Você está na página 1de 15

Tópico Especial

Elásticos em Ortodontia: Comportamento e


Aplicação Clínica
Elastic in Orthodontics: Behavior and Clinical Application

Resumo elásticos sofrem uma variação de


O propósito deste trabalho consiste força entre os diversos diâmetros,
em descrever as aplicações e indi- espessuras e sobretudo marcas,
cações dos elásticos utilizados em onde conclui-se que os resultados
Ortodontia. A falta de referências obtidos funcionam somente como
normativas quanto à magnitude referência, e para uma força ade-
Marise de
Castro Cabrera de força liberada pelos elásticos, quada se faz necessário o uso do
nos levou a pesquisar o compor- dinamômetro de precisão.
tamento de elásticos de diferentes
marcas, diâmetros e espessura. INTRODUÇÃO E REVISÃO DE
Desde sua introdução em 1893, os LITERATURA
elásticos intermaxilares têm sido O objetivo do tratamento orto-
uma ferramenta indispensável dôntico é devolver as característi-
para o tratamento ortodôntico e cas de normalidade à oclusão. É
tem como principal característica a fundamental definir as metas tera-
versatilidade e criatividade em sua pêuticas na qual pode-se conseguir
aplicação, obrigando o profissional conhecendo as Seis Chaves para
a efetuar um adequado planeja- a Oclusão Perfeita1, preconizada
mento conhecendo seus efeitos, pelo Dr. Lawrence F. Andrews2 em
vantagens e desvantagens. Este 1970. É importante também definir
trabalho objetivou avaliar e medir a estratégia de tratamento, os dis-
a força dos diversos elásticos utili- positivos mecânicos e acessórios
zados em Ortodontia com o intuito que poderão ser empregados para
de estabelecer a magnitude de for- se obter o sucesso.
ça liberada por cada tipo de elásti- Muitas vezes, o tratamento
co. Após a análise dos resultados requer alterações na posição das
chegou-se a conclusão de que os bases ósseas, o que nem sempre se

Marise de Castro Cabrera *


Carlos Alberto Gregório Cabrera **
José Fernando Castanha Henriques ***
Marcos Roberto de Freitas ****
Guilherme Janson *****

* Aluna do Curso de Mestrado Interinstitucional da Universidade de São Paulo- USP- Bauru e Universidade Estadual
de Londrina - UEL.
** Aluno do Curso de Mestrado Interinstitucional da Universidade de São Paulo- USP- Bauru e Universidade Estadual
de Londrina - UEL.
Palavras-chave: *** Professor titular do Departamento de Odontopediatria e Ortodontia e Saúde Coletiva da Faculdade de Odontologia
Má oclusão. Elásticos de Bauru- USP; Coordenador dos Cursos de Pós-graduação em Ortodontia, ao nível de Doutorado e Especialização
da Faculdade de Odontologia de Bauru.
Intrabucais. Elásticos **** Professor Associado de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo-FOB-USP.
Intermaxilares. ***** Professor Associado da Disciplina de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Bauru - USP.

