Você está na página 1de 22
- 1 -
-
1 -
- 1 -
- 1 -

FATEB – FACULDADE DE TELÊMACO BORBA

CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA LABORATORIO DE ENGENHARIA QUÍMICA III

PROFº.: ALEXANDRE A. ANDRADE

RELATÓRIO: PRÁTICA 2 CLORETOS

Acadêmicos 9° Período:

Jefferson Lopes José Luís Verner Jorge Luís Marcelo Luiz

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 2 -

RESUMO

Conhecer a concentração de íons cloreto nas amostras de águas é de suma importância principalmente para processos industriais. Neste Trabalho, determinaremos através de uma reação de precipitação, com soluções padrão de Nitrato de Prata, a concentração de íons cloreto em amostras de águas potável, de caldeira e poço.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 3 -

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------04

2. OBJETIVOS EXPERIMENTAIS -----------------------------------------------------------05

3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

-----------------------------------------------------------05

4. DETERMINAÇÃO DE CLORETOS--------------------------------------------------------15

5. CONCLUSÃO ---------------------------------------------------------------------------------19

LISTA DE FIGURAS ----------------------------------------------------------------------------20

LISTA DE TABELAS ----------------------------------------------------------------------------20

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ---------------------------------------------------------21

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 4 -

1. INTRODUÇÃO

Todas as formas de vida existentes na terra dependem da água. No entanto, a água doce é um prêmio: mais de 97% da água do mundo é água do mar, que é indisponível para beber, e para a maioria dos usos agrícolas. Lagos e rios são as principais fontes de água potável, mesmo constituindo em sua totalidade, menos de 0,01% do suprimento de água a maior parte da água doce existente na terra encontra-se no subsolo: metade dessa água está a mais de um quilômetro de profundidade. Os cloretos estão presentes em todas as águas naturais, em concentrações variáveis. Neste trabalho, determinaremos as concentrações de cloretos em algumas amostras de águas, como: Água Potável; Água de Poço; Água para Caldeira e Água Destilada.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 5 -

2. OBJETIVOS EXPERIMENTAIS

O experimento possui o seguinte objetivo:

Determinar a concentração cloretos nas amostras das águas.

3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

3.1 Conceitos Gerais

Água, definida no sentido químico,é um composto que, semelhantemente a todas as substâncias puras, tem uma composição definida e constante. Deveria então, como qualquer composto puro, exibir características químicas e físicas próprias e previsíveis. Sendo assim, poderíamos esperar que a água fosse sempre a mesma, independente de sua origem. Porém, isto não ocorre, já que a composição da água depende do tempo de contato da mesma com o solo terrestre, bem como do tipo de solo da região com que a água está em contato. Desta forma, a água captada numa região industrial terá características muito diferentes de uma captada numa floresta virgem. Da mesma maneira, uma água de origem mineral de determinada região, possui diferentes quantidades e diferentes tipos de contaminação de uma coletada em outra região. De maneira geral, podemos afirmar que a composição de uma água dependerá de sua localização geográfica. Uma das propriedades físicas da água é seu poder de dissolver outros materiais e, por essa capacidade, é conhecida como solvente universal. Como conseqüência deste poder de dissolução, a água, muito raramente, ocorre na natureza em um estado quimicamente puro, pois existe uma variedade de materiais misturados à mesma. Quando retirada de uma fonte natural à água pode apresentar partículas de materiais dissolvidos e/ou não dissolvidos. O tamanho e a concentração dessas partículas em suspensão, dependendo da origem a água, varia de grãos de areia (algumas vezes presentes em cursos rápidos e turbulentos) até dispersões submicroscópicas conhecidas como colóides. Incluídas entre as partículas suspensas podem existir células vivas de milhares de organismos de diferentes espécies, por exemplo, bactérias, micro algas e vírus. Quando falamos em qualidade de água, nosso interesse está dirigido aos materiais

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 6 -

contidos nela. São as impurezas que determinam a qualidade de um manancial de água para o uso humano, os problemas associados com sua utilização, a natureza e extensão do tratamento requerido.

