Você está na página 1de 9

Metodologia (Procedimentos Metodológicos)

a. QUANTO AOS OBJETIVOS E O TIPO DE PESQUISA

O presente estudo será realizado partindo do norteamento


estabelecido no presente projeto de pesquisa monográfica. Para tanto, buscar-se-á
conduzir uma pesquisa exploratória, que possibilite a compreensão do problema em
estudo bastante para o cumprimento dos objetivos aqui traçados e a justificativa
alegada. Segundo Gil (2007), este tipo de pesquisa proporciona maior familiaridade
com o problema, possibilitando torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses.
Ainda segundo o autor, a maior parte dessas pesquisas envolve:
(a) levantamento bibliográfico;
(b) entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o
problema pesquisado; e
(c) análise de exemplos que estimulem a compreensão.

b. QUANTO AOS PROCEDIMENTOS

Nas palavras de Fonseca (2002), a pesquisa torna possível a


aproximação e um entendimento da realidade a investigar, como um processo
permanentemente inacabado.
O método a ser adotado na pesquisa é de suma importância para se
imprimir o caráter científico do estudo a ser desenvolvido. Sendo assim, adotar-se-á
a pesquisa bibliográfica no que concerne à busca da fundamentação legal,
constitucional, jurisprudencial e doutrinária. Segundo Fonseca (2002, p. 32):
A pesquisa bibliográfica é feita a partir do levantamento de referências
teóricas já analisadas, e publicadas por meios escritos e eletrônicos, como
livros, artigos científicos, páginas de web sites. Qualquer trabalho científico
inicia-se com uma pesquisa bibliográfica, que permite ao pesquisador
conhecer o que já se estudou sobre o assunto. Existem porém, pesquisas
científicas que se baseiam unicamente na pesquisa bibliográfica,
procurando referências teóricas publicadas com o objetivo de recolher
informações ou conhecimentos prévios sobre o problema a respeito do qual
se procura a resposta.

No caso da presente pesquisa, serão adotados procedimentos de


pesquisa bibliográfica nos livros disponíveis na biblioteca da Faculdade Cathedral,
da Universidade Federal de Roraima, bem como no acervo particular da autora do
presente artigo científico. Ainda, os repositórios online, tais como “Periódicos
Capes”, “Scielo – Biblioteca Científica Eletrônica Online”, “Biblioteca Digital C@pelo,
da UNESP”, “A Biblioteca Digital de Trabalhos Acadêmicos da USP” e o ambiente
digital “Google Acadêmico” serão utilizados como fontes de pesquisa bibliográfica.
Quanto às jurisprudências, dar-se-ão prioridade às decisões do
Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, adotando como
ferramenta de pesquisa principal o site www.jusbrasil.com e como ferramentas
secundárias os próprios sites dos respectivos tribunais.

c. A PESQUISA DE CAMPO

A segunda fase da presente pesquisa será conduzida com uma


pesquisa de campo quantitativa, tendo como recorte temporal o primeiro bimestre do
ano de 2016 (período letivo 2016.1) e como amostragem os alunos dos 1º, 3º, 5º, 7º
e 9º semestres do curso de Direito da Faculdade Cathedral. Sobre a pesquisa de
campo, Minayo (1994, p. 53) explica que: “O recorte que o pesquisador faz em
termos de espaço, representando uma realidade empírica a ser estudada a partir
das concepções teóricas que fundamentam o objeto da investigação”. No
presente estudo, a dimensão teórica será obtida com a pesquisa bibliográfica,
enquanto que a percepção empírica que será perseguida segundo a presente
metodologia será obtida com a percepção das pessoas pesquisadas.

c.1 Da amostragem

Para a presente pesquisa será adotada como amostragem os


acadêmicos do curso de direito da Faculdade Cathedral, sendo representada pela
amostragem abaixo demonstrada:

2
Tabela 1: Demonstrativo da amostragem.
Universo (total de Amostragem pesquisada % da amostragem
turmas) (relativa ao
universo).
20 5 25%

Fonte: a autora, 2015.

c.2 Da ferramenta de coleta de dados

Dentre as ferramentas de coleta de dados empíricos existentes, a


opção desta pesquisadora recai sobre o questionário. São diversas as vantagens e
adequações aqui presentes para tal opção. Gil (1999, p.128) descreve o
questionário como “a técnica de investigação composta por um número mais ou
menos elevado de questões apresentadas por escrito às pessoas, tendo por objetivo
o conhecimento de opiniões, crenças, sentimentos, interesses, expectativas,
situações vivenciadas etc.” Assim, na presente pesquisa buscar-se-á a opinião dos
pesquisados sobre o tema analisado, sobretudo quanto às limitações impostas pelo
ordenamento jurídico e a jurisprudência da Corte Suprema à exploração de terras
indígenas.

