P. 1
DOC - 11210_12190 - Principais Demonstrações Financeira

DOC - 11210_12190 - Principais Demonstrações Financeira

4.67

|Views: 7.208|Likes:
Publicado porED209

More info:

Published by: ED209 on Mar 06, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/10/2014

pdf

text

original

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PROF.

FÁBIO BRUSSOLO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A Lei 6404/76, conhecida como a Lei das Sociedade Anônimas define quais são as Demonstrações Financeiras obrigatórias, bem como a estrutura de cada uma. Essa Lei foi recentemente alterada pela Lei 11.638/07, que alterou as Demonstrações Obrigatórias e também a estrutura de algumas demonstrações. A Lei 11638/07 em seu artigo 176 define quais as Demonstrações Financeiras são obrigatórias para as Sociedades Anônimas::     Balanço Patrimonial; Demonstração do Resultado do Exercício; Demonstração dos Fluxos de Caixa; Demonstração do Valor Adicionado (se for de capital aberto)

O texto da Lei diz ainda que as Demonstrações Financeiras devem ser acompanhadas de Notas Explicativas que demonstram as principais práticas contábeis adotadas pela empresa. Diz ainda que as empresas de capital fechado que tenham Patrimônio Líquido inferior à R$ 2.000.000,00 na data do fechamento do Balanço fica desobrigada à elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa. BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é a demonstração que indica o total de bens, direitos e obrigações de uma empresa, expressos em moeda corrente, em determinado período. É dividido em três grupos básicos: ATIVO: demonstra os bens e direitos da empresa. Também podemos dizer que no ativo estão as aplicações de recursos da empresa, ou seja, para onde foram destinados os recursos que a empresa conseguiu com terceiros ou com os próprios acionistas da empresa. O total do Ativo da empresa é também chamado de Capital à disposição da empresa. PASSIVO: demonstra as obrigações da empresa com terceiros. Terceiros são pessoas físicas ou jurídicas que “financiam” a empresa, (exemplo: fornecedores, salários a pagar, impostos) e que não são sócios ou acionistas da empresa. O Passivo é considerado como uma origem de recursos e é também conhecido como Capital de Terceiros. PATRIMÔNIO LÍQUIDO: demonstra todos os recursos que pertencem aos acionistas da empresa e que estão investidos na mesma. Podemos dizer que são obrigações da empresa com os seus sócios ou acionistas, representando também uma origem de recursos. Também é conhecido como Capital Próprio. Os grupos apresentados devem ter uma divisão, conforme a legislação citada. O Ativo é classificado quanto ao grau de liquidez decrescente de suas contas, ou seja, aquelas que provavelmente se transformarão em dinheiro com maior velocidade aparecem em primeiro lugar, sendo que aquelas que aparecem por último tem uma expectativa bem menor de se transformar em dinheiro. O Ativo é classificado da seguinte forma:

  

