P. 1
Gestão por Competências e Desempenho nas Organizações

Gestão por Competências e Desempenho nas Organizações

|Views: 836|Likes:
Publicado porLuetil

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: Luetil on May 19, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/25/2013

pdf

text

original

Direitos reservados ao CETEB

P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
1
Gestão por Competências
e Desempenho nas
Organizações
Brasília-DF, 2007.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
2
Elaborado por:
Denise Dalescio Sá Teles
DOCUMENTO DE PROPRIEDADE DO CETEB / GIP
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Nos termos da legislação sobre direitos autorais, é proibida a reprodução total ou parcial
deste documento, por qualquer forma ou meio – eletrônico ou mecânico, inclusive por
processos xerográficos de fotocópia e de gravação – sem a permissão expressa e por
escrito do CETEB.
VErsão 1_2008
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
3
Apresentação ..........................................................................................................................................
Organização da Disciplina .....................................................................................................................
Unidade I – Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual ................................................
Capítulo 1 – Contextualização do Mercado de Trabalho ................................................................
Capítulo 2 – Características do Novo Modelo de Gestão ..............................................................
Principais Aspectos Estudados na Unidade I ................................................................................
Unidade II – Competências .....................................................................................................................
Capítulo 3 – Conceitos de Competência .......................................................................................
Capítulo 4 – Tipos de Competências ...........................................................................................
Principais Aspectos Estudados na Unidade II ...............................................................................
Unidade III – Gestão por Competências ................................................................................................
Capítulo 5 – Modelo de Gestão por Competências .......................................................................
Capítulo 6 – Mapeamento de Competências ................................................................................
Capítulo 7 – Descrição de Competências .....................................................................................
Principais Aspectos Estudados na Unidade III ...............................................................................
Unidade IV – Gestão de Pessoas por Competências ............................................................................
Capítulo 8 – Alinhamento das Ações de Gestão de Pessoas à Estratégia Organizacional ..............
Principais Aspectos Estudados na Unidade IV ..............................................................................
Referências Bibliográficas ....................................................................................................................

