Você está na página 1de 5

PARTE I

PARTE I Subsistemas de Suprimento de Recursos Humanos Esta parte cuidará do subsistem a de suprimento

Subsistemas de Suprimento de Recursos Humanos

Esta parte cuidará do subsistem a de suprimento de recursos humanos destacado na Figura 1/ 1. Mantendo a abordagem sistêmica , focalizaremos a organização como um sistema aberto, dentro do qual entram vários tipos de recursos (materiais , financeiros, humanos etc . ) e do qual saem algumas

ADMINISTRAÇÃO

DE

RECURSOS

HUMANOS

Subsistema

Subsistema

Subsistema de d . esen- volvimento d~ recursos humanos

Subsistema

de

de

de

aplícação

Manutenção

controle

de

de

de

recursos

recursos

recursos

humanos

humanos

humanos

Figura 1/1. O subsistema

de suprimento de recursos humanos.

9

espécies de produto s

ou s aída s (produtos,

servi ç o s ou informações) .

Em

out r os t e rm os, o s i s tema aberto mant é m uma contínua

e constante

interação

co m o am bi e nt e externo , efetu a ndo

trocas: as entradas

de recursos

e infor-

m ações i n g r essa m no sistema que produz r es ultado s,

saídas, produtos, ser-

viços ou inf o rm aç õ es. Es s e enfoque-entrada

siste m a t e m s ido utilizado

por muito s autores

- proce ss amento

como

- uma medida do rendi-

saída do

m e nt o do s i s tema. t

Ao interagir com o ambiente,

o s istema

torna- s e envolvido

pela s res-

tri

ç ões e limitações

que o ambiente

lhe

impõe . Es s as restrições

s ão muito

variadas, indo desde as limitações

sobre

o preço dos produtos

ou serviços,

a

t é à s r es tri ç ões

s obre o capital ,

à demanda

dos produtos

ou s erviços ,

ao

nível tecnológico, à demanda de mão-de-obra

etc. O sistema

não opera

livremente, mas dentro de determinados em que e s t á situado .

limites impostos pelo ambiente

o AMBIENTE ORGANIZACIONAL

Um sistema opera dentro

de um ambiente juntamente

com outros

s istemas. Desse ambiente o sistema recebe as informaç ões e os dado s p a ra

tomada de decisões (pe s quisa de mercado , pesquis a de fornecedores , con-

juntura econômica,

operação (entrada de recursos materiais , mat é rias-primas ,

pamentos ,

financiamento s,

sos humanos , restrições impostas pelo ambiente (le g islaç ã o

suas operações, imposição

preços etc.) e , nesse ambiente ,

de suas operações (produtos ou serviços) , os resíduos des s a s operações

(refugos de mat é rias-primas, m á quinas e equipamentos obsoletos que devem

pedidos

de c lientes etc . ),

os in s umos necessários

à s ua

máquina s, e qui- (empr és timo s,

de recur-

materiais etc.), entrada

de recursos finan c eiros

receita proveniente do faturamento

de taxas e impostos ,

etc . ) , entrada

a respeito de legai s quanto prov e nientes

a

limita ç ões

o sistema coloca os re s ultados

ser vendidos , poluição resultante das operações:

de gase s , lixo etc . ), resultados provenientes

recursos financeiros (lucro, distribuição de dividendos, bonificações, paga-

mento de juros e taxas bancárias

de recurso s mercadológicos (vendas , promoção , campanhas publicitárias,

imagem da empresa , distribuição

fumaça, detrito s, exalação

da aplicação

específica de

específicos da aplicação

etc.), resultados

dos produtos

ou serviços aos clientes etc . ),

al

é m , naturalmente,

de certa quantidade

de pessoas

que se desligam

da

or

g anizaç ã o .

De todos ess es aspectos do ambiente, interessa-nos especificamente

o

fato de que os recursos humanos ingressam din â mi c a pa rt icular que veremos adiante .

e saem do sistema , gerando uma

10 I . I )n n le l K O l l c R o b e rt L . K a hn , P s i co lo g ia

S

oc ial das Organi z aç ões

(São Paulo , Atl as , 1970) .

