Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO

STEPHÂNEA MAYARA DARRÔ MARTINS ROCHA FILZEK

CRÉDITO DO EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO DA ELETROBRÁS COMO


GARANTIA EM PROCESSOS DE EXECUÇÕES FISCAIS.

São Paulo
2017
2

STEPHÂNEA MAYARA DARRÔ MARTINS ROCHA FILZEK

CRÉDITO DO EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO DA ELETROBRÁS COMO


GARANTIA EM PROCESSOS DE EXECUÇÕES FISCAIS.

Projeto de pesquisa apresentado como


requisito para aprovação na disciplina de
Trabalho de Conclusão de Curso I na
Faculdade de Direito da Universidade
Presbiteriana Mackenzie.

Orientador: Prof. Dr. Marcelo Fortes Barbosa


Filho.

São Paulo
2017
SUMÁRIO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO ............................................ 4


2 TEMA .......................................................................................................... 4
3 DELIMITAÇÃO DO TEMA .......................................................................... 4
4 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA .............................................................. 4
5 JUSTIFICATIVA ......................................................................................... 5
6 OBJETIVOS................................................................................................ 6
6.1 OBJETIVO GERAL .............................................................................. 6
6.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ................................................................ 6
7 EMBASAMENTO TEÓRICO ...................................................................... 7
8 METODOLOGIA ......................................................................................... 9
8.1 MÉTODO DE ABORDAGEM ............................................................... 9
8.2 TÉCNICAS DE PESQUISA .................................................................. 9
9 CRONOGRAMA ....................................................................................... 10
10 PROPOSTA DE SUMÁRIO PARA O TCC II ............................................ 10
11 REFERÊNCIAS ........................................................................................ 11
4

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso I – TCCI elaborado por Stephânea


Mayara Darrô Martins Rocha Filzek, orientada pelo Prof. Dr. Marcelo Fortes Barbosa
Filho, com temática e pesquisas voltadas para o Direito Empresarial e Direito
Processual Civil.

2 TEMA

O empréstimo compulsório, por sua natureza jurídica, é uma espécie de tributo


que tem por característica a sua posterior devolução ao contribuinte pelo Fisco. É o
denominado "tributo restituível". Ou seja, o contribuinte paga o tributo e o Estado,
por sua vez, compromete-se a restituí-lo dentro de determinado prazo, o que na
maioria das vezes não ocorre por livre e espontânea vontade do Estado. Ocorre que
há divergências de posicionamentos acerca da liquidez do “tributo restituível”
quando estes encontram-se envolvidos em processos de Execuções Fiscais. A
jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é no sentido de que as debêntures da
Eletrobrás podem ser nomeadas à penhora por serem títulos de crédito e, portanto,
passíveis de garantia de execução fiscal, ao contrário dos títulos ao portador, ocorre
que há nítida rejeição por parte do Estado em “aceitar” tais garantias em processos
de Execuções Fiscais.

3 DELIMITAÇÃO DO TEMA

Crédito do empréstimo compulsório da Eletrobrás como garantia em processos


de execuções fiscais.

4 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA

As empresas que possuem créditos do empréstimo compulsório da Eletrobrás,


ou seja, empresas credoras de tributos que não foram restituídas em sua
integralidade no passado, e buscam no judiciário o cumprimento da devolução que é
5

de direito, e concomitante possuem também obrigações para com o Estado, ou seja,


Execuções Fiscais, que são cobranças de dívida ativa para com a União, não
poderiam equacionar as suas dívidas em uma “conta corrente” onde realizar-se-ia o
abatimento e a respectiva prestação de contas?