Sumário
04
05
07
07
09
11
13
13
16
18
19
19
22
25
27
29
29
33
34
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
4
Apresentação
Caro aluno,
Bem vindo à disciplina Gestão por competências e desempenho nas organizações.
Nesta disciplina, você conhecerá a gestão por competências. Sua leitura iniciará com a contextualização do mercado de
trabalho e as características deste novo modelo de gestão. Estudará a evolução do conceito de competências, seus tipos
(organizacional e humanas) e classificações. Em seguida, aprenderá sobre as principais etapas constantes do modelo
de gestão por competência. Por fim, entenderá a interdependência entre o modelo de gestão por competências e os
subsistemas de Recursos Humanos.
A carga horária desta disciplina é de 40 horas, cabendo a você administrar seu tempo conforme a sua disponibilidade.
Lembre-se, porém, que há uma data limite para conclusão dos trabalhos e realização da avaliação, pois até o final da
disciplina, você deverá apresentar ao seu tutor os trabalhos avaliativos indicados na folha anexa, com as respectivas
pontuações.
Bom estudo!
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
5
Organização da Disciplina
Organização da Disciplina
Ao final da disciplina, você será capaz de:
– Identificar as mudanças no mercado de trabalho e as tendências de novos modelos de gestão;
– Conceituar competência e identificar as diferentes correntes de pensamento dos autores;
– Conceituar competência organizacionais e humanas;
– Identificar as principais fases do modelo de gestão por competêncis;
– Identificar os gaps de competência e as técnicas para realização do seu mapeamento;
– Compreender a importância do alinhamento das ações de gestão de pessoas à estratégia organizacional;
– Identificar os subsistemas de Recursos Humanos e sua ligação com o modelo de gestão por competências.
Unidade I – Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual
Carga horária: 08 horas
Conteúdo Capítulo
Contextualização do Mercado de Trabalho 1
Características do Novo Modelo de Gestão 2
Unidade II – Competências
Carga horária: 08 horas
Conteúdo Capítulo
Conceito de Competências 3
Tipo de Competências 4
Unidade III – Gestão por Competências
Carga horária: 12 horas
Conteúdo Capítulo
Modelo de Gestão por Competências 5
Mapeamento de Competências 6
Descrição de Competências 7
Unidade IV – Gestão de Pessoas por Competências – Alinhamento das Ações de Gestão de
Pessoas à Estratéegia Organizacional
Carga horária: 12 horas
Conteúdo Capítulo
Alinhamento das Ações de Gestão de Pessoas à Estratégia Organizacional 8
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
6
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
7
Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual Unidade I
Transformações nos Modelos de Gestão
– Cenário Atual
Unidade I
Capítulo 1– Contextualização do Mercado de Trabalho
As mudanças ocorridas no cenário sócio-econômico nas últimas décadas fizeram com que as empresas mudassem suas
formas de organização e gerenciamento para que pudessem se manter competitivas e atuantes no mercado. Destacam-se
as seguintes mudanças: a globalização, o advento da sociedade do conhecimento e da informação, o desenvolvimento
das inovações científicas e tecnológicas, entre outras.
Sobre essas mudanças, Phillips (2002) fala: “a tecnologia está mudando mais rapidamente que os mercados, os mercados
estão mudando mais rapidamente que os clientes, os clientes estão mudando mais rapidamente que as organizações e
as organizações estão mudando mais rapidamente que as pessoas que as dirigem.”
O processo de globalização gerou uma uniformização de mercados e produtos, fazendo com que os padrões de consumo
se tornassem semelhantes nos diferentes continentes. Um dos efeitos da globalização é o aumento dos níveis de
competitividade, gerando uma constante redefinição de produtos, processos, mercados e insumos. A ênfase na satisfação
do cliente veio com a abertura do mercado, onde a oferta tornou-se maior que a demanda. Para manter-se no mercado,
as empresas tiveram que se reestruturar para atender às necessidades do cliente, cada vez mais exigente, e do mercado,
cada vez mais competitivo.
O desenvolvimento de novas tecnologias cresceu de maneira veloz no último século. A evolução dos computadores, o
advento da internet, as descobertas da biologia (da importância da ecologia aos avanços da genética) trouxeram um novo
olhar para a sociedade contemporânea. As organizações tiveram muitos ganhos com isso. A criação de novas tecnologias
permitiu que as linhas de montagem se transformassem em unidades de produção de fácil programação, podendo atender
às variações do mercado, oferecendo diversos produtos. Isso gerou uma flexibilidade dos processos de produção e um
aumento da diversificação dos produtos. A eficiência técnica da internet permitiu que as empresas agilizassem a troca
de informações, tornando-se mais rápidas e competitivas.
Ao final da unidade você será capaz de:
• Enumerar as mudanças que influenciam o mercado de
trabalho.
• Identificar as tendências do novo modelo de gestão
• Compreender o papel da gestão de pessoas para o sucesso
das organizações
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
8
Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual Unidade I
Vive-se na era da informação, do conhecimento. Segundo De Masi (2000) é preciso saber cada vez mais, mais rapidamente
para poder ganhar espaço na sociedade como um todo, e no mundo do trabalho em particular. As relações entre informação
e geração de riquezas são profundas. Valoriza-se quem tem a informação e sabe fazer uso dela. Tudo isso acontece em
um ritmo muito acelerado. Tecnologias que antes eram restritas aos especialistas e demoravam anos a serem adequadas
ao consumidor, hoje são criadas e disponibilizadas ao mundo em questão de meses.
Como ficam as pessoas e as organizações no meio de tantas inovações e exigências?
As pessoas estão buscando em uma velocidade cada vez maior, as informações, o conhecimento. É preciso estar
“antenado”, conectado ao mundo e às exigências do mercado. A formação é muito valorizada. Como as mudanças são
contínuas, é requerida do indivíduo uma formação ininterrupta, seja em faculdades e universidades, seja no ambiente de
trabalho. Os conhecimentos necessários para conseguir um emprego de recepcionista, por exemplo, são maiores que há
vinte anos atrás. Não basta ser comunicativa e atender bem ao público, a recepcionista precisa ter conhecimentos de
informática, pois a maioria das recepções já dispõe de computadores para registrar seus visitantes; é necessário também
ter um bom conhecimento da estrutura da organização para poder encaminhar as pessoas às áreas corretas. Percebe-se
neste simples exemplo, a evolução das exigências no perfil profissional. Atualização constante, boa formação, domínio
de idiomas estrangeiros, conhecimentos de informática são requisitos no atual mundo do trabalho.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
9
Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual Unidade I
Capítulo 2 – Características do Novo Modelo de Gestão
Para De Masi (2000), as organizações também tiveram que se adaptar aos novos tempos. Deixaram para trás modelos
tradicionais, como o Taylorismo e o Fordismo, e buscam novas alternativas para gerenciar. O modelo tradicional de
gestão foi caracterizado por uma hierarquização vertical, culturas corporativas rígidas e tradicionais e uma divisão de
trabalho visando à produção e a tarefa. A vantagem competitiva era alcançada pela empresa que melhor produzisse
bens e serviços.
O enfoque atual é caracterizado por modelo de gestão que integra diferentes práticas de diferentes níveis organizacionais
com os resultados da organização. Há uma maior participação de todos nas decisões e atividades, há uma flexibilidade
estrutural (alianças estratégicas, organizações virtuais) e um intenso uso da tecnologia que se insere em um contexto
de concorrência e competitividade globais.
De acordo com Castells, o novo modelo de gestão destaca sete tendências:
• Organização em torno do processo, não da tarefa;
• Hierarquia horizontal;
• Gerenciamento em equipe;
• Medida do desempenho pela satisfação do cliente;
• Recompensa com base no desempenho da equipe;
• Maximização dos contatos com fornecedores e clientes;
• Informação e treinamento dos funcionários em todos os níveis.
Para este autor, organizações bem sucedidas são “aquelas capazes de gerar conhecimentos e processar informações com
eficiência; adaptar-se à geometria variável da economia global; ser flexível o suficiente para transformar seus meios tão
rapidamente quanto mudam os objetivos sob o impacto da rápida transformação cultural, tecnológica e institucional; e
inova, já que a inovação torna-se a principal arma competitiva.”
A diferença entre o modelo tradicional e o ainda emergente é que com o advento da tecnologia, as mudanças passaram
