Você está na página 1de 80

31LDO A.

MONTENEGRO

OMBRAS
~SOLAÇÃO
XOI\JOMETR!A

CIP,Brasll. Catalo(iação-na,Publlcaç6o Capa e ilustrações do Autor,


Cémara Brasllelra do Livro, SP salvo nas páginas com indicação do
desenhista.

Montenegro, Gildo, 1931-


A p~rapectiva dos profissionais/ Gildo A.
Hontene ro. -- são Paulo : Edgard B1Ucher, 1983.

Apêndice: Gráficos de insolação.


fü.bl 1ografia .

1 . Perspecti va l. Título.

83-0877 CDD-742
lndlces para catalogo alstemátlco :
1. Perspectiva: Deser~o 742
© 1983 Editora Edgard Blücher Ltda.
2.~ reimp ressão 1986
É proibida a reprodução total ou parcial
por quaisq11t'r mei<,s
sem autorização prévia da editora

EDITORA EDGARD BLÜCHER LTDA.


01000 aixa Po tal 5450
End. Telegráfico: OLÜCHERLIVRO
São Paulo · SP - Brasil

lmprcs~u no BrJ~il l'rt11f«•cl ,n /Jri.u1/


Capítulo 1
CONTEÚDO Capítulo 2
O que é Perspectiva 1
Tipos de Projeção 17
Capítulo 3 Perspectiva Côn ica 19
Capítulo 4 Regras práticas 24
Capítulo 5 O processo dos Arquitetos 29
Capítulo 6 O processo das 3 escalas 40
Capítul o 7 O processo dos Medidores 51
Capítulo 8 Comparações & Segredos 57
Cap ítulo 9 Posições do Observador , do Quadro e do Objeto 61
Capítulo 10 O círculo 71
Capítulo 11 Quadrículas 74
Capítulo 12 Retas e Planos Inclinados n
Capítulo 13 Pontos Medidores e de Fuga Reduzidos 79
Capítulo 14 O Quadro Inclinado 83
Capítulo 15 Sombras nas Projeções Ortogonais 88
Capítulo 16 Perspectiva das Sombras 103
Capítulo 17 Reflexos 111
Capítulo 18 Fotomontagem 115
Capítulo 19 Perspectiva Paralela 119
Capítulo 20 Insolação 127
Capítulo 21 Ação & Decisão 143
Capítulo 22 História 149
Livros Recomendados 151
Gráficos de Insolação : Recife 152
Brasília 153
Rio de Janeiro 154
Porto Alegre 155

APRESENTAÇÃO São muitos os livros de Perspectiva . Este difere dos dema is, em primeiro
lugar, pelo fato de não pretender demonstrar. teoremas . Em segundo lugar, o
livro apela mais para o desenho do que para o texto : a linguagem gráfica deve
bastar a si própria . Os textos, reduzidos ao essencial, estão associados ao
desenho. Com isso acabamos com aquela história de ler aqui e procurar a
figura noutra página . Em compensação, o livro fi cou com mais setas do que a
aldeia indígena ...
Nossa idéia é lembrar eiue a Perspectiva é um M E I O geométrico para
chegar a um F I M : a representação artísti ca. Uma volta às origens, pois a
Perspectiva nasceu do estudo de suas aplicações no Teatro, na Arq uitetura, na
Pintura e na Escultura . Depois vieram os geôme tras e, com eles, as
abstrações .
Não podemos aceitar que o estudo da Perspectiva se faça a partir de
abstrações que terminam aí mesmo, não levando, em geral , a coisa alguma .
Para o estudioso da Geometria Pura pode se r agradável a análise de teor ia s.
M as o geômetra é exceção . A maioria das pessoas usa a Perspec tiva como
M EI O de representação gráfica: o desenhista, o arquiteto, o programador
visua l, o desenhista industrial, o publicitário, o cenarista, o pintor e outros
profiss ionais. A estes, e a todos os que fazem a Perspectiva Apl icada,
dedicamos este livro .
Para os que fazem a Ciência pela Ciência este livro servirá como ,Jonto de
partida para as abstrações . A final, não se pode fazer abstração a partir do
nada!
Esperamos do leitor sua compreensão, para as inevitáveis falhas da obra
humana, e sua crítica, para as necessárias correções .
~
A pers~t,i,,q mostro QS co,.ras co,no
nos ...emos-, COI>, TRÊS /)Í HélYSóes, en9vonfo
'7Vt o Pl onto P o Fododo sc,o des<>nhos

~éH] com J)(l,IJS IJ i MéNS0€S, q uP ,ooclen-, .ser


m e d,o'os 9 vo no'o
do o'qSf!n/20 .
conl,pcc=or o ESC.4L 4 .

Foc.ho o'o ov v,srA LA TER4l


VISTA PE FCRENTé ou FAC.IIADA ,
con> 2 d,int>nso~s : LA QG//,QA E AL TVRA . \'.' . , ,
~-· ::: ... ;; '...' · . ·>·: ~ ·.. :- .': ·:

A Pé.QSPéCT/Jl'A m ostra os 06/e :'os


como e les 4PA.0€Ct,""f a nosso v;sta,
como um VOL VME, nôo co,,.,o el,s
r<lol,nl'n t, so-o . 4 p~rs,oqct',vo o'o ' él

ViSAô J)é CON./C/NTO do Objeto nu,..,


So' t:/l'Sl?n"10 n?OS noo ,or?rn, 1'/1? _. ~
tom~r n, e d,dos: __

2 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Vomor compçor co,..,


f ,9ur-tS s,mples :
mo , s
vmo 90 rrof'o
e suo c o i xo.

VI 5 TA D€ FJ;?éNTé

V ÍE;TA DEi

/
/
éstPs .00'1 tos =osfro,,.,
/
/ onde o 9orroro
na coiXO .
3
QUE.É PERSPECTIVA

]s d"•"nAoI seróo moi s f'o'cR ,S


~e voei co,.,,çor (roçundo OS'

Prot, 9 u" , co,neçr,ndo


c om ,c,·9uros s,,np/1.'s.

Se a pt:?r 0 pecri va
do co;xo e sl, ver correto,
o f', qvro d, dl.'nlro
l'i coro' rnoi.r ?.(?EC/ S-A.

4 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

IJo oito df' u ma escada


voei v/ a meso
oss / rn : ~----~ fJ

• EsfonCT'o d,
normol mRnt, ,
voe i vi o
P";
---z) limo criança
,,, 9of,nl,ondo

T
v; i sso :

A o/turo da vi s!o do o6s{'rvodo,


mod, l ,co o ! 19vro; e lo indica a
Linhc? di' llor, z onte (L . 11.). /yoS 3
(
d l' SRrJh. OS a cim o f e,,., o .r:

L . li.
- - - -- - - - ~r- fl tm todos os ce,sos o
1 / L inÍto d, )./ç,,-, Zont,

A/furo do /
esta· S E MPRe no
01:,.r,rl'octo, : o l furu do o /1,o do
, h / L. lf. • L; nho de o6s,rvodo,;Mumo
·~ ' / / í)_--....:{:_____1-1_o_r,_·r_o_n~fe_

j
'

(1 ~1 ·
O QUE t PERSPECTIVA 5

~
A l i nha dt" /r'or,zo,,ü

Ol,s11rv~

fJ ; :;;~c;,~,;,,
11
177:L li _,-r
dt nem l,nho a',
grande o/fc,ra,
f l, or, Zô,,ft .'

~
c oma t"m
fofoqra/',o o/.re
E ' c,ma Pl.4/1/TA,

r;i{~: liff. -, \'lii


CO"'?

2 a',me,,soés .. .
''1 ~,. ) / ti ft~Ç\,3i'[
L ~~-n- ~rr::Jll~Y:Ltc;v
•'pt'rSpecé,va a vôo ele pás soro . ·~
.......~ .,~~· ·-. .... ---..
........._ -. ...._._. ~..
, .

. . 1

no
r,'o

I
L . ,/,/.

6 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

rece rfl
Umo Coi X<! re9ulor (pr,.rrno)
aprRSl?nto retas poro/Rios, de oS
co mo
da
or s 11to.r
/ , 9uro : º",eras pd
1u,"ºr0 ra

OSTA FRONT:, 0 No p11rspqc/i yo


os retos (.retos)
L H.
q.toS
sr
linha
e' o
enCO
p ntfQf
de
p
na •
horizonte
ºt-iTO Dt FUGA

e
apa recem
os . ,·m :

v;sr, S"P'"M•
011 PLANTA ,::.---

Se co/oco rrno s outros c a ixas poro/e l o.s o esta,


os /;nhos vo-o se e nconr,::i, no ,ni's1110

PONTO DE FUGA
sohre o
Linha dt' llori,z-on te.
O QUE É PERSPECTIVA

Codo conjunto de reios poro/elo.-


tom seu .t,rdprio Ponto c/t? I= u 9 o .
Observe no plonto ...

PL4 NTA

()
L. J./.

fu90 do
d i re/tu

Poro

P/;RSPECr ivA

8 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Un, livro
colo codo no piso
e' vis(o o SSim :

F, L /.J

h,
s uper/ or
do /,"vro e ' vi síve(

o /; vro es-ro· o 9oro sol,r~


uma profele/ro no mes-,no
oi furo do o/1,o do o6s-er.-odor.
---~-__,~..'-=:: : : :=: : : ~Éi'tF---:=: ~~~====)E:==:=:=::=::=============------,1/em O
roe, s u PE.e ,o r.?, """'
Q

~2 __J ." oc e I/VFé,eio.e sôo vis-íve i s .

sera v,,;.,p/ se
0 profel e / ro t'or Nos 3 c1,s-t?nhos o po$'/Ç40 dos
tronsporente . ru9os "' o n>esma . 4 vor/ qçoo
l'Sfo' opl?no.s no o/furo do
0 1,ser Vo dor : h, , h2, h2.
O QUE t PERSPECTIVA 9

Aqu, está o vi s/o dR


uma cidad, . 0/,ser ""
l i nhos CONVERG / NDO,
~ vmos- poro o d , relt"o,
_ _:::;::::::,.....e::;..._, o{l(rof" paro o "S?uero'o . Co,n um p"pl'I mo,or potll'rl'moó" d1lerm i nor
---- -------- e.sfe.- pontos de enco,,fro do .r / , nha.r ...

. . . ou Ponlor
o'p Fu90 .

Eles eJ't<io so6r, Q LiN/.1,4 [)E 110,QlZONTE.


E' uma l ,nho l/'-f4C i NA'.ei4 ,nu," lo úé ; /

As linhos VE QTÍC4 is per,.,onPcRm


paro/Pios e nóo tim ponto dP
lu90. E,n olquns cosos
Poclomos dt'fern> ,nor o pónfo de
BA i XA .
fu90 poro o o',r.,çdo verl ,c:, /.
O a.ssvnlo ,. · e.rlud<rob no Co,o, t vlo 14 .

A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS


10

no ai to sôo vi stos ACi M4 do


L;nho d1 ,1./or;:zor,le

Coi sqs v i .sf<1s "" Lin/iQ de Hor, ·,o-,te :

LII

LJ.I

Objetos v,stos
ABAiXO do
L , nho de ilor,2ont-e

v6 j 0 o troçado da circ{/n/"erênc/Q
em Perspl'cf,vo no Co;:,/lulo 10.
O QUE E PERSPECTIVA 11

r1ôo mv,'fo prÓXi mos.

F, L JI

As parrdes nóo st:io


tronspa r.;.,.,t1s e t'ro-o preJVd, ·car
o v i sto do ,r,fl'rior do saio.
S" t i rorn10I OS" pt:J/Pd"S ,no ; I prÓx,,"n,oS'
(t"- a s,o/a aporPc, oss i,.,, _ PodP,.,,OI
con,pl,lor COn? 11CA,'xAS 1' pa,a orrno"r/0,,
Con?a, m.!'IO p oufror ob/ , los.

-F==!======='l=~=l---P.~X:¼WWWWWW4W2~~~22:0:-__!:.J.._H~------- - - -~"" +
Aql./; o dpsenlio oporec" ompl,o do
e pronto pqro r<'c:Pl,,, o
4CA84MENTO ~ , no /.

L 090 ma , s voei v era como ,Cozer


p.:,ro n,qrc:<1r EXATAMeNrE
o, Po11fo, de F uqo "
os d , n?enso-,r do,; o l,j efos.

12 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A polo vro fj)[lfx~[j>{l@'fl!Jrf',t;J ,


.r,gn, fico "Véll ATRAVES J)é ... "

Sl' voei e-e coloco, afro', de Objeto


umo janelo t'nv /draç ada t', ,/
S'l'"' S'R mover do lu9dr,
r ,SCdr no v,dro o qt/1 rs(a' "vENbO ATRAVÉS [)A''
janela, frro le,lo
un,a perspect/vt1 .
p V.

O luqor ano', voe; est,:/


" ' o PONTO bE v/5TA - P.Y. -
~
e corr,s pond, º" O v;dro áo jo,,ela
o/l,o cio observqdor. te,,, o "ºme de QuA!),eO :
e' o plano ond, se
desenha o per.spectivq.
PorJfo d, V/.rta

DO 08S'€RV;:1DOR ou A.
13
O QUE! PERSPECTIVA

ti {t@llíJ~fl'(J/]~@7@
@@ /j)@f?:JJIJ)@@~ÔW@

VoltomoS Q .1onPIO e nv,' droçodo .


és{omos no a/to, º",,,., ALTO, e /o'
em l,oix'O, sohri' o t,rr,no esta '

u=o CA/YA, o ./ANELA ll


o 08SERVADOQ.
{ )

,/'
0 RA 1·0 v,"suAL ,, a refo
Ponto
qul' l,'90 un, ponto o'o caixa
de ,cvgo
ao o lh o cio o6s~rvo dor. A,
s-egtúdo, o Observador olho
no d , r,çôo A, e
enc.ontro o segundo
Po,,to de /:u90 F, .

14 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

sõo
oht ,dos por retos qv, posso,n
pelo oll,o do ol,servodo, 110
mesmo d,,-,çõo cios lodos- do 06/efo.

Po11to de Visto
0 /1,o a'o ()/,serYodor

O que o 06servock,r des-enho :

./On6/o ov Quadro
15
O QUE É PERSPECTIVA

o coo<o 9 ir or, os pesiçóes


pontos d, Fv90
0 /terod(lf' : ./
F,

A~~ 8

F, Fz

(j)
F,

0 ,Coc e troctjodo e'


ma is >1/ Sí>1el, op,,r,c,
F, con, mqis d,s fo'j'(JI! ·
L /.1

Face 1J.

Ponto de Fuga _ / ,

16 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi;

~
Os ponto s d( fvgo d ""'""' !ler
.ri
... colocodos bortonfe
!? dis(onres- do
4FAf'T41XJS ENT~E
/',guro pr :n c/pq/.
r, L/.1 F2

ESTÁ TL.JDO E R ,V,.DD(


VOU PARA UM DO"!TO DE Aqui
FUCA 81;'1'-1 DÍSTANTE' .•• MUÍTO P.QÓ>< i MOS entre si 11
L li
d" ,c,9""'· 4s coisqs
D E fO ~ 114~.I'
, co,..,PRiMiDAS.

Até aqui apresentamos as noções básicas


da Perspectiva sem utilizar a Geometria
Descritiva e sem citar termos técnicos.
Mas a coisa vai mudar: vamos fazer o
desenho exato da Perspectiva, segundo a
Geometria ; tudo, porém, dentro da idéia
in1c1al de explicar o tracado sem palavras
técnicas desnecessárias e sempre com
figuras acompanhando o texto
Imagine que você segura um cartão Vejamos outra situação : agora você está

Ili exposto ao sol de modo a formar sombra


no piso. Podemos considerar o sol como
fonte de luz a uma distância infinita
(matematicamente a distância é conhecida,
portanto, finita!) sendo os raios de luz
paralelos entre si .
numa sala pouco ilum ina da e acende uma
lâmpada diante do cartão . O cartão cria na
parede uma área de sombra. Po~emos dizer
que a fonte de luz emi te raios capoz es de
projetar a somb ra do cartão sobre o plano
da parede.

~ - ~
~
'.
rttio

/ Soml> o

Generalizando: temos
projetantes paralelas ( raios
de luz) e podemos dizer
que o centro de projeções
\' . ~. está no infinito. Em linguagem geométrica diremos: do
A projeção ortogonal é um caso particular centro de projeções (fonte de luz) partem
' ( J )
. .., da projeção paralela. No exemplo acima, se as projetantes (raios de luz) que
j • I 1) os raios de luz forem perpendiculares ao determinam a projeção (sombra) da figura
piso teremos a projeção ortogonal. sobre um plano. Este é o conceito de
A representação usada nos desenhos de projeção cónica.
arquitetura, de móveis, de conc reto A fonte de luz é o cen tro de projeções,
armado, de topografia , de desenho colocado a urna distância finita . O centro
mecânico e, em geral, quando se trabalha de projeções é o vénice de um CONE cujas
corn medidas exatas, é urnn aplicação da geratrizes ou projetant es ligam o objeto à
projeção ortogonal. sua projeção (sombra) .

18
A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A idéia da projeção cônica visualizada no exemplo


da "fonte de luz - cartão - sombra" será agora
generalizada . Na figura ao lado consideramos o
centro de projeções correspondente ao olho do
observador ou ponto de vista (o ponto O - vértice
do cone). O ponto A da figura no espaço projeta-
se no plano vertical em A 1, ponto em que a o
projetante OA encontra e atravessa o plano
transparente O. O ponto A 1 é a PERSPECTIVA Q Plano
Yert /c ol
CÔNICA do ponto A no plano O.

Esta é a idéia fundamental da


perspectiva cônica a ser desenvolvida
neste livro.
A projeção cônica é conhecida sob
outros nomes :
Perspectiva cônica
projeção central
perspectiva central
perspectiva geométrica
perspectiva aérea
perspectiva linear
perspectiva de observação
Em continuação, admitiremos
conhecidas .as noções de projeção
ortooonal estudadas em Geometria
Descritiva, assim como suas
operações principais .
A palavra perspectiva deriva -se da
expressão latina "PERSPICERE" que
significa " VER ATRAVE S DE". E este o
significado básico da perspectiva, ponto de
partida para conceitos mais abstratos, que
poderão ser estud ados em livros indicados
na página 151 .

~
CÔNICA

Aqui está, outra vez, a janela envidraçada e


a pessoa que, dentro da sala, observa o
exterior. Com um giz ela vai desenhando
no vidro os contornos daquilo que está
"vendo através da" janela: uma árvore,
uma casa, o passeio, etc. Supõe-se o
observador sem se mover de sua posição,
tendo um dos olhos fechados e
movimentando somente a mão com o giz.
A perspectiva fica desenhada no vid ro da
janela .

20 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A perspectiva cônica de um objeto de 3 dimensões é a sua projeção


sobre um plano . Pode-se generalizar por meio da projeção não sobre
um plano, mas sobre uma superfície cilíndrica, ou esférica, ou sobre
uma superfície geométrica qualquer .
Alguns dos termos técnicos aqui reunidos já foram vistos no capítulo
anterior.
1 - PONTO DE VISTA, representado pelo olho do observador, é o
centro das projeções.
2 - QUADRO, represen tado pelo vidro da janela, é o plano onde é
desenhada a perspectiva .
ô,o'" ,tro/
3 - A reta que passa pelo ponto de vista e por cada um dos pontos
do objeto (como B na figura) é uma projetante, ou VISUAL ou,
ainda, raio visual.
4 - O ponto B 1 do quadro é a PERSPECTIVA do ponto B do objeto,
isto é, B 1 é o ponto em que a projetante de B atravessa o
quadro.
O ponto B 1 é, também, a perspectiva dos pontos C, D, Prrspectlvo
pertencentes à projetante ou visual B 1B.
5 - O conjunto de todas as visuais de um objeto forma um ângulo
sólido que se chama CONE VISUAL ou ângulo visual. Projeçóo
6 - O plano horizontal de projeções usado na Geometria Descritiva úo 0/,.Jelo
tem na Perspectiva o nome de plano geometral ou, simplesmente, /70
Geometral
GEOMETRAL.
Precisamos, ainda , conhecer outros elementos da perspectiva .

V/$to Sl/pl?r i or Quadro


ov P/o,,fo
PERSPECTIVA CÓNICA 21

7 - O plano horizontal que contém o ponto de principal (portanto, ao quadro) é conhecida


vista (P.V .) é o plano do horizonte ou P.H. como DISTÂNCIA PRINCIPAL ou D.P.
8 - A interseção do plano horizontal com o 11 - A interseção do quadro com o geometral é a
quadro é a LINHA DO HORIZONTE ou L.H. LINHA DE TERRA ou L.T .
9 - VISUAL PRINCIPAL é o raio visual 12 - A cota ou altura que mede a distância do P.H.
perpendicular ao quadro e passando pelo (plano do horizonte) ao geometral é a
ponto de vista P. V . A interseção desta ALTURA DO OBSERVADOR ou h . Observe
perpendicular com o quadro recebe o nome de que h é igual à distância de L.T . a L.H .
PONTO PRINCIPAL ou P.P. O dito P.P. está Dificilmente você consegue gravar todas estas
sempre sobre a L. H. definições AGORA e de uma só vez. Vá em frente e
10 - A distância do ponto de vista ao ponto ~empre que tiver dúvida volte a ler esta parte .

PllrspectivO' do Ol>j,to
Cone V/ suo/

Ponto . 06jefo
o"t Visto 8,
8

V i sto Lofrra/

D. P.
Visto S'up('r/o

o PV

22
A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Vamos ;solar no r i 9urti


anter, or po,,fo 8 tt o
""º perr,1>ect/vQ . 0$ poó'S'03
por~ obt,u o pe,specl, va
P'V ' Pódem s er ,u:.om,P4nhodt>r
na prOJl'<;4·o o er~uerd" o~
no v/S fo d, c.onju,, to

l
8"
Quadro ~,.,
proj1çt:i"u nq
v ; ~fq lot ,rol

Ouodro em
proi1ç'1Õ 110
Gtomefrq/

Geometral
(j)ft/R$!}Jíff~'il/1 rf!J rflrs &IEJ /)>(i)!)j=='f1=-=@:-=--- -- " ' L - ~ - - ~
0

1 - No geometral ligar PV ao ponto B"


encontrando b no quadro.
2 ·- A partir de b traçar a projetante vertical no
quadro.
3 - Na vista lateral ligar o ponto P'V' ao ponto B'
encontrando o ponto b' no quadro .
4 - Transportar a altura do ponto b' para o quadro
até encontrar a reta 2 no ponto 8 1, que é a
perspectiva de B.
PERSPECTIVA CÓNICA 23

Dados: o segmento AB nu Geome tral


a altura h do observador
Vimos no capítulo 1 a existência do ponto de fuga. A gora veremos outro conceito,
o ponto de vista PV
mais geométrico do que o anterior. Seja uma reta AB pertencente ao plano
a ~osição do quadro
geometral , portanto, uma reta horizontal, e admitamos que o ponto A pertence ao
quadro . Assim o ponto A é a sua própria perspectiva , pois os pontos do quadro
são, eles mesmos, sua própria perspectiva. J:IJ}tttt:?it?2I?l/I?fI9tft\
P.'v. •

8oseodo no r oto de
Oi' r etaS' horizonfoif'
J
ftrem $'(/(} r v90 no
-Linho d t 1./0, , 20,,te
( f i 9 1Jro o boixo),
Vi s to L a tt r o/ o troça do do z

j
p ,rspe clivo pod(' Sl'r
Q
/i'Ím p/,/, codo Co#l o
B
e l,m inoçó o do
O Ouo o'ro Yii. to /.. o t e ro/,
,,, "- o uodro ,m
p rojPto-.-t' no pro.; 1 çdo
com o l' õ'to' oqvi.----) "º c , om ,tr "/

A,
Se9n1ento
1 - Traçar a part ir do PV uma paralela à reta
O ponto B tem sua dada até encon trar o Quad ro em m .
perspectiva obtida, como no ~ - - --G_e_o_,,,_,_t_"'_"~I - E :=:::::=l--- ~~---..2:~.:."~2:_-_ Levantar o pon to obtido para a LH, determinando
exemplo anterior, em 8 1• Se passarmos por P'V' F, que é o ponto de fu ga da direçã o AB .
o plano horizontal L.H. e prolongarmos a reta 3 - Levar o ponto A para A 1 na L. T.
A 18 1 encontraremos o ponto limite, na 4 - Traça r A/, perspectiva da direção A B.
perspectiva, da reta horizontal AB em F, ou seja, Ligar o PV ao ponto B, encontrando no quadro o ponto b.
o ponto F é o po nto de fuga das direções Traçar a vertical até encontrar a reta Al, determinando
pa ralelas a AB . A, A 1B 1, perspectiva de AB .

A ut,'l,zoç-o·o ele biAGOAIA is s i mp/,h ·c o


o troçado do per sp e ct,vo .
_ _.....,._ _....,.._ _ _ _ _ N

REGRAS
p- ÁTICAS 1----+----r----,,7'1'-- --t A
,,,""
i--- -+--~,,._----1---f e
~

t----:>f"-- - + - - - i - - ---f e

Aqvi es-to' o r/srA F RON TAL d,


vm o R.1to n t1. No ,c, l!rsp l!c tiva,
M
dl!po/S'de des e n h ado o "c4,xA~
troçamos os profeleiro S 110.eizO,vr41:S
4, 8 1? C. ,49oro troç:a ,,,,os- o ZJiAGONA /..
9v, corto ali' 1./0,-;:z onfo;,1 A , B g C
no.S' pon tos I, 2 e 3 · por º"de •·
p o ssam O S' VII r f,"c o ; s .

outr os o p l,ca çoe f' d<1S' d,o gonoiJ'.


REGRAS PRATICAS 25

A ut i /, :zaçtio dor d,09onais J.J.J

torno mo 11" S lmpl1s o dt:,n,+o


.,,.,
A.s d , 09ono i S
pqrm , f-en,
tncontror
'>Q.9
o CéNr!lO dt Outro tKt,,.,pl o .
pt1r,p('cf1V<7!'.
ç, uo/9 ugr l odo
ou loc" 9ue
N?JO q uadr,7e1'0
o u retôn9vl o. V, .rta
• Frontal

Pi vi soõ em 2 porÜS

o
w
/

D;o1/SÕ0 e,,., 8 pa,tes

No perspecti va f ort1m
<1sod11S os duoü d , agono , s .

A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS


26

Ou tro exempl o ·
con h"c ,mOJ'
o 1/,3 (0 Fr o,,tol ..

2 Começ-o,nof
d ,,e11hando QI" p,Hl'des ...
e o Plo nfq (l

át Co h , rl'a CéNTIX) do
dP vmo c a.Po . ro e, loürol.

o telhado esta
desenhado . MAS' .. .

ondtl vomo.r colocar


os panto.r A I!' 8?

A altura G)
Stro' d / v, d / dO em 4 porl'tS i9ua,:J'.
Tro fiOmOf o S ltor,"zo11(4 i J' (PO~ o l"v~o)
R O d i aqont:1/, 9t1L 1/Q,' tt,f,rn, / n4r OS

pon fos f , .3 e , do,:


os vert/ ca iS
9vP levo m o ,os po1?toS' .4 e B.
REGRAS PRÁTICAS

27
Nu,no p"rrpl'cti vo ,r to·o
Outro proc11.so
der9nhodoi' doiS' poS't~J' AC " P!J . Dl v i cl/ mo.r 0 .,,,t/c11 /
no metod, d°o o lluro .
Ond, colocar or po.rt,s s,gu:nfes,
f?Q1úo'i.rtont , ,r, o',s-.se.f'?
€nconfrqn,oJ' o
po,,t? M, 9u, se
• Troçt1,noJ' h ja à .ll/gO .
v,no v,, t, ·cq/
9v, P4.f'J't' p,l o A d , og onQI AN
Ponto d, Fugo. I defl'rm 1'1 0 o p o,,,!o é
do 3º p .' )J ' (€ .

e Prolon9qmor ,4 8
,,t,· ,.rto >'t'rf; co/ e A d / agono / lJP
1- -~---t--\-+\-t-\t--..:~~.:L.:.:II_ o/,leno'o o po,,tr, ;.2 _ df'term i no o -7 o p orte.

• L i 9'1no'o [) o ,c2
~n ca,,,t-ra,,,,,.,o.s
o ponfo é,
60.r, do 3 -0 poS't,.

• L i gono'o G O F
Ond, J,o//ver rt'ppf ; çtf,, dl'
2
i'')CO ,,frQntOS q elt' rnt'nfos ; gvo /J' 110/ e " p,no
t,,.,rp do '1- .0 poJ'f,.
op/;c ar o 9 v , l'icov d;/0 .

