Você está na página 1de 585

ÍNDICE

SME - GUARULHOS
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
DO ESTADO DE SÃO PAULO

Professor de Educação Básica

071DZ-S9
EDITAL Nº 011/2018
ÍNDICE

Língua Portuguesa
Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Sinônimos e antônimos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Sentido próprio e figurado das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, artigo, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção: emprego e sentido que
imprimem às relações que estabelecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Redação de correspondências oficiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

Matemática
Resolução de situações-problema, envolvendo: adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação ou radiciação com números
racionais, nas suas representações fracionária ou decimal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Mínimo múltiplo comum; Máximo divisor comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Porcentagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Razão e proporção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Regra de três simples ou composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Equações do 1.º ou do 2.º graus; Sistema de equações do 1.º grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Grandezas e medidas – quantidade, tempo, comprimento, superfície, capacidade e massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Relação entre grandezas – tabela ou gráfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Tratamento da informação – média aritmética simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Noções de Geometria – forma, ângulos, área, perímetro, volume, Teoremas de Pitágoras ou de Tales. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

Conhecimentos Pedagógicos
Relação entre educação, escola e sociedade: concepções de Educação e Escola; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Função social da escola; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Educação inclusiva e compromisso ético e social do educador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Gestão democrática: a participação como princípio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Organização da escola centrada no processo de desenvolvimento pleno do educando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
A integração entre educar e cuidar na educação básica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
A prática educativa do professor no Ensino Fundamental. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
A prática educativa do professor na Educação Infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
O comportamento infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
O cuidar e o educar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Os ambientes de aprendizagem na Educação Infantil: a brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade; . . . . . . 35
A brincadeira na educação infantil nas perspectivas psicossociais, educacionais e lúdicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
O currículo e a pedagogia da brincadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
A formação pessoal e social da criança: a criança, a natureza e a sociedade; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
As interações criança/criança como recurso de desenvolvimento: identidade e autonomia; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
O desenvolvimento humano em processo de construção – Piaget, Vygostky e Wallon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Educação de Jovens e Adultos: processo histórico e concepções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Alfabetização de adultos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Ensinar na diversidade etária (jovens, adultos e idosos na mesma sala). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Organização curricular na EJA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Recuperação da aprendizagem de adolescentes, de 15 a 17 anos, com defasagem de idade/série. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Projeto político-pedagógico: fundamentos para a orientação, o planejamento e a implementação das ações educativas da escola. . . . . . 70
Currículo e cultura: visão interdisciplinar e transversal do conhecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Currículo: a valorização das diferenças individuais, de gênero, étnicas e socioculturais e o combate à desigualdade. . . . . . . . . . . . 83
ÍNDICE

Currículo, conhecimento e processo de aprendizagem: as tendências pedagógicas na escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83


Currículo nas séries iniciais: a ênfase na competência leitora (alfabetização e letramento) e o desenvolvimento dos saberes escolares
da matemática e das diversas áreas de conhecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Currículo em ação: planejamento, seleção, contextualização e organização dos conteúdos; o trabalho por projetos. . . . . . . . . . . 115
A avaliação diagnóstica ou formadora e os processos de ensino e de aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
A mediação do professor, dialogal e problematizadora, no processo de aprendizagem e desenvolvimento do aluno; a inerente forma-
ção continuada do educador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Portfólio da Aprendizagem; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Metodologias Ativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1301

Bibliografia (Conhecimentos Pedagógicos)


Bibliografia AGUIAR, Márcia Ângela da Silva [et. al.]. Conselho Escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento com igualdade social.
Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
ARÊAS, Celina Alves. A função social da escola. Conferência Nacional da Educação Básica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
ARRIBAS, Teresa Lleixà. Educação Infantil: desenvolvimento, currículo e organização escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004. . . . . . . . . . . . . . 10
BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Projetos Pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre: Grupo A, 2008. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
BASSEDAS, Eulália. Aprender e ensinar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 1999. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
BRUNEL, C. Jovens cada vez mais jovens na educação de jovens e adultos. Porto Alegre: Mediação, 2004. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
CASTRO, Jane Margareth; REGATTIERI, Marilza. Relações Contemporâneas Escola-Família. p. 28-32. In: CASTRO, Jane Margareth; REGATTIERI,
Marilza. Interação escola-família: subsídios para práticas escolares. Brasília: UNESCO, MEC, 2009. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
COLL, César. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Editora Ática, 1999. (Capítulos 4 e 5). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez Editora, 2002. (Capítulos 3 e 7). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
DE LA TAILLE, Y., OLIVEIRA, M.K.; DANTAS, H. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992. . . . . . . . 49
DELIZOICOV. Demétrio; ANGOTTI, José André. Metodologia do ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1994. (Capítulo II: unidades 2 e 3; Capí-
tulo III: unidades 4 e 5). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
DOWBOR, Ladislau. Educação e apropriação da realidade local. Estud. av. [online].2007, vol.21, nº 60, pp. 75-90. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 2010. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
FONTANA, Roseli Ap. Cação. Mediação Pedagógica em sala de aula. Campinas: Editora Autores Associados, 1996 (Primeiro tópico da Parte
I – A gênese social da conceitualização). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
FONSECA, Vitor da. Desenvolvimento Psicomotor e Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2008. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
FONSECA, Vítor da. Manual de observação psicomotora: significação psiconeurológica dos fatores psicomotores. Rio de Janeiro: Wak,
2012. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
GARCIA, Lenise Aparecida Martins. “Transversalidade e Interdisciplinaridade”. Disponível em: <http://smeduquedecaxias.rj.gov.br/nead/Bi-
blioteca/Forma%C3%A7%C3%A3o%20Continuada/Artigos%20Diversos/garcia-transversalidade-print.pdf> . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
GUSTSACK, F.; VIEGAS, M. F.; BARCELOS, V. (Org.). Educação de Jovens e Adultos: saberes e fazeres. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007. . . . . . . . . 70
HOFFMAN, Jussara. Avaliação mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento. In: SE/SP/FDE. Revista Ideias, nº 22, pág.
51 a 59. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
JÓFILI, Zélia. Piaget, Vygotsky, Freire e a construção do conhecimento na escola. In: Educação: Teorias e Práticas, ano 2, nº 2, Recife: Univer-
sidade Católica de Pernambuco, dez. 2002, p. 191-208. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
KISHIMOTO, Tizuko Morchida. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2009. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
LERNER, Delia. A matemática na escola – aqui e agora. Porto Alegre: Artmed, 1995. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. 1ª Edição – Porto Alegre, Artmed, 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
LIBÂNEO, J.C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2012, 4ª Parte, capítulo
III. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Abrindo as escolas às diferenças, capítulo 5, in: MANTOAN, Maria Teresa Eglér (org.) Pensando e Fazendo
Educação de Qualidade. São Paulo: Moderna, 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
MORAN, José. “A aprendizagem de ser educador”. Disponível em: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/site/textos/educacao_inovadora/
aprend.pdf> . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
MOURA, Daniela Pereira de. Pedagogia de Projetos: contribuições para uma educação transformadora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
PENTEADO, Heloísa Dupas. Metodologia de História e Geografia. São Paulo: Cortez, 2011. (Capítulos 1, 2 e 3). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
OLIVEIRA, Zilma Ramos de e outros. O trabalho do professor na educação infantil. São Paulo: Biruta, 2015. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
PIAGET, Jean. Desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Paulo Francisco Slomp. UFRGS- PEAD 2009/1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
PIMENTA, Selma, G.A. A Construção do Projeto Pedagógico na Escola de 1º Grau. Ideias nº 8. 1.990, p 17-24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
QUEIROZ, Cecília T. A. P. de; MOITA, Filomena M. G. da S.C. Fundamentos sócio-filosóficos da educação. Campina Grande; Natal: UEPB/UFRN,
2007. (MEC/SEB/SEED). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
ÍNDICE

RESENDE, L. M. G. de. A perspectiva multicultural no projeto político-pedagógico. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Escola: espaço do pro-
jeto político-pedagógico. Campinas: Papirus, 1998. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
RIOS, Teresinha Azeredo. Ética e competência. São Paulo: Cortez, 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
ROPOLI, Edilene Aparecida. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da Educa-
ção. SEESP. Universidade Federal do Ceará. 2010. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
SOARES, Leôncio (org). Formação de Educadores de Jovens e Adultos. Belo Horizonte, Autêntica, 2006. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
VASCONCELLOS, Celso. Construção do conhecimento em sala de aula. Libertad – Centro de Pesquisa, formação e Assessoria Pedagógica. 14ª
ed., 2002. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
VINHA, Telma Pileggi. O educador e a moralidade infantil numa perspectiva construtivista. Revista do Cogeime, nº 14, julho/99, pág.
15-38. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
WEIZ, T. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000 (capítulos 4 e 8). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

Legislação e Documentos Institucionais


BRASIL. A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o Ensino Fundamental de nove anos. Ministério da Educação/Secretaria de Educação
Básica. Brasília, 2009. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
BRASIL. Constituição Federal. Título VIII – Da Ordem Social: Capítulo III – Da Educação, da Cultura e do Desporto: Seção I – Da Educação . . . . . . . 29
Artigo 60 das Disposições Constitucionais Transitórias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Emenda 14/96. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
BRASIL. Ensino Fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília, 2007. . . . . . . . . . . . . . . 33
BRASIL. Lei Federal nº 8.069/1990 – Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
BRASIL. Lei Federal nº 9394, de 20/12/96 – Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
BRASIL. Resolução CNE/CEB 03, de 15 de junho de 2010. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos
relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação
de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
BRASIL. Resolução CNE/CEB 04/2010 – Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília: CNE, 2010. . . . . . . . . . 102
BRASIL. Resolução CNE/CEB 07/2010 – Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasília: CNE,
2010. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
BRASIL. Resolução CNE/CEB 4/2009 – Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica,
modalidade Educação Especial. Brasília: CNE, 2009. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
BRASIL/MEC. Base Nacional Comum Curricular. Ensino Infantil; Ensino Fundamental. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.
br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf> BRASIL/MEC. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. Volumes 1, 2, 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

Leitura e interpretação de diversos tipos de textos (literários e não literários). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Sinônimos e antônimos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Sentido próprio e figurado das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Classes de palavras: substantivo, adjetivo, numeral, artigo, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção: emprego e sentido que
imprimem às relações que estabelecem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Concordância verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Redação de correspondências oficiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
LÍNGUA PORTUGUESA

A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre


LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DIVERSOS TIPOS DE ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e
TEXTOS (LITERÁRIOS E NÃO LITERÁRIOS). a realidade. São as conclusões que podemos tirar com base nas
ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são
Leitura relacionadas com a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resul-
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitu- tado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na
ra, como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de compreensão de situações do dia-a-dia.
mobilizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e tex- Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio
tuais, quer de mundo, para preencher os vazios do texto, cons- sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para
truindo novos significados. Esse leitor parte do já sabido/conhe- interpretar e compreender corretamente um texto é ter o domí-
cido, mas, superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, nio da língua.
novos significados a seu universo de conhecimento para melhor E mesmo dominando a língua é muito importante ter um
entender a realidade em que vive. dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado
de todas as palavras e é muito difícil interpretar um texto desco-
Compreensão nhecendo certos termos.

A compreensão de um texto é a análise e decodificação do Dicas para uma boa interpretação de texto:
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes.
A compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o - Leia todo o texto pausadamente
que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o
ideias presentes no texto. significado
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
de leitura: informativa e de reconhecimento. - Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias se- seu resumo
letas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela - Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
ideia central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do - Questione a forma usada para escrever
texto. - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, ideias do autor.
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o
assunto. Lembre-se que para saber compreender e interpretar mui-
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por to bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito.
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo Quanto mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é
deve ser capaz de desvendar o significado das construções tex- fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concur-
tuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de so, vestibular, até a leitura de um anúncio na rua.
uma frase.
Assim, quando não há uma correta interpretação da men- Resumindo:
sagem, consequentemente não há a correta compreensão da
mesma. Compreensão Interpretação
O que é É a análise do que É o que podemos
Interpretação
está escrito no texto, concluir sobre o que
a compreensão das está escrito no texto.
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação
frases e ideias pre- É o modo como
de percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela si-
sentes. interpretamos o
multânea ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades.
conteúdo.
A importância dada às questões de interpretação de textos
deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a Informação A informação está A informação está
competência de ler texto interfere decididamente no aprendiza- presente no texto. fora do texto, mas
do em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante tem conexão com
nos chega por meio da linguagem escrita. A maior herança que ele.
a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com Análise Trabalha com a Trabalha com a sub-
autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus significados. objetividadem, com jetividade, com o que
Num texto, cada uma das partes está combinada com as as frases e palavras você entendeu sobre
outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das que estão escritas no o texto.
partes, mas da sua articulação. Assim, a apreensão do signifi- texto.
cado global resulta de várias leituras acompanhadas de várias
hipóteses interpretativas, levantadas a partir da compreensão
de dados e informações inscritos no texto lido e do nosso conhe-
cimento do mundo.

1
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:


I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
Uma compreensão da História II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em
todos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está que-
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em rendo cercear o direito à plena execução deste marco.
que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações
procura o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é es- em geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura
boçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela com a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputa-
do tempo. Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, dos.
mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
de escapar do presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a
do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a se-
acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano
rem votadas no Congresso Nacional.
Benedetto Croce, ao escrever: “Toda a História é História con-
V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
temporânea”. Se tivesse que escolher um sinal que marcasse
nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
meu norte de vida, seria essa frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: perversa e manipuladora.
Companhia das Letras, 2010, p. 256)
Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
José Saramago entende que sua função como romancista é A) I, II, III.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sin- B) II, III, IV.
crônicos predominantes. C) II, III, V.
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para man- D) II, IV, V.
tê-los vivos em seu passado.
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos 03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade
dispersos em tempos distintos. – 2017 - BIO-RIO
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive so-
bre o tempo em que se viveu. Édipo-rei
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de
modo a valorizá-las em si mesmas. Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016 oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
- IOBV (Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)

Por Jonas Valente*, especial para este blog. O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças
trágicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de or-
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciber- ganização discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente
néticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. nessa descrição é:
Nele, apresenta proposta de diversos projetos de lei com a A) a localização da cena descrita.
justificativa de combater delitos na rede. Mas o conteúdo des-
B) a identificação dos personagens presentes.
sas proposições é explosivo e pode mudar a Internet como a
C) a distribuição espacial dos personagens.
conhecemos hoje no Brasil, criando um ambiente de censura
D) o processo descritivo das partes para o todo.
na web, ampliando a repressão ao acesso a filmes, séries e ou-
E) a descrição de base visual.
tros conteúdos não oficiais, retirando direitos dos internautas e
transformando redes sociais e outros aplicativos em máquinas
de vigilância. 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é 2016 - FGV
usado para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da In-
ternet. Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as Problemas Sociais Urbanos
soluções buscam criminalizar o máximo possível e transformar a Brasil escola
navegação em algo controlado, violando o princípio da presun-
ção da inocência previsto na Constituição Federal. No caso dos Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
crimes contra a honra, a solução adotada pode ter um impacto questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
trágico para o debate democrático nas redes sociais – atualmen- no espaço das cidades e da falta de planejamento público que
te tão importante quanto aquele realizado nas ruas e outros lo- vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desor-
cais da vida off line. Além disso, as propostas mutilam o Marco denado das cidades. A especulação imobiliária favorece o enca-
Civil da Internet, lei aprovada depois de amplo debate na socie- recimento dos locais mais próximos dos grandes centros, tor-
dade e que é referência internacional. nando-os inacessíveis à grande massa populacional. Além disso,
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016) à medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas

2
LÍNGUA PORTUGUESA

e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma
a grande maioria da população pobre busque por moradias em o celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, reali-
regiões ainda mais distantes. zando mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais é possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- o smartphone num supermicroscópio que permite fazer diag-
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- nósticos ainda mais sofisticados.
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú-
a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de
não contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
elevados índices de violência. de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalis-
A especulação imobiliária também acentua um problema mo que desde Hipócrates assombra a medicina.
Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele prova-
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por
velmente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hos-
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da popula-
pitais caminhem para uma rápida extinção. Dando algum des-
ção que possui terrenos, mas que não possui condições de cons-
conto para as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura
truir neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que es- para os interessados nas transformações da medicina.
ses se tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
vagos geralmente apresentam problemas como o acúmulo de 17/01/2016.
lixo, mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como
a dengue. Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba- A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com. B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
br/brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbaniza- C) levará à extinção da profissão de médico;
ção.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. D) independerá completamente dos médicos;
E) estará limitado aos meios eletrônicos.
A estruturação do texto é feita do seguinte modo:
A) uma introdução definidora dos problemas sociais urba- RESPOSTAS
nos e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas;
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e ex- 01 C
plicação de um deles, visto como o mais importante;
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici- 02 C
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades; 03 D
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- 04 B
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-
blema; 05 B
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades.

05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrati- SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS. SENTIDO PRÓPRIO E
va – 2016 - FGV FIGURADO DAS PALAVRAS.

O futuro da medicina
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que
estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das
palavras estabelecem entre si.
profissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos,
jornalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até Sinônimos e antônimos
aqui é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric To-
pol, autor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê- Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.
-lo agora), está no forno uma revolução da qual os médicos não Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório
escaparão, mas que terá impactos positivos para os pacientes.
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O
coloca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, pa-
próximas disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já lavra que também designa o emprego de sinônimos.
é possível, por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as
imagens a um algoritmo que as analisa e diz com mais precisão Antônimos: palavras de sentido oposto.
do que um dermatologista se a mancha é inofensiva ou se pode Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
ser um câncer, o que exige medidas adicionais. Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.

3
LÍNGUA PORTUGUESA

A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido Exemplos com sentido conotativo:
oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regre- Comprei uma correntinha de ouro.
dir, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico. Fulano nadava em ouro.

Homônimos Hiperonímia e hiponímia

Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das pa-
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som lavras estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um
igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas hiperônimo, palavra superior com um sentido mais abrangente,
(som diferente, escrita igual, significado diferente). engloba um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restri-
O contexto é quem vai determinar a significação dos homô- to.
nimos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considera-
da uma deficiência dos idiomas. Fruta é hiperônimo de banana.
Banana é hipônimo de fruta.
Homônimos
rio (curso de água) e rio (verbo rir); QUESTÕES
caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
01. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC
Homófonos A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
cem (número) e sem (indica falta) tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
senso (sentido) e censo (levantamento estatístico) moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta
Homógrafos e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em
colher (talher) e colher (apanhar); fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil
acerto (correção) e acerto (verbo acertar); saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante
três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços
Parônimos esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la-
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apeteci-
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de for- da decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava.
ma parecida, mas que apresentam significados diferentes. Era, com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos
infligir (aplicar) e infringir (transgredir), gastos de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apre-
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder), samento daquela caqueirada humana – do mesmo passo angu-
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, lhenta e sinistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos
divergir, adiar), olhos, num longo enxurro de carcaças e molambos...
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso uma arma, nem um peito resfolegante de campeador domado:
(congestionado: rosto vultuoso). mulheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças
envelhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade,
Polissemia escaveiradas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalga-
dos, filhos encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar murchos, filhos arrastados pelos braços, passando; crianças,
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em sem-número de crianças; velhos, sem-número de velhos; raros
que ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.: homens, enfermos opilados, faces túmidas e mortas, de cera,
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan- bustos dobrados, andar cambaleante.
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado. (CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó. Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)

Denotação e conotação Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-


mos?
Denotação indica a capacidade de as palavras apresenta- A) Armistício – destruição
rem um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica B) Claudicante – manco
a capacidade de as palavras apresentarem um sentido figurado C) Reveses – infortúnios
e simbólico. D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos
Exemplos com sentido denotativo:
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). 02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
exemplos de parônimos:

4
LÍNGUA PORTUGUESA

A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil). 05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VU-
B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo). NESP/2016
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se senta).
D) Nenhuma das alternativas. O gavião

03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017 Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco
- UFMT voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua.
Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e
modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo, comovente – o gavião malvado, que mata pombas.
assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apre- O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à con-
senta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferen- templação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas
tes, denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer
em que todas as palavras se encontram nesse caso. palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião.
A) taxa, cesta, assento Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade
B) conserto, pleito, ótico come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pom-
C) cheque, descrição, manga ba come seu grão de milho.
D) serrar, ratificar, emergir Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pom-
bas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca
04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a
verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo
A fuga dos rinocerontes tiro pode também ser a verdade do caçador.
Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente
maneira mais radical possível – pelo céu. o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate,
pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados (Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado)
da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de
caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no
restam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em ou-
solução extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A tro homem. –, é empregado com sentido
ação utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes A) próprio, equivalendo a inspiração.
– com 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na pro- B) próprio, equivalendo a conquistador.
víncia de Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transfe- C) figurado, equivalendo a ave de rapina.
ri-los para a província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 D) figurado, equivalendo a alimento.
quilômetros de distância, onde viverão longe dos caçadores. E) figurado, equivalendo a predador.
Como o trajeto tem áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes
tiveram de voar por 24 quilômetros. Sedados e de olhos venda- 06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
dos (para evitar sustos caso acordassem), os rinocerontes foram PESE
içados pelos tornozelos e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado
meio brutal? Os responsáveis pela operação dizem que, além em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
de mais eficiente para levar os paquidermes a locais de difícil A) Estou morta de cansada.
acesso, o procedimento é mais gentil. B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº cobra.
229, 2011.) C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos.
D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções, nalmente saiu de casa ontem.
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionari- E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
zado que é mais adequado no contexto acima.
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa. RESPOSTAS
B) Brusco; violento; difícil.
C) Que não é tradicional, comum ou usual. 01 A
D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
02 A
03 A
04 C
05 E
06 D

5
LÍNGUA PORTUGUESA

III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional


PONTUAÇÃO. e o não profissional;
IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita de criação nacional.
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
entonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
no texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a com-
preensão e entendimento do texto. Dois-Pontos ( : )
Usamos para:
Ponto ( . ) - iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
Usamos para: dade, meu filho.
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao sho- - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
pping hoje. sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela. Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª - antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
mundo.”
Vírgula ( , )
Usamos para: Ponto de Interrogação ( ? )
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os ter- Usamos para:
mos separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não - perguntas diretas: Onde você mora?
formam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, - em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
acenou para seus amigos. você ama? Você. Eu?!

Não se separam por vírgula: Ponto de Exclamação ( ! )


- predicado de sujeito; Usamos:
- objeto de verbo; - Após vocativo: Volte, João!
- adjunto adnominal de nome; - Após imperativo: Aprenda!
- complemento nominal de nome; - Após interjeição: Psiu! Eba!
- predicativo do objeto; - Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- oração principal da subordinada substantiva (desde que Poxa!
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa).
Reticências ( ... )
A vírgula também é utilizada para: Usamos para:
- separar o vocativo: João, conte a novidade. - indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou devo... melhor não falar.
a refeição. - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
- separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al- pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
gumas pessoas, muitas vezes, são falsas. merece...
- separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães, - indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita:
tortas e sonho. Quando ela começou a falar, não parou mais... terminou uma
- separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca hora depois.
mais deu notícias.
- isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25
de Setembro de 2017. Aspas ( “ ” )
- marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo): Usamos para:
Ele prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir) - isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta:
gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex-
Ponto-e-Vírgula ( ; ) pressões populares.
Usamos para: - indicar uma citação textual.
- separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma peti-
ção, de uma sequência, etc.: Parênteses ( () )
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas Usamos para:
formais e não formais, como direito de cada um, observados: - isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo
I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso- e datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais
ciações, quanto a sua organização e funcionamento; quente do ano.
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio- - podem substituir a vírgula ou o travessão.
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a
do desporto de alto rendimento;

6
LÍNGUA PORTUGUESA

Travessão (__ ) Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos


Usamos para: atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma- para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
ria, como faz esse doce? caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sen-
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, timentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás
você me busca? __Não se preocupe, chegarei logo. roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gar-
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está dênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flo-
muito doente. res agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado
Colchetes ( [] ) ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
Usamos para: rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
- linguagem científica. efêmera.
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
Asterisco ( * ) Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
Usamos para:
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ain-
da circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida
QUESTÕES para a primavera que chega” (1º §)

01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
COSEAC A) marcar termo adverbial intercalado.
B) isolar oração adjetiva explicativa.
Primavera C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re- 02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 –
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os VUNESP
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, con-
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima- siderando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
vera que chega. A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo
terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis demorado.
acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espí- B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
rito das flores. demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão morado
todos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua na- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
ção. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pe- morado.
los ares, - e certamente conversam: mas tão baixinho que não D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
se entende. demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver- demorado.
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremen- E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar
te, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. que demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as algo demorado.
árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não
se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da
sua perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, tal-
vez, os homens terão a primavera que desejarem, no momen-
to em que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem,
deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com ou-
tros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os
ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se
entendeu e amou.

7
LÍNGUA PORTUGUESA

03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN RESPOSTAS

01 D
02 B
03 A
04 A
05 A

CLASSES DE PALAVRAS: SUBSTANTIVO, ADJETIVO,


NUMERAL, ARTIGO, PRONOME, VERBO, ADVÉRBIO,
PREPOSIÇÃO E CONJUNÇÃO: EMPREGO E SENTIDO
QUE IMPRIMEM ÀS RELAÇÕES QUE ESTABELECEM.

Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos,


com a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero
e número.
Os artigos podem ser:
- definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de for-
ma particular).
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é - indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substan-
obrigatória porque serve para: tivos de forma inespecífica).
A) Isolar o vocativo.
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado. Exemplos:
C) Separar orações coordenadas. Comprei o carro. (Um carro específico)
D) Intercalar expressões explicativas. Comprei um carro. (Um carro qualquer)

04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT Artigo Definido


O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada Indica um substantivo específico, determinado. Dependen-
de forma inadequada em: do da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os,
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, as.
conforme a Constituição Federal.
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é Observe as possíveis variações de gênero e número:
inseguro.
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de O professor me repreendia.
uma série de comodidades, salientou o pesquisador. A professora me repreendia.
D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti). Os professores me repreendiam.
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
horário avançado, a reunião foi encerrada. Artigo Indefinido

05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis – Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De-
2018 – CETREDE pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade. um, uma, uns, umas.
I. Karla comeu um doce e sua irmã também.
II. Mataram a vaca da sua tia. Observe as possíveis variações de gênero e número, usan-
do o mesmo exemplo anterior:
Marque a opção CORRETA.
A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vír- Um professor me repreendia.
gula. Uma professora me repreendia.
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de pro- Uns professores me repreendiam.
nome. Além das formas simples, os artigos apresentam formas
C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II. combinadas com preposições. O artigo definido combina-se
D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade. com as preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II. formas ao, do, nas, pelos, etc.

8
LÍNGUA PORTUGUESA

Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combi- Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
nado com a preposição a, temos um caso que merece destaque o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
especial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente re- namorado e namorada.
presentada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de
crase. Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os
dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
Exemplo: - Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo refere-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
definido a) - Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e nino).
de, originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. - Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gê-
neros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo
SUBSTANTIVO que o acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.

Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como pala- Número


vra variável, apresenta flexões de gênero, número e grau.
São classificados em:
Classificação
Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou
Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de um grupo, por exemplo: cama, homem.
forma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc. Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou gru-
pos, por exemplo: camas, homens.
Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina-
do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.
Grau
Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos
São classificados em aumentativo e diminutivo:
(pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existên-
cia real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema,
Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser
etc.
ou alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indi-
Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou esta-
ca grandeza, por exemplo: menino grande.
dos, tomados como seres. Indica coisas que não existem por si,
que são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, po- - Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
breza, caridade, etc.. dor de aumento, por exemplo: meninão.
Formação dos substantivos Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser
ou alguma coisa. Divide-se em:
Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou- - Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que
tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc. indica pequenez, por exemplo: menino pequeno.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica-
Substantivo Derivado: É formado a partir de um substanti- dor de diminuição, por exemplo: menininho.
vo primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Substantivo Simples: É formado por um só radical, como: ADJETIVO
janela, livro, trem, etc.
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo-
Substantivo Composto: É formado por mais de um radical, -lhe um estado, qualidade ou característica.
como em: arco-íris, arranha-céu, etc.
Classificação
Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular
que designa um conjunto de seres da mesma espécie. Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita.
- buquê – de flores Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: lati-
- alcateia – de lobos no-americano.
- elenco – de artistas Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro,
- legião – de soldados grande.
Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: toleran-
Gênero te (vem de tolerar).
Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc.
De acordo com o gênero (feminino e masculino) das pala- Exemplo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
vras substantiva, são classificadas em:

9
LÍNGUA PORTUGUESA

Locução Adjetiva NUMERAL

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos,
só. Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma um número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.
preposição e um substantivo, ou uma preposição e um advér-
bio. Classificação
Exemplos:
- dente de cão (= canino) Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
- água de chuva (= pluvial) medida. Exemplo, um, dois, três…
- pneus de trás (= traseiro)
Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
Flexão ro, segundo, terceiro…

Gêneros Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numé-


ricas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo,
- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (fe- meio, terço, quarto, quinto…
minino e masculino). Exemplo: alegre.
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
feminino). Exemplo: dengoso, dengosa. meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntu-
plo…
Número
Coletivos: Número exato que faz referência a um conjunto
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando de seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto de
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é 10), centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6), bi-
parecida à dos substantivos. mestre (conjunto de 2).

Grau Cardinal Ordinal Cardinal Ordinal


São classificados em: Um Primeiro Vinte Vigésimo
Dois Segundo Trinta Trigésimo
- Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades. Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
pizza. Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que Seis Sexto Cem Centésimo
Marcos.
Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Paula. Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
- Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.
Nove Nono Novecentos Noningentésimo
Superlativo Absoluto: Dez Décimo Mil Milésimo
Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
Sintético - Larissa é organizadíssima. PRONOME
Superlativo Relativo de:
Superioridade - A cidade é a mais bonita da região. Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o subs-
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do tantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discur-
escritório. so ou mesmo situando-o no espaço e no tempo.

Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superio- Pronomes Pessoais


ridade sintético. Veja-os:
Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós,
bom – melhor vós, eles.
mau – pior Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto di-
grande – maior reto / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (elepro-
pequeno – menor nome reto / vaiverbo / conosco complemento nominal).
alto – superior - tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consi-
baixo – inferior go, conosco, convosco;
- átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos,
os,pronome oblíquo)

10
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes de Tratamento Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante
em relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, bem aquele tempo em que viajávamos de trem.
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- Relação ao espaço
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santida- Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
de (V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
vor, poderia passar esse copo?
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
ra, senhorita, dona, você. de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Pronomes Indefinidos
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Congresso. (falando a respeito do cardeal) mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompa-
nham o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.
Pronomes Possessivo
Classificação Pronomes Indefinidos
Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a
ideia de posse, por exemplo: Esse carro é seu? algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,
nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
Pessoas Verbais Pronomes Possessivos muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus, outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
(eu) minhas (plural) certos, certas, vário, vária, vários, várias,
tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas quanta, quantos, quantas, qualquer,
(tu, você) (plural) quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
umas.
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
(ele/ela) (plural) quem, alguém, ninguém, tudo, nada,
Invariáveis
outrem, algo, cada.
1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
(nós) nossas (plural) Pronomes Relativos

2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos, Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito
(vós, vocês) vossas (plural) anteriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e inva-
riáveis. Essa palavra da oração anterior chamase antecedente:
3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas Viajei para uma cidade que é muito pequena. ercebese que o
(eles/elas) (plural) pronome relativo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso
a palavra que é um pronome relativo.
São divididos em:
Pronomes Demonstrativos
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja,
cujas, quanto, quantos;
Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde.
Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aque-
la) e invariáveis (isso, isto, aquilo).

Relação ao tempo
Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
antes da prova.
Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes Interrogativos O futuro subdivide-se em:


- Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo.
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para formu- Ex.: Participarei do grupo.
lar perguntas diretas e indiretas. - Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se
a uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria
ao show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de
Pronomes assumir esse compromisso.
Classificação Exemplos
Interrogativos
Modos Verbais
Quanto custa?
qual, quais,
Variáveis quanto, quantos, Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva.
Quais sapatos Ex.: Eu falo alemão.
quanta, quantas.
você prefere? Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinhei-
Quem estragou ro, compraria um carro.
meu vestido? Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
Invariáveis quem, que. canse bastante nestas férias.
Que problema
ocorreu? Formas nominais

VERBO Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí-


pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
natureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjuga- rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.
ção é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo,
modo, voz e aspeto. Infinitivo

Os verbos estão agrupados em três conjugações: Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado
1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar. nas 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais:
2ª conjugação – er: comer, derreter, beber. Estudar (eu) – não flexionado
3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir. Estudares (tu) – flexionado
Estudar(ele) – não flexionado
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor, Estudarmos (nós) – flexionado
impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina Estudardes (voz) – flexionado
poer. Estudarem (eles) – flexionado

Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plu- Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
ral. pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada
1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo é boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo)
2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja Gerúndio
1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos
2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexio-
3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam na e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.

Tempos do Verbo Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram.

Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha Particípio


Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará Pode ser regular e irregular.
O pretérito subdivide-se em: Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido.
- Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala.
- Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim.
narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias.
- Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo.
fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias
pequenas. Exemplo: Purê se faz com batata cozida.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classi- ADVÉRBIO


ficado como verbo abundante. É importante lembrar que nem
todos os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto, São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
coberto, escrever). tro advérbio.
Tempos Simples e Tempos Compostos Classificação dos Advérbios

Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal. Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa,
Indicativo: à vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo,
Presente - canto, vendo, parto, etc. dessa maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. cor, em vão e a maior parte dos que terminam em -mente:
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. calmamente, tristemente, propositadamente, pacientemente,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. amorosamente, docemente, escandalosamente, bondosamen-
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc. te, generosamente.
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc.
Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em exces-
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incer- so, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão,
ta, imprecisa, duvidosa ou eventual. tanto, assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de
Presente - cante, venda, parta, etc. todo, de muito, por completo, bem (quando aplicado a proprie-
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc. dades graduáveis).
Futuro - cantar, vender, partir.
Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás,
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato ver- além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon-
bal pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
as formas do imperativo:
alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
- Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti-
a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquer-
vo): Não abram a porta.
da, ao lado, em volta.
- Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjunti-
vo, com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são
Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, ama-
retiradas do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande
nhã, cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravan-
– Andemos – Andai – Andem: Abram a porta.
te, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal,
Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois amiúde, breve, constantemente, entrementes, imediatamente,
não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo. primeiramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à
tarde, à noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver. quando em quando, a qualquer momento, de tempos em tem-
pos, em breve, hoje em dia.
Infinitivo:
Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc. Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres) ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.
vendido.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendi- Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,
do. quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.

Indicativo: Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-


Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendi- mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
do, etc. mente.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc. Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente,
Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido, simplesmente, só, unicamente.
etc. Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também.
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido,
etc. Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida-
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que?
Subjuntivo: (finalidade).
Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendi-
do, etc. Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti-
vesse vendido, etc. Designação: Eis
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.

13
LÍNGUA PORTUGUESA

Flexão lado de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de,
em frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão causa de, por cima de, por trás de.
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
entretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número.
Ex.: por + o = pelo; por + a = pela.
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações Essa concordância não é característica da preposição e sim
de igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de
grau utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. uma preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois
Pode ser: processos:
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você. - Combinação: A preposição não sofre alteração.
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você. preposição a + artigos definidos o, os
a + o = ao
Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada. preposição a + advérbio onde
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de a + onde = aonde
sufixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o
grau superlativo). - Contração: Quando a preposição sofre alteração.
Preposição + Artigos
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. De + o(s) = do(s)
Ex.: Este conteúdo é facílimo. De + a(s) = da(s)
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad- De + um = dum
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil. De + uns = duns
De + uma = duma
Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
De + umas = dumas
mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez
Em + o(s) = no(s)
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente.
Em + a(s) = na(s)
Em + um = num
PREPOSIÇÃO
Em + uma = numa
Em + uns = nuns
Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa
Em + umas = numas
relação de subordinação donde, geralmente, o segundo termo
subordina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão tex- A + à(s) = à(s)
tual e possuem valores semânticos indispensáveis para a com- Por + o = pelo(s)
preensão do texto. Por + a = pela(s)

Tipos de Preposição - Preposição + Pronomes


De + ele(s) = dele(s)
Lugar: O voo veio de São Francisco. De + ela(s) = dela(s)
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De + este(s) = deste(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De + esta(s) = desta(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De + esse(s) = desse(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De + essa(s) = dessa(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De + aquele(s) = daquele(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De + aquela(s) = daquela(s)
De + isto = disto
Classificação De + isso = disso
De + aquilo = daquilo
As preposições podem ser divididas em dois grupos: De + aqui = daqui
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como De + aí = daí
preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, De + ali = dali
em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás. De + outro = doutro(s)
- Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama- De + outra = doutra(s)
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora, Em + este(s) = neste(s)
como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, Em + esta(s) = nesta(s)
salvo, segundo, visto etc. Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s)
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa- Em + aquela(s) = naquela(s)
lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma Em + isto = nisto
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao Em + isso = nisso

14
LÍNGUA PORTUGUESA

Em + aquilo = naquilo CONJUNÇÃO


A + aquele(s) = àquele(s)
A + aquela(s) = àquela(s) É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
A + aquilo = àquilo mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordena-
ção ou subordinação) entre eles.
INTERJEIÇÃO
Classificação
É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin-
guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações indepen-
de espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação dentes.
(!).
As interjeições são consideradas “palavras-frases” na me- -Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensa-
dida em que representam frases-resumidas, formadas por sons mentos: e, nem, não só...mas também, não só...como também.
vocálicos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por
um grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções inter- Exemplo: João não lê nem escreve.
jetivas (Meu Deus! Ora bolas!).
-Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,
Tipos de Interjeições compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entre-
tanto, no entanto, todavia.
Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.
diferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classifi-
cadas em: -Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen-
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.
Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, De-
vagar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui!
Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.
Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensa-
Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
mento: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), por-
Muito obrigada!, Valeu!
tanto, por conseguinte, assim.
Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!,
Que bom!
Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem!
Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!, Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
Bora!
Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh! -Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que,
Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, porque, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto,
Parabéns!, Boa! por conseguinte.
Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu!
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!, Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
Tá!, Hã-hã!
Contrariedade: Droga!, Credo! Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal! uma da outra.
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera!
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã! -Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim! com função substantiva: que, se.
Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué!
Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu Exemplo: Quero que sejas muito feliz.
Deus!, Crê em Deus pai!
Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força! -Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que
Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que,
medo!, Jesus! uma vez que.
Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom! Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.
Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico -Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-
fechado! das que dão ideia de comparação: que, do que, como.

Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

15
LÍNGUA PORTUGUESA

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ainda
que, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinheiro.

-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal
se realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que, a não ser que.

Exemplo: Se não chover, irei à festa.

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conforme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração
principal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que, sempre
que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de que, para que.

Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à propor-
ção que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.

16
LÍNGUA PORTUGUESA

02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP 04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Funda-
mental Completo – 2016 - IDHTEC
Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no en- Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por
frentamento de tragédias extenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem
Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástro- Papa Pio X. (DÉCIMA)
fes. Minas irá buscar experiência e tecnologias para superar a b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUA-
tragédia em Mariana TROCENTAS E UMA)
c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a
A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na expe- sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
riência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilíci-
para tentar superar Mariana e recuperar os danos ambientais e ta, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro,
sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por mediante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO)
meio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do sécu-
a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado lo XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO)
com a polícia comunitária, espelhada no modelo japonês Koban.
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa 05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do
nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e de- Trabalho – 2016 - FCC
saparecidos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões,
foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
últimos anos. Menos de um ano depois da catástrofe, no entan- energia solar
to, o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o
Brasil vai buscar para lidar com a tragédia ocorrida em Mariana. Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extre-
mo. Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015.
por causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma
Adaptado)
das maiores usinas de energia solar do mundo.
Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber treina-
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
mento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque é formada
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
por substantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação também
poluir menos. Uma aposta no futuro.
se verifica na expressão destacada em:
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
Parte superior do formulário pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos. está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os car-
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável. ros de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião? estreitas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado. para o deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos. direção dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
(Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com
03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.
com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cida-
“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- de-do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- Considere as seguintes passagens do texto:
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi cons-
a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, truída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia solar
a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção do mundo. (1º parágrafo)
contra o desemprego”. II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que fora. (3º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça som-
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. bra no outro. (3º parágrafo)
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o
c) trabalho, ter, direito, desemprego. qual” APENAS em
d) espírito, seres, nascer, livre. a) I e II.
b) II e III.
c) I, II e IV.
d) I e IV.
e) III e IV.

17
LÍNGUA PORTUGUESA

06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo – eu digo: antes de abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima,
2017 - IDHTEC pensem na força de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um
dever.
Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não (Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não
__________culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bian- chegar, 1996. Adaptado)
chi afirma que a verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos Observe as passagens:
__________ medo de falar. “Um piloto não vai dizer nada se – … e agora quer começar uma carreira médica. (2° pará-
existir uma câmera, mas quando não existem câmeras, todos grafo);
__________ até mim e me dizem. Jules Bianchi bateu com seu – … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo);
carro em um trator durante um GP, aquaplanou e não conseguiu – Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo).
__________para evitar o choque.
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilo- As expressões destacadas expressam, respectivamente,
tos-da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal- sentido de
a) lugar, modo e causa.
-de-bianchi)
b) tempo, afirmação e dúvida.
c) afirmação, afirmação e dúvida.
Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
d) tempo, modo e afirmação.
modo e pessoa corretos:
e) modo, dúvida e intensidade.
a) Tem – tem – vem - freiar
b) Tem – tiveram – vieram - frear 08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS
c) Teve – tinham – vinham – frenar
d) Teve – tem – veem – freiar A lição do fogo
e) Teve – têm – vêm – frear
1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava
07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU- serviços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar
NESP/2016) de suas atividades.
2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu
É permitido sonhar visitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem
em casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curio- fogo brilhante e acolhedor.
sas, estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por 3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin-
alguns segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou
Mas existem outras figuras capazes de chamar a atenção. quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no
Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- local indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se for-
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos mara, apenas contemplava a dança das chamas em torno das
11 anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma achas da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder
carreira médica. examinou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecio-
Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem nou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram ______ lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silen-
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar cioso e imóvel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos e quieto. Aos poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até
meus filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infân- que houve um brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e
cia”.
luz agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de car-
Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o
vão recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzen-
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que
tada. Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais
cumprimento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se
que passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil,
são maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a colocando-o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamen-
quantidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vesti- te ele tornou a incandescer, alimentado pela luz e calor dos car-
bulando Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os vões ardentes em torno dele. Quando o líder alcançou a porta
anos, ou meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes para partir, seu anfitrião disse:
terão em si a carga afetiva de uma existência inteira. 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia voltando ao convívio do grupo.
que li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de to-
não teria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de dos os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
novo. E aí de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacu-
exame trazem desilusão para muitos jovens, e não são poucos nas do texto:
os que pensam em desistir por causa de um fracasso. A estes a) a – ao – por.

18
LÍNGUA PORTUGUESA

b) da – para o – de. RESPOSTAS


c) à – no – a.
d) a – de – em. 01 E
09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE 02 E
03 A
Crônica da cidade do Rio de Janeiro
04 C
No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o 05 B
Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne- 06 E
tos dos escravos encontram amparo.
Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando 07 B
seu fulgor, diz, muito tristemente: 08 B
- Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar 09 B
Ele daí.
- Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se pre- 10 C
ocupe: Ele volta.
A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos. CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL.
Cristo sozinho não basta.
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
L&PM Pocket, 2009.) Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância
à circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de
Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata a acordo com o substantivo a que se refere (concordância nomi-
economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as ora- nal) e à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com
ções, o seu sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que
a) uma relação de adição. existem dúvidas.
b) uma relação de oposição.
c) uma relação de conclusão. Concordância Nominal
d) uma relação de explicação.
e) uma relação de consequência. O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome
adjetivo) concordam em gênero e número com o nome a que
10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016) se referem.

A fome/2 Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um


adjetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gêne-
Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O ro e número com o substantivo.
próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma Amava suco gelado e doce.
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
de abraços. substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
L&PM Pocket, 2009, p. 81.) - Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
deve concordar com o substantivo mais próximo.
No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, Lindo pai e filho.
a relação de
a) conclusão. - Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjeti-
b) adversidade. vo deve concordar com o substantivo mais próximo ou também
c) adição. com todos os substantivos.
d) explicação.
e) alternância. Comida e bebida perfeita.
Comida e bebida perfeitas.

- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que


têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo.
Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.

19
LÍNGUA PORTUGUESA

Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem: - Concordância verbal com a partícula de indeterminação
Há bastantes motivos para não gostar dele. do sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o
Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba- verbo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular:
rato, caro, meio, longe, etc. Precisa-se de vendedor.
- Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras Precisa-se de vendedores.
adjetivas, e devem concordar com o nome a que se referem.
- Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
Seguem anexas as avaliações. de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
Seguem anexos os conteúdos. se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural:
Muito obrigado, disse ele.
Muito obrigada, disse ela. A maioria dos meninos vai…
A maior parte dos meninos vai…
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite, A maioria dos meninos vão…
leso, mesmo e próprio. A maior parte dos meninos vão…

Concordância Verbal - Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo


concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é Fui eu que contei o segredo.
feita em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª Foi ele que contou o segredo.
pessoa). Fomos nós que contamos o segredo.

Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e - Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
vem antes do verbo que deve estar sempre no plural. concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem
ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular:
João e Paulo conversaram pelo telefone.
Fui eu quem contei o segredo.
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem Fomos nós quem contamos o segredo
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concor- Fui eu quem contou o segredo.
dar com o sujeito mais próximo. Fomos nós quem contou o segredo.

Brincaram Pedro e Vítor. - Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é


Brincou Pedro e Vítor. flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
segunda oração é diferente da primeira:
Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su-
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa
que, a nível gramatical, tem prioridade. - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu, não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposicio-
vós) e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles). nados:

Nós, vós e eles vamos à igreja. Foram impedidos de entender a razão.

Casos específicos de concordância verbal - Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
número é estabelecida com o predicativo do sujeito:
- Concordância verbal com verbos impessoais: como não
apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do Isto é verdade!
singular: Isto são verdades!
Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando
tempo decorrido) - Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
na 3.ª pessoa do plural:
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o
objeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo Um dos que foram…
estabelece concordância em número com o objeto direto: Um dos que podem…

Vende-se ovo.
Vendem-se ovos.

20
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES 05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP

01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL Fora do jogo


A alternativa que está coerente com as regras da concor-
dância nominal é: Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo
A) Ternos marrons-claros. se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga-
B) Tratados lusos-brasileiros. mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais
C) Aulas teórico-práticas. lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências ne-
D) Sapatos azul-marinhos. gativas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam
E) Camisas verdes-escuras. ser duradouras.
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da
02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016 Associação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empre-
- FAFIPA
sas do setor de crédito e financiamento.
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concor-
Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
dância nominal.
sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina
em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
e a espanhola.
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia. dois meses.
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
só. consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de em-
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. prego, que tem forte correlação com a capacidade de pagamen-
to das famílias.
03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem
A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al- a perder investimentos em treinamento e incorrer em custos
ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a trabalhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém,
norma padrão da Língua Portuguesa: jogaram a toalha.
O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imedia-
A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa to. O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira. também enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos,
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus pois não possui carteira de trabalho assinada.
objetivos. Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais dis- às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
tante o alvo, maior a dedicação. década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao
D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que mercado de trabalho e a alta do desemprego.
se quer. (Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado)

04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administra- Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.
tiva – 2017 - FCC A) A mudança de direção da economia fazem com que se
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar: altere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo.
A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.
tratar de expressão partitiva.
C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”,
ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é
cionários.
“cerca”.
D) São as dívidas que faz com que grande número dos con-
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar sumidores não estejam em dia com suas obrigações.
no singular, uma vez que é impessoal. E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Cré-
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- dito mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a novos créditos.
porcentagem é o núcleo do segmento nominal.
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o mu- 06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
seu”, o verbo encontra-se no plural por concordar com “pesso- Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
as”, ainda que pudesse, no singular, concordar com “maioria”. corretamente flexionados quanto à concordância verbal
A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recen-
temente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes
sem cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem ima-
gens de pessoas fumando deveria receber classificação indicati-
va para adultos.

21
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis pa- [a] - certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta
íses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo [a] - contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso
alemães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fuman- [de, por] descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a]
do em filmes classificados para menores de 18 anos. - diferente [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de]
C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona” - dúvida [acerca de, em, sobre] – entendido [em] – essencial
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensa- [para] – fácil [a, de, para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] -
gens subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas feliz [de, com, em, por] - grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico
em diversos países passou a restringir a publicidade do tabaco. [a] - impaciência [com] – incapaz [de, para] –influência [sobre]
D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de - insensível [a] - intolerante [com] - junto [a, de] - leal [a] - lento
fumo em filmes para jovens. [em] – liberal [com] - maior [de] – manifestação [contra] - medo
E) Os especialistas da organização citam estudos que mos- [de, a] – menor [de] –morador [em] - natural [de] - necessário
tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois [a] - obediente [a] - ódio [a, contra] - orgulhoso [de, com] - pai-
de ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes. xão [de, por] – parecido [a, com] - referência [a, por] –propício
[a] - próximo [a, de] - pronto [para, em] - propensão [para] - re-
RESPOSTAS lação [a, com, de, por, para com] - relacionado [com] - rente [a,
de, com] - responsável [por] - rico [de, em] –satisfeito [com, de,
em, por] - semelhante [a] - suspeito [a, de] - tentativa [contra,
01 C
de, para, para com] –único [em] - vazio [de]– visível [a] - vizinho
02 D [a, de, com] – zelo [a, de, por].
03 A
Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: lon-
04 E ge [de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios
05 C terminados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposi-
06 C ção dos adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com].
Relativo [a]; relativamente [a]

Regência Verbal
REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL. É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos
e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em esta- indireto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
belecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, podem ser:
que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam cor- - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para
retas e claras. que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos;
Transitivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
Regência Nominal - Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que pre-
cisam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para da-
Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos, rem um sentido completo para a frase.
e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar
de um complemento (complemento nominal) para completar Exemplos de regência verbal não preposicionada
seu sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Leu o jornal.
Expedito (compl. Nominal). Comeu o chocolate.
Bebeu o vinho.
O substantivo devoto rege um complemento nominal pre- Ouviu a música.
cedido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular Estudou a matéria.
entre o nome e complemento, está sempre marcada por uma Fez o jantar
preposição.
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Exemplos de regência verbal preposicionada
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Procedeu à leitura do livro.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Pagou ao fornecedor.
Desobedeceu aos mandamentos.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] - Apoiou-se na mesa.
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Apaixonou-se por sua melhor amiga.
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para, Meditou sobre a possibilidade.
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a,
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a]
– bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego

22
LÍNGUA PORTUGUESA

Quando a regência verbal é feita através de uma prepo- No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso
sição, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre. gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.
agradar a;
obedecer a; Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a”
assistir a; introduz um adjunto e não um complemento.
visar a; A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc.
lembrar-se de; B) É preciso passar o Brasil a limpo.
simpatizar com; C) Um memorando serve não para informar a quem o lê,
comparecer em; mas para proteger quem o escreve.
convocar para; D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que
trocar por; o carregue.
alertar sobre. E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para
promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa.
QUESTÕES 03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-
PESE
01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO
A linguagem poética
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para ver- Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
bos com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
de transgressão não ocorre. a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos,
toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi) líricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oral-
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com es- mente, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas
ou de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente re-
ses conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa)
petição de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a me-
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é
morização. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o
um brasileiro.
discurso, meio que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia con-
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela
temporânea é rimada, mas raramente versificada. Na verdade
aspira.
o valor poético do verso decorre de suas relações com o ritmo,
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que
com a sintaxe, com as sonoridades, com o sentido das palavras.
simultaneamente.
O poema é um todo.
(…)
02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
- FGV exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir
verdadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças
Relatórios poéticas”.
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, uma indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros,
são lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação em desuso ou novos; seja criando novas palavras.
de que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como lei- Tais liberdades aparecem mais particularmente na utiliza-
tores preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores. ção de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem fabricação das comparações poéticas, observa que a linguagem
pressupor que compartilham com seus leitores um conhecimen- corrente faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis”
to geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer (pertinentes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a
um texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessi- redondeza é efetivamente uma qualidade comum à terra e a
dade de apresentar informações prévias. uma laranja), ao passo que a linguagem poética fabrica compa-
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. rações inusitadas tais como: “Belo como a coisa nova/Na pra-
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em considera- teleira até então vazia” (João Cabral de Melo Neto). Ou, então
ção o fato de terem como interlocutores pessoas que se inte- estranhas como: “A terra é azul como uma laranja” (Paul Éluard).
ressam pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhe- Francis Vanoye
cimento sobre ele. No momento de elaborar o relatório, será
preciso levar esse fato em consideração e introduzir, no texto, Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
todas as informações necessárias para garantir que os leitores A) Chamaram Jean de poeta.
possam acompanhar os dados apresentados, a análise feita e a B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
conclusão decorrente dessa análise. C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de muito.
perfil bem específico”. E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro in-
fantil atrai também um leitor adulto.
Assinale a alternativa em que o período, adaptado da re- E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu-
vista Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à me de informações que nela circulam.
regência nominal e à pontuação.
A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente, RESPOSTAS
seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em 01 D
outros.
02 B
B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais 03 A
notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em 04 E
outros.
C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamen- 05 B
te seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em
outros.
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamen- COLOCAÇÃO PRONOMINAL.
te seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja
mais notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator im-
em outros. portante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de posição
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente que os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais podem ocupar na oração:
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em
outros. Próclise - o pronome é colocado antes do verbo.
Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo.
05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018 Ênclise - o pronome é colocado depois do verbo.
– FCC
Próclise
Para onde vão as palavras
- Orações negativas, que contenham palavras como: não,
Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada ninguém, nunca.
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante Não o vi ontem.
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um Nunca o tratei mal.
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a inician-
tes que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no - Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
entanto, é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada Foi ele que o disse a verdade.
e ilustrada. A imprensa, principal veículo da esfera pública no Alguns lhes custaram a vida.
século X I X assim como em boa parte do século XX, dificilmente Isso me lembra infância.
será capaz de manter sua posição no século X X I.
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da lite- - Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adver-
ratura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pes- biais, a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o
advérbio deixa de atrair o pronome.
simistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o
Ontem me fizeram uma proposta.
livro impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas
Agora, esqueça-se.
exceções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos com-
pêndios de informação etc., os queridinhos da internet. - Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São algo aconteça.
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.) Deus nos ajude.
Espero que me dês uma boa notícia.
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte fra- - Orações com conjunções subordinativas.
se: Exemplos:
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de Embora se sentisse melhor, saiu.
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo.
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um espec-
tador, há palavras que encantam um leitor. - Verbo no gerúndio regido da preposição em.
C) Quando há num livro imagens excessivas, que (contami- Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer.
nar) um texto, as palavras saem desvalorizadas. Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.

24
LÍNGUA PORTUGUESA

- Orações interrogativas. QUESTÕES


Quando te disseram tal mentira?
Quem te ligou? 01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
PESE
Mesóclise Analise a frase abaixo:
“O professor discutiu............mesmos a respeito da desa-
É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do vença entre .........e ........ .
Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferên-
cia ao uso da Próclise. Assinale a alternativa que completa corretamente as lacu-
Encontrar-me-ei com minhas raízes. nas do texto.
Encontrar-me-ia com minhas raízes. A) com nós • eu • ti
Ênclise B) conosco • eu • tu
Usa-se a Ênclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não C) conosco • mim • ti
forem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é D) conosco • mim • tu
atraída pelas seguintes situações: E) com nós • mim • ti

- Verbo no imperativo afirmativo. 02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização


Depois de avaliar, chamem-nos. – 2016 - CETREDE
Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas! Marque a opção em que ocorre ênclise.
A) Disseram-me a verdade.
- Verbo no infinitivo impessoal. B) Não nos comunicaram o fato.
Preciso apresentar-te a minha irmã. C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
O seu pior pesadelo é casar-se. D) A moça se penteou.
E) Contar-me-ão a verdade?
- Verbo inicia a oração.
Disse-lhe a verdade sobre nosso amor. 03. MPE/RS – Agente Administrativo – 2017 - MPE-RS
Arrepiei-me com tal relato. Assinale a alternativa que preenche correta e respectiva-
mente as lacunas dos enunciados abaixo.
- Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela 1. Quanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria de-
preposição em usa-se a Próclise). verá ________ que ainda não há disponibilidade de recursos.
Vivo perguntando-me como pode ser tão falso. 2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste
Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do tipo de situação, a gravidade
fingimento. da ocorrência ________, sem dúvida.
3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles
Com Locução Verbal não ________.

Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atrain- A) informar-lhe – a justificaria – revogam-na
do o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas B) informar-lhe – justificá-la-ia – a revogam
locuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormen- C) informá-lo – justificar-lhe-ia – a revogam
te). D) informá-lo – a justificaria – lhe revogam
E) informar-lhe – justificá-la-ia – revogam-na
- Ênclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo princi-
pal nas locuções verbais em que o verbo principal está no infini- 04. IPSMI – Procurador – 2016 - VUNESP
tivo ou no gerúndio. Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a
Devo chamar-te pelo primeiro nome. conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão.
Devo-lhe chamar pelo primeiro nome. A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não
prejudicarei-os nos negócios.
- Caso não haja palavra que atraia a Próclise, Ênclise é usada B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse cala-
depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particí- do.
pio. C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que
Foi-lhe dito como deveria impedir isso. elas se contessem ao dirigir na estrada.
Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos sen-
possível. tíssemos à vontade.
E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de
que se alardeiem seus méritos.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

05. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais - Administração e Psicologia – 2016 - IESES


Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos está INCORRETA:
A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se colocar
bem na vida.
B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo e na devida forma.
C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos servos tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâneos,
onde os campos sobrecarregados de homens são incapazes de alimentá-los.
D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem nessas doenças que ele transmite!
E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a teus pais.

06. TRT – 14ª Região – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2017 - FCC

No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente
a frase O palestrante deu um conselho... É:
A) à alguns jovens que escutavam-no.
B) à estes jovens que o escutavam.
C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
E) à uma porção de jovens que o escutava.

RESPOSTAS

01 E
02 A
03 B
04 B
05 A
06 C

CRASE.

Há um caso de contração que merece destaque: A crase, que é a fusão da preposição a com o artigo definido feminino a(s), ou da
preposição a com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo, ou ainda da preposição a com um pronome
demonstrativo a(s), ou então da preposição a com o a inicial do pronome relativo a qual (as quais).
Essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente representada por um a com acento grave (à), dá-se o nome de crase. Veremos,
a seguir, as principais regras.

26
LÍNGUA PORTUGUESA

Usa-se a Crase: - Antes dos pronomes pessoais: Não diga a ela.