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 115
alcança, por diversos motivos, raramente utilizada, até que como: Aparelho Removível com
tornando-se necessário mas- em 1936, Albin Oppenheim33 mola digital associado ao uso do
carar esta discrepância através reintroduziu o seu uso, quando aparelho extrabucal22, 23 e Teoria
de compensação dentoalveolar, então se conheceu o primeiro das Dez Horas11, 12.
a qual requer movimentações relato sobre o tratamento da má A despeito dos estudos sobre o
dentárias nem sempre favorá- oclusão de Classe II, 1ª divisão. efeito do aparelho extrabucal20,21
veis, tanto para a função e esta- Obteve sucesso na correção de e do conhecimento do alcance
bilidade, quanto para o perfil do Classe II e desta forma a an- dentoalveolar dos elásticos inter-
paciente. coragem extrabucal tornou-se maxilares, a Ortodontia contem-
A primeira menção sobre a amplamente difundida e utili- porânea incluiu a compensação
ancoragem extrabucal, data de zada. Os profissionais da época dentoalveolar nos seus objetivos
1800 por Cellier13, com o ob- passaram, então, a empregá-la e lança mão da ancoragem in-
jetivo de previnir a luxação da associada ao aparelho fixo e sua trabucal intermaxilar, recíproca,
mandíbula quando de extrações principal função era de reforço obtida com os elásticos.
no arco inferior (BARTON5). de ancoragem.
Posteriormente em 1875, Brodie10, em 1938, após a MATERIAL E MÉTODO
Kingsley aplicou força extra-
28
divulgação da técnica radiográ- A amostra compreende 10
bucal diretamente sobre os den- fica por Broadbent9, realizou a diferentes marcas de elásticos
tes ântero-superiores. Porém primeira avaliação cefalométrica ortodônticos sendo três nacio-
com a introdução dos elásticos de tratamentos ortodônticos fi- nais (Morelli, OASP e Uniden)
intermaxilares propostos por nalizados e observou que gran- e sete importados (A’Company,
Baker4, a utilização a ancora- de parte das mudanças ocorridas Dentaurum, Masel, New
gem extrabucal foi esquecida eram devidas as crescimento e Horizon, Orthodontic Elastic, TP
devido à maior praticidade na desenvolvimento e que os me- Orthodontic, Unitek ). O diâme-
sua aplicação, favorecendo a lhores resultados foram obtidos tro dos elásticos testados incluiu
estética. Assim a ancoragem de durante a fase de crescimento 1/8”, 3/16”, 1/4 ” 5/16”, 3/8”
Baker4, tornou-se popular. ativo do paciente. e 1/2”, sendo que a força espe-
A aplicação dos elásticos in- Kloehn27, introduziu a modi- cificada pelo fabricante variou
termaxilares para promover a ficação da ancoragem extrabucal entre leve, médio e pesado.
correção da discrepância maxilo- como forma de tratamento para O dinamômetro de precisão
mandibular, tornou-se o método as más oclusões de Classe II 1ª utilizado para medir a quantida-
preferido pelos profissionais da Divisão, preconizando a tração de de força foi o alemão Correx-
época. A sua ação recíproca pare- cervical na contenção do cres- Haag- Streit A. G. – Bern e a
cia oferecer um meio seguro para cimento da maxila, permitindo, régua para medida do elástico
estabelecer uma relação oclusal ao mesmo tempo, o crescimento foi da marca trident.
adequada, embora provocasse mandibular espontâneo para Foi confeccionado uma pla-
uma inclinação mesial exagerada frente e para baixo. taforma em gesso ortodôntico
nos dentes inferiores. Atualmente Atualmente, vários dispositi- Mossoró na qual foi composta
as correntes admitem claramente vos com ancoragem intrabucal por um gancho para apoio dos
que o efeito de tais elásticos não para distalização dos molares elásticos e aferição dos mesmos
passa de compensação da má vêm-se destacando, possibilitan- quando distendidos por meio de
oclusão de Classe II. do resultados satisfatórios, re- um dinamômetro de precisão.
Posteriormente, por volta de querendo a mínima colaboração Nesta plataforma foi fixada uma
1907, Angle3, que até então uti- do paciente. Dentre os dispositi- régua milimetrada por meio de
lizava a ancoragem extrabucal e vos intrabucais utilizados como um gancho e foi reproduzido a
afirmava a sua grande eficiência, um método alternativo para a base do dinamômetro na par-
passou a fazer o uso dos elás- distalização dos molares, pode- te inferior da plataforma para
ticos intermaxilares sugeridos mos citar os magnetos6,14,15,16,17, facilitar o deslize do mesmo.
por Baker4, utilizando ocasional- 25,30
, molas Niti superelásticas7,14, Os elásticos foram inseridos no
mente a ancoragem extrabucal Pêndulo11,12,24, Jones Jig11,12,26,34,35, gancho e distendidos por meio
somente como auxiliar da anco- entre outros. Alguns dispositivos do dinamômetro e verificado a
ragem intermaxilar. e mecânicas intra e extrabucal quantidade em milímetros da
Por quarenta anos ou mais associados para a distalização força liberada para 50 gramas,
a ancoragem extrabucal foi dos molares foram descritos 100 gramas, 150 gramas, 200

116 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
gramas e 250 gramas e anotados deverá ser distendido através de intervalo de 30 dias. Após todos
em uma planilha no programa seu tamanho original para obter os resultados obtidos, foi efetua-
Excel na coluna correspondente a quantidade de força indicada. da a média das medidas obtidas
à milímetros Após, foram distri- Este valor foi anotado na coluna pelos três examinadores e inse-
buídos elásticos na parte superior correspondente aos elos. ridas em uma nova tabela, onde
da régua para verificar quantos Para aumentar a precisão e novamente foi feita a média das
elásticos foram necessários para confiabilidade, todas estas me- marcas diferentes dos elásticos
proporcionar a magnitude de didas foram efetuadas por três e após foram arrendondados os
força (gramas) indicada (Fig. 1, examinadores, sendo que um valores obtidos e inseridos na
2, 3). Na prática, este trabalho mesmo examinador realizou a tabela de referência dos elásti-
indicará quantas vezes o elástico mesma medida duas vezes em cos (Tab. 1).

FIGURA 1 – Plataforma em gesso utili- FIGURA 2 - 3 – Dinamômetro demonstrando que para a obtenção de uma força de 100
zada para a pesquisa. gramas de um elástico 5/16 de magnitude médio, foi necessário distendê-lo 2,5cm ou
2 vezes e meio seu tamanho.

TABELA 1
Tabela de Referência de Força dos Elásticos Ortodônticos.
DIÂMETRO 1/8” 3/16” 1/4” 5/16” 3/8” 1/2”

Força cm elos cm elos cm elos cm elos cm elos cm elos


50 1,0 2,0 1,0 1,5 2,0 2,0 1,5 1,5 2,0 2,0 1,5 1,0
100 2,0 4,0 2,0 3,5 4,0 4,5 2,0 2,5 4,0 4,0 2,0 1,5
Leve 150 3,0 6,0 3,5 5,0 6,0 7,0 4,0 3,5 7,0 6,5 2,5 2,0
200 3,5 7,0 4,0 6,5 6,5 8,0 5,0 4,5 8,5 8,0 3,0 2,5
250 4,0 7,5 4,5 7,0 7,0 8,5 5,5 6,0 9,5 9,0 3,5 2,5

