Você está na página 1de 16

A Solução para a Crise do Mundo Feudal e o Início da Era Moderna

Professor: Gilmar Rodrigues


 Baixa Idade Média: reinos (geralmente de curta duração)
resultantes da fusão entre as sociedades romana e germânica.
Por volta do século X, os reinos estavam territorialmente
fragmentados em feudos e politicamente descentralizados; o rei
tinha poder "de direito, mas não de fato".

 Feudalismo: obstáculos à expansão do comércio: pluralidade


de moedas, multiplicidade de alfândegas e impostos,
diversidade de leis, falta de segurança.

 Crise do Feudalismo: a fome, a peste e as guerras.


Centralização política com o objetivo de superar
a grande crise e a instabilidade do final da
Idade Média, com a criação dos Estados-
Nacionais (Monarquias Nacionais).
Os monarcas visavam recuperar o poder que havia sido
fragmentado com a construção dos feudos e a
concentração do poder nas mãos dos senhores feudais.
Os grupos senhoriais (nobreza) optaram pela
centralização para conseguir manter os privilégios que
lhes restavam.
 A classe burguesa apoiou a centralização com
interesse na unificação dos padrões monetários, pesos
e medidas.
Absolutismo: poder absoluto concentrado nas mãos
dos reis.
Delimitação Territorial.
Unificação de padrões monetários.
Criação de um Exército Nacional.
Criação de um Justiça Real.
Sistema unificado de cobrança de impostos.
Portugal: século XII
Espanha: século XV
Inglaterra: século XV
França: século XV
 Os reinos de Leão, Castela, Navarra e Aragão juntaram forças
para uma longa guerra contra os mouros que haviam
conquistado a Península Ibérica desde o século VIII.
 Os reinos participantes desta guerra buscaram o auxílio do
nobre francês Henrique de Borgonha que, em troca, recebeu
terras do chamado condado Portucalense.
 Após a morte de Henrique de Borgonha, seu filho, Afonso
Henriques, lutou pela autonomia política do condado.
 O estado monárquico de Portugal foi o primeiro a se formar e se
consolidou com a dinastia de Avis no poder com uma aliança
com a burguesia.
Mapa demonstrando a formação de Portugal e Espanha, do século XI ao XIII
O processo de unificação da Espanha esteve também
intimamente ligado à Reconquista, isto é, à guerra contra
o domínio dos mouros na Península Ibérica.
 A formação de Espanha ocorreu com a união de dois
reinos ocasionada pelo casamento de Fernando de Aragão
e Isabel de Castela.
 A integridade territorial da Espanha foi obtida com a
expulsão dos mouros de Granada, em 1492.
 Guerra dos Cem Anos (1337-1453): a maior guerra europeia
medieval entre os nobres dos territórios ingleses e franceses.
 O longo período de guerras enfraqueceu bastante a nobreza
francesa, porque, à medida que os nobres morriam, seus
feudos iam passando para o domínio do rei, debilitando o
sistema feudal.
 A guerra possibilitou a construção de uma identidade
nacional entre os ingleses e principalmente entre os
franceses.
 O grande vencedor do conflito foram os reis, que se
impuseram definitivamente sobre os senhores feudais
arruinados pela guerra.
Curiosidades:
 A pólvora foi pela primeira vez utilizada como arma em
combate na Europa nos campos de Crecy, pelas tropas inglesas.
O pedreiro causava mais ruído do que estragos materiais, mas
foi eficiente para assustar a cavalaria francesa.
 Joana d'Arc, heroína francesa no conflito, quase cinco séculos
após a sua execução na fogueira por suposta prática de
feitiçaria, foi canonizada pela Igreja Católica, em 1920, como
Santa Joana d'Arc. Deve-se, no entanto, recordar que, já em
1456, Joana foi declarada inocente pelo Papa Calisto III,
confirmando que a Igreja da Inglaterra, nesse julgamento, agiu
por conta própria, por pressão dos ingleses e interesses
políticos.
As novas monarquias mantiveram a organização
social da Idade Média, do chamado Antigo
Regime, mantendo diversos privilégios e o
poder nas mãos da nobreza e do clero.
Itália e Alemanha: a unificação do território
só acontece no século XIX.
Conceito: política econômica adotada pelas
recém-formadas monarquias nacionais com o
objetivo de acumular capitais e fortalecer a
economia dos novos regimes.
Práticas mercantilistas:
 Defesa da balança comercial favorável.
 Protecionismo alfandegário.
 Metalismo: acumulação de outro e prata.
 Estímulo à agricultura e às manufaturas.
 Colonialismo: exploração dos territórios conquistados
através do Pacto Colonial (monopólio comercial).
Teoria do Direito Divino dos Reis
 Jean Bodin
 Jacques Bossuet
Teoria do Contratualismo:
 Thomas Hobbes
 Nicolau Maquiavel