Você está na página 1de 74

AVALIAÇÃO DAS

APRAXIAS E AGNOSIAS

Etelvina Lucas dos Santos 1


AVALIAÇÃO DAS APRAXIAS E AGNOSIAS

O QUE É APRAXIA?
É um distúrbio de movimentos aprendidos
não causados por: fraqueza, paralisia,
hipotonia ou postura anormal, ou dificuldade
de compreensão ou cooperação.
A apraxia foi descrita por Liepmann
(1900,1908).
• Apraxia ou dispraxia é a perda da capacidade
de executar movimentos propositais, devido a
lesões cerebrais (Rothi, Heilman, 1997).

Etiologia das Apraxias

Mais freqüente AVCs (acidentes vasculares


cerebrais);
Tumores cerebrais;
TCE (traumatismo crânio encefálico);
Demência.
Etelvina Lucas dos Santos 3
Tipologia das Apraxias

Ideomotora;
Ideacional ou Conceptual
Cinética.
Apraxia Ideomotora

É o tipo mais comum. O paciente se torna


incapaz de executar, por ordem verbal,
tarefas motoras que realiza em outras
circunstâncias e sob estímulos sensoriais
diferentes (nível reflexo automático). É a
perda da capacidade voluntária de
executar movimentos aprendidos. Ela é
caracterizada pela dissociação entre
componentes: óptico, tátil e cinético de
diferentes partes do corpo e o controle de
seu “conceito motor”.
Etelvina Lucas dos Santos 5
Avaliação:

 Pedir ao paciente para fazer um gesto de


cumprimento, jogar um beijo.
 Se ele falhar na execução dos gestos o
examinador deverá fazer o gesto e pedir
aos paciente para imitá-lo.
 Peça que imite pregar um prego com
martelo, escovar os dentes, pentear o
cabelo.
Teste de apraxia
ideomotora.
Imitação de
gestos do
examinador
Apraxia Ideacional
(Conceptual)
Apraxia Ideacional é a desorganização
da seqüência lógica e harmoniosa de
gestos elementares, que constituem um
ato complexo e serial.
Dano do conhecimento ideacional ou
conceptual, resulta em perda dos
vínculos entre as ferramentas, utensílios
e suas respectivas utilidades. É
causada por lesão do sistema de ação
semântica, áreas posteriores da fala.
Características:
 Executa as etapas do plano de ação com
seqüências erradas.
 Não consegue encher uma xícara de café,
acender uma vela com um fósforo etc.
 Acender o fogão: liga o gás, enche a chaleira e
acende o fósforo (promove risco).
 Mais observado em lesões cerebrais difusas
(demências).
Avaliação:
 Peça para abrir uma garrafa colocar o
líquido no copo e bebê-lo.
 Colocar a carta dentro do envelope
fechá-lo e colocar o selo.
 Pegar uma vela, colocar no castiçal,
apanhar um fósforo na caixa e acendê-
la.
Efeitos Dissonantes:
 Paciente se alimenta e escova os dentes ao
mesmo tempo.
 Escolha errada de utensílios e ferramentas:
escovar os cabelos com escova de dente e
tomar sopa com garfo.
 Usar o martelo batendo com o cabo.
 Seqüência errada: escovar dentes primeiro
depois colocar a pasta.
 Não reconhecer a necessidade da
ferramenta e martelar o prego com o punho.
Apraxia Cinética de Membros
Na apraxia cinética de membros ocorre
a perda dos componentes dos
engramas, resultando em movimentos
grosseiros sem aparência de prática
anterior.
É caracterizada pela dificuldade em
realizar movimentos finos e sucessivos,
como dedilhar ou fazer continuamente
o gesto de fechar o punho, depois
formar uma argola com o polegar e o
indicador.
Características:
 Incapacidade de executar movimentos
motores elaborados.
 Afeta movimentos finos das extremidades:
escrever, costurar, tocar piano etc.
 É contralateral à lesão.
 Possivelmente se deve a lesões leves, que
não chegam a provocar fraqueza nos
movimentos grosseiros, mas provocam
dificuldades com movimentos rápidos e
finos dos dedos.
Avaliação:

