P. 1
Filosofia 10ºAno - 5º Teste

Filosofia 10ºAno - 5º Teste

|Views: 660|Likes:

More info:

Published by: Francisco Girbal Eiras on May 22, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/26/2013

pdf

text

original

Filosofia

10ºAno

Tópicos  abordados:

-­‐ Estado,  direito  e  jus=ça

-­‐ Razão  e  fé:  o  problema  da  existência  de  Deus

-­‐ A  jus=ça  como  equidade  -­‐  teoria  de  Rawls -­‐ Posições  acerca  da  existência  de  Deus -­‐ Argumentos  a  favor  da  existência  de  Deus -­‐ O  argumento  ontológico -­‐ O  argumento  cosmológico -­‐ O  argumento  teleológico  ou  do  desígnio -­‐ O  problema  do  mal -­‐ A  aposta  de  Pascal

 Se  pretendes  saber  mais  sobre  o  tópico  “Estado,  direito  e  jus=ça”  segue  o  seguinte  link: hUp://pt.scribd.com/doc/51602933/Filosofia-­‐Teste-­‐Opcional

1. Estado,  direito  e  jus=ça
A  jus=ça  como  equidade  -­‐  teoria  de  Rawls
  Como  já  sabes,  Rawls  destacou-­‐se  por  esta  teoria  na  tenta=va  de  resposta  ao  problema  da   jus.ça,  ou  seja,  como  deve  ser  feita  a  distribuição  da  jus=ça.   Tal  como  no  problema  da  jus=ficação  do  estado  Locke  e  Hobbes  realizaram  experiências   mentais  para  concluir  algo,  Rawls  também  fez  uma  experiência  mental.  Este  imaginou  a  única   forma  das  pessoas  serem  imparciais  em  relação  à  distribuição  da  riqueza.  Por  exemplo:  se   perguntarmos  a  uma  pessoa  rica  se  acha  que  os  ricos  devem  pagar  mais  impostos,  esta  acha  que   não,  mas  se  perguntarmos  a  um  pobre  ele  diz  que  sim,  que  acha  que  os  ricos  devem  pagar  mais   impostos.  Como  resolver  isto?  Rawls  imaginou  um  cenário,  onde  os  membros  de  uma  sociedade   começavam  num  local,  chamado  posição  original  e  terminavam  noutro  local  que  seria  a  sua  vida   na  sociedade.  No  entanto  era  impossível  ver  entre  estes  dois  locais  devido  à  presença  de  um  véu   da  ignorância.  Assim  o  grupo  de  pessoas  que  inicia  a  experiência  não  sabe  qual  a  sua  posição   futura  na  sociedade  mas  tem  que  decidir  quais  os  melhores  critérios  para  distribuir  a  riqueza.  A   par=r  desta  “experiência”  Rawls  concluiu  que  os  critérios  fundamentais  podem  ser  reunidos  em  3   princípios: -­‐ Princípio  da  igual  liberdade  -­‐  todos  são  livres  do  mesmo  modo; -­‐ Princípio  da  igualdade  de  oportunidades  -­‐  todos  devem  ter  as  mesmas  oportunidades; -­‐ Princípio  da  diferença  -­‐  as  desigualdades  sociais  só  são  admissíveis  se  beneficiarem  os   mais  desfavorecidos.   A  esta  teoria  formulada  por  Rawls  damos  o  nome  de  equidade.