50 0,5 1,5 1,0 1,5 1,0 1,5 2,0 1,5 2,0 1,5 1,5 1,0
100 1,0 2,0 1,5 2,0 2,0 2,0 2,5 2,5 2,5 2,0 2,0 1,5
Média 150 2,0 3,0 2,0 3,5 2,5 3,0 4,0 3,5 4,0 3,5 2,5 1,5
200 2,5 4,5 3,0 5,0 3,5 4,0 5,5 4,5 5,0 4,5 2,5 2,0
250 3,0 5,5 4,0 6,0 4,0 5,0 7,0 6,0 6,5 6,0 3,0 2,0

50 0,5 1,0 0,5 1,0 1,0 1,5 1,5 1,5 1,5 1,5 1,5 1,0
100 1,0 1,5 1,0 1,5 1,5 2,0 3,0 3,0 2,5 2,0 2,0 1,5
Pesada 150 1,0 2,0 1,5 2,0 2,0 2,5 4,0 4,0 3,0 2,5 2,5 1,5
200 1,5 2,5 2,0 2,5 3,0 3,5 6,0 5,5 3,5 3,0 2,5 2,0
250 2,0 3,0 3,0 3,0 3,5 4,0 6,5 6,0 5,0 3,5 3,0 2,0

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 117
RESULTADOS todos os pacotes de elásticos, de um dinamômetro de precisão
Os resultados obtidos não se que havia elásticos deformados, ou tensiômetro (Fig. 5, 6).
mostraram constantes. Os elás- com corte mais fino ou mais Os elásticos podem ser utili-
ticos sofreram uma variação de espesso do tamanho original, zados intra e extrabucalmente,
força entre as diversas marcas, elásticos cortados ou pequenos sendo os elásticos intrabucais,
diâmetros e magnitudes, sendo segmentos de látex dentro dos classificados de acordo com o
que quanto mais leve, maior a pacotes (Fig. 4). maxilar envolvido:
perda de sua elasticidade logo - elástico intermaxilar - quan-
após a sua distensão, como APLICAÇÃO CLÍNICA do localizado em arcos antagô-
conseqüência, ocorre a diminui- ELÁSTICOS nicos ou seja a ação e reação se
ção de sua força. Os elásticos Os elásticos são constituídos encontram em arcos diferentes;
coloridos, mostraram apresentar de material a base de elastômero - elástico intramaxilar -
forças semelhantes aos transpa- ou seja um polímero com proprie- quando localizado no mesmo
rentes e a força dos elásticos na- dades físicas similares às da bor- arco dentário, ou seja a ação e
cionais e importados de mesmo racha, ou seja substância elástica reação no mesmo arco dentário.
diâmetro e magnitude, se mos- feita do látex coagulado de várias Os elásticos são encontrados
traram equivalentes. Conclui-se plantas ou obtida por processos no mercado em vários tamanhos
portanto que os resultados ob- químico-industriais. Existem no e apresentam variações na sua
tidos funcionam somente como mercado diferentes tipos de elás- espessura, que lhes conferem a
referência, porém para uma força ticos sintéticos sendo que aqui designação de leve (L), médio
ideal se faz necessário o uso do serão utilizados os módulos cor- (M) e pesado (P), de acordo com
dinamômetro de precisão. rentes19, amplamente conhecidos a magnitude da força liberada.
como Alastik - marca registrada Os elásticos vêm acondicio-
DISCUSSÃO da empresa americana Unitek- nados das indústrias em em-
A pesquisa sobre os elásticos CA. A elasticidade, propriedade balagens plásticas identificadas
do ponto de vista clínico, pode que apresentam certos corpos geralmente pelo seu diâmetro
sugerir através da análise dos de retornar à sua forma primitiva em polegadas e em milímetros
resultados obtidos, a troca diária ao cessar a ação, é a propriedade e pela magnitude de força.
dos elásticos de magnitude leve que justifica seu uso na prática Algumas marcas nacionais
em função da dissipação de suas ortodôntica. Podem ser esticados identificam apenas o tamanho
forças ser maior. e são ordinariamente circulares em polegadas, enquanto outras
Os elásticos de magnitude com a finalidade de agregar obje- identificam o diâmetro em pole-
média, comportaram-se de ma- tos que deseja-se manter unidos. gadas e seu correspondente em
neira semelhante aos elásticos Os elásticos constituem ele- milímetros, não identificando a
de magnitude leves, podendo mentos ativos da mecanotera- magnitude de força. Nos USA
ser substituídos diariamente, a pia. Ao serem estirados, liberam a unidade métrica usada para
cada 2 dias, ou quando estes forças que oscilam entre 50g e a identificação das dimensões
perderem a sua elasticidade; 500g, na dependência do tama- de um elástico é a polegada
e sempre de forma bilateral, o nho e espessura do elástico, bem (”). Uma polegada corresponde
tempo necessário para que as como da distância entre os pontos a 2,54 cm ou 25,4 mm do sis-
metas sejam alcançadas. de inserção. A magnitude da força tema métrico decimal. Portanto
Foi observado em quase deve ser conferida por intermédio para transformar o diâmetro de

FIGURA 4 – Amostra de diferentes elás- FIGURA 5 – Dinamômetros de Precisão. FIGURA 6 - Utilização do dinamômetro.
ticos dentro da mesma embalagem.

