Você está na página 1de 124
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo

DIAGRAMAS

ELÉTRICOS

UNIFILARES

Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo

DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES

DIAGRAMAS

ELÉTRICOS

UNIFILARES

DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES
Este é um material de uso restrito aos empregados da PETROBRAS que atuam no E&P.
Este é um material de uso restrito aos empregados da PETROBRAS que atuam no E&P.

Este é um material de uso restrito aos empregados da PETROBRAS que atuam no E&P. É terminantemente proibida a utilização do mesmo por prestadores de serviço ou fora do ambiente PETROBRAS.

Este material foi classificado como INFORMAÇÃO RESERVADA e deve possuir o tratamento especial descrito na norma corporativa PB-PO-0V4-00005“TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES RESERVADAS".

Órgão gestor: E&P-CORP/RH

na norma corporativa PB-PO-0V4-00005“TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES RESERVADAS". Órgão gestor: E&P-CORP/RH
na norma corporativa PB-PO-0V4-00005“TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES RESERVADAS". Órgão gestor: E&P-CORP/RH
na norma corporativa PB-PO-0V4-00005“TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES RESERVADAS". Órgão gestor: E&P-CORP/RH
na norma corporativa PB-PO-0V4-00005“TRATAMENTO DE INFORMAÇÕES RESERVADAS". Órgão gestor: E&P-CORP/RH
DIAGRAMAS ELÉTRICOS UNIFILARES Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo Ao final

DIAGRAMAS

ELÉTRICOS

UNIFILARES

Autores: Ângelo Roberto Moreira dos Santos Fonseca George Gomes Galindo

Ao final desse estudo, o treinando poderá:

Reconhecer a simbologia relacionada aos diagramas unifilares;

• Reconhecer o que são dispositivos de manobra e de comando;

• Compreender os objetivos e os procedimentos da análise de falhas.

Programa Alta Competência Este material é o resultado do trabalho conjunto de muitos técnicos da
Programa Alta Competência
Programa Alta Competência

Este material é o resultado do trabalho conjunto de muitos técnicos

da área de Exploração & Produção da Petrobras. Ele se estende para

além dessas páginas, uma vez que traduz, de forma estruturada, a experiência de anos de dedicação e aprendizado no exercício das atividades profissionais na Companhia.

É com tal experiência, refletida nas competências do seu corpo de empregados, que a Petrobras conta para enfrentar os crescentes desafios com os quais ela se depara no Brasil e no mundo.

Nesse contexto, o E&P criou o Programa Alta Competência, visando

prover os meios para adequar quantitativa e qualitativamente a força

de trabalho às estratégias do negócio E&P.

Realizado em diferentes fases, o Alta Competência tem como premissa

a participação ativa dos técnicos na estruturação e detalhamento das competências necessárias para explorar e produzir energia.

O objetivo deste material é contribuir para a disseminação das

competências, de modo a facilitar a formação de novos empregados

e a reciclagem de antigos.

Trabalhar com o bem mais precioso que temos – as pessoas – é algo que exige sabedoria e dedicação. Este material é um suporte para esse rico processo, que se concretiza no envolvimento de todos os que têm contribuído para tornar a Petrobras a empresa mundial de sucesso que ela é.

Programa Alta Competência

Agradecimentos Agradecemos a Deus, às nossas famílias e à equipe do Alta Competência pela oportunidade
Agradecimentos
Agradecimentos

Agradecemos a Deus, às nossas famílias e à equipe do Alta Competência pela oportunidade de participar da construção desse material didático.

Como utilizar esta apostila Esta seção tem o objetivo de apresentar como esta apostila está
Como utilizar esta apostila
Como utilizar esta apostila

Esta seção tem o objetivo de apresentar como esta apostila está organizada e assim facilitar seu uso.

No início deste material é apresentado o objetivo geral, o qual representa as metas de aprendizagem a serem atingidas.

ATERRAMENTO DE SEGURANÇA Autor Ao final desse estudo, o treinando poderá: • Identificar procedimentos adequados
ATERRAMENTO
DE SEGURANÇA
Autor
Ao final desse estudo, o treinando poderá:
Identificar procedimentos adequados ao aterramento
e à manutenção da segurança nas instalações elétricas;
Reconhecer os riscos de acidentes relacionados ao
aterramento de segurança;
Relacionar os principais tipos de sistemas de
aterramento de segurança e sua aplicabilidade nas
instalações elétricas.

Objetivo Geral

O material está dividido em capítulos. No início de cada capítulo são apresentados os objetivos

O material está dividido em capítulos.

No início de cada capítulo são apresentados os objetivos específicos de aprendizagem, que devem ser utilizados como orientadores ao longo do estudo.

Riscos elétricos e o aterramento de segurança Ao final desse capítulo, o treinando poderá: •
Riscos elétricos
e o aterramento
de segurança
Ao final desse capítulo, o treinando poderá:
Estabelecer a relação entre aterramento de segurança e
riscos elétricos;
Reconhecer os tipos de riscos elétricos decorrentes do uso de
equipamentos e sistemas elétricos;
Relacionar os principais tipos de sistemas de aterramento de
segurança e sua aplicabilidade nas instalações elétricas.
Capítulo 1

Objetivo Específico

No final de cada capítulo encontram-se os exercícios, que visam avaliar o alcance dos objetivos de aprendizagem.

Os gabaritos dos exercícios estão nas últimas páginas do capítulo em questão.

Capítulo 1. Riscos elétricos e o aterramento de segurança Capítulo 1. Riscos elétricos e o
Capítulo 1. Riscos elétricos e o aterramento de segurança
Capítulo 1. Riscos elétricos e o aterramento de segurança
1.7. Gabarito
1.4. Exercícios
1)
Que relação podemos estabelecer entre riscos elétricos e aterramento de segurança?
1) Que relação podemos estabelecer entre riscos elétricos e
aterramento de segurança?
O
aterramento de segurança é uma das formas de minimizar os riscos decorrentes
do
uso de equipamentos e sistemas elétricos.
2)
Apresentamos, a seguir, trechos de Normas Técnicas que abordam os cuidados
e critérios relacionados a riscos elétricos. Correlacione-os aos tipos de riscos,
marcando A ou B, conforme, o caso:
2) Apresentamos, a seguir, trechos de Normas Técnicas que
abordam os cuidados e critérios relacionados a riscos elétricos.
Correlacione-os aos tipos de riscos, marcando A ou B, conforme,
o caso:
A)
Risco de incêndio e explosão
B) Risco de contato
( B )
“Todas as partes das instalações elétricas devem ser projetadas e
executadas de modo que seja possível prevenir, por meios seguros, os
perigos de choque elétrico e todos os outros tipos de acidentes.”

Para a clara compreensão dos termos técnicos, as suas

Para a clara compreensão dos termos técnicos, as suas definições estão disponíveis no glossário .

Para a clara compreensão dos termos técnicos, as suas definições estão disponíveis no glossário. Ao longo dos textos do capítulo, esses termos podem ser facilmente identificados, pois estão em destaque.

Nesse processo, o operador tem importante papel, pois, ao interagir 49 diariamente com os equipamentos
Nesse processo, o operador tem importante papel, pois, ao interagir
49
diariamente com os equipamentos elétricos, pode detectar
imediatamente alguns tipos de anormalidades, antecipando
problemas e, principalmente, diminuindo os riscos de
por contato indireto e de incêndio e explosão.
choque elétrico
3.1. Problemas operacionais
Os principais problemas operacionais verificados em qualquer tipo
de aterramento são:
• Falta de continuidade; e
• Elevada resistência elétrica de contato.
É importante lembrar que Norma Petrobras N-2222 define o valor
de 1
Ohm
, medido com multímetro DC (
ohmímetro
), como o máximo
admissível para resistência de contato.
Alta Competência 3.4. Glossário Choque elétrico – conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos,
Alta Competência
3.4. Glossário
Choque elétrico – conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se
manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido por uma
corrente elétrica.
Ohm – unidade de medida padronizada pelo SI para medir a resistência elétrica.
Ohmímetro – instrumento que mede a resistência elétrica em Ohm.
Caso sinta necessidade de saber de onde foram retirados os insumos para o desenvolvimento do

Caso sinta necessidade de saber de onde foram retirados os insumos para o desenvolvimento do conteúdo desta apostila, ou tenha interesse em se aprofundar em determinados temas, basta consultar a Bibliografia ao final de cada capítulo.

