Você está na página 1de 31

BASE DE TIRO

EMPUNHADURA
 
POSIÇÕES DE TIRO:
POSIÇÕES DE TIRO – ARMA CURTAS
VISADA

ACIONAMENTO DO GATILHO
FUNCIONALIDADE DAS PEÇAS DE ARMAS DE FOGO
REVÓLVER
ARMA DE REPETIÇÃO, PODENDO SER DE AÇÃO SIMPLES OU DUPLA, COMPOSTA DO
TAMBOR, DEDAL SERRILHADO, RETÉM DO TAMBOR, VARETA EXTRATORA DO TAMBOR,
CABO, CÃO, PERCURSOR, GUARDA MATO, GATILHO, CANO, MASSA DE MIRA E ALÇA.DE
MIRA.
 
TAMBOR: CILINDRO QUE ABRE LATERALMENTE. NO BRASIL POSSUI DE 5 A 9 CÂMARAS
ONDE SE ALOJAM AS MUNIÇÕES. LOCALIZA-SE ENTRE O CANO E A PAREDE DO
PERCURSOR. GIRA EM TORNO DO SEU EIXO CENTRAL.
DEDAL SERRILHADO: LOCALIZADO NA LATERAL ESQUERDA DO REVÓLVER. FUNÇÃO DE
LIBERAR O TAMBOR PARA QUE SEJA DESLOCADO PARA O LADO E CONSEQUENTEMENTE
MUNICIAR A ARMA.
GATILHO É UMA PEÇA QUE AO SER ACIONADA, LIBERA O CÃO OU PERCUSSOR PARA O
IMPACTO NA MUNIÇÃO QUE SE ENCONTRA DENTRO DO TAMBOR PARA EFETUAR O
DISPARO.
RETÉM: FICA ABAIXO DO TAMBOR E ACIMA DO GATILHO. TEM FUNÇÃO DE ALINHAR A
CÂMARA QUE SE ENCONTRA ALOJADA A MUNIÇÃO COM O CANO.
VARETA EXTRATORA DO TAMBOR: FUNÇÃO DE DESALOJAR AS MUNIÇÕES DEFLAGRADAS OU NÃO
(QUANDO ACIONADA A ARMA DEVE ENCONTRAR-SE SEMPRE COM O CANO VOLTADO PARA CIMA PARA QUE A
NOSSA AMIGA GRAVIDADE NOS AJUDE NESSE TRABALHO).

CABO: PARTE USADA PARA EMPUNHAR A ARMA .


CÃO: ACIONADO PELO GATILHO LEVA O PERCURSOR, DIRETA OU INDIRETAMENTE, À ESPOLETA.

PERCURSOR: PEÇA QUE AO ATINGIR A ESPOLETA CAUSA A DETONAÇÃO DA MESMA.

GUARDA MATO: PROTEGE O GATILHO DE EVENTUAIS ACIONAMENTOS ACIDENTAIS.

CANO: "TUBO" RAIADO ONDE PELO SEU INTERIOR PASSA O PROJÉTIL.

MASSA DE MIRA: CORPO SÓLIDO ENCONTRADO NA PONTA DO CANO.

ALÇA DE MIRA: PRÓXIMO AO CÃO, SERVE PARA EFETUAR A CORRETA PONTARIA.


GAP: PEQUENO ESPAÇO ENTRE O FINAL DO TAMBOR E O INÍCIO DO CONE DE PRESSÃO. SUA
FINALIDADE É O GIRO LIVRE DO TAMBOR. O PADRÃO DE TOLERÂNCIA NESSA FOLGA É DE .006 DE
POLEGADA, COM UMA VARIAÇÃO DE .003 PARA MAIOR OU MENOR.
PISTOLA
NORMALMENTE CURTA, SEMIAUTOMÁTICA, PODENDO SER DE AÇÃO SIMPLES OU DUPLA,
COMPOSTA DE CABO, BOTÃO LIBERADOR DO CARREGADOR, CANO, SLIDE OU FERROLHO,
CABO: IDEM
GATILHO, REVÓLVER.
GUARDA MATO, ALÇA DE MIRA, MASSA DE MIRA, BOTÃO DE LIBERAÇÃO DO FERROLHO
E TRAVA. FUNCIONAM
CARREGADOR: EM SISTEMA
PARTE ONDE BLOWBACK (EXPLOSÃO PARA TRÁS).
SE ENCONTRAM
ALOJADAS
VERTICALMENTE AS MUNIÇÕES.
BOTÃO LIBERADOR DO CARREGADO: ACIONADO
POSSIBILITA A REMOÇÃO DO MESMO, OU PARA
MUNICIAR OU REMUNICIAR.
CANO: IDEM REVÓLVER.
SLIDE OU FERROLHO: PEÇA MÓVEL QUE ENVOLVE O
CANO, POSSUI EM SUA SUPERFÍCIE ALÇA E MASSA DE
MIRA,QUANDO
CÃO: E EM SEU
SEINTERIOR,
ACIONA OBASICAMENTE,
GATILHO, LEVAOO PERCURSOR NDIRETAMENTE A ESPOLETA. APÓS O
PERCURSOR
PRIMEIRO DO CANO.
TIRO, COMO CONSEQUÊNCIA DO MOVIMENTO DO FERROLHO, O CÃO PERMANECE
SEMPRE ENGATILHADO.
GATILHO: LOCALIZADO ABAIXO DO FERROLHO, QUANDO ACIONADO MOVIMENTA O
CÃO.

