Você está na página 1de 11

More Create Blog Sign In

Questões do Doutor Rafa


Questões Comentadas de Concursos para Residência Médica

segunda-feira, 19 de maio de 2014 Arquivo do blog

Pediatria | Questões de Residência Médica sobre Exantemáticas ▼ 2014 (3)


► Junho (1)
1) RESIDÊNCIA MÉDICA-2009
▼ Maio (2)
SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE-SC
Em relação ao sarampo, todas as alternativas são corretas, exceto uma delas. Pediatria | Questões de
Residência Médica
Indique-a:
sobre IV...
a) É doença de notificação compulsória.
b) As manchas de Koplik são patognomônicas. Pediatria | Questões de
c) A contagiosidade ocorre por via respiratória.
Residência Médica
sobre Ex...
d) O tratamento com vitamina A reduz o risco de complicações.
e) As complicações neurológicas são as complicações mais frequentes na criança.

Comentário: As seguintes doenças exantemáticas são de notificação compulsória: sarampo,


rubéola e varíola. Quem sou eu
No sarampo há o desenvolvimento de um enantema (cerca de 1 a 4 dias antes do
Rafael Minata
exantema), caracterizado por pequenas lesões puntiformes, esbranquiçadas com halo
Seguir 7
avermelhado na mucosa jugal na altura dos pré-molares, mas que também podem ser
encontrados nos lábios, palato duro, gengivas, conjuntiva e vagina. Estas lesões são Visualizar meu perfil
chamadas de manchas de Koplik, são patognomônicas da doença e verificadas em 50-70% completo
dos casos.
Sua transmissão ocorre através de pequenas gotículas de saliva eliminadas através da fala,
espirros ou tosse. Partículas virais podem permanecer suspensas e viáveis no ar por até 1
hora, fato que possibilita a disseminação da doença, mesmo que não ocorra o contato face a
face entre o indivíduo são e o infectado. O vírus penetra no organismo através da mucosa
respiratória ou conjuntiva ocular.
Os estudos revelam que a vitamina A é capaz de reduzir a morbidade e a mortalidade do
sarampo, especialmente devido a sua ação sobre a regeneração dos epitélios.
As complicações mais frequentemente encontradas no sarampo são as infecções bacterianas,
otite média aguda (mais frequente) e pneumonia (principal causa de óbito).

Resposta: Letra E

2) RESIDÊNCIA MÉDICA-2008
HOSPITAL NAVAL MARCÍLIO DIAS
Em relação ao sarampo, assinale a opção INCORRETA:
a) O isolamento do paciente é medida eficiente para controle da transmissão.
b) A maior prevalência do sarampo é, sobretudo, na infância, poupando lactentes menores de
seis meses pela persistência de anticorpos maternos protetores.
c) O sarampo pode surgir em formas atípicas como púrpuras.
d) O sarampo é de ampla distribuição mundial, sendo sua incidência influenciada pelas
condições sócio-econômicas do doente.
e) Não existe resistência natural, portanto, os indivíduos são suscetíveis, se não possuírem
anticorpos produzidos por doenças e vacina.

Comentário: O sarampo, quando era uma doença endêmica, acometia preferencialmente


crianças entre 5 e 10 anos. As crianças com menos de seis meses, em geral, não tinham a
doença, uma vez que devido à alta prevalência do sarampo, a maioria das mulheres já tinha
sido acometida e possuía imunidade adquirida contra o vírus. Imunidade essa que era
transmitida durante a gravidez para o feto, protegendo o recém-nascido e o lactente durante
o primeiro semestre de vida.
Até 1967, uma parte da população americana foi vacinada com vírus inativados (a atual é
uma vacina de vírus atenuados). Essa população, quando exposta ao vírus selvagem,
desenvolvia uma forma atípica de sarampo caracterizada por um exantema que surgia nas
extremidades e progredia em direção centrípeta, constituído de lesões inicialmente
maculopapulares, mas que se tornaram vesiculares e podiam evoluir para lesões purpúricas e
hemorrágicas.
O sarampo é uma doença endêmica em todo o mundo com surtos epidêmicos diretamente
relacionados ao nível socioeconômico da população.
Não há resistência natural contra o sarampo, a imunidade é fruto da doença ou imunização.
O isolamento do paciente está indicado até cinco dias depois do aparecimento do exantema,
entretanto essa medida, como forma de diminuir a transmissão da doença, é relativamente
ineficaz uma vez que os pacientes com sarampo podem eliminar o vírus antes mesmo do
período prodrômico, ou seja, antes de saberem que estão doentes. Dessa forma, a única
medida realmente eficaz para diminuir a transmissão da doença e que foi utilizada no Brasil é
a vacinação em massa, eliminando a população de suscetíveis.

