Você está na página 1de 8

O ENSINO DA TÉCNICA E DA TÁTICA: NOVAS ABORDAGENS

METODOLÓGICAS

TEACHING THE TECHNIQUE AND THE TACTICS: NEW METHODOLOGICAL APPROACHES

Luciane Cristina Arantes da Costa∗


**
Juarez Vieira do Nascimento

RESUMO
Este estudo, de caráter bibliográfico, teve como objetivo analisar as metodologias de ensino dos esportes coletivos,
caracterizando algumas novas abordagens evidenciadas pela literatura a respeito do ensino da técnica e tática. A
premissa básica é que a necessidade de contrapor à “tradição” a “inovação” requer dos profissionais um pensamento
crítico e reflexivo acerca de novas abordagens no ensino dos esportes coletivos na realidade escolar. Diferentes
investigações sobre a prática pedagógica de professores de Educação Física têm revelado o predomínio da abordagem
tradicional no ensino dos esportes. Em contrapartida à tendência centrada na técnica, surgiu a preocupação com o
processo de ensino da tática nos esportes, no sentido de assegurar que o aluno aprenda a tomar decisões e resolver
problemas que ocorrem durante o jogo. As novas tendências metodológicas preocupam-se com a articulação do
ensino da técnica e tática, nomeadamente as metodologias baseadas nas estruturas funcionais, no ensino para a
compreensão e no modelo desenvolvimentista. Para que ocorra uma mudança gradual no ensino dos esportes
coletivos na realidade escolar, aponta-se para iniciativas de formação continuada dos professores e análise da prática
pedagógica implementada nas disciplinas esportivas da formação inicial.
Palavras-chave: Esportes. Metodologia do ensino. Técnica. tática.

INTRODUÇÃO muitos autores fazem ao esporte, entretanto, não


deveria ser relacionada a sua contemplação, mas
As modalidades coletivas sempre tiveram à perspectiva de proporcionar conhecimentos
amplo espaço na realidade escolar, justificadas necessários quanto às metodologias mais
principalmente pela aceitação dos alunos, a sua adequadas ao ensino do esporte, para que os
facilidade de aplicação e a estrutura física das conteúdos esportivos efetivados possam
escolas. As abordagens pedagógicas da favorecer o processo ensino-aprendizagem.
Educação Física buscam a implantação da Apesar de a formação do profissional de
hegemonia do pensamento pedagógico e Educação Física ter se alterado
científico da área, através de discussões a significativamente nos últimos anos, torna-se
respeito do melhor método (AZEVEDO; essencial reafirmar que muitos dos estudos
SHIGUNOV, 2001); porém a maioria das desenvolvidos em relação às metodologias e
abordagens questiona a eficiência técnica e o ações pedagógicas utilizadas pelos
rendimento esportivo, evidenciados na
professores na atualidade contemplam ainda
abordagem tradicionalista. De fato, em estudos
o ensino dos esportes na abordagem
realizados pelos autores citados acima, na rede
tradicional. A necessidade de contrapor à
pública de ensino das escolas brasileiras,
“tradição” a “inovação” requer dos
verificou-se que as modalidades esportivas,
como o basquetebol, voleibol e handebol, na profissionais um pensamento crítico e
maioria das vezes são os conteúdos reflexivo que exige esforço, dedicação e
contemplados nesta realidade. A crítica que formação continuada.


Mestrando em Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Bolsista da CAPES.
**
Doutor em Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


50 Costa e Nascimento

O ponto de partida do esporte na escola teria Na estruturação do treinamento técnico,


