtornos • Perrez, Meinrad & Baumann, Urs (Hrgs.) (2005).
de personalidade; Lehrbuch klinische Psychologie - Psychotherapie, 3.
Aufl. Bern: Huber. ISBN 3-456-84241-4
• a CBASP, desenvolvida por J. McCullough para o
tratamento do diversos tipos de depressão crônica; • Schneider, Silvia & Margraf, Jürgen (2009). Lehr-
buch der Verhaltenstherapie. Band 3 - Störung im
• a ACT (terapia de aceitação e compromisso), desen- Kindes- und Jugendalter. Berlin: Springer. ISBN
volvida por S. C. Hayes e seus colaboradores, base- 978-3-540-79544-5
ada no conceito da mente alerta.
Capítulo 11

Logoterapia

A Logoterapia é um sistema teórico – prático de busca restituir a imagem do homem superando reducio-
psicologia, criado pelo psiquiatra vienense Viktor Frankl, nismos, faz uma proposta que não se limita à Psicologia,
que se tornou mundialmente conhecido a partir de seu li- mas abrange todas as áreas da atividade humana, e busca
vro “Em Busca de Sentido” (Um Psicólogo no Campo de resgatar aquilo que é especificamente humano na pessoa.
Concentração) no qual expõe suas experiências nas pri- A Logoterapia busca consolidar e fixar o paciente, de
sões nazistas e lança as bases de sua teoria. De acordo
imediato, no ponto central do seu ser, que é, e não por
com Allport, “trata–se do movimento psicológico mais coincidência, também o ponto mais alto. Eis aí por que é
importante de nossos dias”.
inútil buscar provas teóricas do sentido da vida: ele não é
A Logoterapia é conhecida como a Terceira Escola Vi- uma máxima uniforme, válida para todos — é a obrigação
enense de Psicoterapia, sendo a Psicanálise Freudiana a que cada um tem de transcender-se. Discutir o sentido da
Primeira e a Psicologia Individual de Adler a Segunda. vida sem realizá-lo seria negá-lo; e, uma vez que come-
A Logoterapia, ou terapia do discurso, pode também ser çamos a realizá-lo, já não é preciso discuti-lo, porque ele
definida como um conjunto de esquemas lógicos usados se impõe com uma evidência que até a mente mais cínica
para desmontar os subterfúgios com que a mente doentia se envergonharia de negar.
procura eludir a questão decisiva: a busca do sentido.s
11.2.1 Bibliografia

11.1 Origem do nome • FRANKL, Vicktor E. Em busca de sentido: um psi-


cólogo no campo de concentração. Petrópolis: Edi-
tora Vozes, 1991. ISBN 85-326-0626-2 ISBN 85-
O termo “logos” é uma palavra grega que significa “sen-
233-0274-3
tido”. Assim, a “Logoterapia concentra-se no sentido da
existência humana, bem como na busca da pessoa por este
sentido” (Frankl). • Seidner, Stanley S. (June 10, 2009) “A Trojan
Horse: Logotherapeutic Transcendence and its Se-
“Para a Logoterapia, a busca de sentido na vida da pessoa cular Implications for Theology”. Mater Dei Insti-
é a principal força motivadora no ser humano... A Logo- tute.
terapia é considerada e desenhada como terapia centrada
no sentido. Vê o homem como um ser orientado para o • Carvalho, Olavo de. O Mínimo que Você Precisa
sentido”. (Frankl). Saber para Não Ser um Idiota. Editora Rcecord,
2013.

11.2 Utilização
O homem sempre procurou dar um sentido à sua vida e
aprofundar-se em sua existência. A frustração dessa ne-
cessidade é um sintoma do nosso tempo. O sofrimento e a
falta de sentido configuram o vazio existencial que muitos
experimentam. Para esse mal, Frankl foi desenvolvendo
durante décadas a Logoterapia.
Frankl não pretendeu “suplantar a Psicoterapia vigente,
mas complementá-la e completar também o conceito de
ser humano – mais indispensável às ciências do homem
do que o método e técnicas corretas”. A Logoterapia

40
Capítulo 12

Teoterapia

A Teoterapia (do grego Theós[1] , - deus, divindade; e do 12.1 Dimensões do ser humano[10]
grego Therapeía[2] , - serviço, atendimento, tratamento,
cura), pode se definir como o tratamento de Deus para o
O ser humano possuí três dimensões: espírito, alma e
homem em suas três dimensões[3] : espírito, alma e corpo;
corpo.
é a resposta de Deus à necessidade integral do ser hu-
mano. O tratamento inicia-se no momento em que a pes-
soa recebe a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador e 12.1.1 Espírito
continua em um processo de cura, restauração e formação
da imagem de Jesus Cristo na sua vida. É a dimensão imaterial do ser humano que se relaciona
A Teoterapia, foi desenvolvida pela Cruzada Estudiantil y com Deus, e possui três funções:
Profesional de Colombia,[4] também conhecida no mundo
como Centro Internacional de Teoterapia Integral[5] , e na • Intuição: É a faculdade do espírito que permite ao
Lusofonia como Comunidade Cristã de Teoterapia Inte- homem perceber as manifestações de Deus.
gral[6] , organismo fundado pelo Dr. Néstor Chamorro
• Consciência: É a faculdade do espírito que permite
Pesantes e sua esposa Betty Dolores Cruz (Lolita), no ano
discernir entre o bem e o mal.
de 1963.
Hoje a Teoterapia conta com uma Confederação Inter- • Comunhão: É a faculdade do espírito que conduz a
nacional, a ICT - International Confederation of Theote- ter intimidade com Deus.
rapy.[7]
A linguagem teoterápica está presente em mais de 60 12.1.2 Alma
países[8] e tem como objetivo estar nas 100 maiores ci-
dades do mundo até o ano 2020.[9] É a dimensão psicológica (imaterial) do ser, através da
qual o ser humano pode se relacionar com outras pessoas,
na qual se encontram três atributos essenciais da perso-
nalidade:

• Mente: É a faculdade da alma que permite ao ho-


mem pensar, elaborar ideias, memorizar, etc. É
através da mente que se move a vontade.
• Emoções: É a faculdade da alma que lhe permite ex-
perimentar diferentes sensações como reação à in-
formação que recebe dos pensamentos, do ambiente
ou de outras pessoas. É onde residem o amor, o
ódio, a paz, o rancor, etc.
• Vontade: É o instrumento das decisões e revela o
poder de decidir.

12.1.3 Corpo
Três Dimensões do Ser Humano É a parte material do homem, que lhe faz consciente do
mundo físico e permite se relacionar com ele. Este é di-
vidido em três funções:

41
42 CAPÍTULO 12. TEOTERAPIA

• Anatomia: Faz referência à formação ou constitui-


ção do corpo – células, tecidos, órgãos, aparelhos e
sistemas.

• Morfologia: Faz referência à aparência ou aspecto


externo do corpo.

• Fisiologia: Faz referência ao funcionamento de cada


um dos órgãos e sentidos.

12.2 Como atua a Teoterapia?[11]

Na queda do homem, se viu o amor e preocupação de


Deus, para prover salvação.[12] Milhares de anos depois
desta promessa, Jesus Cristo, ”Deus feito homem”, morreu
em uma cruz, destruiu o poder do pecado e nos redimiu 4 Chaves
de suas consequências e da morte.
Através de seu Filho Jesus Cristo, Deus Pai proveu restau-
ração e cura para o homem e toda sua criação. Há espe-
12.3.1 Primeira chave
rança para a criação, como há para o homem. [13] Ainda
Deus criou o homem como uma unidade que possui três
que o homem foi o que se afastou, Deus tomou a inicia-
dimensões: o espírito, a alma e o corpo. Deus ama ao
tiva para aproximar-se novamente, e levar até o fim este
homem e deseja dar-lhe uma vida com sentido e felici-
plano, o qual implicou dar a vida de seu próprio Filho.
[14] dade, ou seja, no espírito ter paz com Deus, na alma ter
equilíbrio psicológico – lucidez mental, maturidade emo-
O homem necessita receber Jesus Cristo e viver no poder cional, capacidade contínua de escolha, e no corpo saúde
de sua ressurreição por meio do Espírito Santo. Se não se física.
tem completado mediante o nascimento espiritual, então
Por que a maioria das pessoas não está experimen-
não se deve esperar solução para os conflitos. [15]
tando uma vida com sentido e felicidade?
Ao receber a Cristo, a pessoa é completada, levada nova-
mente a seu desenho original, e começa a cura das marcas
que tem ficado pela deterioração de seu ser. Apesar de 12.3.2 Segunda chave
estar completo, cada vez que peca ou cai, entra em con-
flito espiritual, porém recebe poder para vencer agora sua Cada homem administra estas três dimensões segundo
antiga natureza. seu próprio critério, ou seja, possuí seu ego no centro de
O homem em sua condição original era Teocêntrico. sua vida. Tal manejo produz alguns desajustes; no espírito
Logo na queda, se converteu em um ser Egocêntrico. A gera vazio e morte espiritual; na alma produz desequilí-
resposta de Deus vem através de Jesus Cristo; é por Ele brio na personalidade – inferioridade, insegurança, culpa,
que o homem nasce espiritualmente, ao mesmo tempo dúvidas, depressão, etc; e no corpo gera diversas enfer-
em que se inicia um tratamento restaurador chamado Te- midades e alterações psicossomáticas – taquicardias, úl-
oterapia. ceras, alergias, etc.
A Teoterapia tem como fim levar novamente o homem A Organização Mundial de Saúde diz que 80% das doen-
a sua condição de saúde e harmonia em que foi criado e ças consideradas crônicas são de origem emocional.[17]
desenhado. Existe alguma solução?

12.3 4 Chaves Teoterápicas para a 12.3.3 Terceira chave


saúde integral[16] Só Jesus Cristo pode atender todas as necessidades do ho-
mem. Jesus Cristo é a fonte da saúde e do sucesso. Com
As 4 Chaves Teoterápicas comunicam os quatro princí- Jesus Cristo o espírito passa da morte para a vida; na alma
pios da vida espiritual, levando as pessoas a receberem a os conflitos desaparecem; e no corpo manifesta-se saúde.
Jesus Cristo como Senhor e Salvador. O que se deve fazer então?
12.4. REFERÊNCIAS 43

12.3.4 Quarta chave


Deve-se receber Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador
pessoalmente. Somente então poderá conhecer e experi-
mentar a vida com sentido e felicidade.

• Recebemos Jesus Cristo mediante a fé: O fato de


receber Jesus Cristo implica uma entrega total do
nosso ser permitindo-lhe que entre em nossas vidas,
perdoe nossos pecados e nos faça pessoas livres e
saudáveis, como Ele quer que sejamos.

Oração pessoal

“Senhor Jesus Cristo, eu preciso de ti. Reconheço que


entregaste a tua vida pela minha para que eu pudesse des-
frutar de saúde integral e de paz contigo. Eu te peço agora
que entres em minha vida e que sejas o meu Senhor e Sal-
vador, fazendo de mim a pessoa que queres que eu seja.
Amém.”

12.4 Referências
[1] , Dicionário Priberam, 20 de Agosto de 2014

[2] ’’’’, Dicionário Priberam, 20 de Agosto de 2014

[3] , Bíblia Sagrada - 1 Tessalonicenses 5:23

[4] , Família CENTI

[5] , Centro Internacional de Teoterapia Integral - CENTI

[6] , Comunidade Cristã de Teoterapia Integral - CENTI

[7] , ICT - Confederação Internacional de Teoterapia

[8] , Países - Teoterapia

[9] , 100 Montes - 100 cidades mais populosas do mundo

[10] Programa Colombiano Discipular Básico, ‘’Curso de For-


mación 1’’, p.139 −145, Fundación Editorial Publi-
mundo, 2001

[11] Santa Biblia, ‘’Cruzada Estudiantil y Profesional de Co-


lombia’’, p. 4-5

[12] ’’’’, Bíblia Sagrada - Gênesis 3:15

[13] ’’’’, Bíblia Sagrada - Romanos 8:21-22

[14] ’’’’, Bíblia Sagrada - João 3:16

[15] ’’’’, Bíblia Sagrada - Colossenses 3:10

[16] Programa Colombiano Discipular Básico, ‘’Curso de For-


mación 1’’, p.71 −76, Fundación Editorial Publimundo,
2001

[17] ,Doenças crônicas


Capítulo 13

Arte terapia

Arteterapia é uma disciplina híbrida baseada principal- “Arte é a expressão mais pura que há para a
mente nas áreas das artes e da psicologia [1] . Ela pos- demonstração do inconsciente de cada um. É a
sui história e teorias próprias e é aplicada por profissio- liberdade de expressão, é sensibilidade, criati-
nais habilitados por cursos de especialização e/ou mes- vidade, é vida” (Jung, 1920).
trado em arteterapia. Na prática, a arteterapia consiste
do uso de recursos artísticos/visuais ou expressivos como
elemento terapêutico. A arte criada em arterapia pode No Brasil, podem ser elencados os trabalhos desenvolvi-
ser explorada com fim em si (arteterpia - foco no pro- dos por Ulysses Pernambucano já no início do século XX,
cess criativo, no fazer) ou na análise/investigação de sua trabalho que estimulou a escrita da monografia de Silvio
simbologia (arte como terapia) <ref>. Durante a ses- Moura, apresentada em 1923 e intitulada como “Mani-
são de arteterapia a pessoa é convidada a explorar as- festações artísticas nos alienados”. Outro nome de im-
pectos do seu consciente ou inconsciente por meio da portância é Osório César, que desenvolveu sua prática e
expressão artística (pintura, desenho, modelagem, escul- pesquisas no Hospital do Juquery, na cidade de Franco
tura, poesia, dança, etc). Variados autores definiram a da Rocha-SP. Publicou em 1929 o livro “A expressão ar-
Arteterapia, todos com conceitos semelhantes no que diz tística nos alienados”, onde propõe uma forma de com-
respeito à auto-expressão. Segundo a Associação Brasi- preender as produções artísticas destes indivíduos. No
leira de Arteterapia, é um modo de trabalhar utilizando hospital é inaugurada, oficialmente, a Oficina de Pintura
a linguagem artística como base da comunicação cliente- em 1923 e a Escola Livre de Artes Plásticas em 1949.
profissional. Sua essência é a criação estética e a elabo- Outro nome importante no país é de Nise da Silveira, que
ração artística em prol da saúde. Em arteterapia o pró- desenvolveu seu trabalho no Hospital Engenho de Dentro
prio artista/paciente/cliente é quem faz a interpretação de no Rio de Janeiro.
suas criações. Cabendo ao arteterapeuta apenas instigar A Arteterapia na atualidade: Apesar de algumas corren-
esta investigação. Diferente das terapias tradicionais, que tes renegarem o extremo valor de Lou de Olivier, é ne-
consiste principalmente das projeções que ocorrem entre cessário frisar sua brilhante atuação não só em Artetera-
terapeuta e paciente, em arteterapia existe uma relação pia mas em áreas correlatas, iniciando na decada de 80 e
triangular: o arteterapeuta, o paciente, e a arte (criada estendendo-se até os dias atuais, implantando no Brasil a
em terapia). diversificação nos tratamentos Arteterapêuticos e inclu-
sive sendo reconhecida como precursora da Multiterapia,
que reúne varias vertentes artísticas e terapêuticas. Este
reconhecimento oficial pode ser comprovado nas paginas
279 e 280 do livro Brasil de todos os povos/São Paulo,
13.1 Origens sua Historia, seus monumentos - Destaques e Personali-
dades - do ano de 2009, do Instituto Biográfico Brasileiro.
O uso de recursos artísticos com finalidades terapêuticas E também nas paginas 532 e 533 do Dicionário de Mu-
começa a ser incentivado no início do século XIX, pelo lheres - Volume II - da Historiadora Hilda Flores. Nestas
médico alemão Johann Christian Reil, contemporâneo de duas publicações pode-se comprovar a grande contribui-
Pinel. Este profissional estabeleceu um protocolo tera- ção de Lou de Olivier para a Arteterapia, a Arte e tam-
pêutico, com finalidade de cura psiquiátrica onde incluiu bém a Educação e Saúde no Brasil. Lou de Olivier tam-
o uso de desenhos, sons, textos para estabelecimento de bém consta como Dramaturga na Enciclopédia de Lite-
uma comunicação com conteúdos internos. Estudos pos- ratura Brasileira - Volume I - paginas 187, 405 e 670 da
teriores traçaram relações entre Arte e Psiquiatria, sendo Fundação Biblioteca Nacional - Academia Brasileira de
que um profissional que também utilizou o recurso da arte Letras - 2001- (Original de Universidade de Michigan).
aplicado à Psicopatologia foi Carl Jung, que passou a tra- Organizado por Afrânio Coutinho e José Galante Sousa
balhar com o fazer artístico, em forma de atividade cria- - Global Editora - RJ - Brasil. A revista Psique do mês
tiva e integradora da personalidade: de maio/2012 publicou um excelente artigo de Lou de

44
13.2. CONCEITOS 45

Olivier onde se pode ler toda a evolução da Arteterapia segue captar, e junto ao terapeuta pode-se buscar sua sig-
desde a Grécia antiga até os dias de hoje culminado com nificação.
a técnica por ela desenvolvida. Sua biografia e a técnica No volume XI de Obras Completas de Freud, ele relata
por ela criada também podem ser consultadas em livros que frequentemente experimentamos os sonhos em ima-
de sua autoria especialmente Psicopedagoga e Arte tera- gens visuais, sentimentos e pensamentos, sendo mais co-
pia - Teoria e pratica na aplicação em clinicas e escolas. mum na primeira forma. E parte da dificuldade de se
A tecnica de Lou de Olivier foi aplicada em diversas cli- estimar e explicar sonhos deve-se à dificuldade de tra-
nicas e escolas sendo as principais, Clinica Psiconeuro- duzir essas imagens em palavras. Muitas vezes, quando
arte, Espaço Cultural Dra. Lou de Olivier e posterior-
as pessoas sonham, dizem que poderiam mais facilmente
mente Centro de Referencia e Estudo em Multiterapia, desenhá-los que escrevê-los. De acordo com escritos
cuja função principal foi desenvolver tratamentos artete-
freudianos, as imagens escapam com mais facilidade do
rapeuticos englobados a outros tratamentos terapeuticos superego do que as palavras, alojando-se no inconsci-
em geral.
ente e por este motivo o indivíduo se expressa melhor
Em sua biografia oficial Natalie Rogers, filha de Carl Ro- de forma não verbal. A necessidade da comunicação
gers cita ter fundado em 1984 o Instituto de Terapia Ex- simbólica origina-se deste pressuposto, como forma de
pressiva Centrada na Pessoa em Santa Rosa - Califórnia. auto-conhecimento no tratamento terapêutico. Quanto
Neste instituto desenvolveu trabalho expressivo; pintura, à Arteterapia de Orientação Psicanalítica, um autor que
modelagem, expressão corporal, teatro, dança, música, traz importantes contribuições teóricas é Donald Woods
poesia e mímica. Postula que a expressão deve ser ver- Winnicott. Ele foi um pediatra e posteriormente psica-
balizada e compreendida pelo próprio cliente, e não in- nalista inglês que desenvolveu uma teoria sobre o desen-
terpretada pelo terapeuta. Posteriormente transformou- volvimento emocional que dava grande importância para
se em Centro de Artes Expressivas associadas e todo o a criatividade como um elemento atrelado à Saúde. Além
material coletado nestes anos foi publicado em seu livro disto, instaurou o recurso do grafismo nos atendimentos
A conexão criativa: Artes Expressivas como cura (1993). que realizada, denominando a técnica criada como Jogo
Ainda segundo a biografia oficial, o referido Instituto en- do Rabisco. É um autor que dá grande importância para
cerrou atividades após 19 anos porém pela data citada a relação estabelecida entre paciente e terapeuta, mais do
como sendo do encerramento , 2005, temos vinte e um que para a verbalização de interpretações dos possíveis
anos de funcionamento e não 19 como é citado na propria conteúdos inconscientes que podem estar presentes nas
biografia. produções.
Hoje este campo se ampliou, com a Arteterapia estando Partindo do princípio de que muitas vezes não se conse-
inserida em diversos campos e com a formulação, pro- gue falar a respeito de conflitos pessoais, a Arteterapia
posta pela União Brasileira das Associações de Artetera- propõe recursos artísticos para que sejam projetados e
pia - UBAAT, de critérios mínimos que norteiam a for- analisados todos esses processos, obtendo-se uma melhor
mação deste profissional. compreensão de si mesmo, e podendo ser trabalhados no
São citados também como nomes importantes nesta área: intuito de uma libertação emocional.
Margaret Naumburg Florence Cane Hanna Yara Ki- A Arteterapia baseia-se na crença de que o processo cri-
atkwaka Edith Kramer Janie Rhyne ativo envolvido na actividade artística é terapêutico e en-
riquecedor da qualidade de vida das pessoas. Por meio
do criar em arte e do reflectir sobre os processos e os
trabalhos artísticos resultantes, pessoas podem ampliar o
13.2 Conceitos conhecimento de si e dos outros, aumentar a auto-estima,
lidar melhor com sintomas, stress e experiências traumá-
A prática da Arteterapia pode ser baseada em diferen- ticas, desenvolver recursos físicos, cognitivos, emocio-
tes referenciais teóricos, como a Psicanálise, a Psicologia nais e desfrutar do prazer vitalizador do fazer artístico.
Analítica, a Gestalt-terapia, dentre outras abordagens ad-
As linguagens plásticas, poéticas e musicais, dentre ou-
vindas especialmente do campo da Psicologia, que consi-
tras, podem ser mais adequadas à expressão e elaboração
dera fundamental a compreensão do arteterapeuta acerca
do que é apenas vislumbrado, ou seja, esta complexidade
do ser humano. Desta forma, os conceitos em Artetera-
implica na apreensão simultânea de vários aspectos da re-
pia diferenciam-se amplamente conforme a abordagem
alidade. Esta é a qualidade do que ocorre na intimidade
seguida pelo arteterapeuta.
psíquica: um mundo de constantes percepções e sensa-
No caso da prática arteterapêutica pautada na Psicolo- ções, pensamentos, fantasias, sonhos e visões, sem a or-
gia Analítica, aponta-se que, para Jung, a arte tem finali- denação moral da comunicação verbal do cotidiano.
dade criativa, e a energia psíquica consegue transformar-
Uma obra de arte consegue, por si só, transmitir senti-
se em imagens e, através dos símbolos, colocar seus con-
mentos como alegria, desespero, angústia e felicidade, de
teúdos mais internos e profundos. De acordo com o pen-
maneira única e pessoal, relacionadas ao estado espiritual
samento junguiano, deve-se observar os sonhos, pois são
em que se encontra o autor no momento da criação.
criações inconscientes que o consciente muitas vezes con-
46 CAPÍTULO 13. ARTE TERAPIA

A utilização de recursos artísticos (pincéis, cores, papéis, 13.5 Referências


argila, cola, figuras, desenhos, recortes, etc.) tem como
finalidade a mais pura expressão do verdadeiro self, não [1] Handy M. Vick. (2003). A brief History of Art Therapy.
se preocupando com a estética, e sim com o conteúdo pes- In C. Malchiodi (Ed.), Handbook of Art Therapy (p. 5).
soal implícito em cada criação e explícito como resultado New York: Guilford Press.
final. Contudo, as técnicas de utilização dos materiais,
acima citados, são para simples manuseio dos mesmos, e
não para profissionalização ou comercialização. 13.6 Ligações externas
• “American Art Therapy Association” (em inglês)
13.3 Objetivos
• “British Association of Art Therapists” (em inglês)
A Arteterapia tem como principal objetivo atuar como • “Art Therapy Resources” (em inglês)
um catalisador, favorecendo o processo terapêutico, de
forma que o indivíduo entre em contato com conteúdos • Formação em Arteterapia na França (em francês)
internos e muitas vezes inconscientes, normalmente bar-
• “Associação de Arteterapia do Estado de São Paulo”
rados por algum motivo, assim expressando sentimentos
(em português)
e atitudes até então desconhecidos. Arteterapia é bené-
fico para pessoas de qualquer idade, sendo utilizado tanto • “União Brasileira das Associações de Arteterapia”
para o auto-conhecimento e auto-expressão, como tam- (em português)
bém nos casos de doenças mentais.
A Arteterapia resgata o potencial criativo do homem,
buscando a psique saudável e estimulando a autono-
mia e transformação interna para reestruturação do ser.
Propõe-se então, a estruturação da ordenação lógica e
temporal da linguagem verbal de indivíduos que prefe-
rem ou de outros que só conseguem expressões simbóli-
cas. A busca da terapia da arte é uma maneira simples e
criativa para resolução de conflitos internos, é a possibi-
lidade da catarse emocional de forma direta e não inten-
cional.

13.4 Profissionais na área


• Arteterapeuta

• Arte-Educador

• Terapeuta Ocupacional

• Psicólogo

• Enfermeiros Especialistas em Enfermagem da


Saúde Mental e Psiquiatria

• Fonoaudiólogos

• Psicomotricistas

• Professores em geral

• Gastronomos

• Médicos de diversas especialidades

• Arquitetos

• Profissionais de várias áreas que se identifique com


mobilização através da arte
Capítulo 14

Musicoterapia

Musicoterapia é a utilização da música através de seus 14.3 Processo


elementos constituintes (ritmo, melodia e harmonia) por
um(a) musicoterapeuta qualificado em um processo des- O processo da musicoterapia pode se desenvolver de
tinado a facilitar e promover comunicação, relaciona- acordo com vários métodos. Alguns são receptivos,
mento, aprendizado, mobilização, expressão, organiza- quando o musicoterapeuta toca música para o paciente.
ção e outros objetivos terapêuticos relevantes, com o fim Este tipo de sessão normalmente se limita a pacientes
de atender às necessidades físicas, emocionais, mentais, com grandes dificuldades motoras ou em apenas uma
sociais e cognitivas do paciente. A musicoterapia busca parte do tratamento, com objetivos específicos. Na maior
desenvolver potenciais e/ou restaurar funções do indiví- parte dos casos a musicoterapia é ativa, ou seja, o próprio
duo para que ele ou ela alcance uma melhor qualidade de paciente toca os instrumentos musicais, canta, dança ou
vida através da prevenção, reabilitação ou tratamento de realiza outras atividades junto com o terapeuta. A forma
doenças.[1] como o musicoterapeuta interage com os pacientes de-
pende dos objetivos do trabalho e dos métodos que ele
utiliza. Em alguns casos, as sessões são gravadas e o te-
14.1 Indicações rapeuta realiza improvisações ou composições sobre os
temas apresentados pelo paciente.

Os musicoterapeutas trabalham com uma grande quan- Alguns musicoterapeutas procuram interpretar musical-
tidade de pacientes. Entre estes, estão incluídas pes- mente a música produzida durante a sessão. Outros pre-
soas com dificuldades motoras, autistas, pacientes com ferem métodos que utilizem apenas a improvisação sem a
deficiência mental, paralisia cerebral, dificuldades emo- necessidade de interpretação. Os objetivos da produção
cionais, pacientes psiquiátricos, gestantes e idosos. O durante uma sessão de musicoterapia são não-musicais,
trabalho musicoterápico pode ser desenvolvido dentro de por isso não é necessário que o paciente possua nenhum
equipas de saúde multidisciplinares, em conjunto com treinamento musical para que possa participar deste trata-
médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupa- mento. O musicoterapeuta, por outro lado, devido às ha-
cionais, fisioterapeutas e educadores que ajuda no trata- bilidades necessárias à condução do processo terapêutico,
mento na musicoterapia. Também pode ser um processo precisa ter proficiência em diversos instrumentos musi-
autônomo realizado em consultório. Recentemente, uma cais. Os mais usados são o violão, o piano (ou outros
das maiores aplicações de sucesso reconhecido da musi- instrumentos com teclado) e instrumentos de percussão.
coterapia tem sido o tratamento da dor crônica e estresse
pós-traumático.
14.4 Musicoterapeuta

14.2 História O profissional responsável por conduzir o processo mu-


sicoterápico é chamado musicoterapeuta. A formação
O uso da música como método terapêutico vem desde desse profissional é feita em cursos de graduação em mu-
o início da história humana. Alguns dos primeiros re- sicoterapia ou como especialização para profissionais da
gistros a esse respeito podem ser encontrados na obra de área de música ou saúde (músicos, professores de mú-
filósofos gregos pré-socráticos. A sistematização dos mé- sica, médicos ou psicólogos). Em alguns países, a musi-
todos utilizados só começou, no entanto, após a Segunda coterapia também pode ser parte de uma formação em
Guerra Mundial (1939-1945), com pesquisas realizadas arteterapia, que envolve, além da música, técnicas de
nos Estados Unidos. O primeiro curso universitário de artes plásticas e dança.
musicoterapia foi criado em 1944 na Michigan State Uni- A formação do musicoterapeuta inclui teoria musical,
versity. canto, percussão, prática em ao menos um instrumento

47
48 CAPÍTULO 14. MUSICOTERAPIA

harmônico (piano ou violão) e instrumentos melódicos • Antropologia da arte


(principalmente flauta doce).
• Etnomusicologia
Também faz parte, da formação do musicoterapeuta, o
conhecimento de métodos de educação musical (como o
Método Orff ou o Método Kodály), noções de expres-
são artística, expressão corporal, dança, técnicas grupais,
14.7 Bibliografia
assim como psicologia, filosofia, anatomia e fisiologia hu-
mana e neurologia. • Rolando Benenzon, Manual de musicoterapia, Pai-
dós Ibérica, Barcelona, 1985.
O dia do musicoterapeuta é comemorado no Brasil em 15
de setembro. • Marcello Sorce Keller, “Some Ethnomusicological
Considerations about Magic and the Therapeutic
Uses of Music”, International Journal of Music Edu-
cation, 8/2(1986), 13- 16.
14.5 Estilos musicais
• Léon Bence y Max Méreaux, Guía muy práctica de
A intervenção terapêutica pode vir associada a outras téc- musicoterapia, Editorial Gedisa, Barcelona, 1988.
nicas como relaxamento progressivo, treinamento autó-
• Leão, Eliseth R.; Silva, Maria J.P. Música e dor
geno, reiki, ioga ou acupuntura. Apesar de haver um su-
crônica músculoesquelética: o potencial evocativo
bentendido consenso sobre os benefícios da música clás-
de imagens mentais. Rev. Latino-Am. Enferma-
sica ou a música psicodélica eletrônica de sons contí-
gem vol.12 no.2 Ribeirão Preto Mar./Apr. 2004
nuos ou no caso de acupuntura e ioga indiana associada à
disponível em pdf
meditação assim como a música da China, é correto saber
que o efeito da música sobre o paciente depende de sua • Hilliard, Russell E. Music Therapy in Hospice and
história de convívio com os diversos estilos musicais por Palliative Care: a Review of the Empirical Data
um processo de condicionamento estético e/ou vivência eCAM 2005;2(2)173–178 (em inglês)
por ventura associadas.
Por outro lado, os musicoterapeutas, na sua formação, es-
tudam os efeitos dos ritmos repetidos, a associação de rit- 14.8 Ligações externas
mos ao transe e êxtase místico e/ou o seu efeito sobre as
emoções humanas, conhecimento este relativamente bem • WFMT - World Federation of Music Therapy (em
conhecido por exemplo por produtores da música de fil- inglês)
mes (música de suspense, ação, sensualidade etc.) e peças
teatrais, incluindo a ópera. • Music and Medicine (em inglês)

• (em italiano) Experiência de musicoterapia com ido-


sos e portadores de Alzheimer

• União Brasileira das Associações de Musicoterapia

[1] World Federation of Music Therapy

Fones de ouvido podem ser utilizados na musicoterapia

14.6 Ver também


• Psicoacústica

• Audiometria
Capítulo 15

Cromoterapia

Cromoterapia é a prática da utilização das cores na curasanguínea, provoca tensão e agressividade. 2) Branco-
de doenças. Vem sendo utilizada pelo homem desde as sobreposição de todos os comprimentos de onda, sobrecar-
antigas civilizações — como Egito antigo, Índia, Grécia e
rega o nervo óptico e o córtex visual primário e secundário
China — com o objetivo de harmonizar o corpo, atuando (na parte posterior do crânio, acima da vértebra Atlas, sob
do nível físico aos mais sutis. Para Hipócrates, saúde o osso occipital) saturando e cansando em curto intervalo
e doença dependem da harmonia entre meio ambiente, de tempo e provocando ofuscamento e fadiga-stress. 3)
corpo e mente. Azul-450 a 500 nanômetros, ondas curtas de intensidade
Os adeptos da cromoterapia entendem que cada cor pos- fraca, tempo fisiológico de percepção = 0,06 de segundo;
equilibra o ritmo cardíaco, reduz a pressão sistólica, re-
sui uma vibração específica e uma capacidade terapêu-
tica. Isaac Newton no século XVII conseguiu desco- laxa e acalma. "
brir as cores do arco-íris fazendo com que um feixe de Por este episódio, fica relatado o efeito maléfico das va-
luz do sol passasse por um prisma. O cientista alemão riações luminosas intermitentes, numa doença conhecida
Johann Wolfgang von Goethe, no século XVIII, pesqui- como Epilepsia Sensitiva Cromática. Entretanto, estudos
sou durante cerca de 40 anos as cores e descobriu que o de duplo-cego refutando ou confirmando os efeitos bené-
vermelho tem propriedade estimulante no organismo, o ficos da cromoterapia na saúde humana ainda são ausen-
azul acalma, o amarelo provoca sensações de alegria, e tes na Ciência médica. O efeito da cromoterapia segue
o verde é repousante. Esses efeitos são mais ou menos sendo uma hipótese não falseável.
intensos, dependendo da tonalidade usada. Ainda, na área de Teoria das Cores, Goethe, no século
XIX, descobriu aspectos fisiológicos das cores posteri-
ormente estudados por Paul Klee e Kandinsky, em seus
15.1 Atualmente tratados sobre a Gestalt.

A cromoterapia consta da relação das principais terapias


alternativas ou complementares reconhecidas pela OMS
desde 1976, de acordo com a Conferência Internacional
de Atendimentos Primários em Saúde de 1962, em Alma-
Ata, no Cazaquistão.
Não é reconhecida pela comunidade científica. Entre-
tanto já existem alguns estudos sérios apontando a in-
fluência das cores na saúde humana, nomeadamente na
área de biomidiologia. Um deles foi desenvolvido pelo
Prof. Flávio Mario de Alcântara Calazans, baseado no
episódio exibido em 1997 do Desenho Pókemon, em que
uma alternância luminosa de cores de espectro oposto
no círculo cromático na face de um dos personagens
(Pikachu) causou episódios coletivos de epilepsia em cri-
anças japonesas. As cores foram o azul, reconhecido por
relaxar o ritmo cardíaco, e o vermelho, cor quente e esti-
mulante.
Ainda, de acordo com o professor:
“1) Vermelho-610 a 760 nanômetros, ondas longas, de
grande intensidade, tempo fisiológico de percepção = 0,02
de segundo; acelera o batimento cardíaco, eleva a pressão

49
Capítulo 16

Sonoterapia

Sonoterapia ou narcoterapia é a indução artificial do A utilização dos barbitúricos na indução ao sono pro-
sono durante tempo bastante prolongado (de alguns dias longado como um recurso terapêutico se deve principal-
a três semanas) com propósitos terapêuticos das doenças mente a Jakob Klaesi (1883 – 1980) , em 1921, especi-
mentais, com maiores êxitos nas psicoses de ansiedade almente para esquizofrenias [4] e Ivan Pavlov (1849 —
e esquizofrenias. [1] No âmbito da narcoterapia, ou pro- 1936) que publicou em 1922 “Inibição Interna e Sono:
cedimento terapêutico que utiliza de forma exclusiva ou um único e mesmo processo”, correlacionando o sono aos
complementar de outros tratamentos o estado de narcosis mecanismos de defesa do organismo [5]
ou subnarcosis, provocados por barbitúricos, de acordo
com José Bleger [2] (1923 - 1972) deve-se distinguir des-
tas as que não tem a psicoterapia como elemento funda-
mental a exemplo da narcoanálise e de outras formas da 16.1 Experimentação & técnica
psicofarmacologia clínica.
Observe-se contudo que na psiquiatria moderna é a Na sonoterapia, segundo Piéron, [1] mantém-se o sono
psicofarmacoterapia associada a terapia ocupacional e/ou utilizando várias drogas tipo paraldeído interrompendo
psicoterapia nos ambulatórios as formas mais utilizadas apenas pelo tempo necessário à alimentação. Os experi-
de intervenção clínica na doença mental. A sonotera- mentos iniciais de Pavlov, mostraram que o sono corres-
pia, eletroconvulsoterapia e outras formas de intervenção ponde aos processos de inibição do sistema nervoso tanto
da considerada psiquiatria biológica, possuem indicações normais como patológicos (a exemplo da narcolepsia,
cada vez mais específicas e limitadas (controladas), em cataplexia) e, que possui um efeito reparador no orga-
vez da ampla utilização das fases iniciais de seu desen- nismo, sendo induzidos por um processo ativo a exem-
volvimento. plo da fadiga, ou passivo pela ausência de estimulações e
excitantes externos.[6]
Pesquisas específicas com o brometo de sódio foram re-
alizadas nos Laboratórios de I. Pavlov por Maria K. Pe-
trova (1874-1948) que o utilizou, em 1925, para tratar a
neuroses experimentais, com especial êxito nos cães com
sintomas de excitação/inquietação fortalecido, segundo
ela, ativando o processo inibidor no cachorro agitado, res-
taurando o equilíbrio entre os processos de excitação e
inibição. Nos cães com predomínio de inibições, o bro-
meto havia evidentemente aumentado a inibição, criando
um desequilíbrio ainda maior entre os dois processos. [7]
[8]

Na União Soviética progressivamente estendeu-se a so-


noterapia da psiquiatria para a clínica médica, com su-
cesso no tratamento do choque cirúrgico, colites, dores
de membros fantasma, etc. e, além da administração de
psicofármacos, se desenvolveram técnicas biofísicas de
estimulação como o eletrossono e a redução de excitan-
tes físicos do meio externo (salas rigorosamente à prova
O paraldeído é um sedativo e hipnótico não barbitúrico, sinteti- de som, com temperatura constante, iluminação mínima
zado em 1829, ainda com algumas indicações clínicas como an- e contínua) também conhecidas como experimentos de
ticonvulsivante e na abstinência de usuários crônicos de álcool e isolamento e privação sensorial. Em nossos dias são co-
barbitúricos [3] nhecidas como câmeras de flutuação terapêutica. [9] [10]

50
16.4. REFERÊNCIAS 51

Atualmente a eletrossonoterapia é supostamente equiva-


lente em efeitos à chamada estimulação eletroterapêutica
transcraniana, e estimulação induzida por “sintetizadores
de ondas cerebrais” que emitem de pulsos de som e luz
com diversas frequências rítmicas capazes de gerar e on-
das elétricas e influenciar as ondas cerebrais de modo di-
ferenciado. Segundo consta foram desenvolvidos a partir
dos estudos de W. Grey Walter (1910—1977) que usou
um estroboscópio e equipamentos de EEG. [11]

16.2 Aplicações à medicina psicos-


somática
Tanque de flotação utilizado para terapia por redução de exci-
Os doença psicossomáticos na teoria reflexológica já fo- tantes físicos do meio externo
ram definidos como distúrbios neurofisiogênicos reflexos
[12]
ou conforme proposição do fisiologista russo K. M.
Bikov (1886-1959) é a “ordem homeostática desmante- • Privação de sono
lada” (derangément) o funcionamento organísmico alte-
rado por comprometimento da “atividade nervosa supe- • História da psiquiatria
rior” - córtico-subcortical (psíquicas) ou proveniente de
alterações somáticas específicas de cada órgão. [13]
Na teoria pavloviana a sonoterapia é considerada uma in- 16.4 Referências
tervenção capaz de reforçar ou fortalecer a inibição pro-
tetora do organismo. Segundo Astrup, e como visto, no [1] PIÉRON, Henri. Dicionário de psicologia (Narcoterapia).
tratamento das doenças psicossomáticas os especialistas Porto Alegre, Ed. Globo, 1969
defrontam-se tanto com os problemas dos distúrbios lo- [2] BLEGER, Jose. Teoria y practica del narcoanalisis. Bue-
cais dos órgãos, quanto com as pertubações da atividade nos Aires, El Ateneo, 1952, p.160
nervosa superior. A sonoterapia, tanto de sono farma-
cológico como de eletrossono, tem sido usada para res- [3] CHALOULT L. Classificação das drogas psicotrópicas.
taurar as pertubações nervosas gerais por sua inibição (1971) adaptação de Departamento de Psicobiologia da
protetora. Resultados favoráveis foram relatados em ca- UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo / EPM -
sos de tireotoxicose, úlceras gástricas e duodenais, gafro- escola Paulista de Medicina. Acesso Jan. 2015
espasmo (doença ocupacional também conhecida como [4] WINDHOLZ G.; WITHERSPOON L.H. “Sleep as a cure
câimbra de escritor), asma, toxemia gravídica, e outras for schizophrenia: a historical episode”, History of Psychi-
doenças. Salienta que em algumas patologias é necessá- atry 4.13, March 1993, pp. 83–93. Acess. Jan 2015
rio uma terapia de estimulação e/ou a sonoterapia é con-
traindicada a exemplo dos estágios da hipertensão arte- [5] MATTOS, Horácio B; AMADEU, Aga; ARAÚJO, Hil-
rial onde já se registra hipertrofia cardíaca, alerta também debrando. Sonoterapia medicamentosa. Revista de Me-
para o problema da intoxicação por narcóticos, capazes, dicina V.46 nº3, 1962 (113-120) - Edições USP Acesso
Jan. 2015
mesmo de impedir funções compensatórias do córtex ce-
rebral [14] [6] PAVLOV, Ivan P. Reflexos condicionados e inibições. RJ,
Zahar, 1972 (cap. XI O problema do sono, p.164-180)

16.3 Ver também [7] HOTHERSALL, David. História da Psicologia. SP,


McGraw-Hill, 2006

• Eletroencefalograma [8] PAVLOV, Ivan P. Bromides in different types of dogs –


description of a case of experimental neurosis. Read at
• Eletroterapia the VI Scandinavian Neurological Congress, Copenhagen,
August 25, 1932. Acesso, Jan. 2015
• Estimulação transcraniana por corrente contínua
[9] FREITAS JÚNIOR, Otávio. Pavlov, vida e obra. RJ, Paz
• Estimulação magnética transcraniana repetitiva
e Terra, 1976 p.117
• Sedativos e soníferos
[10] WOODBURN, Heron. A patologia do tédio. Scientific
• Hipnose American, Vol 196, 1957 in: Scientific American (pe-
riódico) Psicobiologia, as bases biológicas do comporta-
• Medicina do sono mento, textos do Scientific American. SP, Polígono, 1970
52 CAPÍTULO 16. SONOTERAPIA

[11] OLIVEIRA, Mario Celestino de. Estimulação cerebral


externa, seu uso no tratamento de doenças nervosas e
mentais. Revista Cérebro & Mente UNICAMP, 2002.
Acesso Jan. 2015

[12] PIRES, Nelson. Distúrbios fisiogênicos reflexos. Arq.


Neuro-Psiquiatr., São Paulo , v. 17, n. 3, Sept. 1959 .
PDF. access. Jan. 2015

[13] PIRES, Nelson. Biocibernática na clínica prática, (nos


doentes problemas). RJ Âmbito Cultural Edições Ltda,
1979, p.126-127,

[14] ASTRUP, Christian. Psiquiatria pavloviana, a reflexologia


atual na prática psiquiátrica. RJ, Atheneu, 1979 p.51-52
Capítulo 17

Fototerapia

Este artigo é sobre fototerapia, que consiste em um tra- Reflexão é a perda de parte da luz para fora do tecido,
tamento baseado na interação da irradiação eletromag- devido à reflexão do tecido biológico, geralmente a refle-
nética da luz com os tecidos biológicos. Na fototerapia xão do raio incidente acontece com o mesmo ângulo de
são empregados Lasers e LED que são aparelhos capa- incidência[3]
zes de emitir luz (com um comprimento específico). A
fototerapia é muito utilizada na medicina, Odontologia,
fisioterapia e até pelos profissionais do esporte (educado- 17.2 Absorção da Luz pelo Tecido
res físicos) que buscam o tratamento e a prevenção da
fadiga muscular. Biológico
A luz é absorvida pelos cromóforos que são células ou
moléculas que possui afinidade com determinado com-
17.1 Introdução primento de onda. Um exemplo é a molécula de H2O
que possui uma afinidade com o Laser de CO2, propri-
A Fototerapia consiste na utilização da luz para fins tera- edade que permite que esse lasers seja usado na cirurgia
[1]
pêuticos. Diversas áreas utilizam esse método não inva- oral.
sivo para o realizar o tratamento de diversas patologias, Na célula a Absorção ocorre na mitocôndrica, graças o
muitas vezes a fototerapia é empregada associada a ou- citocromo c oxidase que absorve os fótons. Com o maior
tros tipos de terapia. nível energético disponível há uma aumento da síntese
A interação da Luz com o tecidos biológico se dão por de ATP, o que resulta no aumento do metabolismo ce-
meio dos Fótons que são pequenas pacotes de energias lular. Esse aumento no metabolismo celular possibilita
[4]
mas que não carregam matéria, esse fótons são os consti- uma melhor resposta celular .
[1]
tuintes da Luz. Os tecidos biológicos são constituídos em sua maioria por
Atualmente a Fototerapia vêm sendo empregados na área água (H2O), elementos celulares, fluidos teciduais e etc.
da saúde ( Medicina, odontologia, fisioterapia e etc) de Essa grande variedade de moléculas é responsável pela
forma terapêutica, já que vários estudos descrevem o diferença do grau de penetração e absorção da luz nos te-
efeito positivo da Fototerapia (Laser e LED) em diver- cidos. . Por exemplo, a absorção da água predomina para
sas áreas, bem com na reparação tecidual, aumento da comprimentos de onda superiores a 1.000nm. Já absor-
microcirculação superficial, na diminuição da dor e in- ção da hemoglobina predomina para o comprimento de
[5]
flamação, na recuperação muscular e até na prevenção da onda de 578 nm aproximadamente .
[2]
fadiga muscular . Todos esses efeitos positivos observa- O conhecimento sobre a interação da luz com os teci-
dos em vários estudos só é possível devido à interaçãoda dos biológicos é de grande importância, pois auxilia o
luz do laser com os tecidos biológicos. Quando a luz do cirurgião-dentista, e os demais profissionais da área da
Laser atinge o tecido biológico, é possível observar a pre- saúde, na escolha do equipamento e no comprimento de
sença de algumas propriedades ópticas: transmissão, es- onda mais indicado para o tratamento proposto[5] .
pelhamento, absorção e a reflexão.
Transmissão é a parte da luz que é transmitida por meio
do tecido sem atenuação de sua irradiação[3] . 17.3 Efeito Clínico
Espalhamento consiste na difusão da luz nos tecidos
adjacentes[3] . A Fototerapia tem demostrado efeito positivos:
Absorção é a propriedade que define a absorção da luz
• na diminuição da dor e da inflamação,
pelo tecido os moléculas com possuem afinidade com de-
terminado comprimento de onda[3] . • no processo de cicatrização,

53
54 CAPÍTULO 17. FOTOTERAPIA

• no aumento da circulação, Maiman, conseguiu o primeiro disparo de luz, utilizando


cristais de rubi para produzir uma luz vermelha com um
• no aumento do tempo para o músculo entrar em pro- comprimento de onda de 694 nm. Por volta de 1961, foi
cesso de fadiga realizada a primeira cirurgia a laser utilizando o laser de
• na recuperação muscular CO2, e em 1962 foi desenvolvido o primeiro laser semi-
condutor. Em radiação do laser foi aplicada às práticas
terapêuticas e nesse mesmo ano Stern e Sognnaes utiliz-
A preconização de doses e respectiva quantidade de pon-
ram o laser pela primeira vez na odontologia[6] .
tos de aplicação, para as mais diversas situações clíni-
cas, podem ser encontradas no site da Word Association Já o termo LED (Light Emitting Diode) significa diodo
for Laser Therapy (Associação Mundial de Laserterapia), emissor de luz. O led não apresenta colimação e coerên-
pelo endereçohttp://waltza.co.za/. cia espacial e temporal como o laser, pois não possui uma
cavidade óptica.

