Você está na página 1de 9

Este texto foi escrito por Leandro Salmagi Coutinho, por favor, não publique

sem meu consentimento. Tive um trabalho duro pra fazer isso tudo, omitir o meu nome
nos créditos do texto é uma enorme injustiça.

Textos complementares:

Para melhor entendimento deste texto e de seus semelhantes, é aconselhável ao


leitor que já tenha jogado os jogos da série Silent Hill, e também tenha acesso ao livro
Lost Memories, publicado pela Konami e encontrado para leitura nos sites:

www.translatedmemories.com
www.silenthillchronicle.net

E que também tenha acesso aos documentos e diálogos contidos ao longo dos
jogos. Facilmente se encontra diálogos e documentos muito bem organizados no site:

www.gamefaqs.com

Qualquer dúvida ou comentário. Envie um e-mail para sachiel_6@hotmail.com.

Boa leitura!

História principal de Silent Hill


Texto revisado e corrigido em Julho de 2006

De início, na região de Silent Hill, havia um culto primitivo nativo. O deus desse
culto, devido às interferências dos colonizadores, teve o nome trocado de "deus do
paraíso" para o nome de Samael, um demônio (segundo o documento About syncretic
religions, SH3). A mudança fez com que o grupo passasse a considerar o demônio um
deus que traria o paraíso. A cidade de Silent Hill então cresceu e o culto se enraizou na
cultura local.
Chegando ao tempo do jogo. Dahlia Gillespie, uma espécie de líder do culto,
junto a outros seguidores, decidiu fazer o ritual que traria o seu deus, Samael, à vida. O
ritual iria necessitar de uma mulher que pudesse gerar o embrião de Samael no corpo,
até seu nascimento, sendo alimentado por ódio e sofrimento. Para tal, Alessa, filha de
Dahlia, foi eleita voluntariamente (como se observa em SH3).

Alessa era uma menina problemática, e ao que indica o


decorrer da história, com certos poderes paranormais
(segundo o documento Manifestations Of Delusions, SH1).
O culto queimou a menina viva numa casa, de modo a fazê-la
sofrer e alimentar o embrião. Isso levou Alessa a
(obviamente) necessitar de cuidados. Foi quando Dahlia
conseguiu apoio de Michael Kaufmann, um médico e
traficante de drogas.

Por que Kaufmann entrou na


jogada? Simples. Segundo documentos
encontrados na delegacia, em SH1, havia
uma séria investigação sobre o tráfico de
drogas. Dahlia simplesmente MATOU
todos os investigadores com magia negra
(leiam os documentos Police Report e
Newspaper Article ambos de SH1). E
Kaufmann lhe deu abrigo no porão do
hospital.

Alessa, que até então estava no


hospital e em sofrimento constante, mudou de idéia quanto ao paraíso que estava sendo
prometido e resolveu evitar o nascimento de Samael. Então ela dividiu sua alma e a
alma de Samael em duas metades, surgindo Cheryl, de modo que as duas deveriam ser
reunidas para um devido nascimento. Cheryl apareceu numa beira de estrada, foi
quando um homem, chamado Harry Mason, e sua esposa doente, acharam o bebê e a
adotaram.

Como Alessa não era um paciente qualquer,


uma única enfermeira foi obrigada a cuidar dela. Ela se
chamava Lisa Garland. Kaufmann a viciou com suas
drogas para mantê-la sobre controle e para garantir que
não abriria a boca para autoridades. Lisa logo começou
a apresentar depressão e outros problemas, grande
parte devido às anormalidades que ela presenciava,
causadas pela presença de Samael em Alessa.
(segundo o documento Lisa Garland's Journal, SH1).

Sete longos anos se passaram e


Cheryl cresceu, enquanto Dahlia
procurava por ela e Alessa era mantida
viva pelo demônio e Lisa. A esposa de
Harry havia falecido. Harry e Cheryl
saíram de viagem por Silent Hill. É aí que
começa o jogo.

