Você está na página 1de 4

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ
CAMPUS OEIRAS
CURSO:_________________________________
PROFESSOR: PABLO MARTINS DISCIPLINA: PORTUGUÊS
ALUNO:________________________________________________________ Nº:______ NOTA:________

AVALIAÇÃO BIMESTRAL

01 – Leia a tira a seguir: (1,0)

A – O que poderia ter levado Charlie Brown a interpretar o gesto de Linus como um suborno?
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

B – Linus afirma que as flores para a professora são um “investimento”. Explique.


________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

C – Relacione a hipérbole e o eufemismo ao uso das palavras suborno e investimento. Justifique.


________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

02 – Leia o texto e responda ao que se pede. (1,0)

Os bons vi sempre passar


No Mundo graves tormentos;
E pera mais me espantar
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,

Missão: Promover uma educação de excelência direcionada às demandas sociais.


Fui mau, mas fui castigado,
Assim que só pera mim
Anda o Mundo concertado.

(Luís de Camões: Ao desconcerto do Mundo. In: Rimas. Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar Editora, 1963, p. 475-6.)

Este curto poema de Camões compõe-se de partes correspondentes ao destaque dado às


personagens (o eu poemático e os outros). Quanto ao significado, o poema baseia-se em antíteses
desdobradas, de tal maneira trançadas que parecem refletir o "desconcerto do mundo". Posto isso:

A - Identifique a antítese básica do poema e mostre os seus desdobramentos.


________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

03 - Diante da visão de um prédio com uma placa indicando SAPATARIA PAPALIA, um jovem
deparou com a dúvida: como pronunciar a palavra PAPALIA? (1,0)

Levado o problema à sala de aula, a discussão girou em torno da utilidade de conhecer as regras de
acentuação e, especialmente, do auxílio que elas podem dar à correta pronúncia de palavras.
Após discutirem pronúncia, regras de acentuação e escrita, três alunos apresentaram as seguintes
conclusões a respeito da palavra PAPALIA:

I. Se a sílaba tônica for o segundo PA, a escrita deveria ser PAPÁLIA, pois a palavra seria
paroxítona terminada em ditongo crescente.
II. Se a sílaba tônica for LI, a escrita deveria ser PAPALíA, pois “i” e “a” estariam formando hiato.
III. Se a sílaba tônica for LI, a escrita deveria ser PAPALIA, pois não haveria razão para o uso de
acento gráfico.

A conclusão está correta apenas em:

(A) I (B) II (C) III (D) I e II (E) I e III

04 – Leia estes versos: (1,0)

Talvez haja entre mim que os passos te acompanho,


E a abelha que a zumbir vai procurar a flor,
– Alma ou asas movendo – o mesmo fluido estranho,
seja instinto ou amor; (Alberto de Oliveira)

Considerando que no terceiro verso o vocábulo “fluido” foi adequadamente empregado, explique
por que o poeta não poderia ter usado a forma acentuada “fluído”.
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

05 – Nos versos a seguir, Camões faz alusão a um fato que, segundo alguns estudiosos, teria
ocorrido com a mulher que ele amava. Leia-os. (1,0)

Missão: Promover uma educação de excelência direcionada às demandas sociais.


Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida, descontente,
Repousa lá no Céu eternamente,
E viva eu cá na terra sempre triste. (Camões)

A – Que figura de linguagem o poeta emprega para se referir à amada? Explique.


________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

B – Por meio de que figura o poeta se refere ao que aconteceu a ela? Justifique.
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

C – Nesses versos é possível perceber uma forte oposição. Explique-a e dê o nome da figura por
meio da qual ela se realiza.
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

Textos para as duas próximas questões:

Texto I

Amor é fogo que arde sem se ver;


É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;


É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder.

Camões

Texto II

Amor é fogo? Ou é cadente lágrima?


Pois eu naufrago em mar de labaredas
Que lambem o sangue e a flor da pele acendem
Quando o rubor me vem à tona d’água.

E como arde, ai, como arde, Amor.


Quando a ferida dói porque se sente.
E o mover dos meus olhos sob a casca
Vê muito bem o que devia não ver.

Missão: Promover uma educação de excelência direcionada às demandas sociais.


Ilka Brunhilde Laurito

06 – Assinale a alternativa correta sobre o texto I. (1,0)

A – Expressa as vivências amorosas do “eu” lírico em linguagem emotivo-confessional.


B – Apresenta índices de linguagem poética marcada pelo racionalismo do século XVI.
C – Conceitua o amor de forma unilateral, revelando o intenso sofrimento do coração
apaixonado.
D – Notam-se, em todos os versos, imagens poéticas contraditórias, criadas a partir de
substantivos concretos.
E – Conceitua positivamente o amor correspondido e, negativamente, o amor não
correspondido.

07 – Assinale a alternativa correta. (1,0)

A – O texto I, com sua regularidade formal, recupera do texto II o rígido padrão da estética
clássica.
B – Os dois textos, ao negarem uma concepção carnal do amor, enaltecem o platonismo
amoroso.
C – O texto I e o texto II são convergentes no que se refere à concepção do sentimento
amoroso.
D – O texto II contesta o texto I no que se refere ao ponto de vista sobre o amor.
E – Os dois textos convergem quanto à forma e à linguagem, mas divergem quanto ao
conteúdo.

08 - Leia o seguinte texto: (1,0)

Os irmãos Villas Bôas não conseguiram criar, como queriam, outros parques indígenas em
outras áreas. Mas o que criaram dura até hoje, neste país juncado de ruínas novas.

A – Identifique o recurso expressivo de natureza semântica (figura de linguagem) presente


na expressão “ruínas novas”. Justifique.
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

B – Que prática brasileira é criticada no trecho “país juncado (= coberto) de ruínas novas”?
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________

Missão: Promover uma educação de excelência direcionada às demandas sociais.