A água, para chegar ao solo, passa por vários estágios (Figura 01). Ela sai da

atmosfera, se transforma em nuvens, cai no solo sob forma de chuva; deste estágio ele pode infiltrar-se no solo, gerando lençóis freáticos, ou então permanecer em rios, lagos, mares, etc.; por evaporação, a água retorna para atmosfera. Logo, a água para chegar ao solo, pode demorar tempos diferentes, visto que ela pode entrar (iniciar) por vários estágios e, dependendo do estágio em que ela começa, ele demora certo tempo até percorrer todo o ciclo. A este percurso damos o nome de ciclo hidrológico da água.

Esquematicamente teríamos:

de ciclo hidrológico da água. Esquematicamente teríamos: Figura 01 – Esquema dos Estágios do Ciclo da

Figura 01 – Esquema dos Estágios do Ciclo da Água

P = Precipitação

A água evaporada dos mananciais terrestres, principalmente rios, mares, lagos,

vegetais e animais ao alcançar camadas mais frias da atmosfera, condensam-se formando as nuvens que podem ou não ser deslocadas pelos ventos. Em determinado momento, em função das condições climáticas da região, esta água precipita-se sobre a superfície terrestre sob a forma de chuva, neve, etc.

ES = Escoamento Superficial

A chuva ao cair, dependendo de tipo de solo que encontra, escorre sobre a

superfície, formando enxurradas que atingem os rios, mares, lagos, gerando os

mananciais de água superficial.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 7 -

I = Infiltração

Parte da chuva infiltra-se na terra até encontrar uma camada impermeável, formando

os lençóis e os poços artesianos.

ESB = Escoamento Subterrâneo

Os mananciais subterrâneos seguem um percurso regular até atingirem os rios,

mares e lagos ou formarem nascente, fontes, poços, etc.

EV = Evaporação

É a passagem da água novamente para o estado de vapor, através da ação do sol

sobre os mananciais superficiais e também pela transpiração de animais e vegetais.

Assim, o ciclo hidrológico da água é fechado e, para que a água o complete, demora

de 3 a 4 anos. Portanto,podemos afirmar que a quantidade de água presente na

terra não varia, apenas sofre constantes transformações. Este fato é realmente

alarmante, visto que cada vez mais lançamos detritos nos mananciais de água, o

que acarreta uma queda gradativa de sua qualidade com conseqüências graves

sobre a vida animal e vegetal.

Estado Físico

A água pode apresentar-se em três estados físicos: sólido que é gelo,

líquido e gasoso que nada mais é do que vapor de água. No estado sólido, as

moléculas estão mais perto uma das outras, ou seja, o espaço entre elas é menor, e

há menos movimentação das mesmas. Já no estado líquido, as moléculas se

encontram um pouco mais afastadas, o que permite uma pequena movimentação

das mesmas e também a formação de pontes de hidrogênio entre as moléculas

(onde o hidrogênio de uma molécula liga-se ao oxigênio, de outra formando uma

interligação de todas as moléculas como se fosse uma rede). Enquanto que o

estado gasoso ou de vapor, as moléculas estão muito afastadas.

A transição de estado para outro pode ser efetuadas através da aplicação ou da retirada de calor, porém isto não pode ser aplicado a todas as substâncias,

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 8 -

porque pode não ocasionar só uma transformação de estado, mas também alterações químicas na substância.