Alta Competência 1.6. Bibliografia CARDOSO ALVES, Paulo Alberto e VIANA, Ronaldo Sá. Aterramento de sistemas
Alta Competência
1.6. Bibliografia
CARDOSO ALVES, Paulo Alberto e VIANA, Ronaldo Sá. Aterramento de sistemas
elétricos - inspeção e medição da resistência de aterramento. UN-BC/ST/EMI –
Elétrica, 2007.
COELHO FILHO, Roberto Ferreira. Riscos em instalações e serviços com eletricidade.
Curso técnico de segurança do trabalho, 2005.
Norma Petrobras N-2222. Projeto de aterramento de segurança em unidades
marítimas. Comissão de Normas Técnicas - CONTEC, 2005.
Norma Brasileira ABNT NBR-5410. Instalações elétricas de baixa tensão. Associação
Brasileira de Normas Técnicas, 2005.
Norma Brasileira ABNT NBR-5419. Proteção de estruturas contra descargas
atmosféricas. Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2005.

Ao longo de todo o material, caixas de destaque estão presentes. Cada uma delas tem objetivos distintos.

A caixa “Você Sabia” traz curiosidades a respeito do conteúdo abordado de um determinado item do capítulo.

É atribuído a Tales de Mileto (624 - 556 a.C.) a primeira observação de um
É atribuído a Tales de Mileto (624 - 556 a.C.) a primeira observação de um

É atribuído a Tales de Mileto (624 - 556 a.C.) a primeira observação de um fenômeno relacionado com a eletricidade estática. Ele teria esfregado um fragmento de âmbar com um tecido seco e obtido um comportamento inusitado – o âmbar era capaz de atrair pequenos pedaços de palha. O âmbar é o nome dado à resina produzida por pinheiros que protege a árvore de agressões externas. Após sofrer um processo semelhante à fossilização, ela se torna um material duro e resistente.

“Importante” é um lembrete das questões essenciais do conteúdo tratado no capítulo.

das questões essenciais do conteúdo tratado no capítulo. Importante! É muito importante que você conheça os

Importante!

É muito importante que você conheça os tipos de pig de limpeza e de pig instrumentado mais utilizados na sua Unidade. Informe-se junto a ela!

Já a caixa de destaque “Resumindo” é uma versão compacta dos principais pontos abordados no

Já a caixa de destaque “Resumindo” é uma versão compacta dos principais pontos abordados no capítulo.

compacta dos principais pontos abordados no capítulo. reSUmInDo Recomendações gerais • Antes do carregamento

reSUmInDo

Recomendações gerais

• Antes do carregamento do pig, inspecione o interior do lançador;

• Após a retirada de um pig, inspecione internamente o recebedor de pigs;

• Lançadores e recebedores deverão ter suas

Em “Atenção” estão destacadas as informações que não devem ser esquecidas.

destacadas as informações que não devem ser esquecidas. atenÇÃo É muito importante que você conheça os

atenÇÃo

É muito importante que você conheça os procedimentos específicos para passagem de pig em poços na sua Unidade. Informe-se e saiba quais são eles.

Todos os recursos didáticos presentes nesta apostila têm como objetivo facilitar o aprendizado de seu conteúdo.

Aproveite este material para o seu desenvolvimento profissional!

Introdução Sumário Sumário 17 Capítulo 1 - Introdução aos diagramas unifilares Objetivos 19 1. Introdução

Introdução

SumárioSumário

17

Capítulo 1 - Introdução aos diagramas unifilares

Objetivos

19

1. Introdução aos diagramas unifilares

2 1

1.1. Simbologia

24

1.2. Símbolos literais de identificação de elementos de circuitos

24

1.3. Símbolos gráficos

26

1.3.1. Elementos de símbolos

27

1.3.2. Natureza de corrente e de tensão

28

1.3.3. Funcionamento dependente de uma grandeza característica

29

1.3.4. Tipos de materiais

30

1.3.5. Efeito ou dependência

30

1.3.6. Dispositivos e métodos de controle

31

1.3.7. Conexões à terra e à massa, equipotencialidade

32

1.3.8. Diversos

33

1.4. Símbolos gráficos de produção e conversão de energia elétrica

3 3

1.4.1. Enrolamentos conectados interiormente

34

1.4.2. Tipos de máquinas

35

1.4.3. Transformadores e reatores

35

1.4.4. Conversores de potência

36

1.4.5. Pilhas e acumuladores

36

1.5. Símbolos gráficos de equipamentos de manobra e controle

e de dispositivos de proteção

37

1.5.1. Contatos com duas ou três posições

38

1.5.2. Comutadores unipolares

39

1.5.3. Interruptores de posição

40

1.5.4. Interruptores funcionando sob efeito de temperatura

40

1.5.5. Contatos que atuam sob efeito de variação de velocidade,

comutadores de mercúrio e de nivelamento

41

1.5.6. Dispositivos mecânicos de conexão/manobra

41

1.5.7. Órgãos de controle de relés eletromecânicos

42

1.5.8. Fusíveis e interruptores fusíveis

43

1.6. Código numérico de funções dos dispositivos de manobra,

controle e proteção de sistemas elétricos

43

1.7.

Exercícios

48

1.7. Exercícios 48 1.8. Glossário 5 1 1.9. Bibliografia 5 3 1.10. Gabarito 54 Capítulo 2

1.8. Glossário

51

1.9. Bibliografia

53

1.10. Gabarito

54

Capítulo 2 - Diagramas unifilares típicos em plataformas marítimas

 

Objetivo

57

2.

Diagramas unifilares típicos em plataformas marítimas

59

2.1. Sistema de geração principal

59

2.2. Sistemas de geração auxiliar e de emergência

61

2.2.1. Sistemas de geração auxiliar

61

2.2.2. Sistemas de geração de emergência

63

2.3. Sistemas de distribuição de energia

65

 

2.3.1. Distribuição de grandes cargas em alta tensão

65

2.3.2. Distribuição de cargas em baixa tensão

70

2.4. Sistemas ininterruptos de energia

73

2.5. Exercícios

75

2.6. Glossário

77

2.7. Bibliografia

79

2.8. Gabarito

80

Capítulo 3 - Introdução a comandos elétricos

Objetivos

 

8 3

3.

Introdução a comandos elétricos

85

3.1. Dispositivos de manobra

85

3.2. Dispositivos de comando ou dispositivos auxiliares

86

3.3. Comandos elétricos e CLP – Computador Lógico Programável

86

3.4. Seqüência de funcionamento de um comando elétrico

utilizando CLP, ECOS e relés microprocessados

90

3.5. Exercícios

94

3.6. Glossário

96

3.7. Bibliografia

97

3.8. Gabarito

98

Capítulo 4 - Análise de falhas elétricas

Objetivos

 

99

4.

Análise de falhas elétricas

10 1

4.1.

Identificação de uma falha no sistema por um

técnico de operação

102

4.2. Exercícios

105

4.3. Glossário

107

4.4. Bibliografia

108

4.5. Gabarito

109

10 2 4.2. Exercícios 105 4.3. Glossário 107 4.4. Bibliografia 108 4.5. Gabarito 109
17 Introdução N o final do século XIX, a energia elétrica alterou significativamente o processo

17

17 Introdução N o final do século XIX, a energia elétrica alterou significativamente o processo de

Introdução

N o final do século XIX, a energia elétrica alterou significativamente o processo de industrialização. O uso dessa nova constituição de energia alterou os padrões

de vida das populações, proporcionando novas formas de iluminação, comunicação, operação de motores e máquinas, e interferindo, sobretudo, nos processos industriais relacionados a essa conquista tecnológica.