Resposta: Letra A

3) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-UERJ
Em contactantes com menos de 72 horas de exposição, o uso de imunização ativa é
indicada para a prevenção da seguinte doença:
a) Sarampo.
b) Febre Amarela.
c) Rubéola.
d) Caxumba.
e) Poliomielite.

Comentário: A imunização ativa pós-exposição é a "vacinação de bloqueio", capaz de


prevenir o desenvolvimento da doença em pacientes expostos à fonte infectante. Em
imunocompetentes, nos dias atuais, a vacinação de bloqueio é recomendada tanto no
sarampo quanto na varicela.
varicela

Resposta: Letra A

4) RESIDÊNCIA MÉDICA-2003
FUNDAÇÃO ESCOLA DO SERVIÇO PÚBLICO-FESP
O sarampo é doença infecciosa grave, com alta letalidade, principalmente em
crianças menores de 1 ano e desnutridas. Porém é facilmente prevenível através da
imunização. O calendário básico de vacinação da criança, em vigor no Brasil,
preconiza o seguinte esquema vacinal para prevenção da doença:
a) vacina anti-sarampo aos 9 meses e tríplice viral aos 15 meses.
b) vacina tríplice viral aos 12 meses com reforço entre 4 e 6 anos.
c) vacina anti-sarampo aos 9 meses com reforço aos 19 meses.
d) vacina tríplice viral aos 15 meses em dose única.

Comentário: A vacina tríplice viral (sarampo, caxumba, rubéola) deve ser aplicada
rotineiramente em duas doses: a primeira aos 12 meses de vida e a segunda (reforço) entre
quatro e seis anos de idade.

Resposta: Letra B

5) RESIDÊNCIA MÉDICA-2010
SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE-SC
Em relação à rubéola indique a alternativa INCORRETA:
a) A adenopatia suboccipital e retroauricular é manifestação clínica frequente.
b) A contagiosidade ocorre em média 5 dias antes e até 5-7 dias após o exantema.
c) A síndrome da rubéola congênita ocorre, em geral, quando a infecção materna se deu no
último trimestre da gestação.
d) Ocorre na forma subclínica em aproximadamente 30% dos casos.
e) A mulher vacinada em idade fértil deve respeitar um intervalo mínimo de 28 dias após a
vacina para engravidar.

Comentário: Na rubéola surgem adenomegalias principalmente localizadas na região


suboccipital, retroauricular e cervical anterior.
O vírus da rubéola é geralmente transmitido através de gotículas de secreção nasofaríngea
das pessoas infectadas, que penetram no organismo susceptível através da mucosa
respiratória. O período de maior transmissibilidade ocorre desde 5 dias antes até 6 dias após
o aparecimento do rash. Do epitélio respiratório, as partículas virais migram até os linfonodos
regionais, e cerca de 17 dias após (período de incubação) ocorre a primeira viremia.
A síndrome da rubéola congênita ocorre especialmente quando a primo-infecção materna se
deu no primeiro trimestre da gestação (especialmente durante as 9 primeiras semanas, que
equivalem à embriogênese), período de menor transmissibilidade, porém de maior potencial
de malformações.
Cerca de 25-40% das crianças infectadas desenvolve uma forma subclínica de doença, sem
rash.
Recomenda-se que mulheres em idade fértil aguardem de 28-30 dias após a vacinação para
engravidar, uma precaução baseada na possibilidade teórica do vírus vacinal vir a ser
transmitido ao feto por via transplacentária e causar malformações.

Resposta: Letra C

6) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005
EXAME AMRIGS-RIO GRANDE DO SUL
Menina de 10 anos, com dor de garganta e febre baixa há 4 dias, é levada à
consulta em razão de ter surgido, há 48 horas, uma erupção discreta, eritematosa,
maculopapular e não coalescente na face e, no mesmo dia, ter se espalhado pelos
membros inferiores. O exantema diminuiu de intensidade, mas a menina passou a
queixar-se de dor nos joelhos. A mãe não sabe informar sobre o esquema vacinal.
Ao exame físico, constatam-se, além do exantema, lesões eritematosas e
puntiformes no palato mole, aumento dos linfonodos retroauriculares, cervicais
posteriores e occipitais, discretamente dolorosos. Qual o diagnóstico mais
provável?
a) Sarampo.
b) Rubéola.
c) Eritema Infeccioso.
d) Escarlatina.
e) Exantema Súbito.