17.4 Fototerapia na Odontologia 17.5.1 Fototerapia na Dermatologia


Na odontologia a fototerapia é empregado no alívio da A fototerapia é utilizada desde início dos anos 1970 para
dor, na reparação tecidual e na redução de edema[1] . tratamento da psoríase, parapsoríase, vitiligo e dermatite
No alívio da dor, a Fototerapia pode ser empregado em atópica. Utiliza-se radiação ultravioleta do tipo A (320 a
casos de: 390 nanômetros) com uso medicamento psoraleno, mé-
todo chamado PUVA, ou ultravioleta b, UVB (311 a 313
• hipersensibilidade dentinária, nanômetros) não necessita nenhum medicamento oral. A
ação terapêutica do ultravioleta é anti-inflamatória e imu-
• dores de origem pulpar, nológica, provocando apoptose de células linfócitos T.
Existem nas clínicas dermatológicas a cabine com várias
• dores nevrálgicas, lâmpadas de ultravioleta para o corpo todo ou painel e
• dores em tecido mole, equipamentos que emitem radiação localizada para pe-
quenas áreas.[7]
• mialgias,
• dores do pré e pós – operatório,
17.6 Referências
• entre outras aplicações.
[1] Antonio Luiz B. Pinheiro, Aldo Brugnera Júnior, Fátima
Na reparação tecidual podemos observar a foto estimu- Antonia Aparecida Zanin. Aplicação do Laser na Odon-
lação nos seguintes casos[1] : tologia. [S.l.: s.n.], 2010.

[2] 8- VENEZIAN, G.C.; DA SILVA, M.A.M.R.; MAZ-


• condições de necrose pulpar ZETTO, R.G.; MAZZETTO, M.O.. . “Low level laser
effects on pain to palpation and electromyographic acti-
• após tratamento endodôntico do elemento dental vity in tmd patients: a double-blind, randomized, placebo-
acometido, controlled study.”. Cranio. v. 28, n. 2, p. 84-91, 2010..

• nos casos de lesões traumática [3] Paulo Scarpel. de. Laser em odontologia. São Paulo: San-
tos. 174 p.. [S.l.: s.n.], 2001.
• entre outros
[4] 14. KARU, T.I. et al.. . “Changes in absorbance of mo-
nolayer of living cells induced by laser radiation at 633,
No pós-operatório a fototerapia também é indicada para
670 and 820 nm.”. IEEE J Quantum Elect. v. 7, n.6,
reduzir o edema causado pelo processo cirúrgico[1] . p.982-988, 2001..

[5] CATORZE, M. G.. . “Laser: bases and use in dermato-


17.5 Laser x LED logy.”. Med Cutan Liber Lat Am. V. 1, n. 37, p. 5-27.
2009..

O termo laser é um acrônimo para Light Amplification [6] - LOW, J.; REED,. . “A. Eletroterapia Explicada: prin-
by Stimulated Emission of Radiation (amplificação da cípios e práticas. 3 ed. São Paulo: Manole, 2001.”.
luz através de emissão estimulada de radiação). O la- [7] Sabbag, Cid Yazigi, Psoríase Descobertas Além da Pele.
ser se diferencia da luz convencional por apresentar ca- Psoríase Descobertas Além da Pele. [S.l.: s.n.], 2010.
racterísticas como coerência, colimação e monocromati- ISBN 978-85-7728-180-0
cidade. Os princípios básicos do laser foram esboçados
pelo físico alemão Albert Einstein. Em 1960 Theodore
Capítulo 18

Eletroterapia

A Eletroterapia ou “eletricidade médica” como já foi


designada consiste no uso de correntes elétricas para o
tratamento de pacientes. [1] . Embora seu desenvolvi-
mento tenha se aperfeiçoado mais apenas nas últimas dé-
cadas, já na Antiguidade seu uso era empregado. Os re-
gistros mais antigos datam de 2.750 a.C., quando eram
utilizados peixes elétricos (Torpedo) para produzir cho-
ques nos doentes e assim obter analgesia local. [2]
Os equipamentos atuais empregam diferentes tipos de
correntes, onde o aparelho emite a energia eletromag-
nética que é então conduzida através de cabos conduto-
res até os eletrodos que ficam aderidos à pele do paci-
ente. Outras formas incluem a utilização de agulhas ao
invés de eletrodos, sendo este emprego mais reservado ao
uso para terapia estética ou para métodos diagnósticos (a
eletroneuromiografia por exemplo). Atividades de fisioterapia em Hospital Geral em meados do Sec.
XX nos EUA. Paciente sentado com a profissional aplicando um
Existe uma diversidade de correntes que podem ser uti- aparelho de eletroestimulação no seu ombro. Imagem do Medi-
lizadas na eletroestimulação, cada qual com particulari- cal Detachment. Museum and Medical Arts Services (MAMAS)
dades próprias quanto às indicações e contra-indicações.
Mas todas elas tem um objetivo comum: produzir algum
efeito no tecido a ser tratado, que é obtido através das 18.1 Uso Terapêutico da Corrente
reações físicas, biológicas e fisiológicas que o tecido de-
senvolve ao ser submetido à terapia.
Elétrica
Entre os principais efeitos esperados do uso dessa(s)
Os aparelhos de eletroterapia utilizam uma intensidade
forma(s) da energia eletromagnética estão os efeitos
de corrente muito baixa, são miliamperes e microampe-
térmicos (aumento da temperatura tecidual), a produ-
res.Os eletrodos são aplicados diretamente sobre a pele
ção de contração muscular (auxiliares na complementa-
e o organismo será o condutor. Na eletroterapia temos
ção dos programas de exercícios fisioterapêuticos) e es-
que considerar parâmetros como: resistência, intensi-
timulação, por sua frequência, capaz de induzir analgesia
dade, voltagem, potência e condutividade.
e reparação de tecidos (efeitos anti-inflamatórios). [3]
Nessa perspectiva a eletroterapia distingue-se das moder- Resistência é a dificuldade com que os elétrons percor-
nas formas de estimulação magnética, neuroestimulação rem um condutor. A resistência é medida em unidades
e eletroacupuntura ou “estimulação elétrica nervosa per- chamadas Ohms e é representada pela letra R. Pode-se
cutânea” (PENS), apesar dos objetivos comuns dessas dizer que quanto maior for a quantidade de elementos
últimas de controle da dor, entre outros efeitos espe- resistivos se opondo a corrente maior será a resistência
cíficos. Observe-se que a aplicação dos distintos pro- encontrada pela mesma ,visto que a resistência tem pro-
cedimentos eletroterapêuticos são realizados por distin- priedade somatória. A relação existente entre os parâ-
tos profissionais de saúde, (fisioterapeutas; neurologistas, metros elétricos é definida pela Lei de Ohm que simplifi-
psiquiatras, acupunturistas, esteticistas) orientados por cadamente nos diz que a corrente, num circuito elétrico,
sistemas teóricos ainda não completamente integrados ou é diretamente proporcional à voltagem que é aplicada e
coerentes. inversamente proporcional à resistência do circuito. A
Resistência gerada pela pele é chamada de impedância
cutânea(Z) sendo o maior obstáculo as correntes de baixa
frequência. Essa impedância também sofre variações por

55
56 CAPÍTULO 18. ELETROTERAPIA

fatores como : temperatura, pilosidade, gordura, espes- • Média Freqüência: 1.000 a 10.000 Hz, sendo
sura da pele, suor, umidade, tipo de eletrodo. Em relação utilizado na eletroterapia de 2.000 a 4.000 Hz.
à intensidade podemos utilizar o estabelecido pela Lei de Interferencial e Corrente Russa.
Ohm. As principais indicações clínicas desse procedi-
mento são: • Alta Freqüência: 10.000 Hz a 100.000 Hz. Ondas
Curtas, Microondas, Ultra-som (Ultra-som Tera-
pêutico).

18.2.2 Classificação quanto às formas de


ondas
Formas de ondas:

• - Retilínea: direta ou contínua, polarizada. Ex:


Corrente Galvânica Efeitos: aplicação dos medica-
mentos por ter polaridade definida; hiperemia e va-
sodilatação.
• - Quadrática: alternada, despolarizada. Ex:
Tens, Ultra-excitante, Corrente Russa, SMS. Efei-
Aparelho de aplicação de Estimulação Nervosa Elétrica Trans-
cutânea, uma corrente de baixa frequência com efeitos analgési- tos: analgesia, contração, estimulação muscular de
cos força.
• Exponencial: polar e apolar Ex: Corrente Farádica
Efeitos: contração muscular
• Controle da dor aguda e crônica;
• Senoidal: alternada, bifásica, simétrica, apolar. Ex:
• Redução de edema;
Corrente Interferencial
• Redução de espasmo muscular;
• Semi-senóide: monofásica, polar ou apolar. Ex:
• Minimização de atrofia por desuso; Diadinâmicas de Bernard: DF, MF, CP, LP, RS.

• Facilitação da reeducação muscular; • - Triangular: apolar ou polar (dependendo do apa-


relho), monofásica, alternada. Ex: Corrente Fará-
• Fortalecimento muscular; dica.

• Facilitação da cicatrização tecidual; • Quadrática com Triangular: apolar, alternada,


bifásica, assimétrica. Ex: só existe no TENS.
• Facilitação da consolidação de fraturas;

• Realização da substituição ortésica • Ondas simétricas: quando a geometria dos semi-


ciclos é invertida em relação ao 0V.
• Ondas assimétricas: quando a geometria dos se-
18.2 Classificação das Correntes miciclos é diferente.

As correntes utilizadas em eletroterapia podem ter efei- • Monofásica: quando a onda existe somente em um
tos eletro-químicos, motores ou sensitivos. Podem variar dos semiciclos, sendo bloqueada no outro semiciclo.
ainda quanto à freqüência e as formas de onda. Para uma Neste caso a onda é necessariamente assimétrica.
boa compreensão sobre os efeitos da eletroterapia, é im- • Bifásica: quando a onda existe nos dois semiciclos.
portante ter em mente alguns aspectos básicos relativos à Pode ser simétrica ou assimétrica.
corrente elétrica, freqüência de onda, forma de onda.

18.2.1 Classificação quanto às frequências 18.3 Eletrodos


• Baixa Freqüência: 1 a 1.000 Hz mas utilizada na Os Eletrodos constituem a interface que transmite a cor-
prática clínica a faixa de 1 a 200 Hz. Corrente Gal- rente elétrica através da pele do paciente nas sessões de
vânica, Farádica, Diadinâmicas, TENS (Estimula- eletroterapia. Com isso há uma grande melhora no desen-
ção Nervosa Elétrica Transcutânea) e FES (Estimu- volvimento fisico do paciente. Os eletrodos são fixados à
lação Elétrica Funcional) . pele do paciente em duplas, para que a corrente emitida
18.5. REFERÊNCIAS 57

pelo aparelho passe de um eletrodo para o outro. Quando [3] Kitchen, Sheila; Bazin, Sarah (org.). Eletroterapia de
a corrente atinge um eletrodo, a energia é então transmi- Clayton. SP, Manole, 1998
tida pelo tecido e irá se propagar através dele até atingir
o outro eletrodo-par. Sendo assim a corrente elétrica fica
correndo pelos tecidos de um eletrodo ao outro. No caso
das correntes polarizadas haverá sempre um predomínio
de direção que dependerá do posicionamento dos pólos
dos cabos condutores, onde a maior parte das cargas elé-
tricas irão ser conduzidas em um único sentido. Esse é o
caso da Corrente Galvânica. Já nas correntes não polari-
zadas não existem pólos definidos e a energia é transmi-
tida tanto do eletrodo A para B, como de B para A, sem
qualquer acúmulo de cargas ou predomínio de sentido
da corrente. Estão incluídas aí as correntes Farádicas,
Diadinâmicas, TENS e Interferencial.

18.3.1 Tipos de Eletrodos


• Borracha(Silicone Carbonado): necessita da utiliza-
ção de um gel para facilitar a passagem da corrente
elétrica. A borracha dos eletrodos é feita com car-
bono que aumenta a condutividade. Diferente dos
chinelos de borracha.

• Adesivo ou Silicone: dispensa o uso de gel. É só


colar. Tem um tempo de vida útil que varia de 10
a 15 utilizações, sendo depois é descartado. Podem
ser molhados para aumentar a condutividade.

• Esponja: molha, retira o excesso de água e coloca


no paciente. Aumenta a condutividade. Utiliza-se
principalmente para a corrente polar (Galvânica).

18.4 Ver também


• Eletroconvulsoterapia

• Estimulação cerebral profunda

• Estimulação transcraniana por corrente contínua

• Estimulação magnética transcraniana repetitiva

• Diatermia

• Implante cerebral

• Sonoterapia

18.5 Referências
[1] Robertson, Val et al. Eletroterapia Explicada: Princípios
e Prática. Brasil, Elsevier, 2006 Disponível no Google
Livros 2014

[2] Korfias, MD, Stefanos I. et al. The History of Electrical


Stimulation. Abstract: 2009 Aug 30 American Associa-
tion of Neurological Surgeons Consult. Março, 2014
Capítulo 19

Neurofeedback

19.1 Definição
O Neurofeedback é um tipo de biofeedback, isto é, um
treinamento que permite uniformizar as alterações cere-
brais. O cérebro funciona por meio de descargas elétri-
cas, que são a base da comunicação entre os neurónios.
Estas descargas elétricas podem ser amplificadas e des-
codificadas por aparelhos de eletroencefalografia (EGG).
Um EEG permite identificar padrões de ondas cerebrais,
entre eles a frequência das ondas, medidas em ciclos (pul-
sos) por segundo. Por exemplo, ondas que pulsam entre
16 e 21 pulsos por segundo são consideradas ondas rápi-
das; já ondas abaixo de 8 pulsos por segundo são consi-
deradas ondas lentas.[3]
Computador a exibir software com dados, em tempo real, do
EEG do paciente.

Neurofeedback (NFB), também denominado re-


troinformação neurológica, neuroterapia, neuro-
biofeedback ou EEG biofeedback, é um tipo de
biofeedback que utiliza métodos diversos, como o da
eletroencefalografia (EEG), exibidos em tempo real, a
fim de monitorar a atividade cerebral, geralmente com
o objetivo de controlar a atividade do sistema nervoso
central.[1] No caso da eletroencefalografia são colocados
sensores em diversos pontos na cabeça do paciente
para medir a atividade cerebral, exibindo medições
usando monitores de vídeo ou de som. O neurofeedback
baseia-se no registo e análise automática da atividade
elétrica do cérebro[2] , com um considerável número de Paciente de Neurofeedback, a exibir os elétrodos EEG.
aplicações, com excelentes resultados. Se associado a
outras técnicas do biofeedback, as aplicações podem ser Assim como outras formas de biofeedback, o treino atra-
de grande amplitude, a exemplo do trabalho com atenção, vés de neurofeedback (NFB) utiliza aparelhos que moni-
foco e concentração; reabilitação cognitiva; regulação torizam informação, momento-a-momento, sobre o es-
do sono; avaliação e controle do estresse; aumento de tado fisiológico do indivíduo e seu respetivo funciona-
performance física; tratamento de cefaleias e enxaqueca; mento. O que distingue o NFB de outros tratamentos de
redução de sintomas de TPM - Tensão Pré-Menstrual; biofeedback é o foco no cérebro. O NFB leva em conta
treinos que auxiliam no tratamento de diversos distúrbios aspetos comportamentais, cognitivos e subjetivos, assim
e transtornos psíquicos e emocionais (impulsividade, como a atividade cerebral. Durante o treino, são coloca-
TDAH - Transtorno do Déficit de Atenção e Hipera- dos sensores no couro cabeludo do indivíduo, que depois
tividade, Depressão, TGA - Transtorno de ansiedade são conectados a componentes eletrónicos de grande sen-
generalizada, Transtorno do pânico, Transtorno Bipolar, sibilidade e a programas de software que detetam, ampli-
TEA - Transtorno do espectro autista, Esquizofrenia, ficam e gravam atividade cerebral específica. Não en-
TOC - Transtorno Obsessivo-Compulsivo, dependência volve técnicas cirúrgicas ou terapias com medicação e
química, entre outros). não é doloroso. Quando este treino é aplicado por pro-

58
19.2. HISTÓRIA 59

fissionais credenciados, geralmente não apresenta efeitos suas experiências com ondas cerebrais alpha, foi publi-
secundários negativos. cado em Psychology Today, em 1968. A experiência de
Estudos mostram que o neurofeedback se mostrou ser Kamiya era dividida em duas partes. Na primeira parte,
eficaz no tratamento de transtorno do déficit de atenção era solicitado ao paciente que mantivesse os olhos fecha-
[4]
com hiperatividade (TDAH) e epilepsia , e está a ser dos e que, quando ouvisse um determinado som, dissesse
realizada pesquisa para investigar a eficácia desta técnica aquilo que ele julgasse que o som era, em alpha. Mais
[5] tarde, o paciente era informado sobre se tinha acertado ou
no tratamento de autismo, dores de cabeça, insónia,
ansiedade, toxicodependência e traumatismo cranioence- errado. Inicialmente, o paciente iria obter cerca de 50%
de respostas corretas, mas algumas pessoas iram, com o
fálico[6] .
tempo, desenvolvendo a capacidade de distinguir os di-
Sendo um método auto-regulamentado, o NFB difere de ferentes estados e responder acertadamente uma grande
outros métodos neuro-moduladores, aceites como consis- maioria das vezes. Na segunda parte do estudo, os indiví-
tentes à base de pesquisa científica, como por exemplo duos eram convidados a entrar em alfa, quando uma cam-
audio-visual entrainment (AVE) e estimulação magnética painha tocasse uma vez e a não entrar em alpha quando a
transcraniana repetitiva (do inglês: repetitive Transcra- campainha tocasse duas vezes. Novamente, alguns indi-
nial Magnetic Stimulation - rTMS), que provocam uma víduos foram capazes de entrar nesses estado quando so-
resposta cerebral automática, apresentando um sinal es- licitado. Outros, no entanto, não conseguiam ter controle
pecífico. No nível neuronal, o NFB pretende ensinar o sobre isso. Não obstante, os resultados foram significati-
indivíduo a modular os padrões excitatórios e inibitórios vos e muito atrativos. Os estados alpha foram relaciona-
de conjuntos neuronais específicos e caminhos baseado dos com relaxamento, e o treino alpha trazia a possibili-
nos detalhes da instalação de sensores e os algoritmos de dade de aliviar condições relacionadas com o stress.
feedback utilizados, aumentando a flexibilidade e auto-
regulação do relaxamento e seus padrões de ativação. Apesar dessas alegações altamente dramáticas, a correla-
ção universal da densidade alpha a uma experiência com
indivíduos não pode ser provada. Os estados alpha não
parecem ter o poder de alívio do stress como foi indicado
19.2 História por essas observações antigas.[9]
A certa altura, Martin Orne, e outros, contestaram a ideia
de que o alpha biofeedback realmente envolvia treino que
regulava voluntariamente a atividade cerebral.[10] James
Hardt e Joe Kamiya, na época no Intituto Psiquiatrico
Langley Porter da Universidade da California publicaram
um jornal,[11] que visava comprovar a eficácia do treino
por neurofeedback.
Em finais da década de 60 e inícios da década de 70,
Barbara Brown, uma das mais entusiastas adeptas do bi-
ofeedback, publicou diversos livros sobre esta temática,
tornando o público muito mais consciente desta tecnolo-
gia. Esses livros incluíam New Mind New Body, com um
prefácio de Hugh Downs, e Stress and the Art of Biofeed-
back.

O neurologista alemão Hans Berger.

Em 1924, o psiquiatra alemão Hans Berger conetou dois


elétrodos (pequenos e redondos discos de metal) ao couro
cabeludo de um paciente e detetou uma pequena corrente
elétrica, por usar um galvanómetro balístico. Durante os
anos 1929-1938 ele publicou 14 relatórios acerca dos seus
estudos com EEGs, e muito do conhecimento atual sobre
este assunto, deve-se à sua pesquisa.[7]
Berger analisou os EEGs qualitativamente, mas em 1932
G. Dietsch aplicou a análise de Fourier em sete gravações
de EEG e tornou-se o primeiro pesquisador do que mais
Logo da Associação de Psicofisiologia Aplicada e Biofeedback,
tarde se chamou QEEG (EEG quantitativo).[7]
fundada em 1969 com o objetivo de promover uma nova com-
Mais tarde, Joe Kamiya tornou o neurofeedback conhe- preensão do biofeedback e avançar os métodos utilizados nesta
cido, na década de 1960, quando um artigo[8] sobre as prática.
60 CAPÍTULO 19. NEUROFEEDBACK

A obra de Barry Sterman, Joel F. Lubar, e sua equipa, in- 19.3 Treino por Neurofeedback
dicou a alta eficácia do treino beta, implicando o papel da
atividade EEG por ritmo sensorio-motor.[12] Esta técnica
de treino tem sido usada no tratamento da epilepsia,[13][14] Antes do treino, o paciente preenche protocolos com in-
síndrome de défice de atenção e hiperatividade.[15] O formações pessoais e pertinentes ao tratamento. Após
ritmo sensorio-motor (SMR) refere-se à atividade rít- isso, o cérebro é mapeado, e, em geral, ocorrem novos
mica, entre os 12 e 16 hertz, que pode ser gravada de uma mapeamentos periodicamente, ao longo do treinamento.
área próxima do córtex sonsorio-motor. O SMR pode O mapa do cérebro mostra uma imagem do cérebro, a
ser atingido no estado acordado e é muito idêntico, senão cores em 2D, que reflete o progresso do treino e ajuda
igual, aos fusos de sono que se verificam no segundo es- a determinar quais aspetos precisam de treino e quando
tado do sono. Por exemplo, estudos de Sterman demos- este está concluído. [20]
traram que o treino por SMR está associado a um pro- A essência deste tipo de treino é aprender as relações en-
cesso inibitório do sistema motor e por isso aumentado tre o nosso comportamento físico, ou as atitudes inter-
o SMR através de condicionamento operante, aumenta a nas, e a qualidade de funcionamento do cérebro, com o
capacidade de controlar convulsões.[14] uso da realimentação de parâmetros de eletroencefalo-
Durante anos, o neurofeedback foi considerado uma grafia. Acredita-se que a experiência adquirida desta ma-
parte menos no campo do biofeedback [16] . Em Fevereiro neira possibilita uma orientação mais intencional do tra-
de 1993, Rob Kall, presidente da Futurehealth, organizou balho da mente e a disponibilização dos seus recursos de
o primeiro encontro anual de Estudos do Cérebro[17] , em forma mais eficiente. Segundo especialistas, o objetivo
Key West, Florida. O encontro juntou muitas das perso- do treino é utilizar melhor o potencial da mente, para agir
nagens pioneiras neste campo e criaram uma base para com mais eficácia, obter mais resultados e tornar a vida
que os dirigente pudessem discutir e planear estratégias mais feliz.[21]
a fim de criar influências para o desenvolvimento do neu- O plano de treino abrange, em geral, de 5 a 60 sessões.
rofeedback. Dependendo dos casos e dos terapeutas, os treinos são re-
Em Abril de 1993, Ken Tachiki, Jim Smith e Bob Grove alizados, no mínimo, a cada três ou quatro dias ou duas
organizaram um encontro de líderes no campo do neu- sessões por semana. No treino, o paciente realiza tarefas
rofeedback, em Catalina Island. Surgiu então a Socie- que promoverão as mudanças pretendidas. O paciente
dade Regulamentadora dos Estudos Neuronais (SSNR). é também convidado a participar em atividades com jo-
Posteriormente a SSNR tornou-se a International Society gos, vídeos ou músicas, que são utilizados como infor-
for Neuronal Regulation (ISNR), que é mais tarde ficou mação/estímulo que permitirão obter o feedback. Isto é,
conhecida como Sociedade Internacional de Pesquisa e na sequência da avaliação, plano de treino devidamente
Neurofeedback [18] . personalizado pode ser concebido, que otimiza o tempo
de treino, centrando-se nas áreas de desvio. Os dados
Mas o neurofeedback ainda não era praticado em massa.
do EEG são enviados como dados digitais para um soft-
Por muito tempo, o preço e a qualidade dos equipamen-
ware, que torna possível ao paciente controlar um jogo
tos necessários à prática do neurofeedback (entre 5 a 20
de computador, uma música ou um vídeo com sua pró-
mil dólares) foram barreiras à disseminação desta prá-
pria mente, fazendo com que, com uma série de sessões,
tica. Somente no início dos anos 90, e devido à difu-
a pessoa aprenda a usar a atividade elétrica do próprio cé-
são da informática, apareceram dispositivos com preços
rebro para controlar o jogo, a música ou outra forma de
mais acessíveis (1-5 mil dólares). Outro principal obstá-
reforço. O terapeuta lentamente ajusta os critérios apre-
culo para o desenvolvimento do neurofeedback foi falta
sentados para premiar o indivíduo e, assim, tornar o pa-
de entendimento entre as classes profissionais envolvidas.
drão elétrico do cérebro do paciente mais funcional.[22]
Em 1999, devido ao lançamento da primeira monografia
dedicada ao neurofeedback, pela Academic Press, houve Com o feedback em tempo real o próprio paciente avalia
mudanças. Desde então, as companhias de seguros dos se está a atingir o objetivo do treino e/ou quanto precisa
EUA estão a cobrir os custos de tratamento de pertur- melhorar. Assim, por meio de um processo comporta-
bações da atenção com este método. O número de pu- mental denominado reforço condicionado o paciente co-
blicações científicas a ele dedicadas está a crescer todos meça a identificar e a alterar voluntariamente a frequência
os anos. Desenvolvido inicialmente nos Estados Unidos, das ondas cerebrais nas áreas ligadas ao controle volun-
o neurofeedback é hoje objecto de divulgação nos mais tário da atenção, planeamento e autocontrole. No fim do
diversos países. Há alguns anos, foram criadas a Biofe- treino, os padrões treinados deverão estar estabilizados,
edback Foundation of Europe e a filial europeia da Inter- com efeitos duradouros. No entanto, o grau maior ou me-
national Society for Neuronal Regulation.[19] nor do impacto varia de pessoa para pessoa.[23]
Alguns pesquisadores na área de TDH não ficaram po-
sitivamente convencidos, pelos recentes estudos sobre
o neurofeedback, incluindo o neuropsicólogo, professor
de psiquiatria, e autor de diversas obras sobre o TDH,
Russell Barkley. Barkley e Loo [24] reviram toda a lite-
19.4. REFERÊNCIAS 61

ratura, disponível em 2005, sobre a eficácia da neurote- A duração do tratamento depende de paciente para pa-
rapia nos tratamentos do TDH e concluíram que, na sua ciente. Já se registaram casos de bons resultados após
maioria, os estudos recentes eram baseados em estudos 5 a 10 sessões. Não se recomenda encerrar antes de 30
de caso não controlados, não usaram nenhum grupo de sessões, para garantir que os efeitos sejam duradouros ou
controlo, não usaram métodos discretos, a fim de garantir permanentes. Num caso comum de TDH, o tratamento
que pais, professores e pacientes não soubessem, de ante- geralmente exige entre 30 a 45-60 sessões. Quando
mão, as tarefas que os pacientes fariam durante os treinos, há urgência por resultados de curto prazo, o tratamento
e que, portanto, os resultados obtidos podem ter resul- com neurofeedback pode ser associado a medicamen-
tado em parte, senão inteiramente, do efeito placebo. Ou- tos (que tem ação mais rápida), embora nem todos os
tros resultados foram obtidos por se usaram técnicas im- terapeutas recomendem esta opção. Com a associação
próprias de análise estatística dos dados e a maioria não ao tratamento com neurofeedback, a medicação poderá
conseguiu demonstrar se realmente ocorreram mudanças ser gradativamente retirada, sem que os ganhos sejam
no eletroencefalograma como consequência do treino - o perdidos.[34]
que é crítico quando se pretende demonstrar que quais-
quer melhoras do TDH ocorreram devido ao treino, por
si mesmo. Algo que também é necessário demonstrar é 19.4 Referências
se tais mudanças ocorridas no eletroencefalograma esta-
riam relacionadas com as melhorias relatadas nos sinto- [1] Jorge Alvoeiro Ph.D (Hull, U.K) C. Psychol (B.P.S.,
mas de TDH. Os autores concluíram que as evidências de U.K.) (Fevereiro 2012). RetroInformação Neurológica
eficácia do neurofeedback no tratamento do TDH estava (Neurofeedback). Visitado em 18-11-2012.
longe de ser comprovada e que era necessárima uma pes-
quisa mais rigorosa. Estudos publicados posteriormente, [2] Neurobit systems. Treino de Alta Performance por Neu-
que analisaram a eficácia deste tratamentos de TDH, não rofeedback. Visitado em 2012-09-17.
usaram amostras suficientemente grandes, mais propria- [3] Istituto Paulista de Déficit de Atenção. Neurfeedback para
mente, grupos de controlo a quem foram dadas alterna- TDAH - Treinando e reestruturando o cérebro. Visitado
tivas ou atenção ao efeito placebo. Estes estudos mais em 2012-09-17.
recentes, juntamente com aqueles mais antigos, mas que
foram efetuados usando métodos científicos apropriados [4] Birbaumer, N., Ramos Murguialday, A., Weber, C., &
Montoya, P. (2009). Neurofeedback and brain-computer
e publicados ao longo de 2010, foram recentemente revis-
interface clinical applications. International review of
tos por pelo médico Nicholas Lofthouse, e sua equipa[25] neurobiology, 86(09), 107–17.
e discutidos em documentos separados,[26] que concluí-
ram que o neurofeedback provavelmente seria eficaz, mas [5] (em inglês)
que as evidências não eram conclusivas. De dois estu-
[6] (em inglês) Thornton, K. & Carmody, D. Efficacy of
dos, publicados em 2010-2011, nos quais se usaram o
Traumatic Brain Injury Rehabilitation: Interventions of
efeito placebo e/ou simulações, um encontrou evidências QEEG-Guided Biofeedback, Computers, Strategies, and
específicas dos efeitos do tratamento para melhorar a falta Medications, Applied Psychophysiology and Biofeed-
de atenção dos pacientes, mas não na hiperatividade ou back, 2008, (33) 2, 101-124
nos sintomas impulsivos, enquanto que um estudo menor
encontrou principalmente 'efeitos placebo'. [27][28] Uma [7] (em inglês) Kaiser, David A. “Basic Principles of Quanti-
análise independente, efetuada por Arns e sua equipa, em tative EEG.” Journal of Adult Development, Vol. 12, Nos.
2009, encontrou uma maior magnitude de eficácia nos 2/3, August 2005
tratamentos dos sintomas do TDH do que a análise efetu- [8] (em inglês) "".
ada por Lofthouse. [29] Pesquisa adicional sobre os be-
nefícios do neurofeedback no tratamento dos sintomas [9] (em inglês) "" 201. DOI:10.1126/science.663641. PMID
do TDH acabou por trazer os mesmos resultados mis- 663641.
tos. Assim como Lofthouse e sua equipa admoestaram [10] (em inglês) "" 181. DOI:10.1126/science.181.4097.360.
nas suas suas revisões, futuras pesquisas sobre este trata- PMID 4719909.
mento precisam de aplicar simulações de neurofeedback
apropriadas ou ter em atenção o efeito placebo e todos os [11] (em inglês) "" 1.
cuidados necessários à não contaminação das amostras. [12] (em inglês) "" 6. DOI:10.1016/0014-4886(62)90080-8.
Também foram feitas pesquisas sobre os efeitos do neu- PMID 13916975.
rofeedback no tratamento de outas problemáticas, in-
[13] (em inglês) "" 33. DOI:10.1016/0013-4694(72)90028-4.
cluindo o tratamento da toxicodependência, ansiedade, PMID 4113278.
depressão clínica, epilepsia, TOC, dificuldades de apren-
dizagem [30] [31] , transtorno bipolar, desvio de conduta, [14] (em inglês) "" 31. PMID 10638352.
enxaquecas, dores de cabeça, dor crónica, autismo, sono
[15] (em inglês) "" 20.
desregulado, stress pós-traumático e contusões.[32] [33]
[16] (em inglês) AAPB AAPB
62 CAPÍTULO 19. NEUROFEEDBACK

[17] (em inglês) Winter Brain Meeting Winter Brain Meeting 19.5 Leitura adicional
[18] (em inglês) ISNR ISNR
• Evans, J.R., and Abarbanel, A. An introduction to
[19] Neurobit Systems. Origem do Neurofeedback. Visitado quantitative EEG and Neurofeedback. Academic
em 2012.09.21.
Press: San Diego, 1999. (em inglês)
[20] Better Mind- Instituto de Terapia de Stress e TDH. . Vi-
sitado em 2012-09-17. • Steinberg, Mark, and Othmer, S. ADD: The 20-
Hour Solution. Robert Reed Publishers: Bandon
[21] Neurobit systems. Treino de Alta Performance por Neu- OR, 2004. (em inglês)
rofeedback. Visitado em 2012-09-17.
• Hammond, Corydon D. “Neurofeedback Treatment
[22] Dr.ª Tânia Muratori. Como funciona o neurofeedback.
Visitado em 2012-09-17. of Depression and Anxiety.” Journal of Adult De-
velopment, Vol 12, Nos. 2/3, August 2005. (em
[23] Centro de Estudos em Saúde e Desenvolvimento Humano inglês)
– CESDH. NEUROFEEDBACK… Saúde, equilíbrio e
bem estar. Visitado em 2012.09.17. • Hammond, Corydon D. (2011) “What is neurofeed-
[24] (em inglês) Barkley, R. A. & Loo, S. (2005). Clinical
back: An update.” Journal of Neurotherapy, Vol 15,
utility of EEG in attention deficit hyperactivity disorder. 305-336. (em inglês)
Applied Neuropsychology, 12(2), 64-76
• Trudeau, David L. “EEG Biofeedback for Addictive
[25] (em inglês) Lofthouse, N. et al. (2011). A review of Disorders -- The State of the Art in 2004.” Journal
neurofeedback treatment for pediatric ADHD. Jour- of Adult Development, Vol 12, Nos. 2/3, August
nal of Attention Disorders, 1087054711427530, 2005. (em inglês)
first published online November 16, 2011 as
doi:10.1177/1087054711427530. • Vernon, D. (2005). Can neurofeedback training
enhance performance? An evaluation of the evi-
[26] (em inglês) Lofthouse, N. et al. (2011). Biofeedback and
neurofeedback treatment for ADHD. Psychiatric Annals,
dence with implications for future research. Ap-
41(1), 42-47. plied Psychophysiology and Biofeedback, 30(4),
347-364. (em inglês)
[27] (em inglês) Bakhshayesh, N. R. (2011). Neurofeedback in
ADHD: A single-blind randomized controlled trial. Eu- • Hill PhD, Robert W. and Eduardo MD, C. Healing
ropean Child and Adolescent Psychiatry, online first, DOI Young Brains: The Neurofeedback Solution. Hamp-
10.1007/s00787-011-0208-y. ton Roads Publishing; 1 edition (May 15, 2009).
[28] (em inglês) Perreau-Linck, E. et al. (2010). Effects of (em inglês)
neurofeedback training on inhibitory capacities in ADHD
• Robbins, Jim “A Symphony in the Brain -- The Evo-
children. Journal of Neurotherapy, 14, 229-242.
lution of the New Brainwave Biofeedback.” Grove
[29] (em inglês) Arns, M. et al. (2009) Efficacy of neurofe- Atlantic 1st Edition 2000; 2nd Edition 2008. (em
edback treatment in ADHD. Clinical EEG and Neurosci- inglês)
ence, 40(3), 180-189.
• Demos, J. (2004) “Getting Started in Neurofeed-
[30] (em inglês) Thornton, K. & Carmody, D. EEG Biofeed-
back for Reading Disabilities and Traumatic Brain Inju-
back.” New York: W. W. Norton. (em inglês)
ries. Child and Adolescent Psychiatric Clinics of North
America, Jan., 2005, 137-162
[31] (em inglês) Thornton, K, Carroll, C. 2010, Neuroconnec-
tions, The Coordinated Allocation of Resource (CAR)
Model Intervention for Reading, Problems in two clinics,
fall, 8-16
[32] (em inglês) Thornton, K. & Carmody, D. Efficacy of
Traumatic Brain Injury Rehabilitation: Interventions of
QEEG-Guided Biofeedback, Computers, Strategies, and
Medications, Applied Psychophysiology and Biofeed-
back, 2008, (33) 2, 101-124.
[33] (em inglês) Thornton, K. & Carmody, D. Traumatic
Brain Injury Rehabilitation: QEEG Biofeedback Treat-
ment Protocols, Applied Psychophysiology and Biofeed-
back, 2009, (34) 1, 59-68.
[34] Instituto Paulista de Déficit de Atenção. Neurfeedback
para TDH - Treinando e reestruturando o cérebro. Visi-
tado em 2012.09.21.
Capítulo 20

Parapsicoterapia

Parapsicoterapia se refere a diversas técnicas emprega-


das em Parapsicologia e Ciências avançadas da Consci-
ência para dinamizar a evolução do ser humano, numa
abordagem integrada e multidimensional. É também co-
nhecida como Parapsicologia Clínica.

63
Capítulo 21

Parapsicologia

O cientista e filósofo William James foi um dos fundadores da


American Society for Psychical Research.

O economista e filósofo e sociólogo Henry Sidgwick foi o primeiro


Parapsicologia é uma pseudociência[1] dedicada à in- presidente da Society for Psychical Research.
vestigação de supostos fenômenos paranormais e psíqui-
cos. Seu propósito é a pesquisa científica de telepatia,
precognição, retrocognição, clarividência, telecinésia, A posição da parapsicologia como um ramo da ciên-
projeção da consciência, experiências de quase morte, cia é contestada[7] sendo que a maioria dos cientistas
reencarnação, mediunidade e outras reivindicações para- classificam-na como pseudociência, porque a parapsi-
normais e sobrenaturais.[2][3][4][5] cologia continua suas investigações sem ter corrobo-
Pode ser compreendida como o estudo de alegações pa- rado os resultados defendidos através do método cien-
ranormais associadas à experiência humana, ou seja, tífico, mesmo já decorridos mais de um século dessas
[8][9][10][11][12][13][10][14][15][16]
as interações sensoriais e motoras que aparentemente pesquisas.
não são geradas por nenhum mecanismo ou agente fí- A parapsicologia está presente em cerca de pelo menos
sico conhecido. Esses fenômenos também são conhe- 30 países[17] e encontra aceitação acadêmica em algu-
cidos como fenômenos paranormais ou fenômenos Psi. mas instituições de caráter científico reconhecido como
O termo “Parapsicologia”, criado em 1889 pelo psicó- a Universidade da Virginia e a Universidade de Edim-
logo Max Dessoir[6] , foi adotado pelo pesquisador Joseph burgo, além disso a Associação Parapsicológica, criada
Banks Rhine em 1930 como um substituto para os termos em 1959, é associada à Associação Americana para o
Metapsíquica e “Pesquisa Psíquica”. Avanço da Ciência.[18][19][20]

64
21.3. O INÍCIO 65

contribuição à formação e desenvolvimento de diver-


sos conceitos científicos, principalmente conceitos liga-
dos ao funcionamento da mente, como o subconsciente,
a dissociação, o transtorno dissociativo de identidade, a
histeria, a escrita automática e a hipnose. Pesquisas sobre
fenômenos paranormais, principalmente sobre a mediu-
nidade, foram importantes no desenvolvimento da psi-
cologia e da psiquiatria científicas por parte de alguns
pioneiros no estudo científico da mente, como Sigmund
Freud, Carl Jung, Pierre Janet, Frederic Myers e mais no-
toriamente William James.[21][22][23]

Ganzfeld, um dos experimentos que são realizados para averi-


guar fenômenos do gênero PES. 21.3 O início
A Parapsicologia (inicialmente designada como “Pes-
21.1 Definição e abrangência quisa Psíquica”) surgiu sistematicamente no último
quarto do século XIX, altamente relacionada com o então
Há uma tradição dentro do senso comum que sustenta grande crescimento recente dos movimentos Moderno
que os mundos subjetivo e objetivo são completamente Espiritualismo e Mesmerismo, quando em 1882 foi fun-
distintos, sem que haja qualquer implicação entre eles. O dada em Londres a Society for Psychical Research (Soci-
subjetivo existe “aqui, dentro da cabeça”, enquanto que edade de Pesquisa Psíquica) com a proposta de apresen-
o objetivo existe “lá, no mundo externo”. A Parapsicolo- tar "uma tentativa organizada e sistemática de investigar o
gia é o estudo de fenômenos que sugerem que a dicoto- grande grupo de fenômenos controversos designados por
mia estrita entre objetivo/subjetivo pode ser, ao contrá- termos como mesmérico, psíquico e espiritualista" e com
rio, parte de um conjunto, com alguns fenômenos entre- a associação de diversos membros acadêmicos proemi-
meando ocasionalmente o que é puramente subjetivo e o nentes. Isto incluía acadêmicos da Universidade de Cam-
que é puramente objetivo. Parapsicólogos chamam tais bridge, tais como o filósofo Henry Sidgwick e o ensaísta
fenômenos de “anômalos” porque são difíceis de serem Frederic W. H. Myers. Além desses, a SPR também con-
explicados pelos modelos científicos tradicionais.[4] tava com os físicos Sir William Fletcher Barrett e Balfour
Stewart e o político KG Arthur Balfour, que mais tarde
A Parapsicologia estuda os seguintes aspectos[4] :
se tornou primeiro ministro. Nas primeiras décadas se-
guintes, diversos intelectuais de renome mundial se tor-
• A hipótese da existência de uma forma de ob- naram presidentes da SPR, incluindo como exemplos o
tenção de informações (comunicação) que pres- psicólogo e filósofo americano William James, o químico
cinda da utilização dos sentidos humanos conheci- e físico inglês Sir William Crookes, o físico inglês Sir
dos (percepção extrassensorial), tais como telepatia, Oliver Lodge, o astrônomo francês Camille Flammarion,
clarividência e precognição. o Nobel em Medicina francês Charles Richet e o Nobel
em Literatura francês Henri Bergson.[24][25]
• A hipótese da existência de uma forma de ação fí-
sica sobre o meio físico em que não seriam utiliza- A SPR logo se tornou o modelo para as sociedades simila-
dos qualquer mediadores ou agentes (músculos ou res em outros países europeus e nos Estados Unidos, tanto
forças físicas) conhecidos, como a telecinese. que William James, junto ao astrônomo Simon Newcomb
e outros cientistas, fundaram em 1885 a American So-
• Os fenômenos associados a memória extra-cerebral ciety for Psychical Research (Sociedade Americana de
(retrocognição) e a experiências multidimensionais, Pesquisa Psíquica), organização a qual também se asso-
como a experiência de quase-morte, projeção da ciaram muitos intelectuais renomados.[26]
consciência, mediunidade, agente theta, etc. Na década de 40, J.B. Rhine, da Universidade Duke, rea-
lizou experimentos sobre percepção extrasensorial em 50
crianças que estudavam numa escola para nativos norte-
21.2 Contribuição em fenômenos americanos. O estudo, recentemente descoberto, foi con-
siderado uma afronta à dignidade das crianças.[27]
científicos
Apesar dos fenômenos paranormais por definição se-
rem supostamente fenômenos não explicados cientifica- 21.4 Referências
mente, as historiografias da psicologia e da psiquiatria
em geral sustentam que a parapsicologia trouxe grande [1] Sven Ove Hansson, Science and Pseudo-Science, Stanford
66 CAPÍTULO 21. PARAPSICOLOGIA

Encyclopedia of Philosophy, 18 de maio de 2015, (em in- [17] Harvey J. Irwin and Caroline Watt. An introduction to pa-
glês) rapsychology, McFarland, 2007, pp. 248-249.

[2] Parapsychology. Cambridge Dictionary. Página visitada [18] Melton, J. G.. Parapsychological Association. In Ency-
em 27/11/2014. clopedia of Occultism & Parapsychology. [S.l.]: Thomson
Gale, 1996. ISBN 978-0-8103-9487-2
[3] Harvey J. Irwin and Caroline Watt. An introduction to pa-
rapsychology, McFarland, 2007. [19] American Association for the Advancement of Science -
Affiliates. Página visitada em 22/11/2014.
[4] What is parapsychology?. The Parapsychology Associa-
tion (online). Página visitada em 22/06/2014. [20] University of Virginia - The Division of Perceptual Stu-
dies - Careers in Parapsychology/Psychical Research. Pá-
[5] Alvarado, Carlos S. Reflections on Being a Parapsycholo- gina visitada em 22/11/2014.
gist. Journal of Parapsychology, vol. 67, pp. 211-248
(2003) [21] ALVARADO, C. S.; Machado, F. R.; Zingrone, N. &
Zangari, W. (2007). Perspectivas históricas da influên-
[6] Wolfgang G. Bringmann, Helmut E. Lück, Wolfgang G. cia da mediunidade na construção de idéias psicológicas e
Bringmann A pictorial history of psychology 1997, p. 71 psiquiátricas. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 34, n. 1,
p. 42- 53.
[7] "".
[22] ZANGARI, Wellington e MARALDI, Everton
[8] Hyman, R.. Parapsychological research: A tutorial review de Oliveira. Psicologia da mediunidade: do in-
and critical appraisal. Visitado em 20 September 2008. trapsíquico ao psicossocial. Bol. - Acad. Paul.
Psicol. [online]. 2009, vol.29, n.2 [citado 2014-
[9] "".
11-23], pp. 233-252 . Disponível em: <http:
[10] Cordón, Luis A.. Popular psychology: an encyclopedia. //pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&
Westport, Conn: Greenwood Press, 2005. p. 182. ISBN pid=S1415-711X2009000200003&lng=pt&nrm=iso>.
0-313-32457-3 ISSN 1415-711X

[11] "" 9. DOI:10.1016/0732-118X(91)90017-G. [23] ALMEIDA, Alexander Moreira de and LOTUFO NETO,
Francisco. A mediunidade vista por alguns pioneiros da
[12] "" 9. DOI:10.1016/0732-118X(91)90020-M. área mental. Rev. psiquiatr. clín. [online]. 2004, vol.31,
n.3 [cited 2014-11-23], pp. 132-141 . Available from:
[13] Gordon Stein. (1996). The Encyclopedia of the Paranor- <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&
mal. Prometheus Books. p. 249. ISBN 1-57392-021-5 pid=S0101-60832004000300003&lng=en&nrm=iso>.
“Mainstream science is on the whole very dubious about ISSN 0101-6083. http://dx.doi.org/10.1590/
ESP, and the only way that most scientists will be persua- S0101-60832004000300003.
ded is by a demonstration that can be generally reproduced
by neutral or even skeptical scientists. This is something [24] Beloff, John. Handbook of parapsychology. [S.l.]: Van
that parapsychology has never succeeded in producing.” Nostrand Reinhold, 1977. ISBN 0-442-29576-6

[14] "" 9. DOI:10.1016/0732-118X(91)90017-G. [25] Alvarado, Carlos S.. Fenômenos psíquicos e o problema
mente-corpo: notas históricas sobre uma tradição concei-
[15] "" 9. DOI:10.1016/0732-118X(91)90020-M. tual negligenciada. Rev. psiquiatr. clín. vol.40 no.4 São
Paulo 2013.
[16] • Daisie Radner, Michael Radner. (1982). Science
and Unreason. Wadsworth. pp. 38-66. ISBN 0- [26] Berger, Arthur S.; Berger, Joyce. The Encyclopedia of
534-01153-5 Parapsychology and Psychical Research. [S.l.]: Paragon
House Publishers, 1991. ISBN 1-55778-043-9
• Mario Bunge. (1987). Why Parapsychology Cannot
Become a Science. Behavioral and Brain Sciences [27] The bizarre ESP experiments conducted on Canadian
10: 576-577. aboriginal children without parental consent -- Sott.net
• Terence Hines. (2003). Pseudoscience and the Pa- SOTT.net. Visitado em 2015-09-20.
ranormal. Prometheus Books. pp. 113-150. ISBN
1-57392-979-4
• Massimo Pigliucci, Maarten Boudry. (2013). Phi- 21.5 Bibliografia
losophy of Pseudoscience: Reconsidering the De-
marcation Problem. University Of Chicago Press • Pigliucci, Massimo; Boudry, Maarten (eds.).
p. 158. ISBN 978-0-226-05196-3 “Many ob-
Philosophy of pseudoscience: reconsidering the
servers refer to the field as a “pseudoscience”.
demarcation problem (em inglês). 1 ed. Chicago:
When mainstream scientists say that the field of pa-
rapsychology is not scientific, they mean that no The University of Chicago Press, 2013. Capítulo:
satisfying naturalistic cause-and-effect explanation Goode, Erich. Paranormalism and Pseudoscience
for these supposed effects has yet been proposed as Deviance. , p. 145-163. ISBN 978-0-226-05182-6
and that the field’s experiments cannot be consis- (Many observers refer to the field as a “pseudosci-
tently replicated.” ence”. When mainstream scientists say that the field
21.6. LIGAÇÕES EXTERNAS 67

of parapsychology is not scientific, they mean that no


satisfying naturalistic cause-and-effect explanation
for these supposed effects has yet been proposed and
that the field’s experiments cannot be consistently
replicated.) Página visitada em 19 de novembro de
2014.
• Charpak, Georges. Debunked!: ESP, Telekine-
sis, and Other Pseudoscience. Baltimore: The
Johns Hopkins University Press, 2004. ISBN
9780801878671

21.6 Ligações externas


• University Education in Parapsychology - Parapsy-
chology Association

• Division of Perceptual Studies - University of Vir-


ginia

• The VERITAS Research Program - University of


Arizona

• Koestler Parapsychology Unit - Univesrity of Edin-


burgh

• Princeton Engineering Anomalies Research - Uni-


versity of Princeton

• Inter Psi - Laboratório de Psicologia Anomalística e


Processos Psicossociais / USP
Capítulo 22

Metapsíquica

Metapsíquica - definida pelo criador Charles Robert Ri- • Transe


chet professor da Sorbonne e cientista - "(...)ciência que
tem por objeto a produção de fenômenos, mecânicos • Ectoplasma (parapsicologia)
ou psicológicos, devidos a forças que parece serem • Egregora
inteligentes ou a poderes desconhecidos, latentes na
inteligência humana".[1] • Paradigma
Richet, estudando a mediunidade dividiu a Metapsíquica
em dois grupos: “Metapsíquica Subjetiva” e “Metapsí-
quica Objetiva”, classificando-os com base na sua divisão 22.2 Referências
em Mediunidade de Efeitos Físicos e Mediunidade de Efei-
tos Psíquicos, compreendendo a primeira os telecinésicos; [1] RICHET, Charles: Traité de métapsychique, página 5,
e a segunda, os criptestésicos.[2] edição de 1923.