- Locuções prepositivas, locuções adverbiais ou locuções - Antes dos pronomes indefinidos com exceção de outra:
conjuntivas com o núcleo um substantivo feminino: à queima- Falarei isso a qualquer pessoa. Com o pronome indefinido ou-
-roupa, à noite, à força de, às vezes, às escuras, à medida que, tra(s), pode haver crase pois, às vezes, aceita o artigo definido
às pressas, à custa de, às mil maravilhas, à tarde, às onze horas, a(s): Estavam de frente umas às outras (no masculino, ficaria
etc. Não confunda a locução adverbial às vezes com a expressão “Estavam de frente uns aos outros”).
fazer as vezes de, em que não há crase porque o “as” é artigo
definido puro. - Quando o “a” estiver no singular e a palavra seguinte
estiver no plural: Contei a pessoas que perguntaram.
- Locuções que exprimem hora determinada: Ele chegou às
dez horas e vinte minutos. - Quando, antes do “a”, houver preposição: Os livros esta-
vam sob a mesa. Exceção para até por motivo de clareza: A água
- A expressão “à moda de” (ou “à maneira de”) estiver su- do rio subiu até à Prefeitura da cidade. (= a água chegou perto
bentendida: Mesmo que a palavra subsequente for masculina da Prefeitura); se não houvesse o sinal da crase, o sentido ficaria
há crase: Ele é um galã à Don Juan. ambíguo: a água chegou até a Prefeitura (= inundou inclusive a
Prefeitura).
- As expressões “rua”, “loja”, “estação de rádio”, etc. es-
tiverem subentendidas: Virou sentido à Higienópolis (= Virou - Com expressões repetitivas: Secamos a casa gota a gota.
sentido à Rua Higienópolis); Fomos à Pernambucanas (fomos à
loja Pernambucanas). - Com expressões tomadas de maneira indeterminada:
- É implícita uma palavra feminina: Esta fruta é semelhante Prefiro jiló a injeção (no masc. = prefiro jiló a remédio).
à uva (= à fruta).
- Antes de pronome interrogativo, não ocorre crase: A qual
- Pronome substantivo possessivo feminino no singular ou autoridade irá se dirigir?
plural: Aquela casa é semelhante à nossa. O acento indicativo de
crase é obrigatório porque, no masculino, ficaria assim: Aquele - Na expressão valer a pena (no sentido de valer o sacrifí-
carro é semelhante ao nosso (preposição + artigo definido). cio, o esforço), não ocorre crase, pois o “a” é artigo definido:
Não sei se este trabalho vale a pena.
- Não confundir devido com dado (a, os, as): a expressão
pede preposição “a”, tendo crase antes de palavra feminina de- Crase Facultativa:
terminada pelo artigo definido. Devido à chuva de ontem, os
trabalhos foram cancelados (= devido ao temporal de ontem, - Antes de nomes próprios femininos: Dei os parabéns à
os trabalhos...); Já a outra expressão não aceita preposição “a” Cida; Dei os parabéns a Cida. Antes de um nome de pessoa, po-
(o “a” que aparece é artigo definido, não se usa, crase): Dada de-se ou não usar o artigo “a” (“A Camila é uma boa amiga”. Ou
a resposta sobre o acidente (= dado o esclarecimento sobre...). “Camila é uma boa amiga”). Sendo assim, mesmo que a prepo-
sição esteja presente, a crase é facultativa.
Fora os casos anteriores, deve-se substituir a palavra femi-
nina por outra masculina da mesma função sintática. Caso use - Antes de pronome adjetivo possessivo feminino singular:
“ao” no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se ocorrer Pediu permissão à minha esposa; Pediu permissão a minha es-
“a” ou “o” no masculino, não haverá crase no “a” do feminino. posa. Mesma explicação é idêntica à do item anterior. Portanto,
mesmo com a presença da preposição, a crase é facultativa.
Não se usa Crase:
- Nomes de localidades: há as que admitem artigo antes e
- Antes de palavra masculina: Chegou a tempo; Vende-se as que não o admitem. Para se saber se o nome de uma localida-
a prazo. de aceita artigo, substitua o verbo da frase pelos verbos estar ou
vir. Se ocorrer a combinação “na” com o verbo estar ou “da” com
- Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou a ter o verbo vir, haverá crase com o “a” da frase original. Se ocorrer
alucinações. “em” ou “de”, não haverá crase: Quero conhecer à Europa (estou
na Europa; vim da Europa); O avião dirigia-se a São Paulo (estou
- Antes de artigo indefinido: Nos dirigimos a um caixa. em São Paulo; vim de São Paulo).

- Antes de expressão de tratamento introduzida pelos pro-


nomes possessivos Vossa ou Sua ou a expressão Você: Envia-
ram convites a Vossa Senhoria; Encontraremos a Sua Majestade;
Ele queria perguntar a você.

- Antes dos pronomes demonstrativos esta e essa: Me refi-


ro a esta menina; A família não deu ouvidos a essa fofoca.

27
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES 05. Pref. De Criciúma/SC – Engenheiro Civil – 2016 - FEPESE


Analise as frases quanto ao uso correto da crase.
01. PC-MG - Escrivão de Polícia Civil – 2018 - FUMARC 1. O seu talento só era comparável à sua bondade.
Ocorre crase quando há a fusão da preposição “a” com o 2. Não pôde comparecer à cerimônia de posse na Prefei-
artigo definido feminino “a” ou entre a preposição “a” e o pro- tura.
nome demonstrativo “aquele” (e variações). 3. Quem se vir em apuros, deve recorrer à coordenação lo-
cal de provas.
INDIQUE a alternativa que apresenta uso FACULTATIVO da 4. Dia a dia, vou vencendo às batalhas que a vida me apre-
crase. senta.
A) Solicitamos a devolução dos documentos enviados à em- 5. Daqui à meia hora, chegarei a estação; peça para me
presa. aguardarem.
B) O promotor se dirigiu às pessoas presentes no tribunal.
C) O pai entregou àquele advogado a prova exigida pelo juiz. A) São corretas apenas as frases 1 e 4.
D) Irei à minha sala para buscar o projeto de consultoria. B) São corretas apenas as frases 3 e 4.
C) São corretas apenas as frases 1, 2 e 3.
02. Pref. de Itaquitinga/PE – Assistente Administrativo – D) São corretas apenas as frases 2, 3 e 4.
2016 - IDHTEC E) São corretas apenas as frases 2, 4 e 5.
Em qual dos trechos abaixo o emprego do acento grave foi
omitido quando houve ocorrência de crase? RESPOSTAS
A) “O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco decidiu
suspender a paralisação que faria a partir das 16h desta quar- 01 D
ta-feira.”
B) “Pela manhã, em nota, a categoria informou que cruza- 02 B
ria os braços só retornando às atividades normais as 5h desta 03 Certo
quinta-feira.”
04 B
C) “Nesta quarta-feira, às 21h, acontece o “clássico das mul-
tidões” entre Sport e Santa Cruz, no Estádio do Arruda.” 05 C
D) “Após a ameaça de greve, o sindicato foi procurado pela
CBTU e pela PM que prometeram um reforço no esquema de
segurança.”
E) “A categoria se queixa de casos de agressões, vandalismo REDAÇÃO DE CORRESPONDÊNCIAS OFICIAIS.
e depredações e da falta de segurança nas estações.”

03. MPE/SC – Promotor de Justiça – 2016 - MPE/SC 1. O que é Redação Oficial1


Em relação ao emprego do sinal de crase, estão corretas as Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a maneira
frases: pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunica-
a) Solicito a Vossa Excelência o exame do presente docu- ções. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executi-
mento. vo. A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade,
b) A redação do contrato compete à Diretoria de Orçamento uso do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalida-
e Finanças. de e uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decor-
( ) Certo ( ) Errado rem da Constituição, que dispõe, no artigo 37: “A administração
pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Pode-
04. TRF-3ª Região – Técnico Judiciário – Informática – 2016 res da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
- FCC obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, mo-
O sinal indicativo de crase está empregado corretamente ralidade, publicidade e eficiência (...)”. Sendo a publicidade e a
em: impessoalidade princípios fundamentais de toda administração
A) Não era uma felicidade eufórica, semelhava-se mais à pública, claro está que devem igualmente nortear a elaboração
uma brisa de contentamento. dos atos e comunicações oficiais. Não se concebe que um ato
B) O vinho certamente me induziu àquela súbita vontade de normativo de qualquer natureza seja redigido de forma obscura,
abraçar uma árvore gigante. que dificulte ou impossibilite sua compreensão. A transparência
C) Antes do fim da manhã, dediquei-me à escrever tudo o do sentido dos atos normativos, bem como sua inteligibilidade,
que me propusera para o dia. são requisitos do próprio Estado de Direito: é inaceitável que
D) A paineira sobreviverá a todas às 18 milhões de pessoas um texto legal não seja entendido pelos cidadãos. A publicida-
que hoje vivem em São Paulo. de implica, pois, necessariamente, clareza e concisão. Além de
E) Acho importante esclarecer que não sou afeito à essa tra- atender à disposição constitucional, a forma dos atos normati-
dição de se abraçar árvore. vos obedece a certa tradição. Há normas para sua elaboração
que remontam ao período de nossa história imperial, como, por
exemplo, a obrigatoriedade – estabelecida por decreto imperial
1 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm

28
LÍNGUA PORTUGUESA

de 10 de dezembro de 1822 – de que se aponha, ao final desses jável padronização, que permite que comunicações elaboradas
atos, o número de anos transcorridos desde a Independência. em diferentes setores da Administração guardem entre si certa
Essa prática foi mantida no período republicano. Esses mesmos uniformidade;
princípios (impessoalidade, clareza, uniformidade, concisão e b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com
uso de linguagem formal) aplicam-se às comunicações oficiais: duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre
elas devem sempre permitir uma única interpretação e ser es- concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois ca-
tritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de cer- sos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e
to nível de linguagem. Nesse quadro, fica claro também que as impessoal;
comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o uni-
sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor verso temático das comunicações oficiais se restringe a questões
dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe
de expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto qualquer tom particular ou pessoal. Desta forma, não há lugar
dos cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por
público). exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo
Outros procedimentos rotineiros na redação de comunica- assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação
ções oficiais foram incorporados ao longo do tempo, como as oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que
formas de tratamento e de cortesia, certos clichês de redação, a elabora. A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade
a estrutura dos expedientes, etc. Mencione-se, por exemplo, a de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais con-
fixação dos fechos para comunicações oficiais, regulados pela tribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impesso-
Portaria no 1 do Ministro de Estado da Justiça, de 8 de julho de alidade.
1937, que, após mais de meio século de vigência, foi revoga-
do pelo Decreto que aprovou a primeira edição deste Manual. 1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais
Acrescente-se, por fim, que a identificação que se buscou fazer A necessidade de empregar determinado nível de lingua-
das características específicas da forma oficial de redigir não gem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do pró-
deve ensejar o entendimento de que se proponha a criação – prio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de
ou se aceite a existência – de uma forma específica de lingua- sua finalidade. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de
gem administrativa, o que coloquialmente e pejorativamente se caráter normativo, ou estabelecem regras para a conduta dos ci-
chama burocratês. Este é antes uma distorção do que deve ser dadãos, ou regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que
a redação oficial, e se caracteriza pelo abuso de expressões e só é alcançado se em sua elaboração for empregada a lingua-
clichês do jargão burocrático e de formas arcaicas de construção gem adequada. O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja
de frases. A redação oficial não é, portanto, necessariamente finalidade precípua é a de informar com clareza e objetividade.
árida e infensa à evolução da língua. É que sua finalidade básica As comunicações que partem dos órgãos públicos federais de-
– comunicar com impessoalidade e máxima clareza – impõe cer- vem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro.
tos parâmetros ao uso que se faz da língua, de maneira diversa Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem
daquele da literatura, do texto jornalístico, da correspondência restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto
particular, etc. Apresentadas essas características fundamentais marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os
da redação oficial, passemos à análise pormenorizada de cada regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua compre-
uma delas. ensão dificultada. Ressalte-se que há necessariamente uma dis-
tância entre a língua falada e a escrita. Aquela é extremamente
1.1. A Impessoalidade dinâmica, reflete de forma imediata qualquer alteração de cos-
A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela tumes, e pode eventualmente contar com outros elementos que
escrita. Para que haja comunicação, são necessários: auxiliem a sua compreensão, como os gestos, a entoação, etc.
a) alguém que comunique, Para mencionar apenas alguns dos fatores responsáveis por essa
b) algo a ser comunicado, e distância. Já a língua escrita incorpora mais lentamente as trans-
c) alguém que receba essa comunicação. formações, tem maior vocação para a permanência, e vale-se
apenas de si mesma para comunicar. A língua escrita, como a
No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o falada, compreende diferentes níveis, de acordo com o uso que
Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departa- dela se faça. Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos
mento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre nos valer de determinado padrão de linguagem que incorpore
algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o expressões extremamente pessoais ou coloquiais; em um pare-
destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cer jurídico, não se há de estranhar a presença do vocabulário
cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros técnico correspondente. Nos dois casos, há um padrão de lin-
Poderes da União. Percebe-se, assim, que o tratamento impes- guagem que atende ao uso que se faz da língua, a finalidade com
soal que deve ser dado aos assuntos que constam das comuni- que a empregamos. O mesmo ocorre com os textos oficiais: por
cações oficiais decorre: seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o má-
a) da ausência de impressões individuais de quem comuni- ximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto
ca: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado da língua. Há consenso de que o padrão culto é aquele em que
por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço a) se observam as regras da gramática formal, e b) se emprega
Público que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma dese- um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma. É

29
LÍNGUA PORTUGUESA

importante ressaltar que a obrigatoriedade do uso do padrão ou repetições desnecessárias de idéias. O esforço de sermos
culto na redação oficial decorre do fato de que ele está acima concisos atende, basicamente ao princípio de economia linguís-
das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos tica, à mencionada fórmula de empregar o mínimo de palavras
modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permi- para informar o máximo. Não se deve de forma alguma enten-
tindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão dê-la como economia de pensamento, isto é, não se devem eli-
por todos os cidadãos. minar passagens substanciais do texto no afã de reduzi-lo em
Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplici- tamanho. Trata-se exclusivamente de cortar palavras inúteis, re-
dade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza dundâncias, passagens que nada acrescentem ao que já foi dito.
de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica Procure perceber certa hierarquia de idéias que existe em todo
emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos texto de alguma complexidade: idéias fundamentais e idéias se-
sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária. cundárias. Estas últimas podem esclarecer o sentido daquelas,
Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “pa- detalhá-las, exemplificá-las; mas existem também idéias secun-
drão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto dárias que não acrescentam informação alguma ao texto, nem
nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência têm maior relação com as fundamentais, podendo, por isso, ser
pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa dispensadas. A clareza deve ser a qualidade básica de todo tex-
tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica, to oficial, conforme já sublinhado na introdução deste capítulo.
necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata
linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão, compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se
deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada. atinja por si só: ela depende estritamente das demais caracterís-
A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações ticas da redação oficial. Para ela concorrem:
que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpreta-
rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a ções que poderia decorrer de um tratamento personalista dado
determinada área, são de difícil entendimento por quem não es- ao texto;
teja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de en-
explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da tendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circula-
administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos. Outras ção restrita, como a gíria e o jargão;
questões sobre a linguagem, como o emprego de neologismo c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a im-
e estrangeirismo, são tratadas em detalhe em 9.3. Semântica. prescindível uniformidade dos textos;
d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lin-
1.3. Formalidade e Padronização güísticos que nada lhe acrescentam.
As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é,
obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas É pela correta observação dessas características que se re-
exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de lingua- dige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitura de
gem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento. Não todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de trechos
se trata somente da eterna dúvida quanto ao correto emprego obscuros e de erros gramaticais provém principalmente da falta
deste ou daquele pronome de tratamento para uma autoridade da releitura que torna possível sua correção. Na revisão de um
de certo nível (v. a esse respeito 2.1.3. Emprego dos Pronomes expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fácil compreen-
de Tratamento); mais do que isso, a formalidade diz respeito à são por seu destinatário. O que nos parece óbvio pode ser des-
polidez, à civilidade no próprio enfoque dado ao assunto do qual conhecido por terceiros. O domínio que adquirimos sobre certos
cuida a comunicação. A formalidade de tratamento vincula-se, assuntos em decorrência de nossa experiência profissional mui-
também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se tas vezes faz com que os tomemos como de conhecimento geral,
a administração federal é una, é natural que as comunicações o que nem sempre é verdade. Explicite, desenvolva, esclareça,
que expede sigam um mesmo padrão. O estabelecimento desse precise os termos técnicos, o significado das siglas e abreviações
padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para e os conceitos específicos que não possam ser dispensados. A
todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, revisão atenta exige, necessariamente, tempo. A pressa com
da apresentação dos textos. A clareza datilográfica, o uso de pa- que são elaboradas certas comunicações quase sempre com-
péis uniformes para o texto definitivo e a correta diagramação promete sua clareza. Não se deve proceder à redação de um
do texto são indispensáveis para a padronização. Consulte o Ca- texto que não seja seguida por sua revisão. “Não há assuntos
pítulo II, As Comunicações Oficiais, a respeito de normas especí- urgentes, há assuntos atrasados”, diz a máxima. Evite-se, pois, o
ficas para cada tipo de expediente. atraso, com sua indesejável repercussão no redigir.

1.4. Concisão e Clareza AS COMUNICAÇÕES OFICIAIS


A concisão é antes uma qualidade do que uma caracterís-
tica do texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir 2. Introdução
um máximo de informações com um mínimo de palavras. Para A redação das comunicações oficiais deve, antes de tudo,
que se redija com essa qualidade, é fundamental que se tenha, seguir os preceitos explicitados no Capítulo I, Aspectos Gerais
além de conhecimento do assunto sobre o qual se escreve, o da Redação Oficial. Além disso, há características específicas de
necessário tempo para revisar o texto depois de pronto. É nessa cada tipo de expediente, que serão tratadas em detalhe neste
releitura que muitas vezes se percebem eventuais redundâncias capítulo. Antes de passarmos à sua análise, vejamos outros as-

30
LÍNGUA PORTUGUESA

pectos comuns a quase todas as modalidades de comunicação Oficiais-Generais das Forças Armadas;
oficial: o emprego dos pronomes de tratamento, a forma dos Embaixadores;
fechos e a identificação do signatário. Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes
de cargos de natureza especial;
2.1. Pronomes de Tratamento Secretários de Estado dos Governos Estaduais;
Prefeitos Municipais.
2.1.1. Breve História dos Pronomes de Tratamento
O uso de pronomes e locuções pronominais de tratamento b) do Poder Legislativo:
tem larga tradição na língua portuguesa. De acordo com Said Ali, Deputados Federais e Senadores;
após serem incorporados ao português os pronomes latinos tu Ministro do Tribunal de Contas da União;
e vos, “como tratamento direto da pessoa ou pessoas a quem Deputados Estaduais e Distritais;
se dirigia a palavra”, passou-se a empregar, como expediente Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais;
linguístico de distinção e de respeito, a segunda pessoa do plural Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais.
no tratamento de pessoas de hierarquia superior. Prossegue o
autor: “Outro modo de tratamento indireto consistiu em fingir c) do Poder Judiciário:
que se dirigia a palavra a um atributo ou qualidade eminente da Ministros dos Tribunais Superiores;
pessoa de categoria superior, e não a ela própria. Assim apro- Membros de Tribunais;
ximavam-se os vassalos de seu rei com o tratamento de vossa Juízes;
mercê, vossa senhoria (...); assim usou-se o tratamento ducal de Auditores da Justiça Militar.
vossa excelência e adotou-se na hierarquia eclesiástica vossa re-
verência, vossa paternidade, vossa eminência, vossa santidade.” O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos
A partir do final do século XVI, esse modo de tratamento indire- Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo res-
to já estava em voga também para os ocupantes de certos car- pectivo:
gos públicos. Vossa mercê evoluiu para vosmecê, e depois para o Excelentíssimo Senhor Presidente da República,
coloquial você. E o pronome vós, com o tempo, caiu em desuso. Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
É dessa tradição que provém o atual emprego de pronomes de Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Fe-
tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos às autorida- deral.
des civis, militares e eclesiásticas.
As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Se-
2.1.2. Concordância com os Pronomes de Tratamento nhor, seguido do cargo respectivo:
Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indi- Senhor Senador,
reta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância Senhor Juiz,
verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pes- Senhor Ministro,
soa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige Senhor Governador,
a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É
que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas
como seu núcleo sintático: “Vossa Senhoria nomeará o substi- às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte
tuto”; “Vossa Excelência conhece o assunto”. Da mesma forma, forma:
os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento
são sempre os da terceira pessoa: “Vossa Senhoria nomeará seu A Sua Excelência o Senhor
substituto” (e não “Vossa... vosso...”). Já quanto aos adjetivos Fulano de Tal
referidos a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir Ministro de Estado da Justiça
com o sexo da pessoa a que se refere, e não com o substantivo 70.064-900 – Brasília. DF
que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for homem,
o correto é “Vossa Excelência está atarefado”, “Vossa Senhoria A Sua Excelência o Senhor
deve estar satisfeito”; se for mulher, “Vossa Excelência está ata- Senador Fulano de Tal
refada”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeita”. Senado Federal
70.165-900 – Brasília. DF
2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento
Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obe- A Sua Excelência o Senhor
dece a secular tradição. São de uso consagrado: Fulano de Tal
Vossa Excelência, para as seguintes autoridades: Juiz de Direito da 10a Vara Cível
Rua ABC, no 123
a) do Poder Executivo; 01.010-000 – São Paulo. SP
Presidente da República;
Vice-Presidente da República; Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento
Ministros de Estado; digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dig-
Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito nidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público,
Federal; sendo desnecessária sua repetida evocação.

31
LÍNGUA PORTUGUESA

Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da
para particulares. O vocativo adequado é: República:
Senhor Fulano de Tal, Respeitosamente,
(...) b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia
inferior:
No envelope, deve constar do endereçamento: Atenciosamente,
Ao Senhor
Fulano de Tal Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas
Rua ABC, nº 123 a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição pró-
70.123 – Curitiba. PR prios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Mi-
nistério das Relações Exteriores.
Como se depreende do exemplo acima fica dispensado o
2.3. Identificação do Signatário
emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que re-
Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da Re-
cebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É su-
pública, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o
ficiente o uso do pronome de tratamento Senhor. Acrescente-se
nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local
que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico.
de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-
-o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal (espaço para assinatura)
grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É NOME
costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República
bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o trata- (espaço para assinatura)
mento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações. NOME
Mencionemos, ainda, a forma Vossa Magnificência, empregada Ministro de Estado da Justiça
por força da tradição, em comunicações dirigidas a reitores de
universidade. Corresponde-lhe o vocativo: Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatu-
ra em página isolada do expediente. Transfira para essa página
Magnífico Reitor, ao menos a última frase anterior ao fecho.
(...)
3. O Padrão Ofício
Os pronomes de tratamento para religiosos, de acordo com Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela
a hierarquia eclesiástica, são: finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando.
Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação
Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao Papa. O vo- única, que siga o que chamamos de padrão ofício. As peculiari-
cativo correspondente é: dades de cada um serão tratadas adiante; por ora busquemos as
Santíssimo Padre, suas semelhanças.
(...)
3.1. Partes do documento no Padrão Ofício
Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima, em O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes
comunicações aos Cardeais. Corresponde-lhe o vocativo: partes:
a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou
que o expede:
Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal,
Exemplos:
(...)
Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME
Vossa Excelência Reverendíssima é usado em comunicações b) local e data em que foi assinado, por extenso, com ali-
dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Reverendíssima ou Vossa nhamento à direita:
Senhoria Reverendíssima para Monsenhores, Cônegos e supe- Exemplo:
riores religiosos. Vossa Reverência é empregado para sacerdo- 13
tes, clérigos e demais religiosos. Brasília, 15 de março de 1991.

2.2. Fechos para Comunicações c) assunto: resumo do teor do documento


O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalida- Exemplos:
de óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regu- Assunto: Necessidade de aquisição de novos computado-
lados pela Portaria nº1 do Ministério da Justiça, de 1937, que res.
estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uni-
formizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é diri-
fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação gida a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também
oficial: o endereço.

32
LÍNGUA PORTUGUESA

e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamen- e) o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de
to de documentos, o expediente deve conter a seguinte estru- distância da margem esquerda;
tura: f) o campo destinado à margem lateral esquerda terá, no
– introdução, que se confunde com o parágrafo de abertu- mínimo, 3,0 cm de largura;
ra, na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação. g) o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm;
Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”, 5 O constante neste item aplica-se também à exposição de moti-
“Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta; vos e à mensagem (v. 4. Exposição de Motivos e 5. Mensagem).
– desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o tex- h) deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas e
to contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser de 6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor de
tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à texto utilizado não comportar tal recurso, de uma linha em
exposição; branco;
– conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapre- i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinha-
sentada a posição recomendada sobre o assunto. do, letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou
Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos qualquer outra forma de formatação que afete a elegância e a
casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e sobriedade do documento;
subtítulos. j) a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em pa-
Já quando se tratar de mero encaminhamento de documen- pel branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para
tos a estrutura é a seguinte: gráficos e ilustrações;
– introdução: deve iniciar com referência ao expediente que l) todos os tipos de documentos do Padrão Ofício devem ser
solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm;
tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo m) deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de ar-
da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados quivo Rich Text nos documentos de texto;
completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou n) dentro do possível, todos os documentos elaborados de-
signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sen- vem ter o arquivo de texto preservado para consulta posterior
do encaminhado, segundo a seguinte fórmula:
ou aproveitamento de trechos para casos análogos;
“Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991,
o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem
encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990,
ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número
do Departamento Geral de Administração, que trata da requi-
do documento + palavras-chaves do conteúdo Ex.: “Of. 123 - re-
sição do servidor Fulano de Tal.” Ou “Encaminho, para exame
latório produtividade ano 2002”
e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de
fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de
3.3. Aviso e Ofício
Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas
agrícolas na região Nordeste.”
– desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fa- 3.3.1. Definição e Finalidade
zer algum comentário a respeito do documento que encaminha, Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial pra-
poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso ticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso
contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para auto-
ofício de mero encaminhamento. ridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido
para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o
f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações); tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração
Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares.
g) assinatura do autor da comunicação; e
3.3.2. Forma e Estrutura
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do Sig- Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do pa-
natário). drão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatá-
rio (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.
3.2. Forma de diagramação Exemplos:
Os documentos do Padrão Ofício5 devem obedecer à se- Excelentíssimo Senhor Presidente da República
guinte forma de apresentação: Senhora Ministra
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de Senhor Chefe de Gabinete
corpo 12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as se-
rodapé; guintes informações do remetente:
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman – nome do órgão ou setor;
poder-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings; – endereço postal;
c) é obrigatória constar a partir da segunda página o núme- – telefone e endereço de correio eletrônico.
ro da página;
d) os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser im-
pressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens es-
querda e direta terão as distâncias invertidas nas páginas pares
(“margem espelho”);

33
LÍNGUA PORTUGUESA

3.4. Memorando sigam também a estrutura do padrão ofício –, além de outros


comentários julgados pertinentes por seu autor, devem, obriga-
3.4.1. Definição e Finalidade toriamente, apontar:
O memorando é a modalidade de comunicação entre uni- a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção
dades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar da medida ou do ato normativo proposto;
hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Tra- b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou
ta-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente aquele ato normativo o ideal para se solucionar o problema, e
interna. Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser em- eventuais alternativas existentes para equacioná-lo;
pregado para a exposição de projetos, ideias, diretrizes, etc. a c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada,
serem adotados por determinado setor do serviço público. Sua ou qual ato normativo deve ser editado para solucionar o pro-
característica principal é a agilidade. A tramitação do memoran- blema.
do em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela sim- Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à expo-
plicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desneces- sição de motivos, devidamente preenchido, de acordo com o
sário aumento do número de comunicações, os despachos ao seguinte modelo previsto no Anexo II do Decreto no 4.176, de
memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso 28 de março de 2002.
de falta de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento Anexo à Exposição de Motivos do (indicar nome do Ministé-
permite formar uma espécie de processo simplificado, assegu- rio ou órgão equivalente) nº de 200.
rando maior transparência à tomada de decisões, e permitindo
que se historie o andamento da matéria tratada no memorando. 1. Síntese do problema ou da situação que reclama provi-
dências
3.4.2. Forma e Estrutura 2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na
Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do pa- medida proposta
drão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser 3. Alternativas existentes às medidas propostas
mencionado pelo cargo que ocupa. Mencionar:
Exemplos:
- se há outro projeto do Executivo sobre a matéria;
Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Sub-
- se há projetos sobre a matéria no Legislativo;
chefe para Assuntos Jurídicos
- outras possibilidades de resolução do problema.
4. Exposição de Motivos
4. Custos
Mencionar:
4.1. Definição e Finalidade
- se a despesa decorrente da medida está prevista na lei or-
Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente
çamentária anual; se não, quais as alternativas para custeá-la;
da República ou ao Vice-Presidente para:
a) informá-lo de determinado assunto; - se é o caso de solicitar-se abertura de crédito extraordiná-
b) propor alguma medida; ou rio, especial ou suplementar;
c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo. - valor a ser despendido em moeda corrente;
Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente
da República por um Ministro de Estado. 5. Razões que justificam a urgência (a ser preenchido so-
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um mente se o ato proposto for medida provisória ou projeto de lei
Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por to- que deva tramitar em regime de urgência)
dos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de Mencionar:
interministerial. - se o problema configura calamidade pública;
- por que é indispensável a vigência imediata;
4.2. Forma e Estrutura - se se trata de problema cuja causa ou agravamento não
Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação tenham sido previstos;
do padrão ofício (v. 3. O Padrão Ofício). O anexo que acompanha - se se trata de desenvolvimento extraordinário de situação
a exposição de motivos que proponha alguma medida ou apre- já prevista.
sente projeto de ato normativo, segue o modelo descrito adian-
te. A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apre- 6. Impacto sobre o meio ambiente (sempre que o ato ou
senta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que medida proposta possa vir a tê-lo)
tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que 7. Alterações propostas
proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo. Texto atual Texto proposto
No primeiro caso, o da exposição de motivos que simples- 8. Síntese do parecer do órgão jurídico
mente leva algum assunto ao conhecimento do Presidente da Com base em avaliação do ato normativo ou da medida pro-
República, sua estrutura segue o modelo antes referido para o posta à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
padrão ofício. A falta ou insuficiência das informações prestadas pode
Já a exposição de motivos que submeta à consideração do acarretar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa
Presidente da República a sugestão de alguma medida a ser ado- Civil, a devolução do projeto de ato normativo para que se com-
tada ou a que lhe apresente projeto de ato normativo – embora plete o exame ou se reformule a proposta. O preenchimento

34
LÍNGUA PORTUGUESA

obrigatório do anexo para as exposições de motivos que propo- a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, comple-
nham a adoção de alguma medida ou a edição de ato normativo mentar ou financeira. Os projetos de lei ordinária ou comple-
tem como finalidade: mentar são enviados em regime normal (Constituição, art. 61)
a) permitir a adequada reflexão sobre o problema que se ou de urgência (Constituição, art. 64, §§ 1o a 4o). Cabe lembrar
busca resolver; que o projeto pode ser encaminhado sob o regime normal e
b) ensejar mais profunda avaliação das diversas causas do mais tarde ser objeto de nova mensagem, com solicitação de
problema e dos efeitos que pode ter a adoção da medida ou a urgência. Em ambos os casos, a mensagem se dirige aos Mem-
edição do ato, em consonância com as questões que devem ser bros do Congresso Nacional, mas é encaminhada com aviso do
analisadas na elaboração de proposições normativas no âmbito Chefe da Casa Civil da Presidência da República ao Primeiro Se-
do Poder Executivo (v. 10.4.3.). cretário da Câmara dos Deputados, para que tenha início sua
c) conferir perfeita transparência aos atos propostos. tramitação (Constituição, art. 64, caput). Quanto aos projetos
Dessa forma, ao atender às questões que devem ser ana- de lei financeira (que compreendem plano plurianual, diretri-
lisadas na elaboração de atos normativos no âmbito do Poder zes orçamentárias, orçamentos anuais e créditos adicionais), as
Executivo, o texto da exposição de motivos e seu anexo comple- mensagens de encaminhamento dirigem-se aos Membros do
mentam-se e formam um todo coeso: no anexo, encontramos Congresso Nacional, e os respectivos avisos são endereçados ao
uma avaliação profunda e direta de toda a situação que está a Primeiro Secretário do Senado Federal. A razão é que o art. 166
reclamar a adoção de certa providência ou a edição de um ato da Constituição impõe a deliberação congressual sobre as leis fi-
normativo; o problema a ser enfrentado e suas causas; a solu- nanceiras em sessão conjunta, mais precisamente, “na forma do
ção que se propõe, seus efeitos e seus custos; e as alternativas regimento comum”. E à frente da Mesa do Congresso Nacional
existentes. O texto da exposição de motivos fica, assim, reser- está o Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 57, § 5o),
vado à demonstração da necessidade da providência proposta: que comanda as sessões conjuntas. As mensagens aqui tratadas
por que deve ser adotada e como resolverá o problema. Nos coroam o processo desenvolvido no âmbito do Poder Executivo,
casos em que o ato proposto for questão de pessoal (nomea- que abrange minucioso exame técnico, jurídico e econômico-fi-
ção, promoção, ascensão, transferência, readaptação, reversão, nanceiro das matérias objeto das proposições por elas encami-
aproveitamento, reintegração, recondução, remoção, exonera-
nhadas. Tais exames materializam-se em pareceres dos diversos
ção, demissão, dispensa, disponibilidade, aposentadoria), não é
órgãos interessados no assunto das proposições, entre eles o
necessário o encaminhamento do formulário de anexo à expo-
da Advocacia-Geral da União. Mas, na origem das propostas, as
sição de motivos.
análises necessárias constam da exposição de motivos do órgão
Ressalte-se que:
onde se geraram (v. 3.1. Exposição de Motivos) – exposição que
– a síntese do parecer do órgão de assessoramento jurídico
acompanhará, por cópia, a mensagem de encaminhamento ao
não dispensa o encaminhamento do parecer completo;
Congresso.
– o tamanho dos campos do anexo à exposição de motivos
pode ser alterado de acordo com a maior ou menor extensão b) encaminhamento de medida provisória.
dos comentários a serem ali incluídos. Para dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constitui-
ção, o Presidente da República encaminha mensagem ao Con-
Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha presente gresso, dirigida a seus membros, com aviso para o Primeiro
que a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza, Secretário do Senado Federal, juntando cópia da medida provi-
concisão, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do sória, autenticada pela Coordenação de Documentação da Pre-
padrão culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de sidência da República.
motivos é a principal modalidade de comunicação dirigida ao c) indicação de autoridades.
Presidente da República pelos Ministros. Além disso, pode, em As mensagens que submetem ao Senado Federal a indica-
certos casos, ser encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou ção de pessoas para ocuparem determinados cargos (magistra-
ao Poder Judiciário ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da dos dos Tribunais Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e
União, no todo ou em parte. Diretores do Banco Central, Procurador-Geral da República,
Chefes de Missão Diplomática, etc.) têm em vista que a Cons-
5. Mensagem tituição, no seu art. 52, incisos III e IV, atribui àquela Casa do
Congresso Nacional competência privativa para aprovar a indi-
5.1. Definição e Finalidade cação. O curriculum vitae do indicado, devidamente assinado,
É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos acompanha a mensagem.
Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo d) pedido de autorização para o Presidente ou o Vice-Presi-
Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar so- dente da República se ausentarem do País por mais de 15 dias.
bre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por Trata-se de exigência constitucional (Constituição, art. 49, III, e
ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congres- 83), e a autorização é da competência privativa do Congresso
so Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Ca- Nacional. O Presidente da República, tradicionalmente, por cor-
sas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tesia, quando a ausência é por prazo inferior a 15 dias, faz uma
tudo quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação. comunicação a cada Casa do Congresso, enviando-lhes mensa-
Minuta de mensagem pode ser encaminhada pelos Ministérios gens idênticas.
à Presidência da República, a cujas assessorias caberá a redação e) encaminhamento de atos de concessão e renovação de
final. As mensagens mais usuais do Poder Executivo ao Congres- concessão de emissoras de rádio e TV. A obrigação de submeter
so Nacional têm as seguintes finalidades: tais atos à apreciação do Congresso Nacional consta no inciso

35
LÍNGUA PORTUGUESA

XII do artigo 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos le- – justificativa para decretação do estado de defesa ou de
gais a outorga ou renovação da concessão após deliberação do sua prorrogação (Constituição, art. 136, § 4o);
Congresso Nacional (Constituição, art. 223, § 3o). Descabe pe- – pedido de autorização para decretar o estado de sítio
dir na mensagem a urgência prevista no art. 64 da Constituição, (Constituição, art. 137);
porquanto o § 1o do art. 223 já define o prazo da tramitação. – relato das medidas praticadas na vigência do estado de
Além do ato de outorga ou renovação, acompanha a mensagem sítio ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo único);
o correspondente processo administrativo. – proposta de modificação de projetos de leis financeiras
f) encaminhamento das contas referentes ao exercício an- (Constituição, art. 166, § 5o);
terior. O Presidente da República tem o prazo de sessenta dias – pedido de autorização para utilizar recursos que ficarem
após a abertura da sessão legislativa para enviar ao Congresso sem despesas correspondentes, em decorrência de veto, emen-
Nacional as contas referentes ao exercício anterior (Constitui- da ou rejeição do projeto de lei orçamentária anual (Constitui-
ção, art. 84, XXIV), para exame e parecer da Comissão Mista per- ção, art. 166, § 8o);
manente (Constituição, art. 166, § 1o), sob pena de a Câmara – pedido de autorização para alienar ou conceder terras
dos Deputados realizar a tomada de contas (Constituição, art. públicas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art. 188,
51, II), em procedimento disciplinado no art. 215 do seu Regi- § 1o); etc.
mento Interno.
g) mensagem de abertura da sessão legislativa. 5.2. Forma e Estrutura
Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a situ-
ação do País e solicitação de providências que julgar necessárias As mensagens contêm:
(Constituição, art. 84, XI). O portador da mensagem é o Chefe a) a indicação do tipo de expediente e de seu número, hori-
da Casa Civil da Presidência da República. Esta mensagem difere zontalmente, no início da margem esquerda:
das demais porque vai encadernada e é distribuída a todos os Mensagem no
Congressistas em forma de livro. b) vocativo, de acordo com o pronome de tratamento e o
h) comunicação de sanção (com restituição de autógrafos). cargo do destinatário, horizontalmente, no início da margem es-
Esta mensagem é dirigida aos Membros do Congresso Na- querda; Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal,
cional, encaminhada por Aviso ao Primeiro Secretário da Casa c) o texto, iniciando a 2 cm do vocativo;
onde se originaram os autógrafos. Nela se informa o número d) o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do texto,
que tomou a lei e se restituem dois exemplares dos três autógra- e horizontalmente fazendo coincidir seu final com a margem di-
fos recebidos, nos quais o Presidente da República terá aposto o reita.
despacho de sanção. A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presi-
i) comunicação de veto. dente da República, não traz identificação de seu signatário.
Dirigida ao Presidente do Senado Federal (Constituição, art.
66, § 1o), a mensagem informa sobre a decisão de vetar, se o 6. Telegrama
veto é parcial, quais as disposições vetadas, e as razões do veto.
Seu texto vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União (v. 6.1. Definição e Finalidade
4.2. Forma e Estrutura), ao contrário das demais mensagens, Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar os
cuja publicação se restringe à notícia do seu envio ao Poder Le- procedimentos burocráticos, passa a receber o título de telegra-
gislativo. (v. 19.6.Veto) ma toda comunicação oficial expedida por meio de telegrafia,
j) outras mensagens. telex, etc. Por tratar-se de forma de comunicação dispendiosa
Também são remetidas ao Legislativo com regular frequên- aos cofres públicos e tecnologicamente superada, deve restrin-
cia mensagens com: gir-se o uso do telegrama apenas àquelas situações que não seja
– encaminhamento de atos internacionais que acarretam possível o uso de correio eletrônico ou fax e que a urgência jus-
encargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. 49, I); tifique sua utilização e, também em razão de seu custo elevado,
– pedido de estabelecimento de alíquotas aplicáveis às ope- esta forma de comunicação deve pautar-se pela concisão (v. 1.4.
rações e prestações interestaduais e de exportação Concisão e Clareza).
(Constituição, art. 155, § 2o, IV);
– proposta de fixação de limites globais para o montante da 6.2. Forma e Estrutura
dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI); Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a estru-
– pedido de autorização para operações financeiras exter- tura dos formulários disponíveis nas agências dos Correios e em
nas (Constituição, art. 52, V); e outros. seu sítio na Internet.
Entre as mensagens menos comuns estão as de:
– convocação extraordinária do Congresso Nacional (Cons- 7. Fax
tituição, art. 57, § 6o);
– pedido de autorização para exonerar o Procurador-Geral 7.1. Definição e Finalidade
da República (art. 52, XI, e 128, § 2o); O fax (forma abreviada já consagrada de fac-simile) é uma
– pedido de autorização para declarar guerra e decretar mo- forma de comunicação que está sendo menos usada devido ao
bilização nacional (Constituição, art. 84, XIX); desenvolvimento da Internet. É utilizado para a transmissão de
– pedido de autorização ou referendo para celebrar a paz mensagens urgentes e para o envio antecipado de documentos,
(Constituição, art. 84, XX); de cujo conhecimento há premência, quando não há condições

36
LÍNGUA PORTUGUESA

de envio do documento por meio eletrônico. Quando necessá-


diferentes, Carvalho voltou para o Acre.
rio o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de
praxe. Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia A taquigrafia parecia ser a vocação da
xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos mo- 10 professora. De volta ao estado, Carvalho foi
delos, se deteriora rapidamente.
aprovada em um processo seletivo e voltou a
7.2. Forma e Estrutura compor o grupo de taquíagrafos da Câmara. Anos
depois, aprovada em um concurso público,
Os documentos enviados por fax mantêm a forma e a estru-
Carvalho passou a fazer parte da Assembleia
tura que lhes são inerentes. É conveniente o envio, juntamente
com o documento principal, de folha de rosto, i. é., de pequeno 15 Legislativa do Acre, onde se aposentou como
formulário com os dados de identificação da mensagem a ser taquígrafa em 2014.
enviada, conforme exemplo a seguir:
A carreira escolhida pela acreana foi
8. Correio Eletrônico
responsável pelo sustento e educação das três
8.1 Definição e finalidade filhas, que aprenderam taquigrafia durante a
correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e celeri-
20 adolescência e, apesar de não exercerem a
dade, transformou-se na principal forma de comunicação para
transmissão de documentos. profissão, são apaixonadas pela taquigrafia. Hoje,
8.2. Forma e Estrutura o amor pela taquigrafia une três gerações da
Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é
família Carvalho: mãe, filhas e neto.
sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para
sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem in- Carvalho é uma das poucas professoras de
compatível com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem 25 taquigrafia no Acre. Em busca de capacitar novos
dos Atos e Comunicações Oficiais). O campo assunto do formu-
profissionais na área, ela chegou a ministrar aulas
lário de correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de
modo a facilitar a organização documental tanto do destinatário na praça da capital e a criar uma escola de
quanto do remetente. Para os arquivos anexados à mensagem taquigrafia, que fechou em pouco tempo, devido à
deve ser utilizado, preferencialmente, o formato Rich Text. A
mensagem que encaminha algum arquivo deve trazer informa- baixa procura. Atualmente, a professora dá aulas
ções mínimas sobre seu conteúdo. Sempre que disponível, de- 30 gratuitas na Universidade Federal do Acre (Ufac)
ve-se utilizar recurso de confirmação de leitura. Caso não seja como Projeto de Extensão.
disponível, deve constar na mensagem o pedido de confirmação
de recebimento. “A taquigrafia foi a base para nós, inclusive de
sobrevivência. (...) É uma profissão cativante”,
8.3 Valor documental falou a filha da professora, Nádia Carvalho, de 38
Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de
correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa 35 anos. Segundo Nádia, a taquigrafia parece ser
ser aceito como documento original, é necessário existir certi- difícil de aprender no primeiro momento, porém o
ficação digital que ateste a identidade do remetente, na forma aprendizado é simples. O curso tem duração de
estabelecida em lei.
aproximadamente 140 horas. “A princípio parece
QUESTÕES extremamente difícil uma pessoa adulta voltar a
40 escrever de outra forma. Parece impossível até,
01. AL-RR – Taquígrafo - 2018 - FUNRIO
mas 100% das pessoas conseguem aprender
No Acre, amor pela taquigrafia une três gerações de uma taquigráfia”.
família MELLO, Bruna, 2016. Disponível em: < http://agazetadoa-
cre.com/no-acreamor-pela-taquigrafia-une-tres-geracoes-de-u-
A professora acrena Mariusa Carvalho, de 72 ma-familia/>. Acesso em: 06 abr.2018.
anos, conheceu a taquigrafia ainda na Contribuem para a correção da redação oficial a utilização
adolescência. O estágio na Câmara Municipal de adequada das formas de tratamento bem como a concordância
Rio Branco foi sua primeira experiência verbal e nominal em relação ao pronome.
5 profissional na área. De lá pra cá, o rumo da sua Entre os seguintes, o único trecho que foi redigido segundo
vida mudou completamente. Na década de 70, as normas da redação oficial, é:
após morar em outros estadose trabalhar em áreas A) Vossa Senhoria não atendestes ao meu pedido em regi-
me de urgência.

37
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Vossa Excelência tem tido as melhores proposições de C) Não possui valor documental.
seus subordinados. D) Trata-se da principal forma para transmissão de docu-
C) Vossa Excelência atendeu ao pedido urgente de vossos mentos.
subordinados.
D) Vossa Magnificência tendo os melhores títulos e honra- 05. TRE-SP - Técnico Judiciário - Enfermagem – 2017 - FCC
rias acadêmicas.
Está correta a redação da frase que se encontra em:
02. TJ-PA -Médico Psiquiatra – 2014 - VUNESP
Leia o seguinte fragmento de um ofício, citado do Manual A) Tudo que parece vazio no espaço seria formado, para
de Redação da Presidência da República, no qual expressões fo- os gregos, pelo éter, um quinto elemento invisível, inalterável e
ram substituídas por lacunas. com movimento circular uniforme.
Senhor Deputado B) À despeito do que se via na Antiguidade, para os gregos,
Em complemento às informações transmitidas pelo tele- a busca pelo conhecimento seria uma busca ética, enquanto que
grama n.º 154, de 24 de abril último, informo ______de que as pode-se estudar física, hoje sem um sentido moral.
medidas mencionadas em ______ carta n.º 6708, dirigida ao C) Aristóteles deixou um conjunto de textos sobre como ar-
Senhor Presidente da República, estão amparadas pelo proce- gumentar; recaem sobre os diálogos socráticos de Platão o foco
dimento administrativo de demarcação de terras indígenas ins- de seu estudo, sobretudo no que diz respeito a refutação e a
tituído pelo Decreto n.º 22, de 4 de fevereiro de 1991 (cópia persuasão.
anexa). D) O cosmos, para os gregos antigos era único, com um sol
(http://www.planalto.gov.br. Adaptado) e todos os planetas girando em torno da Terra, além de quatro
A alternativa que completa, correta e respectivamente, as elementos básicos que compõe a matéria: terra, ar, água e fogo.
lacunas do texto, de acordo com a norma-padrão da língua por- E) Além de explicar padrões que via na natureza, Aristóteles
tuguesa e atendendo às orientações oficiais a respeito do uso de descreveu uma série de espécies, como peixes e corais, questio-
formas de tratamento em correspondências públicas, é: nando a razão com que, por exemplo, certos animais tem casco
fendido.
A) Vossa Senhoria … tua. RESPOSTAS
B) Vossa Magnificência … sua.
C) Vossa Eminência … vossa. 01 B
D) Vossa Excelência … sua.
E) Sua Senhoria … vossa. 02 D
03 C
03. CEFET/RJ - Revisor de textos – 2014 – CESGRANRIO
04 C
A norma para uso de pronomes de tratamento em redação
de documento oficial exige que os pronomes possessivos e a 05 A
concordância de gênero e número (considerando-se as espe-
cificidades do receptor que se encontram entre parênteses) se
deem da forma como se exemplifica em:
A) Vossa senhoria terá vossas reuniões marcadas, conforme ANOTAÇÃO
tua vontade. (Referindo-se a chefe de seção, nível superior, mas-
culino singular) ___________________________________________________
B) Sua senhoria está convidado a comparecer à reunião.
(Referindo-se a diretora de unidade, nível superior, feminino, ___________________________________________________
singular)
C) Vossa senhoria está sendo esperada para a assembleia ___________________________________________________
de seus funcionários. (Referindo-se a diretora geral de unidade,
feminino, singular) ___________________________________________________
D) O Senhor Doutor precisa comparecer ao ato oficial. (Re-
ferindo-se a assessor jurídico da presidência de órgão público,
__________________________________________________
sem pós-graduação, masculino, singular).
E) Vossas Excelências são esperadas para a reunião das suas
áreas. (Referindo-se a gerentes de projeto, com doutorado, mas- __________________________________________________
culino, plural).
__________________________________________________
04. (Polícia Civil/MG – Investigador – 2014 – FUMARC
Sobre o uso de Correios Eletrônicos em Redação Oficial, é __________________________________________________
INCORRETO afirmar:
A) Deve-se solicitar confirmação de recebimento. __________________________________________________
B) Não há formato estrutural rígido, mas deve conter lingua-
gem compatível. __________________________________________________

38
MATEMÁTICA

Resolução de situações-problema, envolvendo: adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação ou radiciação com números
racionais, nas suas representações fracionária ou decimal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Mínimo múltiplo comum; Máximo divisor comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Porcentagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Razão e proporção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Regra de três simples ou composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Equações do 1.º ou do 2.º graus; Sistema de equações do 1.º grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Grandezas e medidas – quantidade, tempo, comprimento, superfície, capacidade e massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Relação entre grandezas – tabela ou gráfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Tratamento da informação – média aritmética simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Noções de Geometria – forma, ângulos, área, perímetro, volume, Teoremas de Pitágoras ou de Tales. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
MATEMÁTICA

Exemplo 3
RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA, ENVOLVEN- 25-(50-30)+4x5
DO: ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, MULTIPLICAÇÃO, DIVISÃO, 25-20+20=25
POTENCIAÇÃO OU RADICIAÇÃO COM NÚMEROS RA- Números Inteiros
CIONAIS, NAS SUAS REPRESENTAÇÕES FRACIONÁRIA Podemos dizer que este conjunto é composto pelos núme-
OU DECIMAL; ros naturais, o conjunto dos opostos dos números naturais e o
zero. Este conjunto pode ser representado por:
Números Naturais Z={...-3, -2, -1, 0, 1, 2,...}
Os números naturais são o modelo matemático necessário Subconjuntos do conjunto :
para efetuar uma contagem. 1)Conjunto dos números inteiros excluindo o zero
Começando por zero e acrescentando sempre uma unida- Z*={...-2, -1, 1, 2, ...}
de, obtemos o conjunto infinito dos números naturais
2) Conjuntos dos números inteiros não negativos
Z+={0, 1, 2, ...}

- Todo número natural dado tem um sucessor 3) Conjunto dos números inteiros não positivos
a) O sucessor de 0 é 1. Z-={...-3, -2, -1}
b) O sucessor de 1000 é 1001.
c) O sucessor de 19 é 20. Números Racionais
Chama-se de número racional a todo número que pode ser
Usamos o * para indicar o conjunto sem o zero. expresso na forma , onde a e b são inteiros quaisquer, com b≠0
São exemplos de números racionais:
-12/51
-3
- Todo número natural dado N, exceto o zero, tem um ante- -(-3)
cessor (número que vem antes do número dado). -2,333...
Exemplos: Se m é um número natural finito diferente de
zero. As dízimas periódicas podem ser representadas por fração,
a) O antecessor do número m é m-1. portanto são consideradas números racionais.
b) O antecessor de 2 é 1. Como representar esses números?
c) O antecessor de 56 é 55.
d) O antecessor de 10 é 9. Representação Decimal das Frações

Expressões Numéricas Temos 2 possíveis casos para transformar frações em deci-


mais
Nas expressões numéricas aparecem adições, subtrações,
multiplicações e divisões. Todas as operações podem acontecer 1º) Decimais exatos: quando dividirmos a fração, o número
em uma única expressão. Para resolver as expressões numéricas decimal terá um número finito de algarismos após a vírgula.
utilizamos alguns procedimentos:
Se em uma expressão numérica aparecer as quatro opera-
ções, devemos resolver a multiplicação ou a divisão primeira-
mente, na ordem em que elas aparecerem e somente depois a
adição e a subtração, também na ordem em que aparecerem e
os parênteses são resolvidos primeiro.

Exemplo 1

10 + 12 – 6 + 7
22 – 6 + 7 2º) Terá um número infinito de algarismos após a vírgula,
16 + 7 mas lembrando que a dízima deve ser periódica para ser núme-
23 ro racional
OBS: período da dízima são os números que se repetem, se
Exemplo 2 não repetir não é dízima periódica e assim números irracionais,
que trataremos mais a frente.
40 – 9 x 4 + 23
40 – 36 + 23
4 + 23
27

1
MATEMÁTICA

Números Irracionais
Identificação de números irracionais

- Todas as dízimas periódicas são números racionais.


- Todos os números inteiros são racionais.
- Todas as frações ordinárias são números racionais.
Representação Fracionária dos Números Decimais - Todas as dízimas não periódicas são números irracionais.
- Todas as raízes inexatas são números irracionais.
1ºcaso) Se for exato, conseguimos sempre transformar com - A soma de um número racional com um número irracional
o denominador seguido de zeros. é sempre um número irracional.
O número de zeros depende da casa decimal. Para uma - A diferença de dois números irracionais, pode ser um nú-
casa, um zero (10) para duas casas, dois zeros(100) e assim por mero racional.
diante. -Os números irracionais não podem ser expressos na forma
, com a e b inteiros e b≠0.

Exemplo: - = 0 e 0 é um número racional.

- O quociente de dois números irracionais, pode ser um nú-


mero racional.

Exemplo: : = = 2e 2 é um número racional.

- O produto de dois números irracionais, pode ser um nú-


mero racional.

Exemplo: . = = 7 é um número racional.


2ºcaso) Se dízima periódica é um número racional, então
como podemos transformar em fração? Exemplo:radicais( a raiz quadrada de um número
natural, se não inteira, é irracional.
Exemplo 1
Números Reais
Transforme a dízima 0, 333... .em fração
Sempre que precisar transformar, vamos chamar a dízima
dada de x, ou seja
X=0,333...
Se o período da dízima é de um algarismo, multiplicamos
por 10.

10x=3,333...

E então subtraímos:

10x-x=3,333...-0,333...
9x=3
X=3/9
X=1/3

Agora, vamos fazer um exemplo com 2 algarismos de perí- Fonte: www.estudokids.com.br


odo.
Exemplo 2 Representação na reta

Seja a dízima 1,1212...

Façamos x = 1,1212...
100x = 112,1212... .
Subtraindo:
100x-x=112,1212...-1,1212...
99x=111
X=111/99

2
MATEMÁTICA

INTERVALOS LIMITADOS Semirreta direita, aberta, de origem a – números reais


Intervalo fechado – Números reais maiores do que a ou maiores que a.
iguais a e menores do que b ou iguais a b.

Intervalo:[a,b] Intervalo:]a,+ ∞[
Conjunto: {x∈R|a≤x≤b} Conjunto:{x∈R|x>a}

Intervalo aberto – números reais maiores que a e menores Potenciação


que b. Multiplicação de fatores iguais

2³=2.2.2=8

Intervalo:]a,b[ Casos
Conjunto:{x∈R|a<x<b}
1) Todo número elevado ao expoente 0 resulta em 1.
Intervalo fechado à esquerda – números reais maiores que
a ou iguais a a e menores do que b.

Intervalo:{a,b[ 2) Todo número elevado ao expoente 1 é o próprio nú-


Conjunto {x∈R|a≤x<b} mero.
Intervalo fechado à direita – números reais maiores que a e
menores ou iguais a b.

3) Todo número negativo, elevado ao expoente par, re-


Intervalo:]a,b] sulta em um número positivo.
Conjunto:{x∈R|a<x≤b}

INTERVALOS IIMITADOS

Semirreta esquerda, fechada de origem b- números reais


menores ou iguais a b. 4) Todo número negativo, elevado ao expoente ímpar, re-
sulta em um número negativo.

Intervalo:]-∞,b]
Conjunto:{x∈R|x≤b}

Semirreta esquerda, aberta de origem b – números reais 5) Se o sinal do expoente for negativo, devemos passar o
menores que b. sinal para positivo e inverter o número que está na base.

Intervalo:]-∞,b[
Conjunto:{x∈R|x<b}

Semirreta direita, fechada de origem a – números reais


maiores ou iguais a a.
6) Toda vez que a base for igual a zero, não importa o va-
lor do expoente, o resultado será igual a zero.

Intervalo:[a,+ ∞[
Conjunto:{x∈R|x≥a}

3
MATEMÁTICA

Técnica de Cálculo
A determinação da raiz quadrada de um número torna-se
mais fácil quando o algarismo se encontra fatorado em números
Propriedades primos. Veja:

1) (am . an = am+n) Em uma multiplicação de potências de


mesma base, repete-se a base esoma os expoentes.

Exemplos:
24 . 23 = 24+3= 27
(2.2.2.2) .( 2.2.2)= 2.2.2. 2.2.2.2= 27

2)(am: an = am-n). Em uma divisão de potência de mesma


base. Conserva-se a base e subtraem os expoentes.

Exemplos:
96 : 92 = 96-2 = 94 64=2.2.2.2.2.2=26

Como é raiz quadrada a cada dois números iguais “tira-se”


um e multiplica.

3)(am)n Potência de potência. Repete-se a base e multiplica-


-se os expoentes.
Observe:
Exemplos: 1 1 1
(52)3 = 52.3 = 56 3.5 = (3.5) = 3 .5 = 3. 5
2 2 2

De modo geral, se

a ∈ R+ , b ∈ R+ , n ∈ N * ,
4) E uma multiplicação de dois ou mais fatores elevados a
um expoente, podemos elevar cada um a esse mesmo expoente.
(4.3)²=4².3² então:

5) Na divisão de dois fatores elevados a um expoente, pode- n


a.b = n a .n b
mos elevar separados.
O radical de índice inteiro e positivo de um produto indica-
do é igual ao produto dos radicais de mesmo índice dos fatores
do radicando.

Radiciação Raiz quadrada de frações ordinárias


Radiciação é a operação inversa a potenciação
1 1
2  2 2 22 2
=  = 1 =
3 3 3
Observe: 32

De modo geral,

a ∈ R+ , b ∈ R *+ , n ∈ N * ,
se

então:

4
MATEMÁTICA

Caso tenha:
a na
n =
b nb
Não dá para somar, as raízes devem ficar desse modo.
O radical de índice inteiro e positivo de um quociente in-
dicado é igual ao quociente dos radicais de mesmo índice dos Racionalização de Denominadores
termos do radicando.
Normalmente não se apresentam números irracionais com
Raiz quadrada números decimais radicais no denominador. Ao processo que leva à eliminação dos
radicais do denominador chama-se racionalização do denomi-
nador.
1º Caso:Denominador composto por uma só parcela

Operações

2º Caso: Denominador composto por duas parcelas.


Operações

Multiplicação
Devemos multiplicar de forma que obtenha uma diferença
de quadrados no denominador:

Exemplo

Divisão QUESTÕES

01. (Prefeitura de Salvador /BA - Técnico de Nível Superior


II - Direito – FGV/2017) Em um concurso, há 150 candidatos em
apenas duas categorias: nível superior e nível médio.
Sabe-se que:
Exemplo
• dentre os candidatos, 82 são homens;
• o número de candidatos homens de nível superior é igual
ao de mulheres de nível médio;
• dentre os candidatos de nível superior, 31 são mulheres.

Adição e subtração O número de candidatos homens de nível médio é

(A) 42.
(B) 45.
(C) 48.
Para fazer esse cálculo, devemos fatorar o 8 e o 20. (D) 50.
(E) 52.

5
MATEMÁTICA

02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON- Segundo ele, 1/13 dessas situações deveu-se a ações crimi-
CURSOS/2017) Raoni, Ingrid, Maria Eduarda, Isabella e José nosas, enquanto as demais situações haviam sido geradas por
foram a uma prova de hipismo, na qual ganharia o competidor diferentes tipos de displicência. Dentre as situações de risco ge-
que obtivesse o menor tempo final. A cada 1 falta seriam incre- radas por displicência,
mentados 6 segundos em seu tempo final. Ingrid fez 1’10” com 1
falta, Maria Eduarda fez 1’12” sem faltas, Isabella fez 1’07” com − 1/5 deveu-se a pontas de cigarro descartadas inadequa-
2 faltas, Raoni fez 1’10” sem faltas e José fez 1’05” com 1 falta. damente;
Verificando a colocação, é correto afirmar que o vencedor foi: − 1/4 deveu-se a instalações elétricas inadequadas;
(A) José − 1/3 deveu-se a vazamentos de gás e
(B) Isabella − as demais foram geradas por descuidos ao cozinhar.
(C) Maria Eduarda
(D) Raoni De acordo com esses dados, ao longo da existência desse
prédio comercial, a fração do total de situações de risco de in-
03. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON- cêndio geradas por descuidos ao cozinhar corresponde à
CURSOS/2017) O valor de √0,444... é: (A) 3/20.
(A) 0,2222... (B) 1/4.
(B) 0,6666... (C) 13/60.
(C) 0,1616... (D) 1/5.
(D) 0,8888... (E) 1/60.