Alessa percebe a aproximação de


Cheryl e tenta impedi-los de chegar à
cidade se pondo à frente do carro.
Obviamente, não dá certo e Harry perde o
controle, derrubando o carro pelo morro.

Observação séria: Existe um trecho no Lost Memories que diz que Cheryl foi
atraída para Silent Hill por vontade de Alessa, que queria se reunir de volta e tentar
fugir do sofrimento que passava. Ou seja, ela não estaria na rua ali para impedir. Então
porque ela estaria na rua? Para recepcionar Cheryl? Ou para causar um acidente e
afastar Harry? Hmmmm...

Ele acorda no seu carro e não encontra Cheryl, que


fugiu (acredito que foi porque estava sendo induzida pelo
meio demônio em si, ou por Alessa). Harry, então, sai à
procura dela pela cidade vazia. Ele encontra e segue um
vulto de Cheryl até um beco, onde criaturas estranhas o
encontram e o fazem desmaiar. Então ele acorda num café,
onde encontra com Cybil, uma policial que o encontrou
deitado ali. Conversam sobre como a cidade está estranha e
Cybil lhe entrega uma arma (provavelmente Cybil chegou a
ver alguma criatura, pois ela não diria que "é perigoso lá
fora" se não tivesse visto uma.).
Pouco se sabe sobre Cybil. Ela é uma policial da cidade vizinha que foi atender
um chamado em Silent Hill e deu de cara com a cidade deserta.
Ela vai embora tentar contactar a polícia, já que os rádios não funcionam. Harry
mata um bicho no bar (o normal de sempre) e vai checar o beco novamente. No beco ele
encontra uma folha do caderno de Cheryl com a expressão "To School". Logo ele tenta
ir para a escola e passa por uns puzzles que não interessam para a história (a não ser por
ter de procurar as "chaves para o Eclipse" para abrir uma porta e logo depois ficar noite
derrepente.).

Essa primeira criatura morta por Harry chama-se AirScreamer. Segundo o Lost
Memories, ele é uma encarnação assustadora dos dinossauros que assustavam Alessa no
livro “O mundo perdido”, de Arthur Conan Doyle, aquela mesma história do seriado da
TV. A segunda são os cachorros, chamados de “Groaners”, que são a representação do
medo de Alessa por cães.

Chegando lá. Ele anda pela escola, vê um quadro de uma porta com três buracos
quadrados (eu gostaria de chamar a atenção para essa porta. É a porta do consultório
psicológico de SH3. Eu acredito que Alessa deveria ser freqüente lá, tamanha a
importância dada à porta). Ele resolve uns puzzles, entra na torre do relógio e acaba por
sair no pátio da escola no chamado "mundo alternativo".

Nessa escola é comum o inimigo chamado “Mumbler”. O


Lost Memories o descreve uma imagem dos pequenos animais de
demônios dos contos de fadas. Ou seja, é a encarnação da idéia
de monstro...

O mundo alternativo foi causado pela mente atormentada


da Alessa, devido ao seu sofrimento e aos poderes do Samael.
Por isso é tão cheio de corpos amarrados iguais a Alessa no
hospital, cadeiras de rodas, que é como a Alessa é levada de um
lado ao outro, e de ventiladores e sirenes. Por que ventiladores e
sirenes? Fique preso anos numa sala com o Zum-zum-zum de um
ventilador de circulação e sirenes de hospital e tente não ficar de
saco cheio com eles...
Então! No chão do pátio está o símbolo de Metraton, aquela bola com um
triangulo no meio, que diz-se que pode quebrar o poder de Samael (Isso mesmo, aquilo
não é símbolo do samael! Trata-se do Selo de Metraton, segundo o documento Book:
Otherworld Laws, SH3). Ele foi posto lá por Alessa, através de seus poderes. Então
Harry anda um pouco mais pela escola. Encontra um livro de contos (que foi lido por
Alessa), falando sobre um caçador e um lagarto. Acaba por encontrar um homem morto
com uma espingarda, que se trata de uma encarnação do caçador da historinha. Ao lado
está escrito o nome “Leonard Rhymes”. Este corpo não é o pai de Cláudia de Silent
Hill3. Além de não fazer sentido que o famoso Leonard estivesse na escola, seu
sobrenome é Wolf, e não Rhymes.