Água Potável

A água destinada ao consumo humano deve preencher condições mínimas para que se possa ser ingerida ou utilizada para fins higiênicos, tais como estar isenta de microorganismos patogênicos e, com relação a substâncias orgânicas ou inorgânicas, os teores das mesmas não deverão ser prejudiciais ao ser humano. O valor do pH da água potável deverá se situar no intervalo de 6,9 a 7,1 e a concentração mínima de cloro residual livre em qualquer ponto da rede de distribuição deverá ser 0,2 mg/l. A água potável não deverá apresentar nenhuma quantidade de cloro benzenos, cloro fenóis, fenóis e sulfeto de hidrogênio, em teores que lhe confiram odor característico. Portanto, após receber o tratamento convencional descrito anteriormente, a água recebe uma maior quantidade de cloro a fim de torná-la potável. Após o último contato com o solo, passando pela superfície terrestre ou por entre as camadas rochosas, ou então entrando em contato com o ar, a água se torna impura. Isso se dá devido a três fatores principais: solubilidade dos materiais contatados, intimidade de contato e tempo de permanência em contato. No caso de impurezas suspensas, os fatores determinantes são: quantidade do material finamente dividido, diâmetro das partículas, peso específico das partículas e velocidade do fluxo de certa quantidade de água. A quantidade de contaminantes presentes em águas naturais vai depender principalmente das características do solo onde a água é encontrada e da poluição que esta água sofre. Águas obtidas de regiões calcárias terão alta dureza e alcalinidade, águas de chuvas terão com impurezas apenas gases dissolvidos, águas superficiais (lagos, rios) apresentarão grande quantidade de oxigênio dissolvido e baixa dureza. Efluentes de mineração e certos processos industriais fazem com que as águas superficiais se tornem muito ácidas, enquanto que alguns dos minerais de superfície da terra (calcário, carbonato de magnésio) podem tornar algumas áreas superficiais bastante alcalinas. Contaminações de dejetos industriais, óleo e materiais de processo, também são normalmente adicionados à água. Os contaminantes presentes na água podem ser divididos em três grupos principais: sólidos dissolvidos, sólidos em suspensão e gases dissolvidos, além de outros, que não se encaixem nesta

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 9 -

classificação. Os principais contaminantes são:

Sólidos Dissolvidos São aqueles que formam uma solução homogênea (solução que apresenta uma única fase – por exemplo: café, chá. Etc. – solução de duas fases, exemplo: água e óleo), não podendo ser removidos por filtração.

Sólidos em Suspensão

São aqueles que não formam uma solução homogênea, e por isso, podem ser removidos por filtração. Eles são originados por partículas de materiais insolúveis, mecanicamente introduzidos e levados pela água devido à sua ação turbulenta sobre o solo. Geralmente são constituídos por argila, areia, lama, matéria orgânica, sílica coloidal, bactérias e algas. Estes podem ser removidos através de floculação, decantação e filtração.

Gases Dissolvidos

A água dissolve grande quantidade de ar, que é composto de 21% de oxigênio, 78% de nitrogênio e 1% de outros gases (incluindo 0,03 a 0,06% de dióxido de carbono).

Sílica Coloidal

em

suspensão, finamente dividida em água. Deste modo, pode ser removida por coagulação e filtração.

Nesta

forma,

a

sílica

não

está

em

solução

homogênea

e

sim

Dióxido de Carbono (CO2 ) e Sulfeto de Hidrogênio (H2 S)

A presença destes gases na água é causada pela decomposição de matéria orgânica (contato com vegetação em decomposição) bem como pela dissolução do dióxido encontrado na atmosfera, porém, o sulfeto de hidrogênio é pouco encontrado.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 10 -

Metano (CH4 )

Proveniente da decomposição de material biológico, sendo raramente encontrado.

Nitrogênio (N2 )

Apesar do nitrogênio estar dissolvido nas águas naturais, ele é um elemento inerte e exerce efeito desprezível para o nosso tratamento.

Oxigênio (O2 )

O oxigênio do ar é solubilizado na água, ou seja, em contato com o ar, a

água dissolve parte do oxigênio nele presente, e este fica misturado a ela. Em águas poluídas, particularmente por matéria orgânica, pode estar ausente, o que impedirá

a sobrevivência de espécies animais aeróbicos (que necessitam de oxigênio para sobreviver), mas não impedirá a sobrevivência de espécies anaeróbicas (que conseguem sobreviver sem oxigênio), como é o caso algumas bactérias e certos tipos de peixes.

Alcalinidade

Pode ser entendida como a capacidade da água em neutralizar ácidos; já

a acidez é a capacidade de neutralizar bases. Ela é interpretada como sendo devido

à presença de bicarbonatos, carbonatos e hidróxidos; no entanto, outros íons como fosfatos e silicatos contribuem para a alcalinidade.

Cloretos

Estes

são

extremamente

solúveis

em

magnésio, sódio, ferro e outros.

água.

Podem

ser

de

cálcio,

Dureza

A dureza de uma água é proporcional à presença de sais de cálcio e

magnésio. A dureza pode ser temporária quando devida à presença de bicarbonatos de cálcio e magnésio ou permanente, quando originada por cloretos, sulfatos e nitratos de cálcio e magnésio. Estes sais, em ordem decrescente de abundância na água, são bicarbonatos, sulfatos, cloretos e nitratos. A quantidade de cálcio é duas vezes maior do que a de magnésio, porém estes valores variam muito de local para

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 11 -

local.

