1. Considerações Gerais O abacaxizeiro é cultivado nas Américas, na Ásia e na África.

A Tailândia, Filipinas, Costa Rica, Brasil, China e a Índia destacam-se como principais países produtores da fruta. O Brasil, em 2006 foi o quarto maior produtor mundial de abacaxi, apresentando uma produção de 3.312.580 toneladas. Pará, Paraíba e Minas Gerais são os principais produtores do país e juntos representam 50% da produção nacional (AGRIANUAL, 2007). O fruto é utilizado tanto para consumo ao natural como para processamento industrial em suas mais diversas formas (pedaços em calda, suco, pedaços cristalizados, geléias, licor, vinho, vinagre e aguardente). O abacaxi fruto é a parte comercializável da planta, porém, esta porção representa somente 63% do total da mesma, enquanto que o restante, formado por caule, folha, casca, coroa e talos, é considerado resíduo agrícola, e não tem sido devidamente aproveitado, resultando em perdas econômicas. Trabalhos já realizados demonstram que estes resíduos apresentam teores representativos de carboidratos, proteínas e enzimas proteolíticas, que possibilitam a sua utilização industrial como matéria-prima para a obtenção de bromelina, amido, fibras, álcool etílico e rações animais (BALDINI et.al., 1993). Dentre a grande a quantidade de subprodutos que podem ser extraídos do abacaxi, a bromelina tem recebido uma atenção considerável nos últimos anos, isso se deve a grande utilidade dessa enzima proteolítica na indústria de alimentos e sobretudo de fármacos. O mercado nacional para a bromelina ainda enfrenta muitos desafios, que estão relacionados a falta de métodos mais eficazes de extração e purificação, bem como a ausência de pesquisas com os resíduos do abacaxi visando a extração dessa enzima (CÉSAR, 2005). 2. A bromelina A bromelina (EC3.4.22.4) é o nome genérico dado ao conjunto de enzimas proteolíticas encontradas nos vegetais da família Bromeliaceae, da qual o abacaxi é o mais conhecido. A enzima não está presente nos primeiros estágios de desenvolvimento do fruto, porém, seu nível aumenta rapidamente, mantendo-se elevado até o amadurecimento, onde tem um pequeno decréscimo. Essa é uma das vantagens da utilização das proteases do abacaxi em comparação com outras proteases vegetais. Apesar da diminuição da atividade proteolítica durante a maturação, o abacaxi é o único fruto que possui concentrações relativamente altas de proteases no estado maduro. No mamão e no figo, tanto a papaína como a ficina, somente são encontradas em altos níveis quando o fruto está verde; com o completo amadurecimento, a concentração de proteases praticamente desaparece. A bromelina tem diversos usos, todos baseados em sua atividade proteolítica, como nas indústrias alimentícias e farmacêuticas. Pode-se mencionar sua

3. na clarificação de cervejas. no tratamento do couro. quando adicionadas na fase final do processo de fabricação de cervejas. atividade fibrinolítica. 5. Portanto. Uso da bromelina na indústria farmacêutica A concentração principal de bromelina no Brasil está na indústria farmacêutica. propriedades mucolíticas. Introduzida pela primeira vez como composto terapêutico em 1957. Precipitados. no pré-tratamento de soja. se presentes na cerveja. Esta enzima pode ser extraída de todas as partes do abacaxi. A bromelina é bem absorvida por via oral e as evidências disponíveis indicam que sua atividade terapêutica aumenta com as doses mais altas. Apesar de todos os seus mecanismos de ação ainda não estarem totalmente esclarecidos. hidrolizam certos complexos proteínas-taninos formados durante a fermentação. propriedade debridante de pele. 2001). na fabricação de queijos. o que facilita o processo de panificação. mais de 200 documentos integraram a literatura medicinal. 4. ação antiinflamatória. coroa. 2001). no tratamento de distúrbios digestivos. a bromelina também tem aplicação no tratamento de couros. foi demonstrado que é um seguro e efetivo suplemento. acelerador da cicatrização. 2005). ação antitumoral. foi desenvolvido um processo com injeção da enzima antes da morte do animal. além de viabilizar também a fabricação de biscoitos. feridas e inflamações. ao exercer seus efeitos antiinflamatórios (MATTOS. A Bromelina tem sido muito bem documentada pelos seus efeitos em todas condições inflamatórias. A bromelina parece ter tanto ação direta quanto indireta. tornam-se insolúveis e formam turvações quando esta está gelada (FREIMAN. na indústria têxtil. essas enzimas proteolíticas tornam a massa mais maleável. modulação de citocinas e imunidade. no tratamento da lã e da seda. além de ter sua eficácia provada em vários outros problemas de saúde tais como: angina. 2005). A adição de proteases na farinha de trigo para a fabricação de pães e biscoitos tem sido bastante eficiente.( FREIMAN. polpa e folhas(CÉSAR. talos. a ação da bromelina inclui: inibição da agregação plaquetária. Uso da bromelina na indústria alimentícia O uso de proteases na quebra do material fibroso de carnes promovendo o amaciamento já está bem estabelecido. facilitador da digestão. aumento da absorção de outra drogas. e ainda retém gás. desde então. preparo de colágeno hidrolisado.utilização no amaciamento de carnes. a qual tem a vantagem de circular por todo sistema vascular uniformemente. Com esse propósito estudos vem sendo feitos com o intuito de tenderizar carne pela injeção de enzimas proteolíticas nas carcaças de animais. 2005). indigestão e problemas respiratórios (CÉSAR. no preparo de alimentos infantis e dietéticos. etc. Segundo Santos (1999). melhora da circulação e sistema cardiovascular. envolvendo outros sistemas enzimáticos. Comercialização da Bromelina no Brasil . Enzimas proteolíticas. A bromelina foi reconhecida como agente medicinal em 1957 e. nas industrias têxteis para o amaciamento de fibras e na produção de detergentes.

