P. 1
Caderno de Exercícios

Caderno de Exercícios

|Views: 1.188|Likes:
Publicado porElis

More info:

Published by: Elis on Mar 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/04/2012

pdf

text

original

Auditoria

1. Sob o aspecto financeiro, indique a proteção que a auditoria oferece à riqueza patrimonial: a. Contribui para a redução da ineficiência e da negligência. b. Possibilita melhor controle dos bens, direitos e obrigações. c. Assegura a maior exatidão dos custos e veracidade dos resultados. d. Resguarda créditos de terceiros, contra possíveis fraudes. e. Inibe a ocorrência de fraudes e erros. Sob o aspecto administrativo, o reflexo da auditoria sobre a riqueza patrimonial é: a. Contribuir para uma melhor adequação na utilização das contas contábeis e do plano de contas. b. Assegurar maior exatidão dos custos e estabelecimentos de padrão para os custos diretos e indiretos. c. Melhor controle dos bens, direitos e obrigações e ainda maior exatidão dos custos indiretos. d. Reduzir a ineficiência, negligência e improbidade dos empregados e administradores. e. Promover eficiência na utilização de recursos humanos e materiais e uma melhor utilização de contas. Para o Fisco, as vantagens oferecidas por um adequado processo de auditoria: a. Permitir maior exatidão das demonstrações e resultados contábeis. b. Assegura maior correção dos registros financeiros gerenciais. c. Aponta falhas nos sistemas de controles internos da empresa. d. Opina sobre a adequação das demonstrações contábeis. e. Armazena evidências de erros e irregularidades cometidos. A principal finalidade de uma auditoria contábil é: a. Elaboração de demonstrativos contábeis. b. Confirmação dos registros e demonstrações contábeis. c. Conferência física dos elementos do ativo. d. Elaboração e avaliação dos registros contábeis. e. Apuração correta do lucro do exercício.

1

2.

3.

4.

5. A ética profissional é condição para o exercício de qualquer profissão. Na execução do trabalho de auditoria, o auditor externo deve atender aos seguintes princípios éticos profissionais: a. Integridade, eficiência, confidencialidade e dependência. b. Independência, integridade, eficiência e confidencialidade. c. Dependência, integridade, imparcialidade e ineficiência. d. Confidencialidade, integridade, eficiência e negligência. e. Eficiência, confidencialidade, integridade e parcialidade. 6. De acordo com as Normas Profissionais de Auditor Independente, o Auditor deve observar o sigilo profissional, EXCETO quando: a. Autorizado por escrito pela entidade auditada, contendo os limites das informações a serem fornecidas. b. Solicitado pela Comissão de Valores Mobiliários, no caso de Sociedades por Ações de Capital. c. Solicitado pelo Auditor Independente que o suceder, após o término de compromissos contratuais. d. Terminado os trabalhos e compromissos contratuais. 7. As alternativas abaixo caracterizam relevância a ser obrigatoriamente considerada pelo Auditor Externo em seu trabalho, com EXCEÇÃO de: a. Determinar a natureza, a oportunidade e a extensão dos procedimentos de auditoria. b. Fixar as normas para inventário. c. Avaliar o efeito das distorções sobre os saldos, as denominações e a classificação das contas. d. Determinar a adequação da apresentação e da divulgação da informação contábil. 8. Considera-se impedido para realizar trabalhos de auditoria independente o Auditor que: a. Tenha emitido parecer sem ressalva durante quatro anos consecutivos, ou oito anos intercalados, independentemente da empresa de auditoria. b. Tenha emitido parecer com ressalva nos últimos três anos. c. Mantenha relação de trabalho como empregado, administrador ou colaborador assalariado, ainda que esta relação seja indireta nos últimos dois anos. d. Execute trabalhos de auditoria para empresa nos últimos três anos.