3
IX – Cronograma

2015 2016
AÇÕES J A S O N D J F M A M J
Elaboração e entrega do projeto de X X X X
pesquisa
Reuniões obrigatórias com o professor X X X X X X X X X X X X
orientador (constantes do regulamento
do artigo científico , são no mínimo 4,
das quais serão elaborados relatórios)
Pesquisa bibliográfica X X X X X X X X X X X
Desenvolvimento da pesquisa – X X X X X X X X
redação
Revisão e digitação X X X X
Entrega para o professor orientador X
para aprovação ou correção
Depósito formal perante a Coordenação X
de TCC
Defesa perante banca examinadora X

X – Levantamento bibliográfico inicial. (Referências Bibliográficas


Preliminares):

ARRUDA, Rinaldo. Populações tradicionais e a proteção de recursos naturais. In:


Revista Ambiente & Sociedade. Ano II – n. 5 - 2º Semestre de 1999.

BARBOSA, Marco Antonio. Os povos indígenas e as organizações internacionais:


Instituto do indigenato no direito. In: Revista Eletrônica História em Reflexão: v. 1
n. 2 – UFGD - Dourados Jul/Dez 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.


Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 24 de


fevereiro de 1891). 1986.

BRASIL. LEI Nº 6.001, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1973. Dispõe sobre o Estatuto


do Índio. In: Diário Oficial da União. 21 dez. 1973.

BRASIL. STF. Supremo Tribunal Federal. STF impõe 19 condições para


4
demarcação de terras indígenas. Publicado em 19 mar. 2009. Disponível em:
<http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=105036>.
Acesso em 05 out. 2015.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão. Pet 3388. Tribunal Pleno. Decisão em
19 Mar. 2009. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/
listarJurisprudencia.asp?s1=raposaserradosol&base=baseAcordaos> Acesso em 05
out. 2015.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Função social das terras indígenas. OESP, São
Paulo. Entrevista concedida em 20 Abr. 2008. Disponível em
<http://www.socioambiental.org/inst/esp/raposa/?q=node/232> Acesso em 09 Jun.
2013.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos constitucionais dos índios. FSP,


Tendências/Debates, p.A3, 23 ago. 2008. Disponível em
http://www.socioambiental.org/inst/esp/raposa/?q=node/278. Acesso em 14 Abr.
2013.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Função social da propriedade pública. In: Revista
Eletrônica de Direito do Estado. Salvador, Instituto de Direito Público da Bahia, n.
6, abril/mai/junho, 2006. Disponível em http://www.direitodoestado.com.br. Acesso
em: 10 de abril de 2013.

Digesto, Liv. 7º, Tít. 1º, Frag. 1º.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro, v. 4. São Paulo: Saraiva,
2000.

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. v.4, 29ª edição, direito civil das
coisas – São Paulo: Editora Saraiva, 2014.
DINIZ, Maria Helena. Novo código civil comentado. São Paulo: Saraiva, 2003.

FRANCO, Cezar Augusto de Oliveira. Direitos Indígenas e Mobilização: Um olhar


sobre a tríplice fronteira – Brasil, Guyana e Venezuela. 2012. 200f. Tese de
doutorado. Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

FUNAI – Fundação Nacional do Índio. Esclarecimentos da Funai sobre atuação


do mercado voluntário de REDD em terras indígenas. Brasília. 2012. Disponível
em < http://www.funai.gov.br/ultimas/noticias/2012/03_mar/PDF/Esclarecimentos-
REDD.pdf >. Acesso em 31 Mar. 2013.

FUNAI. Terras Indígenas: o que é?. Disponível em <


http://www.funai.gov.br/index.php/2014-02-07-13-24-32?start=2#>. Acesso em 12.
Set. 2015.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo:
5
Atlas, 1999.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. v. 5, Direito Civil das Coisas,
8.ed. – São Paulo: Saraiva, 2014.
HAESBAERT, Rogério e LIMONAD, Ester. O território em tempos de globalização.
Revista Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas e Outras Coisas. 15 Ago.
2007, n° 2 (4), vol. 1.

IBGE. Os indígenas no censo demográfico 2010: primeiras considerações. Rio de


Janeiro: IBGE, 2012.

ISA – Instituto Socioambiental. De olho nas terras indígenas – 2013. Disponível


em < http://ti.socioambiental.org/pt-br/#!/pt-br/terras-indigenas>. Acesso em 14 Jun.
2013.

JECUPÉ, Kaka Werá. A terra dos mil povos: história indígena brasileira contada
por um índio. Editora Peirópolis, 1998.

LEITE, Gisele Pereira Jorge; HEUSELER, Denise. Apontamentos didáticos sobre a


função social da propriedade. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 87, abr
2011.