A l T:.QN4r:vA:

Poder,·omor 1: g,1r
C (lo po,,to 1) ' obf,,. u,., po,,,/o F.1 - NA.O
DES~H#4DO A QUi - nq p ,rrff' S'
u ppr,, or do ,C,,9vr",
.remp/At1,,ff' o F,2 .

28 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

1J9oro pr11c,N:,,.,c,; .,, ~, .:l',r ; ,,, PARTE!' Ít:7VAiS


u n, ó'€"9,nento jo' desenhado ,,,., persppctlvo .
F , gvroS 9~, f•nlto.,.., ,juo/ 4i. Tt/R,1/ e 9u, ,rf"),:;,..,
Corno d ,v,dir o se9,,..,enfo A,V na mesm<J prol'vndi dode ( ov d/sttfnclo.) apa,ec,,.,
em 3 portes / 9vo1S? na ptrrpecti vo c o,.., o m,s,.,Q 4L rvRA

A
2 3
No extr,mi dode A - o mo / ('
lv90 - tro con,o S .,,,,.,,, pt1rolelo.
more.amos 3 Seg rne,., fo J' /91/0/J'. mesmo comprimento '---..r----'
ti' o merm<1 a l tura..____/\
L , 90,,do o po,,fo ,j ate' M en co,,framo!"
uma l"vgo F, e, o'o,: ,:,r pontor proc.vrodos
8 e C - Co ,,., -, m ostr<1 m o.r S6foa~ .
Para coloca r f / gvro no IP Pi.ANO - rem l'qur o DéSl:IV/10 COHPL.t:TO -
vma
,oo.:/th10J' vsc:i,porte poro
t/"'14 i. /1
o !;t(lr O proporç:ôo : ------"-!.!......----::;-;,r=JL:.~- --:::=:::=::::::-
l)vos rt1fos p,uti n do do ponto
dtl r//go troztm p,v!e dCI
f/91,1rq o CClbl'ÇO- porQ
o f.O plano em 48 .
f)es/oú(mor AB pdrq o
d/rei to ...
• . . t1U poro q (l('<JVl'rd,1
1
, .. ou .f)OrO
loco/ q lnda n,,úJ'
prÓ;</ rno, co,,,.,o CD.
o troç;odo 9v, a,or"Sl?nforemos
e' /qn,i,e'm con/,eçdo c,a,n o "loml? d,

j])m@rcll[$3@ PJ;OC€S'SO DAS PRO./EÇOÉS Pr:vquP <1.f'o l)i.l)ETAlffNTé


o.r pro1eçóes ov v,.rt<7S' dos t,511.1ro,

$)@~ ou, o/r1do 1 co=o

!Jl_l ufl li fill t


Pf<OCEJ'S'O l)é iRRADiAÇAO Porque
,'r rod,oçoõ
o troç:ado
o
se foz por
partir do
Por1to dt? J/;J'to

PV

Per.rpec / ,yq : Ob/eto


pro.1eçiio cio
06.1eto ""o
~....e o

A opr"sentoçoô ilv/c/AL Sera' J"eita


pare, lei lorer mw1or hob,·tvodos o
lt'ngt/oqem do Ceo,ne('rio ~l'Cr,'f,·vo.

30 A PERSPEC TIVA DOS PROFISSIONAIS

Aqv, ,sf1õ
v ;:rto
lor,ro/
J v;sta S'
d, LIMO coi ll'1, Para o p1rspecf ; ,,.o

fD
//ma ROTA ÇJ(O
ctorl?,,.,OS'
coi.xo
11<7 d, modo a L r
ver ar focer f , 2 ...

... e traça m o!' a refq


Visto Svp ,r,or ~ Foc, 2
ou planto L í poSS'anclo pl'l<l
or'erto A.
Nes-fl' ponto tiro,.,,o.r
uma p,rpend,'cu/ar
o Le r
S' oór, e /<1
marcamos a posiça-o
L,'11ho d, r,rro e
cio Ponto r/1 1/,'sfa .
ov tra" clt'~;n,-ções : PV
11,r cop,'I vlo ant-l'r,'or

Ver dade i ro

n o QIIA/JJ!O
p rÓpr,'a
Grand,zc cfq
o / furo do cc,'xa: estonclo
,lo , ' o svq
PéRS'?ECTiv.4 e
\ -491;;
a
cont, ,,vomo,
d,r,,,ho e ...
do fl9vro
d, conjunto
o ct'mo

(Ve/o
tJutro

pa'9 /nc)
ndo sorre I>EFOR~AÇA-0.
) PROCESSO DOS ARQUITETOS
31

... tro ç omor paralel,1!J à.r faces f e 2 - P / ono G go,,.tfro / e


- co,no f-c..v Vi I'to no Cop/ tulo 3 - Pi o n o d o Ou o d r o .
'oro/tio oS' ponto.r dt lu9<1 .
, l oc, I ,4 / o/Jio do d PS en ho fpm
Po r iSJ'O 1/SO= os
Fu90 do Foct 2 o ort ; f /c/o
de . ..

o plano
Quodro
poro umo
novo
POS t Ç4Õ ,

.Qet,

t, ~
1
º<"~~
' "'
1 ', -:>,..,..
: '.. o cont,nua moS
:
1
' com
'
1

Torno-.re necesS'Ór/ o
DEITAR o plano do
Quadro S'obrl' o
Geometro/. Em C'1omefr,o l>eS'crdi yq
chomo-fe REBATER: o p lono do
e..rto' rt'óol, do so /;rR o GeomPtrol .
o.r doi.r p / oncf'
J'I/PERPOS TOS nu,., so'.

Fedo i sso vol lomos oc troçoúo o'o PéRSPéCT,° v/!l .

32 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONA IS

Fozl'mos nts t, dtS'l'nl,c


os opero ço"rs do
po'9,no o nfer, o
r .· ._r:
'<"',;,.,.
,.._
i'. .J. Fn confromos ( oh.1, xo) o !' d,"rl! çoes o'o.r t'oc t S' f t 2, 9,u
f / .ª pcs,çáo d o O uodro comt 'r""' no ponto A, e >'ão p or o F, ll F 2 .

2
Ono't1 ftrm i nOn? \
t,nho dt
es ro.r
foca? J

Lr

Q
T SRfo.r 4 e 5 :

/4o.r6e 7: Si' l , 9ormor P Voo po,,to D


,: A vertical N, do Planto enconé'rori'mos no
Í lo/ 061-,'do . p~IC: 91/oo'ro o· ' po nto G) que
' meS'mo rac, oc,n , o : c ,yrrrsponde b ex lre,.,, , d o de
/ içamos PV o 8 1 ,/Q roce @.
encerrar, li9ornos o6fendo !J., e O ponto 6) dv, rí a VE'rtica l
4 e D, OOI' ponfol' dr em .re9v,do, q H, nq per.rpecfi vo.
verti cal J\lf ,
LT
lc/t7q ( sP to.r 8 e 9),
c o,np/ Pl'ond'o a, ,oe,s_prct,vo
(ponto e,).
(-__/
O PROCESSO DOS AROU/TETOS 33

Ati oqv, na·o ar,en(qmor qvanto à


colo caçtf.:, o'a Ponto de Vista· PV.
O assvnto e' tratado no Co,olf11lo 'I.
Entretanto, Sl?rq' necessór/o
dtfa l hes.

Nor desenhos onltr/ores coloc",.-,oS


o P. V. na pos,çoo qve rtsul/c,,JJ'l'
em MAiOR SiNPl/CiDAPE da
opresen toçoõ .

"1QS iss-O nao átve Ser redo À TOA/


A colo cação CLÁSSÍCA
do Ponto de V /s to dodo
pelo ViStl/lí 9ve posso pelo
CENTRO GEOMÉTRICO
do 06/eto F,9 u roJ de
planto ,rre9vlor
so·~ co/o c odoS'
dentro de
um retôn9u lo ou
de um quadrado.

lJ. P.

A /)/stâncio Pr ,nc/pol l) . P
( Co,o,'t'vlo 3 : esta' lem6rodo?)
€' - éM c;E,Q4L - /9va/ o
I, 5 ote' 2,5 vt?zes o mo/ or
d;rnen.s-o·o do ol,jeta, ma!.'., .
e ' melhor opresenfodo no Cop/fy,'o 9.

34 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Aç11i esta' ot,lro """'"pio : o,senhomos o


Planta d, modo

:111
,:flj f'oça Ôn9vlo
t;'Ul'
d, 4.5° com o (i)uod'/o

As d,ogonois
dtftr,., ,nom o
Y/J!o
Fro nta/ Centro G'eométr,co...

e p0r ond, po.rra

Planto
o V,sval Pr,nc,'pq/,
perpend,'cvlo r ao
D D.P. Qvadro (Sela t).
.J
2
Os dr?"'t1 ;.r
prOCHJ'OJ' o't' _.,__ _ _ _ _ _ _ _ _::-.., P. V.
"1arcamo.r o P.JI. co1» o d,;;-t,5/lc,'o
P~rJ'pect,vo D. P. dodo e t iramos oS'
CoÕ S/MPl/Ft'c"AÇO€S parole las 2 e 3 a 19[)" AB,
D.P. t>nconfrondo qS Fv90, ~' , F,'.
0<1 VARiANTeS
do Pro,=esro
oo.r Arqvite tos.

E:s u,no 11:.stt:1


9\. ""º ~o
"'()'Ã,\1.0""' 11.
T~nt::>r l)ECOR4.Q
dp conjunfo.
S,!r:7' ,·.,,Jf,'/,
J.,.;,/:.:• /rJ d<Sdl7 o
,t:;r,·.·1 :/:p/~.
I>éVAG4.Q ,I

PR,qr/ ~

SE,.,Pt;>é OVE PUDFJ;!. €Xl::.QCtC1'oJ',? O me /l,or d',ln


E 9 UCJn.io nõo puder, ... p' c/q.r;>nhor o.r l',9vrr1S' do 1,,-ro
t:unbÚn./ o inJ'trumento, , m tamonl, 0 M,,;,o,e, G'tomi'tro l
O PROCESSO DOS ARQUITETOS 35