a quantidade da enzima produzida no Brasil ainda é pouca com relação as necessidades do mercado. Assim. entretanto esta fruta é comercializada em sua maioria ao natural. 2001). A atividade proteolítica é o principal parâmetro utilizado para avaliar o valor comercial da enzima. Também. produtores e donos .O Brasil é um dos maiores produtores de abacaxi do mundo. o Brasil importa a R$ 25. 2005). Com esse método de extração. A utilização em fitoterápicos é um dos mais promissores empregos da bromelina (CÉSAR. 1999). especialmente a sua haste. Entretanto. há uma demanda no mercado internacional de medicamentos à base de bromelina. 2007). que tem demonstrado bons resultados nos mais recentes estudos de extração e purificação (RABELO. De acordo com PIZA et al. sendo a produção industrial insignificante quando comparada com outros países produtores da fruta (BERTEVELLO. alegando que esta enzima produz resíduos de difícil retirada dos tanques de armazenagem do produto (BERTEVELO. o mercado comprador é uma das principais dificuldades para ampliar a extração do componente do abacaxi. A indústria de cervejas. A restrição da bromelina na indústria se deve ao alto custo. sem preocupar-se como princípio ativo do produto. Em escala laboratorial. 73% da safra de abacaxi produzida no ano de 2003.00 o grama de bromelina (TAMBOURGI. Com a utilização desse novo método de extração e purificação (líquido-líquido) da bromelina. Segundo MATTOS (2005). foi destinada à indústria alimentícia (FAO . Nos Estados unidos da América. observando que o processo é viável. A indústria alimentícia não se apresenta como um mercado atrativo para a produção de bromelina. Frente a esse cenário brasileiro para o consumo de abacaxi. conhecido como líquido-líquido. pois o consumidor só compra a carne amaciada ou o amaciante de carnes. mostrando os custos e o retorno sobre o investimento. e a grande barreira seria romper barreiras industriais para a produção da enzima. atualmente a África do Sul vem produzindo e exportando papaína a preços muito reduzidos.. apesar de estar entre os dez maiores produtores de abacaxi. 2001). aboliu a utilização da mesma. pode inferir-se que para a extração da bromelina não seriam utilizados os subprodutos industriais e sim os resíduos agrícolas. o que eleva o valor do produto. 2005). onde a bromelina pode ser usada como clarificante. CÉSAR (2005) analisou a viabilidade econômica de um processo de extração e purificação da bromelina. pois vem sendo largamente utilizada a papaína no amaciamento de carnes.00. utilizando resíduos agrícolas e agroindustriais. os quais já são muito consumidos na Alemanha e nos Estados Unidos. 100g da enzima poderia ser comercializada por R$ 165. a aplicação financeira em equipamentos fica em torno de R$ 12 mil e o prazo de retorno máximo é de cinco meses. (2002).