Os equipamentos industriais, na sua maioria, são alimentados por

energia elétrica, através de ligações elétricas chamadas de circuitos elétricos. O diagrama elétrico representa graficamente as relações funcionais entre os componentes de um sistema elétrico. Muitas dessas informações são fundamentais e relevantes para a manutenção

da operacionalidade da produção em plantas de processamento de

gás e óleo.

Um diagrama unifilar representa uma simplificação necessária dos diagramas elétricos, pois grande parte das informações elétricas são primordiais para uma análise na visão operacional.

O conceito de comandos elétricos e proteções elétricas a eles

associadas são revisados com o objetivo de facilitar o entendimento do processo de análise de falhas e a seqüência de ações. Esse procedimento é essencial para permitir a correção de possíveis falhas nos equipamentos das plataformas de petróleo.

RESERVADO

RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO
RESERVADO

RESERVADO

Introdução aos diagramas unifilares

Introdução aos diagramas unifilares Ao final desse capítulo, o treinando poderá: • Explicar o que é
Introdução aos diagramas unifilares Ao final desse capítulo, o treinando poderá: • Explicar o que é
Introdução aos diagramas unifilares Ao final desse capítulo, o treinando poderá: • Explicar o que é
Introdução aos diagramas unifilares Ao final desse capítulo, o treinando poderá: • Explicar o que é
Introdução aos diagramas unifilares Ao final desse capítulo, o treinando poderá: • Explicar o que é

Ao final desse capítulo, o treinando poderá:

• Explicar o que é e qual a importância do diagrama unifilar;

• Identificar os diferentes símbolos gráficos usados nos diagramas unifilares.

RESERVADO

Alta Competência 20 RESERVADO

Alta Competência

20

Alta Competência 20 RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares 1. Introdução aos diagramas unifilares A maior parte dos

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

1. Introdução aos diagramas unifilares

A maior parte dos equipamentos existentes em uma área

industrial tem como fonte de energia a eletricidade.

Dessa forma, o acionamento de um dado equipamento,

através de um circuito elétrico, permitirá que um trabalho específico

se realize, contribuindo para o processo ao qual se destina.

Um sistema elétrico típico é formado por estações geradoras conectadas através de linhas de distribuição até as cargas. Entre a estação geradora e a carga temos diferentes componentes com as mais variadas finalidades.

A melhor maneira de representarmos esses circuitos elétricos e os

equipamentos associados a eles é através dos diagramas elétricos.

associados a eles é através dos diagramas elétricos. Importante! Os diagramas elétricos de uma planta de

Importante!

Os diagramas elétricos de uma planta de processo, contudo, são complexos e contêm informações des- necessárias para uma análise simplificada da dinâ- mica operacional dos equipamentos. Por isso, é ado- tada uma representação simplificada, denominada diagrama unifilar, onde os componentes do sistema são representados por símbolos.

21

Nesse tipo de representação, cada linha única equivale a um circuito, surgindo assim o conceito de diagrama unifilar, ou seja, diagrama de “um fio”.

Então, detalhes específicos da complexidade do diagrama elétrico são omitidos em favor de uma visão otimizada do sistema elétrico, permitindo, assim, a percepção das interações entre os equipamentos de uma planta de processo e, conseqüentemente, facilitando o saneamento mais ágil de falhas operacionais.

RESERVADO

Alta Competência A compreensão plena de todas as funcionalidades e especificidades de cada componente do

Alta Competência

A compreensão plena de todas as funcionalidades e especificidades

de cada componente do diagrama unifilar e dos equipamentos associados exige o domínio de conhecimentos próprios de um curso técnico de formação em eletricidade. Entretanto, é fundamental

a identificação dos componentes e equipamentos constantes em

configurações de sistemas típicos em plataformas de petróleo da Petrobras. Essas informações são importantes para que, em um dado processo ou equipamento, seja possível identificar os componentes elétricos associados, permitindo uma análise preliminar de defeito ou falha. As equipes de manutenção, a partir da sinalização do problema, irão aprofundar a pesquisa, identificação e resolução dos problemas sinalizados pela equipe de operação.

Em um diagrama unifilar, o sistema trifásico é representado por um sistema monofásico, indicando as partes componentes por símbolos padronizados.

22

A importância do diagrama unifilar é fornecer, de maneira concisa,

os dados mais significativos de um sistema de potência, bem como a sua topologia.

O esquema a seguir mostra, à esquerda, a representação unifilar,

simplificada, obtida a partir de um circuito trifilar, representado

à direita.

Ramal distribuidor F1 F2 F3 Fusíveis C1 Chave R1 Relé térmico M1 3~ M1 Motor
Ramal distribuidor
F1
F2
F3
Fusíveis
C1
Chave
R1
Relé térmico
M1
3~
M1
Motor
Exemplo simplificado representando um diagrama
unifilar e um trifilar
R1 Relé térmico M1 3~ M1 Motor Exemplo simplificado representando um diagrama unifilar e um trifilar

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Diversos tipos de informações podem ser obtidos, dependendo de

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

Diversos tipos de informações podem ser obtidos, dependendo de cada problema analisado, a partir da “leitura” de um diagrama unifilar. No estudo da proteção de um sistema, por exemplo,

relés e disjuntores
relés
e
disjuntores

informação da localização dos absolutamente relevante.

a

no circuito é

 

A

seguir, apresentamos um exemplo típico de um diagrama unifilar,

contendo diversos componentes de um circuito, tais como: chaves de manobra, dispositivos de medição, dispositivos de proteção, dispositivos de comando e outros equipamentos.

 

Exemplo de um diagrama unifilar simplificado

 

Os dispositivos são representados

literais
literais

por símbolos

(letras) e

símbolos gráficos.

T1

= Transformador de alimentação

T2

= Transformador de medição

23

para corrente

T3

= Transformador de medição

 
Disjuntor
Disjuntor
Disjuntor Secionador Secionador
Disjuntor
Secionador
Secionador

Q2 =

Q3 =

distribuição

Q4 =

Q1 =

para tensão

de entrada

para distribuição

sob carga de

Secionador-fusível para

manobra e proteção na distribuição

 

K1

T1 Q1 P3 /> P1 T2 A V T3 P2 F1,2,3 Q4 Q2 Q3 /
T1
Q1
P3
/>
P1
T2
A
V
T3
P2
F1,2,3
Q4
Q2
Q3
/ >
F6,7,8
F9,10,11
Q6
K6
K4
/>
Q5
K5
F21
K2

F3,4,5

M 3 ~
M
3 ~

F18

Q3 / > F6,7,8 F9,10,11 Q6 K6 K4 /> Q5 K5 F21 K2 F3,4,5 M 3
F12,13,14 K3
F12,13,14
K3

F19

F20

F15,16,17

G1

Q5 =

direta e carga

para manobra

de entrada para

Disjuntor
Disjuntor

Q6 =

ramal de motor P1 = Amperímetro para medição de corrente P2 = Voltímetro para medição de tensão

F1,2,3 = Fusíveis para proteção na distribuição

 

M

3 ~

M

3 ~

M

3 ~

F3,4, 5 até F12,13,14 = Fusíveis retardados dos ramais de motores F15,16,17 = Fusíveis ultra-rápidos para proteção dos componentes eletrônicos de potência

Relés
Relés

F18 até F21 =

de sobrecarga

para proteção dos motores

K1

dos motores G1 = Partida suave (soft-starter)

para proteção dos motores K1 dos motores G1 = Partida suave ( soft-starter ) a K5

a K5 =

Contatores para manobra

 

M

= Motores e outros

 

RESERVADO

Alta Competência Portanto, podemos perceber a importância que a simbologia tem para a representação adequada

Alta Competência

Portanto, podemos perceber a importância que a simbologia tem para a representação adequada dos diagramas unifilares.