118 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
TABELA 2
Tabela de Referência de Elásticos Ortodônticos
MAGNITUDE DE FORÇA
DIÂMETRO
LEVE MÉDIO PESADO

1/8” (3,2 mm)

3/16” (4,8 mm)

1/4” (6,4 mm)

5/16” (7,94 mm)

3/8” (9,5 mm)

1/2” (12,7 mm)

A - ELÁSTICOS INTERMAXILARES ELÁSTICOS INTERMAXILARES


1) Tendência sagital:
Elásticos Sagitais

a- elásticos de Classe II e
De acordo com a disposição
nos arcos dentários, os elásticos
b- elásticos de Classe III;
com efeito predominante no sen-
2) Elástico para correção da linha média;
tido sagital podem ter direção de
3) Elástico transversal;
Classe II e Classe III. Os elásticos
4) Tendência vertical: sagitais promovem efeito orto-
a- Elásticos de intercuspidação; dôntico, ou compensação dentá-
b- Elásticos vertical de extrusão. ria, para mascarar a discrepância
B - ELÁSTICOS INTRAMAXILARES basal sagital de Classe II (elásticos
1) Retração anterior: de Classe II) ou de Classe III (elás-
a- Fixa; ticos de Classe III). A mecânica é
b- Removível; recíproca, portanto o efeito ocor-
2) Liberação de apinhamentos: re nos dois arcos dentários. Os
a- Braço de força no aparelho extrabucal
elásticos aos serem distendidos
promovem ações iguais e contrá-
b-Elástico removível
rias em suas extremidades, tanto
c- Módulo corrente
no sentido de Classe II ou Classe
3) Binário de força;
III, daí suas resultantes poderem
4) Tracionamento.
ser ocupadas como elementos
C - ELÁSTICOS EXTRABUCAIS de ancoragem ou tração; porém
1) Ancoragem extrabucal; quando se pretende utilizar resul-
2) Tração reversa da maxila. tantes somente em um dos lados,
FIGURA 7 - Quadro descritivo dos elásticos ortodônticos. deverá ser anulado com o auxílio
de dispositivos de ação igual e
polegadas para centímetros, A tabela 2 especifica o diâmetro contrária, para evitar efeitos in-
devemos utilizar o valor da po- em polegadas e milímetros e a desejados. Nos elásticos sagitais,
legada, multiplicar pelo numera- magnitude dos respectivos elás- a decomposição da força liberada
dor e dividir pelo denominador, ticos utilizados em Ortodontia. revela a presença de um vetor
exemplo: elástico 3/16” = 2,54 Os elásticos podem ser dis- vertical, bem menor que o sagital,
x 3 : 16 = 0,48 cm (4,8 mm). postos conforme a figura 7. podendo inclinar o plano oclusal.
R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 119
Quanto maior a inclinação do gital, podendo inclinar o plano superiores para a distal e os infe-
elástico, maior o vetor vertical em oclusal. A que a magnitude do riores para mesial, posicionam a
detrimento do vetor horizontal. vetor vertical sofre influência da mandíbula para frente, causam
O uso dos elásticos interma- inclinação do elástico. Quanto força extrusiva nos molares infe-
xilares apresenta a vantagem de maior a inclinação do elástico, riores e nos incisivos superiores.
promover pequenos movimentos maior o vetor vertical em detri- No arco dentário inferior, o
dentários o que auxilia na mecâ- mento do vetor horizontal. elástico pode ser instalado a
nica ortodôntica, porém apresen- partir dos molares (primeiros
tam desvantagens; como: Elástico Sagital de Classe II ou segundos) ou dos segundos
- Mecânica recíproca na qual O elástico intermaxilar é dis- pré-molares. No arco dentário
o efeito ocorre em ambos arcos posto obliquamente da região superior, geralmente é instalado
dentários; posterior inferior até a região an- em ganchos soldados ou cursores
- Presença do componente terior superior. A sua disposição na região mesial dos caninos. Os
vertical, e favorece a correção da relação elásticos mais utilizados são os
- Efeito compensatório (efei- interarcos de Classe II. São utili- de espessura 3/16” pesado e mé-
to dentário). zados com aparelhos fixos e têm dio, 1/8” médio, 5/16” médio. A
Nos elásticos sagitais, a de- os seguintes efeitos: propiciam a magnitude da força conferida por
composição da força liberada inclinação dos incisivos superio- intermédio de um dinamômetro
revela a presença de um vetor res para lingual e dos inferiores de precisão deverá ser de 200 a
vertical, bem menor que o sa- para vestibular, movem os dentes 250 gramas (Fig. 8 - 15) .

FIGURAS 8 e 9 - Elástico Sagital de Classe II – demonstrando através das setas o efeito dos elásticos.

FIGURAS 10-15 - Aplicação clínica do Elástico Sagital de Classe II.

120 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
Elástico Sagital de Classe III O elástico de Classe III pode (Fig. 30). A sua disposição
O elástico intermaxilar é dis- ser associado ao uso da placa favorece a correção da linha
posto obliquamente da região lábio ativa com a finalidade de média por meio da participação
posterior superior até a região promover a verticalização dos de ambos os arcos dentários.
anterior inferior. A sua disposi- molares inferiores. A ação con- Podem ser instalados em gan-
ção favorece a correção da rela- trária sobre os molares, poderá chos soldados na distal dos
ção interarcos de Classe III, com levar a uma relação indesejada incisivos laterais.
inclinação simultânea dos arcos de Classe II, portanto para evitar O elástico anterior para cor-
dentários, os incisivos superiores esta resultante, é necessária a reção da linha média pode ser
inclinam para vestibular e os aplicação de uma ancoragem associado ao elástico sagital de
inferiores inclinam para lingual. extrabucal com forças iguais e Classe II disposto de forma a
O elástico pode ser instalado a contrárias às ocasionadas pelos potencializar a correção da linha
partir dos primeiros molares su- elásticos ligados aos molares média (Fig. 31). Os elásticos
periores e geralmente é instalado superiores (Fig. 24 - 29). mais utilizados são os de es-
em ganchos soldados ou curso- pessura 3/16” pesado e médio,
res na região mesial dos caninos Elástico para Correção da 1/8” médio, 5/16” médio. A
inferiores. Os elásticos mais utili- Linha Média magnitude da força conferida por
zados são os de espessura 3/16” O elástico intermaxilar é dis- intermédio de um dinamômetro
pesado e médio, 1/8” médio, posto obliquamente na região de precisão deverá ser de 200 a
5/16” médio (Fig. 16 - 23). anterior dos arcos dentários 250 gramas (Fig. 32 - 37).

