Você está na página 1de 103

Quântica – Escola Técnica e Centro de Pesquisa

Disciplina: Técnicas radiológicas convencionais


Prof.: Abrahão Ferreira

POSICIONAMENTOS E
INCIDÊNCIAS: CRÂNIO E
FACE
Ossos do crânio e face
1 x Etmoide 2 x Conchas Nasais Inferiores
1 x Frontal 2 x Ossos Lacrimais
1 x Occipital 1 x Mandíbula
2 x Parietais 2 x Maxilas
1 x Esfenoide 2 x Ossos Nasais
2 x Temporais 2 x Ossos Palatinos
1 x Vomer
2 x Ossos Zigomáticos
Face - Seios paranasais
Calota e base do crânio
 
I
Olfatório
II
Óptico
III Oculomotor
IV Troclear
V Trigeminal
VI
Abducente
VII
Facial
VIII
Vestibulococlear
IX
Glossofaríngeo
X Vago
XI Acessório
XII Hipoglosso
Suturas no adulto

 Coronal
 Sagital
 Escamosa
 Lambdóide
Suturas no adulto
Fontanelas
Fontanelas
Fontanela anterior = bregma

 Fecha entre 3 -18 meses;

 Ossificação completa
começa na 3º década e termina em
torno da 6ª década.
Frontal
Ossos parietais
Osso temporal
Osso occipital
Osso esfenóide
Osso etmóide
Mandíbula
Maxila
Osso Palatino
Osso zigomático
Osso nasal
Osso lacrimal
POSICIONAMENTOS E
INCIDÊNCIAS
Marcos Topográficos
 Glabela: saliencia na
porção mediana do osso
frontal entre os arcos
superciliares
 Nasio: ponto de intersecção
entre o osso frontal e os
ossos nasais;
 Gônio: ponto
inferior,posterior e lateral de
cada ângulo mandibular;

 Acantio: ponto mais inferior


da margem caudal da
abertura nasal no plano
medio-sagital;

 Ponto mentoniano: centro


da eminencia mentoniana.
Marcos Topográficos
Linhas de Posicionamento

 LGM – Glabelomeatal
 LOM - Orbitomeatal
 LIOM – Infra-orbitomeatal
 LAM – Acantiomeatal
 LLM - Labiomeatal
 LMM – Mentomeatal
Planos e Pontos do Crânio
Referências de Posicionamento
Rotação e Inclinação

Inclinação

Rotação
Incidência AP do crânio
Paciente em decúbito dorsal;

RC na glabela;

Colimação em toda área do crânio;

Dfo-fi: 1 m;

Filme: 24x30 cm.

Abaixar o queixo = LOM perpendicular ao filme


Incidência AP do crânio

Abaixar o queixo = LOM perpendicular ao filme


Incidência PA do crânio
 Flexionar o pescoço alinhando a LOM perpendicular ao filme;
 RC perpendicular ao filme e paralelo a LOM, saindo na glabela.
Incidência PA do crânio
 RC na região occipto-parietal, coincidindo com o meio do
chassi;
 Dfo-fi: 1 m;
 Filme: 24x30 cm;

 Paciente em ortostase ou sentado – casos de traumas de


face;
 Avaliação das estruturas faciais.
AP axial 30º = Método de Towne
Abaixar o queixo e trazer a LOM perpendicular ao filme
Se o paciente não inclina o queixo – LIOM perpendicular a mesa
30º caudal a LOM = TOWNE
37º caudal a LIOM = BRETTON
RC no PMS 6 cm acima da glabela, saindo no forame magno.
AP axial 30º = Método de Towne
AP axial 30º = Método deTowne

 Dfo-fi: 1 m;

 Filme: 24x30 cm – longitudinal;

 Colimar até as margens externas do crânio;

 Visualização de fraturas de crânio, processos neoplásicos e


doença de Paget.
Incidência Lateral/Perfil de Crânio
 Colocar a cabeça em perfil verdadeiro;
 LIP perpendicular a mesa;
 LIOM paralela as bordas do chassi;
 RC 5cm superior ao MAE.
Incidência Lateral/Perfil de Crânio

 Dfo-fi: 1 m;

 Filme: 24x30 cm – transversal;


 Colimar até as margens externas do crânio;
 Centralizar o filme com RC;

 Visualização de fraturas, processos neoplásicos e doença


de Paget;

 Exame de rotina para traumas.


