Você está na página 1de 12

NOVO

1
o
. PROGRAMA
CICLO DE
PORTUGUÊS
Marisa Costa
Paula Melo

o
1. e 2.o TAREFAS organizadas por temas:

ANOS – Consciência fonológica


– Compreensão do oral
– Ensino da leitura: decifração
Apresentação
«Ler é sempre uma forma de viajar, quer o mediador da viagem seja um livro, uma revista, o ecrã de um
computador ou de um telemóvel. O passaporte exigido para essa viagem chama-se aprender a ler1».

Esta brochura surge no âmbito da formação do Novo Programa de Português do Ensino Básico para o
1.º ciclo e aborda três competências:
• Leitura (decifração).
• Compreensão do oral.
• Conhecimento explícito da língua (plano fonológico).

É apresentada uma breve síntese e descrição de cada uma das competências, apontando os aspectos
essenciais à sua compreensão. São também apresentados os descritores de desempenho que se espera
que o aluno seja capaz de atingir, para desenvolver cada uma das competências.
São igualmente apresentadas propostas de trabalho a desenvolver com os alunos do 1.o e do 2.o ano
ano de escolaridade, para que seja possível a operacionalização das três competências referidas.

1 Sim-Sim, Inês; 2009

2 Materiais fotocopiáveis | Texto


Tema 1: Consciência fonológica

 O que é a consciência fonológica?


A consciência fonológica é a capacidade dos sujeitos (crianças ou adultos) para explicitamente identifi-
carem e manipularem as estruturas sonoras da sua língua.
A consciência fonológica subdivide-se em três tipos1:
• Consciência silábica – Capacidade que a criança demonstra para isolar sílabas
Exemplo: tri . go
• Consciência intrassilábica – Capacidade que a criança demonstra para isolar unidades dentro da
sílaba.
Exemplo: tr.i . g.o
• Consciência fonémica ou segmental – Capacidade que a criança demonstra para isolar sons da
fala.
Exemplo: t.r.i.g.o

 A consciência fonológica nos Novos Programas de Português do Ensino Básico


Conhecimento Explícito da Língua (CEL): plano fonológico (1.o/2.o anos)
• Manipular os sons da língua e observar os efeitos produzidos.
• Comparar dados e descobrir regularidades.
• Mobilizar o saber adquirido na compreensão e expressão oral e escrita.

Propostas de trabalho com os alunos


• Identificação de fronteira de palavra.
• Identificação de sílabas.
• Segmentação silábica.
• Reconstrução silábica.
• Soletração silábica.
• Segmentação fonémica.
• Reconstrução fonémica.
• Trabalho com poemas, lengalengas e trava-línguas.

1 Brochura PNEP, O conhecimento da Língua: Desenvolver a Consciência Fonológica

Texto | Materiais fotocopiáveis 3


Actividade 1
Conhecimento explícito da língua
Competência
• Manipular e comparar dados para descobrir regularidades no funcionamento da língua.

Descritores de desempenho
• Comparar dados e descobrir regularidades: identificar rimas.
• Manipular os sons da língua e observar os efeitos produzidos: discriminar os sons da fala.

Descrição da actividade
1. Apresentar e ler o trava-línguas O rato e o rei 1.

O rato e o rei

O rato roeu a rolha da garrafa do rei da Rússia. O raio do rato roeu a rolha da
garrafa do rei da Rússia. O raio do rato roeu a rolha da garrafa de rum do rei da
Rússia. O raio do rato roeu a rolha redonda da garrafa de rum do rei da Rússia.
O raio do rato roeu a rolha da garrafa de rum do rei da Rússia. O raio do rato
roeu a rolha redonda da garrafa de rum de Roberto, o rei da Rússia. O raio do
rato roeu raivoso a rolha redonda da garrafa de rum de Roberto, o rei da Rússia.
O raio do rato roeu raivoso e rápido a rolha redonda da garrafa de rum de
Roberto, o rei da Rússia. O raio do rato roeu raivoso e rápido a rolha redonda da
garrafa de rum de Roberto, o ruidoso rei da Rússia.
– Raio! – ralhou o rei. – Rato rapace!
– Raça! – rugiu o rato. – É rija a rolha!

2. Completar as frases seguintes com as etiquetas de palavras que vão surgindo no trava-línguas.

O rato a rolha da garrafa do rei da Rússia. Roberto

O do rato roeu a rolha da garrafa do rei da Rússia.


rum
O raio do rato roeu a rolha da garrafa de do rei da Rússia.
roeu
O raio do rato roeu a rolha da garrafa de rum do rei da Rússia.