Comentário: Adenopatia retroauricular e occipital numa doença febril exantemática indica


sempre rubéola. Além disso, outros dados também falam a favor deste diagnóstico: lesões no
palato mole, artralgias nos joelhos.

Resposta: Letra B

7) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA-UNESP
Uma criança de 7 anos apresenta conjuntivite e um exantema maculopapular que
começa na cabeça e expande-se para tronco e membros. O diagnóstico mais
provável é:
a) Sarampo.
b) Rubéola.
c) Eritema Infeccioso.
d) Varicela
Varicela.
e) Febre Maculosa das Montanhas Rochosas.

Comentário: Um exantema eritêmato-maculopapular que começa na cabeça e se espalha


para o tronco e membros (progressão centrífuga e crânio-caudal) caracteriza a erupção
cutânea tanto do sarampo quanto da rubéola. Aliás, o exantema dessas duas viroses é muito
semelhante, diferenciando-se apenas pela confluência das lesões no sarampo e a não
confluência na rubéola. Além disso, ambas as doenças podem apresentar conjuntivite. Após
pesar ambos os lados, ficaremos com a hipótese de rubéola, por dois motivos: (1) o quadro
está muito brando para ser sarampo e, além disso, o sarampo é uma doença que sempre
tem um pródromo com tosse e coriza; já a rubéola pode se apresentar com o quadro
incompleto; (2) no ano de 2005 (ano da questão), o sarampo já havia sido erradicado em
nosso meio. O gabarito oficial foi rubéola.

Resposta: Letra B

8) RESIDÊNCIA MÉDICA-2010
PUC-RIO GRANDE DO SUL
Criança de 6 anos há 4 dias apresenta erupção maculopapular no rosto, com
aspecto de "face esbofeteada". Há 2 dias, as lesões disseminaram-se para o tronco
e extremidades, com aspecto rendado e sem outros sinais ou sintomas. Qual é o
diagnóstico etiológico mais provável neste caso?
a) Herpes Vírus Humano 6.
b) Parvovírus B19.
c) Paramixovírus.
d) Rubivírus.
e) Estreptococo beta-hemolítico do grupo A.

Comentário: Face esbofeteada com evolução crânio-caudal para exantema maculopapular


em aspecto rendilhado ou reticular é o quadro clássico do eritema infeccioso, cujo agente
etiológico é o parvovírus B19.
O herpes vírus humano 6 e 7 são os agentes etiológicos do exantema súbito, cujo aspecto
clínico marcante é o aparecimento de rash cerca de 12-24 horas após o desaparecimento da
febre, que se inicia no tronco e dissemina-se para o pescoço e extremidades.
O vírus do sarampo pertence à família Paramyxoviridae e provoca uma quadro clínico intenso
(febre, conjuntivite, tosse, adinamia) e o rash é morbiliforme, com tendência à confluência
de lesões, também de evolução céfalo-caudal.
O vírus da rubéola pertence ao gênero Rubivírus, provoca doença benigna, com sintomas
constitucionais mais brandos que no sarampo e seu rash é maculopapular róseo e de
distribuição céfalo-caudal.
O estreptococo do grupo A (Streptococcus pyogenes) é o agente etiológico da escarlatina,
doença que cursa com faringoamigdalite purulenta e rash micropapular com textura de lixa,
que se inicia no tronco e se dissemina para o pescoço e extremidades.

Resposta: Letra B

9) RESIDÊNCIA MÉDICA-2008
FUNDAÇÃO ESCOLA DO SERVIÇO PÚBLICO-FESP
Criança de 10 anos apresentando exantema e febre baixa. Inicialmente as manchas
avermelhadas estavam localizadas nas bochechas, se estendendo após dias para
membros e tronco, passando então a apresentar um aspecto rendilhado. O
exantema durou cerca de uma semana e desapareceu. Há 3 dias houve
reaparecimento das manchas após trauma psicológico. A hipótese diagnóstica mais
provável é:
a) Rubéola.
b) Exantema Súbito.
c) Eritema Infeccioso.
d) Enterovirose.

Comentário: Perceba que o exantema dessa criança é muito típico de eritema infeccioso:
acometimento das bochechas ("face esbofeteada") e progressão para o tronco e membros,
apresentando então um aspecto rendilhado. A ausência de febre é comum e a faixa etária
também é típica (5-15 anos).

