Você está na página 1de 8

Artigo Inédito

Interação entre Ortodontia e


Dentística em um caso clínico com
discrepância de Bolton
Ricardo Alves de Souza*, Darcy Flávio Nouer** ,
Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani***, Vânia Célia Vieira de Siqueira***,
João Sarmento Pereira Neto ***, Maria Carolina Blanco Acevedo***

Resumo necessário um planejamento mul- Após a fase inicial de alinhamento


A discrepância de tamanho den- tidisciplinar, devido à discrepân- e nivelamento, realizou-se a com-
tário, que ocorre em um número cia de tamanho dentário. Após a pensação de tamanho, por meio de
considerável de pacientes que pro- análise de Bolton, que confirmou a restaurações nos 4 incisivos supe-
curam por tratamento ortodônti- discrepância de tamanho dentário riores, com resina composta. Este
co, pode influenciar negativamen- por reduzida largura mesiodistal, planejamento conjunto, permitiu
te os objetivos do tratamento e os proporção total igual a 100 (mé- uma finalização ideal do caso, e
seus resultados finais. Em um caso dia de 91,3), e proporção anterior ocorreu após 12 meses de trata-
com má oclusão do tipo Classe I de igual a 82 (média de 77,2), iniciou- mento, com resultado bastante
Angle, aparentemente simples, foi se o tratamento ortodôntico fixo. satisfatório.

Palavras-chave: Análise de Bolton. Discrepância de tamanho dentário. Ortodontia. Dentística operatória.

* Especialista em Ortodontia pela FOP/UNICAMP e aluno do Curso de Pós-Graduação em Ortodontia,


nível Mestrado – FOP/UNICAMP.
** Professor Titular da Área de Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Piracicaba
(FOP/UNICAMP).
*** Professores Assistentes Doutores da Área de Ortodontia da Faculdade de Odontologia
de Piracicaba (FOP/UNICAMP).
**** Aluna do curso de Especialização em Ortodontia da Faculdade de Odontologia de Piracicaba
(FOP/UNICAMP).

26 R Dental Press Estét, Maringá v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006


Ricardo Alves de Souza, Darcy Flávio Nouer, Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani, Vânia Célia Vieira de Siqueira, João Sarmento Pereira Neto, Maria Carolina Blanco Acevedo

Introdução forem maiores que os superiores, existirá uma


Diversos fatores podem contribuir para pre- tendência para mordida topo-a-topo. Uma outra
judicar a harmonia e o equilíbrio da oclusão den- hipótese para compensar esta desproporção é a
tária normal. Entre os problemas mais comuns, presença de diastemas superiores para manter
figuram as ausências dentárias, as giroversões; a relação vertical e horizontal entre os arcos, ou
os apinhamentos; as alterações de morfologia ainda um pouco de apinhamento no arco inferior
dentária; a sobremordida e a sobressaliência para acomodação do excesso de massa dentá-
acentuadas e os diastemas entre os incisivos su- ria12. Na prática diária, estas situações são resol-
periores16. vidas, muitas vezes, desgastando-se o excesso
Os problemas relacionados à anatomia dentá- de massa dentária em questão, ou refazendo o
ria, determinando uma discrepância de tamanho contorno dos dentes proporcionalmente meno-
dentário de Bolton2, no excesso ou na redução de res com material resinoso.
largura, ocorrem em um número considerável de O objetivo desse trabalho foi apresentar um
casos de pacientes que procuram por tratamen- caso clínico, aparentemente simples de má oclu-
to ortodôntico. Esta situação, pode influenciar são do tipo Classe I de Angle, mas no qual devido
os objetivos do tratamento, ocorrendo muitas a discrepância de tamanho dentário, foi necessá-
vezes nas últimas fases do tratamento ortodôn- rio um planejamento multidisciplinar entre áre-
tico, e impedindo a finalização do caso adequa- as de Ortodontia e Dentística Restauradora, para
damente, pois o tamanho dos dentes superiores permitir uma correta finalização do caso.
não se mostra compatível com os inferiores9,19.
Quando a discrepância de tamanho dentário Relato de caso clínico
acontece por redução da largura mesiodistal, ve- O paciente C. A. S. P., do gênero masculino,
rifica-se a presença de diastemas generalizados e, de 17 anos de idade, apresentava diastemas ge-
de uma forma mais comum, entre os incisivos su- neralizados em toda porção anterior das arcadas
periores. Nestes casos, considera-se este espaço superior e inferior, os quais representavam a
entre os dentes, ou a ausência de contato entre maior queixa estética do paciente em relação ao
dois ou mais dentes consecutivos, uma condição seu sorriso, e o motivo da procura de tratamen-
patológica12. Fica evidente, durante a anamnese, to ortodôntico. Durante o exame clínico, cons-
a queixa explícita do paciente por este motivo, tatou-se que os diastemas na arcada superior,
além disso, pode representar um grande fator de ultrapassavam 4mm entre os incisivos centrais
risco de recidiva, caso não seja considerado du- superiores, 3mm entre os incisivos laterais supe-
rante o planejamento ortodôntico. riores e incisivos centrais e também 3mm entre
Em relação à etiologia, quando ocorrem dis- os caninos superiores e incisivos laterais. Na ar-
túrbios na morfologia dentária, o resultado de- cada inferior, também apresentava diastemas de
termina um desvio do normal, ou seja, alterações 1,5mm entre os incisivos centrais, 1mm entre os
de crescimento e desenvolvimento da cavidade incisivos laterais e caninos e 2mm entre os cani-
bucal10. Estas anomalias de forma nem sempre nos e os primeiros pré-molares inferiores.
interferem com a função e podem ser causadas A relação molar e canino, lado direito e es-
por condições locais, tendências hereditárias ou, querdo, encontrava-se em Classe I de Angle. Pe-
ainda, por manifestações de distúrbios sistêmi- los exames facial e cefalométrico confirmou-se
cos13. uma boa relação entre maxila e mandíbula, para
Durante o exame clínico, a relação dos com- padrões brasileiros (SNA = 840, SNB = 810, ANB =
primentos mesiodistais dos incisivos superio- 30, IMPA = 950), e um padrão dolicofacial (FMA =
res, maiores que os correspondentes inferiores, 290, SN.GoMe = 290).
pode evidenciar uma tendência para maior so- Dessa forma, confirmado o problema dentá-
bremordida e sobressaliência. Se os inferiores rio do paciente, pela presença de diastemas e