 Pedir ao paciente para dedilhar como se


tivesse tocando piano.
 Fazer continuamente o gesto de fechar o
punho.
Tipos Especiais de Apraxias
 Construtiva
Do Vestir
De Marcha
Apraxia Construtiva
A apraxia construtiva designa a
alteração da capacidade humana de
construir, isto é, reunir elementos em
dois ou três planos do espaço. Quando
se desenha uma criança, uma casa ou
uma bicicleta, é necessário o
desdobramento de uma competência
construtiva, que associa, o manejo de
dados visuo-perceptivos e visuo-
espaciais, ordenados num projeto que
se cria, graças a atividade motora.
Características:
 Falha para estruturar, alinhar, combinar
objetos ou partes, em 2 ou 3 dimensões do
espaço
 Incapazes de desenhar, combinar figuras
simples (blocos, fósforos); casos mais
graves não consegue desenhar círculo,
cruz, quadrado etc.
 Modelo não ajuda, há desorientação na
página.
 Têm dificuldade com outras tarefas que
exijam percepção visual como seguir um
mapa...
Características:
 Mais comum em lesões parietais
bilaterais.
 Mais graves quando no hemisfério
direito
Avaliação:
 Cópia de modelos (espiral, casa,
retângulos superpostos).
 Cópia da figura complexa de Rey e
figuras geométricas.
 Desenho sob comando verbal (relógio,
margarida num vaso, cubo).
 Quebra-cabeça do WAIS
Figura Complexa de Rey
Apraxia no Vestir
Apraxia no vestir é um distúrbio
singular, surge na ausência da
apraxia conceptual ou
ideomotora, é um tipo particular
de apraxia reflexiva (o corpo é o
seu objeto) só concerne ao ato
de vestir.
Características:
 A região posterior do hemisfério direito
é o lugar de convergência das
informações visuais e espaciais
necessárias à execução dessa atividade.
 O paciente não consegue relacionar as
peças de roupa com as devidas partes
do corpo. Vestir uma calça, calçar os
sapatos oferecem os mesmos
obstáculos.
Avaliação:
•O familiar relata situações de erros
cometidos no ato de vestir ocorridos
em casa.
•Observar o paciente vestindo uma
camisa
Etelvina Lucas dos Santos
Apraxia de Marcha
Características:

 Incapacidade de caminhar não


explicada por fraqueza motora primária
ou perda sensorial.
 É muito difícil demonstrar, questiona-
se que seja uma verdadeira apraxia.
Dificuldades Diagnósticas nas
Apraxias
 É raro ser evidente ao próprio paciente,
não se queixa dela.
 Se ele a percebe tem dificuldade em
descrevê-la
 Costuma passar desapercebido ao
examinador.
 Paciente confuso / afásico não entenderá
comandos falados / escritos para realizar
movimentos, precisa-se descobrir meios
de fazê-lo imitar movimentos do
examinador.
 Além disto ele tem que reconhecer e
nomear os artigos que tenta manipular, isto
é, não pode ter agnosia.

 ......................................................................
AVALIAÇÃO DA
PERCEPÇÃO (AGNOSIAS)

Etelvina Lucas dos Santos 36


• Percepção é a capacidade de conferir
significado a estímulos detectados pelos
canais sensoriais. Ela representa a
interpretação das sensações.
• As cores, os sons, cheiros e gostos são
construções mentais criadas no cérebro
pelo processamento sensorial e não
existem como tais fora do cérebro.
Cinco modalidades sensoriais
principais foram reconhecidas
desde os tempos mais remotos:
 a visão,
 a audição,
 o tato,
 a gustação,
 a olfação.
Patologia da Percepção: Agnosia

•Agnosia significa incapacidade de


reconhecer e ou identificar um determinado
“percepto”.
• Esta definição implica no pressuposto de
que tenham ocorrido experiências anteriores,
capazes de criar conhecimento possível de
ser mobilizado, permitindo o reconhecimento
de um objeto oferecido ao paciente.
O reconhecimento poderá ser feito através
de uma ou outra das formas de
sensibilidade, ou de variadas combinações
das mesmas. A agnosia pode referir-se a
qualquer das sensibilidades especiais:
• agnosia visual; auditiva; olfativa;
gustativa e agnosia tátil.
AGNOSIA VISUAL
Enquanto lesão
da área primária
(área 17 de
Brodmann)
causa cegueira,
lesão das áreas
associativas
pode
comprometer
reconhecimento
do percepto.
As agnosias visuais se dividem em:
 Agnosia Visual Para Objetos;
 Simultaneagnosia;
 Agnosia Para Cores;
 Prosopoagnosia.
Agnosia Visual Para Objetos
• O paciente (sem defeito de visão) não é
capaz de reconhecer os objetos que vê.
• Pode reconhecer o objeto quando é
apresentado a partir de outra
modalidade sensorial, como olfato, tato
etc.
• Pode descrever a forma e o tamanho
dos objetos usando a visão.
• Não consegue visualmente identificar os
objetos nem demonstrar o seu uso.
AGNOSIA
VISUAL
PARA
OBJETOS