FIGURAS 16 - 17 – Elástico Sagital de Classe III – demonstrando através das setas o efeito dos elásticos.

FIGURAS 18-23 – Aplicação Clínica do Elástico Sagital de Classe III.

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 121
FIGURAS 24-29 – Aplicação Clínica do Elástico Sagital de Classe III associado ao uso da placa lábio ativa.

FIGURA 30 – Elástico para a correção da linha média. FIGURA 31 – Elástico pra correção da linha média, associado
ao elástico de Classe II.

FIGURAS 32-37 – Aplicação clínica do elástico para a correção da linha média associado ao elástico de Classe II.

122 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
Elástico Transversal Os elásticos intermaxilares são mordida cruzada com inclinação
Em casos onde os molares dispostos transversalmente entre vestíbulo-lingual de ambos os
apresentem com inclinação pala- dois dentes antagônicos que apre- arcos dentários. No arco dentário
tina, pode-se fazer uso do elásti- sentam mordida cruzada. A sua superior, o elástico é instalado em
co transversal. disposição favorece a correção da acessório soldado na banda por
palatino ou colado diretamente
nos molares. No arco dentário
inferior, geralmente é instalado no
gancho do tubo do molar (Fig. 38,
39). Os elásticos mais usados são:
3/16” pesado ou 1/8” médio. A
magnitude da força conferida por
intermédio de um dinamômetro de
precisão deverá ser de 200 a 250
FIGURAS 38 e 39 – Elástico para correção da inclinação palatina dos molares. gramas (Fig. 40 - 43).

Elásticos Verticais

Elástico de Intercuspidação
A intercuspidação é um pro-
cedimento que constitui parte do
estágio da finalização do trata-
mento ortodôntico cuja finalida-
de é melhorar a relação vertical
entre os dentes antagonistas.
Caracteriza-se pelo uso de
elásticos intermaxilares com veto-
res predominantemente verticais,
na qual o resultado final dessa
força é um movimento de extru-
são dentária. O planejamento da
distribuição dos elásticos é muito
variado e depende da função, do
FIGURAS 40-43 – Aplicação clínica do elástico para Transversal para correção da tipo e direção de movimento a
inclinação palatina dos molares. ser realizado. O procedimento de

FIGURAS 44-49 – Aplicação clínica do elástico para intercuspidação.

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 123
FIGURAS 50-55 – Aplicação clínica do elástico para triangular nos caninos em supra versão, para posteriormente inserí-lo no arco
de nivelamento.

intercuspidação posterior deve força entre 100 e 150 gramas tado também, que os elásticos de
iniciar com o elástico atado no com sentido predominantemen- Classe III usados para o preparo
gancho do primeiro molar infe- te vertical (Fig. 50-55). A sua de ancoragem pode causar reab-
rior, seguindo em zigue-zague até disposição favorece a extrusão sorção radicular na raiz distal do
envolver o braquete do canino do canino semi-irrompido ou primeiro molar inferior.
inferior; o mesmo procedimento em infraversão até que possa ser
deverá ser repetido no lado opos- incluído no arco de nivelamento ELÁSTICOS INTRAMAXILARES
to. A intercuspidação anterior, sem causar o efeito indesejado. Os elásticos intramaxilares
deverá iniciar envolvendo o bra- Pode ser instalado em gancho ou são assim denominados porque
quete do incisivo lateral superior, acessório colado no dente a ser ambos os pontos de inserção do
passando pela superfície cervical extruído e no arco antagônico elástico encontram-se no mesmo
dos braquetes dos incisivos in- atados em ganchos no canino e arco dentário, o que implica em
feriores e finalizar encaixando o primeiro pré-molar inferior. ação e reação dentro do mesmo
elástico no braquete do incisivo Dentre os fatores mecânicos arco dentário, não interferindo
lateral do lado oposto. O paciente utilizados no tratamento or- mecanicamente no arco dentá-
deverá permanecer com a inter- todôntico, o uso dos elásticos rio antagônico. Como exemplo
cuspidação por 3 a 10 dias (Fig. intermaxilares podem levar a podemos citar os elásticos para
44 - 49). reabsorções radiculares. retração e os elásticos aplicados
A reabsorção radicular parece em aparelhos removíveis des-
Elástico vertical de extrusão- para depender de variáveis anatô- tinados ao tracionamento dos
tracionamento de canino micas como a forma da raiz e dentes retidos.
Em pacientes com tendência da crista óssea18. O movimento
a mordida aberta ou topo a topo dentário executado no tratamen- Elástico para Retração Anterior
que apresentem uma má oclu- to ortodôntico, parece ser a maior Retração fixa
são apresentando os caninos causa de reabsorção radicular. Um módulo corrente é inse-
superiores em infraversão ou De acordo com Linge e Linge 29, rido em um amarrilho metálico
semi-erupcionados, é importante existe um aumento significante .025mm e é disposto sagital-
não inserir precocemente o fio na magnitude da reabsorção no mente entre dois extremos do
aos caninos, para evitar movi- lado onde é utilizado os elásti- arco dentário. A sua aplicação
mentos verticais indesejados dos cos e sugerem que as forças de favorece o fechamento dos es-
incisivos e pré-molares, pioran- vai-e-vem resultantes da junção paços no arco dentário, reduzin-
do sua má oclusão. O elástico combinada aos elásticos são do o comprimento e perímetro
intermaxilar 3/8”ou 1/4”médio, responsáveis pela reabsorção do arco dentário.
em forma de triângulo libera radicular dos incisivos. Foi rela- Na região posterior, o elástico