R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006 27


Interação entre Ortodontia e Dentística em um caso clínico com discrepância de Bolton

Figura 1A - Vista frontal do paciente. Figura 1B - Vista do perfil. Figura 1C - Telerradiografia do caso.

Figura 1D - Vista intrabucal do lado direito. Figura 1E - Vista intrabucal frontal. Figura 1F - Vista intrabucal do lado esquerdo.

Figura 1G - Radiografia panorâmica.

28 R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006


Ricardo Alves de Souza, Darcy Flávio Nouer, Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani, Vânia Célia Vieira de Siqueira, João Sarmento Pereira Neto, Maria Carolina Blanco Acevedo

Figura 2A - Vista do lado direito do modelo Figura 2B - Vista frontal do modelo ortodôn- Figura 2C - Vista do lado esquerdo do mode-
ortodôntico. tico. lo ortodôntico.

Figura 2D - Vista oclusal do modelo ortodôn- Figura 2D - Vista oclusal do modelo ortodôn-
tico superior. tico inferior.

Figura 3 - Vista intrabucal frontal das restaurações estéticas realizadas.

pelo aspecto alterado dos incisivos laterais su- tes valores: discrepância total igual a 100, sendo
periores, quase conóides, a suspeita recaiu sobre que a média preconizada pelo autor foi de 91,3,
uma discrepância de tamanho dentário, sugerin- e considerou-se significativo os valores abai-
do uma avaliação mais precisa através da Análise xo de 87,5, ou acima de 95,1. A discrepância no
de Bolton2. segmento anterior apresentou um valor igual a
Após a análise de modelos confirmou-se uma 82, sendo pré-estabelecida uma média de 77,2, e
discrepância de Bolton2, obtendo-se os seguin- considerou-se significativo os valores abaixo de

R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006 29


Interação entre Ortodontia e Dentística em um caso clínico com discrepância de Bolton

Tabela 1

SUPERIORES INFERIORES

direito esquerdo direito esquerdo

11 = 8,5mm 21 = 8,5mm 31 = 5,0mm 41 = 5,5mm


12 = 5,5mm 22 = 6,0mm 32 = 6,0mm 42 = 6mm
13 = 7,5mm 23 = 7,5mm 33 = 6,5mm 43 = 7mm
14 = 6,5mm 24 = 7mm 34 = 7,5mm 44 = 6,5mm
15 = 6mm 25 = 6mm 35 = 7,5mm 45 = 7,5mm
16 = 10mm 26 = 10mm 36 = 11mm 46 = 10,5mm
17 = 9mm 27 = 9mm 37 = 10,5mm 47 = 10mm

Proporção Total (P.T.) RESULTADO

P. T. = soma dos 12 dentes inferiores x100 107 x 100


100
soma dos 12 dentes superiores 107

Proporção Anterior (P.A.)

