P. 1
CÁLCULO DE CARGAS TÉRMICAS REFRIGERAÇÃO

CÁLCULO DE CARGAS TÉRMICAS REFRIGERAÇÃO

|Views: 585|Likes:
Publicado porRui Mendes

More info:

Published by: Rui Mendes on Nov 20, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/11/2014

pdf

text

original

2006/2007

BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES

1. Cálculo de cargas térmicas de refrigeração..................................................................................................2 Cálculo da Potência dos Equipamentos..........................................................................................................6 Permutadores de calor.....................................................................................................................................7 Métodos de transferência de calor.................................................................................................................10 Símbolos e Unidades ....................................................................................................................................11 Notas acerca de câmaras frigoríficas............................................................................................................12 Bibliografia.....................................................................................................................................................15

117469384.DOC | pág. 1 de 15

Estas dimensões dependem da carga a armazenar. cobertura e pavimento) 2. Cálculo de cargas térmicas de refrigeração A potência térmica nominal de arrefecimento de uma câmara frigorífica é a potência dos ganhos térmicos nas condições nominais de projecto e corresponde à potência útil que é necessário extrair para compensar aqueles ganhos. Cálculo da Capacidade de Carga da Câmara Carga Total = Carga Diária × 100 % Carga Total Densidade de Carga • Se a densidade de carga estiver em kg/m3: Carga Total Densidade de Carga Volume Útil da Câmara = • Se a densidade de carga estiver em kg/m2: Volume Útil da Câmara [m 3 ] = Carga Total [kg] × Altura Câmara [m] Densidade de Carga [kg/m 2 ] 117469384.2.3.DOC | pág. Respiração do produto (frutas e legumes) Antes de começar a calcular as cargas térmicas é necessário o cálculo prévio das dimensões da câmara frigorífica ou recinto a refrigerar. pelos envidraçados. 2 de 15 . Arrefecimento (calor sensível) 3. Equipamentos 3. Condução ou transmissão (pelas paredes. mantendo no seu interior as condições pretendidas de temperatura e humidade.4. Congelação (calor latente) 3.1. refrigerar.BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 2006/2007 1. de acordo com o fim a que se destina a instalação. Produto 3. A potência térmica nominal de arrefecimento é calculada pela soma algébrica dos valores parcelares correspondentes aos ganhos por: 1.1. Pessoas ou ocupantes 2. Renovação de Ar (infiltração por portas) 2. Serviço 2.3.2. Iluminação 2. A capacidade da câmara e consequentemente as suas dimensões calculam-se seguindo os passos abaixo.

1. Talhos. Horas de Funcionamento dos Estabelecimentos (Cálculo de Cargas pelo produto e outras) Horas de funcionamento 8 12 24 Local Lojas. excepto se a câmara for carregada de uma só vez.   Qelemento = K elemento ⋅ Aelemento ⋅ (Te − Ti ) ⇔ Qelemento = K elemento ⋅ Aelemento ⋅ ΔT Paredes Cobertura Pavimento Portas Janelas/Vidros  Qparede = K parede ⋅ Aparede ⋅ ΔT  Qcobertura = K cobertura ⋅ Acobertura ⋅ ΔT  Q =K ⋅A ⋅ ΔT pavimento pavimento pavimento  Qporta = K porta ⋅ Aporta ⋅ ΔT  Qvidros = Kvidros ⋅ Avidros ⋅ ΔT 117469384. Instalações Industriais Estes valores são apresentados apenas a título indicativo e devem ser estudados e verificados caso a caso. Hipermercados. Supermercados Restaurantes. Grandes superfícies.1 Ganhos por condução Ganhos pelas paredes. Supermercados. % da Capacidade Total 10 a 15% 20% Utilização Normal Despensas de cantinas ou grandes restaurantes • • • O volume útil de uma câmara frigorífica é de 75% do total de modo a permitir a carga e descarga dos produtos. • A carga diária a considerar será 10. pelos envidraçados. 3 de 15 . 15% ou 20% da capacidade máxima da câmara frigorífica. pela cobertura e pelo pavimento e deve-se à diferença de temperatura do ar entre o interior e o exterior da câmara ou móvel frigorífico. Peixarias. Pastelarias. Para câmaras de frutas e legumes. e por consulta de catálogos e tabelas de fabricantes determinam-se o as dimensões da câmara a utilizar (CxLxH). para câmaras montadas no interior de outros espaços. em que há respiração pelo produto são utilizados sistemas para garantir a renovação do ar 4 vezes ao dia (4 renovações/dia).DOC | pág. etc. Geralmente a temperatura dos pavimentos mantém-se aproximadamente constante entre 17 e 19ºC.2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES Área Útil [m 2 ] = Carga Total [kg] Densidade de Carga [kg/m2 ] Volume Total da Câmara Volume Total da Câmara = Volume Útil × 100 75% Conhecendo o volume da Câmara a utilizar.