Submentovértice = Método de Hirtz

 Elevar o queixo do paciente até que a LIOM esteja paralela ao


filme;
 Apoiar a cabeça no vértice;
 RC perpendicular a LIOM, 2 cm anterior ao nível dos MAE´s
entre os ângulos da mandíbula;
Submentovértice = Método de Hirtz
Submentovértice = Método de Hirtz

 Dfo-fi: 1 m;
 Filme: 24x30 cm – longitudinal;
 Centralizar o filme em relação ao RC;

 Atenção: Incluir a possibilidade de fratura ou subluxação


cervicais nos pacientes com traumatismo;

 Visualização de patologias no osso temporal, base do


crânio e fraturas da base do crânio.
SEIOS PARANASAIS
Seios paranasais
SEIOS PARANASAIS
Waters = ideal para seios maxilares

Caldwell = etmóide e seios frontais


(mastóides obscurecem os maxilares)

Submentovértice = níveis hidro-aéreos


nos seios maxilares / etmóides

Lateral = seio esfenoidal


Incidência lateral ossos da face
 Colocar a cabeça em perfil
verdadeiro;
 LIP perpendicular a mesa;
 LIOM paralela as bordas do
chassi;
 RC no zigoma entre canto
externo da órbita e MAE.
Incidência lateral ossos da face
Incidência lateral ossos da face
 Dfo-fi: 1 m;
 Filme: 18x24 cm – longitudinal;
 Centralizar o filme de acordo com o RC;
 Colimar todos os lados até 2,5 cm dos ossos faciais;

 Estudo de fraturas, processos neoplásicos/inflamatórios dos ossos


faciais, órbitas e mandíbulas.
PA Axial – Método de Caldwell (etmóides e
frontais)
LOM pependicular em relação a
horizontal;
RC 15º caudal para emergir no
Násio;
Mastóides obscurecem os
maxilares.
PA Axial – Método de Caldwell (etmóides e
frontais)
 Filme: 24 x 30 cm – longitudinal;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar até as margens externas do crânio;

 Visualização de fraturas do crânio, processos


neoplásicos e doença de Paget.
Submentovértice – Método de Hirtz (arcos
zigomáticos)

 LIOM paralela ao
filme;

 RC perpendicular a
LIOM – 5cm abaixo
da sínfise
mandibular.
Submentovértice – Método de Hirtz (arcos
zigomáticos)
 Filme: 18x24 cm – transversalmente;
 Dfofi: 1 m;
 Colimar até as margens externas do zigomático;

 Visualização de fraturas do arco zigomático, processos neoplásicos e


inflamatórios.
Incidência Parietoacantial - Waters
(seios da face)

 LMM perpendicular ao
filme;
 LOM 37º em relação a
mesa;
 RC vértex → acantio.
Incidência Parietoacantial - Waters (seios
da face)
 Filme: 24 x30 cm/18x24 cm – longitudinal;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar as margens externas em todos os lados;

 Fraturas, processos neoplásicos/inflamatórios e visualização de


corpos estranhos nos olhos.
Waters em ortostase
 Apoiar queixo e nariz no
tampo da mesa;
 LMM perpendicular ao filme;
 LOM 37º em relação a mesa;
 RC vértex → acantio.
Waters em ortostase

 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;


 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar as áreas das cavidades sinusais;

 Estudo dos seios paranasais, inflamações – sinusites.


Waters modificada
 Decúbito ventral;
 LLM perpendicular ao filme;
 LOM 55º em relação ao filme;
 RC para sair no Acantio
Waters modificada
 Filme: 18x24 cm;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar até 2,5 abaixo dos ossos faciais;

 Fraturas de órbitas e processos neoplásicos.


Incidência Parietoacantial transoral - Waters
boca aberta
 Ajustar a cabeça até a LOM formar um
ângulo de 37° com o filme ( a LMM
estará perpendicular com a boca
fechada);
 Orientar o paciente a abrir a boca
dizendo para "baixar a mandíbula sem
mover a cabeça“;
 A borda orbital inferior e uma posição
oblíqua dos seios frontais e os seios
esfenóides visualizados através da boca
aberta.
Incidência Parietoacantial transoral - Waters boca
aberta

 Ortostase;
 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;
 Dfo-fi: 1 m;
 Centralizar o filme em relação ao RC;

 Condições inflamatórias – sinusites e osteomielite secundária nos


seios.
Sinusite

Revestimento ciliar Revestimento ciliar Na sinusite crônica o


direciona muco e paralisa durante a dano ciliar é maior e a
partículas para fora sinusite aguda e o seio mucosa fica espessada,
dos seios fica congesto, cheio de com cictrizes
muco
Sinusite pré e pós tratamento
FACE
Incidência Lateral – Ossos Nasais

LIP perpendicular à
mesa/bucky;

LIOM frontal à
margem frontal do
filme;

RC 1,5 inferior ao
násio.
Incidência Lateral – Ossos Nasais

 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;


 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar em todos os lados até 5 cm inferiormente ao osso nasal;

 Fraturas dos ossos nasais.