Mais adiante, enfrenta uma criatura


no porão da escola baseada no lagarto do
conto que Alessa leu. Inclusive, Harry a
mata com um tiro certeiro na boca aberta,
assim como o caçador da história o fez. Ao
matá-la, o "mundo alternativo" se desfaz e
ele vê Alessa, já com seus 14 anos. Ou
melhor, uma auto imagem de Alessa, como
ela se imagina agora, visto que o seu
verdadeiro corpo está desfigurado. Harry encontra no chão a chave da casa de
K.Gordon, um professor que havia se preocupado muito com a saúde psicológica de
Alessa (segundo o documento K. Gordon's notebook, SH3).

Ele anda um pouco pela cidade e tal. Então encontra com


Dahlia, a líder do culto, numa igreja. Ela tem uma conversa louca
com Harry e lhe entrega o Flauros, um artefato capaz de quebrar as
barreiras das trevas e lhe manda ir para o hospital antes que seja
tarde. Por quê? Porque ela pretendeu usá-lo contra Alessa. O hospital seria o próximo
lugar em que Alessa iria para fazer o símbolo de Metraton. Ela quer que Harry chegue
antes para surpreendê-la.

Chegando no hospital, Harry encontra com Kaufmann e têm uma conversa que
não tem importância nenhuma, apenas introduz o personagem novo. Andando mais pelo
hospital, encontra um vidro quebrado no chão. O vidro continha a substância
Aglaophotis, capaz de exorcizar espíritos e demônios (segundo o documento
Aglaophotis, SH3). Acaba pegando um pouco por curiosidade. Resolvendo alguns
puzzles, ele entra no mundo alternativo e chega ao estranho porão do hospital, onde
Alessa estava sendo mantida viva. (Como ele chegou lá pelo mundo alternativo, não
encontrou com ela.).

O inimigo mais comum no hospital é a enfermeira parasitada. O Lost Memories


descreve tanto ela quando os doutores parasitados como pessoas que foram pegas por
criaturas iguais a que Cybil encontra mais para frente. Ou seja, diferentemente das
outras criaturas, esses inimigos não são de origem puramente mágica. Outra criatura
comum é as baratas, chamadas de “Creepers”, que são manifestações do medo de
Alessa por insetos.

Então Harry volta e se encontra com Lisa, que se mostra muito assustada e
perturbada. Harry menciona as coisas estranhas no porão, Lisa diz que desconhece o
porão e quando ele ia explicar o que tinha lá, ele começa a ter dor de cabeça e passa de
volta ao mundo real. Então ele se encontra novamente com Dahlia. Ela manda que ele
vá para "a outra igreja", e diz que o símbolo de Metraton é a marca de Samael. Ela
mentiu! Foi para enganar Harry e fazê-lo lutar contra Alessa.

Atravessando a cidade, ele chega na outra igreja. Um lugar onde o culto fazia
seus rituais e tal, dentro de uma sala escondida num buraco na parede. Cybil encontra
com ele, conversam sobre o mundo alternativo, o tráfico de drogas e outras coisas,
Cybil fala que viu Cheryl andando sobre o ar e tal, perto do lago, mas que as estradas
estão destruídas, e Harry entra no buraco e desaparece. Ele vai parar no mundo
alternativo, dentro do hospital e na frente de Lisa. Ela fala sobre o culto na cidade, sua
popularidade e da relação entre o culto e Dahlia. Então Harry tem outra dor de cabeça e
vai parar na igrejinha novamente.
Então ele corre pela cidade, tentando voltar à Lisa e terminar a conversa. No
caminho, entra num shopping. Daí aparece um vídeo de Cheryl pedindo socorro nuns
telões. Harry se assusta, continua, mata uma lagarta gigante e vai para o hospital
novamente. Tudo no mundo alternativo. Lá ele encontra novamente com Lisa. Ele
pergunta para ela como chegar no lago, ela fala que deve ser possível ir para lá pelo
esgoto, próximo à escola (uma observação, ela fala "my old elementary school", ou seja,
ela também estudou lá, mas com certeza foi antes de Alessa). Harry enfrenta uma
borboleta (a lagarta de antes) e vai para lá, passando pelo esgoto. Nesse trecho todo não
acontece nada de importante.

