Você está na página 1de 3

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE

FAMÍLIA CÍVEL DA COMARCA DE SANTO AMARO - SÃO PAULO

JOANA, brasileira, casada, do lar, portadora do RG nº 002 SSP/SP, devidamente


inscrita no CPF sob o nº 003, domiciliada na Rua Aviador, 287, em Santo Amaro-SP,
através de sua advogada e bastante procuradora ALINE PATRÍCIA MANDELLI DE
MIRANDA, brasileira, solteira, advogada devidamente inscrita na OAB/SP 11280-2,
estabelecida com escritório profissional na Rua Borebis, 126, em Santo Amaro-SP,
onde recebe intimações e devidas comunicações, vem perante Vossa Excelência propor:

AÇÃO CAUTELAR DE ALIMENTOS PROVISIONAIS

Em face de JOSÉ DE SOUZA, brasileiro, casado, servidor público aposentado, demais


qualificações ignoradas, residente e domiciliado no Hotel Confort na Rua Dezenove,
125, em Santo Amaro-SP.
Para tanto o fará com base nos fatos e fundamentos a seguir elencados:

1. O requerido é servidor público aposentado da Secretaria de Educação do Estado de


São Paulo, casado com a requerente, domiciliada em Santo Amaro – SP, do lar e sem
filhos.
2. José, o cônjuge requerido, no dia 18 de maio de 2008, por volta das 16h, após
discussão com Joana, saiu de casa e, desde então, passou a residir em um hotel da
cidade. Entretanto, desde aquela data, o cônjuge varão deixou de contribuir para o
sustento do lar conjugal, de modo que já estão vencidas as contas mensais de água (R$
200,00), energia (R$ 400,00), salário e encargos da empregada doméstica (R$ 700,00),
impostos diversos (R$ 500,00), manutenção de veículos (R$ 500,00), e a quantia gasta
com gêneros alimentícios essenciais está chegando ao fim (R$ 1.500,00).

1
3. Joana não dispõe de renda própria, mas o casal possui vários bens imóveis, alguns
deles alugados, além dos proventos da aposentadoria de José, estimados por Joana em
R$ 8.000,00, já descontados a verba previdenciária e o imposto sobre a renda.
4. Além disso, o cônjuge virago decidiu contratar advogada, cuja verba honorária fora
acordada em R$ 4.000,00, a fim de pleitear, na esfera judicial, o suprimento das suas
necessidades naturais e sociais e, após, ressalvada a possibilidade de acordo, Joana
pretende também ingressar com ação de separação judicial e partilha de bens.
5. A Requerente necessita de alimentos, que vem ser tudo que é necessário para o
sustento, vestuário, alimentação, etc., para sua manutenção, até então adquirida no
tempo em que viveram juntos unicamente pelos esforços laborais do Requerido, que não
a permitia laborar fora de casa. A Requerente assim necessita de guarida do seu pedido,
visto que não tem condições para sobreviver individualmente e também se levando em
consideração o binômio: necessidade X possibilidade, pois o Requerido tem condições
amplas de arcar com as necessidades requeridas, e também haja vista a omissão
desumana do Requerido em suprir suas necessidades até mesmo básicas até o presente
momento.
6. A separação de fato autoriza o presente pedido (RT 398/189), conforme doutrina de
WASHIHGTON DE BARROS MONTEIRO, Curso de Direito Civil, 17ª. Ed., São
Paulo: Saraiva p. 298 e EDGARD DE MOURA BITTENCOURT, Alimentos, 4ª. Ed.,
São Paulo: LEUD, p. 114. E ainda, é importante ressaltar que a Requerida tem a
intenção de requerer em processo próprio a separação conjugal litigiosa e a partilha dos
bens caso infrutífera alguma tentativa de acordo.
7. À vista do exposto, pugna-se pela concessão inaudita altera parte (CPC, art. 854,
parágrafo único), de uma mensalidade para sua sobrevivência e mantença não inferior a
R$ 3.800,00 (três mil e oitocentos reais), intimando-se o Requerido para seu pagamento,
sob as penas das leis, sendo descontado em folha de pagamento e mediante depósito na
conta corrente 145/65, da agência 03262, conta poupança: 013, da Caixa Econômica
Federal. Que o pedido liminar seja julgado totalmente procedente e que os alimentos
provisionais para o sustento da Requerente sejam perdurados até a partilha dos bens do
acervo conjugal, em valor mensal não inferior a R$ 3.800,00 (três mil e oitocentos
reais), além da verba de honorários da advogada, no valor de R$ 4.000,00 (quatro mil
reais), em cota única ou parcelada conforme o contrato de honorários. O valor de R$
4.000,00 corresponde a honorários e o valor de R$ 3.800,00, refere-se a soma das
verbas alimentícias.

2
8. Ademais, requer-se a citação do Requerido (CPC, art. 802), para contestar, querendo,
a presente ação, no prazo de 5 (cinco) dias, indicando desde logo as provas que pretende
produzir, tudo sob pena de revelia, constando do mandado a advertência prevista na
parte final do art. 285 do Código de Processo Civil, autorizando-se, se necessário for,
ato citatório nos termos do § 2º do art. 172, do Código de Processo Civil, sob pena de
ineficácia da presente ação.
9. Pede ainda que, ao final, os alimentos provisionais sejam fixados em valor não
inferior a R$ 3.800,00 (três mil e oitocentos reais), quantia justa, para a mantença da
Requerente.
10. Requer a condenação do Requerido ao pagamento de custas e honorários
advocatícios prudentemente arbitrados por Vossa Excelência nos termos do § 4º do art.
20 do Código de Processo Civil.
11. Ainda, protesta em provar o alegado por todos os meios de provas admitidas em
Direito, notadamente o depoimento pessoal do Requerido, sob pena de confissão, caso
não compareça ou, não comparecendo, se recuse a depor, inquirição de testemunhas,
juntada, requisição e exibição de documentos.

Dá-se a causa o valor de R$ 7.800,00 (sete mil e oitocentos reais).

Nestes termos
Pede e espera deferimento

Santo Amaro, 02 de maio de 2011.

__________________________________________
ALINE PATRÍCIA MANDELLI DE MIRANDA
OAB/SP: 11280-2