Resposta: Letra C

10) RESIDÊNCIA MÉDICA-2007


ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA-UNIFESP
Criança de 7 anos aparece subitamente com lesão eritematosa confluente no rosto,
que piora pela manhã e no sol. Refere ter comido camarão há 5 dias e há 10 dias
teve febre por 1 dia, tendo tomado dipirona. Ao exame, além do eritema no rosto,
apresenta exantema macular, tênue confluente, na região proximal dos membros. O
diagnóstico provável é de infecção pelo:
a) Vírus da Hepatite B.
b) Vírus de Epstein-Barr.
c) Parvovírus B19.
d) Herpes Vírus tipo 6.
e) Estreptococo beta-hemolítico do grupo A, produtor de eritrotoxina.

Comentário: No eritema infeccioso o exantema predomina no rosto, sendo confluente e


piorando com a exposição solar. A faixa etária também é compatível. O agente etiológico do
eritema infeccioso é o parvovírus B19.

Resposta: Letra C

11) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005


UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO-UERJ
Criança de 5 anos apresenta quadro febril (Tax: 38ºC), acompanhado de cefaléia,
coriza e tosse. No segundo dia de doença, surge exantema eritematoso em face,
que se espalha rapidamente para o tronco e membros superiores, agora com
aspecto eritematomacular, tornando-se evolutivamente reticular. Há
desaparecimento completo do quadro em 10 dias, sem descamação cutânea. O
agente etiológico responsável por esta doença é:
a) Parvovírus B19.
b) Herpes Vírus 6.
c) Enterovírus 71.
d) Ecovírus 9.
Comentário: Às vezes, o eritema infeccioso pode ter um pródromo curto. Exantema em face
com progressão para tronco e membros e aspecto reticular (rendilhado) é eritema infeccioso,
cujo agente etiológico é o parvovírus B19.

Resposta: Letra A

12) RESIDÊNCIA MÉDICA-2011


UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC
Criança de 15 meses apresentou febre elevada por 3 dias, tendo ocorrido convulsão
febril no primeiro dia da doença. Permaneceu com bom estado geral. No quarto dia
apresentou exantema maculopapular generalizado, não voltando a apresentar
febre. O agente etiológico mais provável é:
a) Vírus da Rubéola.
b) Herpes Vírus tipo 6.
c) Estreptococo do grupo A.
d) Vírus do Sarampo.
e) Parvovírus B19.

Comentário: O enunciado descreve a história típica do exantema súbito, doença de


lactentes, que se manifesta em sua forma clínica clássica em apenas 25% das crianças
infectadas pelo herpes vírus 6. Pode se iniciar com sintomas prodrômicos tipo infecção das
vias aéreas superiores, como rinorréia, hiperemia conjuntival e dor de garganta. Uma
linfadenomegalia cervical e occipital discreta pode aparecer e algumas crianças apresentam
leve edema palpebral. Logo após, instala-se a febre alta (39-40ºC) e neste momento podem
ocorrer crises convulsivas febris em até 10% das crianças infectadas. O exantema surge
classicamente no momento em que a febre desaparece.

Resposta: Letra B

13) RESIDÊNCIA MÉDICA-2008


UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS-UNICAMP
Criança de 7 meses com febre alta e irritabilidade há 3 dias. Há um dia houve
desaparecimento da febre, com posterior "vermelhidão pelo corpo". Ao exame:
ativa, corada, hidratada, afebril, exantema eritematomaculopapular generalizado,
não pruriginoso, sem linfadenomegalia. A principal hipótese diagnóstica é:
a) Exantema Súbito.
b) Rubéola.
c) Eritema Infeccioso.
d) Enterovirose.
e) Sarampo.

Comentário: Uma criança de 7 meses que tem uma febre alta de início e término abruptos,
seguida por um exantema no corpo e bom estado geral é o quadro típico do exantema
súbito.

Resposta: Letra A

14) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005


FUNDAÇÃO ESCOLA DE SERVIÇO PÚBLICO-FESP
Associe as colunas, relacionando as manifestações clínicas às doenças
exantemáticas na criança:
1. exantema morbiliforme + tosse + descamação furfurácea.
2. febre elevada + exantema puntiforme + descamação laminar.
3. exantema inicial + ausência de febre + lesões recidivantes.
4. adenomegalias + febre baixa + exantema maculopapular róseo.
5. febre alta + bom estado geral + exantema na face e no tronco.

( ) Rubéola.
( ) Sarampo.
( ) Escarlatina.
( ) Exantema Súbito.
( ) Eritema Infeccioso.

