Você está na página 1de 22

Auxiliar de Farmácia – Introdução à farmacologia

Vida Ativa

4. Percurso do medicamento no organismo


UFCD 10146 - O medicamento – formas farmacêuticas, vias de administração e o seu percurso no
organismo

Formadora: Joana Oliveira Gama Soares


Química
https://www.youtube.com/watch?v=LhveTGblGHY

Do egípcio kēme (“terra”), a Química é a ciência que se dedica ao estudo da composição, da estrutura e
das propriedades da matéria, bem como as alterações sofridas durante as chamadas reações químicas.

Matéria - qualquer coisa que ocupe espaço e tenha massa, aquilo do qual o universo é feito.
Química

Toda matéria é composta por substâncias chamadas elementos, que possuem propriedades químicas e físicas
especificas e não podem ser quebradas em outras substâncias através de uma simples reação química. O ouro,
por exemplo, é um elemento, assim como o carbono. Existem 118 elementos, mas apenas 92 ocorrem
naturalmente. Os restantes elementos existem apenas quando produzidos em laboratório e são instáveis.
Os quatro elementos comuns a todos os seres vivos são oxigénio (O), carbono (C), hidrogénio (H) e nitrogénio
(N), que juntos compõem cerca de 96% do corpo humano.
Química
Química

Os átomos são constituídos por três diferentes tipos de partículas: protões, neutrões e eletrões.
No núcleo (centro) do átomo estão os protões e os neutrões, enquanto os eletrões giram em seu redor.

Os eletrões de um átomo ocupam determinados níveis de energia (o número de eletrões em cada nível de
energia é expressa pela distribuição eletrónica).

Protão: carga positiva


Eletrão: carga negativa
Neutrão: sem carga
Química
➢ O núcleo (protões e neutrões) é o responsável pela massa do átomo na sua quase totalidade.
➢ A nuvem eletrónica (constituída pelos eletrões em movimento) é a responsável pelo tamanho do átomo.
➢ É o número de protões (número atómico) que diferencia um elemento químico (tipo de átomo) de outro.
➢ Um átomo que tenha 10 protões pertence a um elemento diferente de um átomo que tenha 11 protões.
➢ Cada átomo tem um número igual de protões e de eletrões, o que o torna eletricamente neutro.
Química

Quando um átomo ganha ou perde um ou mais eletrões, deixa de ter carga elétrica neutra e passa a ser um ião.
No caso de ganhar um ou mais eletrões passa a ser anião (ião negativo). Se o átomo perder um ou mais eletrões
passa a ser um catião (ião positivo).
Química

Molécula

Uma molécula é um conjunto de dois ou mais átomos ligados entre si.

A molécula da água é formada por um átomo de oxigénio (O) e por dois átomos de hidrogénio (H), por isso a
sua fórmula química é H2O.

Molécula de água (H2O)


Química

Ligação covalente
❖ Este tipo de ligação, sugerida por Lewis, acontece quando as atrações entre os núcleos e os eletrões situados na região
ligante (região entre os núcleos), favorecem a aproximação dos núcleos dos diversos átomos participantes na ligação, apesar
da repulsão existente entre ambos.
❖ Quando existir um equilíbrio entre as forças atrativas e as forças repulsivas é estabelecida uma ligação covalente entre
átomos (formação de uma molécula).
❖ Numa ligação covalente há eletrões que são partilhados entre diferentes átomos, ou seja, fazem parte de mais do que uma
nuvem eletrónica. São eletrões ligantes.
Química

Ligações Iónicas

❖ As ligações iónicas são estabelecidas por forças atrativas entre iões de carga diferentes. A rede cristalina final é neutra, ou
seja, tem tantas cargas positivas como negativas.
❖ As redes cristalinas são bastantes fortes, tendo como consequência altos valores do ponto de fusão deste tipo de compostos.

Fórmulas de substâncias iónicas


Para escrever a fórmula de uma substância iónica:
1. Primeiro escreve-se o símbolo do catião (ião positivo), e só depois o do anião (ião negativo);
2. A soma total das cargas dos iões que constituem a substância tem que ser nula;
3. Para ler o nome da substância, primeiro lê-se o anião e depois o catião.