A caracterização da água quanto à dureza pode ser vista a seguir na Tabela 01:

Tabela 01 – Classificação da Água quanto à Dureza

01: Tabela 01 – Classificação da Água quanto à Dureza Ferro A forma mais comum em

Ferro

A forma mais comum em que o ferro é encontrado em águas é como bicarbonato ferroso. Está presente, nesta forma, em águas subterrâneas profundas, limpas e incolores, que em contato com o ar, turvam-se sedimentam um depósito amarelo – marrom – avermelhado (Fe2 O3 ). As etapas envolvidas na reação são:

(Fe2 O3 ). As etapas envolvidas na reação são: Sílica (SiO) 2 Este é um constituinte

Sílica (SiO) 2

Este é um constituinte de todas as águas naturais, sob a forma de ácido, salicílio e silicatos solúveis. Águas com baixa dureza e alcalinidade apresentam elevado teor de sílica.

Sulfatos (SO -2 4 )

Encontrado em todas as águas brutas devido à ação solvente da água sobre os minerais.

Cor

A presença de matéria orgânica, proveniente de matéria vegetal em decomposição, é quase sempre responsável pelo desenvolvimento de cor em água.

A maioria das águas de superfície apresenta cor, enquanto que as subterrâneas são

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 12 -

isentas.

A presença de cor em água é indispensável na maior parte das aplicações industriais. Em fábricas de papel, por exemplo, cor de processo tinge as fibras de celulose, alterando sua cor. A cor pode ser real (verdadeira), a qual se dá com a medida realizada com o filtrado da amostra de água após ter-se corrigido o pH para valores entre 7,0 e 7,5, ou aparente, obtida com a amostra natural e, que sofre interferência de coloidais e suspensas, além de microorganismos.

Turbidez

É o termo empregado à matéria suspensa, de qualquer natureza, presente

em certa quantidade de água. É necessária uma distinção entre matéria suspensa, chamada sedimento (que precipita rapidamente) e a matéria que precipita vagarosamente, provocando a turbidez.

A turbidez é encontrada em quase todas as águas de superfície em valores

elevados, enquanto que está ausente em águas subterrâneas. Águas de lagos, lagoas, açudes possuem turbidez baixa e variável em função dos ventos, que agitam seus fundos. Águas de rios e riachos apresentam alta turbidez, devido ao constante movimento das águas pela correnteza. Após uma precipitação de chuva, as águas de superfície tendem a aumentar a turbidez.

Sabor e Odor

São características de difícil avaliação e decorrem de matéria excretada por algumas espécies de algas e de substâncias dissolvidas, com gases, fenóis e, em alguns casos, do lançamento de desejos industriais nos cursos de água.

Óleos, Gorduras, Graxas e Dejetos

Estes resíduos (além de outros como: ácidos, minerais livres, manganês, cloro, nitratos, nitritos, cromatos, gás sulfídrico, amoníaco e metais pesados) podem contaminar as fontes de abastecimento de águas.

Impurezas

As impurezas que “poluem” a água podem ser de vários tipos: sais (sulfatos, carbonatos, etc.) matéria orgânica, microorganismos (microalgas,bactérias, vírus), lixo vegetal, gases, dejetos industriais, óleos, graxas, etc. Abaixo (Tabelas 02/03/04 e 05) aparecem as principais impurezas e seus efeitos:

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 13 -

Impurezas em Suspensão

Tabela 02 – Impurezas em Suspensão

em Suspensão Tabela 02 – Impurezas em Suspensão Impurezas em Estado Coloidal Tabela 03 – Impurezas

Impurezas em Estado Coloidal

Tabela 03 – Impurezas em Estado Coloidal

em Estado Coloidal Tabela 03 – Impurezas em Estado Coloidal Impurezas Dissolvidas Tabela 04 – Impurezas

Impurezas Dissolvidas

Tabela 04 – Impurezas Dissolvidas

em Estado Coloidal Tabela 03 – Impurezas em Estado Coloidal Impurezas Dissolvidas Tabela 04 – Impurezas