\

Mercado de recursos humanos e mercado de trabalho

O termo m e rcado ficados:

tem sido utilizado

com grande variedade

• o lugar onde antigament e

s e efetuavam tro c a s de merc a doria s;

de s i g ni -

port a nt o,

o local fí s ico onde os vendedores se encontr a vam com o s c ompr a d o r es;

• um "e s pa ç o econômico ", . onde se realizam

troc a s de ben s, os qu a i s sã o

r oduzido s com relativ a " liberdade " venç ã o do poder público ou de outra

p

(isto é, com um mínimo

autorid a de ,

d e int er-

ou compr a dor ,

t a m -

bém com certa margem

de opção ; 2

• a á rea dentro

da qual a s forças

de ofert a

e procura

conv e r ge m

para

e

s tabelecer

um pre ç o comum;

• á rea

a

geogr á fica

ou territori a l

onde exi s tem

grupos

d e indivíduo s

mais ou menos organizado s viços , e s tabelecendo pr e ço s.

que procur a m

ou oferecem

ben s ou se r -

_ !:.' ! :. ! !dode trabalho _ é . constitu í do pelas ofertas de trabalho oferecida s

pelas Empresas,

r ec ur sos huma'! . 9 J é constituído

balho, em certa época em determinado

em certa

época

e em determinado

lugar : [ M e r c ado

d

pelo conjunto de indivíduos

lugar .

aptos ao tra -

O m e r c ad o d e trabalho é constituído

de empresas

e de sua s oportuni-

dades de emprego,

candidato s reais e potenciais àquelas oportunidades.

balho ocorrem constantes

e o m e r c ado

d e r e cursos human o s

é con s tituído

do s de tra - 1 / 3 .

No mercado

Ilutua ç ões , como as mostradas

na Figura

Situação

de

oferta

Mercado de trabalho

1 - -

O >

p Oferta e procura de empregos

Situação

de

procura

- I

O < p

Figura

1 / 2 .

As situações

do mercado de trabalho .

Tomando-se a oferta como a disponibilidade d e empregos e a procura

d e trabalho pode a ss umir

1 /2 .

como a necessidade

de se empr eg ar ,

o m e r c ado

um c ontinuum de situações , três das quais destacadas

Exemplificamos três possíveis situações do mercado de trabalho, como pon -

to s de referê ncia :

na Figura

1 . Of e rta

m a i o r

d o qu e a pr o cura :

pr e go , ou s ej a, h á m a i s of e rt as

do qu e c andid a tos.

p

Es t a s itu a ç ã o

a r a

a s e mpresas :

s itu açã o d e di s ponibil i d a de .

d e e m -

de empr egos, a carret a

p o r p a rte d as e mp resas,

as seguinte s c o n se q ü ê n c i as

- - --- -

2

. R o b e rt o

Sa nt os, L e i s

USP ,

1 9 7 3 ) , p . 33.

S ocia i s

e

C ri s t o

d a M ão -d e- O b r a

do

Br as il

( S ão P a ul o,

L TR &

11

(

\

\

\

400

300

0 0

100

1005/

100

74

75

76

77'

- /, r\ ~ ~ I 1/ / 11 ~ I / r- _ /
-
/,
r\
~
~
I
1/
/
11
~
I
/
r- _ /

68 6970 71}273 J M M J S N J M M J

S

N I J

M M J S N J M +

• Est i mativa

Figura

1 /3 . Ind i ce

de oferta

de emprego.