Entre o PV. e o Quodro


colocomoS' o L T.
A parf, r dl'IO
VEJA so'/ med, m os (3) -
dado -
A posiçoõ da e tro ç amos L, H, .
Ter,m<JS /IOVO L. í.

~~~
em nada
!''
2 Seta (j) Tra,.Sportamo, poro L, 111
a por,,;:io do , fu9os
® F;• , .,;·.
\-. o ()uqdro
S'oi,re o
L li.
G,ometro/. O pon (o A e .rto' no
,
,: "
Quadro: e le e ' o suo
Juntame,,fe @ propr,o perspect;vo e
e levamos poro L, ,: em A,.
com o Quqdro J., 0
serõo rebat / doJ' PV.
seus pontos e Esta n1ed.·t::1a
l'oi Seta @ A,F," e' o perspt>ctivo dt1 d i reÇÕô A 8 do 06.Jefo
suas retos:
(J) A, F;' e ' o perrpecf,vo do d/reçôo A!).
os Po,,tos
dt' Fu90 F, ~ F2
rehott?m · Sl' em F," e .F2 " <iJ A relo que 1,·9 0 P. V. oo ponto B encontrq
e a L . H.
o quadro no Ponto B; - qv, /e vamos J:>0"'7
rebote- J'l' em L,H, .
® o d , ri?(0-0 A,"," : !3, e ' o pl'rSpl'd, vo d<' !J, ov,
em ouéro.r pa/ovro.r, ~ e ' o prOj ~ç,ú, dP .8 sol,r, o Ouodrc .

® CONO 08N:R D,, PERSPECT/VA DE f2?


"9" Li 9onclo l) ao PV. encontnvnos D; - proJPçtio
'--V df' D s-o6re o quadro - e levamos poro a d , reçôo 4, F 2".

Iro pro't i co
nôo se d,'/'erli'nc/om @ COMPCFTéNOS' A lJAS'é : L, 9ondo D, à F v90 F," e
or pontos F, ·F,'-1; '.' @) 8, o F;' teremor C, no /nt'erst?ç:óo destos rc! :,.J'.

#o.s- deft?nhos S'l'tJl/inles L/ 90 ,,do C a P. V. enconlrar,Õmo.r no Qv :,dro um


VFRiFiCAÇAÕ: p4nto pertenunlt! à v't!rt,'col 9vP ,ooSS'O' per C,. ('onhr,,.,P/
S 1/./Pl / F ie ARE MOS/

36 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Dí!Ienhoda a p la nto
ou .óa.u> 111 /"t!r, Or A,B, l>, e,
lo / to a
J!' !>IMENSA-O :
o o lluro /

Nes!e e><()mpl o
,;,S' ,;,/tur,;,.r so-o
rp/,:; S VéQT1CA1S e,
por/,;,n.'o, poro/el::>S
r?ntre s, e poro/" los
oo Q(lodro. éq éôo
no Pe r specl, va, • e
" lo s co nJPrvom
~ p,1.r;,,,:uELiS/\10 .
prÓpr,a pt?r.fpl'ct, vo.
() ;,,forcamos o 9rono'1>:ro
Ars,rn. o perspec tiva <,\I AR - dado no
dt> ~oda orl'S!o verl,co/ o Vi sto Fronta/- a
St'ro uma rl'to vl'rt,co/ em 4, t;?,.
pos.rondo n o.s vtirt,cl'S
do boS'R A,8, C, O, . A aresto i?s do
l>OSl' Svper,or - L,H,
poro/e/o o 48 F" F"
Fsto· dl' / /n,do o f 2
moS
D, J;ÇÇi{O, do bose inli>r/or.
concorre ( ou ,Co1e), L,T,
não a G.Q4NDEZA
dos ores!os(AL Tt/RA). () no Perspec t iva,

,~
,o'O
,.oora o Ponto F;'.
Seto @ L,9ondo R, o F;' ol,lrmoi" o
A aresta AR ('J"to , aresto R, 1/, do boSl' s VP"r/or
0) ( poro/pio o AD no OJjer'o}

Complt?lon10S o troçado do i>ose


super/ar com as arestas S, r, e v, r,.
O PROCESSO DOS AROU/TETOS 37

A9ui esto· o dese,,;, o O mesmo pr/S'mQ, ,no.J'. ..


CO/.,fPlé TO , co ,,., oqr.,i o F,4C€ ,il5 /oz
Q noéoçoõ (/'1tro.r) ;,,9r.,lo d'1 30° co,,, o (;>uodro.
$/ ,,,pl, f, coda .

L li

F,
B, .D,
----
L-T~ - - ~-""==---.,L.....:....--------COMR4~ ~.r-to.J' penpect,·nn.. - - - --=--~A'"'",""'==----...:..__ _ _ _ _ _ _ _.J__ _L_T_ _ __
Noéov O prur'omi nÕn c/o d,:;
face A, l), sobr" A, B, "'º p v~
deS'enlro do d1re/to?

No d1sP,,/,o abaixo nôo ;:,- z,moS' o


dt1s/oa,m,nto da L T (,er po9. 3/) e A i nclo o mesmo ty,'.Smo I
q ,tJlrJ'pl'Cfi VO r,CtX/
ôUp,rporfq O p/onfo:
A911i ele eS'ta· ATRA'r d~
e COA/F ti S ,iô
1,e1vt=/l,4l/SAD4 .I Qr.,ddro - SPm focd -lo -
P fozpn,:lo Õngulo de :JO~

A persp«ti;/<7 /;co NéNOR.I


Q =t T
Hoi.I' delol/Ju no Cop/lC/lo 'l
Q---.-----'H-'lr'-'---+---.:>L._--- - - - - - ~ - - -

f' F,
diSperisdve /
o desenho Na pór;ino s119ui nte
dnfe tr,cl,o L r _ _ __ ...:..:.,~---------você vera' Ct7rno rOZó'r
~ '\IJ./;, 11 es te troçado.

38 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

No último A pQr.fppd;vo

D
cf"S'Pnho do
pÓ9i nc onfl'r, or ,-oc,· do 6os, (,o/onto )
v,u um pn:,l,h,,.,,, mu,lo e' - ~M TI/DO-
F~éQl/€1\/Té. l'm p(lrJ',Pectivo: Vi âo 8 oo
Frontal

A HA.l?CACAO [)A
e
AL TUl?A DE UMA A.12éSTA
9Ué éSTA' FORA
DO QllAD.1?0 .

[)
Mos oconlec" 9,n;
S0/7lPnt~ podl?m os
17?0réor o l /uroJ' de
ar '1 Sfas NO ~1/AD.QO, LT
o t.Ín,co PoS/ço-o
o'o p e r.rpec t , vo onde
elos esta-o em ,ua
VPrdod2 i ro Grandeza.
Con>o Sair
Poro o6tv o pq,.rpl?cliiro o'o
vlr t,ce V ov allurc d" p / ,Ôm,Q'',
desse impass12? infrodvzimos 11,n

vert, cal
~"'º A uxil iAR
Pl
9ut posre .oe/o
8
ve'ré,c, : e' o p/a,.,o é H. ..
Q Si'ndo H o inferseço"a
deste plano cem o Ouodro .
L#-..__- - ~ - - - - - - - - - - - - - - - -~- L"vomos M p,t.ra L.T. em H, .
0 ponfo é lo/ 061,do F, Horcomos em M,N, a
f,rseçoo
pp/o ; ,., dt1.r N, AlTUR4 o'a Pi r.:.,n /de
d, o3º"'º'! A, C, e 8, D, . verdodt iro G'ra,,dezo " /,:9,vno,
Outro soh , oo : ,oodó'mos .oaro F,, p0ir o p/o~o EN t> ' p,ual l' lo
l,jor P.V. o é , od,zr o AB e tem o m12S,no :l'tt90 ;:; .
.ru~ projr ç:aà n~ Quqdro L T - - - -4 - - - - - - ------'°'~---'""'-- -- - - -
" le/:lr _.ra!,M o d,-'re,ç,,'c, A, H,
O ve'rtt'c , V, eslo' no encontro do
H, ~ -S?hl v f,7.,. d,09on q /S. P. v'\!1/ verf/et1! é, com N,F, .
O PROCESSO OOS AROU/TETOS 39

A modificação da posição do As modificações e deformações aparentes na perspectivas são


objeto em relação ao quadro analisadas no Capítulo 9, onde se estudam as posições relativas
NÃO ALTERA o processo de do objeto, do quadro e do observador .
construção apresentado .

F,
8

([) A ufi/;zqçqo do PIANO 4VXtú'41? 11, aprnPntodo


na pÓg,'no onter/ o,;
V A R~Ol/Ç;JO do persp1ct, vo 9 v onc/o o o6jPto
(}Sla ' ArRAS do ()vadro (-1/t-) ; 2

0 A 4MPU°AÇ,l(O cr'q
LT

/ pers-pectivq
o 06/elo
qvono'o
e.rio ' no
.&,QéNTE do 9vo<f'ro{'1t)

•>,vlo;-óo ao
&..
Oi,s;,rvodor
Q

z
LT

'\'/4v.

40 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Qual
IN
~
, dtsfí'S
pontos
Podo, :
A: 1/J . AM
esto' DP=l,1 4N

~
melhor
Dér1Nioo?

S" voe/
..,. __ ....,,..,
conclu11,1 pí'/o
numero Pois, ................ A

estamos ele
acordo : r;vando
ar retas ff'ndl?,n
::J SE' !ornar J
A Sll?iÚnâo hobduQ /
o m orco çoo esfo' dada ppl,u stla,.
A moa', .<,caca-o esta· no
do t'nlerseça ô
spfo 5 : mor;,, o ponto A,
( o po,,,to)
I?, ,/epoi.r, o ma,'or ollt/rc
e' mí'nOS'
Planto A , N, do abjelo. Tro çar
PRE CiS'A .1 llrn ,V, umo L.T. atJKil,or
e f'cuer n,sla L. T. q
prr.rpt'cti vo do p lq,ifo
/,N'O ocorr, n,IS' .___ _ _ _ __. t?m ~ B, e; P, . 4 seqv,/ ...
p,?rSp '1cl/vQJ'
9t1ondo os
r t?las pPr!e'lC'1m f--------1 F,
o om p/ono
pro'x, m o do ... ,norc-o, oi' ollun7S do
PL-4NO /)O o/,jdo PAR4 lJ.4ÍXO da
1/0f.)/ .?oNTE. L. T. ovx,'/iqr é c0mp/,far/
v;sto
;;;,.,,an :s ~dvç-áo. ·iúr"
--;~/:·..
_ _ _..__.....,_~'-'-'--'-"--'-'.a...--
Lqfp ra/
P;re,·t o Acabou o Capi tulo 5.
Qual , ' O r11zoo do "º""''
'' .3 é SCALA S • ?

Vimo.! no Cqp,'f(//o 3
CCWé VtSU.4L hm,'fo

Jlpsf" dl'S()n/ro , to/ co,,no no '1!"pqço,


p1?rc{'6f'mOf q l?X /s llnc./o d,
3 EiXOS qll, drr.'n"n, QS med, 'doô
Oll di,nPn.roêr do ESP4ÇO T.Q1[)1MENS'/o,v,4L .

r,nc,p:,/
As h?,t/,'dos do.r o6jpfos roo ,norcadas
""' éSC4C4, porfonto, 3 e,xos oi/
3 a'imenso-es ov 3 li Se.4 l "'1 S.

do conP conf,do.f'
no Plano do #o,i;rontl'
dp(pr,n,'narn os
k;l{TOS '[)E F(/G.4 s;-o6re o L. H.

42 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

D('J'Pnli ,ndo no 6 ,oml't"rol o 06/l'IO (oba1,1cr,.-


o 9llodrodo 48EC), o Quadro, o J>. P
e o CONé VtS l/Al
dl' 90~ d t fRrm,nQmO.f
aí' fugas
F; I F2
.49v, os clirl'ÇÓPf Pri ncipais AB , AC
rortr>d,n com o Quadro qnqvlo l)iFERENTf:
de 45~ O.r p,,,,,fo;-
E
dr rv90 t'Sf"Q-o
fl,,., P, il F2 ,

D.P

Ãf, A F.l = D.P


P. V

lJ. P.
Na ,o,:;g,no seyui nl<> uma
pl?rS'p{lcfivo re / tt1 pp/o
procuro dt1, 3 éSC4t 11S-
pr,cpd,dQ pf'lo processo
)( = )' = D.P P.I!.
dos 4,9v,'felor - de ;xQ
cloro qvr esh>s procPSS'OS
O Conl Virual d1 90' ddtrm,'na nó Quad, o tim mudas S'/f,L(El,t./4NÇAS.
os pontor D, e !)2 9v1 Sót; cfi.a,noq'oS
PONTOS l)é DISTANCIA .
t_ No dtSllnlro ao lado o.5 Po/lfoI d ,
DiStâ"c10 e d, Fvqo estavam ce>nc,oÇnóo,
os.sim U>l>?O nQ pa91nQ 41.

Un.4~~(7'
J>O,V70 !)é 1) / STÁNCIA , , ç> ,DOS'içtio P. P. .nr1,,-e q, L. 1../. I?
/,'m,'feoo Pol'lro dr Fv9a t/Q J' ~ ~e.ida. a. lJ. P,
reta.r /2or / 2onlo/s que l'or,.,,q,.., ~ ~
Ôngulo dr 45° com o Qt/adro. ~ D, ~ l>2 .
O PROCESSO DAS 3 ESCALAS
43

O procnso obS 3 ESC4LllS bel.reio - s , no


cons-trt/ Çoo ÚP' Po/Jlos d,hn , d'os p , / 0
i nf, , ,.,, çoô d" 2 , ,to J ·
( - A 9v, Vo/ poro o . Po,,fo Pr;nc;,po/ P.P.
2- A 9,u vo i para o .PONTO d't "btS'TÂNCIA .
Por i>Umph :
No p/Qno G,on,,tro/ 8 E
eJto· o 9uodrodo ABEC
Planto Pelo PROCtSSO l>OS ARQIII rr:10,:
'/1".rllol Pr,nc.ipa/ Q ¼ ,,,, -4C 4,C, o p('rspect,vo d, 4C, çv,
t? ,

pqrf.,,nc " ao (?uodro l' n tio S P dpfó,-n,o .


A Q 1.1oór o
lJP = 2 . AC e 4 pl',spqc t', vo d"' CE e s ta· s o6r ,- o
LI{. Dz e i xo q cn voi d" C, of, o PP(se ta f}

Con, o ,.,ta qt/l' /, 30 P.11. a E ( s , to 2)


projtfa,,.,os E ,,.., E' no O u ddr o e
4
levamos poro E, (ufa 3) o!,f,nóo e; E,

lJ, é, Sl'ro' parole !t:i CI 4 , C, .


L . T.
C,

~ +:;
A, 1
V/suo/
Princ;,pq/

P.V. No mesn,o o'f's,n"º· pl'/o


PROCESSO D.4S 3 t:SC4C4S ...

=orcc,nof D2 no L .11., sendo P.P -D2 :: D.P. (o'qdo}


L,90,noS C, oo P.P. {.retc f} e,
depo ; s;A, o !)2 enconfnMo'o €, ( s-eto 4) no
e i.xo C,-P.P
Trop<lmoI B, E, porq/p/Q a A, C, .

44 A PERSPECTIVA DOS PROF/SSIONA

A d,09onal do (11/0droo'o
Ao .-,mp/,1, eor,.,os o sob, para o lJ / REi TA . . .
.,. po r ,·rso u,o,.,oS o Ponto
d,s.,,nho (orno -s, ,.,,,,,,-.,
d , !J,s-fon~,a o'o o'lrtifo : Z>a .
v,·s 1'°y , / o con.r~rvç-oô :
Qvoo'ro

A, C, é, ,· o pç,rI,o,ecf,-vo do
f,,-à n9ulo ACé .. ,
.,. otJ - n o //n9c.;09t"" o'Q G'~ oml?fr/ Q
l>escrdivo - A, e; E, e ' o PRO.léÇ4Õ
d(' A CE sOÍ,rt o 0uod,

i. T
8' 4, e;

O d"S'"n"o cio planto ;, ' J iS'PENSAV€L/ Como tJ •Dr o Ponfo d, lJ,sfÕnc.,c;.


/.fQrCt1ndo o profuncl, doú, eE do ESQv€Rl>A?
so!,r, a 1.. .T. """ C, li, enc;o,.,fro,.,,os o
perrp,ci'iva d, e~
,IJ ó,~9onol vo,' li _ _ _ _ E
~u,,J,o
paro o l:S()tl~R.[)4 ...
08Sé!;Vé_/ ;~"'Ç'áo
dr -,oy.
4,oos ,,,,,dl r A, C, so6rf' o L . T. ... P. D. do es9tdrdt1/
~"'frt>n, ,-dQc/, A, ti' ' l/9od'a q e Qu a dro

~ V ,·.ruol Pr,n cip o ~ 1


... "

Alr€RN~Tij/,4 : Poo', n,of marcar A,B'(pro/vnt7', o'oo',) na L , T.


l' l,gor poro ~ . 061,no'o 8, no e i)fO A, - P.P.
º':si A, + P.y.
C,
UI

LT
45
o PROCESSO DAS 3 ESCALAS

~ : v,z c1,,r,·,,; cfo a V,.ruo l Pr/n c ,p<>~ fe,noJ t>Q


A d, .d o"ndo do Ponto f)r,-,,c,p,,/ P.P. oo o P. P e or po,,lof d, d,·stôn c, t; Z>, f' D2 .
Jbn .n, d, b isfo"ncia ( lJ1 ov D,) , · 1'9v11/ Q
l),'sf.i,,c,r, Pr/ nC,,D,:1/ l>. P.
Vi SVt;I Pr / nc /po /
Faz11, o o 1/.3 d, .ti B
/Jp/icoçôo : pt>rSpP Cl , vo Dados · \ - - - t..
________,e dt um pnJmo Ouodro n,;
Fao A8S.Q

.Q s
V, sto
A 8
No, doir deJl'nhor : L-- - - - - - -- '
1 F,o,,t11 /
OI A faa l'ronfo/ esta' so!,re
o ()uacfro, porfont'o, em J~a
Verdade i ra G'rondPzo . JJ, seu!
1.. ,u'rl/cts 4-IJ -S · R po,f,,.., ,elos
s; 9u, CO'>Vi!r;,;,,
~a.~.. o P.P. ( Fu90
dos d,reço'rs 4€ t BC, pt>rp,ndi -
cu/ or,, ao Quadro) · ~ e h ,., I a 4.

A, a, L. r.
1

+\!/ P. { A prol11nd,'dad, BC e ' ~1-----~

V. oU/da proje fono'o · o


AE Sobre
ponto C no Ot/odro(sda5)
o Quodro .
'!m e' e /eyando parq Q
/ e, "º e ;xo 8, c,-P.P(utaõ).
. .. ~ /eyomos

,~f/'
ot, a L .T. (6).
L / 9on10! €' o
Dz , obt,,.,os é, (7).
Co,r,p/elomor o ba sl'
com é,C, paro/e/a a L.T. e
\e( d,senhomoS o l'oc, posfer,or. E'

46 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A vi, //zoç,:io d, d/090,,0/f e


d, Pontos d, Z>i stâne/o car,.d'Pr,'rq
o PRO CéSIO DAS 3 éSCAL AS.

VeJa ntst, e~p,np/o : E.rvblh,da o dia!JOno/ f/VP v11,· l)e,l(qmO.f ~, paço


Pi!r,pect, vo dQ mn·n"' poro o ESQ{,l{;RDA . Jbrtonto, ,ooro voei dó'Stlnhor
l,9uro da pá9,nt1 qnfr,,or vsomo.s- o PD. do i!s9verdo : D1 • COM o P D. do d , re,fo .
com novos DADOS:
QuQdro e
DP= 2,2xAB
l--- /2. - ---1

Quadro po,sando t>Q

.Cace EC SR, /slo e, o


º~/f'to estd NA FJ;?é#Té D, UI
do Quodro f
A v ; svol PrincipQ/ ,a:N.!'q
o ½ de A8 .

J. r
/)R~onhomos o race E, C,
O dl.f'l'n,fo d,; piv,la
E, e; S, 12, no Quadro e, de pois, . .. os qrRstos 9v1 11sfoõ
no rrenfll do QUQÚl'O f,r,fo, f a 'l)e e' DiSPéNS.t1'vél l
A, A:l.:4,mar marcar €, .11;
con verg""' pqro o P. p
LI! von,or ,4 poro o Ooodro c.orn o orco (o prorvnd,' dQd,)
Ol/ o d / q90nal (s) (' fronspor/o.,.,or poro
d/retoment, noL .T.

o L .T. (ó) em A; . L/gomoI D, o A; ( 7)


e o61Pmo~ A, no riJ<O f/Vt' li9a E, oo P.P _
Fr/to o base, Qrf'Sl'o.r- rl'rf,'e,qis co,np/ehrrio
O PROCESSO DAS 3 ESCALAS
47
o trorodo dQ p,?rJ'_pect;,,-q
pe/o proci'I.So d2s- 3 escd,u
e ' MA /S-
91,1ondo o
un,(l /'oc"
CÔMO!)O
,C/_9vro tem
l>,Q-Q4 t.l:l ~
r é,xo o't
Profund/dodrs

Codo vt;.f; c, tem ordrnod,u 011


oo Quadro. PRo.JEÇÓéS " ºS 2 e , xos .
8 Poro o ponto 8 : h ,,,.., e ,xo (lp L 4,{)G Cl.(>JJ.f - Selo 1.
J.loso procuJo podr b' no ll i;ro d, PRO~//N/)1l),4l)ES- Srto 2 .
,er usado ,oorr:. o.r
h9l/n:1r Oé3t/qvA S' e,., é,KO tft
Jbnlo é . Lorgvro :O(Zero)
relaçqõ q o Quodro . o'. Lor9uro,
' Prof11nd,a'odl' : E/p """•n?O
--:--r----,.,____~------- -Y:-+--L-__:___L...: ~ 1 -~

e; 11'< Ouad,o
é,.r os a'odo s - -4~'--r,' -------------------
,oar-. l/m ,><en,p/o :
m
,~(>

----li
As med/dqs no Etxo Ui
dt Profvnd,clodl'S sôo
R...___J rl'bof, ·dos poro q

Qvodr" ,oor ' d/09onai s' (*)


1

V,-,to -"rontq I
c,',r,9i c/q.s- pqro o e.r9vtrdo.
e,....,..,..,....,_~----c
(* )No reol,docl,,
rl'los /nc/,noclos o 45°
,''····.· ,· , ...•·.·.····,······.·•.·· B
ov arcos d, c,'rt::vnli>rend o .
J>/o nto (
os p0ntor do éiJ<O d , O ponto 8, " · d«o pel o ~
L Qrçvros : e; - b; - e;-... encontro dos- retos 5 e ó : - ()
Retq 6°- L,90 2 oo PP -:!:
OP = f, lxAB Tro ço,nof o é=,xo c,1.,. .{>,ta 5 - 4 dtogono/ 4, 9vl' t
Pro/'v/lcl, dod,s d r O para l,qo 6; o !)~, de,J;n, !, ' f
h = 2 . EA
M o r coçt/o Ct !?5SÍCA dq
PP e os d,·r , ,çoiu Cc e '1o Eixo d.- Pro/r;nd,dod,f ~?
86 , ,.., ,oprspect, vq : e s119,H p(J ,o
V,svol Pr,";,c,po/ : pa9. JJ
f ·P.P. e _É·P.P.

48 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Noõ f'
R.IJl?O oconfPC!lr 9v, o
Ponto ti, V,".rfàncio , o
morcoçád dp Profund, dadu
so6r.- o l .T. C4 i 4M !=0.QA
da proncli .-ta.

oresto!i' !t,f,ro,'s. No ~ int1 segvinle rf'p,t;mor


dºí o con-,trvçdo do ponto ll,
f - - -- s Elos sero-o ~ moStromoJ vm 4/lTiF/CiO
0 Pº"'º E, <'.Sta ' q.f? mt1rcoclos no vsodo poro tod cosos.
s o6rr o e,xo dr 1-.~ t;;xo dr AlTt./lUJS'.
Profúno','dodeS, fixo d, Altvr11S

t
~
dl'f, '1 , do p r l o ~ 4 V()rc/ocle:ro G'rond,za
Nto e;P2 . ~ esto' +- em O R, qve lpp i. }/ 1>.,
IR vomof paro o P. P. de P,-orvnd,dod,s
O ponto C, ,era'
def;n,c/o da ml'fA?O A vertical trocada o
mone,ro qve 8, . parti r dl' l:f do' o
J)t2rfpl'ct,Yo t/q 11/tvrq
Tl'mor t:111 B, r,o rtto 9ve CONF/ .Q,4 /
/;90 l?, a P.P. &n Ó~ As rf'tos A, 8 1 e E, C, conv1,y12""
f' , o'a,: ,fu:,rqB;. poro a p;,nt'-o Fz - qv, coinc,de
rQZr,n OI O mr.f"10 .---':.!:...- 4 - ~ - - -"'--'i.C-'7---... COh? O D_.- par ,ff'Mm refoS
nOf de,nai f .,;,. t ;c,s. o fo2,ndo 45° co,n o Qvoct'ro .
A, é, e lJ, C, conVl'~rm ,oara ;:; = ú, .
O PROCESSO DAS 3 ESCALAS 49

/)odo1 pqrq
..,,., €KP,,.,p /o : P i rÔmi dl' com 4/turo V=>-- - - -~
.ior" do Arom/ dt . ABC é
A F,9vro oé,oixo moJtro o q 6 V E 0 Á V e
- - - - h - - - -4
conS'lrvçtio /Jo6 , !110/ "
o .4Rrl F l c i o por11 e v,for !)P : 3 . 48
POnfO. FORA D-4 ~4,VC,1,/êTA :
( -- - - -_J

V, tvo/ Pr:n ci,ao/ passo,-,d o


,oe/o Cent= Geom/t-r, co

)(
Eixo o'I?
l)rof'11nd, dod,.s
¼ no D.P.

I.T

, 1--:--=--t
½_Ot,,
Com A,,dos dt 1J; sf11';,c,o
-QEIJ//Zi DOf' : IJJf@[flf§@~
1- Horc or no L./1. o metod, d«
])/s tôncio P,-;ncipo / llP. L?JA. RE D uç:A. o
o6tu,do D
2, . ' pode s er f"e, to poro
2 - Marco, "º
L.T. o ,nt fo d, 91.10 /91/ er p roporç Q-o -
1/:i> · ½ - 1/4 - du<(e
y
da pro/"v no'; dod, do ,oonlo: 911 e
O b,., = ½ . 06, se/4 o '""sn,a port1 o
3 - A reto l); 62 dl?Ürmi no Ponto de ZJ,:s-tôn c i o e
o ponto/,' , qve se /ei,10 p:yo os Prof"t/n d ,dode S .
poro 8, .soóre o C t11P1JOO_/ 4f' ~
rl?fo 6-P.P. e aS ~
nãc-~ ~

A PERSPECTIVA DOS PRORSSIONAIS


50

O proas.a do.r 3 éSCAt.AS


e' ,,.,..,,-to vsodo nos
MrJ'pllcfi vo; d" i nter/ores.

Qvodro -

T
li

!)__ __ o' cor l, A 8


l
fm o fm 2,., .Jm

A:
V,suol 11
Pr/ nc./pol p /,:,n to
Ponlo o'll lJ,, tôncio
8 o'g es9 u 1 rdQ com
,., dvçtio d11 1/2

Pro,l/nd, doo',s- e""'


rpd11<çt70 d l 1/2
LT

.hm do Cop/tvlo Ç
@!a@/1 @ @ úfíiJ@!llJtJ @[]vPJ
D,poir a', conclv, do este cop f tu/ o
(Pr1>,no, condi ,;o-er o'r
cornporor os 3 ,oroc,,ros.
/J)~@(tJE[$$@
[!)@$ E, também, conhecido com o nome de
" processo de isometria" . É de autoria do
Professor Gastão Bahiana, do Rio de

,fl:IOIIIIJ!J~ Janeiro, que divulgou em 1927 um estudo


completo . No entanto, o nome do autor é
omitido na maioria dos livros de
Perspectiva.
O processo dos Pontos Medidores
ou, simplesmente, Processo dos
Medidores é uma VARIANTE do processo
das 3 escalas (coisa que de forma a'guma
diminui o mérito do descobridor) e, c;om o
esse , dispensa o desenho do objeto no
geometral. Entretanto, na apresentação
inicial do assunto, usarnmos o plano
geometral e o processo dos arquitetos
com o objetivo de melhor visualisar o
raciocínio, tal como fiz emos para explicar
o processo das 3 escalas.

52 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

/1?/o Proce.r.ro ot,,r Ar9wütoJ', o pw-.s~ct,-i,o


o'os d,reç-o-es 48 e AC, tlodoS' "'º 6eomLI'=/,
SX e ' ,t:e; fo QSS'i m :

/3
F,
O ôn9(/lo NAC
IV
- dodo no J>/o170 C-,omtt'-ro/ - tlm
P.P. "", i.H por .ouspqct/VQ o ôn9,.do ,V, A,c;.

E,,., Ot/lrtlf' pohvroS': A, eI e ' o


.s; pe,-.J,oqct,"i10 d, AC I ÂN:. ,4 C
«- - -
IJ, D9ono'o ,V, ao po,,fo C,
1..7
enco,,trore.moS' no L.11. o ponto H, :
5' 4,
"': ele e ' o ponto de ,.·son,~t',,.,o ov
~ PI' PONTO MéDiooR do cl,·r;,çõo . AC,
9l/e "º ,.oer.t,of'ct',vo t,n, por /'ugo F,.

O Professor G'oS'lôo 80/,,ono CTf'n10;?.r/rol/


<JUP 4o' t/n? Lt/GA,{> GEONETRiCO enfre
O mqI'n?o .roc/oc/,,;o
os SR9,,.,L111oS' .ml'<7'doJ' no Ouod-o -AN-N S'- se Qp/,co e,di,.-eçõo A~,
e o .rvo pNJ',PRcli vo - ~ ~ - ç s, - so6~; (,.,,,o con, l'vga F2, ck/p,,-,n,"nQno
d ,rf'ç:ôo ou eúo. A.rsi= , ~ "' o o lô/7to Ne,:/,dor M 2
PO,VTO M~DiDol? do d/reçoo ,"'; O(/ AC. a'e.rto cl,reçoõ.
Iro dne11Ao of'.rlo .oó9,na
,V, S' =AC=
YE,QÍ Fl(?Vé." St7 /',·zern70.I' e J' e / ;9qr,,,0S' S' o ,,,,, podRn?Oí" o/pá1rmi /Jor ;<(2
t'nCCYJtro,,-en1os soiYr o e ,xo 4, C, o co1n 6',,,., ,ooucor troç~/
pRr.J'pecf, vo S, do ponlo S.
O PROCESSO DOS MEDIDORES 53

No prót,co lõz,n?OC o dl't&mlnoço'i, do.f


Po,,tos Hed,dor,s /XY proct.rro S'imples ,

OS' QiXOí' ov Nqs ~rS'p~cti ll'OS' dt pro.1efrH de


cl,'rt'ç:MS 4hmi.no/1M Ar'1v,·telvro cosfvmo-.s, vror o planto
o'o plontq &oo <{--- o'e L 0CAÇ4Ó, fve , ' /'e, á, - '=:1e,...,,/- ,-,q
o'psenhqdor no e sco/Q d, 1: 200 - ;:soo ov 1: 1 000.
ÕtOmPtrol,
jvnt,unt.nfr c<»1 o
~voo'ro, o P. V. e

.. . com o ctN7t'n:, do orco ,,..,


i~vol o '2
·P.V troç:omOJ" o arco
Fz
ro/o E>
:]'"
9v, t:/pfrrmir,o M2 sob, o Ovodro .
Com ctnt'ro "'º rv90 ~ , rq/o F, · P.V
enca.,,,lr,vm,.r ~ . O, po,,,tz,J F,·J'i·"f~ O professor Gastão Bahiana, em seu estudo,
Sl?roõ ll'Y,u7'o, A:,ro q L# . apresenta uma tabela com a determinação dos
pontos de fuga e dos medidores para as
Ao trons-po,-r'o r
paro o L.H.
pontos o/,f;dos no
o, diversas posições das direções dominantes
(eixos) em relação ao quadro . A determinação
<;Jvodro v.n:nnos analitica é mais exata do que o processo
co,no po/'Jtb dl" gráfico (diagrama) que apresentamos; na
pqrf/clQ :
prática profissional, entretanto, o diagrama
' · O po,-,lo A ,;>vi'
~,.. ~ncp à 1. . r. ov .. . que usamos satisfaz plenamente às
necessidades de precisão no desenho .
2 · O f'.nUJnt½:, ela No Capítulo 13 estudaremos a chamada
1/'/J'Vq/ J>r,',,opq/ C<JM redução dos pontos medidores, análoga à dos
o Gl',,ad,..~ / S-~ ~· pontos de distância apresentada no capitulo
o P.P. no t . &'
anterior.

54 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi,

.lcdoJ': PriS',na ,..,yvhr de ôQ,fl'


rel'ongv/or 48CZ) "'º G,o,,.,l?fro/
A 1---------------l 8
A [)

O c?vodro po.fSQ ,Pelo v,'rf, ct> 4


e f'CYmaÔn9v/ o de 3d =
o -) Dio9nvno co,o,,
lodo A8 redvçtic de 1/3
Al tvro do p,-1'J'rno:A 1 - - - - - - 4 ~ poro obtv os
l)P = f,5xA8 PONTOf NéDiDORES I? o't Ft.lt;A .. .

901 .so-o le.vodo.r ,Pr:7/"0 a LII, o'Ppo,s dl'


MVtT /Pt/C4lXJS pa, 3 (,n11~rso do redv~oõ) :

LI/ F,

LT
l) ,4, .,