Para Câmaras de conservação de frutas e legumes devem utilizar-se dispositivos de renovação de ar que garantam. devidas a infiltração pela abertura de portas.) Restaurantes. para cálculos de pouca importância ou para realizar estimativas rápidas quando não há dados específicos acerca do local a refrigerar podem utilizar-se percentagens sobre a carga térmica das paredes. 4 de 15 . Peixarias. calor do pessoal ou outras fontes de calor no interior da câmara.34 ⋅ v ⋅ ΔT       Q = m ⋅ Lv ⋅ Δx ⇔ Q = v ⋅ ρar ⋅ Lv ⋅ Δx ⇔ Q = 0 .1 Ganhos por admissão de ar exterior 10 25 40 % % % da carga pelas paredes da carga pelas paredes da carga pelas paredes Ganhos de calor resultante da entrada de ar exterior no interior da câmara. Supermercados. Sensível Latente Volume Ar Novo por Infiltração Renovações de Ar por infiltração       Q = m ⋅ Cp ⋅ ΔT ⇔ Q = v ⋅ ρar ⋅ C p ⋅ ΔT ⇔ Q = 0 . Os ganhos de calor por serviço são calculados seguindo a metodologia apresentada nos pontos seguintes. etc. Bares e Pastelarias 1.BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 2006/2007 1. iluminação.2.DOC | pág.2 Ganhos por Serviço Os ganhos de calor por serviço são originados pela abertura de portas. e através da renovação de ar por utilização de sistemas de ventilação. todavia.48 + 0 .004 ⋅ (To − Ti ) – factor de correcção 117469384.85 ⋅ v ⋅ Δx  v = Ap ⋅ Pd ⋅ Rh Rh = Rh = 35 H V 70 H V Câmaras de baixas temperaturas (Congelação e conservação de congelados) Câmaras refrigeradas Movimento de pessoas Portas abertas Portas (koelet)   v = np ⋅ v ip   v = nportas ⋅ v porta  ρ   1 v = ⋅ Aporta ⋅ hporta ⋅ 1 − o   3 ρi     ρ   1 m = ⋅ ρi ⋅ Aporta ⋅ hporta ⋅ 1 − o   3 ρi    k = 0 . São ganhos de calor sensível e de calor latente e são devidas a infiltrações ou a renovação mecânica do ar. de acordo com a tabela seguinte: Câmaras de Conservação Câmaras para retalhistas (Talhos. pelo menos 4 renovações por hora.

Iluminação Individual Iluminação ambiente 1.1 Arrefecimento (calor sensível) Resulta do arrefecimento necessário para baixar a temperatura dos produtos a refrigerar até à sua temperatura de conservação. Calor Sensível (até temp.2.3. Sensível 1. Sensível Latente  Q = nlâmpadas ⋅ q  Q = A ⋅q ambiente útil ambiente   Qsensível = nequipament os ⋅ qsensível   Qlatente = nequipament os ⋅ qlatente 1. 5 de 15 .3 Ganhos por carga do produto Ganhos de calor devidos ao arrefecimento dos produtos a conservar ou congelar e devido à sua libertação de CO2. 1.3 Iluminação  Q = n p ⋅ qS  Q = n ⋅q p L Corresponde aos ganhos de calor sensível resultantes da iluminação do espaço.2.4 Equipamentos Só se contabilizam quando existam equipamentos com libertação de calor significativo (deve ser considerado o valor da potência térmica libertada indicado pelo fabricante).2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 1. Sensível Latente 1.DOC | pág. congelação)   Q = m ⋅ C p ⋅ Tinicial − Tcongelação ( ) 117469384.2   Q = m produto ⋅ C p ⋅ (Tinicial − Tarrefecime nto ) Congelação (calor sensível + latente) É composta pelas quantidades de calor sensível e latente a retirar de modo a congelar e manter os produtos congelados à temperatura adequada.3.2 Ocupação Ganhos de calor resultantes do número de pessoas e da actividade exercida no espaço a refrigerar.2.