04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) 07. (ITAIPU BINACIONAL -Profissional Nível Técnico I - Téc-
Se, numa divisão, o divisor e o quociente são iguais, e o resto é nico em Eletrônica – NCUFPR/2017) Assinale a alternativa que
10, sendo esse resto o maior possível, então o dividendo é apresenta o valor da expressão

(A) 131.
(B) 121.
(C) 120.
(D) 110. (A) 1.
(E) 101. (B) 2.
(C) 4.
05. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) As expressões nu- (D) 8.
méricas abaixo apresentam resultados que seguem um padrão (E) 16.
específico:
08. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)
1ª expressão: 1 x 9 + 2
Qual o resultado de ?
2ª expressão: 12 x 9 + 3
(A) 3
3ª expressão: 123 x 9 + 4 (B) 3/2
(C) 5
... (D) 5/2

7ª expressão: █ x 9 + ▲ 09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –


FGV/2017) Suponha que a # b signifique a - 2b .
Seguindo esse padrão e colocando os números adequados
no lugar dos símbolos █ e ▲, o resultado da 7ª expressão será Se 2#(1#N)=12 , então N é igual a:
(A) 1;
(A) 1 111 111. (B) 2;
(B) 11 111. (C) 3;
(C) 1 111. (D) 4;
(D) 111 111. (E) 6.
(E) 11 111 111.

06. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Durante um trei-


namento, o chefe da brigada de incêndio de um prédio comer-
cial informou que, nos cinquenta anos de existência do prédio,
nunca houve um incêndio, mas existiram muitas situações de
risco, felizmente controladas a tempo.

6
MATEMÁTICA

10. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor – Mas, que foram gerados por displicência é 12/13(1-1/13)
FGV/2017) Uma equipe de trabalhadores de determinada em-
presa tem o mesmo número de mulheres e de homens. Certa
manhã, 3/4 das mulheres e 2/3 dos homens dessa equipe saí-
ram para um atendimento externo.
07.Resposta: C.
Desses que foram para o atendimento externo, a fração de
mulheres é
(A) 3/4;
(B) 8/9;
(C) 5/7;
(D) 8/13;
(E) 9/17.

RESPOSTAS 08. Resposta: D.

01.Resposta: B.
150-82=68 mulheres
Como 31 mulheres são candidatas de nível superior, 37 são
de nível médio.
Portanto, há 37 homens de nível superior. 09. Resposta: C.
82-37=45 homens de nível médio. 2-2(1-2N)=12
2-2+4N=12
02. Resposta: D. 4N=12
Como o tempo de Raoni foi 1´10” sem faltas, ele foi o ven- N=3
cedor.
10. Resposta: E.
Como tem o mesmo número de homens e mulheres:
03. Resposta: B.
Primeiramente, vamos transformar a dízima em fração
X=0,4444....
10x=4,444...
9x=4 Dos homens que saíram:

Saíram no total

04. Resposta: A.
Como o maior resto possível é 10, o divisor é o número 11
que é igua o quociente.
11x11=121+10=131

05. Resposta: E.
A 7ª expressão será: 1234567x9+8=11111111
MÍNIMO MÚLTIPLO COMUM; MÁXIMO DIVISOR
06. Resposta: D. COMUM;

Múltiplos

Gerado por descuidos ao cozinhar: Um número é múltiplo de outro quando ao dividirmos o pri-
meiro pelo segundo, o resto é zero.
Exemplo

7
MATEMÁTICA

Exemplo:

O conjunto de múltiplos de um número natural não-nulo


é infinito e podemos consegui-lo multiplicando-se o número
dado por todos os números naturais.
M(3)={0,3,6,9,12,...}

Divisores

Os números 12 e 15 são múltiplos de 3, portanto 3 é divi-


sor de 12 e 15.
Para o mmc, fica mais fácil decompor os dois juntos.
D(12)={1,2,3,4,6,12}
Basta começar sempre pelo menor primo e verificar a divi-
D(15)={1,3,5,15}
são com algum dos números, não é necessário que os dois sejam
Observações:
divisíveis ao mesmo tempo.
Observe que enquanto o 15 não pode ser dividido, continua
- Todo número natural é múltiplo de si mesmo.
aparecendo.
- Todo número natural é múltiplo de 1.
- Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos
Assim, o mmc
múltiplos.
- O zero é múltiplo de qualquer número natural.
Exemplo
O piso de uma sala retangular, medindo 3,52 m × 4,16 m,
Máximo Divisor Comum
será revestido com ladrilhos quadrados, de mesma dimensão,
O máximo divisor comum de dois ou mais números naturais
inteiros, de forma que não fique espaço vazio entre ladrilhos
não-nulos é o maior dos divisores comuns desses números.
vizinhos. Os ladrilhos serão escolhidos de modo que tenham a
Para calcular o m.d.c de dois ou mais números, devemos
maior dimensão possível.
seguir as etapas:
Na situação apresentada, o lado do ladrilho deverá medir
• Decompor o número em fatores primos
(A) mais de 30 cm.
• Tomar o fatores comuns com o menor expoente
(B) menos de 15 cm.
• Multiplicar os fatores entre si.
(C) mais de 15 cm e menos de 20 cm.
(D) mais de 20 cm e menos de 25 cm.
Exemplo:
(E) mais de 25 cm e menos de 30 cm.
Resposta: A.

Devemos achar o mdc para achar a maior medida possível


O fator comum é o 3 e o 1 é o menor expoente. E são os fatores que temos iguais:25=32
m.d.c
Exemplo2
(MPE/SP – Oficial de Promotora I – VUNESP/2016) No ae-
roporto de uma pequena cidade chegam aviões de três com-
Mínimo Múltiplo Comum panhias aéreas. Os aviões da companhia A chegam a cada 20
O mínimo múltiplo comum (m.m.c) de dois ou mais núme- minutos, da companhia B a cada 30 minutos e da companhia C a
ros é o menor número, diferente de zero. cada 44 minutos. Em um domingo, às 7 horas, chegaram aviões
das três companhias ao mesmo tempo, situação que voltará a se
Para calcular devemos seguir as etapas: repetir, nesse mesmo dia, às
• Decompor os números em fatores primos (A) 16h 30min.
• Multiplicar os fatores entre si (B) 17h 30min.
(C) 18h 30min.
(D) 17 horas.
(E) 18 horas.

Resposta: E.

8
MATEMÁTICA

04. (EMBASA – Assistente de Laboratório – IBFC/2017) Um


marceneiro possui duas barras de ferro, uma com 1,40 metros
de comprimento e outra com 2,45 metros de comprimento. Ele
pretende cortá-las em barras de tamanhos iguais, de modo que
cada pedaço tenha a maior medida possível. Nessas circunstân-
cias, o total de pedaços que o marceneiro irá cortar, utilizando
as duas de ferro, é:
(A) 9
(B) 11
Mmc(20,30,44)=2².3.5.11=660 (C) 12
(D) 13
1h---60minutos
x-----660 05. (TJM/SP - Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)
x=660/60=11 Em um pequeno mercado, o dono resolveu fazer uma promo-
ção. Para tanto, cada uma das 3 caixas registradoras foi progra-
Então será depois de 11horas que se encontrarão mada para acender uma luz, em intervalos de tempo regulares:
7+11=18h na caixa 1, a luz acendia a cada 15 minutos; na caixa 2, a cada
30 minutos; e na caixa 3, a luz acendia a cada 45 minutos. Toda
QUESTÕES vez que a luz de uma caixa acendia, o cliente que estava nela era
premiado com um desconto de 3% sobre o valor da compra e,
01. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) quando as 3 luzes acendiam, ao mesmo tempo, esse desconto
No depósito de uma loja de doces, há uma caixa contendo n era de 5%. Se, exatamente às 9 horas de um determinado dia, as
bombons. Para serem vendidos, devem ser repartidos em paco- luzes das 3 caixas acenderam ao mesmo tempo, então é verdade
tes iguais, todos com a mesma quantidade de bombons. Com os que o número máximo de premiações de 5% de desconto que
bombons dessa caixa, podem ser feitos pacotes com 5, ou com esse mercado poderia ter dado aos seus clientes, das 9 horas às
6, ou com 7 unidades cada um, e, nesses casos, não faltará nem 21 horas e 30 minutos daquele dia, seria igual a
sobrará nenhum bombom. Nessas condições, o menor valor que (A) 8.
pode ser atribuído a n é (B) 10.
(A) 280. (C) 21.
(B) 265. (D) 27.
(C) 245. (E) 33.
(D) 230.
(E) 210. 06. (PREF. DE PIRAÚBA/MG – Agente Administrativo – MS-
CONCURSOS/2017) Sabendo que a sigla M.M.C. na matemática
02. (EMBASA – Agente Administrativo – IBFC/2017) Consi- significa Mínimo Múltiplo Comum e que M.D.C. significa Máxi-
derando A o MDC (maior divisor comum) entre os números 24 e mo Divisor Comum, pergunta-se: qual o valor do M.M.C. de 6 e
60 e B o MMC (menor múltiplo comum) entre os números 12 e 8 dividido pelo M.D.C. de 30, 36 e 72?
20, então o valor de 2A + 3B é igual a: (A) 8
(A) 72 (B) 6
(B) 156 (C) 4
(C) 144 (D) 2
(D) 204
07. (CELESC – Assistente Administrativo – FEPESE/2016)
03. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO /2017) Em Em uma excursão participam 120 homens e 160 mulheres. Em
um determinado zoológico, a girafa deve comer a cada 4 horas, determinado momento é preciso dividir os participantes em
o leão a cada 5 horas e o macaco a cada 3 horas. Considerando grupos formados somente por homens ou somente por mulhe-
que todos foram alimentados às 8 horas da manhã de domingo, res, de maneira que os grupos tenham o mesmo número de in-
é correto afirmar que o funcionário encarregado deverá servir a tegrantes.
alimentação a todos concomitantemente às: Neste caso, o número máximo de integrantes em um grupo
(A) 8 horas de segunda-feira. é:
(B) 14 horas de segunda-feira. (A) 10.
(C) 10 horas de terça-feira. (B) 15.
(D) 20 horas de terça-feira. (C) 20.
(E) 9 horas de quarta-feira. (D) 30.
(E) 40.

9
MATEMÁTICA

08. (PREF. DE GUARULHOS/SP – Assistente de Gestão Es-


colar – VUNESP/2016) Para iniciar uma visita monitorada a um
museu, 96 alunos do 8º ano e 84 alunos do 9º ano de certa es-
cola foram divididos em grupos, todos com o mesmo número de
alunos, sendo esse número o maior possível, de modo que cada
grupo tivesse somente alunos de um único ano e que não restas-
se nenhum aluno fora de um grupo. Nessas condições, é correto
afirmar que o número total de grupos formados foi
(A) 8. Para o cálculo do mdc, devemos multiplicar os comuns:
(B) 12. MDC(24,60)=2²⋅3=12
(C) 13.
(D) 15.
(E) 18.

09. (PREF. DE JAMBEIRO – Agente Administrativo – JOTA


CONSULTORIA/2016) O MMC(120, 125, 130) é:
(A) 39000
(B) 38000
(C) 37000 Mmc(12,20)=2²⋅3⋅5=60
(D) 36000 2A+3B=24+180=204
(E) 35000
03. Resposta: D.
10. (MPE/SP – Analista Técnico Científico – VUNESP/2016) Mmc(3, 4, 5)=60
Pretende-se dividir um grupo de 216 pessoas, sendo 126 com 60/24=2 dias e 12horas
formação na área de exatas e 90 com formação na área de hu- Como foi no domingo às 8h d amanhã, a próxima alimenta-
manas, em grupos menores contendo, obrigatoriamente, ele- ção será na terça às 20h.
mentos de cada uma dessas áreas, de modo que: (1) o número
de grupos seja o maior possível; (2) cada grupo tenha o mesmo 04. Resposta: B.
número x de pessoas com formação na área de exatas e o mes-
mo número y de pessoas com formação na área de humanas;
e (3) cada uma das 216 pessoas participe de um único grupo.
Nessas condições, e sabendo-se que no grupo não há pessoa
com ambas as formações, é correto afirmar que, em cada novo
grupo, a diferença entre os números de pessoas com formação
em exatas e em humanas, nessa ordem, será igual a
(A) 1
(B) 2 Mdc=5⋅7=35
(C) 3 140/35=4
(D) 4 245/35=7
(E) 5 Portanto, serão 11 pedaços.

RESPOSTAS 05. Resposta: D.

01. Resposta: E.

Mmc(15, 30, 45)=90 minutos


Ou seja, a cada 1h30 minutos tem premiações.
Das 9 ate as 21h30min=12h30 minutos
Mmc(5,6,7)=2⋅3⋅5⋅7=210

02. Resposta: E.
9 vezes no total, pois as 9 horas acendeu.
Como são 3 premiações: 9x3=27

10
MATEMÁTICA

06. Resposta: C. 10. Resposta: B.


O cálculo utilizado aqui será o MDC (Máximo Divisor Co-
mum)

Mmc(6,8)=24

Mdc(90, 125)=2.3²=18
Então teremos
126/18 = 7 grupos de exatas
90/18 = 5 grupos de humanas
A diferença é de 7-5=2
Mdc(30, 36, 72) =2x3=6
Portanto: 24/6=4 - eles são múltiplos de 2, pois terminam com números pa-
res.
07. Resposta: E. E são múltiplos de 3, lembrando que para ser múltiplo de 3,
basta somar os números e ser múltiplo de 3.
36=3+6=9
90=9+0=9
162=1+6+2=9

PORCENTAGEM;
MDC(120,160)=8x5=40
PORCENTAGEM
08. Resposta: D.
Porcentagemé umafraçãocujo denominador é 100, seu sím-
bolo é (%). Sua utilização está tão disseminada que a encontra-
mos nos meios de comunicação, nas estatísticas, em máquinas
de calcular, etc.
Os acréscimos e os descontos é importante saber porque
ajuda muito na resolução do exercício.

Acréscimo
Se, por exemplo, há umacréscimode 10% a um determinado
MDC(84,96)=2²x3=12 valor, podemos calcular o novo valor apenas multiplicando esse
84/12=7 valor por1,10, que é o fator de multiplicação. Se o acréscimo for
96/12=8 de 20%, multiplicamos por1,20, e assim por diante. Veja a tabela
E 7+8=15 abaixo:

09. Resposta: A. Acréscimo ou Lucro Fator de Multiplicação


10% 1,10
15% 1,15
20% 1,20
47% 1,47
67% 1,67

Exemplo:Aumentando 10% no valor de R$10,00 temos:


Mmc(120, 125, 130)=2³.3.5³.13=39000

11
MATEMÁTICA

Desconto QUESTÕES
No caso de haver um decréscimo, o fator de multiplicação
será: 01. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
Fator de Multiplicação =1 - taxa de desconto (na forma de- CURSOS/2017) Um aparelho de televisão que custa R$1600,00
cimal) estava sendo vendido, numa liquidação, com um desconto de
Veja a tabela abaixo: 40%. Marta queria comprar essa televisão, porém não tinha con-
dições de pagar à vista, e o vendedor propôs que ela desse um
Desconto Fator de Multiplicação cheque para 15 dias, pagando 10% de juros sobre o valor da ven-
da na liquidação. Ela aceitou e pagou pela televisão o valor de:
10% 0,90 (A) R$1120,00
25% 0,75 (B)R$1056,00
(C)R$960,00
34% 0,66 (D) R$864,00
60% 0,40
02. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) A equipe de se-
90% 0,10
gurança de um Tribunal conseguia resolver mensalmente cerca
de 35% das ocorrências de dano ao patrimônio nas cercanias
Exemplo:Descontando 10% no valor de R$10,00 temos: desse prédio, identificando os criminosos e os encaminhando às
autoridades competentes. Após uma reestruturação dos proce-
dimentos de segurança, a mesma equipe conseguiu aumentar
o percentual de resolução mensal de ocorrências desse tipo de
Chamamos de lucro em uma transação comercial de com- crime para cerca de 63%. De acordo com esses dados, com tal
pra e venda a diferença entre o preço de venda e o preço de reestruturação, a equipe de segurança aumentou sua eficácia no
custo. combate ao dano ao patrimônio em
Lucro=preço de venda -preço de custo (A) 35%.
(B) 28%.
Podemos expressar o lucro na forma de porcentagem de (C) 63%.
duas formas: (D) 41%.
(E) 80%.
03. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Três irmãos, An-
dré, Beatriz e Clarice, receberam de uma tia herança constituída
pelas seguintes joias: um bracelete de ouro, um colar de pérolas
e um par de brincos de diamante. A tia especificou em testa-
mento que as joias não deveriam ser vendidas antes da partilha
e que cada um deveria ficar com uma delas, mas não especificou
(DPE/RR – Analista de Sistemas – FCC/2015) Em sala de qual deveria ser dada a quem. O justo, pensaram os irmãos, se-
aula com 25 alunos e 20 alunas, 60% desse total está com gripe. ria que cada um recebesse cerca de 33,3% da herança, mas eles
Se x% das meninas dessa sala estão com gripe, o menor valor achavam que as joias tinham valores diferentes entre si e, além
possível para x é igual a disso, tinham diferentes opiniões sobre seus valores. Então, de-
(A) 8. cidiram fazer a partilha do seguinte modo:
(B) 15. − Inicialmente, sem que os demais vissem, cada um deve-
(C) 10. ria escrever em um papel três porcentagens, indicando sua ava-
(D) 6. liação sobre o valor de cada joia com relação ao valor total da
(E) 12. herança.
− A seguir, todos deveriam mostrar aos demais suas avalia-
Resolução ções.
45------100% − Uma partilha seria considerada boa se cada um deles re-
X-------60% cebesse uma joia que avaliou como valendo 33,3% da herança
X=27 toda ou mais.
O menor número de meninas possíveis para ter gripe é se As avaliações de cada um dos irmãos a respeito das joias foi
todos os meninos estiverem gripados, assim apenas 2 meninas a seguinte:
estão.

Resposta: C.

12
MATEMÁTICA

Assim, uma partilha boa seria se André, Beatriz e Clarice re- 08. (CRM/MG – Técnico em Informática- FUNDEP/2017)
cebessem, respectivamente, Veja, a seguir, a oferta da loja Magazine Bom Preço:
(A) o bracelete, os brincos e o colar.
(B) os brincos, o colar e o bracelete. Aproveite a Promoção!
(C) o colar, o bracelete e os brincos. Forno Micro-ondas
(D) o bracelete, o colar e os brincos. De R$ 720,00
(E) o colar, os brincos e o bracelete. Por apenas R$ 504,00

04. (UTFPR – Técnico de Tecnologia da Informação – Nessa oferta, o desconto é de:


UTFPR/2017) Um retângulo de medidas desconhecidas foi al- (A) 70%.
terado. Seu comprimento foi reduzido e passou a ser 2/ 3 do (B) 50%.
comprimento original e sua largura foi reduzida e passou a ser (C) 30%.
3/ 4 da largura original. (D) 10%.
Pode-se afirmar que, em relação à área do retângulo origi-
nal, a área do novo retângulo: 09 (CODAR – Recepcionista – EXATUS/2016) Considere
(A)foi aumentada em 50%. que uma caixa de bombom custava, em novembro, R$ 8,60 e
(B) foi reduzida em 50%. passou a custar, em dezembro, R$ 10,75. O aumento no preço
(C) aumentou em 25%. dessa caixa de bombom foi de:
(D) diminuiu 25%. (A) 30%.
(E)foi reduzida a 15%. (B) 25%.
(C)20%.
05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) (D) 15%
Paulo, dono de uma livraria, adquiriu em uma editora um lote
de apostilas para concursos, cujo valor unitário original é de R$ 10. (ANP – Técnico em Regulação de Petróleo e Deriva-
60,00. Por ter cadastro no referido estabelecimento, ele recebeu dos – CESGRANRIO/2016) Um grande tanque estava vazio e foi
30% de desconto na compra. Para revender os materiais, Paulo cheio de óleo após receber todo o conteúdo de 12 tanques me-
decidiu acrescentar 30% sobre o valor que pagou por cada apos- nores, idênticos e cheios.
tila. Nestas condições, qual será o lucro obtido por unidade? Se a capacidade de cada tanque menor fosse 50% maior do
(A) R$ 4,20. que a sua capacidade original, o grande tanque seria cheio, sem
(B) R$ 5,46. excessos, após receber todo o conteúdo de
(C) R$ 10,70. (A) 4 tanques menores
(D) R$ 12,60. (B) 6 tanques menores
(E) R$ 18,00. (C) 7 tanques menores
(D) 8 tanques menores
06. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Joa- (E) 10 tanques menores
na foi fazer compras. Encontrou um vestido de R$ 150,00 reais.
Descobriu que se pagasse à vista teria um desconto de 35%. De- RESPOSTAS
pois de muito pensar, Joana pagou à vista o tal vestido. Quanto
ela pagou? 01. Resposta:B.
(A) R$ 120,00 reais Como teve um desconto de 40%, pagou 60% do produto.
(B) R$ 112,50 reais
(C) R$ 127,50 reais 1600⋅0,6=960
(D) R$ 97,50 reais Como vai pagar 10% a mais:
(E) R$ 90 reais 960⋅1,1=1056

07. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017) 02. Resposta: E.


A empresa Alfa Sigma elaborou uma previsão de receitas trimes- 63/35=1,80
trais para 2018. A receita prevista para o primeiro trimestre é de Portanto teve um aumento de 80%.
180 milhões de reais, valor que é 10% inferior ao da receita pre-
vista para o trimestre seguinte. A receita prevista para o primei- 03. Resposta: D.
ro semestre é 5% inferior à prevista para o segundo semestre. Clarice obviamente recebeu o brinco.
Nessas condições, é correto afirmar que a receita média trimes- Beatriz recebeu o colar porque foi o único que ficou acima
tral prevista para 2018 é, em milhões de reais, igual a de 30% e André recebeu o bracelete.
(A) 200.
(B) 203. 04. Resposta: B.
(C) 195. A=b⋅h
(D) 190.
(E) 198.

13
MATEMÁTICA

Portanto foi reduzida em 50% vés de prestações mensais acrescidas de juros, isto é, o valor de
quitação do empréstimo é superior ao valor inicial do emprésti-
05. Resposta: D. mo. A essa diferença damos o nome de juros.
Como ele obteve um desconto de 30%, pagou 70% do valor:
60⋅0,7=42 Capital
Ele revendeu por: O Capital é o valor aplicado através de alguma operação fi-
42⋅1,3=54,60 nanceira. Também conhecido como: Principal, Valor Atual, Valor
Teve um lucro de: 54,60-42=12,60 Presente ou Valor Aplicado. Em inglês usa-se Present Value (in-
dicado pela tecla PV nas calculadoras financeiras).
06. Resposta: D.
Como teve um desconto de 35%. Pagou 65%do vestido Taxa de juros e Tempo
150⋅0,65=97,50 A taxa de juros indica qual remuneração será paga ao di-
nheiro emprestado, para um determinado período. Ela vem nor-
07. Resposta: C. malmente expressa da forma percentual, em seguida da especi-
Como a previsão para o primeiro trimestre é de 180 milhões ficação do período de tempo a que se refere:
e é 10% inferior, no segundo trimestre temos uma previsão de 8 % a.a. - (a.a. significa ao ano).
180-----90% 10 % a.t. - (a.t. significa ao trimestre).
x---------100 Outra forma de apresentação da taxa de juros é a unitária,
x=200
que é igual a taxa percentual dividida por 100, sem o símbolo %:
0,15 a.m. - (a.m. significa ao mês).
200+180=380 milhões para o primeiro semestre
0,10 a.q. - (a.q. significa ao quadrimestre)
380----95
x----100
x=400 milhões Montante
Também conhecido como valor acumulado é a soma do Ca-
Somando os dois semestres: 380+400=780 milhões pital Inicial com o juro produzido em determinado tempo.
780/4trimestres=195 milhões Essa fórmula também será amplamente utilizada para re-
solver questões.
08. Resposta: C. M=C+J
M = montante
C = capital inicial
J = juros
M=C+C.i.n
Ou seja, ele pagou 70% do produto, o desconto foi de 30%. M=C(1+i.n)
OBS: muito cuidado nesse tipo de questão, para não errar
conforme a pergunta feita. Juros Simples
09. Resposta: B. Chama-se juros simples a compensação em dinheiro pelo
8,6(1+x)=10,75 empréstimo de um capital financeiro, a uma taxa combinada,
8,6+8,6x=10,75 por um prazo determinado, produzida exclusivamente pelo ca-
8,6x=10,75-8,6 pital inicial.
8,6x=2,15 Em Juros Simples a remuneração pelo capital inicial apli-
X=0,25=25% cado é diretamente proporcional ao seu valor e ao tempo de
aplicação.
10. Resposta: D. A expressão matemática utilizada para o cálculo das situa-
50% maior quer dizer que ficou 1,5 ções envolvendo juros simples é a seguinte:
Quantidade de tanque: x J = C i n, onde:
A quantidade que aumentaria deve ficar igual a 12 tanques J = juros
1,5x=12
C = capital inicial
X=8
i = taxa de juros
n = tempo de aplicação (mês, bimestre, trimestre, semes-
Matemática Financeira
tre, ano...)
A Matemática Financeira possui diversas aplicações no atu-
al sistema econômico. Algumas situações estão presentes no Observação importante: a taxa de juros e o tempo de apli-
cotidiano das pessoas, como financiamentos de casa e carros, cação devem ser referentes a um mesmo período. Ou seja, os
realizações de empréstimos, compras a crediário ou com cartão dois devem estar em meses, bimestres, trimestres, semestres,
de crédito, aplicações financeiras, investimentos em bolsas de anos... O que não pode ocorrer é um estar em meses e outro em
valores, entre outras situações. Todas as movimentações finan- anos, ou qualquer outra combinação de períodos.
ceiras são baseadas na estipulação prévia de taxas de juros. Ao Dica: Essa fórmula J = C i n, lembra as letras das palavras
realizarmos um empréstimo a forma de pagamento é feita atra- “JUROS SIMPLES” e facilita a sua memorização.

14
MATEMÁTICA

Outro ponto importante é saber que essa fórmula pode ser


trabalhada de várias maneiras para se obter cada um de seus
valores, ou seja, se você souber três valores, poderá conseguir
o quarto, ou seja, como exemplo se você souber o Juros (J), o
Capital Inicial (C) e a Taxa (i), poderá obter o Tempo de aplicação
(n). E isso vale para qualquer combinação.

Exemplo M=C+J
Maria quer comprar uma bolsa que custa R$ 85,00 à vista. J=95367,50-25000=70367,50
Como não tinha essa quantia no momento e não queria perder a
oportunidade, aceitou a oferta da loja de pagar duas prestações QUESTÕES
de R$ 45,00, uma no ato da compra e outra um mês depois. A
taxa de juros mensal que a loja estava cobrando nessa operação 01. (TRE/PR – Analista Judiciário – FCC/2017) Uma geladei-
era de: ra está sendo vendida nas seguintes condições:
(A) 5,0% − Preço à vista = R$ 1.900,00;
(B) 5,9% − Condições a prazo = entrada de R$ 500,00 e pagamento
(C) 7,5% de uma parcela de R$ 1.484,00 após 60 dias da data da compra.
(D) 10,0% A taxa de juros simples mensal cobrada na venda a prazo
(E) 12,5% é de
Resposta Letra “e”. (A) 1,06% a.m.
(B) 2,96% a.m.
O juros incidiu somente sobre a segunda parcela, pois a pri- (C) 0,53% a.m.
meira foi à vista. Sendo assim, o valor devido seria R$40 (85-45) (D) 3,00% a.m.
e a parcela a ser paga de R$45. (E) 6,00% a.m.
Aplicando a fórmula M = C + J:
45 = 40 + J 02. (FUNAPEP - Analista em Gestão Previdenciária-
J=5 -FCC/2017) João emprestou a quantia de R$ 23.500,00 a seu
Aplicando a outra fórmula J = C i n: filho Roberto. Trataram que Roberto pagaria juros simples de
5 = 40 X i X 1 4% ao ano. Roberto pagou esse empréstimo para seu pai após 3
i = 0,125 = 12,5% anos. O valor total dos juros pagos por Roberto foi
(A) 3.410,00.
Juros Compostos (B) R$ 2.820,00.
o juro de cada intervalo de tempo é calculado a partir do (C) R$ 2.640,00.
saldo no início de correspondente intervalo. Ou seja: o juro de (D) R$ 3.120,00.
cada intervalo de tempo é incorporado ao capital inicial e passa (E) R$ 1.880,00.
a render juros também.
03. (IFBAIANO – Técnico em Contabilidade – FCM/2017) O
Quando usamos juros simples e juros compostos? montante acumulado ao final de 6 meses e os juros recebidos a
A maioria das operações envolvendo dinheiro utilizajuros partir de um capital de 10 mil reais, com uma taxa de juros de 1%
compostos. Estão incluídas: compras a médio e longo prazo, ao mês, pelo regime de capitalização simples, é de
compras com cartão de crédito, empréstimos bancários, as apli- (A) R$ 9.400,00 e R$ 600,00.
cações financeiras usuais como Caderneta de Poupança e aplica- (B) R$ 9.420,00 e R$ 615,20.
ções em fundos de renda fixa, etc. Raramente encontramos uso (C) R$ 10.000,00 e R$ 600,00.
para o regime de juros simples: é o caso das operações de cur- (D) R$ 10.600,00 e R$ 600,00.
tíssimo prazo, e do processo de desconto simples de duplicatas. (E) R$ 10.615,20 e R$ 615,20.
04. (CEGAS – Assistente Técnico – IESES/2017)O valor dos
O cálculo do montante é dado por: juros simples em uma aplicação financeira de $ 3.000,00 feita
por dois trimestres a taxa de 2% ao mês é igual a:
(A) $ 360,00
(B) $ 240,00
Exemplo (C)$ 120,00
Calcule o juro composto que será obtido na aplicação de (D) $ 480,00
R$25000,00 a 25% ao ano, durante 72 meses
C=25000
i=25%aa=0,25
i=72 meses=6 anos

15
MATEMÁTICA

05. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- 10. (CASAN – Técnico de Laboratório – INSTITUTO
VUNESP/2017) Um capital foi aplicado a juros simples, com taxa AOCP/2016) A fatura de um certo cartão de crédito cobra ju-
de 9% ao ano, durante 4 meses. Após esse período, o montante ros de 12% ao mês por atraso no pagamento. Se uma fatura de
(capital + juros) resgatado foi de R$ 2.018,80. O capital aplicado R$750,00 foi paga com um mês de atraso, o valor pago foi de
era de (A) R$ 970,00.
(A) R$ 2.010,20. (B) R$ 777,00.
(B) R$ 2.000,00. (C) R$ 762,00.
(C) R$ 1.980,00. (D) R$ 800,00.
(D) R$ 1.970,40. (E) R$ 840,00.
(E) R$ 1.960,00.
11. (DPE/PR – Contador – INAZ DO PARÁ/2017) Em 15 de
06. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Em junho de 20xx, Severino restituiu R$ 2.500,00 do seu imposto de
um investimento no qual foi aplicado o valor de R$ 5.000,00, em renda. Como estava tranquilo financeiramente, resolveu realizar
um ano foi resgatado o valor total de R$ 9.200,00. Considerando uma aplicação financeira para retirada em 15/12/20xx, período
estes apontamentos e que o rendimento se deu a juros simples, que vai realizar as compras de natal. A uma taxa de juros de 3%
é verdadeiro afirmar que a taxa mensal foi de: a.m., qual é o montante do capital, sabendo-se que a capitaliza-
(A) 1,5% ção é mensal:
(B) 2 % (A) R$ 2.985,13
(C) 5,5% (B) R$ 2.898,19
(D) 6% (C) R$ 3.074,68
(E) 7% (D) R$ 2.537,36
(E) R$ 2.575,00
07. (UFES – Assistente em Administração – UFES/2017) No
regime de juros simples, os juros em cada período de tempo são 12. (TRE/PR – Analista Judiciário- FCC/2017) A Cia. Es-
calculados sobre o capital inicial. Um capital inicial C0 foi aplica- cocesa, não tendo recursos para pagar um empréstimo de R$
do a juros simples de 3% ao mês. Se Cn é o montante quando 150.000,00 na data do vencimento, fez um acordo com a ins-
decorridos n meses, o menor valor inteiro para n, tal que Cn seja tituição financeira credora para pagá-la 90 dias após a data do
maior que o dobro de C0, é vencimento. Sabendo que a taxa de juros compostos cobrada
(A) 30 pela instituição financeira foi 3% ao mês, o valor pago pela em-
(B) 32 presa, desprezando-se os centavos, foi, em reais,
(C) 34 (A) 163.909,00.
(D) 36 (B) 163.500,00.
(E) 38 (C) 154.500,00.
(D) 159.135,00.
08. (PREF. DE NITERÓI/RJ – Agente Fazendário – FGV/2016)
Para pagamento de boleto com atraso em período inferior a um 13. (FUNAPE – Analista em Gestão Previdenciária –
mês, certa instituição financeira cobra, sobre o valor do boleto, FCC/2017) O montante de um empréstimo de 4 anos da quantia
multa de 2% mais 0,4% de juros de mora por dia de atraso no de R$ 20.000,00, do qual se cobram juros compostos de 10% ao
regime de juros simples. Um boleto com valor de R$ 500,00 foi ano, será igual a
pago com 18 dias de atraso. (A) R$ 26.000,00.
O valor total do pagamento foi: (B) R$ 28.645,00.
(A) R$ 542,00; (C) R$ 29.282,00.
(B) R$ 546,00; (D) R$ 30.168,00.
(C) R$ 548,00; (E) R$ 28.086,00.
(D) R$ 552,00;
(E) R$ 554,00. 14. (IFBAIANO - Técnico em Contabilidade- FCM/2017) A
empresa Good Finance aplicou em uma renda fixa um capital
09. (CASAN – Assistente Administrativo – INSTITUTO de 100 mil reais, com taxa de juros compostos de 1,5% ao mês,
AOCP/2016) Para pagamento um mês após a data da compra, para resgate em 12 meses. O valor recebido de juros ao final do
certa loja cobrava juros de 25%. Se certa mercadoria tem preço período foi de
a prazo igual a R$ 1500,00, o preço à vista era igual a (A) R$ 10.016,00.
(A) R$ 1200,00. (B) R$ 15.254,24.
(B) R$ 1750,00. (C) R$ 16.361,26.
(C) R$ 1000,00. (D) R$ 18.000,00.
(D) R$ 1600,00. (E) R$ 19.561,82.
(E) R$ 1250,00.

16
MATEMÁTICA

15. (POLICIA CIENTIFICA – Perito Criminal – IBFC/2017) As- Ou seja, maior que 34
sinale a alternativa correta. Uma empresa recebeu um emprés- 08. Resposta: C.
timo bancário de R$ 120.000,00 por 1 ano, pagando o montante M=C(1+in)
de R$ 180.000,00. A taxa anual de juros desse empréstimo foi C=500+500x0,02=500+10=510
de: M=510(1+0,004x18)
(A) 0,5% ao ano M=510(1+0,072)=546,72
(B) 5 % ao ano
(C) 5,55 % ao ano 09. Resposta: A.
(D) 150% ao ano M=C(1+in)
(E) 50% ao ano 1500=C(1+0,25x1)
1500=C(1,25)
RESPOSTAS C=1500/1,25
C=1200
01. Resposta: D.
J=500+1484-1900=84 10. Resposta: E.
C=1900-500=1400 M=C(1+in)
J=Cin M=750(1+0,12)
84=1400.i.2 M=750x1,12=840
I=0,03=3%
11. Resposta: A.
02. Resposta: B. D junho a dezembro: 6 meses
J=Cin M=C(1+i)t
J=23500⋅0,04⋅3 M=2500(1+0,03)6
J= 2820 M=2500⋅1,194=2985

03. Resposta: D. 12. Resposta: A.


J=Cin 90 dias=3 meses
J=10000⋅0,01⋅6=600 M=C(1+i)t
M=C+J M=150000(1+0,03)3
M=10000+600=10600 M=150000⋅1,092727=163909,05
Desprezando os centavos: 163909
04. Resposta: A.
2 trimestres=6meses 13. Resposta: C.
J=Cin M=C(1+i)t
J=3000⋅0,02⋅6 M=20000(1+0,1)4
J=360 M=20000⋅1,4641=29282

05. Resposta: E. 14. Resposta: E.


4meses=1/3ano J=Cin
M=C(1+in) J=10000⋅0,015⋅12=18000
2018,80=C(1+0,09⋅1/3)
2018,80=C+0,03C Não, ninguém viu errado.
1,03C=2018,80 Como ficaria muito difícil de fazer sem calculadora, a tática
C=1960 é fazer o juro simples, e como sabemos que o composto vai dar
maior que esse valor, só nos resta a alternativa E. Você pode se
06. Resposta: E. perguntar, e se houver duas alternativas com números maiores?
M=C(1+in) Olha pessoal, não creio que a banca fará isso, e sim que eles
9200=5000(1+12i) fizeram mais para usar isso mesmo.
9200=5000+60000i
4200=60000i 15. Resposta: E.
I=0,07=7% M=C(1+i)t
180000=120000(1+i)
07. Resposta: C. 180000=120000+120000i
M=C(1+in) 60000=120000i
Cn=Co(1+0,03n) i=0,5=50%
2Co=Co(1+0,03n)
2=1+0,03n
1=0,03n
N=33,33

17
MATEMÁTICA

ou
RAZÃO E PROPORÇÃO;

Razão

Chama-se de razão entre dois números racionais a e b, com Ou


b 0, ao quociente entre eles. Indica-se a razão de a para b por
a/bou a : b.

Exemplo:
Na sala do 1º ano de um colégio há 20 rapazes e 25 moças. ou
Encontre a razão entre o número de rapazes e o número de mo-
ças. (lembrando que razão é divisão)

Terceira propriedade das proporções


Qualquer que seja a proporção, a soma ou a diferença dos
Proporção antecedentes está para a soma ou a diferença dos consequen-
tes, assim como cada antecedente está para o seu respectivo
Proporção é a igualdade entre duas razões. A proporção en- consequente. Temos então:
tre A/B e C/D é a igualdade:

ou
Propriedade fundamental das proporções
Numa proporção:

Ou

Os números A e D são denominados extremos enquanto os


números B e C são os meios e vale a propriedade: o produto dos
meios é igual ao produto dos extremos, isto é:
AxD=BxC ou

Exemplo: A fração 3/4 está em proporção com 6/8, pois:


Grandezas Diretamente Proporcionais

Exercício: Determinar o valor de X para que a razão X/3 es- Duas grandezas variáveis dependentes são diretamente
teja em proporção com 4/6. proporcionais quando a razão entre os valores da 1ª grandeza é
igual a razão entre os valores correspondentes da 2ª, ou de uma
Solução: Deve-se montar a proporção da seguinte forma: maneira mais informal, se eu pergunto:
Quanto mais.....mais....
Exemplo
Distância percorrida e combustível gasto

. Distância(km) Combustível(litros)
13 1
Segunda propriedade das proporções
Qualquer que seja a proporção, a soma ou a diferença dos 26 2
dois primeiros termos está para o primeiro, ou para o segundo 39 3
termo, assim como a soma ou a diferença dos dois últimos ter-
mos está para o terceiro, ou para o quarto termo. Então temos: 52 4

Quanto MAIS eu ando, MAIS combustível?


Diretamente proporcionais
Se eu dobro a distância, dobra o combustível

18
MATEMÁTICA

Grandezas Inversamente Proporcionais Carlos ganhará R$210000,00 e Carlos R$315000,00.

Duas grandezas variáveis dependentes são inversamente Inversamente Proporcionais


proporcionais quando a razão entre os valores da 1ª grandeza Para decompor um número M em n partes X1, X2, ..., Xn in-
é igual ao inverso da razão entre os valores correspondentes da versamente proporcionais a p1, p2, ..., pn, basta decompor este
2ª. número M em n partes X1, X2, ..., Xn diretamente proporcionais
Quanto mais....menos... a 1/p1, 1/p2, ..., 1/pn.
A montagem do sistema com n equações e n incógnitas, as-
Exemplo sume que X1+X2+...+ Xn=M e além disso
velocidadextempo a tabela abaixo:

Velocidade (m/s) Tempo (s)


5 200
8 125
cuja solução segue das propriedades das proporções:
10 100
16 62,5
20 50
QUESTÕES
Quanto MAIOR a velocidade MENOS tempo?? 01. (DESENBAHIA – Técnico Escriturário - INSTITUTO
Inversamente proporcional AOCP/2017) João e Marcos resolveram iniciar uma sociedade
Se eu dobro a velocidade, eu faço o tempo pela metade. para fabricação e venda de cachorro quente. João iniciou com
um capital de R$ 30,00 e Marcos colaborou com R$ 70,00. No
Diretamente Proporcionais primeiro final de semana de trabalho, a arrecadação foi de R$
Para decompor um número M em partes X1, X2, ..., Xn direta- 240,00 bruto e ambos reinvestiram R$ 100,00 do bruto na socie-
mente proporcionais a p1, p2, ..., pn, deve-se montar um sistema dade, restando a eles R$ 140,00 de lucro. De acordo com o que
com n equações e n incógnitas, sendo as somas X1+X2+...+Xn=M cada um investiu inicialmente, qual é o valor que João e Marcos
e p1+p2+...+pn=P. devem receber desse lucro, respectivamente?
(A) 30 e 110 reais.
(B) 40 e 100 reais.
(C)42 e 98 reais.
(D) 50 e 90 reais.
(E) 70 e 70 reais.
A solução segue das propriedades das proporções:
02. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Em uma empresa,
trabalham oito funcionários, na mesma função, mas com car-
gas horárias diferentes: um deles trabalha 32 horas semanais,
um trabalha 24 horas semanais, um trabalha 20 horas semanais,
três trabalham 16 horas semanais e, por fim, dois deles traba-
Exemplo lham 12 horas semanais. No final do ano, a empresa distribuirá
Carlos e João resolveram realizar um bolão da loteria. Car- um bônus total de R$ 74.000,00 entre esses oito funcionários,
los entrou com R$ 10,00 e João com R$ 15,00. Caso ganhem o de forma que a parte de cada um seja diretamente proporcional
prêmio de R$ 525.000,00, qual será a parte de cada um, se o à sua carga horária semanal.
combinado entre os dois foi de dividirem o prêmio de forma di- Dessa forma, nessa equipe de funcionários, a diferença en-
retamente proporcional? tre o maior e o menor bônus individual será, em R$, de
(A) 10.000,00.
(B) 8.000,00.
(C) 20.000,00.
(D) 12.000,00.
(E) 6.000,00.
03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)
Para uma pesquisa, foram realizadas entrevistas nos estados da
Região Sudeste do Brasil. A amostra foi composta da seguinte
maneira:
– 2500 entrevistas realizadas no estado de São Paulo;
– 1500 entrevistas realizadas nos outros três estados da Re-
gião Sudeste.

19
MATEMÁTICA

Desse modo, é correto afirmar que a razão entre o número (A) R$ 90.000,00.
de entrevistas realizadas em São Paulo e o número total de en- (B) R$ 96.500,00.
trevistas realizadas nos quatro estados é de (C) R$ 108.000,00.
(A) 8 para 5. (D) R$ 112.500,00.
(B) 5 para 8. (E) R$ 120.000,00.
(C) 5 para 7.
(D) 3 para 5. 08. (DPE/RS - Analista - FCC/2017) A razão entre as alturas
(E) 3 para 8. de dois irmãos era 3/4 e, nessa ocasião, a altura do irmão mais
alto era 1,40 m. Hoje, esse irmão mais alto cresceu 10 cm. Para
04. (UNIRV/60 – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017) que a razão entre a altura do irmão mais baixo e a altura do mais
Em relação à prova de matemática de um concurso, Paula acer- alto seja hoje, igual a 4/5 , é necessário que o irmão mais baixo
tou 32 das 48 questões da prova. A razão entre o número de tenha crescido, nesse tempo, o equivalente a
questões que ela errou para o total de questões da prova é de (A) 13,5 cm.
(A) 2/3 (B) 10,0 cm.
(B) 1/2 (C) 12,5 cm.
(C) 1/3 (D) 14,8 cm.
(D) 3/2 (E) 15,0 cm.

05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) José, 09. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) O
pai de Alfredo, Bernardo e Caetano, de 2, 5 e 8 anos, respectiva- transporte de 1980 caixas iguais foi totalmente repartido entre
mente, pretende dividir entre os filhos a quantia de R$ 240,00, dois veículos, A e B, na razão direta das suas respectivas capa-
em partes diretamente proporcionais às suas idades. Conside- cidades de carga, em toneladas. Sabe-se que A tem capacidade
rando o intento do genitor, é possível afirmar que cada filho vai para transportar 2,2 t, enquanto B tem capacidade para trans-
receber, em ordem crescente de idades, os seguintes valores: portar somente 1,8 t. Nessas condições, é correto afirmar que a
(A) R$ 30,00, R$ 60,00 e R$150,00. diferença entre o número de caixas carregadas em A e o número
(B) R$ 42,00, R$ 58,00 e R$ 140,00. de caixas carregadas em B foi igual a
(C) R$ 27,00, R$ 31,00 e R$ 190,00. (A) 304.
(D)R$ 28,00, R$ 84,00 e R$ 128,00. (B) 286.
(E) R$ 32,00, R$ 80,00 e R$ 128,00. (C) 224.
(D) 216.
06. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017) (E) 198.
Sabe-se que 16 caixas K, todas iguais, ou 40 caixas Q, todas
também iguais, preenchem totalmente certo compartimento, 10. (EMDEC – Assistente Administrativo – IBFC/2016) Pau-
inicialmente vazio. Também é possível preencher totalmente lo vai dividir R$ 4.500,00 em partes diretamente proporcionais
esse mesmo compartimento completamente vazio utilizando 4 às idades de seus três filhos com idades de 4, 6 e 8 anos respec-
caixas K mais certa quantidade de caixas Q. Nessas condições, é tivamente. Desse modo, o total distribuído aos dois filhos com
correto afirmar que o número de caixas Q utilizadas será igual a maior idade é igual a:
(A) 10. (A) R$2.500,00
(B) 28. (B) R$3.500,00
(C) 18. (C) R$ 1.000,00
(D) 22. (D) R$3.200,00
(E) 30.
RESPOSTAS
07. (IPRESB/SP – Agente Previdenciário – VUNESP/2017) A
tabela, onde alguns valores estão substituídos por letras, mos- 01. Resposta: C.
tra os valores, em milhares de reais, que eram devidos por uma 30k+70k=140
empresa a cada um dos três fornecedores relacionados, e os res- 100k=140
pectivos valores que foram pagos a cada um deles. K=1,4
30⋅1,4=42
70⋅1,4=98
Fornecedor A B C 02. Resposta: A.
Vamos dividir o prêmio pelas horas somadas
Valor pago 22,5 X 37,5 32+24+20+3⋅16+2⋅12=148
Valor devido Y 40 z 74000/148=500
O maior prêmio foi para quem fez 32 horas semanais
Sabe-se que os valores pagos foram diretamente proporcio- 32⋅500=16000
nais a cada valor devido, na razão de 3 para 4. Nessas condições, 12⋅500=6000
é correto afirmar que o valor total devido a esses três fornece- A diferença é: 16000-6000=10000
dores era, antes dos pagamentos efetuados, igual a

20
MATEMÁTICA

03. Resposta:B. X=1,20


2500+1500=4000 entrevistas
Ele cresceu: 1,20-1,05=0,15m=15cm

09. Resposta: E.
04. Resposta: C. 2,2k+1,8k=1980
Se Paula acertou 32, errou 16. 4k=1980
K=495
2,2x495=1089
1980-1089=891
1089-891=198
05. Resposta: E.
2k+5k+8k=240 10. Resposta: B.
15k=240
K=16
Alfredo: 2⋅16=32
Bernardo: 5⋅16=80
Caetano: 8⋅16=128 A+B+C=4500
4p+6p+8p=4500
06. Resposta: E. 18p=4500
Se, com 16 caixas K, fica cheio e já foram colocadas 4 caixa, P=250
faltam 12 caixas K, mas queremos colocar as caixas Q, então va- B=6p=6x250=1500
mos ver o equivalente de 12 caixas K C=8p=8x250=2000
1500+2000=3500

Q=30 caixas REGRA DE TRÊS SIMPLES OU COMPOSTA;


07. Resposta: E.
Regra de três simples

Regra de três simples é um processo prático para resolver


problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos
Y=90/3=30 três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos
três já conhecidos.

Passos utilizados numa regra de três simples:


1º) Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mes-
X=120/4=30 ma espécie em colunas e mantendo na mesma linha as grande-
zas de espécies diferentes em correspondência.
2º) Identificar se as grandezas são diretamente ou inversa-
mente proporcionais.
3º) Montar a proporção e resolver a equação.
Z=150/3=50 Um trem, deslocando-se a uma velocidade média de
400Km/h, faz um determinado percurso em 3 horas. Em quanto
Portanto o total devido é de: 30+40+50=120000 tempo faria esse mesmo percurso, se a velocidade utilizada fos-
se de 480km/h?
08. Resposta: E.
Solução: montando a tabela:

1) Velocidade (Km/h) Tempo (h)


400-----------------3
X=1,05 480---------------- x
Seo irmão mais alto cresceu 10cm, está com 1,50
2) Identificação do tipo de relação:
Velocidade----------tempo
400↓-----------------3↑
480↓---------------- x↑

21
MATEMÁTICA

Obs.: como as setas estão invertidas temos que inverter os QUESTÕES


números mantendo a primeira coluna e invertendo a segunda
coluna ou seja o que está em cima vai para baixo e o que está em 01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários-
baixo na segunda coluna vai para cima VUNESP/2017) Para imprimir 300 apostilas destinadas a um cur-
Velocidade----------tempo so, uma máquina de fotocópias precisa trabalhar 5 horas por dia
400↓-----------------X↓ durante 4 dias. Por motivos administrativos, será necessário im-
480↓---------------- 3↓ primir 360 apostilas em apenas 3 dias. O número de horas diá-
rias que essa máquina terá que trabalhar para realizar a tarefa é
480x=1200 (A) 6.
X=25 (B) 7.
(C) 8.
Regra de três composta (D) 9.
Regra de três composta é utilizada em problemas com mais (E) 10.
de duas grandezas, direta ou inversamente proporcionais.
02. (SEPOG – Analista em Tecnologia da Informação e Co-
Exemplos: municação – FGV/2017) Uma máquina copiadora A faz 20%
mais cópias do que uma outra máquina B, no mesmo tempo.
1) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m³ de areia. A máquina B faz 100 cópias em uma hora.
Em 5 horas, quantos caminhões serão necessários para descar- A máquina A faz 100 cópias em
regar 125m³? (A) 44 minutos.
(B) 46 minutos.
Solução: montando a tabela, colocando em cada coluna as (C) 48 minutos.
grandezas de mesma espécie e, em cada linha, as grandezas de (D) 50 minutos.
espécies diferentes que se correspondem: (E) 52 minutos.

Horas --------caminhões-----------volume 03. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-


8↑----------------20↓----------------------160↑ CURSOS/2017) Para a construção de uma rodovia, 12 operários
5↑------------------x↓----------------------125↑ trabalham 8 horas por dia durante 14 dias e completam exata-
mente a metade da obra. Porém, a rodovia precisa ser termina-
A seguir, devemos comparar cada grandeza com aquela da daqui a exatamente 8 dias, e então a empresa contrata mais
onde está o x. 6 operários de mesma capacidade dos primeiros. Juntos, eles
Observe que: deverão trabalhar quantas horas por dia para terminar o traba-
Aumentando o número de horas de trabalho, podemos di- lho no tempo correto?
minuir o número de caminhões. Portanto a relação é inversa- (A) 6h 8 min
mente proporcional (seta para cima na 1ª coluna). (B)6h 50min
Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o nú- (C) 9h 20 min
mero de caminhões. Portanto a relação é diretamente propor- (D) 9h 33min
cional (seta para baixo na 3ª coluna). Devemos igualar a razão
que contém o termo x com o produto das outras razões de acor- 04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017
do com o sentido das setas. ) Um restaurante “por quilo” apresenta seus preços de acordo
Montando a proporção e resolvendo a equação temos: com a tabela:

Horas --------caminhões-----------volume
8↑----------------20↓----------------------160↓
5↑------------------x↓----------------------125↓

Obs.: Assim devemos inverter a primeira coluna ficando:


Rodolfo almoçou nesse restaurante na última sexta-feira. Se
a quantidade de alimentos que consumiu nesse almoço custou
Horas --------caminhões-----------volume R$ 21,00, então está correto afirmar que essa quantidade é, em
5----------------20----------------------160 gramas, igual a
8------------------x----------------------125
(A) 375.
(B) 380.
(C) 420.
(D) 425.
Logo, serão necessários 25 caminhões (E) 450.

22
MATEMÁTICA

05. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017 10. (MPE/SP – Oficial de Promotoria I – VUNESP/2016)
) Um carregamento de areia foi totalmente embalado em 240 Para organizar as cadeiras em um auditório, 6 funcionários, to-
sacos, com 40 kg em cada saco. Se fossem colocados apenas 30 dos com a mesma capacidade de produção, trabalharam por 3
kg em cada saco, o número de sacos necessários para embalar horas. Para fazer o mesmo trabalho, 20 funcionários, todos com
todo o carregamento seria igual a o mesmo rendimento dos iniciais, deveriam trabalhar um total
(A) 420. de tempo, em minutos, igual a
(B) 375. (A) 48.
(C) 370. (B) 50.
(D) 345. (C) 46.
(E) 320. (D) 54.
(E) 52.
06. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017) RESPOSTAS
Quarenta e oito funcionários de uma certa empresa, trabalhan-
do 12 horas por dia, produzem 480 bolsas por semana. Quantos 01. Resposta: C.
funcionários a mais, trabalhando 15 horas por dia, podem asse- ↑Apostilas↑ horasdias↓
gurar uma produção de 1200 bolsas por semana? 300------------------5--------------4
(A) 48 360-----------------x----------------3
(B) 96
(C) 102 ↑Apostilas↑ horasdias↑
(D) 144 300------------------5--------------3
360-----------------x----------------4
07. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Du-
rante 90 dias, 12 operários constroem uma loja. Qual o número
mínimo de operários necessários para fazer outra loja igual em
60 dias?
(A) 8 operários. 900x=7200
(B) 18 operários. X=8
(C) 14 operários.
(D) 22 operários. 02. Resposta: D.
(E) 25 operários Como a máquina A faz 20% a mais:
Em 1 hora a máquina A faz 120 cópias.
08. (FCEP – Técnico Artístico – AMAUC/2017) A vazão de 120------60 minutos
uma torneira é de 50 litros a cada 3 minutos. O tempo necessá- 10-------x
rio para essa torneira encher completamente um reservatório X=50 minutos
retangular, cujas medidas internas são 1,5 metros de compri-
mento, 1,2 metros de largura e 70 centímetros de profundidade 03. Resposta: C.
é de: ↑Operário↓horas dias↑
(A) 1h 16min 00s 12--------------8------------14
(B) 1h 15min 36s 18----------------x------------8
(C) 1h 45min 16s Quanto mais horas, menos operários
(D) 1h 50min 05s Quanto mais horas, menos dias
(E) 1h55min 42s

09. (CRMV/SC – Assistente Administrativo – IESES/2017)


Trabalhando durante 6 dias, 5 operários produzem 600 peças.
Determine quantas peças serão produzidas por sete operários 8⋅18x=14⋅12⋅8
trabalhando por 8 dias: X=9,33h
(A) 1120 peças 9 horas e 1/3 da hora
(B)952 peças 1/3 de hora é equivalente a 20 minutos
(C) 875 peças 9horas e 20 minutos
(D) 1250 peças
04. Resposta:C.
12,50------250
21----------x
X=5250/12,5=420 gramas

05. Resposta: E.
Sacoskg
240----40

23
MATEMÁTICA

x----30 Como o exercício pede em minutos, vamos transformar 3


horas em minutos
Quanto mais sacos, menos areia foi colocada(inversamente)
3x60=180 minutos
↑Funcionários minutos↓
6------------180
20-------------x
30x=9600
X=320 As Grandezas são inversamente proporcionais, pois quanto
mais funcionários, menos tempo será gasto.
Vamos inverter os minutos
06. Resposta: A. ↑Funcionários minutos↑
↓Funcionários↑ horasbolsas↓ 6------------x
48------------------------12-----------480 20-------------180
x-----------------------------15----------1200 20x=6.180
Quanto mais funcionários, menos horas precisam 20x=1040
Quanto mais funcionários, mais bolsas feitas X=54 minutos

EQUAÇÕES DO 1.º OU DO 2.º GRAUS; SISTEMA DE


EQUAÇÕES DO 1.º GRAU;
X=96 funcionários
Precisam de mais 48 funcionários
Equação 1º grau
07. Resposta: B. Equação é toda sentença matemática aberta representada
Operários dias por uma igualdade, em que exista uma ou mais letras que repre-
12-----------90 sentam números desconhecidos.
x--------------60 Equação do 1º grau, na incógnita x, é toda equação redutí-
Quanto mais operários, menos dias (inversamente propor- vel à forma ax+b=0, em que a e b são números reais, chamados
cional) coeficientes, com a≠0.
Uma raiz da equação ax+b =0(a≠0) é um valor numérico de
x que, substituindo no 1º membro da equação, torna-se igual ao
2º membro.

60x=1080 Nada mais é que pensarmos em uma balança.


X=18

08. Resposta: B.
V=1,5⋅1,2⋅0,7=1,26m³=1260litros
50litros-----3 min
1260--------x
X=3780/50=75,6min
0,6min=36s
75min=60+15=1h15min

09. Resposta: A. A balança deixa os dois lados iguais para equilibrar, a equa-
↑Dias↑ operáriospeças↑ ção também.
6-------------5---------------600 No exemplo temos:
8--------------7---------------x 3x+300
Outro lado: x+1000+500
E o equilíbrio?
3x+300=x+1500

30x=33600 Quando passamos de um lado para o outro invertemos o


X=1120 sinal
3x-x=1500-300
10. Resposta: D. 2x=1200
X=600

24
MATEMÁTICA

Exemplo Discussão das Raízes


(PREF. DE NITERÓI/RJ – Fiscal de Posturas – FGV/2015) A
idade de Pedro hoje, em anos, é igual ao dobro da soma das 1.
idades de seus dois filhos, Paulo e Pierre. Pierre é três anos mais 1.
velho do que Paulo. Daqui a dez anos, a idade de Pierre será a
metade da idade que Pedro tem hoje.

A soma das idades que Pedro, Paulo e Pierre têm hoje é: Se for negativo, não há solução no conjunto dos núme-
(A) 72; ros reais.
(B) 69;
(C) 66; Se for positivo, a equação tem duas soluções:
(D) 63;
(E) 60.
Resolução
A ideia de resolver as equações é literalmente colocar na
linguagem matemática o que está no texto.
“Pierre é três anos mais velho do que Paulo” Exemplo
Pi=Pa+3
“Daqui a dez anos, a idade de Pierre será a metade da idade
que Pedro tem hoje.”