ALÇA DE MIRA: LOCALIZADA PRÓXIMA AO CÃO TEM A MESMA FUNÇÃO DO REVÓLVER.

RETÉM DO FERROLHO: ALAVANCA CUJA FINALIDADE É A LIBERAÇÃO DO FERROLHO


QUE PERMANECE ABERTO APÓS A DEFLAGRAÇÃO DA ÚLTIMA MUNIÇÃO.
ESPINGARDA

MANEJO DE ARMAS DE FOGO


 
EM VIRTUDE DA FACILIDADE E DA POUCA COBRANÇA DESSE TÓPICO, RECOMENDO AO
CANDIDATO UMA LEITURA RÁPIDA NOS MANUAIS DE INSTRUÇÃO DE CADA ARMA.
 
APENAS PARA COMPLEMENTAR:
 
AÇÕES BÁSICAS NO MANUSEIO OE ARMAMENTO
 
OS TERMOS MUNICIAR, ALIMENTAR E CARREGAR TÊM SIGNIFICADOS DISTINTOS,
INFLUENCIANDO ATÉ MESMO NA SEGURANÇA E NO MANUSEIO DO ARMAMENTO.
 
MUNICIAR - EM REGRA, NÃO MUNICIAMOS AS ARMAS, MAS SIM OS SEUS CARREGADORES,
TAMBORES OU TUBOS. MUNICIAR SIGNIFICA INTRODUZIR OS CARTUCHOS NO CARREGADOR DE
PISTOLAS OU RIFLES, OU NO TAMBOR, PORTANTO, DOS REVÓLVERES OU CARABINAS DE
CARREGADOR TUBULAR (TUBO DO DEPÓSITO).
 
MUNICIANDO UM CARREGADOR MUNICIANDO / ALIMENTANDO

DE PISTOLA ESPINGARDA

MUNICIANDO / ALIMENTANDO
REVÓLVER
ALIMENTAR – É O ATO DE INSERIR O CARREGADOR NA PISTOLA OU RIFLE. EM ARMAS EM QUE O
CARREGADOR FAZ PARTE DA ·ARMAÇÃO (É FIXO) E NO CASO DOS REVÓLVERES ONDE O TAMBOR É O
PRÓPRIO CARREGADOR, O ATO DE MUNICIAR E CARREGAR SE CONFUNDEM NUM SÓ MOMENTO.

ALIMENTANDO A PISTOLA

CARREGAR - É O ATO DE INTRODUZIR UMA MUNIÇÃO NA CÂMARA. NORMALMENTE ISTO É FEITO


PUXANDO O FERROLHO DA PISTOLA OU AS ALAVANCAS DOS RIFLES. TAMBÉM SE CARREGA UM
REVÓLVER NO MOMENTO EM QUE SE TRANCA O TAMBOR, DESDE QUE HAJA- UMA MUNIÇÃO NO
ESPAÇO DA CÂMARA. NO CASO DA ESPINGARDA QUE UTILIZA O SISTEMA DE PUMP ACTION, O ATO DE
CARREGAR ACONTECE NO MOMENTO EM QUE SE AVANÇA A TELHA E HÁ A INTRODUÇÃO DE UMA
MUNIÇÃO NA CÂMARA. É POSSÍVEL TAMBÉM FAZER ISSO MANUALMENTE, INSERINDO A MUNIÇÃO
NA CÂMARA COM AS MÃOS.

REVÓLVER CARREGANDO A ESPINGARDA


CARREGANDO A PISTOLA (AVANÇAR A TELHA)
CARREGADO
O CANDIDATO DEVE APRENDER A SEQUÊNCIA M.A.C
 
MUNICIAR
ALIMENTAR
CARREGAR
 

OBS: PARA EFEITOS DE PROVA DE MANUSEIO DO ARMAMENTO E A PROVA


ORAL, A CONAT/PF CONSIDERA O ATO DE ALIMENTAR COMO SE FOSSE
CARREGAR E VICE-VERSA.
 
ENTÃO A SEQUÊNCIA FICARIA M.C.A
 
INCIDENTES DE TIRO
ACIDENTES COM ARMA DE FOGO
OS INCIDENTES OU ACIDENTES DE TIRO E DISPAROS INVOLUNTÁRIOS OU INDESEJADOS SÃO MAIS
FREQUENTES DO QUE SE SUPÕE. A FALTA DE CONHECIMENTO NO MANUSEIO E DESCUIDOS COM
REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA E, AINDA, A FALTA DE MANUTENÇÃO, PRINCIPALMENTE COM
PISTOLAS, REVÓLVERES E E ESPINGARDAS, LEVAM A OCORRÊNCIA DE INTERRUPÇÕES, ACIDENTES DE
DISPAROS OU DISPAROS INDESEJADOS. ACIONAMENTO DA TECLA DO GATILHO SEM PRÉVIA
VERIFICAÇÃO DA EXISTÊNCIA OU NÃO DE MUNIÇÃO NA CÂMARA; DESLOCAMENTO COM O DEDO
INDICADOR PRESSIONANDO A TECLA DO GATILHO; RETIRADA DO CARTUCHO DA CÂMARA SEM A
RETIRADA DO CARREGADOR MUNICIADO E POSTERIOR ACIONAMENTO DO GATILHO; DENTRE
OUTRAS; SÃO ATITUDES QUE COSTUMEIRAMENTE RESULTAM EM DISPAROS INVOLUNTÁRIOS.
ARMAS DESGASTADAS, COM MÁ CONSERVAÇÃO OU NAS QUAIS SE UTILIZOU O LUBRIFICANTE
INADEQUADO, PODEM APRESENTAR FALHAS E DEFEITOS, ALGUMAS VEZES MOMENTÂNEOS, QUE
PROVOCAM DISPAROS ACIDENTAIS, COMO AQUELES OCASIONADOS POR QUEDA, MESMO POSSUINDO
UM EFICIENTE SISTEMA DE TRAVAS DE SEGURANÇA, COMO O CASO DA PISTOLA
"TAURUS 24/7". NUNCA SE PODE DESCARTAR, SEM UM
EXAME DETALHADO, EM QUALQUER ACIDENTE, A POSSIBILIDADE DA CAUSA SER POR FATOR
MATERIAL.
DISPARO ACIDENTAL

DISPARO ACIDENTAL, DISPARO INVOLUNTÁRIO, ACIDENTE E/OU INCIDENTE DE TIRO SÃO SITUAÇÕES QUE ESTÃO
PRESENTES NO NOSSO DIA A DIA, NO ENTANTO OS SEUS CONCEITOS, EM MUITAS OCASIÕES, GERAM DÚVIDAS,
CONFUSÕES OU ERROS.
NORMALMENTE, ENTENDEMOS QUE O FATO OU CIRCUNSTÂNCIA CUJA ORIGEM É DE CARÁTER ACIDENTAL SÃO AQUELAS
PRODUZIDAS POR ACASO, UMA CIRCUNSTÂNCIA IMPREVISTA, CUJA PROBABILIDADE DE OCORRER É TOTALMENTE
EVENTUAL, OU SEJA, NÃO HABITUAL, DE CARÁTER FORTUITO. UM ACIDENTE É UM EVENTO INDESEJÁVEL E QUE OCORRE
DE MODO NÃO INTENCIONAL, INESPERADO, DO QUAL O RESULTADO SÃO DANOS PESSOAIS OU MATERIAIS. ESSE
CONCEITO DE ACIDENTE SE CONFUNDE COM O CONCEITO DE INVOLUNTÁRIO. ENTENDE-SE COMO INVOLUNTÁRIO
AQUILO QUE ACONTECE INDEPENDENTE DA VONTADE. E AO CONTRÁRIO, VOLUNTÁRIO, É ALGUMA COISA QUE DECORRE
DA VONTADE, COMO A REALIZAÇÃO INTENCIONAL DE DETERMINADA AÇÃO. PODE-SE DIZER QUE ATO VOLUNTÁRIO É UM
ATO CONSCIENTE E QUE TEM UMA DETERMINADA FINALIDADE.
É COMUM A ALEGAÇÃO DE ACIDENTAL, POR PARTE DE QUEM EFETUOU O DISPARO, EM MUITOS DOS CASOS DE MORTE OU
LESÃO CORPORAL, JUSTIFICADA PELA NÃO INTENCIONALIDADE DE PRODUZIR DETERMINADOS EFEITOS. PERCEBA QUE
ESTE DISPARO MUITAS VEZES ACONTECEU DE FORMA INSTINTIVA, SEM DELIBERAÇÃO, OU SEJA, SEM VONTADE, COMO
UM REFLEXO AUTOMÁTICO E INTUITIVO POR PARTE DE QUEM ESTÁ PORTANDO A ARMA. NESTE CASO ESTE É UM DISPARO
INVOLUNTÁRIO, MAS NÃO ACIDENTAL.
 
NA BALÍSTICA FORENSE, DISPARO ACIDENTAL É:

AQUELE QUE ACONTECE SEM O MANUSEIO NORMAL DO HOMEM.


SÓ SERÁ CONSIDERADO DISPARO ACIDENTAL SE O HOMEM NÃO EFETUAR INTENCIONALMENTE O
ACIONAMENTO DA TECLA DO GATILHO. DESTA FORMA, A CONCEITUAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE
INCIDENTE DE TIRO, ACIDENTE DE TIRO E DISPARO ACIDENTAL SÃO IMPORTANTES EM CASOS DE
VÍTIMAS DE DISPARO DE ARMA DE FOGO, SENDO QUE A ANÁLISE DOS ASPECTOS TÉCNICOS DESTES
EVENTOS É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA NA BUSCA DE DEFINIR O OCORRIDO.

INCIDENTE DE TIRO
INCIDENTES SÃO ACONTECIMENTOS IMPREVISÍVEIS QUE PROVOCAM UMA INTERRUPÇÃO,
NORMALMENTE INCONVENIENTE, MODIFICANDO O DECORRER NORMAL DE UMA AÇÃO OU FATO.

INCIDENTE DE TIRO TAMBÉM É UM ACONTECIMENTO INESPERADO E INDESEJÁVEL QUE PRODUZ UMA


INTERRUPÇÃO NA SEQUÊNCIA DOS TIROS, SEM QUE HAJA DANOS MATERIAIS E/OU PESSOAIS. SÃO
GERALMENTE DEVIDOS A FALHAS MECÂNICAS NA ARMA OU FALHAS DE NATUREZAS DIVERSAS NA
MUNIÇÃO. SÃO DIFICULDADES DE CARÁTER PASSAGEIRO QUE APÓS A AÇÃO DO ATIRADOR PARA
SANAR O PROBLEMA, DESAPARECEM, PERMITINDO QUE O CONJUNTO ARMA E ATIRADOR ESTEJAM
APTOS A CONTINUAR SUA SÉRIE DE DISPAROS.
GATILHO: LOCALIZADO ABAIXO DO FERROLHO, QUANDO ACIONADO MOVIMENTA O CÃO.

GUARDA MATO: IDEM REVÓLVER.

MASSA DE MIRA: LOCALIZADO NORMALMENTE NA PONTA DO FERROLHO.

ALÇA DE MIRA: LOCALIZADA PRÓXIMA AO CÃO TEM AMESMA FUNÇÃO DO REVÓLVER.

RETÉM DO FERROLHO: ALAVANCA CUJA FINALIDADE É A


INCIDENTES DE TIROS MAIS COMUNS NOS REVÓLVERES.

- FALHA NA PERCUSSÃO OU NA EXTRAÇÃO;


- TAMBOR DURO AO GIRAR OU NÃO GIRA AO SER ACIONADO O GATILHO;
- POSICIONAMENTO INCORRETO DO TAMBOR;
- GATILHO, NÃO RETORNA A SUA POSIÇÃO INICIAL;
- NÃO FUNCIONA EM AÇÃO SIMPLES OU AÇÃO DUPLA.
 
INCIDENTES DE TIROS MAIS COMUNS NAS PISTOLAS.
 