1.1. Simbologia

Os símbolos têm por função representar algo através de analogia gráfica. Portanto, a simbologia utilizada nos diagramas unifilares tem por objetivo facilitar a interpretação de esquemas e diagramas de circuitos elétricos, permitindo a identificação dos componentes, equipamentos ou dispositivos que estejam representados por meio

literais .
literais
.

de símbolos gráficos ou

A

da Associação Brasileira de Normas Técnicas (

simbologia aqui apresentada foi estabelecida por diferentes normas

ABNT
ABNT

), entretanto, é

importante ressalvar que esses símbolos não são os únicos a serem utilizados em diagramas unifilares. O treinando deverá consultar o

24 projeto de sua Unidade para verificar a norma que orientou a produção do diagrama unifilar. Dessa maneira, será mais fácil identificar quais símbolos foram utilizados nesse diagrama específico.

1.2. Símbolos literais de identificação de elementos de circuitos

NBR
NBR
literais
literais

A

de circuito – estabelece que os símbolos

Norma

5280 – Símbolos

de identificação de elementos

literais
literais

devem ter letra

maiúscula inicial para identificar o elemento que pode ser seguida de números, letras ou combinação alfanumérica para particularizar cada componente do circuito.

Essa norma tem por objetivo facilitar a interpretação de esquemas e diagramas de circuitos, permitindo a identificação de seus elementos quando relacionados em uma lista de materiais. Ela recomenda que todos os novos projetos utilizem os símbolos estabelecidos e ressalta que os símbolos, nela tratados, não se aplicam aos circuitos já em uso.

os símbolos estabelecidos e ressalta que os símbolos, nela tratados, não se aplicam aos circuitos já

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Símbolo Componente Exemplos Conjuntos e A subconjuntos Equipam

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

Símbolo Componente Exemplos Conjuntos e A subconjuntos Equipam laser e maser. Combinações diversas. Sensores
Símbolo
Componente
Exemplos
Conjuntos e
A
subconjuntos
Equipam laser e maser. Combinações
diversas.
Sensores termoelétricos, células termoelétricas,
B
Transdutores
células fotoelétricas,
transdutores
a cristal,
microfones fonocaptores, gravadores de disco etc.
Componente que armazena energia em um
C
Capacitores
campo elétrico, acumulando um desequilíbrio
interno de carga elétrica.
D
Elementos binários,
dispositivos de
temporização,
dispositivos de memória
Elementos combinados, mono e bi-
estáveis, registradores, gravadores de
fita ou de disco.
E
Miscelânea
Dispositivos de iluminação, de aquecimento.
F
Dispositivos de proteção
Fusíveis, pára-raios, disparadores,
relés
etc.
G
Geradores, fontes de
alimentação
Geradores rotativos, alternadores,
conversores de freqüência, soft-starter,
baterias, osciladores etc.
25
Dispositivos de
H
Indicadores acústicos e ópticos.
sinalização
K
Relés,
contatores
Contatores
de potência e auxiliares.
L
Indutores
Bobinas de indução e de bloqueio.
M
Motores
Amplificadores,
N
reguladores
Componentes analógicos,
amplificadores de inversão, magnéticos,
operacionais, por válvulas, transistores.
P
Equipamentos de medição
e de ensaio
Instrumentos indicadores, registradores e
integradores, geradores de sinal, relógios.
Dispositivos de
Disjuntores,
secionador, interruptores
Q
manobra para circuitos
de potência
etc.
Reostatos, potenciômetros, termistores,
R
Resistores
resistores
em derivação, derivadores etc.
S
Seletores, chaves
Dispositivos e botões de comando e de
posição (fim-de-curso) e seletores.
T
Transformadores
Transformadores de distribuição, de
potência, de potencial, de corrente,
autotransformadores.

RESERVADO

Alta Competência 26 Símbolo Componente Exemplos U Moduladores, conversores Discriminadores,

Alta Competência

26

Símbolo

Componente

Exemplos

U

Moduladores, conversores

Discriminadores, demoduladores, codificadores, transmissores telegráficos etc.

V

Válvulas eletrônicas, semicondutores

Válvulas, válvulas sob pressão, diodos, transistores, tiristores etc.

W

Antenas, guias de transmissão e de onda

Jampers, cabos, barras coletoras, acopladores dipolos, antenas parabólicas.

X

Terminais, tomadas e plugues

Blocos de conectores e terminais, jaques etc.

Y

Dispositivos mecânicos operados mecanicamente

Freios, embreagens, válvulas pneumáticas etc.

 

Cargas corretivas, transformadores

 

Z

diferenciais. Equalizadores, limitadores

Rede de balanceamento de cabos, filtros a cristal etc.

Rede de balanceamento de cabos, filtros a cristal etc. atenÇÃo literais Os símbolos assinalados em negrito

atenÇÃo

literais
literais

Os símbolos

assinalados em negrito na tabela

anterior são aqueles mais comuns dentro da rotina dos técnicos de operação.

1.3. Símbolos gráficos

NBR
NBR

A

símbolos, símbolos qualitativos e outros símbolos de aplicação geral - estabelece a simbologia normalmente utilizada para gerar representações em diagramas.

de

Norma

12519

Símbolos

gráficos

de

elementos

-

A aplicação dessa norma deve ser acompanhada da leitura de normas complementares como:

• NBR
• NBR

12522: Descargas atmosféricas;

• NBR
• NBR

12528: Símbolos gráficos de transmissão em telecomunicações;

12522: Descargas atmosféricas; • NBR 12528: Símbolos gráficos de transmissão em telecomunicações; RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares • IEC 27: Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas; •

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

• IEC 27: Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas;

• IEC 364 – 4: Aparelhos de proteção e condições para desconexão;

• IEC 375: Instalação elétrica em navios;

• IEC 445: Identificação de equipamentos terminais e terminais de precisão;

• IEC

eletrotecnológicos;

617-12:

Símbolos

gráficos

de

diagramas

em

campos

• ISO 128: Desenhos técnicos e princípios gerais de apresentação.

1.3.1. Elementos de símbolos

27

Esses são símbolos qualitativos que podem representar quadros de cargas, motores elétricos, painéis etc.

Símbolo

 

Descrição

Forma 1

 
Forma 1     • Item;
 

• Item;

     

• Equipamento;

Forma 2

• Unidade funcional.

 

Nota: símbolos ou legendas apropriados para serem inscritos ou adicionados no símbolo para indicar o item, equipamento ou função.

Forma 3

 
Forma 3  

Forma 1

 
Forma 1   • Invólucro.

Invólucro.

 
   

Notas: a utilização do símbolo de invólucro é opcional. Um invólucro pode, de outra forma, ser utilizado:

a)

Se um invólucro for construído para assegurar uma

proteção especial, pode ser indicado por uma nota;

Forma 2

   

b)

Pode ser omitido se não trouxer confusão. Deve ser

 

desenhado, se houver uma conexão ligada a ele. Se necessário, o símbolo de invólucro pode ser decomposto em várias partes.

RESERVADO

Alta Competência   Símbolo   Descrição   • Fronteira para delimitar círculos. Notas:

Alta Competência

 

Símbolo

 

Descrição

 

Fronteira para delimitar círculos.

Notas:

a) É utilizada para indicar os constituintes associados

a)

É utilizada para indicar os constituintes associados

fisicamente ou funcionalmente.

b)

Qualquer combinação de traços curtos e longos pode

ser usada.

 

Blindagem.

     

Nota:

a)

A blindagem pode ser desenhada em qualquer forma

 

conveniente.

1.3.2. Natureza de corrente e de tensão

São símbolos utilizados para indicar os tipos e valores de tensão, freqüência do sistema, tipo de aterramento e número de condutores

28 de um dado circuito.

 

Símbolo

Descrição

   

Corrente contínua.

Forma 1

Notas:

a)

A tensão pode ser indicada à direita do símbolo e o

   
   

tipo sistema, à esquerda;

Forma 2

b)

A forma 2 pode ser usada se a forma 1 gerar dúvidas

na sua aplicação.