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 14 -

Impurezas Gasosas

Tabela 05 – Impurezas Gasosas

- 14 - Impurezas Gasosas Tabela 05 – Impurezas Gasosas 3.2 Cloretos Os cloretos estão presentes

3.2 Cloretos Os cloretos estão presentes em todas as águas naturais, em concentrações variáveis. As águas da montanha e de terras altas têm normalmente baixo teor, enquanto as águas dos rios e subterrâneas podem possuir quantidades apreciáveis. Os mares e oceanos possuem teores em cloretos elevados. A portaria a n° 518 do Ministério da Saúde de 25 de março de 2004, diz no Art.16: “A água potável deve estar em conformidade com o padrão de aceitação de

consumo

Segundo o método de Mohr para determinação de cloretos, o haleto é titulado com uma solução padrão de nitrato de prata usando-se cromato de potássio como indicador. No ponto final, quando a precipitação do cloreto for completa, o primeiro

excesso de íons Ag + reagirá com o indicador ocasionando a precipitação do cromato de prata, amarelo avermelhado.

e o padrão de consumo para quantidade de íons cloreto é 250ppm.

2Ag +2 (aq) + CrO 4 -2 (aq) Ag 2 CrO 4(s)

Como esta titulação usa as diferenças nos valores dos produtos de solubilidade do AgCl e do Ag 2 CrO 4 , é muito importante a concentração do indicador. Teoricamente o AgCrO 4 deveria começar a precipitar no ponto de equivalência. Neste ponto da titulação foi adicionada uma quantidade de prata igual à quantidade de cloreto em solução, e conseqüentemente, trata-se de uma solução saturada de cloreto de prata. Na prática, o ponto final ocorre um pouco além do ponto de equivalência devido a necessidade de se adicionar um excesso de Ag + para precipitar o Ag 2 CrO 4 em quantidade suficiente para ser notado visualmente na solução amarela, que já contem a suspensão de AgCl. Este método requer que uma titulação em branco seja

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 15 -

feita, para que se possa corrigir o erro cometido na detecção do ponto final. O valor da prova em branco obtido deve ser subtraído do valor da titulação propriamente dita.

4. DETERMINAÇÃO DE CLORETOS

O conhecimento do teor de cloretos das águas tem por finalidade obter informações sobre o seu grau de mineralização ou indícios de poluição, como esgotos domésticos e resíduos industriais das águas e por essa razão o sua concentração deve ser conhecida e controlada.

4.1 - MATERIAIS

O método utilizado para determinação desse experimento, é a Titulação com Nitrato de Prata e foram utilizados os seguintes materiais:

Bureta de 50 mL;

Becker de 250 mL;

Medidor de pH;

Proveta de 100 mL;

Solução padrão de nitrato de prata 0,0141N;

Solução indicadora de cromato de potássio K 2 CrO 4 ;

Frasco Erlenmeyer de 250 mL;

Hidróxido de Sódio 1N;

Cloreto de sódio 0,141N.

4.2 - PROCEDIMENTO

Colocar 100 mL de amostra (sem agitar) em um Erlenmeyer;

Ajustar pH entre 7 e 10, se necessário, com NaOH ou H 2 SO 4 ;

Adicionar 1 mL da solução indicadora de K 2 CrO 4

Titular a solução padrão de nitrato de prata 0,0141N até a viragem para amarelo avermelhado que é o ponto final de titulação; (Figura 02);

Repita o procedimento por 02 vezes para cada amostra;

Fazer um branco da mesma maneira que a amostra;

Calcule o valor médio da concentração de Cloretos.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 16 -

III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos - 16 - Figura 02 – Ponto de

Figura 02 – Ponto de viragem da Solução

4.3 - RESULTADOS E DISCUSSÃO

Após os experimentos, calculou-se então, os

cloretos nas amostras.

Cálculos:

Ppm Cl = (A-B) x N x 35,450 mL da amostra

Onde :

A

= mL do titulante gasto na amostra;

B

= mL do titulante gasto no branco;

N

= Normalidade do titulante.