A alternativa que apresenta a sequência correta dessa associação é:


a) 1 - 4 - 5 - 3 - 2
b) 3 - 5 - 4 - 2 - 1
c) 4 - 1 - 2 - 5 - 3
d) 5 - 2 - 3 - 1 - 4

Comentário: Rubéola apresenta-se com adenomegalias (adenopatia retroauricular e


suboccipital) + febre baixa + exantema maculopapular róseo.
Sarampo apresenta-se com exantema morbiliforme (morbiliforme é igual a sarampo) + tosse
(sempre presente) + descamação furfurácea (após a resolução do exantema).
Escarlatina apresenta-se com febre elevada + exantema puntiforme + descamação laminar.
Exantema Súbito apresenta-se com febre alta + bom estado geral + exantema na face e no
tronco.
Eritema Infeccioso apresenta-se com exantema inicial + ausência de febre + lesões
recidivantes (recidiva do exantema por exposição ao sol, calor ou trauma psicológico).

Resposta: Letra C

15) RESIDÊNCIA MÉDICA-2012


UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE-UFF
O diagnóstico diferencial do herpes zóster se faz com:
a) Herpes simples vírus e Coxsakie vírus.
b) Varicela e herpes simples.
c) Herpes simples vírus e estafilococcia.
d) Meningococcemia e neisséria gonorreia.
e) Coxsakie vírus e varicela.
varicela

Comentário: Um rash maculovesicular que seja unilateral e obedeça à distribuição de um


dermátomo isolado tipicamente é causado por uma reativação do vírus da varicela
varicela-zóster,
isto é, na maioria das vezes se trata mesmo de herpes zóster. Entretanto, eventualmente
uma lesão com tal padrão anatômico também pode ser causada por outros vírus, como o
vírus do Herpes simplex ou o vírus Cocksakie. A melhor maneira de identificar o agente
etiológico em casos de dúvida é através da imunofluorescência específica do material
coletado nas lesões.

Resposta: Letra A

16) RESIDÊNCIA MÉDICA-2012


AMRIGS-RIO GRANDE DO SUL
A herpangina, afecção de ocorrência comum na infância, tem como agente
etiológico nas formas epidêmicas:
a) Herpes hominis tipo 1.
b) Herpes hominis tipo 2.
c) Herpes hominis tipo 3.
d) Parainfluenza tipo 6.
e) Coxsackie A.

Comentário: O vírus causador da herpangina é o coxsackie A mais frequentemente, e mais


raramente, o enterovírus 71. Esta doença se caracteriza por febre alta (até 41ºC), disfagia,
dor de garganta e irritabilidade. Crianças maiores poderão apresentar dor abdominal e
vômitos. Ao exame são vistas pequenas úlceras e vesículas com halo eritematoso na região
posterior da orofaringe: tonsilas, pilares, úvula e palato mole. A febre dura em média 1 a 4
dias e o restante dos sintomas se resolvem com 1 semana.

Resposta: Letra E

17) RESIDÊNCIA MÉDICA-2010


INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRAS-IFF
Baseado em seus conhecimentos sobre indicação de isolamento e infecção
hospitalar qual das crianças abaixo deverá ficar internada sozinha no quarto:
a) Ana Luisa, 1 ano, gastroenterite aguda.
b) Cristian, 7 anos, varicela.
varicela
c) Débora, 10 meses, estomatite herpética.
d) Lucas, 3 anos, tuberculose pulmonar.
e) André, 5 anos, pneumonia.

Comentário: A varicela é uma doença cuja disseminação acontece via aerossol, pois o vírus
varicela-zoster possui a capacidade de se disseminar através de micropartículas de secreção
varicela
de vias aéreas e por contato com a secreção de vesículas. Sendo assim, são necessários
isolamento respiratório e de contato, e por isso, deve ser a criança a ser internada em quarto
privativo. Requer quarto isolado com fluxo de ar e pressão negativa e uso de máscara de
proteção contra aerossol (ex: NIOSH 95, a mesma usada para tuberculose bacilífera) para
profissionais de saúde que não foram vacinados ou não tiveram a doença.
A tuberculose na infância não é bacilífera, portanto, Lucas pode ser internado ao lado de
outras crianças sem que haja risco de disseminação bacilar.
A estomatite herpética (vírus herpes simplex), gastroenterite aguda e pneumonias são
doenças cujos agentes são transmitidos principalmente através do contato e gotículas de
saliva. Portanto, bastam cuidados de higienização de mãos após manuseio com o doente, uso
de luvas descartáveis e máscaras cirúrgicas comuns. O isolamento respiratório não é
necessário, e por isso, estas crianças podem ser internadas ao lado de outra.