Exemplos: Na+, Cl-, NaCl, cloreto de sódio


K+, PO43-, K3PO4, Fosfato de potássio
Química

Ligações de Hidrogénio

As ligações de hidrogénio são ligações dipolares cuja força e características as colocam algures entre uma ligação covalente e
uma ligação iónica.
As ligações de hidrogénio são estabelecidas entre átomos muito eletronegativos (O,F,N) e o átomo de hidrogénio.
Ácidos e Bases

❖ Um ácido, em solução aquosa, aumenta a concentração dos iões hidrónio (H3O+) e uma base, em
solução aquosa, provoca o aumento dos iões hidróxido (OH−). Como as concentrações destes iões
estão relacionadas entre si (quando uma aumenta a outra diminui) é possível utilizar apenas
uma delas para determinar o carácter ácido ou básico de uma solução.
❖ Quanto mais forte for um ácido, maior será a concentração de iões H3O+ na solução.
❖ Quanto mais forte for uma base, maior será a concentração de iões OH− na solução.
❖ A escala de pH tem como limite superior, a 25 °C, o valor 14.
Ácidos e Bases
Ácidos e Bases

Espécie anfotérica

Uma substância anfotérica é uma substância que se pode comportar como ácido mas também como base, consoante as
outras espécies químicas envolvidas na reação.
Exemplos: H2O; HCN.

Reação de neutralização completa – formação de sais


As reações envolvendo ácidos e bases são denominadas reações de neutralização. Uma vez que tanto o ácido como a base
são consumidos e novos produtos são formados (não necessariamente com caráter neutro). Em caso de neutralização
completa temos como produtos da reação um sal e H2O.
Exemplo:
Solubilidade

➢ A solubilidade de um soluto num solvente, a uma certa temperatura, é a


quantidade desse soluto que é possível dissolver numa determinada quantidade
de solvente.
➢ Ponto de saturação – acontece quando um soluto não se consegue dissolver
mais num determinado solvente, a uma determinada temperatura.

➢ Fatores que afetam a solubilidade


Ião comum - A presença, na solução, de um ião comum ao sal baixa a solubilidade
desse sal.
Temperatura - Para dissoluções endotérmicas, o aumento da temperatura
aumenta o valor da constante de solubilidade, Ks, e por isso, também o valor da
solubilidade do sal. Para dissoluções exotérmicas, o aumento da temperatura
diminui o valor da constante de solubilidade, Ks, e consequentemente o valor da
solubilidade do sal.
Reações laterais - Podem ocorrer reações laterais que envolvem os iões do sal
(consumindo-os), aumentando desta forma a solubilidade do sal.
Formação de complexos - A formação de iões complexos aumenta a solubilidade
do sal.
pH do meio - A adição de um ácido pode provocar o consumo de um dos iões
presentes na solução, aumentando a solubilidade do sal.
Bioquímica

Moléculas biológicas orgânicas

➢ Os organismos vivos são constituídos por unidades ou entidades químicas, as quais podem ou não estar estruturadas sob
a forma polimérica.
➢ É sob a forma de polímeros (macromoléculas formadas a partir de unidades estruturais menores - os monómeros) que
o seu papel é mais significativo na dinâmica da vida.
➢ Entre os polímeros que caracterizam um organismo salientam-se os polissacáridos (moléculas que armazenam energia
química), as proteínas (moléculas estruturais que podem facilitar reações químicas específicas – enzimas; ou facilitar a
entrada de moléculas na célula – proteínas membranares) e os ácidos nucleicos (moléculas nas quais a informação
hereditária é armazenada). Além destas macromoléculas, encontramos outros compostos, igualmente responsáveis pela
construção dos organismos biológicos, como os lípidos, nomeadamente fosfolípidos, componentes essenciais das
membranas biológicas, e os nucleótidos, como o transportador principal da energia química na célula, a adenosina-5'-
trifosfato (ATP).
Bioquímica

Moléculas biológicas orgânicas

Na sua grande maioria, as moléculas orgânicas são formadas a partir de grupos de átomos com propriedades
químicas bem definidas – grupos funcionais.
Exemplos: hidroxilo, acetilo, carboxilo, amina, fosfato, metilo, cetona e aldeído.

Aminácido - unidade estrutural da proteína


Bioquímica
Hidratos de carbono

➢ Os hidratos de carbono são um grupo químico cujas moléculas contêm átomos de carbono, hidrogénio e oxigénio. Em
virtude de conterem elevado número de ligações carbono-hidrogénio, as quais libertam energia quando quebradas, os
hidratos de carbono são de facto compostos adequados para o armazenamento de energia.

➢ Monossacáridos - são hidratos de carbono simples, cuja molécula é constituída por uma única unidade (monómero).
Exemplo: Glucose, Galactose, Frutose, Ribose e Desoxirribose.

➢ Oligossacáridos – são polímeros constituídos por um número não muito elevado


de monossacáridos (entre 2 e 10 unidades), os quais são solúveis em água.
Incluem-se neste grupo os dissacáridos (2 unidades), como é o caso da sacarose,
maltose e lactose.