como premissa a necessidade de reavaliar as algumas variáveis devem ser consideradas: a
metodologias de ensino. Seria necessário estrutura temporal, ou seja, quando se realiza o
questionar o esporte enquanto necessidade ensino da técnica; a freqüência com que se
reafirmada pelo gosto e o prazer dos alunos na apresentam os exercícios e a precisão (GRECO,
sua prática. O esporte é parte integrante da 1988).
cultura mundial, promovendo benefícios físicos, Segundo Filin (1996), o objetivo da técnica
psicológicos e sociais; entretanto, deve ser é melhorar o resultado, permitindo uma ação
ensinado de forma gratificante, respeitando a mais econômica e efetiva dos movimentos. Para
individualidade e o interesse dos alunos, e ainda tal, segundo o autor, inicia-se com o método
considerando o seu caráter multidimensional. verbal, que consiste na explicação e
Dessa forma, considerando-se estas demonstração dos exercícios. A seguir, através
perspectivas, algumas questões se evidenciam: do desmembramento do exercício, deve-se
O ensino das técnicas e das táticas deverá ser evidenciar a execução prática pelos meios
contemplado buscando um rendimento ótimo? técnicos de ensino. Nesse entendimento, a
Quais as metodologias mais adequadas ao técnica é meramente uma etapa da preparação,
ensino dos esportes coletivos? Como a formação sendo uma das formas de obter rendimento. A
inicial pode interferir no processo de ensino dos descontextualizarão, característica da tendência
jogos esportivos? tecnicista, poderia dificultar o entendimento da
Em face desses questionamentos, é modalidade esportiva.
necessário justificar que o rendimento ótimo não A utilização de abordagens tradicionais para
deve ser relacionado com esporte de alto nível, o ensino da técnica é bastante comum tanto nos
com competição exacerbada ou especialização treinamentos quanto na realidade educacional.
precoce. Ao preconizar o rendimento ótimo, Durante os estágios iniciais do processo ensino-
busca-se a possibilidade da evolução do aluno, aprendizagem a atividade motora dos alunos é
considerando o estágio inicial de aprendizagem. bastante imprecisa, possuindo muitas vezes
Segundo Graça (1998), para que o aluno possa aparência rígida. Talvez a necessidade de o
participar efetivamente das experiências de professor transformar rapidamente esses
aprendizagem, é necessário que o professor movimentos numa ação motora mais eficiente
tenha conhecimento dos conteúdos dos jogos, da justifique a opção pela reprodução de
pedagogia e dos processos de movimentos considerados perfeitos numa análise
ensino/aprendizagem. Desse modo, a análise das biomecânica. Dessa forma, deve-se considerar
metodologias existentes e as diferentes que o ensino da técnica através do método parcial
possibilidades no ensino da técnica e da tática poderia de fato obter resultados consideráveis.
nos esportes coletivos dão luz aos nossos Para Weineck (1999), o método de ensino parcial
questionamentos. é utilizado na execução de movimentos
complexos, sendo treinados em partes, que serão
articuladas quando forem dominadas.
O ENSINO DA TÉCNICA
Segundo Garganta (2002), nesse método, em
Atualmente muitos estudantes de Educação que o gesto técnico é privilegiado, a abordagem
Física buscam a formação inicial com o intuito do jogo é retardada até que as habilidades
de melhorar suas próprias habilidades. A alcancem o rendimento desejado. Outras
diferença é que, principalmente até a década de desvantagens, segundo Gama Filho (2001), é
1980, essa busca era legitimada pela realidade que não ocorrem os processos de tomada de
brasileira, pois as aulas com abordagens decisão, pois o aluno possui conhecimento
tradicionais preparavam o futuro professor para antecipado do movimento a ser realizado. Além
enfatizar a técnica, como prioridade no ensino disso, os exercícios repetitivos não estimulam a
dos esportes. Segundo Garganta (1998), desde motivação dos participantes; por outro lado, o
os anos 1960 o ensino das modalidades mecanismo de execução é altamente
esportivas tem freqüentemente estruturação da evidenciado, possibilitando o domínio do
técnica como prioridade no ensino dos esportes. movimento.

