Você está na página 1de 4

Universidade Federal de Santa Maria

Centro de Ciências Sociais e Humanas


Departamento de Ciências Sociais
Cursos de Ciências Sociais

ISP 1167 - SOCIOLOGIA RURAL PARA CIÊNCIAS SOCIAIS A


Dia: terça-feira Horário: 19:00 – 23:00

Prof. Dr. Everton Picolotto, e-mail: everton.picolotto@ufsm.br

OBJETIVOS
Tratar das principais abordagens da teoria sociológica clássica e contemporânea elaboradas para
compreender as sociedades agrárias e seu processo de modernização. Compreender o processo de
formação da estrutura agrária e o processo de modernização da agricultura brasileira. Analisar as
questões sociais relevantes do "mundo rural" brasileiro. Identificar os principais atores sociais e políticos
rurais e as suas diferenças. Compreender as dinâmicas do meio rural contemporâneo, em especial as que
afetam à agricultura familiar e camponesa no Brasil.

METODOLOGIA DE ENSINO
Aulas expositivas dialogadas, leitura de textos recomendados e apresentação de seminários pelos alunos.
A cada encontro o professor introduzirá o tema e os autores a serem tratados e a seguir se fará a
apresentação do seminário e o debate de cada um dos textos indicados. A leitura prévia dos textos é
absolutamente fundamental. Poderão ser realizadas aulas a distância.
Em cada aula poderá ser solicitado que os alunos façam observações críticas sobre os textos em questão.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM


Avaliação 1: - Prova. Será realizada uma prova descritiva de conhecimentos. Será observado o domínio
teórico dos temas abordados, a qualidade da argumentação e organização das respostas. Peso: 7,0
- Apresentação seminário e participação em aula. Será observado o domínio do conteúdo do texto
apresentado, a qualidade da argumentação e a organização do aluno ou grupo. Peso: 3,0
Avaliação 2: - Trabalho Final: construção de um artigo acadêmico. Será observado o domínio teórico do
tema abordado, a qualidade argumentativa, organização do texto e entrega no prazo estipulado. Peso: 10.

PROGRAMA DE AULAS

I – Problemática da Sociologia Rural


Aula 1 (12/03) – Apresentação do programa, dos critérios norteadores da disciplina e das avaliações.
Problematização sobre o rural brasileiro contemporâneo. Dados do Censo Agropecuário do IBGE - 2017 e
do caderno Conflitos no Campo da CPT - 2017.

Bibliografia auxiliar:
VEIGA, José Eli da. Cidades Imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Editores Associados,
2002. Cap: Cidades imaginárias e O Brasil é menos urbano do que se calcula.
WANDERLEY, Maria N. B. O mundo rural como espaço de vida. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009. A emergência de uma
nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas: o “rural” como espaço singular a ator coletivo, pp. 203-250.
MARTINS, José de S. (org.). Introdução crítica a sociologia rural. São Paulo Hucitec, 1981. Introdução, pp. 11-38.
JOLLIVET, Marcel. A “vocação atual” da sociologia rural. Estudos Sociedade e Agricultura. n.11, out. 1998, pp. 5-25.

II– Teorias sociais e os processos sociais rurais: dilemas clássicos


Aula 2 (19/03) – ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo:
Hucitec, 1992. Cap. 1 – O saco de batatas, pp.33-49.
MARX, Karl; MALAGODI, Edgard. A correspondência de Marx com Vera Sassulitch. Raízes, v. 22, nº 02,
2003, p. 10–14.

Bibliografia auxiliar:
MARX, K. O capital. 30ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012 (livro 1, vol. 2). A chamada acumulação
primitiva, pp. 825-862.
MARX, K. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011. Cap. Formas que precederam a produção capitalista, pp. 388-423.
MARX, K. O dezoito de Brumário de Louis Bonaparte. São Paulo: Centauro, 2006. Cap. 7, pp. 127-144.
LÊNIN, V. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. São Paulo: Abril, 1982. Cap. 1 – Os erros teóricos dos
economistas populistas, pp. 13-16; Conclusões do capítulo II, pp. 112-121.
KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo: Nova Cultura, 1986. Cap. VI – O grande e o pequeno estabelecimento de
exploração agrícola, pp. 87-108.
SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações: o velho e o novo em uma discussão
marxista. Revista NERA, v. 8, n. 7 – jul/dez., 2005. Pp. 1-21.