Mastóides
Mastóides
Incidência Lateral - Mastóides ( Schüller)

 LIP perpendicular ao filme;


 LIOM paralela as bordas do chassi;
 RC 25º - 30º caudal – 4.0 cm posterior e superior ao MAE.
 Ajustar o queixo para trazer a LIP perpendicular ao filme;
 Nessa posição rodar a cabeça 45° com o lado de interesse para baixo
Mastóides (Stenvers)
 RC 12º cranial 7 a 10 cm posterior e 1.5 cm inferior ao MAE
CAI
Stenvers x TC

CAI
 LIP perpendicular ao filme
 LIOM paralela as bordas do
Mastóides (axial lateral oblíqua)
chassi
 Desta posição rodar a
cabeça 15º em direção à
mesa
 RC 15º caudal – 2.5 cm
posterior e superior ao MAE
Mandíbula
Mandíbula
PA ou Axial PA - Mandíbula
 LOM perpendicular ao filme;
 Raio Central
 PA: perpendicular ao filme saindo na linha interlabial
 PA axial: 20 a 25º cefálico para sair no acântio
PA ou Axial PA - Mandíbula

 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;


 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar a área da mandíbula;

 Fraturas e processos neoplásicos/inflamatórios da mandíbula.


AP de mandíbula – Método de Towne

 LOM perpendicular ao filme;


 RC 35 a 40º caudal incidindo na glabela.
AP de mandíbula – Método de Towne
 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar a mandíbula, incluindo as ATMs;

 Fraturas e processos neoplásicos/inflamatórios dos processos


condilares da mandíbula.
Incidência Submentovértice - Mandíbula
 LIOM paralela ao filme;
 RC perpendicular a LIOM , 4 cm abaixo da sínfise mandibular na
linha média.
Incidência Submentovértice -
Mandíbula
 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar a área da mandíbula;

 Fraturas, processos neoplásicos/inflamatórios na mandíbula.


Incidência Axial Lateral da Mandíbula
 A cabeça na posição lateral verdadeira mostra melhor o ramo;
 A rotação de 30° na direção do filme mostra melhor o corpo;
 A rotação de 15° é a que melhor fornece um levantamento geral
da mandíbula.

30º 15º
Incidência Axial Lateral da Mandíbula
 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar a área da mandíbula;

 Fraturas e processos neoplásicos/inflamatórios na mandíbula.


Incidência Lateral - Mandíbula
 Colocar a cabeça em perfil
verdadeiro;
 LIP perpendicular a mesa;
 LIOM paralela as bordas do chassi;
 RC no zigoma entre canto externo
da órbita e MAE.
Incidência Lateral - Mandíbula
 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar a área da mandíbula;

 Fraturas e processos neoplásicos/inflamatórios na mandíbula.


Mandíbula – TC com reformação 3D
Fratura
Fraturas
Panorâmica
Panorâmica normal
Fratura - panorâmica
Fratura – panorâmica – paciente
edêntulo
ATM – articulação
temporo-mandibular
Anatomia
Incidência Axiolateral - ATM
 Perfil verdadeiro;
 Rodar a cabeça 15º em direção a mesa;
 RC 15º caudal 4 cm acima do MAE.
Incidência Axiolateral - ATM

 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;


 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar em todos os lados;

 Estudo da articulação temporomandibular.


Incidência Axiolateral - ATM

Boca fechada Boca aberta


Incidência Oblíqua Axiolateral - ATM

Rotacionar o rosto a
15º em relação à
mesa;

Alinhar a LIOM
perpendicularmente
à mesa;

RC angulado 15º
caudal 4 cm acima
do MAE.
Incidência Oblíqua Axiolateral - ATM
 Filme: 18x24 cm – longitudinalmente;
 Dfo-fi: 1 m;
 Colimar em todos os lados na região de interesse;

 É mostrada a relação anormal da amplitude de movimento entre o


côndilo e a fossa temporal.
Incidência Oblíqua Axiolateral - ATM