A idade de Pedro hoje, em anos, é igual ao dobro da soma


das idades de seus dois filhos, , portanto não há solução real.
Pe=2(Pi+Pa)
Pe=2Pi+2Pa

Lembrando que:
Pi=Pa+3

Substituindo em Pe
Pe=2(Pa+3)+2Pa
Pe=2Pa+6+2Pa
Pe=4Pa+6

Pa+3+10=2Pa+3
Pa=10
Pi=Pa+3
Pi=10+3=13
Pe=40+6=46
Soma das idades: 10+13+46=69
Se não há solução, pois não existe raiz quadrada real
Resposta: B. de um número negativo.
Equação 2º grau
Se , há duas soluções iguais:
A equação do segundo grau é representada pela fórmula
geral:

Se , há soluções reais diferentes:


Onde a, b e c são números reais,

25
MATEMÁTICA

Relações entre Coeficientes e Raízes

Dada as duas raízes:

Soma das Raízes Substituindo em A


A=44-26=18
Ou A=44-18=26

Resposta: B.
Produto das Raízes
Inequação
Uma inequação é uma sentença matemática expressa por
uma ou mais incógnitas, que ao contrário da equação que utiliza
um sinal de igualdade, apresenta sinais de desigualdade. Veja os
Composição de uma equação do 2ºgrau, conhecidas as ra- sinais de desigualdade:
ízes
>: maior
Podemos escrever a equação da seguinte maneira: <: menor
≥: maior ou igual
x²-Sx+P=0 ≤: menor ou igual

Exemplo O princípio resolutivo de uma inequação é o mesmo da


equação, onde temos que organizar os termos semelhantes em
Dada as raízes -2 e 7. Componha a equação do 2º grau. cada membro, realizando as operações indicadas. No caso das
inequações, ao realizarmos uma multiplicação de seus elemen-
Solução tos por–1com o intuito de deixar a parte da incógnita positiva,
S=x1+x2=-2+7=5 invertemos o sinal representativo da desigualdade.
P=x1.x2=-2.7=-14
Então a equação é: x²-5x-14=0 Exemplo 1
Exemplo 4x + 12 > 2x – 2
(IMA – Analista Administrativo Jr – SHDIAS/2015) A soma 4x – 2x > – 2 – 12
das idades de Ana e Júlia é igual a 44 anos, e, quando somamos 2x > – 14
os quadrados dessas idades, obtemos 1000. A mais velha das x > –14/2
duas tem: x>–7
(A) 24 anos
(B) 26 anos Inequação-Produto
(C) 31 anos
(D) 33 anos Quando se trata de inequações-produto, teremos uma desi-
gualdade que envolve o produto de duas ou mais funções. Por-
Resolução tanto, surge a necessidade de realizar o estudo da desigualdade
A+J=44 em cada função e obter a resposta final realizando a intersecção
A²+J²=1000 do conjunto resposta das funções.
A=44-J
(44-J)²+J²=1000 Exemplo
1936-88J+J²+J²=1000
2J²-88J+936=0

Dividindo por2:
J²-44J+468=0
∆=(-44)²-4.1.468
∆=1936-1872=64
a)(-x+2)(2x-3)<0

26
MATEMÁTICA

Inequação -Quociente
Na inequação- quociente, tem-se uma desigualdade de fun-
ções fracionárias, ou ainda, de duas funções na qual uma está
dividindo a outra. Diante disso, deveremos nos atentar ao domí-
nio da função que se encontra no denominador, pois não existe A “bolinha” é fechada, pois o sinal da inequação é igual.
divisão por zero. Com isso, a função que estiver no denominador
da inequação deverá ser diferente de zero. S2 = { x R | x ≤ - 1}
O método de resolução se assemelha muito à resolução de Calculando agora o CONJUTO SOLUÇÃO da inequação
uma inequação-produto, de modo que devemos analisar o sinal
das funções e realizar a intersecção do sinal dessas funções. temos:
S = S1 ∩ S2
Exemplo
Resolva a inequação a seguir:

x-2≠0

Portanto:

S = { x R | x ≤ - 1} ou S = ] - ∞ ; -1]

Inequação 2º grau
x≠2 Chama-se inequação do 2º grau, toda inequação que pode
ser escrita numa das seguintes formas:
ax²+bx+c>0
ax²+bx+c≥0
Sistema de Inequação do 1º Grau ax²+bx+c<0
Um sistema de inequação do 1º grau é formado por duas ax²+bx+c<0
ou mais inequações, cada uma delas tem apenas uma variável ax²+bx+c≤0
sendo que essa deve ser a mesma em todas as outras inequa- ax²+bx+c≠0
ções envolvidas. Exemplo
Veja alguns exemplos de sistema de inequação do 1º grau: Vamos resolver a inequação3x² + 10x + 7 < 0.

Resolvendo Inequações
Resolver uma inequação significa determinar os valores re-
ais de x que satisfazem a inequação dada.
Assim, no exemplo, devemos obter os valores reais de x que
tornem a expressão 3x² + 10x +7negativa.

Vamos achar a solução de cada inequação.

4x + 4 ≤ 0
4x ≤ - 4
x≤-4:4

x≤-1

S1 = {x R | x ≤ - 1}

Fazendo o cálculo da segunda inequação temos:


x+1≤0
x≤-1

27
MATEMÁTICA

05. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)


Num estacionamento encontram-se 18 motos, 15 triciclos e al-
guns carros. Se Pedrinho contou um total de 269 rodas, quantos
carros tem no estacionamento?
(A) 45
(B) 47
(C)50
(D) 52

S = {x ∈ R / –7/3 < x < –1} 06. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)


O valor de m para que a equação (2m -1) x² - 6x + 3 = 0 tenha
QUESTÕES duas raízes reais iguais é
(A) 3
01. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON- (B) 2
CURSOS/2017) O dobro do quadrado de um número natural au- (C) −1
mentado de 3 unidades é igual a sete vezes esse número. Qual (D) −6
é esse número?
(A) 2 07. (IPRESB - Agente Previdenciário – VUNESP/2017) Em
(B) 3 setembro, o salário líquido de Juliano correspondeu a 4/5 do seu
(C) 4 salário bruto. Sabe-se que ele destinou 2/5 do salário líquido
(D) 5 recebido nesse mês para pagamento do aluguel, e que poupou
2/5 do que restou. Se Juliano ficou, ainda, com R$ 1.620,00 para
02. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) outros gastos, então o seu salário bruto do mês de setembro foi
Um carro parte da cidade A em direção à cidade B pela rodovia igual a
que liga as duas cidades, percorre 1/3 do percurso total e para (A) R$ 6.330,00.
no ponto P. Outro carro parte da cidade B em direção à cidade (B) R$ 5.625,00.
A pela mesma rodovia, percorre 1/4 do percurso total e para (C) R$ 5.550,00.
no ponto Q. Se a soma das distâncias percorridas por ambos os (D) R$ 5.125,00.
carros até os pontos em que pararam é igual a 28 km, então a (E) R$ 4.500,00.
distância entre os pontos P e Q, por essa rodovia, é, em quilô-
metros, igual a 8. (SESAU/RO – Técnico em Informática – FUNRIO/2017)
(A) 26. Daqui a 24 anos, Jovelino terá o triplo de sua idade atual. Daqui
(B) 24. a cinco anos, Jovelino terá a seguinte idade:
(C) 20. (A) 12.
(D) 18. (B) 14.
(E) 16. (C) 16.
(D) 17.
03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) (E) 18.
Nelson e Oto foram juntos a uma loja de materiais para constru-
ção. Nelson comprou somente 10 unidades iguais do produto 09. (PREF. DE FAZENDA RIO GRANDE/PR – Professor –
P, todas de mesmo preço. Já Oto comprou 7 unidades iguais do PUC/2017) A equação 8x² – 28x + 12 = 0 possui raízes iguais a x1
mesmo produto P, e gastou mais R$ 600,00 na compra de outros e x2. Qual o valor do produto x1 . x2?
materiais. Se os valores totais das compras de ambos foram exa- (A) 1/2 .
tamente iguais, então o preço unitário do produto P foi igual a (B) 3.
(A) R$ 225,00. (C) 3/2 .
(B) R$ 200,00. (D) 12.
(C) R$ 175,00. (E) 28.
(D) R$ 150,00.
(E) R$ 125,00. 10 (PREF.DO RIO DE JANEIRO – Agente de Administração
– PREF. DO RIO DE JANEIRO/2016) Ao perguntar para João qual
04. (ITAIPU BINACIONAL -Profissional Nível Técnico I - Téc- era a sua idade atual, recebi a seguinte resposta:
nico em Eletrônica – NCUFPR/2017) Considere a equação dada - O quíntuplo da minha idade daqui a oito anos, diminuí-
por 2x² + 12x + 3 = -7. Assinale a alternativa que apresenta a da do quíntuplo da minha idade há três anos atrás representa a
soma das duas soluções dessa equação. minha idade atual.A soma dos algarismos do número que repre-
(A) 0. senta, em anos, a idade atual de João, corresponde a:
(B) 1. (A) 6
(C) -1. (B) 7
(D) 6. (C) 10
(E) -6. (D) 14

28
MATEMÁTICA

RESPOSTAS Salário liquido: x

01. Resposta: B.
2x²+3=7x
2x²-7x+3=0
∆=49-24=25

10x+6x+40500=25x
9x=40500
X=4500

Salariofração
y---------------1
Como tem que ser natural, apenas o número 3 convém. 4500---------4/5

02. Resposta: C.

Mmc(3,4)=12

4x+3x=336 08. Resposta: D.


7x=336 Idade atual: x
X=48 X+24=3x
A distância entre A e B é 48km 2x=24
Como já percorreu 28km X=12
48-28=20 km entre P e Q. Ele tem agora 12 anos, daqui a 5 anos: 17.

03. Resposta:B. 09. Resposta: C.


Sendo x o valor do material P ∆=(-28)²-4.8.12
10x=7x+600 ∆=784-384
3x=600 ∆=400
X=200

04. Resposta: E.
2x²+12x+10=0
∆=12²-4⋅2⋅10
∆=144-80=64

10. Resposta: C.
A soma das duas é -1-5=-6 Atual:x
5(x+8)-5(x-3)=x
05. Resposta:B. 5x+40-5x+15=x
Vamos fazer a conta de rodas: X=55
Motos tem 2 rodas, triciclos 3 e carros 4 Soma: 5+5=10
18⋅2+15⋅3+x⋅4=269
4x=269-36-45 Diagrama de Flechas
4x=188
X=47

06. Resposta: B
∆=-(-6)²-4⋅(2m-1) ⋅3=0
36-24m+12=0
-24m=-48
M=2

07. Resposta: B.

29
MATEMÁTICA

Exemplo
Com os conjuntosA={1, 4, 7}eB={1, 4, 6, 7, 8, 9, 12}criamos
a funçãof: A→B.definida porf(x) = x + 5que também pode ser re-
presentada pory = x + 5. A representação, utilizando conjuntos,
desta função, é:

Gráfico Cartesiano

No nosso exemplo, o domínio éD = {1, 4, 7}, o contradomí-


nio é ={1, 4, 6, 7, 8, 9, 12}e o conjunto imagem éIm = {6, 9, 12}

Classificação das funções

Injetora: Quando para ela elementos distintos do domínio


apresentam imagens também distintas no contradomínio.

Muitas vezes nos deparamos com situações que envolvem


uma relação entre grandezas. Assim, o valor a ser pago na conta
de luz depende do consumo medido no período; o tempo de
uma viagem de automóvel depende da velocidade no trajeto.
Como, em geral, trabalhamos com funções numéricas, o do-
mínio e a imagem são conjuntos numéricos, e podemos definir Sobrejetora: Quando todos os elementos do contradomínio
com mais rigor o que é uma função matemática utilizando a lin- forem imagens de pelo menos um elemento do domínio.
guagem da teoria dos conjuntos.

Definição: Sejam A e B dois conjuntos não vazios e f uma


relação de A em B.
Essa relação f é uma função de A em B quando a cada ele-
mento x do conjunto A está associado um e apenas um elemen-
to y do conjunto B.

Notação: f:A→B (lê-se função f de A em B)

Domínio, contradomínio, imagem


Bijetora: Quando apresentar as características de função
O domínio é constituído por todos os valores que podem
injetora e ao mesmo tempo, de sobrejetora, ou seja, elementos
ser atribuídos à variável independente. Já a imagem da função
distintos têm sempre imagens distintas e todos os elementos
é formada por todos os valores correspondentes da variável de-
do contradomínio são imagens de pelo menos um elemento do
pendente.
domínio.
O conjunto A é denominado domínio da função, indicada
por D. O domínio serve para definir em que conjunto estamos
trabalhando, isto é, os valores possíveis para a variável x.
O conjunto B é denominado contradomínio, CD.
Cada elemento x do domínio tem um correspondente y no
contradomínio. A esse valor de y damos o nome de imagem de x
pela função f. O conjunto de todos os valores de y que são ima-
gens de valores de x forma o conjunto imagem da função, que
indicaremos por Im.

30
MATEMÁTICA

Função 1 grau
A função do 1° grau relacionará os valores numéricos obti-
dos de expressões algébricas do tipo (ax + b), constituindo, as-
sim, a funçãof(x) = ax + b.

Estudo dos Sinais


Definimos função como relação entre duas grandezas re-
presentadas por x e y. No caso de uma função do 1º grau, sua lei
de formação possui a seguinte característica:y = ax + bouf(x) =
ax + b, onde os coeficientes a e b pertencem aos reais e diferem Podemos estabelecer uma formação geral para o cálculo da
de zero. Esse modelo de função possui como representação grá- raiz de uma função do 1º grau, basta criar uma generalização
fica a figura de uma reta, portanto, as relações entre os valores com base na própria lei de formação da função, considerando y
do domínio e da imagem crescem ou decrescem de acordo com = 0 e isolando o valor de x (raiz da função).
o valor do coeficiente a. Se o coeficiente possui sinal positivo, a X=-b/a
função é crescente, e caso ele tenha sinal negativo, a função é
decrescente. Dependendo do caso, teremos que fazer um sistema com
duas equações para acharmos o valor de a e b.
Função Crescente: a > 0
De uma maneira bem simples, podemos olhar no gráfico Exemplo:
que os valores de y vão crescendo. Dado que f(x)=ax+b e f(1)=3 e f(3)=5, ache a função.

F(1)=1a+b
3=a+b

F(3)=3a+b
5=3a+b

Isolando a em I
a=3-b
Substituindo em II

3(3-b)+b=5
9-3b+b=5
Função Decrescente: a < 0 -2b=-4
Nesse caso, os valores de y, caem. b=2

Portanto,
a=3-b
a=3-2=1

Assim, f(x)=x+2

Função Quadrática ou Função do 2º grau


Em geral, uma função quadrática ou polinomial do segundo
grau tem a seguinte forma:
f(x)=ax²+bx+c, onde a≠0
f(x)=a(x-x1)(x-x2)
É essencial que apareça ax² para ser uma função quadrática
e deve ser o maior termo.
Raiz da função Considerações
Calcular o valor da raiz da função é determinar o valor em
que a reta cruza o eixo x, para isso consideremos o valor de y Concavidade
igual a zero, pois no momento em que a reta intersecta o eixo x, A concavidade da parábola é para cima se a>0 e para baixo
y = 0. Observe a representação gráfica a seguir: se a<0

31
MATEMÁTICA

Em qualquer caso, as coordenadas de V são

Veja os gráficos:

Discriminante(∆)

∆=b²-4ac

∆>0
A parábola y=ax²+bx+c intercepta o eixo x em dois pon-
tos distintos, (x1,0) e (x2,0), onde x1 e x2 são raízes da equação
ax²+bx+c=0

∆=0
Quando , a parábola y=ax²+bx+c é tangente ao

eixo x, no ponto

Repare que, quando tivermos o discriminante , as


duas raízes da equação ax²+bx+c=0 são iguais

∆<0

A função não tem raízes reais

Raízes

Equação Exponencial
É toda equação cuja incógnita se apresenta no expoente de
uma ou mais potências de bases positivas e diferentes de 1.

Exemplo
Resolva a equação no universo dos números reais.

Vértices e Estudo do Sinal Solução


Quando a > 0, a parábola tem concavidade voltada para
cima e um ponto de mínimo V; quando a < 0, a parábola tem
concavidade voltada para baixo e um ponto de máximo V.

32
MATEMÁTICA

Este número é denotado por e em homenagem ao mate-


mático suíço Leonhard Euler (1707-1783), um dos primeiros a
estudar as propriedades desse número.
O valor deste número expresso com 10 dígitos decimais, é:
Função exponencial e = 2,7182818284
Se x é um número real, a função exponencial exp(.) pode ser
A expressão matemática que define a função exponencial é escrita como a potência de base e com expoente x, isto é:
uma potência. Nesta potência, a base é um número real positivo ex = exp(x)
e diferente de 1 e o expoente é uma variável. Propriedades dos expoentes
Se a, x e y são dois números reais quaisquer e k é um núme-
Função crescente ro racional, então:
Se temos uma função exponencial crescente, qual- - axay= ax + y
quer que seja o valor real de x. - ax/ ay= ax - y
No gráfico da função ao lado podemos observar que à me- - (ax)y= ax.y
dida que x aumenta, também aumenta f (x)ou y. Graficamente - (a b)x= axbx
vemos que a curva da função é crescente. - (a / b)x= ax/ bx
- a-x= 1 / ax

Logaritmo
Considerando-se dois números N e a reais e positivos, com
a ≠1, existe um número c tal que:

A esse expoente c damos o nome de logaritmo de N na base


a

Ainda com base na definição podemos estabelecer condi-


Função decrescente ções de existência:

Se temos uma função exponencial decres-


cente em todo o domínio da função.
Neste outro gráfico podemos observar que à medida que Exemplo
x aumenta,y diminui. Graficamente observamos que a curva da
função é decrescente.

Consequências da Definição

A Constante de Euler

É definida por :
e = exp(1)
O número e é um número irracional e positivo e em função
da definição da função exponencial, temos que:
Ln(e) = 1

33
MATEMÁTICA

Propriedades Alugando um automóvel, nesta locadora, quantos quilôme-


tros precisam ser rodados para que o valor do aluguel pelo Plano
A seja igual ao valor do aluguel pelo Plano B?
(A) 30.
(B) 36.
(C) 48.
(D) 75.
(E) 84.

02. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Um vende-


dor recebe um salário mensal composto de um valor fixo de R$
Mudança de Base 1.300,00 e de uma parte variável. A parte variável corresponde
a uma comissão de 6% do valor total de vendas que ele fez du-
rante o mês. O salário mensal desse vendedor pode ser descrito
por uma expressão algébrica f(x), em função do valor total de
vendas mensal, representado por x.
Exemplo A expressão algébrica f(x) que pode representar o salário
Dados log 2=0,3010 e log 3=0,4771, calcule: mensal desse vendedor é
a)log 6 (A) f(x) = 0,06x + 1.300.
b) log1,5 (B) f(x) = 0,6x + 1.300.
c) log 16 (C) f(x) = 0,78x + 1.300.
Solução (D) f(x) = 6x + 1.300.
a) Log 6=log 2⋅3=log2+log3=0,3010+0,4771=0,7781 (E) f(x) = 7,8x + 1.300.

03. (CONSANPA – Técnico Industrial – FADESP/2017) Um


reservatório em formato de cilindro é abastecido por uma fon-
te a vazão constante e tem a altura de sua coluna d’água (em
metros), em função do tempo (em dias), descrita pelo seguinte
Função Logarítmica gráfico:

Uma função dada por , em que


a constante a é positiva e diferente de 1, denomina-se função
logarítmica.

Sabendo que a altura do reservatório mede 12 metros, o


número de dias necessários para que a fonte encha o reservató-
rio inicialmente vazio é
(A) 18
(B) 12
(C) 8
(D) 6

04. (TRT – 14ªREGIÃO -Técnico Judiciário – FCC/2016)Car-


los presta serviço de assistência técnica de computadores em
QUESTÕES empresas. Ele cobra R$ 12,00 para ir até o local, mais R$ 25,00
por hora de trabalho até resolver o problema (também são co-
01. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Uma loca- bradas as frações de horas trabalhadas). Em um desses serviços,
dora de automóveis oferece dois planos de aluguel de carros a Carlos resolveu o problema e cobrou do cliente R$ 168,25, o que
seus clientes: permite concluir que ele trabalhou nesse serviço
(A) 5 horas e 45 minutos.
Plano A: diária a R$ 120,00, com quilometragem livre. (B) 6 horas e 15 minutos.
Plano B: diária a R$ 90,00, mais R$ 0,40 por quilômetro ro- (C) 6 horas e 25 minutos.
dado. (D) 5 horas e 25 minutos.
(E) 5 horas e 15 minutos.

34
MATEMÁTICA

05. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) No sistema 09. (IF/ES – Administrador – IFES/2017) O gráfico que me-
de coordenadas cartesianas da figura abaixo, encontram-se re- lhor representa a função y = 2x , para o domínio em R+ é:
presentados o gráfico da função de segundo grau f, definida por
f(x), e o gráfico da função de primeiro grau g, definida por g(x).
(A)

(B)

(C)

Os valores de x, soluções da equação f(x)=g(x), são


(A)-0,5 e 2,5.
(B) -0,5 e 3.
(C) -1 e 2.
(D) -1 e 2,5.
(E) -1 e 3.
(D)
06. (EMBASA – Agente Administrativo – IBFC/2017) A soma
das coordenadas do vértice da parábola da função f(x) = – x² +
8x – 12 é igual a:
(A) 4
(B) 6
(C) 8
(D) 10

07. (EMBASA – Assistente de Laboratório – (E)

IBFC/2017) Substituindo o valor da raiz da função


, na função g(x) = x2 - 4x + 5, encontramos
como resultado:
(A) 12
(B) 15
(C) 16
(D) 17

08. (PETROBRAS - Técnico de Enfermagem do Trabalho Jú-


nior -CESGRANRIO/2017) Quantos valores reais de x fazem com 10. (PETROBRAS - Técnico de Enfermagem do Trabalho Jú-
que a expressão assuma valor numérico nior -CESGRANRIO/2017) Qual o maior valor de k na equação
igual a 1? log(kx) = 2log(x+3) para que ela tenha exatamente uma raiz?
(A) 2 (A) 0
(B) 3 (B) 3
(C) 4 (C) 6
(D) 5 (D) 9
(E) 6 (E) 12

35
MATEMÁTICA

11. (ITAIPU BINACIONAL -Profissional Nível Técnico I - Téc- Igualando a função do primeiro grau e a função do segundo
nico em Eletrônica – NCUFPR/2017) Considerando que log105 = grau:
0,7, assinale a alternativa que apresenta o valor de log5100. X²-4=2x-1
(A) 0,35. X²-2x-3=0
(B) 0,50. ∆=4+12=16
(C)2,85.
(D) 7,00.
(E) 70,00.

RESPOSTAS

01. Resposta: D.
06. Resposta:C.
90+0,4x=120
0,4x=30
X=75km

02. Resposta: A.

6%=0,06
Como valor total é x, então 0,06x A soma das coordenadas é igual a 8
E mais a parte fixa de 1300
0,06x+1300 07. Resposta: D.

03. Resposta: A.

2x=36
X=18

04.Resposta: B.
F(x)=12+25x -2x=-12
X=hora de trabalho X=6
Substituindo em g(x)
168,25=12+25x G(6)=6²-4(6)+5=36-24+5=17
25x=156,25
X=6,25 horas 08. Resposta: D.
1hora---60 minutos Para assumir valor 1, o expoente deve ser igual a zero.
0,25-----x X²+4x-60=0
X=15 minutos ∆=4²-4.1.(-60)
∆=16+240
Então ele trabalhou 6 horas e 15 minutos ∆=256

05. Resposta: E.
Como a função do segundo grau, tem raízes -2 e 2:
(x-2)(x+2)=x²-4

A função do primeiro grau, tem o ponto (0, -1) e (2,3)


Y=ax+b
-1=b
3=2a-1
2a=4 A base pode ser igual a 1:
A=2 X²-5x+5=1
Y=2x-1 X²-5x+4=0
∆=25-16=9

36
MATEMÁTICA

A base for -1 desde que o expoente seja par:


X²-5x+5=-1
X²-5x+6=0

∆=25-24=1

Vamos substituir esses dois valores no expoente


X=2:
X²+4x-60
2²+8-60==48
X=3
3²+12-60=-39
Portanto, serão 5 valores.

09. Resposta: A.
Um gráfico de função exponencial não começa do zero, é é uma curva.

10. Resposta: E.
Kx=(x+3)²
Kx=x²+6x+9
X²+(6-k)x+9=0
Para ter uma raiz, ∆=0
∆=b²-4ac
, ∆=(6-k)²-36=0
36-12k+k²-36=0
k²-12k=0
k=0 ou k=12

11. Resposta:C.

37
MATEMÁTICA

GRANDEZAS E MEDIDAS – QUANTIDADE, TEMPO, COMPRIMENTO, SUPERFÍCIE, CAPACIDADE E MASSA;

Unidades de Comprimento
km hm dam m dm cm mm
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Os múltiplos do metro são utilizados para medir grandes distâncias, enquanto os submúltiplos, para pequenas distâncias. Para
medidas milimétricas, em que se exige precisão, utilizamos:

mícron (µ) = 10-6 m angströn (Å) = 10-10 m

Para distâncias astronômicas utilizamos o Ano-luz (distância percorrida pela luz em um ano):
Ano-luz = 9,5 · 1012 km

Exemplos de Transformação

1m=10dm=100cm=1000mm=0,1dam=0,01hm=0,001km
1km=10hm=100dam=1000m

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando “ andamos” para direita multiplica por 10 e para a esquerda divide por 10.

Superfície
A medida de superfície é sua área e a unidade fundamental é o metro quadrado(m²).

Para transformar de uma unidade para outra inferior, devemos observar que cada unidade é cem vezes maior que a unidade
imediatamente inferior. Assim, multiplicamos por cem para cada deslocamento de uma unidade até a desejada.

Unidades de Área
km 2
hm 2
dam 2
m2 dm2 cm2 mm2
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro

Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado


1000000m 2
10000m 2
100m 2
1m 2
0,01m 2
0,0001m 2
0,000001m2

Exemplos de Transformação

1m²=100dm²=10000cm²=1000000mm²
1km²=100hm²=10000dam²=1000000m²

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando “ andamos” para direita multiplica por 100 e para a esquerda divide por 100.

Volume

Os sólidos geométricos são objetos tridimensionais que ocupam lugar no espaço. Por isso, eles possuem volume. Podemos encon-
trar sólidos de inúmeras formas, retangulares, circulares, quadrangulares, entre outras, mas todos irão possuir volume e capacidade.

Unidades de Volume
km 3
hm 3
dam 3
m3 dm3 cm3 mm3

38
MATEMÁTICA

Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro

Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico


1000000000m 3
1000000m 3
1000m 3
1m 3
0,001m 3
0,000001m 3
0,000000001m3

Capacidade
Para medirmos a quantidade de leite, sucos, água, óleo, gasolina, álcool entre outros utilizamos o litro e seus múltiplos e submúl-
tiplos, unidade de medidas de produtos líquidos.
Se um recipiente tem 1L de capacidade, então seu volume interno é de 1dm³

1L=1dm³

Unidades de Capacidade
kl hl dal l dl cl ml
Quilolitro Hectolitro Decalitro Litro Decilitro Centilitro Mililitro
1000l 100l 10l 1l 0,1l 0,01l 0,001l

Massa

Toda vez que andar 1 casa para direita, multiplica por 10 e quando anda para esquerda divide por 10.
E uma outra unidade de massa muito importante é a tonelada
1 tonelada=1000kg

Tempo

A unidade fundamental do tempo é o segundo(s).


É usual a medição do tempo em várias unidades, por exemplo: dias, horas, minutos

Transformação de unidades

Deve-se saber:
1 dia=24horas
1hora=60minutos
1 minuto=60segundos
1hora=3600s

Adição de tempo

Exemplo: Estela chegou ao 15h 35minutos. Lá, bateu seu recorde de nado livre e fez 1 minuto e 25 segundos. Demorou 30 minu-
tos para chegar em casa. Que horas ela chegou?

39
MATEMÁTICA

1h 20 minutos, transformamos para minutos :60+20=80mi-


nutos

QUESTÕES

01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários-


VUNESP/2017) Uma gráfica precisa imprimir um lote de 100000
folhetos e, para isso, utiliza a máquina A, que imprime 5000 fo-
Não podemos ter 66 minutos, então temos que transferir lhetos em 40 minutos. Após 3 horas e 20 minutos de funciona-
para as horas, sempre que passamos de um para o outro tem mento, a máquina A quebra e o serviço restante passa a ser feito
que ser na mesma unidade, temos que passar 1 hora=60 minu- pela máquina B, que imprime 4500 folhetos em 48 minutos. O
tos tempo que a máquina B levará para imprimir o restante do lote
Então fica: 16h6 minutos 25segundos de folhetos é
(A) 14 horas e 10 minutos.
Vamos utilizar o mesmo exemplo para fazer a operação in- (B) 14 horas e 05 minutos.
versa. (C) 13 horas e 45 minutos.
(D) 13 horas e 30 minutos.
Subtração (E) 13 horas e 20 minutos.
Vamos dizer que sabemos que ela chegou em casa as 16h6
minutos 25 segundos e saiu de casa às 15h 35 minutos. Quanto 02. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)
tempo ficou fora? Renata foi realizar exames médicos em uma clínica. Ela saiu de
sua casa às 14h 45 min e voltou às 17h 15 min. Se ela ficou du-
rante uma hora e meia na clínica, então o tempo gasto no trân-
sito, no trajeto de ida e volta, foi igual a
(A) 1/2h.
(B) 3/4h.
(C) 1h.
(D) 1h 15min.
Não podemos tirar 6 de 35, então emprestamos, da mesma (E) 1 1/2h.
forma que conta de subtração.
1hora=60 minutos 03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)
Uma indústria produz regularmente 4500 litros de suco por dia.
Sabe-se que a terça parte da produção diária é distribuída em
caixinhas P, que recebem 300 mililitros de suco cada uma. Nes-
sas condições, é correto afirmar que a cada cinco dias a indústria
utiliza uma quantidade de caixinhas P igual a
(A) 25000.
Multiplicação (B) 24500.
(C) 23000.
Pedro pensou em estudar durante 2h 40 minutos, mas de- (D) 22000.
morou o dobro disso. Quanto tempo durou o estudo? (E) 20500.

04. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)


Uma empresa farmacêutica distribuiu 14400 litros de uma subs-
tância líquida em recipientes de 72 cm3 cada um. Sabe-se que
cada recipiente, depois de cheio, tem 80 gramas. A quantidade
de toneladas que representa todos os recipientes cheios com
essa substância é de
(A) 16
(B) 160
Divisão (C) 1600
5h 20 minutos :2 (D) 16000

40
MATEMÁTICA

05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) João 10. (DPE/RR – Auxiliar Administrativo – FCC/2015) Rai-
estuda à noite e sua aula começa às 18h40min. Cada aula tem mundo tinha duas cordas, uma de 1,7 m e outra de 1,45 m. Ele
duração de 45 minutos, e o intervalo dura 15 minutos. Sabendo- precisava de pedaços, dessas cordas, que medissem 40 cm de
-se que nessa escola há 5 aulas e 1 intervalo diariamente, pode- comprimento cada um. Ele cortou as duas cordas em pedaços
-se afirmar que o término das aulas de João se dá às: de 40 cm de comprimento e assim conseguiu obter
(A) 22h30min (A) 6 pedaços.
(B) 22h40min (B) 8 pedaços.
(C) 22h50min (C) 9 pedaços.
(D) 23h (D) 5 pedaços.
(E) Nenhuma das anteriores (E) 7 pedaços.

06. (IBGE – Agente Censitário Administrativo- FGV/2017) RESPOSTAS


Quando era jovem, Arquimedes corria 15km em 1h45min. Agora
que é idoso, ele caminha 8km em 1h20min. 01. Resposta: E.
3h 20 minutos-200 minutos
Para percorrer 1km agora que é idoso, comparado com a 5000-----40
época em que era jovem, Arquimedes precisa de mais: x----------200
(A) 10 minutos; x=1000000/40=25000
(B) 7 minutos;
(C) 5 minutos; Já foram impressos 25000, portanto faltam ainda 75000
(D) 3 minutos; 4500-------48
(E) 2 minutos. 75000------x
X=3600000/4500=800 minutos
07. (IBGE – Agente Censitário Administrativo- FGV/2017) 800/60=13,33h
Lucas foi de carro para o trabalho em um horário de trânsito in- 13 horas e 1/3 hora
tenso e gastou 1h20min. Em um dia sem trânsito intenso, Lucas 13h e 20 minutos
foi de carro para o trabalho a uma velocidade média 20km/h
maior do que no dia de trânsito intenso e gastou 48min.

A distância, em km, da casa de Lucas até o trabalho é:


(A) 36;
(B) 40;
(C) 48;
(D) 50;
(E) 60. 02. Resposta: C.
Como ela ficou 1hora e meia na clínica o trajeto de ida e
08. (EMDEC - Assistente Administrativo Jr – IBFC/2016) volta demorou 1 hora.
Carlos almoçou em certo dia no horário das 12:45 às 13:12. O
total de segundos que representa o tempo que Carlos almoçou 03. Resposta:A.
nesse dia é: 4500/3=1500 litros para as caixinhas
(A) 1840 1500litros=1500000ml
(B) 1620 1500000/300=5000 caixinhas por dia
(C) 1780 5000.5=25000 caixinhas em 5 dias
(D) 2120
04. Resposta:A.
09. (ANP – Técnico Administrativo – CESGRANRIO/2016) 14400litros=14400000 ml
Um caminhão-tanque chega a um posto de abastecimento com
36.000 litros de gasolina em seu reservatório. Parte dessa ga-
solina é transferida para dois tanques de armazenamento, en-
chendo-os completamente. Um desses tanques tem 12,5 m3, e
o outro, 15,3 m3, e estavam, inicialmente, vazios. 200000⋅80=16000000 gramas=16 toneladas
Após a transferência, quantos litros de gasolina restaram no
caminhão-tanque? 05. Resposta: B.
(A) 35.722,00 5⋅45=225 minutos de aula
(B) 8.200,00 225/60=3 horas 45 minutos nas aulas mais 15 minutos de
(C) 3.577,20 intervalo=4horas
(D) 357,72 18:40+4h=22h:40
(E) 332,20
06. Resposta: D.

41
MATEMÁTICA

1h45min=60+45=105 minutos -Mostrar a informação de modo tão acurado quanto pos-


sível.
15km-------105 -Utilizar títulos, rótulos, legendas, etc. para tornar claro o
1--------------x contexto, o conteúdo e a mensagem.
X=7 minutos -Complementar ou melhorar a visualização sobre aspectos
descritos ou mostrados numericamente através de tabelas.
1h20min=60+20=80min -Utilizar escalas adequadas.
-Mostrar claramente as tendências existentes nos dados.
8km----80
1-------x Tipos de gráficos
X=10minutos
Barras- utilizam retângulos para mostrar a quantidade.
A diferença é de 3 minutos
Barra vertical
07. Resposta: B.
V------80min
V+20----48
Quanto maior a velocidade, menor o tempo(inversamente)

80v=48V+960
32V=960
V=30km/h

30km----60 min
x-----------80

60x=2400
X=40km Fonte: tecnologia.umcomo.com.br

08 Resposta: B. Barra horizontal


12:45 até 13:12 são 27 minutos
27x60=1620 segundos

09. Resposta: B.
1m³=1000litros
36000/1000=36 m³
36-12,5-15,3=8,2 m³x1000=8200 litros

10.Resposta: E.
1,7m=170cm
1,45m=145 cm
170/40=4 resta 10
145/40=3 resta 25
4+3=7

RELAÇÃO ENTRE GRANDEZAS – TABELA OU GRÁFICO;

GRÁFICOS E TABELAS

Os gráficos e tabelas apresentam o cruzamento entre dois


dados relacionados entre si. Fonte: mundoeducacao.bol.uol.com.br
A escolha do tipo e a forma de apresentação sempre vão
depender do contexto, mas de uma maneira geral um bom grá-
fico deve:

42
MATEMÁTICA

Histogramas

São gráfico de barra que mostram a frequência de uma va-


riável específica e um detalhe importante que são faixas de va-
lores em x.

Pictogramas – são imagens ilustrativas para tornar mais fácil


a compreensão de todos sobre um tema.

Setor ou pizza- Muito útil quando temos um total e que- Da mesma forma, as tabelas ajudam na melhor visualização
remos demonstrar cada parte, separando cada pedaço como de dados e muitas vezes é através dela que vamos fazer os tipos
numa pizza. de gráficos vistos anteriormente.

Podem ser tabelas simples:

Quantos aparelhos tecnológicos você tem na sua casa?

aparelho quantidade
televisão 3
celular 4
Geladeira 1

Até as tabelas que vimos nos exercícios de raciocínio lógico

Fonte: educador.brasilescola.uol.com.br

Linhas- É um gráfico de grande utilidade e muito comum


na representação de tendências e relacionamentos de variáveis

43
MATEMÁTICA

QUESTÕES 03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) O


gráfico mostra o número de carros vendidos por uma concessio-
01. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na Pesqui- nária nos cinco dias subsequentes à veiculação de um anúncio
sa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, realizada pelo promocional.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram ob-
tidos os dados da taxa de desocupação da população em idade
para trabalhar. Esses dados, em porcentagem, encontram-se in-
dicados na apresentação gráfica abaixo, ao longo de trimestres
de 2014 a 2017.

O número médio de carros vendidos por dia nesse período


foi igual a
Dentre as alternativas abaixo, assinale a que apresenta a (A) 10.
melhor aproximação para o aumento percentual da taxa de de- (B) 9.
socupação do primeiro trimestre de 2017 em relação à taxa de (C) 8.
desocupação do primeiro trimestre de 2014. (D) 7.
(E) 6.
(A) 15%.
(B) 25%. 04. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) Uma
(C) 50%. professora elaborou um gráfico de setores para representar a
(D) 75%. distribuição, em porcentagem, dos cinco conceitos nos quais fo-
(E) 90%. ram agrupadas as notas obtidas pelos alunos de uma determi-
nada classe em uma prova de matemática. Observe que, nesse
02. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) A gráfico, as porcentagens referentes a cada conceito foram subs-
tabela seguinte, incompleta, mostra a distribuição, percentual tituídas por x ou por múltiplos e submúltiplos de x.
e quantitativa, da frota de uma empresa de ônibus urbanos, de
acordo com o tempo de uso destes.

Tempo de uso Quantidade de ônibus % do total


Até 5 anos ----- 35%
6 a 10 anos 81 -----
11 a 15 anos 27 -----
Mais de 15 anos ----- 5%

O número total de ônibus dessa empresa é


(A) 270.
(B) 250.
(C) 220 Analisando o gráfico, é correto afirmar que a medida do ân-
(D) 180. gulo interno correspondente ao setor circular que representa o
(E) 120. conceito BOM é igual a
(A) 144º.
(B) 135º.
(C) 126º
(D) 117º
(E) 108º.

44
MATEMÁTICA

05. (TCE/PR – Conhecimentos Básicos – CESPE/2016) 06. (BRDE – Assistente Administrativo – FUNDATEC/2015)
Assinale a alternativa que representa a nomenclatura dos três
gráficos abaixo, respectivamente.

Tendo como referência o gráfico precedente, que mostra os


valores, em bilhões de reais, relativos à arrecadação de receitas
e aos gastos com despesas do estado do Paraná nos doze meses
do ano de 2015, assinale a opção correta.
(A) No ano considerado, o segundo trimestre caracterizou-
-se por uma queda contínua na arrecadação de receitas, situa-
ção que se repetiu no trimestre seguinte.
(B) No primeiro quadrimestre de 2015, houve um período
de queda simultânea dos gastos com despesas e da arrecadação
de receitas e dois períodos de aumento simultâneo de gastos e
de arrecadação.
(C) No último bimestre do ano de 2015, foram registrados
tanto o maior gasto com despesas quanto a maior arrecadação
de receitas.
(D) No ano em questão, janeiro e dezembro foram os únicos
meses em que a arrecadação de receitas foi ultrapassada por
gastos com despesas.
(E) A menor arrecadação mensal de receitas e o menor gas-
to mensal com despesas foram verificados, respectivamente, no
primeiro e no segundo semestre do ano de 2015.

(A) Gráfico de Setores – Gráfico de Barras – Gráfico de Linha.


(B) Gráfico de Pareto – Gráfico de Pizza – Gráfico de Ten-
dência.
(C) Gráfico de Barras – Gráfico de Setores – Gráfico de Linha.
(D) Gráfico de Linhas – Gráfico de Pizza – Gráfico de Barras.
(E) Gráfico de Tendência – Gráfico de Setores – Gráfico de
Linha.

45
MATEMÁTICA

07. (TJ/SP – Estatístico Judiciário – VUNESP/2015) A distri-


buição de salários de uma empresa com 30 funcionários é dada
na tabela seguinte.

Salário (em salários mínimos) Funcionários


1,8 10 (D)
2,5 8
3,0 5
5,0 4
8,0 2
15,0 1 (E)

Pode-se concluir que 09. (DEPEN – Agente Penitenciário Federal – CESPE/2015)


(A) o total da folha de pagamentos é de 35,3 salários.
(B) 60% dos trabalhadores ganham mais ou igual a 3 salá-
rios.
(C) 10% dos trabalhadores ganham mais de 10 salários.
(D) 20% dos trabalhadores detêm mais de 40% da renda
total.
(E) 60% dos trabalhadores detêm menos de 30% da renda
total.

08. (TJ/SP – Estatístico Judiciário – VUNESP/2015) Conside-


re a tabela de distribuição de frequência seguinte, em quexié a
variável estudada efié a frequência absoluta dos dados.

xi fi
30-35 4
35-40 12 Ministério da Justiça — Departamento Penitenciário Nacio-
40-45 10 nal
— Sistema Integrado de Informações Penitenciárias – In-
45-50 8
foPen,
50-55 6 Relatório Estatístico Sintético do Sistema Prisional Brasilei-
TOTAL 40 ro,
dez./2013 Internet:<www.justica.gov.br>(com adaptações)
Assinale a alternativa em que o histograma é o que melhor
representa a distribuição de frequência da tabela. A tabela mostrada apresenta a quantidade de detentos no
sistema penitenciário brasileiro por região em 2013. Nesse ano,
o déficit relativo de vagas — que se define pela razão entre o
déficit de vagas no sistema penitenciário e a quantidade de de-
tentos no sistema penitenciário — registrado em todo o Brasil
foi superior a 38,7%, e, na média nacional, havia 277,5 detentos
(A) por 100 mil habitantes.
Com base nessas informações e na tabela apresentada, jul-
gue o item a seguir.
Em 2013, mais de 55% da população carcerária no Brasil se
encontrava na região Sudeste.
(B)
( )certo() errado

(C)

46
MATEMÁTICA

10. (DEPEN – Agente Penitenciário Federal – CESPE/2015) 04. Resposta: A.

X+0,5x+4x+3x+1,5x=360
10x=360
X=36
Como o conceito bom corresponde a 4x: 4x36=144°

05. Resposta: B.
Analisando o primeiro quadrimestre, observamos que os
dois primeiros meses de receita diminuem e os dois meses se-
guintes aumentam, o mesmo acontece com a despesa.

A partir das informações e do gráfico apresentados, julgue


o item que se segue.
Se os percentuais forem representados por barras verticais,
conforme o gráfico a seguir, então o resultado será denominado
histograma.

06. Resposta: C.
Como foi visto na teoria, gráfico de barras, de setores ou
pizza e de linha

07. Resposta: D.
(A) 1,8x10+2,5x8+3,0x5+5,0x4+8,0x2+15,0x1=104 salários
(B) 60% de 30=18 funcionários e se juntarmos quem ganha
mais de 3 salários (5+4+2+1=12)
(C)10% de 30=0,1x30=3 funcionários
E apenas 1 pessoa ganha
(D) 40% de 104=0,4x104= 41,6
20% de 30=0,2x30=6
5x3+8x2+15x1=46, que já é maior.
( ) Certo( ) Errado (E) 60% de 30=0,6x30=18
30% de 104=0,3x104=31,20da renda: 31,20
RESPOSTAS
08. Resposta: A.
01. Resposta: E. Colocando em ordem crescente: 30-35, 50-55, 45-50, 40-
13,7/7,2=1,90 45, 35-40,
Houve um aumento de 90%.
09. Resposta: CERTA.
02. Resposta:D 555----100%
81+27=108 x----55%
108 ônibus somam 60%(100-35-5) x=305,25
108-----60 Está correta, pois a região sudeste tem 306 pessoas.
x--------100
x=10800/60=180 10. Resposta: ERRADO.
Como foi visto na teoria, há uma faixa de valores no eixo x e
03. Resposta: C. não simplesmente um dado.

Referências
http://www.galileu.esalq.usp.br

47
MATEMÁTICA

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO – MÉDIA ARITMÉTI-


CA SIMPLES;

Sequências
Observe que cada termo é obtido adicionando-se ao pri-
Sempre que estabelecemos uma ordem para os elementos
meiro número de razões r igual à posição do termo menos uma
de um conjunto, de tal forma que cada elemento seja associado
unidade.
a uma posição, temos uma sequência.
O primeiro termo da sequência é indicado por a1,o segundo
por a2, e o n-ésimo por an.
Soma dos Termos de uma Progressão Aritmética
Termo Geral de uma Sequência
Considerando a PA finita (6,10, 14, 18, 22, 26, 30, 34).
Algumas sequências podem ser expressas mediante uma lei
6 e 34 são extremos, cuja soma é 40
de formação. Isso significa que podemos obter um termo qual-
quer da sequência a partir de uma expressão, que relaciona o
valor do termo com sua posição.
Para a posição n(n∈N*), podemos escrever an=f(n)
Numa PA finita, a soma de dois termos equidistantes dos
Progressão Aritmética
extremos é igual à soma dos extremos.
Denomina-se progressão aritmética(PA) a sequência em
que cada termo, a partir do segundo, é obtido adicionando-se
Soma dos Termos
uma constante r ao termo anterior. Essa constante r chama-se
Usando essa propriedade, obtemos a fórmula que permi-
razão da PA.
te calcular a soma dos n primeiros termos de uma progressão
aritmética.

Exemplo
A sequência (2,7,12) é uma PA finita de razão 5:

Exemplo
Classificação
Uma progressão aritmética finita possui 39 termos. O
As progressões aritméticas podem ser classificadas de acor-
último é igual a 176 e o central e igual a 81. Qual é o primeiro
do com o valor da razão r.
termo?
r<0, PA decrescente
r>0, PA crescente
Solução
r=0 PA constante
Como esta sucessão possui 39 termos, sabemos que o ter-
mo central é o a20, que possui 19 termos à sua esquerda e mais
Propriedades das Progressões Aritméticas
19 à sua direita. Então temos os seguintes dados para solucionar
-Qualquer termo de uma PA, a partir do segundo, é a média
a questão:
aritmética entre o anterior e o posterior.

-A soma de dois termos equidistantes dos extremos é igual


à soma dos extremos.

Sabemos também que a soma de dois termos equidistantes


dos extremos de uma P.A. finita é igual à soma dos seus extre-
Termo Geral da PA
mos. Como esta P.A. tem um número ímpar de termos, então o
Podemos escrever os elementos da PA(a1, a2, a3, ..., an,...) da
termo central tem exatamente o valor de metade da soma dos
seguinte forma:
extremos.

48
MATEMÁTICA

Em notação matemática temos:

Soma dos Termos de uma Progressão Geométrica Finita

Seja a PG finita de razão q e de soma dos


termos Sn:
1º Caso: q=1

2º Caso: q≠1

Exemplo
Dada a progressão geométrica (1, 3, 9, 27,..) calcular:
a) A soma dos 6 primeiros termos
Assim sendo:
b) O valor de n para que a soma dos n primeiros termos
O primeiro termo desta sucessão é igual a -14.
seja 29524
Progressão Geométrica
Solução
Denomina-se progressão geométrica(PG) a sequência em
que se obtém cada termo, a partir do segundo, multiplicando o
anterior por uma constante q, chamada razão da PG.
Exemplo
Dada a sequência: (4, 8, 16)

q=2

Classificação
As classificações geométricas são classificadas assim:

- Crescente: Quando cada termo é maior que o anterior. Isto


ocorre quando a1 > 0 e q > 1 ou quando a1 < 0 e 0 < q < 1.
- Decrescente: Quando cada termo é menor que o anterior.
Isto ocorre quando a1 > 0 e 0 < q < 1 ou quando a1 < 0 e q > 1.
- Alternante: Quando cada termo apresenta sinal contrário
ao do anterior. Isto ocorre quando q < 0.
Soma dos Termos de uma Progressão Geométrica Infinita
- Constante: Quando todos os termos são iguais. Isto ocorre
quando q = 1. Uma PG constante é também uma PA de razão r =
1º Caso:-1<q<1
0. A PG constante é também chamada de PG estacionaria.
- Singular: Quando zero é um dos seus termos. Isto ocorre
Quando a PG infinita possui soma finita, dizemos que a série
quando a1 = 0 ou q = 0.
é convergente.
Termo Geral da PG
2º Caso:
Pelo exemplo anterior, podemos perceber que cada termo é
A PG infinita não possui soma finita, dizemos que a série é
obtido multiplicando-se o primeiro por uma potência cuja base
divergente
é a razão. Note que o expoente da razão é igual à posição do
termo menos uma unidade.
3º Caso:
Também não possui soma finita, portanto divergente

Produto dos termos de uma PG finita


Portanto, o termo geral é:

49
MATEMÁTICA

QUESTÕES 06. (ARTESP – Agente de Fiscalização à Regulação de Trans-


porte – FCC/2017) Mantido o mesmo padrão na sequência infi-
01. (PETROBRAS - Técnico de Enfermagem do Trabalho nita 5, 6, 7, 8, 9, 7, 8, 9, 10, 11, 9, 10, 11, 12, 13, 11, 12, 13, 14,
Júnior -CESGRANRIO/2017) A soma dos n primeiros termos de 15, . . . , a soma do 19° e do 31° termos é igual a
uma progressão geométrica é dada por (A) 42.
(B) 31.
(C) 33.
(D) 39.
Quanto vale o quarto termo dessa progressão geométrica? (E) 36.
(A) 1
(B) 3 07. (POLICIA CIENTIFICA/PR – Auxiliar de Necropsia –
(C) 27 IBFC/2017) Considere a seguinte progressão aritmética: (23, 29,
(D) 39 35, 41, 47, 53, ...)
(E) 40 Desse modo, o 83.º termo dessa sequência é:
(A) 137
02. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017)Para que a (B) 455
sequência (4x-1 , x² -1, x - 4) forme uma progressão aritmética, x (C) 500
pode assumir, dentre as possibilidades abaixo, o valor de (D) 515
(A) -0,5. (E) 680
(B)1,5.
(C) 2. 08. (CEGAS – Assistente Técnico – IES/2017) Determine o
(D)4. valor do nono termo da seguinte progressão geométrica (1, 2,
(E) 6. 4, 8, ...):
(A) 438
03. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor – (B) 512
FGV/2017) O valor da expressão (C) 256
(D) 128
2(1 - 2 + 3 - 4 + 5 - 6 + 7- ... + 2015 - 2016 + 2017) é:
09. (CRF/MT – Agente Administrativo – QUADRIX/2017)
(A)2014; Maria criou uma conta no Instagram. No mesmo dia, quatro
(B) 2016; pessoas começaram a segui-la. Após 1 dia, ela já tinha 21 se-
(C) 2018; guidores e após 2 dias, já eram 38 seguidores. Maria percebeu
(D) 2020; que, a cada dia, ela ganhava 17 seguidores. Mantendo-se essa
(E) 2022. tendência, ela ultrapassará a barreira de 1.000 seguidores após:
(A) 57 dias.
04. (FCEP – Técnico Artístico – AMAUC/2017) Considere a (B) 58 dias.
equação do 1º grau: 2(x - 2) = 3(x/3 + 4) . A raiz da equação é o (C) 59 dias.
segundo termo de uma Progressão Aritmética (P.A.). O primeiro (D) 60 dias.
termo da P.A. corresponde aos 3/4 da raiz da equação. O valor (E) 61 dias.
do décimo termo da P.A. é:
(A) 48 10.. (PREF. DE CHOPINZINHO – Procurador Municipal –
(B)36 FAU/2016) Com base na sequência numérica a seguir determine
(C) 32 o sexto termo da sequência:
(D) 28 196 ;169 ;144 ;121 ; ...
(E) 24 (A) 115.
(B) 100.
05. (ARTESP – Agente de Fiscalização à Regulação de Trans- (C) 81.
porte – FCC/2017) Em um experimento, uma planta recebe a (D) 69.
cada dia 5 gotas a mais de água do que havia recebido no dia (E) 49.
anterior. Se no 65° dia ela recebeu 374 gotas de água, no 1° dia
do experimento ela recebeu RESPOSTAS
(A) 64 gotas.
(B) 49 gotas. 01.Resposta: A.
(C) 59 gotas.
(D) 44 gotas.
(E) 54 gotas.

50
MATEMÁTICA

Como S3 é a soma dos 3 primeiros e S4 é a soma dos 4 pri- PA


meiros termos, se subtrairmos um do outro, obteremos o 4º (12,16,...)
termo. R=16-12=4

02. Resposta: B.
Para ser uma PA:
X²-1-(4x-1)=x-4-(x²-1)
X²-1-4x+1=x-4-x²+1 =48
X²+x²-4x-x-3=0
2x²-5x-3=0 05. Resposta: E.
∆=25-24=1

A1=374-320
A1=54

03. Resposta: C. 06. Resposta: B.


Os termos ímpares formam uma PA de razão 2 e são os nú- Observe os números em negrito:
meros ímpares. 9, 11, 13, 15,...
Os termos pares formam uma PA de razão -2 São os números ímpares, a partir do 9 e a cada 5 números.
Vamos descobrir quantos termos há: Ou seja, o 9 está na posição 5
O 11 está na posição 10 e assim por diante.
2017=1+(n-1)▲2 O 19º termo, já temos na sequência que é o 14
2017=1+2n-2 Seguindo os termos:
2017=-1+2n 25º termo é o 17
2n=2018 30º termo é 19
n=1009 Como o número seguinte a esses, abaixa duas unidades
O 31º termo é o 17.
14+17=31

07. Resposta: D.
Observe a razão: 29-23=6
A83=a1+82r
A83=23+82▲6
Para a sequência par: A83=23+492
-2016=-2+(n-1)▲(-2) A83=515
-2016=-2-2n+2
2n=2016 08. Resposta: C.
N=1008 Q=2

09. Resposta: C.
1000=21+17(n-1)
1000=21+17n-17
1018081-1017072=1009 1004=17n
2▲1009=2018 N=59

04. Resposta: A. 10. Resposta: C.


Raiz da equação: A sequência tem como base os quadrados perfeitos
2x-4=x+12 14, 13, 12, 11, 10, 9
X=16 é 0 segundo termo da PA Portanto o 6º termo é o 9²=81
Primeiro termo:

51
MATEMÁTICA

Ângulo Reto:
NOÇÕES DE GEOMETRIA – FORMA, ÂNGULOS,
ÁREA, PERÍMETRO, VOLUME, TEOREMAS DE PITÁGO- - É o ângulo cuja medida é 90º;
RAS OU DE TALES - É aquele cujos lados se apoiam em retas perpendiculares.

Ângulos

Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas


semirretas de mesma origem. As semirretas recebem o nome de
lados do ângulo e a origem delas, de vértice do ângulo.

Triângulo

Elementos

Mediana
Mediana de um triângulo é um segmento de reta que liga
um vértice ao ponto médio do lado oposto.
Na figura, é uma mediana do ABC.
Ângulo Agudo: É o ângulo, cuja medida é menor do que Um triângulo tem três medianas.
90º.

A bissetriz de um ângulo interno de um triângulo intercep-


ta o lado oposto

Ângulo Obtuso: É o ângulo cuja medida é maior do que 90º. Bissetriz interna de um triângulo é o segmento da bissetriz
de um ângulo do triângulo que liga um vértice a um ponto do
lado oposto.
Na figura, é uma bissetriz interna do .
Um triângulo tem três bissetrizes internas.

Ângulo Raso:

- É o ângulo cuja medida é 180º;


- É aquele, cujos lados são semi-retas opostas.

Altura de um triângulo é o segmento que liga um vértice a


um ponto da reta suporte do lado oposto e é perpendicular a
esse lado.

52
MATEMÁTICA

Na figura, é uma altura do .

Um triângulo tem três alturas.

Triângulo isósceles: Pelo menos dois lados iguais.

Mediatriz de um segmento de reta é a reta perpendicular


a esse segmento pelo seu ponto médio.

Na figura, a reta m é a mediatriz de .

Triângulo equilátero: três lados iguais.

Quanto aos ângulos

Triângulo acutângulo:tem os três ângulos agudos

Mediatriz de um triângulo é uma reta do plano do triângulo


que é mediatriz de um dos lados desse triângulo.
Na figura, a reta m é a mediatriz do lado do .
Um triângulo tem três mediatrizes.

Triângulo retângulo:tem um ângulo reto

Classificação

Quanto aos lados

Triângulo escaleno:três lados desiguais.


Triângulo obtusângulo: tem um ângulo obtuso

53
MATEMÁTICA

2- Paralelogramo: A = b.h, onde b é a medida da base e h


é a medida da altura.
3- Retângulo: A = b.h

4- Losango: , onde D é a medida da diagonal maior


e d é a medida da diagonal menor.
5- Quadrado: A = l2, onde l é a medida do lado.

Polígono
Chama-se polígono a união de segmentos que são chama-
Desigualdade entre Lados e ângulos dos triângulos dos lados do polígono, enquanto os pontos são chamados vér-
Num triângulo o comprimento de qualquer lado é menor tices do polígono.
que a soma dos outros dois.Em qualquer triângulo, ao maior ân-
gulo opõe-se o maior lado, e vice-versa.

QUADRILÁTEROS
Quadrilátero é todo polígono com as seguintes proprieda-
des:
- Tem 4 lados.
- Tem 2 diagonais.
- A soma dos ângulos internos Si = 360º
- A soma dos ângulos externos Se = 360º

Trapézio: É todo quadrilátero tem dois paralelos.


Diagonal de um polígono é um segmento cujas extremida-
des são vértices não-consecutivos desse polígono.

- é paralelo a
- Losango: 4 lados congruentes
- Retângulo: 4 ângulos retos (90 graus)
- Quadrado: 4 lados congruentes e 4 ângulos retos.

Número de Diagonais

- Observações:

- No retângulo e no quadrado as diagonais são congruentes


(iguais)
- No losango e no quadrado as diagonais são perpendicula-
res entre si (formam ângulo de 90°) e são bissetrizes dos ângulos
internos (dividem os ângulos ao meio).

Áreas
Ângulos Internos
1- Trapézio: , onde B é a medida da base maior, A soma das medidas dos ângulos internos de um polígono
b é a medida da base menor e h é medida da altura. convexo de n lados é (n-2).180

54
MATEMÁTICA

Unindo um dos vértices aos outros n-3, convenientemente


escolhidos, obteremos n-2 triângulos. A soma das medidas dos
ângulos internos do polígono é igual à soma das medidas dos Semelhança de Triângulos
ângulos internos dos n-2 triângulos. Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, os seus
ângulos internos tiverem, respectivamente, as mesmas medi-
das, e os lados correspondentes forem proporcionais.

Casos de Semelhança
1º Caso:AA(ângulo-ângulo)
Se dois triângulos têm dois ângulos congruentes de vértices
correspondentes, então esses triângulos são congruentes.

Ângulos Externos

2º Caso: LAL(lado-ângulo-lado)
Se dois triângulos têm dois lados correspondentes propor-
A soma dos ângulos externos=360° cionais e os ângulos compreendidos entre eles congruentes, en-
tão esses dois triângulos são semelhantes.
Teorema de Tales
Se um feixe de retas paralelas tem duas transversais, então
a razão de dois segmentos quaisquer de uma transversal é igual
à razão dos segmentos correspondentes da outra.
Dada a figura anterior, O Teorema de Tales afirma que são
válidas as seguintes proporções:

Exemplo

3º Caso: LLL(lado-lado-lado)
Se dois triângulos têm os três lado correspondentes propor-
cionais, então esses dois triângulos são semelhantes.

55
MATEMÁTICA

Fórmulas Trigonométricas

Relação Fundamental
Existe uma outra importante relação entre seno e cosseno
Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo de um ângulo. Considere o triângulo retângulo ABC.

Considerando o triângulo retângulo ABC.

Neste triângulo, temos que: c²=a²+b²


Dividindo os membros por c²

Temos:

Como

Todo triângulo que tem um ângulo reto é denominado


triangulo retângulo.
O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são:

a: hipotenusa
b e c: catetos
h:altura relativa à hipotenusa
m e n: projeções ortogonais dos catetos sobre a hipotenusa

Relações Métricas no Triângulo Retângulo


Chamamos relações métricas as relações existentes entre
os diversos segmentos desse triângulo. Assim:

56
MATEMÁTICA

1. O quadrado de um cateto é igual ao produto da hipote- b) Paralelas: r e s não têm ponto comum ou r e s são coin-
nusa pela projeção desse cateto sobre a hipotenusa. cidentes.

2. O produto dos catetos é igual ao produto da hipotenu-


sa pela altura relativa à hipotenusa.

3. O quadrado da altura é igual ao produto das projeções


dos catetos sobre a hipotenusa.

4. O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadra-


dos dos catetos (Teorema de Pitágoras).

QUESTÕES
Posições Relativas de Duas Retas
Duas retas no espaço podem pertencer a um mesmo pla- 01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários-
no. Nesse caso são chamadas retas coplanares. Podem também VUNESP/2017) Um terreno retangular ABCD, com 40 m de lar-
não estar no mesmo plano. Nesse caso, são denominadas retas gura por 60 m de comprimento, foi dividido em três lotes, con-
reversas. forme mostra a figura.

Retas Coplanares

a) Concorrentes: r e s têm um único ponto comum

-Duas retas concorrentes podem ser:

1. Perpendiculares: r e s formam ângulo reto.


Sabendo-se que EF = 36 m e que a área do lote 1 é 864 m²,
2. Oblíquas:r e s não são perpendiculares. o perímetro do lote 2 é
(A) 100 m.
(B) 108 m.
(C) 112 m.
(D) 116 m.
(E) 120 m.

02. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Considere


um triângulo retângulo de catetos medindo 3m e 5m. Um se-
gundo triângulo retângulo, semelhante ao primeiro, cuja área
é o dobro da área do primeiro, terá como medidas dos catetos,
em metros:
(A) 3 e 10.
(B) 3√2 e 5√2 .
(C) 3√2 e 10√2 .
(D)5 e 6.
(E) 6 e 10.

57
MATEMÁTICA

03. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura


abaixo, encontra-se representada uma cinta esticada passando
em torno de três discos de mesmo diâmetro e tangentes entre
si.

A área do quadrilátero BCQP, da figura acima, é

(A) 25√5.
(B) 50√2.
(C) 50√5.
Considerando que o diâmetro de cada disco é 8, o compri- (D)100√2 .
mento da cinta acima representada é (E) 100√5.
(A) 8/3 π + 8 .
(B) 8/3 π + 24. 06. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
(C) 8π + 8 . CURSOS/2017) O triângulo retângulo em B, a seguir, de vértices
(D) 8π + 24. A, B e C, representa uma praça de uma cidade. Qual é a área
(E) 16π + 24. dessa praça?

04. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura


abaixo, ABCD é um quadrado de lado 10; E, F, G e H são pontos
médios dos lados do quadrado ABCD e são os centros de quatro
círculos tangentes entre si.

(A) 120 m²
(B)90 m²
(C) 60 m²
(D) 30 m²

07. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


A figura, com dimensões indicadas em centímetros, mostra um
painel informativo ABCD, de formato retangular, no qual se des-
taca a região retangular R, onde x > y.

A área da região sombreada, da figura acima apresentada, é


(A)100 - 5π .
(B) 100 - 10π .
(C) 100 - 15π .
(D)100 - 20π .
(E)100 - 25π .

05. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017)No cubo de


aresta 10, da figura abaixo, encontra-se representado um pla-
no passando pelos vértices B e C e pelos pontos P e Q, pontos
médios, respectivamente, das arestas EF e HG, gerando o qua-
drilátero BCQP.
Sabendo-se que a razão entre as medidas dos lados corres-
pondentes do retângulo ABCD e da região R é igual a 5/2 , é
correto afirmar que as medidas, em centímetros, dos lados da
região R, indicadas por x e y na figura, são, respectivamente,

58
MATEMÁTICA

(A) 80 e 64. 11. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-


(B) 80 e 62. CURSOS/2017)
(C) 62 e 80.
(D) 60 e 80.
(E) 60 e 78. Seja a expressão definida em 0< x
< π/2 . Ao simplificá-la, obteremos:
08. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017) (A) 1
O piso de um salão retangular, de 6 m de comprimento, foi total- (B) sen²x
mente coberto por 108 placas quadradas de porcelanato, todas (C)cos²x
inteiras. Sabe-se que quatro placas desse porcelanato cobrem (D)0
exatamente 1 m2 de piso. Nessas condições, é correto afirmar
que o perímetro desse piso é, em metros, igual a 12. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-
(A) 20. CURSOS/2017) Fábio precisa comprar arame para cercar um
(B) 21. terreno no formato a seguir, retângulo em B e C. Consideran-
(C) 24. do que ele dará duas voltas com o arame no terreno e que não
(D) 27. terá perdas, quantos metros ele irá gastar? (considere √3 =1,7;
(E) 30. sen30º=0,5; cos30º=0,85; tg30º=0,57).

09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –


FGV/2017) O proprietário de um terreno retangular resolveu
cercá-lo e, para isso, comprou 26 estacas de madeira. Colocou
uma estaca em cada um dos quatro cantos do terreno e as de-
mais igualmente espaçadas, de 3 em 3 metros, ao longo dos
quatro lados do terreno.
O número de estacas em cada um dos lados maiores do
terreno, incluindo os dois dos cantos, é o dobro do número de (A) 64,2 m
estacas em cada um dos lados menores, também incluindo os (B) 46,2 m
dois dos cantos. (C)92,4 m
A área do terreno em metros quadrados é: (D) 128,4 m
(A) 240; RESPOSTAS
(B) 256;
(C) 324; 01. Resposta: D.
(D) 330;
(E) 372.

10. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário- VUNESP/2017)


A figura seguinte, cujas dimensões estão indicadas em metros,
mostra as regiões R1 e R2 , ambas com formato de triângulos
retângulos, situadas em uma praça e destinadas a atividades de
recreação infantil para faixas etárias distintas.

Se a área de R1 é 54 m², então o perímetro de R2 é, em


metros, igual a
(A) 54. 96h=1728
(B) 48. H=18
(C) 36.
(D) 40. Como I é um triângulo:
(E) 42. 60-36=24
X²=24²+18²

59
MATEMÁTICA

X²=576+324 X²=5²+5²
X²=900 X²=25+25
X=30 X²=50
Como h=18 e AD é 40, EG=22 X=5√2
X é o diâmetro do círculo, como temos 4 semi círculos, te-
Perímetro lote 2: 40+22+24+30=116 mos 2 círculos inteiros.

02. Resposta: B. A área de um círculo é

A sombreada=100-25π

05. Resposta: C.
CQ é hipotenusa do triângulo GQC.
01. CQ²=10²+5²
CQ²=100+25
CQ²=125
CQ=5√5
A área do quadrilátero seria CQ▲BC
Lado=3√2 A=5√5▲10=50√5
Outro lado =5√2
06. Resposta: C
03. Resposta: D. Para saber a área, primeiro precisamos descobrir o x.

Observe o triângulo do meio, cada lado é exatamente a 17²=x²+8²


mesma medida da parte reta da cinta. 289=x²+64
Que é igual a 2 raios, ou um diâmetro, portanto o lado esti- X²=225
cado tem 8x3=24 m X=15
A parte do círculo é igual a 120°, pois é 1/3 do círculo, como
são três partes, é a mesma medida de um círculo. 07. Resposta: A.
O comprimento do círculo é dado por: 2πr=8π
Portanto, a cinta tem 8π+24

04. Resposta: E. 5y=320


Y=64
Como o quadrado tem lado 10,a área é 100.

5x=400
X=80

08. Resposta: B.
108/4=27m²
6x=27
X=27/6

O perímetro seria

O ladao AF e AE medem 5, cada um, pois F e E é o ponto 09. Resposta: C.


Médio Número de estacas: x

60
MATEMÁTICA

X+x+2x+2x-4=26 obs: -4 é porque estamos contando duas


vezes o canto
6x=30
X=5 X=6
Temos 5 estacas no lado menor, como são espaçadas a
cada 3m
4 espaços de 3m=12m
Lado maior 10 estacas
9 espaços de 3 metros=27m
A=12▲27=324 m²

10. Resposta: B. Y=10,2


2 voltas=2(12+18+10,2+6+18)=128,4m

Cilindros
Considere dois planos, α e β, paralelos, um círculo de centro
O contido num deles, e uma reta s concorrente com os dois.
Chamamos cilindro o sólido determinado pela reunião de
9x=108 todos os segmentos paralelos a s, com extremidades no círculo
X=12 e no outro plano.

Para encontrar o perímetro do triângulo R2:

Y²=16²+12²
Y²=256+144=400
Y=20 Classificação
Reto: Um cilindro se diz reto ou de revolução quando as ge-
Perímetro: 16+12+20=48 ratrizes são perpendiculares às bases.
11. Resposta: C. Quando a altura é igual a 2R(raio da base) o cilindro é equi-
látero.
Oblíquo: faces laterais oblíquas ao plano da base.

1-cos²x=sen²x

12. Resposta: D.

Área
Área da base: Sb=πr²

61
MATEMÁTICA

Volume Volume

Cones
Na figura, temos um plano α, um círculo contido em α, um Pirâmides
ponto V que não pertence ao plano. As pirâmides são também classificadas quanto ao número
A figura geométrica formada pela reunião de todos os seg- de lados da base.
mentos de reta que tem uma extremidade no ponto V e a outra
num ponto do círculo denomina-se cone circular.

Área e Volume

Área lateral:

Classificação Onde n= quantidade de lados


-Reto:eixo VO perpendicular à base;
Pode ser obtido pela rotação de um triângulo retângulo em
torno de um de seus catetos. Por isso o cone reto é também
chamado de cone de revolução.
Quando a geratriz de um cone reto é 2R, esse cone é deno-
minado cone equilátero. Prismas
Considere dois planos α e β paralelos, um polígono R conti-
do em α e uma reta r concorrente aos dois.

-Oblíquo: eixo não é perpendicular

Chamamos prisma o sólido determinado pela reunião de to-


dos os segmentos paralelos a r, com extremidades no polígono
R e no plano β.
Área

Área lateral:

Área da base:

Área total:

62
MATEMÁTICA

-Quadrangular

E assim por diante...

Paralelepípedos
Assim, um prisma é um poliedro com duas faces congruen- Os prismas cujas bases são paralelogramos denominam-se
tes e paralelas cujas outras faces são paralelogramos obtidos paralelepípedos.
ligando-se os vértices correspondentes das duas faces paralelas.

Classificação

Reto: Quando as arestas laterais são perpendiculares às ba-


ses
Oblíquo: quando as faces laterais são oblíquas à base.

Cubo é todo paralelepípedo retângulo com seis faces qua-


dradas.

Classificação pelo polígono da base

Prisma Regular
Se o prisma for reto e as bases forem polígonos regulares, o
prisma é dito regular.
As faces laterais são retângulos congruentes e as bases são
congruentes (triângulo equilátero, hexágono regular,...)

Área

-Triangular Área cubo:

Área paralelepípedo:

A área de um prisma:
Onde: St=área total

63
MATEMÁTICA

Sb=área da base 04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017) A


Sl=área lateral, soma-se todas as áreas das faces laterais. figura mostra cubinhos de madeira, todos de mesmo volume,
posicionados em uma caixa com a forma de paralelepípedo reto
Volume retângulo.
Paralelepípedo:V=a.b.c
Cubo:V=a³

Demais:

QUESTÕES

01. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017)Um cilindro


reto de altura h tem volume V. Para que um cone reto com base
igual a desse cilindro tenha volume V, sua altura deve ser igual a
(A) 1/3h.
(B) 1/2h. Se cada cubinho tem aresta igual a 5 cm, então o volume
(C) 2/3h. interno dessa caixa é, em cm³ , igual a
(D) 2h. (A) 3000.
(E) 3h. (B) 4500.
(C) 6000.
02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON- (D) 7500.
CURSOS/2017) Qual é o volume de uma lata de óleo perfeita- (E) 9000.
mente cilíndrica, cujo diâmetro é 8 cm e a altura é 20 cm? (use
π=3) 05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Fre-
(A)3,84 l derico comprou um aquário em formato de paralelepípedo, con-
(B)96 ml tendo as seguintes dimensões:
(C) 384 ml
(D) 960 ml

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário -VUNESP/2017)


Inicialmente, um reservatório com formato de paralelepípedo
reto retângulo deveria ter as medidas indicadas na figura.

Estando o referido aquário completamente cheio, a sua ca-


pacidade em litros é de:
(A) 0,06 litros.
(B) 0,6 litros.
(C) 6 litros.
(D) 0,08 litros.
(E) 0,8 litros.

Em uma revisão do projeto, foi necessário aumentar em 1 m


a medida da largura, indicada por x na figura, mantendo-se inal-
teradas as demais medidas. Desse modo, o volume inicialmente
previsto para esse reservatório foi aumentado em
(A) 1 m³ .
(B) 3 m³ .
(C) 4 m³ .
(D) 5 m³ .
(E) 6 m³ .

64
MATEMÁTICA

06. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017) Considerando a pirâmide de base triangular cujos vértices
As figuras seguintes mostram os blocos de madeira A, B e C, sen- são os pontos B, C, D e G do cubo, o seu volume é dado por
do A e B de formato cúbico e C com formato de paralelepípedo (A) a³/6
reto retângulo, cujos respectivos volumes, em cm³, são repre- (B) a³/3
sentados por VA, VB e VC. (C) a³/3√3
(D) a³/6√6

09. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) De


um reservatório com formato de paralelepípedo reto retângulo,
totalmente cheio, foram retirados 3 m³ de água. Após a retirada,
o nível da água restante no reservatório ficou com altura igual a
1 m, conforme mostra a figura.

Se VA + VB = 1/2 VC , então a medida da altura do bloco C,


indicada por h na figura, é, em centímetros, igual a
(A) 15,5.
(B) 11.
(C) 12,5.
(D) 14.
(E) 16

07. (MPE/GO – Secretário Auxiliar – MPEGO/2017) Um re- Desse modo, é correto afirmar que a medida da altura total
cipiente na forma de um prisma reto de base quadrada, com do reservatório, indicada por h na figura, é, em metros, igual a
dimensões internas de 10 cm de aresta da base e 25 cm de al- (A) 1,8.
tura, está com 20% de seu volume total preenchido com água, (B) 1,75.
conforme mostra a figura. (Figura fora de escala) (C) 1,7.
(D) 1,65.
(E) 1,6.

10. (PREF. DE ITAPEMA/SC – Técnico Contábil – MSCON-


CURSOS/2016) O volume de um cone circular reto, cuja altura
é 39 cm, é 30% maior do que o volume de um cilindro circular
reto. Sabendo que o raio da base do cone é o triplo do raio da
base do cilindro, a altura do cilindro é:
(A) 9 cm
(B) 30 cm
Para completar o volume total desse recipiente, serão des- (C) 60 cm
pejados dentro dele vários copos de água, com 200 mL cada um. (D) 90 cm
O número de copos totalmente cheios necessários para comple-
tar o volume total do prisma será: RESPOSTAS
(A) 8 copos
(B) 9 copos 01. Resposta:
(C)10 copos
(D) 12 copos Volume cilindro=πr²h
(E)15 copos

08. (CELG/GT/GO – Analista de Gestão – CSUFG/2017) figu-


ra a seguir representa um cubo de aresta a.
Para que seja igual a V, a altura tem que ser igual a 3h

02. Resposta: D
V= πr²h
V=3▲4²▲20=960 cm³=960 ml

65
MATEMÁTICA

03. Resposta:E.
V=2▲3▲x=6x
Aumentando 1 na largura
V=2▲3▲(x+1)=6x+6
Portanto, o volume aumentou em 6. Cilindro
V=Ab▲h
04. Resposta:E. V=πr²h
São 6 cubos no comprimento: 6▲5=30 Como o volume do cone é 30% maior:
São 4 cubos na largura: 4▲5=20 117πr²=1,3 πr²h
3 cubos na altura: 3▲5=15 H=117/1,3=90
V=30▲20▲15=9000

05. Resposta: C.
V=20▲15▲20=6000cm³=6000ml==6 litros ANOTAÇÃO

06. Resposta:C.
VA=125cm³ ————————————————————————
————————————————————————
VB=1000cm³ ————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————

180h=2250 ————————————————————————
H=12,5
————————————————————————
07. Resposta: C. ————————————————————————
V=10▲10▲25=2500 cm³
2500▲0,2=500cm³ preenchidos. ————————————————————————
Para terminar de completar o volume:
————————————————————————
2500-500=2000 cm³
2000/200=10 copos ————————————————————————
08. Resposta: A. ————————————————————————
A base é um triângulo de base a e altura a
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————
————————————————————————

09. Resposta: E. ————————————————————————


V=2,5▲2▲1=5m³ ————————————————————————
Como foi retirado 3m³
5+3=2,5▲2▲h ————————————————————————
8=5h
H=1,6m ————————————————————————
————————————————————————
10. Resposta: D.
Cone ————————————————————————
————————————————————————

66
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Relação entre educação, escola e sociedade: concepções de Educação e Escola; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Função social da escola; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Educação inclusiva e compromisso ético e social do educador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Gestão democrática: a participação como princípio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Organização da escola centrada no processo de desenvolvimento pleno do educando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
A integração entre educar e cuidar na educação básica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
A prática educativa do professor no Ensino Fundamental. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
A prática educativa do professor na Educação Infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
O comportamento infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
O cuidar e o educar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Os ambientes de aprendizagem na Educação Infantil: a brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da criatividade; . . . . . . 35
A brincadeira na educação infantil nas perspectivas psicossociais, educacionais e lúdicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
O currículo e a pedagogia da brincadeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
A formação pessoal e social da criança: a criança, a natureza e a sociedade; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
As interações criança/criança como recurso de desenvolvimento: identidade e autonomia; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
O desenvolvimento humano em processo de construção – Piaget, Vygostky e Wallon . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Educação de Jovens e Adultos: processo histórico e concepções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Alfabetização de adultos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Ensinar na diversidade etária (jovens, adultos e idosos na mesma sala). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Organização curricular na EJA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Recuperação da aprendizagem de adolescentes, de 15 a 17 anos, com defasagem de idade/série. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Projeto político-pedagógico: fundamentos para a orientação, o planejamento e a implementação das ações educativas da escola. . . 70
Currículo e cultura: visão interdisciplinar e transversal do conhecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Currículo: a valorização das diferenças individuais, de gênero, étnicas e socioculturais e o combate à desigualdade. . . . . . . . . . . . 83
Currículo, conhecimento e processo de aprendizagem: as tendências pedagógicas na escola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Currículo nas séries iniciais: a ênfase na competência leitora (alfabetização e letramento) e o desenvolvimento dos saberes escolares
da matemática e das diversas áreas de conhecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Currículo em ação: planejamento, seleção, contextualização e organização dos conteúdos; o trabalho por projetos. . . . . . . . . . . 115
A avaliação diagnóstica ou formadora e os processos de ensino e de aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
A mediação do professor, dialogal e problematizadora, no processo de aprendizagem e desenvolvimento do aluno; a inerente formação
continuada do educador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Portfólio da Aprendizagem; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Metodologias Ativas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A Educação como Projeto, a Reflexão e a Práxis


RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO, ESCOLA E SOCIEDADE:
CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E ESCOLA; A cultura contemporânea, fruto dessa longa trajetória do
espirito humano em busca de algum esclarecimento sobre o
No contexto da história da cultura ocidental, é fácil obser- sentido do mundo, é particularmente sensível a sua significativa
var que educação e filosofia sempre estiveram juntas e próxi- conquista que é a forma cientifica do conhecimento. Coroamen-
mas. Pode-se constatar, com efeito, que desde seu surgimento to do projeto iluminista da modernidade, a ciência dominou to-
na Grécia clássica, a filosofia se constituiu unida a uma inten- dos os setores da existência humana nos dias atuais.
ção pedagógica, formativa do humano. Para não citar senão o Impondo-se não só pela sua fecundidade explicativa en-
exemplo de Platão, em momento algum o esforço dialético de quanto teoria, como também pela sua operacionalidade técni-
esclarecimento que propõe ao candidato a filósofo deixa de ser ca, possibilitando aos homens o domínio e a manipulação do
simultaneamente um esforço pedagógico de aprendizagem. próprio mundo. Assim, também no âmbito da educação, seu
Praticamente todos os textos fundamentais da filosofia clássica impacto foi profundo.
implicam, na explicitação de seus conteúdos, uma preocupação Como qualquer outro setor da fenomenalidade humana,
com a educação. também a educação pode ser reequacionada pelas ciências, par-
Além desse dado intrínseco do conteúdo de seu pensamen- ticularmente pelas ciências humanas que, graças a seus recursos
to, a própria prática dos filósofos, de acordo com os registros metodológicos, possibilitam uma nova aproximação do fenôme-
históricos disponíveis, eslava intimamente vinculada a uma ta- no educacional. O desenvolvimento das ciências da educação,
refa educativa, fossem eles sofistas ou não, a uma convivência no rastro das ciências humanas, demonstra o quanto foi profun-
escolar já com características de institucionalização. da a contribuição das mesmas para a elucidação desse fenôme-
A verdade é que, em que pese o ainda restrito alcance social no, bem como para o planejamento da prática pedagógica. É por
da educação a filosofia surge intrinsecamente ligada a ela, auto- isso mesmo que muitos se perguntam se além daquilo que nos
rizando-nos a considerar, sem nenhuma figuração, que o filósofo informam a Biologia, a Psicologia, a Economia, a Sociologia e a
clássico sempre foi um grande educador. História, é cabível esperar contribuições de alguma outra fonte,
Desde então, no desenvolvimento histórico-cultural da filo- de algum outro saber que se situe fora desse patamar científi-
sofia ocidental, essa relação foi se estreitando cada vez mais. A co, de um saber de natureza filosófica. Não estariam essas ciên-
filosofia escolástica na Idade Média foi literalmente o suporte cias, ao explicitar as leis que regem o fenômeno educacional,
fundamental de um método pedagógico responsável pela for- viabilizando técnicas bastantes para a condução mais eficaz da
mação cultural e religiosa das gerações europeias que estavam prática educacional? Já vimos a resposta que fica implícita nas
constituindo a nova civilização que nascia sobre os escombros tendências epistemológicas inspiradas numa perspectiva neo-
do Império Romano. E que falar então do Renascimento com positivista!...
seu projeto humanista de cultura, e da Modernidade, com seu No entanto, é preciso dar-se conta de que, por mais im-
projeto iluminista de civilização? prescindível e valiosa que seja a contribuição da ciência para o
Não foi senão nesta última metade do século vinte que essa entendimento e para a condução da educação, ela não dispen-
relação tendeu a se esmaecer! Parece ser a primeira vez que sa a contribuição da filosofia. Alguns aspectos da problemática
uma forte tendência da filosofia considera-se desvinculada de educacional exigem uma abordagem especificamente filosófica
qualquer preocupação de natureza pedagógica, vendo-se tão- que condiciona inclusive o adequado aproveitamento da pró-
-somente como um exercício puramente lógico Essa tendência pria contribuição científica. Esses aspectos se relacionam com
desprendeu-se de suas próprias raízes, que se encontravam no a própria condição da existência dos sujeitos concernidos pela
positivismo, transformando-se numa concepção abrangente. educação com o caráter práxico do processo educacional e com
Denominada neopositivismo, que passa a considerar a filosofia a própria produção do conhecimento em sua relação com a edu-
como tarefa subsidiária da ciência, só podendo legitimar-se em cação. Daí as três frentes em que podemos identificar a presen-
situação de dependência frente ao conhecimento cientifico, o ça marcante da contribuição da filosofia.
único conhecimento capaz de verdade e o único plausível fun-
damento da ação. Desde então qualquer critério do agir huma- 1. O Sujeito da Educação
no só pode ser técnico, nunca mais ético ou político. Fica assim
rompida a unidade do saber.
Assim, de um ponto de vista mais fundante, pode-se dizer
Mas, na verdade, esse enviesamento da tradição filosófica
que cabe à filosofia da educação a construção de uma imagem
na contempo-raneidade é ainda parcial, restando válido para as
do homem, enquanto sujeito fundamental da educação. Trata-
outras tendências igualmente significativas da filosofia atual que
-se do esforço com vista ao delineamento do sentido mais con-
os esforços de reflexão filosófica estão profunda e intimamen-
creto da existência humana. Como tal, a filosofia da educação
te envolvidos com a tarefa educa-cional. E este envolvimento
constitui-se como antropologia filosófica, como tentativa de in-
decorre de uma tríplice vinculação que delineia três frentes em
tegração dos conteúdos das ciências humanas, na busca de uma
que se faz presente a contribuição da filosofia para a educação.
visão integrada do homem.
Nessa tarefa ela é, pois, reflexão eminentemente antropo-
lógica e como tal, põe-se como alicerce fundante de todas as
demais tarefas que lhe cabem. Mas não basta enunciar as coisas
desta maneira, reiteirando a fórmula universal de que não se

1
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

pode tratar da educação a não ser a partir de uma imagem do Assim, só uma antropologia filosófica pode lastrear a filo-
homem e da sociedade. A dificuldade está justamente no modo sofia da educação. Mas uma antropologia filosófica capaz de
de elaboração dessa imagem. apreender o homem existindo sob mediações histórico-sociais,
A tradição filosófica ocidental, tanto através de sua perspec- sendo visto então como ser eminentemente histórico e social.
tiva essencialista como através de sua perspectiva naturalista, Tal antropologia tem de se desenvolver, então, como uma re-
não conseguiu dar conta das especificidades das condições do flexão sobre a história e sobre a sociedade, sobre o sentido da
existir humano e acabou por construir. de um lado, uma antro- existência humana nessas coordenadas. Mas. caberia perguntar,
pologia metafísica fundamentalmente idealista. com uma ima- a construção dessa imagem do homem não seria exatamente
gem universal e abstrata da natureza humana, incapaz de dar a tarefa das ciências humanas? Isto coloca a questão das rela-
conta da imergência do homem no mundo natural e social: de ções da filosofia com as ciências humanas, cabendo esclarecer
outro lado, uma antropologia de fundo cientificista que insere então que, embora indispensáveis, os resultados obtidos pelas
o homem no fluxo vital da natureza orgânica, fazendo dele um diversas ciências humanas não são suficientes para assegurar
simples prolongamento da mesma, e que se revela incapaz de uma visão da totalidade dialeticamente articulada da imagem
dar conta da especificidade humana nesse universo de deter- do homem que se impõe construir. As ciências humanas inves-
minismos. tigam e buscam explicar mediante a aplicação de seu catego-
Nos dois casos, como retomaremos mais adiante, a filosofia rial teórico, os diversos aspectos da fenomenalidade humana
da educação perde qualquer solidez de seus pontos de apoio e, graças a isso, tornam-se aptas a concretizar as coordenadas
Com efeito, tanto na perspectiva essencialista quanto na pers- histórico-sociais da existência real dos homens. Mas em decor-
pectiva naturalista, não fica adequadamente sustentada a con- rência de sua própria metodologia, a visão teórica que elabo-
dição básica da existencialidade humana. que é a sua profun- ram é necessariamente aspectual. Justamente em função de
da e radical historicidade, a ser entendida como a intersecção sua menor rigidez metodológica, é que a filosofia pode elaborar
da espacialidade com a temporalidade do existir real dos seres hipóteses mais abrangentes, capazes de alcançarem uma visão
humanos, ou seja, a intersecção do social com o histórico. O integrada do ser humano, envolvendo nessa compreensão o
que se quer dizer com isso é que o ser dos homens só pode ser conjunto desses aspectos, constituindo uma totalidade que não
apreendido em suas mediações históricas e sociais concretas de
se resume na mera soma das partes, parles estas que se articu-
existência. Só com base nessas condições reais de existência é
lam então dialeticamente entre si e com o todo, sem perderem
que se pode legitimar o esforço sistemático da filosofia em cons-
sua especificidade, formando ao mesmo tempo, uma unidade.
truir uma imagem consistente do humano.
A perspectiva filosófica integra ao totalizar, ao unir e ao relacio-
Podemos usar a própria imagem do tempo e do espaço em
nar. Não se trata, no entanto, de elaborar como que uma teoria
nossa percepção para um melhor esclarecimento da questão.
geral das ciências humanas, pois não se atendo aos requisitos
Assim como, formal mente o espaço e o tempo são as coorde-
da metodologia científica, a filosofia pode colocar hipóteses em
nadas da realidade do mundo natural, tal qual é dado em nossa
percepção, pode-se dizer, por analogia que o social e o histórico íde maior alcance epistemológico. Assim, o que se pode concluir
são as coordenadas da existência humana. Por sua vez. o edu- deste ponto de vista é que a filosofia da educação, em sua tarefa
cacional, como aliás o politico, constitui uma tentativa de inten- antropológica, trabalha em intima colaboração com as ciências
cionalização do existir social no tempo histórico. A educação é humanas no campo da teoria educacional, incorporando subsí-
com efeito, instauração de um projeto, ou seja, prática concreta dios produzidos mediante investigação histórico-antropológica
com vista a uma finalidade que dá sentido ã existência cultural por elas desenvolvida.
da sociedade histórica. ‘,
Os homens envolvidos na esfera do educacional — sujeitos 2. O Agir, os Fins e os Valores
que se educam e que buscam educar — não podem ser redu-
zidos a modelos abstratamente concebidos de uma natureza De um segundo ponto de vista e considerando que a educa-
humana”, modelo universal idealizado como também não se ção é fundamentalmente uma prática social, a filosofia vai ainda
reduzem a uma “máquina natural”, prolongamento orgânico contribuir significativamente para sua efetivação mediante uma
da natureza biológica. Seres de carências múltiplas, como que reflexão voltada para os fins que a norteiam. A reflexão filosófica
se desdobram num projeto, pré-definem-se como exigência de se faz então reflexão axiológica, perquirindo a dimensão valo-
um devir em vista de um “ser-mais”, de uma intencionalidade a rativa da consciência e a expressão do agir humano enquanto
ser realizada: não pela efetivação mecânica de determinismos relacionado com valores.
objetivos nem pela atuação energética de finalidades impositi- A questão diretriz desta perspectiva axiológica é aquela dos
vas. O projeto humano se dá nas coordenadas históricas, sendo fins da educação, a questão do para quê educar. Não há dúvi-
obra dos sujeitos aluando socialmente, num processo em que da, entretanto, que, também nesse sentido, a tradição filosófica
sua encarnação se defronta, a cada instante, com uma exigência no campo educacional, o mais das vezes, deixou-se levar pela
de superação. É só nesse processo que se pode conceber uma tendência a estipular valores, fins e normas, fundando-os apres-
ressignificação da “essência humana”, pois é nele também, na sadamente numa determinação arbitrária, quando não apriorís-
frustração desse processo, que o homem perde sua essenciali- tica, de uma natureza ideal do indivíduo ou da sociedade Foi o
dade. A educação pode, pois ser definida como esforço para se que ocorreu com a orientação metafísica da filosofia ocidental
conferir ao social, no desdobramento do histórico, um sentido que fazia decorrer, quase que por um procedimento dedutivo,
intencionalizado, como esforço para a instauração de um pro- as normas do agir humano da essência do homem, concebida,
jeto de efetiva humanização, feita através da consolidação das como já vimos, como um modelo ideal, delineado com base
mediações da existência real dos homens. numa ontologia abstrata.

2
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Assim, os valores do agir humano se fundariam na própria Em cada um dos momentos da atividade educativa está
essência humana, essência esta concebida de modo ideal, abs- necessariamente presente uma ineludível dimensão de subje-
trato e universal. A ética se tornava então uma ética essencialis- tividade, que impregna assim o conjunto do processo como um
ta, desvinculada de qualquer referência sócio-histórica. O agir todo. Desta forma, tanto no plano de suas expressões teóricas
deve assim, seguir critérios éticos que se refeririam tão-somen- como naquele de suas realizações práticas, a educação envolve
te à essência ontológica dos homens. E a ética se transformava a própria subjetividade e suas produções, impondo ao educador
num sistema de critérios e normas puramente deduzidos dessa uma atenção especifica para tal situação. A atividade da cons-
essência. ciência é assim mediação necessária das atividades da educa-
Mas por outro lado ao tentar superar essa visão essencialis- ção.
ta, a tradição cientifica ocidental vai ainda vincular o agir a va- É por isso que a reflexão sobre a existência histórica e social
lores agora relacionados apenas com a determinação natural do dos homens enquanto elaboração de uma antropologia filosófi-
existir do homem O homem é um prolongamento da natureza fí- ca fundante, só se torna possível, na sua radicalidade, em decor-
sica, um organismo vivo, cuja perfeição maior não é obviamente, rência da própria condição de ser o homem capaz de experimen-
a realização de uma essência, mas sim o desenvolvimento pleno tar a vivência subjetiva da consciência. A questão do sentido de
de sua vida. O objetivo maior da vida, por sinal, é sempre viver existir do homem e do mundo só se coloca graças a essa expe-
mais e viver bem! E esta finalidade fundamental passa a ser o riência. A grande dificuldade que surge é que essa experiência
critério básico na delimitação de Iodos os valores que presidem da consciência é também uma riquíssima experiência de ilusões.
o agir. Devem ser buscados aqueles objetivos que assegurem ao A consciência é o lugar privilegiado das ilusões, dos erros e do
homem sua melhor vida natural. Ora como a ciência dá conta falseamento da realidade, ameaçando constantemente compro-
das condições naturais da existência humana, ao mesmo tempo meter sua própria atividade.
que domina e manipula o mundo, ela tende a lazer o mesmo Diante de tal situação, cabe à filosofia da educação desen-
com relação ao homem Tende não só a conhecê-lo mas ainda a volver uma reflexão propriamente epistemológica sobre a natu-
manipulá-lo, a controlá-lo e a dominá-lo, transpondo para seu reza dessa experiência na sua manisfestação na área do educa-
âmbito a técnica decorrente desses conhecimentos. A “naturali- cional. Cabe-lhe, tanto de uma perspectiva de totalidade como
zação do homem acaba transformando-o num objeto facilmente da perspectiva da particularidade das várias ciências, descrever
manipulável e a prática humana considerada adequada, acaba e debater a construção, pelo sujeito humano, do objeto “educa-
sendo aquela dirigida por critérios puramente técnicos, seja ção”. É nesse momento que a filosofia da educação, por assim
no plano individual, seja no plano social essa ética naturalista dizer, tem de se justificar, ao mesmo tempo que rearticula os
apoiando-se apenas nos valores de uma funcionalidade técnica. esforços da própria ciência, para também se justificar, avaliando
Em consequência desses rumos que a reflexão filosófica e legitimando a atividade do conhecimento enquanto processo
enquanto reflexão axiológica, tomou na tradição da cultura oci- tecido no texto/contexto da realidade histórico-social da huma-
dental, a filosofia da educação não se afastou da mesma orien- nidade. Com efeito e coerentemente com o que já se viu acima,
tação. De um lado, tendei a ver, como fim último da educação, a análise do conhecimento não pode ser separada da análise dos
a realização de uma perfeição dos indivíduos enquanto plena demais componentes dessa realidade.
atualização de uma essência modelar; de outro, entendeu-se No seu momento epistemológico, a filosofia da educação
essa perfeição como plenitude de expansão e desenvolvimento investe, pois, no esclarecimento das relações entre a produção
de sua natureza biológica. Agora a filosofia da educação busca do conhecimento e o processo da educação. É assim que muitas
desenvolver sua reflexão levando em conta os fundamentos an- questões vão se colocando à necessária consideração por parte
tropológicos da existência humana, tais como se manifestam em dos que se envolvem com a educação, também nesse plano da
mediações histórico-sociais, dimensão esta que qualifica e espe- produção do saber, desde aquelas relacionadas com a natureza
cifica a condição humana. Tal perspectiva nega, retoma e supera da própria subjetividade até aquelas que se encontram implica-
aqueles aspectos enfatizados pelas abordagens essencialista e das no mais modesto ato de ensino ou de aprendizagem, pas-
naturalista, buscando dar à filosofia da educação uma configu- sando pela questão da possibilidade e da efetividade das ciên-
ração mais assente às condições reais da existência dos sujeitos cias da educação. Com efeito, aqui estão em pauta os esforços
humanos. que vêm sendo desenvolvidos com vista à criação de um sistema
de saber no campo da educação, de tal modo que se possa dis-
3. A Força e a Fraqueza da Consciência por de um corpo de conhecimentos fundados numa episteme,
num saber verdadeiro e consistente. Trata-se, sem dúvida, de
A filosofia da educação tem ainda uma terceira tarefa: a um projeto de cientificidade para a área educacional.
epistemológica cabendo-lhe instaurar uma discussão sobre No desenvolvimento desse projeto, logo se percebeu que
questões envolvidas pelo processo de produção, de sistemati- o campo educacional do ponto de vista epistemológico, é ex-
zação e de transmissão do conhecimento presente no processo tremamente complexo. Não é possível proceder com ele da
especifico da educação. Também deste ponto de vista é signifi- mesma maneira que se procedeu no âmbito das demais ciências
cativa a contribuição da filosofia para a educação. humanas. Para se aproximar do fenômeno educacional foi preci-
Fundamentalmente, esta questão se coloca porque a edu- so uma abordagem multidisciplinar, já que não se dispunha de
cação também pressupõe mediações subjetivas, ou seja, ela um único acervo categorial para a construção apreensão desse
pressupõe a intervenção da subjetividade de todos aqueles que objeto; além disso, a abordagem exigia ainda uma perspectiva
se encontram envolvidos por ela. transdisciplinar, na medida em que o conjunto categorial de
cada disciplina lançava esse objeto para além de seus próprios

3
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

limites, enganchando-o em outros conjuntos, indo além de uma dominação presentes na sociedade. Com efeito, é para legiti-
mera soma de elementos: no final das contas, viu-se ainda que mar determinadas relações de poder que a consciência elabora
se trata de um trabalho necessariamente interdisciplinar, as ca- como objetivas, como universais e como necessárias, algumas
tegorias de todos os conjuntos entrando numa relação recíproca representações que na realidade social efetiva, referem-se ape-
para a constituição desse corpo epistêmico. Esta situação pecu- nas a interesses particulares de determinados grupos sociais.
liar tem a ver com o caráter predominantemente praxio-lógico Ora todas as atividades ligadas à educação, sejam elas
da educação: a educação é fundamentalmente de natureza prá- teóricas ou praticas, podem se envolver, e historicamente se
tica uma totalidade de ação, não só se deixando reduzir e de- envolveram, nesse processo ideológico De um lado enquanto
compor como se fosse um simples objeto. Assim, quer seja con- derivadas da atuação da consciência, podem estar incorporan-
siderada sob um enfoque epistemológico, quer sob um enfoque do suas representações falseadas e falseadoras; de outro lado,
praxiológico, enquanto práxis concreta, a educação implica esta enquanto vinculadas à prática social, podem estar ocultando re-
interdisciplinaridade, ou seja o sentido essencial do processo da lações de dominação e situações de alienação. A educação não
educação, a sua verdade completa não decorre dos produtos de é mais vista hoje como o lugar da neutralidade e da inocência:
uma ciência isolada e nem dos produtos somados de várias ciên- ao contrário, ela é um dos lugares mais privilegiados da ideolo-
cias: ele só se constitui mediante o esforço de uma concorrência gia e da inculcação ideológica, refletindo sua íntima vinculação
solidária e qualitativa de várias disciplinas. ao processo social em suas relações de dominação política e de
Esta malha de interdisciplinaridade na construção do sen- exploração econômica.
tido do educacional é tecida fundamentalmente pela reflexão Assim, qualquer tentativa de intencionalização do social
filosófica. A filosofia da educação não substitui os conteúdos através da educação pressupõe necessariamente um trabalho
significadores elaborados pelas ciências: ela, por assim dizer, os continuo de denúncia, de crítica e de superação do “discurso”
articula, instaurando uma comunidade construtiva de sentido, ideológico que se incorpora ao discurso” pedagógico. É então
gerando uma atitude de abertura e de predisposição à intersub- tarefa da filosofia da educação desvelar criticamente a “reper-
jetividade. cussão” ideológica da educação: só assim a educação poderá
Esta visão interdisciplinar que se dá enquanto articulação se constituir em projeto que esteja em condições de contribuir
integradora do sentido da educação no plano teórico, é igual-
para a transformação da sociedade.
mente expressão autêntica da prática totalizadora onde ocorre
Deste ponto de vista, a consciência filosófica é a mediação
a educação. Enquanto ação social, atravessada pela análise cien-
para uma continua e alenta vigilância contra as artimanhas do
tifica e pela reflexão filosófica, a educação se torna uma práxis e,
saber e do poder, montadas no íntimo do processo educacional .
portanto, implica as exigências de eficácia do agir tanto quanto
aquelas de elucidação do pensar.
A contribuição que a filosofia dá à educação se traduz e se
Portanto tanto no plano teórico como no plano prático, re-
concretiza nessas três frentes que. na realidade, se integram e
ferindo-se seja aos processos de conhecimento, seja aos crité-
se complementam Entendo que apesar dos desvios e tropeços
rios da ação, e seja ainda ao próprio modo de existir dos sujeitos
envolvidos na educação, a filosofia esta necessariamente pre- pelos quais passou na história da cultura ocidental, a filosofia,
sente, sendo mesmo indispensável. E neste primeiro momento, enquanto filosofia da educação, sempre procurou efetivar essa
como contínua gestora da interdisciplinaridade. contribuição, na medida em que sempre se propôs como esfor-
Mas não termina aqui a tarefa epistemológica da filosofia da ço de exploração e de busca dos fundamentos. Mesmo quando
educação. Com efeito, vimos há pouco que a experiência da sub- acreditou tê-los encontrados nas essências idealizadas ou nas
jetividade é também o lugar privilegiado da ilusão e do falsea- regularidades da natureza! E ela poderá continuar contribuindo
mento da realidade. Sem dúvida, a consciência emergiu como se entender que esses fundamentos têm a ver com o sentido
equipamento mais refinado que instrumentalizou o homem do existir do homem em sua totalidade trançada na realidade
para prover, com maior flexibilidade, os meios de sua existên- histórico-social.1
cia material Mas ao se voltar para a realidade no desempenho
concreto dessa finalidade, ela pode projetar uma objetividade Concepções de escola
não-real. E o processo de alienação que a espreita a cada instan-
te na sua relação com o mundo objetivo. Este é o outro lado da Em suas obras, Dermeval Saviani apresenta a escola como
subjetividade, o reverso da medalha. Em sua atividade subjetiva, o local que deve servir aos interesses populares garantindo a
a consciência acaba criando uma objetividade apenas projetada, todos um bom ensino e saberes básicos que se reflitam na vida
imaginada, ideada e não-real. Ocorre que a consciência humana dos alunos preparando-os para a vida adulta. Em sua obra Esco-
é extremamente frágil e facilmente dominável pelo poder que la e Democracia (1987), o autor trata das teorias da educação
atravessa as relações sociais. Eis então o funcionamento ideoló- e seus problemas, explanando que a marginalização da criança
gico da atividade subjetiva: o próprio conhecimento passa a ser pela escola se dá porque ela não tem acesso a esta, enquanto
mais um instrumento de dominação que alguns homens exer- que a marginalidade é a condição da criança excluída. Saviani
cem sobre outros. A consciência, alienada em relação à reali- avalia esses processos, explicando que ambos são prejudiciais
dade objetiva, constrói conteúdos representativos e avaliativos ao desenvolvimento da sociedade, trazendo inúmeros proble-
que são apresentados como verdadeiros e válidos quando, de mas, muitas vezes de difícil solução, e conclui que a harmonia e
falo são puramente ideológicos, ou seja, estão escamoteando a integração entre os envolvidos na educação – esferas política,
as condições reais com vista a fazer passar por verdadeira uma 1 Fonte: www.emaberto.inep.gov.br - Texto adaptado de Antônio
concepção falsa, mas apta a sustentar determinadas relações de Joaquim Severino

4
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

social e administração da escola podem evitar a marginalidade, o mestre. A relação professor-aluno é de obediência ao mestre.
intensificando os esforços educativos em prol da melhoria de Incentiva a competição. É preciso ser o melhor. O outro é um
vida no âmbito individual e coletivo. concorrente.
Através da interação do professor e da participação ativa 8. O CONTEÚDO - Ênfase no passado, ao já feito, aos con-
do aluno a escola deve possibilitar a aquisição de conteúdos teúdos prontos, ao saber já instituido. O futuro é reprodução do
– trabalhar a realidade do aluno em sala de aula, para que ele passado. O saber é enciclopédico e é preciso conhecer e praticar
tenha discernimento e poder de analisar sua realidade de uma as leis morais.
maneira crítica -, e a socialização do educando para que tenha 9. PROCEDIMENTOS PEDAGÓGICOS - O conteúdo é apre-
uma participação organizada na democratização da sociedade, sentado de forma acabada, há ênfase na quantidade de infor-
mas Saviani alerta para a responsabilidade do poder público, re- mação dada e memorizada. O aluno ouve informações gerais
presentante da política na localidade, que é a responsável pela nas situações particulares.
criação e avaliação de projetos no âmbito das escolas do estado
e município, uma vez que este é o responsável pelas políticas
Concepção Liberalista Da Educação
públicas para melhoria do ensino, visando a integração entre
o aluno e a escola. A escola é valorizada como instrumento de
1. ORIGEM HISTÓRICA - A concepção liberalista da Educação
apropriação do saber e pode contribuir para eliminar a seleti-
foi se constituindo ao longo da História em reação à concepção
vidade e exclusão social, e é este fator que deve ser levado em
consideração, a fim de erradicar as gritantes disparidades de ní- Tradicionalista, seus primeiros indícios podem se reportar ao
veis escolares, evasão escolar e marginalização. Renascimento( séc. XV - XVI); prosseguindo com a instalação do
De fato, a escola é o local que prepara a criança, futuro ci- poder burguês liberalista (séc. XVIII) e culminando com a emer-
dadão, para a vida, e deve transmitir valores éticos e morais aos gência da chamada Escola Nova”(início do séc. XX) e com a divul-
estudantes, e para que cumpra com seu papel deve acolher os gação dos pressupostos da Psicologia Humanista (1950).
alunos com empenho para, verdadeiramente transformar suas 2. PRESSUPOSTO BÁSICO . da concepção liberalista da Edu-
vidas. cação. Referências para vida do homem não podem ser os valo-
res pré-dados por fontes supra-humanas, exteriores ao homem.
Concepções de Educação A Educação (como toda a vida social) deve se basear nos pró-
Concepção Tradicionalista da Educação prios homens, como eles são concretamente. O homem pode
buscar em si próprio o sentido da sua vida e as normas para a
1. ORIGEM HISTÓRICA - Desde o poder aristocrático antigo sua vida.
e feudal. Buscou inspiração nas tradições pedagógicas antigas e 3. CONCEPÇÃO DE HOMEM - O homem é naturalmente
cristãs. Predominou até fins do século XIX. Foi elitista, pois ape- bom, mas ele pode ser corrompido na vida social. O homem é
nas o clero e a nobreza tinham acesso aos estudos. um ser livre, capaz de decidir, escolher com responsabilidade e
2. CONCEITO DE HOMEM - O homem é um ser originalmen- buscar seu crescimento pessoal.
te corrompido (pecado original). O homem deve submeter-se 4. CONCEITO DE INFÂNCIA - A criança é inocente. A criança
aos valores e aos dogmas universais e eternos. As regras de está mais perto da verdadeira humanidade. É preciso protegê-
vida para o homem já forma estabelecidas definitivamente(num -la, isolá-la, do contato com a sociedade adulta e não ter pressa
mundo “superior”, externo ao homem). de transformar a criança em adulto. O importante não é pre-
3. IDEAL DE HOMEM - É o homem sábio (= instruído, que parar para a vida futura apenas, mas vivenciar intensamente a
detém o saber, o conhecimento geral, apresenta correção no fa- infância.
lar e escrever, e fluência na oratória) e o homem virtuoso (= dis- 5. IDEAL DE HOMEM . É a pessoa livre, espontânea, de ini-
ciplinado). A Educação Tradicionalista supervaloriza a formação ciativa, criativa, auto-determinada e responsável. Enfim, auto-
intelectual, a organização lógica do pensamento e a formação
-realizada.
moral.
6. A FUNÇÃO DA EDUCAÇÃO - A função da Educação é pos-
4. EDUCAÇÃO - Tem como função: corrigir a natureza cor-
sibilitar condições para a atualização e uso pleno das potenciali-
rompida do homem, exigindo dele o esforço, disciplina rigorosa,
dades pessoais em direção ao auto-conhecimento e auto-reali-
através de vigilância constante. A Educação deve ligar o homem
ao “mundo superior”que é o seu destino final, e destruir o que zação pessoal. A Educação não deve destruir o homem concreto
prende o homem à sua existência terrestre. e sim apoiar-se neste ser concreto. Não deve ir contra o homem
5. DISCIPLINA - Significa domínio de si mesmo, controle para formar o homem. A Educação deve realizar-se a partir da
emocional e corporal. Predominam os incentivos extrínsecos: própria vida e experiência do educando, apoiar-se nas necessi-
prêmios e castigos. A Escola é um meio fechado que prepara o dades e interesses naturais, expectativas do educando, e contri-
educando. buir para seu desenvolvimento pessoal. Os três princípios bási-
6. EDUCADOR - É aquele que já se disciplinou, conseguiu cos da Educação liberalista: liberdade, subjetividade, atividade.
corrigir sua natureza corrompida e já detém o saber. Tem seu 7. EDUCADOR - Deve abster-se de intervir no processo do
saber reconhecido e sua autoridade garantida. Ele é o centro da desenvolvimento do educando. Deve ser elemento facilitador
decisão do processo educativo. desse desenvolvimento. Essa concepção enfatiza as atividades
7. RELACIONAMENTO INTER-PESSOAL. - A disposição na do mestre: compreensão , empatia (perceber o ponto de refe-
sala de aula, um atrás do outro, reduz ao mínimo as possibilida- rência interno do outro), carinho, atenção, aceitação, permissi-
des de comunicação direta entre as pessoas. É cada um só com vidade, autenticidade, confiança no ser humano.

5
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

8. DISCIPLINA - As regras disciplinares são discutidas por 14. CONTRADIÇÃO BÁSICA - da concepção liberalista de
todos os educandos e assumidas por eles com liberdade e res- Educação: Ao contestar o autoritarismo, a opressão e ressaltar
ponsabilidade. Essas regras são o limite real para o clima de per- a livre expressão e os direitos do ser humano, a Educação Libe-
missividade. O trabalho ativo e interessado substitui a disciplina ralista abre espaço para que seja possível inclusive a ultrapas-
rígida. sagem de si própria em sua nova pedagogia que rejeita os seus
9. RELACIONAMENTO INTER-PESSOAL - A relação privilegia- pressupostos ideológicos e construa outros pressupostos com
da é do grupo de educandos que cooperam, decidem, se ex- nova concepção de mundo, de sociedade, de homem. O libera-
pressam. Enfatiza as relações inter-pessoais, busca dar espaço lismo pedagógico torna possível esta ultrapassagem, mas não a
para as emoções, sentimentos, afetos, fatos imprevistos emer- realiza.
gentes no aqui-agora do encontro grupal. Permite o pensamen-
to divergente, a pluralidade de opções, respostas mais perso- Concepção Técnico-Burocrática Da Educação
nalizadas. É centrada no estudante.
10. ESCOLA - É um meio fechado, se possível especialmente 1. ORIGEM HISTÓRICA - Esta concepção é também conhe-
distanciado da vida social para proteger o educando. A escola cida como concepção TECNICISTA. . Penetrou nos meios educa-
torna-se uma mini-sociedade ideal onde o educando pode agir cionais a partir dos meados do séc. XX (1950) com o avanço dos
com liberdade, espontaneidade, alegria. modelos de organização EMPRESARIAL .Representa a introdu-
11. CONTEÚDO - As crianças podem ordenar o conheci- ção do modelo capitalista empresarial na escola.
mento conforme os seus interesses. Evita-se mostrar o mundo 2. CONCEPÇÃO DE HOMEM - É um ser condicionado pelo
“mau”aos educandos. O mundo é apresentado de modo ideali- meio físico-social.
zado, bonito, “colorido”. 3. IDEAL DE HOMEM - É o homem produtivo e adaptado à
12. PROCEDIMENTO PEDAGÓGICO - Enfatiza a técnica de sociedade.
descoberta, o método indutivo (do particular ao geral). Defen- 4. FUNÇÃO DA EDUCAÇÃO - É modeladora, modificadora do
de técnicas globalizantes que garantam o sentido, a compreen- comportamento humano previsto. Educação é adaptação do in-
são, a inter-relação e sequenciação do conteúdo. Utiliza técnicas divíduo à sociedade.
variadas: música, dança, expressão corporal, dramatização, 5. ESCOLA - Deve ser uma comunidade harmoniosa. Todo
pesquisa, solução de problemas, discussões grupais, dinâmi- problema deve ser resolvido administrativamente. O adminis-
ca grupais, trabalho prático. Muito som, luz, cor e movimento, trativo e o pedagógico são departamentos separados.
supõe a aprendizagem como processo intrínseco que requer 6. EDUCADOR - É um especialista, já possui o saber. Quem
elaboração interna do aprendiz. Aprender a aprender é mais possui saber são os cientistas, os especialistas. Esses produzem
fundamental do que acumular grandes quantidades de conteú- a cultura. Esses é que deverão comandar os demais homens.
dos, permite a variedade e manipulação efetiva de materiais di- Eles produziram a teoria e é esta que vai dirigir a prática. Os
dáticos pelos educandos. Ênfase no jogo, descontração, prazer. especialistas é que devem planejar, decidir e levar os demais a
Enfatiza avaliação qualitativa, a auto-avaliação, a discussão de cumprirem as ordens, e executar o fazer pedagógico. A equipe
critérios e avaliação com os educandos. de comando técnico deve fiscalizar o cumprimento das ordens.
13. RELAÇÃO EDUCACÃO-SOCIEDADE - A concepção libera- 7. RELAÇÃO INTER-PESSOAL - Valoriza a hierarquia, ordem,
lista de Educação é coerente com o moderno capitalismo que a impessoalidade, as normas fixas e precisas, o pensamento
propõe a livre iniciativa individual, adaptação dos trabalhadores convergente, a uniformidade, a harmonia.
a situações mutáveis, concepção de Educação é conivente com 8. CONTEÚDO - Supervaloriza o conhecimento técnico-pro-
o sistema capitalista de sociedade porque: fissional, enfatiza o saber pronto provindo das fontes culturais
1. Contribui com a manutenção da estrutura de classes so- estrangeiros, super desenvolvidas.
ciais , quando realiza a elitização do saber, de dois modos: a) or- 9. PROCEDIMENTO PEDAGÓGICO - Enfatiza a técnica, o sa-
ganizando o ensino de modo a desfavorecer o prosseguimento ber-fazer sem discutir a questão dos valores envolvidos. Privile-
da escolarização dos mais pobres: o mundo da escola é o mundo gia o saber técnico, os métodos individualizantes na obtenção
burguês no visual, na linguagem, nos meios, nos fins. A escola do conhecimento. Enfatiza a objetividade, mensuração rigoro-
vai selecionando os mais “capazes”. Os outros vão sutilmente sa dos resultados, a eficiência dos meios para alcançar o resul-
se mantendo nas baixas camadas de escolaridade. A pirâmide tado final previsto. Tudo é previsto, organizado, controlado pela
escolar também contribui, portanto, com a reprodução contínua equipe de comando.
da pirâmide social . b) 10. DISCIPLINA - A indisciplina deve ser corrigida utilizando
2. Inculca a concepção burguesa de mundo, de modo pre- reforçamentos de preferência positivos (recompensas, prêmios,
dominante, divulgando sua ideologia através do discurso explí- promoções profissionais).
cito e implícito (na fala das autoridades, nos textos de leitura, 11. RELAÇÃO EDUCAÇÃO-SOCIEDADE - Nesta concepção de
nas atitudes manifestas). Veicula conteúdos idealizadores da Educação predomina a função reprodutiva do modelo social.
realidade, omitindo questionamentos críticos desveladores do As relações capitalistas se manifestam no trabalho pedagógico
social real. de modos diversos e complementares: a) pela expropriação do
3. Seu projeto de mudança social é reformista e acredita na saber do professor pelos “planejadores” ou pelo programas e
mudança social sem conflito, não levando em consideração as máquinas importadas. b) pela crescente proletarização do pro-
contradições reais geradas pelo poder burguês. Quando fala em fessor arrocho salarial para manutenção dos lucros. c) pela con-
mudança social, acredita que esta se processa das partes para o tenção de despesas e de investimento na qualidade de ensino e
todo: mudam as pessoas - as instituições - a sociedade. na formação do educador, buscando mínimos gastos e máximos

6
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

lucros para os proprietários da instituição. d) pela preocupação 3. CONCEITO DE HOMEM - O homem é sujeito, agente do
exclusiva com a formação técnico-profissional necessária à pre- processo histórico. “A História nos faz, refaz e é feito por nós
paração da mão-de-obra coerente com as exigências do merca- continuamente”. (Paulo Freire).
do de trabalho. e) pelo uso da tecnologia à serviço do capital : 4. IDEAL DE HOMEM. A educação dialética visa a constru-
redução da mão-de-obra remunerada. ção do homem histórico, compromissado com as tarefas do seu
12. CONTRADIÇÃO BÁSICA . Há bases materiais, concretas tempo: participar do projeto de construção de uma nova reali-
que sustentam a concepção tecnoburocrática de Educação. Mas dade social. Busca a realização plena de todos os homens e acre-
a própria dominação gera o seu contrário: a resistência, a luta. dita que isto não será possível dentro do modelo capitalista de
A proletarização do professor tem sido a base material que tem sociedade. Sendo assim se coloca numa perspectiva transfor-
levado a categoria dos docentes a sair de seus movimentos rei- madora da realidade. O homem dessa outra realidade não será
vindicatórios corporativistas para unir suas forças à dos proletá- mais o homem unilateral, excluído dos bens sociais, explorado
rios. A luta do educador é mais ampla: do nível da luta interna no trabalho, mas será um homem novo, o homem total”: “É o
na instituição escolar e junto à categoria profissional à luta social chegar histórico do homem a uma totalidade de capacidade, a
contra o sistema que tem gerado esta Educação. uma totalidade de possibilidade de consumo e gozo, podendo
usufruir bens espirituais e materiais” (Moacir Gadotti).
Concepção Dialética De Educação 5. EDUCAÇÃO - Numa sociedade de classes, a educação tem
uma função política de criar as condições necessárias à hege-
1. CONCEITO DE DIALÉTICA. A dialética é uma Filosofia por- monia da classe trabalhadora. Hegemonia implica o direito de
que implica uma concepção do homem, da sociedade e da rela- todos participarem efetivamente da condução da sociedade,
ção homem-mundo. É também um método de conhecimento. poder decidir sobre sua vida social; supõe direção cultural, polí-
Na Grécia antiga a dialética signficava “arte do diálogo”. Desde tica ideológica. As condições para hegemonia dos trabalhadores
suas origens mais antigas a dialética estava relacionada com as passam pela apropriação da capacidade de direção. A Educação
discussões sobre a questão do movimento, da transformação é projeto e processo. Seu projeto histórico é explícito: criação
das coisas. A dialética percebe o mundo como uma realidade de uma nova hegemonia, a da classe trabalhadora. O ato edu-
em contínua transformação. Em tudo o que existe há uma con- cativo, cotidiano não é um ato isolado mas integrado num pro-
tradição interna. (Por exemplo, numa sociedade há forças con- jeto social e global de luta da classe trabalhadora. A educação
servadoras interessadas em manter o sistema social vigente, e dialética é processo de formação e capacitação: apropriação das
há forças emancipadoras). Essas forças são inter-dependentes capacidades de organização e direção, fortalecimento da cons-
e estão em luta. Essa luta força o movimento, a transformação ciência de classe para intervir de modo criativo, de modo orga-
de ambos os termos contrários em um terceiro termo. No ter- nizado, na transformação estrutural da sociedade.”Essa educa-
ceiro termo ha superação do estar-sendo anterior. ção é libertadora na medida em que tiver como objetivo a ação
2. CONDIÇÕES HISTÓRICAS. A dialética é muito antigo po- e reflexão consciente e criadora das classes oprimidas sobre seu
dendo ser reportada a sete séculos antes de Cristo. Sócrates próprio processo de libertação.”(Paulo Freire).
(469-399 A.C.) é considerado o maior dialético grego. No séc.
XIX, Hegel e Karl Marx revivem a dialética e a partir deles no- 6. CONCEPÇÃO METODOLÓGICA BÁSICA:
vos autores têm retomado e ampliado a questão da dialética. Prática - Teoria - Prática
A dialética como fundamentação filosófica e metodológica da
Educação existiu desde os tempos antigos, mas não como con- 1o. Partir da prática concreta: Perguntar, problematizar a
cepção dominante. Prevaleceu ao longo da História uma con- prática. São as necessidades práticas que motivam a busca do
cepção tradicionalista e metafísica de Educação. (Metafísica: conhecimento elaborado. Essas necessidades constituem o pro-
teoria abstrata, desvinculada da realidade concreta, com uma blema: aquilo que é necessário solucionar. É preciso, pois, iden-
visão estática de mundo). Essa concepção tradicional corres- tificar fatos e situações significativas da realidade imediata.
pondia ao interesse das classes dominantes, clero e nobreza, 2o. Teorizar sobre a prática: ir além das aparências imedia-
de impedir transformações Como as transformações radicais da tas. Refletir, discutir, buscar conhecer melhor o tem problemati-
sociedade só interessam às classes desprivilegiadas compete a zado, estudar criativamente.
essas a retomada da dialética. Assim é que o projeto pedagógico 3o. Voltar à prática para transformá-la: voltar à prática com
da classe trabalhadora foi elaborado por ocasião de revolta dos referenciais teóricos mais elaborados e agir de modo mais com-
trabalhadores na França (“Comuna de Paris”, 1871), assumida petente. A prática é o critério de avaliação da teoria. Ao colocar
rapidamente pelo poder burguês. O projeto pedagógico da clas- em prática o conhecimento mais elaborado surgem novas per-
se trabalhadora é hoje revivido na luta dos trabalhadores em guntas que requerem novo processo de teorização abrindo-nos
vários pontos do mundo. A concepção dialética de Educação su- ao movimento espiralado da busca contínua do conhecimento.
põe, pois, a luta pelo direito da classe trabalhadora à Educação, 7. CONTEÚDO E PROCEDIMENTO PEDAGÓGICO : A edu-
e exige ainda, a participação na luta pela mudança radical das cação dialética luta pela escola pública e gratuita. Uma escola
suas condições de existência. A concepção dialética sempre foi de qualidade para o povo. Para assumir a hegemonia, a classe
reprimida pelo poder dominante, mas resistindo aos obstáculos, trabalhadora precisa munir-se de instrumentais: apropriação de
ela vai conquistando espaço. Ainda não está estruturada, está conhecimentos, métodos e técnicas, hoje restritos à classe do-
se fazendo. A todo educador progresista-dialético uma tarefa se minante. Implica a apropriação crítica e sistemática de teorias,
coloca: a de contribuir com essa construção: sistematizar a teo- tecnicas profissionais, o ler, escrever e contar com eficiência e
ria e a prática dialética de educação. mais ainda, apropriar-se de métodos de aquisição, produção e

