Você está na página 1de 8

EX.MO. SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO NO

TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LEIRIA

A …. LDA., sociedade comercial por quotas, com o capital social de

contribuinte e

pessoa colectiva n.º , com sede social no lugar de

,

freguesia de

, concelho de

VEM,

nos

termos

e

para

os

efeitos

do

disposto

no

Artigo

18.º,

do

CIRE,

APRESENTAR-SE À INSOLVÊNCIA, o que faz nos termos e com seguintes

FUNDAMENTOS:

1. A Requerente é uma sociedade comercial por quotas, regularmente constituída e

registada, que se dedicou à indústria de

constituição em Julho de 1989.

,

designadamente

2. Actividade a que corresponde o CAE nº

,

desde a sua

3. O capital social da Requerente, integralmente realizado, é de € 44 892,00

(Quarenta e quatro mil, oitocentos e noventa e dois euros),

4. O qual se encontra dividido em duas quotas iguais, nos valores nominais de

€ 22 446,00 (vinte e dois mil euros quatrocentos e quarenta e seis euros) cada

uma,

5. sendo que, uma das quotas pertence ao sócio MARINHO

, casado, no regime

de comunhão de adquiridos com Mariana … e residentes em …

6. e a outra, pertence ao sócio SÍLVIO

, casado, no regime de comunhão de

adquiridos com Maria

e residentes em …

7. Os quais, em conjunto, vêm exercendo as funções de gerentes da Requerente,

desde 1992.

8. A Requerente aprovou e prestou contas referentes aos exercícios dos anos 2005,

2006, 2007 e 2008, como lhe era legalmente imposto.

9. Tudo conforme se extrai da Certidão da Conservatória de Registo Comercial

de

,

emitida em 7 de Janeiro

de 2010,

integralmente reproduzida. (Doc. n.º 1)

que se junta

e

se

dá aqui por

10. A Requerente encontrava-se adstrita à manutenção de contabilidade organizada,

a qual promoveu e manteve até à presente data.

11. A regularidade das suas contas foi confiada ao seu Técnico Oficial de Contas,

Sr. …, com a cédula profissional n.º

, com estabelecimento em

,

a quem

podem ser solicitados os elementos que o Tribunal e o Sr. Administrador de

Insolvência, julgarem por necessários.

12. Durante os primeiros 12 anos de actividade, a Requerente registou sucesso

comercial na exploração da sua actividade e foi beneficiando dos resultados

positivos desses anos de exercício.

13. No entanto, em 2001, registou-se uma inversão da tendência ascendente do

negócio da Requerente, em grande parte, motivada pela rápida ascensão de

sucedâneos em papel impresso, em detrimento da embalagem de plástico

impressa produzida pela Requerente.

14. A diminuição da procura do produto da Requerente, determinou uma inflexão da

sua actividade para a fabricação de outro produto – o saco cristal.

15. Contudo, a margem de comercialização de apenas 20 cêntimos em quilo,

revelou-se notoriamente incapaz de absorver e solver os custos administrativos e

de distribuição da Requerente.

16. O declínio do volume de negócios da Requerente também sofreu o embate do

surgimento

das grandes

superfícies e

o concomitante

desaparecimento do

pequeno comércio a retalho, que se afigurava ser o principal cliente dos

produtos da Requerente.

17. O aumento dos custos energéticos e estado obsoleto de praticamente todos os

equipamentos da Requerente, também contribuíram para o encarecimento dos

produtos finais,

18. colocando a empresa sem margem para se impor num mercado de empresas

congéneres, equipadas com tecnologias actualizadas para a massificação da

produção.

19. Os sócios e gerentes da Requerente também não dispõem de meios financeiros e

económicos para dotar a empresa com novos equipamentos e assim a tornar apta

à plena concorrência com as suas congéneres do sector.

20. O ano 2008 e, em particular o terceiro trimestre, foi particularmente penalizador

para a Requerente, na medida em que a juntar-se às dificuldades já sentidas nos

anos anteriores, fizeram-se ressentir na actividade da empresa, os impactos das

crises petrolífera e financeira, designadamente nos custos das matérias primas.

21. A estes

factores

junta-se

também

a

dificuldade

respectivos créditos junto dos seus clientes.

sentida

na

cobrança

dos

22. De facto, a Requerente debate-se com créditos sobre clientes na ordem dos

€ 81 726,00 (oitenta e um mil, setecentos e vinte e seis euros).

23. Os seus débitos junto de fornecedores ascendem, à data, a € 101 496,80 (cento e

um mil, quatrocentos e noventa e seis euros e oitenta cêntimos).