A Metapsíquica foi a precursora da Parapsicologia. [2] PAULA, João Teixeira de, Enciclopédia de Parapsicolo-
gia, Metapsíquica e Espiritismo, Volume I página 63. Cul-
tural Brasil Editora Ltda. São Paulo (973).
• "Institut Métapsychique International"

• “Instituto de Pesquisa Metapsíquicas de São Paulo”


22.3 Ligações externas
22.1 Ver também • Metapsíquica

• Da Metapsíquica à Parapsicologia
• Paranormal

• Poderes paranormais

• Percepção extra-sensorial

• Precognição

• Premonição

• Empatia

• Telepatia

• Telecinese

• Clarividência

• Clariaudiência

• Psicometria

• Retrocognição

• Conscienciologia

• Projeciologia

68
Capítulo 23

Psicanálise

Psicanálise é um campo clínico e de investigação teó- 3. um método de tratamento caracterizado pela aplica-
rica da psique humana independente da Psicologia, que ção da técnica da Associação Livre[3]
tem origem na Medicina [1][2] , desenvolvido por Sigmund
Freud, médico que se formou em 1881, trabalhou no Hos- Essencialmente é uma teoria da personalidade e um pro-
pital Geral de Viena e teve contato com o neurologista cedimento de psicoterapia; a psicanálise influenciou mui-
francês Jean Martin Charcot, que lhe mostrou o uso da tas outras correntes de pensamento e disciplinas das
hipnose. ciências humanas, gerando uma base teórica para uma
forma de compreensão da ética, da moralidade e da
cultura humana.[4]
Em linguagem comum, o termo “psicanálise” é muitas
vezes usado como sinônimo de “psicoterapia” ou mesmo
de “psicologia”. Em linguagem mais própria, no en-
tanto, psicologia refere-se à ciência que estuda o com-
portamento e os processos mentais, psicoterapia ao uso
clínico do conhecimento obtido por ela, ou seja, ao tra-
balho terapêutico baseado no corpo teórico da psicologia
como um todo, e psicanálise refere-se à forma de psico-
terapia baseada nas teorias oriundas do trabalho de Sig-
mund Freud; psicanálise é, assim, um termo mais espe-
cífico, sendo uma entre muitas outras formas de psicote-
rapia.

23.1 Definição
De acordo com Sigmund Freud, psicanálise é o nome
de (1) um procedimento para a investigação de proces-
sos mentais que são quase inacessíveis por qualquer outro
modo, (2) um método (baseado nessa investigação) para
o tratamento de distúrbios neuróticos, e (3) uma coleção
de informações psicológicas obtidas ao longo dessas li-
nhas, e que gradualmente se acumulou numa “nova” dis-
ciplina científica. [5] A essa definição elaborada pelo pró-
Sigmund Freud, o pai da psicanálise.
prio Freud pode ser acrescentada um tratamento possível
da psicose e perversão, considerando o desenvolvimento
Freud, médico neurologista austríaco, propôs este mé-
dessa técnica.
todo para a compreensão e análise do homem, compre-
endido enquanto sujeito do inconsciente, abrangendo três Ainda segundo o seu criador, a psicanálise cresceu num
áreas: campo muitíssimo restrito. No início, tinha apenas um
único objetivo — o de compreender algo da natureza da-
1. um método de investigação do psiquismo e seu fun- quilo que era conhecido como doenças nervosas ‘funci-
cionamento; onais’, com vistas a superar a impotência que até então
caracterizara seu tratamento médico. Em sua opinião,
2. um sistema teórico sobre a vivência e o comporta- os neurologistas daquele período haviam sido instruídos
mento humano; a terem um elevado respeito por fatos químico-físicos e

69
70 CAPÍTULO 23. PSICANÁLISE

patológico-anatômicos e não sabiam o que fazer do fator consciência, mas com liberdade de associação e ação.
psíquico e não podiam entendê-lo. Deixavam-no aos fi- O modelo psicanalítico da mente considera que a ativi-
lósofos, aos místicos e — aos charlatães; e consideravam dade mental é baseada no papel central do inconsciente
não científico ter qualquer coisa a ver com ele.[6] dinâmico. O contato com a realidade teórica da psicaná-
Os primórdios da psicanálise datam de 1882 quando lise põe em evidência uma multiplicidade de abordagens,
Freud, médico recém formado, trabalhou na clínica psi- com diferentes níveis de abstração, conceituações confli-
quiátrica de Theodor Meynert, e mais tarde, em 1885, tantes e linguagens distintas. Mas isso deve ser entendido
com o médico francês Charcot, no Hospital Salpêtrière em um contexto histórico cultural e em relação às pró-
(Paris, França). Sigmund Freud, um médico interes- prias características do modelo psicanalítico da mente.[9]
sado em achar um tratamento efetivo para pacientes com
sintomas neuróticos ou histéricos. Ao escutar seus paci-
entes, Freud acreditava que seus problemas se origina- 23.2 Correntes, dissensões e críti-
ram da inaceitação cultural, ou seja, seus desejos eram
reprimidos, relegados ao inconsciente. Notou também cas
que muitos desses desejos se tratavam de fantasias de na-
tureza sexual. O método básico da psicanálise é o manejo Diversas dissidências da matriz freudiana foram sendo
da transferência e da resistência em análise. O analisado, verificadas ao longo do século XX, tendo a psicanálise
numa postura relaxada, é solicitado a dizer tudo o que lhe encontrado seu apogeu nos anos 50 e 60.
vem à mente (método de associação livre). Suas aspira-
As principais dissensões que passou o criador da psicaná-
ções, angústias, sonhos e fantasias são de especial inte-
lise foram C. G. Jung e Alfred Adler, que participavam
resse na escuta, como também todas as experiências vi-
da expansão da psicanálise no começo do século XX. C.
vidas são trabalhadas em análise. Escutando o analisado,
G. Jung, inclusive, foi o primeiro presidente do Instituto
o analista tenta manter uma atitude empática de neutra-
Internacional de Psicanálise (IPA), antes de sua renún-
lidade. Uma postura de não-julgamento, visando a criar
cia ao cargo e a seguidor das ideias de Freud. Outras
um ambiente seguro.
dissidências importantes foram Otto Rank, Erich Fromm
A originalidade do conceito de inconsciente introduzido e Wilhelm Reich. No entanto, a partir da teoria psica-
por Freud deve-se à proposição de uma realidade psí- nalítica de Freud, fundou-se uma tradição de pesquisas
quica, característica dos processos inconscientes. Por envolvendo a psicoterapia, o inconsciente e o desenvolvi-
outro lado, analisando-se o contexto da época observa- mento da práxis clínica, com uma abordagem puramente
se que sua proposição estabeleceu um diálogo crítico à psicológica.
proposições Wilhelm Wundt (1832 — 1920) da psico-
Desenvolvimentos como a psicoterapia
logia com a ciência que tem como objeto a consciência
humanista/existencial, psicoterapia reichiana, den-
entendida na perspectiva neurológica (da época) ou seja
tre diversas e tantas terapias existentes, foram, sem
opondo-se aos estados de coma e alienação mental. [7]
dúvida, influenciadas pela tradição psicanalítica, embora
Muitos colocam a questão de como observar o inconsci- tenham conferido uma visão particular para os conteúdos
ente. Se a Freud se deve o mérito do termo “inconsci- da psicologia clínica.
ente”, pode-se perguntar como foi possível a ele, Freud,
O método de interpretar os pacientes e buscar a cura de
ter tido acesso a seu inconsciente para poder ter tido a
enfermidades físicas e mentais através de um diálogo sis-
oportunidade de verificar seu mecanismo, já que não é
temático/metodológico com os pacientes foi uma inova-
justamente o inconsciente que dá as coordenadas da ação
ção trazida por Freud desenvolvido a partir de suas ob-
do homem na sua vida diária.
servações e experiência de tratamento através da hipnose.
Não é possível abordar diretamente o inconsciente (Ics.), Até então, os avanços na área da psicoterapia eram obso-
o conhecemos somente por suas formações: atos falhos, letas e tinham um apelo pela sugestão ou pela terapia com
sonhos, chistes e sintomas diversos expressos no corpo. banhos, sangrias e outros métodos antigos no combate às
Nas suas conferências na Clark University (publicadas doenças mentais. [10]
como Cinco lições de psicanálise) nos recomenda a inter-
Sua contribuição para a Medicina, Psicologia,
pretação como o meio mais simples e a base mais sólida
e outras áreas do conhecimento humano (arte,
de conhecer o inconsciente. [8]
literatura, sociologia, antropologia, entre outras) é
Outro ponto a ser levado em conta sobre o inconsciente é inegável[carece de fontes?] . O verdadeiro choque moral
que ele introduz na dimensão da consciência uma opaci- provocado pelas ideias de Freud serviu para que a
dade. Isto indica um modelo no qual a consciência apa- humanidade rompesse, ou pelo menos repensasse
rece, não como instituidora de significatividade, mas sim muito de seus tabus e preconceitos na compreensão da
como receptora de toda significação desde o inconsciente. sexualidade, e atingisse um maior grau de refinamento
Pode-se prever que a mente inconsciente é um outro “eu”, e profundidade na busca das verdades psíquicas do ser
e essa é a grande ideia de que temos no inconsciente uma humano.[carece de fontes?]
outra personalidade atuante, em conjuntura com a nossa
Na atualidade, a Psicanálise já não se limita à prática e
23.4. AUTORES IMPORTANTES 71

tem uma amplitude maior de pesquisa, centrada em ou- • Alucinação


tros temas e cenários, desenvolvendo-se como uma ciên-
cia psicológica autônoma. Hoje fica muito difícil afirmar • Fantasia
se a Psicanálise é uma disciplina da Psicologia ou uma • Histeria
Psicologia própria.[carece de fontes?]
Após Freud, muitos outros psicanalistas contribuíram • Ansiedade
para o desenvolvimento e importância da psicanálise. • Melancolia / Depressão
Entre alguns, podemos citar Melanie Klein, Winnicott,
Bion e André Green. No entanto, a principal virada no • Sexualidade humana / Libido
seio da psicanálise, que conciliou ao mesmo tempo a ino-
vação e a proposta de um “retorno a Freud” veio com • Incesto / Amor
o psicanalista francês Jacques Lacan. A partir daí ou-
• Édipo / Édipo Rei
tros importantes autores surgiram e convivem em nosso
tempo, como Françoise Dolto, Serge André, J-D Nasio e • Complexo de Édipo
Jacques-Alain Miller.
• Gradiva de Jensen
Uma das recentes tendências é a criação da
neuropsicanálise segundo Soussumi [11] tendo como • Semiótica psicanalítica
antecedentes a fundação do grupo de estudos de neuro-
ciência e psicanálise no Instituto de Psicanálise em 1994 • Antropologia e psicanálise
com a participação de Arnold Pfefer, e o neurocientista
• Psicologia de Grupo e a Análise do Ego
da Universidade de Columbia como James Schwartz,
que a partir de 1996, fica sobre a coordenação de Mark • Nome-do-pai
Solms, psicanalista inglês com formação em neuroci-
ência, que vinha trabalhando em Londres e publicando • Discurso do Outro
trabalhos sobre o assunto desde a década de 1980 que
juntamente com Pfeffer, em Londres, julho de 2000
, organizam o I Congresso Internacional de Neuro- 23.4 Autores importantes
Psicanálise, onde é criada a Sociedade Internacional de
Neuro-Psicanálise.
Destaca-se ainda nesse intere a publicação do artigo in-
23.5 Referências
titulado Biology and the future of psychoanalysis: a new
[1] Revista Veja
intellectual framework for psychiatry (em português, “A
biologia e o futuro da psicanálise: uma nova estrutura in- [2] Ana Maria Bahia Bock/ Presidente do Conselho Federal
telectual para a psiquiatria”) do neurocientista Eric Kan- de Psicologia
del, em 1999 . Segundo Kandel, a neurociência poderia
fornecer fundamentos empíricos e conceituais mais sóli- [3] Moore BE, Fine BD (1968), A Glossary of Psychoanalytic
dos à psicanálise. Um ano após a publicação do referido Terms and Concepts, Amer Psychoanalytic Assn, p. 78,
ISBN 978-0318131252
texto, em 2000, Kandel recebe o prêmio Nobel de medi-
cina por suas contribuições à neurobiologia, introduzindo [4] Freud, Pensador da Cultura (Companhia das Letras, 2006
o conceito de plasticidade neural. [12]
[5] Freud, Sigmund. Dois verbetes de enciclopédia (1923
[1922]) in: Freud Sigmund. Psicologia de Grupo e a Aná-
lise do Ego. in Obras completas de Sigmund Freud (23 v.),
23.3 Ver também V.18. RJ, Imago, 1996

• IBCP - Psicanálise [6] Freud, Sigmund. Uma breve descrição da psicanálise


(1924 [1923]) in: Freud, Sigmund. O ego e o Id e outros
• Pesquisa psicanalítica trabalhos, (1923-1925) in Obras completas de Sigmund
Freud (23 v.), V.19. RJ, Imago, 1996
• Teoria psicanalítica
[7] Goodwin, C James. História da psicologia moderna. SP,
• Neuroses Cultrix, 2005

• Psicoses [8] Freud, Sigmund. Cinco lições de psicanálise. In: Cinco


lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos
• Perversões (1910[1909]) Obras completas de Sigmund Freud (23 v.),
V.XI. RJ, Imago, 1996
• Inconsciente
[9] Introdução à Psicanálise - Psicologado Artigos de Psico-
• Sonho logia
72 CAPÍTULO 23. PSICANÁLISE

[10] Alexander, Franz G, Selesnick, Sheldon T. História da


psiquiatria: uma avaliação do pensamento e da prática psi-
quiátrica desde os tempos primitivos até o presente. São
Paulo: Ibrasa, 1968.

[11] Soussumi, Yusaku. O que é neuro-psicanálise. Cienc.


Cult. vol.56 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2004

[12] Lyra Carlos Eduardo S. Neuropsicanálise: um novo para-


digma para a psicanálise no século XXI (Carta aos edito-
res) Rev Psiquiatr RS set/dez 2005;27(3):328-330

23.6 Bibliografia
• Strachey, James (Ed.) Sigmund Freud, edição stan-
dard brasileira das obras de sigmund Freud 24 V.
RJ, Imago, 1996

• Etchegoyen, R. Horacio : Fundamentos da Técnica


Psicanalítica - 2ª Edição, Editora: Artmed, 2004,
ISBN 85-363-0206-2
• Rapaport David. A estrutura da teoria psicanalítica
(Estudos n 75). SP, Perspectiva, 1982
• Souza, Paulo César. As palavras de Freud, o vo-
cabulário freudiano e suas versões. SP, Companhia
das Letras, 2010

• Hothersall, D. História da psicologia moderna. SP,


McGraw-Hill, 2006

23.7 Ligações externas


• Febrapsi - Federação Brasileira de Psicanálise

• ABRAFP - Associação Brasileira de Filosofia e Psi-


canálise

• International Network of Freud Critics (em inglês)


• International Neuropsychoanalysis Society (em
inglês)
Capítulo 24

Logosofia

meio de um processo de evolução consciente que con-


duz ao conhecimento de si mesmo.[2][3]
Estabelece que os pensamentos são autônomos e indepen-
dentes da vontade individual, e que nascem e cumprem
suas funções sob a influência de estados psíquicos ou mo-
rais, próprios ou de outrem. Tem como finalidade libertar
as faculdades mentais das influências sugestivas, para que
o indivíduo, pensando melhor, compreenda os verdadei-
ros objetivos da vida.[3]
Pretende com isso, estimular os alunos para que sejam
pessoas cada vez melhores e mais conscientes de seus
actos, palavras e sentimentos. Segundo sua directora
do Colégio Logosófico de Brasília: “Trabalham todos
os conteúdos como nas outras escolas, só que não fo-
cam apenas no cognitivo, mas também na parte moral e
espiritual do ser humano”[4] .
A escola logosófica dá a conhecer um método e um con-
junto próprio de disciplinas que objetivam levar o ho-
mem ao conhecimento de si mesmo, dos semelhantes, de
Deus, do universo e de suas leis eternas, e ainda como
uma nova forma de sentir e conceber a vida, por apresen-
tar uma nova concepção do homem, de sua organização
psíquica e mental e da vida humana em suas mais amplas
possibilidades e projeções.[5]
Com a criação da primeira sede da Fundação Logosófica
na cidade de Córdoba, Argentina, surge a logosofia em
1930.[6]

24.1 Etimologia

Homem esculpindo-se a si mesmo, do artista uruguaio Yandí Lu-


zardo, inspirada no princípio da evolução consciente proposto
pela logosofia.[1]

A logosofia (do grego λόγος - logos = palavra, verbo


e σοφία - sophia = sabedoria, ciência original) é uma
escola ou um método de ensino desenvolvido pelo pen-
sador e educador humanista Carlos Bernardo González Logos, grafia grega
Pecotche, que busca oferecer ferramentas de ordem con-
ceitual e prática para obter o auto aperfeiçoamento, por O Logos (em grego λόγος, palavra), no grego, significava

73
74 CAPÍTULO 24. LOGOSOFIA

inicialmente a palavra escrita ou falada — o Verbo. Mas a Afirma que o próprio aperfeiçoamento que conduz ao co-
partir de filósofos gregos como Heráclito passou a ter um nhecimento de si mesmo não teria maior andamento se
significado mais amplo. Logos passa a ser um conceito fi- não se achasse assistido pela ideia de ajudar ao seme-
losófico traduzido como razão, tanto como a capacidade lhante, de quem cada um necessita ao longo de seu pro-
de racionalização individual ou como um princípio cós- cesso de evolução consciente para realizar suas observa-
mico da Ordem e da Beleza. ções e realizar cotejos e confrontações de suma utilidade
Sophia (em grego Σοφία, sabedoria) é o que detém o nos reajustes internos individuais.[5][13]
“sábio” (em grego σοφός, “sofós”). É um conceito que
distingue-se de “esperteza” ou do comummente é cha-
mado “inteligência”.
24.3.2 Logosofia e educação
O nome “logosofia” combina as raízes gregas “logos” e A pedagogia logosófica é o sistema pedagógico que se
“sophia”, as quais González Pecotche adotou com signi- baseia nos ensinamentos da logosofia. É ênfase da pe-
ficados específicos respectivamente de “verbo criador ou dagogia logosófica desenvolver no aluno o interesse pelo
manifestação do saber supremo”, e “ciência original ou conhecimento (em todas as suas formas), além da percep-
sabedoria”, para “designar uma nova linha de conheci- ção do quão proveitoso é para a própria vida conhecer a
mentos, uma escola, um método e uma técnica que lhe si mesmo.
são eminentemente próprios”.[5]
A logosofia propõe que todo processo de renovação da
educação comece necessariamente por um processo de
autoconhecimento e renovação do próprio docente, haja
24.2 O autor vista que “querer renovar sem haver renovado a si mesmo
é como querer dar o que não se possui”.[14][15][16]
Carlos Bernardo González Pecotche, argentino, também Por isto, é necessário ao educador que se preste a empre-
conhecido pelo pseudônimo Raumsol, nasceu em 11 de gar a pedagogia logosófica que busque superar-se, consti-
agosto de 1901 em Buenos Aires, e viveu até 4 de abril tuindo também um exemplo aos seus alunos do que ensina
de 1963. Filho de Jorge N. González e Maria Pecotche e recomenda-se que ele esteja realizando o processo de
de González, casou-se com Paulina Eugenia Puntel em evolução consciente preconizado pela logosofia. É tam-
8 de outubro de 1924 e teve um filho, Carlos Federico bém princípio da pedagogia logosófica a vinculação sensí-
González Puntel, nascido em 10 de julho de 1925.[7][8] vel entre docente e discente, pelo cultivo do afeto, princí-
Expôs seu pensamento em uma extensa bibliografia, que pio fixador das relações humanas. No ambiente de ensino
inclui livros (em vários gêneros), coleções de revistas em que se emprega tal modalidade de ensino, é essencial
(Aquarius, 1931-1939, e Logosofía, 1941-1947), o jor- que se preze por cultivar qualidades morais e éticas como
nal “El Heraldo Raumsólico” (1935-1938), editados sob o respeito, alegria, disciplina, tolerância, ajuda sincera,
sua direção, além das conferências proferidas na Argen- liberdade e estímulo ao saber, ao anelo de ser melhor e
tina, no Brasil e no Uruguai. à prática constante do bem. Uma das coisas as quais se
dedica o educador ao seguir essa pedagogia é no favoreci-
mento das manifestações tutelares do espírito da criança
e do adolescente e o acercamento de estímulos naturais e
24.3 Princípios positivos, indispensáveis à formação do caráter.
Também é essencial que haja ação conjunta e integrada
24.3.1 Objetivos da logosofia entre o lar e a escola, como instituições educacionais
básicas.[17]
Alguns objetivos centrais da logosofia são: a evolução
Em sua tese de doutorado intitulada “Educar o indivíduo
consciente do homem mediante a organização de seus sis-
é promover seu processo de evolução consciente”, o dr.
temas mental, sensível e instintivo; o conhecimento de si
Elie Cohen Gewerc, baseando-se na pedagogia logosó-
mesmo, que implica o domínio pleno dos elementos que
fica, propõe um enfoque pedagógico radicalmente novo
constituem o segredo da existência de cada um; o conhe-
em relação ao modelo atual: a evolução consciente. Diz
cimento do mundo mental, transcendente ou metafísico,
que “A tendência habitual é projetar o ser para fora de si,
onde têm origem todas as ideias e pensamentos que fe-
para que se instale no mundo ambiente”. Com a nova pe-
cundam a vida humana; o desenvolvimento e o domínio
dagogia logosófica, “o primordial é levá-los a investigar e
profundos das funções de estudar, de aprender, de ensi-
conhecer seu próprio mundo interno”.[18]
nar, de pensar e de realizar.[8][9][10][11][12]
Não se trata de investigar a psicologia dos demais, é a
psicologia de si mesmo o assunto de estudo e é com miras 24.3.3 Posição em relação às crenças
a realizar esse estudo sem equívocos nem omissões que a
logosofia expressa que seu método orienta para as partes Desde o ponto de vista logosófico, a crença foi uma das
mais essenciais desse conhecimento.[10][13] causas que mais entorpeceu o desenvolvimento moral e
24.3. PRINCÍPIOS 75

espiritual do ser humano, ao produzir certo grau de ini- Em relação ao sistema sensível, afirma que tem uma zona
bição mental que dificulta e ainda chega a anular a fun- com faculdades sensíveis como as de amar, sentir, per-
ção de razoar, afirmando que assim é como o homem doar, compadecer, sofrer, agradecer e consentir. Se-
fica exposto ao engano e má fé daqueles que tiram par- gundo a logosofia, estas faculdades em conjunto formam
tido dessa situação, chegando a admitir até as coisas mais a sensibilidade, que é a que sustentaria o indivíduo em
inverossímeis.[10][11][15] sua fase anímica. A outra zona, diz, corresponde aos sen-
Utilizando o neologismo psiqueálise, a logosofia assinala timentos. Alguns exemplos de sentimentos que expressa
que é na mente das crianças onde é produzida a paralisa- são o amor, o afeto, a gratidão, etc. Afirma que os sen-
timentos se perpetuam pelo estímulo incessante da causa
ção de uma zona mental, produto da inculcação dogmá-
tica de ideias que altera a faculdade de entender e discer- que lhes deu origem.[5][11][21]
nir com liberdade em suas funções mais elevadas. Daí O sistema instintivo contaria com as energias que o ser
que a logosofia institua a necessidade da revisão de todo humano teve que utilizar nas primeiras idades em sua de-
conceito velho ou novo admitido sem reflexão e análise, fesa, incitado pelas exigências da vida primitiva. Afirma
incluindo os formulados por esta própria doutrina filosó- que, passadas essas etapas, em lugar de encaminhar essas
fica, ainda quando suas afirmações pareçam inobjetáveis. energias instintivas e subordiná-las aos outros dois siste-
É só mediante a experimentação e revisão contínua do mas, foi alterado o processo que -diz- deveu seguir, exis-
compreendido como se assegura um processo de apren- tindo ainda no presente um predomínio do instinto so-
dizagem em evolução que, por sua vez, o irá liberando bre os outros dois sistemas que descreve. Expressa que o
dos ressaibos de toda fórmula dogmática.[10][15][19] ódio, a vingança, a cobiça, a luxúria, o ciúme, entre ou-
tros, aparecem aguçando-se na regição instintiva desnatu-
ralizada do ser humano, explicitando que estes não seriam
24.3.4 Configuração psicológica do ser hu- “maus sentimentos”, como por ocasiões são chamados, já
mano segundo a logosofia que não poderia ser um sentimento o criado pelas paixões
inferiores do ser humano. Segundo a logosofia, mediante
A logosofia afirma que o ser humano tem uma configu- a evolução consciente que preconiza, o instinto pode ser
ração bio-psico-espiritual. Propõe que a face psicológica liberado dos aspectos que o inferiorizam.[5][11][20][21]
está composta por um sistema mental, um sistema sensí-
vel e um sistema instintivo.[5][18][20][21]
No sistema mental, descreve a existência, por um lado, 24.3.5 Pedagogia e método logosófico
de uma série de faculdades como a de pensar, a razão,
o entendimento, a intuição, a observação, a imaginação, O método logosófico consiste de três partes: a exposi-
e outras entre as que inclui as que denomina acessórias. tiva, a aplicada e a de aperfeiçoamento. As três partes
Chama a inteligência de faculdade máxima ao englobar se encontram intimamente ligadas entre si e juntas con-
a todas as demais. Existiriam, segundo a logosofia, duas correm à finalidade da evolução consciente do indivíduo
mentes, uma primordialmente dedicada às atividades co- e sua exaltação ao máximo de conhecimento humano na
muns e outra às transcendentes.[5][7][22][23] ordem transcendente.[13][25]
Por outro lado, afirma a existência de uma região onde Em sua parte expositiva, utiliza um método didático não
residem os chamados “pensamentos”, que define como sistematizado. Tal técnica foi filosoficamente criticada,
entidades autônomas e independentes da vontade indivi- assinalando-se que “Além de suas interessantes observa-
dual, que nascem e cumprem suas funções sob a influên- ções sobre a tragédia do mundo contemporâneo e a poli-
cia de estados psíquicos e morais próprios ou alheios. Al- dez de seu estilo, o ordenamento que usa parece-nos ainda
guns exemplos seriam propósitos, preconceitos ou cren- em vias de cristalização”, no entanto, a didática não sis-
ças de origens religiosa, ideológica ou qualquer outra; tematizada é utilizada ex-professo segundo seu próprio
também considera pensamentos às chamadas deficiências autor, que afirma que sua pedagogia é “psicodinâmica”,
como a vaidade, a falta de vontade ou o egoísmo, e as que de modo a estimular o leitor a pensar. Assinalou-se que
denomina antideficiências, como a modéstia, a resolução, a didática logosófica neste sentido se assemelha ao hiper-
a equanimidade, etc. Outros exemplos de pensamentos texto, em que, por exemplo, um parágrafo de um livro
seriam a propaganda publicitária, as modas, os hábitos, explica um de outro livro.[19][25][26][10]
as tradições sociais, etc.[10][13][15][24] Esta técnica pedagógica que contém o método logosófico
A logosofia propõe classificar tais pensamentos na própria também foi descrita como um “método espiral”, que con-
mente para estudá-los e selecioná-los segundo estabelece siste em realizar um estudo genérico inicial, voltando-se
seu método; algumas destas classificações são: “próprios depois ao mesmo tópico com maior profundidade e assim
e alheios”, “dependentes e independentes da vontade”, sucessivamente, de forma indeterminada. No entanto, o
“bons e maus”, "úteis e inúteis”, “dominantes e benig- autor assinala alguns temas a serem encarados em um pri-
nos”, “intermitentes e obsessivos”, etc. Tal proposta de meiro momento, como o sistema mental, a conformação
classificação levaria à gradual reconquista da autoridade da inteligência e suas faculdades, os pensamentos, as defi-
da consciência sobre a própria mente.[5][13] ciências caracterológicas típicas, o sistema sensível e suas
76 CAPÍTULO 24. LOGOSOFIA

faculdades, os sentimentos, o processo de evolução cons- vra viria a constituir-se na ciência-mãe dos homens, cuja
ciente, as leis universais, entre outros.[10][11][19] função primordial seria a de abrir à inteligência humana
A parte aplicada do método expressa que estudar logoso- as portas que dão acesso ao conhecimento das supremas
fia não significa somente ler livros, se não especialmente verdades. (...) A essa ciência universal e ilimitada deu-se
passar à aplicação e corroboração na vida diária do que o nome de filosofia, porquanto de [28] algum modo se devia
seu estudo sugere ao estudante. O autor da logosofia de- chamá-la quando a ela se aludisse.
saconselha crer no que se estuda, por mais certas que pa- (...) Para a logosofia a filosofia não é precisamente a
reçam suas próprias afirmações. O aspecto prático assi- ciência-mãe; mas pode ser considerada, sim, a ciência de
nalado é considerado de fundamental relevância para al- enlace entre esta e as comuns, e isto porque a filosofia
cançar gradualmente porções reais de saber, em contra- não estabelece os princípios do ser e do saber. Não de-
posição à mera ilustração ou erudição, descartando es- termina tampouco qual é a razão da ordem que impera na
ses enfoques que a logosofia afirma serem memóricos e Criação nem apresenta a origem das leis que governam o
inoperantes.[10][11][13][19][25] espaço, o tempo e todas as formas de existência conti-
Víctor Valenzuela, explicando a parte prática em seu livro das no Universo. Com frequência ela precisou recorrer
“Hombres y temas de iberoamérica”, editado em Nova à lógica para auxiliar-se em determinadas circunstâncias.
Iorque, assinala que as aptidões e tendências de cada estu- A lógica é, no conceito logosófico, a ciência da sensatez.
dante, ao serem observadas por si mesmo, estimulam que Assim, por exemplo, quando a filosofia tentou penetrar no
dita prática se oriente selecionando os tópicos mais afins campo das combinações mentais ou operações da inteli-
com as características psicológicas próprias, pelo que se gência humana, sempre se viu limitada pela ausência de
ampliam as possibilidades de assimilação ao coincidir es- noções sobre o mecanismo dominante do espírito, em es-
ses temas com necessidades reais e às vezes imediatas do treita relação com as leis supremas que estabelecem em
ser. Por esta razão, o método logosófico de aplicação não cada caso o mérito de suas aplicações. Além disso, as
é rígido nem mecânico, respeita o livre arbítrio e con- referidas leis supremas, por serem independentes da na-
templa os diferentes graus de evolução, capacidade e as tureza dos pensamentos humanos, são a expressão mais
circunstâncias que rodeiam cada psicologia.[13] viva das regras absolutas que regem o entendimento e al-
cançam também todos os pensamentos que agem dentro
A parte de aperfeiçoamento do método logosófico con- da mente.[28]
siste em que nunca um processo de mudanças inter-
nas fica terminado ou saldado, sem que seja constan-
Sobre a diferença entre a logosofia e a filosofia,
temente aperfeiçoado através da didática em espiral da
González Pecotche explica:
logosofia.[10][19][25]
Simultaneamente, o método logosófico prescreve como
complemento ao estudo e prática individual, seu es- 24.3.7 Contribuição humanista
tudo e prática no coletivo, assegurando que a confronta-
ção de compreensões, investigações e experiências per- González Pecotche expõe a logosofia como um novo tipo
mite verificar se sobre o tema em estudo foram vis- de humanismo, novo quando diferencia-se na contribui-
tos todos seus aspectos, ou ao menos os mais acessí- ção que possa dar em relação aos trabalhos de outros hu-
veis. Esta face coletiva do método e pedagogia logosó- manistas:
fica é realizada nas sedes culturais da Fundação Logosó-
fica em formas de núcleos de estudo de diversos tipos e
especialidades.[10][11][13][19] 24.4 Instituições logosóficas
As instituições logosóficas são entidades sem fins lucrati-
24.3.6 Logosofia e filosofia vos que têm o objetivo de serem centros difusores da lo-
gosofia, além de brindar o ambiente necessário para seu
O saber logosófico não tem pontos de referência com estudo e prática.
nenhum ramo do saber comum, seja ciência, filosofia, Atualmente, existem instituições logosóficas nos seguin-
psicologia, etc., ou seja, suas concepções são originais e tes países:
não foram baseadas em nenhuma outra corrente de pen-
samento existente, conforme expressado por seu próprio
autor.[27] • Argentina

Desde muito tempo, poderíamos dizer desde que o ho- • Brasil


mem começou sentir as primeiras inquietudes a respeito
das razões de sua própria existência, foi preocupação per- • Espanha
manente encontrar ou descobrir a palavra mestra que gui- • Estados Unidos
asse o entendimento até os mais altos cumes do saber,
acima das ciências e das crenças admitidas. Essa pala- • Israel
24.6. REFERÊNCIAS 77

• México Diversos reconhecimentos e homenagem foram prestados


ao autor da Logosofia em seu país de origem, a Argentina,
• Venezuela assim como no Brasil e no Uruguai.

• Uruguai Em abril de 2001, os Correios do Brasil emitiram um


carimbo comemorativo ao centenário de nascimento de
González Pecotche.[30]
Existem estudantes residentes, ainda, que realizam nú-
cleos de estudo em países que ainda não contam com A Fundação Logosófica é reconhecida no Brasil como
qualquer sede de exclusivo estudo logosófico. Se encon- uma Instituição de Utilidade Pública Federal, desde
tram atualmente sob essas condições grupos de estudan- 1969, pelo trabalho cultural que realiza.[31]
tes na Alemanha, Austrália, Canadá, França, Itália, Reino González Pecotche foi homenageado pela Casa da Moeda
Unido, entre outros. do Brasil, no dia 13 de agosto de 2010, em Brasília, em
solenidade realizada durante a abertura do congresso In-
ternacional de Logosofia em comemoração aos 80 anos
24.5 Reconhecimentos de existência da Logosofia no mundo, com o lança-
mento de uma medalha comemorativa em ouro, prata e
bronze.[32] Este congresso contou com a presença de mais
de três mil estudantes de Logosofia de todo o Brasil e de
mais 13 países e propiciou aos participantes a troca de ex-
periências sobre os resultados que vêm obtendo em suas
vidas com o estudo da Logosofia.[33]

24.6 Referências
[1] À direita se encontra a explicação, abaixo da imagem.

[2] (1966) “Dicionário da Língua Portuguesa”. Departa-


mento de Imprensa Nacional. Brasil, 3º Tomo (J-P).

[3] “Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa”. Edi-


tora Delta S.A., Rio de Janeiro, 2ª edição brasileira, volu-
mes III y IV.

[4] Educação Logosófica estimula a busca por valores, Patri-


cia Ferreira de Faria Goulart, Portal de Jornalismo, 29 de
março de 2013
Homenagem recebida pela Casa da Moeda do Brasil (verso)
[5] González Pecotche, Carlos Bernardo (2005). “Logosofia,
Ciência e Método”. Editora Logosófica, 11ª edição, Lição
I.

[6] Logosofia - portal internacional

[7] González Pecotche em Sapiens: enciclopedia ilustrada de


la lengua castellana (tomo 2). Buenos Aires: Sopena Ar-
gentina, 1958.

[8] González Pecotche no Pequeño Larousse Ilustrado. Ma-


dri: Larousse, 1993.

[9] Beyond sociology’s Tower of Babel: reconstructing the


scientific method por Bernard S. Phillips, página 91

[10] González Pecotche, C. B.: Curso de Iniciação Logosófica


(2008). Editora Logosófica, 18ª edição.

[11] Livro Pensamiento y obra de Carlos Bernardo Gonzáez Pe-


cotche (Varela, Arater, Boeiro, Nicholson, Salem y Naka),
2001

[12] Extrato da conferência pronunciada no Cabildo de Mon-


tevideo em 2 de agosto de 2006 no marco do Seminário
Carimbo comemorativo 2001. de Cultura Vasca organizado pela Institución Vasca Haize
78 CAPÍTULO 24. LOGOSOFIA

Egoa – Vientos del Sur. “C.B. González Pecotche: Exi- através de seus métodos originais, a vida dos
mio pensador de origen vasco”. homens. Além de suas interessantes observa-
ções sobre a tragédia do mundo contemporâ-
[13] Hombres y Temas de Iberoamérica - Víctor M. Valenzu- neo e a polidez de seu estilo, o ordenamento
ela, 1959, Americas Publishing Company, Nova Iorque que usa parece-nos ainda em vias de crista-
lização. Os leitores dados à alta filosofia, se
[14] Lic. Marcelo Gómez Talavera: El futuro de la Educación
sentirão muito a vontade dentro de esses al-
(página 142). Editorial Dunken, Buenos Aires, 2008.
tiplanos transcendentes de uma ciência nova,
[15] Fragmento de tese de graduação em psicopedagogia. que pretende descobrir através de outros mé-
todos, não os comuns e conhecidos, uma res-
[16] Artigo do Prof. Dr. Luis Raúl Rossi: El incentivo moral posta para aquelas angustiosas perguntas de
en la formación del educando. sempre...
[17] Sistema Logosófico de Educação [27] González Pecotche, Carlos Bernardo (2008). “Curso de
Iniciação Logosófica”. Editora Logosófica, 18ª edição,
[18] Dr. Elie Cohen Gewerc: Tese de Doutorado na Sorbonne,
pág. 33.
França, 1993. Reproduzido na Tribuna Logosófica.
[28] González Pecotche, Carlos Bernardo (2005). “Coletânea
[19] Artigo de fundo: Una explicación sobre el método logo-
da Revista Logosofia - Tomo 2”. Editora Logosófica, pág.
sófico.
05.
[20] Artigo na revista Tribuna Logosófica sobre investigações
[29] González Pecotche, Carlos Bernardo (1996). “Introdução
genéticas em relação à infidelidade
ao Conhecimento Logosófico”. Editora Logosófica, pág.
[21] González Pecotche, C. B. O Mecanismo da Vida Consci- 93.
ente (2007) Editora Logosófica, 14ª edição.
[30] Associação Filatélica e Numismática de Santa Catarina
[22] Mentor: nuevo diccionario enciclopédico ilustrado. Bue-
[31] Ministério da Justiça do Brasil
nos Aires: Sopena Argentina.
[32] Lisboa, Edgar (13 de Agosto de 2010). Congresso de Lo-
[23] El poder de la reflexión
gosofia começa hoje em Brasília.
[24] González Pecotche, C. B. Deficiências e Propensões do Ser
[33] Jornal Brasil on-line (05 de Julho de 2010). Brasília reu-
Humano (2007) Editora Logosófica, 11ª Edição.
nirá estudantes de Logosofia de 14 países.
[25] González Pecotche, C. B.: Logosofia. Ciência e Método
(2005), lição 8. Editora Logosófica, 11ª edição.

[26] Kriterion. Revista da Faculdade de Filosofia da Universi- 24.7 Bibliografia


dade de Minas Gerais. Belo Horizonte (Brasil), páginas
562 e 563, julho a dezembro de 1956. Crítica ao livro O • A Herança de Si Mesmo - 1957
Mecanismo da Vida Consciente (122 pág):
• Bases para Sua Conduta - 1965
O autor consagrou sua vida ao que estima • Biognose - 1940
constituir uma superação humana. Esta é a
décima terceira de suas obras, todas elas da • Coletânea da Revista Logosofia - Tomo I
mesma orientação logosófica. Vê-se aqui,
uma vez mais, quão difícil é a filosofia e • Coletânea da Revista Logosofia - Tomo II
seu estudo, e quão múltiplas as maneiras hu-
• Coletânea da Revista Logosofia - Tomo III
manas de considerá-la. Argentino de nasci-
mento, o autor resolveu lutar contra o que • Coletânea da Revista Logosofia - Tomo IV
considera o espírito de rotina dos conheci-
mentos e sistemas e afirma haver encontrado • Coletânea da Revista Logosofia - Tomo V
uma ciência nova, uma original concepção,
motivo de dissertações transcendentes, até • Curso de Iniciação Logosófica - 1963
então talvez inacessíveis. Fundou a Escola
Logosófica, em Córdoba (Argentina), ensi- • Deficiências e Propensões do Ser Humano - 1962
nou e pregou na cidade de Rosário, e ao fi-
nal radicou-se em Buenos Aires, de onde ir- • Diálogos - 1952
radia seus conhecimentos para os vários cen-
• Exegese Logosófica - 1956
tros logosóficos do país vizinho. O que pre-
tende, ao final, é um conhecimento realís- • Intermédio Logosófico - 1950
simo do homem em si, penetrando em pro-
fundidades arcaicas da vida humana e univer- • Introdução ao Conhecimento Logosófico - 1951
sal. Faz trinta anos que se dedica a esse tipo
de sabedoria, acreditando poder transformar, • Logosofia, Ciência e Método - 1957
24.8. LIGAÇÕES EXTERNAS 79

• O Espírito - 1968

• O Mecanismo da Vida Consciente - 1956


• O Senhor De Sándara - 1959

Nota: os anos indicados se referem à primeira edição. A


bibliografia logosófica é publicada em diversos idiomas pela
Editora Logosófica, sediada no Brasil, e pela Editorial Logo-
sófica, sediada na Argentina.

24.8 Ligações externas


• Logosofia - portal internacional

• Fundação Logosófica no Brasil

• Sistema Logosófico de Educação


• Logosofía: ciencia de la causalidad (uma monogra-
fia de Osvaldo F. Melella)
• Site sobre dúvidas: O que é Logosofia?