1ª Amostra – Água Destilada (branco)

valores de concentração de

Valor médio = 1,7 mL

Ppm Cl = (1,7-1,7) x 0,0141 x 35,450 = 0,0 ppm

100 mL

2ª Amostra – Água de Caldeiras

Valor médio = 1,9 mL

Ppm Cl = (1,9-1,7) x 0,0141 x 35,450 = 0,99 ppm

100 mL

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 17 -

3ª Amostra – Água da Harmonia (potável)

Valor médio = 2,1 mL

Ppm Cl = (2,1-1,7) x 0,0141 x 35,450 = 2,25 ppm

100 mL

4ª Amostra – Água da FATEB (poço)

Valor médio = 3,0 mL

Ppm Cl = (3,0-1,7) x 0,0141 x 35,450 = 6,75 ppm

100 mL

Abaixo,na Tabela 06 estão os valores das leituras realizadas e resultados e também disposto na forma gráfica, temos os resultados no gráfico da Figura 03.

Tabela 06 – ppm de Cl

 

1ª Leitura

2ª Leitura

Média

Cloretos

Amostras

(mL)

(mL)

(mL)

(ppm)

Água Caldeira

1.7

2.0

1.9

0.990

Água Harmonia (Potável)

1.8

2.4

2.1

2.250

Água FATEB (Poço)

2.6

3.4

3.0

6.750

Água Destilada (Branco)

1.6

1.7

1.7

0.000

Cloretos (ppm) 7.000 6.000 5.000 m 4.000 p p 3.000 2.000 1.000 0.000 Água Água
Cloretos (ppm)
7.000
6.000
5.000
m
4.000
p
p
3.000
2.000
1.000
0.000
Água
Água
Água
Água
Caldeira
Harmonia
FATEB
Destilada
(Potável)
(Poço)
(Branco)

Figura 03 – Gráfico de ppm de Cl

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 18 -

Caso # 1 – A amostra de água para caldeiras, apresentou uma concentração de Cloretos (0,99 ppm), onde a Legislação e Fabricantes permitem um valor máximo de 40 ppm, lembrando que com valores mais baixos, consegue-se ter um melhor controle de incrustações e corrosões. Caso # 2 – A amostra de água da FATEB, proveniente de poços, apresentou a maior concentração (6,75 ppm), mas também dentro da normalidade para estes tipos de águas profundas que permite um valor máximo de 250 ppm. Caso # 3 – Com a amostra de água da potável da Harmonia,obtivemos uma concentração (2,25 ppm) que também se encontra dentro da normalidade , pois em águas potáveis aceita-se máximo 250 ppm.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 19 -

5. CONCLUSÃO

A partir da análise química da água, concluímos que a concentração de cloretos, se diferem de acordo com o uso final da água, onde para alimentação de caldeiras, deve-se ter valores mínimos para evitar problemas onde se coloca em risco a operação do equipamento. Quando analisamos águas para uso humano, a amostra de água subterrânea apresentou valores mais altos, mas também dentro do limite máximo permitido sem colocar em risco a vida humana.

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 20 -

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 – Esquema dos Estágios do Ciclo da Água;

Figura 2 – Ponto de viragem da Solução;

Figura 3 – Gráfico de ppm de Cl;

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Classificação da Água quanto à Dureza;

Tabela 2 – Impurezas em Suspensão;

Tabela 3 – Impurezas em Estado Coloidal;

Tabela 4 – Impurezas Dissolvidas;

Tabela 5 – Impurezas Gasosas;

Tabela 6 – ppm de Cl;

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 21 -

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

<http://www.corsan.com.br/sistemas/trat_agua.htm - acessado em 18/03/10;

<http://www.tratamentodeagua.com.br/r10/biblioteca_detalhe.aspx?codigo=80

4 acessado em 18/03/10;

<http://www.sanepar.com.br/sanepar/sanare/v21/art01.pdf

06/04/10;

-

acessado

<http://www.agua.bio.br/botao_d_l.htm - acessado em 06/04/10;

<http://www.enfil.com.br/agua1.asp - acessado em 06/04/10;

<http://www.cetesb.sp.gov.br/Agua/rios/variaveis.asp - acessado em 20/04/10;

<http://www.metallum.com.br/17cbecimat/

pdf

acessado em 20/04/10;

em

-

Laboratório de Engenharia Química III - 1º Bimestre – Determinação de Cloretos

- 22 -