Aula 3 (26/03) - ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo:
Hucitec, 1992. Cap. 2 – Diferenciação ou identidade: quando o saco de batatas para em pé, pp. 51-77.
CHAYANOV, A; CARVALHO, H. M (Org.). Chayanov e o campesinato. São Paulo: Expressão Popular, 2016.
(capítulo a definir)

Bibliografia auxiliar:
CHAYANOV, A. A Teoria das Cooperativas Camponesas. Porto Alegre, Ed. UFRGS, 2017.
CHAYANOV, A. Teoria dos sistemas económicos não capitalistas. Análise social, v. 12, n. 46, 1976, pp. 477-502.
CHAYANOV, A. La Organización de la Unidad Económica Campesina. Buenos Aires: Nueva Visión, 1974. Introducción,
pp. 25-45.
SEVILLA GUSMÁNN, Eduardo; GONZÁLEZ DE MOLINA, Manuel. Sobre a evolução do conceito de campesinato. São
Paulo: Expressão Popular, 2005.
WANDERLEY, Maria N. B. O mundo rural como espaço de vida. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009. Em busca da
modernidade social: uma homenagem a Alexander V. Chayanov, pp.137-154.
PLOEG, Jan D. van der. Sete teses sobre a agricultura camponesa. Agriculturas, Edição Especial, 2009, pp.17-31.

Aula 4 (02/04) WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. Capitalismo e sociedade
rural na Alemanha, pp. 413-437.

Bibliografia auxiliar:
WEBER, M. A situação dos trabalhadores rurais da Alemanha nas províncias do Além – Elba – 1892 In: José Graziano
da Silva e Verena Stolcke (orgs.) A questão agrária. São Paulo: Brasiliense, 1981.
MARTINS, Rodrigo Constante. (Novas)Ruralidades e teoria social: um olhar weberiano sobre a noção de território.
34º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, MG, 2010, pp.1-22.
FAORO, Raymundo. Os donos do Poder: formação do patronato político brasileiro. 10 ed. São Paulo: Globo, 2000.
LEAL, Vitor Nunes. Coronelismo Enxada e Voto: o município e o regime representativo no Brasil. 3º ed. São Paulo: ed.
Nova Fronteira; 1997.

III – Questão agrária, modernização e desenvolvimento do capitalismo no Brasil


Aula 5 (09/04) – PRADO JR., Caio. A questão agrária. São Paulo: Brasiliense, 1979. Cap. 1 – Contribuição
para análise da questão agrária no Brasil, pp. 15-85.

Bibliografia complementar:
GUIMARÃES, Alberto P. Quatro séculos de latifúndio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968. Cap. VI – A formação da
pequena propriedade: intrusos e posseiros, pp. 105-120.
PRADO JR., C. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. Sentido da colonização,
pp. 13-29; Grande lavoura, pp. 135-164.
HOLANDA, Sergio B. Raízes do Brasil. 26ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
DELGADO, Guilherme C. A Questão Agrária no Brasil, 1950-2003. In: JACCOUD, Luciana (org.). Questão social e
políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília: IPEA, 2005. pp. 51-61.

Aula 6 (16/04) - FERNANDES, Florestan. Anotações sobre o capitalismo agrário e mudança social no
Brasil. In: Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento. 5 ed. São Paulo: Global, 2008, p.171-189.
QUEIROZ, Maria I. P. Uma categoria rural esquecida. [1963] In: WELCH, Cliffort et al. (org.) Camponeses
brasileiros: leituras e interpretações clássicas. São Paulo: UNESP, 2009. pp.57-72.

Bibliografia auxiliar:
GORENDER, J. Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro. In: STÉDILE, João Pedro (Org.). A
questão agrária hoje. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 1994.
CÂNDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito. 9ª ed. São Paulo: Editora 34, 2001. As formas da solidariedade, pp. 87-102.
GARCIA JR, Afrânio. O Sul: caminho do roçado. São Paulo: Ed. Marco Zero/UNB, 1989.
Aula 7 (23/04) – DOMINGUES, José M. A dialética de modernização conservadora e a nova história do
Brasil. In: Ensaios de Sociologia: teoria e pesquisa. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004, pp. 187-208.