124 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
pode ser instalado no gancho residual de .003mm ou 6,3450 Módulo corrente
do acessório dos molares (pri- graus, permitindo desta maneira Recurso utilizado com a
meiros ou segundos) e disten- um melhor deslize dos fios. finalidade de distalizar os cani-
dido duas vezes o seu tamanho nos individualmente e dissipar
original, até a região anterior e Elásticos para Liberação de o apinhamento anterior. Um
fixado em ganchos soldados na Apinhamentos segmento de módulo corrente
região mesial dos incisivos late- é disposto a partir do tubo do
rais (Fig. 56-61). Braço de força no aparelho de an- molar até o gancho do braque-
coragem extrabucal te de translação do canino em
Retração removível Mecânica utilizada no arco ambos os arcos dentários (Fig.
O elástico intramaxilar é dis- dentário inferior a partir da anco- 70-72).
posto sagitalmente entre os dois ragem superior com a finalidade
extremos do arco dentário. A de liberar apinhamento na região Binário de forças
sua disposição favorece o fecha- anterior inferior sem a perda de Binário é definido como
mento dos espaços, reduzindo ancoragem. Após a confecção duas forças paralelas, de igual
o comprimento e perímetro do do aparelho extrabucal, é sol- magnitude e sentido oposto20.
arco dentário. dado um gancho em sua região É um recurso utilizado com a
Na região posterior, o elástico posterior, na qual os elásticos finalidade de corrigir girover-
pode ser instalado no gancho do são atados e distendidos,desde sões, através de botões colados
tubo dos primeiros molares. Na os braços de força do aparelho na face vestibular e lingual do
região anterior, geralmente é ins- extrabucal até os braços de for- dente girado e botões soldados
talado em ganchos soldados na ça dos braquetes dos caninos nos dentes próximos. Utiliza-
região mesial dos incisivos late- inferiores. Desta forma, ocorre se de um segmento de módulo
rais (Fig. 56 - 61). Os elásticos a retração parcial dos caninos corrente criando um binário de
mais utilizados são os de calibre permitindo a dissipação do api- forças para haver a correção da
3/16” pesado ou médio, 1/8” ou nhamento (Fig. 62-66). giroversão, para que o dente
5/16” médio. A magnitude de girado possa ser incluído no
força aplicada deve variar em Elástico removível nivelamento e alinhamento dos
torno de 200 a 250 gramas. A retração parcial dos caninos arcos dentários (Fig. 73-75).
Ambos métodos introduzem permite a dissipação do apinha-
forças leves com fechamento de mento. Nos casos em que se de- Elástico para Tracionamento
espaço eficaz, sendo o uso do fio seja manter a ancoragem, deve de Dente Retido
retangular .019”X.025” indica- ser indicado o uso da ancoragem O elástico intramaxilar
do por permitir uma liberdade extrabucal (Fig. 67-69). 3/8” ou 1/4”médio, dispõe-se

FIGURAS 56-61 – Aplicação clínica do uso de retração removível no arco dentário superior e retração fixa no arco dentário inferior
e o fechamento dos espaços das extrações.

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 125
FIGURAS 62-66 – Aplicação clínica no uso de ancoragem extrabucal associado ao uso de elástico soldado no braço do aparelho
extrabucal.

FIGURAS 67-69 – Aplicação clínica do uso de retração removível no arco dentário superior.

FIGURAS 70-72 – Aplicação clínica do uso de retração removível nos braquetes de translação dos caninos com a finalidade de dis-
sipar o apinhamento.

FIGURAS 73-75 – Aplicação clínica do uso do binário de força.