O raio do rato roeu a rolha redonda da garrafa de rum de , raivoso

o rei da Rússia.
redonda
O raio do rato roeu a rolha redonda da garrafa de rum

de Roberto, o rei da Rússia. raio

1 Luísa Costa Gomes, Trava-línguas, Dom Quixote, 2006

4 Materiais fotocopiáveis | Texto


3. Fornecer aos alunos um conjunto de palavras para completar frases e construir rimas a partir da
história.

O raio do rato é um chato

A rolha parecia uma Lúcia

O rei é um sem folha

O Rei da Rússia casou com a atum

O Roberto é primo do Alberto

A garrafa de rum está perto do lei

4. Apresentar aos alunos cartões com palavras da história e pedir que descubram outras palavras,
mudando apenas a primeira letra.

R A T O R O T A

A T O O T A

A T O O T A

O T A
A T O

R E I R O L H A

E I O L H A

E I O L H A

E I O L H A

Nota: Os alunos poderão concluir que, através da alteração da primeira letra de uma palavra, poderão
formar muitas outras. Por exemplo: rato (fato, pato, gato), rota (lota, bota, mota, nota), rei (sei, lei,
dei), rolha (folha, solha, bolha, molha).

 Conclusão
Múltiplos estudos mostram que a promoção da consciência fonológica é um pré-requisito para o
sucesso na aprendizagem da leitura e da escrita.

Texto | Materiais fotocopiáveis 5


2: Compreensão do oral

 O que é a compreensão do oral1?


A compreensão do oral é a capacidade para atribuir significados a discursos orais, envolvendo a recep-
ção e a decifração de mensagens. Esta capacidade implica o acesso à informação linguística registada
na memória.

 Uma deficiente compreensão do oral pode conduzir a:


• Perda de informação.
• Incapacidade para prestar atenção à mensagem ouvida.
• Dificuldade em recuperar a informação transmitida oralmente.
• Isolamento e alheamento e, consequentemente, indisciplina e insucesso.

 A compreensão do oral nos Novos Programas de Português do Ensino Básico:


Compreensão do oral (1.º/2.º anos)
• Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e para cumprir ordens e pedidos.
• Prestar atenção a breves discursos sobre assuntos que lhe são familiares, retendo o essencial da
mensagem.
• Compreender o essencial de histórias contadas, de poemas e de textos da tradição oral.

Propostas de trabalho com os alunos


• Ouvir e desenhar.
• Ouvir histórias e recontá-las.
• Ouvir frases incompletas e acabá-las.
• Transmitir a outros notícias ouvidas.
• Audição de diálogos.
• Jogar diversos jogos a partir de regras ditadas.
• Fazer um desenho a partir de instruções ouvidas.
• Ouvir um texto e responder a um questionário.
• Jogar para descobrir o significado das palavras ouvidas.

Actividade 2
Compreensão do oral
Competência
• Prestar atenção a breves discursos sobre assuntos que lhe são familiares, retendo o essencial da
mensagem.

Descritores de desempenho
• Prestar atenção ao que ouve.

Descrição da actividade “Ouvir e desenhar”


1. Ler o poema A Bruxa aos alunos.

1 Programa de Português do Ensino Básico

6 Materiais fotocopiáveis | Texto


A Bruxa

Vamos começar a desenhar


Uma bruxa de arrepiar.
A bruxa deve ser bizarra
E quadrada deve ser a sua cara.
Comprido e vermelho é o seu cabelo
Sempre embaraçado parece um novelo.
Vamos desenhar o seu rosto
E colocar o nariz no pescoço.
Para ver, olhos precisa de ter
Um olho azul na testa vou meter.
O outro olho será um triângulo
E a verruga é como um losango.
A boca, tão pequenina e nua
É redonda como a Lua.
A bruxa está quase desenhada
Mas a imaginação ainda não terminou
Vamos fazer um corpo
e ver como a bruxa ficou:
Tem o corpo com pêlo farto
Parece mesmo um macaco.
Agora diz-me lá onde é que punhas
Três mãos e três verdes unhas.
Para terminar vamos desenhar dois bonés
em cada um dos seus pés.
E a nossa bruxa está pronta
Está tal e qual uma velha tonta.
Paula Melo e Marisa Costa (Texto inédito)

2. Pedir aos alunos que desenhem a bruxa da história, de acordo com o que ouviram.

Texto | Materiais fotocopiáveis 7


3. Ler novamente o poema aos alunos e pedir que verifiquem se desenharam tudo o que ouviram, assi-
nalando com X os campos da grelha de verificação.