a um ritmo mais rápido, o que gera uma necessidade de políticas organizacionais que privilegiem a inovação, a fim de
consolidar e ampliar o mercado de atuação. As formas tradicionais de competitividade como custos, tecnologia, distribuição,
produção e características do produto serão facilmente copiadas e a grande excelência da nova economia surgirá a partir
de capacidades organizacionais como rapidez, reação, agilidade, aprendizagem e competência dos funcionários.
Percebeu-se nas últimas décadas, que a forma de gerenciar pessoas tem um papel fundamental no sucesso das instituições.
A vantagem competitiva sustentável não é mais definida apenas em termos de tecnologia agregada ao valor do produto,
mas principalmente à tecnologia de gerenciar recursos humanos visando os objetivos finais da organização.
De acordo com Dutra (2001), ocorreram várias mudanças na área de Gestão de Pessoas. Dentre as principais, pode-se
ressaltar a alteração no perfil dos funcionários das organizações, o deslocamento do foco da gestão de pessoas por meio
do controle para o foco no desenvolvimento e na participação dos colaboradores para o sucesso da empresa. Um dos
maiores desafios das organizações modernas é desenvolver atividades que geram soluções de alto valor agregado para
clientes e consumidores. Para que as organizações se adaptem a essas mudanças, faz-se necessário um alinhamento
das políticas de gestão de recursos humanos com as estratégias empresariais, através de um novo modelo de gestão: a
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
10
Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual Unidade I
abordagem da gestão por competências. Para Brandão e Guimarães (2001), a abordagem de gestão por competências
surgiu como uma alternativa aos modelos tradicionais de gerenciamento.
Neste novo contexto, as pessoas são consideradas diferenciais decisivos para o alcance de vantagem competitiva
por parte das organizações. Percebe-se um movimento de valorização dos funcionários. As empresas estimulam o seu
autodesenvolvimento, o aprendizado contínuo, a troca de informações e de conhecimentos. Observa-se ainda um desgaste
do modelo de treinamento tradicional, que já não corresponde às exigências de capacitação.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
11
Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual Unidade I
Principais aspectos estudados na unidade I
Mudanças que influenciaram os novos modelos de gestão:
• Globalização
• Sociedade do conhecimento e da informação
• Desenvolvimento das inovações científicas e tecnológicas
Características do modelo de gestão por competências:
• Alinhamento das políticas de gestão de pessoas à estratégia organizacional
• Privilegiam a inovação
• Foco no desenvolvimento dos colaboradores (aprendizagem)
• Conhecimento como vantagem competitiva
• Maior participação dos colaboradores nos processos decisórios
Exercícios de fixação
1. Identifique as mudanças ocorridas no mercado de trabalho nas
últimas décadas e suas influências nos modelos de gestão.
2. Descreva as diferenças entre o modelo tradicional e o modelo de
gestão por competências.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
12
Transformações nos Modelos de Gestão – Cenário Atual Unidade I
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
13
Competências Unidade II
Capítulo 3 – Conceitos de Competência
O conceito de competência vem sendo utilizado por vários autores. Boyatizis iniciou o debate sobre o tema competências
no contexto gerencial em seu livro “The competent manager: a model for effective performance” (apud Bitencourt, 2002).
O modelo de Boyatizis destaca 21 atributos necessários para a construção do perfil ideal de um gestor, separados em
seis grandes fatores:
• Metas e gestão pela ação;
• Liderança;
• Recursos Humanos;
• Direção de subordinados;
• Foco em outros clusters;
• Conhecimento especializado.
Boyatizis enfatiza a formação e os resultados em seu conceito de competência que diz: “são aspectos verdadeiros ligados
à natureza humana. São comportamentos observáveis que determinam, em grande parte, o retorno das organizações.”
Já Zarifian (1996) trata competência como a responsabilidade e iniciativa do trabalhador perante as situações profissionais
com as quais ele se depara. “É assumir responsabilidade frente a situações de trabalho complexas (aliado)... ao exercício
sistemático de uma reflexidade no trabalho.”
Competências
Unidade II
Ao final da unidade você será capaz de:
• Conceituar competência e desempenho e identificar as
linhas de pensamento dos diferentes autores;
• Diferenciar os enfoques abordados nos diversos conceitos
de competência;
• Conceituar competências organizacionais e humanas;
• Classificar as competências organizacionais;
• Compreender o caráter dinâmico do conceito de
competências.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
14
Competências Unidade II
Para esse autor, o conceito de competências extrapola as habilidades, conhecimentos do indivíduo e as tarefas a ele
impostas. O conceito está apoiado nesses fatores, mas é expresso através de uma inteligência prática nas situações
de trabalho.
Para Le Boterf (1999), por sua vez, a competência está no saber mobilizar e aplicar os recursos disponíveis na atividade
profissional. Destaca que a competência está além das qualificações individuais, mas no resultado dessas qualificações
no trabalho.
Esse estudioso relaciona o conceito de competência à mobilização, à articulação de recursos para a ação, enfatizando
os resultados das qualificações dos indivíduos nos resultados práticos no trabalho.
Dutra (2001) traz associado ao conceito de competência, o conceito de complexidade. Cada indivíduo possui um conjunto
de conhecimentos, habilidades e atitudes, o que não garante que a organização se beneficie disso. É preciso levar em conta
a capacidade de entrega do indivíduo à empresa. Assim, o conceito de complexidade permite avaliar o nível de entrega e
da agregação de valor das pessoas. Segundo esse autor, é possível definir diferentes níveis de complexidade de entrega
para cada competência. O que diferencia dois indivíduos de competências semelhantes em seu desempenho no trabalho
é a capacidade de entrega, como ele utiliza seu potencial para a realização de suas tarefas. Para ele, “desempenho é o
conjunto de entregas e resultados de determinada pessoa para a empresa ou negócio”.
De acordo com Fleury e Fleury (2000), “competência é um saber agir responsável e reconhecido, que implica em mobilizar,
integrar, transferir conhecimentos, recursos e habilidades, que agreguem valor econômico à organização e valor social
ao indivíduo.”. O enfoque desse conceito está na capacidade do indivíduo mobilizar recursos para a ação. Segundo os
pesquisadores, o desenvolvimento das competências necessárias para a realização da estratégia competitiva da organização
se dá pelo processo de aprendizagem.
Os conceitos desenvolvidos por Dutra e Fleury e Fleury associam competência e desempenho.
Para Sparrow e Bognanno (1994), “competências representam comportamentos identificados como relevantes para a
obtenção de alto desempenho em um trabalho específico, ao longo de uma carreira profissional, ou no contexto de uma
estratégia corporativa.”.
Durand (apud Brandão, 1999) desenvolveu um conceito de competência baseado em três dimensões: conhecimentos,
habilidades e atitudes. Essas dimensões são complementares e interdependentes. Para ele, competência é um conjunto
de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias à consecução de determinado propósito. Conhecimento é uma
série de informações assimiladas e estruturadas pelo indivíduo. Habilidade é a capacidade de aplicar o conhecimento
adquirido visando atingir um objetivo específico. Já as atitudes são estados complexos que afetam o comportamento,
determinando a escolha de um curso de ação pessoal.
Segundo o autor, a aprendizagem que leva ao desenvolvimento das competências deve levar em conta a assimilação de
conhecimentos, aquisição de habilidades e internalização de atitudes relevantes ao alcance de determinado fim.
Quadro 1 – as três dimensões da competência
Habilidade
Conhecimento
Atitudes
Competência
– Informação
– Saber o quê
– Saber o porquê
– Técnica
– Capacidade
– Saber como
– Querer fazer
– Identidade
– Determinação
Fonte: Durand (1998), apud Brandão.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
15
Competências Unidade II
De acordo com Dutra (2004), existem duas grandes correntes que conceituam competência. Uma delas, representada
por Boyatizis (1982) e McClelland (1973), afirma que competência é o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes
que credencia o indivíduo a exercer determinado trabalho. A outra corrente defendida por Le Boterf (1999) e Zarifian
(1999) relaciona competência às realizações do indivíduo em determinado contexto, àquilo que ele produz ou realiza no
trabalho.
Segundo Brandão (2006), “competência não é apenas o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessários
para exercer determinada atividade, mas também o desempenho expresso pela pessoa em determinado contexto, em
termos de comportamentos e realizações decorrentes da mobilização e aplicação de conhecimentos, habilidades e
atitudes no trabalho. Competências humanas são combinações sinérgicas de conhecimentos, habilidades e atitudes,
expressas pelo desempenho profissional dentro de determinado contexto organizacional, que agregam valor a pessoas
e organizações.”
Este conceito associa competência ao desempenho, inserido no contexto organizacional. Tem, portanto, ampla aceitação
no meio acadêmico e em ambientes organizacionais. O desempenho pode ser observado através dos comportamentos
que o indivíduo apresenta no trabalho e pelos resultados alcançados por ele.
No quadro comparativo abaixo, percebe-se que existem ênfases diferentes nos conceitos de competências dos diversos
autores que tratam do tema.
Quadro 2 – conceitos de competência
Autores Conceitos Ênfase
Boyatizis
(1982)
“Competências são aspectos verdadeiros ligados à natureza humana. São
comportamentos observáveis, em grande parte, o retorno da organização.”
Formação
Resultados
Sparrow e
Bognanno
(1994)
“Competências representam atitudes identificadas como relevantes para a
obtenção de alto desempenho em um trabalho específico, ao longo de uma
carreira profissional, ou no contexto de uma estratégia corporativa.”
Estratégias
Ação
Resultados
Zarifian
(2001)
“Competência é assumir responsabilidades frente à situação de trabalho
complexas buscando lidar com eventos inéditos, surpreendentes, de natureza
singular.”
Mobilização
Ação
Le Boterf
(1997)
“A competência profissional é uma combinação de conhecimentos, de saber
fazer, de experiências e comportamentos que se exerce em um contexto
preciso. Ela é constatada quando de sua utilização em situação profissional
a partir da qual é passível de avaliação. Compete à empresa identificá-la,
avaliá-la, validá-la e fazê-la evoluir.”
Aptidão
Ação
Resultados
Dutra
(2001)
“A competência pode ser compreendida como a capacidade de entrega de
uma pessoa, associada às suas capacidades agregam valor ao negócio ou a
empresa onde atua e a ele mesmo.”
Ação
Resultados
Fleury e Fleury
(2000)
“Competência: um saber agir responsável e reconhecido, que implica em
mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos, habilidades, que
agreguem valor econômico à organização e valor social ao indivíduo.”
Ação
Resultados
Brandão
(2006)
“Competência não é apenas o conjunto de conhecimentos, habilidades e
atitudes necessários para exercer determinada atividade, mas também o
desempenho expresso pela pessoa em determinado contexto, em termos de
comportamentos e realizações decorrentes da mobilização e aplicação de
conhecimentos, habilidades e atitudes no trabalho.”
Resultados
Desempenho
Durand
(1998)
“Competência é o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes
interdependentes e necessárias à consecução de determinado propósito.”
Resultados
Fonte: Bittencourt (2002), com adaptações
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
16
Competências Unidade II
Capítulo 4 – Tipos de Competências
Existem dois principais níveis de competência: organizacional e humanas (ou profissionais).
No primeiro nível, incluem-se as core competences ou as competências essenciais da organização, que são responsáveis
pela atuação da empresa no mercado, estimulando a construção de um diferencial competitivo baseado nas especialidades
e especificidades de cada organização. Para Prahalad e Hamel, as core competences devem responder a três critérios:
• Oferecer reais benefícios aos consumidores;
• Ser difícil de imitar; e
• Prover acesso a diferentes mercados.
No mundo competitivo, a empresa que aplica bem sua competência essencial é aquela que aproveita os recursos de seus
funcionários, busca novas maneiras de fazer e oferecer seus produtos e aproveita as oportunidades do mercado. Segundo
Prahalad, a empresa deve ser vista como um conjunto de forças, capacidades e habilidades que podem ser utilizadas
para criar novos negócios. Para ele, a estratégia é desenvolver uma série de competências essenciais e, a partir daí,
criar novos produtos e serviços.
Nisembaum (2000) classifica as competências organizacionais em função de sua singularidade:
• Básicas: representam os atributos necessários ao funcionamento da organização, mas não distintivas em
relação à concorrência.
• Essenciais: representam atributos de caráter distintivo, que diferenciam a organização das demais.
Para Zarifian, as competências da organização podem ser classificadas da seguinte forma:
• Técnicas
• Sociais
• De serviço
• Sobre processos
• Sobre a organização.
No segundo nível, das competências humanas, observa-se a necessidade crescente em formar e valorizar o profissional
que possa oferecer respostas mais rápidas às demandas do mercado e da empresa, que tenha uma postura aberta à
inovação, baseado num perfil criativo e flexível, que esteja preparado para trabalhar e estimular o desenvolvimento das
outras pessoas com quem trabalha.
A rapidez com que as mudanças acontecem no mundo organizacional faz com que o indivíduo tenha que mobilizar cada vez
mais recursos para lidar com as novas situações impostas por tais mudanças. Dessa forma, o trabalho não se concentra
apenas no desenvolvimento de tarefas pré-definidas e associadas a cada cargo. Tem um destaque cada vez maior o
número de profissionais que responde às novas exigências do mercado, trazendo contribuições para o desempenho da
organização.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
17
Competências Unidade II
Segundo Dutra (2001), “a agregação de valor dos indivíduos é sua contribuição efetiva ao patrimônio de conhecimentos
da organização, o que lhe permite manter suas vantagens competitivas ao longo do tempo.” Percebe-se, desta forma,
uma forte relação entre competências organizacionais e individuais.
Pode-se então, classificar as competências como profissionais e organizacionais, destacando que o conjunto de competências
profissionais, aliado a processos e outros recursos dão origem e sustentação à competência organizacional.
As competências humanas também podem ser observadas em equipes de trabalho. Segundo Zarifian (1996), uma
competência pode se manifestar em processos produtivos e ser atribuída tanto ao indivíduo quanto ao grupo de trabalho.
Durand (2000) afirma que valores comuns à equipe influenciam no desempenho e nos resultados alcançados por ela.
Uma característica importante do conceito de competência refere-se ao seu caráter dinâmico. Isso significa que
competências específicas valorizadas em determinada atividade, no momento atual, podem perder seu valor, tornando-se
obsoletas, ultrapassadas, devido ao surgimento de inovações tecnológicas ou mudanças na estratégia organizacional.
Para Prahalad e Hamel, as competências têm um caráter dinâmico, pois necessitam ser transformadas com o propósito
de atender às mudanças no mercado competitivo em um processo ininterrupto. A competência essencial deve buscar
uma natureza dinâmica para evitar se tornar uma “rigidez essencial”, que inibe a inovação e o crescimento. Isso decorre
da dificuldade das empresas (e das pessoas) de mudar, principalmente se as ações que precisam ser modificadas são
aquelas que alavancaram o sucesso do negócio. Dessa forma, é preciso investir no desenvolvimento de novas competências
enquanto as antigas ainda agregam valor à organização. O desenvolvimento de competências essenciais dinâmicas requer
aprendizagem organizacional e atualização contínua.
Segundo Lei et alli (1996), as competências essenciais, para serem eficazes, tem que evoluir e mudar de maneira constante
por meio de aprendizagem organizacional permanente. As organizações que investem e melhoram suas competências são
capazes de criar novas alternativas de crescimento estratégico.
De acordo com Sparow e Bognanno (1994), as competências podem ser classificadas conforme seu grau de
relevância:
• Competências estáveis: são essenciais para o andamento das atividades da organização e relevantes ao longo
do tempo.
• Competências declinantes: são competências que fizeram parte da organização no passado recente e estão
se tornando cada vez menos necessárias.
• Competências emergentes: são aquelas que estão se tornando relevantes devido às inovações tecnológicas e
mudanças estratégicas da empresa, que serão fundamentais em um futuro próximo.
• Competências transitórias: são competências que não estão diretamente ligadas ao negócio da empresa, mas
que são importantes em momentos de transição.
Os autores ressaltam que a partir dessa classificação é possível identificar e mapear as competências necessárias
ao sucesso organizacional. Desta forma, pode-se direcionar os recursos da organização para o desenvolvimento das
competências emergentes e para a manutenção das essenciais.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
