Você está na página 1de 6

Semântica

Introdução

A linguística é o ramo científico que estuda a linguagem. Divide-se em diversos


sub-ramos de estudo, dentre os quais: a fonética, responsável pelo estudo dos
sons; a morfologia, que estuda a formação e a classe gramatical das palavras; a
sintaxe, que estuda a relação que as palavras estabelecem entre si na formação
das frases gramaticais; e, ainda, a semântica.

A semântica é o ramo da linguagem responsável pelo estudo do significado das


palavras, bem como do sentido essas assumem quando contextualizadas.

Polissemia

A propriedade que possuem algumas palavras de apresentar diferentes


significado em diferentes contextos é a chamada polissemia.

Exemplos:

 “Mão”: o exemplo da palavra mão, apresentando no vídeo, é clássico pela


diversidade de sentidos que essa palavra pode assumir a depender do
contexto:
Eu feri minha mão.

Lavei minhas mãos para essa questão.

Minha mãe tem mão para a cozinha.

Passaram a mão na minha carteira.

Chegou a sua vez de colocar a mão na massa!

 “Fria”
Sua mão está fria.

Aquela festa foi uma fria!

Amanda é uma pessoa fria.

 “Pena”:
Comprei um brinco de pena de pavão.

Vale a pena esperar.

Ambiguidade

A ambiguidade diz respeito ao duplo sentido que pode existir em uma palavra,
em uma frase, ou mesmo em um texto inteiro, a depender do contexto.

Conforme esclarece Fernando Pestana, a duplicidade de sentidos pode decorrer


de diversos fatores, dentre os quais o autor trabalha: a distinção entre agente e
paciente, o mau uso do pronome, a má colocação de palavras, o mau uso de
pronomes relativos, a polissemia, dentre outros.

Exemplos:

 A vídeo-aula oferece alguns exemplos a serem retomados:


O pai falou com o filho caído no chão. (Quem estava caído no chão?)

O eletricista veio e arrumou o seu chuveiro. (O chuveiro de quem?)

 Outros exemplos:

Maria encontrou Isabel saindo do apartamento. (Qual das duas estava saindo do
apartamento?)

Saíram para passear Isabel, Roberto e seu sogro. (O sogro de quem?)

Conotação e Denotação

Também essencial para o estudo da semântica é a compreensão dos conceitos


de denotação e conotação. A denotação diz respeito à utilização das palavras
em seu sentido literal, ou seja, aquele que encontra no dicionário. Já a
conotação é a utilização das palavras em sentido diverso desse primário; uma
palavra apresenta sentido conotativo quando está sendo utilizada de forma
simbólica, figurada.

Exemplos:
Aqui mostra-se útil recorrermos aos exemplos oferecidos no estudo da
Polissemia.
 “Mãos”
Elias tem mãos grandes. (A palavra “mãos” foi utilizada em seu sentido
denotativo, ou literal, para se referir ao membro do corpo humano.)

Lavei as mãos para esse problema. (Nesse exemplo, a palavra “mãos” é utilizada
em seu sentido conotativo, simbólico, na expressão “lavar as mãos”)

 “Pena”
Comprei um brinco de pena de pavão. (Sentido denotativo)

Vale a pena esperar. (Sentido conotativo)

Hiperonímia e Hipomínia

Pestana define hiperônimo como uma palavra cujo significado inclui o sentido
de outras palavras, ou seja, é um gênero que inclui todas os seres de uma
espécie.

Exemplos:

Animal é o hiperônimo de gato, cachorro, baleia, gaivota, dentre outros.

Cor é o hiperônimo de verde, azul, violeta, dentre outros.

Ainda segundo Pestana, hipônimo será uma palavra de significação específica.

Exemplos:

Uva, abacate e maçã são hipônimos de fruta.

Vestido, blusa, casaco são hipônimos de roupa.

Homonímia

Homônimos são palavras que possuem a mesma pronúncia e/ou a mesma


grafia, porém têm significado distintos.

Conforme Pestana elabora em sua gramática, os vocábulos homônimos podem


ser de três tipos: homófonos, homógrafos ou perfeitos.
O autor define como homófonos são aqueles que possuem a mesma pronúncia,
porém grafia distinta.

Exemplos:

Acender (iluminar) Ascender (subir)


Acento (sinal gráfico) Assento (local para sentar-se)
Censo (recenseamento) Senso (entendimento, compreensão)
Acerto (ato de acertar) Asserto (afirmação)
Concerto (sessão musical) Conserto (reparo)
Concertar (ajustar, combinar) Consertar (reparar, corrigir)
Espirar (soprar, exalar ar) Expirar (terminar)
Incipiente (principiante, iniciante) Insipiente (ignorante, imprudente)
Estrato (camada social) Extrato (extração, sumo)
Seção (parte) Sessão (reunião de pessoas)
Taxar (estabelecer uma taxa) Tachar (censurar, depreciar)
Cela (aposento de prisioneiros) Sela (arreio de cavalo)

Estabelece, ainda, como homógrafos aqueles que possuem a mesma grafia,


porém são pronunciados de formas diferente.
Exemplos:

Almoço (pode ser tanto a refeição quanto a forma verbal, a depende da


pronúncia)

Conserto (pode significar reparo, ou a forma verbal do verbo consertar, a


depender da pronúncia)

Gosto (pode significar sabor, ou ser a forma verbal do verbo gostar, a depender
da pronúncia)

E, por último, os perfeitos são aqueles que possuem a mesma grafia e a


mesma pronúncia.
Exemplos:

Casa (moradia, lar) Casa (forma do verbo casar)


Janta (refeição) Janta (forma do verbo jantar)
Cedo (advérbio) Cedo (forma do verbo ceder)
Livre (liberto) Livre (forma do verbo livrar)
Manga (fruta) Manga (parte da camisa)

Sinonímia

Sinônimos são palavras que possuem sentido igual ou parecido. De fato, como
esclarece Pestana, não existem sinônimos perfeitos, ou seja, que possuam
exatamente o mesmo significado.

Exemplos:

Belo e bonito Adversidade e problema


Apresentar e expor Bruxa e feiticeira
Clamo e tranquilo Casa e lar
Alegria e felicidade Alegre e contente
Longe e distante Bravo e irritado

Antonímia
Os antônimos, ao contrário, são palavras que possuem sentidos opostos.

Exemplos:

Claro e escuro Sair e entrar


Fácil e difícil Amor e ódio
Alto e baixo Ativo e inativo
Aberto e fechado Quente e frio
Feio e bonito Presente e ausente
Bem e mal Rápido e lento
Bom e mau Rico e pobre
Certo e errado Seco e molhado
Grande e pequeno Amigo e inimigo
Chegar e partir Levantar e cair
Progredir e regredir Simpático e antipático
Forte e fraco Doce e salgado
Referências bibliográficas utilizadas para elaboração do material
complementar:

Pestana, Fernando A gramática para concursos públicos – 1. ed. – Rio de


Janeiro: Elsevier, 2013