Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

INSTITUTO DE LETRAS
DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS PARA O ESTUDO DAS LETRAS
DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS LITERÁRIOS
Professora Luciene Azevedo
DISCIPLINA LET A 10- TURMA 05
25/08
CURSO NOTURNO
ALUNO: Leandro Pereira Damascena.

EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura: uma introdução. S.P. Martins Fontes. s/d.

ROTEIRO DE LEITURA

Pergunta básica:

1. Quais as possibilidades de definição para a literatura apresentada pelo autor ao longo


do capítulo?

O autor define a literatura como a tentativa de recriação da realidade através da


imaginação. Diz também que é uma linguagem de significação, onde as palavras tomam
um significado diferente do que possuem no “mundo real”.

2. Que significa dizer que “a literatura é a escrita que representa uma ‘violência
organizada contra a fala comum’, que a “literatura transforma e intensifica a linguagem
comum, afastando-se sistematicamente da fala cotidiana“?

No caso é uma violência porque o significado conotativo que as palavras


adquirem num contexto literário, choca com o significado empírico que elas possuem.
Transforma e intensifica a linguagem comum porque afasta o significado do
significante, dê mecanizando o processo de compreensão, levando o leitor a uma
maneira de pensar diferente da que está habituado.

3. Por que o autor afirma que é possível pensar a literatura como “uma espécie de
linguagem auto-referencial, uma linguagem que fala de si mesma”?

“Trata-se de um tipo de linguagem que chama atenção sobre si mesma e exibe


sua existência material”, ou seja, ela tem forma própria que não tem forma padrão, é
forma que se referência de acordo à intenção donde está inserida, é mutável, é
perceptível apenas na completude da obra, na intenção do autor em conduzir a atenção
do leitor que por sua vez se condiciona a uma percepção diferenciada, indicada pela
sensação inferida pela sua estranheza.

4. Por que o autor diz que talvez seja mais proveitoso investigar ‘as maneiras pelas
quais as pessoas se relacionam com a escrita’ ao invés de se buscar uma qualidade
inerente da literatura, procurando defini-la?

Porque a relação das pessoas com o texto é o que define para elas o que o texto
é, ou seja, o texto não pode ser definido em um estilo de forma atemporal e em todos os
lugares, pois a sua classificação depende do repertório que os leitores dispõem para
interpretá-lo.
5. Que significa dizer que o sentido do literário é historicamente específico?

Significa que o sentido literário é definido conforme o seu tempo, ou seja:

Na Grécia antiga supostamente os gregos acreditavam em sua mitologia como


verdade, pois no estilo de pensamento teocêntrico, havia sentido para compreendê-la
assim.
Hoje, consideramos que seu sentido seja literário, porque diante do pensamento
científico encontramos elementos não comprováveis e assim a definimos como
imaginativa.

6. Explique: “Os julgamentos de valor parecem ter, sem dúvida, muita relação com o
que se considera literatura, e o que não se considera- não necessariamente no sentido de
que o estilo tem de ser ‘belo’ para ser literário, mas sim de que tem de ser do tipo
considerado belo”.

Quem se preocupa com o que é a Literatura, precisa de parâmetros para defini-


la. No entanto estes parâmetros não são fixos, eles são variáveis elegidas pelo grupo de
indivíduos que avaliam um objeto.

Tais parâmetros são conhecidos por valor e eles variam conforme a disposição
dos grupos na Pirâmide das hierarquias e necessidades (Maslow).

Desta forma, encontrar algo do “tipo considerado belo”, tem mais haver com
quem o considera, do que o que o objeto avaliado é.

7. Por que o autor afirma que nenhuma avaliação crítica sobre qualquer obra é
‘puramente literária’?

Porque qualquer referência inserida em um texto literário, surge de algum objeto no


mundo fora dele, vivenciado pelo autor, mesmo que não se encontre exatamente como
está no escrito, mas na forma que o inspirou.