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


O ensino da técnica e da tática 51

A facilidade de implantação da abordagem Os esportes coletivos possuem


tradicional e a possibilidade da execução características que não são totalmente
perfeita dos movimentos justificam a previsíveis. Os acontecimentos não se repetem
implantação desse modelo. Longe dos benefícios sempre na mesma ordem cronológica, fazendo
está sua pouca transferência realizada pelo aluno com que atitudes tático-estratégicas sejam
realiza para a situação de jogo. Para que essa requeridas ao jogador (GARGANTA, 2000).
transferência de fato ocorra, devem-se valorizar Dessa forma, a estruturação de um modelo de
novos aspectos no ensino da técnica, jogo previamente estabelecido pode facilitar o
principalmente no sentido da qualidade de sua processo de tomada de decisão.
implantação. O processo da tomada de decisão é
Segundo Mesquita (2000), para que ocorra a caracterizado pela capacidade de resolver com
transposição das habilidades técnicas para o sucesso as tarefas ou problemas que as
jogo, o aluno deve vivenciar, desde o início da atividades apresentam (GRECO, 2001).
aprendizagem, algumas progressões que Segundo Paula et al. (2000), todo processo de
evidenciem as situações de jogo. As tarefas tomada de decisão é uma decisão tática, que
devem ser realizadas de forma que integrem a pressupõe uma atitude cognitiva do aluno e uma
estrutura e funcionalidade do jogo, dando participação efetiva do professor como elo de
sentido à aprendizagem. As habilidades técnicas ligação entre o conhecimento e o
estariam condicionadas às características do desenvolvimento do aluno. Os processos
jogo. Nos esportes coletivos as situações de jogo cognitivos inerentes à tomada de decisão tática
se modificam a cada ataque, fazendo com que as se revelam importantes no contexto dos esportes
habilidades técnicas estejam sujeitas a variações coletivos. Segundo Schmidt e Wrisberg (2001),
de ritmo, intensidade e amplitude. a seleção da resposta (decisão) depende
Dessa forma, a aprendizagem deve ser inicialmente da identificação do estímulo, para
baseada no problema (SCHMIDT; WRISBERG, que a seguir a resposta ou ação possam ser
2001). Para tal, são necessários três programadas.
questionamentos acerca do processo: quem Mesmo que a dimensão tática não tenha sido
ensinar? O que ensinar? Onde ensinar? Se o totalmente efetivada, principalmente nas aulas
professor estiver preocupado em refletir sobre de educação física, estudos realizados
estas questões, a tendência tecnicista hoje evidenciam a importância da interação entre a
existente nas aulas de educação física e nos técnica e a tática no ensino dos esportes
treinamentos poderia ser reavaliada. coletivos. Entretanto, quais seriam então as
metodologias que dariam conta desses
objetivos?
O ENSINO DA TÁTICA

Em contrapartida à tendência tecnicista, NOVAS ABORDAGENS NO ENSINO DOS


surge a preocupação com o processo de ensino ESPORTES COLETIVOS
da tática nos esportes. Segundo Garganta (2000,
p. 51), “a tática é entendida como algo que se Segundo Graça e Mesquita (2002), muitos
refere à forma como os jogadores e as equipes estudos realizados na década de 1960 na
gerem os momentos do jogo”. Para o autor, as realidade americana se remetiam à necessidade
experiências táticas devem ser orientadas de encontrar o método ideal no ensino dos
inicialmente a partir da análise da estrutura do esportes coletivos. Os estudos eram realizados
jogo, para configurar a especificidade de cada através da comparação dos resultados
esporte e dessa forma realizar o planejamento de produzidos por diferentes metodologias. As
acordo com os objetivos. Desse modo, o repercussões dessas investigações não tiveram
objetivo da aprendizagem tática, segundo Greco grande impacto, devido principalmente ao
(1997), é que o aluno aprenda a tomar decisões e reduzido número de turmas que participavam do
resolver problemas que ocorrem durante o estudo e ainda a análises inadequadas quanto aos
processo. métodos utilizados.

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


52 Costa e Nascimento

Segundo Rink et al. (1996), não ocorreram As limitações da metodologia tradicional,


