P. 1
Ação de Execução de Alimentos Provisórios

Ação de Execução de Alimentos Provisórios

|Views: 16.171|Likes:
Publicado porgilmacario

More info:

Published by: gilmacario on Nov 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/24/2015

pdf

text

original

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI

Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

EXCELENTÍSSIMO JUIZ DE DIREITO DA XXXª VARA CÍVEL DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ.

XXX, menor, neste ato representado por sua genitora, XXX, brasileira, solteira, do lar, inscrita no CPF/MF sob o nº xxx, residente e domiciliado(a) na Rua XXX, nº XXX, Bairo XXX, Belém, PA, CEP XXX; representada pelo causídico in fine assinado, constituído nos termos do instrumento procuratório em anexo, vem perante Vossa Excelência ajuizar, com fulcro no art. 733 do Código de Processo Civil ajuizar a presente

AÇÃO DE EXECUÇÃO
DE ALIMENTOS PROVISÓRIOS
em face de XXX, brasileiro, solteiro, autônomo, residente e domiciliado na Rua XXX, nº XXX, Bairo XXX, Belém, PA, o que faz com fulcro nos pontos de fato e de Direito doravante articulados:
1
de 7

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI
Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

1 – DOS FATOS 01. A Representante do(a) Exeqüente e o Executado

tiveram um enlace amoroso do qual adveio o nascimento do ora Postulante, que foi devidamente registrado pelo genitor, nos termos do assento de nascimento em anexo. A convivência do casal não se fez possível e o(a) menor passou a viver sob a guarda da genitora. 02. Devido à recalcitrância do Executado em cumprir suas

obrigações inerentes ao poder-dever familiar, em especial no que concerne à prestação da obrigação alimentar voluntária, a mesma se viu, na qualidade de representante do(a) menor, obrigada a ajuizar ação de alimentos, na qual restou determinada, em sede de alimentos provisórios, a obrigação de o Executado de pagar alimentos, no quantum indicado no ponto 08 da presente. 03. Ocorre que, Excelência, o Executado não vem

cumprindo com seu compromisso, inclusive nos últimos três meses, o que demonstra, de forma cabal, que não tem qualquer intenção de ajudar a mãe da Exeqüente na mantença do(a) filho(a) comum. 04. Tendo em vista a resistência voluntária do Executado

em cumprir a obrigação assumida, não restou ao(à) Exeqüente outra alternativa senão procurar o Poder Judiciária para ver integralmente satisfeito o seu crédito. 2 – DO DIREITO 05. Trata-se, doravante, dos principais pontos da

demanda executiva alimentar:
2
de 7

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI
Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

DECISÃO

QUE

LASTREIA

A

EXECUÇÃO

PROVISÁRIA: EXECUÇÃO SINE TÍTULO 06. em título O presente procedimento in executis não se lastreia executivo, mas em antecipação de tutela (alimentos

provisórios) concedida em decisão interlocutória prolatada nos autos da ação de alimentos em epígrafe. 07. Assim, a execução provisória dos alimentos

provisionais se dão na forma do art. 273, § 3º do CPC, que remete ao art. 588, que trata da execução provisória da sentença. Portanto, o presente procedimento in executvis excepciona o princípio típico da execução cível insculpido no art. 583 do CPC, conhecido como nulla executio sine titulo, vez que se lastreia em mera decisão interlocutória, que não está elencada no rol dos títulos executivos judicial ou extrajudiciais. DAS OBRIGAÇÕES DO EXECUTADO 08. Esse Juízo, na decisão interlocutória, eatabeleceu

prestação alimentícia provisória no valor mensal de XX% do salário mínimo vigente, a ser pago até o quinto dia útil de cada mês. DO INADIMPLENTO DO EXECUTADO 09. e 05/03/10. DO QUANTUM DEBEATUR
3
de 7

O Executado descumpriu, além de outras, as três

últimas obrigações, vencidas, respectivamente, em 05/01/10, 05/02/10

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI
Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

10.