• Video Oficial da Fundação Logosófica sobre a ciên-


cia Logosófica
Capítulo 25

Noética

A noética (do grego nous: mente) é uma disciplina


que estuda os fenômenos subjetivos da consciência, da
mente, do espírito e da vida a partir do ponto de vista da
ciência.[1][2] Como conceito filosófico, em linhas gerais
define a dimensão espiritual do homem.[3]

25.1 Na filosofia
Apesar de ser uma disciplina de formulação recente,
seu objeto e as metas que persegue já foram estuda-
dos por várias correntes de filosofia e fazem parte de
todas as tradições esotéricas das religiões do mundo.[1]
No oriente Buda disse que o mundo é criado por nos-
sos pensamentos,[4] que a consciência está em toda parte
e que a realidade e a vida são uma só, estando todos os
seus elementos constituintes inextrincavelmente ligados
por teias de interdependência.[5] Diversos povos indíge-
nas ao redor do mundo compartilham dessa visão em al-
guma medida.[6]
Na tradição ocidental, a noética foi fortemente influen-
ciada pelas teorias dos filósofos da Grécia Antiga a res-
peito da consciência, do conhecimento e do eu. Deriva
dos termos gregos nous, a mente, a alma racional, a in- Afresco de Rafael Sanzio representando Platão e Aristóteles
teligência; noema, o objeto ou foco de nous, e noesis,
que significa estritamente o ato de pensar em si, e tam- ensão da sua participação no fundamento do ser, possí-
bém uma compreensão global, completa e instantânea de vel em virtude da participação do nous divino no nous
qualquer questão sem o intermédio da articulação pela humano, sendo a noesis a capacidade perceptiva ou cog-
linguagem, equivalente ao insight moderno ou ao conceito noscente do homem que o distingue dos animais. Ainda
de intuição. Noesis contrasta com o significado de dia- para ele a experiência noética é aquela que transforma o
noia, que remete ao conhecimento racional discursivo ou cosmos primordial - onde todas as coisas são consubstan-
dialético. Para Platão noesis era superior à dianoia, sendo ciadas numa unidade transcendente - no fundamento do
a mais elevada atividade mental possível, habitando a es- ser e no mundo objetivo, múltiplo e diferenciado, cha-
fera do Bem e da Harmonia divinos, e trabalhando com mando esse conjunto de ousia, tudo o que é “convincen-
axiomas e princípios, ideias, formas e causas primordiais. temente real”.[9] Tanto para Platão como para Aristóte-
É o que possibilita o acesso ao mundo divino, transcen- les, nous expressava a irrupção do divino no processo
dente, absoluto, além do raciocínio humano comum.[7][8] da busca pelo conhecimento.[10] A partir da definição
Aristóteles dizia que o nous compreende tanto a capaci- clássica, o elemento noético foi absorvido pela doutrina
dade humana de questionamento acerca do fundamento judaica. Fílon escreveu que o cosmos noético não é nada
do ser, como esse próprio fundamento, que é experien- mais que o logos de Deus em sua atividade criativa, jus-
ciado como o motor orientador das questões: “Acentue- tificando sua tese a partir do que consta no Gênesis. Dali
mos que toda a substância vem a ser a partir de algo com o conceito passou para os primeiros filósofos cristãos.
o mesmo nome”. Da parte do nous humano, o conheci- Basílio e Gregório Magno se referiram ao noético como
mento questionante, isto é, o ato noético, é a compre- o mundo espiritual, ontologicamente superior ao mundo

80
25.3. A NOÉTICA COMO CIÊNCIA 81

em que vive o homem, definição que foi adotada por seus para a Psicologia moderna, centrando sua atenção no as-
sucessores.[11] pecto cognitivo e sendo o elemento de contato do indi-
víduo com o mundo real exterior, possibilitando a for-
mulação de juízos, abstrações, figurações e raciocínios
25.2 Outras definições coerentes e significativos.[15][16][17]
Para Marc Halévy a noética é essencialmente a ciên-
Segundo as definições de Viktor Frankl, fundador da cia do conhecimento. Não somente dos valores da
Logoterapia, epistemologia, dos mecanismos mentais e neurobioló-
gicos descritos pelas ciências cognitivas, mas de ma-
“Homem e animais são constituídos neira muito mais ampla, é o estudo de todos os aspec-
por uma dimensão biológica, uma tos do conhecer, da sua produção (criatividade), formu-
dimensão psicológica e uma dimen- lação (semiologia e metalinguagem), estruturação (teoria
são social, contudo, o homem se di- dos sistemas, paradigmas e ideologias), validação (cri-
fere deles porque faz parte de seu térios de pertinência, epistemologia) e proliferação de
ser a dimensão noética. Em nenhum ideias (processos de apropriação e normalização) em seu
momento o homem deixa as demais sentido mais lato. Estuda também a dinâmica e os ci-
dimensões, mas a essência de sua clos da vida, das ideias e das teorias, das condições de
existência está na dimensão espiri- sua emergência, desenvolvimento, apogeu, decadência e
tual. Assim, a existência propria- extinção.[18] Segundo Stratton, noética se refere a uma
mente humana é existência espiri- estrutura individual de conceitos, sendo o somatório de
tual. Neste sentido, a dimensão noé- ideias, crenças e opiniões de cada um, e a forma pela
tica é considerada superior às de- qual tais conceitos se relacionam entre si e com o mundo
mais, sendo também mais compre- externo.[19]
ensiva porque inclui as dimensões
inferiores, sem negá-las - o que ga-
rante a totalidade do homem”.[3]
25.3 A noética como ciência
A dimensão noética seria, então, uma dimensão não-
determinada, mas determinante; a dimensão da unici- 25.3.1 História
dade, da identidade mais profunda do ser humano, im-
plicando também a transcendência livre, criativa e res-
ponsável das limitações. Frankl assinala que ela é neces-
sariamente inconsciente, pois impulsiona a pessoa para
fora e para além de si mesmo, onde a consciência do eu
deixa de existir e todo o interesse se volta para o outro.
A dimensão noética pode se manifestar de várias for-
mas - no trabalho e no amor altruístas, na intuição ver-
dadeira e na experiência religiosa.[3] Para Husserl, a noé-
tica, além de ser a dimensão espiritual, é o fator deter-
minante na atribuição de significado à experiência. Ao
animar o elemento material, entrelaçando-se em sínteses
e continuidades múltiplo-unitárias, dá lugar à consciência
de algo, de modo que em tal consciência pode “anunciar-
se, demonstrar-se e determinar-se racionalmente a uni-
dade da objetividade”.[12] Também afirmou que somente
a subjetividade transcendental possui um verdadeiro sen-
tido, e que o mundo objetivo está na sua dependência.[13]
Voegelin disse que o elemento noético aparece quando a
consciência procura tornar-se explícita para si mesma e
interpretar o seu próprio logos.[9]
Segundo Tulving, noética é uma das três formas de cons-
ciência: anoética, com uma atenção simples a estímulos
externos; noética, que envolve atenção de representações
simbólicas do mundo, e autonoética, que envolve a aten-
ção do self e a experiência pessoal estendida no tempo.[14]
Ronai da Rocha definiu como noético tudo que pertence William James
ao intelecto ou mente humana: crenças, ideias, pensa-
mentos e conceitos, e esta é uma das definições do termo A noética moderna teve um precursor na figura de
82 CAPÍTULO 25. NOÉTICA

Charles Darwin, que procurou estudar a evolução das es- Antonin Artaud, Alfred Jarry e outros, foram alguns dos
pécies numa perspectiva global e sintética, mas foi pri- elementos que delinearam formas alternativas de aproxi-
meiro definida pelo psicólogo norte-americano William mação, descrição e interpretação da subjetividade e da
James, dizendo que ela descreve “estados de insight em realidade objetiva, subvertendo hierarquias consagradas
verdades profundas inalcançadas pelo intelecto discur- e lançando novos paradigmas estéticos onde a negação
sivo. Estes insights seriam revelações e iluminações cheias do império do racionalismo era uma tônica.[20]
de significado, mas todas inarticuladas; como regra, elas Entretanto, com a ascensão da escola behaviorista de psi-
trazem consigo um curioso senso de autoridade”. Ele foi cologia, com o progresso exponencial das ciências mate-
um dos pioneiros da valorização do potencial da trans-
riais e com a revolução tecnológica na medicina ao longo
cendência humana no terreno do estudo científico da do século XX, a pesquisa da subjetividade caiu em re-
consciência, enquanto que mais ou menos ao mesmo
lativo descrédito, e somente na década de 1960, com o
tempo, na Europa, neurologistas como Jean-Martin Char- surgimento dos movimentos de contra-cultura, foi que
cot e Pierre Janet definiam a hipótese psicogênica para
um estudo mais sistemático da noética começou a ganhar
sintomas físicos. Esta hipótese foi levada adiante por novo impulso. Parte dessa recuperação se deveu a estu-
psicanalistas e médicos da escola de Viena como Freud e
dos clínicos a respeito da influência de alucinógenos so-
Jung, e por outros norte-americanos, desenvolvendo uma bre a consciência, e à comprovação de benefícios obtidos
complexa teoria de psicologia dinâmica do inconsciente por doentes que praticavam a meditação transcendental
para demonstrar que os sintomas das doenças muitas ve- ou recebiam terapêuticas que incluíam a auto-sugestão,
zes são simbólicos de causas de origem física e/ou psí- a visualização e a hipnose. Na década de 1970 outros
quica, lançando as bases em torno de 1930 da moderna passos foram dados quando Robert Ader provou que o
psicossomática.[2] sistema imunológico de animais podia ser manipulado
Outras contribuições foram as descobertas da Física a experimentalmente através de métodos de condiciona-
respeito da natureza última da matéria, que levaram Niels mento comportamental, e quando David Spiegel docu-
Bohr a dizer que em se tratando do comportamento do mentou que pacientes de câncer tinham maior sobrevida
átomo, só se pode usar a linguagem de uma forma poé- quando participavam de grupos de apoio psicológico.[2]
tica, e resultaram na formulação da Mecânica Quântica Também nessa época foi provado que as plantas possuem
por vários cientistas, e na Teoria da Relatividade por uma espécie de consciência, responsiva tanto a estímulos
Albert Einstein, colocando por terra a concepção meca- ambientais quanto a pensamentos humanos. Outros ex-
nicista do universo estabelecida por Isaac Newton e seus perimentos acusaram uma capacidade de leucócitos reti-
antecessores.[20] É interessante assinalar que Einstein ob- rados de doadores e mantidos separados em laboratório
servou que “a maior experiência que se pode ter é a do mis- de responderem da mesma forma que seus doadores que
terioso, que é a fonte de toda a beleza e do insight verda- eram submetidos a estímulos definidos, sugerindo a exis-
deiros”,[21] e que Bohr foi aparentemente inspirado pela tência de um elo invisível entre ambos, numa forma de
pintura cubista e sua visão múltipla do espaço.[20] Outros biocomunicação à distância em nível celular que foi ates-
cientistas como Robert Oppenheimer, Wilhelm Reich e tada para outros tecidos e organismos.[24]
Thomas Edison, foram influenciados pelos escritos teo-
sóficos de Helena Blavatsky. Aliás a Teosofia teve um
papel em nada desprezível no desenvolvimento da noética
ao traçar um painel comparativo entre as várias religiões
do mundo, antigas e modernas, aproximando o oriente
do ocidente, e demonstrando que muito da filosofia e re-
ligião antigas tinham bases científicas e antecipavam des-
cobertas da ciência moderna ocidental.[22][23] Teilhard de
Chardin, ao descrever a evolução da vida, cunhou o termo
noosfera, a esfera do pensamento e do espírito humano,
um nível abstrato formado pelo conhecimento autônomo
e organizado numa rede de conexões infinitas, uma boa
previsão do fenômeno da internet e da noética contempo-
rânea. Novos dados para a estruturação da noética vieram
do filósofo Henri Bergson, líder da escola intuicionista,
atribuindo à intuição um papel superior na aquisição de
verdadeiro conhecimento.[18]
Também a arte moderna ofereceu novas pistas para o en-
tendimento da consciência e dos processos psicológicos.
O recém-citado Cubismo, o Dadaísmo, o Surrealismo, a O astronauta Edgar Dean Mitchell, co-fundador do Instituto de
Action painting nas artes plásticas, o “fluxo de consciên- Ciências Noéticas
cia” da literatura de James Joyce, o teatro do absurdo de
Nesta mesma década o Instituto de Ciências Noéticas
25.3. A NOÉTICA COMO CIÊNCIA 83

(IONS) nos Estados Unidos iniciou suas atividades com cias e Neurociências Cognitivas, Fi-
um modesto programa de pesquisa sobre os mecanismos losofia, Linguística, etc. — organi-
internos da resposta curativa, aceitando a premissa de que zam simpósios, periódicos, volumes
a consciência desempenha um papel importante nos pro- e antologias, sites e cursos sobre o
cessos de cura e na manutenção da saúde, numa época em tema. Este parece, entretanto, ser o
que tal premissa era rejeitada pela larga maioria dos pes- objeto de convergência pluri e inter-
quisadores das áreas biomédicas.[2] Desde então a abor- disciplinar que mais produz diver-
dagem noética tem sido aplicada a uma grande variedade gência na recente História das Ci-
de tópicos de pesquisa, com resultados que desafiam as ências. Multiplicam-se questões so-
concepções do mundo mantidas pela ciência moderna or- bre definições e demarcações con-
todoxa. A própria ciência, elaborando sobre as descober- ceituais e terminológicas, sobre te-
tas da Física no início do século XX, chegou ao ponto orias, métodos, modelos, protoco-
de descrever a realidade através de quantificações relati- los de investigação. Divergem, num
vas, redes de relações, infinitudes, intercâmbios matéria- mesmo departamento, visões gerais
energia, dimensões múltiplas e uma série de outros con- (general frameworks) sobre proble-
ceitos dificilmente definíveis pela lógica padrão, em mui- mas básicos: como definir consciên-
tos casos se valendo de metáforas para ilustrar ideias que cia?" [14]
são em essência intuitivas e caem fora do alcance da lin-
guagem discursiva. Na opinião de O'Nuallaín parece que
Colin Allen corroborou essa impressão dizendo que “a
a Física moderna já não pode ser entendida sem o re-
despeito da recente invasão de trabalhos filosóficos e neu-
curso a atos mentais remotos e autorreferentes, e assim
ropsicológicos sobre a consciência, muito permanece con-
não surpreende que muitos físicos apareçam como visio-
fuso sobre sua noção, incluindo, mesmo, se há tão somente
nários ou semi-místicos.[25] É bem conhecido o caso de
uma única noção”. Para Anthony Atkinson, “o conceito de
Fritjof Capra, autor de vários best-sellers, que traçou pa-
consciência é notoriamente difícil de definir (…) porque se
ralelos entre a visão científica do mundo e a filosofia ori-
refere a um fenômeno heterogêneo.” [14]
ental, sendo uma referência para a escola do Pensamento
sistêmico.[26][27]
A noética é uma disciplina científica ainda pouco divul- 25.3.2 Elementos centrais
gada, não possui ainda uma estrutura ou um corpo de
conceitos básicos bem definidos, sequer seu nome é re- Os pressupostos essenciais da noética são os conceitos,
conhecido em larga escala - ainda que sua abordagem in- encontrados em várias tradições filosóficas e religiosas,
tegradora e multirreferenciada já esteja em uso por mui- de que o homem é o criador de sua própria vida, que
tos pesquisadores treinados na ciência convencional, que a consciência impregna toda a realidade, que o homem
não se autodefinem como “noéticos” - e enfrenta ainda tem outros meios de contactar a realidade além de seus
muita resistência de setores conservadores, mas, por con- cinco sentidos tradicionais,[1][2] e também que muito do
templar uma multiplicidade de pontos de vista simultane- assim chamado “conhecimento objetivo” não tem nada
amente, tem crescido rápido.[1][18] Seu desenvolvimento de objetivo, mas é fruto apenas do consenso coletivo e se
acelerado é também fruto dos grandes avanços na tecno- baseia em boa medida na subjetividade.[31] Muitos psi-
logia da informação, que ao obrigar a uma reestruturação cólogos, desde que Jung trabalhou a questão dos mitos
das formas de armazenamento e distribuição de informa- e arquétipos, abrindo a seara transcendental na Psicolo-
ção, tornou indispensável uma reflexão profunda a res- gia, reconhecem que o desejo pelo Absoluto, pela uni-
peito da natureza, estrutura e procedimentos do próprio dade transcendente com toda a vida e o universo, é uma
conhecimento em geral.[18] Recentemente a noética ga- das forças mais constantes e poderosas da psique humana,
nhou um destaque especial ao ser colocada como um dos podendo-se documentá-lo através de inumeráveis regis-
temas principais do best-seller O Símbolo Perdido, de Dan tros históricos e artísticos desde que o homem apareceu
Brown, que vendeu um milhão de cópias apenas no dia de sobre a Terra. Bynum disse que esse desejo, que cha-
seu lançamento.[28][29] Desde o seu lançamento, o website mou de noético, é tão central à própria natureza humana
do Instituto de Ciências Noéticas registrou um aumento que boa parte das principais perturbações mentais se deve
de 1200% no número de acessos, e o número de associa- à sua frustração ou deformação por quaisquer tipos de
dos cresceu em 300% em comparação ao mesmo período circunstâncias, e saudou os esforços recentes no sentido
do ano passado.[30] Contudo, como observou João Quei- de se reconhecer esse impulso profundo e suas manifes-
roz, tações como um objeto digno da investigação científica,
da mesma forma que todos os outros grandes processos
“Há uma explosão sem precedentes vitais, históricos e sociais do ser humano têm sido ana-
de estudos sobre consciência. Pes- lisados com esse rigor e seriedade. Disse também que
quisadores de muitas áreas — Com- essa investigação se torna ainda mais autorizada quando
putação, Etologia, Física e Matemá- lembramos que muitos dos grandes cientistas da história,
tica, Antropologia, Psicologia, Ciên- tanto antiga como recente, têm se aproximado da reli-
84 CAPÍTULO 25. NOÉTICA

gião e do misticismo em busca de inspiração para a solu- de conhecimentos tradicionais de base folclórica ou re-
ção de problemas científicos. Lembrou ainda que mui- ligiosa da humanidade.[1] De acordo com McPartland, a
tos casos de crises psíquicas, classificados no ocidente ciência noética é aquela que tem como seu objeto de es-
como neuroses ou psicoses, são descritos em culturas não- tudo a estrutura normativa da existência humana. Como
ocidentais como sinais saudáveis da emergência da di- este objeto não pode ser compreendido todo apenas com
mensão espiritual na vida da pessoa.[32] a dedução lógica nem com a observação empírica, tem
Entre os objetivos da ciência noética estão: como perculiaridade o fato de que o observador parti-
cipa do fenômeno a ser observado, que não é inteiramente
objetivo.[33]
• Estabelecer uma validação para os fenômenos sub-
jetivos da mente através do uso de um instrumental A ciência noética não deve ser confundida com
e de um método científico;[1] misticismo. O misticismo procura se conectar com o so-
brenatural através da filosofia, fé e experiência religiosa.
• Estabelecer um corpo interdisciplinar de conhe- Já a noética pretende ser uma ciência, isto é, utiliza o
cimento verificável e acessível ao público, e evi- método científico para testar suas teorias. Também difere
tar sua degenerescência em formas de cultismo da ciência materialista por descartar visões reducionistas
ou ocultismo sob o domínio de seitas, religiões da realidade, por concentrar-se no estudo da subjetivi-
institucionalizadas ou outros grupos dogmáticos e dade e por levar em consideração elementos valorativos
exclusivos.[1] e teleológicos, e não apenas quantitativos e autolimitan-
• Dissolver a antiga oposição ciência-fé evidenciando tes. Segundo Willis Harman, a noética acrescenta dados
seus pontos de identidade e a semelhança da sua holísticos à pesquisa científica tradicional, e procura en-
busca para uma explicação do mundo e da vida hu- contrar propósitos em modelos deterministas. Também
mana, ainda que ambas usem métodos diversos e se distingue por não dar tanto peso ao teste dos conheci-
tenham pressupostos também distintos;[1] mentos com vistas a uma possibilidade de efetuar previ-
sões e exercer controle sobre os fenômenos, mas objetiva
• Criar uma nova e mais abrangente teoria da antes a compreensão dos processos envolvidos.[1][2]
consciência;[4]
• Expandir a visão de como o mundo objetivo e os 25.3.3 Perspectivas
fenômenos subjetivos se interrelacionam;[2]
Considerando a crescente necessidade de compreensão
• Enfatizar as implicações eminentemente humanas
da interdependência de todos os elementos do universo,
na pesquisa científica tradicional.[2]
dos fenômenos e dos propósitos da vida, e de se trabalhar
• Pesquisar a hipótese de que nenhuma ciência pode os desafios objetivos do mundo contemporâneo a partir
ser realizada ou validada desconsiderando-se a in- de uma abordagem interdisciplinar num esforço colabo-
fluência da consciência que a dirige.[2] rativo e não-competitivo, a noética tende a ter seus prin-
cípios assimilados a todos os aspectos da vida humana,
• Estudar os fenômenos ditos paranormais.[2] a todos os processos de enfrentamento de dificuldades,
[1][4]
• Determinar o que há de verdade verificável nas tra- de tomada de decisão e de valoração da experiência.
dições do folclore e da religião dos vários países do O presente Dalai Lama, Tenzin Gyatso, afirmou que os
mundo.[1] ocidentais não poderão jamais compreender bem a ciên-
cia sem uma ajuda da filosofia oriental, pois já se tornou
Para isso incorpora a contribuição de estudos interdis- claro que a ciência, como ela hoje ainda é entendida em
ciplinares da mente, da consciência e de diversos mo- linhas gerais no ocidente, não [5]
é capaz de penetrar nos fun-
dos de conhecimento, com foco especial na ciência, damentos da consciência. Marc Halévy referiu que o
saúde, psicossomática, psicologia, artes, ciências da cura mundo está às portas de uma revolução noética, cujas ba-
e terapias holísticas, ciências sociais e espiritualidade. A ses serão o talento, a criatividade, a imaginação, a intui-
noética é tanto uma expansão do escopo da ciência como ção e a capacidade de transmitir conhecimento mediante
[18]
uma redescoberta e revalorização de conceitos e práticas uma nova educação. A seguir algumas áreas transfor-
antigas tradicionais que foram abandonados ou despre- madas pela abordagem noética:
zados pelos ocidentais modernos. Ao passo que o estudo No campo da medicina a noética tem experimentado
da mente e da consciência na história antiga era realizado avanços em larga escala. Um estudo desenvolvido em
através da especulação abstrata, da fé pura ou da con- 1993 por pesquisadores da Universidade de Harvard, li-
fiança acrítica no que disseram autoridades do passado, derados por David Eisenberg, indicou que no período
a noética moderna se vale do grande progresso da ciên- de um ano 34% da população de amostra se valeu da
cia materialista na descrição do mundo objetivo e da psi- medicina alternativa e de métodos de cura pela fé para
cologia na descrição dos mecanismos e estados mentais, vencer doenças, movimentando bilhões de dólares. Tam-
e procura transportar seus métodos empíricos para a es- bém já é aceito pela comunidade médica em geral que
fera do estudo do conhecimento subjetivo e da herança a relação médico-paciente tem um peso determinante na
25.3. A NOÉTICA COMO CIÊNCIA 85

propósitos e significados, tornando-o complexo, multifo-


cal, dinâmico e sempre em transformação, onde entram
em jogo todas as dimensões do ser, toda a sua histó-
ria pregressa e uma vasta rede de interrelações com seu
meio-ambiente humano e natural.[35][36] De acordo com
Stephanie Marshall, a questão que se propõe agora não
é mais “o que você aprendeu hoje?", e sim “como você
aprendeu hoje, e de que maneira isso afetou você?", fa-
zendo que que nasçam “histórias de vidas e de aprendi-
zados mais profundas, mais transcendentes e mais capa-
citantes”.[35] Busca-se ainda uma forma mais humana de
transmissão do conhecimento eliminando a distância en-
tre professor e aluno, removendo o mestre do pedestal da
autoridade inquestionada e elevando o aluno ao nível de
um ativo coeducador de si mesmo, capaz de contribuir
até para a educação de seus próprios mestres. Também
a ênfase parece estar se transferindo da mera qualifica-
ção técnica para os valores e os significados, para o estí-
mulo à curiosidade, para o desenvolvimento de um espí-
Um tratamento com acupuntura, considerada no ocidente como rito de pesquisa e descoberta, reconhecendo-se as parti-
medicina alternativa cularidades de cada processo de aprendizado individual e
ao mesmo tempo a necessidade de se formar nas classes
um sentimento de ligação mais profunda e participativa
entre seus membros, para a superação de dificuldades e a
eficácia do tratamento. Hipnose, visualização e técnicas conquista de objetivos comuns.[15][37][38]
de biofeedback são procedimentos terapêuticos já consa-
grados em vários hospitais dos Estados Unidos, cujo Insti- Para as artes um novo campo de estudos foi aberto
tuto Nacional de Saúde tem financiado grandes projetos quando a ciência passou a prestar atenção aos efeitos
de combinação de práticas ortodoxas com outras hete- que as cores, ritmos, sons, a luz e o espaço exercem so-
rodoxas, e mantém um Departamento de Medicina Al- bre os estados psíquicos e os processos fisiológicos ce-
ternativa. Diversas publicações especializadas têm apa- rebrais, com a consequência de se fundar um novo ramo
recido nos últimos anos documentando pesquisas bem- na Neurociência chamado Neuroestética, que procura de-
sucedidas na área da integração mente e corpo.[2] terminar como a arte afeta o cérebro, usando como ferra-
mentas a análise genética e o mapeamento neuronal. Ou-
Da mesma forma, para a administração de empresas e tro ramo nascido da Neurociência foi a Neuro-história da
outras organizações já vem se tornando claro que abor- arte, que estuda como funcionavam os cérebros dos gran-
dagens tradicionais já não as tornam tão eficientes num des artistas e, incorporando métodos perceptivos e cog-
mundo globalizado e de recursos naturais limitados, e se nitivos, tenta definir os fundamentos biológicos da arte e
tornou imperativo se desenvolver métodos de trabalho em sua evolução ao longo dos séculos. Uma visão plural da
linhas múltiplas em um modelo de adaptabilidade per- arte no ocidente também tem emergido com a incorpo-
manente, num entendimento das organizações como co- ração de elementos estéticos e filosóficos não-ocidentais
munidades interdependentes cujo funcionamento se com- e de novas tecnologias para a criação e difusão de obras
para a organismos ou ecossistemas vivos, e não como en- de arte, incluindo mídias computadorizadas e interativas,
tidades mecânicas estáticas e mais ou menos desvincu- internet, vídeos 3D, hologramas, animações, programas
ladas de sua cultura e sociedade. Nessa linha de pensa- de imersão em realidade virtual, e outros recursos técni-
mento, passam a ser valorizadas a contribuição de todos cos avançados.[39]
os membros, a inteligência coletiva, como chamou Mase,
para resolver todos os desafios emergentes, e o estabe- A Organização das Nações Unidas também têm ape-
lecimento de uma estrutura que se baseie em laços de lado para a formação de uma nova consciência político-
confiança mútua e de comprometimento com objetivos social global, que trate os problemas mundiais a partir de
coletivos, num espírito de colaboração.[34] uma óptica multicultural e colaborativa. Como exemplo,
desde 2001 está em andamento um projeto de criação de
No terreno da educação, novas descobertas da ciência es- novas lideranças chamado Lideranças para Resultados.
tão renovando as formas de aprender e ensinar. Já se Através do estímulo de capacidades e talentos individu-
sabe que o aprendizado é um processo de formação inte- ais através de uma “metodologia de transformação”, pre-
gral de pessoas e não de técnicos; não é um processo iso- tende desenvolver potenciais humanos para que se aban-
lado, fragmentado e limitado às salas de aula, uma sim- donem modos de resposta automáticos aos desafios so-
ples memorização cumulativa de informações descone- ciais e se engajem conscientemente para um melhora-
xas, mas é afetado por fatores sociais e biológicos, pre- mento na vida de suas comunidades, reconhecendo que
cisa ser dirigido por uma estrutura consistente de valores,
86 CAPÍTULO 25. NOÉTICA

as pessoas podem influenciar o fluxo dos eventos e assim [3] Coelho Júnior, Achilles Gonçalves & Mahfoud, Miguel.
criar seus próprios futuros, individual e coletivamente. As Dimensões Religiosa e Espiritual da Experiência Hu-
Segundo a diretora do programa, Monica Sharma, os re- mana: distinções e inter-relações na obra de Viktor Frankl.
sultados têm sido além das expectativas, treinando 4,5 IN Revista de Psicologia. São Paulo: USP, 2001. v.12 n.2
milhões de pessoas que afetaram indiretamente para me- [4] Vaughan, Frances. Multiple Ways of Knowing. Noetic
lhor a vida de 130 milhões de outras em quarenta países Sciences Review, nº 47, Winter 1998
do mundo. O programa é baseado no desenvolvimento
em cada pessoa da sua capacidade de assumir riscos com [5] Gyatso, Tenzin, XIV Dalai Lama. Contemplative Mind,
Hard Science. Shift Magazine, nº 9, December 2005-
coragem, autocontrole e responsabilidade, de estabelecer
February 2006
parcerias e delegar poder, de direcionar esforços cons-
trutivamente, e é em essência um projeto inclusivo, si- [6] Crawford, Jennifer. Spiritually-engaged knowledge: the
nérgico e coletivo, ainda que sua força esteja no interior attentive heart Ashgate Publishing, 2005. p. 89
de cada um.[40] [7] McPartland, Thomas J. Noetic Science. Wagner Columbus
Publishing Co. Ltd., sd, p. 6. Disponível em Voegelin-
View.com
25.4 Ver também [8] Lima, Jorge dos Santos. A Perfeição da Justiça em Pla-
tão: uma análise comparativa entre a Alegoria da Linha
• Cognição Dividida em os personagens de A República. Dissertação
de Mestrado. Centro de Ciências Humanas, Letras e Ar-
• Conhecimento tes. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte,
2007. pp. 17-19; 23-24; 28-29
• Desconstrutivismo
[9] Voegelin, Eric. A Consciência do Fundamento. Publicado
• Epistemologia originalmente pela University of Notre Dame Press, 1978.
Disponível em Lusosofia.net
• Fenomenologia
[10] McPartland, p. 5
• Filosofia da ciência [11] Van Winden, J. C. M.; Den Boeft, J. & Runia, David T.
Arché: a collection of patristic studies. Volume 41 de Vigi-
• Filosofia da mente liae Christianae Supplement Series. Brill, 1997. pp. 139-
141; 221
• Inteligências múltiplas
[12] Bello, Angela Ales. Teologia negativa, mística, hilética fe-
• Metafísica nomenológica: a propósito de Edith Stein. IN Memoran-
dum, Memória e História em Psicologia. Belo Horizonte:
• Método científico UFMG; Ribeirão Preto: USP, Out/2002. nº 3, pp. 98-
111
• Misticismo
[13] Frota, Ana Maria M. C. Da Fenomenologia Transcenden-
• Nous tal à Hermenêutica Ontológica – alguns elementos a serem
discutidos. Trabalho apresentado no III Fórum Brasileiro
• Paradigma da A.C.P. 10-16 de outubro de 1999, Ouro Preto. Dis-
ponível no website da Associação Paulista da Abordagem
• Pensamento sistêmico Centrada na Pessoa

• Psicologia [14] Queiroz, João. Tipologia da consciência: Um estudo com-


parativo baseado na filosofia de C. S. Peirce. IN Galaxia,
• Semiótica Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação
e Semiótica. São Paulo: PUC-SP, 2001. nº 1
• Sociologia do conhecimento
[15] Da Rocha, Ronai Pires. Espaço da Filosofia no Currí-
• Teoria semiótica da complexidade culo Escolar. Página pessoal do professor de filosofia da
Universidade Federal de Santa Maria
[16] Ramón, Saturnino Pesquero. A Importância da “Act-
Psichology” de Franz Brentano. IN Psicologia, Reflexão
25.5 Referências e Crítica. Revista da Universidade Federal do Rio Grande
do Sul, nº2, vol. 19, 2006
[1] Harman, Willis. What Are Noetic Sciences?. Institute of
Noetic Sciences. Newsletter, Vol. 6, No. 1, Spring 1978 [17] Chiappo, Leopoldo. La Configuración Noético-
Perceptiva. Acerca de la Conceptualización de la
[2] Schlitz, Marilyn; Taylor, Eugene & Lewis, Nola. Toward Esquizofrenia. IN Alcmeon. Revista da Fundación
a Noetic Model of Medicine. Noetic Sciences Review, nº Argentina de Clínica Neuropsiquiatrica. Año VIII - Vol
47, Winter 1998 5 - Nº 4 - Marzo de 1997
25.6. LIGAÇÕES EXTERNAS 87

[18] Halévy-van Keymeulen, Marc. Facing the Noetic Revolu- 25.6 Ligações externas
tion. Disponível em Noetique.eu
[19] Stratton, S. Brian. Coherence, consonance, and conversa- • Institute of Noetic Sciences
tion: the quest of theology, philosophy, and natural science
for a unified world-view. University Press of America,
• Noetique.eu
2000. pp. 75-76
[20] Lehrer, Noah. Why Science needs Art. Shift Magazine, nº
20, September-November 2008
[21] Bynum, Edward Bruce. The Roots of Transcendence. Co-
simo Inc., 2006. p. 39
[22] Pellegrini, Luís. Helena P. Blavatsky. IN Blavatsky, He-
lena Petrovna. Glossário Teosófico. São Paulo: Ground,
1986. pp. vii-viii
[23] Oderberg, I. Blavatsky’s Cultural Impact. Reprinted from
Sunrise magazine, December 1995/January 1996; Febru-
ary/March 1996. Theosophical University Press
[24] Prowse, Franci. Exploring a Sentient World. Shift Maga-
zine, nº 11, June-August 2006
[25] O'Nuallaín, Seań. Being human: the search for order. p.
65-69
[26] Capra, Fritjof. The web of life: a new scientific understan-
ding of living systems. New York: Anchor Books, 1996.
p. 30
[27] Fritjof Capra official website
[28] The Noetic Science Behind “The Lost Symbol”. Institute of
Noetic Sciences, USA
[29] Rich, Motoko. Dan Brown’s “Lost Symbol” Sells 1 Million
Copies in the First Day. The New York Times, 2009-09-
16.
[30] Pastore, Marina. Instituto de Noética aproveita onda de
livro de Dan Brown; diretora nega ser Katherine Solomon.
Folha Online, 20/11/2009 - 14h32
[31] O'Nuallaín, p. 55
[32] Bynum, pp. 38-45
[33] McPartland, p. 3
[34] Mase, Carol. The Adaptive Organization. Shift Magazine,
nº 22, Spring 2009
[35] Marshall, Stephanie Pace. A Decidedly Different Mind.
Shift Magazine, nº8, September-November 2005
[36] Chaudruni, Haridas. Integral Education and Nonduality.
Shift Magazine, nº8, September-November 2005
[37] Kessler, Rachel. Welcoming Soul to our Schools. Shift
Magazine, nº 19, June-August 2008
[38] Schneider, Kirk. Awe-Based Learning. Shift Magazine,
nº8, September-November 2005
[39] McCallum, Keith. Visions from the Techno-Mystic Edge.
Shift Magazine, nº 20, September-November 2008
[40] Sharma, Monica. Conscious Leadership at the Crossroads
of Change. Shift Magazine, nº 12, September-November
2006
Capítulo 26

Dianética

A Dianética é uma pseudociência (uma atividade que tas de Hollywood e principal motivo de seu sucesso, mas
se autodeclara ciência porém não preenche os requisitos sua principal característica é ser a porta de entrada da
para ser considerada como tal por seus pares), que ex- Cientologia.
plora uma teoria não aceita nos meios científicos.
L. Ron Hubbard afirmou ter descoberto que os seres hu-
A Cientologia prega que para se livrar da mente reativa e manos possuem uma submente, que ele batizou de mente
dos engramas, o paciente deve se submeter à pseudotera- reativa. Esta mente estaria sempre consciente, gravando
pia de regressão batizada de audição, no qual o paciente tudo que acontece ao redor do seu portador, desde o iní-
é assistido por um auditor ou ministro da Cientologia. cio de sua existência, incluindo-se suas vidas passadas.
Embora lide com informações extremamente pessoais, O consenso geral é que grande parte, ou pelo menos
muitas vezes relacionadas à saúde física e mental do pa- as partes aproveitáveis de suas descobertas, são apenas
ciente, o auditor ou ministro não precisa ser um profissio- adaptações (boas ou más) ou interpretações de idéias e
nal da área médica, psicológica, psiquiátrica ou religiosa. conceitos médicos, filosóficos ou religiosos muito mais
Na realidade, ocorre exatamente o contrário, ou seja, a antigos que a Cientologia.
grande maioria dos auditores não possui nenhuma for-
mação educacional superior formal, além do treinamento
em Dianética ou Cientologia. As confissões durante as
auditorias são transcritas e guardadas, muitas vezes sem 26.1 Igreja da Cientologia
o conhecimento dos auditados.
A Dianética é o principal instrumento de recrutamento A maioria dos países da Europa considera a Cientologia
da Cientologia. Os membros da organização oferecem uma seita. Na Alemanha a Cientologia é monitorada
testes gratuitos (chamados de teste de stress, de perso- nacionalmente pelo Bundesamt für Verfassungsschutz
nalidade ou Análise de Capacidade Oxford) e cursos em (BfV)[1] . É público e notório que a Cientologia gasta mi-
suas filiais ou empresas de fachada. A isca inicial quase lhões de dólares com advogados e detetives particulares
sempre é o curso de comunicação, pois nestes testes fei- para processar e espionar qualquer pessoa que se mostre
tos as pessoas são sempre diagnosticadas com problemas uma ameaça aos seus negócios. A Cientologia foi con-
de comunicação. denada definitivamente na França em 2013 por fraude e
formação de quadrilha, depois que o Tribunal de Cassa-
A Dianética ataca a Psiquiatria e a indústria farmacêu-
ção, a instância judicial mais importante no país, rejeitou
tica, e apresenta sua técnica de cura alternativa baseada
o recurso apresentado pela organização. Os juízes, na
em sessões de sauna e uso de vitaminas. Ela também
sentença de fevereiro de 2012 do Tribunal de Apelação,
prega que muitas doenças são psicossomáticas (de fundo
consideraram provado que as duas principais entidades
emocional ou mental), como artrites, alergias, asmas, do-
da Cientologia na França contavam com uma estrutura
enças da visão, úlceras, dores de cabeça e desvios sexuais
destinada a extorquir pessoas vulneráveis.[2]
(nos quais a seita inclui a homossexualidade).
As filmagens sobre a tentativa de assassinato de Adolf
As técnicas de cura da Dianética e da Cientologia seguem
Hitler no filme Operação Valquíria, com Tom Cruise no
os ensinamentos de um único homem, L. Ron Hubbard, e
papel principal, foram proibidas em área militar alemã
são vendidas através de dezenas de livros e cursos cujos
(em torno do Memorial Bendlerblock, em Berlim), pelo
objetivos são o de libertar uma pessoa de suas cicatri-
fato do protagonista pertencer à Igreja da Cientologia.
zes mentais e prepará-la para a etapa seguinte, que é a
Além de ser o produtor, Tom Cruise fez o papel prin-
Cientologia, onde a pessoa poderá também tornar-se es-
cipal, interpretando o herói alemão Claus Schenk Graf
piritualmente livre.
von Stauffenberg, que tentou assassinar Adolf Hitler com
A Dianética é um dos pilares e uma das principais for- uma bomba escondida em uma pasta em julho de 1944.[3]
mas de atrair novos adeptos para a Cientologia. Ela é Na Alemanha membros da Cientologia estão constan-
sempre apresentada como a ciência utilizada pelos artis- temente sob vigilância do Bundesamt für Verfassungss-

88
26.3. REFERÊNCIAS 89

chutz (BfV) (Escritório Federal para Proteção da Cons- 26.3 Referências


tituição), cujo trabalho é monitorar atividades antidemo-
cráticas como partidos políticos neonazistas, células ter- [1] O Bundesamt für Verfassungsschutz (BfV) monitora, en-
roristas e seitas.[4] tre outros, as atividades do Partido Nacional Democrata
Alemão e da Cientologia, considerada anti-constitucional.

[2] Cientologia é condenada definitivamente por fraude na


26.2 Processos França. Revista Exame, 16/10/2013.

Na Grécia [3] Alemanha proíbe filmagem de Tom Cruise em área militar.


Deutsche Welle, 27 de junho de 2007.
• A Justiça ordenou a dissolução da seção grega da [4] Influência da Cientologia no ensino alemão preocupa au-
Cientologia situada na Grécia e que tem o nome de toridades. Deutsche Welle, 28 de julho de 2006.
Kephe. A decisão foi tomada depois de um processo
que terminou em 7 de outubro de 2006.[5] [5] http://www.xenu.net (em inglês)

[6] Bélgica acusa Igreja da Cientologia de ser “organização


Na Bélgica criminosa”. 29 de dezembro de 2012.
• A Justiça belga quer estabelecer um precedente
internacional com uma condenação exemplar da
Igreja da Cientologia, estabelecida na Bélgica 26.4 Ligações externas
desde 1974, acusada de fraude, violação da
lei de proteção de dados pessoais (proteção da • Associação Brasileira de Dianética
privacidade), extorsão e charlatanismo (exercício
ilegal de medicina). O processo partiu de uma in- • Igreja Portuguesa de Cientologia
vestigação que se prolongou por seis anos. Ofer-
tas de emprego teriam sido feitas pela Igreja da
Cientologia em Bruxelas para recrutar voluntários e
novos membros, infringindo as rígidas leis trabalhis-
tas belgas. A Igreja da Cientologia na Bélgica exigia
aos interessados que aderissem aos seus princípios
filosóficos.[6]

Na Alemanha

• Em 1995 o Tribunal Federal do Trabalho da Ale-


manha (Bundesarbeitsgericht) determinou que a
Cientologia não é uma religião nem uma ideologia.

Na França

• Em 2009 a Igreja da Cientologia na França foi con-


denada pelo crime organizado de fraude, mas a de-
cisão não impediu a Igreja de exercer a sua atividade
no país, desde que essas não envolvessem a prática
de ilegalidades.
• Em 2012 um tribunal francês condenou a Igreja da
Cientologia por prática de fraude. Foi aplicada uma
multa de 600 mil euros e quatro dos seus dirigentes
foram condenados a penas suspensas de 2 anos.

Nos Estados Unidos

• Em outubro de 2009, o cineasta Paul Haggis aban-


donou a Cientologia depois de a religião ter proibido
a união entre homossexuais.
• Em 2011 foi anunciado que o FBI está a investigar
a Cientologia por suspeitas de tráfico humano e tra-
balhos forçados.
Capítulo 27

Metafísica

• Metafísica (do grego antigo μετα (metà) = depois tornar a metafísica uma ciência particular ao nos dizer
de, além de; e Φυσις [physis] = natureza ou física) que ela estuda as causas primeiras de todas as coisas, mas,
é uma das disciplinas fundamentais da filosofia. Os na maior parte do tempo, a trata como a ciência do geral.
sistemas metafísicos, em sua forma clássica, tratam
É muito comum imaginar que a metafísica lida com a
de problemas centrais da filosofia teórica: são tenta- transcendência, mas isso é um erro. Alguns tipos de pen-
tivas de descrever os fundamentos, as condições, as
samento metafísico centram-se no conceito de transcen-
leis, a estrutura básica, as causas ou princípios, bem dência, mas não todos. Como já dito, o que caracteriza a
como o sentido e a finalidade da realidade como um Metafísica é a problemática do inteiro, por isso, são me-
todo ou dos seres em geral. tafísicos “tanto os que afirmam que o inteiro envolve o ser
supra-sensível e transcendente considerado como origem
Um ramo central da metafísica é a ontologia, a investi- de todas as coisas, quanto os que afirmam que o inteiro
gação sobre as categorias básicas do ser e como elas se não inclui nenhuma transcendência e, consequentemente,
relacionam umas com as outras. Outro ramo central da fazem a discussão da problemática do inteiro coincidir
metafísica é a cosmologia, o estudo da totalidade de todos com a do sensível”[1] . Por exemplo, se se considera que
os fenômenos no universo. só exista o mundo sensível e que esse mundo seja total-
Concretamente, isso significa que a metafísica clássica mente material, então assume-se uma posição metafísica.
ocupa-se das “questões últimas” da filosofia, tais como:
há um sentido último para a existência do mundo? A
organização do mundo é necessariamente essa com que
deparamos, ou seriam possíveis outros mundos? Existe 27.1 Origem da palavra “metafí-
um Deus? Se existe, como podemos conhecê-lo? Existe
algo como um “espírito"? Há uma diferença fundamental sica”
entre mente e matéria? Os seres humanos são dotados de
almas imortais? São dotados de livre-arbítrio? Tudo está
“Metafísica” é o título de uma obra de Aristóteles com-
em permanente mudança, ou há coisas e relações que, a posta por quatorze livros sobre filosofia geral. Uma hipó-
despeito de todas as mudanças aparentes, permanecem
tese bastante difundida atribui ao peripatético Andrônico
sempre idênticas? de Rodes (século I a.C.) a iniciativa de chamar esse con-
O que diferencia a metafísica das ciências particulares é junto de escritos de “Metafísica”. Ao realizar a primeira
que a metafísica considera o “inteiro” do ser enquanto as compilação e sistematização dos escritos de Aristóteles,
ciências particulares estudam apenas “partes” específicas Andrônico o elencou depois dos oito livros que tratavam
do ser. A metafísica distingue-se das ciências particula- da Física, e os chamou de tà metà tà physiká, ou seja, “os
res por conta do objeto a respeito do qual está preocu- que estão depois da física”. Desse modo, o título faria
pada, o ser total, e por ser uma investigação a priori. Por referência, sobretudo, à posição daqueles quatorze livros
isso, a diferença entre os métodos da metafísica e das ci- na classificação das obras de Aristóteles realizada por An-
ências particulares decorre da diferença entre os objetos drônico.
estudados. Devemos lembrar-nos de que as categorias Todavia, em vez de empregar o termo “metafísica”, Aris-
que valem para as partes não podem ser estendidas ao tóteles usava geralmente a expressão “filosofia primeira”
inteiro. ou “teologia” (por contraste com “filosofia segunda” ou
No quarto livro da Metafísica, Aristóteles nos informa “física”) para fazer referência ao estudo do ser em ge-
que a filosofia primeira “não se identifica com nenhuma ral. No entanto, a palavra “metafísica” acabou por se
ciência particular, pois nenhuma outra ciência considera impor como denominação da ciência que, em conformi-
o ser enquanto ser em geral, mas, depois de ter delimi- dade com a filosofia primeira de Aristóteles, ocupa-se das
tado uma parte dele, cada uma estuda as características características mais gerais dos seres ou da natureza da
dessa parte"(1003a 21-25). Por vezes, Aristóteles parece realidade[2] .

90
27.2. HISTÓRIA DA METAFÍSICA 91

27.2 História da metafísica sado de especulação filosófica. Na elaboração de seus


sistemas metafísicos, os racionalistas trabalhavam com
o pressuposto de que a razão desassistida, sem qualquer
No tratado de Aristóteles sobre metafísica, percebe-se auxílio da experiência, poderia desvelar verdades funda-
certa ambiguidade quanto à delimitação do objeto da dis- mentais sobre a realidade. Esse pressuposto foi questio-
ciplina. Em certos trechos, ele afirma que o propósito nado pelos empiristas. Para filósofos como John Locke
da disciplina é investigar as causas primeiras de todas as e David Hume a origem de nossos conceitos está na
coisas, em especial, Deus como primeiro motor do uni- experiência sensorial. Qualquer teoria ou hipótese sobre
verso. Nesse aspecto, a filosofia primeira ou metafísica o mundo ou sobre a mente deve estar amparada em da-
seria uma das disciplinas compartimentalizadas – como dos empíricos. Como muitos dos conceitos e noções dos
a biologia, a psicologia e a física – com um campo de racionalistas eram elaborações sem qualquer vínculo evi-
investigação próprio e objetos específicos. No entanto, dente com a experiência, esses conceitos e noções não po-
em outros momentos, Aristóteles diz que a metafísica é deriam constituir nenhum conhecimento cientificamente
a ciência do “ser enquanto ser”, em outras palavras, seria válido.[5]
a ciência que investiga a realidade em seus traços mais Uma segunda espécie de crítica à especulação metafísica
abrangentes e universais. Nessa concepção, a disciplina foi elaborada por Immanuel Kant. Na visão de Kant,
deixa de ser uma disciplina compartimentalizada, e passa o conhecimento é resultado da interação entre conceitos
a ser considerada como uma forma de investigação extre- inatos e dados sensoriais brutos.[5] Os objetos do conhe-
mamente geral, cujo principal intuito é investigar os ob- cimento – as coisas de nossa experiência cotidiana – são
jetos em sua condição simples e fundamental de entidade. resultado de uma elaboração prévia: os sentidos forne-
Segundo Aristóteles, uma das principais funções da filo- cem os dados originais que, por sua vez, são ordenados
sofia primeira seria a de identificar as categorias a que as por aquelas estruturas inatas. Sendo assim, os objetos do
coisas pertencem e estabelecer as relações entre essas ca- conhecimento não são coisas externas ao sujeito ou inde-
tegorias. Por categorias, ele se referia a conceitos genera-
pendentes de suas faculdades cognitivas; ao contrário, são
líssimos, tais como os de substância, unidade, identidade produtos da ação de um aparato cognitivo inato sobre os
etc. Acima das categorias, não seria mais possível classi- dados subjetivos captados pelos sentidos. O mundo em
ficar uma entidade.[3] si mesmo (independente de nossas formas de percebê-lo
[6]
Essa dupla compreensão do que seria o objetivo da meta- e concebê-lo) seria algo absolutamente inacessível.
física manteve-se durante a Idade Média. Os filósofos e Kant concede aos empiristas que os dados sensoriais são
teólogos medievais também consideravam como “meta- imprescindíveis, mas, em sua teoria, também é necessá-
físicas” tanto as investigações sobre a natureza de Deus e rio que esses dados sejam sistematizados e organizados
de suas relações com o mundo, como as pesquisas sobre por estruturas conceptuais inatas. Em síntese, qualquer
as características mais abrangentes da realidade. conhecimento requer forma e conteúdo. A forma é for-
Uma alteração significativa ocorreu na Idade Moderna necida pelas [6]
estruturas inatas e o conteúdo pelos dados
por obra dos filósofos racionalistas. Temas que para a sensoriais.
tradição aristotélica seriam próprios de outros campos de Da perspectiva kantiana, as metafísicas tradicionais co-
pesquisa, foram reunidos pelos racionalistas sob o termo meteram o erro de tentar teorizar sobre coisas que es-
“metafísica": entre as novas frentes de investigação meta- tão além de qualquer experiência possível. As questões
física estariam a discussão sobre as relações entre a mente sobre a existência de Deus, a imortalidade da alma ou
e o corpo e sobre as origens e fundamentos da realidade o livre-arbítrio não podem ser resolvidas pela razão hu-
física. No quadro geral esboçado pelos racionalistas, a mana, pois, em princípio, os supostos objetos estão fora
investigação do ser enquanto ser constituiria a chamada de alcance do conhecimento empírico. Ao falar sobre
metafísica geral (é por essa época que se cunhou o termo Deus ou sobre o espírito os metafísicos tradicionais em-
“ontologia” para se referir à ciência do ser em seus aspec- pregam conceitos familiares – como substância, identi-
tos mais gerais e abstratos).[4] . Mas, além dessa aborda- dade, causalidade etc.; mas essas estruturas só podem
gem generalíssima das características dos entes, os racio- gerar conhecimento se forem aplicadas aos dados senso-
nalistas inauguraram subdivisões na disciplina conforme riais. Segundo Kant, a suposição de que essas estrutu-
os seus novos interesses e problemas. Desse modo, no ras conceptuais possam operar satisfatoriamente quando
âmbito da chamada metafísica especial teríamos as se- destituídas de qualquer conteúdo sensorial é o erro fun-
guintes subdivisões: a teologia racional, que trata do Ser damental dos sistemas metafísicos.[6]
divino e de suas relações com os demais seres; a cosmo-
Kant estabeleceu uma separação entres as formas de tra-
logia racional, que trata dos princípios fundamentais da
tar as questões metafísicas. De um lado, estaria a “me-
constituição do cosmos (a natureza da matéria, do vácuo,
tafísica transcendente” e a sua promessa, segundo Kant,
etc.); e a psicologia racional, que trata da substância es-
irrealizável de revelar a natureza de coisas que estão além
piritual e de suas relações com a matéria.
de toda a experiência possível; de outro, a sua proposta, a
A filosofia racionalista não somente trouxe novos proble- “metafísica crítica”. A metafísica crítica é uma aborda-
mas à metafísica, mas também inaugurou um estilo ou-
92 CAPÍTULO 27. METAFÍSICA

gem mais comedida cuja pretensão é descrever as estru- jeto em consideração só restaria dizer que ele é uma coisa
turas gerais do pensamento e do conhecimento. Em vez ou uma entidade. Tome-se o exemplo de Sócrates. Pode-
de tentar abarcar coisas que não estão ao alcance da ra- mos classificá-lo dizendo que ele é um ser humano. Mas
zão humana, a metafísica crítica busca apresentar a forma ele também pertence a classes ainda mais gerais. Sócrates
como nós concebemos e conhecemos.[6] também é um mamífero, um vertebrado, um organismo
A versão kantiana para os problemas metafísicos inau- vivo. Segundo a proposta da metafísica, podemos avan-
gurou uma orientação bastante influente.[6] Para muitos çar nessa classificação de Sócrates, passando por concei-
filósofos, a metafísica é uma investigação sobre as nossas tos cada vez mais gerais até chegar a uma tão geral que,
se déssemos mais um passo, só restaria classificá-lo como
formas de representar o mundo.[7] Essa posição costuma
ser chamada de idealista,[8] e contrapõe-se a uma postura um ser (uma coisa, uma entidade). Na metafísica aristo-
télica, por exemplo, Sócrates e os demais seres humanos
realista em metafísica. A orientação realista preserva a
proposta original aristotélica de compreender a metafí- pertencem à categoria da substância. A tarefa da metafí-
sica, portanto, seria a de identificar essas categorias bá-
sica como uma investigação sobre a natureza da realidade
tal como ela é em si mesma. A orientação idealista, por sicas e generalíssimas, bem como revelar as suas inter-
relações. O resultado dessa empreitada seria a revelação
outro lado, considera esse empreendimento impossível e
prescreve o exame da estrutura conceptual que adotamos do próprio arcabouço da realidade – quer consideremos
para falar e pensar sobre o mundo. Há divergências sobre que esse arcabouço seja a própria estrutura do real, quer o
como caracterizar esse esquema conceptual: Kant defen- entendamos como o esquema básico de nossos conceitos
deu que esse esquema era imanente ao sujeito; mas mui- sobre o mundo.
tas versões do idealismo propõem que esses esquemas Mas não se deve pensar que o trabalho dos metafísicos
são recebidos pelo aprendizado da língua nativa ou por resuma-se a um procedimento monótono de fazer classifi-
herança cultural.[7] Essas formas de idealismo tendem a cações cada vez mais gerais até chegar aos conceitos mais
pressupor alguma forma de relativismo filosófico: como abstratos possíveis. As categorias não são coisas dadas
não há como dizer o que é a realidade em si mesma, o que apenas aguardam passivamente que alguém as encon-
que tomamos como conhecimento, verdades ou certezas tre. É certo que há, em maior ou menor grau, certo con-
está inevitavelmente condicionado pelos esquemas con- senso sobre que tipos de conceitos valem a pena ser dis-
ceptuais implícitos em nossa linguagem e nossas práticas cutidos – justamente por representarem, aparentemente,
e convenções sociais. elementos básicos ou fundamentais de nossa concepção
de realidade. É o caso de noções como mente, corpo fí-
sico, objeto abstrato, valor, evento, processo, disposição,
necessidade, estado de coisas, propriedade e fato.[9] Na
27.3 Problemas metafísicos verdade, grande parte das discussões metafísicas giram
em torno de quais dessas noções devem ser consideradas
As discussões em metafísica são múltiplas e variadas, categorias – ou, em outras palavras, o que devemos to-
sendo especialmente difícil identificar algo comum a to- mar por mais fundamental e elementar na estrutura da
dos os problemas em debate. realidade. Diante de uma lista de noções básicas como a
apresentada duas tarefas se impõem: (1) determinar quais
são as mais básicas; (2) mostrar como as categorias se
27.3.1 As categorias ontológicas relacionam com outros conceitos básicos. Tome-se, por
exemplo, uma teoria metafísica que considere que os cor-
Uma das principais fontes da perplexidade gerada pela pos físicos são mais fundamentais que as mentes. Uma
pergunta “o que é o ser?" está na absoluta falta de dire- das tarefas dessa teoria será conciliar os estados men-
ções óbvias que orientem uma resposta. Uma alternativa tais com os corpos físicos, e responder questões como
é investigar a constituição material e as leis fundamen- “A mente humana é o mesmo que estados e processos
tais da natureza. Essa foi a trilha inaugurada pelos pré- físicos?", “Como a mente emerge da matéria?", “O que
socráticos e hoje seguida pelas ciências naturais. Mas, há de errado com a ideia de separação entre o físico e o
se as ciências naturais já se dedicam à investigação sobre mental?". Outro exemplo. Alguns filósofos defenderam
como é constituída as coisas da natureza e quais os princí- que as nossas percepções são ontologicamente mais fun-
pios e leis governam os diversos fenômenos da realidade, damentais que os objetos materiais. Essa é uma tese que
o que restaria à filosofia, em especial à metafísica, inves- vai de encontro ao senso comum. Geralmente, tomamos
tigar? Uma das orientações disponíveis foi proposta por os objetos físicos que nos cercam (pessoas, mobílias, ca-
Aristóteles: podemos dizer o que é o ser caracterizando- sas, animais) como coisas existentes e independentes de
o segundo os conceitos mais gerais e abstratos possíveis. nossa percepção. A tese metafísica de que as percepções
Na terminologia filosófica, esses conceitos mais abstratos são mais fundamentais terá, então, de ser desenvolvida
e gerais são chamados de “categorias”. A maneira intui- em explicações sobre como esses objetos materiais são
tiva de se entender o que é uma categoria é tomá-la como construídos e elaborados a partir de nossas percepções e
um conceito tão abrangente e tão geral que se fôssemos sobre qual é o seu status ontológico já que são construções
usar um conceito ainda mais geral para classificar o ob- oriundas do sujeito.
27.3. PROBLEMAS METAFÍSICOS 93