V. Desse modo.de indústrias que processam o abacaxi.12.. n. Estudo do processo de recuperação e separação de bromelina utilizando sistemas de duas fases aquosas em micro-coluna de extração. p. Colet. o que torna esta prática financeiramente viável para produtores de abacaxi. A. é preciso realizar uma pesquisa de mercado e apresentar dados que comprovem a viabilidade econômica desse ramo. E. Referências Bibliográficas AGRIANUAL: Anuário de Agricultura Brasileira. DRAETTA. 2001. ITAL. SALES.19.O. 2005). UNICAMP. Campinas. A solução para a diminuição da importação da bromelina é utilizar mão-de-obra e matéria-prima nacional (CÉSAR. BERTEVELLO. 1993. CÉSAR (2005) apresenta sugestões para projetos futuros.A.L.1. Portanto. SRUR. p. L. Um dos principais entraves para a produção de bromelina é a falta de investimento no desenvolvimento de novas tecnologias. Abacaxi no Brasil. Determinação de proteina totoal e escore de aminoácidos de bromelina extraída dos resíduos do abacaxizeiro (Ananás comosus L. 2005. E. -Realização de ensaios utilizando como matéria-prima resíduos agrícolas.. A. Validação Clinica da suplementação de bromelaína para .... Todavia. 2001.44-55. C. São Paulo. p. Campinas: Fundação Cargill.O.M. IADEROZA. 101p. Tese de Doutorado. há um grande desperdício de resíduos agrícolas: coroa. C. FREIMAN.U. Revista Alimento e Nutrição. Merril). I.. Análise de viabilidade econômica de um processo de extração e purificação da bromelina do abacaxi. O. 1981. BALDINI.E. PY.C. UNICAMP.149-158.J. MATTOS. Trabalhos mostram que é possível recuperar uma quantidade considerável de bromelina desses resíduos. como para a indústria farmacêutica é inquestionável.23. Tese de Doutorado. Ocorrência da bromelina e cultivares de abacaxizeiro. L.215-226. 98p. n2. como diálise e ultrafiltração.S. Ciência e Tecnologia de Alimentos. a comercialização desse produto ainda encontra grandes dificuldades. Faculdade de Engenharia Química. v. Os avanços do uso da bromelina na área de alimentação e saúde. A eficácia da bromelina tanto para indústria alimentícia.. São Paulo: FNP Consultoria e Comércio. tais como: -Uma pesquisa de mercado para a Bromelina. P.S.. M. L. FREIMAN. Considerações Finais O Brasil se destaca como um dos maiores produtores de abacaxi do mundo e 90% dessa fruta é consumida ao natural. casca e talo.p. E. v.. Pesquisas mostram que houve avanços significativos nos métodos de extração e purificação da enzima. FERREIRA. -Realização de outros processos de purificação. 2007. Campinas.H. além de desenvolver métodos de extração e purificação mais eficazes. 1999. CÉSAR. W. podem utilizar-se da produção de bromelina como uma nova fonte de renda. GIACOMELLI. A. 170-173. v.J. Faculdade de Engenharia Química. GIACOMEMELLI.

P. 47p. P. química e na atividade da bromelina do caule do abacaxizeiro Ananas comomosus (L) Merr..CV. A.P.. BRASIL. Merril).L. Lavras: ESAL. SANTOS. G. (Dissertação de Mestrado/Ciências de Alimentos).B.5. S. PIZA. UNIFESP. Efeito do tempo na composição físico-quimica. Campinas. 1999.. Pesquisa busca agregar valor ao abacaxi.B. E. I. 188p..P. Campinas: Jornal da Unicamp.G. 1995. Revista Brasileira de Palntas Medicinais.html. Pérola armazenado em condições com e sem refrigeração.M. Instituto de Farmacologia e Biologia Molecular. Disponível em: http//www. Estudo e desenvolvimento de uma micro-coluna de campânulas pulsantes para purificação de proteínas.68-74. Atividade da enzima bromelina em plantas de abacaxi (Ananás comosus L.T. O. v..unicamp. 2005. 2002 RABELO. e PIZA. LIMA.br/unicamp_hoje/ju/setembro2007/. setembro de 2007.B.Universidade Estadual de Campinas. Projeto de pesquisa.T. sob condições de salinidade in vitro.TAMBOURGI.. Tese de Doutorado . n1 p. .A.atletas. São Paulo. 1999.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful