Você está na página 1de 32

1º.

SEMESTRE – 2020

PSICOLOGIA

Profa. Suzilaine Lopes Moreira

1
Aula

Psicologia e suas origens (percurso histórico-filosófico)


Constituição da Psicologia como ciência.
Psicologia Científica

Profa. Esp. Suzilaine Lopes – Univeritas – UNG- Itaqua 2


HISTÓRIA DA PSICOLOGIA

O homem cria as ciências como forma de compreensão do


mundo, entre essas ciências cria a Psicologia para entender
a subjetividade humana.

A Psicologia deriva da Filosofia e só se emancipa a partir do


século XIX;

Para compreender a psicologia é preciso entender sua origem

3
4
• É preciso compreender os porquês, o contexto
histórico, os aspectos políticos;

• Entender que a história implica em compreender o


predomínio de linhas teóricas, as áreas de atuação,
assim como o surgimento de novas áreas;

• Assim é possível nos situarmos em relação ao


mundo em que vivemos e que atuaremos.
5
PSICOLOGIA E SUAS ORIGENS (PERCURSO
HISTÓRICO-FILOSÓFICO)

A filosofia e o desenvolvimento do pensamento

 A filosofia nasce da necessidade do homem ordenar e
organizar seu pensamento;

 As questões  relativas aos mistérios do mundo cedem


lugar as questões mais práticas;

 Essa forma de pensar faz o homem se deslocar do
pensamento mítico para o pensamento racional.

6
A filosofia pode ser definida como uma busca
organizada do saber, que investiga através da razão
e não da crença.

Filosofia  é uma palavra grega que significa “amor à


sabedoria” e consiste no estudo de problemas
fundamentais relacionados á existência, ao conhecimento,
à verdade, aos valores morais e estéticos, a mente e a
linguagem.
A Filosofia nasce entre os gregos Séc. V a.c.
7
HISTORIA DA PSICOLOGIA

• Por trás de qualquer


produção existe história.

• A Psicologia de cada época


foi influenciada pelo
momento histórico em que
aconteceu.

8
A origem da palavra Psicologia segundo
os Gregos
Psyché – Alma Logos - razão
Psicologia: estudo da alma.

A alma ou espírito era


concebido como a parte
imaterial do ser humano,
responsável pelo pensamento,
sentimentos, desejos e
percepções.
9
A PSICOLOGIA é entendida como uma ciência
que estuda as emoções, os comportamentos, os
pensamentos, as atitudes, a aprendizagem, a
memória, a linguagem, a subjetividade, o
desenvolvimento humano, entre outras questões.

Profa. Esp. Suzilaine Lopes – Univeritas – UNG- Itaqua 10


O estudo da psicologia se iniciou com filósofos que
se dedicaram a compreensão do ser humano
enquanto um ser que se anima, que se afeta pelo
mundo, que se altera e que sofre.

Porém, no final do século XIX, várias áreas do saber


se transformaram em ciências independentes, e
uma delas foi também a Psicologia.

Profa. Esp. Suzilaine Lopes – Univeritas – UNG- Itaqua 11


Há 2.300 anos antes da Psicologia científica surgir 
 
 já haviam duas correntes de pensamento

1 - Platônica: Alma imortal e separada do corpo

2 - Aristotélica: Alma mortal e pertencente ao


corpo
 

Profa. Esp. Suzilaine Lopes – Univeritas – UNG- Itaqua 12


Filosofo grego considerado um dos principais pensadores da historia da
filosofia – discípulo de Sócrates. Sua filosofia é baseada na teoria de que o
mundo que percebemos com nossos sentidos é um mundo ilusório e
13
confuso.
Filosofo grego empirista durante o período clássico na
Grécia, foi aluno de Platão e professor de Alexandre o
Grande.

Profa. Esp. Suzilaine Lopes – Univeritas – UNG- Itaqua 14


Durante a Idade Média, a filosofia passou a tentar conciliar a
fé com a razão,

Na Idade Moderna, a filosofia retoma a investigação dos


princípios, porém agora buscando um saber confiável e
generalista.