➢ Polissacáridos - são polímeros de monossacáridos formados por um número


elevado de unidades (superior a 10). A sua solubilidade na água é em geral reduzida.
Exemplos: o amido, o glicogénio e a celulose são polímeros da glucose.
Bioquímica
Lípidos

➢ Estas moléculas apresentam um maior número de ligações C-H do que os polissacáridos e são insolúveis ou de muita
reduzida solubilidade em água.
➢ Devido à sua heterogeneidade química, os lípidos podem ser incluídos nas seguintes quatro categorias: triglicéridos,
fosfolípidos, esfingolípidos e esteróides.

➢ Triglicéridos - importante função como reserva energética, estão presentes quer


em células animais, quer em vegetais. São constituídos por um álcool de três
carbonos - o glicerol - ao qual estão associados três ácidos gordos, constituídos
por longas cadeias de hidrocarbonetos com um grupo carboxilo terminal.

Ácido gordo saturado - contém o número máximo de átomos de hidrogénio que é


possível, não tem duplas ligações entre os carbonos. Característico da gordura animal,
mais calórica, perigo doenças cardiovasculares.

Ácido gordo insaturado – contém duplas ligações entre um ou mais pares de átomos
de carbono sucessivos, permitindo que estes sejam hidrogeneizados. Característico
das gorduras vegetais, menos calórica, mais saudável.
Bioquímica
Lípidos

➢ Fosfolípidos - constituintes básicos das membranas biológicas. São


constituídos glicerol, duas cadeias de ácidos gordos e um álcool
fosforilado. São constituídas assim por uma zona polar ou hidrofílica, em
oposição a uma região não polar ou hidrofóbica, denominam-se moléculas
anfipáticas. Organização em camada bilipídica com as regiões polares para
o exterior para serem solúveis em água.

➢ Esfingolípido - são importantes componentes membranares, em particular


nas células do tecido nervoso. São constituídos por esfingosina, uma amino-
diálcool, combinada com outros grupos químicos.

➢ Esteroídes – Não são verdadeiros lípidos mas têm propriedades de


solubilidade semelhantes aos lípidos. Exemplos: ácidos biliares, hormonas
esteroides (como a testosterona), glicósidos esteróides e esteróis (como o
colesterol).
Bioquímica
Proteínas

➢ Têm um papel preponderante na estrutura e função dos organismos.


➢ Todas as proteínas contêm quatro elementos essenciais: carbono,
hidrogénio, oxigénio e azoto.

➢ Aminoácidos – unidade estrutural da proteína (monómero). Constituídos por


um grupo carboxilo (-COOH) e um grupo amina (-NH2) ligados ao mesmo
átomo de carbono e uma cadeia R que varia consoante o tipo de
aminoácido. Existem 21, exemplos: leucina, triptofano, metionina, alanina.
➢ Péptido – molécula formada por vários aminoácidos (até 50). Estes
aminoácidos estão associados entre si através de ligações covalentes
chamadas ligações peptídicas, isto é, entre o grupo carboxilo (COOH) de um
aminoácido e o grupo amina (NH2) de outro.
➢ Proteína – conjunto de mais de 50 aminoácidos. Estão organizados em
estruturas quaternárias.
Bioquímica
Ácidos nucleicos

➢ Os ácidos nucleicos são estruturas poliméricas longas constituídas por


subunidades que se repetem ordenadamente designadas nucleótidos. Cada
nucleótido é composto por três partes: um açúcar (pentose), um grupo
fosfato e uma base azotada. As ligações entre os diversos nucleótidos é
feita através dos grupos fosfato. Dependendo da natureza do açúcar
presente, temos dois tipos de ácidos nucleicos distintos:
ácidodesoxirribonucleico (DNA) constituído por desoxirribose e o
ácidoribonucleico (RNA) formado por ribose.

DNA - neste ácido nucleico as bases azotadas são: adenina, guanina, citosina e
timina. As duas primeiras são compostos purínicos, de anel duplo, que
apresentam maiores dimensões que as segundas, formadas por um anel simples
e que constituem os compostos pirimidínicos. Estas bases estão associadas
entre si através de pontes de hidrogénio, originando uma estrutura dupla de
cadeias, formando a conhecida dupla hélice.

RNA - As moléculas de RNA contêm ribose em vez de desoxirribose e em vez da


base azotada timina tem uracilo, o qual apresenta estrutura semelhante à
anterior. A sua estrutura é uma cadeia simples.