O que ouvi no poema… Desenhei Não desenhei

Cara quadrada

Cabelo comprido

Cabelo vermelho

Nariz no pescoço

Olho azul na testa

Olho em forma de triângulo

Verruga em forma de losango

Boca pequenina e redonda

Corpo com pêlo

Três mãos

Três verdes unhas

Dois bonés em cada pé

4. Ouvir novamente o poema e redesenhar a bruxa.

5. Comparar o primeiro com o segundo desenho, e verificar as diferenças e as semelhanças, regis-


tando-as num quadro como o seguinte.

Semelhanças Diferenças

Desenhei o nariz no pescoço… Desenhei o olho na testa, mas pintei-o de verde…

 Conclusão
A promoção de actividades de compreensão do oral é um factor essencial para o sucesso do desen-
volvimento de competências de leitura e escrita.

8 Materiais fotocopiáveis | Texto


Tema 3: Ensino da leitura: decifração

 O que é a decifração?
Ler, sob o ponto de vista instrumental é, na realidade, uma técnica de decifração. De um ponto de
vista mais abrangente e integrador, saber ler é também compreender, julgar, apreciar e criar2.

A investigação mostra-nos a importância das estratégias didácticas fónicas e globais, para que todas
as crianças aprendam a decifrar3.

 Vias de acesso ao reconhecimento de palavras escritas


• Via lexical (global e rápida)
Exemplo: beijo
• Via sub-lexical (indirecta, perceptiva, ortográfica)
Exemplo: trangabaloice

 A Decifração nos Novos Programas de Português do Ensino Básico


Leitura: decifração (1.º/2.º ano)
• Ler com clareza textos variados com extensão e vocabulário adequados.
• Compreender o essencial dos textos lidos.
• Ler textos variados para fins recreativos.

 Propostas de trabalho com os alunos


• Descoberta dos princípios espaciais de organização da representação gráfica.
• Reconhecimento do padrão posicional das letras.
• Distinção entre letras, diacríticos e sinais de pontuação.
• Reconhecimento da representação gráfica da fronteira de palavra.
• Exercícios de reconstrução segmental.
• Exercícios de segmentação da cadeia fónica em unidades (palavras, sílabas, segmentos fonológicos)
e respectiva identificação.
• Treino da correspondência letra-som.

2 Viana, F. L.; Teixeira, M. M.; 2002


3 Sim-Sim, Inês; 2009

Texto | Materiais fotocopiáveis 9


Actividade 3
Leitura (decifração)
Competência
Ler textos variados para fins recreativos.

Descritores de desempenho
• Reconhecer a representação gráfica da fronteira de palavra.
• Distinguir letra, palavra, frase e texto.

Descrição da actividade
1. Apresentar aos alunos as quatro quadras que compõem o poema Caixinha de Cores, escrito com
diferentes códigos.

2. Dividir a turma em 4 grupos e distribuir uma quadra a cada grupo, para a decifrar e escrever.

Tenhoumacaixinha ohlemrev é los O


Comlápisdecores ram o é luz A
Voupintaromar ahlof a é ahnidreV
Osoleasflores. raçnad a otnev oA

––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––
––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––
––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––
––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––

Vou pintar com Roxo


C0m 4m4r2l0
V0u p1nt4r 4 lu4 Um baguinho de

C0m 0 pr2t0 2 br4nc0 Com Azul clarinho


4s p2dr4s d4 ru4.
Vou pintar a .

––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––
––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––
––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––
––––––––––––––––––––––––––– –––––––––––––––––––––––––––

10 Materiais fotocopiáveis | Texto


3. Solicitar aos grupos que expliquem qual o código utilizado para decifrar as quadras.

4. Pedir aos alunos que colem e exponham a quadra decifrada numa cartolina.

Caixinha de cores

Tenho uma caixinha


Com lápis de cores
Vou pintar o mar
O sol e as flores.

O sol é vermelho
Azul é o mar
Verdinha é a folha
Ao vento a dançar.

Com amarelo
Vou pintar a lua
Com o preto e branco
As pedras da rua.

Vou pintar com roxo


Um baguinho d´uva
Com azul clarinho
Vou pintar a chuva.
http://www.youtube.com/watch?v=PSBzbXBrA7U, acedido em 01/12/2010

5. Pedir aos alunos que realizem a leitura integral do poema Caixinha de Cores, variando a forma como o
fazem: em coro, a pares, a rir, a chorar, a cantar, zangados, a sussurrar, com voz grossa e em rap.

 Conclusão

Aprender a decifrar significa percorrer um caminho de apropriação de estratégias que requerem um


ensino explícito, consistente e sistematizado por parte de quem ensina.

Texto | Materiais fotocopiáveis 11