ATIVO CIRCULANTE: bens e direitos que se realizarão em dinheiro até o fim do exercício social seguinte ao fechamento do Balanço; ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO: bens e direitos que se realizarão em dinheiro após o fim do exercício social seguinte ao fechamento do Balanço; ATIVO PERMANENTE: Neste grupo classificam-se todas as contas que representam os Bens ou Direitos que, pela sua finalidade, representam recursos aplicados na empresa de maneira permanente. Divide-se em: Investimentos: é composto por contas representativas de bens e direitos, que normalmente representam participação em outras empresas, e outros bens e direitos que não se destinam à manutenção das operações da empresa, como por exemplo: Imóveis não de Uso, Obras de Arte. Imobilizado: são os bens tangíveis necessários para a operação da empresa. Bens tangíveis são aqueles que podem ser tocados fisicamente. Exemplo: Veículos, Máquinas e Equipamentos, Imóveis. Para ser considerado como um imobilizado o item deve apresentar três características básicas: - não ser destinado à venda; - ser utilizado na operação da empresa; - ter um prazo de vida útil relativamente longo; Encontramos também no Ativo Permanente Imobilizado as contas redutoras ou retificadoras do Ativo. Como exemplo podemos citar: A conta Depreciação Acumulada, que registra a perda de valor dos bens tangíveis, por desgaste ou obsolescência, conforme percentual definido pela legislação do imposto de renda. Esta conta reduzirá o saldo da conta Ativo Permanente Imobilizado. As empresas que exploram recursos naturais como Reservas Florestais, Poços de Petróleo, Pedreiras, entre outras, registram esses valores como Ativo Permanente Imobilizado, e o consumo desses recursos devem ser registrados em uma conta redutora chamada Exaustão Acumulada. - Intangível: Este sub-grupo do Ativo Permanente surgiu com as alterações da Lei 11.638/07, e tem a função de registrar os valores dos bens e direitos que são necessários para a operação da empresa, mas não podem ser tocados, chamados de Bens Intangíveis. O grande exemplo deste item são as Marcas e Patentes e os Fundos de Comércio. Esses bens também podem sofrer desgastes com o passar do tempo, como a perda de uma patente, e esse tipo de perda deve ser registrado em uma conta redutora deste grupo denominada Amortização Acumulada. Diferido: São gastos que a empresa faz em um empreendimento, ou novo produto antes desses começarem a produzir receitas. Exemplo: Gastos num novo galpão antes de entrar em operação, gastos com pesquisas de mercado de um novo produto. Os valores contabilizados nestes grupo, são gastos que normalmente a empresa reconheceria como uma despesa se a empresa ou o produto já estivesse em operação. Quando a empresa ou o produto entrar efetivamente em operação a empresa poderá “transferir” estes gastos para despesa obedecendo o prazo mínimo de cinco anos para essa transferência. Os valores já transferidos para despesa serão demonstrados numa conta redutora ou retificadora do Ativo Permanente Imobilizado chamada Amortização Acumulada.

-

O Passivo é classificado conforme a data de vencimento das obrigações da empresa. Aquelas que tem exigibilidade mais curta aparece em primeiro lugar e aquelas que tem uma exigibilidade com prazo mais estendido aparece depois. Obedecendo esta regra se divide em:    PASSIVO CIRCULANTE: são as obrigações com terceiros que tem o vencimento até o final do próximo exercício social do fechamento do Balanço Patrimonial; PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO: são as obrigações com terceiro que tem o vencimento após o exercício social subseqüente ao fechamento do Balanço. RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS: estão representadas as contas que representam receitas futuras da empresa diminuídas dos respectivos custos. Ocorre quando a empresa já tem a contratação de uma receita que beneficiará exercícios futuros, representando a obrigação da empresa em realizar esta receita no futuro.

O Patrimônio Líquido da empresa irá representar o Capital Social investido pelos sócios ou acionistas, as Reservas de Capital e de Lucros realizadas pela empresa e o Prejuízo Acumulado, caso seja essa a situação da empresa. A Lei 11638/07 acabou com a figura da conta de Lucros Acumulados, devendo a empresa, quando tiver lucros acumulados transferir este valor para a conta de Reserva de Lucros. Conforme Morante (2007:4) “O Balanço Patrimonial é demonstração fundamental para a gestão financeira, pois identifica a posição econômico-financeira das empresas. Os índices que possibilita formar são esclarecedores da liquidez e estrutura patrimonial, indicando como aquelas estão estruturadas num período de tempo.” DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A Demonstração do Resultado do Exercício é um resumo ordenado das receitas e despesas da empresa em determinado período (geralmente 12 meses). É apresentada de forma dedutiva (vertical), ou seja, das receitas subtraem-se as despesas e, em seguida, indica-se o resultado (lucro ou prejuízo). Os principais itens da Demonstração do Resultado do Exercício são: RECEITA BRUTA A Receita Bruta é o total vendido no período. Nela estão inclusos os impostos sobre vendas (os quais pertencem ao governo) e dela não foram subtraídas as devoluções (vendas canceladas) e os abatimentos ocorridos no período. É o resultado, sem nenhum tipo de desconto, das atividades da empresa, seja ela, venda de mercadorias ou serviços. DEDUÇÕES As deduções da receita são valores que irão diminuir o resultado da empresa, e que não acontecem por vontade da própria empresa. São exemplos de deduções da receita: Impostos e Taxas sobre Vendas: são aqueles gerados no momento da venda; variam proporcionalmente à venda, ou seja, quanto maior for o valor das vendas, maior será o imposto. Os mais comuns são: IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados; ICMS – Impostos sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços; ISS – Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza; PIS – Programa de Integração Social; COFINS – Contribuição para o Finsocial. Devoluções: são mercadorias devolvidas por estarem em desacordo com o pedido (preço, qualidade, quantidade, avaria). O comprador, sentindo-se prejudicado, devolve total ou parcialmente a mercadoria.