- FALHA NA ALIMENTAÇÃO, EJEÇÃO EXTRAÇÃO
- FALHA NA PERCUSSÃO;
- CÃO NÃO PERMANECE ARMADO APÓS O ENGATILHAMENTO OU TIRO;
- FERROLHO NÃO PERMANECE ABERTO APÓS O ÚLTIMO TIRO.

IMPORTANTE!
A MAIORIA DOS INCIDENTES DE TIRO PODE SER EVITADA COM MANUTENÇÃO PREVENTIVA DA ARMA, POR
MEIO DE LIMPEZA E LUBRIFICAÇÃO ADEQUADAS E COM O USO DA MUNIÇÃO CORRETA E APROPRIADA
PARA CADA TIPO DE ARMA.
ACIDENTE DE TIRO
 
NO ACIDENTE DE TIRO A DIFICULDADE DEIXA DE SER
MOMENTÂNEA, POIS DELE RESULTAM DANOS NA ARMA E PODEM
RESULTAR, TAMBÉM, LESÕES NO ATIRADOR. OCORRENDO O
ACIDENTE DE TIRO, CERTAMENTE HÁ UMA INTERRUPÇÃO DOS
DISPAROS PARA AQUELE CONJUNTO ARMA/ATIRADOR, POIS É
CARACTERÍSTICA ESSENCIAL A APRESENTAÇÃO DE DANOS DE
ORDEM MATERIAL E/OU PESSOAL. OS EVENTOS QUE PODEM
ACARRETAR ACIDENTES DE DISPAROS SÃO DE NATUREZA DIVERSA,
MAS POSSUEM, NORMALMENTE, COMO ORIGEM, A TRILOGIA:
ARMA - MUNIÇÃO - ATIRADOR

EXEMPLOS DE ACIDENTES DE TIRO

O EXEMPLO MAIS COMUM DE ACIDENTE DE TIRO OCORRE COM MUNIÇÃO RECARREGADA. A RECARGA DE MUNIÇÃO EXIGE UM
CONTROLE RÍGIDO DO TIPO E QUANTIDADE DO PROPELENTE A SER EMPREGADO, DA MASSA E DIÂMETRO DOS PROJÉTEIS, DO
TIPO E CAPACIDADE VOLUMÉTRICA DOS ESTOJOS, DA ESPOLETA E, AINDA, TODO ESTE CONJUNTO COM A ARMA NA QUAL ESTA
MUNIÇÃO SERÁ UTILIZADA. QUANDO ALGUM ELEMENTO DESSE CONJUNTO APRESENTA FALHA DE QUALQUER ORDEM, PODE
OCORRER UMA EXPLOSÃO NA CÂMARA EM FUNÇÃO DA PRESSÃO GERADA PELA DEFLAGRAÇÃO DO CARTUCHO TER
SUPLANTADO A RESISTÊNCIA DA ARMA ANTES QUE O PROJÉTIL SE DESVINCULASSE DO ESTOJO OU NO CASO DE PRESSÃO MUITO
INFERIOR ÀQUELA ESPERADA PARA O CARTUCHO, O QUE FAZ COM QUE O PROJÉTIL FIQUE RETIDO NO CANO E, NO CASO DE UM
OUTRO DISPARO, LEVA À RUPTURA DO CANO POR EXCESSO DE PRESSÃO.
OUTRA SITUAÇÃO CORRIQUEIRA QUE LEVA À OCORRÊNCIA DE ACIDENTES DE TIRO SÃO AS TRANSFORMAÇÕES OU ALTERAÇÃO
DO "HEADSPACE", (PEQUENO ESTRANGULAMENTO DA PARTE ANTERIOR DA CÂMARA QUE TRAVA O ESTOJO IMPEDINDO O SEU
AVANÇO, E PERMITINDO APENAS A PASSAGEM DO PROJÉTIL) QUE SÃO PRODUZIDAS EM DETERMINADAS ARMAS DE FORMA A
PERMITIR A UTILIZAÇÃO DE MUNIÇÃO DIFERENTE DA RECOMENDADA PARA A ARMA. OS EXEMPLOS MAIS CORRIQUEIROS DESTA
SITUAÇÃO SÃO A "ABERTURA" DO TAMBOR (DESTRUIÇÃO DO "HEADSPACE") DE REVÓLVERES "CALIBRE .38", DE FORMA A
PERMITIR A UTILIZAÇÃO DE CARTUCHOS DE "CALIBRE .357 MAGNUM", OU A TRANSFORMAÇÃO DA CÂMARA DE UMA PISTOLA
"CALIBRE .380 ACP", DE MODO A ADMITIR CARTUCHOS “CALIBRE 9MM LUGER", ENTRE OUTROS. O EMPREGO DE CARTUCHOS
RECARREGADOS EM ARMAS DE ALMA LISA (ESPINGARDAS) PODE GERAR A EXPLOSÃO DA CÂMARA OU DO CANO, DADA À
UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS INADEQUADOS NO FECHAMENTO DE CARTUCHOS. ESTES MATERIAIS VÃO ADERINDO À PAREDE
INTERNA DO CANO, REDUZINDO O SEU DIÂMETRO E PROVOCANDO, CONSEQUENTEMENTE, UM AUMENTO DE PRESSÃO, FAZENDO
COM QUE, EM DADO MOMENTO, A PRESSÃO EXCESSIVA DÊ CAUSA AO ROMPIMENTO DO CANO OU SUA ABERTURA, PERMITINDO A
PROJEÇÃO DO ESTOJO CONTRA O PRÓPRIO ATIRADOR. ESPINGARDAS DE ANTECARGA COM A UTILIZAÇÃO DE PROPELENTES DE
QUEIMA MUITO RÁPIDA, COMO AQUELES À BASE DE CLORATO DE POTÁSSIO ( SALITRE ), PODEM DAR CAUSAS A ACIDENTES.
DISPARO ACIDENTAL