As criaturas de Harry enfrenta no esgoto são


chamadas de “Hanged Scratchers”, e são novamente
manifestações do medo de Alessa por insetos.

Mas depois, quando ele sai do esgoto, ele


entra num tipo de bar e salva Kaufmann de uma
criatura que o estava atacando. Kaufmann deixa cair a
chave do seu depósito de drogas (que é onde se
encontra o documento Diary, escrito por um
funcionário), encontra-se, junto, a chave do
apartamento de Kaufmann. Eles conversam um pouco, Kaufmann se mostra assustado
com esse mundo estranho. Então é possível (possível, pois não é obrigatório para se
prosseguir no jogo) entrar no apartamento de Kaufmann, abrir a sua moto e encontrar
um vidro de Aglaophotis.

Dahlia pensou ter destruído o último vidro de Aglaophotis quebrando-o no chão


do hospital, mas Kaufmann simplesmente guardou um pouco para caso houvesse uma
traição por parte de Dahlia.

Durante esse trecho nas proximidades do lago,


uma criatura comum é o “Romper”, que representa o
medo de Alessa por adultos.

Mas, no apartamento de Kaufmann, Harry acha


o vidro escondido de Aglaophotis, porém Kaufmann
entra, encontra Harry com o vidro, reclama pela
ousadia do Harry, pega a Aglaophotis e vai embora.
Então Harry continua sua viagem. Indo na direção do
porto do lago, ele testemunha a transformação da
realidade no mundo alternativo. Desta vez foi diferente.
Antes, o mundo alternativo aparecia do nada, mas
agora foi gradual. Harry percebeu que a situação estava
ficando mais séria.
Chegando no porto, reencontra-se com Cybil e Dahlia. Dahlia fala que o
demônio está tomando a cidade e tal. Manda Harry ir para o farol e para o centro do
parque de diversões, pois são os últimos dois lugares que faltam para por a marca de
Samael (como eu já disse, não tem demônio nenhum pondo "marca de Samael", na
verdade e a Alessa pondo o selo de Metraton para parar o demônio.). Cybil decide ir
para o parque, mesmo sem o Flauros. E Harry vai para o farol. Chegando lá ele vê
Alessa indo embora e a marca de Metraton feita. Então ele percebe que chegou tarde
demais e vai para o parque, tentando encontrar Cybil a tempo. Cybil acaba sendo pega
por uma criatura semelhante a aquela que possuía as enfermeiras e médicos no hospital.
Harry encontra com ela no carrossel. Lhe derrama o pouco de Aglaophotis que tinha e
expulsa a criatura. Então Harry fala sobre a adoção de Cheryl com Cybil.

No parque, Alessa aparece para fazer o último selo de Metraton necessário.


Harry a manda soltar Cheryl e usa o Flauros. Ele quebra os poderes de Alessa e Dahlia
aparece rindo. Afinal, seu plano havia dado certo, ela enganou Harry e o fez impedir
Alessa. Então aparece um brilho e Harry é levado ao famoso Nowhere (isso não
significa "Agora aqui", significa "lugar nenhum", para os desavisados). É um lugar
composto por várias e várias salas e corredores do jogo. Sem respeito algum pela física,
o Nowhere encaixa salas de corredores incompatíveis. Suponho que seja um profundo
mundo alternativo, moldado pelas lembranças de Alessa de vários lugares. Existem
alguns que acreditam ser um último esforço de Alessa para levar Harry até Dahlia e
salvá-la. Mas o fato é que tanto uma quanto outra visão é especulação. O jogo não dá
informação alguma sobre a natureza do Nowhere.