Fonte : IBGE . Transcrito

de Ve j a, de 4 de ma i o de 1977 , p . 93 .

a) o recrutamento

é mais moro s o ,

seu rendimento

investimentos em e s tratégias de recrutame n to

é mai s baixo e os

e

são incrementados

 

não trazem candidatos de qualid a de esperado;

em número suficiente

ou dentro

do padrão

b)

assim,

os critérios

de s eleção

torn a m - se

mais flexívei s

e menos

exigentes;

c ) os esquem a s

de salários inici a is oferecidos

aos poucos candidatos

que se apresentam

política salari a l das empresas;

tendem

a se elevar,

provocando

distorções na

d

entre as empresas

que utili-

) há uma intensificaçã o mercado

zam o mesmo

na competi ç ão de mão-de-obra;

 

e)

os candidatos

passam a sele c ionar

e escolher

as empresas

que lhes

ofereçam melhores

salários e benefí c i os

sociais;

e

 

f)

as empresas procuram

reter e fixar seus empregados,

pois qualquer

substituiç ã o torna-se demorada e arriscada.

 

2

. Of e rta

e quivalent e

à procura :

ou s eja , há uma

situ a ção

de equi l íbrio

entre o volume

de ofertas

de empregos

e o número

de ca n d i datos .

3. Of e rta m e n o r do que a pr o cura :

d a to s, ou s ej a, há mais c a ndidato s

s uficientes nas empre sa s .

qü ê ncia s

p

a r a

as empresas:

situ a ç ã o de disponibilidade

de ca n di-

procurando empregos do que vaga s

conse-

Esta s ituação acarreta

as seguintes

a) o recrutamento

quer estratégia

permite

apre s ent a um rendimento

aplicada

elevadís s imo - de candidatos, em estratégias

qual-

o que

de

atrai grande vo l ume reduzir os investimentos

à s empre sa s

12 recrutamento;

\

>

<

F igura 1 / 4 . As três situações

\

:>

I :>

Me r cado de empregos em oferta

Equilíb r i o

I

de referência

:>

Mercad o

de empregos

em procura

do mercado de trabalho.

b

) ass im ,

o s crit é rio s

de s ele çã o

pod e m

torn a r -s e

m a i s rigoro s os

e

 

m

a i s exi ge nt es;

c om o o re crut a m e nto

a b as t ece com f a cilid a de

e

volume o processo

m

a i s

ri g oro sa ;

s eletivo ,

e s te pode

e f e tu a r

uma se leç ã o

muito

l ~

c) o s e s qu e m as

d e sa l á rio s

in ic i a i s ofere c ido s

a o s c a ndid a to s

que

se

apre s ent a m

t e nd e m

a sofr e r

um se n s ív e l a b a ix a m e nto,

porqu a nto

o merc a do

é d e p r o c ur a

d e e mpr eg o ;

e

d

) h á um a

inten s ifi caçã o

n a competi çã o

entre

que

se

 

apr es entam ,

l

pois é muito

açã o

às v agas exi s t e nt es;

o s c a ndid a tos de c a ndid a tos

m a ior

a comp e ti çã o

o núm e ro

e m re- m a nife s t a-se prin c ipalm e n-

te na s p r opo s i ç õ es

de sa l á rio s .

 

Uma síntese de ss as situa ç ões é apresentada

No mercado

de rgcUrs'M bWl1an o . r - ( - Figu

inverte. Dentro de um continuum

POntos de referência destacados na Figura 1 / 6 .

cado de recur s o s humanos são as seguintes:

de situa ç ões ,

no Quadro I f 1 . 5 ) - e&sa . s ituaç ã o - s abordaremo s apenas o~ Estas situações do mer-

1

. Of e rta maior do qu e

a procura : situaç ã o de di s ponibilid a de

de c a ndidato s ac a rreta

p a r a

do que procura

de c a ndi- por par-

a to s , ou se j a, h á m a i s of e rta

d

te d as

p

a) di f i c uld a de

empresa s .