Stl9véncio: MorcQ'mo.J' no L T o loclo Morcq,no.J' nQ L T o lodo As ollvro,
0 A porli r A, poro (7,S'
dt'
0 A"")i (dodo) l' trocam~ lJ~ . {.j) A, !) = A D ( q'ou'o) f' l,9on,01' sõo mora,do.
l'v~os lroçomor os e /xoS' O ponto lJ - perJ"pec!',w di? l) o ,V, . 06ti?moS D, - o'o mR.fmo m<X
e
ov d,rl'ç:oê.J' do nu'norn'PJ' 8- esto' 'no eixo 2 . ,oer.r,o,ctlvt7 q'o p,:,nfc D. vsodo nos
0 A8 " A!) {',n p,rspect', vo. pMCPJ'.SOS
on!Fr~Ort
O PROCESSO DOS ARQUITETOS
55

[/
O Ponto de Distância
À .
V'l slo
Fro/1to/

- - - - - ,í - - - --
lJP = f, 7,, 48

I=,
-t--f1>---::it-- - --+- - - - - - - -- -
- estudado no Planto
Capítulo anterior - é Escalo 1: 2
um CASO
PARTICULAR do Ponto Z>/09rofl'Ja fJO/'o
oéter POnloS d('
Medidor quando os
r1190 " M,-cl,dor,,"
eixos fazem ângu lo de
45º com o Quadro.
F, M, 11 P, P.
' ,..,,

Os Pontos Medidores
A7ro o e l -'<O AD o
são usados
morcoçoõ o/q,r m e d,'d:,s
EXCLUSIVAMENTE e' re,to /10 L T Q ,tXJrl.r
para obter PONTOS LT cfp S poro E e V, too'a,
sobre direções Oôt,'d'oS' no d,agromo.
TRmár o.r pl'r.r,ot'c t,vqJ'
desenhadas em
E, , D, solve o t>,Yo S,;
perspectiva . Nunca, de com o n,f?a'i dor M, .
TracomoS' o l?iJCO A8 o
L 19Qmos A. IV e 8
modo algum, para obter
direções: as direções
0 port,r d, .Q pqra F;;,.
No L T ,norcon>(),r RA, ..Q,v
0 ,ooro N 2 - 1ned,olor 4 ollvro e ' 1nc,rc:7Jo
do ol,reç:oà .48,. ..
RB EV e / ?rodo /:V'º
(eixos) vão para os e -lldtlf no dto9ran,q -
. .. oblMolo ~ , ,V, e 8, _J Pn>
~ a/'7 ' t; P, dq,; pOt'O
e n, v/t,p/ict7o'o.r 2. 9(/<' /,gon,o,r ,ooro F, .
pontos de fuga! POr
0 o rvgo F2 ot., · Y,

56 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

C,nt,-o oi:, Aqv , apqr,ctn. po,,tos no rr,nt, e ol,:oí- efo


Jlo/afOÔ Quoclro, rt1Jpt'cti 1112.nente, A ".8 no e,,iu, cios X'.

11 ~
I
l)
ir A'
8

8'
4 morcoç,i,, d, ,,.,,~o't7J' no L . T e ' /é ; lq
co,?Jic/, rQna'o vmo {!OT4ÇAÕ d<' 48 fe iKo x) ""'
torno ti;, .rev ponto ,Y. 9 v<' esto' sol,rp o C:.Vod~
,vo e ,xo dor )I oeo,,rP, t,,Jnál,n, Ô roéuçaô o'o
Sl?f"'~"to Cl) en, lor,,o de IY oi, ' 9fV' v,n-,,.
A co/ot:4r. u s~r, o L.T

A •

r, P. p M,

), = CD
l)p = 2 . CD

lJiogro,.,Q co,n
i?t"dVfoo o',- ½

O SPnh:lo ob rofoç:tio
o'o S'19mento , ' to!
qv, o e Jf tr,m lobdr IX

--+ y /jr,nfe do ()vddro "'"'


a,/ocor ..r, no L. 7. co,.,,
a M4iS 4F4Sl4D4 do
Fu9 o d , seu 21xo.

p.,J.
/
l
Não é fácil comparar coisas diferentes, entretanto o desenhista
que vai aplicar seus conhecimentos de Perspectiva deve ser
orientado para a escolha do processo mais adequado .
É claro que o conhecimento de um só processo não dá essa
possibilidade de escolha, daí a razão de termos apresentado os 3
processos básicos de Perspectiva.

Na página 40 o leitor encontra uma perspectiva desenhada pelo


Processo dos Arqu itetos; na próxima página a mesma figura, con
os mesmos dados, está desenhada pelos Processos dos Pontos d
Disr 5nc.ia e pelo dos Pontos M edidores, para fins de compa ração

& Podemos estabelecer os mais diversos critérios de comparação,


tais como : quantidade de traços ou de pontos necessflrios,
SEGREDOS rapidez do traçado ou outros. O exame resul ta mais objetivo se
compararmos as áreas de papel para desenho, isto é, as
dimensões da prancha de desenho . A mesma escala gráfica está
desenhada nas duas páginas que estamos examinando (40 e 58) .

58 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONA

a'oS dos o'o.r


Proc,.r.ro ,4.rqt/, - )'t,,,~ro'P H,,:J',do.r,J
tetos lJ,stónc,a
A

".,,
ProncÀo P:,rQ
l\j
colocar t'othi ;:. /00 t,: 76 42
os ponto, ¾ )( 7. )(
%
do cl".senl,o 12,7 12, 7 " 12.7
...,
8 1

Rdon9(/lo pa,-o lo
">' '<> i
1
l'O/C/odror O
per.rpec t , vo 2, 4
)( -
2, 4 2, 4
"'' - Ouoo'ro
1~
o'o o6jel'o
L.'(" AU>f1lior ..,.
'o

¾
4pro,.,.?,'!afl'Jt?nlo
do ,oronc/, o
94
%
17,0
%

O, o'<1do.r u·tt:io
r
1
.1
D11st1,,.,ho "" ,oag "'º ·

r
no página 40.
Proc,.rso u'o.r Arqu/ t-etos

'! =F, l>., ;:a 1:.


., L li

<)
A, Lr

o 2 z,~

k;dqr,mt:»' me/~oror o
oprov,i lon11nto oom Q
C/t,/,zoç-oõ de PonM
Nt'd-00>"<'.r e d, rv.:1"'
l?éDUz.i[)()J': Cop/fv/o /3
COMPARAÇÔES & SEGREDOS 59

A tabela da pág ina anterior demonstra que o Processo dos Pontos


Medidores é o mais eficiente, em termos de aproveitamento da
prancha e, por conseqüência, é o que exige prancheta de menores
dimensões .
Evidentemente este não é o único fator a pesar na decisão do
processo a utilizar. O matemático e filósofo Henri Poincaré dizia
que, até mesmo na Matemática , a COMODIDADE é um fator de
grande peso, e a Perspectiva Cônica - aplicação da Geometria -
é exata, é Matemática!

O desenhista, portanto, estará em boa companhia quando optar


pelo processo mais CÔMODO . Dai a razão de termos apresentado Assim, por exemplo, a escolha das posições relativas do objeto,
os três processos a fim de que a escolha seja a mais adequada, a do observador e do quadro é, de preferência, feita pelo processo
mais cômoda para cada caso . A prática diária orientará na dos arquitetos (Essa escolha é estudada no Capítulo seguinte).
escolha, mas o desenhista não deve limitar-se a um processo Nenhum outro processo gráfico pode antecipar e visualisar os
único: a comodidade dirá, por exemplo, quando deve usar o resultados tão bem e tão rapidamente como este. Ê óbvio que o
Processo dos Medidores e misturá-lo, a partir de determinado trabalho feito por computador é analítico, não gráfico, e não se
ponto ou problema particular, com o Processo dos Arquitetos ou pode comparar ao desenho manual.
o dos Pontos de Distância . Para o profissional importa que o O diagrama que mostramos na página 53, ainda que desenhado a
processo seja GRÁFICO e EXATO - pouco interessa o nome - mão livre mas em escala, fornecerá suficientes elementos para o
desde que leve ao correto resultado final. desenho final da perspectiva .

60 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAJ

Muita gente somente faz desenhos de perspectiva a sentimento,


isto é, a mão livre, e justifica : "São mais rápidos!". E, por esta
mesma razão, representam aproximações mais ou menos
grosseiras do objeto. Pondo à margem a falsificação intencional
da realidade - condenável do ponto de vista ético, pelo menos -
a perspectiva exata não apresenta o inconveniente, tantas vezes
alegado, da lentidão no traçado .

Por outro lado, a falta de experiência pode levar o desenhista a


colocar na perspectiva exata muitos detalhes secundários; é
evidente que isso faria o desenho exato bem mais demorado que
o desenho a sentimento. O desenhista experiente marcará as
LINHAS PRINCIPAIS no desenho exato e complementará, a
Um profissional hábil e conhecedor dos segredos (macetes ou sentimento, com boa margem de aproximação, os detalhes. O
bizus, na lir,guagem vulgar) da perspectiva não demora mais no resultado final deverá ser a soma de exatidão e de sentimento, de
desenho exato, do que aquele que faz desenho a sentimento , Geometria e de Arte!
torcendo aqui e alí as dimensões e direções. Ao dominar os " segredos" deste livro o desenhfsta - com algum
Preferimos dizer - a bem da verdade - que relativamente pouca treino - tem condições de desenvolver bem e rapidamente as
gente se dedica a conh ecer os segredos da perspectiva e, talvez perspectivas cônicas.
por má orientação, a decisão de aplicar um processo único, ao
invés de adotar o processo adequado para cada problema
específ ico, pode deixar de ser a escolha correta.
P~ r a o6 ter B OM RéSt/lTA l:>O de </m o ,P<Jrspe ct,' vq
e -rundo,n en éol o COR Ré T4 POS, C 4Ô do
e d o ()</a d r o """ re!or a ô · oo oo/e fo .

JP@~If<;@m~
lJ[) w ~
m:m O 06.re r vodor pOdp
e S fQr Q d,'r ,; fq O</
O olJJefo pe rm anr ,
I MOVf l /
1;

@WA[ff) o ,,pv1ro'" , mo is
prÓx/n>O ()(I mqi.T q /'q J'/a.:t'o,
O Ot140RO podt' ur
c olo cado é N TRé o
o 6 seri/'a d or e o º o/e~
o</ 4 TRLIS cio C'Ój pto
E p o,:kra' d(',:,.,1; o'e

CON O E SCOt, HéR BEM _?

62 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A I.ª p r ov,d,in c,'t:l


ontrs d , -fort!'r uma
,o('rJp ec f i vo e'
lléSEtYIIAR vu éSt,oç·o
o n,oô lt vre,
por rm e,n e.rcolo , dl'
modo o fer umo ide / q
4P .Q O )( , M A LJA
do r , .rul lodo /:no /
Pt7r es/11 razpó o obJ11fo dev,.. sf'r colocqdo ,,o p,r.r,o« :r'>'1<7
E' v.m'9 com p/f'm l'ntoçoê;, do
l)éNT,QO do Jn9vl o compruncl/ d o e atr,- 30 , 4 5 ";
D/ 4C R4MA 9ur ,t'/ zemos
clesen/2qo'a o p /on á, , df?ft!'r m / nQ -,1' o Cer,lro
r)Qí ,aiq,no.T 53 e 5 4 e
O Qn gvlo G'eo,ne'fr,co, o l)/ ,Qé(#O cio Qvodro i' a //iSf/ol Principo /
per,n, l e AJ{lf TéS a r-m d e
oe,/er O l"r{!'/ (O procurado ViSt/a / OU
on9 vlo o'é/c o
cio o/?o l,umqno e' d, :! ! PO,"
e ntr, tonlo , ,,v
C4NPO !)é l)éF/ N i Ç"AÕ
( o p,7rle dQ / n,09rm pvr ~ - W dq
com tV/ T/Dé.?) e ' / n/er/or Q 4 S~

N Q pOSiÇ'<7o o'o PV mo,.r '9F4STADO


o 06/ el o /';cqro' co,,,pree,,,a',do
,AY' rq;or Vi .J'Vq/ J" 9t/l' rorA'ut/7? 30,"
1

s,
+4
o fbnlo d, ·y;sfa e.rfl ,-,r
Sf!' o A,alo dP W,ta
colocqdo mvtlo PJX)Xl~ O
/'.:,r

mv,·to ;ÇF4ST4/)(} o'o ol,jr t'o e/o ol,j el o, o perf,cvc l ;vo


(como A)o ,D{'rJ'p,cl/yq rv,de opor,ce/Q' OéF ORN 4 LJ/},
o ~rder o e/ei n, dr re/e>10
d" prolvnd/dode : ,oorece=· u;,,o
POSIÇÔES DO OBSERVADOR, DO OUADRO E DO OBJETO
63

Jo sob,fl'}Of '/Vt' 80 @®&88@)


a co/ccoçoó ( 1 !')
CLAS'SiCA e '
o d, fozv o 4 co/ococoõ do Ouodro Pm ,t'loçcio oo ol'/rto
V,.rvol P,,nc,po/ d,.,, ol;no',, o l)C/4.f' /', no/4dodRS:
po.r.ror ptlo
Centro Gt1on1, ·tnco
q'o 06/i'to no p/ont'o
(pro;,çoõ hort.Zon!t7/
no 6 , o,,.,l'tn:,I).

IVo f." CQSO ,o ode -s r d!' s !'/ ,. r :


lbde/17os /'e,y,r drsl,
ho'6 ; fo, dode y'V' o . PrPdom,nonc,(7 de
rtçja h,'f,o vm l/l'YIO ,'t;,c,, do Oô/o"z'o
estudo prpl,'minor
pon1. ,v/ hr b- ExislenciO de uma
l)é FORM//Ç"OÊS
ao perrpect,·vo. ~I +---+-- - --1-
/'oce l'ronfo/c/4 Oc?jdo .
F,n 0=601 os COl>'O>' o
06/efo Sop;, ,()OT.4ÇAÓ
o f',,,., dP obler o
t'f'R t'lo dl'.rej o do.

o
Visto '41Pn1/ t:wvrr~
dt' /f?rmor/r:> Co"1 IVt'SQ + L.H

F ê
\1
PV

64 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A Di RéÇ4Ó do ~adro
hcov de1';n,do peh
00 0Q!J&800
( 2-·)
prrdoA>,nÔt7C/a 9l/e
,e d,s-e.1a dor o v,n,:r
dor ,íoces do oó/eto
~= trotaremos- do
LOC4LizACAÔ do Qvodro :
(l/o deve ole-,du o lh°NéNSAÕ
'?(N prelvndemat' cio, à ,orr.r,.ol'cl,vq_

Quadro M

[)
A rolo,;:tio 9t/l'
menc~ o.nu/J?oS" '70 p0°9/no
ontv·,or e' do Ob/l'fo Quodro N
oo do <Puodro ? ..
,4 pt?r9vnt12 l'' qo l,;oo
do oro t' d,7 90/,n.l,o_l
Perrpl'cz'ivf:l no Ol/odro @
'1'}

n m = 2.n
"7t/an dr:> t ; v,rrnos
l)~ = 2. lJf>,

T
1.., Portqnt'o :

l Co/o=r
/T7t:1'S'
o 0uoo'ro
prdxin>O do 06sl?rt'oo'or
-/orna o ,oer.rpediYO A-?EIV'oR .
POSIÇÓES DO OBSERVADOR. DO QUADRO E 00 OBJETO 65

O roc/oc,'n, o 9vo/l t'o o 4 .r d P/0r,,., oçó,r n o p l?r.rp,ct, vo poc/P,,,, .rv Í NTéNCtON4 i S,


t..4RGV/M do 9uondo SI' d , ujq oanlvor um d,lo/1,{' 9uol9 vl'r do ob/eto
pl?rfpl?c l , vo, em rt,n~oó ou, o,ndo, 9vtMdo se prPll'nd, dl'J,Ol'rlor o ATéNÇA Ô por
da pcs,çoõ do Ovodr o, m eio dl? t//YI Ôn9vlo /lÔo l,o6tlvo,: com o e ' o c oso da pu61.'ct:7'oa'e.
ap//CO·Se, ton")L> , 'rr,, à
4L Tt/R A . /slo pod, s er ol,r,do
pt'h co/ocoçeio ao
Es lo co1?r1d1?r oç17ô t'en::/ o~rervodo, .
dl' ser re,'lo
08RiGIJ TO~i.4MüvTé
7uondo o m l'ddo do
ol/vro do a bjeto ... /10 o l lvro ,4 : zero ..
predo= ,no
so6r t' os dem q ,,.
1---- /
Qvqdro R
,4/ t'v n7 ob A>rr_p,c/,'yq
... ov Pm o//vn:::, ba.r(à,,/1?
f-- C?u odro S l'IPV:7:7'2, O n-,ôqf" ,oovco
4 /lvro o'Q comv'7S' poro RS'IP ~Pio.
/:>ers~ ct , vo

1 ._ I
P
, ,~1
-==4-PV
f)éFORMAÇÓf'.f ACIOEN TA ÍS,
Plonfo ov como q9ve/ q., d{'Sl'nliod o .f' no
áq Pers,oe cé,vo G'eoml'tro/ Po'9 ino 6 7, d , .,e,.., ser corr ,·9 ,'c/0.S.

A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi~


66

Co/W',dl'romas .P d , f.niclos o
d;n çtio , o PoS'1Çl7Ô o'o Oll<Jdro
O- O obS()rvodar 17?(7/S p r ó,dm ó ov ,no, .r oro.rlodo do ol,jp fo.

Quoóro

L li

06jt'lo dMt'ro do
fJ Q/lgvlo
d,
vi.fvt:1/
30 o 45° :
t:1rt:1sfom l /lfO
Ponto d, t/t'slo corr , to.
d?m().f/ odom t nfe
o / os todo:
ptr<ltr do ,redo
dl' prolun O:·d ode. Ponn:, o', Wsfq
d ,mas,'och"'"'t,
pro'x / n,o : --1-+4~-:l'-:-:-:-::-:-:t- - -~
o 06/,ni ponc, '2
de~ormodo .
POSIÇÔES DO OBSER VADOR, DO QUADRO E DO OBJETO 67

~ ~®~O~tr@0~ @ffi~~~~~®@ill
O o l, ser voo'or e sfo '
colo codo =vdo o
e ,9v v do ( PV 4 ) o,; ( 2 -º )
mv, lo o d,redo ( PY.5)
o'o 06/ , lo
é- Desloco nJ er; lo Lo lera/
( - o >

- UI +

LN

F,

Em 0 " t'n1 0 º /1,svol Princ,'po/ pOJ',O


/"oro do Cenlro G'eon,e'tri co e
o.; per.rpecti VdS re.sv/ lvm l>él"ORMAO,llS_/

68 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIO!\

~ ~@)~O~é!@ ®® ~IB~fs~W~®@~( 3•)


C - Vori CIÇÓO do 4 / tt./rO

Quao

po'º
U/6

L ti 7

À pr;n,e,ro vúlo o ,oer.rp,ctiVO' O des&>nÀo moJ tro no


J?" 7 porrce o',IÕrn,odo . é e ' Vislo Loferol
Vl'rdoo'e _/ énr'r ,.l'onlo, o P/17 o Qvodro v.rodo e
esto · colocodo com o/o r r'orn, ,,t'o o Ovodro iNct. 1/VAl>O
COl?l?éTO: o ,r,,fS/7JO 9 t/l' f'oi nec R.r,o"r,o ,ooro ev; éor
c/ So do poro o s P('r.rp ecti vo.r o del"orrno ç oõ. ··
"º' 2 (po q ó7} E> ô, n eséo
pog, no . Enlo-o . .. o OS"SV/J t'o e '
li
deS't'/J VOlv, a'o no
C OM O .Sé éX,DÚCA \ 't_ G, o,.,dro/
Cop,'lu/o / 4 .
,,:; of:,,::o-<.>MA ç AÓ?
( - - C?vodro v,rt,col
POS/ÇÔES DO OBSERVADOR, DO QUADRO E DO OBJETO
69
A utilização do ponto de vista mais elevado
do que a altura normal do observador, isto é, Veja no Capítulo 21 os exemplos do que
a chamada perspectiva celeste ou a vôo de dizemos aqui .
pássaro, dá excelente idéia de CONJUNTO
de volumetria, pois apresenta, em uma úni~a·
figura, três faces do objeto.

Nos projetos arquitetônicos costuma-se


colocar o PV acima da altura normal
Ih > 1,50 m) do observador. O resultado
é um efeito de MAIOR AMPLITUDE do
espaço, seja interno ou externo. Ainda
nos desenhos de arquitetura podemos
obter efeito INCOMUM ou
surpreendente, fazendo a perspectiva
com o observador no Plano Geometral Chama-se perspectiva frontal aquela em que
isto é, h = O, o que fará coincidir a ' o objeto apresenta uma face paralela ao
Linha de Horizonte com a Linha de quadro. Ê o caso da página 71 no desenho à
Terra . Ê recurso usado com bons direita .
resultados no desenho de locais de Na perspectiva frontal de INTERIORES a
entrada, escadarias, etc. colocação da visual principal passando pelo
Ce~tro Geométrico do ambiente dá efeito
pouco agradável, especialmente se as
paredes lélterai_
s forem simétricas. Da í se
justifica o hábito de colocar o Ponto de Vista
a 1/ 3 dá largura da parede frontal , como
aparece na página 81.

70 A PERSPECTIVA DOS PROF/SS/0~

Recapitulando:
Você está com um desenho completo (plantas - cortes - vistas)
do objeto a ser desenhado em perspectiva. Por onde começar?
1 - Escolha da face predominante, por meio de rotação do
quadro ou do objeto, de modo a definir a DIREÇÃO do
Quadro .
2 - Colocação do Ponto de Vista sobre uma perpendicular ao
Quadro e de modo que o objeto fique compreendido por
ra ios visuais formando ângulo entre 30 e 45° .
3 - Definição do TAMANHO para a perspectiva, por meio do
deslocamento do Quadro para a frente ou para trás do
objeto, paralelamente à direção fixada no item 1.
4 - Determinação de PONTOS PARA O TRAÇADO : pontos de
fuaa , pontos medidores ou de distância, ponto principal,
etc.
5 - Representação da L T e da LH (a altura h do observador foi
dadél ou fica a critéºrio do desenhista?)
6 - Preparo de diagramas e de ESBOÇOS a mão livre, em
tamanho reduzido, de modo a confirmar o efeito procurado
para a perspectiva .
7 - Início do traçado geométrico da perspectiva exata .

A tentativa de queimar as etapas do n? 1 ao 6, começando a


partir do n? 7, poderá significar perda de tempo, de trabalho e
de papel. E deixa um nada agradável sentimento de frustração!
é"? 9110/9v,r proct'SSO o'p
!'erJ'pt!cl-lvo o o'('J'tl,-,/,o
do CIRC'ú,A/,Cé,QÊNC/4
p0<7t' .ser s-; ,,.,p/,f',-codo D,
(h' p
por n,f/ o o'o l/1,/,;roçoõ
/
de P O NTOS' éSPEC//J/S°,

/
COn?O . . .

[)
Í'lº do .
o';J,,,,,elro ov
do lodo do
9f/odroo6
D

~ - Pontos o't to,-,9l'"n cio: lr


-4, B, e, l>;
1- D,ferminor por t?Jeio do.r o', 090,,0/s o
2- Po,7for J:? Q, /?, cenlro e or por,,tor de !'on9P,'>C/ o dt
/t'Svlt'o,-,IP.r a'o e,-,confro c ,rcf/n/'t'r/,-,c/o "'º 9vodrodo .
do 06~9t/o, C01'1?0 DM,
2- Nvm loo'o o'o 9vodrado 9v, .rt',/c,
ccu, o ,oo/"'\?lelo oo ,t),4,Q4tEt.O ,40 t;)U,40.{)0 ITJOr Cor 1/Jo
do lodo, o6lendo os ponto, IV e ,v:
lodo 4N o'o 'j'f/Odrodo
3- L,9or N t' ,Y' à /v90 (P!'r.rpecl'"/vo do rer'Q_,
e o'11k o/b.rtodo de 1/,o
4- L ,gor o po/Jlo de /0179e~c,o B oo.r
<7'l' .rev co,npr/t?Jl'nto. Vl'r/; cer do lodo o,,oort'o.

72 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Quando o p/ono do circunl'r r,n c/o " Nos coso.r l?m qv, se ,C; ;r,,. nec,ssor,·o
06/,'7(/0 em =loçoõ oo Quodn1 o G,QLWIJé' Pt<?éCi S-'tÔ ,,a pl'rJ-p,cl,vo dq
lroç<Tdo do ,od9,na onler/o, pí'rn?OnPCl' C,rcv,-,,r,,.;nc,o, ol,m dor B ,oonfos já
V~( t il>O. n,oSlrodo( seróo o'l'hn,a'o.r n ovo.r po17t'o.r
l)
em -/'vn ,ç:óo o'o prec4oõ dt'.r,joo'q .

---:::::--~48
--~--- Podemo,
morcor ~o O.r panfo.r s,:;ii, c;lpl;/J,'of¾ p,or
do Vert/ cq/ me,o dp SVoS ord11-,oo'or
AB OI/ CD (4, 1), (8, 2), ...

2 3 4
8

OI 49v,; prlo ,orocr~o dor


M., ~to.r d~ Z>,·,fônâq.
O 9VQdrodo o,:,q;,ro nôo aprt'•f'-?fo lao'CJ
9'-'" .re/o ,ooroll'/o oo Qvodro: o l)éC/M,4 P,t,,QTé
o'o loot, e · oó6do por t1KJ dos .3 ,nrôc,s.ro,
df' P~r.rp, ct/yo: 09t1/ o c/o.r ,ià,,rí:,,; Mecl,'dore.r.

A s,m~r'r,'o do l',gt,,rq
,l)t'rn-de tro(Qr os dvno,s
9vodront,J' (:/o clrcvn/rr;,,,=,o.
O CIRCULO 73
4 rpp,1rç,,,(qç11õ á, c ir~nfv·i,,,c/oJ' p,vu4 /4r
(ct1So do ci/,'n(7',o) //e4 s /,..,pl,r,c,u/q
PP lH
9(/(:lno'o d ,..r,nl,o/1?0f" vn,q d,,.
Circvn!Pr;nc,or
e tron.rporlol'T)ll[ sevs pontor porq O ph'1o
do 2 -~ C/rc.vnrt'.r;,,,CIO.

,;; Aa

PP
E0 ºo/""',: /t'sMAoJ' F,
,., mo/[ .r,:,r,,p/er {/J"(lr
l)O / S (}(),:JDR400S
c /rc</nScr,'for à
c / rcvn/t?ri.,,c/ 4: Q

tonge.nl'r MN c""to o
d,a30,,,ol do ?-°9vao'ro,:/o
"º ponto P Sob"'e Q
c/rct/,,,f',rê,,,c,o. /!lo Mo
sóo 8 ponlb.r d,. lan9êndc;, ,

ém 9uolqve.r 'l</ ' H,jo o ,oroc1rsso o'e


pqr.rp , cf/ vo e st/'Jdo dod4 o rPprq~nl>:,çoõ
do CC/6 o , poc/emoS dl'Sl'n/,Qr o c u6o
v,z, nl,o. M, e1<"n>pl o oÓq / xo de/r,rm,namor
o ponlr> d, Tt/90 P.,Q e l,1a=or H -
ponlo m io', o do onsf<, 48 · t:'/o ,r::>onfo
pp J>, / nc,p11/;
----------:,~e
/J
e
o
/J
tr
Q
r UI
('

1'11 A9vi esf-o' C/ op//coç o õ


o do consl-rvçtio o </N1
s
cu6o co/tTcado
o/,//qt/omu,~ A
1
oo 9vodro .

aresro A, lJ,
o po,,to ~ .
A r,to a ,V, l'lOS da' o
pol?fo 4 2 por ondt' pQSS'Q
q QrPSn:7 42 87 do 8
CC/ÓO v/2/nho.
A con.rf.ruçqô e ' opl i cov,I à r,,of'f,f
de 9l/ac/rqdo, e= Q(/4( {)(IE'.Q l)1RE,
so6rt <1,,., pio
QUADRICULAS
75
A Col?S(rvpio pOt:/', s,r .D, P.
op//c;odo oo pro6/,,.,,,
t'ny1 rso. · dod" VM 9vod~o
ov r r tó1?9v/o, d,y/d,·-/o
,m 9vodr/cu/o r.
éx,rnplo :
Dodo~:
O ,dôn9vlo A8 Cé
o d1v1dir 1m
ó X 5 : 30 tJvodradof'
2
~ri----F-,.-,,-n-~-/-~ ----J/a

lJ ( I¼ co.ro do 9voo'rodo
l)p, f ¼ ,A-;, pod,mo.r ló.r,r o'/visoÍ?s
svc,ssi11<ls. r,. rias ,ro,r.,,,.,
Come Q Vi.rvol ,Pr:ncipc/ mio 19vod o 2.,, ( /7 " nv'rn,ro
rol drr, l?i do, e/Q r,n1· ,'17/dro r;volçv,r ) . Trolo-J"t'

co/ocqc/,r p,lo ,oroasro clo~1<X1. do conr!rvç:oô op,,u.,,todo


T,,,mor o P. P, o Ponte, d,. no Cap/lulo 4 e qv, , '
l},°Jloac/q "o rpfo,,9v/o A/ICE f'~ ;tu ,oor- mn'o dP dto9~"°,:.r.
Sf'/JcW o pro/vnd,d od, , a::.,• o crnfro olor
06?',do a ptrr6ro', ttf :;J.,
l>?OrC4do na L T.
t Al(tNO 9vodrodor.

Ovtro op /icoç:oó alar


9vodr,'cv/qs en, ,o,r.rp1ct';.,,o
P.P. e ' o const.,-vçoô d, v,..,
( S/STEM4 J:?ET/CUt41)0
éJ"Pll C/4(.
clelia,do ,oo,,- 3 e i xo.r
pl!rpP.1Jc/i cvhr'f'S f'nfr, Si.
f' ' -roe/ I t rr:Ms,oor (qr <l,r m , d;obr
dor p/onfqs .. d,u rochodos
/ poro o rn',cv/odo ./º. desPnhoo6.

76 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Aqv,· é.rf,:/ u,n,r opl/co,çaõ do rpt','c:(,,/<7do espociQ / à


p;,rspect/.-<1 0,9C 1 Q(.)/1. tlmQ p,:,rfp elas /,-,,,/2<1, de
Cor;sf.rvçáo esfo · d , s r ,,hao'c;. "10 lqdo ct'o l?f'e,'t'o /NCoM C/"1
o6f,clo pp/o OJs.,rYao'o,. no Q /r'vrq /2 º O (,rio P,' Ol~LT)
r;olo -s,· o de-i"P,,,io de, p/anla sol,,.,, vm µ/a,,,o Qf/X//.'or 170 o/lo.