Abatimentos: existem casos em que a empresa vendedora consegue convencer a compradora a ficar com a mercadoria mesmo com pequenas avarias, e para compensar concede um “abatimento” no preço da mercadoria. Esse abatimento também reduz o resultado da empresa. Portanto, deduções são ajustes (e não despesas) realizados sobre a Receita Bruta para se apurar a Receita Líquida. RECEITA LÍQUIDA É o resultado da Receita Bruta menos as Deduções, e representa a Receita Real da empresa, uma vez que já foram desconsiderados todos os ajustes (deduções) sobre a Receita Bruta. CUSTO DAS VENDAS A expressão Custo das Vendas é bastante genérica, devendo, por essa razão, ser especificada por setor da economia: para empresas industriais o custo das vendas é denominado Custo dos Produtos Vendidos, neste caso compreende o custo de aquisição da matéria-prima, o custo do pessoal aplicado na produção, e os outros gastos da empresa ligados à produção; para empresas comerciais o custo das vendas é denominado Custo das Mercadorias Vendidas, neste caso compreende o valor de aquisição das mercadorias, seguro e transporte até o local da venda, tributos devidos no ato da aquisição da mercadoria ou na importação; para empresas prestadoras de serviços o custo das vendas é denominado Custo dos Serviços Prestados, neste caso compreende, todos os gastos envolvidos com a prestação de serviços propriamente dita, bem como o custo do pessoal ligado diretamente a prestação do serviço em si;. É importante ressaltar que só aparece neste item os valores que se referem aos produtos ou serviços praticados pela empresa e que já foram vendidos. RESULTADO BRUTO Resultado Bruto é a diferença entre a Receita Líquida e o Custo das Vendas, sem considerar as despesas operacionais. O Lucro Bruto, após cobrir o custo de fabricação do produto (ou o custo da mercadoria adquirida para revenda, ou o custo do serviço prestado), é destinado à remuneração das despesas administrativas, de vendas e financeiras, bem como a remuneração do governo (Imposto de Renda) e dos proprietários da empresa (Lucro Líquido). DESPESAS OPERACIONAIS São esforços/sacrifícios que a empresa faz, no período (ano/exercício) para obter receitas. As despesas operacionais são as necessárias para vender os produtos, administrar a empresa e financiar as operações. Enfim, são todas as despesas que contribuem para a manutenção da atividade operacional da empresa. Despesas de Vendas: abrangem desde a promoção do produto até a sua colocação junto ao consumidor (comercialização e distribuição). São despesas de pessoal da área de vendas, comissões sobre vendas, propaganda e publicidade, marketing, entre outras; Despesas Administrativas: são aquelas necessárias para administrar (dirigir) a empresa. De maneira geral, são gastos do escritório que visam a direção ou a gestão da empresa. Exemplos: honorários administrativos, salários e encargos sociais do pessoal administrativo, aluguel do escritório, materiais de escritório, seguro do escritório, entre outros.