7
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

divulgação do conhecimento: pesquisar, discutir, debater com crítico, trazer as informações, contextualizá-las e dar caminhos
argumentações precisas, utilizar os mais variados meios de ex- para o aluno buscar mais conhecimento. Além disso, é o lugar de
pressão, comunicação e arte. A Educação dialética enfatiza téc- sociabilidade de jovens, adolescentes e também de difusão só-
nicas que propiciem o fazer coletivo, a capacidade de organiza- ciocultural. Mas é preciso considerar alguns aspectos no que se
ção grupal, que permitem a reflexão crítica, que permitem ao refere a sua função social e a realidade vivida por grande parte
educando posicionar-se como sujeito do conhecimento. Busca dos estudantes brasileiros.
partir da realidade dos educandos, suas condições de “partida”e Na atualidade alguns discursos tenham ganhado força na
interferir para superar esse momento inicial. Avalia continua- teoria da educação. Estes discursos e teorias, centrados na pro-
mente a prática global, não apenas os conteúdos memorizados. blemática educacional e na contradição existente entre teoria e
O aluno é também sujeito da avaliação. A avaliação serve para prática produzem certas conformações e acomodações entre os
diagnosticar, evidenciar o que deve ser mudado. educadores.
8. A ESCOLA - É lugar de contradição numa sociedade de Muitos atribuem a problemática da educação às situações
classes. Há forças contrárias em luta. Para a educação dialética a associadas aos valores humanos, como a ausência e/ou ruptura
escola não deve ser uma sociedade ideal em miniatura. Ela não de valores essenciais ao convívio humano. Assim, como alegam
esconde o conflito social. O conflito deve ser pedagogicamente despreparo profissional dos educadores, salas de aula superlo-
codificado (não cair nas “leis da selva”), deve ser evidenciado tadas, cursos de formação acelerados, salários baixos, falta de
para ser enfrentado e superado. A escola deve preparar, ao recursos, currículos e programas pré-elaborados pelo governo,
mesmo tempo, para a cooperação e para a luta. dentre tantos outros fatores, tudo em busca da redução de cus-
9. O EDUCADOR - O professor dialético assume a diretivida- tos.
de, a intervenção. O professor deve ser mediador do diálogo do Todas essas questões contribuem de fato para a crise edu-
aluno com o conhecimento e não o seu obstáculo. O professor cacional, mas é preciso ir além e buscar compreender o núcleo
não se faz um igual ao aluno, assume a diferença, a assimetria dessa problemática, encontrar a raiz desses fatores, entendendo
inicial. O trabalho educativo caminha na direção da diminuição de onde eles surgem. A grande questão é: qual a origem desses
gradativa dessa diferença. Dirigir é ter uma proposta clara do fatores que impedem a qualidade na educação?
trabalho pedagógico. É propor, não impor. Certamente a resposta para uma discussão tão atual como
10. RELACIONAMENTO INTER-PESSOAL E DISCIPLINA. A essa surja com o estudo sobre as bases que compõem a socie-
educação dialética valoriza a seriedade na busca do conheci- dade atual. Pois, ao analisar o sistema capitalista nas suas mais
mento, a disciplina intelectual, o esforço. Questiona reduzir a amplas esferas, descobre-se que todas essas problemáticas sur-
aprendizagem ao que é apenas “gostoso”, prazeroso em si mes- gem da forma como a sociedade está organizada com bases na
mo. Busca resgatar o lúdico: trabalho com prazer, momento de propriedade privada, lucro, exploração do ser humano e da na-
plenitude. Valoriza o rigor científico que não é incompatível com tureza e se manifestam na ideologia do sistema.
os procedimentos democráticos. Um não exclui o outro. Nega o Um sistema que prega a acumulação privada de bens de
autoritarismo e espontaneismo. Reconhece que o uso legítimo produção, formando uma concepção de mundo e de poder ba-
da autoridade do educador se faz em sintonia com a expressivi- seada no acumular sempre para consumir mais, onde quanto
dade e espontaneidade. A disciplina (regras de comportamento) mais bens possuir, maior será o poder que exercerá sobre a so-
é algo que se constrói coletivamente. Valoriza a afetividade no ciedade, acaba por provocar diversos problemas para a popula-
encontro inter-pessoal, sem a chantagem ou exploração do afe- ção, principalmente para as classes menos favorecidas, como:
tivo. Mas não basta amar, compreender e querer bem o educan- falta de qualidade na educação, ineficiência na saúde, aumento
do. O amor deve aliar-se à competência profissional, iluminada da violência, tornando os sistemas públicos, muitas vezes, caó-
por um compromisso político claro. ticos.
Independentemente do discurso sobre a educação, ele sem-
pre terá uma base numa determinada visão de homem, dentro
e em função de uma realidade histórica e social específica. Acre-
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA; dita-se que a educação baseia-se em significações políticas, de
classe. Freitag (1980) ressalta a frequente aceitação por parte
de muitos estudiosos de que toda doutrina pedagógica, de um
A escola tem como função criar uma forte ligação entre o modo ou de outro, sempre terá como base uma filosofia de vida,
formal e teórico, ao cotidiano e prático. Reúne os conhecimen- uma concepção de homem e, portanto, de sociedade.
tos comprovados pela ciência ao conhecimento que o aluno ad- Ainda segundo Freitag (1980, p.17) a educação é respon-
quire em sua rotina, o chamado senso comum. Já o professor, sável pela manutenção, integração, preservação da ordem e do
é o agente que possibilita o intermédio entre escola e vida, e o equilíbrio, e conservação dos limites do sistema social. E reforça
seu papel principal é ministrar a vivência do aluno ao meio em “para que o sistema sobreviva, os novos indivíduos que nele in-
que vive. gressam precisam assimilar e internalizar os valores e as normas
que regem o seu funcionamento.”
Função social da escola A educação em geral, designa-se com esse termo a trans-
missão e o aprendizado das técnicas culturais, que são as téc-
A escola, principalmente a pública, é espaço democrático nicas de uso, produção e comportamento, mediante as quais
dentro da sociedade contemporânea. Servindo para discutir um grupo de homens é capaz de satisfazer suas necessidades,
suas questões, possibilitar o desenvolvimento do pensamento proteger-se contra a hostilidade do ambiente físico e biológico e

8
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

trabalhar em conjunto, de modo mais ou menos ordenado e pa- (...) sem ingenuidade, cabe reconhecer os limites impostos
cífico. Como o conjunto dessas técnicas se chama cultura, uma pela exploração, pela exclusão social e pela renovada força da
sociedade humana não pode sobreviver se sua cultura não é violência, da competição e do individualismo. Assim, se a educa-
transmitida de geração para geração; as modalidades ou formas ção e a ética não são as únicas instâncias fundamentais, é inegá-
de realizar ou garantir essa transmissão chama-se educação. vel reconhecer que, sem a palavra, a participação, a criatividade
(ABBAGNANO, 2000, p. 305-306) e apolítica, muito pouco, ou quase nada, podemos fazer para
Assim a educação não alienada deve ter como finalidade a interferir nos contextos complexos do mundo contemporâneo.
formação do homem para que este possa realizar as transforma- Esse é o desafio que diz respeito a todos nós. (RIBEIRO; MAR-
ções sociais necessárias à sua humanização, buscando romper QUES; RIBEIRO 2003, p.93)
com o os sistemas que impedem seu livre desenvolvimento. A escola não pode continuar a desenvolver o papel de agên-
A alienação toma as diretrizes do mundo do trabalho no cia produtora de mão de obra. Seu objetivo principal deve ser
seio da sociedade capitalista e no modo como esse modelo formar o educando como homem humanizado e não apenas
de produção nega o homem enquanto ser, pois a maioria das prepará-lo para o exercício de funções produtivas, para ser con-
pessoas vive apenas para o trabalho alienado, não se completa sumidor de produtos, logo, esvaziados, alienados, deprimidos,
enquanto ser, tem como objetivo atingir a classe mais alta da so- fetichizados.2
ciedade ou, ao menos, sair do estado de oprimido, de miserável.
Perde-se em valores e valorações, não consegue discernir situa- Função social do educador
ções e atitudes, vive para o trabalho e trabalha para sobreviver.
Sendo levado a esquecer de que é um ser humano, um integran- Quando se fala na função social do professor, observa-se
te do meio social em que vive, um cidadão capaz de transformar que existe um conjunto de situações relacionadas como atitu-
a realidade que o aliena, o exclui. des, valores, éticas, que formam itens fundamentais para o seu
Há uma contribuição de Saviani (2000, p.36) que a respei- desenvolvimento no papel da educação. No primeiro momento
to do homem considera “(...) existindo num meio que se define ira se fazer um análise sobre as atitudes e valores de ensino, e
pelas coordenadas de espaço e tempo. Este meio condiciona-o, em seguida sobre o papel da educação no desenvolvimento de
competências éticas e de valores.
determina-o em todas as suas manifestações.” Vê-se a relação
Percebe-se que existe uma série de fatores que se relacio-
da escola na formação do homem e na forma como ela reproduz
nam com o processo de aprendizagem, que envolvem professor,
o sistema de classes.
aluno e escola. Esses fatores são: Atitudes e valores vão se for-
Para Duarte (2003) assim como para Saviani (1997) o traba-
mando ao longo da vida, através de influências sociais; A esco-
lho educativo produz nos indivíduos a humanidade, alcançando
la tem papel fundamental no desenvolvimento das atitudes e
sua finalidade quando os indivíduos se apropriam dos elemen-
valores através de um modelo pedagógico eficiente; O ensino
tos culturais necessários a sua humanização.
e a aprendizagem estão relacionados num processo de desen-
O essencial do trabalho educativo é garantir a possibilida- volvimento das atitudes e valores de acordo com a diversidade
de do homem tornar-se livre, consciente, responsável a fim de cultural; O Professor como ponte de ligação entre a escola e o
concretizar sua humanização. E para issotanto a escola como as aluno, proporcionando o desenvolvimento das atitudes no pro-
demais esferas sociaisdevem proporcionar a procura, a investi- cesso de aprendizagem.
gação, a reflexão, buscando razões para a explicação da realida- Quando se fala em atitude, é comum escutar frases como:
de, uma vez que é através da reflexão e do diálogo que surgem ela é uma pessoa de atitude, ou não vejo que ela tenha atitude.
respostas aos problemas. Mas afinal o que é atitude.
Saviani (2000, p.35) questiona “(...) a educação visa o ho- De acordo com Trilo (2000, p.26) atitude é algo interno que
mem; na verdade, que sentido terá a educação se ela não estiver se manifesta através de um estado mental e emocional, e que
voltada para a promoção do homem?” E continua sua indagação não tem como ser realizadas medições para avaliação de desem-
ao refletir “(...) uma visão histórica da educação mostra como penho e não esta exposto de forma que possam ser visualizados
esta esteve sempre preocupada em formar determinado tipo de de maneira clara.
homem. Os tipos variam de acordo com as diferentes exigências [...] Que se trata de uma dimensão ou de um processo in-
das diferentes épocas. Mas a preocupação com o homem é uma terior das pessoas, uma espécie de substrato que orienta e pre-
constante.” dispõe atuar de uma determinada maneira. Caso se trate de um
Os espaços educativos, principalmente aqueles de forma- estado mental e emocional interior, não estará acessível direta-
ção de educadores devem orientar para a necessidade da rela- mente (não será visível de fora e nem se poderá medir) se não
ção subjetividade-objetividade, buscando compreender as rela- através de suas manifestações internas. [...]
ções, uma vez que, os homens se constroem na convivência, na A atitude é um processo dinâmico que vai se desenvolvendo
troca de experiências. É função daqueles que educam levar os no decorrer da vida mediante situações que estão em sua volta
alunos a romperem com a superficialidade de uma relação onde como escola, família, trabalho. Trillo(2000) relata que “atitude é
muitos se relacionam protegidos por máscaras sociais, rótulos. mas uma condição adaptável as circunstâncias: surgem e man-
A educação, vista de um outro paradigma, enquanto me- tém-se interação que individuo tem com os que o rodeiam”.
canismo de socialização e de inserção social aponta-se como o A escola é fator importante no desenvolvimento da atitu-
caminho para construção da ética. Não usando-a para cumprir de, pois no decorrer de nossa vida se passa boa parte do tempo
funções ou realizar papéis sociais, mas para difundir e exercitar numa unidade de ensino, o que proporciona uma inserção de
a capacidade de reflexão, de criticidade e de trabalho não-alie- conhecimento.
nado. 2 Fonte: www.webartigos.com

9
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Segundo Trillo (2000, p.28) a escola através ações educa- O Papel da Educação no Desenvolvimento
tivas, proporciona os estímulos necessários na natureza para a de Competências Éticas e de Valores
construção de valores.
[...] Do ponto de vista da teoria das atitudes, pelo nos casos Desenvolver a educação alinhada a ferramentas como ética
em que se acedeu ao seu estudo a partir de casos de delinea- e valores não é tarefa fácil quando se depara com uma diversi-
mentos vinculados a educação, não surgem controvérsias im- dade de situações que se encontra na sociedade do mundo de
portantes no que se refere ao facto de se tratar ou não natureza hoje.
humana susceptíveis de serem estimulados através da ação edu- A educação não é a única alternativa para todas as dificulda-
cativa. Ou seja, parece existir um acordo geral segundo o qual as des que se encontra no mundo atual. Mas, a educação significa
atitudes e os valores poderiam se ensinados na escola [...] um importante caminho para que o conhecimento, seja uma se-
As ações das atitudes começam a se desenvolver logo na mente de uma nova era para ser plantada e que cresça para dar
criança quando ela esta rodeada de exemplos de família, amigos bons frutos para sociedade.
e principalmente pelos ensinamentos da escola. É interessante De acordo com Johann (2009, p.19) a ética é um fator pri-
que quando se tem um ambiente favorável e principalmente dos mordial na educação, pois já é parte do principio da existência
pais, acompanhando e orientando a criança, percebe-se a cons- humana.
trução de boas atitudes. [...] Se a educação inclui a ética como uma condição para
De acordo com Trillo (200, p.35) as crianças imitam os com- que ela se construa de acordo com a sua tarefa primordial, antes
portamentos em sua volta, de maneira que são estimuladas de tudo, buscaremos compreender o que se entende por educar
através de exemplos de atitudes positivas, o que proporciona e de que tarefa se trata aqui. Para explicitar o conceito de edu-
a autoestima. cação que assumimos ao relacioná-la com a ética, começaremos
[...] Nesta perspectiva, os mecanismos básicos da aquisição por contextualizar a existência humana, razão da emergência do
são a imitação e o esforço. As crianças pequenas vão imitando fenômeno educativo e das exigências éticas [...]
os comportamentos que observam a sua volta e, desta forma, Percebe-se a importância da ética no processo de apren-
esses comportamentos vão se fixando ou desaparecendo, como dizagem, onde alunos professores e escolas, devem selar este
consequência do reforço positivo ou negativo que recebem (em principio na troca de informações para o crescimento do conhe-
forma de aprovação e reconhecimento dos outros ou em forma cimento.
de autogratificação: sentir-se bem, reforçar a própria autoesti- Os valores a serem desenvolvidos como uma competência
ma, etc [...] educacional, é um desafio para escolas, professores e alunos de-
Um ponto importante no processo de construção das ati- vido a diversidade social, em que tem que ter um alinhamento
tudes esta o papel do professor. Ele tem a função de criar um flexível do modelo pedagógico das escolas e da didática do pro-
processo de aprendizagem dinâmico entendendo a necessidade fessor.
e diversidade do aluno, mostrando os caminhos corretos para o Segundo Araujo e Puig ( 2007, p.35) os valores mundo edu-
desenvolvimento das atitudes. cacional devem ser construídos com base num envolto de fer-
Segundo Trillo ( 2000, p.44) o professor tem que ter a habi- ramentas como democracia, cidadania e direitos humanos, de
lidade de estimular os alunos através de trabalhos dinâmicos de modo que estes valores a todo instante se relacionam com a
expressão pessoal, em meio a diversidade e perspectivas dife- diversidade social no ambiente interno e externo da escola.
rentes, acompanhando e valorizando os pontos dos trabalhos, [...] Assim o universo educacional em que os sujeitos vivem
de modo a enriquecer as atitudes dos aluno. devem estar permeados por possibilidades de convivência coti-
[...] O professor /a que procura nos trabalhos a expressão diana com valores éticos e instrumentos que facilitem as rela-
pessoal dos seus estudantes, e que os adverte valorará a ori- ções interpessoais pautadas em valores vinculados a democra-
ginalidade como um dos pontos importantes dos seus traba- cia, a cidadania e aos direitos humanos. Com isso, fugimos de
lhos, esta a estabelecer as bases de uma atitude de expressão um modelo de educação em valores baseado exclusivamente
livre. E se isto ampliar, no sentido em que, numa fase posterior baseado em aulas de religião, moral ou ética e compreendemos
do processo, cada um deverá ir expondo e justificando as suas que a construção de valores se da a todo instante, dentro e fora
conclusões pessoais, parece provável que a atitude de trabalho da escola. Se a escola e a sociedade propiciarem possibilidades
pessoal será enriquecida com a componente de reflexão e a que constantes e significativas de convívio com temáticas éticas, ha-
diz respeito a diversidade e as diferentes perspectivas sobre as verá maior probabilidade de que tais valores sejam construídos
coisas [...] pelo sujeitos [...]
As atitudes de valores de ensino é um processo dinâmico Contudo, a função social do professor é um ambiente bem
e construtivo, e cada vez mais necessita da presença da escola, complexo de se analisar, visto que ela esta relacionada a situa-
professor, aluno e demais ambientes sociais, visto que o proces- ções como atitudes, valores e éticas, estes itens de grande im-
so de aprendizagem se torna eficiente e eficaz, quando todos os portância para o desenvolvimento além do professor, mas para
envolvidos tenham discernimento de trabalhar o conhecimento escolas e alunos, pois a sociedade em que se vive, é cada vez
tomando atitudes corretas de acordo com os valores éticos, mo- mais diversificada, exigindo do professor flexibilidade de méto-
rais e sociais. dos de ensino, e das escolas modelos pedagógicos mais dinâmi-
cos, para satisfazer a necessidade dos alunos diversificados a fim
de construir uma sociedade com conhecimento.

10
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E COMPROMISSO ÉTICO E SOCIAL DO EDUCADOR.

Os movimentos a favor da educação inclusiva tiveram como meta a reestruturação das escolas de modo que atendessem às
necessidades de todas as crianças, ampliando as oportunidades de acesso ao ensino e participação social (Ainscow, Porter, & Wang,
1997).
Foi assinalada por esses autores a relevância da participação em equipe, dos professores e dos gestores, para a organização da
programação cultural e estrutural da instituição e dos papéis dos especialistas na reconceptualização das necessidades educativas
especiais. Três fatores chave foram apontados para a viabilização da inclusão educacional: o aproveitamento da energia dos alunos; a
organização de classes que encorajassem o processo social de aprendizagem e da capacidade de respostas do professor ao feedback
dado pelos alunos: a capacidade do professor e da instituição de modificar planos e atividades.
O que difere uma educação inclusiva de uma não inclusiva

Abordagem da educação não inclusiva Focalização no aluno Abordagem da educação inclusiva Focalização na classe
Avaliação do aluno por especialistas Resultados das Avaliação das condições de ensino-aprendizagem
avaliações traduzidos em diagnóstico/ prescrição Resolução cooperativa de problemas
Programa para os alunos Estratégias para os professores Adaptação e apoio na
Colocação em um programa apropriado classe regular

O sistema educacional brasileiro passou por grandes mudanças nos últimos anos e tem conseguido cada vez mais respeitar a
diversidade, garantindo a convivência e a aprendizagem de todos os alunos.
As práticas educacionais desenvolvidas nesse período e que promovem a inclusão na escola regular dos alunos com deficiência
(física, intelectual, visual, auditiva e múltipla), com transtorno global do desenvolvimento e com altas habilidades, revelam a mudança
de paradigma incorporada pelas equipes pedagógicas. Essas ações evidenciam os esforços dos educadores em ensinar a turma toda e
representam um conjunto valioso de experiências.
A educação especial como modalidade de ensino ainda está se difundindo no contexto escolar. Para que se torne efetiva, precisa-
rão dispor de redes de apoio que complementem o trabalho do professor. Atualmente, as redes de apoio existentes são compostas:
- pelo Atendimento Educacional Especializado (AEE) e
-pelos profissionais da educação especial (intérprete, professor de Braille, etc.) da saúde e da família.

De acordo com o Mini-dicionário Aurélio (2004), incluir (inclusão) significa: 1Conter ou trazer em si; compreender, abranger. 2Fa-
zer tomar parte; inserir, introduzir. 3Fazer constar de lista, de série, etc; relacionar.”
Para Monteiro (2001): “[...] A inclusão é a garantia, a todos, do acesso contínuo ao espaço comum da vida em sociedade, uma
sociedade mais justa, mais igualitária, e respeitosa, orientada para o acolhimento a diversidade humana e pautada em ações coletivas
que visem a equiparação das oportunidades de desenvolvimento das dimensões humanas (MONTEIRO, 2001, p. 1).”
De acordo com Mantoan (2005), inclusão:
“É a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas di-
ferentes de nós. A educação inclusiva acolhe todas as pessoas, sem exceção. É para o estudante com deficiência física, para os que
têm comprometimento mental, para os superdotados, para todas as minorias e para a criança que é discriminada por qualquer outro
motivo. Costumo dizer que estar junto é se aglomerar no cinema, no ônibus e até na sala de aula com pessoas que não conhecemos.
Já inclusão é estar com, é interagir com o outro.”
Em se tratando de educação partimos do pressuposto de que inclusão é a idéia de que todas as crianças têm o direto de se educar
juntos em uma mesma escola, sem que esta escola exija requisitos para ingresso e não selecione os alunos, mas, sim, uma escola que
garanta o acesso e a permanência com sucesso, dando condições de aprendizagem a todos os seus alunos.

Tudo isso é possível na medida em que a escola promova mudanças no seu processo de ensinar e aprender, reconhecendo o
valor de cada criança e o seu estilo de aprendizagem, reconhecendo que todos possuem potencialidades e que estas potencialidades
devem ser desenvolvidas.
Quando pensamos em uma escola inclusiva, é necessário pensar em uma modificação da estrutura, do funcionamento e da res-
posta educativa, fazendo com que a escola dê lugar para todas as diferenças e não somente aos alunos com necessidades especiais.
A fim de mudar a sua prática educativa, a escola deverá desenvolver estratégias de ensino diferenciadas que possibilitem o aluno
a aprender e se desenvolver adequadamente.
De acordo com Carvalho (2000, p. 111) “A proposta inclusiva pressupõe uma ‘nova’ sociedade e, nela, uma escola diferente e
melhor do que a que temos.” E diz ainda,
“Mas aceitar o ideário da inclusão, não garante ao bem intencionado mudar o que existe, num passe de mágica. A escola inclusiva,
isto é, a escola para todos deve estar inserida num mundo inclusivo onde as desigualdades não atinjam os níveis abomináveis com os
quais temos convivido.”

11
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A escola é o espaço primordial para se oportunizar a inte- competências, poderes e responsabilidades educacionais. As
gração e melhor convivência entre os alunos, os professores e ferramentas estão aí, para que as mudanças aconteçam, urgen-
possibilita o acesso aos bens culturais.Portanto é preciso que temente, e para que reinventemos a escola, desconstruindo a
a escola busque trabalhar de forma democrática, oferecendo máquina obsoleta que a dinamiza, os conceitos sobre os quais
oportunidades de uma vida melhor para todos independente ela se fundamenta os pilares teórico-metodológicos em que ela
de condição social, econômica, raça, religião, sexo, etc. Todos os se sustenta.”
alunos têm direito de estarem na escola, aprendendo e partici- Em busca de uma escola de qualidade, objetivando uma
pando, sem ser discriminado ou ter que enfrentar algum tipo de educação voltada para a emancipação e humanização do alu-
preconceito por motivo algum. no, é fundamental que o sistema educacional prime por uma
Segundo Haddad (2008) “[...] o benefício da inclusão não é educação para todos, onde o enfoque seja dado às diferenças
apenas para crianças com deficiência, é efetivamente para toda existentes dentro da escola. Uma tarefa nada fácil, que exige
a comunidade, porque o ambiente escolar sofre um impacto transformações acerca do sistema como um todo e mudanças
no sentido da cidadania, da diversidade e do aprendizado.” Na significativas no olhar da escola, pensando a adaptação do con-
Constituição Federal (1988) a educação já era garantida como texto escolar ao aluno.
um direito de todos e um dos seus objetivos fundamentais era, Com o objetivo de construir uma proposta educacional in-
“promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, clusiva e responsável é fundamental que a equipe escolar te-
sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.” nha muito claro os princípios norteadores desta proposta que
No (artigo 3º, inciso IV) da Constituição Federal (1988), devem estar calcados no desenvolvimento da democracia. De
como também no artigo 205, a educação é declarada como um acordo com o documento Diretrizes Nacionais para a Educação
direito de todos, devendo ela garantir o pleno desenvolvimento Especial (2001, p. 23) os princípios norteadores de uma educa-
da pessoa, o seu exercício de cidadania e a qualificação para o ção inclusiva são:
trabalho. A educação inclusiva é reconhecida como uma ação - Preservação da dignidade humana;
política, cultural, social e pedagógica a favor do direito de todos - Busca de identidade;
a uma educação de qualidade e de um sistema educacional or- - Exercício de cidadania.
ganizado e inclusivo.
ALGUMAS DIVERSIDADES NO CONTEXTO DA ESCOLA PÚBLICA
À escola cabe a responsabilidade em atender as diferenças,
considerando que para haver qualidade na educação é neces-
A realidade que permeia as escolas públicas apresenta de-
sário assegurar uma educação que se preocupe em atender a
safios a serem enfrentados, ou pelo menos, a serem colocados
diversidade.
como reflexão aos professores e a toda a comunidade escolar,
Segundo Mantoan (2005, p.18), se o que pretendemos é
preocupada com os novos rumos e um novo caminhar do pro-
que a escola seja inclusiva, é urgente que seus planos se redefi-
cesso de ensino e aprendizagem.
nam para uma educação voltada para a cidadania global, plena, A seguir, o presente texto apresentará as diversidades nor-
livre de preconceitos e que reconhece e valoriza as diferenças. malmente encontradas na escola e que hoje despontam como
A educação inclusiva visa desenvolver valores educacionais desafios para a ação docente do educador.
e metodologias que permitam desenvolver as diferenças através
do aprender em conjunto, buscando a remoção de barreiras na DIVERSIDADES RELIGIOSAS
aprendizagem e promovendo a aprendizagem de todos, princi-
palmente dos que se encontram mais vulneráveis, em contrapo- Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele,
sição com a escola tradicional, que sempre foi seletiva, conside- por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender; e se
rando as diferenças como uma anormalidade e, desenvolvendo podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar. Nelson
um ensino homogeneizado Carvalho (2000). Corroborando a Mandela
afirmação de Carvalho, Araújo (1988, p. 44) diz: O respeito à diversidade é um dos valores de cidadania mais
“[...] a escola precisa abandonar o modelo no qual se es- importantes, sendo fundamental valorizar cada pessoa, inde-
peram alunos homogêneos, tratando como iguais os diferentes, pendente de qual religião pertença, tendo consciência de que
e incorporar uma concepção que considere a diversidade tanto cada uma teve e tem sua contribuição ao longo da história.
no âmbito do trabalho com os conteúdos escolares quanto no Assim, as diferentes expressões religiosas devem ser consi-
das relações interpessoais. É preciso que a escola trabalhe no deradas na escola, especialmente na escola pública.
sentido de mudar suas práticas de ensino visando o sucesso de Para melhor entender este novo universo conceitual e de
todos os alunos, pois o fracasso e o insucesso escolar acabam conteúdo, Silva (2004, p. 140) esclarece dizendo, “Ensino de
por levar os alunos ao abandono, contribuindo assim com um religiões, estudo de diversidades, exercícios de alteridade: es-
ensino excludente.” tes sim podem ser conteúdos trabalhados na escola pública.
A educação inclusiva, dentro de um processo responsável, Da mesma forma que o professor de literatura faz referência
precisa garantir a aprendizagem a todas as pessoas, dando con- a diversas escolas literárias; da mesma forma que o professor
dições para que desenvolvam sentimentos de respeito à diferen- de História enfatiza diversos povos, assim o ensino de religiões
ça, que sejam solidários e cooperativos. De acordo com Man- deve enfatizar diversas expressões religiosas, considerando que
toan, (2008, p.2): as religiões fazem parte da aventura humana.“
“Temos de combater a descrença e o pessimismo dos aco- A escola precisa valorizar os fenômenos religiosos como pa-
modados e mostrar que a inclusão é uma grande oportunida- trimônio cultural e histórico, buscando discutir princípios, valo-
de para que alunos, pais e educadores demonstrem as suas res, diferenças, tendo em vista a compreensão do outro.

12
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Por isso é importantíssimo que o professor trabalhe com os Diversidades de gênero


alunos atitudes de tolerância e respeito às diferenças desenvol-
vendo um trabalho com a diversidade religiosa. E ele pode estar Vivemos em uma sociedade pluralista, onde o respeito à in-
utilizando-se das aulas de Ensino Religioso para estar fazendo dividualidade e o direito de expressão devem ser considerados.
este trabalho ou de quaisquer outras situações em suas áreas A escola pública deve ser o espaço das liberdades democráticas.
de conhecimento, tomando o cuidado em refletir com os alunos
o maior número possível de expressões religiosas existentes na Segundo Gomes (1998, p.116), “Entre preconceitos e discri-
sociedade, buscando garantir o direito de livre expressão de cul- minações, cabe à escola pública o importante papel de propor-
to, evitando-se o proselitismo ou intolerância religiosa. cionar a seus alunos um modelo de tolerância a ser aplicado na
Ao estar abordando estas questões religiosas, especialmen- sociedade.”
te nas aulas de Ensino Religioso, é preciso que se tome o cuida- Ao se abordar a questão de gênero, logo vem a idéia de gê-
do para não realizar catequese dentro da escola, pois a escola nero ligada aos sexos masculino e feminino, enfatizando a ques-
pública não é confessional e, portanto, não pode se reduzir a tão da exclusão da mulher, sempre desprivilegiada na socieda-
nenhum tipo específico de religião, o que pode causar crime de de ao longo da história. Essa exclusão é marcada na sociedade
discriminação. Segundo a LDB 9394/96, em seu artigo 33º pode- em diversas situações, como mercado de trabalho, política etc,
mos encontrar o seguinte esclarecimento, privilegiando o homem, e enxergando-o com capacidade de li-
“O Ensino Religioso, de matrícula facultativa, é parte inte- derança, força física, virilidade, capaz de garantir o sustento da
grante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos família e atender ao mercado de trabalho, etc, em contraposição
horários normais das escolas públicas do ensino fundamental, a mulher vista como reprodutora, com a responsabilidade por
assegurando o respeito a diversidade cultural religiosa do Brasil, cuidar dos filhos, da família, das atividades domésticas, etc.
vedadas quaisquer formas de proselitismo.” (BRASIL, 1996) Muitas transformações vêm ocorrendo nas relações de sexo
A liberdade religiosa é um dos direitos fundamentais da na sociedade, fazendo com que essa visão sobre a mulher seja
humanidade, como afirma a Declaração Universal dos Direitos desmistificada e dando oportunidades às mulheres para divi-
Humanos (1948) em seu art. XVIII: direm os mesmos espaços profissionais e pessoais com os ho-
Toda pessoa tem o direito à liberdade de pensamento,
mens, apesar de ainda haver uma grande desproporção e divi-
consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar
são de poderes que favorecem mais aos homens, discriminando,
de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião
por sua vez, o sexo feminino.
ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observân-
Mas quando se trata a questão de gênero na sociedade
cia, isolada ou coletivamente, em público ou particular.(NACÕES
não podemos relacionar somente ao sexo feminino ou mascu-
UNIDAS, 1948.)
lino, pois atualmente abrange também outras formas culturais
A própria Constituição Brasileira (1988) em seu art. 5º, in-
de construção de sexualidade humana, vistos muitas vezes com
ciso VI diz:
“É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo desprezo e com atitudes discriminatórias na sociedade e, mes-
assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na mo, na escola, como os homossexuais, um grupo que, assim
forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias.” como as mulheres, sofreram e continuam sofrendo discrimina-
(BRASIL, 1998, p. 5). ções ao longo dos séculos e, tem sofrido com os estigmas, este-
É preciso cuidar para que não seja realizado dentro da es- reótipos e preconceitos.
cola discriminação quanto as diversidades religiosas existentes É preciso desconstruir os preconceitos e estereótipos em
mantendo equilíbrio e imparcialidade, em busca de uma edu- termos de diferença sexual, possibilitando a inclusão de todas
cação de qualidade. É um grande desafio para a escola pública as pessoas, sejam elas do sexo feminino ou masculino e, consi-
levar os alunos a reflexão sobre a diversidade de nossa cultura, derando as múltiplas formas em que estes podem se desdobrar,
marcada pela religiosidade. pois a diferença na orientação sexual e nas formas como as di-
Segundo Heerdt, (2003, p. 34) ferenças de gênero se estabelecem, não justificam a exclusão.
“É fundamental que as escolas incentivem os educandos a É preciso enxergar o mundo presente nas relações humanas e
conhecer a sua própria religião, a ter interesse por outras formas aceitar que a diversidade baseada na igualdade e na diferença
de religiosidade, valorizando cada uma e respeitando a diversi- é possível.
dade religiosa, sem nenhum tipo de preconceito.” A escola precisa levar a reflexão sobre as diferenças e pre-
A escola pública deve trabalhar no sentido de ampliar os conceitos de gênero, buscando sensibilizar a todos os envolvidos
limites quanto aos vários tipos de culturas religiosas, desmon- na educação para as situações que produzem preconceitos e re-
tando os preconceitos, fazendo com que todos sejam ouvidos e sultam em desigualdades, muito presentes no cotidiano escolar,
respeitados, pois intolerância religiosa é desrespeito aos direitos onde muitas vezes preponderam falas ou situações diversas de
humanos. De acordo com o Código Penal Brasileiro constitui cri- distinção de sexo entre os alunos. É preciso ter consciência que
me (punível com multa e até detenção), zombar publicamente o enaltecimento da diferença de gênero traz aspectos negativos,
de alguém por motivo de crença religiosa, impedir ou perturbar desconsiderando muitas vezes o direito, a habilidade e a capaci-
cerimônia ou culto, e ofender publicamente imagens e outros dade de cada pessoa.
objetos de culto religioso. Assim, cada cidadão precisa assumir a De acordo com Vianna e Ridenti (1998, p. 102)
postura do respeito pelo ser humano, independente de religião “O ambiente escolar pode reproduzir imagens negativas e
ou crença, tendo consciência de que cada pessoa pode fazer sua preconceituosas, por exemplo, quando professores relacionam
opção religiosa e manifestar-se livremente de acordo com os o rendimento de suas alunas ao bom comportamento, ou quan-
princípios de cada cultura. do as tratam como esforçadas e quase nunca como potencial-

13
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

mente brilhantes, capazes de ousadia e lideranças. O mesmo Muitos assuntos relacionados à vida no campo podem ser
pode ocorrer com os alunos quando estes não correspondem a abordados pelos professores em seu dia-a-dia da sala de aula
um modelo masculino predeterminado.” como reforma agrária, MST, desenvolvimento sustentável, cul-
A escola, como bem aponta o material pedagógico “Educar tura, produção agrícola, entre outros, primando por fazer com
para a diversidade – um guia para professores sobre orientação que estes alunos sintam-se valorizados dentro da escola e que
sexual e identidade de gênero”, tem a função de contribuir para tenham sua cultura, forma e estilo de vida valorizados .
o fortalecimento da autoestima dos alunos, independente do Segundo Caldart (2005, apud DCE Educação do Campo,
gênero, buscando afirmar o respeito pelo outro, bem como o 2006) “[...] A escola precisa cumprir sua vocação universal de
interesse pelos sentimentos dos outros, independente das suas ajudar no processo de humanização, com as tarefas específicas
diferenças, É preciso que cada um reconheça no outro: homem, que pode assumir nesta perspectiva.” Ao mesmo tempo, é cha-
mulher, homossexual, etc, pessoas com necessidades, interes- mada a estar atenta às particularidades dos processos sociais do
ses, sentimentos... e que estas possuem seu valor na sociedade seu tempo histórico e ajudar na formação das novas gerações
e precisam ser valorizados e terem os mesmos direitos garanti- trabalhadoras e de militantes sociais.
dos a qualquer cidadão. Os alunos advindos do campo precisam se sentir parte do
processo e terem o seu valor reconhecido pela sociedade, a co-
Diversidades do campo meçar pela escola, que trabalha no sentido de desenvolver a hu-
manização e a emancipação dos cidadãos.
A escola atende em seu cotidiano, muitos alunos advindos
de diversos grupos, entre eles, possui os alunos do campo com Alunos com necessidades educacionais especiais
sua cultura e seus valores que precisam ser reconhecidos e va-
lorizados, pois são muitas as influências e contribuições trazidas Aos alunos com necessidades educacionais especiais de-
por eles, principalmente em relação ao trabalho, a história, o vem ser garantidos os mesmos direitos e as mesmas oportuni-
jeito de ser, os conhecimentos e experiências, etc. dades dos alunos ditos “normais”, pois a escola é o espaço de
A LDB 9394/96 (1996), reconhece a diversidade do campo e formação para todos. Segundo Carvalho (2000, p. 106) “Enquan-
to espaço de formação, diz respeito ao desenvolvimento, nos
as suas especificidades, estabelecendo as normas para a educa-
educandos, de sua capacidade crítica e reflexiva, do sentimento
ção do campo em seu artigo 28.
de solidariedade e de respeito às diferenças, dentre outros va-
A escola precisa refletir sobre a educação para as pessoas
lores democráticos.”
do campo, que muitas vezes são obrigados a aceitar e desenvol-
O movimento pela inclusão oportuniza o direito de todos os
ver seu processo educativo dentro de um currículo totalmente
alunos de estarem juntos aprendendo, tendo suas especificida-
urbano, que desconhece a realidade e as necessidades do cam-
des atendidas.
po.
Assim, a Lei abre espaço também aos alunos com neces-
As pessoas que vivem no campo têm sua cultura, seus sa-
sidades educacionais especiais a serem atendidos em escolas
beres de experiência, seu cotidiano, que acabam sendo esqueci- especiais ou escolas regulares, de acordo com suas especifici-
dos, fazendo com que percam sua identidade, supervalorizando dades.
somente o espaço urbano, quando eles têm muitos conheci- A Constituição Federal de 1988 define, em seu artigo 205, a
mentos a serem considerados e aproveitados pela escola. educação como um direito de todos, garantindo o pleno desen-
Na maioria das vezes esses alunos advindos do campo pre- volvimento da pessoa, o exercício da cidadania e a qualificação
cisam deixar seu habitat para irem estudar nas cidades. Seria para o trabalho.
muito importante que a educação desses alunos fosse realiza- No artigo 206, inciso 1, estabelece a “igualdade de condi-
da no e do campo, privilegiando a cultura ali no seu espaço, de ções de acesso e permanência na escola”, como um dos princí-
acordo com sua realidade. Porém esses alunos são retirados do pios para o ensino e, garante, como dever do Estado, a oferta do
seu espaço e trazidos para os centros urbanos para que o seu atendimento educacional, preferencialmente na rede regular do
processo de escolarização aconteça, o que acaba colocando em ensino (art. 208).
risco suas vidas em meios de transportes precários e estradas A atual LDB 9394/96 (1996) também assegura aos alunos
rurais ruins. O povo do campo quer ver garantido o seu direito à com necessidades educacionais especiais o atendimento, em
educação, mas que este seja assegurado ali no ambiente em que seu artigo 4, inciso 3 “atendimento educacional especializado
vivem, atendendo as suas especificidades. gratuito aos educandos com necessidades especiais, preferen-
De acordo com Caldart (2002, apud DCE Educação do Cam- cialmente na rede regular de ensino.”
po, 2006, p. 27) “[...] o povo tem o direito de ser educado no A escola é a responsável em oportunizar aos alunos o acesso
lugar onde vive; o povo tem o direito a uma educação pensada aos conhecimentos historicamente produzidos, principalmente
desde o seu lugar e com sua participação, vinculada à sua cultu- a escola pública regular, considerada o local preferencial para
ra e às suas necessidades humanas e sociais.” a escolarização formal dos alunos com necessidades especiais,
Já que este direito de ter a educação ali onde vive deixou de tendo como forma de complementação curricular os apoios e
existir e, enquanto essa realidade permanece, é necessário que serviços especializados.
se promovam reflexões e discussões acerca da vida no campo, É chegada a hora de a escola oferecer oportunidades a
valorizando os alunos do campo que frequentam a escola urba- todos os alunos indiscriminadamente, como um direito essen-
na, que não podem ser marginalizados ou discriminados por sua cial na vida de cada cidadão, inclusive os com necessidades
condição geográfica. especiais. Assim, a escola regular precisa se preocupar em re-

14
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

fletir com seus alunos o conceito de diferença e de especial, Segundo as DCN para a Educação das Relações Étnicos- Ra-
salientando que não são somente os alunos com necessidades ciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Afri-
especiais que são diferentes e especiais, mas todos nós e que, cana (2003, p. 5)
as mesmas oportunidades devem ser dadas a todos, para que “Reconhecimento implica justiça e iguais direitos sociais,
possam obter sucesso em sua vida escolar e pessoal e assim, civis, culturais e econômicos, bem como valorização da diver-
exercer a cidadania. sidade daquilo que distingue os negros dos outros grupos que
Há a necessidade de criar dentro da escola espaços para compõem a população brasileira. E isto requer mudança nos dis-
diálogos, trocas de idéias e experiências, a fim de reconhecer cursos, raciocínios, lógicas, gestos, posturas, modo de tratar as
os alunos considerados como especiais e valorizá-los dentro do pessoas negras. Requer também que se conheça a sua história e
ensino regular, visando remover barreiras frente à diferença e cultura apresentadas, explicadas, buscando-se especificamente
reconhecer que cada aluno possui as suas potencialidades e, a desconstruir o mito da democracia racial na sociedade brasilei-
eles, devem ser oportunizadas, condições de acesso, permanên- ra; mito este que difunde crença de que, se os negros não atin-
cia e sucesso na escola regular. gem os mesmos patamares que os não negros, é por falta de
Carvalho (2006) afirma que é necessário desmontar o mito competência ou interesse, desconsiderando as desigualdades
de que os professores do ensino regular não estão preparados seculares que a estrutura social hierárquica cria com prejuízos
para trabalhar com esses alunos e que não são alunos do ensi- para o negro.”
no regular e sim da educação especial, onde terão os chama- Para que haja realmente a construção de um país demo-
dos especialistas para atendê-los. A escola, enquanto instituição crático, faz-se necessário que todos tenham seus direitos garan-
aberta a todos, precisa superar o sentimento de rejeição que tidos e sua identidade valorizada, a começar pela escola que,
os alunos com necessidades especiais enfrentam e, lutar para infelizmente, continua desenvolvendo práticas preconceituosas
que tenham as mesmas oportunidades que são oferecidas aos detectadas no currículo, no material didático, nas relações entre
outros alunos assegurando-lhes o desenvolvimento da aprendi- os alunos, nas relações entre alunos, e não poucas vezes até pro-
zagem. Assim é preciso algumas modificações no sistema e na fessores. Segundo Pinto (1993, apud Rosemberg, 1998, p. 84)
escola como: “[...] “ao que tudo indica, a escola, que poderia e deveria contri-
buir para modificar as mentalidades antidiscriminatórias ou pelo
- no currículo e nas adaptações curriculares;
menos para inibir as ações discriminatórias, acaba contribuindo
- na avaliação contínua do trabalho;
para a perpetuação das discriminações, seja por atuação dire-
- na intervenção psicopedagógica;
ta de seus agentes, seja por sua omissão perante os conteúdos
- em recursos materiais;
didáticos que veicula, ou pelo que ocorre no dia-a-dia da sal de
- numa nova concepção de especial em educação, etc.
aula.”
Corroborando o que diz Pinto, Silva (2002, p. 140) afirma
Diversidade etnico-racial e cultura afro-brasileira e africana
que:
“Os dados mostram claramente que o sistema educacional
Somos uma sociedade sem preconceitos? Há igualdade de brasileiro é seletivo e discriminatório, porque seleciona em es-
direitos entre negros e brancos em nossa sociedade? Presencia- pecial os pobres, os negros, os mulatos os nordestinos.” “[...]
mos situações de preconceito em nosso dia-a- -dia, evidencia- Assim sendo, a marginalização cultural e o racismo estão
das em frases como estas: “pessoa de cor “, “a coisa tá preta”, entre as principais razões que explicam as grandes taxas de eva-
“olha o cabelo dela”, “olha a cor do fulano”, “tem o pezinho na são e repetência na escola básica.”
senzala”, “serviço de preto”, etc? A educação é o fato de maior eficácia para contribuir para
A escola é responsável por trabalhar no sentido de pro- a promoção dos excluídos. Por isso, muitas ações têm sido de-
mover a inclusão e a cidadania de todos os alunos, visando a sencadeadas no sentido de reconhecimento e valorização do
eliminar todo tipo de injustiça e discriminação, enxergando os negro, garantindo a eles as mesmas condições, numa constante
seres humanos dotados de capacidades e valorizando-os como luta contra o racismo e o preconceito. Luta esta que deve ser
pessoas, principalmente dos afro-descendentes, marcados por de todos, todos que acreditam num país democrático, justo e
um histórico triste na educação e na sociedade brasileira de dis- igualitário.
criminação, racismo e preconceito. Atualmente, a escola e a sociedade têm se preocupado com
A escola tem o importante papel de transformação da hu- a criação de representações positivas sobre o negro, possibili-
manidade e precisa desenvolver seu trabalho de forma demo- tando uma inserção social do negro em alguns setores da socie-
crática, comprometendo-se com o ser humano em sua totalida- dade, mudando aos poucos a situação do negro.
de e respeitando-o em suas diferenças. De acordo com Ribeiro Um exemplo real e recente disso é a Presidência dos Esta-
(2004, p. 7) “[...] a educação é essencial no processo de forma- dos Unidos, sendo conquistada por um negro: Barako Obama. O
ção de qualquer sociedade e abre caminhos para a ampliação da próprio estabelecimento da Lei nº 10.639/03 que altera a LDB
cidadania de um povo.” 9394/96 já retrata a preocupação na reflexão acerca do precon-
Os afrodescendentes devem ser reconhecidos em nossa so- ceito e da discriminação, buscando democratizar e universalizar
ciedade com as mesmas igualdades de oportunidades que são o ensino, garantindo a todos os alunos o reconhecimento e va-
concedidas a outras etnias e grupos sociais, buscando eliminar lorização de sua cultura, de sua história, de sua identidade, e,
todas as formas de desigualdades raciais e resgatar a contribui- assim, combater o racismo e as discriminações, educando cida-
ção dos negros na formação da sociedade brasileira e, assim, dãos orgulhosos de seu pertencimento étnico-racial tendo seus
valorizar a história e cultura dos afro-brasileiros e africanos. direitos garantidos e sua identidade valorizada.

15
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Diversidade sócio-econômica e cultural povos indígenas o direito de utilizarem suas línguas maternas
e processos próprios de aprendizagem buscando transformar a
A escola pública possui em sua grande maioria alunos pro- instituição escolar em um instrumento de valorização e sistema-
venientes de uma classe sócio-econômica cultural desfavoreci- tização de saberes e práticas tradicionais, ao mesmo tempo em
da, de famílias que possuem uma condição de vida desfavorável que possibilita aos índios o acesso aos conhecimentos universais
e que, na maioria, possuem dificuldades de aprendizagem. e a valorização dos conhecimentos étnicos.
São alunos filhos da classe trabalhadora, cujo pais perma- A partir da Constituição de 1988 e mais fortemente na LBB
necem a maior parte do dia fora de casa trabalhando como 9394/96 os indígenas passaram a ser reconhecidos legalmente
empregados em indústrias, lojas, casas de família, em trabalhos em suas diferenças e peculiaridades. A LDB 9394/96 (1996) es-
sazonais como bóias-frias na zona rural, cortadores de cana, tabelece em seu artigo 78, que aos índios devem ser proporcio-
pedreiros, garis, empregadas domésticas, etc. Muitos pais en- nadas a recuperação de suas memórias históricas, a reafirma-
contram- se até desempregados, realizando um “bico” aqui ou ção de suas identidades étnicas e a valorização de suas línguas
ali. Esses compõem a maioria dos alunos que a escola pública
e ciências. Aos índios, suas comunidades e povos devem ser
atende e que precisa dar conta, oportunizando condições de
garantidos o acesso às informações, conhecimentos técnicos e
aprendizagem, num processo de qualidade.
científicos da sociedade nacional e das demais sociedades indí-
Eles são alunos que estão à margem da sociedade, e que
genas e não-índias. O Plano Nacional de Educação (2001) esta-
muitas vezes passam por diversas circunstâncias perversas,
como a fome, situações de violência, problemas com alcoolismo belece objetivos e metas para o desenvolvimento da educação
e drogas, situações de abandono, entre outros. Esses são os ver- escolar indígena diferenciada, intercultural, bilíngüe e de qua-
dadeiros excluídos da sociedade que estão na escola clamando lidade. Muitas ações em relação à educação escolar dos indí-
por ajuda. E as condições sócioeconômicas e culturais é um dos genas já foram realizadas, porém ainda se percebe um quadro
fatores que podem interferir, e muito, no desempenho escolar desigual, fragmentado e pouco estruturado de oferta e atendi-
dos alunos. mento educacional aos índios.
O desafio da escola é este: possibilitar a essa grande maio- A diversidade dos povos indígenas precisa ser considerada
ria o acesso à escola, mas garantindo-lhes permanecer e ter de fato, exigindo iniciativas diferenciadas por serem portadores
sucesso no processo de ensino e aprendizagem, pois o acesso de tradições culturais específicas. A escolarização dos indígenas
ao conhecimento historicamente elaborado é que poderá dar a precisa acontecer a partir do paradigma da especificidade, da
esses alunos, muitas vezes excluídos do sistema e da sociedade, diferença, da interculturalidade e da valorização da diversidade
condições para transformar suas vidas e possibilitar uma maior lingüística desenvolvendo assim, ações culturais, históricas e lin-
inserção na comunidade, podendo atuar como cidadãos, capa- güísticas.
zes de transformá-la. Os indígenas precisam ser respeitados e incluídos nos siste-
O sistema, a escola, os professores, precisam reconhecer mas de ensino do país, tendo a sua diversidade étnica valorizada
nesses alunos os seres humanos que ali estão e clamam por e que entre os indígenas e não indígenas haja um diálogo tole-
uma oportunidade, que sonham com uma perspectiva de vida rante e verdadeiro.
melhor e que querem ter seus direitos de cidadãos garantidos. A proposta é por uma educação escolar indígena diferencia-
É preciso destruir o histórico de exclusão e desigualdade do da, que possibilite a inclusão deste grupo no sistema educacio-
sistema escolar público, reconhecendo em cada aluno suas po- nal, tendo respeitadas as suas peculiaridades. Por isto, muitos
tencialidades. investimentos têm sido realizados com relação a educação es-
A escola precisa se preocupar em oferecer um ensino pú- colar dos indígenas, principalmente em relação aos professores,
blico de maior qualidade, que possa compensar, pelo menos capacitando professores indígenas que conhecem a realidade,
parcialmente, as dificuldades de aprendizagem. É preciso que se
a história e a cultura do seu grupo ao longo de todo o processo
fique claro que as crianças que vivem em ambientes desfavorá-
histórico brasileiro.
veis também podem ter um nível de aprendizagem satisfatória.
A questão da educação escolar indígena é uma grande evo-
Cabe à escola oportunizar essas condições, oferecendo o
lução e conquista. Muitas reflexões e muitas ações ainda pre-
apoio necessário aos alunos em condições sócioeconômicas e
culturais desfavoráveis, ajudando-os a superar as dificuldades e cisam ser desencadeadas com o objetivo de valorização e pre-
carências do contexto onde vivem, procurando destruir o histó- servação da cultura indígena, propiciando o reconhecimento
rico de exclusão e desigualdade do sistema escolar público. dos indígenas como sujeitos da história e que a eles devem ser
garantidos o acesso aos direitos de qualquer cidadão.
Diversidade indígena A lei preconiza a universalização da educação para todos,
garantindo o direito ao acesso, a permanência e ao sucesso dos
Uma outra diversidade verificada no interior da escola pú- alunos. No entanto, a realidade educacional contemporânea co-
blica, que vem sendo muito valorizada atualmente é com rela- loca a escola pública como o palco da diversidade, pois ali se
ção à educação escolar indígena. Os indígenas também clamam encontram alunos de diferentes grupos. A diferença entre os
por processos educacionais que lhes permitam o acesso aos co- grupos é visível e o trabalho pedagógico precisa voltar-se à dife-
nhecimentos universais, mas que valorize também suas línguas rença, oportunizando o direito de educação para todos.
e saberes tradicionais. Vale destacar que o trabalho com a diversidade está ligado à
A Constituição de 1988 reconheceu o direito dos índios (au- proposta de inclusão, que emerge como um grande desafio para
tóctones) de permanecerem índios e de terem suas tradições e a educação, pois, pensar em inclusão pressupõe uma série de
modos de vida respeitados. Em seu art. 210 fica assegurado aos fatores, principalmente os que dizem respeito aos alunos.

16
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Assim, pensar em inclusão, não é só dirigir o olhar para os instituições educacionais. Algumas escolas públicas e particula-
alunos com necessidades especiais, mas sim, para todos aqueles res já adotaram ações nesse sentido, ao proporem mudanças na
alunos que estão nas salas de aula, que muitas vezes sofrendo sua organização pedagógica, de modo a reconhecer e valorizar
preconceitos e discriminações por pertencer a este ou aquele as diferenças, sem discriminar os alunos nem segregá-los.
grupo. Com a intenção de explorar esse debate sobre inclusão e
Trabalhar com uma proposta de diversidade, propiciando escolaridade, mais do que avaliar os argumentos contrários e
oportunidades de inclusão a todos os alunos na escola, não é favoráveis às políticas educacionais inclusivas, é abordada nesta
uma tarefa fácil, uma vez que não se resume apenas na garantia obra, a complexa relação de igualdade- diferenças, que envolve
do direito de acesso. É preciso que lhes sejam garantidas as con- o entendimento e a elaboração de tais políticas e de todas as ini-
dições de permanência e sucesso na escola. ciativas visando à transformação das escolas, para se ajustarem
Para que o processo de inclusão ocorra satisfatoriamente é aos princípios inclusivos da educação.
preciso que haja investimento em educação, senão é um proje-
to fadado ao insucesso, pois a escola precisa oferecer estrutura A Questão Igualdade – Diferenças
adequada para que ele ocorra. A dura realidade das condições
de trabalho e os limites da formação profissional, o número ele- A inclusão escolar está articulada a movimentos sociais mais
vado de alunos por turma, a rede física inadequada, o despre- amplos, que exigem maior igualdade e mecanismos mais equita-
paro para ensinar “alunos especiais” ou diferentes são fatores a tivos no acesso a bens e serviços. A inclusão propõe a desigual-
ser considerados no processo de inclusão que garanta a partici- dade de tratamento como forma de restituir uma igualdade que
pação de todos os alunos e o sucesso, evitando- se assim o alto foi rompida por formas segregadoras de ensino especial regular.
número de alunos evadidos e até os retidos no ano letivo. Quando entendemos que não é a universalidade da espécie
É de extrema relevância que a escola, especialmente a pú- que define um sujeito, mas suas peculiaridades, ligadas a sexo,
blica, reconheça as diferenças, valorizando as especificidades e etnia, origem, crenças, tratar as pessoas diferentemente pode
potencialidades de cada um, reconhecendo a importância do enfatizar suas diferenças, assim como tratar igualmente os di-
ser humano, lutando contra os estereótipos, as atitudes de pre- ferentes pode esconder as suas especificidades e excluí-los do
mesmo modo; portanto, ser gente é correr sempre o risco de
conceito e discriminação em relação aos que são considerados
ser diferente.
diferentes dentro da escola.
Para instaurar uma condição de igualdade nas escolas não
É preciso que todos tenham clareza de que sempre vai ha-
se concebe que todos os alunos sejam iguais em tudo, como é o
ver diferenças, mas é possível minimizá-las, desde que haja inte-
caso do modelo escolar mais reconhecido ainda hoje. Temos de
resse em propiciar uma educação de qualidade a todos.
considerar as suas desigualdades naturais e sociais, e só estas
Portanto é preciso haver uma transformação da realidade
últimas podem e devem ser eliminadas. Se a igualdade trás pro-
com o objetivo de diminuir a exclusão dos alunos, especiais
blemas, as diferenças podem trazer muito mais.
ou não do sistema educacional. É necessário que se proponha As políticas educacionais atuais confirmam em muitos mo-
ações e medidas que visem assegurar os direitos conquistados, mentos o projeto igualitarista e universalista da Modernidade.
a melhoria da qualidade da educação, o investimento em uma O discurso da Modernidade estendeu suas precauções con-
ampla formação dos educadores, a remoção de barreiras físicas tra o imprevisível, à ambiguidade e demais riscos à ordem e a
e atitudinais, a previsão e provisão de recursos materiais e hu- unicidade, repetindo que todos são iguais, todos são livres, mas
manos entre outras possibilidades. um “todo” padronizado, dentro de seus pressupostos discipli-
Como diz Mantoan (2008, p. 20) nadores.
“O essencial, na nossa opinião, é que todos os investimen- Esse discurso sustenta a organização pedagógica escolar e,
tos atuais e futuros da educação brasileira não repitam o pas- por seus parâmetros, o aluno diferente desestabiliza o pensa-
sado e reconheçam e valorizam as diferenças na escola. Temos mento moderno da escola, na sua ânsia pelo lógico, pela nega-
de ter sempre presente que o nosso problema se concentra em ção das condições que produzem diferenças, que são as, atrizes
tudo o que torna nossas escolas injustas, discriminadoras e ex- da nossa identidade.
cludentes, e que, sem solucioná-lo, não conseguiremos o nível A diferença propõe o conflito, o dissenso e a imprevisibilida-
de qualidade de ensino escolar, que é exigido para se ter uma de, a impossibilidade do cálculo, da definição, a multiplicidade
escola mais que especial, onde os alunos tenham o direito de ser incontrolável e infinita. Se ela é recusada, negada, desvaloriza-
(alunos), sendo diferentes.” (grifo nosso). Precisamos ser otimis- da, há que assimilá-la ao igualitarismo essencialista e, se aceita
tas e transformar em realidade o sonho de uma educação para e valorizada, há que mudar de lado e romper com os pilares nos
todos, nos convencendo das potencialidades e capacidades dos quais a escola tem se firmado até agora.
seres humanos, acreditando que, somando nossas diferenças, Em Uma teoria da justiça (2002), Rawls opõe-se às declara-
poderemos provocar mudanças significativas na educação e na ções de direito do mundo moderno, que igualaram os homens
sociedade, diminuindo preconceitos e estereótipos e tornando em seu instante de nascimento e estabeleceram o mérito e o
nosso país mais humano, fraterno, justo e solidário. esforço de cada um como medida de acesso e uso dos bens,
recursos disponíveis e mobilidade social.
INCLUSÃO Na mesma direção das propostas escolares inclusivas, o re-
ferido autor defende que a distribuição natural de talentos ou a
Nos debates atuais sobre inclusão, o ensino escolar brasilei- posição social de cada indivíduo ocupa não são justas nem injus-
ro tem diante de si o desafio de encontrar soluções que respon- tas. O que as torna justas ou não são as maneiras pelas quais as
dam à questão do acesso e da permanência dos alunos nas suas instituições fazem uso delas.