Logo ao ser teleportado para o Nowhere. Harry encontra com Lisa, ela fala que
foi olhar o porão do hospital, mesmo assustada demais, e teve a impressão de que já
havia estado lá. (Lógico, ela cuidava de Alessa lá, mas meio que tinha bloqueado as
lembranças). Então ela corre e vai embora.

Mal se anda pelo Nowhere, já aparece um fantasma de Alessa atravessando uma


porta. (creio que foi uma tentativa de guiar Harry). Resolve-se alguns puzzles, e se
encontra novamente com Lisa. Então ela começa a chorar e fala que entendeu porque
que todos haviam morrido e ela estava viva, era porque era uma deles. Então ela começa
a sangrar e Harry foge dela.
Creio que esse "eles" se refira aos monstros enfermeiros e médicos. Há alguns
fãs de silent hill que acreditam que ela esteja morta, e essa Lisa é apenas uma lembrança
de Alessa. Isso explicaria por que ela sempre está no mundo alternativo, mas cria outras
perguntas: como, quando e porque ela morreria? Eu duvido que esteja morta, pois tal
fato não seria omitido do Lost Memories. Eu prefiro acreditar que ela havia se tornado
uma enfermeira mostro, por isso não podia sair do mundo alternativo e avança
sangrando para cima de Harry.

Ainda no Nowhere, podemos assistir um vídeo de Lisa comentando com alguém


o estado estranho de Alessa ("olhos não abrem. Tem pulso, mas mal respira. O que está
mantendo essa criança viva?"). Creio que seja um vídeo de Lisa pedindo para parar de
cuidar de Alessa para Kaufmann, por causa do final: "Eu não agüento mais, eu não vou
contar para ninguém, então, por favor....".

Mais adiante Harry vê fantasmas de Alessa e os envolvidos com o ritual numa


sala. É uma espécie de flashback de quando eles perceberam que Alessa tinha criado
Cheryl, e que tinha inviabilizado seus planos. Nesse flashback, Kaufmann também
aparece e reclama dos empecilhos e que isso não estava no acordo. Não acho que seja
porque Kaufmann tenha algum interesse sério no demônio. Acho que seja pelo fato da
menina precisar ficar no hospital por mais tempo que o planejado.
Depois, Harry entra no quarto de Alessa, atravessa a porta e vê outro flashback
de Dahlia puxando Cheryl para junto de Alessa (mas só se vê Dahlia e Cheryl). É
quando Dahlia percebe que ela mesma poderia ter dado a luz a Samael, que nenhum
poder especial era necessário para gestar o demônio, bastava o poder de dar a vida, que
existia em todas as mulheres.

Terminando o flashback Harry desce uma escada e encontra com Dahlia, o corpo
queimado de Alessa e um fantasma de Alessa no chão. Dahlia comenta seu espanto com
Alessa ter usado o selo/talismã/marca/símbolo (é mesmo, tanto faz) de Metraton e
agradece por Harry tê-la impedido a tempo. Cybil aparece e é derrubada por um raio ou
coisa assim, causado por Dahlia ou por Samael, provavelmente Samael. Harry aparece,
Dahlia fala que Cheryl foi restaurada à sua forma original, que chegou o dia e que
Alessa se tornará a mãe de deus. Então o corpo de Alessa e o fantasma se unem e
formam uma mulher brilhante, a tal de mãe de Deus.

Derrepente Kaufmann
aparece dá um tiro em Dahlia.
Ele reclama de tudo ter se
tornado um pesadelo e de que
isso não foi o planejado, e joga
o vidro de Aglaophotis na mãe
de Deus, que é Alessa. Dela sai
o Samael, que queima Dahlia e
é morto por Harry, pois como
foi "abortado" por Kaufmann,
nasceu muito mais fraco do que
era para nascer. Começa a
chover fogo, pois o "mundo
alternativo" estava se
desfazendo. Alessa entrega
uma nova criança para Harry
(Heather), mas que
infelizmente carrega a semente
de Samael. Ela abre um portal
para ele e Cybil fugirem e fim!
Kaufmann tenta fugir também, mas Lisa o impede. Provavelmente numa tentativa de
vingança. FIM!