Resposta: Letra B

18) RESIDÊNCIA MÉDICA-2009


UNIVERSIDADE DE CAMPINAS-UNICAMP
Menina de 5 anos com síndrome nefrótica de lesões mínimas, em tratamento com
prednisona VO há um mês (2mg/Kg/dia), admitida com o diagnóstico de varicela. varicela
Assinale a alternativa correta em relação às medidas de isolamento e terapêutico
nesse caso:
a) Unidade de isolamento, sendo desnecessária a pressão negativa; aciclovir IV e
imunoglobulina contra a varicela zóster (VZIG).
b) Unidade de isolamento com pressão negativa; ganciclovir IV.
c) Unidade de isolamento com pressão negativa; aciclovir IV.
d) Unidade de isolamento, sendo desnecessária a pressão negativa; aciclovir IV.
e) Unidade de isolamento com pressão negativa; aciclovir IV e imunoglobulina contra varicela
zóster (VZIG).

Comentário: Catapora (varicela),


varicela sarampo e tuberculose são doenças transmissíveis por
aerossol e não apenas por gotículas de secreção respiratória. Isso significa que não basta
manter o doente isolado numa unidade fechada, pois cada vez que a porta da unidade se
abrir teremos a dispersão do agente infectante no ambiente. Assim sendo, esses pacientes
devem ser mantidos em unidades de pressão negativa, com sistema de exaustão isolado.
Não há papel para a imunoglobulina específica contra o varicela zóster no tratamento da
doença. Em pacientes imunodeprimidos (nessa paciente devido ao uso de corticoide em dose
imunossupressora), indica-se o tratamento com aciclovir venoso na dose de 500mg/m² de
8/8h por sete dias ou até que parem de surgir novas lesões (o que significa o término da
viremia).

Resposta: Letra C

19) RESIDÊNCIA MÉDICA-2008


UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO-UFRJ
Criança de 2 anos apresenta sinais francos de desidratação e desnutrição e ao
exame dermatológico apresenta extensas lesões bolhosas, pustulosas e
descamativas, de fundo hiperemiado, algumas com fundo mais sujo, com secreção
purulenta, além de áreas de descamação e hipopigmentação, localizadas em face,
antebraços, pernas e região perineal. Em pescoço, mãos e pés observam-se áreas
de eritema, demarcadas pela pele sadia que as cerca. Nas áreas intertriginosas do
períneo, há eritema papular confluente com pápulas eritematosas satélites. Esta
criança possui um irmão mais velho que está com varicela.
varicela A conduta adequada em
relação ao contato com varicela é indicar:
a) Imunoglobulina humana contra varicela zóster (VZIG).
b) Aciclovir.
c) Vacina contra varicela.
varicela
d) Gamaglobulina intramuscular.

Comentário: Temos uma criança de 2 anos, francamente desidratada e desnutrida, com


hipovitaminose e infecção cutânea disseminada que teve contato recente com um irmão com
varicela. Qual deve ser a profilaxia pós-exposição nessa criança? A vacinação de bloqueio não
varicela
é ideal, pois a criança apresenta uma contraindicação: doença debilitante. Nesse caso, a
melhor conduta é a imunoglobulina específica antivaricela
varicela intramuscular.
As lesões de pele dessa criança são por varicela?
varicela A resposta é não porque não se observam
lesões em diversas fases de evolução (maculopápulas, vesículas, pústulas, crostas) nem há
relato de febre. Essa criança possui três dermatoses: (1) impetigo bolhoso (piodermite
bacteriana): dermatose eritêmato-bulopustulosa, (2) pelagra: lesões eritêmato-descamativas
nas áreas de exposição solar e (3) candidíase intertriginosa: lesões eritematosas confluentes
no períneo com lesões satélites.

Resposta: Letra A
20) RESIDÊNCIA MÉDICA-2006
FUNDAÇÃO JOÃO GOULART-PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO
Quanto à varicela é correto afirmar:
a) A vacina contra o vírus é indicada em imunocomprometidos até 96 horas após a
exposição.
b) O período de incubação é de 10 a 21 dias e o exantema tem distribuição céfalo-caudal.
c) A artrite, a miocardite, a pancreatite e a orquite são complicações frequentes.
d) O período de contágio inicia-se 10 dias antes do exantema aparecer e as lesões têm
polimorfismo regional.

Comentário: A vacina é totalmente contraindicada nos imunodeprimidos (vírus vivo


atenuado).
A artrite é complicação da rubéola e a orquite é complicação da caxumba.
O período de contágio se inicia dois dias antes do exantema.
O período de incubação é de 10-21 dias e a distribuição geralmente é centrípeta.

Resposta: Letra B

21) RESIDÊNCIA MÉDICA-2006


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-UERJ
Um paciente HIV soro-positivo refere contato há 24 horas com criança portadora de
varicela. O paciente não sabe informar sobre seu estado imunológico. A melhor
varicela
conduta neste caso é:
a) Prescrever aciclovir profilático.
b) Tratar caso apresente varicela.
varicela
c) Aplicar vacina antivaricela-zóster.
varicela
d) Administrar imunoglobulina específica.