18
Competências Unidade II
Principais aspectos estudados na unidade II
Conceito de competência
“Competência não é apenas o conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessários para
exercer determinada atividade, mas também o desempenho expresso pela pessoa em determinado
contexto, em termos de comportamentos e realizações decorrentes da mobilização e aplicação de
conhecimentos, habilidades e atitudes no trabalho.” (Brandão, 2006)
Existem duas grandes correntes de autores que definem competência, veja no quadro abaixo as principais diferenças
entre elas.
Corrente americana Corrente francesa
Foco Nas qualificações No desempenho
Definição Conhecimentos, habilidades e atitudes
que credenciam o indivíduo a exercer
determinado trabalho.
Associa competência às realizações do
indivíduo em determinado contexto, à sua
produção, aos resultados alcançados.
Autores Boyatizis (1982)
McClelland (1973)
Le Boterf (1999)
Zarifian (1999)
Tipos de competências:
Competência
humana ou
profissional
Competência
organizacional
Atributos da organização, que conferem vantagem competitiva a
ela, geram valor distintivo percebido pelos clientes e são difíceis
de ser imitados pela concorrência
Combinações sinérgicas de conhecimentos, habilidades e
atitudes, expressas pelo desempenho profissional dentro de
determinado contexto organizacional, que agregam valor a pessoas
e organizações
Exercícios de fixação
1. Conceitue competência.
2. Diferencie os conceitos de competências a partir das duas
correntes de pensamento (americana e francesa).
3. Defina competência organizacional e competência humana ou
profissional.
4. Descreva a importância do caráter dinâmico das competências.
5. Enumere as formas de classificação das competências
organizacionais.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
19
Gestão por Competências Unidade III
Gestão por Competências
Unidade III
Ao final da unidade você será capaz de:
• Compreender a ligação entre a estratégia organizacional e
a gestão por competências;
• Identificar as principais fases do modelo de gestão por
competências;
• Compreender a importância de identificar os gaps de
competência;
• Compreender os obj et i vos do mapeament o de
competências;
• Diferenciar as técnicas para realização do mapeamento de
competências;
• Identificar os critérios para descrição de competências;
• Descrever competências.
Capítulo 5 – Modelo de Gestão por Competências
Várias organizações estão utilizando modelos de gestão por competências para planejar, captar e desenvolver as
competências necessárias ao alcance de seus objetivos.
A gestão por competências parte do planejamento estratégico da organização e direciona as ações de captação e
seleção, treinamento, gestão de carreira de seus colaboradores visando atingir seus objetivos e metas. É um processo
que envolve todos os níveis da empresa: corporativo, divisional, grupal e individual. É um modelo que visa integrar todos
os subsistemas de Recursos Humanos, alinhando-os com a estratégia organizacional.
O modelo proposto por Ienaga (1998) parte do mapeamento do gap de competências da organização, identificando, a
partir dos objetivos estratégicos da instituição, a discrepância entre as competências necessárias à consecução de seus
objetivos e as competências internas disponíveis na organização.
Após a realização do mapeamento dos gaps de competência, é possível planejar e implementar ações de capacitação
e/ou desenvolvimento de competências, visando eliminar ou minimizar essas lacunas.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
20
Gestão por Competências Unidade III
Desta forma, a gestão por competências toma como referência a estratégia da organização e direciona suas ações de
recrutamento e seleção, capacitação, gestão de carreira e formalização de alianças estratégicas, entre outras, para a
captação e o desenvolvimento das competências necessárias para atingir seus objetivos.
Brandão e Guimarães (2001) apresentam as principais fases do modelo de gestão por competências na figura abaixo.
Quadro 3 – modelo de Gestão por competências
Acompanhamento e avaliação
Diagnóstico das competências
essenciais à organização
Definição de indicadores de
desempenho organizacional
Definição da missão, da visão de
futro e dos objetivos estratégicos
Formulação da estratégia
organizacional
Diagnóstico das
competências
humanas ou
profissionais
Desenvolvimento
de competências
internas
Captação e
integração de
competências
externas
Formulação dos planos
operacionais de trabalho e de
gestão
Definição de indicadores de
desempenho e remuneração de
equipes e indivíduos
Fonte: Guimarães et AL. (2001), com adaptações.
Segundo os autores, o processo inicia-se com a formulação da estratégia organizacional. Define-se a missão, a visão de
futuro e os objetivos estratégicos da organização. Partindo dos objetivos estratégicos, é preciso estabelecer os indicadores
de desempenho organizacional e as metas a serem alcançadas. Feito isso, identifica-se as competências necessárias para
concretizar o desempenho esperado.
Após a identificação das competências necessárias para o alcance das metas organizacionais, parte-se para o mapeamento
de competências (humanas e organizacionais). Identifica-se o gap (lacuna) existente entre as competências necessárias
para alcançar o desempenho esperado e as competências já encontradas na organização. Veja no quadro abaixo a
identificação do gap de competências.
Quadro 4 – identificação do Gap de competências
Fonte: Ienaga, apud Brandão e Guimarães (2001), com adaptações.
A identificação do gap de competências permite que a organização crie estratégias para minimizar estas lacunas e
manter-se competitiva no mercado. Isto é feito através do planejamento de ações de captação e desenvolvimento de
competências.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
21
Gestão por Competências Unidade III
As ações de captação de competências estão ligadas à seleção de talentos externos e sua integração ao ambiente
organizacional. Segundo Brandão e Guimarães, estas ações podem acontecer no nível individual (ações de captação e
seleção de talentos) e no nível organizacional (joint-ventures ou alianças estratégicas).
Já as ações de desenvolvimento estão relacionadas ao aperfeiçoamento das competências internas da organização.
Podem ocorrem no nível individual, através da aprendizagem e no nível organizacional, através de investimentos em
pesquisa. É por intermédio da aprendizagem que se desenvolvem as competências. Já o desempenho é a manifestação
da competência, daquilo que o indivíduo aprendeu.
Após as ações de captação e desenvolvimento, formula-se os planos operacionais e de gestão, bem como os indicadores
de desempenho e de remuneração das equipes e dos colaboradores.
É feito então, o monitoramento da execução dos planos operacionais e de gestão e seus respectivos indicadores de
desempenho, com o objetivo de identificar e corrigir eventuais desvios.
Ao final, faz-se o acompanhamento e a avaliação, comparando-se os resultados alcançados aos esperados. Esta é uma
etapa de retroalimentação do sistema, pois levanta informações que podem ser utilizadas como subsídio para as demais
fases do processo.
Após estudar todas as etapas do processo, é possível identificar a relação de interdependência entre a gestão por
competências e a gestão de desempenho. De acordo com Brandão e Guimarães, “o desempenho expressa, em última
instância, a competência de pessoas, equipes e organizações.”
A gestão por competências é uma tendência a ser seguida onde há a necessidade de se integrar o modelo de gestão de
pessoas à estratégia da organização.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
22
Gestão por Competências Unidade III
Capítulo 6 – Mapeamento de Competências
O objetivo do mapeamento de competências é identificar os gaps de competências, estabelecer as lacunas entre
as competências necessárias para atingir os objetivos estratégicos da organização e as competências internas já
existentes.
A coleta de dados para mapeamento das competências pode ser feita através de:
• Pesquisa documental;
• Observação participante;
• Observação não-participante;
• Entrevistas
• Questionários
• Grupo focal.
Bruno-Faria e Brandão (2003) propõe a utilização de pesquisa documental para identificar as competências humanas
e organizacionais necessárias para alcançar o sucesso organizacional. Essa pesquisa parte da análise de documentos
referentes ao planejamento estratégico da organização (missão, visão, valores, objetivos e metas). O objetivo desta
pesquisa é identificar nestes documentos indicadores da relação competências necessárias/objetivos organizacionais.
Feito isso, parte-se para entrevistas com pessoas-chave da empresa (especialistas, membros da Diretoria). Nestas
entrevistas, procura-se captar a percepção dos entrevistados a respeito dos dados levantados na pesquisa documental,