Despesas Financeiras: são as remunerações aos capitais de terceiros, tais como: juros pagos ou incorridos, comissões bancárias, descontos concedidos, juros pagos, etc...As despesas financeiras devem ser compensadas com as Receitas Financeiras, isto é, estas receitas são deduzidas daquelas despesas, havendo indicação de cada uma delas. RESULTADO OPERACIONAL O Resultado Operacional é a diferença entre o Lucro Bruto e as Despesas Operacionais. DESPESAS/RECEITAS NÃO OPERACIONAIS São as despesas e receitas não relacionadas com o objetivo do negócio da empresa, ou seja, não fazem parte das operações da empresa. São os lucros ou prejuízos na venda de itens do ativo permanente, multas de trânsito, entre outras. RESULTADO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL É o Resultado Operacional, somado ou diminuído das Despesas/Receitas não Operacionais, e que serve de base para o cálculo do Imposto de Renda e a Contribuição Social. PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL É o resultado do cálculo do Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro da empresa, e que vai diminuir o resultado final da empresa. RESULTADO DEPOIS DO IMPOSTO DE RENDA É a sobra que a empresa teve depois de calculado o Imposto de Renda e a Contribuição Social. PARTICIPAÇÃO DE EMPREGADOS E ADMINISTRADORES É o complemento à remuneração de empregados e administradores. Normalmente, é definido no estatuto ou contrato social um percentual sobre o lucro. RESULTADO DO EXERCÍCIO OU RESULTADO LÍQUIDO É o resultado final alcançado pela empresa depois da participação de empregados e administradores. Esses dados apresentados correspondem à uma Demonstração do Resultado do Exercício completa, sendo que caso a demonstração de uma empresa não possua todos os elementos aqui apresentados, sempre a última linha da demonstração será chamada de Resultado do Exercício ou Resultado Líquido. DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) Essa demonstração passou a ser obrigatórias para as empresas de capital aberto à partir da Lei 11638/07, em substituição à Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR). As empresas de capital fechado que tenham Patrimônio Líquido inferior à R$ 2.000.000,00 estão desobrigadas da elaboração da DFC. Por meio das Demonstração dos Fluxos de Caixa, podem ser avaliadas as alternativas de investimentos e as razões que provocaram as mudanças da situação financeira da empresa, as formas de aplicação do lucro gerado pelas operações e até mesmo os motivos de eventuais quedas no capital de giro. A DFC indica a origem de todo o dinheiro que entra no caixa, a aplicação de todo o dinheiro que dele sai, e ainda, o resultado do fluxo financeiro de determinado período.

Tem como objetivo avaliar as alternativas de investimentos e controlar ao longo do tempo as decisões importantes que são tomadas nas empresas com reflexos monetários. MARION & REIS (2003:59-60) destacam a terminologia e o significado de cada item que compõem essa demonstração: “ a) caixa: compreende o numerário em mãos e depósito bancário disponível; b) equivalente à caixa: investimentos a curto prazo, de alta liquidez, prontamente conversíveis em valores conhecidos de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor; c) fluxos de caixa: entradas e saídas de caixa e equivalentes a caixa; d) atividades operacionais: as principais atividades geradoras de receita da empresa e outras atividades diferentes das de investimento e financiamento; e) atividades de investimento: as aquisições e vendas de ativo de longo prazo e outros investimentos não inclusos nos equivalentes à caixa; f) atividades de financiamento: atividades que resultam em mudanças no tamanho e na composição do capital e empréstimos da empresa.” A DFC pode ser elaborada pelo Método Direto e pelo Método Indireto. O Método Direto está embasado regime de caixa, ou seja, procura registrar todos os recebimentos e todos os pagamentos de caixa. No Método Indireto, é realizada uma reconciliação do rendimento líquido para o caixa líquido, e as mudanças, aumento ou diminuição são medidos nas contas de Capital de Giro como Contas a Receber, Estoques, etc... que serão ajustados para rendimentos líquidos e mensuração de caixa. O Fluxo de Caixa é dividido em três fluxos distintos: Atividades Operacionais, Atividades de Investimentos e Atividades de Financiamento. ATIVIDADES OPERACIONAIS: são aquelas derivadas das atividades principais geradoras de receita da empresa. Portanto, podem resultar de transações e outros eventos que afetam o resultado da empresa. MARION & REIS (2003:64) citam os seguintes exemplos de Atividades Operacionais:       recebimento em dinheiro pela venda de mercadorias e prestação de serviços; recebimento em dinheiro decorrentes de royalties, honorários, comissões e outras receitas; pagamentos em dinheiro a fornecedores por mercadorias e serviços; pagamentos em dinheiro a empregados ou por conta de empregados; recebimentos e pagamentos em dinheiro de uma seguradora por prêmios e sinistros, anuidades e outros benefícios da apólice; pagamento em dinheiro ou restituição de impostos.