Etelvina Lucas dos Santos


IMPERCEPÇÃO DA FORMA

•Pareamento ou discriminação
imprecisos
•Percepção imprecisa de formas
visuais embutidas em fundos
complexos
Fatores de exclusão:
• Perda grave da acuidade visual.
• Heminegligência
• Déficit de atenção
HEMINEGLIGÊNCIA

• Transtorno neurológico que afeta a capacidade


do indivíduo em reconhecer, responder e/ou se
orientar à estimulação do lado do corpo
contralateral à lesão cerebral (Heilman
&Valenstein, 1993).
• Detecção do estímulo do lado não
percebido melhora quando direcionada.
• Pode ocorrer após lesão à direita ou à
esquerda.
• Na maioria dos casos, o lado do corpo que
é negligenciado é contralateral à lesão.
Etelvina Lucas dos Santos 50
HEMINEGLIGÊNCIA
Testes:
 Bisecção de linhas, só corta as linhas
de um lado.
 Fazer relógio, ou outros desenhos.
 Pode ocorrer do paciente se barbear
só de um lado.
 Comer a comida somente de um lado
do prato.
TESTES DE HEMINEGLIGÊNCIA

BISECÇÃO DE LINHAS SINOS


Exemplo de
heminegligência.
Os desenhos
foram realizados
na metade direita
do papel o
paciente
negligenciou a
metade esquerda.
Simultaneagnosia
• É a incapacidade de reconhecer o
significado de um quadro, de um
filme, embora possam ser
conhecidos corretamente os
pormenores isolados.
• O paciente não consegue descrever
a totalidade de uma cena ou objeto.
• Pode descreve partes ou detalhes
isolados.
Agnosia Para Cores
Acromatopsia:
• o paciente não
pode nomear,
selecionar,
classificar ou
discriminar cores.
• Lesões: ocorrem
no córtex
associativo
occipital unilateral e
ou bilateralmente
envolvendo
substância branca
adjacente.
Prosopoagnosia
• Inabilidade em reconhecer faces
previamente familiares, até a própria
face.
• Pode comprometer o reconhecimento
dos próprios pertences.
• As pessoas da família passam a ser
conhecidas baseado em aspectos não
faciais, como cabelo, altura, voz,
maneirismos etc.
• Lesões: lobo temporal, lobo occipital e
lobo parietal medial.
Teste:
Reconhecimento
de faces de
pessoas
famosas.

60
• Delírio de Fregoli
Falso reconhecimento, o paciente acredita
que pessoa estranha é um familiar
disfarçado, reconhecimento emocional
forte.
• Delírio de Capgras
Não reconhece o familiar emocionalmente,
acha que o familiar é um impostor “causa
sensação estranha.”
Em ambos os casos os pacientes têm
problemas cognitivos além do distúrbio de
reconhecimento.
Distúrbios de Percepção

•Espacial
•Auditiva
•Tátil
1. Distúrbios da Percepção Espacial
• Desorientação Espacial (julgamento
impreciso de posição e orientação).
• Desorientação Topográfica
(imprecisão de localização).
2. Distúrbios da Percepção Auditiva:
• Desordem cortical auditiva: não
reconhecimento de sons verbais e
não-verbais.
• Surdez verbal pura (não
reconhecimento de linguagem falada).
• Amusia (não-reconhecimento de
músicas conhecidas).
3. Distúrbios da Percepção Tátil
• Astereognosia ou distúrbio tátil cortical
(não-reconhecimento pelo tato)
• Somatognosia (não-reconhecimento do
próprio corpo)
• Agnosia digital (não-reconhecimento
dos dedos da mão)
• Anosognosia (não-reconhecimento do
próprio distúrbio ou doença)
• Membro fantasma (é a ilusão da
existência de um membro ou segmento
de membro amputado).
Para ser agnosia o déficit não pode
ser explicado por:

• Distúrbios sensoriais (déficit de


audição devido ao envelhecimento
normal);
• Déficit de atenção;
• Afasia (ex: anomia);
• Pouca familiaridade com o estímulo.
Efeitos do Contexto

Etelvina Lucas dos Santos


CONTE OS PONTOS PRETOS
• Não existem pontos pretos no quadro
anterior.
Analise os dois círculos que estão no interior das
duas figuras abaixo. Qual é o maior?
Eles são exatamente iguais. O contexto produz uma
ilusão
FIM