P. A. = soma dos 6 dentes inferiores x100 36 x 100


82
soma dos 6 dentes superiores 43,5

73,9, ou acima de 80,5. A Análise Total da Den- vos superiores, para realização das restaurações
tição15 também confirmou o problema, pelo re- com Resina Composta (3M ESPE Filtek Z250) nas
sultado positivo de + 4 mm, salientando a exis- superfícies mesiodistal destas unidades, corri-
tência de uma suave discrepância cefalométrica gindo a anomalia de forma.
negativa e ainda a presença dos terceiros mola- Os espaços remanescentes foram então to-
res, que poderiam ser extraídos. Como previsto, talmente corrigidos, através de amarrilhos con-
a região anterior confirmou-se como o setor de jugados nos anteriores e, logo após, com retração
maior problema, apontando uma discrepância anterior destes dentes, no arco de finalização de
de + 3mm, levando em consideração os fatores aço retangular 0,019” x 0,025”. A conclusão do
dentários anteriores e os cefalométricos, inseri- caso ocorreu após 12 meses de tratamento, com
dos neste segmento. resultado bastante satisfatório para o paciente,
O tratamento ortodôntico fixo consistiu na e instalação de contenções fixas, tanto no arco
colagem de braquetes padrões sem qualquer inferior quanto no superior
tipo de pré-torqueamento ou angulação (Uni-
teck 3M). Foi realizada uma etapa inicial para Discussão
alinhamento e nivelamento na arcada superior, Com o propósito de analisar a anomalia dentá-
pois o paciente apresentava suave sobremordi- ria pela redução da largura mesiodistal, e a opção
da, e após 3 meses ocorreu a colagem inferior de tratamento conjunto com a área de Dentís-
e subseqüente fechamento dos espaços neste tica Restauradora, apresentou-se 1 caso clínico,
arco. O objetivo foi verificar o espaço disponí- ressaltando-se a importância em diagnosticar as
vel para a retração ântero-superior. A segunda discrepâncias dentárias, que possam dificultar
fase ocorreu no sexto mês de tratamento, em os objetivos do tratamento ortodôntico.
que foram removidos os braquetes dos 4 incisi- Uma discrepância entre os incisivos centrais

30 R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006


Ricardo Alves de Souza, Darcy Flávio Nouer, Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani, Vânia Célia Vieira de Siqueira, João Sarmento Pereira Neto, Maria Carolina Blanco Acevedo

Figura 4A - Vista intrabucal do lado direito ao Figura 4B - Vista intrabucal frontal ao final do Figura 4C - Vista intrabucal do lado esquerdo
final do tratamento. tratamento. ao final do tratamento.

Figura 4D - Vista intrabucal oclusal do arco supe- Figura 4E - Vista intrabucal oclusal do arco infe-
rior ao final do tratamento. rior ao final do tratamento.

superiores pode ser considerada como uma das Os agentes etiológicos envolvidos com a
má oclusões que mais preocupam os pacientes, discrepância da forma dentária, relacionada à
devido ao envolvimento estético12,16. redução de tamanho, estão associados, prin-
No estudo realizado por Araújo e Souki1 evi- cipalmente, a fatores de origem genética, e
denciou-se uma elevada ocorrência de discre- podem estar relacionados a alterações como:
pância dentária anterior, explicada pela grande retardo no desenvolvimento, seqüência e ir-
miscigenação da população brasileira. Em uma rupção dentária, hipodontia, microdontia e
amostra de 300 pacientes, 162 deles (56%) apre- agenesias11,18.
sentaram discrepância de tamanho, com desvio Diversos estudos de prevalência compro-
padrão de +1. Em outros estudos esta discrepân- voram a hipodontia como a anomalia mais
cia mostrou-se menor, como nos achados de Ri- comum4,6,17,20. Em relação ao gênero, não fo-
chardson e Malhotra21 (33,7%) de Bolton3 (29%). ram observadas diferenças estatísticas entre
Pelos elevados percentuais de ocorrência de homens e mulheres7,6, diferindo nesse aspec-
casos com discrepância de tamanho dentário e to dos estudos de Ribeiro et al.20 e Neville et
problemas na anatomia dentária, estas situações al.17, que encontraram diferenças. Carreiro et
representam mais um fator de dificuldade para a al.5 relataram não ocorrer dimorfismo sexual
fase de finalização e deveriam ser consideradas entre as discrepâncias de tamanho dentário e
durante a fase inicial de diagnóstico e plano de os diferentes tipos de oclusão dentária.
tratamento. Um excelente tratamento ortodôn- A inclusão rotineira de uma análise de ta-
tico depende de uma oclusão estável e intercus- manho dentário nos procedimentos iniciais
pidação ideal, e uma discrepância de tamanho de um tratamento ortodôntico determinaria
dentário de Bolton pode influenciar os objetivos a obtenção de um diagnóstico mais completo.
de tratamento e os seus resultados1,9,12. A identificação de uma discrepância antes do