Bibliografia auxiliar:
MOORE JR, Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia: senhores e camponeses na construção do
mundo moderno. Lisboa: Edições 70, 2010. Parte III, pp. 429-99.
GARCIA JR., Afrânio. Os vice-reis do Norte: reconversão de elites agrárias e a
Revolução de 1930 (1920-1964). Ciências Sociais, n. 2 (28), 2007, pp.73-87.
KAY, C. Los paradigmas del desarrollo rural en América Latina. En: PASCUAL, F. GARCIA (coordinador). El Mundo
Rural en la Era de Globalización: incertidumbres y posibilidades. Madrid: Ministerio de Agricultura, Pesca y
Alimentación y Lleida, 2002, pp.337-429.
PICCIN, Marcos B. Os senhores da terra e da guerra no Rio Grande do Sul: um estudo sobre as estratégias de
reprodução social do patronato rural estancieiro. Tese de doutorado. Campinas, Unicamp. 2012.
VELHO, Otávio G. Capitalismo autoritário e campesinato. Editora Difel, 1979.

Aula 8 (30/04) – PALMEIRA, Moacir. Modernização, Estado e Questão Agrária. Estudos Avançados. São
Paulo, 1999, p. 87-108.
HEREDIA, B.; PALMEIRA, M.; LEITE, S. Sociedade e economia do “agronegócio” no Brasil. Revista Brasileira
de Ciências Sociais, v. 25, n.74, out. 2010.

Bibliografia auxiliar:
GRAZIANO DA SILVA , José. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no
Brasil. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1982.
LEITE, Sérgio P.; ÁVILA, Rodrigo V. Reforma agrária e desenvolvimento na América Latina: rompendo com o
reducionismo das abordagens economicistas. RER, v. 45, n. 03, p. 777-805, 2007.
MARTINE, George; GARCIA, Ronaldo C. Impactos sociais da modernização da agrícola. São Paulo: Ed. Caetés, 1987.
Cap. 4 – Êxodo rural, concentração urbana e fronteira agrícola. Pp. 59-78.
BRUM. Modernização da agricultura: trigo e soja. Petrópolis: Vozes, 1988. Cap. 4 – A revolução verde, Pp. 44-50; Cap.
6 – Modernização da agricultura no Planalto Gaúcho, pp. 56- 89.

Aula 9 (07/05) - Avaliação 1 – Prova parcial

IV – Campesinato, agricultura familiar e movimentos sociais do campo,


Aula 10 (14/05) – WANDERLEY, Maria N. B. O mundo rural como espaço de vida. Porto Alegre: Ed. UFRGS,
2009. Apresentação, pp. 12-17; Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidades, pp. 185-
200.
FERNANDES, Bernardo M. Questão agrária e capitalismo agrário: o debate paradigmático de modelos de
desenvolvimento para o campo. Reforma Agrária, ano 35, v 01 n. 02, 2014, pp.41-53.

Bibliografia auxiliar:
LAMARCHE, H. (Org.). A agricultura familiar: comparação internacional - Uma realidade multiforme. Campinas:
Unicamp, 1993. (v.1). Introdução geral. pp. 13-32.
GUANZIROLI, Carlos el al. Agricultura familiar e reforma agrária no século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.
MEDEIROS, Leonilde S. “Sem terra”, “assentados”, “agricultores familiares”: considerações sobre os conflitos sociais
e as formas de organização dos trabalhadores rurais brasileiros. In: GIARRACCA, N. (org.) ¿Una nueva ruralidad en
América Latina? Buenos Aires: CLACSO, 2001.
PICOLOTTO, Everton L. Os atores da construção da categoria agricultura familiar no Brasil. Revista de Economia e
Sociologia Rural, v. 52, p. 63-84, 2014.

Aula 11 (21/05) – MEDEIROS, Leonilde S. Luta por reforma agrária no Brasil contemporâneo: entre
continuidades e novas questões. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. (Org.). Políticas públicas de desenvolvimento
rural no Brasil. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2015, v. 1, p. 339-359.
PICOLOTTO, Everton L. Pluralidade sindical no campo? Agricultores familiares e assalariados rurais em
um cenário de disputas. Lua Nova, 2018.

Bibliografia auxiliar:
PALMEIRA, Moacir. A diversidade da luta no campo: luta camponesa e diferenciação do campesinato. In: Vanilda
Paiva. (Org.). Igreja e questão agrária. São Paulo: Loyola, 1985, pp. 43-51.
CARTER, M. Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2010.
MEDEIROS, Leonilde S. História dos movimentos sociais do campo. Rio de Janeiro: FASE, 1989.
PICOLOTTO, Everton L.; MEDEIROS, Leonilde. A formação de uma categoria política: os agricultores familiares no
Brasil contemporâneo. In: BERGAMASCO, Sônia P.P. (org.) Agricultura Familiar Brasileira: desafios e perspectivas de
futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2017.
FAVARETO, Arilson. S. Agricultores, trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil. Revista
brasileira de ciências sociais, v. 21 n. 62 out. 2006.