evidências de que o ensino isolado da técnica ou quando utilizados o método parcial ou o método
da tática tenha sido significante quanto ao ganho misto, refere-se principalmente à dificuldade
de aprendizagem. A aprendizagem não pode ser que os alunos possuem em transferir os
associada somente às metodologias existentes. elementos técnicos para a situação de jogo.
Dessa forma, outros fatores devem ser Quando utilizado o método global, a crítica se
considerados: como as capacidades cognitivas e refere à liberdade excessiva, tão evidente no
motoras, a motivação para a aprendizagem, a “deixar jogar” existente nas aulas de educação
relação professor-aluno e a complexidade das física.
tarefas. outra concepção de método global, a série
É necessário, não obstante, que o professor de jogos, segundo Greco (2001), preconiza o
tenha conhecimento sobre as diversas conceito recreativo do jogo esportivo, onde
metodologias de ensino dos esportes, para que estão contempladas uma metodologia mista,
possa escolher e refletir acerca das abordagens caracterizada pelas diversas experiências de
investigadas, utilizando-se dos procedimentos de jogo, e a aprendizagem da técnica. O processo
modo a orientar a sua prática pedagógica. A didático da série de jogos apresenta
utilização dos métodos global, parcial e misto inicialmente, como seqüência metodológica, o
geralmente é o caminho utilizado pelos jogo de forma completa, incluindo os elementos
professores na abordagem tradicional. Segundo técnicos e táticos. A discussão a respeito das
Greco (2001), o método parcial ou analítico se dificuldades acerca do rendimento antecede a
caracteriza por apresentar cursos de exercícios etapa de execução de diferentes exercícios e
onde os elementos técnicos são oferecidos jogos com ênfase na correção nos elementos
através de séries de exercícios e formas detectados na fase anterior. Finalmente, os jogos
rudimentares da modalidade esportiva. serão novamente realizados, fazendo com que o
Em um modelo de ensino apresentado por aluno vivencie as situações de jogo. A vantagem
Graça (2000), o professor desenvolvia uma dessa metodologia reside no fato De os alunos se
estratégia pessoal em que privilegiava as ações sentirem altamente motivados pela intervenção
táticas. Para o professor, adotar uma estratégia ativa e possibilidade de encontrar soluções para
que contemplasse a técnica na escola somente os problemas no processo ensino-aprendizagem.
geraria frustração, pois os alunos nunca chegam A preocupação com uma proposta
a dominar a técnica. Em contraposição se metodológica do ensino dos esportes que
encontra o método global, no qual, segundo contemplasse a interação dos elementos técnicos
Mesquita (2000, p. 74), “a aprendizagem é e táticos proporcionou a implantação de novas
encarada como a apreensão do todo”. abordagens a partir da década de 1990. A
No método global apresenta-se uma situação estrutura funcional de jogo (GARGANTA,
de jogo, onde os elementos técnicos e táticos são 1998; GRECO; SOUZA, 1997; MESQUITA,
evidenciados. A vantagem do método global em 2000; PAULA et al., 2000; GRECO, 2001) é
relação ao método parcial é que o envolvimento constituída de um ou mais jogadores, que
do aluno com as atividades proporciona um realizam tarefas de ataque quando em posse de
elevado nível de motivação. bola, e de defesa sem a posse de bola. As
Muitas vezes o professor justifica a falta de atividades são apresentadas considerando as
direcionamento das aulas e a aplicação do jogo características do jogo formal, porém com
propriamente dito como características variações quanto ao número de participantes,
essenciais do método global. Questiona-se, espaço, tempo e regras.
entretanto, se os alunos podem aprender a jogar A metodologia baseada nas estruturas
sem nenhum tipo de interferência do professor. funcionais, segundo Greco (1998), apresenta
O método misto, segundo Rochefort (1998), situações de 1 x 0 (um atacante sem defesa), 1 +
é a síntese do método global e parcial. Nesse 1 x 0 (um atacante e um curinga), 1 x 1 + 1 (um
método, a técnica é aplicada de forma separada, atacante e um defensor, e um curinga que é o
e quando se atingir um nível adequado, executa- segundo atacante), e 1 x 1 (um atacante e um
se o jogo por completo. defensor). A partir dessas situações, outras