Comentário: Profilaxia pós-exposição em HIV soro-positivo = imunoglobulina específica


antivaricela
varicela (VZIG), se aplicada até 96 horas.

Resposta: Letra D

22) RESIDÊNCIA MÉDICA-2012


UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO-UNISA
Mãe refere ao telefone que a filha de 3 anos frequenta creche onde ocorreu um caso
de escarlatina em um colega de sala. Sabe-se que a criança doente foi afastada e a
creche permaneceu aberta. Qual a orientação que você recomenda para sua
paciente?
a) Fazer cultura de orofaringe e tratar conforme o resultado.
b) Aplicar penicilina benzatina profilática.
c) Marcar consulta imediatamente para avaliar a possibilidade de doença assíntomática.
d) Observar e trazer para consulta, caso a filha apresente alguma alteração clínica.
e) Manter a filha fora da creche por 1 semana.

Comentário: A transmissão do Streptococcus pyogenes, agente causador da escarlatina,


ocorre através de gotículas de saliva e de secreções nasais eliminadas pelo doente. As
bactérias se fixam à mucosa da oro ou nasofaringe iniciando a colonização e infecção. O
indivíduo infectado deixa de transmitir a infecção 24 horas após o início do tratamento com
antibiótico adequado. Como medida de prevenção ou redução da transmissão e
contagiosidade, é recomendável o absenteísmo escolar do doente por cerca de 24-48 horas
após o início do antibiótico. Contudo, não é necessária nenhuma medida específica para as
demais crianças que tiveram contato com o caso índice. Apenas deve-se orientar às famílias
que levem suas crianças ao médico caso apresentem algum sintoma clínico.

Resposta: Letra D

23) RESIDÊNCIA MÉDICA-2008


ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA-UNIFESP
Criança de 7 anos com escarlatina. O agente etiológico e a complicação mais
frequente dessa doença, são, respectivamente:
a) Estreptococo beta hemolítico do grupo A e glomerulonefrite difusa aguda.
b) Estreptococo beta hemolítico do grupo B e choque tóxico.
c) Vírus Epstein-Barr e convulsão febril.
d) Herpes vírus tipo VI e encefalite.
e) Coxsakie vírus e meningite.

Comentário: A complicação mais frequente da escarlatina é a glomerulonefrite difusa aguda


e seu agente etiológico é a bactéria estreptococo beta hemolítico do grupo A.

Resposta: Letra A

24) RESIDÊNCIA MÉDICA-2006


UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS-UNICAMP
Menino de 4 anos com febre alta há 24 horas, acompanhada de cefaléia e vômitos.
Exame físico: enantema da mucosa oral e exantema micropapular difuso, mais
intenso em dobras e com palidez perioral, sem outros achados. O diagnóstico
provável é de:
a) Meningite meningocócica.
b) Rubéola.
c) Síndrome de Kawasaki.
d) Faringite viral.
e) Escarlatina.

Comentário: Um quadro febril com enantema faríngeo (faringite) e um exantema


eritematoso micropapular (puntiforme), exacerbado nas pregas cutâneas (linhas de Pastia) e
com palidez peribucal (sinal de Filatov) só pode ser escarlatina.

Resposta: Letra E

25) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005


HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL-SP
Criança de 6 anos apresentou quadro de febre há uma semana, acompanhada de
dor de garganta e vermelhidão na face, tórax e membros. Agora a criança
apresenta descamação lamelar no rosto, tronco e mãos. O diagnóstico provável é:
a) Eritema infeccioso.
b) Escarlatina.
c) Rubéola.
d) Exantema súbito.
e) Provável reação alérgica à medicação usada.

Comentário: Febre + dor de garganta + exantema eritematoso deixando descamação


lamelar = escarlatina.

Resposta: Letra B

26) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-UERJ
Criança febril com exantema. Ao exame: hiperemia de bochechas com palidez peri-
oral, língua hiperemiada com papilas proeminentes e áreas de hiperpigmentação
não evanescentes nas regiões antecubitais. Os sinais descritos são característicos
de:
a) Rubéola.
b) Sarampo.
c) Escarlatina.
d) Coxsackiose.

Comentário: Nunca mais esqueça os sinais de prova da escarlatina: palidez peribucal (sinal
de Filatov), língua hiperemiada com papilas proeminentes (língua em framboesa),
exacerbação do eritema ou hiperpigmentação não evanescente das dobras flexoras (sinal de
Pastia).