Elisangela Lagos
(Material de Autores constantes na Ementa Disciplinar, uso restrito à disciplina em questão)

c. proporcionar à empresa uma razoável garantia de promover eficácia nas suas operações é denominado: a. nas demonstrações financeiras objeto da auditoria. e. Entidade e Continuidade. são: a. A verificação da uniformidade das práticas contábeis aplicadas nas demonstrações financeiras objeto da auditoria. ao realizar auditoria pela primeira vez em uma entidade. 15. abaixo. Elisangela Lagos (Material de Autores constantes na Ementa Disciplinar. Economicidade dos controles internos. Examinar a integridade. d. d. Localizar fraudes que estejam ocorrendo. Prudência. A identificação de fatos relevantes que possam afetar as atividades da entidade objeto da auditoria. Solucionar todas as situações de fraudes realizadas dentro da empresa. d. Dificuldade de o proprietário supervisionar pessoalmente as principais operações. Entidade. Obtenção de uma auditoria mais periódica e preventiva. deverá contemplar os seguintes procedimentos. Três anos. Atualização Monetária. Maior ênfase às normas e/ou procedimentos internos. Indique-o: a. Orientar a direção da empresa para que seus produtos tenham melhor aceitação pelos clientes. Um dos principais objetivos do auditor interno é: a. uso restrito à disciplina em questão) .Auditoria 2 9. Auditoria operacional e financeira. b. c. a partir da data-base das demonstrações contábeis publicadas. c. exceto um. e. Oportunidade. Alguns dos Princípios Fundamentais de Contabilidade enunciados pela Resolução CFC 750/93. Conferir a conta “Caixa”. e. o auditor deve manter a boa guarda de toda a documentação pelo prazo de: a. Sistema contábil e de controle interno. A auditoria interna é necessária pelos motivos. b. Realização do exame das demonstrações contábeis. Oportunidade e Reavaliação de Ativos. b. d. Atuação em outras áreas não relacionadas com a contabilidade. Cinco anos. c. Três anos. d. c. e. Integridade do ambiente de controles internos. e. A identificação de eventos subseqüentes relevantes ao exercício anterior às demonstrações financeiras objeto da auditoria. b. Eficácia dos processos dos controles internos. a partir da data-base das demonstrações contábeis. O exame de adequação dos saldos finais do exercício anterior com os saldos iniciais do exercício atual. Eficiência dos processos de produção. c. b. Orientar o diretor financeiro da empresa auditada. Auditoria das demonstrações contábeis. Examinar as demonstrações contábeis e emitir a sua opinião. Expressar uma opinião sobre as demonstrações contábeis. Vigiar os funcionários da empresa. 12. O processo que tem por finalidade. Quatro anos. A atividade fundamental do auditor independente é: a. a partir da data da emissão do parecer de auditoria. a partir da data de publicação das demonstrações contábeis. Continuidade e Regime de Caixa. d. exceto: a. 13. Essência e Forma. e. 11. Examinar a demonstração do resultado do exercício e emitir seu parecer. b. A realização dos trabalhos visando o cumprimento das horas negociadas. Registro pelo Valor Original. c. Eficiência dos sistemas de informações. d. b. 14. c. independente de evidenciar que as normas de auditoria foram aplicadas. a partir da data de emissão do parecer de auditoria. adequação e eficácia dos controles internos. d. entre outras. Sistema de orçamento e gastos. Competência e Depreciação. O auditor. e. Para fins de fiscalização do exercício profissional. e. Não é função da auditoria interna avaliar a: a. b. Supervisão e controle de qualidade. 16. Cinco anos. 10.