sempre visando identificar possíveis competências necessárias à instituição.
É importante que o profissional de RH planeje a realização da entrevista, criando um roteiro prévio e explicando a cada
entrevistado os objetivos da pesquisa, bem como a importância de sua cooperação. Para obter respostas fidedignas, é
fundamental que o entrevistador deixe claro que as informações repassadas são sigilosas, garantindo o anonimato dos
entrevistados. Criar um clima amigável durante a entrevista ajuda a coletar as informações pretendidas. O entrevistador
deve abrir espaço para que o entrevistado faça seus comentários, sem julgamentos. Deve demonstrar empatia e evitar
a tendência de projetar seus pontos de vista no interlocutor.
Recomenda-se tomar notas ou gravar as entrevistas, pois através deste registro é possível fazer a análise do conteúdo e
identificar possíveis competências mencionadas pelos entrevistados. Ao analisar o conteúdo das entrevistas, é importante
verificar a freqüência com que cada competência foi destacada – indicando sua relevância para a organização.
Em algumas ocasiões, o profissional de RH não tem tempo disponível para fazer entrevistas individuais. Nestes casos,
ele pode utilizar a técnica do grupo focal, conduzindo uma discussão objetiva e moderada a respeito das competências
essenciais para a organização. Geralmente, os grupos focais são compostos de oito a doze colaboradores, um moderador
e, se possível, um ou mais observadores.
A utilização desta técnica permite maior flexibilidade na coleta de dados, oferecendo subsídios para a construção de
outros instrumentos de pesquisa.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
23
Gestão por Competências Unidade III
Para a realização do grupo focal, deve-se:
• Planejar a entrevista, elaborando um roteiro e selecionando os participantes;
• Conduzir a entrevista, moderando as reuniões
• Analisar os resultados, dando tratamento aos dados e elaborando relatório.
O questionário é a técnica de coleta de dados mais usada para realizar o mapeamento de competências relevantes para a
organização. Geralmente, o profissional de RH utiliza a pesquisa documental e as entrevistas como base para elaboração
dos itens que irão compor o questionário.
Para a construção e validação do questionário é importante que o profissional de RH tenha alguns cuidados:
• Evitar a elaboração de itens longos ou com múltiplas idéias;
• Evitar a utilização de expressões técnicas, ambíguas;
• Identificar a escala mais adequada ao público que irá responder ao instrumento;
• Realizar a validação semântica (verificar se os itens são bem compreendidos pelo público que irá responder ao
instrumento);
• Definir a forma de aplicação mais adequada.
Outra técnica de coleta de dados é a observação direta. Faz-se um exame detalhado do fenômeno ou objeto de estudo.
Este método pode ser utilizado pelo profissional de RH para identificar as competências relevantes ao trabalho, aos
indivíduos e às equipes. Pode ser participante, quando o profissional de RH atua como parte integrante do objeto de
estudo, no próprio ambiente organizacional. Pode ser não-participante, quando o pesquisador não faz parte do contexto
estudado, atuando apenas como espectador.
Para cada uma das técnicas vistas acima, existem vantagens e desvantagens. Algumas tornam-se inviáveis pelo alto
custo e longo tempo de execução. Veja no quadro abaixo os pontos fortes e fracos de cada uma das técnicas de coleta
de dados para mapeamento de competências.
Quadro 5 – VantaGens e desVantaGens das técnicas de coleta de dados
Técnica de Coleta Pontos Fortes Pontos Fracos
Questionário – Garante o anonimato
– Questões objetivas de fácil pontuação
– Questões padronizadas garantem uniformidade
– Deixa em aberto o tempo para as pessoas
pensarem sobre as respostas
– Facilidade de conversão dos dados para arquivos
de computador
– Custo razoável
– Baixa taxa de respostas para questionários
enviados pelo correio
– Inviabilidade de comprovar respostas ou
esclarecê-las
– Difícil pontuar questões abertas
– Dá margem a respostas influenciadas pelo
“desejo de nivelamento social”(*)
– Restrito a pessoas aptas à leitura
– Pode ter itens polarizados/ambíguos
Entrevista – Flexibilidade na aplicação
– Facilidade de adaptação de protocolo
– Viabiliza a comprovação e esclareci mento de
respostas
– Taxa de resposta elevada
– Pode ser aplicada a pessoas não aptas à
leitura
– Custo elevado
– Consome tempo na aplicação
– Sujeita à polarização do entrevistador
– Não garante o anonimato
– Sensível aos efeitos no entrevistado
– Caracterí sti cas do entrevi stador e do
entrevistado
– Requer treinamento especializado
– Questões que direcionam a resposta
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
24
Gestão por Competências Unidade III
Técnica de Coleta Pontos Fortes Pontos Fracos
Observação
Direta
– Capaz de captar o comportamento natural das
pessoas
– Minimiza influência do “desejo de nivelamento
social”
– Nível de intromissão relativamente baixo
– Confiável para observações com baixo nível de
inferência
– Polarizada pelo observador
– Requer treinamento especializado
– Efeitos do observador nas pessoas
– Pouco confiável para observações com inferências
complexas
– Não garante anonimato
– Observações de interpretação difícil
– Não comprova/esclarece o observado
– Número restrito de variáveis
Pesquisa
documental
– Baixo custo
– Tempo de obtenção é reduzido
– Informação é estável
– Dados incompletos ou desatualizados
– Excessivamente agregados
– Mudanças de padrões no tempo
– Uso restrito (confidencialidade)
– Dados difíceis de recuperar
Grupo Focal – Baixo custo e resposta rápida
– Flexibilidade na aplicação
– Eficientes para obter informações qualitativas a
curto prazo
– Eficiente para esclarecer questões complexas no
desenvolvimento de projetos
– Adequado para medir o grau de satisfação das
pessoas envolvidas
– Exige facilitador/moderador com experiência para
conduzir o grupo
– Não garante total anonimato
– Depende da s el eção cr i t er i os a dos
participantes
– I nf or mações obt i das não podem ser
generalizadas
Fonte: McMillan, 1997, pp. 274-275.
Estes métodos de coleta de dados para mapeamento de competências são aplicados para identificar as competências
relevantes para a consecução dos objetivos organizacionais. Porém, para mapear os gaps de competência é preciso
identificar as competências internas já existentes na organização. Para isso, os profissionais de RH utilizam os
instrumentos de avaliação de desempenho. Como visto anteriormente, as competências humanas podem ser expressas
através do desempenho do indivíduo, assim, os instrumentos de gestão do desempenho profissional ajudam a identificar
as competências que os colaboradores apresentam no trabalho. (Brandão, 2006)
A maior parte das organizações utiliza sistemas próprios para certificar as competências de seus colaboradores, usando
instrumentos de avaliação de desempenho desenvolvidos internamente. O Balanced scorecard e a avaliação 360º são
alguns modelos de gestão de desempenho utilizados nas organizações.
O balanced scorecard é um modelo desenvolvido por Kaplan e Norton (1997) que visa orientar o desempenho organizacional
e individual levando em conta aspectos financeiros, de perspectivas do cliente, processos internos, aprendizagem e
crescimento. Tem como objetivo alinhar o desempenho de indivíduos, áreas e da organização aos objetivos estratégicos,
usando indicadores de curto, médio e longo prazo.
A avaliação 360° é um modelo de gestão de desempenho desenvolvido por Edwards e Ewen (1996), também bastante
utilizado nas organizações. Neste modelo, uma rede de indivíduos registra e recebe feedbacks de diferentes fontes
de avaliação (superior hierárquico, pares, subordinados, clientes, fornecedores e outros eventuais atores envolvidos
no processo produtivo). Assim, o resultado da avaliação de desempenho do indivíduo é mais fidedigno, pois minimiza
distorções.
Pode-se utilizar ainda instrumentos de auto-avaliação para identificar as competências internas já existentes na
organização. Nelas, o próprio colaborador avalia o grau de importância de determinadas competências para o seu
desempenho no trabalho, bem como o seu domínio sobre ela.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
25
Gestão por Competências Unidade III
Capítulo 7 – Descrição de Competências
A descrição de determinada competência deve traduzir o desempenho ou comportamento esperado, deixando claro o que
o indivíduo deve ser capaz de fazer.
O profissional de RH deve tomar alguns cuidados ao descrever competências:
• Ser objetivo: descrever o comportamento ou desempenho esperado utilizando verbos que expressem ação
concreta e um objeto de ação.
• Expressar condições e critérios: quando possível, destacar as condições em que se espera que o desempenho
ocorra e os critérios que indiquem um padrão de qualidade satisfatório.
• Fazer validação semântica: para garantir que todos tenham o mesmo entendimento a respeito da competência