4 Balanço Térmico Carga Sensível Envolvente exterior Envolvente interior Envidraçados Admissão por ar exterior Ocupação Iluminação Equipamentos Desumidificação Carga Latente Carga Térmica Ganhos Total Cálculo da Potência dos Equipamentos A potência dos equipamentos é a potência necessária para compensar a carga térmica calculada durante 117469384. congelação) Q = m ⋅ C p ⋅ Tcongelação − Tinicial = Carga Térmica Congelação ( ) 1. de frutas e vegetais.3 Respiração do produto (frutas e legumes) Resulta do calor produzido pelo amadurecimento e consequente libertação de CO2. 6 de 15 .BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 2006/2007 + Calor latente de Congelação   Q = m ⋅ Lc   + Calor Sensível (abaixo de temp. Calor de Respiração   Q = m ⋅ Cr 1.DOC | pág.3.

117469384. isto é.05 1. 7 de 15 . mas garantindo que o funcionamento do compressor não é contínuo. por exemplo 16 a 18 horas por dia.10 Horas de Funcionamento do Grupo de Condensação [Error: Reference source not found] (Cálculo da Potência dos Equipamentos) Horas de funcionamento 14 a 16 18 a 20 Tipo de Descongelação Natural Resistências Temperaturas das Câmaras > 1ºC < 1ºC Permutadores de calor Trocas de Calor em Permutadores de Calor Potência Cedida pelo Fluido Quente   Qa = ma ⋅ Cpa ⋅ ΔTa   Qb = mb ⋅ Cpb ⋅ ΔTb  Q = h ⋅ A ⋅ ΔTm Potência Recebida pelo Fluido Frio Potência Transferida no Permutador Troca de Calor    Q = Qa = Qb Diferença de Temperatura ΔT – diferença entre a temperatura de entrada e de saída de um fluido num permutador. mas sim apenas um determinado número de horas.DOC | pág. a temperatura que um fluido ganha ou perde ao atravessar um permutador. Pequipamentos = Pequipamentos H funcionamento dia  Qtotal = ⋅ fs ⇔ H funcionamento 24  Qtotal ⋅ 24 H funcionamento ⋅ fs  Qtotal + Margem Segurança ⇔ Pequipamentos = H funcionamento dia  Qtotal ⋅ fs Pequipamentos = Factor de segurança (Cálculo da Potência dos Equipamentos) Margens e factores de segurança Fs (Aplicado sobre a carga térmica Total) Margem de Segurança 5 % 10 % fs 1.2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 24 horas.

aproximada. da temperatura entre os fluidos de um permutador de calor.DOC | pág. 8 de 15 . de temperatura entre os fluidos de um permutador de calor. ΔTm = ΔT1 + ΔT2 2 Diferença Média Logarítmica de Temperatura (DMLT) ΔTm ln – diferença média. ΔTm = ΔTm ln = ΔT1 − ΔT2 ΔT ln 1 ΔT2 Permutadores em contra-corrente Permutadores em co-corrente ou fluxo paralelo ΔT1 = Tai − Tbi ΔT2 = Tao − Tbo ΔT1 = Tai − Tbo ΔT2 = Tao − Tbi 117469384. real.BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 2006/2007 ΔTa = Tai − Tao ∆Tb = Tbo − Tbi  se o fluido perde temperatura (arrefece)  se o fluido ganha temperatura (aquece) Diferença Média de Temperatura ΔTm – diferença média aritmética.

Se a temperatura se mantiver constante do lado do fluido refrigerante.2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES ΔTm ln = (Tai − Tbi ) − (Tao − Tbo ) (Ta − Tbi ) ln i (Tao − Tbo ) (Tai − Tbi ) + (Tao − Tbo ) 2 ΔTm ln = (Tai − Tbo ) − (Tao − Tbi ) (Ta − Tbo ) ln i (Tao − Tbi ) (Tai − Tbo ) + (Tao − Tbi ) 2 ΔTm = ΔTm ln = A Diferença Média Logarítmica de Temperatura utiliza-se quando as amplitudes de temperatura no permutador são muito grandes. pode assumir-se com razoável precisão que a temperatura do refrigerante durante a evaporação e a condensação são relativamente constantes uma vez que essa variação é conseguida em grande parte devido ao aumento ou diminuição bruscas da pressão a que o fluido se encontra o que permite que o fluido condense a temperaturas altas e evapore a baixas temperaturas.DOC | pág. Como regra prática pode considerar-se a seguinte1: ΔTi ≥ 0. 9 de 15 . o que nos permite reescrever as equações acima.5 Evaporadores e condensadores Em evaporadores e condensadores.7 ⇒ ΔTm ln ΔTo Em que: ΔTi Tai − Tbi = ΔTo Tao − Tbo 1. então a parede do permutador estará a essa temperatura. 117469384.7 ⇒ ΔTm ΔTo ΔTi < 0. da seguinte forma: 1 Apresentada pela Roca para selecção de radiadores.