E s t a

situ a ç ã o

a ra

os c a ndid a to s:

em obt e r empr e go;

as seguinte s conseqü ê ncias

c a d a v a ga

exi s tente

em uma

empresa há v á rios candid a tos

para di s putá - Ia;

i

13

\

\

1 1)1 I ~ (' '''fll e~ó I ~ d e i xa m

d

e d ese nvolv e r

s u as e s traté gia s

de recruta -

IlI C nl O,

p oi-, O~ c andid a to s

a pre s enta m- se

e s pontan e am e nte;

v) , , ~ exigências

SCVCI U\;

d as e mpr esas tornam -s e

maior es , mai s drásticas

e mais

-,

 

d

) O~ ca ndid a t os

p assa m

a c ompetir ,

di s putando

as v a ga s F xi s tentes;

>

 

r-r-

r

- '''' -

0/ d e re c ur s o s

Mercado

humano s

 

e)

us e mpr esas d e ix a m

d e utilizar

o s alário

e os ben e fícios

como bens

 

1

 

p

a r a

int e n s ifi ca r

o recrutamento ;

e

 

em

oferta

 

f

)

os ca ndid a to s

n ã o

t ê m

condi ç ões

d e selecionar

e e sc ol h e r

a s em -

 

p

r esas ond e pr e tendem

tr a b a l h a r.

 

2

. O l er t a e qui va l e nt e

à procura :

ou seja,

de c a ndidato s

h á um a

s itu açã o

e o número

d e e quilíbrio

 

e

nt re

o volume

d e oferta s

de oportunida-

:> Equilíbr i o

 

d

es d e e mpr eg o

qu e s ur ge

n a s diver sas

e mpr esas no mercado .

1

O

u a dro 1 / 1 . O comportemento

das empresas nas duas situações

 

extremas do mercado de trabalho .

 
 

SITUAÇÃO DE OFERTA

 

SITUAÇÃO DE PROCURA

<

 

y Merc a do

   

I

de recur s os humano s

x cessiva quantidade vagas

E

de ofertas

de

Insuficiente

• quantidade

de vagas

de ofertas

 

em procura

Competição

 

entre as empresas

pa -

• Falta de competição

entre

as e m -

ra obter candidatos

 

presas

Intensifica ç ão em recrutamento

dos investimentos

• Redução nos investimentos crutamento

em re -

Redu çã o das exigên c ias

aos candi -

• Aumento

d a s e x ig ê ncias

aos can -

F

i gur a 1 / 6, A s tr ê s s itu açõe s

no mercado de recursos

d

a tos e abrand a mento

do proces-

didatos e m a ior rigor no proc es so

de refer ê ncia

 

so seletivo

seleti v o

humanos .

I n ten s ific a ç ã o em treinamento

dos investimentos

Reduç ã o treinarnento

• no s inv es timentos

em

Ê

nfase no r e crutamento

interno

• Ênfase no recrutamento

externo

3, O ieno

 

mai or d o qu e a pr oc ur a :

s itu ação d e dis p o nibilid a d e

d e e mpr e-

Desenvolvimento

de políticas

de

• Desenvo l vim e nto

de políti c as

de

gos .

can did a t os

o u

s eja ,

h á

ma i s

o p o rtuni d a d e,

hum a n os

d os

fi

x aç ã o

do pessoal

(retenç ã o

do

substituiç ã o

do pessoa l

(me l hor i a

do

q u e

rec u rvo- ,

d e e mpr ego s di s p o n í ve i s .

à dis pos i ção Es t a si tu ação

acar -

capital humano)

 

do capital

hum a no)

r e t a

,"

xcg u i n tc- , co n vc q üên c i us

p ara os ca ndida t os:

Orient a ç ã o

p a ra as pessoas

ra seu bem - estar

e pa -

Orientação

• p a ra o t ra b a lho

e par a

a) h á

enorme

fac ilida d e

e m

se co n se g u i r

e mp rego;

são muit as

as

   

a efici ê nci a

vagas e x i v t c nt es

c P O U c ()~

os ca ndida t o,

q u e se a pr esent a m ;