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


O ensino da técnica e da tática 53

variações são realizadas, incluindo a alteração Segundo Graça (2001), a visão


quanto ao número de jogadores e elementos construtivista do ensino preconiza o aluno como
técnicos da modalidade. Para Greco e Souza construtor de sua própria aprendizagem,
(1997), a apresentação das estruturas funcionais devendo ser valorizados os conhecimentos
aos alunos deve considerar o nível de anteriores. Para Graça e Mesquita (2002, p.
dificuldade e de complexidade da situação de 134), na perspectiva construtivista no ensino dos
jogo. jogos desportivos o professor deve “descentrar-
Segundo Garganta (1998), uma das se de si próprio para se situar no aluno”. Para
vantagens dessa abordagem é que, quando se Gaya et al. (2002), na iniciação esportiva na
conhecem as estruturas de jogo de uma escola é conveniente se adotar uma abordagem
modalidade esportiva, a aprendizagem poderá que possua o construtivismo como base
ser facilitada quando o aluno desejar aprender epistemológica, como o modelo centrado no
outra modalidade. Dessa forma, as estruturas jogo. Nesse modelo o aluno é um agente ativo
semelhantes parecem favorecer a assimilação de no seu processo de aprendizagem. Para Garganta
princípios comuns e a prática transferível. (1998), as formas centradas no jogo apresentam
Segundo Daolio (2002), a abordagem a partir duas vertentes: centrada no jogo formal e
das semelhanças estruturais favoreceria a centrada nos jogos condicionados.
implementação das fases da aprendizagem em No modelo centrado no jogo formal ocorre a
utilização exclusiva do jogo formal, enquanto no
função da compreensão que os alunos fossem
modelo centrado nos jogos condicionados a
adquirindo em relação ao jogo, ao contrário do
aprendizagem inicia-se no jogo, daí partindo
que se tem sido normalmenteverificado - a
para as situações particulares (unidades
abordagem a partir das faixas etárias. Outra
funcionais). Além disso, nesse modelo, os
vantagem, segundo Graça e Mesquita (2002), é princípios do jogo é que regulam a
que situações de aprendizagem estruturadas aprendizagem, estimulando a interpretação e
poderiam facilitar o desenvolvimento dos alunos aplicação dos princípios do jogo, sendo a técnica
com baixo nível de desempenho, através da ensinada a partir das dificuldades táticas.
implantação dos jogos reduzidos. Outras abordagens no ensino dos esportes
Durante a implantação dos jogos reduzidos, coletivos, embora possuam enfoques
segundo Oliveira e Graça (1998), os professores diferenciados, integram as idéias construtivistas:
devem preocupar-se em manter os objetivos do o modelo de ensino para a compreensão e o
jogo e os elementos estruturais essenciais do modelo desenvolvimentista.
jogo formal. Além disso, deve-se evidenciar a O modelo baseado na compreensão
ligação entre o ataque e a defesa, ou seja, dar “Teaching Games for Understanding” (TGFU),
continuidade ao jogo sem determinar totalmente segundo Placek (1996), constitui-se num modelo
as tarefas, para que os alunos possam participar de integração, que favorece a compreensão dos
do processo de tomada de decisão. Nessas esportes e facilita a transferência da
atividades o aluno terá que decidir entre aprendizagem. Dessa forma, o entendimento das
situações diferenciadas que evidenciam a ação estratégias de alguns esportes, como o
tática e a possibilidade de tomada de decisão badmington e tênis, poderia favorecer a
perante os problemas inerentes à prática aprendizagem do voleibol, pelo fato de suas
esportiva. estruturas serem parecidas.
A abordagem estruturalista possui, então, Segundo Garganta (2002), essa perspectiva
como principal objetivo, através da modificação emergiu nos anos 1990; Entretanto, Graça e
das estruturas funcionais, a redução da Mesquita (2002) evidenciam que esse modelo
complexidade do jogo. A aprendizagem ocorre tem suas origens em meados dos anos 1960, na
de forma gradativa, mediante o desenvolvimento Inglaterra, devido à insatisfação com os métodos
da capacidade de jogo em que o ensino das de ensino tradicionais. A principal idéia,
habilidades técnicas esteja incluído no ensino da segundo Rink et al. (1996), incide em que “o
tática. Estes princípios evidenciam a concepção que fazer” deveria preceder o “como fazer”,
construtivista no ensino dos esportes. tendo como principal objetivo o entendimento

