Você está na página 1de 8

Ferramentas

da qualidade
Nas empresas, as decisões devem
ser tomadas com base na análise de fa- AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE
tos e dados. Para aproveitar melhor es-
tas informações, algumas técnicas e fer-
ramentas podem ser aproveitadas. O • São um conjunto de ferramentas estatísti-
objetivo principal é identificar os maiores cas de uso consagrado para melhoria da quali-
problemas de um processo, produto ou dade de produtos, serviços e processos. A esta-
serviço e, com a análise, buscar a me- tística desempenha um papel fundamental no
lhor solução. gerenciamento da qualidade e da produtividade,
por uma razão muito simples: não existem dois
Esta edição do Chão de Fábrica não produtos exatamente iguais ou dois serviços
pretende capacitar o leitor no uso destas prestados da mesma maneira, com as mes-
ferramentas. A idéia é demonstrar como mas características. É necessário, então, ter
inseri-las no contexto da qualidade total domínio sobre estas variações. A estatística ofe-
da fábrica. rece o suporte necessário para coletar, tabular,
analisar e apresentar estes dados.
Com este propósito, vamos apresen- • Elas fazem parte de um grupo de métodos
tar as ferramentas de qualidade mais uti- estatísticos elementares. É indicado que estes
lizadas pelo mercado com, figuras, ilus- métodos sejam de conhecimento de todas as
trações, gráficos e tabelas, além de um pessoas – desde o presidente aos colaborado-
exemplo prático de cada caso. Conheça res – e devem fazer parte do programa básico
estas ferramentas nas páginas a seguir: de treinamento.

MÓBILE CHÃO DE FÁBRICA


Parte integrante do projeto Mobilizar
Ilustrações: Openthedoor
Textos: Maurício Koyano

Para usar as ferramentas da qualidade é preciso


Responsável técnico:
ter domínio sobre as variações da produção, com
coleta, tabulação, análise e apresentação de dados
Vasco de Almeida Martins Jr.
almeidamartins@uol.com.br

48 – MOBILIZAR
Lista de
verificação
O objetivo desta ferramenta é gerar um qua-
dro com dados claros, que facilitem a análise e o
tratamento posterior.
EXEMPLO
A lista de verificação a seguir serve
Para tanto, é necessário que os dados obti- para levantar e demonstrar as causas de
dos correspondam à necessidade da empresa, assistência técnica em uma fábrica de
como a análise de um processo de corte, por móveis de painel com acabamento de
exemplo. superfície e pintura.
Ela mostra o número de vezes que
A coleta de dados não segue nenhum pa- ocorreu algum erro na produção, em que
drão pré-estabelecido e pode ser adequada de fase da fabricação houve a falha e revela
acordo com as particularidades do processo fa- ainda sua influência sobre o total desper-
bril da sua própria empresa. diçado.
Na hora de coletar os dados, não
O importante é que cada empresa desen- esqueça:
volva o seu formulário de registro de dados que a) tenha um objetivo bem definido
permita quem, além dos dados, também sejam b) obtenha contabilidade nas medições
registrados os responsáveis pelas medições e c) registre os dados de forma clara e or-
registros, quando e como estas medições ocor- ganizada
reram.

LISTA DE VERIFICAÇÃO
CAUSAS NO DE PEÇAS PARTICIPAÇÃO NO TOTAL ACUMULADO
Falta de algum item (acessórios) 19 24,05% 24,05%
Vidro quebrado 18 22,78% 46,83%
Padrão de cor não conforme 11 13,92% 60,76%
Pintura de borda sem conformidade de cor 9 11,39% 72,15%
Fita de borda descolando 6 7,59% 79,75%
Furação errada 5 6,33% 86,08%
Verniz não alastrado 3 3,80% 89,87%
Falta do kit completo de acessórios 2 2,53% 92,40%
Peça riscada 2 2,53% 94,94%
Falta de peças 2 2,53% 97,47%
Desplacamento 1 1,27% 98,73%
Dimensão fora de padrão 1 1,27% 100,00%