R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006 31


Interação entre Ortodontia e Dentística em um caso clínico com discrepância de Bolton

Figura 5A - Vista frontal do paciente ao final Figura 5B - Vista do perfil ao final do trata- Figura 5C - Vista frontal do paciente sor-
do tratamento. mento. rindo.

alinhamento dentário final seria benéfica no contenção prolongada12.


planejamento do tratamento e nas expectati-
vas finais do clínico e do paciente, aumentan- Conclusões
do o índice de sucesso1,12,21. A realização do planejamento ortodôntico,
Atualmente, as técnicas restauradoras fo- considerando uma abordagem multidisciplinar,
calizam a conservação máxima do tecido den- possibilita um resultado muito mais satisfató-
tário; com esta finalidade, as indústrias apre- rio, em diversas situações clínicas. Colocar na
sentam cada vez mais materiais de melhor prática diária ortodôntica os métodos de diag-
qualidade, que possibilitam alcançar os objeti- nósticos disponíveis, como a Análise de Bolton2
vos estéticos desejados. Dessa forma, surgem e a Análise do Espaço Total da Dentição15, con-
alternativas de tratamento aos pacientes que tribui significativamente para um diagnóstico
apresentam algum tipo de anormalidade den- mais preciso e correto.
tária, através de um procedimento simples, e A interação entre as duas áreas, neste caso
com um tempo menor de trabalho8,14. Ortodontia e Dentística Restauradora, justifi-
Na fase de contenção, o periodonto e regi- cou-se, pela impossibilidade de finalização sem
ões adjacentes apresentam-se em estado de a atuação conjunta de ambas especialidades. Na
reorganização. Por isso a contenção ou esta- utilização de mecanismos exclusivamente orto-
bilização deve ser mantida até que os tecidos dônticos, poderia ocorrer um não fechamento
voltem ao seu estado normal. O tratamento de todos os diastemas superiores, ou uma ins-
dos diastemas, além de ser individualizado, tabilidade do caso após a remoção do aparelho
requer domínio da mecânica ortodôntica pois, fixo. Por outro lado, a tentativa de fechamento
devido ao fator etiológico genético, ocorre de espaço exclusivamente com resina compos-
uma forte tendência para reabertura do espa- ta implicaria em um resultado estético final in-
ço, mesmo após o fechamento ortodôntico e satisfatório.

32 R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006


Ricardo Alves de Souza, Darcy Flávio Nouer, Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani, Vânia Célia Vieira de Siqueira, João Sarmento Pereira Neto, Maria Carolina Blanco Acevedo

Orthodontic and operative Dentistry interaction on a


clinical case with Bolton tooth size discrepancy
Abstract
A significant number of patients seek the orthodontic orthodontic treatment was initiated after the Bolton
treatment presenting tooth size discrepancy. This tooth-size analysis (total proportion equal 100 and
problem could directly affect the objective and anterior proportion equal 82) was used to confirm such
final results of the treatment. This study was based discrepancy. After alignment and leveling, anterior
on a clinical case (Angle Class I), apparently simple, tooth size compensation was made on the 4 upper
but due to an anterior tooth-size discrepancy, a incisors using composite resin. This multidisciplinary
multidisciplinary planning (orthodontic and aesthetic treatment allowed the conclusion of the case in a 12-
treatment) was needed to conclude the case. The month period with very satisfactory results.

Key Words: Bolton analysis. Tooth size discrepancy. Orthodontic. Operative Dentistry.