O problema dos universais tiu na crítica a essa noção de absoluta independência dos
universais. Para ele, os universais só podem se manifes-
Uma das discussões metafísicas mais antigas diz respeito tar nas coisas concretas e particulares. Na terminologia
à existência de universais. “Universal” designa uma cate- da escolástica, ainda hoje adotada, Platão acreditava que
goria que inclui entidades de múltipla realização – ou seja, os universais existiam ante res (previamente aos objetos
ao contrário dos seres pertencentes à categoria dos par- particulares), enquanto Aristóteles acreditava na existên-
ticulares, os universais se manifestam em vários indiví- cia dos universais in rebus (nos objetos particulares).[4]
duos distintos, em lugares e instantes distintos. A querela
A tese oposta ao realismo quanto aos universais é tradici-
tem início numa constatação pré-filosófica bem simples.
onalmente chamada de nominalismo. Para os filósofos
Quando falamos sobre coisas particulares – homens, ani-
nominalistas, a postulação de universais representa uma
mais, plantas e objetos inanimados tomados individual-
proliferação desnecessária de entidades, pois, como de-
mente – atribuímos a elas certas propriedades a fim de
fendem, o discurso sobre atributos apenas aparentemente
qualificá-las e classificá-las. Falamos, por exemplo, que
faz referência a universais.
este tomate é vermelho, esta blusa é vermelha ou aquele
carro é vermelho. Nesse caso, podemos dizer que o to- As estratégias nominalistas de desfazer a aparência enga-
mate, a blusa e o carro coincidem na apresentação de um nosa que nos induz a postular universais podem assumir
mesmo atributo – o de ser vermelho. O problema dos uni- diferentes orientações. Michael Loux identifica ao me-
versais começa com a seguinte a pergunta: o vermelho é nos quatro orientações básicas: o nominalismo austero,
uma única e mesma entidade multiplamente presente em o nominalismo metalinguístico, a teoria dos tropos e o
todas essas coisas? Em termos mais gerais: quando vários ficcionalismo.
objetos apresentam um mesmo atributo, deve-se postular Segundo o nominalismo austero as referências a univer-
a existência desse atributo como algo, de alguma maneira, sais, embutidas em nosso discurso sobre a coincidência
separada daqueles objetos? Platão achava que sim. Po- de atributos, são apenas aparentes. Quando conveniente-
demos ler num de seus diálogos: mente tratadas as proposições que expressam concordân-
cia em atributo remeteriam apenas a particulares. Em
síntese, as referências à coragem, à sabedoria ou à jus-
tiça seriam formas mascaradas de se falar de indivíduos
Segundo Platão, o fato de haver um conjunto de coisas carajosos, indivíduos sábios ou indivíduos justos.
nomeáveis e classificáveis pelo mesmo termo deve ser ex-
plicado por um fato ainda mais fundamental, isto é, deve
ser explicado pela existência de um tipo de entidade que 27.3.2 Necessidade e contingência
se manifesta multiplamente e pela vigência de uma re-
lação específica entre as coisas particulares e essas enti- A classe das proposições verdadeiras apresenta uma im-
dades – a participação. Vários filósofos acataram a ideia portante divisão. Há uma subclasse de proposições que
geral de Platão segundo a qual a manifestação de deter- poderiam ser falsas, e há uma subclasse de proposições
minado atributo em uma coisa particular está fundamen- que não podem, de forma alguma, ser falsas. A propo-
tada numa relação específica entre essa coisa e uma en- sição “Brasília é a capital do Brasil” pertence à primeira
tidade de múltipla realização (tradicionalmente chamada subclasse; “2+2=4” é um exemplo da segunda.[4]
de universal). A relação pode ser expressa em termino-
Uma separação correspondente pode ser feita na classe
logias distintas (“exemplificação”, “manifestação”, “exi-
bição”), mas a ideia fundamental é a mesma. Uma coisa das proposições falsas. Há uma subclasse de proposições
falsas que poderiam ser verdadeira e outra cujas proposi-
particular é sólida, por exemplo, porque essa coisa é uma
exemplificação da solidez. ções jamais poderiam ser verdadeiras.[4]

Os filósofos que aderem a essa posição quanto aos univer- Para os filósofos medievais, o fato de haver essas subclas-
sais são geralmente chamados de realistas; e a posição que ses tanto no conjunto das proposições verdadeiras como
advogam, de realismo. Há dissensões entre os realistas no das proposições falsas revelava dois modos da verdade
quase tão antigas quanto a própria filosofia. Platão e Aris- proposicional: o modo da contingência e o modo da ne-
tóteles eram ambos realistas quanto a universais; ambos cessidade. Daí o uso do termo “modalidade” para falar de
acreditavam que os predicados que adotamos para qua- proposições [4]
necessariamente verdadeiras, possivelmente
lificar as coisas particulares referem-se a entidades reais falsas etc.
– que, ao contrário dos indivíduos, manifestam-se multi- A modalidade de uma proposição é chamada de modali-
plamente. No entanto, Platão também acreditava que os dade de dicto, e envolve a ideia de que a necessidade ou
universais eram entidades de existência completamente a possibilidade expressa na proposição é um atributo da
independente das coisas particulares – existiriam num do- proposição, não das coisas em si mesmas. O caso para-
mínio fora do espaço-tempo. (Na ontologia platônica, os digmático é o das chamadas proposições analíticas – pro-
universais coincidem com a categoria dos objetos abstra- posições que são verdadeiras exclusivamente em virtude
tos ou das entidades cuja existência se dá fora de dimen- dos significados de seus termos. A afirmação “Todo o
sões espaciotemporais.) Aristóteles, por sua vez, insis- solteiro é não casado” é necessariamente verdadeira, mas
94 CAPÍTULO 27. METAFÍSICA

essa necessidade é resultante de convenções linguísticas modalidade de re não pode sequer ser entendida em ter-
– por definição, solteiros são aqueles que ainda não se mos de analiticidade – o que a torna uma noção absolu-
casaram. tamente ininteligível.
A modalidade de dicto é assunto, sobretudo, da lógica e No entanto, predomina hoje a convicção de que as crí-
da filosofia da linguagem. Na metafísica a preocupação ticas de Quine foram convenientemente superadas pelos
predominante está voltada para a chamada modalidade trabalhos, entre outros, de Saul Kripke e Alvin Plantinga.
de re – da modalidade das coisas em si mesmas. Na me- Ambos fazem uso do conceito de mundos possíveis, a
tafísica clássica, por exemplo, as discussões sobre Deus fim de elaborar um discurso metafísico coerente sobre
não estão ocupadas em saber se certas proposições envol- a modalidade. A noção de mundos possíveis, elaborada
vendo o conceito de Deus são analiticamente verdadeiras pela primeira vez por Leibniz, ainda no século XVII,
(como seria o caso, talvez, de “Deus é onisciente”), mas permite construir definições para qualquer conceito mo-
em demonstrar a existência de um ser necessário – um dal. Com o auxílio desse conceito, podemos caracteri-
ser, em outras palavras, que não poderia não ter existido zar, por exemplo, uma proposição necessariamente ver-
nem poderia deixar de existir. dadeira como uma proposição que é verdadeira em todos
A análise de modalidades de re aplica-se igualmente a ob- os mundos possíveis; um indivíduo contingente como um
jetos comuns. Intuitivamente consideramos que um ser indivíduo que não exista em pelo menos um mundo pos-
humano particular é uma coisa de existência contingente. sível. Da mesma forma, podemos dizer que um indivíduo
Se, por exemplo, os pais de uma pessoa concreta não ti- é essencialmente um ser humano se ele tem a propriedade
vessem se conhecido, certamente ela não teria existido. de ser da espécie humana em todos os mundos possíveis
Essa pessoa é um ser contingente. Ora, se é plausível fa- em que exista.[4]
lar de coisas contingentes, também parece plausível falar Nessa abordagem, portanto, as noções modais apresen-
de seres necessários – uma vez que o conceito de seres tam uma conexão estreita com o conceito de mundos pos-
necessários é complementar ao de seres contingentes, e, síveis. Uma questão metafisicamente crucial é caracteri-
presumivelmente, é um pressuposto desse último. Um zar essa conexão. Na metafísica contemporânea, as in-
ente necessário seria aquele do qual é necessariamente terpretações desse vínculo entre noções modais e mundos
falso afirmar a sua inexistência. possíveis agruparam-se em duas tendências radicalmente
Uma abordagem análoga pode ser dada às propriedades. opostas. Numa dessas tendências, cujo expoente é o fi-
lósofo David Lewis, o esclarecimento das noções modais
Um determinado indivíduo, por exemplo, apresenta con-
cretamente a propriedade de falar inglês. Intuitivamente é integrado a um projeto deliberadamente nominalista.
consideramos que, embora factualmente esse indivíduo As noções modais são reduzidas a conceitos não-modais.
fale inglês fluentemente, essa é uma propriedade que ele Também são reduzidas outras noções consideradas pro-
poderia não ter adquirido. Nesse caso, a propriedade blemáticas, como as de proposição e propriedade. Uma
de falar inglês é uma propriedade possuída contingen- propriedade, por exemplo, é caracterizada em termos de
temente ou acidentalmente pelo indivíduo em questão. objetos particulares, conjuntos e mundos possíveis. No
Assim como no caso das coisas, apresentado acima, se entanto, embora essas reduções de caráter nominalista
faz sentido falar sobre “ter uma propriedade contingen- sejam convenientemente realizadas, o custo dessa pro-
temente (ou acidentalmente)", também faz sentido falar posta é o de admitir que os mundos possíveis são tão reais
de “ter uma propriedade necessariamente (ou essencial- quanto o nosso mundo atual.
mente)". A atribuição de uma propriedade essencial va- A outra tendência é liderada por Plantinga. Na proposta
ria conforme a orientação filosófica. Numa visão fisicista, de Plantinga as noções de mundos possíveis, proposição,
por exemplo, um ser humano particular é essencialmente estado de coisas, necessidade e possibilidade (entre ou-
um objeto físico. Por outro lado, numa visão dualista, tras) formam uma rede de conceitos interligados. Não há
esse mesmo ser humano concreto é essencialmente um como reduzir essas noções a um conjunto de termos não-
objeto não-físico. No entanto, apesar dessas variações modais. A melhor estratégia a nossa disposição é esclare-
conforme a orientação filosófica, permanece a intuição cer as inter-relações entre tais conceitos de modo a obter
fundamental de que há propriedades essenciais e, inde- maior clareza sobre eles. Segundo Plantinga, portanto, a
pendentemente das abordagens filosóficas, todas elas con- compreensão dos mundos possíveis exige as noções mo-
cordarão com a afirmação de que qualquer ser humano dais, e a compreensão do que sejam as noções modais
particular terá essencialmente a propriedade de “não ser exige, por sua vez, o conceito de mundos possíveis. Mas
uma omelete”. isso não quer dizer que estejamos incorrendo num círculo
vicioso. À medida que esclarecemos um conceito modal
Um dos principais críticos à adoção de conceitos modais
no discurso filosófico foi W. V. O. Quine. Sua discus- em termos de mundos possíveis ou que explicitamos as
são da modalidade assumia duas teses: por um lado, a relações entre proposições e mundos possíveis, aumenta-
modalidade de dicto só pode ser entendida em termos mos a inteligibilidade desses conceitos.
de analiticidade (que, segundo Quine, era uma noção tão
problemática quanto a de modalidade); por outro lado, a
27.7. LIGAÇÕES EXTERNAS 95

27.4 Ver também


• Metafísica (Aristóteles)
• Filosofia
• Holismo
• Schopenhauer
• Pragmatismo e Pragmaticismo

27.5 Notas e referências


[1] REALE, Giovanni. O Saber dos Antigos.São Paulo:
Loyola, 2011. p. 57-58
[2] Reale & Antiseri, 1990, p. 179.
[3] Loux, M. 2006. pp. 2-3.
[4] van Inwagen, 2010.
[5] Loux, 2006, p. 5.
[6] Loux, 2006, p. 6.
[7] Loux, 2006, p. 7.
[8] Loux, 2006, p. 8.
[9] Blackburn, 2003, p. 62.
[10] Plato, Parmenides. The Internet Classics Archive.

27.6 Bibliografia
• Aristóteles. Metafísica. Porto Alegre: Globo, 1969.
• Blackburn, Simon. Metaphysics, in Bunnin, Nicho-
las & Tsui-James, E. P. (eds.) The Blackwell com-
panion to philosophy. 2nd ed. London: Blackwell,
2003. ISBN 0-631-21907-2
• Loux, Michael J. Metaphysics: a contemporary in-
troduction. 3rd ed. London: Routledge, 2006.
ISBN 9780415401333.
• Reale, Giovanni. Aristóteles-Metafísica. São Paulo:
Loyola, 2002. 3v. ISBN 8834305418.
• Reale, Giovanni & Antiseri, Dario. História da Fi-
losofia. São Paulo: Paulus, 1990. V. 1. ISBN
8505010760.
• van Inwagen, Peter. Metaphysics, The Stanford
Encyclopedia of Philosophy (Fall 2010 Edition),
Edward N. Zalta (ed.)

27.7 Ligações externas


• Metaphysics Artigo da Stanford Encyclopedia of
Philosophy (em inglês)
Capítulo 28

Mecânica quântica

A mecânica quântica é a teoria física que obtém sucesso A mecânica quântica é a base teórica e experimental de
no estudo dos sistemas físicos cujas dimensões são pró- vários campos da Física e da Química, incluindo a física
ximas ou abaixo da escala atômica, tais como moléculas, da matéria condensada, física do estado sólido, física atô-
átomos, elétrons, prótons e de outras partículas subatômi- mica, física molecular, química computacional, química
cas, muito embora também possa descrever fenômenos quântica, física de partículas, e física nuclear. Os ali-
macroscópicos em diversos casos. cerces da mecânica quântica foram estabelecidos durante
a primeira metade do século XX por Albert Einstein,
A Mecânica Quântica é um ramo fundamental da física
com vasta aplicação. A teoria quântica fornece descri- Werner Heisenberg, Max Planck, Louis de Broglie, Niels
Bohr, Erwin Schrödinger, Max Born, John von Neu-
ções precisas para muitos fenômenos previamente inex-
plicados tais como a radiação de corpo negro e as órbitas mann, Paul Dirac, Wolfgang Pauli, Richard Feynman e
estáveis do elétron. Apesar de na maioria dos casos a Me- outros. Alguns aspectos fundamentais da contribuição
cânica Quântica ser relevante para descrever sistemas mi- desses autores ainda são alvo de investigação.
croscópicos, os seus efeitos específicos não são somente Normalmente é necessário utilizar a mecânica quântica
perceptíveis em tal escala. para compreender o comportamento de sistemas em es-
Por exemplo, a explicação de fenômenos macroscópicos cala atômica ou molecular. Por exemplo, se a mecânica
como a super fluidez e a supercondutividade só é possível clássica governasse o funcionamento de um átomo, o
se considerarmos que o comportamento microscópico da modelo planetário do átomo – proposto pela primeira vez
matéria é quântico. A quantidade característica da teoria, por Rutherford – seria um modelo completamente ins-
que determina quando ela é necessária para a descrição de tável. Segundo a teoria eletromagnética clássica, toda a
um fenômeno, é a chamada constante de Planck, que tem carga elétrica acelerada emite radiação. Por outro lado,
dimensão de momento angular ou, equivalentemente, de o processo de emissão de radiação consome a energia da
ação. partícula. Dessa forma, o elétron, enquanto caminha na
sua órbita, perderia energia continuamente até colapsar
A mecânica quântica recebe esse nome por prever um contra o núcleo positivo!
fenômeno bastante conhecido dos físicos: a quantização.
No caso dos estados ligados (por exemplo, um elétron
orbitando em torno de um núcleo positivo) a Mecânica 28.2 O conceito de estado na mecâ-
Quântica prevê que a energia (do elétron) deve ser quan-
tizada. Este fenômeno é completamente alheio ao que nica quântica
prevê a teoria clássica.
Em física, chama-se “sistema” um fragmento concreto
da realidade que foi separado para estudo. Dependendo
do caso, a palavra sistema refere-se a um elétron ou um
28.1 Um panorama próton, um pequeno átomo de hidrogênio ou um grande
átomo de urânio, uma molécula isolada ou um conjunto
A palavra “quântica” (do Latim, quantum) quer dizer de moléculas interagentes formando um sólido ou um
quantidade. Na mecânica quântica, esta palavra refere- vapor. Em todos os casos, sistema é um fragmento da
se a uma unidade discreta que a teoria quântica atribui a realidade concreta para o qual deseja-se chamar atenção.
certas quantidades físicas, como a energia de um elétron
contido num átomo em repouso. A descoberta de que as Dependendo da partícula pode-se inverter polarizações
ondas eletromagnéticas podem ser explicadas como uma subsequentes de aspecto neutro.
emissão de pacotes de energia (chamados quanta) con- A especificação de um sistema físico não determina uni-
duziu ao ramo da ciência que lida com sistemas molecu- camente os valores que experimentos fornecem para as
lares, atômicos e subatômicos. Este ramo da ciência é suas propriedades (ou as probabilidades de se medirem
atualmente conhecido como mecânica quântica. tais valores, em se tratando de teorias probabilísticas).

96
28.3. FORMULAÇÃO MATEMÁTICA 97

Além disso, os sistemas físicos não são estáticos, eles Para compreender seriamente o cálculo das probabilida-
evoluem com o tempo, de modo que o mesmo sistema, des a partir da informação representada nos vetores de
preparado da mesma forma, pode dar origem a resulta- estado e funções de onda é preciso dominar alguns fun-
dos experimentais diferentes dependendo do tempo em damentos de álgebra linear.
que se realiza a medida (ou a histogramas diferentes, no
caso de teorias probabilísticas). Essa ideia conduz a ou-
tro conceito-chave: o conceito de “estado”. Um estado é 28.3 Formulação matemática
uma quantidade matemática (que varia de acordo com a
teoria) que determina completamente os valores das pro-
Muitos fenômenos quânticos difíceis de se imaginar con-
priedades físicas do sistema associadas a ele num dado
cretamente podem ser compreendidos com um pouco de
instante de tempo (ou as probabilidades de cada um de
abstração matemática. Há três conceitos fundamentais da
seus valores possíveis serem medidos, quando se trata de
matemática - mais especificamente da álgebra linear - que
uma teoria probabilística). Em outras palavras, todas as
são empregados constantemente pela mecânica quântica.
informações possíveis de se conhecer em um dado sistema
São estes: (1) o conceito de operador; (2) de autovetor; e
constituem seu estado
(3) de autovalor.
Cada sistema ocupa um estado num instante no tempo e
as leis da física devem ser capazes de descrever como um
dado sistema parte de um estado e chega a outro. Em ou- 28.3.1 Vetores e espaços vetoriais
tras palavras, as leis da física devem dizer como o sistema
evolui (de estado em estado). Na álgebra linear, um espaço vetorial (ou o espaço li-
near) é uma coleção dos objetos abstratos (chamados ve-
Muitas variáveis que ficam bem determinadas na
tores) que possuem algumas propriedades que não serão
mecânica clássica são substituídas por distribuições de
completamente detalhadas aqui.
probabilidades na mecânica quântica, que é uma teoria
intrinsecamente probabilística (isto é, dispõe-se apenas Por agora, importa saber que tais objetos (vetores) po-
de probabilidades não por uma simplificação ou ignorân- dem ser adicionados uns aos outros e multiplicados por
cia, mas porque isso é tudo que a teoria é capaz de forne- um número escalar. O resultado dessas operações é sem-
cer). pre um vetor pertencente ao mesmo espaço. Os espaços
vetoriais são os objetos básicos do estudo na álgebra li-
near, e têm várias aplicações na matemática, na ciência,
28.2.1 A representação do estado e na engenharia.

No formalismo da mecânica quântica, o estado de um sis- O espaço vetorial mais simples e familiar é o espaço Eu-
tema num dado instante de tempo pode ser representado clidiano bidimensional. Os vetores neste espaço são pares
de duas formas principais: ordenados e são representados graficamente como “se-
tas” dotadas de módulo, direção e sentido. No caso do
1. O estado é representado por uma função complexa espaço euclidiano bidimensional, a soma de dois vetores
das posições ou dos momenta de cada partícula que quaisquer pode ser realizada utilizando a regra do para-
compõe o sistema. Essa representação é chamada lelogramo.
função de onda. Todos os vetores também podem ser multiplicados por
um escalar - que no espaço Euclidiano é sempre um nú-
2. Também é possível representar o estado por um
mero real. Esta multiplicação por escalar poderá alterar
vetor num espaço vetorial complexo.[1] Esta repre-
o módulo do vetor e seu sentido, mas preservará sua di-
sentação do estado quântico é chamada vetor de es-
reção. O comportamento de vetores geométricos sob es-
tado. Devido à notação introduzida por Paul Dirac,
tas operações fornece um bom modelo intuitivo para o
tais vetores são usualmente chamados kets (sing.:
comportamento dos vetores em espaços mais abstratos,
ket).
que não precisam de ter a mesma interpretação geomé-
trica. Como exemplo, é possível citar o espaço de Hil-
Em suma, tanto as “funções de onda” quanto os “vetores
bert (onde “habitam” os vetores da mecânica quântica).
de estado” (ou kets) representam os estados de um dado
Sendo ele também um espaço vetorial, é certo que possui
sistema físico de forma completa e equivalente e as leis
propriedades análogas àquelas do espaço Euclidiano.
da mecânica quântica descrevem como vetores de estado
e funções de onda evoluem no tempo.
Estes objetos matemáticos abstratos (kets e funções de 28.3.2 Os operadores na mecânica quân-
onda) permitem o cálculo da probabilidade de se obter tica
resultados específicos em um experimento concreto. Por
exemplo, o formalismo da mecânica quântica permite que Um operador é um ente matemático que estabelece uma
se calcule a probabilidade de encontrar um elétron em relação funcional entre dois espaços vetoriais. A relação
uma região particular em torno do núcleo. funcional que um operador estabelece pode ser chamada
98 CAPÍTULO 28. MECÂNICA QUÂNTICA

transformação linear. Os detalhes mais formais não se- ção imposta acima desde que os vetores no espaço E pos-
rão apontados aqui. Interessa, por enquanto, desenvolver sam ser representados como matrizes-coluna e que a atua-
uma ideia mais intuitiva do que são esses operadores. ção de  sobre os vetores de E ocorra conforme o produto
Por exemplo, considere o Espaço Euclidiano. Para cada de matrizes a seguir:
vetor nesse espaço é possível executar uma rotação (de
um certo ângulo) e encontrar outro vetor no mesmo es-      
a11 a12 ··· a1m b1 c1
paço. Como essa rotação é uma relação funcional entre os  a21
 a22 ··· a2m   b2   c 2 
    
vetores de um espaço, podemos definir um operador que  .. .. .. ..  ·  ..  =  .. 
realize essa transformação. Assim, dois exemplos bas-  . . . .   .   . 
tante concretos de operadores são os de rotação e trans- am1 am2 ··· amm bm cm
lação.
Como foi dito, a equação acima ilustra muito bem a atua-
Do ponto de vista teórico, a semente da ruptura entre as
ção de um operador do tipo definido em [eq.01]. Porém,
física quântica e clássica está no emprego dos operadores.
é possível representar a mesma ideia de forma mais com-
Na mecânica clássica, é usual descrever o movimento de
pacta e geral sem fazer referência à representação matri-
uma partícula com uma função escalar do tempo. Por
cial dos operadores lineares [eq.02]:
exemplo, imagine que vemos um vaso de flor caindo de
uma janela. Em cada instante de tempo podemos calcular
a que altura se encontra o vaso. Em outras palavras, des-
crevemos a grandeza posição com um número (escalar) Â · ⃗b = ⃗c
que varia em função do tempo.
Para cada operador  existe um conjunto
Uma característica distintiva na mecânica quântica é o {ν⃗1 , ν⃗2 , . . . , ν⃗n } tal que cada vetor do conjunto
uso de operadores para representar grandezas físicas. Ou satisfaz [eq.03]:
seja, não são somente as rotações e translações que po-
dem ser representadas por operadores. Na mecânica
quântica grandezas como posição, momento linear, mo- Â · ν⃗i = λi · ν⃗i
mento angular e energia também são representados por
operadores. λi ∈ C
Até este ponto já é possível perceber que a mecânica i = 1, 2, 3, . . . , n
quântica descreve a natureza de forma bastante abstrata.
A equação acima é chamada equação de autovalor e
Em suma, os estados que um sistema físico pode ocupar
autovetor. Os vetores do conjunto {ν⃗1 , ν⃗2 , . . . , ν⃗n }
são representados por vetores de estado (kets) ou funções
são chamados autovetores. Os escalares do conjunto
de onda (que também são vetores, só que no espaço das
{λ1 , λ2 , . . . , λn } são chamados autovalores. O con-
funções). As grandezas físicas não são representadas di-
junto dos autovalores λi também é chamado espectro do
retamente por escalares (como 10 m, por exemplo), mas
operador Â.
por operadores.
Para cada autovalor corresponde um autovetor e o nú-
Para compreender como essa forma abstrata de represen-
mero de pares autovalor-autovetor é igual à dimensão do
tar a natureza fornece informações sobre experimentos
espaço E onde o operador  está definido. Em geral, o
reais é preciso discutir um último tópico da álgebra li-
espectro de um operador  qualquer não é contínuo, mas
near: o problema de autovalor e autovetor.
discreto. Encontrar os autovetores e autovalores para um
dado operador  é o chamado problema de autovalor e
28.3.3 O problema de autovalor e autove- autovetor.
tor De antemão o problema de autovalor e autovetor possui
duas características:
O problema de autovalor e autovetor é um problema ma-
(1) ν⃗i = ⃗0 satisfaz o problema para qualquer operador Â.
temático abstrato sem o qual não é possível compreender
Por isso, o vetor nulo ⃗0 não é considerado uma resposta
seriamente o significado da mecânica quântica.
do problema.
Em primeiro lugar, considere o operador  de uma trans-
(2) Se ν⃗i satisfaz a equação de autovalor e autovetor, então
formação linear arbitrária que relacione vetores de um
seu múltiplo c · ν⃗i também é uma resposta ao problema
espaço E com vetores do mesmo espaço E. Neste caso,
para qualquer c ∈ C.
escreve-se [eq.01]:
Enfim, a solução geral do problema de autovalor e auto-
vetor é bastante simples. A saber:
 : E 7→ E

Observe que qualquer matriz quadrada satisfaz a condi- Â · ⃗ν = λ · ⃗ν


28.4. ASPECTOS HISTÓRICOS 99

∴ Â · ⃗ν = λ̂ · ⃗ν 28.4 Aspectos históricos


∴ {Â − λ̂} · ⃗ν = ⃗0 A história da mecânica quântica começou essencial-
Onde: mente em 1838 com a descoberta dos raios catódicos por
Michael Faraday, a enunciação em 1859 do problema da
radiação de corpo negro por Gustavo Kirchhoff, a suges-
  tão 1877 por Ludwig Boltzmann que os estados de ener-
λ 0 ··· 0
  gia de um sistema físico poderiam ser discretos, e a hi-
0 λ · · · 0 pótese por Planck em 1900 de que toda a energia é irra-
λ̂ =  . . .
 .. .. . . ... 
 diada e absorvida na forma de elementos discretos cha-
0 0 ··· λ mados quanta. Segundo Planck, cada um desses quanta
tem energia proporcional à frequência ν da radiação ele-
Como ν⃗i = ⃗0 não pode ser considerado uma solução do tromagnética emitida ou absorvida.
problema, é necessário que: E = hν = ℏω
Planck insistiu que este foi apenas um aspecto dos proces-
sos de absorção e emissão de radiação e não tinha nada
det{Â − λ̂} = 0 a ver com a realidade física da radiação em si.[2] No en-
tanto, naquele tempo isso parecia não explicar o efeito
A equação acima é um polinômio de grau n. Portanto, fotoelétrico (1839), ou seja, que a luz brilhante em cer-
para qualquer operador  : E 7→ E há n quantidades tos materiais pode ejetar elétrons do material. Em 1905,
escalares λi ∈ C distintas ou não tais que a equação de baseando seu trabalho na hipótese quântica de Planck,
autovetor e autovalor é satisfeita. Albert Einstein postulou que a própria luz é formada por
Os autovetores correspondentes aos autovalores quanta individuais.[3]
{λ1 , λ2 , . . . , λn } de um operador  podem ser obtidos Em meados da década de 1920, a evolução da mecânica
facilmente substituindo os autovalores um a um na quântica rapidamente fez com que ela se tornasse a for-
[eq.03]. mulação padrão para a física atômica. No verão de 1925,
Bohr e Heisenberg publicaram resultados que fechavam a
"Antiga teoria quântica". Quanta de luz vieram a ser cha-
28.3.4 O significado físico dos operadores, mados fótons (1926). Da simples postulação de Einstein
seus autovetores e autovalores nasceu uma enxurrada de debates, teorias e testes e, en-
tão, todo o campo da física quântica, levando à sua maior
Para compreender o significado físico de toda essa re- aceitação na quinta Conferência de Solvay em 1927.
presentação matemática abstrata, considere o exemplo do
operador de Spin na direção z: Sˆz .
Na mecânica quântica, cada partícula tem associada a si 28.5 Princípios
uma quantidade sem análogo clássico chamada spin ou
momento angular intrínseco. O spin de uma partícula é • Primeiro princípio: Princípio da superposição
representado como um vetor com projeções nos eixos x,
⃗ corresponde um Na mecânica quântica, o estado de um sistema físico
y e z. A cada projeção do vetor spin : S
operador: é definido pelo conjunto de todas as informações que
⃗ = (Sˆx , Sˆy , Sˆz ) podem ser extraídas desse sistema ao se efetuar alguma
S
medida.
O operador Sˆz é geralmente representado da seguinte Na mecânica quântica, todos os estados são representados
forma: por vetores em um espaço vetorial complexo: o Espaço de
[ ]
1 0 Hilbert H. Assim, cada vetor no espaço H representa um
Sz = ℏ/2 ·
ˆ
0 −1 estado que poderia ser ocupado pelo sistema. Portanto,
É possível resolver o problema de autovetor e autovalor dados dois estados quaisquer, a soma algébrica (superpo-
para o operador Sˆz . Nesse caso obtém-se: sição) deles também é um estado.
( ) Como a norma dos vetores de estado não possui signi-
det Sˆz − λ̂ = 0 ficado físico, todos os vetores de estado são preferenci-
ou seja almente normalizados. Na notação de Dirac, os vetores
([ ]) de estado são chamados “Kets” e são representados como
ℏ/2 − λ 0 (ℏ ) (ℏ )
det = 2 − λ · 2 + λ = aparece a seguir:
0 −ℏ/2 − λ
0

Portanto, os autovalores são 2 e − ℏ2 . | ψ⟩
100 CAPÍTULO 28. MECÂNICA QUÂNTICA

Usualmente, na matemática, são chamados funcionais to- de modo contínuo, mas sim de modo discreto (des-
das as funções lineares que associam vetores de um es- contínuo), em transições cujas energias podem ou
paço vetorial qualquer a um escalar. É sabido que os fun- não ser iguais umas às outras. A ideia de que esta-
cionais dos vetores de um espaço também formam um es- dos ligados têm níveis de energias discretas é devida
paço, que é chamado espaço dual. Na notação de Dirac, a Max Planck.
os funcionais - elementos do Espaço Dual - são chamados
“Bras” e são representados como aparece a seguir: • O fato de ser impossível atribuir ao mesmo tempo
uma posição e um momento exatas a uma partícula,
renunciando-se assim ao conceito de trajetória, vi-
tal em Mecânica Clássica. Em vez de trajetória, o
⟨ψ | movimento de partículas em Mecânica Quântica é
descrito por meio de uma função de onda, que é uma
• Segundo princípio: Medida de grandezas físicas função da posição da partícula e do tempo. A função
de onda é interpretada por Max Born como uma me-
a) Para toda grandeza física A é as- dida da probabilidade de se encontrar a partícula
sociado um operador linear auto- em determinada posição e em determinado tempo.
adjunto  pertencente a A:  é o Esta interpretação é a mais aceita pelos físicos hoje,
observável (autovalor do operador) no conjunto de atribuições da Mecânica Quântica
representando a grandeza A. regulamentados pela Escola de Copenhagen. Para
b) Seja |ψ(t)⟩ o estado no qual o sis- descrever a dinâmica de um sistema quântico deve-
tema se encontra no momento onde se, portanto, achar sua função de onda, e para este
efetuamos a medida de A. Qualquer efeito usam-se as equações de movimento, propos-
que seja |ψ(t)⟩, os únicos resulta- tas por Werner Heisenberg e Erwin Schrödinger in-
dos possíveis são os autovalores de dependentemente.
aα do observável Â.
c) Sendo Âα o projetor sobre o su- Apesar de ter sua estrutura formal basicamente pronta
bespaço associado ao valor próprio desde a década de 1930, a interpretação da Mecânica
aα , a probablidade de encontrar o Quântica foi objeto de estudos por várias décadas. O
valor aα em uma medida de A é: principal é o problema da medição em Mecânica Quân-
tica e sua relação com a não-localidade e causalidade.
P(aα ) = ∥ψα ∥2 onde
Já em 1935, Einstein, Podolski e Rosen publicaram seu
|ψα ⟩ = Âα
Gedankenexperiment, mostrando uma aparente contra-
d) Imediatamente após uma medida dição entre localidade e o processo de Medida em Me-
de A, que resultou no valor aα , o cânica Quântica. Nos anos 60 J. S. Bell publicou uma
novo estado |ψ ′ ⟩ do sistema é série de relações que seriam respeitadas caso a locali-
dade — ou pelo menos como a entendemos classicamente
|ψ ′ ⟩ = |ψα ⟩/∥ψα ∥2 — ainda persistisse em sistemas quânticos. Tais condi-
ções são chamadas desigualdades de Bell e foram testadas
• Terceiro princípio: Evolução do sistema experimentalmente por Alain Aspect, P. Grangier, Jean
Dalibard em favor da Mecânica Quântica. Como seria
Seja |ψ(t)⟩ o estado de um sistema ao instante t. Se de se esperar, tal interpretação ainda causa desconforto
o sistema não é submetido a nenhuma observação, sua entre vários físicos, mas a grande parte da comunidade
evolução, ao longo do tempo, é regida pela equação de aceita que estados correlacionados podem violar causali-
Schrödinger: dade desta forma.
Tal revisão radical do nosso conceito de realidade foi fun-
damentada em explicações teóricas brilhantes para resul-
d tados experimentais que não podiam ser descritos pela
iℏ |ψ(t)⟩ = Ĥ|ψ(t)⟩
dt teoria clássica, e que incluem:
onde Ĥ é o hamiltoniano do sistema.
• Espectro de Radiação do Corpo negro, resolvido por
Max Planck com a proposição da quantização da
energia.
28.6 Conclusões
• Explicação do experimento da dupla fenda, no qual
As conclusões mais importantes são: eléctrons produzem um padrão de interferência con-
dizente com o comportamento ondular.
• Em estados ligados, como o elétron girando ao re- • Explicação por Albert Einstein do efeito fotoelétrico
dor do núcleo de um átomo, a energia não se troca descoberto por Heinrich Hertz, onde propõe que a
28.9. BIBLIOGRAFIA 101

luz também se propaga em quanta (pacotes de ener- 28.9 Bibliografia


gia definida), os chamados fótons.
• Mehra, J.; Rechenberg, H.. The historical de-
• O Efeito Compton, no qual se propõe que os fótons velopment of quantum theory (em inglês). [S.l.]:
podem se comportar como partículas, quando sua Springer-Verlag, 1982.
energia for grande o bastante.
• Kuhn, T.S.. Black-body theory and the quantum dis-
• A questão do calor específico de sólidos sob bai- continuity 1894-1912 (em inglês). Oxford: Claren-
xas temperaturas, cuja discrepância foi explicada don Press, 1978. Nota: O “Princípio da Incerteza” de
pelas teorias de Einstein e de Debye, baseadas Heisenberg é parte central dessa teoria e daí nasceu
na equipartição de energia segundo a interpretação a famosa equação de densidade de probalidade de
quantizada de Planck. Schrödinger.

• A absorção ressonante e discreta de energia por


gases, provada no experimento de Franck-Hertz 28.10 Ver também
quando submetidos a certos valores de diferença de
potencial elétrico. • Introdução à mecânica quântica

• A explicação da estabilidade atômica e da natureza • Teoria quântica de campos


discreta das raias espectrais, graças ao modelo do • Vácuo quântico
átomo de Bohr, que postulava a quantização dos ní-
veis de energia do átomo. • Efeito túnel

• Interpretações da mecânica quântica


O desenvolvimento formal da teoria foi obra de esfor-
ços conjuntos de muitos físicos e matemáticos da época • Computador quântico
como Erwin Schrödinger, Werner Heisenberg, Einstein, • Academia Internacional de Ciências Moleculares
P.A.M. Dirac, Niels Bohr e John von Neumann, entre Quânticas
outros (de uma longa lista).

28.7 Formalismos

Mais tarde, foi introduzido o formalismo hamiltoniano,


baseado matematicamente no uso do lagrangiano, mas
cuja elaboração matemática é muitas vezes mais fácil.

28.8 Referências

[1] Greiner, Walter; Müller, Berndt (1994), Quantum Mecha-


nics Symmetries, Second Edition, cap. 2,, Springer-Verlag,
p. 52, ISBN 3-540-58080-8, http://books.google.com/
books?id=gCfvWx6vuzUC&pg=PA52

[2] T.S. Kuhn, Black-body theory and the quantum disconti-


nuity 1894-1912, Clarendon Press, Oxford, 1978.

[3] A. Einstein, Über einen die Erzeugung und Verwandlung


des Lichtes betreffenden heuristischen Gesichtspunkt (Um
ponto de vista heurístico a respeito da produção e transfor-
mação da luz), Annalen der Physik 17 (1905) 132-148
(reimpresso em The collected papers of Albert Einstein,
John Stachel, editor, Princeton University Press, 1989,
Vol. 2, pp. 149-166, em alemão; ver também Einstein’s
early work on the quantum hypothesis, ibid. pp. 134-148).
Capítulo 29

Hipnose

cerebrais de formas, frequências e padrões distintos para


cada caso. O estado hipnótico é também chamado transe
hipnótico.[carece de fontes?]

29.1 Generalidades
Hipnose, no sentido de transe ou estado hipnótico, pode
ser auto-induzida ou alter-induzida.
Hipnose auto-induzida, também chamada de auto-
hipnose, consiste na aplicação das sugestões hipnóticas
em si mesmo.

Photographic Studies in Hypnosis, Abnormal Psychology Hipnose alter-induzida pode, por analogia, ser cha-
(1938) mada alter-hipnose — embora esta não seja expressão
de uso corrente — e consiste na aplicação de suges-
Hipnose, segundo a atual definição pela Associação tões hipnóticas por outra (latim alter = outro) pessoa
Americana de Psicologia, é um estado de consciência que (o hipnotizador) num aquiescente (hipnotizado, pa-
envolve atenção focada e consciência periférica reduzida, ciente).
caracterizado por uma maior capacidade de resposta à Alguns especialistas afirmam que toda hipnose é, afi-
sugestão.[1] É um estado mental (teorias de estado) ou nal, auto-hipnose, pelo fato de depender precisamente da
um tipo de comportamento (teorias de não-estado) usual- aquiescência ou consentimento (num dado grau ou nível,
mente induzidos por um procedimento conhecido como ainda que incipiente) daquele que deseja ou, pelo menos,
indução hipnótica, o qual é geralmente composto de uma concorda com ser hipnotizado.
série de instruções preliminares e sugestões. O uso da
hipnose com propósitos terapêuticos é conhecido como Na maioria dos indivíduos, é possível induzi-la com mé-
“hipnoterapia”. todos e técnicas diversos.

As pessoas que são hipnotizadas costumam relatar alte- Quando um hipnotizador induz um transe hipnótico, es-
rações de consciência, anestesia, analgesia, obedecendo tabelece uma relação ou comunicação muito estreita com
e realizando os atos mais variados e extremos sob este o hipnotizado. Isso, de fato, é essencial para o sucesso da
hipnose.
pretenso estado.[carece de fontes?]
O termo “hipnose” (grego hipnos = sono + latim osis = Hipnose muitas vezes é empregada em tratamentos psi-
ação ou processo) deve o seu nome ao médico e pesqui- cológicos e médicos (e/ou psiquiátricos). Quando em uso
sador britânico James Braid (1795-1860), que o introdu- por psicólogos e médicos — sendo o paciente submetido à
ziu pois acreditou tratar-se de uma espécie de sono indu- hipnose, para o desejado fim terapêutico — fala-se apro-
zido (Hipnos era também o nome do deus grego do sono). priadamente em hipnose terapêutica (hipnoterapia).
Quando tal equívoco foi reconhecido, o termo já estava Com efeito, é possível tratar alguns problemas de com-
consagrado, e permaneceu nos usos científico e popular. portamento, como o tabagismo, as disfunções alimentares
Contudo, deve ficar claro que hipnose não é uma espé- (como anorexia, bulimia, desnutrição e obesidade), bem
cie ou forma de sono. Os dois estados de consciência como a insônia, entre tantos problemas, com o uso ade-
são claramente distintos e a tecnologia moderna pode quado e competentemente supervisionado da hipnose —
comprová-lo de inúmeras formas, inclusive pelos acha- a hipnoterapia.
dos eletroencefalográficos de ambos, que mostram ondas Se é o terapeuta que se acha em estado ou transe hip-

102
29.2. HISTÓRICO 103

nótico (usualmente auto-induzido, conquanto possa ser netismo”.


também alter-induzido) — e, nesse estado hipnótico, Em 1780, a pedido do rei francês Luis XVI, uma Comis-
prescreve tratamento para a cura de doenças ao pa- são de Inquérito iniciou investigações para confirmar se
ciente em estado não-hipnótico, emprega-se o termo existia mesmo um Magnetismo Animal. Entre os mem-
hipniatria, sendo que o terapeuta, neste caso, passa a ser bros da comissão estavam o pai da química moderna
chamado de hipniatra. Antoine Lavoisier, o cientista Benjamin Franklin e um
Contudo, a maioria dos médicos psiquiatras ainda acre- especialista em controle da dor Joseph-Ignace Guillotin.
[4]
dita que as doenças psiquiátricas fundamentais têm me- Mesmer conseguia resultados espetaculares em mui-
lhor tratamento e, portanto, chance de sucesso ou cura, tos casos nos quais os médicos convencionais não conse-
com o paciente em estado de consciência normal (des- guiam ajudar. Este fato já havia enfurecido a comunidade
perto ou de vigília). médica que o forçou, nesta época, a sair de Viena para Pa-
Em anestesiologia, o termo hipnose pode referir-se ao ris. Quando nenhuma evidência científica foi encontrada
estado de inconsciência temporário induzido pela admi- para explicar essas curas, elas foram proibidas. [5]
nistração de fármacos específicos, segundo a concep- O mesmerismo permitia induzir a estados alterados de
ção original do termo, embora seja uso inapropriado do consciência e era possível até mesmo realizar cirurgias
termo. sob anestesia hipnótica por esse método. Em Londres foi
Algumas vezes, usa-se hipnose apenas com propósitos de fundado o “Mesmeric Hospital”, por John Elliotson, dis-
apresentação circense ou assemelhada, conhecida como cípulo de Mesmer.
"hipnose de palco". Ao contrário do que algumas pes-
soas ignorantes pensam, muito raramente há charlata-
29.2.2 James Braid
nismo, pois tal seria mais difícil de realizar que o show
honesto.[carece de fontes?]
James Braid (1795-1860), iniciou a hipnose científica.
É frequentemente referido na literatura especializada, Cunhou, em 1842, o termo hipnotismo (do grego hip-
não ser possível o seu uso com propósitos antiéticos, vi- nos = sono), para significar o procedimento de indução
sando obter de alguém (hipnotizado) alguma vantagem ao estado hipnótico. Hipnose, hipnotismo, ficou logo
ou subserviência para fins escusos. Nesse ponto todos os claro, eram termos inadequados (não se dorme durante o
hipnólogos estão de acordo, pelo que já nem é tema de processo). O uso, porém, já os havia consagrado e não
discussão técnica.[carece de fontes?] mais se conseguiu modificá-los, remanescendo até a atu-
Atualmente a versão mais abrangente da hipnose é a es- alidade.
cola da hipnose ericksoniana também é conhecida como
hipnose moderna, pelo motivo de utilização do método
conversacional ou simplesmente o uso coloquial das pala-
29.2.3 James Esdaile
vras. Em uma conversa tradicional ou em uma narração
James Esdaile (1808-1868), utilizou, como cirurgião, a
de histórias a pessoa é levada a um estado alterado de
anestesia hipnótica (hipnoanalgesia) para realizar apro-
consciência, facilitando o entendimento, processamento
ximadamente 3.000 (três mil) cirurgias sem a necessi-
e interação inconscientes.
dade de anestésicos químicos. Nestas estão incluídas até
mesmo extração de apêndice entre outros procedimentos
de grande vulto. Todas as cirurgias estão devidamente
29.2 Histórico catalogadas. Talvez o método de Esdaile não tenha tido
maior projeção científica porque, à mesma época, foram
descobertos os anestésicos químicos (éter, clorofórmio e
29.2.1 Franz Anton Mesmer óxido nitroso) que passaram a fazer parte dos procedi-
mentos médicos da nobreza europeia. Curioso é saber
Franz Anton Mesmer (1734–1815) acreditava que existia que os anestésicos químicos mataram muito mais pessoas
uma forma magnética ou “fluido” universal que influen- que se imagina, dada à ignorância das reações ao proce-
ciava a saúde do corpo humano. [2] A saúde e a doença dimento. Tal nunca ocorreu com a hipnose.
seriam frutos de desequilíbrios deste fluido universal. [3]
Ele fez experiências com ímãs para alterar este campo, e
portanto, realizar curas. Por volta de 1774, ele concluiu 29.2.4 Ivan Pavlov
que os mesmos efeitos poderiam ser criados com movi-
mentos das mãos, a uma distância, na frente do corpo Ivan Pavlov (1849-1936), famoso neurofisiologista russo,
do paciente, conhecido como fazer "passes mesméricos". conhecido por suas pesquisas sobre o comportamento,
A palavra mesmerizar se origina do nome de Franz An- que foram o ponto de partida para o behaviorismo e o
ton Mesmer, e foi intencionalmente utilizada para separar advento da psicologia científica do comportamento; es-
seus utilizadores dos vários “fluidos” e teorias “magnéti- tudou os efeitos da hipnose sobre o córtex cerebral e a
cas” que eram utilizadas dentro da denominação “mag- indicação terapêutica deste tipo de intervenção.
104 CAPÍTULO 29. HIPNOSE

29.2.5 Jean Charcot ericksoniana, caracterizada principalmente por sugestão


indireta, “metáforas” (na realidade, analogias), técnicas
Jean Charcot (1825-1893), conhecido médico da escola de confusão, e duplo vínculos no lugar de uma indução
de Salpetriére (França), professor de Freud, estudou os hipnótica clássica.
efeitos da hipnose em pacientes histéricos. Charcot afir- Enquanto a hipnose clássica é direta e autoritária, e
mava que apenas histéricos eram hipnotizáveis, mas ou- muitas vezes encontra resistência do paciente, a forma
tros médicos contemporâneos constataram que a hipnose que Erickson apresentou é permissiva e indireta.[10] Por
é parte do funcionamento normal do cérebro de qualquer exemplo, se na hipnose clássica é utilizado na indução
pessoa. Muitos dos erros cometidos por Charcot (e “Você está entrando agora em um transe hipnótico”, na
repetidos por Freud) levaram a crer na ineficácia da hipnose ericksoniana a indução seria utilizada na forma
hipnose, o que foi rebatido anos depois. “você pode aprender confortavelmente como entrar em
um transe hipnótico”. Desta forma, dá a oportunidade ao
paciente a aceitar as sugestões com as quais se sentirão
29.2.6 Sigmund Freud mais confortáveis, no seu próprio ritmo, e com consci-
ência dos benefícios. A pessoa a ser hipnotizada sabe
Sigmund Freud (1856-1939), médico neurologista, nas- que não está sendo coagida, tomando para si a responsa-
cido na Morávia (atual República Tcheca), autor da maior bilidade e a participação na sua própria transformação.
literatura acerca do inconsciente humano, fundador da Como a indução se dá durante uma conversa normal, a
psicanálise, aplicou a hipnose profunda no começo de hipnose ericksoniana também é chamada de hipnose con-
sua carreira e acabou por abandoná-la, pois, ele a utili- versacional.
zava para a obtenção de memórias reprimidas (Freud não
sabia que nem todas as pessoas são suscetíveis à hipnose Erickson insistia que não era possível instruir conscien-
profunda facilmente). temente a mente inconsciente, e que sugestões autoritá-
rias seriam muito mais prováveis de obter resistência. A
mente inconsciente responderia a aberturas, oportunida-
29.2.7 Dave Elman des, metáforas, símbolos e contradições. A sugestão hip-
nótica eficaz, então, seria “artisticamente vaga”, deixando
Apesar de Dave Elman (1900–1967) ser conhecido pri- a oportunidade para que o hipnotizado possa preencher
meiramente como um notório locutor de rádio, comedi- as lacunas com seu próprio entendimento inconsciente
ante e compositor musical, ele também ficou famoso no - mesmo que eles não percebam conscientemente o que
campo da Hipnose. Ele lecionou vários cursos para médi- está acontecendo. Um hipnoterapeuta habilidoso cons-
cos e escreveu, em 1964, o livro: “Findings in Hypnosis” trói essas lacunas nos significados de modo que melhor
(Descobertas na Hipnose)[6] , que depois foi denominado se adequa para cada indivíduo - de uma forma que tem
“Hypnotherapy” (Hipnoterapia)[7] . a maior probabilidade de produzir o estado de mudança
desejado.
Provavelmente, um dos aspectos mais importantes do le-
gado de Dave Elman foi o seu método de indução, que Por exemplo, a frase autoritária “você vai deixar de fu-
originalmente foi construído para realizar a hipnose de mar” teria uma menor probabilidade de atingir o incons-
um modo rápido e depois adaptada para o uso de profis- ciente que “você pode se tornar um não-fumante”. A pri-
sionais médicos; os seus discípulos rotineiramente obti- meira é um comando direto, para ser obedecido ou ig-
nham estados hipnóticos adequados para procedimentos norado (e observe que ela chama a atenção para o ato
médicos ou cirúrgicos em menos de três minutos. Seu de fumar), a segunda é um convite aberto para uma mu-
livro e suas gravações deixaram muito mais que somente dança permanente e possível, sem pressão, e que é menos
sua técnica de indução rápida. A primeira cirurgia car- provável de encontrar resistência.
díaca de tórax aberto utilizando somente hipnose no lugar Richard Bandler e John Grinder identificaram esse tipo de
de uma anestesia (por causa de vários problemas seve- linguagem “artisticamente vaga” como uma característica
ros do paciente) foi conduzida por seus estudantes, tendo do seu 'Milton Model', como uma tentativa sistemática de
Dave Elman como orientador na sala de cirurgia. [8] [9] codificar os padrões de linguagem de Erickson.