Temo, v,:.rf., 9v,,. "• po,,far út' rc;9q dQs
Dodo!'.
"1ET4S' l,l().Q/zo,vr;11's esmo J"'Ob'7 " L,,,l,oú,/lor,·z o,,,f,.
Qc;o,,,do Sf' froTq d,,.
"<ET,,;s o Bt /ou 4 s
( (1.rc,,,df,,,lp.r ov desce,,,d, nt',s)
o _A,,,/o d , F</90 t'Sfa' FOJ;?,Q lJn t. .11. m q.r

;~:7ffJ;;l
so6r, " vert-;a,/ '?f/1" P<ll'So P t'/o ,D0"'7lo d{'
P/onlo
Fvgo a't".r.ro.r rf'l<1.r lior/z o'lt'oiS'.
2
Por ex,,np/o :
4
.4 rrt'<1 l,o,-,'Jo;,/;:;/ 48 t,,,,.., ru!l<> ,,,., F.7 e "
,4 r('fi; QJ'Cf'/1tf&,r,{'Í, ;flC /pn, /wpo ,,., F_,
,4 refo <Tl"SCl"nCTP,?/(' C lJ f,,,_, /w Q
9
p~ F -1 Yt's/o -
F,,.o,,fol

E/P.r .ro7, .ri~ p(',,.,co.r


P,,,., r,l,u,a"o O L.,/1. --ct -- - . J

Como o&tt'r o; o/11,rw-


cle.rsq.r 90; ,,,.,rv
rdo rço;, o- é . #. ?

78 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONA

A clet('rm; '><>ftió do oltvrQ das l'~os dr /1> P/i'OCE.J'S.

r('fo.r C/SC(',,o'entes e' mo.strQQ'a Q 9c;,: Com c ,nt,o . ,,,., Fz


L?odo.r: /eya ,.,or o lodo Py. ,<;
l poro " Qvodro ,,.,,, ,
'l: l' q/ /P?Orc.t/m()J O J~"
,j
~ cloclo. O&lomo.r o
~ : lnc/,';/oç11Õ t ~
C)
.t\;
o l f vro ,,.,., l) sobr, .
Vt'rt,C41 9 t;, pa.r.ro ,o,:,
.,,,,:: ac odo -5 . üvom c>.r o co!,!t
1 "' F 2 l) = o /furo do f'v90

1
1 t
Op o c,n1a do ú.!o,,., ,tra .
~
,o,::vo <1 po.rlçaõ F; ):;
{
J,. oe,, '"º da C. . /.1.
1 ~
~

·~
l "t
2? P,(20Cé.r,
Con,fn.1lmo.r o f,,.;(1n9v,
rl'fqngvlo PV- ~ -
o cq (('/o ~ 8 o ,dfvrq
t!, SP,.
4 ~ 1)/onto
,l('/prm1n<71". Co,,/,l!c(lff7C
o '3,,;,vlo a' no vl!r!,ü
e o catdo PV · Fz .
fnc,:;17tramoS ;=;8: ollv,
f/Vt' /('y(IA?O.Í por(I r;· ":

é,,n /"W'.f"UH?l

Cl.r (7'ol, pr(1Ct'f.J'Of


li u 1,/;zQ p,:Ío do rv9q d',/r,-en, Q,0.,/1.:lr' p,;,/,
de rPfos 0JcPndt1nlP.S or., A:JS/(AÔ do lr, âr/9t1/
o-'u c1nde,.,fp, t: '
(Spi'c,a !!TM'11r'r recomt:r,d~
9t1Qnúo o c or= o
repPbçoõ dt'SSoS relds-. V1rj/,CtJ~: co,,,t"er/r n
,aÓg/no o nt,,.,o,
r v9os ~ e .F.., ./
Quo,,,do u,., ,lb,:,m N<?d,dor ov ,.,,,,,
Ponto de Fu90 tJSf,/ ,e'orQ dos ~ n:,, é,r do
Papt/ d ~ ,/,senAo f'Oal'l',.,,OS f/ S Qr
co-,strvço;s ovx,-1Qr, J':

1 - S{JLJST/Tf//Ç.4Ô IJE Po,VTO .[)é' F v'G,4


( d t/tlS solt/çc/ê,}

IJ)@Mil@~
A l'oc , AIJ send'o
C0,,J.rfrf/1da po,- 9 u,:;, /9 v,r proc <?~ o
11'}0/"CQmor e= A,~ o YERl).4l>t':'IR.4
MMI0D!P)@~fl§ GRANl)EZ4
e levo=oS f'Oro F2
_B do orr.d o AN ( o / turo)
.

No f'oc , 4 C - 9uondo

ll ffeJ!l !P/JJ@A o .Oo'Jl'o o'e ru90 l'ico '!'oro dor k nv·ft>r


do deanlr.o - svrye o pro1'/eh?o/

·g»a~ /III~ Ei s o /9 solvç-oõ:


Pelo ponr'o C do G', o,,,,elrol éro pv?10r
vm,:; perpPnQ"/cvh r c, Visvo/ Princ;µI e
so.6r, ela /l?Qr a vnor o o /lvro 4 N = R
,t/ 7>11RTi :R Z>.Q Vi .S-C/.4t. pon:, o po,,t'o C
érto 9rond',za .P'º/ ' lo-r, ,;o Ou,:;,dro en,
R, 9vr fronrporl,rn10, paro Q po.ri ç oõ
C, 4CIA.M z;.q f. 1NIIA Dé .J./O.Qi 201rré_l ~n? F,
(ino c ,s.I/Y, I)

t,//7')<:l 1F l lvro S - 48-4/xo D,4 f. / N/.14 Pé


#0.{?/ZOI\ITE • Sf'rlO .#?Orcad<t q d , r e / t'o
dq //isvol Pr;nc,pol, /st'o ,; no
s,,,,f,-do omsro o k', y>ve ,ria' ,u:,:n,o
do C. . 1/. Poro o froç<1o'o do -rc1ce 8M
con,o yQCR oÓrt?r,'t; o q / l'v ....,.
no v1Ú/",c<? M , ?

80 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A9,// •• ro ' <1 2-" ,olvço'b:


O POIYTlJ bE ,Cl/6'4 FJ?,4C/PNARtO .
4 l),'.,fon c,o Pr, ·nc/po/ · dr .P.I( ql,' P.P.-
, ' d , ,,:.::1/ dq em porf,,.r ,9vo,.r: Q9v/ ,,..
3 pt?r/f' S. p .,./ o p o.7/0 f c/q I ." ql/yi SOÔ
a pd,(/r dt> Ouodr o t'rQ p, '"º' q
poral, /4 o AC d.,f-,,.,,, ,-,,,.,,,o'o Q /:v9Q ...:º=
"=.".::o'."::.º
:.. _ _ _ ___:1-----+---'~~---~
.:{>f'dvz/ do ~' 9v, svwl, ·/v/rq' F, .
4 c o,?,[/,c,Çqi, , 'b,:,seo,;Ç, n4 se=elh,:;,,,ço dos
-F- />P ~ PV-~ -/>P(nêo dr.w~ob)
r"r, o"nj,f/lo.f f
No pvr,P , ct/ v'1 /,gomos o A,,,fo ~,--,,:;,~/
M, o ~ e o'i v, m=, to,,.,J,;,, f'/17 3 partrr.
Pt?l o po/Jlo Q o'Q 1" dt1'1Stio /rqçq,,,af 4 ~C~.H.~·--.-.J-===-_.L._ _ _,,__~.;1.....- --1-
r r t'o ~a , por IV, Un>Q pQN//r/ ,; a ,.J'/'l,
d,'rt' f <7Ô .

RETAS P..9.Q4t.ét..4S
#os dvos u,ndrv,oir.; opr,s"nfod'q.r
poder,/ <1,oarec,r o proók.,,,.,a d,
SU8Div/D/l< o. Q/lvnu o :f',,,., d,
rroç:qr par,:r/,/qr. OPonlo o't Ft/90 , '
1'rx,cus,vel e or d,'r, ,~.r p.s/QÕ ,-,.,(7',../,-,,,o'q.r.
S::Yvçtfo : c1,·,.,d,mos vS yer6c,v'.S e-,, 1flt/<1/
9VQ1tl,dacr', CTt' ,oo,rt,s ( no e..r,,,,,o/o : 5 )
e l/90,..,0.r o.r ,oonror d r d/Yi.roô.
C, 4, /'vfq., /2a' ovlrar so/vç:oi-.r.
PONTOS MEDIDORES E OE FUGA REDUZIDOS

Ovtra ,,.,,,,,,,rQ de traçar ar ret'itr '1Vt'


t,;.., a ,., l'.f,.,o Q',r, ç-<io (' o Ponto <TI'
.Fvpo /NACES.J"/yé(. : Esft7.,,a'o él'rsv,./Joa'o
,,., p,r.f,o,ct/vo o p/o.,,o do.r ort•.Jt',u·
( roe, ~ N Te. /JO , .u,.,,o/o) ,.,, lroa',a,mo.J
vma /lé;T;.; 4t ~S 9'-'' rrlr,/o nv=a
ra.zoõ S, ivPC.éS para ,4,~ . Por ~ J('f',n,1>/0:
~ ~. f · A.N,
4 .rs,,n, a m,,,,;i:;(q R - marC'1dél ,,., 4 , li/
ft'ro' MéT~Dé ( ½) d't' Sv<1 (?/tMdi';e:1
mar CQ<r<l , ,,., Z? t; 1 o 9v, p,rr ,n,n,
traçar a cl'/rr çó. de /v90 (s l't'a 3).

o,

DE PONTOS lJE DiST4NC/A

l . H.
O os.fvnlo f"o-· apr,sv,laa'o no Ca,o,lvlo t
No i!i<l',n,o/o, a ,ororvndldad, alo cu6o,
igvol o AB, fo, rec;lv;2/d'o de 1/4 ; a
mt>.fn>o rt2dvçdo rol opl,coda oo Po-?to
d, 'D,s tônoa .

82 A PERSPECTIVA DOS PROFISS/01

3 - St/BS TiTUiÇ4Ó l)é PONTOS MEDID0,t;?ES

O Po/Jr'o A-red,do, Rec/vz.,,


Sir 061,do ,;,o to"?Qrn
,OOr:71'

v,na PR.4ÇAÕ d,;, q'/sfónc,;;~,


No exemplo o rroç<1õ e' 1/
e e m<1rco,nos no t.. li. o pon
M, to/ 9v, F, µ, • H M ,
T' T - 'T
O po.,,lo C, ela ,Of'rrpl'Ct/vq
<:>uodro
061,clo "70reonclo na t. T e
a'/A?l/l!'OÔ J; .AC
(rroç,io / 9(/G
() do Ponto Ned,do, Reclvz,;
e !,go,,,a'o pqra M.
(..1( 2·
M,
,e, 2

{T

S, r,l',r,rm&1S o c,il~lo dq
IYol"omof 9,a o ,oo,.,ri, C, /,·ca d ,/,·/J, do {Q/,,/4 do po'y, no 58 t:o,,..,
pe/ar d,rt'ç:ois 9vr . vtio ,o,v·o ~ e :'', Fv90~ e ,v,d',·d or,.. Reclvz,do
tor,,,,vur'o 1)/!'Pt!'IVS';fJ llél o v.s-o do l"v90 ,r:;, ... ver,mor 9vr o aprove / tom""
. . . exc ff() "º d,09romo '?VI'
1
c/t'l Pr~,'nora' M,. do pap,/ St'rt;' brm mell,or .
;Vos d"ót,./, os o,,t,r,ort .r o d,... ;é,..-,os
S€~PR~ 'I'-" o º~/Í'lo l'ic<1.0e
com,o,,"nd,do o'en6-o dq Õ,yv/o
l"t'.fu 11/ CT( 30 o 4 5º , , fo,-,!,,,',,,
j'//t' o JI/SC/4t. p,1i>/..vc,,,04t, ros:r"
IIORIZoNT,t1(. _/
(
,L!.'•~!:.:''..'?~/
Q-..c___ _ ==-~--:-= =i====---L- - ~~

Poo',,.,o.r, ,,,tr,/qnfo, rep.r, s,.,,lq.r


o ob/efo .roí,rp 0U40f20 ,,vcc / N400,
,.rio e; nõo v,rl,col f!C ' f'Y,,7'en/}
<Jt./t' o /// Se,,,;/ Pri r, c.,pa/ -
p t r,o, ,,o',cv/;;r oo Oe;odro -
dei x tf.rd o'~ se;- hori ,zon / ,, /.
é sv,g; ra · a 3 .° Ft/<,4 /

·.·,:· €st'o si t'vqç,:;,"",, o corri', POr , x,mplo,


no Pe.rs,o e ctiv.:, o vôo lJé Pl1SS4RO
(o"' v,sto do o/lo : /',9,Ho "º /qd'o)
Ol/ '7 0 CttSO dr C/ /1?0 C0/1.flrr,ç,:/Õ

o / ta e locol,zodo '71./n>O rv<?


l)/1dt' o O~s, ryador ~ta · , m.,oed, do
o't" s, co/4,cqr no d 1slônc/ o corrt fo .

84 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Dodo.r : Com , ço,,.,or dt'SMJ,ona'o a p/q,,t,:, no G'l'on>t!f,,.,./


ti' m arcomo.r o PV. o di;- r çoô a'o Qvodro .

~
e

.451orq d,St'n/r,m= o v, sla lt:r !1'rol MN, om:rf'


é l evoç-o-;, Fro,,f'ol
a,oar,ct.rJ o 06,i,to, ó ~JI., <1 Y, .-v;:;/ Pr,'nc,;.nol
4 l)
P o Ch.1otlrc . 4 q/ff/ro Á do o 6 S~rvod'or
ncio fP ,?/o Si do daa"a, ro-i
~rCqd;; orb/f,v;-,'q_,.,',,,,t:,.
s

O C?vodrô , , pe,,.p1,,,r'icv/o, à 1/isvol


Pr,n c/po/ , .svo ,oo.r,ç-oõ dt,t>,,,o'rro' dl"
dtst/ttr,no,r w,,.,
ptr.rptcf/ vo " ' mor'or
ov m('no,- t'.;monlro. 4,/,..,; lo=.r 9v,
pg,".r, ,o('li, y~rl/ ct 8 do l'i 9vro

ésé, drs,,,,.fo "º.S da' OS ,00S/ Çot'S Q"q


/)
, .#., d, ~ e d, ;:~ - q /"'9º dt71'
VERT / C,4 i S"_/
O QUADRO INCLINADO
85
Voltando ao G, o,.,et/'ol n,qrce:vno.f (. . f/.
co,r, a/o.rt'd,.,, ,,fo S ,Paro o PY-n>,,/i,,_
modn, e, V,t-/a {,, !>;,;/- , pro/domo, o,
v,rt,c,r 48C em ~ 2 1. 3 sobrr {. 1(,
co,n o/orlan,,,,/o !J ,oo= o P. V. ~ Trt1;0mos ( h' e ,,.,qrc,v•?O.f ;:; , F, e
a pOS/ct:10 da perp ,,,d, cu/ar ond,
estara' " /u90 '3 . lvdo no OuQa',o
F, 4 ll-l I/Jc/,nodo . Co= q/'.-,slon,v,lo n? ,o,,ro

ô·'
(/-1 frtlfQ/??0; LJI,, º"d" ,.,.,;,.. c..,,..,oJ
O> po,.,t'o, '· 2 e 3 oj/, o'o.r "º o'l'ü-,~ 0
o,,,/, r , or.
----.>.,,--+.-.....------4- -µ..,c.._--J... _ _ __;__:__-.L_ _ _ 1_;9Q,nof ,: 2 l' 3 o F3 f o ~/rl,c, 2

( 19val q 8 1 ) lev,; ,,.,o.r ,oarq ar l"t/(?<1f


F, e F2, Ót'"""'70 o é"rt:1'?4'r a t,0 .r,
svp,r, or ~ ~ C, V,.
s lN
n
,4 a l fvro R, es/q ' no
pro/0,,9,un~nt'o de !!! -
OJ"Sim como sw .rvÓQ'i vi,oõ-
e e' /evoa'o ,OQl'<:7 o
ortslo 8 ,.
Codq p0/7lo a't' diV,so õ
da allvro R, e' ! , vodo
PO/'Q tlS- f'v90J ,;" e F,;,.

86 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS


1

li m,.rn1tl l',5'vro da pa°s,ina 84 pod,,


Sl!r · y,rlo d , /Jo,xo para c,,.,o : com,91,,r,of
d , se,,J,o,,do no Geom<t'r,r/ a ,o/a,, ta,
O P.1,'. l' o d,,.,ça-,, a'O Quadro. ,q Y,st'o {a t,,-,,/ M p#rmdr o6f,r l T,
l !I , a po.r,çoô do Qvoo'ro { 4d4', r'i mOJ
9v, p,:,r.r, no ve'r t ,c, inl', r ,or da
or,5/0 8), J, - , sta6, !,,:.ido
or6i lror,om,-,t, - , F3 .

No rnl'Sn?O v,,la t.a f,ral


06 t,mof rn e n (d;.rlônC/<l
dq t. # Ô .{ T), - ~, co,.,,,
svas sv6cl, .,,.só,r da
o l l uro .

lT

lH "

D A

lT (olltlmor oo fP dnf'nl,o d , slo po91n&1


s 9u, eomplf'famos Com o 1_ h' , o6t'emos
os l="v90, F, , F7 , os.ri ,.,, con,o o.r
proj, ço,,, da 6ar, - ~ 2 " 3 - so6r,
o (. . T.
O QUADRO INCLINADO
87

Troço,.,os a t Te o l #
co,., espoc.,,,,,,,t,, 19vo/ o
~ , p,,,o,.,,c/,culllr
vn,R
o lll. So6rr
o l ;I
,norcomor F, " F3
(06 I, dor no 3º dr s,2,,A.o
da pa90,#flf a,,te,~or} e
/10 p4rpend, Cll/Or
11?orumor r'1 , o6t, do
na v,sto éoéero/ (m, R,).

No l T mor comor or
Pontos f, 2 11 3 do 3!'
o'r.se,,,fo (,odp,no onéu·,or)
e l,9a=or poro ~ -
,e, nor da' o orr,lo
e, 8 · ond, morC4"10.,
os Sllb(//y,'So,r do a/lvro
o S1!rt,.., /eJ1od:/, para
F, r r., . UI

UI

lT

Repet,ç.io dq hy<N4 4 pli'rrp,ct', yo cm n,,-sn,o ,C,9v n, - :t'e, ta


da pa9,,.,o 8 5. com a 11',.rv,:r/ Pn',J c,p.:,/ no h or , r o nfo/ , sl'o e·
com o Ovodro Verf, co/ - prrm, 1-; 0 '

comP<1roçqg_ cio, rormo.r t rlor d, ,,.,e-,so,r

rn
A representação de um projeto de Arqu i'tetura ou de Desenho Industrial procura dar
informação clara, necessária e exata capaz de permitir a interpretação da idéia do
projetista por terceiros. Há uma dificuldade fundamental naquela representação : pro-
cu ra -se desenhar em duas dimensões um objeto tridimensional. Para suprir no

MA~ f!JJJIOJJJ!lr;@Jl~ desenho a ausência da 3~ dimensão procura-se, nas fachadas ou vistas, dar o efeito
de relevo por meio de linhas de força. É o caso da figura acima.

@~Jl@~@N/AD~ Há, entretanto, outro tipo de representação menos usado por ser mais trabalhoso e
por exigir bom domínio da Geometria Descritiva, porém de excelente efeito gráfico.
Observe a figura abaixo onde utilizamos as sombras projetadas. Trata-se de uma
representação convencional e o seu estudo muito ajudará na compreensão do capítu
seguinte : Perspectivas das sombras.
Uma aplicação do traçado das sombras, pouco mencionada, refere-se ao
desenvolvimento da capacidade de percepção espacial e da visualização das formas.
SOMBRAS NAS PROJEÇÓES ORTOGONAIS 89

As convenções estabelecidas e aceitas


universalmente são:
1 - A luz se propaga em linha reta.
As porções de lu_z ou de sombras em .1/ D i ACOIY4l 00 Ct/tJO
uma superfície dão idéia de sua forma ,
Plano dt Pio no
de suas dimensões e de sua posição. Perr, / Vert,col
2 - A fonte de luz é única , direta e 3 - A direção da luz é paralela à diagonal de
colocada no infinito . um cubo .
A luz vind o de mais de uma fonte daria A criação de uma linguagem gráfica
sombras superpostas, con fusas e universal é possível com a colocação do
difíceis; o mesmo aconteceria com a luz Sol no infinito, em uma posição única e
indireta ou difusa. Com a colocação da fixa, de modo que seus rai os de luz,
fonte de luz no infinito consegue-se além de pa ralelos en tre si, ch eg uem ao
uniformizar a posição, quer se trate de objeto com direção, sentido e ângu lo
objetos pequenos ou grandes. A fonte constantes .
Plo,-,o llori z onfo l
de luz colocada em distância finita A diagona l do cubo é paralela a essa
obrigaria à definição de posição da direção: ela forma em suas 3 projeções
fonte em relação ao objeto, além de não ângulo de 45°, passando pelo ombro
permitir comparação entre objetos e esqu erdo e descendo para a frente e
fontes diferentes . A colocação da fonte para a direita.
de luz no infin ito dá origem a raios de A vantagem de ter o mesmo ângulo de
luz paralelos, com melhor 45° em qualquer dos três planos de
aproveitamento dos instrurT)entos de projeção dá origem a simplificações nos
desenho . traçados.
Deve-se notar que o ângulo de 45° é
formado pelas projecões da diagonal
com o pla no horizontal, pois o
verdadeiro ângulo formado pela
diagonal do cubo com o plano
horizontal é de 35º 15' 37" .

90 A PERSPECTIVA aos PROFISSIONAIS

PV

Svp,r/"/ci,
ilvnJ/noda

L/nho d r
sombra p,óµ,o

Sup~rl','c,,
em sombra
p/"o/pr io

A final idade principal do desenho convencional de sombras é


ressaltar a verdadeira grandeza e as posições relativas das
superfícies adjacentes.
Pro.Jeçóa no L ; ,,l,a dr
Plo,,o #or,zonlal somóre;.
Com relação à luz as superfícies podem ser : ,IHO/{'loc/o

1 - Superfície ilumtnada é a parte da superfície de um corpo


que recebe luz direta .
2 - Superfície em som bra própria é a parte do corpo que não
recebe luz direta .
3 - Superfície em sombra projetada é a superfície que deixa de
receber luz porque há outra superfície mais próxima da
font e que interc epta a luz.
Prlnvrn6ro
A figura mostra as linhas de sombra, própria ou projetada , que
\ SombrQ
separam as partes iluminadas e as de sombra . Ot, · t. ~
Existe , em alguns casos, uma faixa intermediária entre a sombra .
projetada e a superfície iluminada chamada penumbra, que não
estudaremos por se tratar de raios não paralelos . Fonte d, Cvz
O QUADRO INCLINADO 9'

Da explicação anterior decorrem os princípios :


1 - A linha de sombra própria é determinada por DETéRM!NAÇAO D4S SOMBR4S
raios de luz tangentes ao objeto .
2 - A linha de sombra projetada de um objeto
o
SOMBRA lJE uM PCWTO
sobre uma superfície é a sombra projetada por
soó,,,- vmo svpe,hºCJ " t; o
sua linha de sombra própria . e= qv, o r q ,o d l' /v.7 9vP
3 - As sombras projetadas estão sempre sobre pelo P0"1!o dada en cont'=
superfícies iluminadas, isto é , voltadas para a r"vp~r l/'c / e >.

luz.
/JO /,n9v a9,;,m da Geomef,.,q
4 - As superfícies não voltadas para a luz são ZJescn I , vo : e ' o TR4ÇO d<1 nfo
superfícies em sombra, logo não podem receber (rq/O d , luz) 9vt' pos.so _pe/o
T
sombras projetadas . ,oonto o'odo

l
O'

5 - Uma su perfície, ou parte dela, que esteja em


sombra própria ou projetada não pode lançar
sombra porque não intercepta a luz . T

6- Para ca da superfície iluminada há uma sombra z


projetada, não necessariamente visível.
So
7 A forma da sombra visível projetada por um
objeto depende de:
al forma da superfície que projeta sombra; o
o
b) forma da superfície que recebe a sombra 4 som6/"Q S::, do ponto A ( o; o )
J eslon:/ so6re o p/ono J,or,.ron lo/ o",-
projetada;
pro.Jeçoes ( ,/esen/,o oc,n,o) ov ...
cl posição relativa destas duas superfícies.
. .. soó,, o ,o/o= v't'rf,co/ d , pro.1eçoi>s
en, S~ ( -?t;,S ,t;9vrr1s b es9ve.ro'a)
-"t.- -i----~~~_,__,,__r o'ePenc/endo da p os:,,çoõ o'o ,,oo,,,éo
/10 e s,,ooço S('no'o z > x a SomÓro
e star,/ n o ,o/áno ve,,f,cal Z : colo;
X= o/o.rlo,n r nfo. Pon, x > z · o s on,brq
na? no ,o.bno l,or, zonla/. Por« >< = z a
.So,...,/va estara' .so!YI' o L T.

92
A PERSPECTIVA DOS PROFISSIO~

A SOMB~4 Dé 1/H,4 J?ErA


e; e,,., 9e,-ol, out,o relo, Ser,{
p.,.,.a o del'erm,,,,qçoõ 1/"1 po,,fo 9vondo o r elQ /'or
da Som6ro d , v,na
reto, =v, lor vezes, e '
/)Qrolela à d,r e ,ç,i o do 'º'º
svr- c, ,,,t,
eneo,,r',..,,. /u/7Ji/70S0 .

o so,..,6ro d , do ,s
d, sevs pontos Q'
.!, '
o'
Q' ó ' 0 -....1·
S'
o S6
T

Q o 6

A .sombrQ da rl't°Q 48 e ' 061,da,


6 fa,,,óe",,,,, ,ol'lo n,e.sn,o processo
o;,t,,..,·or ~.,,,, S~ s .
Ac.,'"º estQ' u ,,., .sefi'""enlo A8 ele n/.,-e/ 6
O(/ hor, r o,,fa/. S~S'6 e' svo' .ro,,.,/,.rc, O r oâoc,, ,10 /JÓo sr n,od,:,';,:;
'?(/Onda Sl' traio d, o6fv
so6 r, o pio no veré"icd d,, pro/e~es.
4 so,,,.,6ra d;, e.ade; u,,., dos ,oo,,,fos
A l éJ /o; Ob t, o'a c.o,,,o nQ
.00'9 , no onler,or .
1 6'
.SOmóra do >t'fml!r)lo AB
9 cH IM? ,oOSi ÇÓcJ
9 vqiS-tjC/er

Z>ef~rmi r,,omos _o(71""Q coe/a:


/JO
"
espa ço .
o ',rr ,çQ

POnl"o 4 P 8 o trot;E_ do
--,---;---+----+- rq,o ll/m,:..aro ci 4 .5,º ov .se/a
os pontos SQ ~ s6 :
/,,/p,seçõo at:ir ro, os /vm,noJo.
pc7S"S0no'o en, A., en, 8 co,:
,o/o,,,o /2 0.riz o,J!al dP
proj;,ç.oês .
6
SOMBRAS NAS PROJEÇÔES ORTOGONAIS
93
#os deunl,o.r do ,c,og,;,,Q
onf,,,.,o,,. a =6os QS
txtre,,,, dad,s do s ,9,,,.,tn fo St,mJra do ponto 8 no
clet',rm,na,.., SCYnba Sob/ , o plano hor, zonlol dP ;:;v,::y,_,ois- ,Voõ poo', ,.,os /,90,,.

j
mes,,,,o ,ohno de pro./e çoPS PCY tlM.4 .,-da J;; , S1,,
Nas . . o 9v, oco,.,fr e.e Som6.,-o do pO,?lo A ,,0 _
p0,s sa·o por;los
9uondo coda , xlM,n,dod, #40 COPl 4N.4RES,
dono ve,,.l,co/ dP pro.JP.coi-s
tl'm samór,:; soh u,.., do.s ,slo e: n<io pprr, n c , ,n
p/a,,as d , p.,-o.;i:>f<::>Õ ? ao n,{'J".,no ,o/c;no.
o' I,'
m'
06swvomos '?vi' s,,, e
1.:: o Somlvo d , vm ponlo
"f - p (' r fen c, n!e oo
Sf'yn?Mto d</dO, o'I' to/
modo yve o porÇ<7t> -4N
tem sombra Sa!YI" o
o plano vwl,col e1n s;s,,,
e O porça·v MB
s. ) ) fe,n sombra em S,,., s6
'JO p /ano -?or / ..10,..,fa/

.J
/ 6
c/1" p/0/ t' ~ S.

O ,oonlo S,n cio l,nl,,:; d r Te;oro e · a


S O n?ôl'O do po,,lo M ( rn ; ,,,)_ olr co lo P
o /osl,:unen/2::, ,9c,od fnt'r;, s, . O por,lo l'-1
, ' oó!tdo Q pa,:',r dp ~ ·, tr aç-o,.,do
uma poro / e l o Oo r q, o /vn,,-?oSo - em
coda plano ÓI' ,oro/e(-<7Õ - "º rnrs=o
di/"er aÔ 1 .,OQr ~'m em S t'l'1f1d1.> C:O-?fro'r,O /J/b
e: conhl'odo S,,, (som6ro) drlerrn/ no;,.,or
rn; rn (por.>t'o do se9rne11!0 doolo)

A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

o/t,,.,or oo eslvdo do So ,nóra Podç,,naf, ogoro, c?Sfvdar o som6= d,, V"1Q

d, v m ponlo ,../ no ,m'c,u do rf!o 9vo/9llrr ,4 B


c ap ! lvlo . y,,.,,os ' <J(H e' s;
o S'Oh>bro do ,oonlo /J , f fít?
e/<1 eslo' no pr, ,.,,e ,ro p lt:1no
o ser ol,n9,do pelo ro , o !Vo duenlzo /eo,,~ os
7P /uz OpoS SVO ,0<1>f<l(l"r>? phnos d, ,oro/eç,iõ S qÕ
,o elo pon Ir, A OPACO~ dP .modo 9v,
a SOM8RA VIRTV4L
e' elemenlo
<Pn

,mog,nór,o ou orl,.f/c, o
pora O UK1f1or Q

o/Jlen çoo do
SON8R4 .QéAL .
06t,'das os so ,,,..,bos e s; s, 11v·,,C, CQmos
'lVl' soo por,los perlence""ter- q do,s
p/onor ó1'rt'r,nt~s : s-: no ~ri: ~/ S"6
no /,or / Zonft1 ! , Porfanfo, ndó poo'Pn, Ser
l,9o dos ,oo,- l/M,4 reta .
Se o d ,,n, t,,. ,,.,o.r 9 v " os ,nlono,
ór pro_; e ,çóo Sqo tr,;p1,;v/('n /l!S Rl>corremc,s à
So,4'81.>4 V1RTV4t o{, uma
o ro,o /v,.,..,,noso ou rf'lq do s l?x/.,-e,nic/qdes ( B - /7o e,a,,.,plo) e
pro/e lonl, pro:;st?9ve e,n oófe,.,os S& 9vt' pode S~r l17oclo por
Sl"U Co ,n, n/z o o/e ' enco11l=r vma reto o s,;, Pó"' S P.re= om6os
o pkl'Jo ho,..,.,on/,,1 d" por,/or do mu=o p/ono wr/2ca/ df' plo/'ç,f-CRS.
,oro./e çoes e1r, Se;.
s;m "' o porção df' Somt,rq reo l, ""º
phno vert/c<1/, do relo dado .

O por,fo Sm d<l !.,n/4:, de Terra sp.,..q'


l,q,uro Q S., ol,f,,,.,,.,,.nondo a .so,.,1,.,-.a
resfor,te no p / Qno l,o,,. / zonfq,'; do
sq9mento A8.
SOMBRAS NAS PROJEÇÓES ORTOGONAIS 95

fm/,cra o re JCJ/too'o hnol SOMBRA DO TRhiNGVLO


se.1..se,..,p,, o ml'Jn,o " D11serilu7doJ ar prq;t'ÇOPJ horuonto,s e .,.ert, o:,,s
cJn,co o .,{;/JC10C1ív,o pari:. o'a rt,Yvro, ,:,,5/.,n-'Or o pro,1eoic e/e c ada
oó ter' as so,,.,óras ,ooo'r um dos v~',-t,cer peh p;ocl'sro do po9,no 91
S{!r condvz ,do dr duas sf'lt1 !' Ia .3 para " ,,j,t', cp C" SO.,,.,,,ra ~
n?an L. 1r oS-

A l",9vra dada, por ser p.Qra/e'a ao p/ono


t) ,4 So m6;a e· 061,da pa, l,or,zo,,fal J, prC?ft'ÇOt'J, (,,;o .svo. o.o~ra
m e , o dr r eios pro_ielanlrs COI>? o ,n;,,yna Tc,;ma e OS' mf.f'n7ú r
(o(/ nu"OS' d-;--Tt;z ) 06/, 9vos: ,:l,,nen.roér so.6,- r o p,~no 11or1 .10 ,, foi
{- - -

O
.,_yC-1
',__ - ----Â
49v,' Q SOn7/,roesta' s o6r e o p/,r,,o Agora leremo.f' o'e recorrer à