Referências

1. ARAÚJO, E.; SOUKI, M. Bolton anterior tooth size discrepancies 13. LANGLAND, O. E.; LANGLAIS, R. P. Principles of dental imaging
among different malocclusion groups. Angle Orthod, Appleton, [USA]: Lippincott W. Wilkins, 1997.
v. 73, no. 3, p. 307–313, 2002. 14. LEÓN, A. P. F. et al. Uma opção de tratamento interdisciplinar nos
2. BOLTON, W. A. Disharmony in tooth size and its relation to the casos de ausência e/ou má formação dos incisivos laterais supe-
analysis and treatment of malocclusion. Angle Orthod, Appleton, riores: apresentação de 2 casos clínicos. Rev Dental Press Ortodon
v. 28, p.113-130, 1958. Ortop Facial, Maringá, v. 3, n. 5, p. 33-44, set./out. 1998.
3. BOLTON, W. A. The clinical application of tooth-size analysis. Am J 15. MERRIFIELD, L. L. Differencial diagnosis with total space analysis.
Orthod, St. Louis, v. 48, p. 504–529, 1962. J Charles Tweed Found, Tucson, v. 6, p. 10-15, 1978.
4 BROWN, M. R.; EDMONDSON, D. H.; ROUT, P. G. Atlas of dental and 16. MOYERS, R. E. Ortodontia 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
maxillofacial radiology and imaging Barcelona: C. V. Mosby, 1995. 1991. p. 483.
5. CARRERO, L. S. et al. A discrepancia de tamanho dentário, de 17. NEVILLE, B. W. et al. Patología oral e maxilofacial Rio de Janeiro:
Bolton, na oclusão normal e nos diferentes tipos de más oclusões, Guanabara Koogan, 1998.
bem como sua relação com a forma de arco e o posicionamento 18. PECK, S.; PECK, L.; KATAJA, M. Prevalence of tooth agenesis and peg-
dentário. Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 10, shaped maxillary lateral incisor associated with palatally displaced
n. 3, p. 97-117, maio/jun. 2005. canine (PDC) anomaly. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis,
6. CASTRO, J. F. L.; OLIVEIRA, S. B.; SALES, R. D. Prevalência das anoma- v. 110, no. 4, p. 441-443, Oct. 1996.
lias dentárias em pacientes submetidos a tratamento ortodôntico. 19. RAMOS, A. L. et al. Considerações sobre análise da discrepância
Rev Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 9, n. 5, p. dentária de Bolton e a finalização ortodôntica. Rev Dental Press
79-84, set./out. 2004. Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 1, n. 2, p. 86-106, nov./dez., 1996.
7. COUTINHO, T. C. L. et al. Anomalias dentárias em crianças: um es- 20. RIBEIRO, R. A. et al. Prevalência de anomalias de desenvolvimento
tudo radiográfico. Rev Odontol Univ São Paulo, São Paulo, v. 2, n. dental entre 129 crianças e adolescentes de Juiz de Fora (MG); um
1, p. 2-10, dez. 1998. estudo radiográfico. Rev CRO MG, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 46-51,
8. FAYYAD, M. A.; WILSON, H. J. A technique for facing discoloured jan./abr. 2000.
and malformed anterior teeth with composite. Restorat Dent, 21. RICHARDSON, E. R.; MALHOTRA, S. K. Mesiodistal crown dimension
Epsom, v. 3, no.1, p. 8-10, Feb. 1987. of the permanent dentition of American Negroes. Am J Orthod,
9. FREEMAN, J. E.; MASKERONI, A. J.; LORTON, L. Frequency of Bolton St. Louis, v. 68, p. 157–164, 1975.
tooth-size discrepancies among orthodontic patients. Am J Or-
thod Orthop, St. Louis, v. 110, no. 1, p. 24-27, July 1996.
10. FREITAS, A.; ROSA, J. E.; SOUZA, I. F. Radiologia Odontológica 5. ed.
São Paulo: Artes Médicas, 2000.
11. GARN, S. M.; LEWIS, A. B. The gradient and the pattern of crown-
size reduction in simple hypodontia. Angle Orthod, Appleton, Endereço para correspondência
v. 40, no. 1, p. 51-58, Jan. 1970.
12. KREIA, T. B.; GUARIZA FILHO, O.; TANAKA, O. O dilema dos diaste- Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP
mas interincisivos superiores em ortodontia. In: ______.Nova visão End.: Av. Limeira, 901, Bairro: Areão, Piracicaba-SP.
CEP: 13414-903 Fone: (19) 3412-5200
em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares São Paulo: Ed. e-mail: ricardoalves@fop.unicamp.br
Santos, 2002. p. 907-911.

R Dental Press Estét, Maringá, v. 3, n. 4, p. 000-000, out./nov./dez. 2006 33