Conforme art. 614, II, nas execuções por quantia

certa, deve o credor-exeqüente fazer acompanhar a inicial com planilha demonstrativa da evolução do débito exeqüendo. 11. Segue em anexo planilha atualizada do débito, em

que se desconsidera o índice de correção monetária, devida à variação ínfima, bem como desde já se requer o arbitramento de honorários, devendo os mesmos serem estabelecidos em 10% (dez por cento) do valor da causa em caso de pagamento imediato, valor esse a ser revertido em prol da Defensoria Pública do Estado do Pará mas que, entretanto, não deverá constar do mandado:

VENCIMENTO

VALOR

PERCENTUA L DO SALÁRIO MÍNIMO xx% Xx% XX%

DESCRIÇÃO

07/02/2008 07/03/2008 07/04/2008

R$ xx,xx R$ xx,xx R$ xx,xx R$ xx,xx

PRESTAÇÃO JAN/10 PRESTAÇÃO FEV/10 PRESTAÇÃO MAR/10 TOTAL

Salário mínimo fixado pela MP nº 474/2009

DA POSSIBILIDADE DE PRISÃO CIVIL 12. celeridade às O legislador, de preocupado obrigações em dar efetividade criou e um

execuções

alimentares,

procedimento especial, que autoriza, inclusive, a prisão civil do devedor, como se vê no seguinte dispositivo, ipsis verbis:

4

de 7

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI
Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

Art. 733. Na execução de sentença ou de decisão, que fixa os alimentos provisionais, o juiz mandará citar o devedor para, em 3 (três) dias, efetuar o pagamento, provar que o fez ou justificar a impossibilidade de efetuá-lo.

13.

Portanto, provada a existência da obrigação pelo título

executivo judicial (sentença homologatória), provada a inadimplência do Executado, é de se aplicar o art. 733, determinando ao Devedor que pague o valor indicado no petitum, prove se já o fez ou, ainda, justifique a impossibilidade de fazê-lo, tudo sob pena de prisão civil. 3 – DA GRATUIDADE JUDICIÁRIA 13. A Constituição da República Federativa do Brasil, em

seu art. 5º, inciso LXXIV, garante aos cidadãos a prestação de assistência jurídica integral àqueles que comprovarem a insuficiência de recursos. Conformando a referida garantia, a Lei nº 1.060, de 5 de fevereiro de 1950, que estabelece normas para a concessão da assistência judiciária aos legalmente necessitados, recepcionadas por todas as Constituições que lhe sucederam, traz como requisito para concessão do direito à gratuidade judiciária (art. 4º, § 1º) a mera afirmação, na própria petição inicial, de que a parte não está em condições para pagar as custas do processo e os honorários advocatícios. Já a Lei nº 7.115, de 29 de agosto de 1983, que dispõe sobre a prova documental nos casos que indica, em seu primeiro artigo, estabelece a presunção – juris tantum – de veracidade da declaração de necessidade dos benefícios da gratuidade judiciária. 14. Nesse viés, o(a) Exeqüente, por meio da

Representante, procurou a Defensoria Pública do Estado do Pará e
5
de 7

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI
Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

declarou-se necessitado(a) na forma da lei, não podendo arcar com as custas do processo, nem tampouco com honorários advocatícios, daí porque merecer o reconhecimento do seu direito subjetivo à prestação de assistência jurídica gratuita e integral. 4 – DO PEDIDO ANTE O EXPOSTO, Requer a Exeqüente que, após recebimento e autuação da presente, digne-se Vossa Excelência em: a) conceder os benefícios da assistência

judiciária ao Exeqüente, uma vez que, conforme declaração lançada na própria petição inicial, declarase necessitado na forma da Lei nº 1.060/50, não podendo prover as custas do processo; b) determinar a citação do Executado para, em 03 (três) dias, efetuar presente, referente o pagamento dos valores 11 da à obrigação alimentar constantes da tabela descrita no ponto

voluntariamente inadimplida, bem como as parcelas que eventualmente venham a se vencer no curso da presente, a tudo se acrescendo os honorários advocatícios a serem arbitrados por esse Juízo, exibindo prova de haver satisfeito a obrigação ou comprovar que já cumpriu a(s) obrigação(ões) indicada(s) ou, ainda, justificar a impossibilidade real do seu cumprimento, sob pena de decretação de prisão civil, por prazo a ser estabelecido por esse
6
de 7

DEFENSORIA PÚBLICA DEFENSORIA PÚBLICA DE ICOARACI
Rua Manoel Barata, nº 1.279, Ponta Grossa, Vila de Icoaraci, Belém, PA, CEP 66.019-080. Tel/fax: (91) 3227-5155.

Juízo, sem prejuízo da obrigação ao pagamento das prestações vencidas e vincendas, nos termos do art. 733 e seus parágrafos do CPC; e c) determinar a intimação do representante do Ministério Publico estadual com atribuições perante esse Juízo para intervir no feito ad finem. Malgrado admitidos em Direito. Dá-se à causa o valor indicado no total da planilha descrita no ponto 11 da presente. Nesses termos, espera deferimento. Vila Sorriso, 4 de Novembro de 2011. não ser da natureza do presente

procedimento, protesta provar o alegado por todos os meios de prova

CARLOS HENRIQUE HARPER COX
DEFENSOR PÚBLICO

7

de 7

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->