descrita.
É importante evitar:
• Construções muito longas
• Utilização de termos técnicos, de difícil compreensão
• Verbos que não expressem ações concretas
• Ambigüidades
• Irrelevâncias
• Duplicidades
• Abstrações
Veja alguns exemplos de descrição de competências (Brandão, 2006).
1. “Resolve problemas de álgebra, cada um deles em menos de 10 minutos e com exatidão”
2. “Edita textos, sem erros de digitação, utilizando o aplicativo Word”
3. “Comunica-se com os clientes, de forma clara e objetiva, utilizando diferentes veículos de comunicação (telefone,
fax, e-mail)”
Para descrever competências humanas existem basicamente dois critérios, que podem variar conforme a finalidade da
descrição.
1. Mediante utilização de pautas ou referenciais de desempenho: descreve-se comportamentos passíveis de observação
que demonstram que o profissional detém determinada competência. Este critério é geralmente utilizado em
instrumentos de avaliação de desempenho. Os autores que defendem esta forma de descrever competências são
Santos (2001) e Whiddett e Hollyforde (1999).
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
26
Gestão por Competências Unidade III
Veja um exemplo no quadro abaixo:
Quadro 6 – exemplo de descrição de competências – referenciais de desempenho (comportamentos obserVáVeis no
trabalho)
Competência Descrição (referenciais de desempenho)
Orientação para resultados • Implementa ações para incrementar o volume de negócios
• Avalia com precisão os custos e benefícios das oportunidades de negócio
• Utiliza indicadores de desempenho para avaliar os resultados alcançados
• Elabora planos para atingir as metas definidas.
Trabalho em equipe • Compartilha com seu grupo os desafios a enfrentar
• Mantém relacionamento interpessoal amigável e cordial com os membros de
sua equipe
• Estimula a busca conjunta de soluções para os problemas enfrentados pela
equipe
• Compartilha seus conhecimentos com os membros da equipe.
Fonte: Santos (2001), com adaptações, apud Brandão (2006).
2. Recursos ou dimensões da competência: descreve-se os conhecimentos, habilidades e atitudes que se acredita serem
necessários para que o indivíduo alcance determinado desempenho. Este critério é usado na formulação de ações de
treinamento. (Brandão et al., 2001;Bruno-Faria e Brandão, 2003)
Quadro 7 – exemplos de recursos ou dimensões da competência “prestar um atendimento bancário baseado em padrões
de excelência”
Dimensão da competência Descrição
Conhecimentos • Princípios de contabilidade e finanças
• Produtos e serviços bancários
• Princípios e relações humanas
Habilidades • Aptidão para operar computadores, periféricos e outros recursos
tecnológicos
• Habilidade para argumentar de maneira convincente
Atitudes • Predisposição para a tomada de iniciativa (proatividade)
• Respeito à privacidade do cliente
• Predisposição para aprimorar-se continuamente.
Fonte: Brandão, Guimarães e Borges-Andrade (2001), com adaptações, apud Brandão (2006)
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
27
Gestão por Competências Unidade III
Principais aspectos estudados na unidade III
Gestão por competências
Tem como objetivo integrar os subsistemas de Recursos Humanos, alinhando-os à estratégia organizacional.
Etapas do processo de gestão por competências:
1- Formulação da estratégia organizacional (definição da missão, visão de futuro e objetivos estratégicos)
2- Estabelecimento de metas e indicadores de desempenho
3- Identificação das competências necessárias para a consecução dos objetivos estratégicos
4- Mapeamento de competências humanas e organizacionais. Identificação do gap de competências.
5- Planejamento de ações de captação e desenvolvimento de competências
6- Elaboração de planos operacionais e de gestão e construção de indicadores de desempenho.
7- Monitoramento dos planos operacionais e de gestão
8- Acompanhamento e avaliação dos resultados alcançados.
Mapeamento de competências
1 - Técnicas de mapeamento de competências desejadas pela organização
Utilização de
técnicas de pesquisa
social
Análise documental
Interpretação do conteúdo da estratégia organizacional, das
competências organizacionais desejadas, do conteúdo dos planos
tático-operacionais de trabalho e gestão.
Entrevistas individuais, grupos focais, observação participante e
não-participante, questionários estruturados
Workshops Participação de dirigentes e especialistas
2 - Formas de mapeamento das competências existentes na organização
• Avaliação do desempenho organizacional: aspectos financeiros e econômicos, eficácia de processos internos,
satisfação do cliente externo, inovação e aprendizagem, entre outros.
• Avaliação do desempenho humano no trabalho
• Auto-avaliação das competências e identificação das necessidades de aprendizagem.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
28
Gestão por Competências Unidade III
Descrição de competências
Deve traduzir o desempenho ou comportamento esperado, deixando claro o que o indivíduo deve ser capaz de fazer.
Exercícios de fixação
1. Descreva a importância da relação entre a estratégia organizacional
e a gestão por competências
2. Enumere as etapas do processo de gestão por competências e o
papel do profissional de RH em cada uma delas.
3. Identifique a importância do mapeamento de competências
4. Descreva as técnicas de mapeamento de competências, suas
vantagens e desvantagens.
5. Quais os cuidados o profissional de RH deve ter ao fazer a
descrição de competências?
6. Diferencie os critérios de descrição de competências.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
29
Gestão de Pessoas por Competências Unidade IV
Gestão de Pessoas por Competências
Unidade IV
Ao final da unidade você será capaz de:
• Compreender a importância do alinhamento das ações de
gestão de pessoas à estratégia organizacional;
• Identificar os subsistemas de Recursos Humanos e sua
ligação com o modelo de gestão por competências.
Capítulo 8 – Alinhamento das Ações de Gestão de Pessoas à Estratégia
Organizacional
A gestão por competências tem como propósito gerenciar os gaps de competências existentes na organização, com o
intuito de eliminá-los ou minimizá-los, aproximando ao máximo as competências existentes às necessárias para o alcance
dos objetivos institucionais.
Neste processo, a área de Recursos Humanos tem um papel fundamental. Segundo Brandão (2006), cabe a ela “orientar
e estimular os profissionais a eliminar as discrepâncias entre o que eles são capazes de fazer (competências atuais) e o
que a organização espera que eles façam (competências desejadas).”
Com o objetivo de promover o desenvolvimento profissional de seus colaboradores, para eliminar ou minimizar as lacunas
de competências, a área de Recursos Humanos utiliza-se de seus diferentes subsistemas: captação e seleção de talentos,
educação corporativa, avaliação de desempenho, remuneração e benefícios.
Partindo do planejamento estratégico da organização, a área de Recursos Humanos constrói suas políticas e práticas de
forma a integrar seus subsistemas visando à aquisição das competências necessárias ao alcance dos objetivos e metas
organizacionais.
A integração dos principais subsistemas de Recursos Humanos em torno da necessidade de aquisição das competências
fundamentais para o sucesso da organização gera impactos significativos na forma de condução dos processos de gestão
de pessoas.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
30
Gestão de Pessoas por Competências Unidade IV
Observe no quadro abaixo a importância do alinhamento da estratégia organizacional à gestão de pessoas.
Quadro 8 – alinhando a Gestão de pessoas à estratéGia orGanizacional
Estratégia
organizacional e
diagnóstico de
competências
Planejamento em
gestão de pessoas
Planejamento
Avaliação do
desempenho
profissional
Subsistemas de
Gestão de Pessoas
Educação Corporativa
Identificação e
alocação de talentos
Orientação profissional
e carreira
Remuneração e
benefícios
Comunicação interna
Competências
Fonte: Brandão (2006)
A partir do quadro acima, observa-se que o planejamento das ações dos subsistemas de gestão de pessoas está vinculado
à estratégia organizacional e ao diagnóstico das competências. É nessa fase que faz-se o mapeamento das competências
humanas necessárias para a consecução dos objetivos estratégicos e o planejamento das ações para desenvolvê-las.
Brandão (2006) salienta que as competências humanas identificadas como relevantes às diversas unidades da empresa
devem compor a avaliação de desempenho profissional, que permite à organização mensurar até que ponto seus
colaboradores expressam tais competências no trabalho. Deste modo, a avaliação de desempenho tem como objetivo
identificar as competências que superam o desempenho esperado, bem como as eventuais lacunas de competências.
Partindo dos resultados obtidos na avaliação de desempenho, é possível alimentar os diferentes subsistemas de gestão
de pessoas.