29.2.8 Milton Erickson

Milton Erickson (1901-1980), psiquiatra norte- “Eu digo isso não porque este livro é so-
americano, especializado em terapia familiar e hipnose. bre minhas técnicas hipnóticas, mas porque já
Fundou a American Society of Clinical Hypnosis e foi passa da hora de entender que a necessidade de
um dos hipnoterapeutas mais influentes no pós-guerra. reconhecer que uma comunicação com sentido
Ele publicou vários livros e artigos científicos na área. pleno necessita substituir verborréias repetiti-
Durante a década de 1960, Erickson popularizou um vas, sugestões diretas e comandos autoritários”
novo tipo de hipnoterapia, conhecida como hipnose - Milton Erickson. [11]
29.4. COMPETÊNCIA, MÉTODO E TÉCNICA EM HIPNOSE 105

29.3 Conceitos • Segundo Adriano Faccioli (2006):

• Segundo Milton H. Erickson: “A hipnose, em termos mais estritamente des-


critivos, é o procedimento de sugestões reitera-
“Suscetibilidade ampliada para a das e exaustivas, aplicadas geralmente com voz
região das capacidades sensoriais e serena e monotônica em sujeitos que algumas
motoras para iniciar um comporta- vezes correspondem às mesmas, realizando-as,
mento apropriado.” seja no plano psicológico ou comportamental.
Estes sujeitos responsivos também costumam re-
• Segundo a American Psychological Association latar alterações de percepção e consciência du-
— (1993): rante a indução hipnótica. E em alguns ca-
sos respondem de modo surpreendente ao que
lhes é sugerido, o que pode incluir, por exemplo,
“A hipnose é um procedimento du-
anestesia, alucinações, comportamento bizarro
rante o qual um pesquisador ou pro-
e ataques convulsivos.” (p. 15)
fissional da saúde, sugere que um
cliente, paciente ou indivíduo expe-
rimente mudanças nas sensações,
percepções, pensamentos ou com- 29.4 Competência, método e téc-
portamento.” nica em hipnose
• Segundo os psicólogos Clystine Abram e Gil Go- Método refere-se ao caminho utilizado por um sujeito
mes: para alcançar dado objeto; técnica, ao instrumento uti-
lizado para esse fim.
“A hipnose é um estado de con-
Quanto ao método, é essencial que o hipnotizador esta-
centração focalizada que permite
beleça estreito vínculo de confiança com o intencionado
acessar as estruturas cognitivas, os
a ser hipnotizado. Assim, a empatia entre ambos é, em
pensamentos e as crenças, identifi-
realidade, o caminho através do qual a(s) técnica(s) po-
cando os sentimentos que estão re-
derá(ao) ser aplicada(s).
lacionados a essa forma de proces-
sar os estímulos percebidos. Ade- A hipnose é uma prática livre. Sua aplicação na área de
quando o processamento das per- saúde é feita por hipnoterapeutas de diferentes categorias
cepções e absorvendo o que é su- profissionais, desde médicos e psicólogos a odontólogos,
gestionado.” fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e terapeutas ho-
lísticos.
• Segundo o psicólogo e especialista em Hipnose, É de se observar que países diferentes tratam diferen-
Odair J. Comin: temente a matéria. Na Inglaterra e em muitos países
europeus, não é exigida essa formação pregressa para que
“A hipnose é um conjunto de fenô- o hipnotizador exerça efetivamente a hipnoterapia: basta
menos específicos e naturais da que, submetido, a uma banca examinadora competente,
mente, que produzem diferentes comprove ser capacitado para tal. Nos Estados Unidos
impactos, tanto físicos quanto psí- a profissão de hipnoterapeuta está registrada no catálogo
quicos. Esses fenômenos pode- federal de ocupações há mais de 30 anos, sendo que pro-
rão ser induzidos ou autoinduzidos fissionais não formados nas áreas de medicina ou psicolo-
através de estímulos provenientes gia trabalham apenas com mudanças vocacionais e avo-
dos cinco sentidos, sejam eles cons- cacionais, podendo, sob recomendação, auxiliar em tra-
cientes ou não.” tamentos médicos e psicológicos através da hipnoterapia.
No Brasil a hipnose é uma técnica de livre exercício.
• Segundo o Dr. Sydney James Van Pelt — (1949): Há todo um conjunto de técnicas desenvolvidas para levar
o paciente a experimentar tal estado especial, entre elas:
“Hipnose é uma super concentra-
ção da mente. Normalmente a • Fixação do olhar;
mente se ocupa de vários estímulos
ao mesmo tempo; no estado de hip- • Sugestões verbais;
nose, a concentração se dá apenas • Indução de relaxamento ou visualizações;
em uma única coisa, mas em um
grau mais elevado do que o estado • Concentração de foco de atenção, geralmente inte-
comum.” riorizado;
106 CAPÍTULO 29. HIPNOSE

• Aplicação de estímulo de qualquer natureza, repeti- 29.6.1 Tratamento de doenças orgânicas e


tivo, rítmico, débil e monótono; funcionais
• Utilização de aparelhos eletrônicos, com estímulo de Há um número muito grande de doenças em que não
ondas cerebrais alfa. existe lesão ou comprometimento da estrutura de deter-
minado órgão. Estas doenças são conhecidas como do-
enças funcionais, e nesse grupo de patologias a hipnose,
assim como o efeito placebo, obtém excelentes resulta-
29.5 Características do estado hip- dos.
nótico Como exemplos de disfunções, citam-se:

29.5.1 Transe hipnótico não é inconsciên- 1. Neurológicas: Enxaquecas e outras cefaleias crôni-
cia cas; certas tonturas e vertigens; zumbidos (tinnitus);
2. Digestivas: Gastrites; dispepsias; obstipações; cer-
Embora durante a indução hipnótica frequentemente se tas diarreias crônicas (síndrome do cólon irritável);
utilizem expressões como “durma” e “sono”, tal é feito halitose;
porque tais palavras criam a disposição correta para o
aparecimento do transe. Não significam, em absoluto, 3. Respiratórias: Asmas brônquicas; rinites alérgicas;
ingresso em estado inconsciente. roncos e apneia do sono;
Traçados eletroencefalográficos de pacientes em transe, 4. Genitourinárias: Enurese noturna; incontinência
mesmo profundo, aparentemente adormecidos, revelam urinária; disúria funcional; dismenorreia; tensão
ondas alfa características do estado de vigília em relaxa- pré-menstrual.
mento.
5. Sexuais: Impotência psicológica; frigidez e vagi-
O paciente em transe percebe claramente o que ocorre à nismo; ejaculação precoce; diminuição do libido;
sua volta, e pode relatá-lo.
A parte mais importante da indução hipnótica se deno- 6. Dérmicas: Urticária e outras alergias; doenças de
mina rapport, que pode ser definido como uma relação pele associadas a fatores emocionais;
de confiança e cooperação entre o hipnólogo e o paciente. 7. Cardiovasculares: Hipertensão arterial essencial,
Qualquer violação desta relação com sugestões ofensivas certas arritmias cardíacas.
à integridade do paciente resultaria em interrupção ime-
diata e voluntária do estado de transe por parte do mesmo. Em todas as outras doenças, hipnose também é indi-
Infundado, portanto, o temor de revelar segredos contra cada, podendo auxiliar quer no manejo dos sintomas de-
a vontade ou praticar atos indesejados. Da mesma forma, sagradáveis ou ainda potencializando ou provendo os re-
a crença de que se pode morrer em transe, ou não mais cursos de cura do próprio paciente.
acordar é meramente folclórica e não corresponde à re-
alidade. Um paciente “esquecido” pelo hipnólogo sairia Sabe-se hoje da íntima relação do sistema imunológico e
espontaneamente do transe ou passaria deste para sono fatores emocionais. A prática da hipnose pode predispor
fisiológico em poucos minutos. o organismo como um todo para a cura ou manutenção
da saúde.
Obviamente não se indica a hipnose como tratamento iso-
29.5.2 Auto-hipnose lado ou principal para doenças graves como o câncer. O
paciente portador de câncer, entretanto, que receber trei-
Na verdade o paciente não é propriamente hipnotizado, namento em hipnose, pode precisar de menores doses de
mas antes ensinado a desenvolver o estado de transe hip- medicação analgésica, controlar melhor os efeitos adver-
nótico. Tal só poderá ser realizado com seu consenti- sos do tratamento quimioterápico e radioterápico, ter me-
mento e participação ativa e interessada nos exercícios lhor apetite e disposição geral, além de uma postura mais
propostos. A velocidade do aprendizado e os fenômenos positiva frente à doença e seu tratamento.
que podem ou não ser desencadeados variam de pessoa
para pessoa. O treinamento é composto de uma série de
exercícios que vão aperfeiçoando a capacidade do indiví- 29.6.2 Tratamento de distúrbios psicológi-
duo de aprofundar a sua experiência hipnótica. cos
• Ansiedade, pânico, fobias, depressão e outros.

29.6 Hipnoterapia: aplicações O sofrimento psicológico pode ser tão ou mais intenso e
incapacitante quanto dor física.
29.6. HIPNOTERAPIA: APLICAÇÕES 107

As atuais técnicas psicoterápicas nem sempre são eficazes gésicos. Excelentes resultados podem ser conseguidos
e por vezes são muito demoradas e onerosas. também com o componente físico da dor, porém aí são
Medicamento, conquanto competentemente prescrito, frequentemente necessárias sessões repetidas ou a prática
está frequentemente associado a efeitos colaterais, se- de auto-hipnose. Lombalgias e outras dores de coluna,
cundários desagradáveis. Afora o fato de, também com LER/DORT e fibromialgia, dor pélvica crônica e outras
frequência, não se conhecer medicamente, com a profun- síndromes dolorosas respondem muito bem à hipnose.
didade necessária e suficiente, da doença.
Quer seja prescrita e praticada por hipnólogo médico ou 29.6.6 Anestesia para procedimentos ci-
por médico prescrita / recomendada, porém praticada por rúrgicos
hipnólogo não-médico, é inconteste que hipnose pode
ajudar a aliviar os sintomas e trazer serenidade, ao capa-
Na literatura médica há muitos relatos de cirurgias de
citar a pessoa a apresentar respostas mais saudáveis aos grande porte realizadas com anestesia puramente hipnó-
estímulos do meio, à sua própria história pessoal e às suas
tica. Em nosso meio tais estudos estão se iniciando, e
emoções. várias pequenas cirurgias já foram realizadas tendo a hip-
nose como método único de anestesia. Mesmo nas oca-
siões em que a anestesia química é empregada, o uso de
29.6.3 Tratamento e cura de hábitos e ví- hipnose diminui consideravelmente a quantidade de me-
cios dicamentos empregados. Embora seja ainda um método
experimental que não substitui a anestesia convencional,
É natural o desejo humano de construir o mundo que o há evidências de que é uma ótima alternativa para paci-
cerca através de suas próprias decisões. Muitas pessoas entes que por quaisquer motivos não podem submeter-se
se acham aprisionadas por traços de personalidade inde- a anestesia por drogas.
sejáveis ou vícios como o jogo, o etilismo, o tabagismo
e a drogadição. A hipnose pode ajudar tais pessoas a ex-
pandirem o controle sobre suas vidas, devolvendo-lhes o 29.6.7 Hipnose em obstetrícia
poder de optar livremente, sem automatismos e a repeti-
ção de velhos hábitos nocivos. A obstetrícia é a área da medicina em que a hipnose se
encontra mais difundida, devido aos seus resultados im-
pressionantes. Gestação e parto são fisiológicos e natu-
29.6.4 Tratamento da disfunção alimentar rais, e a hipnose pode ajudar a:

Em princípio, qualquer disfunção suscetível de


1. Aliviar a hiperemese gravídica (vômitos da gravi-
psicoterapia, é tratável com hipnoterapia.
dez), dores lombares e urgência miccional;
Assim, pois, as disfunções alimentares em geral:
anorexia, bulimia, desnutrição e obesidade. 2. Disciplinar a alimentação da gestante, evitando ga-
nho excessivo de peso;
Emagrecimento saudável não pode ser obtido da noite
para o dia. Pelo menos não sem impor riscos e agredir 3. Fazer profilaxia da DHEG (doença hipertensiva es-
o organismo com cirurgias desnecessárias, dietas rigoro- pecífica da gestação);
sas e prejudiciais ou medicamentos perigosos. E mesmo
assim tais resultados raramente são duradouros. 4. Promover analgesia durante o parto, relaxamento
muscular e tranquilidade (parto sem dor);
As diferenças entre uma pessoa obesa e uma magra vão
muito além do que a balança e o espelho registram. 5. Diminuir a incidência de distócias e outras compli-
O tratamento baseado em hipnose propõe uma reestru- cações;
turação da personalidade, na qual magreza e elegância
6. Fazer profilaxia da depressão pós-parto e estimula-
acompanham mudanças profundas e definitivas na rela-
ção da lactação.
ção do indivíduo com o mundo.

29.6.8 Hipnose no auxílio ao aprendizado


29.6.5 Analgesia em episódios de dor
aguda ou crônica Hipnose pode auxiliar no progresso nos estudos e aumen-
tar a chance de aprendizado em cursos e estudos regula-
Toda dor tem dois componentes: um físico, devido à le- res, bem como na aprovação em concursos.
são tecidual, e um psicológico, que amplifica a percepção
desta dor. O emprego de técnicas hipnóticas pode des- É possível:
ligar definitivamente o componente psicológico da dor,
diminuindo por si só grandemente a necessidade de anal- 1. Expandir a capacidade de memorização;
108 CAPÍTULO 29. HIPNOSE

2. Auxiliar a estabelecer maior disciplina na rotina de Através da prática da hipnose é possível suprir defici-
estudos; ências ou estimular traços de personalidade desejáveis,
como a autoconfiança e a liderança, vencer a timidez, pro-
3. Motivar o aprendizado; gredir nas relações pessoais e de trabalho ou superar suas
limitações quaisquer que sejam.
4. Desenvolver serenidade, fundamental para o bom
desempenho em provas.

29.7 Hipnose criminalística e fo-


29.6.9 Relaxamento e redução de estresse
rense
Perigos reais e sobrecargas mesclam-se com as exigências
da vida nas cidades. Uma das aplicações da hipnose, para fins de investiga-
ção criminalística e prática forense, é a possibilidade de
Preocupações profissionais invadem e destroem os mo-
regressão do paciente à lembrança de fatos passados, in-
mentos de lazer e intimidade com a família. Vive-se
clusive da primeira infância.
constantemente em prontidão, em modo de “lutar ou fu-
gir”, a resultar hiperatividade crônica do sistema nervoso Pela hipnose é possível a regressão de memória, em dias,
autônomo simpático e em muitos efeitos nocivos ao or- meses e até mesmo anos. Aqui se encontram as aplica-
ganismo. ções em vítimas ou testemunhas de um crime, uma vez
que fatos passados são relevantes para as investigações
O uso da hipnose (ou auto-hipnose) podem ser providen-
policiais.
ciais recursos para restaurar a harmonia e o bem-estar,
pessoal e/ou convivencial. No Brasil, o Instituto de Criminalística do Paraná cri-
ado pelo médico e psicólogo Rui Sampaio, é o primeiro,
desde 1983, na associação da hipnose como técnica auxi-
29.6.10 Hipnose e insônia liar as investigações criminais e, também, na confecção
do retrato falado hipnoassistido.
O sono tem uma arquitetura toda especial, e é constituído Tais experimentos obtiveram ótimos resultados, tendo
de diversas fases, essenciais para a recuperação das fun- sido criado oficialmente em dezembro de 1999, o pri-
ções mentais e do organismo como um todo. Os medica- meiro Laboratório de Hipnose Forense, considerado o
mentos para dormir afetam esta arquitetura e diminuem único do país.
a qualidade do sono. A aplicação de técnicas hipnóticas
pode ser efetiva no combate à insônia.

29.8 Hipnose, misticismo, ciência e


29.6.11 Auto-hipnose parapsicologia
Já foi dito que, segundo vários especialistas, toda hipnose
é, na verdade, uma auto-hipnose. As possibilidades da percepção humana vão muito além
do já explorado.
Auto-hipnose é uma habilidade extremamente útil para a
promoção de saúde e bem-estar. Em sessões de hipnose é frequente observar fenôme-
nos que costumam ser atribuídos à competência da
A melhor maneira de aprender a entrar em transe hip- Parapsicologia. Segundo a Parapsychology Association,
nótico é receber treinamento por um hipnólogo. Via de tem-se verificado que a hipnose é uma condição favo-
regra, ensinar auto-hipnose é o último passo de todo tra- rável para a ocorrência de muitas formas de percepção
tamento com hipnose, dotando o paciente de um recurso extra-sensorial. A associação afirma que pessoas hipno-
valioso na busca de seu próprio aprimoramento pessoal. tizadas tendem a ter um melhor desempenho em testes
Também pode ser utilizada apenas para atingir estado de laboratoriais de clarividência, telepatia e precognição.[12]
relaxamento profundo, dormir melhor, melhorando, pois, Contudo, a bem de não se recair em imponderações cien-
a qualidade de vida. tíficas, ou mesmo propensões de fundo sectário qualquer
(espiritual, religioso, etc.), é preciso cautela a respeito,
pois muitos casos que são referidos como manifestações
29.6.12 Hipnose e desempenho pessoal parapsicológicas são, em realidade, manifestações ou ex-
pressões, sim, de outros estados da consciência — estados
É uma ambição universal querer ser uma pessoa melhor, alterados da consciência.
considerados todos os aspectos: pessoal, familiar, profis- Fenômenos assim podem ser provocados e treinados por
sional, social, etc. sugestão ou podem aparecer espontaneamente. Mas, em
Aprender coisas novas, ter versatilidade e fazer cada vez qualquer caso, podem ser examinados em estado hipnó-
melhor o que já se faz bem é anseio comum. tico. Muitos pacientes experimentam a sensação de flu-
29.9. DISPOSIÇÕES LEGAIS 109

tuar fora do próprio corpo e poderem se deslocar a outros 29.9 Disposições legais
lugares. Outros afirmam saber o que ocorre à distância
etc. A legislação do Brasil não restringe o uso da hipnose ape-
O psicólogo e parapsicólogo Charles Tart, autor de uma nas a médicos, odontólogos e psicólogos. Todos os pro-
tese de pós-doutorado sobre hipnose, relatou experiên- fissionais que aprenderam as técnicas de hipnoterapia, e
cias de “hipnose mútua”, em que cada uma das duas pes- cada qual em sua área específica de atuação, podem uti-
soas foram hipnotizadas uma pela outra. Tart relatou vá- lizar esta técnica sem nenhuma restrição.
rios fenômenos curiosos em tais casos, incluindo eventu- Nada impede que profissionais da saúde, tais como
ais fenômenos de telepatia.[12][13] fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos,
Costuma-se, também, associar à hipnose o suposto acesso enfermeiros e paramédicos, entre outros, se utilizem de
a vidas passadas, que traria, também, por suposto, a co- hipnose para beneficiar a seus pacientes.
nexão com a ideia de reencarnação. Contudo, a bem do Por outro lado, aqueles que defendem a sua dissemi-
rigor científico e da seriedade que deve pautar toda inves- nação entre outras profissões destacam a quantidade de
tigação da / na natureza, o que quer que se dê durante ses- benefícios que pode trazer, se mais praticantes pre-
sões de regressão hipnótica para além da “fronteira ante- parados e certificados em hipnose pudessem ofere-
rior ao nascimento” da pessoa hipnotizada nada permite cer o seu trabalho à população, seja na redução de
afirmar inequivocamente, a favor ou contra, a preexis- distúrbios psicossomáticos, como também evitando jus-
tência da pessoa em vida(s) passada(s), como pretendem tamente o mau emprego da hipnose por praticantes
os reencarnacionistas. Por outro lado, evidências existem habilitados.[carece de fontes?]
as tantas de forma a apontar para a existência das chama-
das vidas passadas (fenômeno da retrocognição induzida
através da hipnose), tal como vemos no sério trabalho de
J.H Brennan.
29.10 Quem é susceptível de ser
A mesma cautela deve ser reportada no trato da cha-
hipnotizado?
mada terapia de vidas passadas – TVP, de modo que, com
ou sem hipnose, não se façam afirmações eventualmente Nem toda as pessoas são hipnotizáveis. Hilgard fez ex-
infundadas, não suportadas por critérios observantes do periências com estudantes universitários e só 25% foram
método científico. Ao que pese o misticismo que atra- hipnotizáveis; e desses só ¼ entrou em transe profundo.
vessa a TVP, muito mais por razões de crendices do te- Os fatores que interferem são:
rapeuta do que da TVP propriamente dita, tal fato não
descartam as evidências da sobrevivência da consciência Idade: a susceptibilidade à hipnose aumenta até mais ou
e de sua existência antes do nascimento. Diante disso, a menos aos dez anos, depois diminui à medida que os in-
ciência até o momento não consegue explicar satisfatori- divíduos se tornam menos conformistas.
amente como uma célula zigoto se especializa formando Personalidade: são mais susceptíveis as pessoas que ten-
todo o corpo humano sexuado do ser humano. Uma or- dem a envolver-se com as suas fantasias.
dem subjacente parece existir e que é anterior ao corpo e
São menos susceptíveis as pessoas que:
ao sistemas orgânicos. Tal ordem foi chamada por Her-
nani Andrade de “Modelo Organizador Biológico”. As Se distraem facilmente;
evidências deste modelo, também chamado de “duplo as- Têm medo do novo e diferente;
tral”,"psicossoma”, “perispírito” ou ainda simplesmente
“corpo astral”, estão espalhadas em diversos fenômenos, Revelam falta de vontade de obedecer ao hipnotizador;
tais como: experiência de quase morte; experiência fora Revelam falta de vontade de ser submissas.[carece de fontes?]
do corpo; aparições; mediunismo; e outros. Assim, a hi-
pótese das vidas passadas está ancorada no princípio de
que o Eu não é o corpo, mas transcende-o, pre-existindo 29.11 Ver também
ao nascimento e pós-existindo a morte.
Hipnose é, pois, em última análise, um estado • Magnetismo Animal
não-ordinário de consciência, com todas as suas
idiossincrasias que a caracterizam univocamente, e • Consciência
pode ser utilizado em benefício do ser humano em • Conscienciologia
praticamente todas as facetas da sua vida, como visto.
Hipnologia, como estudo da hipnose, é um instrumento • Hipniatria
de estudo da mente humana, sob o aspecto da consciência, • Hipnoterapia
capaz de suscitar respostas impressionantes. Contudo, há
muito a ser conhecido e explicado a respeito. • Psicologia
• Psicoterapia
110 CAPÍTULO 29. HIPNOSE

• Sono • WHITE, John (Org.). O mais elevado estado


da consciência. São Paulo (SP), Brasil: Cultrix-
• Vigília Pensamento, 1997.
• Benzodiazepínicos
• Ansiolíticos 29.13 Ligações externas
• Descrição da Profissão de Hipnoterapeuta na Versão
29.12 Referências Eletrônica do Dicionário Federal de Ocupações dos
Estados Unidos
[1] “New Definition: Hypnosis”. Division 30 of the American
Psychological Association • Hipnose criminalística e forense
[2] General Anesthesia - Franz Anton Mesmer. Visitado em • Hipnose Ericksoniana e Auto-Hipnose
2013-07-06.

[3] "" 22. DOI:10.1080/00029157.1980.10403229.

[4] Benjamin Franklin - Inquiring Mind - Franz Mesmer. Vi-


sitado em 2013-07-06.

[5] Vera Peiffer. Principles of Hypnotherapy: What It Is, How


It Works, and What It Can Do for You. [S.l.]: Singing Dra-
gon, 2013. 12-13 p. ISBN 978-1-84819-126-6 Página
visitada em 07 July 2013.

[6] 1970 Explorations in Hypnosis. Nash Pub. ISBN 0-8402-


1143-0

[7] 1970 Hypnotherapy, Westwood Pub. ISBN 0-930298-


04-7

[8] Elman, D. (1981). Hypnotherapy. Glendale, CA:


Westwood.

[9] Overholser, L. Scientific Break Throughs in Hypnosis


for Pain Management. Site: http://www.hypnosispower.
com/Hyp-paintalkhandout4-9-11.pdf. Consultado em
13/07/2013.

[10] Lankton & Lankton, The Answer Within 1983/2008,


Crown Publishers

[11] Bandler, R. Grinder. J. Patterns of the hypnotic techniques


of Milton H. Erickson, M.D. - Volume I. [S.l.]: Meta Pu-
blications, 1975. ix p. ISBN 978-0-916990-01-5 Página
visitada em 06 July 2013.

[12] Mario Varvoglis, Ph.D. Hypnosis and Psi. Parapsycho-


logy Association. Página visitada em 28/11/2014.

[13] http://noetic.org/directory/person/charles-tart/

• FACIOLI, Adriano. Hipnose: fato ou fraude?.


Campinas (SP), Brasil: Editora Átomo, 2006.
• FERREIRA, Aurélio. Dicionário da Língua Portu-
guesa. Rio de Janeiro (RJ), Brasil: Nova Fronteira,
2000
• LOPES, Leon. Sugestões que curam: a hipnose
como recurso terapêutico em saúde mental. Mo-
nografia de Graduação em Psicologia. Universi-
dade de Fortaleza - UNIFOR, 2003. (http://www.
comportamento.net/artigos/monograf.htm, acesso
em 2005.07.18).
Capítulo 30

Programação neurolinguística

A programação neurolinguística (PNL) de acordo A PNL foi proposta em 1974 como um conjunto de mo-
com seus criadores, Richard Bandler, matemático e pro- delos e princípios que descrevem a relação entre a mente
gramador de computadores e John Grinder, linguista, é (neuro) e a linguagem (linguística - verbal e não verbal)
uma metodologia que estuda a estrutura subjetiva da ex- e como a sua interação pode ser organizada (programa-
periência humana e sua aplicação na geração de novos ou ção) para afectar a mente, o corpo ou o comportamento
melhorados comportamentos. Trata-se portanto de uma do indivíduo.
ferramenta educacional. Já seus críticos afirmam tratar- A partir de padrões linguísticos e comportamentais,
se de um tipo de psicoterapia pseudocientífica[1] . Pro- Richard Bandler e John Grynder construíram modelos
gramar a mente das pessoas através do uso da linguagem, mentais que pudessem ser usados por outras pessoas.
baseia-se num conjunto de modelos, estratégias e mudan- Os criadores da PNL então aplicaram tais modelos em
ças de crenças que seus praticantes utilizam visando uma seu próprio trabalho. Padrões que podem não ter estado
comunicação positiva e eficiente entre as pessoas e con- disponíveis em quaisquer dos modelos anteriores podem
sigo mesmas com o objetivo de conquistar a excelência agora ser construídos, a partir da representação formal
e o desenvolvimento pessoal e profissional. É baseada que os criadores da PNL desenvolveram. Novas técnicas
na ideia de que a mente, o corpo e a linguagem intera- e modelos foram (e vão sendo) desenvolvidos.
gem para criar a percepção que cada indivíduo tem do
mundo, e tal percepção pode ser alterada pela aplicação Pessoas como Virginia Satir (terapeuta familiar), Milton
de uma variedade de técnicas. A fonte que embasa tais Erickson (médico psiquiatra e hipnoterapeuta), Gregory
técnicas, chamada de “modelagem”, envolve a reprodu- Bateson (antropólogo especialista em cibernética) e Fritz
ção cuidadosa dos comportamentos e crenças daqueles Perls (pai da gestalterapia) tiveram resultados extraordi-
que atingiram o “sucesso”. nários com muitos dos seus pacientes.[4]
A programação neurolinguística surgiu na Universidade
da Califórnia (EUA) no final dos anos 60 e início dos
anos 70 com John Grinder e Richard Bandler. O foco 30.1 Tecnologia
original da PNL foi o estudo dos padrões fundamentais
da linguagem e técnicas de três terapeutas renomados e
bem-sucedidos Dr. Milton Erickson (hipnoterapia), Fritz Apesar de ser assim largamente considerada pelo público,
Perls (gestalt) e Virginia Satir (terapia familiar sistêmica). a PNL não é exatamente uma ciência. Mais propriamente
Mais tarde, os padrões descobertos foram adaptados vi- é considerada uma metodologia ou uma tecnologia, para
sando proporcionar uma capacidade pessoal de se comu- enfatizar o fato de que não tem um objeto de estudo in-
nicar de forma mais efetiva e também a realização de mu- dependente e, portanto, não é uma ciência no sentido
danças. lato do termo. Trata de linguagem, mas não é exata-
mente uma raiz da Linguística. Fala de sistemas mas não
Apesar de sua popularidade,[2] a PNL continua a causar é Cibernética. Fala de comportamento e mudança mas
controvérsia. Muitos trabalhos científicos na última dé- não é só Psicologia. Fala de liderança, gestão, motivação,
cada basearam-se ou apoiam e validam indiretamente os aprendizagem, mas não é só Administração, Política,
pressupostos da PNL. A PNL também tem sido criticada Comunicação ou Pedagogia. A PNL se aproveita de co-
por não ter conseguido ainda estabelecer um órgão regu- nhecimentos de vários campos e os inter-relaciona, em
lador e certificador que seja amplamente reconhecido a uma espécie de “corte transversal” entre vários assuntos,
ponto de poder impor um padrão e um código de ética com um jargão próprio e simplificado visando facilitar
profissional.[3] , de fato, seus criadores, ainda vivos, de- seu acesso. Assim como em várias novas metodologias,
têm os direitos sobre os conceitos e técnicas e licenciam não há como testar muitas das suas asserções pelo modelo
aqueles que se submetem às suas diretrizes. científico atual, principalmente no que diz respeito às per-
História e desenvolvimento cepções subjetivas, que nem sempre são cientificamente
explanáveis. Nesse ponto de vista, a PNL é pragmática,

111
112 CAPÍTULO 30. PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA

se importando mais com os resultados que com o apoio tentar explicar a “caixa preta” da mente humana, e assim
científico. Embora haja resultados relatados, ainda não tentar entender como mudar o comportamento humano a
há uma sistematização consolidada. partir da comunicação interna e externa, que dizem res-
Pode-se dizer que a PNL é um corpo de conhecimen- peito à como o ser humano se comunica “consigo mesmo”
tos que pretende desenvolver a excelência na experiência e com o mundo exterior a ele.
subjetiva e no comportamento objetivo do ser humano, As práticas de PNL, com os exercícios de mudança, vi-
buscando aprimorar sua comunicação para facilitar o sam alinhar o pensamento lógico e o intuitivo, a dedução
atingimento de metas de superação. e a indução, conectando toda a motivação e emoção que
Nem todos sabem que a PNL advoga puramente a podem estar dispersas no indivíduo, para ficarem à ser-
pragmática, importando-se primariamente com a obten- viço de suas decisões. A PNL utiliza técnicas que pode-
ção de resultados. Assim, muitos, erroneamente, acredi- ríamos chamar de meditativas e hipnóticas para estabe-
tam que há apoio a algum pressuposto análogo à “para- lecer o que chama de “estados focalizados” e assim ten-
normalidade”, "pensamento positivo", ou a “forças espiri- tar fazer com que a pessoa utilize o seu pensamento da
tuais”, etc. Sendo baseada no pragmatismo, na PNL utili- melhor maneira possível. Por isso, muitos dos exercícios
zamos o termo "programação" baseado em uma analogia recorrem a “estados alterados de consciência”, ou estados
computacional para a mente humana. Isto é, encara o de transe.
cérebro como uma espécie de hardware e a mente e os
pensamentos como uma espécie de software, numa ana-
logia de que podemos “reprogramar” a mente humana, 30.2 Pressupostos
retirando defeitos, ou seja, erros de programação gerados
no passado. As pressuposições da PNL são princípios sobre os quais
Muitas das técnicas da PNL não são propriamente novi- se fundamenta sua aplicação. São eles:
dades, sendo que, por exemplo, padrões mentais já ha-
viam sido descobertos e chamados por outros nomes di-
• As pessoas respondem a sua experiência, não à rea-
versos. Mesmo que a palavra “padrão” tenha vários signi-
lidade em si.
ficados para um neurolinguista, um desses significados é
o sistemas de crenças e percepções filtradas da realidade • Ter uma escolha ou opção é melhor do que não ter
(filtros), criadas em um momento do passado e que po- uma escolha ou opção.
dem, por mudanças das circunstâncias ou da própria pes-
soa, se tornarem inapropriadas. Assim, “reprogramar” • As pessoas fazem a melhor escolha que podem no
uma pessoa, pelo ponto de vista da PNL, é ajudá-la a mo- momento.
dificar os seus padrões mentais e entender os seus meta-
programas básicos - o que os formaram. • As pessoas funcionam perfeitamente.

Mundo real e o mundo percebido • Todas as ações têm um propósito.

Um dos pontos básicos de que a PNL trata diz respeito • Todo comportamento possui intenção positiva.
ao que é chamado diferença entre o mundo real e o
mundo percebido. A mente cria modelos da realidade, • A mente inconsciente contrabalança a consciente;
usando referências dos cinco sentidos. E estes modelos ela não é maliciosa.
são “filtrados” pela focalização da atenção, de modo que
o mesmo estímulo percebido se transforma em compor- • O significado da comunicação não é simplesmente
tamentos totalmente diferentes, para várias pessoas. Um aquilo que você pretende, mas também a resposta
esquimó, por exemplo, percebe o gelo e a neve de forma que obtém.
completamente diferente de uma pessoa urbana. Sua ex-
periência da neve é mais rica, com muito mais referên- • Já temos todos os recursos de que necessitamos ou
cias. De certa maneira, ele “vive em outro mundo subje- então podemos criá-los.
tivo”.
• Mente e corpo formam um sistema. São expressões
Isso é a mente para a PNL - uma construção de experi- diferentes da mesma pessoa.
ências perceptivas, em um processamento em várias ca-
madas. Por praticidade, chama de níveis conscientes e • Processamos todas as informações através de nossos
inconscientes. Usa o termo porque ajuda em seus proces- sentidos.
sos práticos. Ela juntou vários conceitos e constatações
da teoria da comunicação, da linguística, da cibernética, • Modelar desempenho bem-sucedido leva à excelên-
da teoria dos sistemas e da gestalt, da terapia familiar, cia.
da hipnose ericksoniana, da neurociência e a partir deles
criou alguns pressupostos, uma série de parâmetros para • Se quiser compreender, aja.”[5]
30.5. PNL E LIDERANÇA 113

30.3 PNL e terapia a estrutura ambiental ou contextual da experiência seja


refeita ou, pelo menos, percebida de forma diferente (re-
Para a maioria das pessoas, a PNL é uma forma de estruturação, reposicionamento ou reframing).
psicoterapia. E a maioria dos livros de PNL considerados
mais “sérios” são, na verdade, de aplicações da PNL na
mudança de comportamentos individuais, e, assim, apre- 30.5 PNL e liderança
sentam descrições de resultados terapêuticos. No entanto
os praticantes de PNL afirmam que a PNL não é terapia Objetiva identificar e liberar habilidades de liderança,
- é aprendizagem. melhorar a eficácia na comunicação e nos relacionamen-
Por quê? A abordagem psicoterapêutica básica, ensi- tos, desenvolver e manter estados de excelência pessoal e
nada nas faculdades, ainda é a clássica "descrição de abordar o trabalho de grupo com ecologia e visão sistê-
sintomas - encaixe em um diagnóstico - preceituação de mica.
tratamento". Em contrapartida, a PNL seguiu o caminho
que poderemos chamar de “Modelagem a partir de Sis-
temas Eficientes”[6] . Isto é, começou com a investigação 30.6 PNL e hipnose ericksoniana
do que dava certo, não no que estava errado.
A hipnose ericksoniana, assim denominada por ter sido
Aquilo que a pessoa já sabe fazer bem criada pelo Dr. Milton Erickson, fundador da American
Society of Clinical Hypnosis, surgiu como modernização
Nesta abordagem é, desde o princípio, posto em foco da hipnose clássica.
aquilo que a pessoa já sabe fazer bem, e aquilo que
Trata-se de um estado alterado de consciência e per-
ela pode melhorar. São experimentados modelos no-
cepção, de profundo relaxamento, no qual, segundo Dr.
vos, mudanças de pontos de vista, sejam cognitivos ou
Erickson, o consciente e o inconsciente podem ser focali-
comportamentais (metaposição, ressignificação e remo-
zados por ficarem mais receptivos à sugestão terapêutica.
delagem), e motiva-se o indivíduo - agora encarado como
um aluno, e não como um paciente - a experimentar es- Também segundo ele, o trabalho hipnótico facilitaria a
tratégias novas de pensar, sentir e agir (comportamento). descoberta de novas opções na vida e a quebra de padrões
de sentimentos e comportamentos indesejáveis

30.4 PNL e aprendizagem


30.7 Referências
A programação neurolinguística encara o aprendizado de
duas formas: [1] Tomasz Witkowski. (Janeiro 2010). "Thirty-Five Years
of Research on Neuro-Linguistic Programming. NLP Re-
search Data Base. State of the Art or Pseudoscientific De-
• o aprendizado pela cópia - a chamada modelagem
coration?" (PDF) (em inglês). Polish Psychological Bul-
• o aprendizado pela inovação - a chamada ressignifi- letin 41 (2): 58–66. DOI:10.2478/v10059-010-0008-0.
cação e reestruturação/reframing. ISSN 0079-2993. Visitado em 01/12/2014.

[2] Grant J. Devilly (2005) Power Therapies and possible th-


No primeiro tipo de aprendizado, o indivíduo faz uma reats to the science of psychology and psychiatry Austra-
conexão com uma pessoa (que é chamada de “modelo”) lian and New Zealand Journal of Psychiatry Vol.39 p.437
ou uma descrição de pessoa, dotada de uma habilidade,
[3] Schütz, P. A consumer guide through the multiplicity of
comportamento ou estratégia de sucesso.
NLP certification training. Visitado em dezembro de
Esta conexão é chamada de “link neurológico” e, em 2006.
essência, é um estado de focalização mental desencade-
ado pela atenção, interesse, motivação, envolvimento to- [4]
tal. Neste estado é descrito que o indivíduo está “neurolo- [5] O'CONNOR, Joseph. Manual de Programação Neurolin-
gicamente aberto ao aprendizado”. É um estado chamado guística: PNL. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003. p. 5-7
“pleno de recursos”.
[6] “Programação Neurolinguística: Introdução” no Dinâ-
No segundo tipo de aprendizagem, a pessoa faz uma sín-
mica Social
tese criativa e, utilizando descrições inusitadas advindas
de outras áreas do conhecimento, refaz a percepção, mo-
dificando os filtros de percepção, as crenças e valores pro-
venientes desta percepção. Um dos mecanismos que usa 30.8 Ver também
são as analogias e metáforas e o objetivo é que o signifi-
cado da experiência seja modificado (ressignificação) ou • Hipnoterapia
114 CAPÍTULO 30. PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA

• Ciências cognitivas

• Neurociência
• Carol Anne Tavris

30.9 Bibliografia
• O'CONNOR, Joseph. Manual de programaçao
neurolinguistica:PNL: um guia prático para
alcançar os resultados que você quer.Rio de
Janeiro:Qualitymark, 2003.
• Coaching com PNL (Em Portugues) (2004) -
O'connor, Joseph / Lages, Andrea - Qualitymark
• Qualidade começa em mim (Em Portugues) (2002)
- Chung, Tom - Novo Século
• ANDREAS, Steve; FAULKNER, Charles
(org.).PNL: a nova tecnologia do sucesso.Rio de
Janeiro: Elsevier, 1995.

• ROBBINS, Anthony. Poder sem limites: o cami-


nho do sucesso pessoal pela programação neuro-
linguística. Rio de Janeiro: BestSeller, 2007.
• BANDLER, Richard; LA VALLE, John. Enge-
nharia da persuasão. Rio de Janeiro: Rocco,
1999.

• BANDLER, Richard. Hora de mudar. Rio de Ja-


neiro: Rocco, 2003.

• BANDLER, Richard; GRINDER, John. Atraves-


sando: passagens em psicoterapia. São Paulo:
Summus, 1984.
• BANDLER, Richard; GRINDER, John. A estru-
tura da magia: um livro sobre linguagem e te-
rapia. Rio de janeiro: LTC, 1977.

• BANDLER, Richard; GRINDER, John. Resignifi-


cando: programação neurolinguistica e a trans-
formação do significado. São Paulo: Summus,
1986.
• BANDLER, Richard. Usando sua mente: as coi-
sas que você não sabe que não sabe.
Capítulo 31

Radiestesia

contrar água e minerais, corpos enterrados, objetos per-


didos, ou qual seria a melhor dieta para um determinado
organismo.
Ainda segundo estes, não existem artigos publicados em
periódicos científicos que corroborem tal hipótese (a sen-
sibilidade às radiações). Sendo esta uma forte evidência
contra a Radiestesia.

31.1 Etimologia
As palavras radioestesia e radiestesia são neologismos
construídos a partir de dois termos: o latino radium, “ra-
diação”, e o grego αἴσθησις [aísthesis], “percepção pelos
sentidos”. No passado usava-se também o termo rabdo-
mancia, formado pelos termos gregos ῥάβδος, “vara” ou
“verga”, e μαντεία “adivinhação”.

31.2 Dados históricos


Os primeiros pêndulos foram encontrados no Egito, no
Vale dos Reis. Há cerca de 2000 anos antes da nossa era,
chineses radiestesistas já se utilizavam da arte do pên-
dulo para encontrar fontes da água, minérios e a usavam
também na agricultura.
Um rabdomante em seu ofício, de Pierre le Brun em Histoire
critique des pratiques superstitieuses (Jean-Frédéric Bernard, No século XVIII, em 1780, os médicos Dr. Thouvenel
1733–1736). e Dr. Bleton escrevem o livro “Memória física e me-
dicinal”, demonstrando as relações entre a forquilha, o
magnetismo e a eletricidade.
Radiestesia ou radioestesia é uma hipotética
sensibilidade a determinadas radiações, como energias Em 1890, os abades Mermet e Bouly inventam o termo
emitidas por seres vivos e elementos da natureza. As radiestesia.
aplicações são, por exemplo, feitas por pessoas que Em 1929 é criada a Associação Francesa dos Amigos da
dizem poder determinar o local exato onde há poços de Radioestesia, que contava com a participação de vários
água subterrâneos com apenas uma vareta de madeira, ou cientistas das melhores academias de ciências da época.
pessoas que dizem poder encontrar alguém desaparecido Desde então esta ciência tem ganhado inúmeros adeptos,
com um pêndulo e um mapa. crescendo muito no domínio da medicina, da psicologia,
A radioestesia é uma pseudociência. Seus defensores, na harmonização de casas e terrenos.
entretanto, afirmam possuir a capacidade de captar ra- Acreditam igualmente que exista um campo magnético
diações e energias emitidas por quaisquer objetos. Esta terrestre que provoque um radiação, que possam mover
habilidade permitiria aos radiestesistas (geralmente com na terra certas linhas ou correntes telúricas como se fos-
o auxílio de bastões, pêndulos e outros instrumentos) en- sem uma rede a fazer cruzamentos entre elas, originando

115
116 CAPÍTULO 31. RADIESTESIA

a teoria das Linhas Ley assim como das linhas Hartmann essa característica - além de outros supostos mistérios pa-
e Curry, estudadas por Ernst Hartmann e Manfred Curry ranormais, como a brincadeira do copo.
respectivamente, que possam ter influência em todos os Alega-se também que a aparente taxa de acerto elevada
seres vivos. é causada pelo viés de confirmação - quando lembram-
se dos acertos como evidência de funcionamento de uma
hipótese, e os erros não são mencionados. Essa supos-
31.3 Críticas tamente seria uma tendência natural da mente humana e
não necessariamente aplicada de má-fé pelos proponen-
tes; contudo, a ciência prende-se pela objetividade e não
Recentemente, uma pesquisa[1] foi realizada em Kassel, pela intuição.
na Alemanha, sob a direção da Gesellschaft zur Wis-
senschaftlichen Untersuchung von Parawissenschaften
(GWUP) [Sociedade para a Investigação Científica das
Paraciências]. O teste de cerca de 30 radiestesistas con- 31.4 Referências
sistia de canos enterrados a 50 centímetros, por onde água
poderia ser controlada e direcionada. Na superfície, a po- [1] GWUP-Psi-Tests 2004: Keine Million Dollar für PSI-
Fähigkeiten (em alemão).GWUP-Psi-Tests 2004: Keine
sição de cada cano foi demarcada com uma fita colorida,
Million Dollar für PSI-Fähigkeiten (em inglês).
portanto tudo o que os radiestesistas deveriam fazer era
indicar se havia ou não água correndo pelo cano. Todos [2] Congresso Cubano de Geologia (em Português).
assinaram um atestado concordando que aquele era um
teste justo de suas habilidades e que esperavam 100% de
acerto. Os resultados não foram melhores do que aqueles 31.5 Ligações externas
que seriam esperados pelo acaso.
James Randi por muitos anos ofereceu o Desafio Pa- • Radiestesia o uso do pêndulo radiestesico (em
ranormal de Um Milhão de Dólares, em que a Funda- inglês)
ção Educacional James Randi oferece um milhão de dó-
lares a quem demonstrar evidências de qualquer efeito • James Randi Educational Foundation (em inglês)
paranormal sob condições controladas. Os candidatos re-
• Definições de Radiestesia (em português)
alizam testes preliminares (projetados por eles mesmos
em concordância com a fundação), e aqueles que pas- • Artigo sobre Radiestesia no Projeto Ockham (em
sam dos testes preliminares realizam o teste formal para inglês)
concorrer ao milhão de dólares. Até hoje, das centenas
de candidatos que realizaram os testes - incluindo dúzias • Associação Brasileira de Radiestesia e Radiônica
de radiestesistas realizando testes similares ao descrito (em inglês)
acima - nenhum sequer passou dos testes preliminares.
• Secrets of Physical Radiesthesia

31.3.1 Estudos científicos

A radioestesia não prova ser uma ciência no sentido es-


trito, pois, como mencionado anteriormente, não há da-
dos que corroborem as hipóteses dos proponentes. Todos
os experimentos conduzidos seguindo o método cientí-
fico demonstraram que o uso de técnicas de radioestesia
não aumenta a probabilidade de que seja encontrada água
no solo estudado, por exemplo.
Porém, mesmo existindo divergências sobre sua eficácia
a radioestesia conseguiu ser aceita pela Academia de Ci-
ências de Cuba, e ser incluída em 2009 entre os temas
debatidos no VIII Congresso Cubano de Geologia[2] .