2. Razão  e  fé:  o  problema  da  existência  de  Deus
  Ao  longo  dos  séculos  os  filósofos  têm-­‐se  perguntados:  Como  é  que  podemos  (se  for   possível)  interligar  a  razão  e  a  fé?  Uma  resposta  inicial  seria  provar  a  existência  de  Deus.  Mas  que   Deus?  Existem  várias  visões  de  Deus: -­‐ Teísmo  -­‐  esta  posição  afirma  que  Deus  criou  o  Universo  e  desde  então  que  tem  guiado  os   homens,  sem  negar  o  seu  livre-­‐arbítrio,  mas  dando-­‐lhes  conselhos  sobre  a  Moral  e  os   Valores.  Segundo  o  teísmo  Deus  é  um  ser  sumamente  bom,  omnipotente  (capaz  de  fazer   tudo  dentro  das  suas  possibilidades)  e  omnisciente  (sabe  tudo). -­‐ Deísmo  -­‐  esta  posição  defende  a  existência  de  um  Deus  que  criou  o  mundo,  mas  que   desde  então,  apesar  de  exis=r,  não  interage  de  qualquer  forma  com  ele.  As  caracterís=cas   teístas  de  Deus  também  se  aplicam  a  esta  posição,  no  entanto  é  necessário  realçar  uma   caracterís=ca  importante:  a  sua  eternidade.  Para  um  deísta  as  preces  a  orações  são   inúteis,  visto  que  Deus  nunca  intervirá  jamais  no  mundo. -­‐ Panteísmo  -­‐  esta  posição  revela  a  infinidade  divina,  mas  não  aceita  a  en=dade  divina   como  criadora  do  Universo.  Porquê?  Porque  se  Deus  =vesse  criado  o  Universo,  Ele  criaria   algo  exterior  a  si  mesmo,  o  que  seria  acrescentar  algo  à  sua  infinidade,  ora  não  se  pode   acrescentar  nada  ao  Infinito,  logo  Deus  para  ser  infinito  não  pode  ter  criado  o  Universo. -­‐ Ateísmo  -­‐  esta  posição  refere  que  Deus  não  existe  visto  que  não  existem  provas  racionais   que  o  jus=fiquem;  Deus  é  apenas  uma  ilusão  humana.

Argumentos  a  favor  da  existência  de  Deus 1) Argumento  ontológico
    O  argumento  ontológico  é  considerado  um  argumento  a  priori  (não  é  baseado  em   informação  empírica)  foi  apresentado  por  Santo  Anselmo  e  =nha  três  premissas  e  uma  conclusão.   Estas  são: 1) Deus  é  o  ser  maior  do  que  o  qual  nada  pode  ser  pensado. 2) Deus  só  existe  no  pensamento 3) Se  Deus  só  existe  no  pensamento  então  poderíamos  criar  algo  maior  na  realidade.   Conclusão)  Deus  existe  na  realidade.   Este  argumento  teve  várias  crí=cas  ao  longo  dos  séculos,  mas  a  mais  relevante  foi  a  de   Kant.  Segundo  Kant,  o  facto  que  uma  coisa  ser  real,  ou  seja,  a  própria  existência  não  é  um  atributo   de  uma  coisa,  mas  sim  apenas  um  facto.  Por  exemplo,  nós  conseguimos  pensar  na  ilha  perfeita  na   nossa  mente,  mas  ela  pode  não  exis=r,  isto  significa  que  todas  as  ilhas  que  existam  são  por  isso   mais  perfeitas  que  a  ilha  em  que  pensamos,  o  que  não  se  verifica  verdade.  Ou  seja,  segundo  Kant   a  existência  por  si  só  não  é  uma  caracterís=ca,  logo  não  podemos  dizer  que  por  Deus  exis=r  no   pensamento  também  existe  na  realidade.