10 de 15 . com reduzida margem de erro.DOC | pág.6 Equação da transferência de calor por convecção  Q = h ⋅ A ⋅ ΔT 1.BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 2006/2007 Evaporação Simplificando e assumindo. que no evaporador: Condensação Simplificando e assumindo.7 Cálculo do coeficiente global de transferência de calor K 1 1 = + U hi ∑ e 1 + ⇔U = 1 λ he + hi 1 ∑ e 1 + λ he 117469384. que no condensador: Tri = Tro = Te ΔTm ln = (Tai − Te ) − (Tao − Te ) (Ta − Te ) ln i (Tao − Te ) (Tai − Te ) − (Tao − Te ) 2 Tri = Tro = Te ΔTm ln = (Tai − Te ) − (Tao − Te ) (Ta − Te ) ln i (Tao − Te ) ΔTm = ΔTm = (Tai − Te ) − (Tao − Te ) 2 Métodos de transferência de calor  λ Q = ⋅ A ⋅ ΔT e 1. com reduzida margem de erro.

9 Equação fundamental da transferência de calor Q = m ⋅ C p ⋅ ΔT  Q Q= Δt   Q = m ⋅ C p ⋅ ΔT   Q = v ⋅ ρ ⋅ C p ⋅ ΔT Símbolos e Unidades  Q Q  m – Carga Térmica ou calor transferido através da parede – Quantidade de calor – Caudal Mássico – Caudal Volúmico – Volume – Massa específica – Massa específica do ar exterior (quente) – Massa específica do ar interior (frio) – Resistência térmica superficial do lado frio – Resistência térmica superficial do lado quente – Área da parede [W] [J] [kg/s] [m3/s] [m3] [kg/m3] [kg/m3] [kg/m3] [m2 ºC/W] [m2 ºC/W] [m2]  v V ρ ρo ρo 1/he 1/hi A 117469384.8 Carga térmica transferida através de uma parede  Qparede = U parede ⋅ Aparede ⋅ ∆T 1.DOC | pág. 11 de 15 .2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 1.

12 de 15 .BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES h he hi Cp e U m Te Ti α1 α2 ΔT Δt λ Ti Te Ta Pd Rh np Ap – Coeficiente de transferência de calor por convecção – Coeficiente de Transferência de calor por convecção do lado frio – Coeficiente de Transferência de calor por convecção do lado quente – Calor especifico (calor que é necessário fornecer ou retirar a um corpo ou substância para lhe aumentar ou diminuir a temperatura em 1ºC. % da Capacidade Total 10 a 15% 20% Utilização Normal Despensas de cantinas ou grandes restaurantes 117469384. excepto se a câmara for carregada de uma só vez.5x106] – Calor de Respiração – Potência relativa ao calor sensível cedido pelas pessoas – Potência relativa ao calor latente cedido pelas pessoas  v ip  v m2 Lv Cr qs qL qtrabalho – Potência de iluminação por área de trabalho individual qambiente – Potência de iluminação instalada por área de trabalho x H k fs – Humidade Absoluta do Ar (grama de água por quilograma de ar seco) – Horas diárias de funcionamento dos estabelecimentos comerciais – Factor de correcção do caudal infiltrado pela abertura de portas – Factor de Segurança para prevenir perdas Notas acerca de câmaras frigoríficas • A carga diária a considerar será 10.ºC] [m] [W/m2 ºC] [kg] [ºC] [ºC] [W/m2 ºC] [W/m2 ºC] [ºC] [ºC] [W/m ºC] [ºC] [ºC] [ºC] [m] – Espessura da camada de material – Coeficiente global de transferência de calor – Massa – Temperatura exterior – Temperatura interior – Coeficiente de Transferência de calor por convecção do lado frio – Coeficiente de Transferência de calor por convecção do lado frio – Diferença ou Variação da temperatura (Te . 15% ou 20% da capacidade máxima da câmara frigorífica.DOC | pág.Ti) ou (Ti-Te) – Tempo necessário ou requerido para atingir as condições pretendidas – Condutibilidade térmica do material – Temperatura Interior – Temperatura Exterior – Temperatura de um local adjacente não climatizado – Pé-direito – Número de Renovações de Ar por Hora – Número de pessoas – Área útil do pavimento [m2] [m2] [m2] [m3/h] [m3/h] [m3/h] [m3/h] [J/kg] [W/kg] [W] [W] [W/m2] [W/m2] [g/kg] [h] Atrabalho – Área útil de trabalho individual Aambiente – Área útil de trabalho ambiente  vp  v ip – Caudal de ar a fornecer por pessoa – Caudal de ar infiltrado por pessoa – Caudal de ar infiltrado por pessoa – Caudal de ar a fornecer por m2 de área útil – Calor Latente de Vaporização da água [2. por unidade de massa) 2006/2007 [W/m2 ºC] [W/m2 ºC] [W/m2 ºC] [J/kg.

