Você está na página 1de 36

Transtornos do Espectro Autista

Ana Rita Bruni


Psicopedagoga
Unifesp
2013
Introdução
• Dentre os diagnósticos mais complexos e
intrigantes da Psiquiatria => Transtornos
Globais ou Invasivos do Desenvolvimento.
• conjunto muito heterogêneo de condições.
• principais pontos em comum:
- comprometimento da sociabilidade,
- início precoce ( antes 3 anos)
- curso crônico
Heterogeneidade Clínica TEA

Sociabilidade

Comportamentos
Comunicação TEA Repetitivos

Sintomas
Associados
SOCIABILIDADE
• ↓ Reciprocidade afetiva
– ↓ Sorriso social
– ↓ Contato visual
– Não seguem objetos com os olhos
– ↓ responsividade à visão da face humana ou à
audição da voz humana
– Aparente indiferença ao contato humano, relativa
preferência por objetos inanimados.
– não conseguem se engajar em jogos de imitação
ou “faz de conta” que exigem simbolização e
imaginação
SOCIABILIDADE

• Exploração não habitual de brinquedos, objetos, pessoas


(todo X parte, uso do tato, paladar e olfato)
• Dificuldades em interpretar o comportamento alheio →
“gafes” sociais, comportamento social inadequado.
• Baixo “insight” quanto às próprias dificuldades
• Dificuldade em estabelecer amizades e relacionamentos
íntimos.
• Dificuldades em interagir com crianças da mesma faixa etária
• Vítimas de gozações
• Isolamento social
• Adolescentes: rejeição e insight podem levar a quadros
depressivos e ansiosos.
COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM
• Preocupações dos pais aos 12-18 meses
devido ao não desenvolvimento da linguagem.
• Contradição em relação a audição, parecem
não ouvir o chamado mas são super sensíveis
a alguns ruídos.
• 20-30% pacientes nunca falam.
• 20-25% dos casos apresentam parada da
evolução ou regressão da linguagem.
COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM

• É frequente o uso instrumental de partes do corpo do outro


para obtenção coisas, sem contato visual ou tentativa de
comunicação do desejo pela comunicação verbal ou não-
verbal.

• Quando falam geralmente apresentam alterações: ecolalia


imediata ou tardia, inversão pronominal, ausência de
intenção de comunicação, vocabulário e hab. semânticas
prejudicadas, interpretação literal da fala (dificuldade em
compreender ironias, sarcasmo, piadas),alteração da
prosódia
Comportamentos restritos e repetitivos

• Rigidez/dificuldade em tolerar mudanças da rotina que


ocasionam grande sofrimento p/ os pcs que podem
demonstrar intensa oposição e contrariedade.
• Ex: mudança de caminho, móveis, cor do ônibus
• Interesse em atividade repetitiva (colecionar coisas,
memorizar números, repetir certas
palavras/expressões).
Comportamentos restritos e repetitivos

• Preferência por objetos mais rígidos e


definidos por uma classe, não pelo objeto em
si . Interesse especial em objetos que giram.

• Movimentos estereotipados são freqüentes


(andar na ponta do pé, balançar corpo,
flapping); fonte de prazer, de estimulação e de
se acalmar; podem ser exacerbados por
situações de estresse.
Características associadas
• Sensibilidade visual :
– Atração por estímulos visuais em movimentos
rotatórios
– Podem se sentir incomodados com estímulos
luminosos intensos.

• ↑ vulnerabilidade à sobrecarga sensorial


– Alguns pacientes referem não conseguir escutar a
uma outra pessoa e olhar nos seus olhos ao
mesmo tempo
Características associadas
• 60-70% possuem retardo mental associado
(estudos recentes 50%) e 33% convulsões
• É comum apresentarem dificuldade para
iniciar e manter o sono
• Alimentação: aversão a certos alimentos p/
textura, odor, cor; seleção restrita de
alimentos; recusa em provar novos.
Características associadas
• Auto-agressão: muito comum em pacientes com grau
de funcionamento pior. Medidas protetoras.