17
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

A esse propósito é fundamental a contribuição de Joseph ambientes educacionais à parte, que segregam, discriminam,
Jacotot. Ele nos trouxe um olhar original sobre a igualdade. Ele diferenciam pela deficiência, excluem – como é próprio das es-
afirmava que a igualdade não seria alcançada a partir da desi- colas especiais.
gualdade, como se espera atingi-la, até hoje, nas escolas; acredi- O que falta às escolas especiais é o ambiente apropriado
tava em uma outra igualdade, a igualdade de inteligências. de formação do cidadão. Se a inclusão for uma das razões for-
Em outras palavras, a emancipação da inteligência proviria tes de mudanças, temos condições de romper com os modelos
dessa igualdade da capacidade de aprender, que vem antes de conservadores da escola comum brasileira e iniciar um proces-
tudo e é ponto de partida para qualquer tipo ou nível de apren- so gradual, porém firme, de redirecionamento de suas práticas
dizagem. para melhor qualidade de ensino para todos.
Segundo Jacotot, a igualdade não é um objetivo a atingir, Muitas escolas, tanto comuns como especiais, já estão asse-
mas um ponto de partida, uma suposição a ser mantida em gurando aos alunos com deficiência o atendimento educacional
qualquer circunstância. especializado, em horário diferente do da escola comum.
A escola insiste em afirmar que os alunos são diferentes O processo de transformação da escola comum é lento,
quando se matriculam em uma série escolar, mas o objetivo es- para que haja um processo de mudança. Cujo movimento ruma
colar, no final desse período letivo, é que eles se igualem em co- para novas possibilidades para o ensino comum e especial, há
nhecimentos a um padrão que é estabelecido para aquela série, que existir uma ruptura com o modelo antigo da escola.
caso contrário serão excluídos por repetência ou passarão a fre- Em resumo, a inclusão não pode mais ser ignorada. Ela está
quentar os grupos de reforço e de aceleração da aprendizagem e tão presente que motiva pressões descabidas, que pretendem
outros programas embrutecedores da inteligência. A indiferença nos desestabilizar a qualquer custo.
às diferenças está acabando, passando da moda. Nada mais des-
focado da realidade atual do que ignorá-las. Mas é preciso estar Atendimento Escolar de alunos com necessidades educacio-
atento, pois combinar igualdade e diferenças no processo esco- nais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação
lar é andar no fio da navalha. O certo, porém, é que os alunos no Brasil.
jamais deverão ser desvalorizados e inferiorizados pelas suas di-
ferenças, seja nas escolas comuns, seja nas especiais. As instituições escolares, ao reproduzirem constantemen-
te o modelo tradicional, não têm demonstrado condições de
Fazer valer o direito à educação no caso de pessoas com responder aos desafios da inclusão social e do acolhimento às
deficiência diferenças nem de promover aprendizagens necessárias à vida
em sociedade, particularmente nas sociedades complexas do
O ensino escolar brasileiro continua aberto a poucos. A in- século XXI. Assim, neste século em que o próprio conhecimento
clusão escolar tem sido mal compreendida, principalmente no e nossa relação com ele mudaram radicalmente, não se justifi-
seu apelo a mudanças nas escolas comuns e especiais.Artigos, ca que por parte expressiva da sociedade continue apegada à
livros, palestras que tratam devidamente do tema insistem na representação da escola transmissora de conhecimentos e de
transformação das práticas de ensino comum e especial para a valores fixos e inquestionáveis. A partir de meados da década
garantia da inclusão. Há apoio legal suficiente para mudar, mas de 1990, a escolarização de pessoas com necessidades educa-
só temos tido até agora, muitos entraves nesse sentido: a resis- cionais especiais em classes comuns está na pauta da legislação
tência das instituições especializadas a mudanças de qualquer brasileira sobre educação, nos debates e nas publicações aca-
tipo; a neutralização do desafio à inclusão por meio de políticas dêmicas. No plano ético e político, a defesa de sua igualdade de
públicas que impedem que as escolas se mobilizem para rever direitos, com destaque para o direito à educação, parece consti-
suas práticas homogeneizadoras, meritocráticas, condutistas, tuir-se um consenso.
subordinadoras e, em consequência, excludentes; o preconcei- Atualmente coexistem pelo menos duas propostas para a
to, o paternalismo em relação aos grupos socialmente fragiliza- educação especial: uma, em que os conhecimentos acumula-
dos, como o das pessoas com deficiência.A lei de Diretrizes e dos sobre educação especial, teóricos e práticos, devem estar
Bases da Educação Nacional (LDB 96) deixa claro que o ensino a serviço dos sistemas de ensino e, portanto, das escolas, e dis-
especial é uma modalidade e, como tal, deve perpassar o ensi- poníveis a todos os professores, alunos e demais membros da
no comum em todos os seus níveis, da escola básica ao ensino comunidade escolar; outra, em que se deve configurar um con-
superior. junto de recursos e serviços educacionais especializados, dirigi-
Se ainda não é do conhecimento geral, é importante que se dos apenas à população escolar que apresente solicitações que
saiba que as escolas especiais complementam e não substituem o ensino comum não tem conseguido contemplar.
a escola comum. As escolas especiais se destinam ao ensino do O planejamento e a implantação de políticas educacionais
que é diferente da base curricular nacional, mas que garante e para atender a alunos com necessidades educacionais especiais
possibilita ao aluno com deficiência a aprendizagem desses con- requerem domínio conceitual sobre inclusão escolar e sobre as
teúdos quando incluídos nas turmas comuns de ensino regular; solicitações decorrentes de sua adoção enquanto princípio ético
oferecem atendimento educacional especializado, que não tem político, bem como a clara definição dos princípios e diretrizes
níveis seriações, certificações. nos planos e programas elaborados, permitindo a (re) definição
Nossa obrigação é fazer valer o direito de todos à educa- dos papéis da educação especial e do lugar do atendimento des-
ção e não precisamos ser corajosos para defender a inclusão, te alunado.
porque estamos certos de que não corremos nenhum risco ao
propor que alunos com e sem deficiência deixem de frequentar

18
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Princípios, concepções e relações entre inclusão e integra- As condições de atendimento escolar para os estudantes
ção escolar. com necessidades educacionais especiais no Brasil

É importante salientar que mudanças na educação brasilei- A política educacional brasileira tem deslocado progressi-
ra, nessa perspectiva, dependem de um conjunto de ações em vamente para os municípios parte da responsabilidade admi-
nível de sistema de ensino que tem que se movimentar a fim de nistrativa, financeira e pedagógica pelo acesso e permanência
garantir que todas as unidades que o compõem ultrapassem o de alunos com necessidades educacionais especiais, em decor-
patamar em que se encontram. rência do processo de municipalização do ensino fundamental.
No Brasil, nas décadas de 1960 e 1970, foram estrutura- Com isso, em alguns estudos, tem indicado que a tendência dos
das propostas de atendimento educacional para pessoas com municípios brasileiros é pela organização de auxílios especiais,
deficiência. A integração escolar tinha como objetivo “ajudar sob diferentes denominações e com estrutura e funcionamento
pessoas com deficiência a obter uma existência tão próxima ao distintos. Cabe registrar que há ausência de dados sobre quan-
normal possível, a elas disponibilizando padrões e condições de tas pessoas no Brasil apresentam de fato necessidades educa-
vida cotidiana próximas as normas e padrões da sociedade”. cionais especiais. Quanto ao apoio pedagógico oferecido a al-
Com o objetivo de contrapor este modelo, a meta na in- guns desses alunos matriculados nas classes comuns, não há de-
clusão escolar é tornar reconhecida e valorizada a diversidade claração sobre o tipo de apoio, sua frequência, que profissionais
como condição humana favorecedora da aprendizagem. Nesse prestam esse atendimento e qual sua formação, divulgados em
caso, as limitações dos sujeitos devem ser consideradas apenas publicações oficiais atuais.
como uma informação sobre eles que, assim, não pode ser des- Uma ação que deve marcar as políticas públicas de educa-
prezada na elaboração dos planejamentos de ensino. A ênfase ção é a formação dos profissionais da educação. Nesse sentido
deve recair sobre a identificação de suas possibilidades, culmi- Xavier (2002) considera que: a construção da competência para
nando com a construção de alternativas para garantir condições responder com qualidade as necessidades educacionais espe-
favoráveis à sua autonomia escolar e social, enfim, para que se ciais de seus alunos em uma escola inclusiva, pela mediação da
tornem cidadãos de iguais direitos. ética, responde a necessidade social e histórica de superação
A educação inclusiva tem sido caracterizada como um
das práticas pedagógicas que discriminam, segregam e excluem,
“novo paradigma”, que se constitui pelo apreço à diversidade
e, ao mesmo tempo, configura, na ação educativa, o vetor da
como condição a ser valorizada, pois é benéfica à escolariza-
transformação social para a equidade, a solidariedade, a cida-
ção de todas as pessoas, pelo respeito aos diferentes ritmos de
dania.
aprendizagem e pela proposição de outras práticas pedagógicas,
Todo plano de formação deve servir para que os professores
o que exige uma ruptura com o instituído na sociedade e, conse-
se tornem aptos ao ensino de toda a demanda escolar. Dessa
quentemente, nos sistemas de ensino.
forma, seu conhecimento deve ultrapassar a aceitação de que a
Sem desprezar os embates atuais sobre educação inclusiva
classe comum é, para os alunos com necessidades educacionais
a proposta de atender a alunos com necessidades educacionais
especiais nessas classes implica atentar para mudanças no âm- especiais, um mero espaço de socialização.
bito dos sistemas de ensino, das unidades escolares, da prática “... O primeiro equívoco que pode estar associado a essa
de casa profissional da educação em suas diferentes dimensões idéia é o de que alguns vão para a escola para aprender e outros
e respeitando suas particularidades. unicamente para se socializar. Escola é espaço de aprendizagem
Para a implantação do referido atendimento educacional para todos...”.
especializados, a LDB prevê serviços especializados e serviços Cabe ressaltar que o conjunto de questionamentos e ideias
de apoio especializados e assegura “recursos e serviços educa- apresentadas nesta obra reflete algumas das inquietações que
cionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, podem resultar da análise das normatizações em vigência para
complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os a educação brasileira. Essas normatizações, por permitirem, tal
serviços educacionais comuns...” como estão elaboradas, diferentes desdobramentos na sua im-
Se as imagens da educação inclusiva, da educação especial, plantação, indicam a necessidade de ampliarmos o debate e in-
bem como a população elegível para o atendimento educacio- vestirmos em produções de registros que avaliem o atual perfil
nal especializado, os tipos de recursos educacionais especiais e das políticas públicas de atendimentos a alunos com necessida-
locais de atendimento escolar do referido alunado ainda levante des educacionais especiais. Precisamos de mais estudos sobre
questionamento conceitual para que não restem dúvidas quan- os impactos das ações no âmbito dos sistemas de ensino, e que
to às diretrizes da política educacional brasileira a serem segui- estes orientem também os programas de formação continuada
das, é inegável que o atendimento escolar de alunos com ne- de professores.
cessidades educacionais especiais deve ser universalizado, que
os sistemas de ensino precisam responder melhor às demandas Considerações Finais:
de aprendizagem desses alunos, que aos professores deve ser Uma das constatações possíveis neste momento da reflexão
garantida a formação continuada, entre outras ações. é que nossas tarefas ainda são inúmeras, mas devemos identi-
ficar prioridades, denunciar ações reprodutoras de iguais atitu-
des sociais para com essas pessoas, acompanhar ações do po-
der público em educação, cobrar compromissos firmados pelos
governantes em suas campanhas eleitorais e em seus planos de
governo, além de ampliar e sedimentar espaços de participação

19
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

coletiva e juntar forças para resistir e avançar na construção de Art. 15 - Os sistemas de ensino assegurarão às unidades es-
uma sociedade justa, cujos valores humanos predominem sobre colares públicas de educação básica que os integram progressi-
os de mercado. vos graus de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão
O que se deve evitar é “...o descompromisso do poder pú- financeira, observadas as normas de direito financeiro público.
blico com a educação e que a inclusão escolar acabe sendo tra- Estes artigos da LDB, acima citados, dispõem que a “gestão
duzida como mero ingresso de alunos com necessidades educa- democrática do ensino público na educação básica aos sistemas
cionais especiais nas classes comuns...”. de ensino, oferece ampla autonomia às unidades federadas para
Dois grandes desafios de imediato estão colocados para os definirem em sintonia com suas especificidades formas de ope-
sistemas de ensino e para a sociedade brasileira: racionalização da gestão, com a participação dos profissionais
1- Fazer que os direitos ultrapassem o plano do meramente da educação envolvidos e de toda a comunidade escolar e local”
instituído legalmente e (VIEIRA, 2005).
2- Construir respostas educacionais que atendam às ne-
cessidades dos alunos. As mudanças a serem implantadas de- Elementos Básicos
vem ser assumidas como parte da responsabilidade tanto da
sociedade civil quanto dos representantes do poder público, já Os elementos básicos da Gestão Democrática podem se
que a educação escolar pode propiciar meios que possibilitem apresentar de várias maneiras, na esfera escolar, as principais
transformações na busca da melhoria da qualidade de vida da são: na constituição e atuação do Conselho escolar; na elabo-
população. ração do Projeto Político Pedagógico, de modo coletivo e par-
ticipativo; na definição e fiscalização da verba da escola pela
Fonte: MANTOAN, M. T. Egler, PRIETO, R. Gavioli, ARANTES comunidade escolar; na divulgação e transparência na presta-
V. Amorim (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos, 1ed., ção de contas; na avaliação institucional da escola, professores,
São Paulo: Summus, 2006. dirigentes, estudantes, equipe técnica; na eleição direta para
diretor(a);3

Colegiados Escolares
GESTÃO DEMOCRÁTICA: A PARTICIPAÇÃO COMO
PRINCÍPIO. A função das instituições escolares vai muito além do ensi-
no pedagógico. Formar cidadãos politizados, com poder de deci-
são e capazes de agir e interagir no meio em que vivem deve ser
O que é Gestão Democrática?
a missão das escolas comprometidas com a sociedade. Mas para
que isso aconteça é necessária uma ação conjunta entre todas as
A é uma forma de gerir uma instituição de maneira que pos-
partes interessadas. Uma maneira de promover essa interação
sibilite a participação, transparência e democracia. Esse modelo
de gestão, segundo Vieira (2005), representa um importante de- é por meio do Colegiado Escolar, um modelo de administração
safio na operacionalização das políticas de educação e no coti- coletiva, em que todos participam dos processos decisórios e do
diano da escola. acompanhamento, execução e avaliação das ações nas unidades
escolares, envolvendo as questões administrativas, financeiras
Contextualização e pedagógicas.
A importância dos órgãos colegiados nas escolas é tema
No Brasil, com a reabertura político-democrática, pós Dita- recorrente quando se aborda a gestão democrática, pois esses
dura Militar (1964 - 1985), a Constituição Federal de 1988 che- garantem, na forma da lei, a prática da participação na escola,
gou para definir a “gestão democrática do ensino público, na na busca pela descentralização do poder e da consciência social
forma da lei” como um de seus princípios (Art. 2006, Inciso VI). entorno da oferta de uma educação de qualidade.
Alguns anos mais tarde, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Uma gestão considerada democrática investe na autonomia
(LDB) de 1996, vem reforçar esse princípio, acrescentando ape- dos sujeitos para o compartilhamento das decisões, identifican-
nas “e a legislação do sistema de ensino” (Art. 3º, Inc. VIII). A do o potencial de colaboração de cada pessoa e segmento esco-
partir de então, o tema se tornou um dos mais discutidos entre lar promovendo um trabalho coletivo na construção da cidada-
os estudiosos da área educacional. nia e efetivação do processo democrático.
Detalhamento na LDB
A LDB, em seus artigos 14 e 15, apresentam as seguintes Conselhos Escolares
determinações, no tocante à gestão democrática:
Art. 14 - Os sistemas de ensino definirão as normas da ges- A função da educação escolar, pode-se concluir pelos fun-
tão democrática do ensino público na educação básica, de acor- damentos aqui expostos, como uma dimensão da cidadania, o
do com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princí- que implica o direito de todos os sujeitos ao conhecimento siste-
pios: mático, como acesso ao saber historicamente acumulado, o pa-
I. Participação dos profissionais da educação na elaboração trimônio universal da humanidade. Esse direito está explicitado
do projeto pedagógico da escola; no inciso III, do art. 13 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação
II. Participação das comunidades escolar e local em conse- 3 Fonte: www.infoescola.com – Texto adaptado de Ana Lídia Lopes do
lhos escolares ou equivalentes. Carmo

20
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Nacional (LDB): “zelar pela aprendizagem dos alunos”, isso signi- çado em 24 de abril de 2007 e do Decreto n. 6.094/07 que dis-
fica priorizar o processo de aprendizagem do aluno e possibilitar põe sobre a implementação do “Plano de Metas Compromisso
condições para a prática cidadã. Todos pela Educação”, programa estratégico do PDE, que define
A Constituição Federal de 1988 dispõe no inciso VI, do ar- 28 diretrizes pautadas em resultados de avaliação de qualidade
tigo 206, que a educação escolar será ministrada com base em e de rendimento dos alunos.
princípios, estando entre eles a “gestão democrática do ensino A Meta nº 25 do Plano, visa “Fomentar e apoiar os conse-
público, na forma da lei”. lhos escolares, envolvendo as famílias dos educandos, com as
Esta disposição constitucional é assumida na LDB/96, em atribuições, dentre outras, de zelar pela manutenção da escola
seu artigo 3º, e complementada pelo artigo 14, que aponta os e pelo monitoramento das ações e consecução das metas do
princípios norteadores no âmbito dos sistemas de ensino e das compromisso”.
escolas, da seguinte forma: Pode-se afirmar, então, que o Conselho Escolar é parte
Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão demo- constitutiva da estrutura da gestão da escola e deve ser conce-
crática do ensino público na educação básica de acordo com as bido como seu órgão máximo de deliberação. Como todo órgão
suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: colegiado, o Conselho Escolar toma decisões coletivas, isso sig-
I. participação dos profissionais da educação na elaboração nifica que ele só existe enquanto estiver reunido. Vale ressaltar
do projeto pedagógico da escola; que nenhum membro do Conselho toma decisões fora do cole-
II. Participação das comunidades escolar e local em conse- giado só porque é membro integrante dele.
lhos escolares ou equivalentes. O Conselho Escolar tem como funções as ações deliberati-
O Plano Nacional de Educação (PNE), Lei nº 10.172/01, tam- vas, consultivas, mobilizadoras e fiscalizadoras. Sua composição
bém estabelecia, como objetivos e prioridades, a pode assim ser definida: diretor da escola; representante dos
[...] democratização da gestão do ensino público nos es- alunos; representante dos pais ou responsáveis pelos alunos;
tabelecimentos oficiais, obedecendo aos princípios da partici- representante dos professores; representante da equipe peda-
pação dos profissionais da educação na elaboração do projeto gógica; representante dos trabalhadores da educação não do-
pedagógico da escola e a participação das comunidades escolar centes; representante da comunidade local.
e local em conselhos escolares ou equivalentes. (BRASIL, 2002). Os membros efetivos do Conselho Escolar são represen-
Como se pode verificar, a legislação educacional assinala a tantes de cada segmento, sendo que o diretor pode ou não ser
gestão democrática como princípio da educação nacional, pre- “membro nato” do conselho, ou seja, o diretor no exercício da
sença indispensável em instituições escolares públicas e apregoa função tem a sua participação assegurada no Conselho Escolar;
a existência de Conselhos Escolares como forma de participação pode ser escolhido igual número de suplentes.
e promoção do diálogo da comunidade educacional. Para Vas- Os suplentes, por sua vez, podem estar presentes em todas
concellos (2007), “o Conselho deve ser um espaço de exercício as reuniões, mas apenas com direito a voz, se o membro efeti-
autêntico do diálogo, do poder de decisão, portanto, de resgate vo estiver ausente; os conselhos devem ser constituídos por um
da condição de sujeitos históricos de transformação, na busca número ímpar de integrantes, observando a proporcionalidade
do bem comum no âmbito da escola e de suas relações”. entre os segmentos.
Os Conselhos Escolares, na medida em que reúnem dife- A forma de escolha dos representantes é feita por eleição
rentes segmentos da escola como diretores, professores, equipe ou aclamação, quando há apenas uma chapa concorrendo. As
pedagógica, funcionários administrativos, alunos, pais, entre ou- atribuições do Conselho Escolar dependem das diretrizes e nor-
tros, têm um papel estratégico no processo de democratização e mas gerais do sistema de ensino e das definições da comunida-
de construção da cidadania. de escolar e local.
Normalmente o que se tem visto nos regimentos dos Con-
O Conselho tem sua definição assim esclarecida por Cury: selhos são as seguintes atribuições: atuar como co-responsável
pela gestão da escola; participar das questões que envolvem a
Conselho vem do latim consilium. Por sua vez, consilium vida escolar dos alunos; participar da discussão sobre questões
provém do verbo consulo/consulere, significando tanto ouvir al- específicas relativas à aprendizagem: projeto pedagógico, ava-
guém quanto submeter algo a uma deliberação de alguém, após liação; elaborar o regimento escolar; participar da elaboração
uma ponderação refletida, prudente e de bom senso. Trata-se, do calendário escolar; participar da elaboração do plano de
pois, de um verbo cujos significados postulam a via de mão du- aplicação de recursos financeiros (junto a APM); participar dos
pla: ouvir e ser ouvido. Obviamente a recíproca audição se com- conselhos de classe e de outros movimentos de avaliação do
põe com o ver e ser visto e, assim sendo, quando um Conselho processo educacional e participar das discussões e das soluções
participa dos destinos de uma sociedade ou de partes destes, o de problemas cotidianos da escola e que sejam de interesse co-
próprio verbo consulere já contém um princípio de publicidade. letivo.
(2000). Concluindo, o Conselho Escolar tem papel estratégico no
A função do Conselho Escolar, então, está em garantir a par- processo de democratização e de construção da cidadania.
ticipação de todos os segmentos envolvidos no processo educa- Principalmente porque sua composição assim o permite. Sendo
cional, promover a democratização da gestão e a descentraliza- assim, registra-se a necessidade de que seus conselheiros re-
ção do poder. cebam e proponham formação continuada fundamentada em
A importância da consolidação dos Conselhos Escolares na estudos que lhes possibilitem o entendimento da ação política
escola pública tem seu reconhecimento pelo governo federal desse órgão dentro da escola.
por meio do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) lan-

21
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Associação de Pais e Mestres (APM) O trabalho na escola exige organização, boa distribuição e
bom aproveitamento do tempo diante das tarefas e dos recursos
A Associação de Pais e Mestres (APM) é um órgão de repre- utilizados, visando ao sucesso dos resultados que se deseja obter.
sentação dos pais e profissionais da escola, que, em uma ação A formação continuada dos membros da APM é condição
conjunta, objetivam desenvolver medidas de interesse comum, primordial para que se tenha melhores condições para o exer-
com espírito de liderança, responsabilidade, respeitando a cole- cício da função na escola e fora dela, cuja finalidade principal
tividade educacional e a legislação vigente. de seu trabalho é o funcionamento da escola em prol do aluno.
Constitui-se pessoa jurídica de direito privado, não tem ca-
ráter político-partidário, religioso, racial e nem fins lucrativos; é Gremio Estudantil
representada, oficialmente, pelo presidente, e responde pelas
obrigações sociais da comunidade escolar. Efetua movimenta- O Grêmio Estudantil é outra forma de organização colegiada
ção financeira em bancos como recebimento e aplicação das na escola. Esse colegiado, organizado e composto pelos alunos,
verbas públicas, de convênios da mantenedora (municipal, es- pode ser considerado como uma das primeiras oportunidades
tadual ou federal), advindas do Programa Dinheiro Direto na que os jovens têm em participar de maneira organizada das de-
Escola (PDDE), como Unidade Executora (UEx) de cunho social. cisões de uma instituição, agindo em uma perspectiva política
A APM pode exercer várias finalidades como: colaborar em benefício, no caso da escola, da qualidade de ensino e de
com a direção da escola para atingir os objetivos educacionais aprendizagem.
propostos no projeto pedagógico; representar as aspirações da Assim, os alunos têm voz na administração da escola, apre-
comunidade e dos pais de alunos perante a escola; mobilizar os sentando suas ideias e opiniões, com uma participação respon-
recursos humanos, materiais e financeiros da comunidade para sável.
auxiliar a escola e prover condições que permitam esse fim, Os membros do Grêmio Estudantil devem ser estimulados
como, por exemplo, o estabelecimento de parcerias; trabalhar a defender os interesses comuns de todos os alunos, em uma
para a melhoria do ensino e da aprendizagem; desenvolver ati- ação formadora da construção da visão crítica do ato político.
vidades de assistência ao escolar nas áreas socioeconômica e de Deve firmar parcerias com a direção escolar, equipe peda-
gógica, professores, funcionários administrativos, Conselho Es-
saúde; conservar e manter a infraestrutura escolar, os equipa-
colar e Associação de Pais e Mestres, assim o Grêmio terá uma
mentos e as instalações; promover programação de atividades
atuação em prol dos alunos, da escola e da comunidade.
culturais e de lazer que envolva a participação conjunta de pais,
Um Grêmio que estabelece uma boa rede de relações com
professores, alunos e comunidade; acompanhar a execução de
os sujeitos da comunidade escolar terá mais pessoas compro-
pequenas obras de construção ou reforma no prédio escolar, ve-
metidas com as ações que pretende realizar.4
rificando os recursos aplicados para posterior prestação de con-
tas, se for o caso; colaborar na programação do uso do prédio
Funções do Colegiado Escolar:
da escola pela comunidade, inclusive nos períodos ociosos, am-
• Função Deliberativa:
pliando-se o conceito de escola como um centro de atividades - Participar da elaboração do Projeto Político Pedagógico,
comunitárias; favorecer o entrosamento entre pais e professo- do Plano de Gestão e do Regimento Escolar;
res possibilitando informações relativas aos objetivos educacio- - Deliberar, sempre que solicitado pela direção da escola,
nais e as condições financeiras da escola, dentre outros fins que sobre o cumprimento das ações disciplinares a que estiverem
a escola assim entender necessários. sujeitos os estudantes, de acordo com o disposto no Regimento
A APM possui uma organização administrativa, registrada Escolar e no Estatuto da Criança e do Adolescente;
em Estatuto próprio, constituída de pessoas eleitas em assem- - Aprovar, no âmbito da escola, o Regimento Escolar e os
bleia geral, com mandato de dois anos, com o pleito realizado projetos de parceria entre a escola e a comunidade;
por voto secreto, em caso de mais de uma chapa inscrita, ou - Decidir, em grau de recurso, sobre questões de interesse da
direto, na ocorrência de chapa única. comunidade escolar, no que diz respeito à vida dos estudantes;
-Convocar e realizar semestralmente assembleias gerais
Organiza-se da seguinte forma: para avaliação do planejamento administrativo, financeiro e pe-
- Assembleia geral: órgão soberano constituído pela totali- dagógico da unidade escolar e extraordinariamente quando a
dade de seus associados, e deve reunir-se, ordinariamente, uma relevância da matéria assim exigir, inclusive para decidir sobre a
vez por semestre e, extraordinariamente, sempre que necessá- destituição de membro do Colegiado, em virtude de fatos que o
rio; incompatibilizem para o exercício da função.
- Diretoria: órgão executivo e coordenador, com reuniões
mensais; • Função Consultiva:
- Conselho deliberativo: órgão que decide e coordena as - Opinar sobre os assuntos de natureza pedagógica, admi-
ações da APM, com reuniões semestrais; nistrativa e financeira que lhe forem submetidos à apreciação
- Conselho fiscal: órgão de controle e fiscalização das ações, pela direção da unidade escolar;
deve reunir-se com o conselho deliberativo. - Participar do processo de avaliação de desempenho dos
dirigentes, dos professores, dos coordenadores pedagógicos e
O planejamento das atividades desenvolvidas pela APM é demais servidores da escola, ressalvada a competência da Se-
de suma importância para que os objetivos propostos pela es- cretaria da Educação;
cola sejam atingidos. 4 Fonte: www.portaleducacao.com.br

22
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

- Manifestar-se sobre a proposta curricular, bem como ana- - Incentivar a criação de grêmios estudantis e apoiar o seu
lisar dados do desempenho da unidade escolar para propor o funcionamento;
planejamento das atividades pedagógicas; - Incentivar seus pares a participar de atividades de forma-
- Recomendar providências para a melhor utilização do es- ção continuada, além de promover relações de cooperação e
paço físico, do material didático-pedagógico e da formação do intercâmbio com outros Conselhos/Colegiados Escolares.
quadro de pessoal da unidade escolar;
- Participar do processo de avaliação institucional da Escola Quais as atividades prioritárias a serem desenvolvidas
e opinar sobre os processos que lhe forem encaminhados; pelo Colegiado Escolar?
- Opinar sobre o planejamento global e orçamentário da
Unidade Escolar e deliberar sobre suas prioridades, para fins de 1. Participar das discussões para elaboração, revisão, imple-
aplicação de recursos a ela destinados; mentação e avaliação do Projeto Político Pedagógico, do Plano
- Manifestar sobre a prestação de contas referentes aos pro- de Gestão e do Regimento Escolar;
gramas e projetos desenvolvidos pela direção da unidade esco- 2. Participar da elaboração do calendário escolar e avaliar
lar, antes de ser encaminhadas à Secretaria da Educação. periodicamente o seu cumprimento;
3. Participar da discussão e elaboração do cardápio da me-
• Função Avaliativa renda escolar, levando em consideração os hábitos alimentares
- Acompanhar e avaliar, periodicamente e ao final de cada locais e o valor nutritivo dos alimentos; realizando o acompa-
ano letivo, o desenvolvimento do Projeto Político Pedagógico, nhamento da sua execução e sugerindo adaptações quando ne-
bem como, o cumprimento do Plano de Gestão e do Regimento cessário;
Escolar; 4. Participar da elaboração do plano de aplicação dos re-
- Acompanhar os indicadores educacionais - evasão, apro- cursos financeiros alocados na escola e analisar suas respectivas
vação, reprovação - e propor ações pedagógicas e sócio-educa- prestações de contas, antes do encaminhamento à Secretaria da
tivas para a melhoria do processo educativo na unidade escolar; Educação;
- Acompanhar o cumprimento do calendário escolar estabe- 5. Buscar articulação com a equipe gestora, incentivando
o desenvolvimento de ações voltadas para a integração entre a
lecido e participar da elaboração de calendário especial, quando
escola e a comunidade.
necessário, conforme orientações da Secretaria da Educação;
- Acompanhar e avaliar a frequência do corpo docente e
administrativo, certificando-se da emissão da Comunicação de
Ocorrência de Frequência – COF para a DIREC/SEC;
- Avaliar o Plano de Formação Continuada da equipe docen- ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA CENTRADA NO
te, administrativa e dos demais servidores em consonância com PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PLENO DO
o Projeto Político Pedagógico da Escola; EDUCANDO
- Acompanhar a realização do Censo da Unidade Escolar,
assim como os processos administrativos e as inspeções instau- INOVAR NO INTERIOR DA ESCOLA
radas na Escola; TRURLER, M. G
- Acompanhar e analisar o plano de aplicação específico
para cada recurso financeiro alocado à escola, zelando por sua Organização do trabalho, lógicas de ação e autonomia
correta aplicação, observados os dispositivos legais pertinentes.
Os estabelecimentos escolares constituem formas organiza-
• Função Mobilizadora cionais que sobrevivem a muitas mudanças em sua missão, seu
- Criar mecanismos para estimular a participação da comu- meio, seus recursos e, na renovação permanente dos alunos,
nidade escolar e local na definição do Projeto Político-Pedagógi- dos professores e dirigentes. Quando a busca de estabilidade
co, do Plano de Gestão e do Regimento Escolar, promovendo a passa a ser a lógica de uma organização, suas características po-
correspondente divulgação; sitivas têm um custo elevado em rigidez, protecionismo territo-
- Manter articulação com a equipe dirigente da unidade rial e medo da desordem.
escolar, colaborando para a realização das respectivas ativida- Os trabalhos sobre inovação mostram que a organização
des com as famílias e com a comunidade, inclusive, apoiando as burocrática e hierárquica do trabalho, não é o único freio a mu-
ações de resgate e conservação do patrimônio escolar; dança. Nenhuma organização é tributária de uma só lógica, e a
- Mobilizar a comunidade local a estabelecer parcerias com escola se situa na confluência da lógica burocrática e da lógica
a escola, voltadas para o desenvolvimento do Projeto Político- profissional.
-Pedagógico; Existem organizações do trabalho mais abertas que outras
- Promover a realização de eventos culturais, comunitários à mudança? Como conseguem encontrar um meio termo entre
e pedagógicos que favoreçam o respeito ao saber do estudante a necessidade de abertura e a tendência natural dos atores em
e valorizem a cultura local, bem como estimular a instalação de querer preservar equilíbrios estáveis?
fóruns de debates que elevem o nível intelectual, técnico e polí- Há lógicas organizacionais que favorecem a mudança, não
tico dos diversos segmentos da comunidade escolar; como resposta a uma situação excepcional, nem porque seriam
- Divulgar e fazer cumprir o Estatuto da Criança e do Ado- mais permeáveis do que outras às injunções das autoridades,
lescente; mas por integrarem-na sem crise e sem pressa?

23
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Os novos paradigmas organizacionais convidam a ultrapas- percebem os laços dos novos princípios da gestão pública e os
sar o pensamento científico clássico. À visão de um universo integram em seu discurso oficial, nem por isso passando ao ato
como um mecanismo de relojoaria opõe-se àquela de um siste- no plano das práticas.
ma vivo, instável e imprevisível, mais aberto e criador. Vistos sob Em alguns sistemas, essa orientação torna-se progressiva-
esse ângulo, os processos de mudança correspondem, inversa- mente da ordem do possível. A organização profissional valo-
mente, a uma dinâmica instável, expressão de uma multiplicida- riza o funcionamento colegial e participativo, os processos de
de de forças em interação que ora convergem, ora se defrontam. decisão são pesados, lentos e ineficientes só o que se busca é
Essa imagem está mais próxima da realidade do que os modelos um amplo consenso. Daí o número limitado de decisões inova-
clássicos. Este primeiro capítulo tenta descrever tal evolução, doras. Em nome da colegiatura os atores estabelecem a lógica
confrontará lógica burocrática e lógica profissional, apresentará da confiança.
os novos princípios organizadores. Priva-se então de um motor essencial da mudança: a aná-
A lógica burocrática constrói a organização do trabalho so- lise lúcida dos funcionamentos, dos êxitos e fracassos de uns e
bre uma regulamentação bastante estrita dos papéis e das fun- de outros. A lógica profissional aplica-se para apagar as hierar-
ções a serem preenchidas. O organograma estabelece relações quias. É mais agradável confessar que todos são pares, graças
de autoridade e cadeias hierárquicas explícitas, os membros da a esse igualitarismo, o clima de trabalho é mais agradável, mas
organização sabem quem concebe e quem executa. A ideia do é possível haver inovação na negação da heterogeneidade das
estabelecimento escolar como estrutura local-padrão, é uma competências e na recusa de reconhecer uma liderança? Uma
resposta burocrática à questão da educação escolar; em um sis- organização dominada pela lógica profissional é tão conserva-
tema unificado apenas variam o tamanho e, o modo de direção dora quanto o conjunto de seus membros.
dos estabelecimentos. A lógica burocrática é interiorizada pelos As duas lógicas estruturam o sistema escolar e as escolas.
atores, eles percebem seu papel e seu estatuto, sua zona de au- Elas influenciam tanto com a ordem quanto com a complexida-
tonomia, a divisão do trabalho, as relações de poder, a gestão de e garantem a estabilidade. Ao reunir as duas lógicas organiza-
dos processos da mudança, os mecanismos de controle, os ato- cionais, a escola dotou-se de um funcionamento irreversível que
res não imaginam poder funcionar de outro modo. Os conteú- a encerra em um círculo vicioso difícil de romper.
dos das lições são definidos, não de acordo com as necessidades Este círculo vicioso leva tanto as autoridades escolares
dos alunos, mas em função de um número global de horas dis- quanto os diversos atores a uma estranha dança que só pode
poníveis. Tais parâmetros gestionários representam uma matriz resultar no fechamento e no contrassenso.
organizacional que condiciona a vida escolar, reduz fortemente É preciso, voltar-se para uma lógica mais flexível e adapta-
o desenvolvimento das competências correspondentes, que se tiva, capaz de ultrapassar o saber prático, tácito e artesanal de
incumbem da elaboração e da introdução dos novos programas. cada um, que é da ordem da consciência prática.
Esse modelo permitiu ajustar as modalidades de gestão e Atualmente, concebemos o excesso das lógicas organiza-
controle das escolas, assegurando uma certa coerência e uma cionais existentes como uma evolução incerta e local. Os ato-
igualdade formal de tratamento. Ele somente provocará mudan- res devem inventar novas formas de organização sem poder
ças das práticas se a prescrição for traduzida de forma clara, for referirem-se a um modelo claramente estabelecido. É preciso
imposta de cima, for compatível com as práticas já em vigor, etc. considerar estruturas flexíveis onde tudo se atenue e se adapte
Enquanto a lógica burocrática define e impõe procedimen- à evolução, cada um toma iniciativas que permitem garantir a
tos de trabalho em vista dos objetivos fixados, a lógica profissio- qualidade. Tanto a coordenação e a codificação estrita das ati-
nal limita o trabalho prescrito em função da complexidade de vidades quanto o isolamento e o “consenso frouxo” deixam o
situações singulares. A lógica profissional na escola permaneceu campo livre a uma lógica de arranjo, que permite a realização
por muito tempo limitada ao relacionamento professores/alu- de acordos locais não previstos. Existe, pois, uma relação entre
nos. Os professores inventam, menos do que pensam, seus ges- a organização do trabalho e a mudança. Quanto mais a escola
tos profissionais, muito mais se apropriam da trama fornecida esteja submetida a injunções de inovação, menos ela poderá re-
pela cultura profissional e pela organização escolar. O impacto gulamentar sua atividade.
de tais fatores é diferente segundo o grau escolar: na escola de Os atores do sistema escolar tentam satisfazer duas neces-
ensino fundamental, os docentes desempenham um papel im- sidades: estabilidade e mudança. A mudança os levará a valo-
portante, ao passo que a partir do ensino médio a ideologia pró- rizar a flexibilidade e a negociação, não poderão, entretanto,
pria de cada disciplina dita as regras de funcionamento. renunciar a um mínimo de estabilidade. Todo sistema escolar
A lógica profissional representa a via menos explícita e for- à procura de estabilidade proporcionar-se á uma organização
malizada da mudança, é um lento processo de adaptação du- de trabalho que lhe permita limitar os riscos. Nossa experiên-
rante o qual as novas práticas se instauram conforme as neces- cia mostra que a mudança se desenvolve nos espaços ainda não
sidades. As novas políticas educacionais levam a uma ampliação programados, a partir de novas combinações entre os diferentes
da lógica profissional, quando os professores são convidados a recursos existentes, em um contexto que reconhece a divergên-
participar mais em todo o processo de inovação. cia da maneira de pensar e fazer. Essas combinações organizam-
Entretanto, há o risco de, através da maior autonomia, se -se a partir da intuição, do engajamento e da “ousadia”, dos ato-
reforçar o isolamento e o individualismo dos diversos atores en- res do sistema escolar. A maneira pela qual eles construirão o
volvidos no processo de inovação. Uma lógica profissional não - sentido da mudança – depende da flexibilidade organizacional
harmonizada com um bom nível técnico leva os atores a con- que lhes permitirá ou impedirá de integrar os novos conceitos.
fiarem mais em suas experiências pessoais do que nas informa- Transposto ao sistema escolar e à escola, isso leva a um modelo
ções que derivam da pesquisa em educação. Alguns sistemas de organização do trabalho que fica menos burocrático e mais

24
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

centrado nos funcionamentos informais. As regras de organiza- A inovação é sempre suspeita de provocar uma ruptura nes-
ção são definidas em função da natureza das questões a resol- ta relação de poder pré-existente. Portanto a questão de saber
ver, a destinação de tarefas é variável e modulável conforme a quem se beneficia com a mu dança é sempre pertinente.
quantidade e a natureza dos problemas, a capacidade e a vonta- As relações sociais são arranjos que permitem viver em paz
de dos atores de mobilizarem-se para um projeto. Isso também relativa com os outros, a mudança pode ameaçar esse arranjo,
significa que as escolas variarão no plano de seu nível de desem- dividindo grupos, marginalizando professores, etc.
penho, enquanto se adaptarem a seu meio e explorarem novas A inovação modifica os dados do problema e os arranjos
vias para melhorar seu processo pedagógico. que permitam o modus vivendi, que deve às vezes ser recons-
Tais configurações são novas, algumas equipes de profes- truído integralmente. É nesse sentido que os problemas produ-
sores tentam, há anos, romper com a forma escolar tradicional, zidos devem levar os atores a se empenharem na busca cons-
tais tentativas isoladas estiveram, na maioria das vezes, destina- tante de coerência, é uma questão de justiça e de justeza. A
das ao fracasso, pois permaneceram confinadas em um espaço construção do sentido de mudança é fortemente influenciada
muito limitado de flexibilidade para “irem ao fim de sua lógica”. por esse mecanismo.
Por conseguinte, é lícito esperar que os estabelecimentos esco- Diante dos problemas de poder, de princípios de justiça e
lares que se voltam para esse tipo de nova configuração desen- de território, a inovação leva os atores a empenharem- -se na
volvam uma série de características que modifica favoravelmen- negociação e no regateio, a fim de construir novos acordos e
te a construção do sentido de mudança. convenções.
Quando as escolas funcionam de acordo com uma lógica Autonomia parcial significa: projeto coletivo original, explí-
flexível, os professores são levados a desenvolver uma série de cito e negociado entre os parceiros no âmbito de um conjunto
competências que lhes permitem transformar a pedagogia. Em de direitos e obrigações, relativamente ao Estado e suas leis. A
termos de organização do trabalho, significa que os professores autonomia das escolas deve ser concedida com um equilíbrio
se libertem das coações internas, que eles se concedem o direi- entre regulamentos centralizadores e iniciativas locais.
to de se organizarem de outro modo. Uma organização flexível O sistema limita-se a prescrever os eixos de orientação e os
introduz uma visão diferente da divisão do trabalho, as tarefas regulamentos, e pede às escolas para explicarem como traba-
são analisadas e designadas de modo flexível, e não de acordo
lham nos campos que acabam de ser evocados, se estabelece
com regras e prerrogativas estabelecidas pela tradição.
um sistema de acompanhamento e de avaliação externo que
A gestão por redes oferece um meio não apenas de asse-
permite controlar a qualidade e a coerência da aplicação nos
gurar a informação e o confronto entre os diversos grupos de
diversos estabelecimentos.
atores, mas, de permitir-lhes uma compreensão sistêmica das
A autonomia parcial levará, professores e diretores de es-
dinâmicas implicadas; o sentido é construído por intermédio
colas, a afinarem os meios de autorregulação para alcançar os
desta compreensão, ao sabor das controvérsias empreendidas
objetivos fixados, não só para eles mesmos como também para
e das experiências feitas por uns e outros.
Isso pode permitir que se veja mais longe e que se conscien- prestarem contas a seus parceiros externo.
tize que, outros colegas, trabalhando em outras escolas, encon- Após a primeira fase de concepção e de elaboração do pro-
tram problemas semelhantes, mas os percebem e resolvem de jeto, o exame da realidade obriga, a redimensionar as exigências
maneiras distintas, o que pode gerar novas idéias. de uns e outros, o que exigirá negociações para clarificarem as
Nenhuma pessoa ou instituição é completamente autôno- representações, e as novas responsabilidades que estas acarre-
ma, é importante, particularizar com muita clareza o terreno de tam.
autonomia buscado pelas escolas. Diante da grande diversidade Uma gestão que conceda mais autonomia às escolas faz
das realidades e das necessidades do campo, a atitude predomi- emergir um novo problema: como se vai, como se pode admi-
nante consiste em não mais investir energia para produzir uma nistrar a diversidade? Tais questões, tornam-se centrais quando
aparência de homogeneidade, ao contrário, aceitar que pos- a ação de projeto confronta os diversos parceiros com o indis-
sam existir modalidades organizacionais diferentes dentro de pensável controle de qualidade.
um quadro comum aceito pelos parceiros. As escolas assumem No contexto de uma organização do trabalho, a avaliação
a responsabilidade de desenvolver os dispositivos de ensino- baseia-se na maneira como os atores obedecem às regras. Um
-aprendizagem apropriados em função das necessidades locais. dos grandes equívocos que espreitam as escolas consiste em
Trata-se, da vontade explícita de uma flexibilização em favor de crer que a autonomia concedida lhes permitirá fugir de toda
uma maior liberdade de ação e decisão concedida aos indiví- obrigação de prestar contas, no entanto, mais autonomia impli-
duos e/ou escolas. Alguns esperam que a descentralização leve ca também em mais responsabilidade e transparência. Para que
os atores a resolverem os problemas com mais criatividade e o sistema escolar permaneça administrável ele é levado a esta-
responsabilidade, assim como a desenvolverem soluções menos belecer anteparos capazes de garantir a coerência da ação pe-
caras. Imaginam que a diversidade de soluções introduzirá uma dagógica, visando a: definir a qualidade dos serviços realizados;
certa competição e, aumentará a busca de qualidade nas esco- observar e avaliar os processos e condições básicas que deter-
las. Outros temem que a competição acarrete consequências minam esses serviços realizados; colocar o resultado desse pro-
nefastas, em função de egoísmos e disputas de poder cesso de avaliação a serviço dos desenvolvimentos ulteriores.
A escola é um lugar de exercício do poder, estruturado pelas A avaliação interna começa com um diagnóstico empreen-
estratégias de atores e seus jogos de poder. Dessas relações de dido, pelos professores e a direção da escola, a forma mais sim-
poder depende, a autonomia da qual cada um dispõe. As re- ples consiste em conduzir uma análise do funcionamento do es-
lações de poder nunca se estabilizam, qualquer novo aconteci- tabelecimento escolar, consegue-se assim recolher um conjunto
mento pode ameaçar os equilíbrios estabelecidos. de dados que permitirão compreender melhor como a escola

25
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

reage em face da mudança, antecipar problemas, compilar as Colegiatura forçada: este modo de relacionamento ocorre
estratégias de resolução, definir prioridades e os critérios de êxi- onde a direção impõe procedimentos, cuja finalidade é levar os
to para avaliar a eficácia dos procedimentos, prestando contas professores a concederem mais tempo e atenção à planificação
de seu funcionamento, uma equipe de professores, se conscien- e a execução de uma inovação, tende a provocar desconfiança e
tiza de suas forças e fraquezas. Esse passo não é fácil. Exige uma estratégias defensivas.
capacidade de descentração e vontade de mudança que não Cooperação profissional: pode ser conceituada como um
prosperam por si. Eis porque a avaliação interna só é realizável certo número de atitudes que devem ser construídas a fim de
quando é acompanhada pelo desenvolvimento de um clima de criar: o hábito da ajuda e do apoio mútuo; um capital de confian-
confiança dentro da escola sua construção deve preceder o es- ça e franqueza mútuas; a participação de cada um nas decisões
tabelecimento de uma avaliação interna. coletivas. Essas atitudes representam uma clara evolução em re-
lação aos funcionamentos mais individualistas. Convém lembrar
A avaliação interna constitui uma condição básica da que a cooperação profissional só se torna possível pela vontade
transparência e da avaliação externa. obstinada de voltar o essencial do processo para a perseguição
de um objetivo comum que vise à ampliação das competências
Não se trata de distribuir boas ou más notas, nem de ce- individuais e coletivas que garantam o bom resultado dos alu-
der à última moda, mas sim a construção de um sistema escolar nos.
que permita a reflexão permanente sobre a eficácia das práticas,
este é o objetivo principal de uma avaliação externa. A relação com a mudança na
O sistema educativo só confiará na autoavaliação dos pro- cultura do estabelecimento escolar
fessores, se a sua lucidez estiver acima de qualquer suspeita,
tendo sido feita com total profissionalismo. Cada escola tem sua própria atmosfera, como reflexo de
A mudança bem-sucedida não é consequência da simples cultura, exerce uma forte influência sobre aqueles que ali traba-
substituição de um modelo de gestão antigo por um novo. Tra- lham. A cultura de uma escola é construída pelos atores, mesmo
ta-se sim do resultado de um processo de construção coletiva que essa construção permaneça, em grande parte, inconsciente.
que tem sentido quando os atores se mobilizam, conseguem ul- Ela é a soma das soluções que funcionaram bem para acabarem
trapassar os jogos estratégicos e as relações de poder habituais prosperando e serem transmitidas aos recém-chegados. A mu-
para criarem e desenvolverem novos recursos e capacidades dança é uma categoria básica do pensamento, até os professo-
que permitirão ao sistema guiar-se ou tornar a se orientar como res mais conservadores formam projetos de mudança. A manei-
um conjunto humano e não como uma máquina. ra como cada um pensa a mudança, funda-se em uma história
pessoal e na integração a diversos grupamentos sociais, a cul-
A cooperação profissional tura inerente a cada escola contribui também para influenciar
cada um, ela é um código comum, que permite ficar no mesmo
A cooperação profissional não corresponde ao funciona- comprimento de onda quando sobrevém uma reforma.
mento da maior parte dos professores e dos estabelecimentos De acordo com a situação do estabelecimento escolar e de
escolares, o individualismo permanece no âmago da identidade suas culturas, pode-se prever que algumas reformas estariam
profissional. destinadas ao fracasso antes mesmo de terem começado, a
Entretanto, na maioria das escolas, já se verificam mudan- cultura local determinará as necessidades sentidas, a maneira
ças. Na busca de dispositivos de ensino – aprendizagem, os pro- como os professores irão julgar o valor da mudança, interagir,
fessores trabalham mais em equipe, por outro lado a maioria tentar e confrontar suas experiências.
dos sistemas educacionais aplica-se em reformas que incitam A cultura não tem chefe, mas os dirigentes e os professo-
uma maior cooperação entre os professores. res que exercem liderança podem modificá-la progressivamen-
O modo de cooperação profissional inscrito na cultura de te. Frente a uma inovação prescrita pelo sistema, a cultura da
um estabelecimento escolar influencia na maneira como os pro- escola sugere prioridades que influenciam a interpretação do
fessores reagem em face de uma mudança. Os modos de coope- programa.
ração profissional seguem algumas tendências mais ou menos Quanto à eficácia, é objeto de diferentes percepções, uma
comuns, a saber: vez que, nem todos têm a mesma ideia do que torna a escola
Individualismo – oferece aos professores uma esfera qua- eficaz.
se “privada” contra os julgamentos e as intervenções externas. A evolução da cultura depende da maneira como o corpo
O professor operando sozinho introduz mudanças eficazes em docente consegue manter uma reflexão e comunicação em tor-
suas classes. no dos problemas profissionais. Cria-se uma dinâmica pela qual
Balcanização: em algumas escolas os professores têm a ten- os atores conciliam seus objetivos, negociando em relação aos
dência de associarem-se, mais, a determinados colegas criando objetivos visados, construindo o sentido da mudança.
grupos, cada grupo defende suas posições em detrimento das
idéias de outros, o consenso é praticamente impossível. Um estabelecimento escolar em projeto
Grande família: um modo dentro do qual os membros do
corpo docente chegam a uma forma de coexistência pacífica, As escolas que produzem efeitos notáveis sobre as apren-
que garante o respeito e o reconhecimento do outro, conquanto dizagens dos alunos se apoiam nas mudanças que o sistema
que cada qual se submeta a um determinado conjunto de regras educativo introduz, aproveitam-se das reformas do sistema
explícitas ou implícitas. educativo, a não ser que as orientações de fora estejam em for-

26
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

te contradição com sua cultura. Tal atitude supõe que as esco- dimensões econômicas, sociais, culturais e pedagógicas; uma in-
las desenvolvam as competências e posturas necessárias para tenção de comunicar-se e de avaliar; uma vontade explícita de
definirem seus objetivos e construírem um projeto comum. A capitalizar e teorizar a experiência.
existência de um projeto local poderia constituir um fator fa- Um projeto de estabelecimento pode fixar-se em um pro-
vorável às reformas de conjunto, substituídas pelo projeto de jeto educativo explícito ou implícito. A ação inovadora corre o
estabelecimento escolar, aumentando a oportunidade de uma risco de esvaziar-se de seu sentido se o projeto não se trans-
aplicação das reformas. Essa visão da mudança dos sistemas es- formar em um processo. O processo de projeto não é um fim
colares oferece uma perspectiva dinâmica. Nessa perspectiva, em si, mas, um dos componentes do estabelecimento escolar
o desenvolvimento escolar é percebido como um processo que que contribui para tornar os professores atores da construção
permite às escolas assimilarem as mudanças exteriores a seus do sentido da mudança.
próprios objetivos. O projeto de estabelecimento escolar é levado a funcionar
Nos interrogaremos, aqui, mais sobre o estabelecimento com três dimensões: capacidade individual e coletiva de se pro-
escolar em projeto, do que sobre o “projeto de estabelecimento jetar (lançar) em um futuro incerto, identidade dos signatários
escolar” desenvolvido por administrações centrais que de tanto do projeto representação coletiva, já que se trata de um proces-
normatizarem a ação de projeto correm o risco de esvaziá-la de so de exploração cooperativa. Quando o projeto de estabeleci-
seu sentido. mento escolar leva em conta essas três dimensões, ele passa a
A realidade da escola é feita de urgências, e muitas decisões ser uma ferramenta de mudança, de aprendizagem organizacio-
são tomadas na incerteza. Diante de tal realidade, uma parte nal.
dos atores investe em um processo de projeto para lutar contra Evocamos várias vezes a importância decisiva da coerência
a desmotivação e a avareza mental, fixando-se metas coletivas. interna entre valores e ações, quando é o caso, é visível, para
Muitos sistemas escolares incentivam os estabelecimentos a co- os alunos, que seus professores perseguem os mesmos objeti-
locarem o seu projeto por escrito, os estabelecimentos veem-se, vos e os acompanham em um percurso de aprendizagem cuja
assim, levados a explicitar o que, habitualmente, permanece im- meta é partilhada por todos. Não se deve confundir projeto com
plícito. Mas, afinal, o que é exatamente um processo de projeto? plano de ação, um projeto deve evitar a definição de um plano
O projeto é a imagem de uma situação, de um estado pensado
de estudos demasiado estreito e rígido, deve permitir ajustes
que se tem a intenção de alcançar. Nas sociedades modernas, a
tanto nas estruturas quanto nas práticas. O importante é que
ideia de projeto tornou-se inseparável de nossa visão da ação e
subsista um quadro estável, que protegerá da dispersão e de um
do sentido da ação seja ela individual ou coletiva.
ativismo extenuante, mais ainda, não seja utilizado por alguns
As novas modalidades de gestão transformam necessida-
para fins de tomada de poder. O essencial consiste em estabe-
de em virtude; já que não se pode impedir os indivíduos e os
lecer alguns princípios organizadores do pensamento e da ação.
grupos de terem uma identidade, um projeto e estratégias é
Um projeto de estabelecimento escolar terá maiores chances de
melhor reconhecê-lo e integrar, transformando-o em vantagem
êxito quando os objetivos visados forem realistas. Para que um
gestionária, propiciando maior controle. Essa abordagem cons-
titui os membros de um mesmo estabelecimento escolar como projeto possa fazer a diferença, é necessário que ele se inscreva
ator coletivo, o que os obriga a se colocarem em busca de um na “zona de desenvolvimento proximal” dos atores e seja capaz
projeto comum. Quem pensa são indivíduos que converterão o de penetrar em seus campos de consciência, é indispensável
processo de projeto em ilusão ou ferramenta para a ação. Sobre determinar tal “zona” a fim de saber a quais desafios é possí-
essa base, parece- -nos possível apostar no processo de projeto vel se exporem, para chegarem a transformações da identidade
na escala dos estabelecimentos escolares, visto que ele contri- coletiva que permitam a utilização dos novos saberes de forma
bui para a construção cooperativa da mudança. duradoura.
O projeto educativo corresponde ao projeto visada simbó- Os projetos garantem um desenvolvimento das competên-
lica, como orientação global. Se ele existe e os professores a ele cias profissionais que baste para produzir efeitos duráveis? Os
aderem, embasa o projeto de estabelecimento. projetos estão fundados em uma avaliação suficientemente sutil
O projeto de estabelecimento escolar está mais próximo de da pertinência das práticas em curso e garantem um acréscimo
um programa de ação que envolve o ator coletivo, constituído de valor?
pelos professores que trabalham naquele estabelecimento es- Se essas possibilidades forem mal avaliadas é provável que
colar e que, se tornou pessoa moral. É importante que a maioria o aluno não obtenha o benefício esperado da situação com que
dos professores se associe a um projeto de estabelecimento es- se acha confrontado. Para que a situação seja portadora de sen-
colar para que ele seja digno desse nome. tido, a mudança prevista deve estar próxima de suas preocupa-
A preocupação de clarificar o projeto educativo comum leva ções, oferecendo, uma impressão de ruptura com as rotinas.
uma comunidade pedagógica a indagar-se sobre sua identidade. Entre investimentos a longo prazo, e resultados imediatos,
Isso leva a enunciar valores que vão inspirar a ação. a ação educativa muitas vezes hesita. A lógica “asseguradora”
Um projeto educativo ao qual os professores aderem con- pode assim, parecer a única em condições de criar a calma para
vocará, uma mudança organizada que chamaremos aqui de pro- encarar ações inovadoras.
jeto de estabelecimento escolar como programa de ação, cujas A multiplicação dos projetos de estabelecimento escolar fez
componentes definiremos do seguinte modo: uma fixação na evoluir a maneira de trabalhar em conjunto. Ao projeto como
história da organização e seu meio; um objetivo ambicioso a mé- forma social, associam-se diversas práticas, reconhecidas como
dio e longo prazo; um código de valores; cenários para realizar o características. Não é pequeno o risco de ver a adoção dessas
objetivo principal; um plano a médio prazo e um plano de ação; práticas fazer as vezes de projeto de estabelecimento escolar.

