P. 1
Carrinho de Emergencia02

Carrinho de Emergencia02

|Views: 26.844|Likes:
Publicado porLeandromsbueno

More info:

Published by: Leandromsbueno on Mar 05, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/10/2013

pdf

text

original

Colégio Politécnico Bento Quirino

Curso Técnico de Enfermagem – 2º módulo - UTI

Curso: Assistência de Enfermagem ao Cliente Gravemente Enfermo - UTI
Tema: Carrinho de Emergência Principais Drogas e Equipamentos

3

UTI
A UTI é a unidade hospitalar destinada ao atendimento de doentes graves recuperáveis, com assistência medica e de enfermagem integrais, contínuos e especializados, empregando equipamentos diferenciados. A unidade é dotada de pessoal altamente treinado, utilizando métodos , recursos técnicos, área física e aparelhagem específicos, capaz de manter a fisiologia vital, bem como a sobrevida do paciente.

Definição
O que é o carrinho de emergência? Carrinho de Emergência é um armário que contém os equipamentos usados por médicos e enfermeiros quando acontece uma intercorrência, por exemplo: parada cardíaca. Esta é uma situação que exige procedimentos imediatos.
5

Foto cedida por Westlake Village Urgent Care and Occupational Health Center O carro de emergência, em vermelho, localiza-se próximo à cama

Nomenclatura
• Conforme a Sociedade Brasileira de cardiologia (SBC), a nomenclatura mais própria é carrinho de emergência como o próprio nome indica é utilizado em situações de emergência.

7

Padronização
A SBC propõe a padronização dos carros de emergência objetivando homogeneizar o conteúdo e a quantidade de material dos carrinhos na diferentes unidades: UTI, Pronto- socorro (PS), SRPA, Unidade Coronariana, centro cirúrgico e etc.
8

Objetivos
O objetivo do carrinho de emergência é facilitar o acesso de médicos intensivistas, enfermeiros aos materiais mais comuns aos procedimentos de atendimento ao cliente gravemente enfermo. •Tornar o acesso a drogas, equipamentos e materiais de emergência mais dinâmico; •Direcionar a assistência durante a intercorrência; •Personalizar material conforme a rotina da unidade;

9

Fundamento
Os Profissionais de saúde devem estar preparados para atender, de forma sistematizada e padronizada, uma situação de emergência. Para que isso ocorra, o treinamento da equipe é fundamental, e todo o material necessário para esse momento deve estar disponível de forma imediata no carrinho de emergência.

Carrinho de Emergência
O carrinho foi projetado de tal forma a manter a funcionalidade e praticidade durante os procedimentos realizados pela equipe médica.

Materiais
Equipamento

12

Junto ao carrinho
1. Tábua de compressão toráxica 2. Desfibrilador 3. Termômetro 4. Oxímetro de pulso 5. Eletrocardiográfico 6. Monitor de pressão arterial 7. Esfigmomanômetro 8. Invasivo (por punção arterial em geral a radial) 9. Capnógrafo 10.Monitor Cardíaco - Efetua o controle do débito cardíaco 11.Swan-Ganz 12.Sonda naso-enteral 13.Sonda vesical 14.Máscara e cateter de oxigênio 15.Cateter Central 16.Tubo orotraqueal. 17.Ventilador Mecânico

Materiais
Drogas

14

Primeira Gaveta
Água bi Destilada (ABD) 5 e 10 ml Cloreto de Sódio a 20% Aminofilina 240 mg Atropina 0,5 mg Bicarbonato de Sódio a 8.4% Cloreto de Potássio (KCl) a 10% Diazepam 10 mg Dopamina/Revivan 50 mg Epinefrina/Adrenalina 1 mg Hidantal/Fenaltoína sódica 50 mg Amiodarona/Ancoron 50 mg Fentanil 0,0785 mg Gardenal/Fenobarbital 200 mg Furosemida/Lasix 20 mg

15

Primeira Gaveta
Prometazina/Fernergan 50 mg Cedilanide/Lanatosídeo C 0,4mg Sulfato de magnésio a 50% Hidrocortisona/Solu-cortef 500 mg Heparina/Liquemine 500UI Midazolan/Dormonid 5 e 15 mg Haldol/ Halopiridol 5mg Adalat/ Mifedipina 10 mg Isordil 10 mg Gluconato de Calcio a 10% Glicose hipertônica a 50% Cloridrato de Lidocaína/ Xylocaína
16

Segunda Gaveta
Agulhas nº 25x7 e 40x12 Jelco nº18, 20 e 22 Cateteres subclavia nº16 Equipo macrogotas Equipo microgotas Sonda uretral nº8, 12 e 16 Sonda nasogástrica nº 12 e 16 Lâmina de bisturi Fio de sutura – naylon 3,0 com agulha Scalp nº19, 21 e 23 Seringas 1, 3, 5, 10 e 20 ml Three way ou Y Xylocaína geléia

Terceira gaveta
Bicarbonato de sódio a 5% Eletrodos Luvas cirúrgicas nº 7,5 e 8,0 Soro glicosado a 5% de 250 e 500 ml Soro fisiológico a 0,9% de 250 e 500 ml Tubo nº7,5, 8,0, 8,5 e 9,0

Quarta gaveta
Ambu Cânula de Guedel Guia de tubo Lâminas para laringo nº 2, 3 e 4 Pilhas Laringoscópio Látex tubo Máscara de Hudson Óculos protetor Umidificador

Considerações finais
O Enfermeiro é o profissional que permanece maior tempo na assistência ao paciente, e assim, passa a ser detentor de quase totalidade das informações; ser organizador do ambiente do cuidado; ser o guardião das normas e rotinas institucionais; ser o organizador da assistência; elemento de referência, mediador das situações de conflito. O enfermeiro passa a ser o administrador global da assistência. Tornando-se, portanto de sua extrema responsabilidade a conferência e controle de todo material. Como já pode ser observado o carrinho de emergência é um de matérias de maior importância dentro da unidade hospitalar, pois é através dele que estaremos cumprindo nosso dever

Referências Bibliográficas
Dr. Carl Bianco, M.D. - HowStuffWorks http://pessoas.hsw.uol.com.br/pronto-socorro-eua7.htm; Protocolos da unidade de emergência / Hospital São Rafael – Monte Tabor , Ministério da Saúde. – 10. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Uenishi, K. E.; ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Editora SENAC 1994 capítulo 1, página 9; Gomes, A. M. ; Enfermagem na UTI editora pedagógica e universitária LTDA 2ºedição 1988; http://www.medicina.ufmg.br/edump/ped/paradacardio_r.htm

Grupo
Leandro Martins de Sousa Bueno n. 13 Samuel de Oliveira Brito n. 19 Renata Fujisawa nº 16 Fábio V da Silva nº 10 Rosemary Godoy nº 18

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->