5 JUSTIFICATIVA

Esta monografia de metodologia teórica objetiva apresentar um estudo sobre


empréstimo compulsório da Eletrobrás, no que tange sua compensação. De acordo
com a CF/88 (artigos 148 e 149) e o CTN (art. 217) o empréstimo compulsório é uma
espécie de tributo. O art. 3º. do CNT define tributo como sendo toda prestação
pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não
constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade
administrativa plenamente vinculada. O empréstimo compulsório tem como
peculiaridade a obrigação, por parte do Estado, de devolver futuramente a
importância emprestada, e tem como finalidade possibilitar o ingresso temporário de
recursos aos cofres públicos, em casos de ocorrência de guerra externa (já
acontecendo ou em sua eminência de começar); de calamidade pública e; da
necessidade de realização de investimentos públicos urgentes que atendam a um
relevante interesse nacional (art. 148 da CF/88). O fato gerador do empréstimo
compulsório é a hipótese de incidência em situação genérica prevista em lei
complementar que é tida, então, como suficiente e necessária ao nascimento da
obrigação tributária. Em relação específica ao empréstimo compulsório sobre a
energia elétrica (Eletrobrás), assunto específico deste trabalho, foi instituído pela Lei
4.156/62, com a finalidade de expansão e melhoria do setor elétrico brasileiro, para
a criação, desenvolvimento e instalação do uso de energia elétrica no país. O prazo
prescricional para a restituição das importâncias pagas a título de empréstimo
compulsório para a Eletrobrás é de cinco anos, contados da data do sorteio ou de
seu vencimento, podendo ocorrer em espécie ou ações. No caso da conversão dos
valores do empréstimo em ações, o prazo quinquenal passa a ser contado a partir
da data da assembleia que procedeu à subscrição. (Art..4º, § 11 - 4.156/62, nele
inserido pelo Decreto-Lei nº. 644/69). Frente ao exposto, após o decurso de cinco
anos, ou seja, 15 ou 25 anos após a emissão dos títulos, os direitos de resgate das
6

referidas obrigações decaíram, ou seja, tornaram-se nulos, portanto não havendo a


possibilidade de negócios com o mesmo. O problema é que a maior parte dessas
empresas que contribuíram não resgatou, seja por desconhecimento de que haveria
a necessidade de ajuizar ação para garantir a devolução, ou por ter seu corpo de
acionistas ou proprietários modificados ao longo dos anos, tendo o último prazo para
ajuizamento de ação vencido em 30 de junho de 2010. Ainda assim muitas são as
ações movidas para resgatar ou tentar utilizar as ações da Eletrobrás como garantia
fiscal. Porém, ainda que o empréstimo compulsório seja considerado um crédito
tributário, o uso do crédito não serve para a quitação de tributos, pois, de acordo
com o STF não tratar-se-á de debêntures e, portanto, não podem ser utilizados para
a garantia de execução fiscal. O que convém expor é que a intepretação sobre o
prazo prescricional do STF mudou ao longo dos anos, podendo ainda dita discussão
perdurar por longos e longos anos.

6 OBJETIVOS

6.1 OBJETIVO GERAL

Analisar e estudar comparativamente os argumentos atualmente utilizados pelo


Poder Judiciário brasileiro para deferir ou indeferir a possibilidade de Empresas
credoras de Créditos do Empréstimo Compulsório da Eletrobrás, darem estes
créditos como garantia em processos de execuções fiscais.

6.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Amplificar a linha de Estudos sobre Execuções Fiscais e suas


respectivas garantias;
 Coletar a jurisprudência nos tribunais estaduais sobre o tema, etc.
7

7 EMBASAMENTO TEÓRICO

Júlio César Zanluca (2005, p. 9) resume o conceito de tributo da seguinte


forma: “é a colaboração obrigatória do indivíduo, da empresa, da instituição para a
manutenção do ESTADO, aqui entendido como o ente tributante”. Naturalmente, o
direito de tributar não é um direito de explorar, de punir ou de alhear o contribuinte
do seu direito de escolha.

Paulo Carvalho de Barros e Silva (2007) leciona que a lei não tem o costume
de conceituar, mas o fez de maneira excepcional, conforme art. 3º do Código
Tributário Nacional (CTN), como segue in verbis:

Art. 3º Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em


moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua
sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante
atividade administrativa plenamente vinculada.

Deste modo Aliomar Baleeiro (2002) conclui que o tributo é um dever


fundamental de prestação pecuniária (em dinheiro), podendo-se, em casos
específicos ser pago por meio de bens imóveis, conforme art. 156, XI, do CTN;
sendo obrigatório, ou seja, a manifestação de vontade é irrelevante; proveniente de
fato gerador1.

Nicácio (apud Erno SCHNORRENBERGER, 2001, p.44) afirma que “o tributo


é o instrumento mais contundente do Estado para intervir na economia”. De fato, a
premissa é verdadeira. Basta analisar que o objetivo da tributação não é
exclusivamente fiscalizadora. Nicácio (apud SCHNORRENBERGER 2001, p.44) cita
também que: “cabe, ainda, ressaltar que, se a finalidade principal do tributo é
financeira, isto é, suprir o Estado de recursos, pode ele também ter finalidades
extrafiscias, visando um objetivo econômico ou sócia

1
O fator gerador indica a ocorrência de um comportamento que rende margem ao
nascimento da obrigação tributária
8

7.1 DEFINIÇÃO DE TERMOS: TRIBUTO, EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO,


ELETROBRÁS, PRESCRIÇÃO, COMPENSAÇÃO.