126 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
a partir do aparelho removível Elástico para o aparelho timular o deslocamento póste-
até o gancho adaptado no den- extrabucal ro-anterior da maxila e do arco
te a ser tracionado, com pro- Os elásticos extrabucais são dentário superior favorecendo a
gramação de força entre 100 responsáveis pela intensidade correção da relação sagital de
a 150 gramas. Neste caso, a ou magnitude de força bem Classe III (Fig. 89-91).
ancoragem não se restringe ao como a efetividade dos apare- A ancoragem pesada, com o
arco dentário, sendo distribuída lhos de ancoragem extrabucal. aparelho expansor fixo dento-
também ao palato. A sua dis- Os elásticos fazem a união do muco-suportado, privilegia o
posição deve favorecer o tracio- arco ou braço externo do apa- efeito ortopédico, em especial
namento do dente em direção relho extrabucal aos locais de quando aplicadas forças inten-
à linha do rebordo alveolar. apoio da ancoragem. A magni- sas com magnitude oscilando
Portanto, tem uma opção mais tude de força empregada varia entre 600 a 1000 gramas, du-
restrita que os demais elásticos. de força suave de 50 a 250 gra- rante a fase de contenção da
Sua contribuição limita-se ao mas quando se deseja só anco- disjunção palatina.
dente que recebe a força (Fig. ragem e forças médias de 400 a O elástico é distendido sagi-
76-83). 500 gramas para movimentos talmente, a partir do gancho sol-
ortodônticos ou ortopédicos dado previamente ao disjuntor
ELÁSTICOS EXTRABUCAIS (Fig. 84 - 88). até o apoio anterior da máscara
Os elásticos extrabucais facial.
apresentam um ponto de in- Elástico para a tração reversa Este tipo de aparelho pode-
serção extrabucal. Isto implica da maxila rá ser substituído por algum
em reação fora da boca, não Quando acoplada a anco- período, pela placa lábio ati-
obstante o efeito desejado seja ragem intrabucal à máscara va associada ao elástico de
intrabucal. facial, se têm a finalidade de es- Classe III.

FIGURAS 76-78 – Aplicação clínica do uso do elástico inserido no aparelho removível para tracionar o canino.

FIGURAS 79-83 – Aplicação clínica do uso do elástico removível com a finalidade de inserí-lo no arco de nivelamento e alinhamento.

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 127
FIGURAS 84-88 – Aplicação clínica do uso do elástico para a ancoragem extrabucal.

FIGURAS 89-91 - Aplicação clínica do uso do elástico para a tração reversa da maxila.

CONCLUSÃO sua aplicação, obrigando o pro- variáveis: distância entre os


A aplicação dos elásticos fissional a efetuar um adequado pontos, diâmetro e espessura do
em Ortodontia tem sido uma planejamento nas disposições dos elástico, bem como da marca do
ferramenta indispensável para elásticos conhecendo seus efeitos, fabricante, o que exige o uso do
o tratamento ortodôntico e tem vantagens e desvantagens. dinamômetro para medição da
como principal característica a A força liberada pelos elás- força na escolha do elástico para
versatilidade e criatividade em ticos ortodônticos depende das cada situação clínica.

Abstract
Intraoral elastics have been in- magnitude of force liberated by the obtained results only work as
dispensable tools of orthodontic each type of elastic. After the reference, and for a precise force
treatment. The purpose of this analysis of the results, arrived you need necessary use of the
study was to evaluate and mea- the conclusion that the elastic precision dynamometer.
sure by force of several diameters suffer a variation of force among Key words: Malocclusion. In-
of elastic used in seeking an al- the several marks, diameters and traoral elastics. Intermaxillary
ternative method to establish the magnitudes, where it is ended that elastics.
128 R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003
REFERÊNCIAS