Intensifi caç ão

 

dos investimentos

• Reduç ã o ou con ge l a m e nto

vestimentos

em beneficios

do s in -

b) as e rn prcvns dese n vo l vem

 

l im a

- é r i e

d e e-trutégius

d e rec rut a m e nt o

em b e nef ic io s

sociais

s o c iais

 

c int e n s i f i c am

se u s e-Jor ç os

par a co n seguir

r ec u rsos hum a n os;

 
 

c) as ex i gên c i as

d a. , e m presas r ornam - ve

rn ai-, e l á v ti cas

e l i-

 

m

ina ndo

pequenas bar r c ir u

que

pod er i a m

impedi r

e f l ex iv e i s a admi ssão

d o

pessoal ;

 
 

S

itua ç ão

 

Situ a ção

d

e

d ) 00, c a ndidatos

passa m a - e l cc i o n a r

a, e mpr esas

que Ih es

of e rt a

M e r ca do

d e r e cur s o s

humano s :

de procur a

 

ofereçam

as m e lhores

c o ndi ções

c e sco lhe r sa l u r iu i - ;

hc n c f ic i ov,

b or á ri os

d e

~ ------ --------------- - - --- ~

tra b a lho.

va nr age n - ,

e i c . :

 

O > p

 

Of e rta

e procur a

d e candidato s

O < p

e) as e mpr esas

p ussam

a utili zar

, u a

p o l ít i c a

d e p essoa l

b e -

 

n

efíc i os , opor tunid a d es

d e p ro m oções

c t c . )

como

m e i o,

(sa l á ri os . d e a tr a ir

c

14 Figura 1 / 5 . As situações

do mercado de recursos

humanos .

f )

re

t e r recursos

as e mpr esas

hum a nos;

e

p ; \ssa m

a dis put ar

os pou cos

ca ndida t o,

ex i s t c nt c v .

15

o Quadro

1 / 2 conté m

uma síntese da s s itua ç õe s

de s tac adas .

Ouadro 1 / 2. O comportamento

das pessoas nas duas s i tua ç ões

extremas do mercado de recursos humanos .

S ITUA ÇA O DE OFE R T A

SIT UAÇAO D E PROCURA

Excessi va quant i dade de candida- tos

• Insuficiente quantid a de de candi - datos

Competição entr e cand i datos para obter empregos

• Falta de competiç ã o entre candi- datos

Rebai x amento das pretensões s a -

• Elevação das pretensões salariais

l

ariais

E x trema dificuldade e m conseguir em p rego

• E x trema f a cilidade em consegu i r emprego

Temor de perder o atual emprego

• Vontade de perder o atual empre -

e

ma i or fi x a çã o à companhi a

go e meno r fi xaçã o à companh ia

Maré bai x a nas problemas de a b- sent e ísmo

• Maré alta no s problemas de ab- senteísmo

O

candidato ace i ta qualquer opor -

as múlt i -

tunidade , desde que el a apare ça

• O candidato s ele c io na plas oportun i dade s

Orienta ç ão pa r a a sobrevivência

• Orienta çã o p ar a a melhoria senvolvimento

e de-

H

e o m e r ca d o

co ntínu a

á um c ontínu o

in t e rc â mbio

en t r e o m e r c ad o

d e re c ur sos humano s

e est ã o

sob

d e tra b a lh o.

Ambo s inte r age m co m o indica mo s

r ecipr oca ment e n a Fi g ur a

e mútua i nflu ê n c i a,

1 / 7 .

F

igura

1 / 7.

Af l uxo de

c========;=======)

recurs o s human o s

<:===============::J

do r ecrutamento

C

omunicações através

A co nt i nu a

i nteração

entre mercado de r ecursos

humanos e o mercado de trabal h o .

à o f e rta d e um m e r ca d o co rres pond e

a procura

Em o utros

16 d e um é o in p ut

ter m os ,

a m os "são

ist e m as e m inte r ação

d o o u t r o, e vi c e - v er a.

n o o utro, e v ic e - versa .

co n stante:

o outpu t