por efeito de se relacionar diretamente à quantificação dos componentes patrimoniais e à formação do resultado. c. Desde que. tecnicamente estimável. Suficientes para fundamentar suas recomendações. b. com ressalva e adverso. d. sem ressalva e adverso. Sem ressalva. Parciais para fundamentar suas conclusões. d. negativa de opinião e com parágrafo de ênfase. o parecer de auditoria independente é classificado. b. Limpo. A aderência à estrutura conceitual básica de contabilidade e a eficácia dos procedimentos adotados. O ambiente de controle existente na entidade e os procedimentos de controle adotados pela administração. Na avaliação do sistema contábil e de controles internos. 21. V. Refere-se. d.Auditoria 3 17. Sem ressalva. b. um conjunto de pessoas. com ressalva. c. 20. com parágrafo de ênfase. IV. uma sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade. d. a necessidade da diferenciação de um patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes. com nota explicativa. independentemente de pertencer a uma pessoa. com nota explicativa e adverso. Princípio da Entidade Princípio da Continuidade Princípio da Oportunidade Princípio do Registro pelo Valor Original Princípio da Competência a. e. Suficientes para fundamentar suas conclusões e recomendações. O tamanho e complexidade das atividades da entidade e os procedimentos definidos pela administração. Aponta falhas nos sistemas de controles internos das empresas. Relacione: I. Positivo. Suficientes para fundamentar suas conclusões. 18. e. estabelecendo diretrizes para classificação das mutações patrimoniais. e. b. b. d. o registro das variações patrimoniais deve ser feito mesmo na hipótese de somente existir razoável certeza de sua ocorrência. Para o Fisco. De acordo com o Conselho Federal de Contabilidade. determinando que este seja feito no tempo e com extensão correta. o auditor deve considerar: a. O uso da moeda do país na tradução do valor dos componentes patrimoniais constitui imperativo de homogeneização quantitativa dos mesmos. segundo a natureza da opinião que contém. em: a. à tempestividade e à integridade do registro das mutações patrimoniais. Assegura maior correção dos registros financeiros gerenciais. e. e de constituir dado importante para aferir a capacidade futura de geração de resultado. uso restrito à disciplina em questão) . Reconhece o patrimônio como objeto da contabilidade e afirma com a autonomia patrimonial. c. A estrutura do sistema contábil adotada pela administração e a eficácia dos controles internos adotados. resultantes da observância do princípio da oportunidade. Os procedimentos da auditoria interna são exames que permitem ao auditor interno obter provas com as seguintes características: a. Opina sobre a adequação das demonstrações contábeis. Determina quando as alterações no ativo ou no passivo resultam em aumento ou diminuição no patrimônio líquido. e. Sem ressalva. II. Elisangela Lagos (Material de Autores constantes na Ementa Disciplinar. 19. III. simultaneamente. A estrutura funcional da entidade e a eficiência dos controles internos mantidos pela sua administração. Parciais para fundamentar suas conclusões e recomendações. as vantagens oferecidas por um adequado processo de auditoria: a. Sua observância é indispensável à correta aplicação do princípio da competência. com parágrafo de ênfase. Permite maior exatidão das demonstrações e resultados contábeis. com ressalva. c. c. Armazena evidências de erros e irregularidades cometidos. adverso e com abstenção de opinião.