MARÉS, Carlos Frederico.  A função social da terra. Porto Alegre: SAFE, 2003.

MARÉS, Carlos Frederico. O Renascer dos povos indígenas para o direito. 1. ed.,
(ano 1998), 5ª tir, Curitiba: Juruá, 2006.

MARÉS, Carlos Frederico. Soberania do Povo, poder do Estado. In: NOVAES,


Adauto (Org.) A Crise do Estado-nação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
2003a.

MARÉS, Carlos Frederico. Textos clássicos sobre o direito e os povos


indígenas. Curitiba: Juruá/NDI, 1992.

MARÉS, Carlos. As novas questões jurídicas nas relações dos Estados


nacionais com os índios. 1999.

MENDES JUNIOR, João. Os Indígenas do Brazil: seus direitos individuais e


políticos. São Paulo: Hennies Irmãos, 1912. p. 17.

MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 17ª ed.


Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.
MIRANDA, Pontes de. Tratado de direito privado. t. II. Rio de Janeiro: Borsói,
1954.

6
PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de direito civil. v. III. Rio de Janeiro:
Forense, 2003.

RODRIGUES, Silvio. Direito civil: direito das coisas. v.5. São Paulo: Saraiva, 1986.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Org. Paula


Yone Stroh. 3. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos. São Paulo: Peirópolis,


2005.

SANTILLI, M. Direito para o Brasil socioambiental – Instituto Socioambiental.


Porto Alegre: Sérgio Fabris, 2002.

SANTILLI, Paulo. As Fronteiras da República. História e política entre os Macuxi no


vale do Rio Branco . São Paulo: FAPESP e NHII – USP, 1994.

SANTILLI, Paulo. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito. São Paulo:
UNESP, 2001.

SANTILLI, Paulo; FARAGE, Nádia. TI Raposa/ Serra do Sol: fundamentos históricos.


Disponível em: <http://www.socioambiental.org/inst/esp/raposa/?q=node/79> Acesso
em: 02.06.2013.

SILVA, José Afonso da. Parecer à consulta do Conselho Indígena de Roraima-


CIR. Publicado em 30.07.2008. Disponível em
<http://www.socioambiental.org/inst/esp/raposa/?q=node/260>. Acesso em 01 Set.
2014.

SILVA, José Afonso da. Terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. In: SANTILI,
Juliana (Coord.). Os direitos indígenas e a constituição. Porto Alegre: Fabris,
1993.

SOBRINHO, Oliveira. Os indígenas brasileiros e a legislação pátria – o decreto


legislativo 5.484, de 1928. In: C. F. Marés de Souza Filho (org). Textos clássicos
sobre o direito e os povos indígenas. Curitiba: Juruá-NDI, 1992.

REFERÊNCIAS

BEVILÁQUA, Cláudio. Direito Civil, Direito das Coisas, Vol 5, 24ª ed, São Paulo:
Saraiva, 1997.

7
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.
Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 24 de


fevereiro de 1891). 1986.

BRASIL. STF. Supremo Tribunal Federal. STF impõe 19 condições para


demarcação de terras indígenas. Publicado em 19 mar. 2009. Disponível em:
<http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=105036>.
Acesso em 05 out. 2015.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão. Pet 3388. Tribunal Pleno. Decisão em
19 Mar. 2009. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/
listarJurisprudencia.asp?s1=raposaserradosol&base=baseAcordaos> Acesso em 05
out. 2015.

Digesto, Liv. 7º, Tít. 1º, Frag. 1º.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.


Apostila.
FUNAI. Terras Indígenas: o que é?. Disponível em <
http://www.funai.gov.br/index.php/2014-02-07-13-24-32?start=2#>. Acesso em 12.
Set. 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo:
Atlas, 1999.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. v. 5, Direito Civil das Coisas,
8.ed. – São Paulo: Saraiva, 2014.
JECUPÉ, Kaka Werá. A terra dos mil povos: história indígena brasileira contada
por um índio. Editora Peirópolis, 1998.

MARÉS, Carlos. As novas questões jurídicas nas relações dos Estados nacionais
com os índios. 1999.

MENDES JUNIOR, João. Os Indígenas do Brazil: seus direitos individuais e


políticos. São Paulo: Hennies Irmãos, 1912. p. 17.

8
MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 17ª ed.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.
SILVA, José Afonso da. Parecer à consulta do Conselho Indígena de Roraima-
CIR. Publicado em 30.07.2008. Disponível em
<http://www.socioambiental.org/inst/esp/raposa/?q=node/260>. Acesso em 01 Set.
2014.

SILVA, José Afonso da. Terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. In: SANTILI,
Juliana (Coord.). Os direitos indígenas e a constituição. Porto Alegre: Fabris,
1993.