V – Mudança social e as relações de gênero e geração no rural moderno


Aula 12 (28/05) - BOURDIEU, Pierre. O camponês e seu corpo. Revista de Sociologia e Política, n. 26, p. 83-
92, 2006.
CASTRO, Elisa G. Juventude rural no Brasil: processos de exclusão e a construção de um ator político.
Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud. Manizales, v. 7, n. 1, 2009.

Bibliografia auxiliar:
BOURDIEU, Pierre. El baile de los solteros. Barcelona: Anagrama, 2004.
BOURDIEU, Pierre. Terras e estratégias matrimoniais. In: O senso prático. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2009.
BOURDIEU, Pierre. A juventude é apenas uma palavra. In: BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Lisboa: Fim de
século Edições, 2003.
GUARANÁ DE CASTRO, Elisa. Juventude rural: “apenas uma palavra” ou “mais que uma palavra”. XXIX Encontro
Anual da ANPOCS, 2005.
MARIN, Joel O. B. Juventud rural: una invención del capitalismo industrial, Estudios Sociológicos, v. XXVII: 80, 2009.

Aula 13 (04/06) PAULILO, Maria I. Mulheres rurais: quatro décadas de diálogo. Florianópolis: Editora da
UFSC, 2016. Cap. O peso do trabalho leve, pp. 105-115.
AGUIAR, Vilenia V. P. Mulheres rurais, movimento social e participação: reflexões a partir da Marcha das
Margaridas. Política & Sociedade, Vol. 15 - Edição Especial – 2016.

Leitura complementar:
MENDRAS, Henri. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. Introdução e Caps. 1-5, pp. 11-132.
SCOTT, Parry. Gênero e geração em contextos rurais: algumas considerações. In: SCOTT, Parry; MENEZES, Marilda
A.; CORDEIRO, Rosineide. Gênero e Gerações em contextos rurais. ed. Porto Alegre: Editora das Mulheres, 2010,
pp.15-33.
PAULILO, Maria I. S. Movimentos das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da “igualdade de gênero”. In:
Fernandes, B. et al. Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas. São Paulo: Unesp, 2009. Vol.
II, pp. 179-201.
SILVA, Maria A. de Moraes. Mulheres trabalhadoras rurais: trajetórias e memórias. Ruris, v. 4, p. 13-44, 2012.

VI – Questões ambientais e alimentares


Aula 14 (11/06) – BARBOSA, Lívia. A ética e a estética na alimentação contemporânea. In: Cruz, F. T. da;
Matte, A. e Schneider, S. (Orgs.). Produção, consumo e abastecimento de alimentos. Porto Alegre: Ed.
UFRGS, 2016, p. 95-123.
BRANDENBURG, Alfio. Os novos atores da reconstrução do ambiente rural no Brasil: o movimento
ecológico na agricultura. Estudos Sociedade e Agricultura (UFRRJ), v. 19, 2011. pp. 126-148.

Bibliografia auxiliar:
BRANDENBURG, A. Movimento agroecológico: trajetória, contradições e perspectivas. Desenvolvimento e Meio
Ambiente, n. 6, p.11 - 28, 2003.
GUIVANT, Julia S. Sociologia do Meio Ambiente Rural: hibridismo da Sociologia Ambiental com a Sociologia Rural. In:
MARTINS, Carlos B.; MARTINS, Heloisa. H. T. S. (Coords.). Horizontes das ciências sociais no Brasil: Sociologia. São
Paulo: ANPOCS, 2010. p.375-403.
BARBOSA, L. Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Revista Horizonte Antropológico.
Porto Alegre, v. 13, n. 28, 2007.
BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. O estudo do consumo nas ciências sociais contemporâneas. In: BARBOSA, Lívia e
CAMPBELL, Colin (Orgs.). Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
MENASCHE, R. O ato de comer enquanto prática política. IHU On-Line, v. XIV, p. 31-34, 2014.
MENASCHE, R. Saberes e sabores da colônia: alimentação e cultura como abordagem para o estudo do rural. Porto
Alegre: Ed. UFRGS, 2015.
PORTILHO, F. e BARBOSA, L. A Adesão à “causa” rural e da agricultura familiar por consumidores e seus movimentos
organizados. In: Marques, F.; Conterato, M. e Schneider, S. (Orgs.). Construção de Mercados para a agricultura
familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2016, p. 251-273.

Aula 15 (18/06) – Avaliação Final – entrega do artigo.