 

Exemplo:

2M - 220/110 V

Corrente contínua, três condutores incluindo um condutor médio, 220/110 V entre cada condutor e o condutor médio.

OBS: 2M pode ser substituído por 2 + M.

 

Corrente alternada.

Notas:

 
  a) O valor numérico da freqüência ou da faixa de freqüência pode ser adicionado ao

a) O valor numérico da freqüência ou da faixa de freqüência pode ser adicionado ao lado direito do símbolo.

 
  60 Hz Exemplo:

60 Hz

Exemplo:

 

Corrente alternada 60Hz.

100 Hz 600Hz Corrente alternada numa banda de freqüência de 100 kHz a 600 kHz.

100 Hz

600Hz

Corrente alternada numa banda de freqüência de 100 kHz a 600 kHz.

alternada 60Hz. 100 Hz 600Hz Corrente alternada numa banda de freqüência de 100 kHz a 600

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares   Símbolo Descrição   b) O número de fases

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

 

Símbolo

Descrição

 

b)

O número de fases e a existência de um neutro

podem ser indicados no lado esquerdo do símbolo.

Exemplo:

3N

60 Hz 400/230 V

60 Hz 400/230 V

Corrente alternada trifásica com neutro 60 Hz, 400 V (230V entre fase e neutro).

 

OBS: 3N pode ser substituído por 3 + N.

 

c)

Se necessário, indicar o sistema de acordo

com a designação estabelecida na IEC 354-3; a designação correspondente deve se adicionada.

 

3N

3N

60 Hz/TN-S

Exemplo:

 

Corrente alternada trifásica com neutro 60 Hz, sistema tendo um ponto diretamente aterrado e condutores neutro e de proteção separados completamente.

 

Nota:

Símbolos para diferentes faixas de freqüência

Os símbolos seguintes podem ser usados quando for necessário distinguir, num mesmo diagrama, as diferentes faixas de freqüência.

 

+

• Polaridade positiva.

 

-

• Polaridade negativa.

 

• Neutro.

 

N

Nota: este símbolo para condutor neutro é dado na norma IEC 445.

29

1.3.3. Funcionamento dependente de uma grandeza característica

São

comparação entre valores como tensão, corrente,

símbolos

que

representam

grandezas

caracterizadas

pela

impedância
impedância

etc.

Símbolo

Descrição

>

Funcionamento quando o valor da grandeza característica é maior do que o valor ajustado.

<

Funcionamento quando o valor da grandeza característica é menor do que o valor ajustado.

RESERVADO

Alta Competência Símbolo Descrição Funcionamento quando o valor da grandeza característica é maior do que

Alta Competência

Símbolo

Descrição

Funcionamento quando o valor da grandeza característica é maior do que um dado ajuste superior

Funcionamento quando o valor da grandeza característica é maior do que um dado ajuste superior ou menor do que um dado ajuste inferior.

= 0

Funcionamento quando o valor da grandeza característica torna-se zero.

 

Funcionamento quando o valor da grandeza característica

0

difere de zero de uma quantidade muito pequena, e comparada com o valor nominal.

1.3.4. Tipos de materiais

Os tipos de materiais devem ser representados por símbolos inseridos em retângulos. Eles podem ser indicados tanto pelo uso de símbolos químicos quanto por símbolos qualificadores. Algumas vezes um símbolo é associado a outro(s). Nesse caso, os retângulos podem ser

30 omitidos. Caso haja necessidade, você poderá consultar a ISO 128 e utilizar os símbolos para materiais que constam nela.

 

Símbolo

Descrição

   

• Material não-especificado.

 
  • Material sólido.

• Material sólido.

• Material semicondutor.

• Material semicondutor.

 
  • Material isolante.

• Material isolante.

1.3.5. Efeito ou dependência

Representam equipamentos que envolvam atuações relacionadas com determinado elemento físico tal como efeito térmico, eletromagnético, temporal etc.

relacionadas com determinado elemento físico tal como efeito térmico, eletromagnético, temporal etc. RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Símbolo Descrição • Efeito térmico. • Efeito

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

Símbolo

Descrição

• Efeito térmico.

• Efeito térmico.

• Efeito eletromagnético.

• Efeito ou dependência de campo magnético.

• Efeito ou dependência de campo magnético.

• Efeito de retardo (temporização).

• Efeito de retardo (temporização).

1.3.6. Dispositivos e métodos de controle

Indicam a forma de acionamento e sua influência no controle de outros dispositivos.

Símbolo

Descrição

• Controle operado manualmente (símbolo geral).

• Controle operado manualmente (símbolo geral).

• Controle operado manualmente; acesso restrito.

• Controle operado manualmente; acesso restrito.

• Chave de emergência.

• Chave de emergência.

• Controle operado por volante.

• Controle operado por volante.

• Controle operado por pedal.

• Controle operado por pedal.

• Controle operado por alavanca.

• Controle operado por alavanca.

• Controle manual removível.

• Controle manual removível.

• Controle operado por chave.

• Controle operado por chave.

• Controle operado por manivela.

• Controle operado por manivela.

• Controle operado por tambor, rolete ou rodízio.

• Controle operado por tambor, rolete ou rodízio.

 

• Controle operado por ressalto.

Nota:

Nota:

Se necessário, um desenho mais detalhado do ressalto pode ser mostrado. Isto se aplica também a um dispositivo linear.

31

RESERVADO

Alta Competência Símbolo Descrição • Perfil do ressalto. • Desenvolvimento do perfil do ressalto. •

Alta Competência

Símbolo Descrição • Perfil do ressalto. • Desenvolvimento do perfil do ressalto. • Controle do
Símbolo
Descrição
• Perfil do ressalto.
• Desenvolvimento do perfil do ressalto.
• Controle do ressalto e rolete.
• Controle operado por energia mecânica armazenada.
• Controle hidráulico ou pneumático de ação simples.
• Controle hidráulico ou pneumático de ação simples.
• Controle eletromagnético.
• Controle operado por proteção eletromagnética de
32
sobrecorrente
.
Controle operado por atuador térmico, por exemplo,
proteção térmica de
sobrecorrente
.
M
• Controle operado por motor elétrico.
• Controle operado por relógio elétrico.
1.3.7. Conexões à terra e à massa, equipotencialidade
Representam os pontos do circuito em que os equipamentos estão
conectados a um potencial elétrico em comum.
Símbolo
Descrição
Terra
(símbolo geral).
Nota:
Informações suplementares podem ser dadas para definir a
categoria ou propósito da
terra
, se isso não for evidente.
Terra
de proteção.
Nota:
Este símbolo pode ser usado para indicar a conexão de
terra
tendo uma função de proteção especificada, por exemplo,
para a proteção contra choque elétrico, no caso de uma falha.

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Símbolo Descrição • Massa (Chassis). Nota: Os traços

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

Símbolo Descrição • Massa (Chassis). Nota: Os traços podem ser completamente ou parcialmente omitidos se

Símbolo

Descrição

Símbolo Descrição • Massa (Chassis). Nota: Os traços podem ser completamente ou parcialmente omitidos se não

• Massa (Chassis).

Nota:

Os traços podem ser completamente ou parcialmente omitidos se não houver ambigüidade. Se os traços são completamente omitidos, o traço representando a massa deve ser mais espesso.

o traço representando a massa deve ser mais espesso. • Equipotencialidade . 1.3.8. Diversos São usados
• Equipotencialidade
Equipotencialidade

.

1.3.8. Diversos

São usados para representar características gerais de situações não padronizadas. No exemplo a seguir, temos o símbolo de um conversor de grandezas físicas.

33

Símbolo

Descrição

 

• Conversor (símbolo geral).