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


54 Costa e Nascimento

sobre a modalidade. As estratégias gerais são criteriosa de situações que envolvam competição
introduzidas com a intenção de desenvolver a e auto-avaliação favorecerá a contextualização
tática do esporte para que seja estimulada a dos conteúdos de aprendizagem.
tomada de decisão (o que fazer).
Thorpe, Bunker e Almond, 1984 apud Graça
e Mesquita (2002), enunciaram 4 princípios CONCLUSÕES
pedagógicos que norteiam a estruturação
pedagógica nesse modelo: 1) critério na escolha Ao identificar as abordagens do ensino do
dos jogos para proporcionar variabilidade nas esporte coletivo, verificou-se que as novas
experiências vividas pelos alunos, facilitando a tendências se preocupam com a articulação do
compreensão dos elementos táticos do jogo; 2) a ensino da técnica e tática. A importância dessa
modificação por representação, que modifica a interação está evidenciada na literatura esportiva
complexidade do jogo formal, tornando-o mais (GARGANTA, 1998; GRAÇA, 1998;
simples, através de alterações no espaço, tempo OLIVEIRA; GRAÇA, 1998; GRECO, 1999;
e materiais utilizados; 3) a modificação por GARGANTA, 2000; MESQUITA, 2000;
exagero, através do estabelecimento de regras de DAOLIO, 2002).
funcionamento do jogo que considerem Assim, delineia-se a necessidade de que os
situações específicas de determinados aspectos profissionais tenham competência e
do jogo, colocando os alunos em situação de discernimento para a utilização e efetivação das
superioridade ou inferioridade numérica; 4) a metodologias de ensino dos esportes no contexto
complexidade tática, que deve ser evidenciada pedagógico. Em conseqüência dessa situação,
progressivamente. evidenciam-se algumas linhas orientadoras. A
Assim como na abordagem estruturalista, primeira seria a necessidade da organização de
nesse modelo o ensino da técnica é subordinado iniciativas para a formação continuada dos
ao ensino da tática, prevalecendo o professores. A segunda partiria do pressuposto
desenvolvimento da capacidade de jogo, que da necessidade de avaliar a estruturação da
combina uma diversidade de capacidades prática pedagógica dos professores da formação
psicológicas e físicas, além da interação entre as inicial, principalmente das disciplinas que
habilidades técnicas e as ações de jogo. Uma das contemplem a metodologia dos esportes
críticas a esta abordagem, segundo Greco coletivos. Para Rochefort (1998), a formação do
(2001), é que o aluno entende mais sobre o jogo, professor de Educação Física influencia a
porém não se pode afirmar que consiga executar maneira como o esporte vem sendo ministrado
aquilo que entende. Além disso, como vimos nas escolas. Dessa forma, tanto os profissionais
anteriormente, os estudos realizados para que atualmente estão nas escolas ensinando as
verificar a eficácia das abordagens globais em modalidades coletivas como os que estão ainda
relação às analíticas ainda são contraditórios. em formação, poderiam estar preparados para,
Pode-se dizer que tanto a abordagem
no mínimo, refletir acerca de novas abordagens
estruturalista como o modelo para a
no ensino dos esportes coletivos, tão necessários
compreensão fundamentam seus pressupostos no
diante da realidade de ensino.
método global. É evidente que a participação do
Dessa forma, por meio da preocupação dos
aluno e sua motivação são relevantes nesses
modelos. docentes em proporcionar o conhecimento e a
O modelo desenvolvimentista (RINK apud reflexão acerca de novas abordagens de ensino
GRAÇA; MESQUITA, auxilia na apresentação na formação inicial e de algumas alterações
das atividades e na interpretação da resposta do curriculares, poder-se-ia vislumbrar uma
aluno, através de seqüências pedagógicas de mudança gradual no ensino dos esportes
complexidade crescente. Além disso, a coletivos, buscando assim o ensino da técnica e
estruturação das tarefas deve permitir ao aluno a tática numa perspectiva de construção de
reflexão crítica em relação à tomada de decisão experiências e vivencias gratificantes para o
e à execução das habilidades. A seleção aluno.