2) Argumento  cosmológico  
O  argumento  cosmológico  é  um  argumento  a  posteriori  (considera  a  informação  empírica)   construído  por  São  Tomás  de  Aquino  cons=tuído  por  6  premissas  e  uma  conclusão.Estas  são: 1) Algumas  coisas  são  causadas. 2) Nenhuma  coisa  é  causa  de  si  mesma. 3) Tudo  o  que  é  causado  é  causado  por  outra  coisa,  diferente  de  si  mesmo. 4) Não  pode  haver  uma  regressão  infinita  na  cadeia  de  causas. 5) Se  (4)  é  verdadeira,  então  tem  de  exis=r  uma  primeira  causa,  causada  por  si  mesma. 6) Essa  primeira  causa  é  Deus.   Conclusão)  Deus  existe.   Vamos  analisar  o  argumento  segundo  São  Tomás  de  Aquino,  algumas  coisas  são  causadas,   mas  nem  todas,  podem  exis=r  coisas  que  não  são  causadas  por  nada;  mas  ele  diz  também  que   nada  é  causa  de  si  mesmo,  ou  seja,  tudo  é  causado  por  outra  coisa;  diz  ainda  também  que  se  não   podemos  regredir  infinitamente  nas  cadeias  causais  então  tem  de  exis=r  uma  primeira  causa,  caso   contrário  a  regressão  seria  até  ao  infinito.  São  Tomás  de  Aquino  deu  o  nome  de  Deus  à  primeira   causa.  Logo  Deus  existe.   Este  argumento  sofre  crí=cas  principalmente  a  nível  das  premissas  2,  5  e  6.  A  premissa  2   diz  que  “Nenhuma  coisa  é  causa  de  si  mesma.”  enquanto  que  a  premissa  5  já  diz  “Se  (4)  é   verdadeira,  então  tem  de  exis=r  uma  primeira  causa,  causada  por  si  mesma.”,  mas  isto  não  é  uma   contradição?  Se  nenhuma  causa  é  causa  de  si  mesmo,  como  é  que  algo  pode  ser?  Para  a  premissa   2  ser  falsa  basta  encontrar  apenas  uma  coisa  que  seja  causa  de  si  mesma,  que  segundo  a  6  é  Deus!   Este  argumento  está  mal  estruturado.  Para  além  desta  crí=ca  ainda  podíamos  fazer  outra.  São   Tomás  de  Aquino  deu  o  nome  de  Deus  à  primeira  causa,  mas  esta  também  pode  ser  chamada  de   Big  Bang  e  não  é  por  isso  que  deixa  de  ser  menos  correcto.  Este  argumento  dá-­‐nos  apenas  uma  ou   duas  caracterís=ca  de  Deus  que  é  a  sua  infinidade  e  possivelmente  a  sua  omnipotência,  mas  não   explica  as  outras  caracterís=cas  como  o  facto  de  este  ser  sumamente  bom.   Provavelmente  quanto  à  primeira  crí=ca  São  Tomás  de  Aquino  responderia  da  seguinte   forma:  “No  premissa  2  o  referente  era  o  mundo  natural  e  Deus  não  pertence  ao  mundo  natural,  

logo  não  o  poderíamos  incluir  neste  grupo.  Isto  para  mim  era  uma  noção  básica,  logo  não  a  inclui   no  argumento  que  formulei.”.   E  este  é  o  argumento  cosmológico  porque  aborda  a  criação  do  Universo  como  forma  de   explicar  Deus.

3) Argumento  teleológico  ou  do  desígnio
  Este  argumento  foi  formulado  por  William  Paley  e  é  um  argumento  a  posteriori  (recorre  à   informação  empírica)  cons=tuído  por  duas  premissas  e  uma  conclusão.  Este  argumento  é   considerado  ainda  uma  argumento  por  analogia  visto  que  u=liza  uma  comparação  relevante  para   referir  semelhanças  entre  dois  elementos  e  concluir  que  um  é  semelhante  a  outro  num  ou  mais   aspecto(s).  O  argumento  teleológico  é  o  seguinte: 1) Um  relógio  é  o  artefacto  complexo  em  que  todas  as  peças  encaixam  de  forma   harmoniosa.  O  seu  criador  tem  que  ser  inteligente  para  ter  engendrado  tal  artefacto,  um   relojoeiro. 2) Tal  como  um  relógio,  o  Universo  também  é  complexo  e  harmonioso.   Conclusão)  O  Universo  também  teve  de  ter  um  criador  inteligente,  que  é  Deus.   A  principal  crí=ca  ao  argumento  de  Paley  reside  na  comparação  realizada  entre  Deus  e  o   relógio.  Podemos  comparar  a  complexidade  do  Universo  à  complexidade  de  um  relógio?  Para   além  disso  o  criador  não  tem  que  ser  Deus,  só  tem  que  ser  alguém  engenhoso  e  todo-­‐poderoso  o   que  não  define  Deus  na  totalidade.