< 2 ºC Sim 4 descongelações diárias de 15 minutos reguladas por temporizador • • • • • • • Os sistemas de ventilação das casas das máquinas devem ter os caudais iguais ao somatório dos caudais dos condensadores. 13 de 15 . Para câmaras de frutas e legumes. do lado quente do material do isolamento. perfeitamente vedada. As salas de máquinas devem ser insonorizadas com materiais de atenuação acústica. geralmente. cozinhas de hotéis e restaurantes. onde as temperaturas das câmaras são próprias para serem elevadas 117469384. Deve existir um machado de bombeiro no interior das câmaras frigoríficas que funcionam com temperaturas negativas ou que tenham atmosfera artificial. Como muitos dos materiais utilizados como isolamento são permeáveis ao vapor de água. Tipo de Utilização das Câmaras Frigoríficas • Utilização Média – instalações não sujeitas a temperaturas extremas e quando a quantidade de alimentos gerada na câmara não é anormal. para câmaras montadas no interior de outros espaços. em que há respiração pelo produto são utilizados sistemas para garantir a renovação do ar 4 vezes ao dia (4 renovações/dia). • Utilização Pesada – instalações de mercados movimentados. As portas geralmente utilizadas em câmaras frigoríficas são pivotantes com 0. Exemplos: Bares. Geralmente a temperatura dos pavimentos mantém-se aproximadamente constante entre 17 e 19ºC. de modo a evitar que a pressão mais alta do vapor no lado quente o faça dirigir-se através do isolamento para o lado frio da parede. introduzidos já arrefecidos atá á temperatura de armazenamento.2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES • • • • • O volume útil de uma câmara frigorífica é de 75% do total de modo a permitir a carga e descarga dos produtos. É recomendada a utilização de válvulas equilibradoras de pressão com resistência para câmaras de congelação de modo a compensar as diferenças de pressão entre o interior e o exterior. geralmente instala-se uma barreira de vapor. A utilização de resistências para realizar a descongelação do evaporador em câmaras frigoríficas avalia-se da seguinte forma: Necessidade de Resistências de Descongelação [Error: Reference source not found] Temperatura > 2 ºC Resistências Descongelação Não Observações A descongelação realiza-se por paragem ou inversão de ciclo. onde a pressão é mais baixa. pastelarias.9 x 1. As câmaras que trabalham com temperaturas negativas devem ser equipadas com resistências de porta.90 m. Nas câmaras de armazenamento os produtos são.DOC | pág.

Espessuras de isolamentos para paredes de câmaras [Error: Reference source not found] Espessura Gama de Temperaturas (mm) 60 85 Até +8 +18 a +1 a .40 ºC ºC ºC ºC ºC U (W/m2ºC) 0.25 .25 ºC ºC Observação Arrefecimento/Conservação Arrefecimento/Conservação para locais quentes.DOC | pág.BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES 2006/2007 quando os períodos de grande movimento criam grandes cargas de arrefecimento e quando são colocados alimentos quentes no seu interior.14 0.20 .55 0.11 117469384.18 a .22 0.40 ºC ºC Espessuras de isolamentos para paredes de câmaras [Error: Reference source not found] Espessura Gama de Temperaturas (mm) 40 70 100 155 200 Até Até Até Até Até + 20 +5 .31 0. 14 de 15 . Congelação Congelação em locais quentes Congelação e ultracongelação 105 150 Até Até .40 .

15 de 15 .DOC | pág.2006/2007 BALANÇO TÉRMICO DE INSTALAÇÕES Bibliografia 117469384.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->