Educação corporativa - Desenvolvimento de pessoas
Este subsistema tem seu foco de ação no desenvolvimento das competências humanas. Através do modelo de gestão
por competências é possível organizar ações de aprendizagem com a finalidade de minimizar ou eliminar os eventuais
gaps de competência.
O resultado do mapeamento de competências humanas traz subsídios para a identificação das necessidades de
aprendizagem, para a formulação dos objetivos instrucionais, para a definição de conteúdos programáticos, para a
construção de trilhas de aprendizagem, bem como para o compartilhamento de competências entre as pessoas. (Brandão,
2006)
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
31
Gestão de Pessoas por Competências Unidade IV
Ressalta-se a importância da aprendizagem para o desenvolvimento das competências humanas. Para Le Boterf,
“o desenvolvimento de competências humanas depende essencialmente de três fatores: do interesse da pessoa por
aprender, de um ambiente de trabalho que incentive a aprendizagem; e do sistema de educação corporativa disponível
ao indivíduo.”
De acordo com Dutra (2002), é possível construir um subsistema de gestão do desenvolvimento das pessoas baseado
em competências, considerando como fator determinante a complexidade da entrega. Para este autor, não é suficiente
que o indivíduo possua conhecimentos, habilidades e atitudes. É preciso que haja entrega e agregação de valor para a
organização.
Este subsistema tem alguns desdobramentos:
• Análise das pessoas em sua individualidade: partindo dos resultados da avaliação de desempenho, a pessoa é
observada com base em sua entrega.
• Análise das deficiências individuais: observa-se a capacidade de entrega do indivíduo e detecta-se os motivos de
suas deficiências (falta de conhecimentos, habilidades não desenvolvidas, entre outras). É possível desenvolver
um plano de ação individual e verificar sua efetividade.
• Análise da efetividade das ações de desenvolvimento: estabelece-se com o indivíduo um plano de ação de
desenvolvimento. Este acordo é feito entre o colaborador e sua chefia imediata. Assim, é possível verificar se
ocorreram mudanças após as atividades educativas.
Captação e seleção de talentos
O mapeamento de competências relevantes à organização orienta a definição de perfis profissionais, que norteiam as
ações de captação e seleção de pessoas.
A partir das competências essenciais para o alcance dos objetivos estratégicos da organização, define-se o perfil
profissional e inicia-se o processo de seleção das pessoas adequadas às necessidades presentes e futuras da empresa.
Da mesma forma acontece com os processos seletivos internos, busca-se adequar o perfil de competências das pessoas
às competências exigidas para o cargo a ser exercido.
Segundo Dutra (2001), ao avaliar um candidato, leva-se em conta sua não apenas o seu conjunto de competências, mas
também sua capacidade de entregar-se à empresa.
Orientação profissional e gestão da carreira
Ao fazer a identificação das lacunas de competências é possível dar feedback e orientar os colaboradores da empresa
a buscar o desenvolvimento e o crescimento profissional.
Dutra (2001) afirma que o sistema de administração de carreiras deve conciliar o desenvolvimento da organização e do
indivíduo. Para ele, a definição de trajetórias de carreira é importante para a manutenção de vantagens competitivas.
Isso pode ser feito de forma compartilhada entre o colaborador, que estabelece suas opções de carreira e a organização,
que dá suporte ao planejamento individual da carreira de seus funcionários.
A estrutura da carreira pode ser diferenciada nos seguintes tipos:
• Em linha: a sequência de posições está alinhada numa única direção, não oferecendo alternativas às
pessoas.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
32
Gestão de Pessoas por Competências Unidade IV
• Em rede: oferece várias opções para cada posição da empresa. Permite à pessoa estabelecer sua trajetória a
partir de critérios de acesso previamente estabelecidos.
• Paralelas: os indivíduos podem traçar suas trajetórias profissionais em duas direções: profissional ou
gerencial.
Para este autor, há diferentes eixos de carreira nas organizações que estão atrelados aos processos fundamentais da
empresa. Para cada um dos eixos é definido um conjunto próprio de competências, que devem ser graduadas de acordo
com o nível de complexidade da entrega. Assim, é possível acompanhar o desenvolvimento individual em relação à entrega
para a organização. Este é um processo onde o feedback é peça-chave, pois o colaborador e sua chefia irão periodicamente
avaliar os progressos feitos e os gaps ainda existentes.
O objetivo principal do sistema de gestão de carreiras e orientação profissional é conciliar as necessidades organizacionais
de competências, as oportunidades profissionais existentes na organização e as aspirações de crescimento do indivíduo.
(Brandão, 2006)
Remuneração
Ao atrelar os conceitos de competência aos processos de gestão de pessoas, estimula a remuneração variável, de acordo
com as competências expressas no trabalho pelo indivíduo.
Determinadas competências podem ser remuneradas de maneira diferenciada, de forma variável. Isso gera incentivos e
estimula o aprendizado dos colaboradores a desenvolver a referida competência.
Algumas organizações oferecem remuneração variável para colaboradores que se dispõe a atuar como instrutores ou
tutores em capacitações internas. Este é um exemplo de como a remuneração variável ligada à competências pode
estimular o desenvolvimento profissional, além do reconhecimento dos pares e da retribuição financeira.
Comunicação interna
Esse subsistema de gestão de pessoas pode ser utilizado para estimular o autodesenvolvimento dos indivíduos, divulgando
aspectos da estratégia organizacional, tais como: missão, visão, objetivos estratégicos e metas organizacionais.
É usado também para a disseminação do conhecimento, através da socialização de informações relativas a experiências
de sucesso e inovadoras das diferentes áreas da empresa.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
33
Gestão de Pessoas por Competências Unidade IV
Principais aspectos estudados na unidade IV
Aplicações do mapeamento de competências na gestão de pessoas
• Orientação estratégica das ações de gestão de pessoas
• Diagnóstico setorial ou individual
• Identificação de lacunas ou gaps de competências
• Identificação de necessidades de aprendizagem
• Sistematização da capacitação profissional
• Formulação de objetivos instrucionais
• Orientação profissional e gestão de carreiras
• Subsídio a ações de alocação, recrutamento e seleção
• Reconhecimento, promoção e premiação
• Remuneração por competências
• Endomarketing para estimular o autodesenvolvimento
• Orientação aos sistemas de compartilhamento de competências
Exercícios de fixação
1. Descreva a importância do alinhamento das estratégias
organi zaci onai s ao model o de gestão de pessoas por
competência.
2. Identifique os pontos de conversão entre a estratégia
organizacional e os subsistemas de RH.
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
34
Referências Bibliográficas
Referências Bibliográficas
ALMEIDA, Walnice. Captação e Seleção de Talentos: Repensando a teoria e a prática. São Paulo: Atlas,
2004.
BRANDÃO, Hugo Pena. Gestão Baseada nas Competências. In: Gestão baseada nas competências: um estudo
sobre competências profissionais na indústria bancária. Dissertação (Mestrado em Administração), Capítulo
III (p. 21-45), Universidade de Brasília, 1999.
BRANDÃO, Hugo Pena & GUIMARÃES, Tomás de Aquino. Gestão de competências e gestão de desempenho:
tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo constructo. In: Revista de Administração de Empresas, São
Paulo, v. 41, n.1, p.8-15, Jan/Mar, 2001.
CARBONE, Pedro Paulo et al. Gestão por Competências e gestão do conhecimento. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV,
2006.
CHAGAS, Anivaldo Tadeu. O questionário na pesquisa científica. In: http://www.fecap.br/adm_online/art11/anival.
htm , em 11/06/2007.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas. 2 ed. São Paulo: Campus, 2004.
DUTRA, Joel Souza. Gestão por competências. 2 ed. São Paulo: Gente, 2001.
DUTRA, Joel Souza. Gestão de pessoas: Modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas,
2002.
GUIMARÃES, Tomás de Aquino, BRUNO-FARIA, Maria de Fátima & BRANDÃO, Hugo Pena. Aspectos metodológicos
do diagnóstico de competências em organização. In:Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações
e Trabalho. São Paulo: Artmed, 2006.
RABAGLIO, Maria Odete. Seleção por Competências. 2 ed. São Paulo: Educator, 2001.
Direitos reservados ao CETEB
P
ó
s
-
g
r
a
d
u
a
ç
ã
o

a

D
i
s
t
â
n
c
i
a
35
Universidade Gama Filho
G
e
s
t
ã
o

p
o
r

C
o
m
p
e
t
ê
n
c
i
a
s

e

D
e
s
e
m
p
e
n
h
o

n
a
s

O
r
g
a
n
i
z
a
ç
õ
e
s
36

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->