50 – MOBILIZAR
Gráfico
de Pareto
O Gráfico de Pareto é uti- Os dados utilizados são Na maioria das vezes, te-
lizado para dividir um problema reportados a uma Lista de Ve- mos melhores resultados se
grande em vários problemas rificação ou a uma outra fonte atuarmos nos dados da barra
menores - com o objetivo de de coleta de dados qualquer mais alta do gráfico do que nos
visualização do problema. (criada a partir do processo que embaraçarmos nas barras me-
está sendo estudado). nores.
Ela serve para mostrar -
por ordem de importância - a O Gráfico de Pareto con- No exemplo abaixo, os
contribuição de cada item para centra os esforços para proble- números foram retirados da Lis-
o efeito total e classificar opor- mas ou assuntos verdadeira- ta de Verificação na página an-
tunidades para a melhoria de mente importantes (separa o terior. Confira a visualização
cada um deles. importante do trivial). dos problemas encontrados:

EXEMPLO DE GRÁFICO DE PARETO


120%

100%

80%

60%

40%

20%

0%
Peça riscada
conformidade de cor

Falta de peças
Falta de algum

Fita de borda descolando

Dimensão fora de padrão


Falta do kit completo
de acessórios
Padrão de cor não conforme

Verniz não alastrado


Vidro quebrado

Pintura de borda sem

Furação errada
item (acessórios)

Desplacamento

% do total
CAUSAS Acumulado

MOBILIZAR – 51
Diagrama de
causa e efeito
Também conhecido como
Diagrama Espinha de Peixe
(por seu formato) e Diagrama
de Ishikawa (Kaoru Ishikawa –
quem o criou), foi desenvolvi-
do para representar a relação
entre o efeito e todas as possí-
veis “causas” que podem estar
contribuindo para este efeito.

O efeito ou problema é
colocado no lado direito do grá-
fico e as causas são agrupadas
segundo categorias lógicas e
listadas à esquerda.
Com o diagrama de dispersão, é possível identificar
possíveis falhas de acordo com os sintomas apresentados
Ele é desenhado para ilus-
trar claramente as várias cau- como os “6 M”: Método, Mão- ranjo físico). Estas categorias
sas que afetam um processo de-obra, Material, Meio Ambi- são apenas sugestões. É pos-
por classificação e relação das ente, Medida e Máquina. sível utilizar outras que ressal-
causas. Para cada efeito exis- tem ou auxiliem as pessoas a
tem seguramente, inúmeras Nas áreas administrativas, pensar criativamente. As cau-
categorias de causas. As prin- talvez seja mais apropriado sas principais podem ainda ser
cipais podem ser agrupadas usar os “4 P”: Políticas, Proce- ramificadas em causas secun-
sob seis categorias conhecidas dimentos, Pessoal e Planta (ar- dárias e/ou terciárias.

Mão-de-obra Método Máquinas

— Regulagem — Alta velocidade — Rolo desalinhado

ALASTRAMENTO
DO VERNIZ

— Viscosidade — Frio (4º C)

Matéria-prima Medições Meio Ambiente

52 – MOBILIZAR
Fluxograma
O fluxograma é o mais importante instru-
mento para visualizar o trabalho. Ele permite o
estudo preciso dos métodos, processos e roti-
AJUDA COMPLETA
nas. Assim como o organograma, ele serve para O fluxograma auxilia o trabalho de
estudar a estrutura de uma empresa e do seu organização na fase de levantamento, ou
funcionamento. na planejamento, da seguinte maneira:
Usam-se habitualmente duas modalidades • Permite compreender ou estabelecer
de fluxograma, sendo possível defini-lo de duas com clareza as relações entre as uni-
maneiras: dades de trabalho.
• Identifica as relações ou processos que
a) Fluxograma é o gráfico que representa podem ser eliminados ou que devem ser
os postos de trabalho (uma máquina, uma mesa) alterados.
de uma empresa e o curso das tarefas nessas • Estabelece, nos dois casos acima, a
unidades. Ele mostra o relacionamento entre identificação das fases do processo e a
elas, e as tarefas realizadas por esses postos. necessidade de alteração de seu fluxo.
b) É o gráfico que representa o curso ou • Permite identificar e suprimir os movi-
caminho percorrido por certo elemento (docu- mentos inúteis de um elemento qual-
mento, matéria-prima, produto, etc), por várias quer (um requerimento ou uma pilha de
unidades da empresa, mostrando o tratamento peças, por exemplo).
que cada unidade realiza.

O fluxograma
permite identificar
e suprimir os
movimentos
inúteis de um
elemento qualquer
(um requerimento
ou uma pilha de
peças, por
exemplo).
Acompanhe um
exemplo na
página seguinte

54 – MOBILIZAR
Fluxograma
O fluxograma utiliza um conjunto de símbolos que representam as fases dos processos, as
pessoas ou setores envolvidos. Por uma questão de simplificação, só representaremos os mais
utilizados, sendo eles:

56 – MOBILIZAR
Histograma
O Historigrama é uma fer-
ramenta que mostra a freqüên-
cia em que os valores obtidos
na medição ocorrem.

No gráfico (veja ao lado),


a espessura das barras repre-
senta o intervalo da variável e
a altura da barra mostra o nú-
mero de vezes que ela ocorre.

Ele é utilizado para desta-


car as modificações nas dimen- exige muito cuidado na hora de Por isso, o Fluxograma
sões de peças, variações de ser criado porque é possível exige cuidados de um especia-
temperatura e outros dados. existir variações de interpreta- lista ou de um engenheiro. A
ção do número de barras, da medição equivocada vai resul-
Mesmo tendo um visual espessura (classes) e das al- tar num gráfico sem a precisão
bastante simples, o Histograma turas destas barras. necessária.

Gráfico
de controle
O gráfico de controle é
uma ferramenta utilizada para
avaliar a estabilidade do pro-
quantidade (g/m2)

cesso, distinguindo suas varia-


ções.

Quando casuais, elas se


repetem aleatoriamente dentro
de limites previsíveis. Já as de-
correntes de causas especiais
necessitam de tratamento.

É necessário, então, iden-


tificar, investigar e colocar sob
controle alguns fatores que afe- Período
tam o processo. Gramatura (g/m2) Lsc (g/m2) Média (g/m2) Lic (g/m2)

58 – MOBILIZAR
Diagrama
de dispersão
Ele é utilizado para estudar a Produto X Embalagem
possibilidade de relação entre duas
variáveis ou na relação de causa e
efeito. Quilogramas por minuto

É construído de forma que o eixo


horizontal representa os valores me-
didos de uma variável e o eixo verti-
cal representa os valores da outra va-
riável.

As relações entre os conjuntos


de dados são analisadas pelo forma-
to da “nuvem de pontos formada”. Os
diagramas podem apresentar diver-
sas formas de acordo com a relação
existente entre os dados. Quantidade de funcionários

Asnovas
sete ferramentas
Também chamadas de Ferramentas da Administra-
ção, este conjunto de técnicas é utilizado para a organi-
zação do pensamento e o planejamento da qualidade.
MAIS INSTRUMENTOS
Conheça as sete novas fer-
Este grupo de ferramentas é voltado para o trata- ramentas
mento de dados não numéricos, complementando as- • Diagrama de afinidades
sim, uma lacuna deixada pelas sete ferramentas da qua- • Diagrama de inter-relaciona-
lidade. mento
• Diagrama árvore
Visam, então, fornecer às áreas administrativas sub- • Matriz de priorização
sídios para o gerenciamento da qualidade. Neste senti- • Diagrama matriz
do, este grupo é de interesse especial para o setor admi- • Gráfico do programa do proces-
nistrativo, tornando os problemas baseados em dados so de decisão (PDPC)
qualitativos mais compreensíveis, possibilitando uma • Diagrama de rede de atividades
análise mais eficiente.

60 – MOBILIZAR