27
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

É importante associar os processos de projeto a uma avalia- Os estabelecimentos escolares que se engajam em um pro-
ção interna que verifique a coerência entre os objetivos visados cesso de mudança deverão construir uma nova visão da gestão
e as ações empreendidas. das relações de força e, se possível, substituir a liderança auto-
Estando a cultura de cooperação e a do projeto desabro- ritária por uma liderança cooperativa. A ideia de liderança coo-
chando, grande parte dos projetos nasce na mente de algumas perativa designa uma liderança assumida de modo cooperativo
pessoas conquistadas pela ideia, é verdadeiro para os projetos por um conjunto de atores, nenhum dos quais é líder formal ou
“espontâneos” e também para os projetos “solicitados” pelas informal o tempo todo, mas está abertamente voltado para a
autoridades escolares. Em ambos os casos, a questão é saber ação comum. A liderança cooperativa rompe com a organização
como passar da iniciativa de alguns a um consenso tão amplo clássica do trabalho dentro de um estabelecimento escolar, os
quanto possível sobre o princípio, o conteúdo, e as orientações membros do grupo acham-se investidos de tarefas ou de fun-
de um projeto de estabelecimento escolar. Durante o período ções que eles assumem sem monopolizá-las duradouramente.
em que a maioria vai aderindo a um “projeto de projeto”, ma- A liderança cooperativa não reconhece hierarquias estáveis nem
nifestam-se oposições, agravos, tomadas de poder, alianças e
líder permanente. A liderança é entendida como uma força de
clivagens sem grande relação com o conteúdo. Procurar obter
transformação cultural e de desenvolvimento. Ela não suprime a
a adesão entusiasta de 99% dos professores da escola condena-
função de diretor de escola, mas redefine, o papel consistiria em
ria, qualquer projeto a ser rapidamente abandonado, em geral
tornar-se aquele que faz as competências emergirem, facilita a
dá-se a partida com uma minoria ativa. Quais os fatores que de-
terminam a adesão? concepção e a aplicação de novas modalidades organizacionais,
A adesão só ocorrerá se os interlocutores puderem entre- ele orquestra a ação coletiva para que esta possa tender para a
ver a manutenção de suas experiências ou a abertura de demais transformação das práticas.
caminhos de acesso a vantagens simbólicas ou materiais é du- A liderança cooperativa produz para cada pessoa uma so-
rante esta delicada passagem, da concepção por uma minoria brecarga de trabalho, daí a necessidade de estabelecer uma ins-
à adesão coletiva, que se executa uma das etapas decisivas do tância de coordenação responsável por: acompanhar os esforços
projeto. Administrar essa etapa com atenção garante uma saída de colocação em prática; informar todas as partes envolvidas so-
melhor para o projeto, baseada em confiança relativa, garantin- bre o processo em curso; aproximar e ligar os diferentes grupos
do sua razão de ser, tanto no presente quanto na continuidade. de trabalho; organizar e animar as sessões; instituir instâncias
A mobilização geral da maioria, o consenso na análise prévia das de conversa; criar lugares de decisão e de regulação. O papel
necessidades e a identificação coletiva dão lugar às divergências dos líderes leva-os a verificar constantemente se os diferentes
e à dispersão das forças nos momentos difíceis e precipitam membros do grupo conseguem aderir aos objetivos visados, se
os atores em uma fase de turbulências que pode representar estão convencidos de que as apostas valem a pena e pensam
um simples vazio do processo de implementação. Nume- rosas que eles têm mais a ganhar do que a perder.
equipes desistem diante da ausência de efeitos a curto ou médio
prazo, ou mesmo diante da resistência dos principais interessa- O estabelecimento escolar como organização aprendente
dos: os alunos. Mesmo um projeto de estabelecimento escolar
que obtenha a concordância e o apoio de grande maioria dos Um estabelecimento escolar pode ou não favorecer a mu-
parceiros não tem garantia de sua longevidade. Um projeto de dança. É sua capacidade de adquirir experiência que o torna
longa duração nunca será totalmente aplicado por aqueles que uma organização aprendente; adota uma abordagem mais po-
o elaboraram. É necessário concebe-lo de maneira que seja pos- sitiva e profissionalizante, centrada na obrigação de competên-
sível fazê- -lo durar, e utilizá-lo como instrumento de integração cias, visando à evolução tanto das representações da profissão
de recém-chegados. O projeto como explicação de uma iden- quanto das práticas pedagógicas e à transformação da dinâmica
tidade coletiva não significa fechamento sobre si mesmo, mas do estabelecimento escolar, em uma coesão essencialmente pe-
sim, abertura para o futuro e para fora.
dagógica, constituindo este último em organização aprendente.
O estabelecimento escolar é definido como um grupo de
Liderança e modos de exercício do poder
professores que assumem a responsabilidade de desenvolver os
dispositivos de ensino e aprendizagem mais eficazes.
Os processos de mudança não se desenvolvem por si mes-
mos. Necessitam de uma orquestração ativa, a mudança cho- No desenvolvimento organizacional, os projetos de forma-
ca-se com ações igualmente deliberadas para bloqueá-las. As ção comum se limitam a alguns seminários durante os quais os
influências não provêm unicamente daqueles que detêm uma professores têm a ilusão de construir uma cultura comum em
autoridade formal. relação a um tema que lhes parece central, eles imaginam que
As noções de líder e de liderança referem-se mais a uma realmente conseguirão modificar suas práticas, enquanto obser-
influência real sobre o curso das coisas do que ao estatuto dos vadores externos notam apenas mudanças insignificantes.
que a exercem. Qualquer membro de uma comunidade exerce, Já, o desenvolvimento profissional ressalta as necessidades
de vez em quando, alguma influência. e apostas das pessoas que coexistem e cooperam dentro de um
Alguns com mais frequência do que outros, o que caracte- estabelecimento escolar, esboçando e realizando um projeto co-
rizará uma liderança se esta se mostrar regularmente sobre as letivo.
decisões de um grupo. A noção de liderança como influência re- Tal interpretação da formação contínua coloca os atores do
gular define o líder, como “aquele que exerce uma liderança em estabelecimento escolar no centro do processo de desenvolvi-
um determinado contexto”. mento e o liga à mudança.

28
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

De acordo com esse modelo, os professores são percebi-


dos como membros de uma organização social, corresponsáveis A INTEGRAÇÃO ENTRE EDUCAR E CUIDAR NA
por seu desenvolvimento ulterior. Visto que são responsáveis de EDUCAÇÃO BÁSICA.
seu desenvolvimento profissional, os atores transformam suas
necessidades, formulando projetos coletivos e investindo-se em O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL
sua aplicação.
Para aumentar a eficácia da ação organizada dentro de uma Embora existam situações na qual o modelo antigo ainda
instituição, é necessário compreender sua cultura, é indispen- ocorra, que em determinados momentos há um responsável
sável que os atores meçam a dinâmica e a complexidade do para cuidar e outro para educar, atualmente a discussão vai mui-
funcionamento coletivo para depois decidirem e colocarem em to além dessa análise simplificada. Cuidar e educar, de acordo
prática novos funcionamentos. com as novas diretrizes, devem caminhar juntos. Percebe-se nos
A ação organizada não é redutível às aprendizagens indivi- dias de hoje e apoiado nos paradigmas emergentes da comple-
duais, trata-se de um sistema de aprendizagens coordenadas, xidade (DEMO, 2002; MORIN, 2002) e da visão sistêmica rela-
sendo suficiente para fazer funcionar o conjunto, porque é de cionada ao ser vivo (CAPRA, 2001; CAPRA, 2002; MATURANA &
sua capacidade de transformar-se em organização aprendente VARELA, 2001), o indivíduo como ser global, não fragmentado
que depende o resultado de uma maior eficácia da ação coletiva. e não linear, em todos os momentos e em todas as situações,
ou seja, cuidar e educar, contemplando de forma democrática
Conclusão todas as diferenças e, ao mesmo tempo, a natureza complexa do
indivíduo. Plenamente entendidas e aplicadas, cuidar e educar
O estabelecimento escolar é um nível determinante do des- caminham simultaneamente e de maneira indissociável, possibi-
tino reservado aos projetos de mudança, porque é ali que os litando que ambas as ações construam na totalidade, a identida-
professores trabalham e constroem o sentido de suas práticas de e a autonomia da criança.
profissionais, bem como as transformações que lhes são propos- A ação conjunta dos educadores e demais membros da
tas, venham elas de dentro ou de fora. equipe da instituição é essencial para garantir que o cuidar e
Seu resultado será coerente relativamente à cultura e às re- o educar aconteçam de forma integrada. Essa atitude deve ser
lações sociais instituídas, nas quais as conversações se estabele- contemplada desde o planejamento educacional até a realiza-
cerão em torno desse novo objeto, a partir das tentativas e das ção das atividades em si.
reposições em discussão que uns e outros devam ou queiram Nesse constante fazer dentro da instituição educacional, há
permitir. momentos em que uma ação pedagógica incisiva se faz necessá-
Na verdade, a mudança leva tempo e só se realiza por eta- ria, pois o educador, em algumas situações, necessita cobrar dos
pas, conforme as quais os profissionais criam vínculos entre seus pais e demais profissionais, atitudes que visam ao melhor de-
saberes de experiência e as novas idéias. O processo de mudan- senvolvimento da criança. Essa ação, por vezes, não é bem acei-
ça é, pois, um assunto de evolução conjunta dos valores, cren- ta. A família se sente invadida na sua intimidade, recusando-se
ças, conceitos e práticas. a enxergar o que não dá mais para esconder e, nesse momento,
Ao começar este trabalho, já estávamos convencidos de que o educador incomodado com o descaso por parte da família, se
o sentido da mudança não é imposto, não é dado de antemão pergunta: Afinal, quem cuida? Quem educa?
nem é imutável. A mudança é construída na regulação interativa Torna-se necessária uma parceria de todos para o bem-es-
entre atores. tar do educando. Cuidar e educar envolve estudo, dedicação,
Se a hipótese construtivista é válida não apenas para os in- cooperação, cumplicidade e, principalmente, amor de todos os
divíduos, mas para as coletividades, como conseguir comprome- responsáveis pelo processo, que se mostra dinâmico e em cons-
tê-las em um processo de construção coletiva de longa duração? tante evolução.
Numerosos fóruns, publicações e debates são dedicados Por outro lado, é imprescindível conhecer a natureza e as
a essa problemática. Apesar dos debates, parece-nos que, nos raízes históricas da educação infantil, os desdobramentos da
encontramos atualmente, bem no início de um longo processo prática educacional nas instituições responsáveis e as influên-
de “profissionalização” das práticas de inovação, seja na escala cias que exerceram e ainda exercem nas diretrizes pedagógicas
do sistema, do estabelecimento escolar ou da classe. Tal pro- dessa área. Além disso, há necessidade de caracterizar ampla-
cesso levará todos os atores a conduzirem a escola na aventura mente o conceito, a especificidade e as peculiaridades do cuidar
de uma “organização aprendente”. Nessa aventura, o estabeleci- e do educar no contexto contemporâneo da prática pedagógica,
mento escolar pode e deve representar um nó estratégico. baseando-se nos autores que discutem essa questão e na legis-
lação atual.
Referência
TRURLER, M. G. Inovar no interior da escola. THURLER, Mô- 2.1. HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL
nica Gather e MAULINI, Olivier (org.). A organização do trabalho
escolar: uma oportunidade para repensar a escola. Porto Alegre: As instituições de educação infantil nasceram na França,
Penso, 2012. no século XVIII, em resposta à situação de pobreza, abandono
e maus-tratos de crianças pequenas, cujos pais trabalhavam em
fábricas, fundições e minas, criadas pela Revolução Industrial.
Todavia, os objetivos e formas de tratar as crianças dos extratos
sociais mais pobres da sociedade não eram consensuais. Setores

29
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

da elite defendia a ideia de que não seria bom para a sociedade dade. Essa qualidade advém de concepções de desenvolvimento
como um todo, que se educasse as crianças pobres, era propos- que consideram as crianças nos seus contextos sociais, ambien-
ta a educação da ocupação e da piedade (OLIVEIRA, 1995). tais, culturais e, mais concretamente, nas interações e práticas
Durante muito tempo, as instituições infantis, incluindo as sociais que lhes fornecem elementos relacionados às mais diver-
brasileiras, organizavam seu espaço e sua rotina diária em fun- sas linguagens e ao contato com os mais variados conhecimen-
ção de ideias de assistência, de custódia e de higiene da criança. tos para a construção da autonomia.
A década de 1980 passou por um momento de ampliação do A instituição de educação infantil deve tornar acessível
debate a respeito das funções das instituições infantis para a so- a todas as crianças que a frequentam, indiscriminadamente,
ciedade moderna, que teve início com os movimentos populares elementos da cultura que enriquecem o seu desenvolvimento
dos anos 1970 (WAJSKOP, 1995). e inserção social. Cumpre um papel socializador, propiciando
A partir desse período, as instituições passaram a ser pensa- o desenvolvimento da identidade das crianças, por meio de
das e reivindicadas como lugar de educação e cuidados coletivos aprendizagens diversificadas, realizadas em situações de intera-
das crianças de zero a seis anos. ção (BRASIL, 1998, p. 23).
A abertura política permitiu o reconhecimento social desses Pode-se oferecer às crianças, condições para as aprendi-
direitos manifestados pelos movimentos populares e por grupos zagens que ocorrem nas brincadeiras e àquelas advindas de si-
organizados da sociedade civil. A Constituição de 1988 (art. 208, tuações pedagógicas intencionais ou aprendizagens orientadas
inciso IV), pela primeira vez na história do Brasil, definiu como pelos adultos. Contudo, e importante ressaltar que essas apren-
direito das crianças de zero a seis anos se idade e dever do Esta- dizagens, de natureza diversa, ocorrem de maneira integrada
do o atendimento à infância. no processo de desenvolvimento infantil. Educar significa, por-
Muitos fatos ocorreram de forma a influenciar essas mu- tanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendi-
danças: o desenvolvimento urbano, as reivindicações populares, zagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir
o trabalho da mulher, a transformação das funções familiares, as para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação in-
ideias de infância e as condições socioculturais para o desenvol- terpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica
vimento das crianças. de aceitação, de respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças
aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural.
Constituir-se em um equipamento só para pobres, princi-
Nesse processo, a educação infantil poderá auxiliar o de-
palmente no caso das instituições de educação infantil, finan-
senvolvimento das capacidades de apropriação e conhecimento
ciadas ou mantidas pelo poder público, significou, em muitas
das potencialidades corporais, afetivas, emocionais, estéticas e
situações, atuar de forma compensatória para sanar as supostas
éticas, na perspectiva de contribuir para a formação de crianças
faltas e carências das crianças e de suas famílias. A tônica do
felizes e saudáveis.
trabalho institucional foi pautada por uma visão que estigmati-
O processo educativo é realizado de várias formas: na fa-
zava a população de baixa renda. A concepção educacional era
mília, na rua, nos grupos sociais e, também, na instituição. Edu-
marcada por características assistencialistas, sem considerar as car, nessa primeira etapa da vida, não pode ser confundido com
questões de cidadania ligadas aos ideais de liberdade e igual- cuidar, ainda que crianças (especialmente as de zero a 3 anos)
dade. necessitem de cuidados elementares para garantia da própria
Modificar essa concepção de educação assistencialista sig- sobrevivência. O que deve permear a discussão não são os cui-
nifica atentar para várias questões que vão além dos aspectos dados que as crianças devem receber, mas o modo como elas
legais. Envolve, principalmente, assumir as especificidades da devem recebê-los, já que se alimentar, assear-se, brincar, dor-
educação infantil e rever concepções sobre a infância, as rela- mir, interagir são direitos inalienáveis à infância (GARCIA, 2001).
ções entre classes sociais, as responsabilidades da sociedade e o Para educar, faz-se necessário que o educador crie situações
papel do Estado diante de crianças pequenas. significativas de aprendizagem, se quiser alcançar o desenvolvi-
Embora haja um consenso sobre a necessidade de que a mento de habilidades cognitivas, psicomotoras e socioafetivas,
educação para as crianças pequenas deva promover a integra- mas e, sobretudo, fundamental que a formação da criança seja
ção entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos e vista como um ato inacabado, sempre sujeito a novas inserções,
sociais da criança, considerando que esta é um ser completo e a novos recuos, a novas tentativas.
indivisível, as divergências estão exatamente no que se entende
sobre o que seja trabalhar com cada um desses aspectos. 2.4. FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL
Polêmicas sobre cuidar e educar, sobre o papel do afeto na
relação pedagógica e sobre educar para o desenvolvimento ou As funções do profissional de educação infantil estão pas-
para o conhecimento, tem se constituído no pano de fundo so- sando por reformulações profundas. O que se esperava dele há
bre o qual se constroem as propostas em educação infantil. algumas décadas, não corresponde mais aos dias atuais. Nessa
perspectiva, os debates estão indicando a necessidade de uma
2.3. EDUCAR formação mais abrangente e unificadora para educadores infan-
tis e de uma reestruturação dos quadros de carreira que levem
É de suma importância que as instituições de educação em consideração os conhecimentos já acumulados no exercício
infantil incorporem de maneira integrada as funções de cuidar profissional, bem como possibilite a atualização profissional.
e educar, não mais diferenciando, nem hierarquizando os pro- A LDB (Lei de Diretrizes e Bases) dispõe, no título VI, art. 62:
fissionais e instituições que atuam com crianças pequenas ou A formação de docentes para atuar na educação básica far-
àqueles que trabalham com as de mais idade. As novas funções -se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação
da educação infantil devem estar associadas a padrões de quali- plena, em universidades e institutos superiores de educação,

30
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

admitida, como formação mínima para o magistério na educa-


ção infantil e nas quatro primeiras séries do ensino fundamen- A PRÁTICA EDUCATIVA DO PROFESSOR NO ENSINO
tal, a oferecida em nível médio, na modalidade normal. FUNDAMENTAL.
Isso significa que as redes de ensino deverão colocar-se a
tarefa de investir de maneira sistemática na capacitação e atua-
Na diversidade de explicações sobre a aprendizagem do alu-
lização permanente e em serviço de seus educadores, aprovei-
no, tem-se dado pouca ênfase à dinâmica da prática educativa e
tando as experiências acumuladas daqueles que já vêm traba-
da avaliação e ao contexto do currículo educacional no proces-
lhando com crianças há mais tempo e com qualidade.
so de ensino-aprendizagem. Analisando a relação pedagógica
Nessa perspectiva, faz-se necessário que os profissionais,
da sala de aula, fica evidenciada a importância das interações
nas instituições de educação infantil, tenham ou venham a ter
aluno-conhecimento, professor-aluno e professor-aluno-conhe-
uma formação inicial sólida e consistente, acompanhada de ade-
cimento na construção do sucesso-fracasso escolar.
quada e permanente atualização em serviço. Assim, o diálogo,
Analisando a prática pedagógica do professor em sala de
no interior da categoria, tanto quanto os investimentos na car-
reira e formação do profissional pelas redes de ensino, é, hoje, aula, podemos verificar a importância de seu papel como edu-
desafio presente, com vista à profissionalização do decente de cador na formação de consciências críticas e participativas. Se o
educação infantil. seu trabalho for significativo para o aluno, irá contribuir para sua
O trabalho direto com as crianças pequenas exige que o permanência na escola, pois o objetivo da ação pedagógica é ter
educador tenha uma competência polivalente. Ser polivalente interesse na aprendizagem do aluno.
significa que ao educador cabe trabalhar com conteúdos de na- Se nós, professores, na sala de aula, não podemos dar conta
turezas diversas que abrangem desde cuidados básicos essen- da política de ofertas de vagas e de acesso dos educandos à es-
ciais até conhecimentos específicos provenientes das diversas cola, podemos dar conta de um trabalho educativo significativo
áreas do conhecimento. Este caráter polivalente demanda, por para aqueles que nela têm acesso. Trabalho esse que, se for de
sua vez, uma formação bastante ampla e profissional que deve boa qualidade, será um fator coadjuvante de permanência dos
tornar-se, ele também, um aprendiz, refletindo constantemente educandos dentro do processo de aquisição do saber e conse-
sobre sua prática, debatendo com seus pares, dialogando com quentemente também um fator dentro do processo de demo-
as famílias e a comunidade e buscando informações necessárias cratização da sociedade (LUCKESI, 1990:12)
para o trabalho que desenvolve. São instrumentos essenciais O inter-relacionamento professor-aluno deve ser funda-
para reflexão sobre a prática direta com as crianças a observa- mentado no incentivo à criatividade, ao debate, ao estudo, em-
ção, o registro, o planejamento e a avaliação (BRASIL, 1998, p. penhados em criar a reflexão crítica. O professor, como sujeito
41). de criação, coordenando os estudos, questionamentos e deba-
Para que os projetos educativos das instituições possam, tes; o aluno, como sujeito do seu aprendizado, no exercício e
de fato, representar esse diálogo e debate constante, é preci- desenvolvimento de seu potencial crítico e participativo.
so ter educadores que estejam comprometidos com a prática Para isso, é necessário ao professor ter conhecimento de
educacional, capazes de responder às demandas familiares e sua área de especialização e estar informado da realidade como
das crianças, assim como às questões específicas relativas aos um todo, para que possa proporcionar ao aluno o desenvolvi-
cuidados e aprendizagens infantis. mento do potencial de uma reflexão crítica.
A formação do educador infantil deve estar baseada na con- Partindo do pressuposto de que o professor precisa ter do-
cepção de educação infantil. Deve buscar a superação da dicoto- mínio não só de conhecimentos; como também de habilidades
mia educação / assistência, levando em conta o duplo objetivo didáticas que constituam os instrumentos técnicos e metodo-
da educação infantil de cuidar e educar. lógicos de sua profissão, ele precisa estar preparado técnica e
A formação deve ser entendida como direito do profissio- didaticamente para sua função educativa em sala de aula.
nal, o que implica a indissociabilidade entre formação e profis- É importante que nós, professores, tenhamos sempre a
sionalização. Diferentes níveis e estratégias de formação devem clareza do que pretendemos avaliar, preocupando-nos com a
ser geradores de profissionalização, tanto em termos de avanço construção do saber, levando o aluno a aprender a relacionar as
na escolaridade, quanto no que se refere à progressão na carrei- ideias com os fatos.
ra (GARCIA, 2001). Se a avaliação não assumir a forma diagnóstica, ela não po-
Para responder à diversidade de situações hoje existentes derá estar a serviço da proposta política — “estar interessado
nas instituições infantis e à multiplicidade de profissionais que que o educando aprenda e se desenvolva” —, pois, se a avalia-
atuam na área, torna-se necessário elaborar e avaliar propostas ção continuar sendo utilizada de forma classificatória, como tem
diferenciadas de formação. sido até hoje, não viabiliza uma tomada de decisão em função
É necessário também aprofundar os estudos sobre especifi- da construção da aprendizagem, como temos definido em ou-
cidades do trabalho com crianças de diferentes idades dentro da tras ocasiões, nada mais tem feito do que classificar o educando
faixa etária de zero a 6 anos num certo estágio de desenvolvimento e dessa forma não au-
xilia a construção dos resultados esperados (LUCKESI, 1990:31)
A avaliação é um processo sistemático, não é improvisada
e se insere num sistema mais amplo que é o sistema ensino-
-aprendizagem; é contínua, acontece ao longo de todo o proces-
so; é integral, pois se ocupa do aluno como um todo, julgando
não apenas os aspectos cognitivos, mas também os domínios

31
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

afetivo e psicomotor. É uma tarefa didática necessária e perma-


nente do trabalho docente que deve acompanhar passo a passo A PRÁTICA EDUCATIVA DO PROFESSOR NA
o processo ensino-aprendizagem. EDUCAÇÃO INFANTIL.
Todos os envolvidos no processo educacional da escola po-
dem e devem avaliar o professor: a prática pedagógica; a escola:
A concretização da avaliação de contexto na Educação In-
o projeto educacional; o próprio sistema: a produtividade da po-
fantil sugere, além do aprofundamento das temáticas emergi-
lítica educacional; o aluno: a construção do conhecimento.
das da prática pedagógica, na relação direta com as crianças,
Podemos dizer que a prática educativa na escola se torna
sujeitos principais do processo educativo, a promoção de uma
mais democrática quando envolvemos os alunos como sujeitos
“consciência pedagógica”, nos(as) professores(as), na busca de
do próprio processo de construção de conhecimento. Para que
práticas que garantam umconceito de qualidade. Significa dizer
isso possa ocorrer, há necessidade de um maior aprimoramen-
que a avaliação precisa estar vinculada aos demais processos
to no campo didático-pedagógico daqueles que se propõem a
educativos: planejar, observar, registrar e documentar, como
atuar como docentes.
A necessidade de competência didático-pedagógica é pres- recursos que representam a materialização dos procedimentos,
suposto essencial para o exercício da atividade magisterial no propiciando condições para uma avaliação voltada ao percurso,
Ensino Fundamental e Ensino Médio, garantindo aos alunos um no decorrer dos encaminhamentos dados diariamente por cada
professor habilitado especificamente para as funções de magis- professora e ou grupo de profissionais da Educação Infantil. Nes-
tério, com conhecimentos específicos voltados ao processo en- se sentido, o objetivo central da avaliação de contexto não é o
sino-aprendizagem, visando a socialização do saber. resultado final, mas o processo pedagógico, vivenciado cotidia-
Podemos dizer que o perfil do professor adequado ao ensi- namente em uma rede relacional, com diferentes sujeitos que
no seria o daquele que estaria preparado não só em conteúdo, compõem os espaços da Educação Infantil – crianças, profissio-
mas em um conjunto de conhecimentos, técnicas e habilidades nais com diferentes funções, família e comunidade.
para atuar de forma consciente e coerente com a realidade do Aprender a registrar o contexto, é de suma importância
aluno. Pensamos que isso se deve tornar imprescindível para tomando por base o planejamento pedagógico ora proposto. A
podermos chegar ao perfil do aluno que nos propomos a formar, partir dos registros realizados, torna-se possível conhecer asdes-
ou seja, um aluno crítico, construtivo e participativo, consciente cobertas e experiências das crianças no contexto de vida da ins-
da necessidade de seu interesse pelas questões e pelos proble- tituição. A atenção e as observações se direcionam aos fazeres
mas sociais. educacionais e pedagógicos das situações planejadas, trazendo
Nesse caso, é de maior importância que, no processo ensi- contribuições reflexivas, posteriores a replanejamentos.
no-aprendizagem, as informações teóricas se completem com A avaliação de contexto favorece que a organização edu-
exercícios práticos. Teoria e prática não são compartimentos es- cacional e pedagógica da instituição e de cada espaço que a
tanques, são elementos que se interagem para a produção do compõe seja assumida por um tempo e por uma espacialidade
conhecimento do aluno. capaz de potencializar a vida no percurso cotidiano dos alunos.
A Educação, no contexto sociocultural atual, deve ter outras Essa dimensão da avaliação de contexto resplandece, além de
preocupações que não a reprodução de uma ideologia que man- uma posição epistemológica, uma posição política, naquilo que
tém os interesses de uma minoria. visa às máximas possibilidades das crianças de vivenciar seus di-
O aluno é um ser ativo, que pensa, que questiona os pres- reitos, em um espaço de educação democrático e, por isso, de
supostos que lhe são apresentados. E ele deve discutir, deve se qualidade.
colocar inteiramente dentro do assunto a ser apreciado com
esta capacidade crítica que é inerente a qualquer ser humano. O
professor deve ser o bom ouvinte, deve observar e conhecer o
alunado, propondo metodologias compatíveis com a formação O COMPORTAMENTO INFANTIL.
do aluno, e buscar melhorar com esse comportamento a relação
ensino-aprendizagem (ARAGÃO, 1993:42).
O importante é despertar no aluno uma imaginação que A primeira infância se caracteriza como o período de adap-
produza o novo, a realização de um programa de democratiza- tação progressiva ao meio físico e social, e nessa fase a afetivi-
ção dos processos e métodos de ensino; é transformar a sala de dade contribui, sem dúvidas, para o desenvolvimento cognitivo
aula num laboratório de criatividade. e moral da criança. É nesse instante que ocorre um rompimento
O professor que domina totalmente o conteúdo da discipli- da vida estritamente familiar para iniciar-se uma nova experiên-
na que leciona pode ser um bom professor, mas nem sempre cia. Entretanto para que a criança tenha um desenvolvimento
será um educador, pois educador é aquele que dá aos alunos saudável em todos os aspectos – cognitivo, biológico e sócio afe-
os instrumentos necessários ao seu desenvolvimento como ele- tivo – é necessário que ela se sinta segura e acolhida. Por isso, é
mento crítico e transformador da realidade social. de extrema importância que o ambiente no qual a criança será
submetida,proporcione relações interpessoais positivas e com
Fonte: https://www.construirnoticias.com.br/a-pratica-pe- uma abordagem integrada, enxergando a criança em sua totali-
dagogica-do-professor/ dade. Afetividade não significa apenas dar o carinho fisico mas
sim uma preparação para o desenvolvimento cognitivo, capaci-
tando o indivíduo para que se torne um sujeito crítico, autôno-
mo, e responsável. Ela deve atravessar todos os momentosdo

32
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

desenvolvimento da vida da criança, pois a afetividade se mani- Nesse constante fazer dentro da instituição educacional, há
festa pelos interesses, pela motivação, pelo grau de dinamismo momentos em que uma ação pedagógica incisiva se faz necessá-
e pela energia. ria, pois o educador, em algumas situações, necessita cobrar dos
Quando usamos o termo “lúdico” (que do latim significa pais e demais profissionais, atitudes que visam ao melhor de-
brincar), buscamos o real aprendizado . Isso porque quando o senvolvimento da criança. Essa ação, por vezes, não é bem acei-
afeto e o “brincar” estão juntos, o aprendizado esta garantido. ta. A família se sente invadida na sua intimidade, recusando-se
Os jogos e as brincadeiras têm como objetivo desenvolver a a enxergar o que não dá mais para esconder e, nesse momento,
aprendizagem pela compreensão do mundo e do saber. Segun- o educador incomodado com o descaso por parte da família, se
do Vygotsky (1991), a “brincadeira possui três características: a pergunta: Afinal, quem cuida? Quem educa?
imaginação, a imitação e a regra. Elas estão presentes em todos Torna-se necessária uma parceria de todos para o bem-es-
os tipos de brincadeiras infantis, tanto nas tradicionais, naquelas tar do educando. Cuidar e educar envolve estudo, dedicação,
de faz-de-conta, como nas que exigem regras.” cooperação, cumplicidade e, principalmente, amor de todos os
O aluno cria seu próprio mundo de fantasias, que os levam
responsáveis pelo processo, que se mostra dinâmico e em cons-
ao encontro do “eu”. Como o brinquedo é o objeto que tem
tante evolução.
papel fundamental na vida da criança, isso possibilita que o
Por outro lado, é imprescindível conhecer a natureza e as
trabalho pedagógico estimule a afetividade na criança, e é por
meio desses brinquedos que o aluno vai demonstrar seus sen- raízes históricas da educação infantil, os desdobramentos da
timentos e as suas necessidades. A socialização e a criatividade prática educacional nas instituições responsáveis e as influên-
ganham destaques porque garantem um bom relacionamento cias que exerceram e ainda exercem nas diretrizes pedagógicas
entre as pessoas que estão no jogo.A relação entre a afetividade dessa área. Além disso, há necessidade de caracterizar ampla-
e a aprendizagem tem influência fundamental que garantem ao mente o conceito, a especificidade e as peculiaridades do cuidar
aluno um ensino de qualidade, além de contribuir na formação e do educar no contexto contemporâneo da prática pedagógica,
da criticidade, solidariedade, criatividade e felicidade. A escola baseando-se nos autores que discutem essa questão e na legis-
é o local onde a criança complementa as formações cognitivase lação atual.
afetivas.Quandouma criança não sente segurança no local onde
passa muito tempo de sua vida, dificilmente os conhecimentos 2.1. HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL
transmitidos serão assimilados. Portanto, o papel da escola é o
de acolher e de transmitir afeto para seus alunos. Assim, será As instituições de educação infantil nasceram na França,
formada uma criança sociável, disposta a aprender cada vez no século XVIII, em resposta à situação de pobreza, abandono
mais e a buscar novas respostas e novos caminhos. Nada para e maus-tratos de crianças pequenas, cujos pais trabalhavam em
ela será dificuldade, sendo ela preparada para a vida, podendo fábricas, fundições e minas, criadas pela Revolução Industrial.
sentir que o educador é um amigo que tem e espera respeito. Todavia, os objetivos e formas de tratar as crianças dos extratos
sociais mais pobres da sociedade não eram consensuais. Setores
da elite defendia a ideia de que não seria bom para a sociedade
como um todo, que se educasse as crianças pobres, era propos-
O CUIDAR E O EDUCAR. ta a educação da ocupação e da piedade (OLIVEIRA, 1995).
Durante muito tempo, as instituições infantis, incluindo as
brasileiras, organizavam seu espaço e sua rotina diária em fun-
O EDUCAR E O CUIDAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL ção de ideias de assistência, de custódia e de higiene da criança.
A década de 1980 passou por um momento de ampliação do
Embora existam situações na qual o modelo antigo ainda
debate a respeito das funções das instituições infantis para a so-
ocorra, que em determinados momentos há um responsável
ciedade moderna, que teve início com os movimentos populares
para cuidar e outro para educar, atualmente a discussão vai mui-
dos anos 1970 (WAJSKOP, 1995).
to além dessa análise simplificada. Cuidar e educar, de acordo
com as novas diretrizes, devem caminhar juntos. Percebe-se nos A partir desse período, as instituições passaram a ser pensa-
dias de hoje e apoiado nos paradigmas emergentes da comple- das e reivindicadas como lugar de educação e cuidados coletivos
xidade (DEMO, 2002; MORIN, 2002) e da visão sistêmica rela- das crianças de zero a seis anos.
cionada ao ser vivo (CAPRA, 2001; CAPRA, 2002; MATURANA & A abertura política permitiu o reconhecimento social desses
VARELA, 2001), o indivíduo como ser global, não fragmentado direitos manifestados pelos movimentos populares e por grupos
e não linear, em todos os momentos e em todas as situações, organizados da sociedade civil. A Constituição de 1988 (art. 208,
ou seja, cuidar e educar, contemplando de forma democrática inciso IV), pela primeira vez na história do Brasil, definiu como
todas as diferenças e, ao mesmo tempo, a natureza complexa do direito das crianças de zero a seis anos se idade e dever do Esta-
indivíduo. Plenamente entendidas e aplicadas, cuidar e educar do o atendimento à infância.
caminham simultaneamente e de maneira indissociável, possibi- Muitos fatos ocorreram de forma a influenciar essas mu-
litando que ambas as ações construam na totalidade, a identida- danças: o desenvolvimento urbano, as reivindicações populares,
de e a autonomia da criança. o trabalho da mulher, a transformação das funções familiares, as
A ação conjunta dos educadores e demais membros da ideias de infância e as condições socioculturais para o desenvol-
equipe da instituição é essencial para garantir que o cuidar e vimento das crianças.
o educar aconteçam de forma integrada. Essa atitude deve ser Constituir-se em um equipamento só para pobres, princi-
contemplada desde o planejamento educacional até a realiza- palmente no caso das instituições de educação infantil, finan-
ção das atividades em si. ciadas ou mantidas pelo poder público, significou, em muitas

33
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

situações, atuar de forma compensatória para sanar as supostas Nesse processo, a educação infantil poderá auxiliar o de-
faltas e carências das crianças e de suas famílias. A tônica do senvolvimento das capacidades de apropriação e conhecimento
trabalho institucional foi pautada por uma visão que estigmati- das potencialidades corporais, afetivas, emocionais, estéticas e
zava a população de baixa renda. A concepção educacional era éticas, na perspectiva de contribuir para a formação de crianças
marcada por características assistencialistas, sem considerar as felizes e saudáveis.
questões de cidadania ligadas aos ideais de liberdade e igual- O processo educativo é realizado de várias formas: na fa-
dade. mília, na rua, nos grupos sociais e, também, na instituição. Edu-
Modificar essa concepção de educação assistencialista sig- car, nessa primeira etapa da vida, não pode ser confundido com
nifica atentar para várias questões que vão além dos aspectos cuidar, ainda que crianças (especialmente as de zero a 3 anos)
legais. Envolve, principalmente, assumir as especificidades da necessitem de cuidados elementares para garantia da própria
educação infantil e rever concepções sobre a infância, as rela- sobrevivência. O que deve permear a discussão não são os cui-
ções entre classes sociais, as responsabilidades da sociedade e o dados que as crianças devem receber, mas o modo como elas
papel do Estado diante de crianças pequenas. devem recebê-los, já que se alimentar, assear-se, brincar, dor-
mir, interagir são direitos inalienáveis à infância (GARCIA, 2001).
Embora haja um consenso sobre a necessidade de que a
Para educar, faz-se necessário que o educador crie situações
educação para as crianças pequenas deva promover a integra-
significativas de aprendizagem, se quiser alcançar o desenvolvi-
ção entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos e
mento de habilidades cognitivas, psicomotoras e socioafetivas,
sociais da criança, considerando que esta é um ser completo e
mas e, sobretudo, fundamental que a formação da criança seja
indivisível, as divergências estão exatamente no que se entende vista como um ato inacabado, sempre sujeito a novas inserções,
sobre o que seja trabalhar com cada um desses aspectos. a novos recuos, a novas tentativas.
Polêmicas sobre cuidar e educar, sobre o papel do afeto na
relação pedagógica e sobre educar para o desenvolvimento ou 2.4. FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL
para o conhecimento, tem se constituído no pano de fundo so-
bre o qual se constroem as propostas em educação infantil. As funções do profissional de educação infantil estão pas-
sando por reformulações profundas. O que se esperava dele há
2.3. EDUCAR algumas décadas, não corresponde mais aos dias atuais. Nessa
perspectiva, os debates estão indicando a necessidade de uma
É de suma importância que as instituições de educação formação mais abrangente e unificadora para educadores infan-
infantil incorporem de maneira integrada as funções de cuidar tis e de uma reestruturação dos quadros de carreira que levem
e educar, não mais diferenciando, nem hierarquizando os pro- em consideração os conhecimentos já acumulados no exercício
fissionais e instituições que atuam com crianças pequenas ou profissional, bem como possibilite a atualização profissional.
àqueles que trabalham com as de mais idade. As novas funções A LDB (Lei de Diretrizes e Bases) dispõe, no título VI, art. 62:
da educação infantil devem estar associadas a padrões de quali- A formação de docentes para atuar na educação básica far-
dade. Essa qualidade advém de concepções de desenvolvimento -se-á em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação
que consideram as crianças nos seus contextos sociais, ambien- plena, em universidades e institutos superiores de educação,
tais, culturais e, mais concretamente, nas interações e práticas admitida, como formação mínima para o magistério na educa-
sociais que lhes fornecem elementos relacionados às mais diver- ção infantil e nas quatro primeiras séries do ensino fundamen-
sas linguagens e ao contato com os mais variados conhecimen- tal, a oferecida em nível médio, na modalidade normal.
tos para a construção da autonomia. Isso significa que as redes de ensino deverão colocar-se a
A instituição de educação infantil deve tornar acessível tarefa de investir de maneira sistemática na capacitação e atua-
a todas as crianças que a frequentam, indiscriminadamente, lização permanente e em serviço de seus educadores, aprovei-
elementos da cultura que enriquecem o seu desenvolvimento tando as experiências acumuladas daqueles que já vêm traba-
lhando com crianças há mais tempo e com qualidade.
e inserção social. Cumpre um papel socializador, propiciando
Nessa perspectiva, faz-se necessário que os profissionais,
o desenvolvimento da identidade das crianças, por meio de
nas instituições de educação infantil, tenham ou venham a ter
aprendizagens diversificadas, realizadas em situações de intera-
uma formação inicial sólida e consistente, acompanhada de ade-
ção (BRASIL, 1998, p. 23).
quada e permanente atualização em serviço. Assim, o diálogo,
Pode-se oferecer às crianças, condições para as aprendi- no interior da categoria, tanto quanto os investimentos na car-
zagens que ocorrem nas brincadeiras e àquelas advindas de si- reira e formação do profissional pelas redes de ensino, é, hoje,
tuações pedagógicas intencionais ou aprendizagens orientadas desafio presente, com vista à profissionalização do decente de
pelos adultos. Contudo, e importante ressaltar que essas apren- educação infantil.
dizagens, de natureza diversa, ocorrem de maneira integrada O trabalho direto com as crianças pequenas exige que o
no processo de desenvolvimento infantil. Educar significa, por- educador tenha uma competência polivalente. Ser polivalente
tanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendi- significa que ao educador cabe trabalhar com conteúdos de na-
zagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir turezas diversas que abrangem desde cuidados básicos essen-
para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação in- ciais até conhecimentos específicos provenientes das diversas
terpessoal, de ser e estar com os outros em uma atitude básica áreas do conhecimento. Este caráter polivalente demanda, por
de aceitação, de respeito e confiança, e o acesso, pelas crianças sua vez, uma formação bastante ampla e profissional que deve
aos conhecimentos mais amplos da realidade social e cultural. tornar-se, ele também, um aprendiz, refletindo constantemen-

34
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

te sobre sua prática, debatendo com seus pares, dialogando com Brincar com outras crianças é muito diferente de brincar
as famílias e a comunidade e buscando informações necessárias somente com adultos. O brinquedo entre pares possui maior
para o trabalho que desenvolve. São instrumentos essenciais para variedade de estratégias de improviso, envolve mais negocia-
reflexão sobre a prática direta com as crianças a observação, o ções e é mais criativo (Sawyer, 1997). Assim, ao brincar com
registro, o planejamento e a avaliação (BRASIL, 1998, p. 41). seus companheiros, a criança aprende sobre a cultura em que
Para que os projetos educativos das instituições possam, vive, ao mesmo tempo em que traz novidades para a brincadei-
de fato, representar esse diálogo e debate constante, é preci- ra e ressignifica esses elementos culturais. Aprende, também, a
so ter educadores que estejam comprometidos com a prática negociar e a compartilhar objetos e significados com as outras
educacional, capazes de responder às demandas familiares e crianças.
das crianças, assim como às questões específicas relativas aos O brincar também permite que a criança tome certa distân-
cuidados e aprendizagens infantis. cia daquilo que a faz sofrer, possibilitando-lhe explorar, reviver
A formação do educador infantil deve estar baseada na con- e elaborar situações que muitas vezes são difíceis de enfrentar.
cepção de educação infantil. Deve buscar a superação da dicoto- Autores clássicos da psicanálise, como Freud (1908) e Melanie
mia educação / assistência, levando em conta o duplo objetivo Klein (1932, 1955), ressaltam a importância do brincar como um
da educação infantil de cuidar e educar. meio de expressão da criança, contexto no qual ela elabora seus
A formação deve ser entendida como direito do profissio- conflitos e demonstra seus sentimentos, ansiedades desejos e
nal, o que implica a indissociabilidade entre formação e profis- fantasias.
sionalização. Diferentes níveis e estratégias de formação devem Já Winnicott (1975), pediatra e psicanalista inglês, faz refe-
ser geradores de profissionalização, tanto em termos de avanço rência à dimensão de criação presente no brincar. Segundo esse
na escolaridade, quanto no que se refere à progressão na carrei- autor, é muito mais importante o uso que se faz de um objeto e
ra (GARCIA, 2001). o tipo de relação que se estabelece com ele do que propriamen-
Para responder à diversidade de situações hoje existentes te o objeto usado. A ênfase está no significado da experiência
nas instituições infantis e à multiplicidade de profissionais que para a criança. Brincando, ela aprende a transformar e a usar os
atuam na área, torna-se necessário elaborar e avaliar propostas objetos, ao mesmo tempo em que os investe e os “colore” con-
diferenciadas de formação.
forme sua subjetividade e suas fantasias. Isso explica por que,
É necessário também aprofundar os estudos sobre especifi-
muitas vezes, um urso de pelúcia velho e esfarrapado tem mais
cidades do trabalho com crianças de diferentes idades dentro da
importância para uma criança do que um brinquedo novo e re-
faixa etária de zero a 6 anos
pleto de recursos, como luzes, cores, sons e movimento.
Dessa forma, percebe-se como o brincar é algo essencial
para o desenvolvimento infantil. Uma criança que não consegue
brincar deve ser objeto de preocupação. Disponibilizar espaço e
OS AMBIENTES DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO tempo para brincadeiras, portanto, significa contribuir para um
INFANTIL: A BRINCADEIRA E O DESENVOLVIMENTO DA desenvolvimento saudável. É importante também que os adul-
IMAGINAÇÃO E DA CRIATIVIDADE; tos resgatem sua capacidade de brincar, tornando-se, assim,
mais disponíveis para as crianças enquanto parceiros e incenti-
Embora, atualmente, a importância do brincar para o de- vadores de brincadeiras.
senvolvimento infantil seja amplamente reconhecida, é comum
observarmos crianças, por vezes muito pequenas, com uma A brincadeira na educação e suas perspectivas
rotina bastante atribulada, tomada por diversas atividades e
compromissos. Muitas vezes, fica difícil encontrarmos alguma O lúdico é importante na educação infantil é através dele
brecha, na correria do dia a dia dessas crianças, na qual elas que a criança vem a desenvolver habilidades para a aprendiza-
possam, simplesmente, ter espaço e tempo para brincar. Mas, gem se efetivar.
afinal, por que o brincar é considerado algo tão importante para A educação lúdica sempre esteve presente em todas as épo-
o desenvolvimento das crianças? cas entre os povos e estudiosos, sendo de grande importância
Segundo Vygotsky (1989) - o brincar cria a chamada zona no desenvolvimento do ser humano na educação infantil e na
de desenvolvimento proximal, impulsionando a criança para sociedade.
além do estágio de desenvolvimento que ela já atingiu. Ao brin- Os jogos e brinquedos sempre estiveram presentes no ser
car, a criança se apresenta além do esperado para a sua idade humano desde a antiguidade, mas nos dias de hoje a visão so-
e mais além do seu comportamento habitual. Para Vygotsky, o bre o lúdico é diferente. Implicam-se o seu uso e em diferentes
brincar também libera a criança das limitações do mundo real, estratégias em torno da pratica no cotidiano.
permitindo que ela crie situações imaginárias. Ao mesmo tempo Para que o lúdico contribua na construção do conhecimento
é uma ação simbólica essencialmente social, que depende das faz-se necessário que o educador direcione toda a atividade es-
expectativas e convenções presentes na cultura. Quando duas tabeleça os objetivos fazendo com que a brincadeira tenha um
crianças brincam de ser um bebê e uma mãe, por exemplo, elas caráter pedagógico e não uma mera brincadeira, promovendo
fazem uso da imaginação, mas, ao mesmo tempo, não podem se assim, interação social e o desenvolvimento de habilidades in-
comportar de qualquer forma; devem, sim, obedecer às regras telectivas.
do comportamento esperado para um bebê e uma mãe, dentro
de sua cultura. Caso não o façam, correm o risco de não serem
compreendidas pelo companheiro de brincadeira.

35
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

Contexto Histórico da Ludicidade Nesse contexto, o lúdico torna-se uma das formas adequa-
das para a aprendizagem dos conteúdos escolares, em que o
A história da humanidade a partir da Idade Média mostra professor deverá usá-lo como uma ferramenta fundamental na
que os jogos, embora sempre presentes nas atividades sócio prática pedagógica.
educacionais, não eram vistos como um recurso pedagógico O lúdico no contexto histórico do Brasil surgiu por meio de
capaz de promover a aprendizagem, mas tendo como foco as raízes folclóricas nos quais diversos estudos clássicos apontam
atividades recreativas que as origens brasileiras são provenientes da mistura de três
Ariés (1981) afirma que: raças, negros, índios e portugueses durante o processo de sua
Na Idade Média, os jogos eram basicamente destinados aos colonização.
homens, visto que as mulheres e as crianças não eram conside- Em virtude da ampla miscigenação étnica a partir do primei-
radas cidadãos e, por conseguinte, estando sempre à margem, ro grupo de colonização, fica difícil precisar a contribuição espe-
não participavam de todas as atividades organizadas pela socie- cifica de brancos, negros e índios nos jogos tradicionais infantis
dade. Porém, em algumas ocasiões nas quais eram realizadas atuais no Brasil.
É bastante conhecida a influencia portuguesa através de
as festas da comunidade, o jogo funcionava como um grande
versos, advinhas e parlendas.
elemento de união entre as pessoas.
Sobre isso Kishimoto (2002, p.22), afirma que:
Ariès, relata que apenas os homens tinham o privilegio de
participar dos jogos, pois nesse período as mulheres e as crian-
Desde os primórdios da colonização a criança brasileira
ças não exerciam esse direito, por não serem considerados cida- vem sendo ninada com cantigas de origem portuguesas. E gran-
dãos. Na Idade Média as crianças eram vista como adultos em de parte dos jogos tradicionais popularizados no mundo intei-
miniaturas e tinham que trabalhar, raramente os meninos eram ro como, jogo o de saquinho (ossinho), amarelinha, bolinha de
inseridos nas brincadeiras. gude, jogo de botão, pião e outros, chegou ao Brasil, sem dúvida
Apesar de todas essas restrições, nos momentos festivos os por intermédio dos primeiros portugueses. Posteriormente, no
jogos eram considerados um instrumento de união e integração Brasil receberam novas influencias aglutinando-se com outros
entre a comunidade. elementos folclóricos como, o do povo negro e do índio.
No Renascimento, inicia-se o período no qual uma nova
concepção de infância desponta e tem como características o Kishimoto relata que as brincadeiras e as cantigas que fa-
desenvolvimento da inteligência mediante o brincar, alterando a zem parte da cultura brasileira, receberam fortes influencias dos
ideia anterior de que o jogo era somente uma distração. portugueses, não descartando a contribuição de outras culturas
Sobre isto, Kishimoto (2002, p. 62) afirma que: de povos, como a do negro e do índio.
Muitos pesquisadores denominam o século XXI como o
O renascimento vê a brincadeira como conduta livre que fa- século da ludicidade. Peiodo que a diversão, lazer e entreteni-
vorece o desenvolvimento da inteligência e facilita o estudo. Por mento, apresentam-se como condições muito pesquisadas pela
isso, foi adotada como instrumento de aprendizagem de conteú- sociedade. E por tornar-se a dimensão lúdica alvo de tantas
dos escolares. Para se contrapor aos processos verbalistas de en- atenções e desejos, faz-se necessário e fundamental resgatar
sino, à palmatória vigente, o pedagogo deveria dar forma lúdica sua essência, dedicando estudos e pesquisas no sentido de evo-
aos conteúdos. car seu real significado.
Dalla Valle, (2010, p.22) relata que:
A autora confirma a informação de que durante o Renas-
cimento o jogo serviu para divulgar princípios de moral, ética e independente do tempo historico; o ato de brincar possibili-
conteúdos de áreas como história e geografia, com base de que ta uma ordenação da realidade, uma oportunidade de lidar com
o lúdico era uma conduta livre que favorecia o desenvolvimento regras e manifestações culturais, além de lidar com outro, seus
anseios, experimentando sensações de perda e vitória.
da inteligência, facilitando o estudo. Iniciando um processo de
entendimento por parte das sociedades, com relação a algumas
Dalla Valle, considera que a importancia do brincar não
especificidades infantis, mudando a concepção de que as crian-
depende do espaço e nem do tempo o qual está inserido, em
ças eram adultas em miniatura.
qualquer contexto desempenha muito bem seu papel de opor-
No Romantismo o jogo aparece como conduta típica e es- tunizar a criança à compreensão de regras, de estar em grupo e
pontânea da criança, que com sua consciência poética do mun- poder absorver para sua vida manifestações culturais e emoções
do, reconhece a mesma como uma natureza boa, mais que um novas por meio das brincadeiras infantis.
ser em desenvolvimento com características próprias, embora É por isso que a proposta de incluir as atividades lúdicas na
passageiras, a criança é vista como um ser que imita e brinca educação infantil vem sendo discutida por muitos pensadores e
dotada de espontaneidade e liberdade, semelhante à alma do educadores, que a formação do educador seja de total respon-
poeta. sabilidade pela permanência do aluno na escola, para adquirir
Froebel 1913, foi influenciado pelo grande movimento de valores, melhorar os relacionamentos entre os colegas na socie-
seu tempo em favor do jogo. Ao elaborar sua teoria da lei da co- dade que é um direito de todos.
nexão interna, percebe que o jogo resulta em benefícios intelec- O sentido real, verdadeiro, funcional da educação lúdica
tuais, morais e físicos e o constitui como elemento importante estará garantindo se o educador estiver preparado para realizá-
no desenvolvimento integral da criança. -lo. Nada será feito se ele não tiver um profundo conhecimento

36
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

sobre os fundamentos essenciais da educação lúdica, condições Após essa rápida análise da teoria Socioantropológica per-
suficientes para socializar o conhecimento e predisposição para cebe-se que para ela o jogo é antes de tudo um lugar de cons-
levar isso adiante (ALMEIDA, 2000, p.63) trução de uma cultura lúdica e que para o jogo existir tem que
Encontra-se nos dias de hoje, lugares que ainda não colo- haver uma cultura pré-existente a ele.
caram em seu cotidiano, atividades lúdicas para enriquecer as É dentro do quadro do Romantismo que o jogo aparece
ferramentas para o processo de ensino e aprendizagem. A edu- como conduta típica e espontânea da criança. Nascendo neste
cação lúdica sempre esteve presente em todas as épocas, é ain- período as Teorias filosóficas onde podemos citar como um dos
da desvalorizado em algumas instituições. defasando o processo maiores contribuintes desta teoria o Filósofo Froebel reconhe-
de construção de conhecimento. cido como o “psicólogo da infância”, ele acreditou na criança,
enalteceu sua perfeição, valorizou sua liberdade e desejou a ex-
Os Vários Olhares Sobre a Ludicidade pressão na natureza infantil por meio de brincadeiras livres e
espontâneas.
Existem muitos olhares, e muitos contares de pessoas que Sobre isto Kishimoto afirma que Froebel:
vivem, pensam e escrevem sobre a ludicidade, nos possibilitan-
do ter ideias do papel e da importância deste termo tão discuti- Sustenta que a repreensão e a ausência de liberdade à
do e utilizado na educação infantil. criança impedem a ação estimuladora da atividade espontânea,
Evoluímos muito no discurso a cerca do brincar e reconhe- considerada elemento essencial no desenvolvimento físico, inte-
cemos cada vez mais seu significado para a criança e suas pos- lectual e moral. (O Brincar e suas teorias, p.60)
sibilidades nas áreas da educação, cultura e lazer. Abordaremos
aqui três Teorias: a Sociantropológica, Filosófica e Psicológica, De acordo com a afirmação acima se percebe o quanto é
como exemplos desta vastidão de “olhares’ sobre a ludicidade”. importante para a criança que esta em fase de desenvolvimento
Nesses “vários olhares sobre a ludicidade” percebe-se que a liberdade de brincar, de experimentar, e de ter a oportunidade
não há uma concordância entre suas ideias, muito pelo contrá- de criar e recriar, possibilitando-a desenvolver suas habilidades
rio as dissonâncias foram fundamentais para que houvesse di- físicas, intelectuais e morais.
ferentes embasamentos teórico-metodológico que sustentaram
Sobre esta teoria e sobre a prática froebeliana há quem afir-
suas obras.
me que teria havido uma ruptura da prática à passagem a práti-
Nas teorias Socioantropológicas verifica-se o ato de brincar
ca, pós haveria jardineiras comandando a cultura infantil a partir
como uma ação psicológico onde o brincar seria oposto a realidade.
de orientações minuciosas, destinadas à aquisição de conteúdos
Sobre isto Brougère afirma:
escolares.
E por fim, as Teorias Psicológicas, essa teoria comtempla a
Brincar é visto como um mecanismo psicológico que garan-
concepção de que toda a atividade é lúdica desde que ela exerça
te ao sujeito manter certa distância em relação ao real, fiel na
concepção de Freud, que vê no brincar o modelo do princípio por si mesma (pela criança), sem que seja pressionada por outro
de prazer oposto ao princípio da realidade. Brincar torna-se o individuo.
arquétipo de toda atividade cultural que, como a arte, não se Segundo Dantas, esta teoria é marcada pela dialética Wal-
limita a uma relação simples como o real. (O Brincar e suas teo- loniana, que afirma-se simultaneamente um estado atual e uma
rias, 2002, p.19) tendência futura:

Essa concepção traduz a psciologização contemporânea do as atividades surgem liberadas, livres, exercendo-se pelo
brincar, ou seja, tenta justificar a necessidade de um individuo simples prazer que encontram em fazê-lo.( O Brincar e suas teo-
de se isolar das influências do mundo, durante uma brincadeira. rias, 2002, p.113).
Ainda sobre esta concepção Brougère afirma:
Concepções como essas apresentam o defeito de não levar Como exemplo de uma ação que esta dentro desta concep-
em conta a dimensão social da atividade humana que o jogo, ção é o ato do andar de um bebê, como afirma Heloysa Dantas:
tanto quanto outros comportamentos não podem descartar. Em certo sentido, pode-se dizer que toda a motricidade infantil
Brincar não é uma dinâmica interna do indivíduo, mas uma é lúdica, marcada por uma expressividade que supera de longe a
atividade dotada de uma significação social precisa que, como instrumentalidade. (O Brincar e suas teorias, 2002, p. 114)
outras, necessitam de aprendizagem. (O Brincar e suas teorias, No que compreende a revolução do brincar esta teoria afir-
2002, p.20) ma que não somente durante a fase de se quando é um bebê
A concepção socioantropológica, também garante que o que ocorre o mesmo padrão lúdico, mas se repete mais tarde
processo de aprendizagem é que torna possível o ato de brincar, em novos patamares do desenvolvimento como afirma Heloy-
pois afirma que antes que a criança brinque ela tem que apren- sa Dantas: O grafismo é um bom exemplo de anterioridade do
der a brincar, reconhecendo assim certas características essen- gesto em relação à intenção: a criança de três a quatro anos dirá
ciais do jogo como o aspecto fictício que possui alguns deles. A que ainda não sabe o que esta desenhando, por que ainda não
respeito disto, Brougère, afirma: acabou.(O Brincar e suas teorias, 2002, p.116)
Há, portanto, estruturas preexistentes que definem a ativi- Esta concepção também busca justificar o porquê de que
dade lúdica em geral, e cada brincadeira em particular, e a crian- as crianças têm facilidades em aprender a manusear certos ob-
ça as aprende antes de utiliza-la em novos contextos, sozinha, jetos, o qual os adultos encontram dificuldades. De acordo com
ou em brincadeiras solitárias, ou então com outras crianças. (O Dantas: Brincar com palavras, com letras, com o computador:
Brincar e suas teorias, 2002, p.22) manuseá-los livremente, ludicamente, antes de dar a este ma-

37
CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS

nuseio um caráter instrumental.[...] as crianças aprendem infor- De acordo com Froebel, por meio da atividade livre, que as
mática mais depressa do que os adultos brincam com o compu- brinquedotecas podem proporcionar, a criança desenvolve sua
tador, antes de tentar “usa-lo para”. (O Brincar e suas teorias, estrutura física e psíquica, permitindo que a mesma cresça livre-
2002, p.116) mente. Já os brinquedos irão ajudar na realização das atividades
Nesta teoria reforça-se a ideia de que o brincar aproxima-se que serão aplicadas. E assim a criança aprende com aquilo que
de fazer arte, como afirma Heloysa Dantas: lhe é natural, o brincar.
Pela reiteração do termo brincar quero sublinhar o caráter Segundo Nylse Helena da Silva Cunha, Presidente da Asso-
caprichoso e gratuito destas atividades, em que o adulto propõe ciação Brasileira de Brinquedotecas (ABB):
mas não impõe, convida mas não obriga, mantém a liberdade a Brinquedoteca é um espaço preparado para estimular a
através da oferta de possibilidades alternativas. (O Brincar e criança a brincar, possibilitando o acesso a uma grande varie-
suas teorias, p. 117) dade de brinquedos, dentro de um ambiente especialmente
Dentro desta concepção também estão envolvidos relações lúdico. É um lugar onde tudo convida a explorar, a sentir, a ex-
entre o jogo e o trabalho, sobre isso, Heloysa Dantas afirma que: perimentar.
para Dewey o trabalho aparece como objetivação do pensamen- De acordo com Cunha a brinquedoteca proporciona a crian-
to, como aquela atividade que pode adicionar ao prazer do pro- ça estímulos para que ela possa desenvolver suas capacidades,
cesso o beneficio do produto. (O Brincar e suas teorias, p.118) permitindo que mesma tenha acesso a brinquedos diversifica-
Esta concepção afirma que o jogo tem o fator decisivo para dos em um ambiente apropriado e cheio de atrativos, onde ela
assegurar o desenvolvimento natural da criança, pós relata que possa explorar e se desenvolver cognitivamente.
todos os povos em todos os tempos contaram com os jogos Ressalta-se então, a importância da brinquedoteca no meio
como parte importante da educação de crianças, especialmente educacional como espaço que propicia diversos estímulos num
de crianças pequenas. momento tão decisivo como a infância, pois é nesta fase que
ocorre o desenvolvimento harmonioso e consciente do educan-
Brinquedoteca: Um Espaço de Construção do Lúdico. do, o que permite ampliar suas habilidades e capacidades de
forma global.
Pode-se dizer que a Brinquedoteca é um espaço que per-
As brinquedotecas no Brasil começaram a surgir nos anos
mite na contemporaneidade, o resgate em vivenciar o lúdico
80. Como toda ideia nova, apesar do encantamento que desper-
esquecido pelas pessoas, e negado às crianças. Mas, acima de
ta, tem que enfrentar dificuldades não somente para conseguir
tudo como destaca CUNHA (2001, p. 16), ela tem a função de
sobreviver economicamente, mas também para se impor como
“fazer as crianças felizes, este é o objetivo mais importante”.
instituição reconhecida e valorizada a nível educacional.
Cunha afirma que, a Brinquedoteca proporciona à criança a
A incorporação do jogo como recurso para desenvolver e
felicidade do brincar de forma livre e muito significativa para o
educar a criança, especialmente da faixa pré-escolar, cresce pa-
desenvolvimento físico e cognitivo da criança.
ralelamente à expansão de creches, estimulada por movimentos A principal implicação educacional da brinquedoteca é a
sociais de reivindicações populares. valorização d