vert,cal o'e pro), ç:oe.f' de,'.-'Co d., SOn:,bre; v,rluol do ve'rt, ce 4
ex,'.st',·r o ,oqro l'f'Solver es(e pr,,/ , ,,, ;
2) A son,Óro " . a!J/,·da por 1,?uo/dadr enfrP
l'>?{ÚO d , p/cv,os pro/e fo .,,/,s e,, l",9v= e .rt10
por,. /P/oJ aor r o,oS o'P so,..,6rw po;.r
/u2. e/or nio são
,oorole hs.

S'
e

96 A PERSPECTIVA OOS PROFISSIONAIS

SOMBRAS DO CUBO
No plano l,or,zonfo/ o so.,,.,óro l'sto·
co,..,.l)r ,f'nd,do ,,,,/,,, os ~rrt,c~s .!l ~ .E,
=' ono', po.rrq1r1 os re,,os /v,.,,1?0sor _f , _g

!>elo ,~,ro..1r ç0D ,;e,t, co/ .E_' passa


o ro ,o
/vn.J noSo _:! , enco,,,lror o L T. no
9 l/1 ll"O/

ÃJ~,, :o "1- ,V,;,stP pon t o t'n7 ,;amor o 1,,,1,o


SOMBRA S .OA P IRAHiDE
de c/2;;, nodo ~ qfe ' enc.ontrqr o re,1:, 2 "º
ponto S 0 : son,l,rq do ,oont'o A (o; o ).

0 m ,.,"'smo rqoo r./;.uo .:7.f,t co-s, oos vl'róc~S So,.,J,rq R u1/


§e_!; do cu6o do
y1·,t;c~ SOMBRAS PO CONE
Son,l,ra
V/ rtvol Limi t e noõ vi.ríll'II
o'o ~1',.f;c,
do s omi,.ro,:,ro;,,,..,o
e'

So,..,6r<J
5
sy vi rfvol

- ,.oc" oó v ,,..,
So""6,qproµ,o

/ d
e o
;OMBRAS NA S PROJEÇÓES ORTOGONA IS 97

')l,.u r vt' con,o pll'?<J' " os SOMBRA 00 CíllCt/L O


,lleroço~s nos a,los e nos
O circvlo " .!lo' porolr /o
•/"os lo"'e,,to r do pirÓm ,d ,
'10 plono v l'r l ,co /
fo po9ino onfer , o r
, o o',f, a,,., m v, fo o son16ro:
e proJ~ l a rvo somlvo
,, r stf' plo no :
e' ,,,,,., c,rc.vlo
iç, v o / Ô ,orqjr ç u -o No ,clono vl'rl, co/ o
so,,.,/::va ~, um o,co o'e
.sol,rr o piono vert, c o/.
e /,pse S f m, ~ 2 . -'; ,,)
Sõm1Yt1
y/ rtvo /
o'o .,, rt,'c,
. s~
C '

,Yo d i se.,,J,o oóo,xo o


circulo , 'p<7r o /('/o ooph.,,o
Aor, zonlo/ e p r o,;e é o
Foc, ol,v ""' s on,bro .,, ,,.ste p / ono :
S 0/hÔrQ prcior1Q
, ' tombe;,., (,/17? o rC{,1/o .
e o /\e p/ono hor , .,o .,,t'ol
o St:)mbra e ' un, o r e o
d e c,rcun/eré/JCto com
e centro no so,n6ro
do c enl-ro e.

1'
Co,..,o e,re rc/ oo o l e , tor .oô<Ú'n> df'Spn/4:.,- n O>'O p ro6/,,.,o ,.-,,:,d,on:'e o
oc;-e'.rc,= o <r', 100% '"' colo 3 <7, ,,..,on t"i o'os lodo.S" os d , ,no,J do,70S

98 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

SOMBRA DO Ci úNORO

I e 2 · .eo,o.r ll/n,,nOSOS
to179en t , s o óo.r, e
l, ~ ,lt.v,~ 7 :ionbu
3 , 4 -l)~ /Frn.>,,)On 7 O
son?Óro do C.'n(ro d '
do 6a.r, sv~,,..,o, O'

no p / 0110 ,fo,. ·.:,,,,!<71


e,,, Yerobde, ro 9r0,v';,zu.

L>o 9th P°" cl,o,.,I, os Somvos


Sllrtio pro,1e todos so6rl' QS
SV,ORr/;'c,es do r,·9 v ro e
noo sob r o , p /o,.,os dp
pro/e ç o ô . En(r elonlo, o pk:)n o
IJor,,z onlo/ ,oern,anl?ce como
" p lano do terreno ov
,o lo,, o der 60,R .

''
''
''

/ ~·-...
'•. , ___________ _/

Q e
SOMBRAS NA S PROJEÇÓES ORTOGONAIS 99

A som/,ro o', v,no h9vn, 9eo=e'tr,co


oo ,e,- pro/e fodo so6N vmo ovfro
det't'ro' s,r o'efer=,nodo p elo
PROCESSO OAS SEÇOÊS Pt.AN4S,
9vondo se trolor dp pio nos 06/, ç,vos
4 son,bro cio .oonto 4 e s to '
con l, do no p/o,,o prOJi! lon l e 9 v e
posso por este ,oo,,,fo e fe,.,., o
d , r~ ç::o-o do /e,, 2 Nos- pro/ ~ çoés or/090,,0 , s
&,,.,os O SO,n~ do 4 so,.,,6ra do s~9'"'""1º AB so6, ,
.oo n lo A (o ; o) sot.,, Q p ; rÔn,, d p /o, úP t~rn, , noo'o por
o ,o / rô ,., ,óe · t.lmo se çoõ p/ono _poro codo
q )( tr r -, , oloc/11 úo se9rne'J to

/
Q

100 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

V'
#t'sfe fi'X t!mplo os J&nÓn:)s de
p lanos a,6 /, 9 vor p ro)t' fo,.,., -.1!
s o t,,,p p/t1noS (om~m oól,·9 vos
/nic,a lme,,t, d et'er m ,n.on,ar os
S0n1/,ros d P coo'a vn, dos
n' só/, dos
O plono pro;eton~
>'rrt,eo/ ç,v, pr7s.so
p e lo v,-,t,c, do
p,r õm,,d~ na
d,re çoo "" ro, o
dr li/ z 1,i ft,ce,o('Q

" pr/ Sn?O.'

e•

mn e " a · re çqÕ
;;, / ono ; do /,
ochan,os ;;;;;;; e
s; - Somóro do
v,rl,c, d4 p,,rôm;d, ,
A so,.,,ôro do
,u n;fo P(l cor t o
no p /ono l, or,~o,,,fol
o Sqn>Ó/O d~ VB "º
pont'o d, 9ve , ' o
soml,ro cio po,/4 (d,' d}

/0 ºº
rocl o c/n i o Op/, Cq -SI'
pOQ(o ~ - inr'Prr,róo
das som6ror o', M e
j/C - " svo soh>ÓnJ (e,' e).
no ,or,·Jh?a .
e ' o Mtt',-sPc oõ o'o so,.,!,ro d&1 ort'Slo VB com o
or,sfo rs" ;,o .o lono hor, J o ,,lo /.
6 !:!. e ' Q , -,,, ters,ç,i'o aios so,,,l,;-,i s o'~ Vc e d, rs.
SOMBRAS NAS PROJEÇÔES. ORTOGONAIS ' 101

Nos- 1" 1mplo.r 9'" s, s19v,n, or


ph no, "ºõ sôo c,,..,.$0, 06/,pvof,
o', ""º do 9v1 .-o//on,oS" o t/Sor
o p/"O c~sso ª" r,r~or

-· _____ ---

102
A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

O drsrnlt,.,lo d , ve
peS(j'v, so, dtvPrsor
t , 'c,,, cos dp o,oM·
SMfoç:oõ . ,4/,;., d<tS
opr e.u nloo'o.r nr.rle
cap/lvlo SV9 t"r1/1?ôr o
en.sq,o d , t,c,,, co
m,slo, vSono'o l oµs
no !roçado o
,n.S 1,.(/H>lnlo e
~,o'r oca,, nqs sam/,roJ.
.No cqp/(,,/o Sf'{?f/,nlP
u ludqr>10J q
P ersp Pcr',vo d<1.f
So,n6rt?S, 09v,· yq/
(/h>O PP9t/1no Qmo.[f/q

,ooro /,:;,no,. 90.rt'o :


. fio ' 9ve,,,, prer,ro l'ohr de
"Soml,ros no J:>er.rpect',vo ~
oi/, o , ,,d'o, de
''P12rspeclivo 4e'reo ."'
Pore',,,, lo cio, ConCLJrdO,n em pvp
ex,.r/4,,.,
t ,por
f})~Tff!VA 2
9//Q n-lo
df' Jo/??l,ru

" O;;>iGEH cio

DAS l"o,,fe de lv z : ® SOMBRAS' COM


ILUMIN4ÇAO NATUl.>4L
' / /
SOMB/lAS ---Y~
~ ff) --
Co,n .,..,/oçoõ
llXi slem
oo o6st'rvodor
3 ,r,os,:coÊS do So/:

/'l.. ,, C -0 sol llS(o' .40 l4l>O do /b9,.,,os


/ \ observo dor, 102 ., 103

6-o Sol este/ /JO -"RéNTE do


ol,servodor; 104 e ,os

104 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

O .SOL €STA' AO LADO DO OBSE.QVADO~ .l}es()n/2odo o


(f. u) p()rS'pPct,vo do
cvbo, odm,t'omoS
olodo o
º -------
Os ro, os lum, nosos soõ poro /e /os oo INCl , N,4C4Ó
r<?, os s;lor es.
do, ·w(',,,
O{lodro; por lo,,!o , seu poro l e l,srn o
s e monle,n no pers,oect'o 0 1

l 11 PP

,4 so,.,,,6ro d e Umq vert',col Ao e' clodo POr 2


rPlos : vrno hor/2onlol ,bdSSondo ,oe/o óose ov
Pé' ( o) e o ovlro e' o r,:;,,o de ll/z .,aosSo,,o'o
pe/o ,.o.:,nfo mo,., o//4 ou C.48i:_C'9 (4). é/as se
eru:o,,fro,n em s;,. Eslo i de,'c;, de Pi e C48éÇA
,4 ,ncl,noç:-o"o /,ol,, luol m ç,nt'f' usado r-,er,/ usado nos p ro';<lmo/ c/.,s,n/2os.
e ' o f7//P /oz Ôn9C/lo de 4S" co,.., o
O TR4ÇAD0 : tVo Plono Ceo=l"trQ ! (:IJor, zo,,/q/) éroFo,no,
plono .l,or, zonlol, v , ,,do os ro/ oS do
os ro, os /,n,, les I e 2 (pPs) . No, ve'rl,cl'S
esç,viero'o ,ooro a <7',re, fo. 4 e C {col>eçqs-} troçon,os ,ooro/eh, oo.r ro,os
dodos : 3 e 4- . Oófe,..,os os soml,r,;s 5c e SQ.
A mes//?o ccv,slru7<7Õ ,Core,no.f no or,st'o lJ.

O troçado e ' re /a t', von,~,;,t,, rÓp, do


e o e/e, lo gro·r ,co I? . 09roo'o ve/.
A Son,6ro .f., S6 o'a orrslo 48 te,.,., co-no /2,~a
sóo o=Ót1J r e ios ,ot:1ro/e/4.r e ;,,,.,.,-zo,,lc.,,s:
F2 , ;:;,0 ,"S
A>/os =Mn,OS rQ.zoês BC e svo so,,.,I,= ~ ->c,
-tê,.., ,oo,- rugo F~.
PERSPECTIVA DAS SOMBRAS 105

F. PP

1)0 , . .,u?n1plo !i :
O Sol oo lodo do
ol,su ·vodor
( f . o)
·1
A nvrn , roçoõ ~m 1

codo f, 9vro u,,r, ~ond, õ .~ ' ~


\;
à stJ9vin C/O o'o ~

dRs ~,,J,o : o so,.,,t,ro d , .


>.

codo po,,/o e o6 f ,o'o ~


pLlos ,. ., tos • PÉ " CA8EÇA."' P/ on to
l)P• ,f. 9xo6 .lt ,2 ~;,o6

+PP

/
/

l) P • f 0 x 06
J.•lx oh

106 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

O SO{ ESTA ' NA FRENTE 1)0 OBSeRVIIDOR - Coso I. h A pro.1e ç oo (ou /h?Q9R-n)
do Sol R,t'o' no Quadro
e podt> S{'r o'l'Sen/;odo
or6, t,,v·,on7enle .
O Sal est,/ o Iras do
r-Ú) .. à do
lJ1 ,QE/TA
9vodro e ' 11/ s/vEL puro
P ro j e ç;oo do So l o o6sv-vodor e e'
J.. '-" o6servodor ,

"º Quadro cor1S1derado o ~ s-la/100 ®. "º /,-,,,,,;,, do


( troço do j,l,ruo l) INF / 1V1 rA , por to-,lo o!,servodor ( sobre
r~du z ,1do o vm ponto o p o nto pr,nc,pol);
@ .. à e s 9uerdo do
,4ss,=, o /o,,('p d, luz e o6servodor
Po,.,t'o d" ru90 do,
rq,10S /u ,ru'10S0S.

Ur PP

O Sol pro.1elo -s , n o Qvodro


""' S; oct'=o do é,n/20 de
llor, z o,,te .
O ponto S 11 · o .Ponto d"
ru90 dos r e tos parol, los
;, projpçoà do r Q/o d ~
lv z . Este po,,/o e · , to=6M,,
c/20=odo PE' 1:),4 (. C/2, e m
f'unçtio dos 06.servoço·e.r
1

do pci9,no 10.2 soÍ,rR Pê


e CABEÇA.
PERSPECTIVA DAS SOMBRAS 107

,4 so,.,,6ro o'o /,o ,-, z onlol AB e 06


Sobrl' o G,o,,,et'ro/(,ohno do /,rrPno) . s, s·
l,ov v,, """41VTé P,P.QO co,,.,o o ,ohno vvl,col
PV, o son,6rr:, dl' Á8 po$So o se, 1,--;;, cA,
perm/1,ndo t7p/ern,o,or - so6,-e o v,rf,co/
9v, posso n o Ponto o'P Pugo F;, - o ,oonlo
P.; : /uç,o dos Somé,,os de r elas l,or, z onla,s
sol,r, os phnos v ert,ca,s paralelos o PY.

Pio,., lo

0 objt'lo esta , ,,., COJYTR4{V.?·


os s om6.ro.r predom,nom
sobrP os sv,,oerh ê, t?S ,¼,nvnodas.

Noo ho· re c,::,,,,;,,,d'oçoõ


ol9urno sobr<' o .. , /oc:..>çao
o'o l'ontr dr /·,· .: I
5o,,.,,.,.,,;~ o é.>./-'f' .(•1/,,.,cn'l
dt> dPSPnh,s!o e o / 9u.,,,.J.:;tS'
é ~n!-,1! ,"'JS" /1.'1 /" rv-.,;,
or , 2n!.1r o lr~,b.Jlho

108 APERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi~


O SOi. POR TRA'S 00 085éRVAOOR No eKl'/>'>plo d',,.,,,l,odo 06-, , xo Sqo dados
és/o,,o'o por dPlros do o.6.se,vo d or o So/ o p"st'r, por StNlt." prq/ eço;s; o A::>nto dp
( I. e }
,.,..,ê, e' v,s,-., , ; e N4Õ p,4 ' / ""f4 GéN Ré4C. , wsto ~ _1 . ,Prd',.. se . .r:ozl'r o pers,p, cf,·l,Q
Q O conlrr/r,o do c o .So o,,t e r,or (t. ó). e clPll'r,../nor o
O proc.,sso dp cons/rvçoô e' / d~nlico
oo caso onler,O r , sendo bo s J'onle

mt!rodvz,r o eonc,,é-o d e / M /l<íEM V,RTc/4L
do Sol, :,'l/1' esl,u·o ' 06,:; ,xo do , . r. 1,.
ésco/ o 2 ·;
l,nho o'I' r/or, z onfe .

No ,>slwo dest'P c,,So / ,_6rr:, do PoSlr


od'm/ t,reniar o d,r,ç:-óo
o!:>, nvo. so/qMS sendo
o .Depo, s dt' /'e,lo a
p,v17/,/o o 7)/.4GO:V4l
I>€ t/~ CCll!JO, /J"/4 <
o d,·r , çoõ con.,l!nC/o/JOI
vsodo no estuo'o dos
so=bros. nqS
p,o.f P,col'f or/09on01S.
PII

r _ ~rs,o,cl,·v o del<?rm, r.>?n%lr


a IM"16!FN VtRTt/,()t.
Sol e m S ' n.::; ,oe,,ol'/Jd'i·
=lor o PD e por
re6o t ,·,,.,, ,,fo do P. P.
cio

Noõ Sé'rÓ d,/,'c/1 T/'Qcon?OS a r e lo


odc,pfor o f r o ç c,do '\ A o .PD 9u, li90 o pe '
mostrodo q ,,, se9u,do do poste oo Po1?fo
p:7rq ovl.ro pos, ç;oõ
de D,stónc./o : e · o
do Sol. /slo suo' = -+':::.......--+,---H~....\--- - :.......,~ o',-re ~do do l vz no
plono hor,·201?!0/.
nt'ce.rso'r,o 9vonclo
SI! prl'li?"><:71' colo C<Jr lT
no perSp e ct/ vo a T A r e ro
1
As; 9VP 110/
-

.SONéJR.4 Ré4 l ! do 'ca6eeq "do ,oo.Sle


prodvz, do nvm det'er - 1 o /,.,.,09~m 1// rtuol cio
n, ;nodo lv 9or, d , o So/ s: en,;ont'ro o
g /2 oro o l.l re to o · P. D. E>= A,.
lJP = e = .4reslo.r de th•? Cu6o 9l/Qnc/o s , t=to de
l'"olomo/Jlo9 , ,.,,,. Sóo do,:r ,4 so,.,,6ro do poste
P.ll·S' - .z>,09ono/ do Cv!,o os.rvnlor o . serll,.,, esto' e"" o . .4, .
e s ludodos nos ComPQrt' Co= o p;-o •
µóx/,.,os cap,'lu/os. /ll ,Cdo orlo90.-,of,ou'7?<1 .

10!
PERSPECTIVA DAS SOMBRAS

PP PI)

pi)
F,

o ,1)/'0CllSSO do po9/,,o
o,,t,,,o, ""r da' o
sombnl de l/m Cl/6o
em Pe/'rprct,va
rrontol . .. ov en1
Pe;-spectdo
0/,/,'?UQ

S'
do Luz

~(~li,:___ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ____ _ _ _ _ ~ : :_ _ _ _ PD

éJ<emplo de
o pi, ·coçoõ, o nd,
i1St1mo, o mesmo
oéjelo do Co.lb I. o

_!:..:._ __
S' ..,...

110 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi

li ,lvrn,noçoo orl,/',c,ol d,/(',-, o'a lvz s,::;hr SOMBIMS COM lUZ ARTIFICIAL
por t,r RAIOS hm,nosos D1 VERGENT ES,
9 v, .ror,.,.,,., {/,,., COl\lt!: cv/o Yli!;.l,ce e ' Nos desenhos de acabamento (arte final),
o /'o,,!i' d e /uz quando a iluminação artificial é usada ,
devemos considerar que :
A som6,-o e ' d ,f('rn,,,,oo'o, co=o ,,o,
1 -Os objetos mais próximos da fonte são
c oros o n fe,,-,o;- es, po,- duo, rl'to,
UI iluminados com maior intensidade .
C onco rren / t!S" GI/P70 ( n• / ) ,POSS"O nd<o
,oi?IO PE' ()(/ e
(C1,,,..,6e;.,, ,oe/a
60,<?
2 - As superfícies perpendiculares à direção
pro.;eç:o·o l,or, zontol do /'0,1/(' d(' /u z, de luz são mais iluminadas que as
o 2q relo ( ,,•2) vo, do /'onl, de inclinadas em relação a essa direção .
lv z o C .48CÇ-4 ( yerl, ce super,or}. 3 - As superfícies claras e muito iluminadas
A rp/o 1' e ' o prO/e ç:oõ Aor,zonlal refletem a luz recebida e dão origem a
do relo :? e u,rr esponde à c/,rt?çoõ Projt?p:io
do /o,,fr ,:/e /vr reflexos sobre as sombras .
/z o r , zonfo l o'a /u z . "º ,oh,,o lu,r, zon(a l 4 - A sombra projetada é mais intensa que
a sombra própria .
Podl?n,oS u.Ior ,o/onos oux, /n.,re , Finalmente, a
de/",n , do, por relo, como -t ., 2 (,op ' observação de casos
Pro/e ~11Õ da Ll/Z e coóeço) .., 9l/' c.o,,f,,,,J,o,,., o reais ensina muito sobre
O ri'> to cujo Sohobl:;> 1rt'mo.S" dpt'e,-,,,,,,,v;
luz, sombrns, penumbra
como 11m A8, oo lado .
e reflexos.
0<'Yt!mos o6ter o lnlerse ç:,ic d eSS{?

,olono co,n o St1per/','c/ e se º"ªP


pro/('lo o So=6ro . So6re esto
; ,, le,-se çoo eslor,;' o so,n6ro
do 0/'t!Slo, o'ph,,i do p,/o ro/ o
de 1oz 9ve pari, a'o ronre .
ffl em o propr, , o& o',
f

/ mo9 ,ns

u,,,
dor
de
oé./~ fo.s

PONTO RE4l e
éSPcUIO
rel"/et,·,-
co/ocodor 170
svo 1"renle

svo /=oç on
os

r('// ,. f,do RSIQo q ' 191/0 / ú.slÔnc,o


do supt'rt'/c/ i'! '"l"letorQ po,-('onf-o,
o esp, l ho - 9vt7,,do l?' p lono - e'
(/"7Q .s v,c,erhc, e d ; s,me fr,o l?,?/"re o
t'mt?!J Qn? ,,.eo/ e o re/lel, dQ LJo / o
11
ro.;,o;, ,,'n t7ome S / HêTR / ~ éSPEC:c,,e,4R''
dodo oos re/le><o s .

Fspe / 1,o

Todo
re//et,,. os
O o"n9v/o de
1n ode,;oo Q:'.' 19vol oo
Ôr,9'vlo d ,. ,-.,//Pxoõ /9.

Grol'; co=ent, o ,oro6ln>= do r,. / fexoõ


cons,sle em deler-n, nar o
,c/ CUR.4 S/ A-ft/TR/Cl'9_ e= r;,hç:-:io
oo es,oe/l,o ,olono, do 06..1efo doe/o

112
A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

l\lo coro de u= Su,t,er/?c,e


reíleloro /2or,zonto/ ( Por
B>'e1n~ : es,oel~o doguo ov
p,.si:,,oo/,do} o ,;,ro6le= de
0 6/er o l /'f.46éH l?EFt éT10A
l, esto ' re>:,.nJenl"odo o 9u,·
~
6 _. PV

En, !::! éroço,.,,o. vmo


ver é,co/ e ,n,vl:;;7,nof
o /.'urq, S,me't!ricos
6, =6 e o, = o
"n Cor1érona'o ~ - "9o
/, jqr !:!! Q P.V. OChOnw>
!':! t' tro(:omos NM.

A perspecf, Yo e'
a'e.s.,,,..foa'q .,:o, vn,
dos proa.so.r j ,/
co,,.fec/dos.

X E, i
IEFLEXOS 11

rer/el,J(/ U( ./O(v ./v


S(,,lpl!/~i- / é', t-0,.,., J4' J

ol!vr, e-., .ili,


l,;.1rno, b'1 ó, /(/?.JS

,:, e F7 r? pro. 0,1.:,~_,,rnos


LH
p.7r..J oJ, "º <./S J,'t'Slus

ver !, -a /5 C' e ó , d ,
,,..,odo o eo,.,p/elor o
rp/'/ exo do 6/oco ,-.,.,.,o.r

•: .
Poro obfer Q 1P?o9 r o1
L T reíle!iq'o do 6/:::,~o
sup r ,or o
J'vr~mo~
So/uçqÔ 9?rv/ ,.vrv vs
un.:,9er,,f d, ;t. nlos
.,,!vodos /oro do 9vod,.o

,4 / OX?!J~m , el'!, l , o'<7 A ,,,,../,co I G, por .,,for s ; fuodo "º


Sol, da ho e o'qc , slre/4.r, ", Q 1,<>o'r o (.-er clu-,nho Qnt'l!r,or) /ornece o
,oor s , trat'o r d, / ,'q urq s es cola d, .:, / IÍ,/17.s- e,,, Verdo .7'e,ro
e x t~;ncvn,,,, / , et"o,t'ados, G ran d e,z,o e , so6,r,. e lo, e,,eo,,,f/17-S< o
e' o,6/,do ,oor tropo'o l,or, Lon!q/ GP d r cdo (ol!vr,:,)N'Ut.4, ,stb
s ,°M,P(,r/ C4lJO ond, u Son>OS e: perlencent, oo e.s,oeAo dógvo 4
o /, ,1 ,$0 d e /2o r,zo-, f , o/t(,,1/"0 PJ;? oo Sl'r rrJt?r c odq s , n-,Rf,,,., co ...
como l!, xo d , i;, n, ~ / r, o . ,.,.,,,/,. em PR, ;,e,.,.,,/,, u,ns/,,v,·r o 6/oco.

114 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi!

/oro o es,Del /20 Pm ,oo.,,çoó 4 o vtro roce A '8 ' e '


v,rfvol oi, ( /do po, prOC{'SSO
VfiR r, C,4(. o un o 9 , ,,.,
re/1,!'l',o'o .s-ero' dt'Si'n/Jodo
d,/erl?nte . v'emo, 9v e Q
Pl onlo d , stónc, o .É. do ..e',./,ce
dt',co,S do !ro çodo do
Escola 2 f
8 oo es,ol'l ho e ' , 9vol
, mc.r9e,n v,rfuo/ no o j' : S,meÍ-,-,co d e .É.
Plano Geo,,.,elrol 1
e ,9vol ;, d,stone,,q de,
06/eto t?'o do 6 =6
,,nq91!./n v,rtvo / oo

A p;>rSpt' ct,vq do o!y efo


l ou / ,no 9en1

Ovodro
RPo/

7
.P D
espe lho
No pPr.I,oect,vo,
mQrCO/Jo'o
8 ,R = 85 =2 so!Ye o t.T.
o d,s/<7,?C/Q

e ' íe , lo por t/"> dos e l/9ono'o ,e o S1


P"oce ssos / o' conAecrdor 06 (e,r;os o .cu90
O espelho e ' e/psenhodo n o
"1vx,l,ur F4 n<> t li
A9oro mqrcon,o,
pt?rSp r cbvo svpondo
I< T = 1, = 6 ' e Q r e to
svo, n, e d , doS conh t'c,o'os. F4 T nos d o ' o . . .
Fv90 ahs r q/ oS

l UI
/v ,nil'tosor p , rp,,,d; -
cv/ qr~s "º «s,l)t!/ .J,o 1 PD

<"°.,,"\f,/ ~D ., p onlo 8 ' .sol,re 8s; Fi


e o s11r l,9 ,n lo o
F7 - lvft7 dq d ire 7t7Õ A '8 '.
Os r, , os /vm ,o o , o < P"~ A c o,np/em e ,,foç qÔ do
oo Eõ,oelh o tê,.., r v go e= ~ - ct, ondr. /,nq9e,.., s e l'o z d «
t r o con,oc r e t'os por o c o d o vm dor manei nt .;,:;' conhe o d q .
v e'rt/ces A · 8 · C· D 4 /'oc " O' C'
e s loro' e,n Verdo o'e ;r o Gron o'<'.?O -?O
ver t , c o l G do Ouodro e tera' por O estt,do de., ;::,,90 .4ux,··
rv9 0 o ,oo,,to F7 ; o ss, ,,.,, o6t'e,,-,os os esá7' no CQ,o/l vlo
po nto s e · , lJ ' e os orestos v e r áco i S )'\ 13.
M
9v e po , som por ., /es. /
Co rJ t~ nvo no t exto Ó ,~/rP..,;to A ~ - - /, -
fotografia, no caso de local ao
ar livre.
4 - Indicação da altura do
observador, em outras palavras ,
a altura do eixo ótico da
máquina fotográfica. Nas
fotograf ias aéreas, tiradas de avião ou
A fotomontagem é um meio de dar a helicóptero, esta al tura deverá ser
sensação da existência real de um fornecida juntamente com a indicação do

FOTOMONTAGEM projeto ainda não construído .


A imagem do projeto a construi r será
Ponto de Vista.
Re sul ta mais simple tirar fotogra fias com
altura normal do observador, tendo o eixo
colocada na fotografia a partir de
uma perspectiva desenhada com ótico da máquina na horizontal e dirigido
sombras e muita arte ou da fotografia para o local a11roximado do ce ntro
da maquete . geométrico do projeto a ser apresentado.
Plonfo do A'reo Para isso serão necessá rios : 5 - A fotogra fia (n ? 2) deverá incluir elemen tos
1', 2 ,nho <70 Proj e to assinalados no levantamen tos do item 1
1 - Levantamentos planimétricos e
(l'l' f' do T ei<to )
ésco / <7 f 1000
altimétricos da área fotografada (ruas. edifícios, portas , etc.) e será tirada
(vizinhança do local onde será em hora favorável aos efei tos de sombra,
lo
colocado o projeto). No caso de isto é, serão evitadas as sombras
~ .1lrvq ~,,,., ,t:,ro/efo
s áreas externas as plantas serão excessivamente alongadas ou encurtadas,
~ acompanhadas da orientação do dando-se preferência às direções
N.V.

~ºº
lo
terreno : Norte verdadeiro ou aproximadas da diagonal do cubo (45° nas

j
~
Norte Magnético. projeções ortogonais; ver Capítulos 15 e
()
::, 2 - Fotografia da área onde será 16).
~
locado o projeto , incluindo o 6 - Desenhos completos do projeto a
entorno, isto é, os arredores, construir, incluindo plantas, cortes e
Ruo do Soleóoo',
prédio s ou objetos vizinhos . fachad as que permitam o desenho da

1 3 - Indicação do dia, do mês e da


hora em que foi tirada a
perspectiva. ou a maquete, de modo que
sua fotografia substitua a perspectiva .

116 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Como proceder num caso concreto?


A planta do n? 1 serve, inicialmente, para escolher a posição do Ponto de Vista, de
onde será tirada a fotografia do n? 2.
· A partir da ~otografia ampliada (n? 2 da lista) devem ser determinados os pontos de
fu ga.
As linhas horizontais prolongadas darão as fugas e, em conseqüência , a Íinha de
horizonte, que será perpendicular às linhas verticais.
Um ponto da fotografia deverá estar bem definido na planta; por exemplo : o ponto A rofo9ro /'/o pern, it, ,norc17r A, e
A . Estes três pontos, A , F 1 e F2, seri'lo marcados sobre uma régua ou tira de <7S Fv9os
n,sto- ...
papelão.
- - - ---c,c,---~----~
l
1-.+I_F....;'----------!l=
A,
.. ,Q,9uo o u T , ro .d , Pop , I -7'
F1 1J

Fofo9/17/, a 1

(/tl.
0
;> <l'o T~,t(o} 1..._--"---'-...:C..._ __:::._ ___::..c.__ = ==
__::._ _

Voltamos à planta e colocamos sobre ela a régua onde estão


assinalados os pontos A, F 1 e F2• Ao deslizar e girar esta
régua conseguiremos encontrar a posição única em que estes
pontos encontram as direções 1, 2 e A , traçadas na planta a
partir do Ponto de V ista estabelecido previamente . Fica , pois, d
definida a direção e a posição do quadro. LJ; sr'ônc,"a
p,.;,,c,po /
Agora o plano do Quadro corresponde ao plano da fotografia.
Fizemos uma operação inversa da perspectiva , pois
norma lmen te marcamos o quadro e, em seguida,
determinamos os pontos de f uga.
117
FOTOMONTAGEM

Em geral a planta é fornecida nas escalas que vão de 1: 1000 a 1:200;


é a planta de locação ou de situação do item 1. Entretanto, as