Nota:

a)

Se a direção da conversão não é evidente, pode-se indicá-la por

uma flecha num dos lados do símbolo; b) Um símbolo ou legenda indicando a quantidade

uma flecha num dos lados do símbolo; b) Um símbolo ou legenda indicando a quantidade de entrada e de saída, forma de onda etc, pode ser inserido em cada metade

NBR
NBR

do símbolo geral para mostrar a natureza da conversão. Ver

NBR
NBR

12522 e

c)

12528;

A linha diagonal deste símbolo geral pode ser simplificada sob a

 

forma de uma barra inclinada para indicar a função de conversão.

Ver NBR
Ver
NBR

12529 e IEC 617-12.

1.4. Símbolos gráficos de produção e conversão de energia elétrica

O objetivo dessa simbologia é estabelecer os símbolos gráficos de produção e conversão de energia elétrica. A aplicação da Norma

NBR

elétrica - responsável pela padronização desses símbolos, deve ser acompanhada da consulta a documentos complementares como as normas:

12522 - Símbolos gráficos de produção e conversão de energia

a documentos complementares como as normas: 12522 - Símbolos gráficos de produção e conversão de energia

RESERVADO

Alta Competência • NBR 5356: Transformadores de potência; • NBR 12519: Símbolos gráficos de elementos

Alta Competência

• NBR
• NBR

5356: Transformadores de potência;

• NBR
• NBR

12519: Símbolos gráficos de elementos de símbolos,

símbolos qualificativos e outros;

• NBR
• NBR

12521: Símbolos gráficos de componentes passivos;

• IEC 375 : Instalações elétricas em navios.

1.4.1. Enrolamentos conectados interiormente

Representam a forma como os enrolamentos de equipamentos estão ligados internamente.

34

Símbolo

 

Descrição

 

Enrolamento trifásico em triângulo.

Nota:

Nota:

Esse símbolo pode também ser usado para representar enrolamentos multifásicos conectados.

• Enrolamento trifásico em triângulo aberto.

• Enrolamento trifásico em triângulo aberto.

 

• Enrolamento trifásico em estrela.

 

Nota:

Esse símbolo pode também ser usado para representar enrolamentos multifásicos conectados em estrela pela adição

Esse símbolo pode também ser usado para representar enrolamentos multifásicos conectados em estrela pela adição de um algarismo indicando o número de fases.

pela adição de um algarismo indicando o número de fases. atenÇÃo A NBR 5356 - Especificação

atenÇÃo

A NBR
A NBR

5356 - Especificação de transformadores de

potência - também indica o modo de representação da conexão dos enrolamentos de transformadores.

de potência - também indica o modo de representação da conexão dos enrolamentos de transformadores. RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares 1.4.2. Tipos de máquinas São símbolos que indicam a

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

1.4.2. Tipos de máquinas São símbolos que indicam a existência de máquinas elétricas como motores,
1.4.2.
Tipos de máquinas
São símbolos que indicam a existência de máquinas elétricas como
motores, geradores e conversores.
Símbolo
Descrição
Máquina (símbolo geral).
Nota:
O asterisco deve ser substituído por um dos seguintes símbolos
literais
:
C
= Conversor síncrono;
G
= Gerador;
GS = Gerador síncrono;
M = Motor;
MG = Máquinas que podem operar como gerador ou motor;
MS = Motor síncrono.
35
Motor de indução trifásico com rotor em curto circuito ou
em gaiola.
Motor de indução monofásico com rotor em curto circuito
ou em gaiola, com os terminais de fase auxiliar externos.
1.4.3.
Transformadores e reatores
São símbolos que representam as duas formas de representação dos
transformadores e reatores.
Símbolo
Descrição
Forma 1
• Transformador com dois enrolamentos.
Nota:
As polaridades instantâneas das tensões podem ser indicadas na
forma 2 do símbolo.
Forma 2

RESERVADO

Alta Competência Símbolo • Reator. Descrição • Transformador de corrente; • Transformador de impulso.
Alta Competência Símbolo • Reator. Descrição • Transformador de corrente; • Transformador de impulso.

Alta Competência

Símbolo

Símbolo • Reator. Descrição • Transformador de corrente; • Transformador de impulso. 1.4.4. Conversores de

• Reator.

Descrição

• Transformador de corrente;

• Transformador de impulso.

1.4.4. Conversores de potência

Representam conversores indicando a grandeza elétrica a ser convertida.

36

Símbolo

Descrição

• Conversor de corrente contínua.

• Conversor de corrente contínua.

• Retificador.

• Retificador.

• Inversor.

• Inversor.

1.4.5. Pilhas e acumuladores

Elementos representativos de fontes de tensão contínua, tais como:

pilhas, baterias e acumuladores em geral.

Símbolo

 

Descrição

 

• Elemento de pilha ou acumulador.

 

Nota:

a)

O traço longo refere-se ao pólo positivo. O traço

curto refere-se ao pólo negativo. O traço curto pode ser reforçado;

curto refere-se ao pólo negativo. O traço curto pode ser reforçado;

b)

Esse símbolo pode ser usado para designar uma

 

bateria, se não houver risco de dúvidas. Caso contrário, há necessidade de se indicar a tensão ou o número e o tipo dos elementos.

risco de dúvidas. Caso contrário, há necessidade de se indicar a tensão ou o número e

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Símbolo Descrição Forma 1 • Bateria de acumulador ou

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

Símbolo

Descrição

Forma 1

Forma 1 • Bateria de acumulador ou pilhas.

• Bateria de acumulador ou pilhas.

Nota:

Forma 2

Forma 2 O traço longo refere-se ao pólo positivo. O traço curto refere-se ao pólo negativo.

O traço longo refere-se ao pólo positivo. O traço curto refere-se ao pólo negativo. O traço curto pode ser reforçado.

1.5. Símbolos gráficos de equipamentos de manobra e controle e de dispositivos de proteção

NBR
NBR

A norma

12523 - Símbolos gráficos de equipamentos de

manobra e controle e de dispositivos de proteção - estabelece a simbologia utilizada para representar graficamente equipamentos

comutadores
comutadores
disjuntores
disjuntores

como contatos,

, interruptores,

etc. No uso

dessa norma, devem ser consultadas as normas:

• NBR
• NBR

5175: Código numérico das funções dos dispositivos de

manobra, controle e proteção de Sistemas de Potência;

• NBR
• NBR

12519: Símbolos gráficos de elementos de símbolos,

símbolos qualificativos e outros símbolos de aplicação geral;

37

• IEC 27: Conceito Fieldbus intrinsecamente seguro (FISCO);

• IEC 113-4: Guia para elaboração de diagramas, gráficos e tabelas para eletrotécnica;

• IEC117-3: Símbolos gráficos utilizados em eletrotécnica;

• ISO 31: Quantidades e unidades (International Organizacion for Standartization, 1992).

Cada símbolo representa a função de um contato ou de um instrumento e não necessariamente a estrutura física do dispositivo simbolizado.

RESERVADO

Alta Competência Em grande parte dos símbolos dos dispositivos, principalmente de proteção, pode ser adicionado

Alta Competência

Em grande parte dos símbolos dos dispositivos, principalmente de proteção, pode ser adicionado um pequeno círculo representando uma função de aplicabilidade específica. Algumas vezes esse círculo é imprescindível para que o símbolo seja compreendido.

1.5.1. Contatos com duas ou três posições

Representam a condição do contato quando o equipamento está em repouso.

38

Símbolo

Descrição

Forma 1

Forma 1 • Contato de fechamento (contato normalmente aberto).

Contato de fechamento (contato normalmente aberto).

Forma 2

Forma 2 Nota: este símbolo é igualmente usado como símbolo geral de interruptor.

Nota: este símbolo é igualmente usado como símbolo geral de interruptor.

 
  • Contato de abertura (contato normalmente fechado).

Contato de abertura (contato normalmente fechado).

 
  Contato de duas direções sem cruzamento (abertura antes do fechamento). •

Contato de duas direções sem cruzamento (abertura antes do fechamento).

 
  Contato de duas direções com posição intermediária de abertura. •

Contato de duas direções com posição intermediária de abertura.