Do Auditor Independente. Elaboração de demonstrativos contábeis. c. o auditor deve: a. b. Orientar a direção da empresa para que seus produtos tenham melhor aceitação pelos clientes. Orientar o diretor financeiro da empresa auditada. b. A apresentação das demonstrações contábeis é de responsabilidade: a. Conferência física dos elementos do ativo. Elisangela Lagos (Material de Autores constantes na Ementa Disciplinar. O risco de auditoria significa: a. O processo de avaliação da eficácia dos controles internos na detecção de erros ou classificações devidas nas demonstrações contábeis. e. pois o risco é muito baixo. Conferir a conta Caixa. d. e. A possibilidade de o auditor vir a emitir uma opinião tecnicamente inadequada sobre as demonstrações contábeis significativamente incorretas. Durante os testes preliminares o auditor constatou que o risco envolvido numa auditoria de cálculo de depreciação era muito baixo. e. A avaliação de riscos de controle é: a. Não efetuar qualquer teste. e. b. Proceder ao teste global de depreciação conhecendo a taxa utilizada. Elaboração e avaliação dos registros contábeis. d. 28. A incapacidade de avaliação da eficiência dos controles internos na retificação dos erros e fraudes nas demonstrações contábeis. 27. c. d. para verificação da razoabilidade do saldo de depreciação acumulada. e. Localizar fraudes que estejam ocorrendo. c. c. b. b. uso restrito à disciplina em questão) . Da Comissão de Valores Mobiliários. A probabilidade de o auditor vir a expressar um parecer com ressalva sobre as demonstrações contábeis significativamente incorretas. Do Auditor Interno. Efetuar a seleção e o teste de depreciação dos itens materiais. Do Conselho Consultivo. c. b. Do Contador. O procedimento de avaliação da eficiência dos controles externos na eliminação de erros ou classificações indevidas nas demonstrações contábeis. Fazer a verificação de aquisição dos itens adquiridos após os testes preliminares. 4 23. d.Auditoria 22. A atividade fundamental do auditor independente é: a. Do Conselho de Administração. 24. Apuração correta do lucro do exercício. e. Do Conselho Fiscal. e. Do Conselho Fiscal. A possibilidade de o auditor vir a emitir uma opinião tecnicamente inadequada sobre as demonstrações contábeis significativamente corretas. Expressar uma opinião sobre as demonstrações contábeis. A probabilidade de o auditor vir a expressar uma ressalva inadequada sobre as demonstrações contábeis significativamente corretas. Da Administração. d. A escolha do auditor nas sociedades anônimas é de competência: a. Realizar a análise das taxas de depreciação utilizadas de acordo com os itens. A possibilidade de o auditor vir a emitir uma ressalva inadequada sobre as demonstrações contábeis que mereçam apenas um parágrafo de ênfase. c. Nesse caso. Da Diretoria Executiva. Confirmação dos registros e demonstrações contábeis. A principal finalidade de uma auditoria é: a. 26. O processo de avaliação da eficácia dos controles internos na detecção de erros ou classificações indevidas nas demonstrações contábeis. 25. b. d. d. A capacidade de detecção de operações que eliminem os erros ou classificações devidas nas demonstrações contábeis com o objetivo de mudá-las. c.

Falsa. Natureza. Falsa. c. O exame utilizado para testar a efetividade dos controles. Verdadeira. 5 Em relação ao planejamento da auditoria: I. não obtiver informações suficientes e constatar que o valor envolvido é expressivo em relação à posição patrimonial e financeira e ao resultado das operações. Volume de operações. III. c. III. Exame dos registros. Confirmação de existência documental e revisar o inventário físico realizando a contagem física e procedimentos complementares. controle interno e relevância. podemos afirmar que: a. particularmente daqueles relativos à segurança de quantidades físicas ou qualidade dos bens tangíveis é denominado: a. d. Se o auditor. Falsa. c. dentro ou fora da entidade auditada. I. Verdadeira. O planejamento da auditoria. Elisangela Lagos (Material de Autores constantes na Ementa Disciplinar. e. Verdadeira. II. 30. Obtenção de informação junto à administração com o objetivo de confrontar a exatidão aritmética dos valores apresentados. Risco. III. d. 32. I. d. 31. relevância e extensão. executando os testes de contagem física e procedimentos complementares. Elaboração dos lançamentos contábeis e do inventário físico para certificação de que todos os fatos foram registrados. que assumirá responsabilidades sobre a parte dos trabalhos por ele executados. Correlação das informações. e. d. Os procedimentos de auditoria descritos no programa de trabalho devem ser aplicados em termos de: a. Verdadeira. Volume de saldo. II. II. Oportunidade. b. Verdadeira. I. e. Procedimento de análise das notas fiscais de venda e compra e os valores contabilizados e recomendar o inventário físico à entidade. c. Declaração de existência e consistência apresentada pelos administradores da empresa e confirmada pelo contador. quando incluir a designação de equipe técnica. b. O auditor deve planejar seu trabalho consoante a Normas Profissionais de Auditor Independente e de acordo com os prazos e demais compromissos contratualmente assumidos com a entidade. Falsa. III. Confirmação externa. Verdadeira. A revisão analítica vem a ser a (o): a. II. I. b. Os programas de trabalho devem ser detalhados de forma a servir como guia e meio de controle de sua execução. durante a revisão analítica. Análise de desvios anormais constatados durante o período de auditoria de acordo com os valores projetados pelo auditor. Observação das condições. 33. Falsa. III. Acompanhamento de um determinado processo ou procedimento quando de sua execução por parte da empresa auditada. Obtenção de informação junto a pessoas ou entidades conhecedoras da transação. Falsa. complexidade e relevância. Verdadeira. Com relação às sentenças acima. Verificação de comportamento de valores significativos com vistas à identificação de situação ou tendências atípicas. relevância e saldo. e. III. e. d. Inspeção física. I. Comunicação direta com os terceiros e acompanhar o inventário físico realizado pela entidade. uso restrito à disciplina em questão) . oportunidade e extensão. Falsa. deverá confirmar os valores a receber e a pagar por meio de: a. executando os testes de contagem física e procedimentos complementares. c. II. II. Falsa.Auditoria 29. b. deve prever a orientação e supervisão do auditor. b.