O  problema  do  mal
  O  problema  do  mal  consiste  em  saber  se  podemos  compa=bilizar  as  quatro  afirmações   referidas: 1) Deus  é  omnipotente. 2) Deus  é  omnisciente. 3) Deus  é  sumamente  bom. 4) O  mal  existe   Antes  de  verificarmos  se  é  possível  a  compa=bilização  temos  que  des=nguir  vários  =pos  de   mal.  Assim  podemos  ter: -­‐ Mal  natural  -­‐  causado  por  catástrofes  naturais  impossíveis  de  evitar; -­‐ Mal  humano  -­‐  causado  pelos  homens: -­‐ Mal  necessário  -­‐  causado  pelos  homens  por  necessidade; -­‐ Mal  desnecessário  -­‐  causado  pelos  homens  sem  necessidade.   O  principal  problema  é  dis=nguir  mal  desnecessário  de  necessário,  visto  que  o  mal  natural   tem  a  ver  com  a  natureza.  Se  todo  o  mal  do  mundo  for  necessário,  então  podemos  compa=bilizar   todas  as  afirmações,  mas  caso  contrário  temos  um  problema.   Se  nem  todo  o  mal  do  mundo  for  necessário,  então  isto  significa  que  Deus  não  é   omnipotente,  caso  contrário  conseguiria  impedir  este  mal.  Alguém  que  tentasse  ripostar  este   argumento  diria  que  Deus  deu  livre-­‐arbítrio  aos  homens  para  estes  poderem  escolherem  o  que   querem.  No  entanto  nesse  caso  Deus  não  seria  sumamente  bom,  visto  que  não  estaria  a  proteger   os  homens  do  mal.  Resumindo:

Se  Deus  exis.sse  não  haveria  mal  desnecessário  no  mundo.

Há  mal  desnecessário  no  mundo

Não  há  nenhum  mal  desnecessário  no   mundo

Logo,  Deus  não  existe

Logo,  Deus  existe

  Para  ripostar  o  argumento  é  necessário  mostrar  que  todo  o  mal  do  mundo  é  necessário.   Para  defender  o  argumento  é  necessário  demonstrar  que  nem  todo  o  mal  do  mundo  é  necessário.

A  aposta  de  Pascal
  Pascal  foi  um  filósofo  que  disse  que  seria  impossível  jus=ficar  a  crença  em  Deus  através  da   razão,  logo  teríamos  que  “apostar”  no  que  seria  mais  provável.  Ele  deu-­‐nos  duas  hipóteses: -­‐ Aposto  que  Deus  existe.  Esta  hipótese  é  a  melhor  nos  dois  sen=dos,  porque  se  ganhar   ganho  tudo,  mas  se  perder  os  danos  são  mínimos.  Se  Deus  na  realidade  exis=r,  eu  vivi  de   acordo  com  as  suas  regras  morais,  logo  Ele  dar-­‐me-­‐à  a  felicidade  e  vida  eterna.  Mas  se   Deus  não  exis=r  na  realidade,  não  perderei  muito  porque  apesar  de  não  exis=r  eu  levei   uma  vida  moralmente  correcta  e  isso  compensa  o  facto  de  não  ganhar  a  vida  ou   felicidade  eterna.  É  uma  situação  de  ganho-­‐ganho. -­‐ Aposto  que  Deus  não  existe.  Esta  situação  já  é  mais  complicada.  Se  Deus  não  exis=r,  terei   vivido  a  minha  vida  como  eu  quis  sem  me  preocupar  com  as  consequências,  o  que  não   me  traz  nem  grande  ganho,  nem  grande  prejuízo.  Mas  se  Deus  na  verdade  exis=r,  então   serei  privado  da  vida  e  felicidade  eterna  e  isso  seria  uma  perda  infinita.  Ou  seja,  nesta   situação  tanto  posso  ficar  indiferente  como  perder  tudo.  É  uma  situação  indiferença-­‐ perda  infinita.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->