Forma 1

Forma 1 •

Forma 2

Forma 2 Contato de duas direções com cruzamento (fechamento antes da abertura).

Contato de duas direções com cruzamento (fechamento antes da abertura).

• Forma 1 • Forma 2 Contato de duas direções com cruzamento (fechamento antes da abertura).

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Símbolo Descrição • Contato com dois fechamentos. •

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

Símbolo

Descrição

• Contato com dois fechamentos.

• Contato com dois fechamentos.

• Contato com duas aberturas.

• Contato com duas aberturas.

1.5.2. Comutadores unipolares

Representam contatos em que o acionamento ocorre por um tipo específico de ação mecânica.

39

Símbolo

Símbolo Descrição • Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral). • Comutador de fechamento
Símbolo Descrição • Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral). • Comutador de fechamento
Símbolo Descrição • Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral). • Comutador de fechamento
Símbolo Descrição • Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral). • Comutador de fechamento
Símbolo Descrição • Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral). • Comutador de fechamento
Símbolo Descrição • Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral). • Comutador de fechamento

Descrição

• Contato de fechamento com controle manual (símbolo geral).

• Comutador
Comutador

de fechamento operado pela ação de

“empurrar” (com retorno automático).

pela ação de “empurrar” (com retorno automático). • Comutador de fechamento operado pela ação de
• Comutador
Comutador

de fechamento operado pela ação de

“puxar” (com retorno automático).

pela ação de “puxar” (com retorno automático). • Comutador automático). rotativo de fechamento
• Comutador
Comutador

automático).

rotativo de fechamento (sem retorno

RESERVADO

Alta Competência 1.5.3. Interruptores de posição São símbolos que indicam a posição de um equipamento

Alta Competência

1.5.3. Interruptores de posição São símbolos que indicam a posição de um equipamento ou componente
1.5.3.
Interruptores de posição
São símbolos que indicam a posição de um equipamento ou
componente dele em uma determinada referência.
Símbolo
Descrição
• Interruptor de posição, fechamento de contato.
• Interruptor de posição, contato de abertura.
40
Interruptor de posição, com dois circuitos distintos,
acionado mecanicamente nos dois sentidos.
1.5.4.
Interruptores funcionando sob efeito de temperatura
Indicam interruptores que mudam de posição sob influência de uma
determinada temperatura, previamente definida.
Símbolo
Descrição
Interruptor funcionando sob efeito da temperatura,
contato de fechamento.
Nota:
O símbolo θ pode ser substituído pelos valores da temperatura
de funcionamento.
Interruptor funcionando sob efeito da temperatura,
contato de abertura.
OBS: A nota anterior se aplica aqui da mesma forma.
Interruptor atuado por efeito térmico direto, contato de
abertura.

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares 1.5.5. Contatos que atuam sob efeito de variação de

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

1.5.5. Contatos que atuam sob efeito de variação de velocidade, comutadores de mercúrio e de nivelamento

Interruptores que mudam de estado de acordo com a alteração de inclinação ou de inércia.

41

1.5.6. Dispositivos mecânicos de conexão/manobra

São símbolos que indicam o tipo de dispositivos mecânicos ou de manobra em um dado circuito elétrico.

Símbolo

Descrição

• Contator com contato de fechamento.
• Contator
Contator

com contato de fechamento.

• Contator com abertura automática.
• Contator
Contator

com abertura automática.

• Contator
Contator

com contato de abertura.

Símbolo

Símbolo Descrição • Interruptor à inércia (acionado por uma desaceleração brusca). • Comutador a
Símbolo Descrição • Interruptor à inércia (acionado por uma desaceleração brusca). • Comutador a
Símbolo Descrição • Interruptor à inércia (acionado por uma desaceleração brusca). • Comutador a

Descrição

• Interruptor à inércia (acionado por uma desaceleração brusca).

• Comutador
Comutador

a mercúrio, três terminais;

• Comutador
Comutador

a nivelamento, três terminais.

RESERVADO

Alta Competência 42 Símbolo Descrição • Disjuntor. • Secionador. • Secionador

Alta Competência

42

Símbolo

Descrição

• Disjuntor.
• Disjuntor.
Disjuntor.
• Secionador.
• Secionador.
Secionador.
• Secionador intermediária. de duas direções, com posição de isolamento
• Secionador
Secionador

intermediária.

de duas direções, com posição de isolamento

secionador. • Interruptor-
secionador.
secionador.

• Interruptor-

secionador • Interruptor- com abertura automática.
secionador
secionador

• Interruptor-

com abertura automática.

1.5.7. Órgãos de controle de relés eletromecânicos

Normalmente representa uma bobina responsável pelo acionamento

de um relé ou de uma
de um
relé
ou de uma
contatora .
contatora
.

Símbolo

Descrição

Forma 1

Forma 1 relé relé • Órgão de controle de (símbolo geral). Nota: Um órgão de controle
relé relé
relé
relé

• Órgão de controle de

(símbolo geral).

Nota: Um órgão de controle de um

, comportando vários

Forma 2

Forma 2 enrolamentos, pode ser representado pela inclusão de um número apropriado de traços inclinados ou

enrolamentos, pode ser representado pela inclusão de um número apropriado de traços inclinados ou pela repetição desses símbolos.

representado pela inclusão de um número apropriado de traços inclinados ou pela repetição desses símbolos. RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares 1.5.8. Fusíveis e interruptores fusíveis Símbolo que representa um

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

1.5.8. Fusíveis e interruptores fusíveis

Símbolo que representa um dos dispositivos de proteção de curto- circuito e equipamentos de manobra que podem estar associados.

Símbolo

Descrição

• Fusível (símbolo geral).

• Fusível interruptor.

• Fusível interruptor.

secionador . • Fusível
secionador .
secionador
.

• Fusível

secionador • Fusível interruptor- .
secionador
secionador

• Fusível interruptor-

.

43

1.6. Código numérico de funções dos dispositivos de manobra, controle e proteção de sistemas elétricos

NBR
NBR

A

das funções dos dispositivos de manobra, controle e proteção de sistemas de potência, contém uma numeração padronizada que permite a identificação de componentes e funções de proteção

e

5175 - Código numérico

tabela de códigos numéricos da norma

comando em diagramas elétricos. A aplicação dessa norma deve

NBR
NBR

5459

NBR
NBR

Manobra e proteção de circuitos e

relés
relés

5465 - Eletrotécnica e

ser feita a partir da consulta às normas complementares

-

eletrônica;

NBR
NBR

elétricos; terminologia. A numeração da norma

5175 substitui uma tabela com função semelhante estabelecida pela

ANSI .
ANSI
.

American National Standards Institute denominada tabela

A numeração a seguir pode representar o papel desempenhado pelo

dispositivo em um equipamento ou pode indicar uma grandeza - elétrica ou não - que o dispositivo é sensível.

RESERVADO

Alta Competência   Nº   Denominação 1 Elemento Mestre.   2 Relé de tempo de

Alta Competência

 

 

Denominação

1

Elemento Mestre.

 

2

Relé

de tempo de partida e fechamento.

 

3

Relé

de verificação de

intertravamento

.

4

Contator

mestre.

 

5

Dispositivo de parada.

 

6

Dispositivo de partida.

 

7

Dispositivo de anodo.

 

8

Dispositivo desligador de circuito de controle.

9

Dispositivo de reversão.

 

10

Chave de seqüência das unidades.

 

11

Reservado para aplicação futura.

 

12

Dispositivo de velocidade síncrona.

 

13

Dispositivo de rotação síncrona.

 

14

Dispositivo de sub-velocidade.

 

15

Dispositivo equalizador de velocidade ou freqüência.

44

16

Dispositivo de carga para bateria.

 

(Na tabela

ANSI

esse código está “Reservado para aplicação futura”).

17

Chave de contorno ou de descarga.

 

18

Dispositivo de aceleração ou desaceleração.

19

Dispositivo de transição partida/ funcionamento.

20

Válvula operada eletricamente.