31.3.2 Outras possíveis explicações

Alega-se que o movimento dos bastões dos radiestesistas


é causado pelo efeito ideomotor, conhecido e compro-
vado há mais de um século, que supostamente explicaria
Capítulo 32

Meditação

A divulgação das práticas de meditação no mundo con-


temporâneo recebeu uma grande contribuição das técni-
cas milenares preservadas pelas diversas culturas tradi-
cionais do oriente. Uma das escolas em que ela evoluiu
independentemente foi o sufismo. Nas filosofias religio-
sas do oriente é uma prática típica, como no bramanismo,
no budismo, no tantra e no jainismo, bem como nas artes
marciais, como o i-chuan e o tai chi chuan. Em muitos
casos a meditação é vista como um estado que ultrapassa
o intelecto, onde a mente pode ser posta em silêncio, em
outros a mente pode ter seu 'barulho' contemplado como
caminho para a autocompreensão (caso mais comum em
meditações tipicamente budistas)[2] . Meditar tem origem
em 'volta ao centro' (“meio”, daí “meditar”).

32.1 Terminologia
A palavra meditação vem do latim meditare, que sig-
nifica “voltar-se para o centro no sentido de desligar-se
do mundo exterior” e “voltar a atenção para dentro de
si”. Em sânscrito, é chamada dhyana e é obtida pelas
técnicas de dharana (concentração). Na língua chinesa,
Estátua de Shiva, Deus hindu da meditação, meditando na
dhyana tornou-se Ch'anna, termo que sofreu uma con-
posição de lótus tração e tornou-se Ch'an (Zen, em japonês). Em páli,
é jhana. Significa “concentrar intensamente o espírito
em algo”. Outro termo em páli também utilizado para
Segundo o Dicionário Aurélio, meditação pode tanto referir-se [3]
a meditação é bhavana, que significa 'cultivo'
significar um ato de intensa concentração da mente em
um assunto quanto a elaboração de um processo mental
discursivo: nesse último caso, opõe-se à contemplação.[1]
É comumente associada a religiões orientais, embora, se- 32.2 Definição
gundo a definição do Dicionário Aurélio, o termo mais
correto no caso seria “contemplação”, pois se refere a
um processo mental não discursivo. Há dados históri- A definição de meditação pode variar de acordo com o
cos comprovando que ela é tão antiga quanto a huma- contexto em que se encontra, variando de qual religião
nidade. Não sendo exatamente originária de um povo tem origem ou se é usada de maneira secular. Algumas
ou região, desenvolveu-se em várias culturas diferentes distintas definições que normalmente são usadas para me-
e recebeu vários nomes. Floresceu no Egito (o mais an- ditação são:
tigo relato),[carece de fontes?] na Índia, entre o povo Maia etc.
Apesar da associação com as questões tradicionalmente • um estado que é vivenciado quando a mente se torna
relacionadas à espiritualidade, a meditação pode também vazia e sem pensamentos;
ser praticada como um instrumento para o desenvolvi-
mento pessoal em um contexto não religioso. • prática de focar a mente em um único objeto (por

117
118 CAPÍTULO 32. MEDITAÇÃO

exemplo: em uma estátua religiosa, na própria res-


piração, em um mantra);
• uma abertura mental para o divino, invocando a ori-
entação de um poder mais alto;
• contemplação da realidade e seus aspectos (como a
impermanência, para os Budistas)
• desenvolvimento de uma determinada qualidade
mental, como energia, concentração, plena atenção,
bondade, etc (mais comum em meditações budistas)
[4]

Ainda que algumas definições de 'meditação' usadas por


diferentes religiões pareçam bem diferentes e até mesmo
contraditórias, todas elas apontam para uma realidade in-
terior mais profunda e o desenvolvimento/compreensão
desta realidade.

32.3 Prática
Chacras, centros de energia cultivados na meditação segundo a
A prática de meditação pode ter inúmeras variantes tradição Tantra
quanto à postura do corpo, objeto de meditação e obje-
tivo da prática.
difícil de alcançar. Inúmeras posições de meditação po-
dem ser usadas como de joelhos, meio-lótus, birmanesa,
32.3.1 Objetivos etc.
Para a meditação em pé existem métodos que vêm con-
A meditação pode ser praticada por diversos motivos: quistando grande aceitação no ocidente, como a medita-
desde o simples relaxamento até a busca pelo nirvana. ção feita em pé conhecida como zhan zhuang, que, de-
Muitos praticantes da meditação têm relatado melhora vido a sua simplicidade e eficiência, é muito praticada
na concentração, consciência, autodisciplina e equanimi- na China e Europa. Ele é facilmente executado por pes-
dade. [5] soas com pouca flexibilidade e dificuldades nos joelhos e
coluna, melhorando inclusive a postura. Facilmente pra-
32.3.2 Objetos ticada em qualquer local, é um excelente método procu-
rado por muitos praticantes de artes marciais experientes
Os objetos utilizados para o foco na meditação podem ou mesmo iniciantes. Esta prática é muito efetiva na re-
ser desde a chama de uma vela[6] até a natureza do pró- dução do estresse.
prio corpo[7] . Mantras são um objeto de meditação muito
comum, como por exemplo os mantras utilizados no
hinduísmo, e até mesmo a recitação do rosário na tradi-
ção cristã pode ser considerada uma forma de meditação
com mantra.

32.3.3 Postura
A meditação pode ser realizada em todas as posturas,
seja deitado, sentado, em pé ou andando variando pelo
contexto onde é ensinada. A posição sentada é adotada
normalmente por ser considerada a mais fácil, onde o
corpo se encontra em repouso mas ainda alerta. A fa- Prática da postura da árvore, forma de meditação em pé consi-
mosa 'Posição de lótus completo' (o pé esquerdo apoiado derada uma das práticas fundamentais do tai chi pai lin
sobre a coxa direita e o pé direito apoiado sobre a coxa
esquerda.) se difundiu muito como sinônimo de medita- Na tradição budista theravada é comum encontrar prá-
ção por ser usada no ioga como uma posição ideal de me- tica da meditação andando, que é vista como uma postura
ditação, onde mantém o corpo estável, sendo entretanto onde se desenvolve concentração em movimento, energia
32.5. BIBLIOGRAFIA 119

para a mente e vitalidade para o corpo.[8] 32.5 Bibliografia

32.3.4 Duração 32.6 Referências


Normalmente não há um tempo mínimo preestabelecido. [1] FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portu-
Pode-se iniciar com um período de poucos minutos e, guesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986.
conforme se aperfeiçoa, esse tempo pode aumentar até p. 1 110.
para horas, dias, ou em casos excepcionais, até meses,
como foi o caso de Palden Dorje. É importante ressaltar [2] http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_
que a frequência da prática também influencia muito os theravada/satipatthana_vipassana.php
resultados. [3] http://www.acessoaoinsight.net/glossario.php#bhavana

[4] http://www.acessoaoinsight.net/meditacao.php
32.4 Ver também [5] http://www.castroalves.br/drjair/meditacao_
fundamentos_cientificos.pdf
• Meditação budista
[6] http://www.prakritiyoga.com.br/roteiromeditacao.php
• Meditação cristã
[7] http://www.acessoaoinsight.net/sutta/MN119.php
• Meditação de Transmissão
[8] http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_
• Meditação Transcendental theravada/andando.php
• Ascensão Ishaya
• American Psychiatric Association. (1994). Diag-
• Brahma nostic and Statistical Manual of Mental Disorders,
• Budismo fourth edition. Washington, D.C.: American Psy-
chiatric Association.
• I-Chuan
• Austin, James H. (1999) Zen and the Brain: Toward
• Yoga an Understanding of Meditation and Consciousness,
Cambridge: MIT Press, 1999, ISBN 0-262-51109-
• Osho
6
• Qigong
• Azeemi, Khwaja Shamsuddin (2005) Muraqaba:
• René Descartes The Art and Science of Sufi Meditation. Houston:
Plato, 2005, ISBN 0-9758875-4-8
• Rosa Cruz
• Carlson LE, Ursuliak Z, Goodey E, Angen M, Speca
• Sahaja Yoga
M. (2001) The effects of a mindfulness meditation-
• Samadhi based stress reduction program on mood and symp-
toms of stress in cancer outpatients: 6-month follow-
• Santo Inácio de Loyola up. Support Care Cancer. 2001 Mar;9(2):112-
23.PubMed abstract PMID 11305069
• Shri Mataji Nirmala Devi
• Tai Chi Chuan • Craven JL. (1989) Meditation and psychotherapy.
Canadian Journal of Psychiatry. Oct;34(7):648-53.
• Vidya Yoga PubMed abstract PMID 2680046
• Vipassana • Davidson RJ, Kabat-Zinn J, Schumacher J, Rosen-
kranz M, Muller D, Santorelli SF, Urbanowski F,
• Zabuton
Harrington A, Bonus K, Sheridan JF. (2003) Al-
• Zafu terations in brain and immune function produced
by mindfulness meditation. Psychosomatic Medi-
• Zazen cine 2003 Jul-Aug;65(4):564-70. PubMed abstract
PMID 12883106
• Zen
• Zhan Zhuang • Bennett-Goleman, T. (2001) Emotional Alchemy:
How the Mind Can Heal the Heart, Harmony Books,
• Atenção plena ISBN 0-609-60752-9
120 CAPÍTULO 32. MEDITAÇÃO

• Hayes SC, Strosahl KD, Wilson KG. (1999) Accep-


tance and Commitment Therapy. New York: Guil-
ford Press.

• Kabat-Zinn J, Lipworth L, Burney R. (1985) The


clinical use of mindfulness meditation for the self-
regulation of chronic pain. Journ. Behav. Medicine.
Jun;8(2):163-90. PubMed abstract PMID 3897551

• Kutz I, Borysenko JZ, Benson H. (1985) Meditation


and psychotherapy: a rationale for the integration of
dynamic psychotherapy, the relaxation response, and
mindfulness meditation. American Journal of Psy-
chiatry, Jan;142(1):1-8. PubMed abstract PMID
3881049

• Lazar, Sara W.; Bush, George; Gollub, Randy L.;


Fricchione, Gregory L.; Khalsa, Gurucharan; Ben-
son, Herbert (2000) Functional brain mapping of
the relaxation response and meditation [Autonomic
Nervous System] NeuroReport: Volume 11(7) 15 de
Maio 2000 p 1581–1585 PubMed abstract PMID
10841380

• Perez-De-Albeniz, Alberto & Holmes, Jeremy


(2000) Meditation: Concepts, Effects And Uses In
Therapy. International Journal of Psychotherapy,
March 2000, Vol. 5 Issue 1, p49, 10p

• Shalif, I. et al. (1985) Focusing on the Emotions of


Daily Life (Tel-Aviv: Etext Archives, 1990)

• Shapiro DH Jr. (1992) Adverse effects of meditation:


a preliminary investigation of long-term meditators.
Int. Journal of Psychosom. 39(1-4):62-7. PubMed
Abstract PMID 1428622

• Venkatesh S, Raju TR, Shivani Y, Tompkins G,


Meti BL. (1997) A study of structure of pheno-
menology of consciousness in meditative and non-
meditative states. Indian J Physiol Pharmacol.
1997 Apr;41(2): 149–53. PubMed Abstract PMID
9142560

• Osho (2006) Mente Tranqüila CELEBRIS, ISBN


85-89219-64-X

• Osho (2006) Meditações para o Dia VERUS EDI-


TORA LTDA, ISBN 85-7686-006-6
Capítulo 33

Ioga

ioga, compilada nos Ioga Sutras de Patanjali e conhe-


cida simplesmente como ioga no contexto da filosofia hin-
duísta, faz parte da tradição Samkhya.[11] Diversos ou-
tros textos hindus discutem aspectos da ioga, incluindo
os Vedas, os Upanixades, o Bagavadguitá, o Hatha Yoga
Pradipika, o Shiva Samhita e diversos Tantras.
A palavra sânscrita yoga tem diversos significados,[12] e
deriva da raiz yuj, que significa “controlar”, “jungir” ou
“unir”.[13] Algumas das traduções também incluem os
significados de “juntando”, “unindo”, “união”, “conjun-
ção” e “meios”.[14][15][16] Fora da Índia, o termo ioga cos-
tuma ser associado tipicamente com a hata-ioga e suas
asanas (posturas) ou como uma forma de exercício.
Iogue em postura de lótus praticando pranayama. Um(a) praticante avançado(a) da ioga é chamado de
iogue.

33.1 O vocábulo ioga

33.1.1 O termo ioga

No devanágari, alfabeto utilizado no sânscrito, o termo é


originalmente escrito desta forma: योग. Provém da raiz
sânscrita yuj, que significa “jungir”, “cangar”, “arrear”,
“atrelar”, “prender”, “juntar”. Quando se atrela o boi à
canga ou jugo, ou ainda quando se junta a parelha de ani-
mais, isto significa que se está colocando esses animais
em condições para o trabalho. Por isso, a raiz “yuj” tam-
bém significa “adequar”, “preparar” ou “utilizar”.
Prática de asana: Parshvakonasana / rája trikônásana. Nomen- A idéia de que a raiz “yuj” poderia significar “unir” no
claturas diferentes dependendo da linha do praticante. sentido de “integrar” (física ou misticamente) surge pos-
sivelmente a partir de uma afirmação vedantina que de-
Ioga ou yoga [1][2] (em sânscrito e páli: योग, IAST: yoga, fine o Ioga como a “união” entre o Jivatma e o Para-
AFI: [joːgə]) é um conceito que se refere às tradicionais matma, que na verdade passam a ser um só. Mas “yuk-
disciplinas físicas e mentais originárias da Índia.[3] A pa- tam” (que é o particípio passado desse verbo) não signi-
lavra está associada com as práticas meditativas tanto do fica “unido”, mas “atrelado”, “preparado” ou “adequado”.
budismo quanto do hinduísmo.[4][5] No hinduísmo, o con- Ioga interpretado como “união” nos meios vedantinos, ca-
ceito se refere a uma das seis escolas (āstika) ortodoxas rece de sentido principalmente no Advaita Vedanta, onde
da filosofia hindu e à sua meta rumo ao que esta escola tudo é Brâman, o Absoluto que abarca tudo o que existe,
determina como suas práticas.[6][7] então não há a necessidade de “união”, pois qualquer de-
Os principais ramos da ioga incluem a raja-ioga, carma- sunião, separação é mera ilusão (Maya), por isso há a
ioga, jnana-ioga, bacti-ioga e hata-ioga.[8][9][10] A raja- descoberta da união sempre existente, a descoberta de

121
122 CAPÍTULO 33. IOGA

Brahman em todas as coisas, inclusive no próprio indi- partem das diversas formas de se pronunciar a palavra ou
víduo. redigir o termo transliterado.
No Ioga Sutra essa interpretação de ioga como “união” A grafia adotada na Wikipédia é “ioga”, a forma aportu-
também carece de sentido, pois somos e sempre fomos guesada também utilizada nos dicionários. A exceção é
em essência o Purusha, a consciência incondicionada e para as citações e nomes próprios de livros ou linhagens,
eterna, que não precisa ser unida a nada, muito pelo con- para os quais foram mantidas as grafias originais adota-
trário precisa ser desidentificada dos processos fenome- das na literatura de cada modalidade. Por extensão, é
nológicos da natureza (Prakrti). adotada também a forma “iogue” para se designar o pra-
ticante de ioga. No entanto, há correntes de estudo que
evidenciam que o termo “iogue” deve referir-se apenas
33.1.2 Definições formais nas escrituras àquele que atingiu seu estado mais avançado na prática,
ficando o termo “ioguin” reservado a todos os praticantes
Os textos hindus que discutem aspectos da ioga incluem e aspirantes.
principalmente os Upanixades, o Bagavadguitá,o Hatha
Yoga Pradipika e o texto mais importante de todos, o Ioga
Sutra. 33.1.4 Pronúncia
No Bagavadguitá:
Na pronúncia do termo sânscrito, ouve-se a primeira e se-
"É dito que Ioga é equanimidade da mente”. (II, 48) “Ioga gunda letras (considerando a palavra transliterada para o
é a excelência nas ações”. (II, 50) alfabeto latino) soando rapidamente, o Ô fechado e uma
No Ioga Sutra: leve prolongação desta letra. O 'ga' é soado rapidamente
com o 'g' quase mudo. Podemos ouvir a pronúncia ideal
“Ioga é o recolhimento das atividades da mente” (I, 2)
da palavra no subcontinente indiano, principalmente na
Comentários de Vyasa aos Sutras de Patanjali: Índia, já que muitos termos derivados do sânscrito estão
“Ioga é Samadhi”. (I, 1) sendo preservados pelo hindi, idioma indo-ariano comu-
mente utilizado neste país.
Nos Upanixades:
Noutros países em que a filosofia vem sendo praticada
“Não conhece doença, velhice nem sofrimento aquele que com grande entusiasmo observa-se variações interessan-
forja seu corpo no fogo do Ioga. Atividade, saúde, li- tes. Na Argentina, a variação é encontrada na pronúncia
bertação dos condicionamentos, circunspecção, eloquên- CHôga, garantindo o som chiado do “y” falado nesta re-
cia, cheiro agradável e pouca secreção, são os sinais pelos gião. No Brasil, a divergência fonética é sobre a letra 'O'.
quais o Ioga manifesta seu poder.” Upanixade Shvetash-
vatara (II:12-13).
“A unidade da respiração, da consciência e dos sentidos, 33.2 Linhas
seguida pela aniquilação de todas as condições da exis-
tência: isso é o Ioga.” Upanixade Maitri, VI:25 Há dezenas de linhas diferentes de ioga no mundo,
“Quando os cinco sentidos e a mente estão parados, e a que propõem não necessariamente caminhos contraditó-
própria razão descansa em silêncio, então começa o cami- rios, mas sim diversos caminhos para alcançar o mesmo
nho supremo. Essa firmeza calma dos sentidos chama-se objetivo: o Samádhi, ou Iluminação da Consciência.
Ioga. Mas deve-se estar atento, pois o Ioga vem e vai.” Vários são os métodos e escolas para se atingir esta meta,
Upanixade Katha, VI porém ela sempre é o referencial. As escolas mais antigas
utilizam-se de métodos estritamente técnicos. As escolas
mais modernas tem uma conotação tendendo mais ao es-
33.1.3 Grafia
piritualismo, fruto da difusão do Vedanta na época medi-
Particularmente no Brasil, mas também em Portugal e ou- eval. Desenvolveu-se ao longo da história no oriente, par-
tros países, há uma certa polêmica em relação à ortografia ticularmente na Índia, e que nos dias de hoje está ampla-
do termo, devido às inúmeras convenções utilizadas para mente difundido no mundo todo, inclusive no ocidente.
a transliteração de idiomas escritos em caracteres dife- Algumas linhas de ioga são: Ashtanga Vinyasa Yoga,
rentes dos latinos, como o grego, o hebraico e as línguas Bhakti Yoga, Hatha Yoga, Iyengar Yoga, Jñana Yoga,
da Índia. As grafias atualmente propostas aparecem Karma Yoga, Kriya Yoga, Raja Yoga, Raja Vidya Yoga,
em quase todas as variações possíveis: “yôga”, “yoga”, Siddha Yoga, Tantra Yoga, Kundalini Yoga, Prakriti
“yóga” e, por fim, “ioga”, única forma em língua portu- Yoga entre outras.
guesa que é considerada ortograficamente correta [17] . Na Índia, país de origem da ioga, os mestres
No Ocidente, alguns autores diferenciam conceitual- Krishnamacharya (B.K.S. Iyengar, Pattabhi Jois e
mente a palavra dependendo de sua grafia. Ironicamente, Desikachar), Swami Sivananda, Gurudeva, Swami
apesar de a palavra significar união, as diferenças também Vivekananda e Sri Aurobindo são algumas das principais
33.2. LINHAS 123

referências. mais diversas maneiras, por comentadores. O primeiro


comentador, além de mais famoso e autorizado, do Ioga
Sutra é Vyása em seu Iogabasya, obra de 500 a 850 d.C.
33.2.1 Ioga Sutra de Patañjali
Ashtanga: os oito pilares da ioga clássica

Referidos como componentes ou etapas, são passos que


se sobrepõem à medida que se avança no caminho. São:

• 1 - Yama ou refreamentos
• 1.1 -Ahimsa ou não violência
• 1.2 -Satya ou não mentir
• 1.3 -Asteya ou não roubar
• 1.4 -Brahmacharya ou não dissipar a
sexualidade
• 1.5 -Aparigraha ou não cobiçar
• 2 - Niyama ou auto-observações
• 2.1 -Saucha ou limpeza
• do corpo: alimentação, limpezas corpo-
rais (shat-karma) e pranayama.
• da mente, do intelecto, das emoções
• do lugar em que se pratica ioga
• 2.2 -Santosha ou autocontentamento
• 2.3 -Tapas ou autosuperação
• esforço do corpo, da fala e da mente
• 2.4 -Svadhyaya ou autoestudo
• 2.5 -Ishvara pranidhama ou autoentrega

Lahiri Mahāśaya sentado em lótus. Foto do livro Autobiografia • 3 - Asana ou posições psicofísicas
de um iogue, de Paramahamsa Yogananda
• 4 - Pranayama ou expansão (ayama) da força vital
A obra Ioga Sutra de Pátañjali (300 a 200 a.C.) é um tra- (prána) através de exercícios respiratórios
tado clássico da filosofia ióguica e contém seus principais • 5 - Pratyahara ou abstração dos sentidos externos
aspectos[18] . O sistema filosófico do Ioga como exposto
no Ioga Sutra aceita a psicologia, metafísica e fenomeno- • 6 - Dharana ou concentração mental
logia da escola Samkhya, por isso pode-se dizer que são
duas escolas irmãs, diferenciando apenas no uso do Ísh- • 7 - Dhyana ou meditação
vara (Senhor, um Purusha nunca afetado pela Prakrti) • 8 - Samadhi ou absorção meditativa
que o Ioga usa para uma pratica chamada Íshvara pra-
nidhána, entretanto o Samkhya não consegue provar ou
não provar sua existência. Obstáculos: Nove dispersões mentais
A obra foi escrita em sânscrito, e oferecem uma série de
Patañjali enumera nove obstáculos ao yoga (Sutra 1.30)
desafios, pois os sutras (literalmente “fio condutor”) são
que são dispersões ou oscilações mentais, embora outros
aforismos sintéticos, curtos, alguns são tão sintéticos que
fatos não enumerados também possam ser considerados
chegam a ser obscuros. Feitos assim, eles deviam ser de-
obstáculos.
corados pelos alunos e discípulos. E além disso há no
texto o uso de diversos termos chave sem sua formaliza-
ções, principalmente provenientes do sistema Samkhya • 1 - Doença, desequilíbrio do corpo-mente
que é tomado como base. Por esses motivos o Ioga Su- • 2 - Apatia, inércia da consciência
tra se torna de difícil entendimento por aqueles que não
fazem parte da cultura do ioga. Assim o Ioga Sutra foi • 3 - Dúvida, conhecimento que oscila entre os pares
vastamente traduzido e interpretado durante séculos das de opostos
124 CAPÍTULO 33. IOGA

• 4 - Negligência, falta de investigação dos meios de 33.4 Referências


se alcançar o Ioga
[1] ILTEC
• 5 - Preguiça, ausência de esforço do corpo e da
mente [2] Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa

• 6 - Incontinência, apetite da consciência pelo gozo [3] Para o uso da palavra na literatura páli, veja Thomas Wil-
dos sentidos liam Rhys David, William Stede, Pali-English dictionary.
Motilal Banarsidass Publ., 1993, page 558:
• 7 - Percepção errônea ou noção incerta, vem do co-
nhecimento errôneo (viparyaya) [4] Lardner Carmody, Denise e Carmody, John. Serene Com-
passion. Oxford University Press US, 1996, page 68.
• 8 - Não-realização das etapas, é a falha em se alcan-
çar os estados do Ioga [5] Sarbacker, Stuart Ray. Samadhi: The Numinous and Ces-
sative in Indo-Tibetan Yoga. SUNY Press, 2005, pages
• 9 - Instabilidade, é a não estabilização da consciência 1-2.

[6] “O ioga tem cinco significados principais: 1) ioga como


Aparecem junto com essas dispersões (Sutra 1.31):
método disciplinar para atingir uma meta; 2) ioga como
técnica para controlar o corpo e a mente; 3) ioga
• 1 - Sofrimento como nome de uma das escolas ou sistemas de filosofia
(darśana); 4) ioga aliada a outros termos, como hatha-,
• 2 - Angústia, devido a não satisfação de um desejo mantra-, and laya-, referindo-se às tradições especializa-
das em técnicas específicas do ioga; 5) ioga como meta da
• 3 - Agitação do corpo prática de ioga.” Jacobsen, p. 4.

• 4 - Inspiração, uma respiração agitada, sem ritmo, [7] Monier-Williams inclui "é o segundo dos dois sistemas
Sāṃkhya,” e “abstração mental praticada como um sis-
não-profunda, rápida, irregular é sintoma de uma
tema (tal como foi ensinado por Patañjali, e chamado de
mente ainda dispersa
filosofia ioga)" em suas definições de “ioga”.
• 5 - Expiração
[8] Pandit Usharbudh Arya (1985). The philosophy of hatha
yoga. Himalayan Institute Press; 2nd ed.
Para preveni-las, deve-se praticar disciplina (abhyása) so-
bre um princípio (tattva) qualquer (Sutra 1.32). [9] Sri Swami Rama (2008) The royal path: Practical lessons
on yoga. Himalayan Institute Press; New Ed edition.

[10] Swami Prabhavananda (tradutor), Christopher Isherwood


33.3 Ioga no Brasil (tradutor), Patanjali (autor). (1996). Vedanta Press; How
to know god: The yoga aphorisms of Patanjali. New Ed
edition.

[11] Jacobsen, p. 4.

[12] Para uma lista de 38 significados da palavra "yoga", veja:


Apte, p. 788.

[13] Flood (1996), p. 94.

[14] Para os significados de “juntando” e “unindo”, “união” e


“junção”, veja Apte, p. 788.

[15] Para “modo, maneira, meio”, veja : Apte, p. 788, defini-


ção 5.

[16] For “expedient, means in general”, see: Apte, p. 788,


O instrutor brasileiro Márcio Rossetti, adepto do SwáSthya Yôga definition 13.
sistematizado de DeRose
[17] http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/
No Brasil existem diversas linhas de ioga, incluindo to- Duvida-Linguistica.aspx?DID=522
das as citadas acima, cada uma com suas conceituações
filosóficas e práticas. [18] Martins (2014)
33.6. VER TAMBÉM 125

33.5 Bibliografia • Mittra, Dharma Sri. Asanas: 608 Yoga Poses. 1st
ed. California: New World Library 2003.
• Apte, Vaman Shivram. The Practical Sanskrit Dic- • Müller, Max. Six Systems of Indian Philosophy;
tionary. Delhi: Motilal Banarsidass Publishers, Samkhya and Yoga, Naya and Vaiseshika. Calcutta:
1965. ISBN 81-208-0567-4 (fourth revised & enlar- Susil Gupta (India) Ltd., 1899. ISBN 0-7661-4296-5
ged edition). Reprint edition; Originally published under the title
of The Six Systems of Indian Philosophy.
• Chang, Garma C.C. Teachings of Tibetan Yoga.
New Jersey: Carol Publishing Group, 1993. ISBN • Patañjali. Yoga Sutras of Patañjali. [S.l.]: Studio 34
0-8065-1453-1 Yoga Healing Arts, 2001.

• Chatterjee, Satischandra; Datta, Dhirendramohan. • Possehl, Gregory. The Indus Civilization: A Con-
An Introduction to Indian Philosophy. Eighth Re- temporary Perspective. [S.l.]: AltaMira Press, 2003.
print Edition ed. Calcutta: University of Calcutta, ISBN 978-0759101722
1984. • Radhakrishnan, S.; Moore, CA. A Sourcebook in In-
dian Philosophy. [S.l.]: Princeton, 1967. ISBN 0-
• Donatelle, Rebecca J. Health: The Basics. 6th ed.
691-01958-4
San Francisco: Pearson Education, Inc. 2005.
• Saraswati, swami satyananda. November 2002
• Eliade, Mircea Yoga, imortalidade e liberdade, trad. (12th edition). “Asana Pranayama Mudra Bandha”
Teresa de Barros Velloso, Palas Athena, 3a. edição ISBN 81-86336-14-1
2004. ISBN 85-7242-014-2
• Taimni I.K. A ciência do yoga - comentário sobre
• Feuerstein, Georg A tradição do yoga - história, lite- os Yoga Sutras de Patanjali, trad. Milton Lavra-
ratura, filosofia e prática Editora Pensamento, 2001. dor, Editora Teosófica, 4a. edição 2006 ISBN 85-
ISBN 85-315-1197-6 85961-01-5 (publicação original 1961, The Teo-
sophical Publising House, Adyar, India ISBN 81-
• Flood, Gavin. An Introduction to Hinduism. Cam- 7059-212-7)
bridge: Cambridge University Press, 1996. ISBN
0-521-43878-0 • Usharabudh, Arya Pandit. Philosophy of Hatha
Yoga. 2nd ed. Pennsylvania: Himalayan Institute
• Gambhirananda, Swami. Madhusudana Sarasvati Press 1977, 1985.
Bhagavad_Gita: With the annotation Gūḍhārtha Dī-
pikā. Calcutta: Advaita Ashrama Publication De- • Vivekananda, Swami. Raja Yoga. Calcutta: Advaita
partment, 1998. ISBN 81-7505-194-9 Ashrama Publication Department, 1994. ISBN 81-
85301-16-6 21st reprint edition.
• Gomes, Horivaldo. Yoga integral, Pallas Editora,
• Zimmer, Heinrich, Filosofias da Índia, compilado
Rio de Janeiro, 1993.
por Joseph Campbell, trad. Nilton Almeida Silva,
• Harinanda, Swami. Yoga and The Portal. [S.l.]: Jai Cláudia Giovani Bozza e Adriana Facchini de Cé-
Dee Marketing. ISBN 0978142950 sare. Editora Palas Athena, São Paulo, 1986 (pu-
blicação original: Philosophies of India, Princeton
• Iyengar, B. K. S. A luz da Ioga, trad. Norberto de University Press, 1951, Bollingen Series XXV ISBN
Paula Lima, Editora Cultrix, São Paulo. 0-691-01758-1)

• Jacobsen, Knut A. (Editor); Larson, Gerald James


(Editor). Theory And Practice of Yoga: Essays in 33.6 Ver também
Honour of Gerald James Larson. [S.l.]: Brill Aca-
demic Publishers, 2005. ISBN 9004147578 (Studies
• Yogini
in the History of Religions, 110)
• Anexo:Lista de iogues
• Keay, John. India: A History. New York: Grove
Press, 2000. ISBN 0-8021-3797-0

• Martins, Roberto de Andrade. O Yoga tradicional de 33.7 Ligações externas


Patañjali: o Rāja-Yoga segundo o Yoga-Sūtra e ou-
tros textos indianos clássicos. São Paulo: Shri Yoga • Yoga Sutras de Patanjali em tradução para o portu-
Devi, 2012. guês.
• Hatha Yoga Pradipika Tradução de Pedro Kupfer.
• Michaels, Axel. Hinduism: Past and Present. Prin-
PB, Ed. PDF Shri Yoga Devi, acesso em Julho,
ceton, New Jersey: Princeton University Press,
2014
2004. ISBN 0-691-08953-1
126 CAPÍTULO 33. IOGA

33.8 Fontes, contribuidores e licenças de texto e imagem


33.8.1 Texto
• Psicoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Psicoterapia?oldid=42490718 Contribuidores: Rui Silva, RobotQuistnix, OS2Warp,
Chobot, Adailton, YurikBot, FlaBot, Eduardoferreira, Missionary, Orlando, LijeBot, Bemelmans, CostaPPPR, TarcísioTS, BMel, Econt,
Yanguas, Thijs!bot, Belanidia, BOT-Superzerocool, Fabio Rocha, TXiKiBoT, SieBot, Slomp, YonaBot, Rhamon83, DorganBot, LeoBot,
Machado2k, EternamenteAprendiz, Damago, Feigenhain, OffsBlink, Louperibot, Numbo3-bot, Mr.Yahoo!, Luckas-bot, Taliban77, Ea-
maral, SAM1981, Xqbot, Darwinius, RibotBOT, TobeBot, Eduardo P, Viniciusmc, Capitão Pirata Bruxo, EmausBot, ZéroBot, Jbribeiro1,
Andreenka, Stuckkey, Nicola Gianinazzi, Gonçalo Magalhaes, Zoldyick, Dr. Sandro Tubini, Jml3, Jabukaman, Addbot e Anónimo: 44
• Psicodiagnóstico Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Psicodiagn%C3%B3stico?oldid=43831587 Contribuidores: Belanidia, Barão de
Itararé, Viniferreirat, Feigenhain, Xqbot, Rubinbot, LucienBOT, Faustino.F, RedBot, Tuga1143, KLBot2, Tamaracris e Anónimo: 1
• Psicopatologia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Psicopatologia?oldid=43634530 Contribuidores: Beto, João Carvalho, OS2Warp, Yu-
rikBot, FlaBot, Jorge Morais, Xandi, CostaPPPR, Dpc01, Thijs!bot, Cadum, Rei-bot, Aimee77, Gunnex, VolkovBot, SieBot, Mdagord,
Sérgio Sardinha, Trotz, Viniferreirat, BOTarate, LiaC, Feigenhain, Fabiano Tatsch, Numbo3-bot, WikiDreamer Bot, Salebot, Arthur-
Bot, D'ohBot, Joaomario57, Vinimr, HVL, Cohen21, EmausBot, WikitanvirBot, MerlIwBot, Antero de Quintal, Jml3, Mirelli Navarra,
DocElisa, Addbot e Anónimo: 20
• Psicossomática Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Psicossom%C3%A1tica?oldid=42543186 Contribuidores: LeonardoRob0t, 555, Le-
onardo.stabile, Jo Lorib, CostaPPPR, Leonardo Ferreira Fontenelle, Vigia, GRS73, Daimore, JAnDbot, Wikicurious, Claudio Rogerio
Carvalho Filho, EuTuga, VolkovBot, Jorgedemoraes, SieBot, Sailko, Tetraktys, BOTarate, Wikidieter, EternamenteAprendiz, Melancho-
lieBot, Ericoazevedo, Ptbotgourou, Salebot, Xqbot, GhalyBot, Suuma, Rubinbot, RibotBOT, Wmagaldi, RedBot, Viniciusmc, EmausBot,
ZéroBot, Salamat, Medicus, Vonoserbizky Spartacus, DocElisa, Addbot, Avelino Luiz Rodrigues e Anónimo: 26
• Psicopedagogia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Psicopedagogia?oldid=43041674 Contribuidores: LeonardoRob0t, Angrense, Adail-
ton, Jpiccino, Roberto Cruz, Martiniano Hilário, Leonardo.stabile, RodrigoSampaioPrimo, Souza Coelho, Rei-bot, Chastity, Ródi, Alchi-
mista, Gunnex, Eleefecosta, Teles, Fábio Carvalho Sexto, Chafic Jbeili, Feigenhain, Catiuscia~ptwiki, Ptbotgourou, Eamaral, GoeBOThe,
Sputinik14, Skyhellion, JotaCartas, PsicopedagogoBeauclair, MastiBot, ABPed, Aleph Bot, Érico, FSAJ, Colaborador Z, MerlIwBot, Ní-
blia Soares, Legobot, Holdfz e Anónimo: 34
• Filosofia clínica Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Filosofia_cl%C3%ADnica?oldid=43251478 Contribuidores: Saurater, OS2Warp,
Marconatto, Jo Lorib, Marcelo Victor, Rei-bot, Dr.Stefano, Daimore, Ródi, Barão de Itararé, Eric Duff, EuTuga, Gunnex, Yone Fernandes,
Vitor Mazuco, Fabiano Tatsch, ChristianH, Salebot, Stegop, HVL, Sendtko, Épico, Gilmar FrentsBeyforg, Addbot, Héliofs e Anónimo: 28
• Terapia ocupacional Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Terapia_ocupacional?oldid=42998347 Contribuidores: Lusitana, Nuno Tava-
res, RobotQuistnix, OS2Warp, Triallus, Lijealso, JLCA, Arges, Chicocvenancio, Érima, TarcísioTS, João Sousa, Rejanepim, Yanguas,
Thijs!bot, Mario Battisti, Dr.Stefano, Daimore, Streladamanha, VolkovBot, SieBot, Vapmachado, Blamed, AlleborgoBot, Rodfrade, Pipep-
Bot, Burmeister, Alexandrepastre, Cprodrigues, Ebalter, LiaC, Vitor Mazuco, Maurício I, Luckas-bot, Gustavob, Marifulfaro, Amirobot,
Ptbotgourou, Vanthorn, Salebot, MarcoAurelio, Vardock, Ajmarafuga, Jorge Olliveira, Darwinius, Rjbot, Marcos Elias de Oliveira Júnior,
ChuispastonBot, WikitanvirBot, Leytor, KLBot2, Taiane Arruda, Cristiano otavio, PauloMSimoes, Leon saudanha, Isaac Ezekees Cruz e
Anónimo: 43
• Terapia holística Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Terapia_hol%C3%ADstica?oldid=43791644 Contribuidores: Hgfernan, Jo Lorib,
Bisbis, Stego, Observador2001, Simone Kobayashi, Pietro Roveri, Jemart, Salebot, FMTbot, Stuckkey, Colaborador Z, DARIO SEVERI
e Anónimo: 10
• Terapia gestalt Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Terapia_gestalt?oldid=43738218 Contribuidores: JoaoMiranda, Jorge~ptwiki,
JMGM, Mschlindwein, LeonardoRob0t, NTBot, RobotQuistnix, Fenice~ptwiki, OS2Warp, Zwobot, YurikBot, LijeBot, Henrique Gomes
da Silva, Thijs!bot, JAnDbot, Aibot, VolkovBot, SieBot, Tosão, Elhaim~ptwiki, Alexbot, Damago, Feigenhain, Luis.callegario, Luckas-
bot, Túrelio, MystBot, Salebot, ArthurBot, Solstag, DSisyphBot, Mobyduck, Xqbot, JotaCartas, BenzolBot, D'ohBot, Escoria79, ZéroBot,
Andycor, Stuckkey, MerlIwBot, Zoldyick, Legobot, Holdfz, Rodrigolopesbot, Alexvbrito e Anónimo: 24
• Terapia cognitivo-comportamental Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Terapia_cognitivo-comportamental?oldid=42643823 Contri-
buidores: Lijealso, Fasouzafreitas, Rachmaninoff, Missionary, Leonardo.stabile, Uniemelk, João Sousa, Yanguas, Rei-bot, JAnDbot, Barão
de Itararé, VolkovBot, Leandro LV, Orelhas, Viniferreirat, Luciaccoelho, Schepop~ptwiki, EternamenteAprendiz, Feigenhain, ThrasherÜ-
bermensch, Tosqueira, Thompson Cysneiros, RamissesBot, Xqbot, TaBOT-zerem, Rubinbot, Felipemp93, Dinamik-bot, Viniciusmc,
ChuispastonBot, WikitanvirBot, KLBot2, Rafaelpavani, Marcosshrp, KirkWhalum666 e Anónimo: 27
• Logoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Logoterapia?oldid=42964272 Contribuidores: Rnbastos, Rei-artur, Bonás, FlaBot, Ma-
lafayaBot, Thijs!bot, Rei-bot, JAnDbot, Gunnex, SieBot, Pelagio de las Asturias, AlleborgoBot, SilvonenBot, Vitor Mazuco, SpBot, Ea-
maral, Salebot, ArthurBot, Xqbot, Msasscts, Escoria79, EmausBot, MerlIwBot, Legobot, Jacob Kutschenko, Mauro Gonçalves Camara e
Anónimo: 8
• Teoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Teoterapia?oldid=43417720 Contribuidores: Gabrielle Mendonça
• Arte terapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arte_terapia?oldid=43809046 Contribuidores: LeonardoG, Lusitana, Clari~ptwiki,
OS2Warp, Nbiagiojr, Jo Lorib, TarcísioTS, Rei-bot, BOT-Superzerocool, JSSX, Stego, Francisco Leandro, Dornicke, Tetraktys, BOTarate,
Vitor Mazuco, Maurício I, Louperibot, ChristianH, LinkFA-Bot, Salebot, Gean, Jorge Olliveira, Onjacktallcuca, Jocélia Souza, MastiBot,
FMTbot, EmausBot, ZéroBot, Érico, Queeste, MerlIwBot, PauloEduardo, Hannah Livys, Dexbot, Makecat-bot, Legobot, Ana7000, Estu-
domuito e Anónimo: 38
• Musicoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Musicoterapia?oldid=43797333 Contribuidores: Mschlindwein, NTBot, RobotQuist-
nix, Cralize, 333~ptwiki, OS2Warp, YurikBot, Porantim, Martiniano Hilário, FlaBot, Tilgon, LijeBot, Bemelmans, CostaPPPR, Nice
poa, FSogumo, Yanguas, Thijs!bot, Rei-bot, Anahage, Alchimista, Ebrandao, Bisbis, Mibaango, TXiKiBoT, VolkovBot, SieBot, Teles,
BotMultichill, Zdtrlik, Kaktus Kid, LeoBot, PixelBot, Eutiquio Fonseca, Lourencoalmada, Ruy Pugliesi, SpBot, ChristianH, Luckas-bot,
Gustavob, HerculeBot, Nallimbot, Ptbotgourou, Salebot, Yonidebot, ArthurBot, Coriakin, Lépton, Escoria79, Radioretro, Viniciusmc,
ZéroBot, Érico, Impro, Stuckkey, WikitanvirBot, Rsaltiel, MerlIwBot, Antero de Quintal, Mirelli Navarra, Samuel Luna, Legobot, MT-
Cristiana, Ixocactus, Ana Julia Mattos e Anónimo: 70
33.8. FONTES, CONTRIBUIDORES E LICENÇAS DE TEXTO E IMAGEM 127

• Cromoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cromoterapia?oldid=43791707 Contribuidores: RobotQuistnix, Bebeto maya, Poran-


tim, Jorge Morais, Xandi, Argenti, Yanguas, Thijs!bot, Rei-bot, Thiago R Ramos, Stego, Gunnex, VolkovBot, BotMultichill, ChristianH,
Luckas-bot, Felipesoaresrocha, Ptbotgourou, Salebot, Sem Nick, RedBot, TobeBot, EmausBot, Stuckkey, MerlIwBot, Legobot, Addbot,
Juan de Souza e Anónimo: 14
• Sonoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sonoterapia?oldid=41047145 Contribuidores: CostaPPPR, Onjacktallcuca e Anónimo:
1
• Fototerapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Fototerapia?oldid=43759471 Contribuidores: FSogumo, Yanguas, GRS73, Rhcastilhos,
Blamed, Luckas-bot, Amirobot, Vardock, Xqbot, Rubinbot, Hyju, Viniciusmc, Dri tai, Ebrambot, WikitanvirBot, MerlIwBot, KLBot2,
Antero de Quintal, Rodriguinhobs, Jml3, Justincheng12345-bot, RGJ, Jorge Guerra Pires, Dnribcosta, Cid yazigi sabbag e Anónimo: 5
• Eletroterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Eletroterapia?oldid=43300946 Contribuidores: Mschlindwein, Tschulz, Agil, Giro720,
OS2Warp, Bonás, Xandi, By Pimentinha, CostaPPPR, João Sousa, Rei-bot, Andrea godoy, Lourencoalmada, Stuckkey e Anónimo: 31
• Neurofeedback Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Neurofeedback?oldid=43441311 Contribuidores: Belanidia, LaaknorBot, Érico, KL-
Bot2, Makecat-bot, Pesquisa e Ensino e Anónimo: 4
• Parapsicoterapia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Parapsicoterapia?oldid=16497640 Contribuidores: Darwinius e Anónimo: 2
• Parapsicologia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Parapsicologia?oldid=43724944 Contribuidores: Carlosar~ptwiki, Samyr, Juntas,
LeonardoRob0t, CJ~ptwiki, Henriquevicente, NTBot, Arouck, RobotQuistnix, Aureliosjc, Jcmo, Clara C., André Koehne, Giro720,
OS2Warp, FML, Severino666, Vmadeira, Fasouzafreitas, YurikBot, Porantim, Roberto Cruz, Brunoslessa, FlaBot, Antonius Espertus,
Arges, Leonardo.stabile, Metaforico, Thijs!bot, Rei-bot, Ganesh, MSBOT, JSSX, Alchimista, Thiago R Ramos, Barão de Itararé, Ga-
labriel, TXiKiBoT, Brunosl, SieBot, Aureliomoraes, Lechatjaune, Ectoplasma~ptwiki, AlleborgoBot, Zdtrlik, Maañón, Amats, Observa-
dor2001, Louperibot, Demon Hunter, Numbo3-bot, LinkFA-Bot, AlnoktaBOT, Nallimbot, Salebot, ArthurBot, Lauro Chieza de Carvalho,
JEAR, Xqbot, RibotBOT, TobeBot, Alch Bot, EmausBot, Fernandosalvino, Reporter, Diovanimangia, Rodrigo Elias Cardoso, ELTONJH,
WikitanvirBot, Bruno Meireles, MerlIwBot, Dn200, Antero de Quintal, Igormsp, Épico, OliverPro, Zoldyick, AlchemistOfJoy, Dexbot,
Cainamarques, Legobot, Hightyp, Buddha88, Tenepes, Alex98, Ixocactus, Kyara12345 e Anónimo: 78
• Metapsíquica Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Metaps%C3%ADquica?oldid=39981420 Contribuidores: JMGM, Porantim, Roberto
Cruz, FlaBot, LijeBot, Dr.Stefano, Luiza Teles, Bisbis, ChristianH, WikitanvirBot, Legobot, Tenepes e Anónimo: 2
• Psicanálise Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Psican%C3%A1lise?oldid=43458728 Contribuidores: ArnoLagrange, JoaoMiranda, Ma-
nuel Anastácio, Joaotg, Philipi, Ppduarte, Rui Silva, E2mb0t, LeonardoRob0t, Quistnix, NTBot, RobotQuistnix, Analogisub, Leandromar-
tinez, André Koehne, 999, OS2Warp, Fasouzafreitas, YurikBot, Porantim, Fernando S. Aldado, Marcelhb, Martiniano Hilário, Methuse-
lah, FlaBot, Holyface, MalafayaBot, Eduardoferreira, Leonardo.stabile, LijeBot, Jo Lorib, CostaPPPR, TarcísioTS, João Sousa, FSogumo,
Thijs!bot, Rei-bot, Minivalley, Faboli, Daimore, Ródi, Alchimista, Nandoabreu, Eliezer de Hollanda Cordeiro, Luiza Teles, Afonso Ri-
beiro, MarceloB, BiaVB, BetBot~ptwiki, CommonsDelinker, E.de Hollanda Cordeiro, Luckas Blade, Rafael Florentino, TXiKiBoT, Tum-
nus, Gunnex, VolkovBot, SieBot, Francisco Leandro, Synthebot, Marylawton, Slomp, Babuche, Tam01, PipepBot, Jozeias3d, DorganBot,
Umaleatorio, Alexbot, LiaC, MelM, Cytisus striatus, Feigenhain, Pietro Roveri, Luckas-bot, Eamaral, Salebot, ArthurBot, Vitorvicente-
valente, ABRAFP, Xqbot, Lépton, Darwinius, RibotBOT, Zeostrauch, Ts42, Marvivmb, RedBot, AstaBOTh15, Vinimr, KamikazeBot,
HVL, TjBot, Ripchip Bot, Viniciusmc, EmausBot, ZéroBot, MetalBrasil, ChuispastonBot, Stuckkey, Arnie rj, CocuBot, PedR, MerlIwBot,
Antero de Quintal, Carvamau, Shgür Datsügen, Matheus Faria, Jml3, Jlcaon, Dexbot, Makecat-bot, Mirelli Navarra, Sabiusaugustus, Leon
saudanha, Legobot, Jabukaman, Holdfz, Antonio Roberto Silva e Anónimo: 152
• Logosofia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Logosofia?oldid=43671022 Contribuidores: Jorge~ptwiki, Patrick-br, Manuel Anastácio,
José Eugênio, Magasine, Osias, E2mb0t, LeonardoRob0t, Pedrassani, Get It, RobotQuistnix, JP Watrin, Poli~ptwiki, Leslie, Giro720,
OS2Warp, FML, Arges, Fabricioaguirre, LijeBot, Prss, Thijs!bot, Victor Lopes, CommonsDelinker, SieBot, Gtondello, GOE2, Amats,
LeoBot, Beria, Lourencoalmada, Rosiarp, ChristianH, Luckas-bot, Scytheh, Amirobot, Salebot, Gean, HVL, Dbastro, Lorranluiz, Stuckkey,
Akma72, Antero de Quintal, Legobot, Brunohc, Rodrigolopesbot e Anónimo: 115
• Noética Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/No%C3%A9tica?oldid=41642083 Contribuidores: Fasouzafreitas, GoEThe, Yanguas, Ródi,
Tetraktys, Lukenji, Gean, HVL, MerlIwBot, Zoldyick, Plasticinax, Ixocactus e Anónimo: 11
• Dianética Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dian%C3%A9tica?oldid=43013974 Contribuidores: OS2Warp, Lijealso, Porantim, Jo Lo-
rib, MachoCarioca, GRS73, JAnDbot, Alchimista, WaldirBot, Teles, RafaAzevedo, Shiryu500, Lourencoalmada, Feigenhain, Luckas-bot,
Ptbotgourou, Eamaral, Salebot, ArthurBot, DumZiBoT, TaBOT-zerem, Rjbot, Lucia Winther, Viniciusmc, Cientonetico, MerlIwBot, Raul
Caarvalho, Addbot, Astrolavo, Ana Caroline Campagnolo Bellei e Anónimo: 26
• Metafísica Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Metaf%C3%ADsica?oldid=43723331 Contribuidores: Sistema428, Robbot, Luis Dan-
tas, JMGM, Manuel Anastácio, Mschlindwein, Mrcl, Juntas, LeonardoRob0t, Alexg, Ziguratt, Whooligan, Dvulture, NTBot, JP Watrin,
333~ptwiki, João Carvalho, HumbertoDiogenes, Leinad-Z~ptwiki, Giro720, OS2Warp, Leonardo Teixeira de Oliveira, Cesarschirmer, Be-
legurth, YurikBot, Cícero, Fernando S. Aldado, Martiniano Hilário, MalafayaBot, Edrid, LijeBot, Rei-bot, Felipe P, Minivalley, Daimore,
MSBOT, Rossicev, Seewolf, JAnDbot, Alchimista, Pilha, Luiza Teles, Observatore, Fabio Rocha, Alexanderps, TXiKiBoT, Tumnus, Ai-
bot, VolkovBot, Brunosl, SieBot, Cambraia, Synthebot, Javali~ptwiki, Teles, Hamato, BotMultichill, AlleborgoBot, GOE, Tetraktys, José1,
Auréola, Heiligenfeld, Beria, Eu Sou, Jobs1, Alexbot, Lourencoalmada, Theus PR, Pietro Roveri, Vitor Mazuco, Luckas-bot, LinkFA-Bot,
Danielcz, Salebot, Camoens2, Matheus-sma, SuperBraulio13, Xqbot, Almabot, Darwinius, RibotBOT, TobeBot, DarwinBot, Aleph Bot,
EmausBot, Joao.pimentel.ferreira, JorgePP, Leomvpin, ChuispastonBot, Stuckkey, WikitanvirBot, Colaborador Z, MerlIwBot, Antero de
Quintal, Épico, Karoliineane, Bráulio B Neves, Shgür Datsügen, Zoldyick, AlchemistOfJoy, Dexbot, Raul Caarvalho, Prima.philosophia,
Legobot, Dark-Y, Ixocactus, Stanglavine, UsuárioAmericano e Anónimo: 129
• Mecânica quântica Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mec%C3%A2nica_qu%C3%A2ntica?oldid=43768080 Contribuidores: JoaoMi-
randa, Jorge~ptwiki, Cdang, Scott MacLean, Mschlindwein, Marcelo Reis, E2m, Angeloleithold, E2mb0t, LeonardoRob0t, Lusitana,
Usien~ptwiki, NTBot, RobotQuistnix, Leslie, Jcmo, Ciro~ptwiki, Leandromartinez, CSTAR, OS2Warp, Tiogalinha, Adailton, Nmsal-
gueiro, Život~ptwiki, Alessandro70, YurikBot, Gandhiano, Fernando S. Aldado, Bonás, FlaBot, Fabiolucas, EDULAU, Luís Felipe
Braga, MalafayaBot, Gabrielt4e, MetalFenix~ptwiki, Blacks, Dbolgheroni, Jo Lorib, He7d3r, Reynaldo, FSogumo, Thijs!bot, Rei-bot,
Beca~ptwiki, Escarbot, JAnDbot, Paulolima2711, Kleiner, Bisbis, Andrelz, Barão de Itararé, Py4nf, Rjclaudio, Bot-Schafter, Andre01e2,
EuTuga, Paraoale, TXiKiBoT, SieBot, Synthebot, Teles, Vini 175, Davialexsandro, AlleborgoBot, Cursocf, Avancorafael, Kaktus Kid, Le-
onardomio, Ribeiro Alvo, Arthemius x, Heiligenfeld, Munashii, Xzcaioxz, Acto~ptwiki, Georgez, Ruy Pugliesi, Freedom~ptwiki, Bodhi-
sattvaBot, SilvonenBot, Pietro Roveri, !Silent, Vitor Mazuco, Numbo3-bot, Luckas-bot, LinkFA-Bot, Nallimbot, Leosls, Vanthorn, Salebot,
128 CAPÍTULO 33. IOGA

Wikihelper~ptwiki, Lauro Chieza de Carvalho, Xqbot, Gean, Almabot, Olcyr, Faustino.F, OnlyJonny, TobeBot, Braswiki, Stegop, Marcos
Elias de Oliveira Júnior, KamikazeBot, Ripchip Bot, Alberto Fabiano, Aleph Bot, EmausBot, ZéroBot, Érico, Savh, Braswiki, Chuispaston-
Bot, Stuckkey, WikitanvirBot, CocuBot, MerlIwBot, Antero de Quintal, Ariel C.M.K., JLFSJUNIOR, Loamy, V 1500, Zoldyick, Matheus
Faria, Dexbot, Mirelli Navarra, Thepalerider2012, Prima.philosophia, Legobot, Victor20052014, Nakinn, O revolucionário aliado, Mur-
docbsb, Professor.RAF, SouoDT e Anónimo: 154
• Hipnose Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hipnose?oldid=43462000 Contribuidores: Rui Silva, Azevedo~ptwiki, Santana-freitas, NT-
Bot, Killian, RobotQuistnix, Rei-artur, Leandromartinez, AbinoamJr, OS2Warp, Lgrave, Palica, YurikBot, Cícero, Porantim, Rachma-
ninoff, FlaBot, Mosca, Arges, Dirceu Júnior, Dpc01, Koynonia, João Sousa, He7d3r, Vigia, George Toth OliSan, Yanguas, Anarchos,
Thijs!bot, Rei-bot, GRS73, Escarbot, Biologo32, Dr.Stefano, JSSX, BetBot~ptwiki, Julianopozati, Tcherenato, Beremiz, TXiKiBoT, Vol-
kovBot, SieBot, BotMultichill, Mário Henrique, AlleborgoBot, GOE, STBot~ptwiki, Jaeventos, TruthBeTold~ptwiki, PixelBot, Sua Mente,
HMGalvão, Alexbot, BodhisattvaBot, Pietro Roveri, Vitor Mazuco, Maurício I, Numbo3-bot, Luckas-bot, LinkFA-Bot, Ptbotgourou, Ea-
maral, Vanthorn, Salebot, George.olisan, DSisyphBot, Xqbot, Hyju, RibotBOT, TobeBot, Alch Bot, Marcos Elias de Oliveira Júnior,
Hipnosecuritiba, Aleph Bot, EmausBot, ZéroBot, Mvolga, Mike Martins, Jorgekawamura, Rodrigo Elias Cardoso, Stuckkey, Samej Spen-
ser, WikiGT, Racconish, Aesgareth, J. A. S. Ferreira, Elza Miranda, Mangabas, Dexbot, Mirelli Navarra, Nandezo, Legobot, Lukeudi,
Tenepes, Ixocactus, Mhthera e Anónimo: 109
• Programação neurolinguística Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Programa%C3%A7%C3%A3o_neurolingu%C3%ADstica?oldid=
43696701 Contribuidores: Robbot, LeonardoG, Philipi, Mschlindwein, Azevedo~ptwiki, RobotQuistnix, Leandromartinez, Abmac,
OS2Warp, Adailton, Porantim, Fernando S. Aldado, Rstriquer, Dantadd, Jo Lorib, Amsmp, Gawiga, Thijs!bot, Rei-bot, Belanidia, Marcio-
okabe, Daimore, BOT-Superzerocool, JAnDbot, Barão de Itararé, Tcherenato, Vvilela, Beremiz, TXiKiBoT, VolkovBot, SieBot, Francisco
Leandro, Esr~ptwiki, Gfc, Aguilar Pinheiro, OTAVIO1981, Teles, One People, ProsperoClaudio, Sua Mente, VanBot, Joaocorreia81, Sil-
vonenBot, Vanessa.dt6, Vitor Mazuco, Maurício I, Louperibot, Fabiano Tatsch, Talencar, Luis.callegario, Luckas-bot, Sardur, Gipecbr,
Alexandrebortoletto, Eduardofeld, Vanthorn, Salebot, ArthurBot, Daemorris, Xqbot, MisterSanderson, Peterson.stutz, RedBot, Cmciotti,
Ripchip Bot, Dudektria, EmausBot, ZéroBot, Mike Martins, Hallel, ChuispastonBot, Stuckkey, Antero de Quintal, PauloEduardo, J. A. S.
Ferreira, Vinícius Santucci, Zoldyick, Instituto IDEP, Paola12, Addbot, Ixocactus, Skeptikós, Marcmail, Laccerda e Anónimo: 93
• Radiestesia Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Radiestesia?oldid=42379988 Contribuidores: Parababelico, OS2Warp, Porantim, Salles-
Neto BR, Dantadd, LijeBot, Tamosauskas, Sokrato, FSogumo, Castelobranco, Daimore, JAnDbot, Bisbis, Andretaff, Barão de Itararé,
Fillipe Ramos, WaldirBot, SieBot, Junius, Burmeister, Observador2001, Lourencoalmada, Ruy Pugliesi, Aderbal Brasil, Luisa Sousa,
Luckas-bot, Eamaral, Salebot, Petrucio br, Salamat, MerlIwBot, Zoldyick, Ghsqueiroz, Nixbrazil, Jimhft, Addbot, Zemarlon e Anónimo:
41
• Meditação Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Medita%C3%A7%C3%A3o?oldid=41845333 Contribuidores: Luis Dantas, Manuel
Anastácio, NH~ptwiki, E2mb0t, Ligia, Ubiracy, NTBot, Arouck, RobotQuistnix, Leslie, Sturm, OS2Warp, 555, Przelomski, YurikBot,
Porantim, Roberto Cruz, Mosca, Tilgon, Lucaskuhn, Constantine~ptwiki, LijeBot, Rafaelgali, Emer77, TarcísioTS, Nei Naiff, Yanguas,
Thijs!bot, Belanidia, Daimore, BOT-Superzerocool, Fabiobarros, JAnDbot, Alchimista, Orlando F, Bisbis, Barão de Itararé, Jeferson gio-
vani, EuTuga, TXiKiBoT, Aibot, SieBot, Bosco:Shraddes, Teles, Eu Sou, Lourencoalmada, Darkicebot, Numbo3-bot, Luckas-bot, Higor
Douglas, Less, Vanthorn, Salebot, ArthurBot, Mtcursos, Xqbot, Crang115, RibotBOT, Light Warrior, TobeBot, Alpha Aurigae, Clarice
Reis, Erico Tachizawa, Viniciusmc, Crash Overclock, EmausBot, ZéroBot, Jbribeiro1, ChuispastonBot, WikitanvirBot, MerlIwBot, An-
tero de Quintal, Sandro.cdm, Gabriel Yuji, AvocatoBot, Zoldyick, Minsbot, KarlTomson, Leon saudanha, Prima.philosophia, Legobot,
Guilherme 36, Marcelo Demarzo, Denasecs, Icaroamendes e Anónimo: 92
• Ioga Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ioga?oldid=43509290 Contribuidores: Hashar, Scott MacLean, LeonardoG, Gbiten, E2mb0t,
Juntas, Jic, Lusitana, Ligia, Campani, Gameiro, Whooligan, Nuno Tavares, Get It, Getbot, RobotQuistnix, Rei-artur, Dastan~ptwiki, Epi-
nheiro, Daniborgs, Carlos Luis M C da Cruz, OS2Warp, Dcambria, Marcocarvalho~ptwiki, Adailton, Lijealso, YurikBot, Cícero, Porantim,
Roberto Cruz, Lflrocha, Methuselah, Aristoteles.rocha, Mosca, Tilgon, PatríciaR, Chlewbot, Dantadd, Jorge Morais, Xandi, Tamosaus-
kas, Joaoacj, Alexandre Montagna, Antonio Prates, Jo Lorib, Tiago Vasconcelos, CostaPPPR, Carledug, TarcísioTS, Saulofong, Yanguas,
Thijs!bot, Rei-bot, GRS73, Escarbot, Ricardo Mallet, TuvicBot, Daimore, JAnDbot, Alchimista, Bisbis, Fabio Rocha, Leonardopx, Joa-
opchagas2, Drcrash, Renatosc, Luckas Blade, Thiagohac, TXiKiBoT, Gunnex, Aibot, VolkovBot, SieBot, Francisco Leandro, Synthebot,
Lechatjaune, Teles, Vini 175, AlleborgoBot, GOE, STBot~ptwiki, Cdm, Everton Murilo Vieira, Arthemius x, Amats, Heiligenfeld, Renata-
lino1982, Dsuasan, DragonBot, Daniel.cambria, Nayana.hdg, Eu Sou, RafaAzevedo, BOTarate, Moreira Flavio, Son gokou, Yôgin, ALYO,
Maurício I, ChristianH, Numbo3-bot, Solmitchel, Luckas-bot, Mkdesigner, LinkFA-Bot, Nallimbot, Loboleo1994, Prakriti~ptwiki, Sa-
lebot, Califate123!, ArthurBot, Regginna, Xqbot, Schekinov Alexey Victorovich, Almabot, RibotBOT, Light Warrior, Willemarcel, Au-
mondeganm, Leo adams, RedBot, TobeBot, Eduardo P, Dinamik-bot, HVL, Erico Tachizawa, Viniciusmc, EmausBot, Diego Grez Bot,
Stuckkey, WikitanvirBot, Daniodrade, Bruno Meireles, Alvaro Azevedo Moura, Colaborador Z, Amobsb, MerlIwBot, Antero de Quintal,
Fradique, Zoldyick, Matheus Faria, Filipesilvapereira, Ricardo Souzaa, Dexbot, Bachar Alyalmede, Legobot, KuraiAngel2013, Athena in
Wonderland, Yogamstr, Sergioral, Gvam3 e Anónimo: 192

33.8.2 Imagens
• Ficheiro:18th_century_dowser.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/47/18th_century_dowser.jpg Licença:
Public domain Contribuidores: Taken from http://en.wikipedia.org/wiki/Image:18th_century_dowser.jpg Artista original: ?
• Ficheiro:4_chaves_Teoterápicas.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4e/4_chaves_Teoter%C3%A1picas.
jpg Licença: CC BY-SA 4.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Gabrielle Mendonça
• Ficheiro:A44-341-7_therapy.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/ef/A44-341-7_therapy.jpg Licença: CC
BY 2.0 Contribuidores: originally posted to Flickr as A44-341-7 therapy Artista original: Otis Historical Archives Nat'l Museum of Health
& Medicine
• Ficheiro:Aapblogo.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fc/Aapblogo.jpg Licença: Public domain Contribui-
dores: AAPB Artista original: AAPB
• Ficheiro:Acupuncture1-1.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0d/Acupuncture1-1.jpg Licença: Public do-
main Contribuidores: Own work. I took the photograph and have released it to the world at http://www.bhupendratechniques.com/ Origi-
nally from en.wikipedia; description page is/was here. Artista original: Kyle Hunter (= original uploader Kphunter at en.wikipedia)
33.8. FONTES, CONTRIBUIDORES E LICENÇAS DE TEXTO E IMAGEM 129

• Ficheiro:Ambox_important.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b4/Ambox_important.svg Licença: Public


domain Contribuidores: Obra do próprio, based off of Image:Ambox scales.svg Artista original: Dsmurat (Discussão · contribs)
• Ficheiro:Aparelho_Neurofeedback.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/cd/Aparelho_Neurofeedback.
JPG Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Belanidia
• Ficheiro:Asclepius_staff.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/19/Asclepius_staff.svg Licença: Public do-
main Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Lusanaherandraton
• Ficheiro:August_Macke_023.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fd/August_Macke_023.jpg Licença: Pu-
blic domain Contribuidores: The Yorck Project: 10.000 Meisterwerke der Malerei. DVD-ROM, 2002. ISBN 3936122202. Distributed by
DIRECTMEDIA Publishing GmbH. Artista original: August Macke
• Ficheiro:Brain_limbicsystem.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5c/Brain_limbicsystem.jpg Licença: Pu-
blic domain Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Broom_icon.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2c/Broom_icon.svg Licença: GPL Contribuidores:
http://www.kde-look.org/content/show.php?content=29699 Artista original: gg3po (Tony Tony), SVG version by User:Booyabazooka
• Ficheiro:Calle_de_Preciados_(Madrid)_02.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6c/Calle_de_Preciados_
%28Madrid%29_02.jpg Licença: CC BY 2.0 Contribuidores: Flickr Artista original: Manolo Gómez de Espanha
• Ficheiro:Chakras.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/db/Chakras.jpg Licença: Public domain Contribuido-
res: ? Artista original: ?
• Ficheiro:ChineseMedecine.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d2/ChineseMedecine.JPG Licença: Public
domain Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Commons-logo.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4a/Commons-logo.svg Licença: Public domain
Contribuidores: This version created by Pumbaa, using a proper partial circle and SVG geometry features. (Former versions used to be
slightly warped.) Artista original: SVG version was created by User:Grunt and cleaned up by 3247, based on the earlier PNG version,
created by Reidab.
• Ficheiro:Cquote1.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4d/Cquote1.svg Licença: Public domain Contribuido-
res: No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims). Artista original: No machine-readable author
provided. Editor at Large assumed (based on copyright claims).
• Ficheiro:Cquote2.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/1a/Cquote2.svg Licença: Public domain Contribuido-
res: No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims). Artista original: No machine-readable author
provided. Editor at Large assumed (based on copyright claims).
• Ficheiro:Crystal_Clear_app_demo.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fe/Crystal_Clear_app_demo.png
Licença: LGPL Contribuidores: All Crystal Clear icons were posted by the author as LGPL on kde-look; Artista original: Everaldo Coelho
and YellowIcon;
• Ficheiro:Darlingtonia_californica.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/06/Darlingtonia_californica.jpg Li-
cença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Disambig_grey.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4a/Disambig_grey.svg Licença: Public domain
Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Bub’s
• Ficheiro:Earth_gravity.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a0/Earth_gravity.png Licença: Public domain
Contribuidores: http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2007-147 Artista original: NASA/JPL/University of Texas Center for
Space Research.
• Ficheiro:Edgar_Dean_Mitchell.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c4/Edgar_Dean_Mitchell.jpg Licença:
Public domain Contribuidores: http://www.hq.nasa.gov/office/pao/History/alsj/a14/a14.crew.html Artista original: NASA
• Ficheiro:Emblem-scales.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/29/Emblem-scales.svg Licença: CC BY-SA
2.5 Contribuidores: Image:Unbalanced_scales.svg & The Tango! Desktop Project. Artista original: w:User:Tkgd2007; w:User:
Booyabazooka; The people from the Tango! project.
• Ficheiro:Escultura_clara.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d8/Escultura_clara.jpg Licença: CC BY-SA
3.0 Contribuidores: http://logosofia.edu.uy/images/stories/Escultura_clara.jpg Artista original: Yo escaneé la foto que está en la web original
mencionada, Yandí Luzardo es autor de escultura y foto.
• Ficheiro:Folder_Hexagonal_Icon.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/48/Folder_Hexagonal_Icon.svg Li-
cença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: Obra própria, baseada em: Folder.gif. Artista original: Original: John Cross
Vectorização: Shazz
• Ficheiro:GClef.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/ff/GClef.svg Licença: Public domain Contribuidores: 's
file Artista original:
• Ficheiro:Ganzfeld.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a9/Ganzfeld.jpg Licença: Public domain Contribui-
dores: Transfered from en.wikipedia Artista original: Original uploader was Nealparr at en.wikipedia
• Ficheiro:Gonzalez_Pecotche_2001.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b6/Gonzalez_Pecotche_2001.jpg
Licença: Attribution Contribuidores: Correios do Brasil Artista original: Correios do Brasil
• Ficheiro:HansBerger_Univ_Jena.jpeg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/69/HansBerger_Univ_Jena.jpeg Li-
cença: Public domain Contribuidores: http://www.psychiatrie.uk-j.de/Geschichte.html Artista original: Desconhecido
• Ficheiro:Headphones-Sennheiser-HD555.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b3/
Headphones-Sennheiser-HD555.jpg Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Adamantios
• Ficheiro:Helen_Smith_psychologist.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e4/Helen_Smith_psychologist.jpg
Licença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: http://instapundit.com/images/helen373sm1.jpg Artista original: Helen Smith
• Ficheiro:Henry_Sidgwick.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/17/Henry_Sidgwick.jpg Licença: Public do-
main Contribuidores: wiki en: en:Image:Sidgwick.jpg, uploaded by en:User:Sir Paul Artista original: ?
130 CAPÍTULO 33. IOGA

• Ficheiro:Hygea,_copia_romana_da_originale_greco_del_III_sec._ac.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/


commons/3/3b/Hygea%2C_copia_romana_da_originale_greco_del_III_sec._ac.JPG Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do
próprio Artista original: sailko
• Ficheiro:Hystéro-Épilepsie_Attaque_XXXV.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8e/Hyst%C3%A9ro-%
C3%89pilepsie_Attaque_XXXV.jpg Licença: Public domain Contribuidores: Images of hysterics under hypnosis at Salpêtrière, from D.M.
Bourneville and P. Régnard ([1]) Artista original: D.M. Bourneville and P. Régnard
• Ficheiro:I-sopod_Flotation_Tank.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4a/I-sopod_Flotation_Tank.jpg Li-
cença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Floatguru
• Ficheiro:Icon_portal.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f5/Icon_portal.png Licença: CC BY-SA 4.0 Con-
tribuidores: Obra do próprio Artista original: Rodrigo Elias Cardoso
• Ficheiro:Jogo_Treino_Neurofeedback.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8c/Jogo_Treino_
Neurofeedback.JPG Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Belanidia
• Ficheiro:Lahiri_Mahasaya.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/7d/Lahiri_Mahasaya.jpg Licença: Public
domain Contribuidores: http://onlinebooks.library.upenn.edu/webbin/gutbook/lookup?num=7452 Project Gutenberg presents: Autobio-
graphy of a Yogi by Paramahansa Yogananda; picture taken from file „zipped illustrated HTML (1.6M)“ Artista original: Anônimo
• Ficheiro:Logos.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/98/Logos.svg Licença: CC0 Contribuidores: Obra do pró-
prio Artista original: Aristeas
• Ficheiro:Magnifying_glass_01.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3a/Magnifying_glass_01.svg Licença:
CC0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Marcio_kakasana_yoga.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/39/Marcio_kakasana_yoga.JPG Li-
cença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Afalkear
• Ficheiro:Medalha80AnosFundacaoLogosoficaVerso.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f8/
Medalha80AnosFundacaoLogosoficaVerso.png Licença: CC BY 3.0 Contribuidores: Casa da Moeda Artista original: Casa da
Moeda
• Ficheiro:Music-segno.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/88/Music-segno.png Licença: CC-BY-SA-3.0
Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Neurofeedback_elétrodos.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3b/Neurofeedback_el%C3%
A9trodos.JPG Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Belanidia
• Ficheiro:Neurofeedback_gráfico.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b6/Neurofeedback_gr%C3%
A1fico.JPG Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Template:Software displayed is copyright of the Biofeedback Foundation of Europe
(BFE) and Francois Dupont, Ph.D. Artista original: Belanidia
• Ficheiro:Neurofeedback_mapeamento.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/73/Neurofeedback_
mapeamento.JPG Licença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Belanidia
• Ficheiro:Neurofeedback_treino.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/31/Neurofeedback_treino.JPG Li-
cença: CC BY-SA 3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Belanidia
• Ficheiro:NoFonti.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b5/NoFonti.svg Licença: CC BY-SA 2.5 Contribuido-
res: Image:Emblem-important.svg Artista original: RaminusFalcon
• Ficheiro:Noyau_atome.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3e/Noyau_atome.png Licença: Public domain
Contribuidores: Obra do próprio Artista original: PerOX
• Ficheiro:Nuvola_apps_edu_miscellaneous.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6a/Nuvola_apps_edu_
miscellaneous.svg Licença: LGPL Contribuidores: [1], via Image:Nuvola apps edu miscellaneous.png Artista original: David Vignoni,
traced User:Stannered
• Ficheiro:Nuvola_apps_kalzium.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8b/Nuvola_apps_kalzium.svg Licença:
LGPL Contribuidores: Obra do próprio Artista original: David Vignoni, SVG version by Bobarino
• Ficheiro:Nuvola_apps_katomic.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/73/Nuvola_apps_katomic.png Li-
cença: LGPL Contribuidores: http://icon-king.com Artista original: David Vignoni / ICON KING
• Ficheiro:Nuvola_apps_kdmconfig.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/cc/Nuvola_apps_kdmconfig.png
Licença: LGPL Contribuidores: http://icon-king.com Artista original: David Vignoni / ICON KING
• Ficheiro:P_religion_world.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/28/P_religion_world.svg Licença: CC-BY-
SA-3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Paraldehyde-3D-balls.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/1c/Paraldehyde-3D-balls.png Licença:
CC0 Contribuidores: Este(a) imagem química foi criado(a) com Discovery Studio Visualizer. Artista original: Jynto (talk)
• Ficheiro:Parshvakonasana.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/13/Parshvakonasana.jpg Licença: CC-BY-
SA-3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Joseph RENGER
• Ficheiro:Pentagram_(Levi).jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/93/Pentagram_%28Levi%29.jpg Licença:
Public domain Contribuidores: Levi, Eliphas (1855) Dogme et Rituel de la Haute Magie. Artista original: Eliphas Levi
• Ficheiro:Philippe_Pinel.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e3/Philippe_Pinel.jpg Licença: Public domain
Contribuidores: http://www.ship.edu/~{}cgboeree/psychoanalysis.html Artista original: Julien-Leopold Boilly
• Ficheiro:Photographic_Studies_in_Hypnosis,_Abnormal_Psychology_(1938).ogv Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/
commons/3/37/Photographic_Studies_in_Hypnosis%2C_Abnormal_Psychology_%281938%29.ogv Licença: Public Domain Contribui-
dores: Internet Archive Artista original: Lester F. Beck
• Ficheiro:Plasma-lamp_2.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/26/Plasma-lamp_2.jpg Licença: CC-BY-SA-
3.0 Contribuidores:
33.8. FONTES, CONTRIBUIDORES E LICENÇAS DE TEXTO E IMAGEM 131

• own work www.lucnix.be Artista original: Luc Viatour


• Ficheiro:Portal.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c9/Portal.svg Licença: CC BY 2.5 Contribuidores:
• Portal.svg
Artista original: Portal.svg: Pepetps
• Ficheiro:Postura_da_rvore.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/37/Postura_da_rvore.jpg Licença: CC-BY-
SA-3.0 Contribuidores: Transferred from pt.wikipedia; transferred to Commons by User:Lijealso using CommonsHelper. Artista original:
Original uploader was TarcísioTS at pt.wikipedia
• Ficheiro:Psi2.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e1/Psi2.png Licença: Public domain Contribuidores: ? Ar-
tista original: ?
• Ficheiro:Psi2.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6c/Psi2.svg Licença: Public domain Contribuidores: ? Ar-
tista original: ?
• Ficheiro:Question_book.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/97/Question_book.svg Licença: CC-BY-SA-
3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Sanzio_01_Plato_Aristotle.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/98/Sanzio_01_Plato_Aristotle.
jpg Licença: Public domain Contribuidores: Web Gallery of Art: <a href='http://www.wga.hu/art/r/raphael/4stanze/1segnatu/1/
athens1.jpg' data-x-rel='nofollow'><img alt='Inkscape.svg' src='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6f/Inkscape.
svg/20px-Inkscape.svg.png' width='20' height='20' srcset='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6f/Inkscape.svg/
30px-Inkscape.svg.png 1.5x, https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6f/Inkscape.svg/40px-Inkscape.svg.png 2x'
data-file-width='60' data-file-height='60' /></a> Image <a href='http://www.wga.hu/html/r/raphael/4stanze/1segnatu/1/athens1.html'
data-x-rel='nofollow'><img alt='Information icon.svg' src='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/3/35/Information_
icon.svg/20px-Information_icon.svg.png' width='20' height='20' srcset='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/3/35/
Information_icon.svg/30px-Information_icon.svg.png 1.5x, https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/3/35/Information_
icon.svg/40px-Information_icon.svg.png 2x' data-file-width='620' data-file-height='620' /></a> Info about artwork Artista original: Rafael
Sanzio
• Ficheiro:Sanzio_01_cropped.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d1/Sanzio_01_cropped.png Licença: Pu-
blic domain Contribuidores:
Artista original: Rafael Sanzio
• Ficheiro:Sanzio_01_cropped.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d1/Sanzio_01_cropped.png Licença: Pu-
blic domain Contribuidores:
Artista original: Rafael Sanzio
• Ficheiro:Sciences_exactes.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/37/Sciences_exactes.svg Licença: LGPL
Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Searchtool.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/61/Searchtool.svg Licença: LGPL Contribuidores:
http://ftp.gnome.org/pub/GNOME/sources/gnome-themes-extras/0.9/gnome-themes-extras-0.9.0.tar.gz Artista original: David Vignoni,
Ysangkok
• Ficheiro:SeptemArtes-Philosophia-Detail.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/1c/
SeptemArtes-Philosophia-Detail.jpg Licença: Public domain Contribuidores: from “Hortus deliciarum” of Herrad von Landsberg
- date: about 1180 Artista original: User:Markus Mueller
• Ficheiro:Sigmund_Freud_LIFE.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/12/Sigmund_Freud_
LIFE.jpg Licença: Public domain Contribuidores: http://politiken.dk/kultur/boger/faglitteratur_boger/ECE1851485/
psykoanalysen-har-stadig-noget-at-sige-i-noejagtigt-betitlet-bog/ Artista original: Max Halberstadt
• Ficheiro:Sivakempfort.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fc/Sivakempfort.jpg Licença: CC BY-SA 2.0
Contribuidores: Meditate Artista original: Deepak Gupta
• Ficheiro:Star_of_life.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/ae/Star_of_life.svg Licença: Public domain Con-
tribuidores:
• http://www.tramah.info Artista original: Gustavb
• Ficheiro:Star_of_life2.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5b/Star_of_life2.svg Licença: Public domain
Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Verdy p
• Ficheiro:Star_of_life_caution.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d5/Star_of_life_caution.svg Licença:
LGPL Contribuidores: After Staf of life caution.jpg where User:Mike.lifeguard - merged Nuvola apps important yellow.svg and Star of
life.svg Artista original:
• Raster version by User:Mike.lifeguard
• Ficheiro:Symbol_question.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e0/Symbol_question.svg Licença: Public do-
main Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Tanumânasî_kapalabhati.JPG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e2/Tanum%C3%A2nas%C3%
AE_kapalabhati.JPG Licença: Public domain Contribuidores: http://www.yogallimite.com/ Artista original: Jesús Bonilla “Tanumânasî"
• Ficheiro:Tens.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6b/Tens.jpg Licença: GFDL Contribuidores: Obra do pró-
prio Artista original: Yeza
• Ficheiro:Terapiaocupacional_logo.gif Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a3/Terapiaocupacional_logo.gif Li-
cença: CC BY 3.0 Contribuidores: http://crefito4.org.br/images/simbolodato.jpg Artista original: CONSELHO FEDERAL DE FISIOTE-
RAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL
• Ficheiro:Text_document_with_red_question_mark.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a4/Text_
document_with_red_question_mark.svg Licença: Public domain Contribuidores: Created by bdesham with Inkscape; based upon
Text-x-generic.svg from the Tango project. Artista original: Benjamin D. Esham (bdesham)
132 CAPÍTULO 33. IOGA

• Ficheiro:Três_Dimensões_do_Ser.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/ab/Tr%C3%AAs_Dimens%C3%


B5es_do_Ser.jpg Licença: CC BY-SA 4.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: CENTI BRASIL
• Ficheiro:Wikibooks-logo.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fa/Wikibooks-logo.svg Licença: CC BY-SA
3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: User:Bastique, User:Ramac et al.
• Ficheiro:Wikiquote-logo.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fa/Wikiquote-logo.svg Licença: Public do-
main Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Wiktionary-logo-pt.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2b/Wiktionary-logo-pt.png Licença: CC
BY-SA 3.0 Contribuidores: originally uploaded there by author, self-made by author Artista original: la:Usor:Mycēs
• Ficheiro:William_James_b1842c.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9c/William_James_b1842c.jpg Li-
cença: Public domain Contribuidores:
[1]

Artista original: Notman Studios (photographer)


• Ficheiro:William_James_b1842d.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5e/William_James_b1842d.jpg Li-
cença: Public domain Contribuidores: [1] Artista original: Desconhecido
• Ficheiro:Wm_james.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/22/Wm_james.jpg Licença: Public domain Contri-
buidores: ? Artista original: ?

33.8.3 Licença
• Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0
LISTA DE TERAPIAS

1. Actinoterapia. Uso terapêutico de radiações. V. Radioterapia.

2. Aeridroterapia. Uso terapêutico de água e de ar. V. Aeroidroterapia.

3. Aeroidroterapia. Uso terapêutico de água e de ar.

4. Aeropiesoterapia. Uso terapêutico de ar comprimido ou de ar rarefeito.

5. Aeropiesotermoterapia. Uso terapêutico de ar quente sob pressão.

6. Aerossolterapia. Uso terapêutico de medicamentos em forma de aerossol.

7. Aerostaterapia. Uso terapêutico de ar rarefeito.

8. Aeroterapia. Uso terapêutico de ar.

9. Aerotermoterapia. Uso terapêutico de ar quente.

10. Alassoterapia. Terapia baseada em mudança das condições biológicas gerais do


organismo.

11. Alcalinoterapia. Uso terapêutico de substâncias alcalinas.

12. Alcaliterapia. Uso terapêutico de substâncias alcalinizantes.

13. Alcooloterapia. Uso terapêutico de álcool.

14. Alcooterapia. Uso terapêutico de álcool. V. Alcooloterapia.

15. Ambulancioterapia. Expressão utilizada para o tratamento ambulatorial


dentro das ambulâncias.

16. Amoterapia. Uso terapêutico de areias.

17. Ampeloterapia. Uso terapêutico de uvas, especialmente por seu efeito laxativo.

1
18. Anaterapia. Uso terapêutico de medicamentos em doses progressivas.

19. Anemoterapia. Uso terapêutico de inalações.

20. Antibioterapia. Uso terapêutico de substâncias antibióticas.

21. Antibioticoterapia. Uso terapêutico de substâncias antibióticas. V.


Antibioterapia

22. Antigenoterapia. Uso terapêutico de antígenos como meio curativo, para


estimular a produção de anticorpos.

23. Antropoterapia. Arte de curar o homem.

24. Apioterapia. Uso terapêutico de veneno de abelhas ou de picadas de abelhas.

25. Apoterapia. Terminação da cura.

26. Aromaterapia. Uso terapêutico de aromas.

27. Aromoterapia. Uso terapêutico de óleos vegetais ou essências aromáticas.

28. Arte-terapia. Uso terapêutico das artes.

29. Arsenioterapia. Tratamento médico por meio de arsénico.

30. Arsenoterapia. Uso terapêutico de arsenicais.

31. Asueroterapia. Terapia pela cauterização do gânglio esfenopalatino combinada


com a sugestão. Posto em prática em 1929 por Fernando Asuero, médico
espanhol.

32. Atmoterapia. Uso terapêutico de vapores com propriedades medicinais.

33. Auriculoterapia. Terapêutica pelo estudo das orelhas.

34. Auriterapia. Terapêutica por meio dos sais de ouro.

35. Auroterapia. Uso terapêutico de sais de ouro.

36. Autemoterapia.

37. Auto-hematoterapia. Emprego terapêutico do próprio sangue do doente em


injecção intramuscular.

38. Auto-hemoterapia.

39. Autoplasmoterapia.

40. Autopsicoterapia.
2
41. Auto-soroterapia.

42. Autoterapia. Tratamento de si mesmo.

43. Auto-uroterapia.

44. Baciloterapia. Uso terapêutico de bacilos.

45. Bacterinoterapia.

46. Bacterioterapia. Emprego de culturas de bactérias, vivas ou mortas, no


tratamento de infecções.

47. Balneoterapia. Tratamento por meio de banhos.

48. Baroterapia. Tratamento baseado nas diferentes influências do ar a diferentes


altitudes e pressões.

49. Benoterapia. Uso terapêutico de caminhadas. V. Dromoterapia.

50. Bibliotecoterapia.

51. Biblioterapia. Emprego de livros e de sua leitura no tratamento de distúrbios


nervosos.

52. Bioterapia. Tratamento realizado com emprego de substâncias vivas.

53. Bismutoterapia. Tratamento pelos preparados de bismuto.

54. Botrioterapia.

55. Braquiterapia.

56. Bromatoterapia. Tratamento médico por meio de alimentos.

57. Calcioterapia. Tratamento de doenças por meio de administração de cálcio,


por vias diversas.

58. Calciterapia.

59. Calcoterapia.

60. Celoterapia. Uso da religião e símbolos religiosos para fins terapêuticos.

61. Ceriterapia. Tratamento por banhos de parafina líquida.

62. Ceroterapia.

63. Cicloterapia. Terapêutica por meio de exercício em bicicleta.

3
64. Cinesioterapia.

65. Cinesiterapia. Designação dos processos terapêuticos que forçam o organismo


a realizar movimentos activos e passivos.

66. Citoterapia. Tratamento pela ministração de células animais.

67. Climatoterapia. Tratamento por meio de exposição a condições climáticas


adequadas.

68. Clinoterapia. Tratamento de certas doenças por meio do repouso no leito.

69. Cobaltoterapia. Tratamento pelo cobalto.

70. Colapsoterapia.

71. Coleterapia. Administração terapêutica de sais biliares.

72. Coloidoterapia. Tratamento das infecções pela administração de metais no


estado coloidal.

73. Convulsoterapia.

74. Crenoterapia. Utilização medicinal de águas minerais como terapia.

75. Crimoterapia. Terapêutica por aplicação do frio.

76. Crioterapia.

77. Crisoterapia. Aplicação de sais de ouro no tratamento de doenças.

78. Cromofototerapia.

79. Cromoterapia. Tratamento médico pela acção das cores.

80. Cuproterapia. Tratamento pelos compostos de cobre. V. Calcoterapia.

81. Curieterapia.

82. Dasipterapia. Terapêutica pela permanência em sítios arborizados.

83. Dasiterapia.

84. Dasoterapia. Terapia que consiste em fazer o paciente estanciar em florestas de


árvores resinosas.

85. Dermatoterapia. Tratamento das doenças da pele.

86. Dermoterapia.

4
87. Desipnoterapia.

88. Dietoterapia. Tratamento dietético.

89. Dipsoterapia. Tratamento pela limitação ao extremo da ingestão de líquidos.

90. Dromoterapia.

91. Efluvioterapia. Terapêutica por eflúvios elétricos.

92. Electrofototerapia.

93. Electroterapia. Tratamento de doenças por meio da electricidade.

94. Eletroconvulsoterapia.

95. Eletrofototerapia.

96. Eletroterapia. Tratamento de doenças pela eletricidade.

97. Enantioterapia.

98. Endocrinoterapia. Terapêutica baseada no emprego de extractos de glândulas


endócrinas.

99. Endorradioterapia. Emprego da radioterapia nas doenças das mucosas


internas.

100.Equoterapia.

101.Ergoterapia. Terapêutica pelo trabalho.

102.Escleroterapia.

103.Espondiloterapia.

104.Estercoterapia. Emprego terapêutico de excrementos.

105.Fagoterapia. Tratamento de doenças pela alimentação ou pela


superalimentação.

106.Farmacoterapia.

107.Ficoterapia. Tratamento mediante o emprego de algas.

108.Fisicoterapia.

109.Fisioterapia. Tratamento de doença por meio de exercícios e de agentes físicos.

110.Fitoterapia.

5
111.Foliculinoterapia. Emprego terapêutico da foliculina, hormônio feminino.

112.Fototerapia. Processo terapêutico pela acção da luz.

113.Frigoterapia. Tratamento terapêutico com aplicação do frio.

114.Ftisioterapia.

115.Galactoterapia.

116.Galvanoterapia.

117.Geloterapia.

118.Gameterapia.

119.Geneterapia.

120.Geroterapia.

121.Gestaltterapia.

122.Grafoterapia.

123.Hagioterapia.

124.Helioterapia.

125.Hemoterapia.

126.Hepatoterapia.

127.Hibernoterapia.

128.Hidroterapia.

129.Hieroterapia.

130.Higioterapia.

131.Hipnoterapia.

132.Hipodermoterapia.

133.Hipsoterapia.

134.Hormonoterapia.

135.Impactoterapia. Uso terapêutico do impacto psicológico e ideológico.

136.Imunoterapia.

6
137.Insulinoterapia.

138.Iodoterapia.

139.Ionoterapia.

140.Iontoterapia.

141.Isoterapia. Método terapêutico, que utiliza no tratamento de uma doença, a


causa dessa mesma doença.

142.Laborterapia.

143.Laserterapia.

144.Leucoterapia.

145.Lexicoterapia.

146.Limnoterapia.

147.Limoterapia.

148.Litoterapia.

149.Logoterapia.

150.Ludoterapia.

151.Luminoterapia.

152.Luteinoterapia.

153.Magnetoterapia.

154.Malarioterapia.

155.Massoterapia.

156.Mecanoterapia.

157.Meduloterapia.

158.Melissoterapia.

159.Melitoterapia.

160.Meloterapia.

161.Mercuroterapia.

7
162.Mesoterapia.

163.Metaloterapia.

164.Micodermoterapia.

165.Micoterapia.

166.Musicoterapia.

167.Narcoterapia.

168.Naturoterapia.

169.Nestoterapia.

170.Neurelectroterapia.

171.Neuroterapia.

172.Nosoterapia.

173.Ocupoterapia.

174.Oftalmoterapia.

175.Opoterapia.

176.Organoterapia.

177.Orinoterapia. Terapêutica pela permanência em lugares altos. V.


Hipsoterapia.

178.Oroterapia.

179.Orquioterapia. Terapêutica da senilidade sexual por meio de extratos


testiculares.

180.Orroterapia.

181.Ortoterapia. Tratamento do desvio de órgãos, submetendo-os a determinada


atitude.

182.Ototerapia. Terapêutica das doenças do ouvido.

183.Ovarioterapia. Terapêutica das doenças ovarianas.

184.Ovoterapia. Uso terapêutico do extrato de ovários. V. Ooterapia.

185.Oxigenoterapia.

8
186.Oxiterapia. Uso terapêutico do oxigênio.

187.Ozonoterapia. Uso terapêutico do ozônio, mediante inalação, banho ou


injeção.

188.Patoterapia. Tratamento de uma doença pela inoculação de outra.

189.Peloterapia. Uso terapêutico de terra ou de lama.

190.Penicilinoterapia. Uso terapêutico da penicilina.

191.Piezoterapia.

192.Piretoterapia. Terapêutica pela elevação da temperatura do doente.

193.Pneumatoterapia. Terapêutica pela inspiração de ar rarefeito ou comprimido.

194.Pneumoterapia.

195.Pornoterapia.

196.Praxisterapia.

197.Praxiterapia. Terapêutica baseada no trabalho organizado como critério


terapêutico.

198.Projecioterapia. Uso paraterapêutico da projetabilidade lúcida.

199.Proteinoterapia. Terapêutica pela de injeção de proteína estranha.

200.Psicoterapia. Tratamento por métodos psicológicos.

201.Psicroterapia.

202.Quefiroterapia. Uso terapêutico do quefir.

203.Quimicoterapia.

204.Quimioterapia. Terapêutica por meio de produtos químicos sintetizados,


preparados nos laboratórios.

205.Quininoterapia.

206.Quinoterapia. Uso terapêutico da quina ou da quinina.

207.Radioterapia. Uso terapêutico de radiações, que podem ser infravermelhas,


ultravioletas, raios X, raios.

208.Reflexoterapia.

9
209.Risoterapia.

210.Roentgenoterapia.

211.Roentgenterapia.

212.Röntgenterapia. Tratamento pelos raios X.

213.Seroterapia. Uso terapêutico de soros.

214.Serunterapia.

215.Sifiloterapia. Tratamento das lesões de origem sifilítica.

216.Simpaticoterapia.

217.Sismoterapia. Tratamento de doença por vibração mecânica.

218.Sitioterapia.

219.Socioterapia.

220.Sonoterapia.

221.Soroterapia.

222.Talassoterapia. Terapêutica por meio de banhos ou ares do mar.

223.Teatroterapia.

224.Teleterapia. Terapêutica sugestiva.

225.Teoterapia. Tratamento de doenças por sugestões religiosas, especialmente


deístas.

226.Termaeroterapia. Tratamento de doenças por meio do ar quente.

227.Termoterapia. Aplicação do calor no tratamento de certas doenças.

228.Timoterapia. Emprego do extracto de timo no tratamento de certas doenças.

229.Tireoidoterapia. Uso terapêutico da tireóide ou de seus extratos.

230.Tiroidoterapia.

231.Tisioterapia. Conjunto de processos terapêuticos para tratar a tuberculose.

232.Toxicoterapia. Emprego dos venenos para curar certas doenças.

233.Toxinoterapia. Emprego de toxinas como meio curativo.

10
234.Toxiterapia. Uso terapêutico de tóxicos.

235.Tuberculinoterapia. Uso terapêutico da tuberculina.

236.Tuberculoterapia. Antigo modo de tratar tuberculosos alimentando-os com


carne de animais atacados de tuberculose.

237.Ultra-sonoterapia. Uso terapêutico de ultra-sons.

238.Uroterapia. Tratamento pela injeção subcutânea da urina do próprio paciente.

239.Vacinoterapia. Tratamento de doenças pela aplicação de vacinas.

240.Vitaminoterapia. Tratamento de doenças com emprego de vitaminas.

241.Xiloterapia. Uso terapêutico da madeira.

242.Zimoterapia. Emprego terapêutico dos fermentos.

243.Zomoterapia. Uso terapêutico da ingestão, em doses consideráveis, de carne


crua.

244.Zooterapia. Tratamento de animais; zooterapêutica.

11