Na Idade Contemporânea, a filosofia passou a ser entendida


mais como um questionamento e uma indagação sobre os
saberes, de modo que reflete sobre as implicações éticas das
práticas científicas, os embasamentos de cada paradigma.
15
O surgimento da Psicologia
 Crise no modo de produção capitalista.
O indivíduo,  expressão humana do capitalismo
também entra em crise.
Questionamento dos valores, potencialidades, do
sentido da vida.
Faz-se necessária uma ciência que explicasse os
aspectos individuais e subjetivos do humano.
A psicologia se emancipa da filosofia e se torna
independente.
16
PSICOLOGIA Versus FILOSOFIA

17
A Psicologia, enquanto ciência, é um campo que
estuda o ser humano, envolvendo a aprendizagem, o
desenvolvimento, as emoções, a mente, o
funcionamento cerebral, entre outras questões,
estudadas por meio do método científico.
Já a Filosofia se dedica a refletir sobre as
implicações desses estudos e métodos, em alguns
casos há psicólogos que são também filósofos e
filósofos que são também psicólogos, que acabam
por fazer as duas atividades.
18
PSICOLOGIA PRÉ CIENTIFICA

Filosofo , físico e matemático francês. Durante a Idade Moderna, também


19
era conhecido por seu nome latino Renatus Cartesius
CÉREBRO

• Separação entre mente e


corpo, afirmando que o
homem possui uma
substância material e uma
pensante, e que o corpo
desprovido de espírito, é
apenas uma máquina.

20
PSICOLOGIA PRÉ CIENTIFICA

21
PSICOLOGIA PRÉ CIENTIFICA

Filosofo francês que formulou a doutrina do positivismo. É visto


também como o fundador da disciplina acadêmica de Sociologia. 22
PSICOLOGIA PRÉ CIENTIFICA

Filosofo inglês conhecido como o pai do liberalismo. Ficou conhecido


como o fundador do empirismo, além de defender a liberdade religiosa 23
A PSICOLOGIA CIENTÍFICA

24
Apesar de reconhecermos a existência de uma Psicologia
do senso comum e, de certo modo, estarmos
preocupados em defini-la, é com a outra psicologia que
devemos ocupar-se — a Psicologia científica.

Foi preciso definir o senso comum, para que seja possível


demarcar o campo de atuação de cada uma, sem confundi-
las. Entretanto a tarefa de definir a Psicologia como ciência
é bem mais árdua e complicada.

25
É importante definir o que entendemos por ciência
(que também não é simples), para depois
explicarmos por que a Psicologia é hoje considerada
uma de suas áreas.

26
O QUE É CIÊNCIA
•A ciência compõe-se de um conjunto de conhecimentos sobre
fatos ou aspectos da realidade (objeto de estudo), expresso por
meio de uma linguagem precisa e rigorosa.
•Esses conhecimentos devem ser obtidos de maneira
programada, sistemática e controlada, para que se permita a
verificação de sua validade.
•Assim, podemos apontar o objeto dos diversos ramos da
ciência e saber exatamente como determinado conteúdo foi
construído, possibilitando a reprodução da experiência.
•Dessa forma, o saber pode ser transmitido, verificado, utilizado
e desenvolvido. 27
A característica da produção científica possibilita sua
continuidade: um novo conhecimento é produzido sempre a
partir de algo anteriormente desenvolvido.
Negam-se, reafirmam-se, descobrem-se novos aspectos, e
assim a ciência avança. Nesse sentido, a ciência caracteriza-se
como um processo.

28
A ciência tem ainda uma característica fundamental: ela
aspira à objetividade. Suas conclusões devem ser passíveis de
verificação e isentas de emoção, para, assim, tornarem-se
válidas para todos.

29
Objeto específico, linguagem rigorosa, métodos e técnicas
específicas, processo cumulativo do conhecimento,
objetividade fazem da ciência uma forma de conhecimento que
supera em muito o conhecimento espontâneo do senso comum.
Esse conjunto de características é o que permite que
denominemos científico a um conjunto de conhecimentos.

30
O QUE É CIÊNCIA
•Um conhecimento, para ser considerado científico, requer um
objeto específico de estudo.
Por exemplo: O objeto da Astronomia são os astros, e o objeto
da Biologia são os seres vivos.

•O mesmo não ocorre com a Psicologia, que, como a


Antropologia, a Economia, a Sociologia e todas as ciências
humanas, estuda o homem.
•Certamente, esta divisão é ampla demais e apenas coloca a
Psicologia entre as ciências humanas. Qual é, então, o objeto
específico de estudo da Psicologia? 31
Se dermos a palavra a um psicólogo comportamentalista, ele
dirá: “O objeto de estudo da Psicologia é o comportamento
humano”.
Se a palavra for dada a um psicólogo psicanalista, ele dirá: “O
objeto de estudo da Psicologia é o inconsciente”.
Outros dirão que é a consciência humana, e outros, ainda, a
personalidade.

32