7.2 TEORIA DE BASE:

Tratar-se-á de um tributo que tem a finalidade de possibilitar o ingresso temporário


de recursos aos cofres públicos, havendo a obrigação, por parte do Estado, de
restituir futuramente a importância emprestada (AMARO, 2006).

O empréstimo compulsório foi instituído pela Constituição Federal de 1988,


sendo que o art. 148 determina em que situações cabem o recolhimento obrigatório,
como segue in verbis:

Art. 148. A União, mediante lei complementar, poderá instituir


empréstimos compulsórios:
I - para atender a despesas extraordinárias, decorrentes de
calamidade pública, de guerra externa ou sua iminência;
II - no caso de investimento público de caráter urgente e de
relevante interesse nacional, observado o disposto no art. 150,
III, "b".
Parágrafo único. A aplicação dos recursos provenientes de
empréstimo compulsório será vinculada à despesa que
fundamentou sua instituição.

Pelo exposto o referido artigo define apenas três situações permissivas de


criação dos empréstimos compulsórios: nos casos de ocorrência de guerra externa
(já acontecendo ou em sua eminência de começar); de calamidade pública e; da
necessidade de realização de investimentos públicos urgentes que atendam a um
relevante interesse nacional.

Este tributo é o único que gera restituição do valor pago, tanto é que é pago a
titulo de “empréstimo”, e ligado apenas a situações de urgência e emergência que,
portanto, não ocorrem sempre. Por isso Hugo de Brito Machado (2008) afirma que
9

empréstimos compulsórios são tributos emergenciais, eventuais, não definitivos


(temporários, precários), e, ainda, restituíveis.

O Art. 149 da CRFB/88 determina que compete exclusivamente à União


instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse
das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas
respectivas áreas.

Ademais, o empréstimo compulsório só pode ser instituído mediante lei


complementar, não se admitindo lei ordinária para tal criação. Por isso é
expressamente vetado o uso de medida provisória, ainda que se tenha relevância e
urgência, conforme proibição disposta no art.62,§1º, III, o qual veda uso de medidas
provisórias em toda e qualquer matéria reservada a lei complementar.

8 METODOLOGIA

8.1 MÉTODO DE ABORDAGEM

Método de abordagem dedutiva (do geral para o específico).

8.2 TÉCNICAS DE PESQUISA

Revisão bibliográfica; coleta de jurisprudência; análise de conteúdo de


argumentos jurisprudenciais.
10

9 CRONOGRAMA

ATIVIDADES MAR ABR MAIO JUN AGO SET OUT NOV

Escolha do tema
e do orientador
Encontros com o
orientador

Pesquisa
bibliográfica
preliminar
Leituras e
elaboração de
resumos

Elaboração do
projeto

Entrega do
projeto de
pesquisa
Revisão
bibliográfica
complementar
Coleta de dados
complementares
Redação da
monografia
Revisão e
entrega oficial do
trabalho
Apresentação do
trabalho em
banca

10 PROPOSTA DE SUMÁRIO PARA O TCC II


11

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ........................................................ Erro! Indicador não definido.


1. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS ................................. Erro! Indicador não definido.
1.1 Conceito de Tributo.................................... Erro! Indicador não definido.
1.2 Espécies de tributos................................... Erro! Indicador não definido.
1.2.1 Impostos .............................................. Erro! Indicador não definido.

1.2.2 Taxas ................................................... Erro! Indicador não definido.

1.2.3 Contribuições ....................................... Erro! Indicador não definido.

1.2.4 Empréstimos compulsórios .................. Erro! Indicador não definido.

1.2.5 Contribuições Sociais .......................... Erro! Indicador não definido.

1.2 Natureza jurídica dos tributos .................... Erro! Indicador não definido.
1.3 Empréstimo Compulsório como forma de espécie de tributoErro! Indicador
não definido.
2. CONSTITUIÇÃO E EXTINÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIOErro! Indicador não
definido.
2.1 Crédito Tributário ...................................... Erro! Indicador não definido.
2.2 Hipótese de Incidência Tributária e Fato GeradorErro! Indicador não
definido.
2.3 Constituição do Crédito Tributário............. Erro! Indicador não definido.
2.4 Suspensão do Crédito Tributário .............. Erro! Indicador não definido.
2.4 Extinção do crédito tributário .................... Erro! Indicador não definido.
3. CRÉDITO DA ELETROBRAS - COMPENSAÇÃO E PRESCRIÇÃO ..... Erro!
Indicador não definido.
3.1 Histórico do Empréstimo Compulsório ...... Erro! Indicador não definido.
3.2 Da Compensação ...................................... Erro! Indicador não definido.
3.3 Da Prescrição ............................................ Erro! Indicador não definido.
CONCLUSÃO ......................................................... Erro! Indicador não definido.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....................... Erro! Indicador não definido.