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


O ensino da técnica e da tática 55

TEACHING THE TECHNIQUE AND THE TACTICS: NEW METHODOLOGICAL APPROACHES

ABSTRACT
This study of bibliographical character had as objective to analyze the teaching methodologies of collective sports, characterizing
some new approaches evidenced by literature regarding the teaching techniques and tactics. Different assumptions on the pedagogical
practice of Physical Education teachers have disclosed the prevalence of the traditional approach in the teaching of sports. In contrast
to the trend centered on the technique, there is the concern with the teaching process of tactics in sports (game centered approach) to
assure that the pupil learns to take decisions and to solve problems that occur during the game. The new trends show concern about
the teaching of the technique and tactics, namely, the methodologies based on functional structures, on teaching games for
understanding and the development perspective in physical education. For a gradual change to occur in the teaching collective sports
in school reality, it is indicated initiatives of continued formation of teachers and practical analysis of the pedagogical practice in
disciplines of sports in primary and secondary schools.
Key words: Sports. Approaches. Methodologies. Technique. Tactics.

REFERÊNCIAS GRAÇA, A.; PINTO, D.; BRANDÃO, E. Tendências


actuais da investigação em Basquetebol. Porto:
ADELINO, J. O treino da técnica nos jogos desportivos. In: Multitema, 2000. p. 212-226.
GARGANTA, J. (Ed.). Horizonte e órbitas no treino dos GRAÇA, A. S.; MESQUITA, I. R. A investigação sobre os
jogos desportivos. Porto: Converge Artes Gráficas, 2000. jogos desportivos: ensinar e aprender as habilidades do
p. 91-110. jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto,
AZEVEDO, E. S. DE; SHIGUNOV, V. Reflexões sobre as v. 2, n. 5, p. 67-79, 2002.
abordagens pedagógicas em Educação Física. In: GRECO, P. J. Sistematização do processo de ensino-
SHIGUNOV, V; NETO, A. S. (Orgs.). A formação aprendizagem-treinamento tático nos jogos esportivos
profissional e a prática pedagógica. Londrina: Midiograf, coletivos. In: GRECO, P. J.; SAMULSKI, D. M.;
2001. p. 57-94. GARCIA, E. S.; SZMUCHROWSKI, L. Temas atuais em
DAOLIO, J. Jogos esportivos coletivos: dos princípios Educação Física e esportes II. Belo Horizonte: Health,
operacionais aos gestos técnicos-modelo pendular a partir 1997. p. 44-56.
das idéias de Claude Bayer. Revista Brasileira de Ciência GRECO, P. J. Iniciação esportiva universal: metodologia
e Movimento, Porto Alegre, v. 10, n. 4, p. 99-103, 2002. da iniciação esportiva na escola e no clube. Belo Horizonte:
FILIN, V. P. Desporto juvenil: teoria e metodologia. UFMG, 1998.
Londrina: CID, 1996. GRECO, P. J. Cognição e ação. In: SAMULSKI, D. M.
GAMA FILHO, J. G. Metodologia do Treinamento técnico- Novos conceitos em treinamento desportivo. Brasília:
tático no futebol. In: GARCIA, E. S.; LEMOS, K. L. M. Indesp, 1999. p. 120-153.
(Org.). Temas atuais VI em Educação Física e esportes. GRECO, P. J. Métodos de ensino-aprendizagem-
Belo Horizonte: Health, 2001. p. 86-106. treinamento nos jogos esportivos coletivos. In: GARCIA,
GARGANTA, J. Para uma teoria dos jogos desportivos E. S. ; LEMOS, K. L. M. (Org.). Temas atuais VI em
coletivos. In: GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. O Ensino dos Educação Física e esportes. Belo Horizonte: Health, 2001.
jogos desportivos. Porto: Rainho & Neves, 1998. p. 11-25. p. 48-72.
GARGANTA, J. O treino da táctica e da estratégia nos GRECO, P. J. ; SOUZA, P. R. C. de. Desenvolvimento da
jogos desportivos. In: GARGANTA, J. (Ed.). Horizonte e capacidade tática no Futsal. In: GRECO, P. J.;
órbitas no treino dos jogos desportivos. Porto: Converge SAMULSKI, D. M; GARCIA, E. S.; SZMUCHROWSKI,
Artes Gráficas, 2000. p. 51-61. L. Temas atuais em Educação Física e esportes II. Belo
Horizonte: Health, 1997. p. 24-42.
GARGANTA, J. O treino da táctica e da técnica nos jogos
desportivos à luz do compromisso cognição-ação. In: KUNZ, E. Didática da Educação Física. 2. Ijuí: Unijuí,
BARBANTI, V. J. ; BENTO, J. O. ; MARQUES, A. T.; 2001.
AMADIO, A. C. (Orgs.). Esporte e atividade física: MESQUITA, I. Modelação no treino das habilidades
interação entre rendimento e qualidade de vida. Barueri: técnicas nos jogos desportivos. In: GARGANTA, J. (Ed.).
Manole, 2002. p. 281-306. Horizonte e órbitas no treino dos jogos desportivos.
GAYA, A.; TORRES, L.; BALBINOTTI, C. Iniciação Porto: Converge Artes Gráficas, 2000. p. 73-89.
esportiva e Educação Física Escolar. In: Silva, F. M. da. OLIVEIRA, J.; GRAÇA, A. O ensino do Basquetebol. In:
Treinamento desportivo: aplicações e implicações. João
GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. O ensino dos jogos
Pessoa: Ed. Universitária, 2002. p. 15-25.
desportivos. Porto: Rainho & Neves, 1998. p. 61-94.
GRAÇA, A. Os comos e quandos no ensino dos jogos. In:
PAES, R. R. A Pedagogia do esporte e os jogos
GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. O ensino dos jogos
coletivos. In: DE ROSE JUNIOR. Esporte e
desportivos. Porto: Rainho & Neves, 1998. p. 27-34.
atividade física na infância e na adolescência: uma
GRAÇA, A. Modelos pessoais para o ensino do jogo de abordagem multidisciplinar. Porto Alegre: Multitema,
basquetebol. In: TAVARES, F.; JANEIRA, M. A.; 2002. p. 89-98.