plantas ba ixas e os cortes são desenhados na escala de 1: 100 ou de
1:50. É impraticável fazer a perspectiva com o quadro na escala de
1:200 ou 1:500 da planta de locação, pois os detalhes se perdem .
A solução : na planta do projeto (suponhamos que seja de 1:100)
marcamos o Ponto de Vista na MESMA POSIÇÃO da planta de
locação, naturalmente obedecendo às escalas, isto é, se o P. V . está
na planta 1 (locação) a 35 metros de distância, esta mesma distância
será marcada na planta do projeto (planta baixa} na escala de 1: 100
ou 35 centímetros.
Portanto, atenção! A distância principal (O.P. ou d, na figura} que
vai do Ponto de Vista ao Quadro NÃO VARIA, sejam quais forem os
desenhos . Em outras palavras: a O.P. é constante, em cada exemplo,
e será marcada na mesma escala da planta.

Qvodro

A finalidade destas operações é fazer com que a medida mn da


perspectiva seja a mesma da fotografia .
Agora a perspectiva do projeto será traçada por um dos processos
conhecidos. Uma vez concluída, seu contorno será recortado do
papel e colado sobre a fotografia (n? 2) , desde que se tenha o D / std~c/ a
p,a/ ncipo/
cuidado prévio de usar como referência a LH e uma das fugas.
Tudo agora vai depender do artista. Cabe-lhe completar'o traçado
geométrico da perspectiva com sombras, tons de cores, reflexos,
texturas gráficas, etc .

118 A PERSPECTIVA DOS PROF/SS/Of'!A,

Por meio da fotografia n? 2, quando é externa, podemos


reconstituir as posições dos pontos de fuga S e S' das
sombras . (Ver no Capítulo 16 o caso l .cl Não sendo isto
possível, devemos recorrer ao gráfico de insolação do lugar
e marcar as posições de S e S' na perspectiva. É esta a
razão do item 3 da lista.
Depois de concluídos os trabalhos de arte na perspectiva
tira -se uma nova fotografia da montagem (perspectiva +
fotografia n? 2). Este novo negativo será ampliado para o
tamanho que se desejar, dando a idéia de um conjunto real
Quando usamos a maquete em substituição à perspectiva, ,
planta n? 1 fornecerá a posição em que deverá ser colocad,
a máquina fotográfica de modo a manter as mesmas fugas
na fotografia do terreno e da maquete . Não deveremos
esquecer de anotar a posição e altura da fonte de luz a fim
de harmonizar as sombras da maquete com as da fotografo
n? 2.
Nas fotografias tiradas de cima para baixo ou de baixo par,
cima o quadro é oblíquo (ver o capítulo 14), e não vertical,
surgindo daí o terceiro ponto de fuga . Para não alongar
demasiadamente esta obra preferimos remeter o leitor
interessado a um bom livro ou a um estudioso da
perspectiva.
-
e•
B 1m õ no.SQ rrtnél!
,sto' vm
ov CQ1KO o't
sono/lelor
so= .

Se 9 1/Qr,noS'
vm ,oot/co o
ca i xa,
torno -se
v,s/vr / vmo
loct' /olrro/ :

490,ro
,,, c !t nomos
o c o ,Ko
11m povco poro
o /r e nte, tm
nosso a'i r , çóo.
Pronfo /

é' o d 1 ,enho
/SOMÉTRÍCO.

Tris l'oces seio v ,s/ve,s ,· o / ,91/ro Con'>O rr>pr, senfo,,., n>o ,


tornot/· S r !NTt;L1G,Í,léé. ale ' ,npJm o p<1r&1 eslos ,nvo'o.,, ÇQ.f de
f? Vt'm o'l!Sc.onluc r o ./)esenho Tecn,co, pos,çôo e=
os ;::vo.;eçórs or/09=,s f' os Cr on,elrt'oS. pro.1eÇCH'S orlo9ono,s?

120 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Pro/l'ÇdÕ
verticd/ ov
v,s t(7
!=ronto/
D
.PrO/l' ÇOo
hor,.,,o,,!ol
ou !l,sta
Svpt'r, or
40 ---,

J(-
1

\
1

! A PéRSPéCTiV4
!S0M€TRIC4
O cul,o /p,,.., 1nno

foo• r~ONT.4l í7\


"'~·0

l\b dpse,-,1,o ~ i nc/,nodo.


o'o F; guro 2
ocrtJc P11 fo,.,os
o 3 !' p,-oj, çóo
sol,,-, o p / o-,o dr
;;,,,../,·/ (6·ocl',lado) ov
v,·sto éo/4rol l)/rei lo.
\
\
~--,4 2
,'/,/',,,',,,J_ Jc.s-,ç-qõ On17r/or

~
.l)epo,s ;nc/lnomos o / '~,.. \ .C/J(./rQ 2
Cuóo pe>ro o lrrnfe -. ,,,,, ',,,,j
e,.., torno do vl';.t,c·, B -
e oc/2Q= novo ,,,,.o.;;,ç,iõ \,',,, ,,,,,,
ver t/col, ;.,
o'/ r e/ lo. ', ,,"

~--+--- -~~,,/
PERSPECTIVA PARALELA 121

Por covso do / nc /, nO'(QO - v,r po'9 , ,,o O CíRCULO ISOME'Tl(ICO


onl, r,or - os ores/os do cv6o opor, c,,.., e
r,'(7(/.Z,dos o co,.-,pr, m,nto df' f o,,.,,..,
prO/f' lo-s, co,.., Ejló ,,,,,,.,, o '?Vf SP OôIPrl/(7
oo com,c,o=r C7S or,.slos do / " dt'St'n/,o Na isometria as faces do cubo
com o, o'o Úl/,,..,o Cl/6o (,:So mft'r,o}. aparecem todas iguais e, por
esta razão, as circunferências
/\lc7 ,orót,co noo sp /,u l"Sto r,dv ,;<io, [)
rnqs o l 9vns o(,1/or,s d,hrPnc,on, : inscritas nestas fac es são
também iguais .
O processo aproximado para o

tii
tra çado das elipses
correspondentes às
circunferências é: o
- Achar os pontos de
tangência (meio de cada
lJt>srn~o lso,,.,/lr;co PerspPct, vo /Son?f/r/co aresta) : a, b, c, d .
(',p,.., rpdv,oõ) rá,,n r<'dvç-o·o o'e C?fVó) 2 - Ligar os vértices dos
Quando o desenho isométrico é apresentado aCY~ado das ângulos obtusos (B e D)
,4
projeções mongeanas a figura isométrica dá a impressão de aos pontos de tangência
aume nto de tamanh o . Em troca a isometria apresenta as mais afastados.
seguintes vantagens: 3 - Com centro em B e raio Ba
1 - A síntese da persrectiva: tudo se resume a uma só figura . traçar o arco ad .
2 - Facilidade de compreensão . 4 - Com centro em M e raio
3 - Clareza da ilustração. Md tra ça r o arco de .
4 - Possibilidade de fazer medições no desenho. 5 - O restante da curva é
5 - Rapidez· do traçado . tra çado por meio de arcos
Os inconvenientes são : cujos centros são N e D.
1 - Deformaçã o dando efeito irreal Atenção : este traçado é
2 - Somente podem ser medidas as linhas paralelas aos eixos . APROXIMADO , embora
3 - O desenho de lin has curvas é trabalhoso . satisfatór io para a maioria dos C,ra-los , s om t'l r ,cor
4 - A dificuldade de colocar muitas cotas. desenhos . rn7çodor /JOS rocN d o Cv!,o .

122 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

A re,Prf'.IPnto,;o-o s, -roz por nu, o o',


001S proc, ssos ·

0 ?Jo C4tXA ov r l GU.QA ENVO{ //t'IVTé

o__
J'~------,

Os dl'lo/1,"s ,
o conc/v sõo I

@ Dos 0/:?DEN4DAS J t - ,',,fqrcoçoo o'p pontos no


p / ono l, or,zonto/ ~fl -

e
6

3 - Co,,c./vsoõ

y e
PERSPECTIVA PARALELA
123

1./mo ovlro r,pN?St>nlo ç:oô oxonon, , 't,-, cr, ,tfr med,dos sol,r, os eixos Oy
e' Ob (/ do qvondo n1 vo'o,no S o d1r , çoõ (con,p,r;menlos) e OJ ( ollvro,) Sl'rÕo
o'os- etxos por-a . eslo : = orcodos com svos dtmPnsóes ,nollerodos,
ençvonl-o 9vl' os mt>dtdos so6r , o
e ixo Ox serão r , dvz,do.r à Mé TADé.
é ,s o cu6 o
d()Si'nhodo em J
perspe cl,vo t'xPmplos.
d,",np/ri C O · 4s /,9vror do
pó9,no onll'r,or
o l'.Jtoõ d esPnhodos
o oóo,,ro Rt>?
Pt>rsp l' cf, vo
l)/,ne'tr/co
Q

E' o PéRSPéCTiJ/4 /)1°MÉTRiC4 _/ lJi:>sprf'zomor o ,l'duroõ CT(7S orP.rlo.r por


s,v no,n, vl'm do rolo d, possv,r p/e1lo o', suo pro/ e ç:oô, l o/ con,o
lJOiS (=o'/) e i xos co,,., ;:; z.t'mo.r no desenho ,soml''lr,co.
MéDiDl1S (: rn,lron) 19v(7,S.
é x / .rlwn ovtr<7S" d,"re ç:o"s
Poo''1mOS d"s,nlior o.r e/xos d,= eí'r tcos, de e/xos oxonomptr /c as,
sun o v.ro do tronsrertdor; rozrndo : ,oorem d , mv,or oce, t'oço~
ç, u e podem SP-' vsodos
no P;,r.rp , cl,vo l), ,n;,lr/ co:
1
/ ~ -

,.

124
A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi~

Ex , r/1, oindo, Vl'?o ovt"ro én-1 r f'St/h>O ."


4 coixo de s""' o v sono/'letor v,"S/<7
rppr;,sent'oç:oo com f'1xos /o' ,-;,nos o no ,r,/c/o de.st'P cop/tvlo oporl!.'CP en1
o x ono m,: lr,cos c/2on><7do
pro) l!.'ç:o,s o,.é'o~ono1s osS,,n:
Pé RS Pé e T/J/4 Pttrspe ct/vo { /some/r;(7
T.QiMÉTJ?/CA, 4xonomeÍ'r/ co Dim et'rto
,oe/o /oto d t' t'Pr Orlo9onol Tr,metr/ o
Ré/Juço"is l)/ FéRéNTéS
,ooro codo vn, dos- 3 e ,KOS.
,49v1 e~t<?o P d;,senl, os
do CV80 n,sso persp;,ct,vo.
Possoremos oo ;,s l vdo dp
Un?/7 ovlro ,oroj,ço-;, c,/,~dr,ca

/d1, . ,
(J/er o Co,o,'lvlo 2 sobrt' os
t , pos dp pro,1°pçoês).
Oeslo l'PL serão os
pro.JPç:oêI c,/,nc/r,co, 08ÚÇ){l4S, S, cdocormos no f'ocf' ,Crontol Vl'rJ
e "ºº r,,o,s- or l o 9 o no/ s : e i xo 06 // çt/o ov /'v9/ fi vo, éerrn>os:

1
@' o cl,o=odo
PéRSPéCTiVA
\ '/ ,.
Reolm ,nfe/ CAVAlEiRA.
o o :1
EJ!o' toõ ~ i
i
dn'br1>1odo
çv, ,,,:j,,
o

/ - -...
por,c, s,r
c/m cv6o ...
0 t
o ~

~T : 2/3 : 1
IYe/o os prq,/epoês soõ #o ' S€NP.f>E umo
,4 pPrrpPclt"ll'o tr ;n1,lr,ro e' pon:7/p/os e nt're porto,,Jb,.S/; f't1ce poro/ Pio oo
,oovco t/S<7o'o ;,o, co,,fo o'o c //, ",,dr-,"co, (no.r Cop/tvlos- Plo'7o VPrf,"co ~ r;,v,
dPrnoro , do cv/dodo on!er,or,s v ,·,,,c,.s estvdondo e ' cons1o'{'roo'o co,no
oeCPSóor,OS poro roz,r r1S prO.Jt?ÇO-PS cÔn/cos), porem . . , ()vodro no J:r~ecl,·1e
rt> d(/ço-es espec/f'/co.r Covo/e/ro
poro codo u m dos N40 PéRPENlJI Ct/t 4RES oo (:,"j O cvl,o 1)/!'St'o
3 e / xos. plono dP projt?ç.oés. /"<'prl?Ient'oç:oõ :
PERSPECTIVA PARALELA 125

l\lo p,rsp , ctlvo cavole, ro as lncl,·noço°ç,s /:oro vmo 6oo oprPunloçoõ dos desPn~os
do.r f'v9if-tYt7S, e res,.oect,vo.r r,dvro-,s Á, em ,oers,opc t , vo covo/piro e' nPcessór,o:
mo,s vsodas St7Õ .'
f} Co/oc.or o ,r,O/Or d',meJ1SoÕ do ObJeto
/JO p/o,,o ,oorolelo oo 9vodro

o<= 30°
/( = 2/J

1-~-----r#
/1 ss, m . ..

k=½ k=f

T
éste.r St7-o o.r
2) {/mo /'o c P do ot./elo, 9von do t,ver
c , rcu,,,Cerenc 10 º" /'or/1?0 //Y-i?9vlor, devero'
s er colocodo no Plano t/ert',c o l ou Quadro .

0 a,
de mrl/tor CY = 45°
ere,lo v, svo/ k = t/2 .
} .
.

..
k: 2 /3
.4 ss, n, ..

126 A PERSPECTIVA DOS PROF/SSIONA ,

Con?o o'PSf?/?hor o c , rcv1?~.,,.;,,,.,c10


confu:To nv,n p/ano
N40 P4R.4{é{O oo qvodro? (;Juol dos o',sl?nAos - o do d, ,.,, la-)
de n,o,s 060 , xo o'o ,oá9,na-
P.:,r ,...,e, o o/p oro'ç>nodos
n,sto SP<?V i/,c,O . / ) Troçar o
Ol/ o
//,l' ,oor;•ce /T'Jo,S 09rodo~,I
O p.r, mq/ro V/Slo p
l
c,rcv,,/~ r e/'Jc,o " s,u e/, o,n f"rro;
flrovovelm e/lt , Poc ; esco/1,ero' o
do d,r, , lo. Vejo , qgoro, COh7
o ten ç io · on>ÓoS So-o ,9 vo, s /
€ /l's d ,,<erPm u1ucoment', ,oelo
pos,çoà dos- e,.xos f/J p li

.?)!>e-.renhor "º plano não ,oorvlélo


o 'lvodrodo 48CLJ onde sera'
t/1SCr1to o c,rcvn/l'/';nc,q,

C'o,,,., 6are no os,oecro e't, co


S<Y>1os dq9v,l,s 9"" ocrpdilorn
qvp o cl,enfP dev, éNTENl)é -1<
e d1scv6r o projpn:, . CQóe oo
prqJ'pf,sto t/.f<7/' o s ;,.,,;,.,.,sos
3) O roi o O? {,,Prolod,,,'ro 9rono'p,ra) rPcv/'Sos 9ró/,cos dos ,Ol?rspec-
,.,.rfora- Pno O~ - ,ooro/11/0 ~ o7? t ,J/os ole' o dPS<Ml,o o,,.l', 'st', co.
rv9,ôvo 8C- JPndo 0,(?1 :k. º~=~ Com ,sso ev,forpn,os qve o
O rvooc/,,,o o,o/,cQ -SP o ~ e I l', c liPnà PENSé vmo coi so
,oor s,melr/O, rppp/p- SP nos órrn o'/ /p,renl'P doq4',/o çv,
c!P=o,s çuodront'es. Sero' constrv , do .
Poro os or<7v,l-elos o eslvc/o do
/,,sohç:oô te,,., co=o 08./éTiyos P";.,,opo,s:

f- .4 or,,.,,taç:oo ,nois od,9uoob do p,-/c/,o o pro/,lor.

2- O pro/elo c/p e/e,ne'Jlo.r de ,orofeçoõ Ô


conlro o in.roloç-tio o',r,to ov e,<cPs.r,vo.

3 - 4 sohçoõ d, proÁ/p,..,os o'P o6erfvro de voõs


(,,,,o,or,s ov. ,,,,nor,s? No,s oc, ,,.,o ov ,ncvs 060,xo ::>}

4 - O ('/c,lo dos consfruçoês enlre s i.

É possível que, em futuro pessoa e por dia


não muito remoto, a verificamos o tremendo
humanidade faça desperdício que continua a
aproveitamento dos 81,3 ser feito .
quilowatts que o Sol
forn ece sem poluição, sem
usinas, sem fios e
gratuitamente, por dia
sobre cada 100 metros
quadrados da superfície
terrestre .
Comparando o consumo
residen cial de energia
elétrica que é, em média,
de UM quilowatt por

128 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

translação da Terra o Sol fará o percurso


4c conS,c/Rror, t,v•16e'm, o n,ov,,nenlo
inverso, nascendo em N, depois em M ,
d, .eorAÇAÓ do Terra irl'll>OS oót,r
so6rP St/o svpel'l',al' os pi"O/eÇóeJ" do passa pelo Leste em 21 de Setembro, nasce
com i ,,l,o do Sol · un10 he'l,c11 es/','r ,co depois em C, em B, até voltar a atingir o
percorr,c/Q no Sí'nl,do c/p I pQro2 olp ponto A em 21 de Junho .
Jt11\1H'O oà• ' Sol
Dé2EM81?0 e,

Estando o observador no Equador (Latitude


no SPnl; do Zero) imaginamos sobre ele uma cúpula
in verso, d., 2 transparente (meia esfera) onde serão
poro f, de projetadas as diferentes posições do Sol a
1JéZéN8RO o cada hora, ao longo de um ano. O
Jt1N/IO. /s.x:, e' observador vê o Sol percorrer o caminho do
o 9v, OaJrrl'
Leste para o Oeste num plano perpendicular
" º hen1,sr,,,.,o
Sv/. ao do terreno. No dia 21 de Junho o Sol
nasce em A, passa pelo ponto mais
. ,________ .__ -·----- - -.J.
elevado (ZÊNITE) ao meio dia e se põe
no lado oposto às 18 horas. A cada dia o Sol
nasce em posiçã o B, C, ... mais para o Leste,
até que no dia 21 de março nasce exatamen te
sobre o Leste e ao meio dia estará sobre o
observador, projetando sombras na direção s
€m N.tlRCo " !.ETé.¼8RO os -d,os ., os vertical. Uma vareta perpendicular ao
no/1,s te",,.., i9ual duração : e · o é(lo/,vocio. terreno, neste dia e hora, não teria sombra!
IYo.r ,oonlos I e 2 o rnov,·,,,,n/o n1udo de O Sol continua seu percurso e em Dezembro
Si''7!,do co1110 sp f,yesse A oy,'c/o uma
' .oorodo : e · o SOLS7/ciO
nasce em M, depois em N, até atingir a o
Solsl,c/o dt> lnvuno. 21 de ./t/lV#O posição limite P às 6 horas do dia 21 de
Pro/e ço·es no
So/sf/c,o d , Ve reio : 21d,Z>é?éH8RO Dezembro . Por efeito do movimento de Plano #orlzonfq/
INSOLAÇÃO

,4l~umos d,/,,,,ço·i's : O o6s-e;-yoo'o,,. co/oa:,do "º Polo Sul tu,, ómpS<1S dp So-".
MéRi0 / 4/fO - Plano Verlicol qu, d(/ro11le 24 l,o,,.o.r po,,. d , o é' o /l'E-Q/flÕ:
po~so pelo clir rç:oo

()
Norle - Sul; o ,nt,rseçtio
<f'essR plano co,.,, o
S€',,,,·. ".r/,,..o e,/, s te.
_____

Sv,,.9e o Sol no l,or, zoni<! . Sóo 6 /,ort?S do tllO 2fdl'Sf'lem6ro.


.Ao me, o - d , o o So/ p,r,nonecP no ./ior,Zonl~ 9v osp se,,., su6,r,
opp,,os 9 ,,,.o ndo ri}
90° cio C. nle CJi

18 horas o Sol o indo


.oern,onpce no hor/ zonlP,
09oro no Oesltz. Mos 11Óo se po-,/

0 relo9 10 morCOro' m,,o '101fr f' O .Sol


A - Posiç:ôo opqrenle o'o Sol ,oro/efodo ,t>rr,non,cP n,v, to pOf/CO oc, n,a do ,olono do
sob, o .U mi- ,.,/,-,v celttsle . llor,Zonl,, /'JO d,r<> ~oõ Sul.
.4 JX)S,ç<io e ' d,r-nido por : .4 codo d,o, o o/1, lvdp do Sol so6,.., o
plo,,o do h'or,zo-'?lf' c re.rcp /pnfornrnt;, .
~ · Az,mufe : an9(./IO l,or,'zorJfo/ 4/e' ç,uP ol,n9 .t, ,,,, 31 o', l),f>ze=bo,
o clf'c/,nop:x, ou oll, lvd, n?CÍX!mo : 2.3º27,'
medido o port,r do lv'orli' .
oprox,n?odo,n,,,/e.
À - 4n9ulo qv, correspond, à
At ri TV ZJE do Sol. é torno o desc,,,. o/.,· 9v, o'Psoporl'CP, ,,,,
Q - Projeçoõ ~ pos,çoõ do So/ sobe 2 f dp Março, 9t/0'1(/o c.o= e ç:o o 1,.,,,,,.,,0 ·
o .t:vo,:io 'h'o,,.,'zontol o ,,,,,t, o'p 6 tnPSeS.

130 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONJ

E,,t,, os pas,ço-,, do C / r t:.vlo Polar ,,J',t, co


équoclor " dc.r Polos Zona T<t=perod,r
esteio o, ,,9,0·,s do !\/orle
TrÓp,cc d, Concer
lrop, ccus !'

o.r lempQrodor,
ond, or P/o.; e ç:o·, .r
<lo S o i -,o6n o
Plono do -t/or/~o,,,/e
soo d , rerP'1t!eS
dar do
€ 9uod;,r e d,
dos Po l os

Polar

Os G ,ó/",-cos de
/J/0/l!fQÔ do ln solo cóo So-o
0

,ot'rcurso do Sol to,,,.,l,em, .c/2omodos c


na €s/'e,-o Cel,si, P,ogromo d,
T ( //e'licr er/"/r,·c o, AZi HVTéS OI/ o
mu / fc, ,,oroX/ p,q
Novi m,,,fo AP..4REN7
do C,Jrcvn/Pre"'nc10) .
do Sol ( o moy,ml'<
- - · ,Dro)ep?Ô desto no real,d'ao',, e'
c/rUJ,, H,P,,c/o l'/0 do Ttrro}.
J)/ono llor,zo-'?l-ol.
131
INSOLAÇÃO

5 - A /,(l'/,ce es/'er,co Ot,1 c,rc;,;n -4ri,,c.,o


CONSr.QIIÇA7:J 1)0 p,ravr,da p,lo Sal no esfera Cl'INI"
G.Q4'r!CO DE INSOlAÇAO no d,o 2/ ./(/IV e' o l,nho !roCf'jOd"
€ c/,'l ,co e:2.3°30' EII (d,omPlro} na prc>,1,ç,oó vvt,col.
lQl,lvóe -30 ° ov
30º Sl/l ,'CQrrfl.f,DOn<Ú o 8 €sso úrt:t,1n1", ,~',,oo prq;elo-.sp "º
fj .
c,ol::,d', dr Porto Al'9N' p/ono h on .z0/1lo/ con,o v"'o é l/PSE
lot, lvo'• seu c1,J,..,, tro ,nq,or e JM, e s~v
Norte d,ó rr,t?fro ,.,,,,,o, ,, P , /Y''?Jf"<~ ÚP é#
ro,'o 9vol'1f,'I!'" rP,cv, , ,nlo=
f - Co,,, +
o es/",n:, ceies!, no PI'º./" ço·o NP@ tem seu
7 - A c,rwn.FR,inc,o do
"''r t , co/ e rnqr COH>OS o centro e,., G , eslo rel,ol,do em
tofdvd, i 9 vol Qo d,·õ,,,,,t,-o A8.
VPro'ode,ra G,v/1olt>zo soorP o ,o/o,.,o
l, or,zcnlol com a11f-ro l!m ½
2 - Tn:1ç:o,,.,0S CD, p(lrpu,d,'c vlor o
,48 : o pon fo Z) e' o zfni (e nos
8 - D, v,d;n,oJ o rnl'b,p Svpe,-,CY do
dr /.fc,rço e s,/.,,,.,1:,ro .
m(ISt'.I'
c,rwn/;r,",,,:,o rP6o,r,o'o em I .? pa-rles,
li
Corr,tCpo,, o'Pnfe, OS // Or.7.J" dt> 6 q,
3 - .l)e ,:;n, lodo " at> J 6-" J-----.--+---- 181. e lron.rpor/or,,,oc G~ dÓfr'0/1'(.7~
ovlro ó, ClJ n,arc.o,,.,os __i,..:==ic..-- - - t- -~ ' 1-'1<\. ,p,,/,'co l, po,v o rrw!,,,,,,,,1o (>n, e:~.
o ec/,'lico ~ , e,,, é, F. 1 '
0 orco d i' C.1rcvn/i:>rPnc.1.; Q e s-9t./'1ro'Q
é= E f(ln,OS" O zin, II' f()
li de R, co,rr<'Spo,;,,'f/> os hon7, o'o lJ,',,/ ,
n o So/2-lté,;, d!' lnv,r1'0 1 't. o d i re:lo d,- .?; , os ,5or>JS e/., 1V.?,7E
(21 -JCIN) r i!'" ,C: º ,r l 1
1

z;n; f, ,,o so/ s!,ero 1


9 · Os pontos dp d,,,. ..,.;~ o'o ,1.••@
d r V.c/>io ( 21 OéZ) . '!iJ------l-~f2---j--:-f- --f-+I---t--t--;:;-- - -- - , s /JOS doo os horas no e/,psr olo IY-°(~)
1 1Q
por (!Xf'mplo r;a c1rt..{/.r1/p,,11"";,c,,o
"/ - Drsrnha,,,or o 1
1
J
1
/pbo l,do, · os 91. Coru ,p-:,m:,'p o
prq;iç:.io l,or,2onlo / eh \ I o/luro 9, T, o c, r»o dr ~ 9vt'
1
es/el'O c,ns,á, COh1 ar 1 -t ,;::vr:/o.11goll'IOS" por.::1 o d,re , la e
1 /
d r'àmdrt>s IVO/"fi'· ..>vl 1
1 t ron,pa,-/on,OJ p.F'O ,{', 9 "4 ,orcyc ç:q;,
e t. e sü- Oesle . 1 1 /
1 1 ,;/'· Vl'rlico/. ..C-r ~ti',~'/ /C' o ......~."o 'l .,,CUr~ u
' 1__ ,t o JJ/"q,f (~r ./tf.,,~/J.l'J ..q / 00"'.:,.f}('l.J ~ r/--~· , .;pJr"
,.,,~ -~-- ( Co11t, 11vo)

132 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi!

CONSTRf./ÇA-0 !)O 12 - Pro,;etomos "'º p/ono


hor, zonto/ os- ponros o'c:> d,v,sôo
GIM7!CO OE /IYSOt.JJÇAO
olo o,c.o ér, o6fe,,..,do os
d,Ôrn e. troS de codo e/,p.SP {,,oo,r
de =eses). Os d ,â,,,,t>t'rof mo, orl'S
10 - é,,, .F IPremos o hel,·ce eslt?ó no Pro,1ercio Jlerf,co;; co-c
esre'r,co 01,1 c,'r,:ur,r('rl'",, c,o pv, no ,'/e,,,, 5 . O re6of, ,nenz'o
corrt'J"ponW oo rnov,rnenfo do deSSqS c,rcun/'erénc,o.r, con,o no
Sol no SoJ.S"!,oo d , VER A Õ : t! , ile,n 7, ,oe,rn,l, ro' t'roçor o
(/n,Q 2-° , l,pse no Pro,1eÇt7Õ e !;p.;p no Pr oje ç:Lio ,t/or,2 o n/-Q/.
llor, z onlo/ o .rer troçodo de
modo , de"n f,co oos N.!'r ó -7 - 8 - 9 /3- .4 CCYJst'rt/ç:,;;o rep ,le-J"f' ;:>arq
do pÓ9,no onle.r,or. CQdo llrn do, 5 .,Drlrl! j de ,ne.res ·
,-. ./4/V'-NOV, FE V-OCI~ e fc .
o o .rco E /= ; 2 e
I / - .l),11',c/r./l?O.>
em 6 po,rfeJ" ,9uo,s 'IC/ e 14 - Nos 9rti,C, co, 9ue
correSpon úeMo oos n,e.SRS o'e tlCOn?pon/Jorr, esle /,,,,,.o os
/(/N · JUl - A60 - SI. ôn9C/IOS o'e At.r / TVl)fi olo
Sé/'. Ot/T -NO//- l>E2 , Sol e sloõ dP.ren/Joo'oS
no Sent,do separoo'o,.,.,e nle . T~lo-se dP
1
horor,o, e ' no 1 comod,dod,, para ,C,-,,,s
!!? 1
se,,f,',;l'o proh,siono,s l?O 4rqor'l-e!(/ro,
1
O/'J//- ,,/,oror.,(?, o ,, 1
1 - 11
po/ r o .41/;l(/dt' do Sol
DEZ-JAN- FEi/· 1
1 ,oode s e , 06!, da ,:; P'<rf,·r
M/Jl? -,tl8,R-NA/-.lt//l/. ,z,, 1 1:l~ o/q JJro/efo·o //ori 2oola/: o
r;, :~ ,V p Q s
A ss,,.,.,, /JOS m eses Grq' f",c.o p;-opr, Ol"?t'ole d /éo,
1 1
d,: .14AI e /\/OV o /J 1 1 con>o m os/,-oren?o.f" /JOS
IJ
1 1
,nsoloço·o e O' 1 ,orob/e,no, r eJ"o/v,·cro.r o
/TJl1l'/1"'JO,· oss/ ·n?
,. 1
1
1
1
1 se9(/ , ,,. .
1 1
C0"70 e,n 1
1
1
1
.FéV , Ot/T 1 1
1 1
1 1

19.(
y.,,. Gró/';cos o'e /n,oloçoô nos
li~
o po·g , nos 1~2 e, C55
INSOLAÇÃO 13

(JT/l./ZAÇA"O DO G.QA.FICO Dé /NSOLAÇA-0


fl [)€ TéRHtNAÇAÕ DA
A l. TiT{ll)é DO SOl Percv,so do Sol no ésl'e ro c,.;ule e,., 2t .JG/.1/

Devemos
.sg911-, n tes
con/2ecer os
o'odos :
! ,oen;Ul'Sb do Sol ,,,.., 2/./(/N

l)oto : 21· /VN


/./ore, . 13 1,
G ro' /4co d, ln sol oço·o
do I C/9or :
t?ec,/, - {ol,tvde 8ºSt/l .
é ' re prodv.z,do opl?nos
o ,oe:i,- te 9v, ,n lerrISQ ao

,oro6l,,no :
N

0 ,oonlo 9(/r o d , reçoo do roio


d, So/ encontro o err,ro c , /erle
projelc, -, P em _g I no p/ono /2or, zonl'ol
f?//P corNS'j)ôno'e oo Gro,C,co, so6,.e Q
A elrps, do mêr de ./vnlto.
IYos opl,·coço',c q ,qr9v,·felvro
o é a .rolvÇ<?Õ ole,t, pro64mq
4a C e' v,n lr,'Õn9vlo relôn9v/o sendo oeqrret'o perdo d r l'<'mpo.' lo,;
A-;;'c = '10° , O i nd,co ç oõ olrslo, ol t , lvdf'S,

OC AC= ro/o do Gro'//co Q'e /toro o /,oro e d t' n-,/s


o CA = ~ = o ll,fvde do 5ol o me.r, ,.,., nossos yr,/r,cos.

Eséer df'St'n/,of ,oPrm,t'r,,., o


o f,- , <ingvlo ,4 o e, con t ,do n vm conslrvt:4o do Õn9 11/a ~
plano >'l!rt,·co/, podl' f{'r re6oé,·do soke ( o /1, /vde} por ,.,e/o o',