11 REFERÊNCIAS
12

AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro. 12ª ed. rev. e atual. São Paulo:
Saraiva, 2006.

AMED, F. J.; NEGREIROS, P. J. L. de Campos. História dos tributos no Brasil.


São Paulo: SINAFRESP, 2000.

ATALIBA, Geraldo. Hipótese de Incidência Tributária. São Paulo: Malheiros, 5 ª


ed., 1999.

ÁVILA, Humberto. Imposto sobre a Prestação de Serviços de Qualquer


Natureza. Exportação de serviços. Lei Complementar n.º 116/2003. Isenção:
requisitos e alcance. Conceitos de “desenvolvimento” de serviço e “verificação” do
seu resultado. Revista Dialética de Direito Tributário, n. 134, p. 101-109, nov. 2006.

BALEEIRO, Aliomar. Direito Tributário Brasileiro. 11ª ed., Rio de Janeiro,


Forense, 1999.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Financeiro e Tributário. 9ª ed. São


Paulo: Celso Bastos Editor, 2005.

BECKER, Alfredo Augusto. Teoria Geral do Direito Tributário. 3. ed. São Paulo:
Lejus, 1998.

BRASIL, Código Tributário Nacional. Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e


institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios,
1966.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.


Brasília: Senado Federal, 2007.

BRASIL, Decreto-Lei N 1.512, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1976. Regulamento.


Altera a legislação do empréstimo compulsório instituído em favor da Centrais
Elétricas Brasileiras S.A. ELETROBRÁS e dá outras providências.

BRASIL, Lei nº 7.181, de 20 de Dezembro de 1983. Prorroga a vigência do


empréstimo compulsório instituído em favor das Centrais Elétricas Brasileiras S.A. -
ELETROBRÁS, e dá outras providências.

BRASIL, Lei nº 4.156 de 28 de Novembro de 1962. Altera a legislação sobre o


Fundo Federal de Eletrificação e dá outras providências.

CASSONE, Vitório. Direito Tributário. 17ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

DE BARROS E SILVA, Paulo Carvalho. Curso de Direito Tributário. 19ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2007.
13

FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade Tributária. 9ª. Ed., São Paulo: Atlas,
2005.

MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 29 ed., São Paulo:


Malheiros, 2008.

MARTINS, Ives Gandra. Sistema Tributário na Constituição de 1988. 5. ed. São


Paulo: Saraiva, 1998.

MORAES, Bernardo Ribeiro de. Compêndio de Direito Tributário. Rio de Janeiro:


Forense, 1999.

OLIVEIRA, Luis Martins. Direito Tributário. 2.ed., São Paulo: Atlas, 2003.

PAULSEN, Leandro. Direito Tributário: Constituição de Código tributário a Luz a


Doutrina e da jurisprudência. 5º.Ed., Porto Alegre: Esmafe, 2003.

SCHNORRENBERGER, Erno. Competitividade em Igualdade de Condições: A


Influência do Planejamento Tributário na Cadeia de Valores. 2001. Dissertação
de Mestrado – UFSC. Disponível em http://eps.ufsc.br. Acesso em: 10 out. 2013.

SILVEIRA, José Neri. Parecer - Prazo de prescrição em empréstimo


compulsório instituído em favor de sociedade de economia mista, 2009.
Disponível em

: http://www.edisonsiqueira.com.br/informe/parecer_eletrobras.pdf. Acesso em 01
out 2013.

TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito Financeiro e Tributário. Rio de Janeiro:


Renovar, 2004.

ZANLUCHI, César Mauricio. Apostila do curso de direito tributário I, 2013.

ZANLUCA, Júlio César. História do direito tributário, 2005. Disponível em:


<http://www.portaldedireito.com.br/tematicas/historia.htm>. Acesso em: 11 out 2013.