 

21

Relé

de distância.

 

22

Disjuntor

equalizador.

 

23

Dispositivo de controle de temperatura.

 

24

Relé

de

sobreexcitação

ou Volts por Hertz.

 

25

Dispositivo de sincronização ou de verificação de sincronismo.

26

Dispositivo térmico do equipamento.

 

27

Relé

de subtensão.

 

28

Detector de chama.

 

(Na tabela

ANSI

esse código está “Reservado para aplicação futura”).

29

Secionador.

 

30

Relé

anunciador.

 

31

Dispositivo de

excitação

separada.

32

Relé

direcional de potência.

 

33

Chave de posição.

 

34

Dispositivo mestre de seqüência.

 

35

Dispositivo para posicionamento de escovas ou de curto-circuito de anéis coletores.

36

Dispositivo de verificação de polaridade ou da tensão de polarização.

37

Relé

   
     

de subcorrente ou subpotência.

 
polarização. 37 Relé           de subcorrente ou subpotência.   RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares Nº   Denominação 38 Dispositivo de proteção de

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

 

Denominação

38

Dispositivo de proteção de mancal.

 

39

Monitor de condição mecânica.

 

(Na tabela

ANSI

esse código está “Reservado para aplicação futura”).

40

Relé

de campo.

 

41

Disjuntor

 

de campo.

 

42

Dispositivo (

contator

) de funcionamento.

 

43

Dispositivo manual de transferência ou seletor manual.

44

Relé

de partida seqüencial da unidade.

 

45

Monitor de condição atmosférica.

ANSI
ANSI

(Na tabela

esse código está “Reservado para aplicação futura”).

46

Relé

de corrente de seqüência negativa.

 

47

Relé

de tensão de seqüência de fase.

 

48

Relé

de seqüência incompleta.

 

49

Relé

térmico de equipamento.

 

50

Relé

instantâneo de

sobrecorrente

.

51

Relé

de

sobrecorrente

de

CA

de tempo definido ou inverso.

52

Disjuntor

 

de

CA

.

53

Relé

de

excitação

de gerador de

CC

.

 

Reservado para aplicação futura.

 

54

ANSI
ANSI
disjuntor
disjuntor

(A

velocidade).

tabela

associa esse código ao

para corrente contínua de alta

55

Relé

de fator de potência.

 

56

Relé

de aplicação de campo.

 

57

Dispositivo de curto-circuito ou de aterramento.

58

Relé

de falha de retificação.

 

59

Relé

de sobretensão.

 

60

Relé

de equilíbrio de tensão ou de corrente.

 

61

Reservado para aplicação futura.

 

(A

tabela

ANSI

associa esse código ao

Relé

de balanço de corrente).

62

Relé

de tempo de parada ou de abertura.

 

63

Relé

de pressão.

 

64

Relé

detector de

terra

.

65

Regulador de fluxo ou vazão.

 

66

Dispositivos de atuação intermitente.

(A

ANSI
ANSI
Relé
Relé

tabela

associa esse código ao

de supervisão de número de partidas).

67

Relé

direcional de

sobrecorrente

de

CA

.

68

Relé

de bloqueio de abertura.

 

69

Dispositivo de controle permissível.

 

45

RESERVADO

Alta Competência   Nº   Denominação 70 Reostato.   71 Relé de nível.  

Alta Competência

 

 

Denominação

70

Reostato.

 

71

Relé

de nível.

 

72

Disjuntor

de

CC

.

73

Contator

de

resistor

de carga.

 

74

Relé

de alarme.

 

75

Mecanismo de mudança de posição.

76

Relé

de

sobrecorrente

de

CC

.

77

Transmissor de pulsos.

 

78

Relé

de medida de ângulo de fase ou de sincronismo.

79

Relé

de religamento de

CA

.

80

Relé

de fluxo.

 

(Na tabela

ANSI

esse código está “Reservado para aplicação futura”).

81

Relé

de freqüência.

 

82

Relé

de religamento de

CC

.

83

Relé

de controle seletivo ou de transferência.

46

84

Mecanismo de acionamento.

 

85

Relé

de recepção por onda portadora ou fio piloto.

86

Relé

de bloqueio de operação.

 

87

Relé

diferencial.

 

88

Motor ou motor-gerador auxiliar.

 

89

Secionadora

com acionamento elétrico.

90

Dispositivo de regulação.

 

91

Relé

direcional de tensão.

 

92

Relé

direcional de tensão e potência.

93

Contator

de variação de campo.

 

94

Relé

de abertura ou permissão de abertura.

95 a 99

Usado para aplicações específicas.

1.6.1. Tabela ANSI

NBR
NBR

A tabela da norma

5175 - Código numérico das funções dos

dispositivos de manobra, controle e proteção de sistemas de potência - foi proposta como uma versão para uma tabela similar denominada

ANSI
ANSI

tabela

. Contudo, é importante ressaltar que existem algumas

funções diferentes indicadas para um mesmo código quando consideramos as duas tabelas. Alguns códigos numéricos da tabela

ANSI
ANSI

, indicados como “deixados para aplicações futuras”, aparecem

NBR
NBR

5175 por outras funções. Para o técnico de

definidos na norma

aplicações futuras”, aparecem NBR 5175 por outras funções. Para o técnico de definidos na norma RESERVADO

RESERVADO

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares operação que lida com um diagrama elétrico é sempre

Capítulo 1. Introdução aos diagramas unifilares

operação que lida com um diagrama elétrico é sempre fundamental saber qual das duas referências foi utilizada na construção do diagrama unifilar em questão.

A tabela ANSI oferece ainda funções complementares que não são indicadas na tabela da Norma
A tabela
ANSI
oferece ainda funções complementares que não
são indicadas na tabela da Norma 5175. A seguir apresentamos
essas funções:
50
N
Sobrecorrente
instantâneo de neutro.
50G
Sobrecorrente
instantâneo de
terra
(comumente chamado 50GS).
50BF
Relé
de proteção contra falha de
disjuntor
(também chamado de 50/62 BF).
51N
Sobrecorrente
temporizado de neutro (tempo definido ou curvas inversas).
Sobrecorrente
temporizado de
terra
(comumente chamado 51GS e com tempo
51G
definido ou curvas inversas).
Relé
de
sobrecorrente
temporizado de seqüência negativa com tempo definido
51Q
ou curvas inversas.
51V
Relé
de
sobrecorrente
com restrição de tensão.
51C
Relé
de
sobrecorrente
com controle de torque.
59Q
Relé
de sobretensão de seqüência negativa.
Relé
de sobretensão residual ou sobretensão de neutro (também chamado de
59N
64G).
Relé
detector de
terra
.
Os diagramas unifilares devem indicar se este elemento é alimentado por
Transformador de Corrente (
TC
) ou por Transformador de Potencial (
TP
), para que
se possa definir corretamente.
64
Se for alimentado por
TC
, também pode ser utilizado como uma unidade 51 ou 61;
Se for alimentado por
TP, pode-se utilizar uma unidade 59N ou 64G.
A função 64 também pode ser encontrada como proteção de carcaça, massa-
cuba ou tanque, sendo aplicada em transformadores de força até 5 MVA.
67
N
Relé
de
sobrecorrente
direcional de neutro (instantâneo ou temporizado).
67
G
Relé
de
sobrecorrente
direcional de
terra
(instantâneo ou temporizado).
67Q
Relé
de
sobrecorrente
direcional de seqüência negativa.

47

RESERVADO

Alta Competência 1.7. Exercícios 1) O que são os diagramas unifilares? 2) Correlacione os símbolos

Alta Competência

1.7. Exercícios

1) O que são os diagramas unifilares?

2) Correlacione os símbolos literais (D, F, G, H, K, L, M, Q, R, S, T e X) com os componentes que eles representam, seguindo o exemplo da primeira linha, onde a letra “A” é utilizada para simbolizar conjuntos e subconjuntos.

48

( A )

Conjuntos e subconjuntos

El