Resposta: Letra C

27) RESIDÊNCIA MÉDICA-2009


FUNDAÇÃO ESCOLA DO SERVIÇO PÚBLICO-FESP
A presença de exantema maculopapular associado à hiperemia da língua, com
hipertrofia de papilas linguais, pode ser observada em crianças com:
a) Eritema infeccioso e rubéola.
b) Exantema súbito e sarampo.
c) Escarlatina e doença de Kawasaki.
d) Mononucleose e doença de Lyme.

Comentário: O enunciado descreve a famosa "língua em framboesa", típica da escarlatina,


também observada na doença de Kawasaki, uma vasculite febril exantemática da criança.
Resposta: Letra C

28) RESIDÊNCIA MÉDICA-2010


UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO-UNIFESP
Criança do sexo masculino com 28 dias de vida é internado com febre, irritabilidade
e eritema generalizado há aproximadamente 24 horas. A mãe informa que o
eritema teve início ao redor dos lábios e narinas. Após 24 horas de internação, a
pele começa a se desprender, com formação de bolhas flácidas, e grandes áreas
erosadas começam a ser observadas, principalmente nas dobras axilares, cervicais
e inguinais. O diagnóstico provável é:
a) Síndrome da pele escaldada.
b) Lúpus eritematoso neonatal.
c) Dermatite seborreica eritrodérmica.
d) Psoríase eritrodérmica.
e) Eritema tóxico neonatal.

Comentário: A descrição é a de uma história clássica de síndrome da pele escaldada


estafilocócica, cuja maior incidência é encontrada nos recém-nascidos e crianças pequenas.
Também chamada de doença de Ritter ou de síndrome do choque tóxico, tem por
característica o início abrupto, com febre e eritema cutâneo, que se inicia na face
(principalmente ao redor das narinas - foco da infecção) e rapidamente se dissemina,
levando a uma dermatose esfoliativa grave, com formação de bolhas que se rompem logo
abaixo da camada granulosa da epiderme.

Resposta: Letra A

29) RESIDÊNCIA MÉDICA-2006


UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO-USP
Criança de 4 anos com história de 4 dias de febre alta, apresentando 2 a 3 picos
diários (38 a 39,8ºC). Encontra-se inapetente e prostrada. Ao exame observa-se
erupção cutânea macular e eritematosa com características polimórficas
acompanhada por congestão bilateral da conjuntiva ocular, hiperemia da mucosa
oral, língua em framboesa e edema endurado nas mãos e pés. O diagnóstico
provável é:
a) Sarampo.
b) Escarlatina.
c) Doença de Kawasaki.
d) Rubéola.
e) Mononucleose infecciosa.

Comentário: A doença de Kawasaki acomete principalmente crianças de 4 meses a 5 anos,


se caracteriza por febre alta por no mínimo 5 dias, edema e eritema de pés e mãos,
descamação periungueal, exantema polimórfico, conjuntivite bilateral bulbar não exsudativa,
língua em framboesa e linfadenopatia cervical.

Resposta: Letra C

30) RESIDÊNCIA MÉDICA-2005


HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL-SP
Menino de 2 anos é tratado com amoxacilina devido ao diagnóstico de otite média
aguda há 6 dias. A febre persiste (39ºC) e apresenta-se apático com exantema
máculo-papilar no tronco, conjuntivas intensamente hiperemiadas, palmas das
mãos e dedos endurecidos e edemaciados. O diagnóstico mais provável é:
a) Artrite reumatóide juvenil.
b) Sarampo.
c) Reação alérgica à amoxacilina.
d) Síndrome de Kawasaki.
e) Escarlatina.

Comentário: O paciente apresenta a maioria dos critérios para doença de Kawasaki, além de
estar na faixa etária típica.

Resposta: Letra D
Postado por Rafael Minata às 20:31

Marcadores: Exantemáticas, Pediatria, Questões, Residência Médica

4 comentários:

GordinhaMed 11 de fevereiro de 2016 20:58

Foi de grande ajuda! Obrigada pela dedicação.


Responder

Igor Matheus 13 de junho de 2016 20:54

Muito obrigado por ter postado essas questões !


Responder

Unknown 3 de agosto de 2017 11:35

excelente, muito obrigado pela dedicação !


Responder

camilarodeiro 16 de agosto de 2017 14:29


Este comentário foi removido pelo autor.
Responder

Digite seu comentário...

Comentar como: daniel.minney Sair

Publicar Visualizar Notifique-me

Postagem mais recente Página inicial

Assinar: Postar comentários (Atom)

Tema Espetacular Ltda.. Tecnologia do Blogger.