ATIVIDADES DE INVESTIMENTO: são as atividades que visam gerar fluxo de caixa e resultados futuros. São exemplos:     aquisições para o ativo permanente da empresa; recebimentos resultantes da venda de ativo imobilizado; adiantamento e empréstimos feitos a terceiros; desembolsos por contratos futuros ou a termo.

ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO: são as atividades que influenciarão os fluxos de caixa da empresa no futuro.

São exemplos:      Numerário recebido proveniente da emissão de ações ou outros instrumentos de capital; Pagamentos a investidores para adquirir ou resgatar ações da empresa; Numerários recebidos proveniente da emissão de debêntures, empréstimos, títulos e valores mobiliários; Amortização de empréstimos a pagar; Pagamento por um arrendatário pela redução do Passivo pendente relativo a um arrendamento financeiro.

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO (DVA) Essa demonstração passou a ser obrigatória para as empresas de capital aberto com a Lei 11638/07. Ela ressalta a riqueza criada por uma entidade num determinado período de tempo (normalmente, um ano), bem com a sua efetiva distribuição. A DVA indica de forma clara e precisa a parte da riqueza que pertence aos sócios ou acionistas, a que pertence aos demais capitalistas que financiam a entidade (capital de terceiros), a que pertence aos empregados e finalmente a parte que fica com o governo. Para se elaborar a Demonstração do Valor Adicionado, segue-se o seguinte cálculo: Do valor da Receita Operacional, subtraem-se todos os custos dos recursos adquiridos de terceiros, como aquisição de matéria-prima, mercadorias, embalagens, energia elétrica e terceirização da produção utilizados no processo operacional da empresa. O resultado obtido nessa subtração denomina-se Valor Adicionado Bruto. Do Valor Adicionado Bruto subtraem-se os valores de Depreciação, Exaustão e Amortização, resultando no que chamamos de Valor Adicionado Líquido. Do Valor Adicionado Líquido podem ser acrescidos ou diminuídos os valores de Receitas Financeiras, Receita de Equivalência Patrimonial, Despesas Não Operacionais, para se encontrar o que chamamos de Valor Adicionado a Distribuir. Após encontrar estes valores demonstra-se para onde esse recurso foi distribuído em forma de impostos, salários, remuneração aos acionistas, entre outros. NOTAS EXPLICATIVAS As notas explicativas que devem ser elaboradas pelas empresas ao final das Demonstrações Financeiras tem como objetivo explicar a formação de alguns valores e investimentos da sociedade. São obrigatórias as seguintes notas:    Os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais (estoques, depreciação, provisões, entre outros); Os investimentos em outras sociedades; O aumento de valor de ativo resultantes de novas avaliações;

     

Os ônus reais constituídos sobre valores do ativo, garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais; Taxa de juros, datas de vencimento, e as garantias das obrigações a longo prazo; O número, espécie e classes das ações do capital social; As opções de compras de ações outorgadas e exercidas no exercício; Os ajustes de exercícios anteriores; Os eventos subseqüentes à data de encerramento do Balanço, que possam ter efeitos relevantes na situação financeira e nos resultados da empresa.

BIBLIOGRAFIA MARION, José Carlos; REIS, Arnaldo (coordenadores) – Mudanças nas Demonstrações Contábeis – Editora Saraiva – São Paulo : 2003 MORANTE, Antonio Salvador – Análise das Demonstrações Financeiras: Aspectos Contábeis da Demonstração de Resultado e do Balanço Patrimonial – Editora Atlas – São Paulo : 2007 NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo E V – Contabilidade Avançada e Análise das Demonstrações Financeiras – 14ª Edição – Editora Frase – São Paulo : 2005 REIS, Arnaldo; MARION, José Carlos – Contabilidade Avançada : Para cursos de graduação e concursos públicos – Editora Saraiva – São Paulo : 2006

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->