Exigir a demissão dos envolvidos. Tamanho da amostragem. Uniformidade. Depois do término dos trabalhos de campo e emissão do parecer e antes da data de publicação. e. d. o auditor tem o dever de: a. Ao detectar erros relevantes ou fraudes no decorrer de seus trabalhos. 36. nas opções abaixo. Negativa. denominada circularização. c. b. c. Entrega dos bens. d. 38. c. De acordo com o princípio contábil da realização da receita. O auditor. Observação. Exige sempre assinatura de dois procuradores da empresa. Obedecer a um intervalo constante entre transações realizadas. b. O critério de seleção casual para determinar a amostra a ser testada pelo auditor ocorre quando a amostra: a.Auditoria 6 34. b. as receitas de vendas de produtos devem ser reconhecidas contabilmente. Investigação. exceto fatos ocorridos: a. For selecionada aleatoriamente sem um critério definido. Recebimento da duplicata. Informar aos administradores da entidade e sugerir medidas punitivas aos responsáveis de forma a não ter que evidenciar em seu parecer. Positiva. Preta. Erro esperado. Durante o exercício contábil objeto da auditoria. Após a publicação do balanço e do parecer de auditoria. 39. percebe um talonário de cheques sem preenchimento de valores. d. no momento da: a. o procedimento técnico básico que o auditor está aplicando: a. Possuir pequena cobertura em relação à população. Inspeção. Branca. Recomendar que a entidade omita a ocorrência dos fatos para permitir que ele emita parecer sem ressalva. informando sobre os possíveis efeitos no seu parecer. Cálculo. O auditor. 35. e. São consideradas situações de eventos subseqüentes para a auditoria. d. ao entrar na sala do gerente financeiro. Erro tolerável. Aberta. e. Revisão. e. c. Durante a publicação do balanço e do parecer de auditoria. Emissão da nota fiscal. For definida em sua experiência profissional. Risco de amostragem. assinado pelo diretor financeiro. Qual dos fatores abaixo não corresponde a um fator a ser levado em consideração na determinação da amostra? a. Comunicar à administração da entidade e sugerir medidas corretivas. Indique. caso elas não sejam adotadas. e. uso restrito à disciplina em questão) . pode recorrer a técnicas de amostragem. quando solicita a confirmação de todas as operações em aberto é denominada: a. d. Emissão do pedido. para determinar a extensão de um teste de auditoria. Formalizar a entidade e recomendar que as demonstrações sejam corrigidas de forma a apresentar as fraudes de forma menos evidente. d. e. A empresa Modernidade S/A possui controles internos rígidos com relação à emissão e à autorização de pagamentos por meio de cheques. Produção dos bens. Elisangela Lagos (Material de Autores constantes na Ementa Disciplinar. O gerente financeiro e o diretor financeiro possuem procurações para exercer essa função. 40. b. d. O pedido de uma confirmação externa. c. c. e. Contiver elevada cobertura em relação à população. só emitindo parecer quando constatar que a entidade cumpriu sua determinação. b. b. Da data de fechamento do balanço até a data de emissão do parecer. b. c. 37.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->