1 - ALMEIDA, R. R.; ALMEIDA, M. R.; 14 - ERVERDI, N. KOYUTÜRK, O.; 23 - HENRIQUES, J.F.C. et al. Utilização
INSABRALDE, C.M.B. Um método Küçükkeles, N. Nickel-titanium coil do Aparelho Removível conjugado à
alternativo de tratamento para a cor- springs and repellings magnets: a Ancoragem Extrabucal para a Correção
reção da Classe II de Angle utilizando comparison of two different intra-oral da Má-Oclusão de Classe II, 1ª Divisão,
o aparelho Jones Jig: relato de um caso molar distalization techniques. Br J com Sobremordida Profunda. R Den-
clínico. R Dental Press Ortodon Orthod, London, v. 24, no. 1, p. 47- tal Press Ortodon Ortop Facial, Ma-
Ortop Facial, Maringá, v. 4, n. 4, p. 53. Feb. 1997. ringá, v. 2, n. 2, p. ? mar./abr. 1997.
37- 44, jul./ago. 1999. 15 - GIANELLY, A. A. Distal movement of 24 - HILGERS, J. J. The pendulum appliance
2 - ANDREWS. L. F. Straight Wire: o the maxillary molars. Am J Orthod for class II non compliance therapy. J
conceito e o aparelho. 2. ed. Curitiba: Dentofacial Orthop, St. Louis, v. Clin Orthod, Boulder, v. 26, no.11, p.
Produções Interativas, 1997. 114, no.1, p. 66-72, July 1998. 706-714, Nov. 1992.
3 - ANGLE, E. H. Maloclusion of the te- 16 - GIANELLY, A. A. et al. Distalization 25 - HILGERS, J. J. Molar distalization with
eth. 7th ed. Philadelphia : S. S. White, of molars with repelling magnets. J repelling magnets. J Clin Orthod,
1907. Clin Orthod, Boulder, v. 22, p. 40-44, Boulder, v.2, no.10, p. 611-617, Oct.
4 - BAKER, J. N. Apud NELSON, B. G. 1998 1991.
What does extra-oral anchorage ac- 17 - GIANELLY, A. A.; VAITAS, A.; 26 - JONES, R. D.; WHITE, I. M. Rapid
complish? Am J Orthod, St. Louis, v. THOMAS, W. M. The use of mag- class II molar correction with an open
38, no. 6, p. 422 - 434, June 1952. nets to move molars distally. Am coil Jig. J Clin Orthod, Boulder, v.26,
5 - BARTON, J. J. High-pull headgear ver- J Orthod Dentofacial Orthop, no.14, p. 661-664, Oct. 1992.
sus cervical traction: a cephalometric St. Louis, v. 96, no. 2, p.161- 27 - KHOEN, S. J. Evaluation of cervical
comparison. Am J Orthod, St. Louis, 167, Aug. 1989. force in treatment. Angle Orthod, Ap-
v. 62, no. 5, p. 517-529, Nov. 1972. 18 - FURQUIM, L. Z. Perfil endocrinoló- pleton, v. 31, p. 91-104, 1961.
6 - BONDEMARK, L.; KÜROL, J. Dista- gico de pacientes ortodônticos com 28 - KINGSLEY, N. W. A treatise on oral
lization of maxillary first and second e sem reabsorções dentárias: cor- deformities as a branch of Mecha-
molars simultaneously with repelling relação com a morfologia radicular e nical Surgery. New York: Appleton,
magnets. Eur J Orthod, London, v. da crista óssea alveolar. Bauru, 2002. 1880.
14, p. 264-272, 1992. Tese (Doutorado)-Faculdade de Odon- 29 - LINGE, B. O.; LINGE, L. Apical root
7 - BONDEMARK, L.; KÜRO, J.; BER- tologia de Bauru, Universidade de São reosorption in upper anterior teeth.
NHOLD, M. Repelling magnets versus Paulo, Bauru, 2002. Eur J Orthod, London, v. 5, p. 173-
superelastic nickel-titanium coils in si- 19 - FURQUIM, L. Z.; OUVÍDIO E. B. Di- 183,1983.
multaneous distal movement of maxillary cionário ilustrado de Ortodontia. 30 - MORO, A. et al. Distalização unilateral
first and second molars. Angle Orthod, São Paulo. Ed. Santos, 1995. do molar superior com a utilização de
Appleton, no. 3, p.189-198, 1994. 20 - HENRIQUES, J. F. C. Principais indica- forças magnéticas. Ortodontia, São
8 - BREZNIACK, N. et al. Reabsorção radi- ções e efeitos da ancoragem extrabucal Paulo, v. 28, no. 2, p. 34-47, maio/
cular após o tratamento ortodôntico. occipital (I.H.G.) no tratamento de ago. 1995.
Parte II. Ortodontia, São Paulo, v. 30, jovens com má oclusão de classe II, 1ª 31 - MOYERS, R. E. Ortodontia. 4. ed. Rio
p. 57, 1997. Divisão de Angle: apresentação de um de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.
9 - BROADBENT, B. H. A new X-ray tech- caso clínico R Dental Press Ortodon p. 260-262, 1988.
nique and its application to orthodon- Ortop Facial, Maringá, v. 4, n. 2, 32 - NELSON, B. G. What does extra-oral
tics. Angle Orthod, Appleton, v. 1, p. p.33-38, mar./abr.1999. anchorage accomplish? Am J Orthod
45-66, 1931. 21 - HENRIQUES, J. F. C.; MALTAGLIATI, Dentofacial Orthop, St. Louis, v. 38,
10 - BRODIE, A. G. et al. Cephalometric L. A. Utilização da ancoragem extra- p. 422-434, 1952.
appraisal of orthodontic results. Angle bucal cervical (Kloehn headgear) no 33 - OPPENHEIM, A. Biologic orthodontic
Orthod, Appleton, v. 8, p. 261-265, tratamento da má oclusão de Classe therapy and reality. Angle Orthod,
1938. II: apresentação de um caso clínico. R Appleton, v.6, no. 3, p.153-183, July
11 - CABRERA, C. A. G.; CABRERA, M. Paul Odontol, São Paulo, v.18, n.3, 1936.
C. Ortodontia clínica I e II. Curitiba: p. 30-35, maio./jun. 1996. 34 - SILVA FILHO, G. Distalizador “Jones Jïg”:
Produções Interativas, 1997. 22 - HENRIQUES, J. F. C. et al. Apare- um método alternativo para a distali-
12 - CABRERA, C. A. G. et al. Ortodontia lho removível para a distalização zação de molares superiores. R Dental
operacional. Curitiba: Produções Inte- dos segundos molares superiores, Press Ortodon Ortop Maxilar, Marin-
rativas, 2000. co-adjuvante no tratamento com a gá, v.5, n.4, p.18-26, jul./ago. 2000.
13 - CELLIER, F. apud BARSTON J.J. High- ancoragem extrabucal. Descrição do 35 - SUGINO, R.; FURQUIM, L. Z.; RA-
pull headgear versus cervical traction: aparelho e relato de um casoclínico. MOS, A . L. C. O aparelho Jones Jig. R
a cephalometric comparison. Am J R Dental Press Ortodon Ortop Ma- Dental Press Ortodon Ortop Facial,
Orthod, St. Louis, v. 62, p. 517-529 xilar, Maringá, v.2, n. 4, p.55-64, Maringá, v. 5, n.3, p.83-116, maio/
Nov. 1972. jul./ago. 1997. jun. 2000.

Endereço para correspondência


Marise de Castro Cabrera
Rua Lamenha Lins- 62
Curitiba - Pr - CEP 80250-020
cabrera@cabrera.com.br

R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 8, n. 1, p. 115-129, jan./fev. 2003 129