SÃO AQUELES PRODUZIDOS EM CIRCUNSTÂNCIAS ANORMAIS, SEM O ACIONAMENTO REGULAR DO


MECANISMO DE DISPARO, DEVIDO A DEFEITOS, FALHAS OU AUSÊNCIA DO MECANISMO DE
SEGURANÇA DA ARMA, COMO NO CASO DE QUEDA DE UMA ARMA, OU EM SITUAÇÕES ATÍPICAS.
POR EXEMPLO, QUANDO A TECLA DO GATILHO É ACIONADA POR QUALQUER OBJETO, COMO UM
GALHO OU CORDÃO DE APITO, QUE SE PRENDEU A ELA DURANTE O DESLOCAMENTO DE QUEM
CONDUZIA A ARMA OU AINDA NOS CASOS DA ARMA APRESENTAR O PERCUSSOR TRAVADO QUANDO
DO FECHAMENTO DO TAMBOR OU PELA INTRODUÇÃO DE UM CARTUCHO NA CÂMARA.

SEGUNDO O PERITO CRIMINAL ERALDO RABELLO (2018)


"TIRO ACIDENTAL DE UMA ARMA DE FOGO É EXCLUSIVAMENTE AQUELE RESULTANTE DO DISPARO
EFICAZ PRODUZIDO POR ESSA ARMA, O QUAL NÃO TEVE COMO CAUSA DETERMINANTE O
ACIONAMENTO NORMAL, INTENCIONAL OU NÃO, -DO MECANISMO DE DISPARO DA MESMA".
TIPO DEFINIÇÃO
Tiro Acidental É exclusivamente aquele resultante do disparo
eficaz produzido por essa arma, o quaI não teve
como causa determinante o acionamento normal,
intencional ou não, do mecanismo de disparo da
mesma.
É de suma importância diferenciar entre disparo acidental e
tiro acidental, pois "disparar é colocar o mecanismo de
Tiro involuntário É aquele verificado quando existe um disparo da arma em movimento. E, para que um disparo
acionamento Intencional do mecanismo de acidental produza um tiro acidental, é necessário que ocorra
disparo, mas o efeito final, em si, não é a detonação e deflagração de um cartucho e a projeção
previamente desejado. Por exemplo, acionar o
gatilho na crença da arma estar descarregada;
de um projétil através do cano da arma" (TOCCHETTO
atirar eficazmente, supondo que a munição é de Domingos. Balística Forense - Aspectos Técnicos e Jurídicos –
festim; tiro dado durante instrução, etc. 6º edição 2018), ou seja, a ponta deste projétil atinja a um
local ou alguém, sendo que nem toda a vez em que efetua
um disparo dá origem a um tiro, mas toda vez em que haja
um tiro é oriunda do disparo do mecanismo da arma.

Incidente de tiro Ocorre quando se produz uma interrupção dos


tiros sem danos materiais e/ou pessoais, por
motivo independente da vontade do atirador.

Acidente de tiro Acontece quando se


produz uma interrupção
dos tiros com danos de
qualquer natureza,
materiais e/ou pessoais
PANES