• Acessos de ira são comuns frente às exigências


impostas, alt. rotina, eventos inesperados. A falta de
compreensão, incapacidade de comunicar-se e
frustração total => explosões de agressividade

• Periferia social: vítimas de preconceito e


humilhações.
TEA
• Sintomatologia polimorfa:
- inteligência (retardo grave à faixa super-dotada)
- linguagem (mutismo completo a loquacidade
impressionante)
- presença de maneirismos/rituais múltiplos

continuum de acometimento: espectro


- Natureza dimensional proposta atualmente.
Rápido histórico
• Termo autismo foi utilizado pela primeira vez por
Bleuler em 1906 para sintomas negativos da
esquizofrenia.
• 1943, Leo Kanner e Asperger descreveram os
“distúrbios autísticos do contato afetivo” em que havia
uma incapacidade de relacionar-se de formas usuais
com as pessoas desde o inicio da vida, maneirismos
motores estereotipados, resistência à mudança,
inversão pronominal e ecolalia.
Rápido histórico
• Anos 50 e 60: intensa discussão sobre
etiologia do autismo=> pais não
emocionalmente responsivos a seus filhos
(mãe geladeira) e forma precoce da ESQZ
• Diferenciação do grupo das psicoses somente
em 1980 no
Classificação diagnóstica atual

- Autismo Clássico
- Síndrome de Asperger TEA
- TID/TGD-SOE

- Síndrome de Rett
- Transtorno desintegrativo da infância

. Prevalência estimada atualmente – 1:110 indivíduos


(relação masculino : feminino de 4-5: 1). Meninas + RM
Critérios DSM-IV

• A. Um total de seis (ou +) itens sendo pelo


menos 2 de sociabilidade, 1 de
comunicação), 1 de comportamento
repetitivo/interesse restrito)
• B. Atraso ou funcionamento anormal em
pelo menos uma das seguintes áreas, com
início antes dos 3 anos de idade
Mudanças DSM - V
• principal: eliminação das categorias Autismo,
Asperger, Transtorno Desintegrativo e
Transtorno Global do Desenvolvimento Sem
Outra Especificação.
• apenas: Transtornos do Espectro Autista
• Segundo revisores reflete melhor o estágio de
conhecimento sobre a patologia e sua
apresentação clínica
Mudanças DSM-V
Três domínios se tornam dois:
• 1) Deficiências de sociabilidade e de
comunicação (inseparáveis)
• 2) Interesses restritos, fixos e intensos e
comportamentos repetitivos (2)
• mantêm sensibilidade e aumenta
especificidade
TRATAMENTO
• Umas das maiores causas de incapacitação ao longo
da vida , prevalência quase 1%, início na infância,
crônica, com altos custos para sociedade, sobrecarga
emocional e financeira para familiares.
• Não há um tipo específico de acompanhamento que
seja eficaz para todos os pacientes, em todas as fases
de sua vida.

• Importância do diagnóstico e intervenção precoce


para minimizar impacto da sintomatologia e
estimular as áreas de potencialidade

• Projeto individual mas baseado em evidências


TRATAMENTO
• O tratamento deve ser intensivo
– Início precoce (apartir do diagnóstico)
– Oferecer o maior grau possível de estruturação ambiental
– Estimulação planejada e frequente
– Duração prolongada (alguns treinamentos com duração formal de 20
horas/sem ou mais)

• O tratamento deve se aproveitar das potencialidades da criança


– Não focar excessivamente nos déficits
– Se aproveitar das potencialidades para delinear caminhos alternativos
de desenvolvimento
Primeira linha: ttos psicossociais e
intervenções educacionais
• Ênfase no treinamento e psicoeducação de pais ,
professores e cuidadores → papel fundamental no
tratamento
– Ajustar expectativas de pais e cuidadores
• Suporte individual na escola com inclusão
• Métodos alternativos para alfabetização e
aprendizagem
Estimular o desenvolvimento social
e comuncativo
• Necessidade de desenvolvimento de linguagem
alternativa dependendo das hab. e grau de
comprometimento da cça.