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004


56 Costa e Nascimento

PAULA, P. F. A. DE; GRECO, P. J.; SOUZA, P. R. C. TAVARES, F. O processamento da Informação nos jogos
Tática e processos cognitivos subjacentes à tomada de desportivos. In: GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. O ensino dos
decisão nos jogos esportivos coletivos. In: GARCIA, E. S.; jogos desportivos. Porto: Rainho & Neves, 1988. p. 35-46.
LEMOS, K. L. M. (Org.). Temas atuais V em Educação TAVARES, F. A investigação da componente tática nos
Física e esportes. Belo Horizonte: Health, 2000. p. 11-27. jogos desportivos: conceitos e ilustrações. In: TAVARES,
PLACEK, J. H. Integration as a curriculum model in F. (Ed.). Estudo dos jogos desportivos: concepções,
Physical Education: possibilities and problems. In: metodologias e Instrumentos. Porto: Multitema, 1999. p. 7-
SILVERMAN, S. J.; ENNIS, C. D. (Ed.). Student learning 13.
in Physical Education: applying research to enhance WEINECK, J. Treinamento ideal: instruções técnicas
instruction. Champaign: Human Kinetcs, 1996. p. 287-311. sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações
RINK, J. E.; FRENCH, K. E.; TJEERDSMA, B. L. específicas de treinamento infantil e juvenil. São Paulo:
Foundations for the learning and Instruction of Sport and Manole, 1999.
Games. Journal of Teaching in Physical Education, v.
15, n. 4, p. 399-417, 1996.
ROCHEFORT, R. S. Voleibol: das questões pedagógicas...
Recebido em 18/07/04
a técnica e tática do jogo. Pelotas: Ed. Universitária, 1998.
Revisado em 20/10/04
SCHMIDT, R. A.; WRISBERG, C. A. Aprendizagem e Aceito em 15/01/05
performance motora: uma abordagem da aprendizagem
voltada para o problema. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Endereço para correspondência: Luciane Cristina Arantes da Costa, Rua Kiri, 368, Maringá-PR, Brasil. E-mail:
luarantescosta@msn.com

R. da Educação Física/UEM Maringá,v. 15, n. 2, p. 49-56, 2. sem. 2004