Você está na página 1de 3

A NONA CONSCIÊNCIA

Ela é a mais profunda das nove consciências — princípio budista que analisa e explica
as formas de compreender e perceber o mundo. Segundo o budismo, as oito primeiras
levam a pessoa a perceber as coisas com enganos e distorções. Ser feliz é ter energia
vital suficiente para discernir os fatos como eles realmente são; isso só acontece quando
sua “lente” é a nona consciência.

CINCO PRIMEIRAS

As cinco primeiras consciências são os cinco sentidos fundamentais: audição,


olfato, paladar, tato e visão. Esses cinco canais são “janelas” pelas quais o mundo
externo está conectado ao interno. O problema é que frequentemente esses cinco
são influenciados negativamente pela sexta, sétima e oitava consciências. Elas têm
o poder de distorcer nossa forma de experimentar o mundo.

SEXTA CONSCIÊNCIA

A integração das percepções dos cinco sentidos fica a cargo da sexta consciência.
Ela produz imagens mentais coerentes e faz julgamentos do mundo externo. As
seis primeiras recebem informações o tempo todo do mundo externo. Esse fluxo
constante nos causa a sensação de um “eu” imutável. Sua ação é produzir imagens
mentais coerentes e fazer julgamentos do mundo externo.

SÉTIMA CONSCIÊNCIA

A função que nos conduz a acreditar na existência de um eu permanente é chamada


sétima consciência, o ego. Embora cumpra um papel de criar identificação pessoal,
compreender a vida com base na sétima consciência provoca uma falsa percepção
de si mesmo como algo constante quando na verdade tudo está num fluxo de
mudança sem fim. O resultado é arrogância, egoísmo, insegurança e sofrimento.

A sétima consciência representa o poder do pensamento. É a capacidade de julgar


não somente com base na percepção dos cinco sentidos e de sua relação, mas à
luz de experiências passadas, de circunstâncias externas, da razão, do que se
conhece de fato como consciência. Essa é uma característica exclusiva dos seres
humanos, que têm a capacidade de raciocínio e reflexão.
OITAVA CONSCIÊNCIA

Num nível mais profundo está a oitava consciência, o “armazém” no qual está
impregnada a energia de todas as “causas e efeitos”.

Pensamentos, palavras e ações são registrados como energias, “sementes”


cármicas. Todas as “sementes” acumuladas nesse imenso “armazém” influenciam
os trabalhos das sete primeiras consciências. É uma energia tão forte que influencia
diretamente nosso corpo, estilo de vida, hábitos alimentares, processos biológicos,
meio ambiente. Os primeiros níveis são influenciados pelos níveis mais profundos.
Imagine, por exemplo, você numa situação cotidiana na qual tudo parece normal, e
de repente algo foge do controle e, apesar de “ter feito tudo certinho”, você erra de
novo no mesmo ponto. A oitava consciência influencia as coisas conforme as
“energias cármicas” nela depositadas.

NONA CONSCIÊNCIA

A nona consciência é o nível mais profundo da vida e é considerada livre de todas


as impurezas que o indivíduo possa guardar em seu inconsciente ou na oitava
consciência como resultado de suas ações no passado. Quando superamos as
limitações do carma e deixamos de julgar baseados apenas na razão ou na
consciência e no resultado da apreciação da relação entre os cincos sentidos,
descobrimos e compreendemos o ilimitado potencial da vida e então percebemos o
poder da nona consciência.

COMO MANIFESTAR A NONA CONSCIÊNCIA?

Uma opção seria fazer “novas causas” mais fortes que as sementes armazenadas.
Isso seria um tormento inviável uma vez que estão registradas quantidade enorme
de informações. Mudar o destino seria demorado, impossível. Essa prisão só se
resolve quando você vive com base na nona consciência.

MATÉRIA DUNI – MANIFESTE A NONA CONSCIÊNCIA NA SOCIEDADE

Seguir o caminho da unicidade de mestre e discípulo com base no daimoku recitado


diretamente ao Gohonzon e vencendo todos os desafios impostos,
independentemente do que a lógica da sociedade diga ser impossível. Nosso mestre
fala a respeito da natureza de buda:
“Uma das verdades da vida é que cada ser humano é dotado, fundamentalmente,
do estado de buda. Esta é uma verdade difícil de aceitar e de compreender. Mesmo
que uma pessoa consiga acreditar nisso no momento presente, é fácil cair em
descrença se algum infortúnio lhe ocorrer. Isso porque todos possuem a ilusão ou a
ignorância fundamental. É por isso que Daishonin diz que precisamos de um
‘espelho límpido’ para sustentar a prática da observação da mente. (...) Nos Últimos
Dias da Lei, o espelho límpido é o Gohonzon de Nichiren Daishonin.”

MATÉRIA SEIKYO POST – MUDE O FOCO PARA A NONA CONSCIÊNCIA

“O conceito da nona consciência explana que nós podemos radicalmente quebrar


todo o nosso carma acumulado”, orienta o presidente Ikeda. Não importam quantas
“sementes” estejam gravadas em sua vida, a força da nona consciência (o estado
de buda) anula as influências e cria nova história. É como o sol nascendo e
“apagando” todas as estrelas. A força da nona consciência harmoniza e revitaliza a
sétima, a sexta e os cinco sentidos e você utiliza todos para criar valor e viver com
alegria, percebendo o mundo e as pessoas como dignos e respeitáveis. O carma é
experimentado com entusiasmo e senso de missão, os problemas se tornam energia
da vitória; tudo ganha significado.