24. Tudo conforme se extrai do Balancete 2009, que se junta e se dá aqui por

integralmente reproduzido. (Doc. n.º 2)

25. O seu património é constituído apenas pelos equipamentos que se relacionam no

documento que se anexa e se dá por integralmente reproduzido. (Doc. n.º 3)

26. O qual se encontra praticamente todo, em estado obsoleto, dado o seu desajuste

tecnológico e cujo valor venal global se estima em € 10 000,00.

27. A Requerente exercia a sua actividade em local arrendado ao Sr.

MANUEL ,

conforme contrato de arrendamento de 16 de Fevereiro de 1990, cuja cópia se

anexa e se dá aqui por integralmente reproduzida. (Doc. n.º 4)

28. A renda mensal do arrendado actual é de € 1 275,00, conforme nota de

pagamento que se junta e se dá por reproduzida. (Doc. nº 5)

29. Mais se consigna que não são devidas à data quaisquer rendas vencidas ao

Senhorio.

30. A situação da Requerente, atentos os factos descritos, é de insolvência, uma vez

que se encontra impossibilitada de cumprir com os seus fornecedores e detém

um passivo superior ao seu activo. [CIRE, Artigo 3.º, n. os 1 e 2]

31. Situação essa, que se tem por actual, nos termos e para os efeitos do disposto no

artigo 25.º, n.º 2, alínea a) do CIRE.

32. A Requerente viu-se, por força das circunstâncias descritas, forçada a encerrar o

estabelecimento onde exercia a sua actividade, de modo a não agravar as suas

responsabilidades junto dos seus credores e dos seus trabalhadores.

33. O que fez em 31 de Dezembro de 2009.

34. Em

consequência

do

encerramento

do

estabelecimento

e

da

cessação

da

respectiva actividade social, foram considerados extintos os postos de trabalho

dos seus trabalhadores.

35. Tal facto foi comunicado aos trabalhadores e participado à Segurança Social,

para que os trabalhadores pudessem requerer as respectivas prestações de

subsídio de desemprego.

36. Quanto aos trabalhadores cumpre ainda informar que, foram pagos todos os seus

salários, subsídios de férias e de Natal, diuturnidades e subsídios de alimentação

devidos até à data da cessação dos respectivos contratos.

37. Não foi, contudo, liquidada qualquer indemnização por cessação do contrato de

trabalho, atenta a impossibilidade manifesta de a Requerente o fazer.

38. Em 31 de Dezembro de 2009, foi deliberado, por unanimidade dos seus sócios,

apresentar a Requerente à Insolvência, conforme acta que se junta e se dá aqui

por integralmente reproduzida. (Doc. n.º 6)

39. A Requerente apresentou sempre as declarações fiscais devidas de IVA e IRC,

tendo pago os respectivos impostos.

40. À data, a Requerente nada deve à Segurança Social e ao Fisco, conforme

certidões que junta e que dá aqui por reproduzidas. (Doc. n. os 7 e 8)

41. Os seus cinco maiores credores são:

a) M

,

com sede

;

b) N

,

com sede

;

c) L

,

com sede na

;

d) O

e) P

, com sede em …;

, com sede em ….

42. No cumprimento do disposto nos artigos 23.º, n.º 2, al. d) e 24.º do CIRE, a

Requerente

junta

os

reproduzidos:

seguintes

documentos

a) Certidão permanente com o código de acesso

b) Relação de Credores; (Doc. n.º 9)

que

por

integralmente

; (Cfr., Doc. n.º 1)

c) Documento a que se alude na alínea c) do artigo 24.º, CIRE, (Doc. n.º 10)

d) Relação de bens e de direitos, (Doc. n.º 11)

e) Contas anuais relativas aos exercícios de 2006, 2007 e 2008, relatórios de

gestão e documentos de certificação legal (Docs. n. os 12 a

)

f) Nota justificativa a que se alude na alínea b), do n.º 2, do artigo 24.º, CIRE,

(Doc. n.º …)

43. A Requerente coloca, desde já, ao dispor da massa insolvente todo o seu activo

disponível, relacionado no Documento n.º 11.

44. Mais se consigna que não existem pendentes contra a Requerente, quaisquer

acções ou execuções.

TERMOS EM QUE , com o douto suprimento de V. Ex.a., deve o presente pedido, ser

julgado

procedente

por

provado,

e

em

consequência,

ser

DECLARADA

A

INSOLVÊNCIA da Requerente, tudo com as legais consequências, seguindo-se os

demais termos até final.

VALOR DA ACÇÃO: o do activo.

Junta:

- … documentos; - Procuração Forense.

A ADVOGADA,