o ph.,,o l,ori 2ont'o l. ord,no do s ov PO,.. n? {'io o'e
COH?Pc)~S'O, d ,fp~ nS'ondo o vso
do /n:, ,,J:/rr,o'or - po0co
,,ort'CISO R ná1m S"rh7p,r, à /f'?ÔO .

A PERSPECTIVA OOS PROFISSIONAIS


134
JYos ve',..t,ces do préd.o fo rmo-s, vm

2 !)ETERMINAÇAO
04S SOMB~AS
/,- ,'Ôn911/o r(' tôn9v/o li/ M
MP - Poro/elo o d,re,;o-o AC do Sol
MN - Alluro do p,· e'd,o
J? o nd, conhl?t:t!mo.r.

Soo dodos · N H P- 4n9vlo r el o


/)1 0 21 DEZ ~ - 411, lvd, do Sol
Horo : f5 li 0-

ó
dodo no 6rol'ico
lotdode - 8º ov 061,do pe l o '--1
Or, entoçoo, p/o:,to e pro cesso do
{ oltvro do p,ed,o poq, no onler,or.
O lr,ôn911lo M l'/P
./ podr ser desenhado,
,forte / .Jo re6o/',do so6re o ,o/a no
hor/ z onto l, o'f' po,s d" N,

TJ C"ntro do
Gra'/;· co
deS,,nhodo em N, (06,;,,.J<o)
o t7'79ulo 13 = 90 -« . So&re D cl..-eç-t:/ã
M,P, ,ooro/e/o a 4 C, enco,,lror,,,,oJ: o po..,to P.

[,n pape/
j
tron.rport'nle --i---..L- Pr oje ç:170
Nos v,>"r/, ci'S
li e l o con.slrvçóo
e ' , dinHco
à do po..,lo M,
1?n911onlo
do Sol 9v, no verl/ce ./
d,.s,nhomoS o planto e o
(}$ /5~ e/o d , /ere
corte . Colocando nosso
openos pelo
dt'Srn/20 SOBRE o (,r,:i/-co
mo/ Or 4t Tt/,{14 :
de /nsoloç'áo do lv90,,
f"oz('n,oS" Coinc,d,, O NorfR
o cv..... ee ,ro .IR. J
t
,'rJc/;codo no .,olonto e o
do Gro'/,'co . p
IVo c/io e Aoro dedos o
OiRéÇ40 1/0~iZONTAl cio
lnso/oçoõ e' AC, 9ve
troco,nos nos ver// c,.s- do
p/o~to : h'-.1- t. -M.
135
INSOLAÇÃO

Troto -SI' cl, dPlerrn,,,or o horo·r , O dt'


1//Solopoõ d P vmo l"'oofoo'o, dP mis o mes

Co'llitc{lmos 4 or,e/Jtoç;ôo do /"ochodo


O Cró/",co d ,1 /,,so/oçóu do ll/90,;

'l 9v, , ,,(J e x en-1p/o, e · o o'e


lo t, tude 8 º Jf./l

oestnhon,os o plonlo em
papel tronS-porr nl,- e /'oZf'=os
C01nc1d1r Nort.'P do p lonro t' O
do Cro"hco. 4 l"ocliodo .48 recP6ero·
Sol /JOS d/r('çoes Co,r,prl'(?nUldos enl/·e
@ e ([), à e.r9verdo, no · de s .,n/,o.

Fozvndo o s le1évros no 9ró hco, fe,noS :


'7 - No Solst/oo d , //e roõ (21 l>E2) o
/"qchodo ,4 8 recf'b l' sol d ,;, /11. 30,n
ote ' 181, ! Om o,o,ox,modcun e nle
L d -r<'ÇOÕ 6

O (ir,i/;,c,, ,nqrcg os ,a¾/ Ç"ot'S b - No 5o/sl/c,o o', //Jt'l'n,o (21 /vN) o


do S::,/ dp A= o l,o/"Q. foclioclo A8 rpce6e Sol de 131, f5177
R:,rtont'q o êrro d,- l,dvro oél'' os /7/, 30,,..,, Op/"OX1n?odo,-,,pnle
Ot/ O Opró)(i ,no ÇOÔ L Dtr eçcio e
sera' /NFéR/OR o VM4 //ORA . C - No do 2 1 do.r 1nes,-s d e 141\1 e /'IO V o
l"ochodo .4/3 ,PCE'6e .V dl' nl, 45,n
Ouqndo o phnto opr,srnlllr o!e ' os /81, 05 m o,t:Yox, n,odon1P/Jt'e.
So=enlP o No,-/,. Mo9'""'1,co t__ l>/r ; fOÔ e
Wt't'ro S<'r d r/rrm/nodo
,lbro or meses rl'S l'on/p.r o /e1 /v/77 .>Pro
o ;1/'ortr J/erc/odeiro ov
Fe /lo pelo ,,.,esmo proce sso.
tVortr Ast'ro nÔm1CO.

A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS


136

4 PROJêÇAO Dé UM VAO NAS PARél)éS


Trolo -..re de detern>, nor o ÀRéA 8AN.J/AD4 DE U/Z. 4 so/vçoõ 9v,
E NO Piso

O,oreSenfort'n>O.r re/ere- Sf' O r/"70 dofa prp'-/,:xodo, o r sfvdo podera' .Sl'r


omp!todo poro ab,ronger v= /'1ft!rvola ,,.,o, or oi, t' e rnpo
/)o dos:
O · O 11Óo //8él) <7'a ,o<7rrde (--
d;, vmq solo rep,reunfodo
em PC 4NT4 r e,,-, CO,(?Té
/, - (.. oi, lvde 8 " .5t/l {k'eo/e)
,_ D
e - Dolo 2 1 .lvC.
2f M4/

é ...

- - - - - -- - - - - - - - - - --4--- r
l)ppoiJ de ojvSIO/ o Nor& do phn~

F
desenhado ,1n ,Dópel frons,1X7, enli!1
~ o do Gro' /;co. morcu,en1oS no
p/o,,to qS o',re 7oês AF e 8G,
paro / e /os o ,t?C do <,,-óhco - f"Vt'
e corr es,;:,o,,o', or 7 /,oroS.

8
,Vo Projeçoõ J/erl/co l (Corte) o
troçado devero" .sohl'r vn, o.;v.ri? . ..
INSOLAÇÃO
,:
Nóo ,ooo', m0s /eyor D/RéTAMENrE
pa/Y7 o p/ono do ea,.t, q 4/l,lvd, «

~
do So/ - dodo no Grri l",co - ,oo,.r o
p/ono
o
do QJrlt' N4Õ COlNC, Pé com
,o/o ,,o do .flq,o dr t vz _/
~=========~"l: D
(/,r,o Vf'Z

os chrl' ÇOPS o'o S


con At'c,dos

pro.;,to,,t, s Aor, zcv,tb,.s


l' Vl'rl,c,:,,S 06/vnos
e
o 6cd ( Yt'r s e lo s}
"° ,oored, lo(. ro /,
como pro.;, p;-ã do
voo 4BE O
éJ e· - ,,,._,e. - 1 . (.,:.

l>ire çt:io /lor,zo,,to/ ov Proj, ç:oôl,lor,z onlQI


do I. uz (dodo "º G r,ir, co}

Fo r , n?o~ porto,,/o o .P'º/., f OÔ


d o p,&no ,;,v, conli!m o ~ <7iO ,4 Sf' '?Vê,,c,o t' o
dt' t. u z sol,r, o plono do conclvsoõ d,f"I,
e R,
corte : " d, ~ y0ã RC .,,.,. (roçodo porq os
l vz p r o/, lo-.u ,,n e.e, e d t' ,nq, s horas
o q/f.vro .!!. e· oh',do <70 t'S/o' na póg,no
co,,, / ,..v,rn1os o Ôn9v/o C(" : ,QC />f. sr9v,,,te .
,4 o/fvro .srro' o = t'Sn>a "º Srr fi
1ff
;:;:j
pro./ , é o do "º
plano do Co,,lt' ;
ass, ~ o6r.'t>mo.I o (7',rrçoô C l'f, '-------------~·{l
ov à,,9v/o oe, o s,r tro,,spe;,-/odo
A7ro o Cort, doo/o.

138 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONA IS

:4s ff Aoros, ,oort, do ,nsoloçao Pod, re,nos l'orer, em lv9or do


e ' redv z ,do prlo 6e,ro/.
li A6o,xo esta' o PRO./EÇ'-40 do ro,o d, /<1z ·so6r, o
proj,ç<i"o abS l,orqs p/o,,o do COl<Té; o rolo ~o·o
8 - 9 - 10 - fl .sol,r, o RE84TlMENTO alo lr/Ô'79f//o MRC
phno do corte ~ so6r, .o p/ono do Corte, oss, m :
Q es9(/~rda, q
suo opl,coçoõ
l'/o,,o do C o r ~ ,..O
no destnl,o /,no/. ,/
. ,,,, ., /

O ,,svllodo, ,,,,,den&m en!e, será o ,n t'S'!Z9.I


/JQst'o con,p7ror a /29vro 060,xo a,,,, o otl
"',

r
('

I 4 t ronsportor
poro o corte

L,o'o "º
Gro /',co :
71, - 2f ./C/1.
INSOLAÇÃO 139

QUé8l<A-S0l VERTICAL
A análise dos gráficos de insolação é' o
r
'&-,.re -so/e;I ~ dos /'roncPSl's O estudo de duas da lâmina s do qu ebra sol
apresentados, todos do hemisfério sul, mostrará seu espaçamento e sua direção;
mostra que se uma fachada estiver voltada definidas estas cond1cões, as lâminas serão
para o Leste ou Oeste - de uma maneira repetidas de modo a preencher todo o v5o
geral - pod eremos proteger um vão ou a AB . Amplia mos, port anto, o desenho em
própria parede de maneira a impedir a que colocaremos DUAS lâminas capdzes de
passagem dos raios solares . Ê possível, evitar a penetracão do Sol a partir das 7h
ainda, limitar a passagem a um horário pré- 30m de 21 DEZ : a d1recão do Sol é obtida no
fixado, por exemplo, das 8 da manhã é'té as Gráfico e as lâmin as ser5o des0nht1clas
Problnno · O voô .48 do Foc/2odo MP
16 horas. perpendiculnrmente d es ta d1reç5o . O
dev, r o· ser prole9i <1'0 do ,nso loçóo
No problema ao lado, que resolveremos em projetista deverá ter em mente se cfosrja
Por ml'i o d .e lóm;nos >'l'r/,co,s .
seguida, a passagem do Sol deverá ser lâmin as de grandes dim ensões e espacadns
l)odos : (.o!,!ude a• SUl (Rec,fe)
bloqu eada das 8 horas até as 17 horas , isto ou, ao cont rário , peças leves e repe ttdüs il
r-- - ---.- - 11
é, durante o período em que o aquecimento espaços curtos . A müneira de resolver é d

r
pelo Sol é mais acentuado. mesma nos dois casos, en tretan to,
A
escol hemos a 1~ hipótese pela melhor
visualização do desenho .
8

if
p

Entendemos que a proteção deverá ser


feita durante o ano inteiro, pois a
Fachada MP recebe calor no horário da
manhã durante todos os meses do ano.

140 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

No e.,.(, en?CJ oposto, no /ny(!rno, d,o 2 1 JVN, .L>t.<·v, mos l't.'r, 1,.._,,/' n:; p /.,; ,-,:a St' oc.orr('
d,,-,, -a-;, dos ro,os sohres ç,' oul.ro (;) o ,Pt:1SS09en--1 ./f Sol .Po!,·I" ,! /: 1 / <,1n1lno

o espu ~v -n ,.,ro do dr ,e,,l,o o,-,/e,-,or e O 0/1"/LJrt'/ /""Q do VOÔ , Cf'l,rJCJ .IJGJ

.JO nOO SO f , S /'0 2 , po/S


po-,fo 8, do 2° ?'ru,d·., ; </#' ~era
cl(S"lor,odo p,;rn lJ2 . ,,V? ~(/fro
o So/ posso i',.,t'r,
if')(f,-, 011,'7·, ,Í r do
?S /Õ m,/?OS
r..1 po,/ ,,·i ott:, l" r'l"r
.t;!ed.n.,.,,,,or o espoçon?enlo ... opfo,.,..,os ,oelo o 1'1??.f/J? ~-, (./J, ? .
.. . " ver,/, c o/>?oS 9ve 1 ov,ner,lo dt'
/} os n,e,es de ./UL o NOV ~ Q/,mensóo dos
o rol .n tio posso ldm1nos ·

(',,)J vitima prpcov,o·o e ' e,uun ,',,a ,


ncJ cort~ Vé RT,C4C s ~ ~x/.rl, p1sy.,.:I""'
d e lvr entre o yER(;4 e o ;PéiTOR/c.,
con,~
neste
coso.
Aç,v; e sf,2õ 2 sohç,:ie.r :

!) 4vmenfor
o /,in,;na
t1Ci,no da 2)C r icv u ,na
/'F.~41Y4

I
CORTé
Observemos que as lâminas poderão ter direção pré-fixada (por
exemplo : fazendo ângulo de 45° com o plano da fachada) ,
diferentemente da colocação perpendicular ao Sol, como
fiz emos no desenho acima . Portanto, não só o
ESPAÇAMENTO é variável; a DIREÇÃO das lâminas pode
variar, assim como a sua DIMENSÃO .
INSOLAÇÃO

No hemisfério sul uma fachada ou um vão


voltados para o Su l não recebem proteção
<.- 6 O QUEBRA-SOl flOR/ZO!iTAL
satisfatória contra a insolação quando [)~ver1 ,nos //nul'-or o 11..slvdo às /l tJrl:lJ p p,, 9v e t7S
Q//,,tvd1s do Sol s-oô m1'11n10 I? h1t?X,.h1o, rt'Spe ct,v:1n-.,g,.,/e
pretendemos usar lâminas verticais : no
9 = ló/, e 121, . Pora o trocQa'o f/SOn>OS os poS,CvP>
solstício de verão as lâminas que protegem exlrl'/7JOS'; d r rio rorm,7 e,,,t~, os /,oro, d' p /C ;( e s~/,frn,os
do Sol da manhã deixam passar livremente flli , um a ,re,;, 9v,- os- /15/, o drl'Çt7o d<' , nso/o;Q-o /<?ndp
os raios solares nas horas da tarde . O µ2ro o pon:,/e/Ó o FocAod'o HAI ,4 d,rpr,oo e o
problema poderá ser resolvido por meio de espoç:on,Fnlo do, IÕm,noJ serôo drsv, l,odos "'º e.orle ;
QUEBRA-SOL móvel ou por meio de ,sso l'oz- re c o ,r no P.()o8téM4 ,V04 · p ro./f'lor so!Y,, o
p/o-'>o do corte o on9ulo O( ( ,..;/l,lvd1t do Sol) /, do
lâminas HORIZONTAIS.
"70 Grei /,. co
Estudaremos a 2~ hipótese :
O vão FS da Fachada Sul deverá ser
protegido da insolação no intervalo entre as J
8 e 16 horas por meio de um quebra-sol dF
lâminas horizon tais . Plano do Foc/2oo'o --_,.-- - - - -- - - - - - - -

8
12~.

L>,rRço·es d<> ,oi pro/ d" dos


F S no p / ono do corte
N

142 A PERSPECTIVA aos PROFISSIOI


Estes são os problemas básicos sobre
insolação; dezenas de outros podem ser
formulados. O correto entend imento da
matéria aqui exposta dará ao leitor a
condição de resolvê -los . O assunto, no
entanto, é mu ito vasto e este capítulo deve
ser o ponto de partida para estudos maís
profundos.

Nas últimas páginas deste livro o leitor


encontrará os Gráficos de Insolação de
diversas cidades brasileiras :
Recife Latitude 8º Sul
Brasíl ia 16º Sul
Rio de Janeiro 23° Sul
Porto Alegre 30º Sul
Soa bem, mas, na real idade, devemos usar a ordem inversa : a decisão
preceder a açãol E a decisão será resultante de atividade RACIO AL : 1
e pesar as condições e os fatores envolvidos.
Nos desenhos que apresentaremos, exemplos de trabalhos profrssionai!
Arqu itetos, o leitor poderá observar :
1 - O traçado geométrico não é o objet ivo FINAL da perspectiva. El e
MEIO para atingir o FIM : um trabalho artístico, exato, e compreensível .
sobretudo, agradável à vista .
2 - O tratamento artístico, a expressão gráfica, varia com o gosto , a

Al@Ã@ !E tendência e a habilidade de ca da desenhista .


Lembramos mais uma vez, que o cliente, em muitos casos privado de
forma ção técnica especi fica, não entende de plantas. de cortes. ele fac l
DECISAÕ de especificações, mas apreciará SEMPRE uma perspectiva bem fei ta .
Em palavras mais diretas : muitas vezes o cliente compra a Perspectiva .
projeto vai a reboque!
Nosso livro, simples introdução para estudos ma is profundos de Perspe
não trata da parte artística . Limitamo -nos à apresentação des tes bons
exemplos que seguem . E reconhecemos que faz falta , nesta área, um li
direto e objetivo .
Antes de chegar aos exemplos, digamos que o leitor é consultado para
algumas Perspectivas. Como agir? Como decidir? Tentaremos dar uma
orientação .

A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi


144

3 - Q,u,a/_ O' làm.a,tJu,. da-s ~ ?


l'ocê r l? C ~ô2 c7 ::o /e çqo de
,:,/onlos dP ,_,,,,,, PROJéTO e
e' c onsu/!.2::lo ,,:,or.;; /'_;,~~·,- 7 S
4 - Qaal..!' as ~ ~ ~
,.OéRSPéCTI//AS. ~ o- ~ .?
P~cúoa. de e.deric-r <>a de
~ ? Perspecúua. da. enLrada?

5- ,4cl?,,lve os aspe ctos 0RiG/N41S


do pro..1eto t? os seus por7fos

1- Qvontas perspectivqs
vocl
é slvc/1'
tem rOZl?r? /
(Pmpo fX7/'0
os pr,'o r ,'dodeS.
0~
:;:
PO S / {, V?S .

7 - ésc ol ho o Po,,fo de t/,'sto e o


A l tvro do 06.serv o dor.

!)i pr'11't'rên c/o o perspe ct,vo


o/, /,- ,;vo co= f'oces e> 30 e f;O'
Q - 4pen.as a ~'a ~
com o Quadro .
da forma(~) . e v, te Q
é= o6jelor s ; me'fr,'cos

6 - / k . s ~ mais ~ S.
) pt?rspect/vo o 45~

é,.,, ,oer sp,ct', vt7S d, ,-,,, /e'/'/ or,s d e"


e - Usu de ,:-<'res. - pr;,l't/'e",,c.,q à . oprtil?'llo çdo d<'
( - - - 3 planos v.rrl, ca,s.
d - Q,,.,e C,:,po- d€ pape,( _?
~ &.aráu a.S coµ:a,s? 3

8 - I>ese,,he pes.soor e ob/et'os <;>t/e


e- 1) 2 J :H ~~/o_i§" voce'
es fQÓ e l e çon-, o éSC-41..A do projeto .
voi prec / sor _?
Vcn::é fent ~ ~ ? 9- Ev,- fe o 0!!,'n c/q:_in cio d;, ,oo'llor
4 k-)a es-iá ~ a . ? .> de re-fqs.
AÇÃO & DECISÃO 145

Desenho . Arq uiteto Ernesto Vd.i r.i


Prow to Arquitetos Clt·o H '·' ·
A ~JelH.,lil 5<.Jn c Jr ,.i d,
I. . 111 1

"

.. t - t

....
__,,,,
- ,

fv.' ~ .. d - .
.,. ~- '
1
·- ., '1 /"'•·~ ,-

146 A PERSPECTIVA aos PROFISSIONAIS


Desenho: Arqu iteto Niepce C.
Silveira, do Recife-PE

..r
-~-

···.·. .•. ....


-:::/: ..·.:-: tf
..··'.·,;.·-·.:,:-·,
,•.•.·. ;,.:
r:_
:,.
;(.:,_·},_::f:\.~.1~.1

:•:-.-····
:::::::::::::::::·:_
:::::::-:-:-·-.-.·.
:>>···.

::<·:· · •
.1Li.-
1/ - --, --- -~ -·-
AÇAO & DECISAO 147

Desenho : Arqu iteto Gildo A .


Montenegro, do Recife-PE
É o mesmo projeto da página anterior,
entretanto, a apresentação é bem
diferente.

........

A PERSPECTIVA DOS PROFISSION,

Desenh o : A rquiteto

- Ernesto Vila ç,c.J


ProJelO: Arquitetos Ale

- ~
,1
Lom;ichinsky Ernrnnnu
Lins e M cllo
Edifício d Apart.Jm ' 11 t1

em Bon V1.J9em I R1)c1fi


PE)

...
......_
; ..

\. ,,;..
,,.
'\

r ·

'
PASSADO E FUTURO
2.800 A .C.: o começo?

No Antigo Egito a representação do espaço tridimensional


resumia -se a fazer as coisas mais próximas aparecerem maiores e
os objetos mais afastados serem desenhados em tamanho
menor . A representação porém , não era fiel: a hierarquia
predominava . Assim, o faraó e o sacerdote eram desenhados
maiores do que o soldado, o felá, o homem do povo.

Os helenos

Na Grécia já se conheciam, pelo menos, as regras elementares


da Perspec tiva . A fama de seus pintores persiste ainda hoje, mas
suas obras não chegaram até nós. Euclides, matemático e
geômetra, escreveu um livro sobre Perspectiva .
Tal como as pinturas gregas, as pinturas murais de Pompéia,
certamen te, refletem a continuação dos conhecimentos dos
gregos transmitidos aos pintores romanos.
Com o passar dos anos a Perspectiva deixou de ser usada,
provavelmente, por desconhecimento. Na Idade Média os
pintores retomam as experiências que levarão à redescoberta da
Perspectiva.

O Renascimento

Em fins do século XV, pintores italianos vão , pouco a pouco,


estabelecendo a teoria da Perspectiva .

150 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS

Na época barroca os artistas europeus descobrem a pintura E no Futuro?


chinesa com sua perspectiva imprecisa, apesar de ser, como
arte, quase fotográfica. Entretanto, os chineses usavam vários A perspectiva cônica tem vários inconvenientes: o ponto de vista
pontos de vista em uma só pintura e essa maneira acabou sendo estático, a deformação lateral , o paralelismo das verticais, o
usada na pintura mural rococó . ângulo visual pequeno . Os dois últimos podem ser corrigidos.
Pode ser coincidência ou não, porém quando a Perspectiva em parte, quando usamos o quadro inclinado; mas o desenho
at ingiu tal grau de complicação e inexatidão, foi descoberta a de prancheta resulta extremamente trabalhoso . E um
Fotogra fia. inconveniente que se poçJe superar com o computador gráfico . ..
qu e é pouco acessível.
Tempos Atuais Se aceitarmos as teorias recentes sobre o fun ciona mento da
visão e do cérebro deveremos partir para a adoção de novos
A Fotografia deixou a Perspectiva fora de moda. Contudo , o princípios: o ponto de vista (olho) movimenta -se, percorre os
fot óg rafo deve conhecer as regras para escolher bons pontos de objetos (como a televisão) em linhas e pontos sucessivos que
fuga , a corre ta colocação do ponto de vista, uma adequada são localizados e focalizados. No céreb ro forma ·se a imagem
disposição das sombras. completa, soma de muitas imagens parciais. Cada imagem tendo
Em época recente. o computador gráfico criou novas ampliações seu próprio ângulo visual , as abertura s angulares serão definidas
da perspectiva , em particular, pela rapidez de trabalho . Em por arcos e não por retas . (Não se trata de puro acaso o fato de
qu estão de segundos podem ser feitas perspec tivas externas, que esta idéia coincide com a moderna teoria da estru tura do
corno se o observador andasse em volta do prédio; ou Universo!) E os arcos devem ser repr esen tados sobre uma
perspectivas de interio res do prédio projetado. Isso permite ao superfície esférica. Ê o que já se vem faz en do na Fotografia com
projet ista corrigir, eventualmente, sua concepção antes de a lente grandeang ular do tipo "olho de peixe".
transportá -la para o projeto definitivo . A teoria da Perspectiva Esférica não é mais complicada do que a
Desta forma, o profetista pode apresentar seu trabalho com da Perspectiva Cônica, que acabamos de estudar . Ocorre,
perspectivas autênticas, independentemente da conclusão das apenas, que a representação da perspectiva esférica não é
maquetes ou da construção. cômoda, não é adequada aos instrumentos tradicionais: régua,
Uma outra aplicação da Perspectiva conjugada a compu tadores esquadros e compasso.
e a raios "lasers", é a complementação e interpretação da O computador gráfico superou essa inadequação. Ê, portanto,
fotografia de modo a permitir o levantamento de edificações, de um vasto campo aberto aos estudiosos.
terrenos ou de obras de arte, tais como esculturas e jóias. Ê um
levantamento tão completo como exato .
A - Sobre Perspectiva
LIVROS 1 - Álvaro José Rodrigues - Perspectiva Paralela - Imprensa
RECOMENDADOS Oficial - Rio de Janeiro - L 1948 (O titulo pode enganar: o liv1
trata também da Perspectiva Côni ca e da Classificação das
Projeções)
2 Fred Dubery - Drawing Systems - Edito ra Van Nostrand
New York
3 lgn acio Maria Adroer - Proyeciones Côn icas - Editora Dossa t -
M adrid
4 Georg Schaarwiichter - Perspectiva para Arqu itetos - Editora
Gustavo Gil i - Barcelona

B - Sobre Sombras
1 Armando Cardoso - Sombras e Perspectivas - Editora Livraria
Bertra nd - Amadora ( Portugal)
2 Willy A. Bartschi - EI Estudio de Las Sombras en la Pers pectiv,
- Editora Gustavo Gili - Barcelona

C - Sobre Fotomontagem
1 Mauríc io do Passo Castro - A Fotogrametria no Programa de
Perspectiva - Tese para Concurso - Reci fe (1960)
2 Renzo Giann ini - Pe rspectiva - Libreria y Ed itorial A lsina -
Buenos A ires

D - Sobre Insolação
1 At ilio Corr ei a Lima - Insolaçã o da Fachada - Supl emento
Técnico de Eng enhari a e Arqu itetura - Rio de Jan eiro - 1944
2 Hélio d Oliveira Goncalv es - O Sol nos Ed ifícios - Co mpanhié
Ecl1tora e Comercial F. Lem os - Rio de Janeiro

A PERSPECTIVA DOS PROF/SSJ()NA


152

MOVIMENTO
• PE

L ATITUDE Bº SUL

JUNHO

14 13
JULHO
'ª MAIO 'º
.. GOHO li! RI L

S(T(M8R
13 12h
MARÇO
10
,.,
14
FEVEREIRO EQUINÓCIO
OUTU BR O
o ~ --~ ==+---F.;.;;,::;9=~-;---t---;::::t:::=-t-'f! E
NOIJ(W8RO JANEIRO

OEZEWBAO

13 IH li 10
14

•·

... "'º
.. ...."
'\
.•º
;1LOO

s
+ OEZEWUO
BRA SIL/A
153

MOVIMENTO APARENTE DO SOL


• DF
E
LATITUDE 16º SUL
ANGULOS
N RAIOS SOLARES
COM O PLANO HOR IZONTAL

JUNHO
12~
"
JULH MAIO
li

AG STO ABRIL

SETEMBR MARÇO

12 h
"
OUTUB o F[VEAE:11110

o NOVEMBRO JAH(IRO
EOUIHÔC IO

E ,_,,
DEZEMBRO

13 'z"

GI LD0

s
DEZEMBRO MA I O [ JULHO

154 A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAi~

MOVIMENTO APARENTE DO SOL 9-15

E
LATITUDE 23º SUL
ANGULOS DOS
RAIOS SOLARES
N
CO M O PLANO HORIZONTAL

JUHH
1) I ZII
JULHO MA IO

•o 5TO ABR IL

![TEMBRO MARÇO
1211
OU U8R

E SETEMBRO FEVEREIRO E OUTUBRO


MQV[ MBR

o 1] 12" E
EOUIHOCIO

81LD0

s
+ D(Z[MBRO
PORTO ALEGRE 155

MOVIMENTO APARENTE DO SOL


legre
LATITUDE 30º SUL
• RS
E
ÂNGULOS DOS
RAIOS SOLARES
N
C0"4 O PLANO HORIZONTAL

..IUNHO
tZh
13
.HJLHO MAIO

AGOSTO A 9 R IL

SETEMBRO IIIA~ÇO
,z h
OUTUBRO

NOl/( MDR O JANEIRO

GH.. 00 ,:,. .

s
E JULHO