• Melhora da comunicação de desejos, incômodos,


necessidades e com isso redução de comp.
disfuncionais e mal-adaptativos

- PECS: sistema baseado em figuras de atividades,


necessidades e interesses da cça, utiliza velcro ou
adesivos. Facilita comunicação e compreensão.
Maior estímulo para utilizar fala.
Estimular o desenvolvimento social
e comuncativo
- TEACCH: programa altamente estruturado que
combina diferentes materiais visuais p/ aperfeiçoar a
linguagem, o aprendizado e reduzir
comp.inapropriados.
- suportes e recipientes de cores diferentes são
utilizados p/ instruir as cças (lugar apropriado,
sequência de atividades).Montagem com adequação
individual.
- Técnicas para melhoria de disfunções como na
linguagem abstrata, ecolalia, inversão pronominal,
falas repetitivas, falta de teoria da mente.
ABA
• Análise aplicada do comportamento: linha de
atuação dentro da abordagem de terapia
comportamental
• Objetivos principais: ampliação e aquisição de
comp.que se apresentam deficitários ou
inexistentes no repertório e diminuição de
comportamentos disruptivos, excessivos e
não funcionais
• Método intensivo, individual e bastante
detalhista ( registros )
Treinamento de habilidades sociais
• Treinamento de experiências do cotidiano
social
• Oferecer oportunidades p/ as cças
observarem ou interagirem espontaneamente
c/ outras cças: melhor estratégia
• Técnicas estruturadas para aprendizado de
teoria da mente
• Acompanhantes terapêuticos
TTO MEDICAMENTOSO
• alívio de sintomas alvos prejudiciais e mal-
adaptativos (irritabilidade, auto ou
heteroagressividade, agitação psicomotora,
estereotipias, ansiedade, depressão).

• Não há até o momento medicação que


enfoque os sintomas nucleares da
enfermidade.Avaliar risco-benefício.
mais utilizados: APS atípicos e ISRS
Síndrome de Asperger
• caracteriza-se por prejuízos na interação
social, interesses e comportamentos restritos
porém sem retardo clinicamente significativo
na linguagem falada, percepção da linguagem,
desenvolvimento cognitivo, hab.auto-cuidado
e curiosidade sobre o ambiente.
Síndrome de Asperger
• Em relação ao autismo, maior probabilidade de
procurarem contatos sociais
• Podem passar a impressão de serem “frios”, de não
se importarem com as emoções alheias,
ocasionando rejeição por terceiros
Diferenças básicas entre autismo e
asperger
• não deve haver retardo grave na aquisição da
linguagem e nas hab. cognitivas e de auto-cuidado

• Os Aspergers são socialmente isolados mas não


inibidos na presença dos demais; até abordam as
pessoas mas de maneira inapropriada ou excêntrica;
possuem uma certa insensibilidade em relação aos
sentimentos e atitudes alheias o q dificulta mto seus
relacionamentos => sint.depressivos e ansiosos na
adolescência.
sociabilidade
• podem ser capazes de descrever corretamente e de
forma cognitiva e formalista, as emoções e intenções
das pessoas mas são incapazes de atuar de acordo com
essas informações de uma forma intuitiva e
espontânea, perdendo o ritmo da interação social. Ex:
2 + 2 sempre 4

• Pobre intuição + falta de adaptação espontânea=>


apego as regras formais do comportamento e as rígidas
convenções sociais.

• Impressão de ingenuidade social e rigidez


comportamental
Aspectos relevantes da linguagem
• prosódia pobre, alt.volume ou velocidade da
fala,
• verbosidade (falar sem parar independente do
interesse do interlocutor )“pequenos
professores”, falta de ajustamento ao
ambiente social em questão, fala tangencial
ou circunstancial, longos monólogos
• incapacidade de fornecer a origem dos
comentários e de demarcar claramente as
mudanças de tópicos
Peculiaridades
• Muito comum interesses restritos: tópicos
prevalentes,com muita informação a respeito, que
podem se alterar com o tempo mas em geral dominam
o conteúdo do intercâmbio social (dinossauros,
bandeiras, itinerário dos ônibus).
• Pode haver atraso na aquisição motora (agarrar bola,
andar de bicicleta) e visivelmente desajeitados
(coordenação pobre, andar arqueado ou aos saltos,
postura bizarra)
Síndrome de Asperger
• Curso e prognóstico: há possibilidade de bom
desempenho em escolas regulares com suporte
adequado embora possam ser facilmente vítimas de
humilhações e preconceitos devido excentricidade.
• Possibilidade de uso produtivo dos interesses restritos
ou habilidades especiais.
• Não há estudos conclusivos sobre melhor desfecho que
os autistas.
• Prejuízo social permanente !!!
Exemplos
• Robison, John Elder é o
produtor dos efeitos
especiais das guitarras
do Kiss
• Daniel Tammet, 30 anos
– Portador da síndrome de
Asperger, epilepsia e da
síndrome de Savant
– Detentor do recorde europeu de
recitação de algarismos do pi
(recitou o número pi até 22.514
casas decimais, em 5:09 h, em
2004)
– Fala 11 línguas , além do Manti
(língua que ele mesmo
inventou); aprendeu o islandês
em 1 semana